SlideShare uma empresa Scribd logo
TERMOTERAPIA
Ultra-som
Cap: 6 Ultra-som
Prof: Cleanto Santos
Vieira
Termoterapia
• O ultra-som é uma modalidade
de penetração profunda, capaz
de produzir alterações nos
tecidos, por mecanismos
térmicos e não térmicos.
• A energia liberada pelo
transdutor é de origem acústica
e não eletromagnética.
• Dependendo da frequência
utilizada, pode ser utilizado para:
• - diagnóstico por imagens
• - cura terapêutica de tecido
• - Destruição de tecidos.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Tradicionalmente o ultra-som
terapêutico tem sido empregado na
medicina esportiva.
• Dependendo dos parâmetros de
entrada, os efeitos da aplicação de
ultra-som podem incluir o aumento da
velocidade de reparo dos tecidos e
cura de lesões por:
• - Aumento do fluxo sanguíneo;
• - Aumento da extensibilidade do
tecido;
• - Dissolução de depósitos de cálcio;
• - Redução da dor;
• - Redução de espasmo muscular
devido a alteração da condução
nervosa e etc...
• Na tabela ao lado alguns parâmetros e
medidas de saída de Ultra-som
Cap: 6 Ultra-som
Parâmetros e medidas de saída de Ultra-som
Relação de não
uniformidade do feixe
(RNF)
A RNF descreve a consistência (uniformidade) da saída do ultra-som
enquanto relação. Quanto menor for a relação, mais uniforme será
o feixe. Uma RNF maior que 8:1 não é considerada segura.
Ciclo de funcionamento Um ciclo de funcionamento de 100% indica uma saída constante de
utra-som e provoca efeitos térmicos dentro do corpo. Um ciclo de
funcionamento baixo (pulsado) produz efeitos não térmicos.
Área de radiação efetiva
(ARE)
A área de uma fonte sonora que produz ondas ultra-sônicas.
Medida em cm².
Frequência A frequência determina a profundidade efetiva de penetração
(quanto > a frequência < a profundidade de penetração).
Intensidade A intensidade descreve o grau de potência gerada pela unidade
geradora.
Intensidade espacial
média (IEM)
Medida em Watts por cm², descreve o grau de potência por
unidade de área ARE da fonte sonora.
Intensidade média no
tempo (IMT)
Só significativa quando se libera ultra-som em pulsos, a IMT
descreve a quantidade média de energia liberada por segundo.
Duração do TTO A duração do TTO é determinada pela intensidade de saída e pelas
metas específicas do TTO.
Termoterapia
• Produção de utra-som.
• É produzido por uma corrente alternada que flui através de
um cristal piezoelétrico, como:
• - Quartzo;
• - Titanato de bário;
• - Zirconato de chumbo ou Titanato.
• É alojado em um transdutor, sendo que os cristais naturais
foram substituídos por cristais sintéticos que produzem um
campo de energia melhor e mais consistente (estão em
desenvolvimento geradores ultrasônicos movidos a laser,
que provavelmente fornecerão uma saída mais precisa e
mais flexível).
• Os cristais piezoelétricos produzem cargas elétricas positivas
e negativas quando se contraem ou se expandem.
• A vibração dos cristais causa a produção mecânica de ondas
sonoras de alta frequência.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• A transmissão de energia acústica depende de um meio,
e quanto mais denso for o meio, melhor é a
transmissão.
• Em um meio uniforme, o som caminha a uma
velocidade constante, que pode ser calculada como:
Velocidade= Frequência x Comprimento de onda.
• Para que sons de diferentes frequências caminhem na
mesma velocidade, seus comprimentos de onda devem
ser diferentes.
• Comprimentos de onda mais curtos devem ter uma
frequência maior para atingir a velocidade dos
comprimentos de onda mais longos.
• Ex: Imagine duas pessoas caminhando lado a lado, uma
mede 2,13m e seu passo é de 0,91 m. A outra mede
1,52m e seu passo é de 0,46 m. Despois de percorrerem
27,43 m, a pessoa mais alta deu 30 passos, a mais baixa
deu 60 passos.
• A energia produzida por ultra-som (vibração) deforma o
meio, por isso é impossível no vácuo.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• A semelhança entre um gerador de ultra-som
e o som estéreo que produz som audível é
grande.
• Quando seu Ipod toca música ele detecta
padrões dos impulsos de som gravados na
memória, esses padrões são convertidos em
energia elétrica, que é transferida para um
alto-falante.
