SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 Técnica utilizada a mais de 200 anos.
 Estimulação elétrica neuromuscular;
– Procedimento terapêutico não invasivo;
– Aplicação de corrente elétrica → contração
muscular;
• Atualmente: desenvolvimento de novos equipamentos
eletroestimuladores, tanto de baixa frequência quanto
os de média frequência.
Guirro e Guirro, 2002; Evangelista et al. 2003
NMES
INTRODUÇÃO
 Complemento da atividade voluntária*;
– Fortalecimento e hipertrofia muscular;
– Cura de enfermidades;
– Melhora do condicionamento físico;
– Melhora estética;
• Utilização em atletas e em sedentários.
• Unidade motora (UM)
CONSIDERAÇÕES
 Estimulação elétrica → despolarização da
membrana nervosa → potenciais de ação nos
motoneurônios → contração muscular;
 Ativação de todas as unidades motoras
simultaneamente:
Kitchen e Bazin, 1998; Agne, 2007.
Tipo de UM Contração lenta
(Fibra I)
Contração rápida
Resistente à fadiga
(Fibra IIA)
Contração rápida
fatigável (Fibra IIB)
Velocidade de
contração
Lenta Rápida Rápida
Contração mantida Longo Curto Curto
Resistência à fadiga Muito alta Alta Baixa
Frequência de uso Alta Intermediária Baixa
Ordem de
recrutamento
Primeiro Intermediária Última
Classificação e características das unidades motoras nos m.
esqueléticos
Contração voluntária
Estimulação elétrica
 Disparo não sincronizado;
 Contração suave;
 Força gradual;
 Fibras do tipo I
(menores);
 Fibras do tipo II A e B
(maiores).  Disparo sincronizado
de tds neur. Motores;
 Ordem de
recrutamento:
 Fibras do tipo II;
 Fibras do tipo I;
 f de disparo é fixa.
John Low,2001
• A eletroestimulação (EE) provoca contração por
excitação do nervo motor (estímulos mais fracos), mais
do que a estimulação muscular propriamente direta
(estímulos mais prolongados).
• Parâmetros da eletroestimulação:
Tempo ON = ligado - passagem da corrente
Tempo Off = desligado – não há passagem de corrente
OBS.: Intensidade da corrente deve ser aumentada
no tempo ON.
PRINCIPAIS OBJETIVOS DA ELETROESTIMULAÇÃO
• Restabelecimento da sensação de contração
muscular (pós-operatória ou pós-trauma)
• Aumento da força muscular para melhorar a
estabilidade ativa da articulação.
• Prevenir atrofia muscular
• Potencializar a força muscular.
Fortalecimento no músculo normal (inervado)
John Low,200
 Efeitos imediatos:
• Contração muscular;
• Alterações vasculares.
 Efeitos a longo prazo:
• Fortalecimento.
Fortalecimento no músculo normal (inervado)
John Low, 200
 Estimulação elétrica + atividade voluntária é
mais satisfatória;
 Ganho médio de força: 25% a 50% (mês);
 Diferenças individuais importantes à resposta
a estimulação elétrica.
Músculo Desnervado
John Low, 2001
 Sem suprimento nervoso funcional → contração
do músculo (estimulação das fibras musculares);
 É necessário uma carga elétrica maior;
 Usar pulsos de subida lenta - Contração lenta e
velocidade menor;
 Principal recurso para prevenção de atrofia.
PRECAUÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES
• Sobre a região torácica
• Marcapassos
• EE sobre o seio carotídeo
• Pacientes hipotensos ou hipertensos
• Distúrbios vasculares periféricos (ex.: trombose ou
tromboflebite – risco de embolia)
• Neoplasma ou infecções
• Tronco de mulheres grávidas
• Crianças, idosos, indivíduos com transtornos mentais
FES
• Functional Eletrical Estimulation = Estimulação
elétrica funcional.
• Corrrente de baixa frequência destinada a produzir
contrações mediante trens de pulsos em grupos
musculares;
• Reestabelecer a função neuromuscular prejudicada
ou perdida;
• MM plégicos ou paréticos do neurônio motor
superior;
I - Considerações :
Agne, 2007
Parâmetros
• Largura do pulso músc inervados: duração de 0,2 a
0,5ms ou 200 a 500microsegundos
> 0,5ms são desconfortáveis
• Frequências mais utilizadas: 10 a 90 Hz
< 10Hz= contração ineficiente
> 50Hz= produz fadiga muscular
• Padrão: 50Hz
• Tempo: Quanto mais sincrônico for o
recrutamento maior será à força de
contração do músculo.
OFF
ON
Parâmetros
• Quadros patológicos iniciais
Trabalho/ repouso:
1 : 3
• Treino de marcha
Trabalho/ repouso:
1 : 1
PARÂMETROS:
Agne, 2007
Tempo de contração (ON) e de repouso (OFF )
• Kots e Xvilon (Déc.70): "10/50 - 10 s "ON", 50 s "OFF", tempo
