SlideShare uma empresa Scribd logo
Gestão de resíduos: uma 
atividade de gestão 
ambiental.
Histórico das questões ambientais. 
- SÉCULO XIX 
1869 Ernst Haeckel, propõe o 
vocábulo “ecologia” para os estudos 
das relações entre as espécies e seu 
ambiente. 1872 Criação do primeiro 
parque nacional do mundo 
“Yellowstone”, USA
Século XX 
1968 Fundação do Clube de Roma 1968 Manifestações 
de Maio de 68 na França. 
• Propôs crescimento econômico zero e influenciou, 
de maneira decisiva, o debate na conferência de 
Estocolmo. 
• Crítica: intelectuais dos países subdesenvolvidos 
manifestaram-se de forma crítica. Assim levantaram 
a tese de que as sociedades ocidentais, depois de um 
século de crescimento industrial acelerado, 
defendiam o congelamento do crescimento 
(desenvolvimento) com a retórica ecologista, o que 
atingia de forma direta os países pobres, que 
tendiam a continuarem pobres.
 1972 Publicação do Relatório “Os Limites do 
Crescimento” - Clube de Roma 
1972 Conferência de Estocolmo - Discussão do 
Desenvolvimento e Ambiente, Conceito de 
Ecodesenvolvimento. Recomendação 96 : Educação e 
Meio Ambiente, 1973 Registro Mundial de Programas 
em Educação Ambiental -USA 
 1989 Declaração de HAIA, preparatório da RIO 92, 
aponta a importância da cooperação internacional nas 
questões ambientais.
1992Conferencia sobre o Meio Ambiente 
e o Desenvolvimento, UNCED, Rio/92 
 Lema da ECO92: “pensar globalmente, 
agir localmente”. 
 Resultados: “Convenção da Biodiversidade”, 
a Convenção do Clima” e a “Declaração de 
Princípios sobre Florestas”. 
 Criação da Agenda 21: Cerca de 2500 
recomendações de como atingir o 
desenvolvimento sustentável no século XXI.
 1997: Protocolo de Kyoto.
 Rio+10 
 O evento, que acontece entre 26 de agosto e 4 de 
setembro em Johannesburgo (África do Sul), deve 
avaliar o progresso feito na década transcorrida 
desde a Rio92 na questão ambiental. Nos debates, 
os países revisaram as metas da Agenda 21 e se 
concentraram em áreas carentes de maior esforço 
para implementação, com um plano de ação global 
que buscaria conciliar desenvolvimento da 
sociedade e preservação do meio ambiente para as 
gerações futuras.
Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos sólidos e líquidos.
Legislação brasileira. 
Constituição Federal. 
Art. 20. Art. 20. São bens da União: 
II – as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das 
fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação 
e à preservação ambiental, definidas em lei; 
Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito 
Federal e dos Municípios: 
III – proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico, 
artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os 
sítios arqueológicos; 
VI – proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de 
suas formas; 
VII – preservar as florestas, a fauna e a flora;
Os resíduos sólidos podem 
ser classificados de acordo 
com a origem, tipo de 
resíduo, composição 
química e periculosidade .
 “Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde”: 
qualquer resto proveniente de hospitais e serviços de 
saúde como pronto-socorro, enfermarias, laboratórios 
de análises clínicas, farmácias, etc.
Resíduos sólidos e líquidos.
Um dos maiores acidentes com Césio-137 teve 
início no dia 13 de setembro de 1987, em Goiânia, 
Goiás.
 “Resíduo Domiciliar”: é bastante variável sendo 
influenciada por fatores como localização geográfica e 
renda familiar. 
 Porém, nesse tipo de resíduo podem ser encontrados 
restos de alimentos, resíduos sanitários (papel 
higiênico, por exemplo), papel, plástico, vidro, etc. 
 Atenção: alguns produtos que utilizamos e 
descartamos em casa são considerados perigosos e 
devem ter uma destinação diferente dos demais, 
preferencialmente para locais destinados a resíduos 
perigosos. Por exemplo: pilhas e baterias, cloro, água 
sanitária, desentupidor de pia, limpadores de vidro, 
fogão e removedor de manchas, aerossóis, 
medicamentos vencidos, querosene, solventes, etc.
Coleta de lixo 
residencial.
Resíduos sólidos e líquidos.
Lixão céu aberto.
LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 
2010. 
 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos 
 Art. 1o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos 
Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e 
instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à 
gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, 
incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e 
do poder público e aos instrumentos econômicos 
aplicáveis. 
 Art. 10. Incumbe ao Distrito Federal e aos Municípios a 
gestão integrada dos resíduos sólidos gerados nos 
