SlideShare uma empresa Scribd logo
BEM VINDO
SEMESTRE 2023.1
ELETROTERMOFOTOTERAPIA
Profª Drª Mariana Biscaia
Fisioterapeuta, Doutora em Ciências da Educação, Mestre
em Ciências da Reabilitação. Já atuou e atua na
coordenação de cursos de Saúde (Fisioterapia,
Fonoaudiologia e Estética), atuando na supervisão de
clínica escola (fisioterapia e estética). Possui habilidade na
área de gestão, pesquisa, Fisioterapia (atendimento clínico)
e Estética.
CONTEXTUALIZAÇÃO
A disciplina de
Eletroterapia Estética
Corporal objetiva a prática
de protocolos nas
disfunções estética
corporais com a utilização
da eletroestética.
ELETROTERAPIA
CONCEITO
“Tratamento ou avaliação usando uma das várias
modalidades, incluindo estímulo elétrico, ultrassom,
métodos de aquecimento e resfriamento,
diatermia por ondas curtas e radiação
eletromagnética como infravermelho e terapias de
luz incluindo LASER e ultravioleta” (Robertson, 2009).
“Avaliação ou tratamento usando estímulos
elétricos” (Robertson, 2009).
QUAL A IMPORTÂNCIA DE UM
EQUIPAMENTO ELETROTERÁPICO
NOS TRATAMENTOS?
➢ Reduzir o tempo de resposta do
tratamento
➢ Melhorar a qualidade do resultado do
tratamento
➢ Aumentar a rentabilidade da clínica
CONHECENDO OS
PARÂMETROS FÍSICOS
• Se pensamos que a eletroterapia é a
aplicação de eletricidade no paciente,
por que não colocarmos o dedo do
paciente na tomada?
CONHECENDO OS
PARÂMETROS FÍSICOS
• a) Eletricidade É uma forma básica de energia na
ciência física e pode produzir efeitos sobre os tecidos.
• b) Carga Elétrica É uma propriedade física, com cargas
positivas e negativas.
• Íons: são átomos carregados positivamente ou
negativamente (cátions ou ânions)
CARGA ELÉTRICA
• » Átomo: Formado por elétrons e prótons.
• » Íons: São átomos carregados positivamente ou
negativamente.
Cargas iguais se repelem
umas às outras, enquanto
cargas opostas se atraem.
CARGA ELÉTRICA
n n
p p
e- e-
-
+
CAMPO ELÉTRICO
• Um campo eletromagnético é um espaço onde
agem forças magnéticas, que se formam em torno
de um condutor elétrico.
• Quando há uma corrente elétrica num condutor,
não somente o condutor é submetido a alterações,
mas também a região que o circunda sofre
modificações. Forma-se um campo eletromagnético
em volta do condutor.
• Quanto maior a intensidade da corrente no
condutor, tanto mais forte é o campo
eletromagnético ao seu redor.
CAMPO ELÉTRICO
• Uma onda é um pulso energético que se
propaga através do espaço ou através de
um meio (líquido, sólido ou gasoso), ela
pode se propagar através do vácuo e
transferir energia de um lugar para outro.
ONDA
PULSO (MS OU MS)
• Largura de fase da onda, a medida de onde
inicia até onde termina uma onda, em cada pulso
se obtém uma determinada quantidade de
energia já preestabelecida.
FREQUÊNCIA (HZ)
• Frequência é a quantidade de pulso em um
determinado tempo.
• Relação Frequência versus largura de pulso – sempre
que for alterada a frequência de um equipamento é o
repouso do pulso que está sofrendo alteração.
• É uma grandeza física associada a movimentos de
característica ondulatória que indica o número de
revoluções (ciclos, voltas, oscilações etc) por unidade
de tempo.
CORRENTES DE BAIXA
FREQUÊNCIA
ATÉ 1000 Hz
FES
GALVÂNICA
DIADINÂMICAS MICROCORRENTE
OBS.: O que difere é o tipo de pulso e a maneira
como a corrente é oferecida para a fibra: causando
analgesia ou contração muscular(eletroestimulação
muscular)
CORRENTES DE MÉDIA
FREQUÊNCIA
DE 1000 Hz a 100 KHz
RUSSA
2500 Hz
INTERFERENCIAL
2000-4000 Hz
AUSSIE
1Khz e 4 Khz
OBS.: Atinge maior profundidade quanto maior
for a frequência
CORRENTES DE ALTA
FREQUÊNCIA
MAIORES QUE 300 KHZ
ONDAS CURTAS
27 MHz MICROONDAS
2450 MHz
RADIOFREQUÊNCIA
O efeito terapêutico vai ocorrer a partir do
campo magnético que essas correntes fazem.
Ultrasson
27 e 3 Hz
INTENSIDADE (ΜA OU
MA)
• Quando se aumenta a intensidade no aparelho
aumenta-se a unidade motora recrutada, o tamanho
da área que está sendo atingida e também a
magnitude com que ela está sendo atingida. Serve
também para manter o estimulo sensorial.
ALGUMAS MODULAÇÕES
EXISTENTES NOS APARELHOS
• » TON/ TOFF – tempo de transmissão da corrente/ tempo de
repouso (sem corrente) – unidade em segundos. A
contração da corrente elétrica é mais fatigante que a
voluntária. Por isso o TON/TOFF é usado exclusivamente em
correntes exitomotoras.
• O tempo on que é composto do tempo de subida e tempo
de descida, é importante devido aos efeitos de