total de 10 minutos /sessão → evitar fadiga;
• Snyder-Mackler et al: (quadríceps) 10s ON e 2 minutos OFF;
• Borges e Valentin: 6s ON 6s OFF time (M. reto abdominal de
puérperas com 15 dias pós-parto);
• Evangelista et al: 9s ON 9s OFF time (região abdominal de
voluntárias sadias);
• Borges: 12s ON e 12s OF em atletas (quadriceps)
• Não houve sinais de fadiga.
Padrões de saída da corrente
1. Modo sincrônico (sincronizado), simultâneo ou
interrompido: eleva e interrompe todos os canais
simultaneamente;
2. Modo alternado ou recíproco: alternância da estimulação
entre grupos de canais impares e pares;
3. Estimulação sequencial: corrente é emitida num canal,
em seguida no canal vizinho... e assim por diante...
4. Estimulação progressiva: eleva e matem a dose do canal
1, em seguida repete o mesmo processo para o canal 2, 3
e 4.
Agne,
Sempre usar o ventre mm mais próximo do ponto motor
Posicionamento dos eletrodos
FES
• Algumas aplicações do FES:
- Em casos de ADM passiva diminuída
- Em casos de ADM ativa diminuída
- Controle da espasticidade (estimulação da musculatura
antagonista)
- Auxílio na dorsiflexão durante a marcha.
- Subluxação do ombro (EE do supra-espinhoso e deltóide
posterior)
• Movimentos e atividades de vida diária no momento
e forma que desejar:
• Ficar de pé, andar, coordenação de movimentos,
etc...
Agne,2007
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
• Osteoporose
• Calcificação articular
• Baixo Q.I.
• Idade: < 15 – 50 < anos;
• Intolerância ao
estímulo.
Contra-indicações:
CORRENTE RUSSA
CORRENTE RUSSA
• Desenvolvida pelo fisiologista russo Yadov Kots
(Olimpíadas de Montreal, 1976);
• utilizada para prevenção de atrofias em articulações
imobilizadas, reabilitação de transtornos
musculoesqueléticos álgicos;
• Padrão: 2500Hz
• Musculatura inervada;
CONSIDERAÇÕES
• Eletroestimulação;
– Traumato-ortopedia, desportiva, dermato-funcional,
ginecologia e obstetrícia;
• Corrente de Kots (1977 );
– regime de trabalho para aumento de FM: aumentar a
Contração Voluntária Máxima (CVM) dos atletas de elite
em até 40%;
– Efeito fisiológico: contração muscular;
• Corrente alternada sinusoidal (bifásica) com uma
frequência portadora de 2.500 a 5.000 Hz e uma
modulada de 50 Hz (50 bursts por segundo - bps);
• Tempo de cada envelope de 10 ms e intervalo de 10 ms;
• Vantagem: efeito é mais intenso (diminuição da
impedância);
Frequência
• 2 tipos:
• Portadora: frequência de pulsos dentro dos bursts;
– É a corrente de média frequência que vai gerar a corrente de
baixa frequência para a estimulação muscular;
– 2500 Hz a 5000 Hz;
• Modulada: frequência de bursts por segundo (bps);
– corrente de baixa frequência que será utilizada para a
estimulação.
– Obs: Bursts - criados para permitir que uma corrente pulsada
passe por alguns milisegundos e depois deixe de passar, em um
ciclo de repetição;
– “Envelopes” ou “rajadas”.
• Parâmetros de modulação:
– 0 a 100 Hz (e até 150 Hz);
– fixo de 50 Hz (Kots);
• Quanto mais alta for a frequência portadora, menor será
a duração do pulso e vv;
Frequência X efeito
• Frequências baixas (até 20Hz) = fibras do tipo I (lentas):
endurance muscular → ↓ fadiga muscular;
• Baixa frequência (10 Hz): ↑ capacidade aeróbica
oxidativa das fibras do tipo I → ↑vascularização;
• Frequências altas (35 e 70 Hz) = fibras do tipo II
(rápidas): ↑ frequência de estimulação
• MM posturais: f portadora - de 4000 Hz; f modulada
mais baixa - 20 Hz a 30 Hz.
• Padrão: 50Hz
Tempo de contração (ON) e de repouso (OFF )
• Kots e Xvilon (Déc.70): "10/50 - 10 s "ON", 50 s "OFF", tempo
total de 10 minutos /sessão → evitar fadiga;
• Snyder-Mackler et al: (quadríceps) 10s ON e 2 minutos OFF;
• Borges e Valentin: 6s ON 6s OFF time (M. reto abdominal de
puérperas com 15 dias pós-parto);
• Evangelista et al: 9s ON 9s OFF time (região abdominal de
voluntárias sadias);
• Borges: 12s ON e 12s OF em atletas (quadriceps)
• Não houve sinais de fadiga.
Rampa de subida (Rise) e descida (Decay)
• ↑ progressivo da carga do pulso: rampa de subida ou
Rise – faz parte do tempo ON
• ↓ gradual da carga até o fim do tempo ON: rampa de
descida ou Decay;
• 1 a 6s (3 → 2/2/2) (ON) - 6s (OF)
Intensidade (amplitude)