respectivos territórios, sem prejuízo das competências de 
controle e fiscalização dos órgãos federais
Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos sólidos e líquidos.
Incineração não é a Solução
 O que é compostagem 
 Compostagem é um processo de transformação de 
matéria orgânica, encontrada no lixo, em adubo 
orgânico (composto orgânico). É considerada uma 
espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois o adubo 
gerado pode ser usado na agricultura ou em jardins e 
plantas.
Resíduos sólidos e líquidos.
 Os resíduos urbanos totais na Alemanha são tratados 
da seguinte forma: 45% são reciclados, 38% queimados 
e 17% vão para a compostagem.
Resíduos sólidos e líquidos.
Solução: Consumo sustentável!
 “Resíduo Agrícola”: são aqueles gerados 
pelas atividades agropecuárias (cultivos, criações de 
animais, beneficiamento, processamento, etc.). Podem ser 
compostos por embalagens de defensivos agrícolas, restos 
orgânicos (palhas, cascas, estrume, animais mortos, 
bagaços, etc.), produtos veterinários e etc.. 
 LEI No 9.974 - DE 6 DE JUNHO DE 2000 "Art. 19. ..... " 
 "Parágrafo único. As empresas produtoras e 
comercializadoras de agrotóxicos, seus componentes e 
afins, implementarão, em colaboração com o Poder 
Público, programas educativos e mecanismos de controle e 
estímulo à devolução das embalagens vazias por parte dos 
usuários, no prazo de cento e oitenta dias contado da 
publicação desta Lei." (AC)
DECRETO Nº 4.074, DE 4 DE JANEIRO 
DE 2002 
Regulamenta a Lei no 7.802, de 11 de julho de 
1989, que dispõe sobre a pesquisa, a 
experimentação, a produção, a embalagem e 
rotulagem, o transporte, o armazenamento, a 
comercialização, a propaganda comercial, a 
utilização, a importação, a exportação, o destino 
final dos resíduos e embalagens, o registro, a 
classificação, o controle, a inspeção e a 
fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e 
afins, e dá outras providências.
Resíduos sólidos e líquidos.
 - “Resíduo Comercial”: são aqueles produzidos pelo 
comércio em geral. A maior parte é constituída por 
materiais recicláveis como papel e papelão, 
principalmente de embalagens, e plásticos, mas 
também podem conter restos sanitários e orgânicos. 
 - “Resíduo Industrial”: são originados dos processos 
industriais. Possuem composição bastante 
diversificada e uma grande quantidade desses rejeitos 
é considerada perigosa. Podem ser constituídos por 
escórias (impurezas resultantes da fundição do ferro), 
cinzas, lodos, óleos, plásticos, papel, borrachas, etc.
 “Entulho”: resultante da construção civil e reformas.
“Resíduo Público ou de 
Varrição“ 
 “Resíduos Sólidos Urbanos” 
“Resíduos de Portos, 
Aeroportos e Terminais 
Rodoviários e Ferroviários”
 “Resíduo de Mineração”: podem ser constituídos de 
solo removido, metais pesados, restos e lascas de 
pedras, etc. 
 Uma mina, um mineroduto, um porto e muitos 
problemas. Por 525 Km, o projeto Minas-Rio, da Anglo 
American, vai unir, por meio de um mineroduto, a 
extração de minério de ferro, em Minas Gerais, ao 
porto, no Rio de Janeiro. O mineroduto é o maior do 
mundo e o complexo só espera a concessão das licenças 
de operação para começar a funcionar, o que deve 
acontecer até o fim do ano. Enquanto os tubos do 
projeto vão sendo enterrados, um rastro de insatisfação 
vai se abrindo entre os atingidos, que se sentem 
abandonados pela empresa.
Resíduos sólidos e líquidos.
Resíduos 
sólidos.
Resíduos líquidos. 
 LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. 
 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se: 
 b) esgotamento sanitário: constituído pelas atividades, 
infraestruturas e instalações operacionais de coleta, 
transporte, tratamento e disposição final adequados 
dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o 
seu lançamento final no meio ambiente; 
 III - universalização: ampliação progressiva do acesso 
de todos os domicílios ocupados ao saneamento 
básico;
https://www.flickr.com/photos/fonteslarissa/5115237627/in/photostream/ 
Este esgoto a céu aberto fica em frente a uma escola no bairro da Chã da 
Jaqueira/Maceió. As crianças convivem e brincam em contato com a sujeira.
Estação de tratamento de esgoto
Resíduos líquidos industriais.
Resíduos sólidos e líquidos.
Poluição do ar.
Professor Waender Soares 
 "Se você tem metas para um ano. Plante arroz 
Se você tem metas para 10 anos. Plante uma árvore 
Se você tem metas para 100 anos, então eduque uma 
criança 
Se você tem metas para 1000 anos, então preserve o 
meio Ambiente.” 
Confúcio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
Giulio Altoé
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
Giovanna Ortiz
 
Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industrias
Denise Marinho
 
Lei Nacional de Resíduos Sólidos
Lei Nacional de Resíduos SólidosLei Nacional de Resíduos Sólidos
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
Mayke Jhonatha
 
Preservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio AmbientePreservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio Ambiente
Pedro
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
janeibe
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Tatiani Cristina
 
Gestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administraçãoGestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administração
e-Tec
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Giovanna Ortiz
 
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de HábitosEducação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitos
carlosbidu
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
Marcos Araujo
 
Desenvolvimento sustentável
Desenvolvimento  sustentávelDesenvolvimento  sustentável
Desenvolvimento sustentável
Thais Oliveira
 
Descarte de resíduos
Descarte de resíduosDescarte de resíduos
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
Giovanna Ortiz
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
sionara14
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
Marilucia Santos
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidade
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Plano diretor de arborização urbana - Modelo
Plano diretor de arborização urbana - ModeloPlano diretor de arborização urbana - Modelo
Plano diretor de arborização urbana - Modelo
Carlos Alberto Monteiro
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos

Mais procurados (20)

Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Resíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industriasResíduos sólidos industrias
Resíduos sólidos industrias
 
Lei Nacional de Resíduos Sólidos
Lei Nacional de Resíduos SólidosLei Nacional de Resíduos Sólidos
Lei Nacional de Resíduos Sólidos
 
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOSCLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
 
Preservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio AmbientePreservação do Meio Ambiente
Preservação do Meio Ambiente
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvelMeio ambiente e desenvolvimento sustentvel
Meio ambiente e desenvolvimento sustentvel
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Gestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administraçãoGestão ambiental e administração
Gestão ambiental e administração
 
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2   introdução a qualidade ambiental qualidadeAula 2   introdução a qualidade ambiental qualidade
Aula 2 introdução a qualidade ambiental qualidade
 
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de HábitosEducação Ambiental e Mudanças de Hábitos
Educação Ambiental e Mudanças de Hábitos
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Desenvolvimento sustentável
Desenvolvimento  sustentávelDesenvolvimento  sustentável
Desenvolvimento sustentável
 
Descarte de resíduos
Descarte de resíduosDescarte de resíduos
Descarte de resíduos
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
 
Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental Aula 3 gestao ambiental
Aula 3 gestao ambiental
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidade
 
Plano diretor de arborização urbana - Modelo
Plano diretor de arborização urbana - ModeloPlano diretor de arborização urbana - Modelo
Plano diretor de arborização urbana - Modelo
 
Política Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos SólidosPolítica Nacional de Resíduos Sólidos
Política Nacional de Resíduos Sólidos
 

Destaque

Geren efluentes
Geren efluentesGeren efluentes
Geren efluentes
Nilton Goulart
 
Parecer técnico próton primusr
Parecer técnico próton primusrParecer técnico próton primusr
Parecer técnico próton primusr
Marcelo Forest
 
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidosLegislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
nucleosul2svma
 
Gt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao finalGt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao final
Procambiental
 
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Estados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscularEstados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscular
elisabete1977
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Luan Furtado
 