• Ao atingir o alto-falante, um magneto é
ativado, provocando expansão e contração do
cone, essa vibração produz ondas mecânicas,
que são transmitidas pelo ar e chegam aos
nosso tímpanos gerando também vibração que
é captada pelo S.N.C.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Transmissão de ondas por ultra-som.
• A energia da onda é transferida por
uma molécula colidindo com a
molécula vizinha e trocando energia
cinética, sem originar um
deslocamento verdadeiro de
moléculas.
• Ex: Uma folha flutua em um lago, pedra
cai perto dela, a folha balança para
cima e para baixo, conforme as ondas
passam perto dela, mas sua posição
não muda.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Ondas longitudinais.
• Nas ondas longitudinais, as partículas se
deslocam paralelamente à direção do som.
• A alternância de pressão alta e baixa exercida
pelo feixe de ultra-som resulta em regiões de
elevada densidade de partículas (compressão) e
de baixa densidade de partículas (rarefação) ao
longo do caminho da onda sonora.
• Essas flutuações de pressão transmitem energia
dentro dos tecidos, produzindo efeitos
fisiológicos.
• As ondas longitudinais são capazes de percorrer
meios sólidos e líquidos e o ultra-som atravessa
os tecidos moles dessa forma.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Ondas transversais.
• Nas ondas transversais as ondas se deslocam
perpendicularmente à direção da onda sonora.
• Ex: Uma corda de guitarra vibrando é um
exemplo deste tipo de onda.
• Ela vibra em paralelo ao seu comprimento.
• As ondas transversais não atravessam fluidos e
só aparecem no corpo quando o ultra-som
encontra um osso.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• A onda de Ultra-som.
• As frequências utilizadas no ultra-som terapêutico
produzem feixes cilíndricos, com extensão até
certo ponto menor que o diâmetro da fonte
sonora.
• Essas ondas têm propriedades de reflexão,
penetração e absorção.
• Próximo da fonte do transdutor, a pressão do
campo sonoro não é uniforme, formando picos de
alta intensidade e vales de baixa intensidade.
• Esta é a área do feixe ultra-sônico usada com
objetivos terapêuticos.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• As fontes de ultra-som estão
disponíveis em diferentes tamanhos
e com diferentes frequências
ressonantes de cristal.
• Cada fonte ressonante deve ter
marcada sua frequência, área de
radiação efetiva e proporção de feixe
não uniforme.
• As fontes de diâmetros maiores
produzem um feixe mais colimado, e
as fontes de diâmetros menores
originam feixes mais divergentes.
• Os ultra-sons de baixa frequência
(0,75mhz– 1mhz) possuem um feixe
que diverge mais que o de Alta
frequência (3mhz – 5mhz).
• A área de radiação efetiva (ARE)
representa todas as áreas que
produzem mais que 5% da saída da
potência máxima do transdutor.
• A ARE tem sempre uma área menor
que o tamanho real da fonte sonora.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Frequência.
• A frequência de saída de um gerador de ultra-
som é medida em mega-hertz (MHZ) e
descrita como o número de ondas que
ocorrem em um segundo.
• A frequência de saída determina a
profundidade de penetração da energia.
• Geradores de alta frequência (3mhz) são
empregados para tratamentos superficiais,
pois a energia é rapidamente absorvida e o
gerador mais utilizado (1mhz), oferece um
ajuste entre a penetração profunda e um
aquecimento adequado, em função da
frequência relativamente baixa empregada.
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Potência e intensidade.
• A potência produzida por um gerador de ultra-
som é medida em Watts (W) e representa a
quantia de energia produzida por um transdutor.
• A intensidade representa a força das ondas
sonoras, em uma área, dentro dos tecidos
tratados.
• Existem duas medidas principais:
• - Intensidade média espacial
• - Intensidade média temporal.
• Existe ainda a medida de valor de meia camada,
que representa a profundidade em que 50% da
energia ultra-sônica foi absorvida pelos tecidos.
Se o ultra-som aplicado a 1 w/cm² perde 50% de
sua energia em uma profundidade de 2,3cm, a
intensidade do feixe é, então, 0,5 w/cm².
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Intensidade média espacial.
• (IME) descreve a quantidade de energia
que passa através de uma área específica,
nesse caso, a área da fonte sonora (a ARE).