• Contrátil e não pela intensidade da corrente (aparelho);
• A média da quantidade de fluxo de corrente em 1s =
corrente média = RMSA (cerca de 50-100 mA);
– Excesso de corrente RMSA: lesão;
– Corrente RMSA insuficiente: não iniciará a resposta;
– Ideal RMSA: contração e não sentir dor
Ciclo
• Caracterização associada dos padrões de
estimulação interrompidos;
• Ciclo de trabalho (Duty cicle ou taxa de repetição);
• Expressa em %;
– 50%: mais “agressiva” (sensação referida);
• Pacientes crônicos, atletas ou na maioria dos casos
da fisioterapia dermato-funcional;
– 20%: fase aguda de sua recuperação; hipersensíveis à
estimulação elétrica.
Padrões de saída da corrente
1. Modo sincrônico (sincronizado), simultâneo ou
interrompido: eleva e interrompe todos os canais
simultaneamente;
2. Modo alternado ou recíproco: alternância da estimulação
entre grupos de canais impares e pares;
3. Estimulação sequencial: corrente é emitida num canal,
em seguida no canal vizinho... e assim por diante...
4. Estimulação progressiva: eleva e matem a dose do canal
1, em seguida repete o mesmo processo para o canal 2, 3
e 4.
Plasticidade muscular
- Modificação na frequência portadora
1. Fortalecimento muscular (sem haver modificação):
1. F portadora: 2000 - 3000Hz;
2. Fortalecimento do músculo para modificar a
composição da fibra:
1. F portadora em torno de 4000 Hz;
• Amplitude + poucas repetições = força e
hipertrofia muscular;
• Amplitude + número de repetições = na
resistência e modificações bioquímicas no músculo;
- Transformação temporária metabólica e
morfológica das fibras rápidas para fibras lentas;
CONSIDERAÇÕES
FORTALECIMENTO MUSCULAR
• Eficiente;
• Recrutamento maior do que com o FES;
– Menor incômodo: maior intensidade → efeito;
– Uso semelhante ao FES: colocam-se os eletrodos
nos pontos motores;
– Modo, frequência, intensidade, tempo;
• Vantagem: número de canais.
• O modo Reciproco: atua alternando a saída de
corrente entre os canais 1-2-3-4 com os canais 5-6-7-
8. Neste modo, On time é igual à Off Time e é
possível trabalhar músculos agonistas e antagonistas.
Indicado para fortalecimento muscular.
• Exemplos para Colocação de Eletrodos:
Canais 1 e 2 nos bíceps direito e esquerdo
Canais 3 e 4 nos reto abdominais direito e esquerdo
Canais 5 e 6 nos tríceps direito e esquerdo
Canais 7 e 8 nos oblíquos direito e esquerdo
DRENAGEM LINFÁTICA
• É uma técnica que realizada manualmente tem
mostrado bastante benefício;
• forma: sequencial em sentido centrípeto;
• Os canais não são colocados nos pontos motores
dos músculos;
• Complementação:
desobstrução manual
dos gânglios
• Eletrodos: qualquer colocação provocará resposta
motora, porém, para uma contração uniforme e
definida, melhor se basear nos pontos motores, ou
na origem/inserção do músculo.
CORRENTE RUSSA
• Músculos fracos (longo tempo de inatividade):
- Estimulação breve (ON), repouso amplo (OFF) sem
fadiga muscular.
• Eletroestimulação estática (sem mobilidade articular):
- Tonificar e iniciar fortalecimento de um músculo com
atrofia importante.
- Indicada em pré e pós-operatórios, períodos de
imobilização, atrofia muscular, instabilidades
articulares.
CORRENTE RUSSA
• Eletroestimulação dinâmica: EE + exercício
- Exercício com ou sem carga adicional, realizado
quando o músculo já apresenta um nível de força.
- Readaptação ao exercício;
- Melhora da coordenação.
- Indicado para DEBILIDADE muscular e não atrofia
muscular; complexidade aos exercícios de
propriocepção.
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Protocolo(AGNE, 2007)
1. Avaliar o paciente (grupo muscular);
2. Posicionar o paciente;
3. Determinar os parâmetros da corrente (Forma
do impulso, f, on/off, tempo, eletrodos);
4. Posição dos eletrodos;
5. Preparação da região;
6. Explicar ao paciente;
7. Ligar o equipamento e ↑ intensidade (gradual,
observando a resposta, associando com
comando verbal);
8. Na percepção de dor, fadiga → interromper.
• GUIRRO,E.; GUIRRO, R. Fisioterapia dermato-funcional,
fundamentos, recursos e patologias. Capitulo 6 –
Eletroterapias
• KITCHEN, S.; BAZIN, S. Eletroterapia prática baseada em
evidência. Capitulo 15 – Estimulação elétrica neuromuscular e
muscular