Residuos
ResiduosResiduos
Residuos
João Costa
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25
Gil Mendes
 
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Franklin Oliveira
 
Politica nacional de resíduos solidos apresentação
Politica nacional de resíduos solidos   apresentaçãoPolitica nacional de resíduos solidos   apresentação
Politica nacional de resíduos solidos apresentação
andersoncleuber
 
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizadaApresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
Portal Alarde - Informação Sem Maquiagem
 
Resíduos do serviço de saúde
Resíduos do serviço de saúdeResíduos do serviço de saúde
Resíduos do serviço de saúde
Jamile Silveira
 
ResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidosResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidos
senargo
 
Os diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduosOs diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduos
Raúl Freitas
 
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho -  Resíduos Sólidos da Construção CivilTrabalho -  Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Tania Barboza
 

Destaque (16)

Geren efluentes
Geren efluentesGeren efluentes
Geren efluentes
 
Parecer técnico próton primusr
Parecer técnico próton primusrParecer técnico próton primusr
Parecer técnico próton primusr
 
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidosLegislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
Legislação ambiental e a questão dos resíduos sólidos
 
Gt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao finalGt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao final
 
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
 
Estados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscularEstados físicos e agregação corpuscular
Estados físicos e agregação corpuscular
 
Tratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básicoTratamento de esgoto e saneamento básico
Tratamento de esgoto e saneamento básico
 
Residuos
ResiduosResiduos
Residuos
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25
 
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
 
Politica nacional de resíduos solidos apresentação
Politica nacional de resíduos solidos   apresentaçãoPolitica nacional de resíduos solidos   apresentação
Politica nacional de resíduos solidos apresentação
 
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizadaApresentação da política nacional de resíduos sólidos mma  atualizada
Apresentação da política nacional de resíduos sólidos mma atualizada
 
Resíduos do serviço de saúde
Resíduos do serviço de saúdeResíduos do serviço de saúde
Resíduos do serviço de saúde
 
ResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidosResíDuos SóLidos
ResíDuos SóLidos
 
Os diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduosOs diferentes tipos de resíduos
Os diferentes tipos de resíduos
 
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho -  Resíduos Sólidos da Construção CivilTrabalho -  Resíduos Sólidos da Construção Civil
Trabalho - Resíduos Sólidos da Construção Civil
 

Semelhante a Resíduos sólidos e líquidos.

Apostila residuos sólidos 2 semestre atualizada
Apostila residuos sólidos   2 semestre atualizadaApostila residuos sólidos   2 semestre atualizada
Apostila residuos sólidos 2 semestre atualizada
Santos Raimundo
 
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais FastweldResíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Carlos Eduardo Almeida Silva
 
Lixo
LixoLixo
Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01
Kelvin Oliveira
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
Proftatiane
 
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Luiz Carlos
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
cmoitinho
 
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Cra-es Conselho
 
O lixo urbano
O lixo urbanoO lixo urbano
Projeto Verde Perto
Projeto Verde PertoProjeto Verde Perto
Projeto Verde Perto
independent
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
Alex Santiago Nina
 
Saiba mais sobre o seu LIXO.
Saiba mais sobre o seu LIXO.Saiba mais sobre o seu LIXO.
Saiba mais sobre o seu LIXO.
Italo Malta
 
Residuos8ano
Residuos8anoResiduos8ano
Residuos8ano
Terceiro Calhau
 
Resíduos.pdf
Resíduos.pdfResíduos.pdf
Resíduos.pdf
RutePinho6
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Maira Teixeira
 
ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.
Simone
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
ketlinsantos
 
GEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANAGEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANA
Wanderson Benigno
 
Autor
AutorAutor

Semelhante a Resíduos sólidos e líquidos. (20)

Apostila residuos sólidos 2 semestre atualizada
Apostila residuos sólidos   2 semestre atualizadaApostila residuos sólidos   2 semestre atualizada
Apostila residuos sólidos 2 semestre atualizada
 
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais FastweldResíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos Disposição e tratamentos de residuos sólidos
Disposição e tratamentos de residuos sólidos
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
 
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
Seminário Boas Práticas - Diálogo Sustentável - Marca Ambiental - Mirela Chia...
 