• É expressa em Watts por cm², fornece a
medida da potência de saída pela ARE da
fonte do transdutor (centímetros
quadrados).
• Ex: se 10 w estão sendo emitidos pela fonte
de transdutor com uma ARE de 5 cm², a
intensidade média espacial será de 2 w por
cm².
• As doses de TTO variam de 0,5 a 5
watts/cm².
Cap:6 Ultra-som
Efeito da área de radiação de utra-som sobre a energia total produzida
Intensidade (w/cm²) Área de radiação
efetiva (ARE)
Potência total
produzida (w)
1,5 5 7,5
1,5 6 9,0
1,5 10 15,0
Termoterapia
• Intensidade temporal média.
• Mede a potência de energia ultra-
sônica liberada nos tecidos, em um
dado período, sendo significativa
apenas na aplicação de ultra-som
em pulso.
• A energia liberada nos tecidos, por
unidade de tempo, com o ultra-
som operando em um ciclo de
funcionamento de 50%, é metade
da liberada por modo contínuo.
• Ex: Uma intensidade espacial
média de 2 w/cm² e a fizermos
passar em pulsos de 50% do ciclo
de funcionamento, a densidade
temporal média do TTO será de 1
w/cm² (2 w/cm² x 0,5 = 1 w/cm²).
Cap: 6 Ultra-som
Termoterapia
• Não uniformidade do feixe de ultra-som.
• O grau de variação da intensidade dentro de um feixe de ultra-
som é medido em termos de relação de não uniformidade do
feixe (RNF).
• Corresponde a maior intensidade dentro do feixe, a intensidade,
isto é, a intensidade espacial de pico e a intensidade média
registrada no marcador de saída.
• A RNF ideal, porém clinicamente impossível de ser obtida é 1:1.
• Uma RNF maior que 8:1 pode ser considerada inaceitável.
• Ex: Uma RNF indicada de 3:1 e o medidor mostrar uma saída de 2
w/cm², em algum lugar do feixe, a intensidade real é de 6 w/cm²
(3 x 2 w = 6 w).
• A existência de áreas de alta intensidade dentro do feixe, os
“pontos quentes”, são a principal razão para manter a fonte do
ultra-som em movimento durante o TTO.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Duração do TTO.
• Depende do tamanho da área a ser tratada, da
intensidade de saída e das metas terapêuticas do TTO.
• Em qualquer circunstância, a área de TTO, não deve ser
maior que duas a três vezes a área de superfície da ARE da
fonte sonora.
• Ao invés de tratar uma grande área em uma única sessão
de ultra-som, a área deve ser dividida em zonas de TTO
menores.
• Quando se deseja efeito vigoroso de aquecimento, a
duração do TTO deve ser de 10 a 12 minutos, com uma
saída de 1MHz; e de 3 a 4 minutos com ultra-som de
3MHz.
• Geralmente o ultra-som é administrado em TTOs por
períodos de 10 a 14 dias, após isso a eficácia do TTO deve
ser reavaliada.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Tratamentos dose-orientados.
• A quantidade de aumento da temperatura depende da
intensidade da saída e da duração do tratamento.
• Esse método de determinação da dosagem do
tratamento é uma técnica imprecisa, embora
tradicionalmente utilizada.
• Os aperfeiçoamentos da qualidade dos geradores, os
microprocessadores e pesquisas sobre efeitos de
aquecimento provocados por ultra-som levaram ao
desenvolvimento de parâmetros de tratamento
orientados pela dose.
• Nesse caso o médico indica o total de aumento de
temperatura e as características dos tecidos alvo.
• A unidade geradora calcula os melhores parâmetros para
o tratamento.
Cap 6: Ultra-som
Taxa de aquecimento por ultra-som, por minuto,
baseada em uma área de TTO duas a três vezes
maior que a ARE
Intensidade
(w/cm²)
Profundidade
do tecido
1 MHz
5cm
3MHz
1,2cm
0,5 0,04 ºC 0,3 ºC
1,0 0,2 ºC 0,6 ºC
1,5 0,3 ºC 0,9 ºC
2,0 0,4 ºC 1,4 ºC
Termoterapia
• Transferência ultra-sônica através dos
tecidos.
• O ultra-som atravessa os tecidos moles na forma de
ondas longitudinais, até atingir um osso.
• Quando isso acontece, parte da energia é refletida e o
resto é convertido em ondas transversais.