“acomodação”. O tempo off é o tempo em que não existe
corrente passando.
• » Burst ou salva – É o tempo que a corrente fica em TON.
Quando ouvimos a pronuncia burst, logo imaginamos o
tempo que ela está sendo conduzida.
ALGUMAS MODULAÇÕES
EXISTENTES NOS APARELHOS
• Repouso (R) – É o que está entre as faces das ondas
Corrente pulsada monofásica, demonstrando o Repouso (R)
Fonte: Nelson, Hayes, Currier. Eletroterapia Clínica
TIPOS DE CORRENTES
DIRETA
CONTÍNUA
UNIPOLAR
MONOFÁSICA
UNIDIRECIONAL
ALTERNADA
BIPOLARES
BIFÁSICAS
BIDIRECIONAL
ONDAS PULSADAS
UNIDIRECIONAIS
EXEMPLO
EQUIPAMENTOS
• Os equipamentos atuais empregam
diferentes tipos de correntes, onde o
aparelho emite a energia eletromagnética
que é então conduzida através de cabos
condutores até os eletrodos que ficam
aderidos à pele do paciente.
• Outras formas incluem a utilização de
agulhas ao invés de eletrodos, sendo este
emprego mais reservado ao uso para terapia
estética ou para métodos diagnósticos.
• Existe uma diversidade de correntes que
podem ser utilizadas na eletroterapia, cada
qual com particularidades próprias quanto
às indicações e contra-indicações.
• Mas todas elas tem um objetivo comum:
produzir algum efeito no tecido a ser
tratado, que é obtido através das reações
físicas, biológicas e fisiológicas que o tecido
desenvolve ao ser submetido à terapia.
Equipamentos
ELETRODOS
• Os Eletrodos constituem a interface que
transmite a corrente elétrica através da pele do
paciente. Com isso há uma grande melhora no
desenvolvimento físico do paciente.
• Os eletrodos são fixados à pele do paciente em
duplas, para que a corrente emitida pelo
aparelho passe de um eletrodo para o outro.
• Quando a corrente atinge um eletrodo, a
energia é então transmitida pelo tecido e irá se
propagar através dele até atingir o outro
eletrodo-par.
ELETRODOS
QUANTO MENOR O TAMANHO DO
ELETRODO, MAIOR SERÁ A
RESISTÊNCIA DA PELE À PASSAGEM
DA CORRENTE ELÉTRICA E VICE -
VERSA.
QUANTO MENOR O TAMANHO DO
ELETRODO, MAIOR SERÁ A
DENSIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA
PASSANDO PELA ÁREA DO
ELETRODO.
TIPOS
TECIDOS E IMPEDÂNCIA ELÉTRICA
• Quanto mais água tem o tecido, melhor é a sua
propriedade de conduzir a corrente elétrica.
Pouco
condutores
Condutores
médios
Bons
condutores
Osso Pele úmida Sangue
Gordura Tendões Linfa
Pele seca Fáscias
grossas
Líquidos
corporais
Pêlos Cartilagens Músculos
Unhas -- Vísceras
-- -- Tecido
nervoso
O QUE DEVO FAZER PARA REDUZIR
A IMPEDÂNCIA DA PELE?
1. Higienizar o local
2. Retire o excesso de pelo local;
3. Melhore o aporte sanguíneo anteriormente
utilizando modalidades como massoterapia
ou recursos da hipertermoterapia;
4. Umedeça a pele;
5. Obs.: Faça passar pelo local outra corrente
elétrica. A mais usada é a Difásica Fixa (DF);
6. Dê preferência para os eletroestimuladores
com média frequência (RUSSA ou
INTERFERENCIAL).
EFEITOS FISIOLÓGICOS DA
CORRENTE ELÉTRICA
Ação Vasodilatadora
A corrente elétrica impede a secreção de
noradrenalina produzindo vasodilatação
passiva. A vasodilatação passiva é produzida
pela histamina.
EFEITOS FISIOLÓGICOS DA
CORRENTE ELÉTRICA
Ação Ionizante
Predominante nas correntes unidirecionais que
produzem aumento da permeabilidade da
membrana celular além do fenômeno da
eletrólise, em que os íons são atraídos pelo pólo
oposto da sua carga
EFEITOS FISIOLÓGICOS DA
CORRENTE ELÉTRICA
Efeito Excitomotor
resulta do músculo ser um tecido excitável,
cuja resposta ao estímulo elétrico é a
contração.
EFEITOS FISIOLÓGICOS DA
CORRENTE ELÉTRICA
Efeito Analgésico
a teoria das comportas ou portão é o
mecanismo mais relevante, além da
ativação/produção de substâncias endógenas
como as endorfinas.
EFEITOS FISIOLÓGICOS DA
CORRENTE ELÉTRICA
Efeito Cicatrizante
a corrente elétrica pode favorecer o reparo
tecidual estimulando diretamente as células a
produzirem mais ATP, aumento a síntese de
proteínas, revitalizando a área lesionada.
CONTRA-INDICAÇÕES GERAIS
1. Incapacidades cardíacas graves;
2. Marcapasso;
3. Gravidez;
4. Implantes metálicos expostos;
5. Seio carotídeo;
6. Ao redor dos olhos;
7. Obesidade mórbida.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
Caroline Lima
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
Regina de Oliveira
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
Nay Ribeiro
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
Paulo Cardoso
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
HTM ELETRÔNICA
 
Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
Isabel Amarante
 
Dermato funcional
Dermato funcional Dermato funcional
Dermato funcional
Breno Luan
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Aula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptxAula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptx
ScheilaOliveira10
 
Termoterapia - calor
Termoterapia - calorTermoterapia - calor
Termoterapia - calor
Nay Ribeiro
 
Pedras quentes
Pedras quentesPedras quentes
Pedras quentes
Débora Calza
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
Jacqueline Bexiga
 
Massagens
MassagensMassagens
Massagens
Adriana Alves
 
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
HTM ELETRÔNICA
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
Nathanael Amparo
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
Jaqueline da Silva
 

Mais procurados (20)

Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
 
Ultrassom
UltrassomUltrassom
Ultrassom
 
Dermato funcional
Dermato funcional Dermato funcional
Dermato funcional
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Aula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptxAula de Corrente Russa.pptx
Aula de Corrente Russa.pptx
 
Termoterapia - calor
Termoterapia - calorTermoterapia - calor
Termoterapia - calor
 
Pedras quentes
Pedras quentesPedras quentes
Pedras quentes
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
Massagens
MassagensMassagens
Massagens
 
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...4   radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
4 radiofrequência multifrequencial e multipolar nos tratamentos corporais e...
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
 
Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
 

Semelhante a 1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf

Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdfConceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
cleitonLuis6
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
Jaqueline da Silva
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Cleanto Santos Vieira
 
Focoaula9
Focoaula9Focoaula9
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
Ailton de Sousa Gonçalves
 
Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
Viviane Arantes
 
{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético
{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético
{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético
Lilian De Figueiredo Carneiro
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
RAFAELVINICIUSDEOLIV
 
Atividade 7.3 graziela
Atividade 7.3 grazielaAtividade 7.3 graziela
Atividade 7.3 graziela
Graziela Mellote
 
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfoAtividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
Graziela Mellote
 
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas "Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
25 espectro das ondas eletromagnéticas
25   espectro das ondas eletromagnéticas25   espectro das ondas eletromagnéticas
25 espectro das ondas eletromagnéticas
Bruno De Siqueira Costa
 
Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas
carlamvcaseiro
 
onda
ondaonda
Conceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografiaConceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografia
Bruna Cesário
 
Ondas 2012
Ondas 2012Ondas 2012
Ondas 2012
Isabella Silva
 
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
thiagopennachaves
 
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIAELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
MARIA ELIZABETE DE LIMA MONTEIRO
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Vitor Vieira Vasconcelos
 
ONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptx
ONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptxONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptx
ONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptx
nathaliaroncada
 

Semelhante a 1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf (20)

Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdfConceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
 
Eletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodosEletroterapia efeitos eletrodos
Eletroterapia efeitos eletrodos
 
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
Termoterapia   ultra-som - capítulo 14Termoterapia   ultra-som - capítulo 14
Termoterapia ultra-som - capítulo 14
 
Focoaula9
Focoaula9Focoaula9
Focoaula9
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
 
Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
 
{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético
{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético
{Fc3 f114c d478-4218-b71d-8cd6fd9d486d}-o espectro eletromagnético
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
 
Atividade 7.3 graziela
Atividade 7.3 grazielaAtividade 7.3 graziela
Atividade 7.3 graziela
 
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfoAtividade 7.3 (1) graziela proinfo
Atividade 7.3 (1) graziela proinfo
 
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas "Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
 
25 espectro das ondas eletromagnéticas
25   espectro das ondas eletromagnéticas25   espectro das ondas eletromagnéticas
25 espectro das ondas eletromagnéticas
 
Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas Ondas eletromagnéticas
Ondas eletromagnéticas
 
onda
ondaonda
onda
 
Conceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografiaConceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografia
 
Ondas 2012
Ondas 2012Ondas 2012
Ondas 2012
 
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
 
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIAELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
ELETROTERAPIA NA PODOLOGIA
 
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
Sensoriamento remoto - Introdução - 2024
 
ONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptx
ONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptxONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptx
ONDULATÓRIA-AULAONLINEETIP.pptx
 