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
Paulo Cardoso
 
Aula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptxAula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptx
ScheilaOliveira10
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
Nay Ribeiro
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
Jacqueline Bexiga
 
Fisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalFisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato Funcional
Welisson Porto
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
Roosivelt Honorato
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Nathanael Amparo
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascial
Mah HS
 
Kabat aula pratica
Kabat   aula praticaKabat   aula pratica
Kabat aula pratica
Natha Fisioterapia
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
AmericanFisio
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
Caroline Lima
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Cleanto Santos Vieira
 
Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica
Gerssica Caldas
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013
IBRAMED
 
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
ssuser7da808
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Cleanto Santos Vieira
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
Johnny Martins
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 

Mais procurados (20)

Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Aula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptxAula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptx
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
Fisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato FuncionalFisioterapia Dermato Funcional
Fisioterapia Dermato Funcional
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
 
Massagem miofascial
Massagem miofascialMassagem miofascial
Massagem miofascial
 
Kabat aula pratica
Kabat   aula praticaKabat   aula pratica
Kabat aula pratica
 
Manual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTMManual Tens-Fes Clínico HTM
Manual Tens-Fes Clínico HTM
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica Fisioterapia Pediátrica
Fisioterapia Pediátrica
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013
 
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf6°Aula - Corrente interferencial.pdf
6°Aula - Corrente interferencial.pdf
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
15 -amplitude_de_movimento
15  -amplitude_de_movimento15  -amplitude_de_movimento
15 -amplitude_de_movimento
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 

Semelhante a Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt

Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
Margarete de Sousa
 
apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
PatrciaAntunes30
 
Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.
Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.
Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.
CristinaCardoso73
 
Receptores musculares
Receptores muscularesReceptores musculares
Receptores musculares
Marcus César Petindá Fonseca
 
Receptores musculares
Receptores muscularesReceptores musculares
Receptores musculares
Marcus César Petindá Fonseca
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
Isabela Luana
 
Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
Paulo José Dias Costa
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
onomekyo
 
Musculação bases metodológicas
Musculação   bases metodológicasMusculação   bases metodológicas
Musculação bases metodológicas
washington carlos vieira
 
JP.. PNF trunk 2403.pptx para actualização
JP.. PNF trunk 2403.pptx para actualizaçãoJP.. PNF trunk 2403.pptx para actualização
JP.. PNF trunk 2403.pptx para actualização
JoaoPauloMausseMauss
 