• A propagação da energia ultra-sônica depende da
frequência das ondas sonoras e da densidade dos
tecidos.
• A energia ultra-sônica intensa refletida pelos ossos
pode provocar dor perióstea (dor ou queimadura de
localização profunda), um efeito indesejável.
• A intensidade diminui a medida que a distância que
ela percorre através dos tecidos aumenta.
• Esse processo chama-se atenuação.
Cap 6: Ultra-som
Porcentagem de reflexão de
energia ultra-sônica em várias
interfaces
Interface Energia refletida
(%)
Água – tecido mole 0,2
Tecido mole -
gordura
1
Tecido mole - osso 15-40
Tecido mole - ar 99,9
Termoterapia
• Ultra som modo contínuo.
• Aplicação contínua pode aquecer, com
eficiência, tecidos localizados a 5cm (ou mais)
de profundidade, dependendo da frequência
utilizada.
• Como a saída é liberada 100% do tempo, a
energia é medida em termos da intensidade
média espacial (Watts/cm²).
• A intensidade espacial de pico, determinada
pela RNF, não deve exceder a 8 w/cm² (saída
medida x RNF).
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Ultra-som pulsado.
• Num feixe de ultra-som pulsado, a intensidade temporal
média de saída diminui, reduzindo os efeitos térmicos e ao
mesmo tempo permitindo os efeitos não térmicos do ultra-
som.
• A relação entre o comprimento do pulso e o intervalo de pulso
é expressa como uma porcentagem do ciclo de
funcionamento:
• Ciclo de func.= __________Comp. do pulso_____________
• (Comp. do pulso + intervalo de pulso) x 100
• Quanto mais próximo de 100% o ciclo de funcionamento
chegar, maiores serão o efeitos térmicos finais do TTO.
• A saída de ultra-som pulsado é medida pela intensidade
temporal máxima, mas a quantidade de energia real liberada
no tecido depende do ciclo de funcionamento.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Agentes e métodos de acoplamento.
• As ondas de ultra-som não podem atravessar o ar, por isso
utilizamos uma agente de acoplamento para permitir que
as ondas passem do transdutor para os tecidos.
• Um bom meio é capaz de transmitir uma boa
porcentagem de ultra-som, portanto ele não deve ser
refletor.
• A água destilada é o meio ideal para a transmissão, pois
ela reflete apenas 0,2% da energia.
• Muitos geradores de ultra-som modernos desligam-se
automaticamente se a aplicação estiver sendo feita sem
um meio, se o meio não for aceitável ou se houver
contato insuficiente com a pele.
• Uma fonte acoplada indevidamente produz aumento de
temperatura.
• Muitas unidades desligam se a temperatura pré-
determinada for ultrapassada.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Acoplamento direto.
• O transdutor é colocado diretamente sobre a pele,
junto com o gel que serve para excluir o ar entre a pele
e a fonte sonora.
• Os géis consistem de água destilada e um material
inerte não refletor, que aumenta a viscosidade da
mistura.
• Esse gele deve ser generosamente aplicado na área
para garantir que uma camada consistente, sem
grandes bolhas de ar, esteja disponível durante o TTO.
• A eficácia do gel diminui se a parte tratada do corpo for
provida de pelos ou for irregular.
• Quanto maior a quantidade de pelos da parte do corpo,
menor será a energia liberada nos tecidos (deve-se
considerar raspar a área de TTO quando os pelos forem
excessivos).
• Deve-se aplicar uma pressão constante e firme,
mantendo o transdutor em contato total com a pele
(pouca pressão cria acoplamento insuficiente e muita
pressão diminui a energia transferida para os tecidos
recomenda-se de 200 g a 600 g de pressão sobre o
tecido.
Cap 6: Ultra-som
Capacidade de acoplamento de potenciais meios para ultra-som
Substância Transmissão em
relação a água (%)
Envoltório de Saram 98
Gel Lidex, fluocinomida 0,05% 97
Creme tetra-gésico, metil salicilato 97
Óleo mineral 97
Gel para transmissão de ultra-som 96
Loção para transmissão de ultra-som 90
Chempad-L 68
Hidrocortisona em pó (1%) em gel para US 29
Hidrocortisona em pó (10%) em gel para
US
7
Creme Eucerine 0
Creme Myoflex, salicilato de trolamina 10% 0
Gel de petrolato branco 0
Termoterapia
• Imersão em água.