1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf

  • 3. Fisioterapeuta, Doutora em Ciências da Educação, Mestre em Ciências da Reabilitação. Já atuou e atua na coordenação de cursos de Saúde (Fisioterapia, Fonoaudiologia e Estética), atuando na supervisão de clínica escola (fisioterapia e estética). Possui habilidade na área de gestão, pesquisa, Fisioterapia (atendimento clínico) e Estética.
  • 4. CONTEXTUALIZAÇÃO A disciplina de Eletroterapia Estética Corporal objetiva a prática de protocolos nas disfunções estética corporais com a utilização da eletroestética.
  • 5. ELETROTERAPIA CONCEITO “Tratamento ou avaliação usando uma das várias modalidades, incluindo estímulo elétrico, ultrassom, métodos de aquecimento e resfriamento, diatermia por ondas curtas e radiação eletromagnética como infravermelho e terapias de luz incluindo LASER e ultravioleta” (Robertson, 2009). “Avaliação ou tratamento usando estímulos elétricos” (Robertson, 2009).
  • 6. QUAL A IMPORTÂNCIA DE UM EQUIPAMENTO ELETROTERÁPICO NOS TRATAMENTOS? ➢ Reduzir o tempo de resposta do tratamento ➢ Melhorar a qualidade do resultado do tratamento ➢ Aumentar a rentabilidade da clínica
  • 7. CONHECENDO OS PARÂMETROS FÍSICOS • Se pensamos que a eletroterapia é a aplicação de eletricidade no paciente, por que não colocarmos o dedo do paciente na tomada?
  • 8. CONHECENDO OS PARÂMETROS FÍSICOS • a) Eletricidade É uma forma básica de energia na ciência física e pode produzir efeitos sobre os tecidos. • b) Carga Elétrica É uma propriedade física, com cargas positivas e negativas. • Íons: são átomos carregados positivamente ou negativamente (cátions ou ânions)
  • 9. CARGA ELÉTRICA • » Átomo: Formado por elétrons e prótons. • » Íons: São átomos carregados positivamente ou negativamente. Cargas iguais se repelem umas às outras, enquanto cargas opostas se atraem.
  • 10. CARGA ELÉTRICA n n p p e- e- - +
  • 11. CAMPO ELÉTRICO • Um campo eletromagnético é um espaço onde agem forças magnéticas, que se formam em torno de um condutor elétrico. • Quando há uma corrente elétrica num condutor, não somente o condutor é submetido a alterações, mas também a região que o circunda sofre modificações. Forma-se um campo eletromagnético em volta do condutor. • Quanto maior a intensidade da corrente no condutor, tanto mais forte é o campo eletromagnético ao seu redor.
  • 13. • Uma onda é um pulso energético que se propaga através do espaço ou através de um meio (líquido, sólido ou gasoso), ela pode se propagar através do vácuo e transferir energia de um lugar para outro. ONDA
  • 14. PULSO (MS OU MS) • Largura de fase da onda, a medida de onde inicia até onde termina uma onda, em cada pulso se obtém uma determinada quantidade de energia já preestabelecida.
  • 15. FREQUÊNCIA (HZ) • Frequência é a quantidade de pulso em um determinado tempo. • Relação Frequência versus largura de pulso – sempre que for alterada a frequência de um equipamento é o repouso do pulso que está sofrendo alteração. • É uma grandeza física associada a movimentos de característica ondulatória que indica o número de revoluções (ciclos, voltas, oscilações etc) por unidade de tempo.
  • 16. CORRENTES DE BAIXA FREQUÊNCIA ATÉ 1000 Hz FES GALVÂNICA DIADINÂMICAS MICROCORRENTE OBS.: O que difere é o tipo de pulso e a maneira como a corrente é oferecida para a fibra: causando analgesia ou contração muscular(eletroestimulação muscular)
  • 17. CORRENTES DE MÉDIA FREQUÊNCIA DE 1000 Hz a 100 KHz RUSSA 2500 Hz INTERFERENCIAL 2000-4000 Hz AUSSIE 1Khz e 4 Khz OBS.: Atinge maior profundidade quanto maior for a frequência
  • 18. CORRENTES DE ALTA FREQUÊNCIA MAIORES QUE 300 KHZ ONDAS CURTAS 27 MHz MICROONDAS 2450 MHz RADIOFREQUÊNCIA O efeito terapêutico vai ocorrer a partir do campo magnético que essas correntes fazem. Ultrasson 27 e 3 Hz
  • 19. INTENSIDADE (ΜA OU MA) • Quando se aumenta a intensidade no aparelho aumenta-se a unidade motora recrutada, o tamanho da área que está sendo atingida e também a magnitude com que ela está sendo atingida. Serve também para manter o estimulo sensorial.