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdfAvaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
GustavoArouche1
 
Biomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação MuscularBiomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação Muscular
Allan Krdek
 
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptxMonitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
AnnaCarolineRibeiro2
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Aline Villa Nova Bacurau
 
O sistema muscular
O sistema muscularO sistema muscular
O sistema muscular
Daniel Pereira
 
O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)
Alexsandro Ribeiro
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a perna
pauloalambert
 
Musculação e emagrecimento ii
Musculação e emagrecimento iiMusculação e emagrecimento ii
Musculação e emagrecimento ii
washington carlos vieira
 
Envelhecimento fisiológico
Envelhecimento fisiológicoEnvelhecimento fisiológico
Envelhecimento fisiológico
washington carlos vieira
 
Sistema motor i
Sistema motor iSistema motor i
Sistema motor i
Natha Fisioterapia
 

Semelhante a Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt (20)

Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
 
apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
 
Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.
Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.
Corrente farádica: introdução, objetivos, indicações e contraindicações.
 
Receptores musculares
Receptores muscularesReceptores musculares
Receptores musculares
 
Receptores musculares
Receptores muscularesReceptores musculares
Receptores musculares
 
Cinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunosCinesioterapia alunos
Cinesioterapia alunos
 
Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
Musculação bases metodológicas
Musculação   bases metodológicasMusculação   bases metodológicas
Musculação bases metodológicas
 
JP.. PNF trunk 2403.pptx para actualização
JP.. PNF trunk 2403.pptx para actualizaçãoJP.. PNF trunk 2403.pptx para actualização
JP.. PNF trunk 2403.pptx para actualização
 
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdfAvaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
Avaliação Fisioterapêutica do Joelho - 2015.pdf
 
Biomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação MuscularBiomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação Muscular
 
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptxMonitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
Monitoria-Considerações fisiológicas e metodológicas para o uso de.pptx
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
 
O sistema muscular
O sistema muscularO sistema muscular
O sistema muscular
 
O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)O sistema muscular (1)
O sistema muscular (1)
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a perna
 
Musculação e emagrecimento ii
Musculação e emagrecimento iiMusculação e emagrecimento ii
Musculação e emagrecimento ii
 
Envelhecimento fisiológico
Envelhecimento fisiológicoEnvelhecimento fisiológico
Envelhecimento fisiológico
 