O lixo urbano
O lixo urbanoO lixo urbano
O lixo urbano
 
Projeto Verde Perto
Projeto Verde PertoProjeto Verde Perto
Projeto Verde Perto
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Saiba mais sobre o seu LIXO.
Saiba mais sobre o seu LIXO.Saiba mais sobre o seu LIXO.
Saiba mais sobre o seu LIXO.
 
Residuos8ano
Residuos8anoResiduos8ano
Residuos8ano
 
Resíduos.pdf
Resíduos.pdfResíduos.pdf
Resíduos.pdf
 
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de JaneiroColeta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
Coleta Seletiva de Lixo Urbano no Rio de Janeiro
 
ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.ResíDuos Industriais.
ResíDuos Industriais.
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
GEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANAGEOGRAFIA URBANA
GEOGRAFIA URBANA
 
Autor
AutorAutor
Autor
 

Mais de Waender Soares

Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3
Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3
Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3
Waender Soares
 
Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018
Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018
Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018
Waender Soares
 
Resolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoal
Resolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoalResolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoal
Resolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoal
Waender Soares
 
Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...
Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...
Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...
Waender Soares
 
Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017
Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017 Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017
Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017
Waender Soares
 
Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.
Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.
Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.
Waender Soares
 
Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016 designação 2017
Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016  designação 2017Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016  designação 2017
Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016 designação 2017
Waender Soares
 
Resolução see inscricao e designacao 2017
Resolução see inscricao e designacao 2017Resolução see inscricao e designacao 2017
Resolução see inscricao e designacao 2017
Waender Soares
 
Ficha de filiação
Ficha de filiaçãoFicha de filiação
Ficha de filiação
Waender Soares
 
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Waender Soares
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
Waender Soares
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
Waender Soares
 
Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...
Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...
Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...
Waender Soares
 
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...
Waender Soares
 
Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.
Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.
Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.
Waender Soares
 
Projeto de lei nº 1.504/ 2015
Projeto de lei nº 1.504/ 2015Projeto de lei nº 1.504/ 2015
Projeto de lei nº 1.504/ 2015
Waender Soares
 
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Waender Soares
 
Assembleia 31 de março de 2015
Assembleia 31 de março de 2015Assembleia 31 de março de 2015
Assembleia 31 de março de 2015
Waender Soares
 
Kit Justiça 2015 Sind-UTE/MG
Kit Justiça 2015 Sind-UTE/MGKit Justiça 2015 Sind-UTE/MG
Kit Justiça 2015 Sind-UTE/MG
Waender Soares
 
Pauta de reivindicacões 2014
Pauta de reivindicacões 2014 Pauta de reivindicacões 2014
Pauta de reivindicacões 2014
Waender Soares
 

Mais de Waender Soares (20)

Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3
Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3
Kit justiça 2021 sind-utemg-v2-3
 
Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018
Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018
Ficha de-filiacao-rede-estadual-2018
 
Resolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoal
Resolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoalResolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoal
Resolucao see n 4.112 de 07 de janeiro de 2019 quadro de pessoal
 
Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...
Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...
Kit Justiça - 2018 SIND-UTE/MG. Principais ações propostas pelo Departamento ...
 
Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017
Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017 Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017
Resolução see nº 3205, de 26 dezembro de 2016 - Quadro de pessoal 2017
 
Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.
Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.
Oficio circular sbsee nº208 16 reposição.
 
Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016 designação 2017
Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016  designação 2017Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016  designação 2017
Reso lução see nº 3 .118, de 17 de nov embro de 2016 designação 2017
 
Resolução see inscricao e designacao 2017
Resolução see inscricao e designacao 2017Resolução see inscricao e designacao 2017
Resolução see inscricao e designacao 2017
 
Ficha de filiação
Ficha de filiaçãoFicha de filiação
Ficha de filiação
 
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
Informa 133 Sind-UTE/MG Campanha salarial 2016.
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
 
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
RESOLUÇÃO SEE Nº 2836, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015
 
Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...
Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...
Orientação para concessão de afastamento em férias-prêmio dos servidores da S...
 
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PUBLICA LISTA COM MAIS DE 17 MIL PROMOÇÕES D...
 
Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.
Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.
Resolução 2784 - 24 de julho 2015 Reposicionamento de certificação.
 