• Deve ser aplicado quando se trata de uma área irregular, como as
extremidades distais, pode-se administrar uma dose mais uniforme de
ultra-som, utilizando-se a água como condutor sonoro.
• A parte a ser tratada é imersa em água (água destilada é ideal mas
devido ao preço raramente é usada).
• Em seguida o transdutor é colocado na água, com a fonte voltada para
o corpo, a aproximadamente 2,54cm de distância.
• A mão do operador não deve ficar imersa na água (pode ser perigoso
ao longo de repetidas sessões).
• Recomenda-se o uso de banheira cerâmica para a aplicação de ultra-
som submerso, por essa ser excelente refletora, criando uma câmara de
“eco” e permitindo que as ondas atinjam o corpo em todos os ângulos.
• Quando utilizar água não destilada, pode-se aumentar a intensidade do
ultra-som em cerca de 0,5 w/cm², para compensar a atenuação
provocada pelo ar e os sais minerais da água.
• A imersão em água de torneira é menos eficaz para aumentar a
temperatura dos tecidos subcutâneos do que o método de
acoplamento direto, utilizando o transdutor de 3MHz.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Técnica da bexiga.
• Nessa técnica utiliza-se uma bexiga
cheia de água ou uma bolsa plástica
coberta com gel aplicador.
• A bexiga se adapta a áreas irregulares
como as articulações
acromioclavicular e talocrural.
• Podem ser utilizados preservativos
cheios de água (mais resistentes).
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Efeitos biofísicos da
aplicação de ultra-som.
• Podem ser agrupados em duas classes.
• Efeitos não térmicos -> alterações
dentro dos tecidos, resultantes do
efeito mecânico da energia ultra-
sônica;
• Efeitos térmicos -> alterações dentro
dos tecidos, como resultado direto da
elevação da temperatura do tecido,
provocada pelo ultra-som.
• Os dois tipos de efeitos ocorrem no
organismo, mas a proporção e a
magnitude de cada um deles
dependem do ciclo de fornecimento e
da intensidade de saída.
• Quanto maior for o ciclo (on), maiores
serão os efeitos térmicos; quanto
maior for a intensidade de saída, maior
será a magnitude dos efeitos.
Cap 6: Ultra-som
Efeitos fisiológicos da aplicação de ultra-som.
Efeitos não térmicos Efeitos térmicos
↑ da permeabilidade da membrana celular ↑ da velocidade de condução do nervo
sensorial
Taxas alteradas de difusão através da membrana celular ↑ da velocidade de condução do nervo
motor
↑ da permeabilidade vascular ↑ da extensibilidade de estruturas
ricas em colágeno
Secreção de substâncias quimiotácteis ↑ da deposição de colágeno
↑ do fluxo sanguíneo ↑ do fluxo sanguíneo
↑ da atividade fibroblástica Redução do espasmo muscular
Estimulação da fagocitose ↑ da atividade dos macrófagos
Produção de tecido de granulação sadia Melhora da adesão dos leucócitos a
células endoteliais danificadas.
Síntese de proteínas
Redução de edemas
Síntese de colágeno
Difusão de íons
Regeneração de tecido
Formação de tecido conjuntivo mais forte
Termoterapia
Cap 6: Ultra-som
Aumentos de temperatura necessários para obter efeitos terapêuticos
específicos durante a aplicação do ultra-som
Classificação dos efeitos
térmicos do ultras-som
Aumento de temperatura Utilizado para
Brando 1ºC Inflamação leve
Aceleração da taxa metabólica
Moderado 2 a 3ºC ↓ do espasmo muscular
↓ da dor
↑ do fluxo sanguíneo
↓ da inflamação crônica
Forte 3 a 5ºC Alongamento do tecido, redução de tecido cicatricial
Inibição da atividade simpática
Termoterapia
• Efeitos sobre o ciclo de resposta à lesão.
• Dependem do modo de aplicação (contínuo
ou pulsado), da frequência do som, do
tamanho da área tratada e dos tecidos
tratados (vascularização e densidade).
• Os efeitos térmicos são semelhantes aos da
termoterapia.
• O uso da energia a Laser pode ser uma
alternativa ao ultra-som (devido as
semelhanças dos efeitos biofísicos).
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Fluxo sanguíneo.
• O ultra-som pode aumentar o fluxo
sanguíneo por até 45 min. Depois do TTO,
embora esses dados não sejam
universalmente aceitos.