Sistema motor i
Sistema motor iSistema motor i
Sistema motor i
 

Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt

  • 2.  Técnica utilizada a mais de 200 anos.  Estimulação elétrica neuromuscular; – Procedimento terapêutico não invasivo; – Aplicação de corrente elétrica → contração muscular; • Atualmente: desenvolvimento de novos equipamentos eletroestimuladores, tanto de baixa frequência quanto os de média frequência. Guirro e Guirro, 2002; Evangelista et al. 2003 NMES
  • 3. INTRODUÇÃO  Complemento da atividade voluntária*; – Fortalecimento e hipertrofia muscular; – Cura de enfermidades; – Melhora do condicionamento físico; – Melhora estética; • Utilização em atletas e em sedentários.
  • 5. CONSIDERAÇÕES  Estimulação elétrica → despolarização da membrana nervosa → potenciais de ação nos motoneurônios → contração muscular;  Ativação de todas as unidades motoras simultaneamente: Kitchen e Bazin, 1998; Agne, 2007.
  • 6. Tipo de UM Contração lenta (Fibra I) Contração rápida Resistente à fadiga (Fibra IIA) Contração rápida fatigável (Fibra IIB) Velocidade de contração Lenta Rápida Rápida Contração mantida Longo Curto Curto Resistência à fadiga Muito alta Alta Baixa Frequência de uso Alta Intermediária Baixa Ordem de recrutamento Primeiro Intermediária Última Classificação e características das unidades motoras nos m. esqueléticos
  • 7. Contração voluntária Estimulação elétrica  Disparo não sincronizado;  Contração suave;  Força gradual;  Fibras do tipo I (menores);  Fibras do tipo II A e B (maiores).  Disparo sincronizado de tds neur. Motores;  Ordem de recrutamento:  Fibras do tipo II;  Fibras do tipo I;  f de disparo é fixa. John Low,2001
  • 8. • A eletroestimulação (EE) provoca contração por excitação do nervo motor (estímulos mais fracos), mais do que a estimulação muscular propriamente direta (estímulos mais prolongados).
  • 9. • Parâmetros da eletroestimulação: Tempo ON = ligado - passagem da corrente Tempo Off = desligado – não há passagem de corrente OBS.: Intensidade da corrente deve ser aumentada no tempo ON.
  • 10. PRINCIPAIS OBJETIVOS DA ELETROESTIMULAÇÃO • Restabelecimento da sensação de contração muscular (pós-operatória ou pós-trauma) • Aumento da força muscular para melhorar a estabilidade ativa da articulação. • Prevenir atrofia muscular • Potencializar a força muscular.
  • 11. Fortalecimento no músculo normal (inervado) John Low,200  Efeitos imediatos: • Contração muscular; • Alterações vasculares.  Efeitos a longo prazo: • Fortalecimento.
  • 12. Fortalecimento no músculo normal (inervado) John Low, 200  Estimulação elétrica + atividade voluntária é mais satisfatória;  Ganho médio de força: 25% a 50% (mês);  Diferenças individuais importantes à resposta a estimulação elétrica.
  • 13. Músculo Desnervado John Low, 2001  Sem suprimento nervoso funcional → contração do músculo (estimulação das fibras musculares);  É necessário uma carga elétrica maior;  Usar pulsos de subida lenta - Contração lenta e velocidade menor;  Principal recurso para prevenção de atrofia.
  • 14. PRECAUÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES • Sobre a região torácica • Marcapassos • EE sobre o seio carotídeo • Pacientes hipotensos ou hipertensos • Distúrbios vasculares periféricos (ex.: trombose ou tromboflebite – risco de embolia) • Neoplasma ou infecções • Tronco de mulheres grávidas • Crianças, idosos, indivíduos com transtornos mentais
  • 15. FES • Functional Eletrical Estimulation = Estimulação elétrica funcional. • Corrrente de baixa frequência destinada a produzir contrações mediante trens de pulsos em grupos musculares; • Reestabelecer a função neuromuscular prejudicada ou perdida; • MM plégicos ou paréticos do neurônio motor superior; I - Considerações : Agne, 2007
  • 16. Parâmetros • Largura do pulso músc inervados: duração de 0,2 a 0,5ms ou 200 a 500microsegundos > 0,5ms são desconfortáveis • Frequências mais utilizadas: 10 a 90 Hz < 10Hz= contração ineficiente > 50Hz= produz fadiga muscular • Padrão: 50Hz
  • 17. • Tempo: Quanto mais sincrônico for o recrutamento maior será à força de contração do músculo. OFF ON Parâmetros
  • 18. • Quadros patológicos iniciais Trabalho/ repouso: 1 : 3 • Treino de marcha Trabalho/ repouso: 1 : 1 PARÂMETROS: Agne, 2007