Projeto de lei nº 1.504/ 2015
Projeto de lei nº 1.504/ 2015Projeto de lei nº 1.504/ 2015
Projeto de lei nº 1.504/ 2015
 
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
Governo do estado apresenta nova proposta ao sind-UTE/MG no dia 17 de abril d...
 
Assembleia 31 de março de 2015
Assembleia 31 de março de 2015Assembleia 31 de março de 2015
Assembleia 31 de março de 2015
 
Kit Justiça 2015 Sind-UTE/MG
Kit Justiça 2015 Sind-UTE/MGKit Justiça 2015 Sind-UTE/MG
Kit Justiça 2015 Sind-UTE/MG
 
Pauta de reivindicacões 2014
Pauta de reivindicacões 2014 Pauta de reivindicacões 2014
Pauta de reivindicacões 2014
 

Último

gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
 

Resíduos sólidos e líquidos.

  • 1. Gestão de resíduos: uma atividade de gestão ambiental.
  • 2. Histórico das questões ambientais. - SÉCULO XIX 1869 Ernst Haeckel, propõe o vocábulo “ecologia” para os estudos das relações entre as espécies e seu ambiente. 1872 Criação do primeiro parque nacional do mundo “Yellowstone”, USA
  • 3. Século XX 1968 Fundação do Clube de Roma 1968 Manifestações de Maio de 68 na França. • Propôs crescimento econômico zero e influenciou, de maneira decisiva, o debate na conferência de Estocolmo. • Crítica: intelectuais dos países subdesenvolvidos manifestaram-se de forma crítica. Assim levantaram a tese de que as sociedades ocidentais, depois de um século de crescimento industrial acelerado, defendiam o congelamento do crescimento (desenvolvimento) com a retórica ecologista, o que atingia de forma direta os países pobres, que tendiam a continuarem pobres.
  • 4.  1972 Publicação do Relatório “Os Limites do Crescimento” - Clube de Roma 1972 Conferência de Estocolmo - Discussão do Desenvolvimento e Ambiente, Conceito de Ecodesenvolvimento. Recomendação 96 : Educação e Meio Ambiente, 1973 Registro Mundial de Programas em Educação Ambiental -USA  1989 Declaração de HAIA, preparatório da RIO 92, aponta a importância da cooperação internacional nas questões ambientais.
  • 5. 1992Conferencia sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, UNCED, Rio/92  Lema da ECO92: “pensar globalmente, agir localmente”.  Resultados: “Convenção da Biodiversidade”, a Convenção do Clima” e a “Declaração de Princípios sobre Florestas”.  Criação da Agenda 21: Cerca de 2500 recomendações de como atingir o desenvolvimento sustentável no século XXI.
  • 7.  Rio+10  O evento, que acontece entre 26 de agosto e 4 de setembro em Johannesburgo (África do Sul), deve avaliar o progresso feito na década transcorrida desde a Rio92 na questão ambiental. Nos debates, os países revisaram as metas da Agenda 21 e se concentraram em áreas carentes de maior esforço para implementação, com um plano de ação global que buscaria conciliar desenvolvimento da sociedade e preservação do meio ambiente para as gerações futuras.
  • 10. Legislação brasileira. Constituição Federal. Art. 20. Art. 20. São bens da União: II – as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em lei; Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: III – proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos; VI – proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas; VII – preservar as florestas, a fauna e a flora;
  • 11. Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade .
  • 12.  “Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde”: qualquer resto proveniente de hospitais e serviços de saúde como pronto-socorro, enfermarias, laboratórios de análises clínicas, farmácias, etc.
  • 14. Um dos maiores acidentes com Césio-137 teve início no dia 13 de setembro de 1987, em Goiânia, Goiás.
  • 15.  “Resíduo Domiciliar”: é bastante variável sendo influenciada por fatores como localização geográfica e renda familiar.  Porém, nesse tipo de resíduo podem ser encontrados restos de alimentos, resíduos sanitários (papel higiênico, por exemplo), papel, plástico, vidro, etc.  Atenção: alguns produtos que utilizamos e descartamos em casa são considerados perigosos e devem ter uma destinação diferente dos demais, preferencialmente para locais destinados a resíduos perigosos. Por exemplo: pilhas e baterias, cloro, água sanitária, desentupidor de pia, limpadores de vidro, fogão e removedor de manchas, aerossóis, medicamentos vencidos, querosene, solventes, etc.