  • 20. ALGUMAS MODULAÇÕES EXISTENTES NOS APARELHOS • » TON/ TOFF – tempo de transmissão da corrente/ tempo de repouso (sem corrente) – unidade em segundos. A contração da corrente elétrica é mais fatigante que a voluntária. Por isso o TON/TOFF é usado exclusivamente em correntes exitomotoras. • O tempo on que é composto do tempo de subida e tempo de descida, é importante devido aos efeitos de “acomodação”. O tempo off é o tempo em que não existe corrente passando. • » Burst ou salva – É o tempo que a corrente fica em TON. Quando ouvimos a pronuncia burst, logo imaginamos o tempo que ela está sendo conduzida.
  • 21. ALGUMAS MODULAÇÕES EXISTENTES NOS APARELHOS • Repouso (R) – É o que está entre as faces das ondas Corrente pulsada monofásica, demonstrando o Repouso (R) Fonte: Nelson, Hayes, Currier. Eletroterapia Clínica
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 28. EQUIPAMENTOS • Os equipamentos atuais empregam diferentes tipos de correntes, onde o aparelho emite a energia eletromagnética que é então conduzida através de cabos condutores até os eletrodos que ficam aderidos à pele do paciente. • Outras formas incluem a utilização de agulhas ao invés de eletrodos, sendo este emprego mais reservado ao uso para terapia estética ou para métodos diagnósticos.
  • 29. • Existe uma diversidade de correntes que podem ser utilizadas na eletroterapia, cada qual com particularidades próprias quanto às indicações e contra-indicações. • Mas todas elas tem um objetivo comum: produzir algum efeito no tecido a ser tratado, que é obtido através das reações físicas, biológicas e fisiológicas que o tecido desenvolve ao ser submetido à terapia. Equipamentos
  • 30. ELETRODOS • Os Eletrodos constituem a interface que transmite a corrente elétrica através da pele do paciente. Com isso há uma grande melhora no desenvolvimento físico do paciente. • Os eletrodos são fixados à pele do paciente em duplas, para que a corrente emitida pelo aparelho passe de um eletrodo para o outro. • Quando a corrente atinge um eletrodo, a energia é então transmitida pelo tecido e irá se propagar através dele até atingir o outro eletrodo-par.
  • 31. ELETRODOS QUANTO MENOR O TAMANHO DO ELETRODO, MAIOR SERÁ A RESISTÊNCIA DA PELE À PASSAGEM DA CORRENTE ELÉTRICA E VICE - VERSA. QUANTO MENOR O TAMANHO DO ELETRODO, MAIOR SERÁ A DENSIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA PASSANDO PELA ÁREA DO ELETRODO.
  • 32. TIPOS
  • 33.
  • 34. TECIDOS E IMPEDÂNCIA ELÉTRICA • Quanto mais água tem o tecido, melhor é a sua propriedade de conduzir a corrente elétrica. Pouco condutores Condutores médios Bons condutores Osso Pele úmida Sangue Gordura Tendões Linfa Pele seca Fáscias grossas Líquidos corporais Pêlos Cartilagens Músculos Unhas -- Vísceras -- -- Tecido nervoso
  • 35. O QUE DEVO FAZER PARA REDUZIR A IMPEDÂNCIA DA PELE? 1. Higienizar o local 2. Retire o excesso de pelo local; 3. Melhore o aporte sanguíneo anteriormente utilizando modalidades como massoterapia ou recursos da hipertermoterapia; 4. Umedeça a pele; 5. Obs.: Faça passar pelo local outra corrente elétrica. A mais usada é a Difásica Fixa (DF); 6. Dê preferência para os eletroestimuladores com média frequência (RUSSA ou INTERFERENCIAL).
  • 36. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA CORRENTE ELÉTRICA Ação Vasodilatadora A corrente elétrica impede a secreção de noradrenalina produzindo vasodilatação passiva. A vasodilatação passiva é produzida pela histamina.
  • 37. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA CORRENTE ELÉTRICA Ação Ionizante Predominante nas correntes unidirecionais que produzem aumento da permeabilidade da membrana celular além do fenômeno da eletrólise, em que os íons são atraídos pelo pólo oposto da sua carga
  • 38. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA CORRENTE ELÉTRICA Efeito Excitomotor resulta do músculo ser um tecido excitável, cuja resposta ao estímulo elétrico é a contração.
  • 39. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA CORRENTE ELÉTRICA Efeito Analgésico a teoria das comportas ou portão é o mecanismo mais relevante, além da ativação/produção de substâncias endógenas como as endorfinas.
  • 40. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA CORRENTE ELÉTRICA Efeito Cicatrizante a corrente elétrica pode favorecer o reparo tecidual estimulando diretamente as células a produzirem mais ATP, aumento a síntese de proteínas, revitalizando a área lesionada.
  • 41. CONTRA-INDICAÇÕES GERAIS 1. Incapacidades cardíacas graves; 2. Marcapasso; 3. Gravidez; 4. Implantes metálicos expostos; 5. Seio carotídeo; 6. Ao redor dos olhos; 7. Obesidade mórbida.