  • 19. Tempo de contração (ON) e de repouso (OFF ) • Kots e Xvilon (Déc.70): "10/50 - 10 s "ON", 50 s "OFF", tempo total de 10 minutos /sessão → evitar fadiga; • Snyder-Mackler et al: (quadríceps) 10s ON e 2 minutos OFF; • Borges e Valentin: 6s ON 6s OFF time (M. reto abdominal de puérperas com 15 dias pós-parto); • Evangelista et al: 9s ON 9s OFF time (região abdominal de voluntárias sadias); • Borges: 12s ON e 12s OF em atletas (quadriceps) • Não houve sinais de fadiga.
  • 20. Padrões de saída da corrente 1. Modo sincrônico (sincronizado), simultâneo ou interrompido: eleva e interrompe todos os canais simultaneamente; 2. Modo alternado ou recíproco: alternância da estimulação entre grupos de canais impares e pares; 3. Estimulação sequencial: corrente é emitida num canal, em seguida no canal vizinho... e assim por diante... 4. Estimulação progressiva: eleva e matem a dose do canal 1, em seguida repete o mesmo processo para o canal 2, 3 e 4.
  • 21. Agne, Sempre usar o ventre mm mais próximo do ponto motor Posicionamento dos eletrodos
  • 22. FES • Algumas aplicações do FES: - Em casos de ADM passiva diminuída - Em casos de ADM ativa diminuída - Controle da espasticidade (estimulação da musculatura antagonista) - Auxílio na dorsiflexão durante a marcha. - Subluxação do ombro (EE do supra-espinhoso e deltóide posterior)
  • 23. • Movimentos e atividades de vida diária no momento e forma que desejar: • Ficar de pé, andar, coordenação de movimentos, etc... Agne,2007
  • 25. • Osteoporose • Calcificação articular • Baixo Q.I. • Idade: < 15 – 50 < anos; • Intolerância ao estímulo. Contra-indicações:
  • 27. CORRENTE RUSSA • Desenvolvida pelo fisiologista russo Yadov Kots (Olimpíadas de Montreal, 1976); • utilizada para prevenção de atrofias em articulações imobilizadas, reabilitação de transtornos musculoesqueléticos álgicos; • Padrão: 2500Hz • Musculatura inervada;
  • 28. CONSIDERAÇÕES • Eletroestimulação; – Traumato-ortopedia, desportiva, dermato-funcional, ginecologia e obstetrícia; • Corrente de Kots (1977 ); – regime de trabalho para aumento de FM: aumentar a Contração Voluntária Máxima (CVM) dos atletas de elite em até 40%; – Efeito fisiológico: contração muscular;
  • 29. • Corrente alternada sinusoidal (bifásica) com uma frequência portadora de 2.500 a 5.000 Hz e uma modulada de 50 Hz (50 bursts por segundo - bps); • Tempo de cada envelope de 10 ms e intervalo de 10 ms; • Vantagem: efeito é mais intenso (diminuição da impedância);
  • 30. Frequência • 2 tipos: • Portadora: frequência de pulsos dentro dos bursts; – É a corrente de média frequência que vai gerar a corrente de baixa frequência para a estimulação muscular; – 2500 Hz a 5000 Hz; • Modulada: frequência de bursts por segundo (bps); – corrente de baixa frequência que será utilizada para a estimulação. – Obs: Bursts - criados para permitir que uma corrente pulsada passe por alguns milisegundos e depois deixe de passar, em um ciclo de repetição; – “Envelopes” ou “rajadas”.
  • 31. • Parâmetros de modulação: – 0 a 100 Hz (e até 150 Hz); – fixo de 50 Hz (Kots); • Quanto mais alta for a frequência portadora, menor será a duração do pulso e vv;
  • 32. Frequência X efeito • Frequências baixas (até 20Hz) = fibras do tipo I (lentas): endurance muscular → ↓ fadiga muscular; • Baixa frequência (10 Hz): ↑ capacidade aeróbica oxidativa das fibras do tipo I → ↑vascularização; • Frequências altas (35 e 70 Hz) = fibras do tipo II (rápidas): ↑ frequência de estimulação • MM posturais: f portadora - de 4000 Hz; f modulada mais baixa - 20 Hz a 30 Hz. • Padrão: 50Hz
  • 33. Tempo de contração (ON) e de repouso (OFF ) • Kots e Xvilon (Déc.70): "10/50 - 10 s "ON", 50 s "OFF", tempo total de 10 minutos /sessão → evitar fadiga; • Snyder-Mackler et al: (quadríceps) 10s ON e 2 minutos OFF; • Borges e Valentin: 6s ON 6s OFF time (M. reto abdominal de puérperas com 15 dias pós-parto); • Evangelista et al: 9s ON 9s OFF time (região abdominal de voluntárias sadias); • Borges: 12s ON e 12s OF em atletas (quadriceps) • Não houve sinais de fadiga.
  • 34. Rampa de subida (Rise) e descida (Decay) • ↑ progressivo da carga do pulso: rampa de subida ou Rise – faz parte do tempo ON • ↓ gradual da carga até o fim do tempo ON: rampa de descida ou Decay; • 1 a 6s (3 → 2/2/2) (ON) - 6s (OF)
  • 35. Intensidade (amplitude) • Contrátil e não pela intensidade da corrente (aparelho); • A média da quantidade de fluxo de corrente em 1s = corrente média = RMSA (cerca de 50-100 mA); – Excesso de corrente RMSA: lesão; – Corrente RMSA insuficiente: não iniciará a resposta; – Ideal RMSA: contração e não sentir dor