  • 16. Coleta de lixo residencial.
  • 19. LEI Nº 12.305, DE 2 DE AGOSTO DE 2010.  Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos  Art. 1o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis.  Art. 10. Incumbe ao Distrito Federal e aos Municípios a gestão integrada dos resíduos sólidos gerados nos respectivos territórios, sem prejuízo das competências de controle e fiscalização dos órgãos federais
  • 23. Incineração não é a Solução
  • 24.  O que é compostagem  Compostagem é um processo de transformação de matéria orgânica, encontrada no lixo, em adubo orgânico (composto orgânico). É considerada uma espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois o adubo gerado pode ser usado na agricultura ou em jardins e plantas.
  • 26.  Os resíduos urbanos totais na Alemanha são tratados da seguinte forma: 45% são reciclados, 38% queimados e 17% vão para a compostagem.
  • 29.  “Resíduo Agrícola”: são aqueles gerados pelas atividades agropecuárias (cultivos, criações de animais, beneficiamento, processamento, etc.). Podem ser compostos por embalagens de defensivos agrícolas, restos orgânicos (palhas, cascas, estrume, animais mortos, bagaços, etc.), produtos veterinários e etc..  LEI No 9.974 - DE 6 DE JUNHO DE 2000 "Art. 19. ..... "  "Parágrafo único. As empresas produtoras e comercializadoras de agrotóxicos, seus componentes e afins, implementarão, em colaboração com o Poder Público, programas educativos e mecanismos de controle e estímulo à devolução das embalagens vazias por parte dos usuários, no prazo de cento e oitenta dias contado da publicação desta Lei." (AC)
  • 30. DECRETO Nº 4.074, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências.
  • 32.  - “Resíduo Comercial”: são aqueles produzidos pelo comércio em geral. A maior parte é constituída por materiais recicláveis como papel e papelão, principalmente de embalagens, e plásticos, mas também podem conter restos sanitários e orgânicos.  - “Resíduo Industrial”: são originados dos processos industriais. Possuem composição bastante diversificada e uma grande quantidade desses rejeitos é considerada perigosa. Podem ser constituídos por escórias (impurezas resultantes da fundição do ferro), cinzas, lodos, óleos, plásticos, papel, borrachas, etc.
  • 33.  “Entulho”: resultante da construção civil e reformas.
  • 34. “Resíduo Público ou de Varrição“  “Resíduos Sólidos Urbanos” “Resíduos de Portos, Aeroportos e Terminais Rodoviários e Ferroviários”
  • 35.  “Resíduo de Mineração”: podem ser constituídos de solo removido, metais pesados, restos e lascas de pedras, etc.  Uma mina, um mineroduto, um porto e muitos problemas. Por 525 Km, o projeto Minas-Rio, da Anglo American, vai unir, por meio de um mineroduto, a extração de minério de ferro, em Minas Gerais, ao porto, no Rio de Janeiro. O mineroduto é o maior do mundo e o complexo só espera a concessão das licenças de operação para começar a funcionar, o que deve acontecer até o fim do ano. Enquanto os tubos do projeto vão sendo enterrados, um rastro de insatisfação vai se abrindo entre os atingidos, que se sentem abandonados pela empresa.
  • 38. Resíduos líquidos.  LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007.  Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se:  b) esgotamento sanitário: constituído pelas atividades, infraestruturas e instalações operacionais de coleta, transporte, tratamento e disposição final adequados dos esgotos sanitários, desde as ligações prediais até o seu lançamento final no meio ambiente;  III - universalização: ampliação progressiva do acesso de todos os domicílios ocupados ao saneamento básico;
  • 39. https://www.flickr.com/photos/fonteslarissa/5115237627/in/photostream/ Este esgoto a céu aberto fica em frente a uma escola no bairro da Chã da Jaqueira/Maceió. As crianças convivem e brincam em contato com a sujeira.
  • 44. Professor Waender Soares  "Se você tem metas para um ano. Plante arroz Se você tem metas para 10 anos. Plante uma árvore Se você tem metas para 100 anos, então eduque uma criança Se você tem metas para 1000 anos, então preserve o meio Ambiente.” Confúcio