  • 36. Ciclo • Caracterização associada dos padrões de estimulação interrompidos; • Ciclo de trabalho (Duty cicle ou taxa de repetição); • Expressa em %; – 50%: mais “agressiva” (sensação referida); • Pacientes crônicos, atletas ou na maioria dos casos da fisioterapia dermato-funcional; – 20%: fase aguda de sua recuperação; hipersensíveis à estimulação elétrica.
  • 37. Padrões de saída da corrente 1. Modo sincrônico (sincronizado), simultâneo ou interrompido: eleva e interrompe todos os canais simultaneamente; 2. Modo alternado ou recíproco: alternância da estimulação entre grupos de canais impares e pares; 3. Estimulação sequencial: corrente é emitida num canal, em seguida no canal vizinho... e assim por diante... 4. Estimulação progressiva: eleva e matem a dose do canal 1, em seguida repete o mesmo processo para o canal 2, 3 e 4.
  • 38. Plasticidade muscular - Modificação na frequência portadora 1. Fortalecimento muscular (sem haver modificação): 1. F portadora: 2000 - 3000Hz; 2. Fortalecimento do músculo para modificar a composição da fibra: 1. F portadora em torno de 4000 Hz;
  • 39. • Amplitude + poucas repetições = força e hipertrofia muscular; • Amplitude + número de repetições = na resistência e modificações bioquímicas no músculo; - Transformação temporária metabólica e morfológica das fibras rápidas para fibras lentas; CONSIDERAÇÕES
  • 40. FORTALECIMENTO MUSCULAR • Eficiente; • Recrutamento maior do que com o FES; – Menor incômodo: maior intensidade → efeito; – Uso semelhante ao FES: colocam-se os eletrodos nos pontos motores; – Modo, frequência, intensidade, tempo; • Vantagem: número de canais.
  • 41. • O modo Reciproco: atua alternando a saída de corrente entre os canais 1-2-3-4 com os canais 5-6-7- 8. Neste modo, On time é igual à Off Time e é possível trabalhar músculos agonistas e antagonistas. Indicado para fortalecimento muscular. • Exemplos para Colocação de Eletrodos: Canais 1 e 2 nos bíceps direito e esquerdo Canais 3 e 4 nos reto abdominais direito e esquerdo Canais 5 e 6 nos tríceps direito e esquerdo Canais 7 e 8 nos oblíquos direito e esquerdo
  • 42. DRENAGEM LINFÁTICA • É uma técnica que realizada manualmente tem mostrado bastante benefício; • forma: sequencial em sentido centrípeto; • Os canais não são colocados nos pontos motores dos músculos; • Complementação: desobstrução manual dos gânglios
  • 43. • Eletrodos: qualquer colocação provocará resposta motora, porém, para uma contração uniforme e definida, melhor se basear nos pontos motores, ou na origem/inserção do músculo.
  • 44. CORRENTE RUSSA • Músculos fracos (longo tempo de inatividade): - Estimulação breve (ON), repouso amplo (OFF) sem fadiga muscular. • Eletroestimulação estática (sem mobilidade articular): - Tonificar e iniciar fortalecimento de um músculo com atrofia importante. - Indicada em pré e pós-operatórios, períodos de imobilização, atrofia muscular, instabilidades articulares.
  • 45. CORRENTE RUSSA • Eletroestimulação dinâmica: EE + exercício - Exercício com ou sem carga adicional, realizado quando o músculo já apresenta um nível de força. - Readaptação ao exercício; - Melhora da coordenação. - Indicado para DEBILIDADE muscular e não atrofia muscular; complexidade aos exercícios de propriocepção.
  • 48. CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
  • 49. CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
  • 50. CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
  • 51. CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
  • 52. CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
  • 53. CD – Eletroterapia. Editora Atlântica Educacional
  • 56. Protocolo(AGNE, 2007) 1. Avaliar o paciente (grupo muscular); 2. Posicionar o paciente; 3. Determinar os parâmetros da corrente (Forma do impulso, f, on/off, tempo, eletrodos); 4. Posição dos eletrodos; 5. Preparação da região; 6. Explicar ao paciente; 7. Ligar o equipamento e ↑ intensidade (gradual, observando a resposta, associando com comando verbal); 8. Na percepção de dor, fadiga → interromper.
  • 57. • GUIRRO,E.; GUIRRO, R. Fisioterapia dermato-funcional, fundamentos, recursos e patologias. Capitulo 6 – Eletroterapias • KITCHEN, S.; BAZIN, S. Eletroterapia prática baseada em evidência. Capitulo 15 – Estimulação elétrica neuromuscular e muscular