• Em um estudo, a aplicação de calor úmido
antes do ultra-som diminuiu muito o
aumento do fluxo sanguíneo na área em
TTO.
• Em outro estudo a aplicação de massagem
com gelo antes do ultra-som manteve o
aumento do fluxo sanguíneo no nível
observado com aplicação isolada de ultra-
som.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Cicatrização do tecido.
• A aplicação de ultra-som acelera a fase inflamatória
do processo de inflamação tissular.
• O modo contínuo influencia de forma positiva a
atividade dos macrófagos e aumenta a adesão dos
leucócitos nas células endoteliais danificadas.
• Quando o ultra-som é aplicado na fase de
proliferação, ele estimula a divisão celular.
• O ultra-som contínuo de baixa frequência (0,75-
1MHz) intensifica a liberação dos fibroblastos pré-
formados, enquanto que o ultra-som de alta
frequência (3MHz) aumenta a capacidade da célula
sintetizar e secretar partes componentes dos
fibroblastos.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Estiramento do tecido.
• O efeito térmico de aumento da extensibilidade dos
tecidos ricos em colágeno pode ser empregado de
forma vantajosa incorporando exercícios de amplitude
de movimento depois da aplicação de ultra-som
contínuo.
• É necessário um alongamento suave, ativo ou passivo.
• Para promover o alongamento a temperatura dos
tecidos a serem tratados deve subir 5ºC.
• Depois da aplicação do ultra-som, a oportunidade da
“janela de alongamento” de Draper dura pouco.
• Qualquer alongamento subsequente deve ser realizado
imediatamente após o término do TTO.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Controle da dor.
• O ultra-som pode controlar a dor pelo efeito direto que a
energia exerce sobre o S.N.P.
• A permeabilidade da membrana celular aos íons de sódio
é modificada, alterando a atividade elétrica da fibra
nervosa e elevando o limiar de dor.
• A velocidade da condução nervosa aumenta devido aos
efeitos térmicos da aplicação do ultra-som e também
pode produzir efeito contra-irritante.
• A redução indireta da dor é decorrente de outros efeitos
da aplicação do ultra-som.
• O ↑ do fluxo sanguíneo e da permeabilidade capilar eleva
a liberação de O² na área hipóxica, reduzindo a atividade
dos quimioceptores de dor.
• A estimulação dos receptores mecânicos de dor ↓ por
causa do espasmo muscular e do ↑ do relaxamento
muscular.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Fonoforese.
• A energia ultrasônica pode ser
utilizada para liberar medicamentos
nos tecidos pelo processo de
fonoforese.
• O processo é semelhante ao da
iontoforese ,mas não necessita que a
medicação seja eletricamente
carregada.
• Os efeitos da energia ultra-sônica
abrem caminhos que permitem que a
medicação se difunda através da pele
e penetre mais profundamente nos
tecidos.
• A vantagem é que a droga é
espalhada sobre uma área maior e
essa técnica não é invasiva.
Cap 6: Ultra-som
Fatores da pele que determinam a taxa de difusão do medicamento
durante a aplicação transdérmica
Fator Efeito
Hidratação Quanto maior o conteúdo de água, mais permeável é a pele à
passagem de medicamentos.
Idade A desidratação ocorre como o envelhecimento da pele; também
diminuem o contéude de lipídeos e a circulação.
Composição A passagem mais fácil de medicação através da pele ocorre perto de
folículos pilosos, glândulas sebáceas e ductos sudoríparos.
Embora os folículos pilosos estimulem a passagem de medicamento
através da pele, o excesso de pelos deve ser retirado da área a ser
tratada.
Vascularização Áreas altamente vascularizadas são mais aptas a permitir a
transferência de medicamentos para tecidos profundos. Os vasos
contraídos localizam os efeitos, ao passo que vasos dilatados
aumentam a liberação sistêmica da medicação.
Espessura A pele espessa oferece uma barreira mais incômoda à medicação do
que a pele fina. Quando aplicar fonoforese em uma área espessa,
tente aplica-la sobre áreas de baixa densidade de pele (fasciite
plantar-> aspecto médio do calcâneo).
Termoterapia
• Na aplicação da fonoforese, o
substituto do gel acoplador
padrão é um gel ou creme
contendo a medicação, que é
bastante variada e pode exigir
prescrição médica.
• As técnicas permitem a introdução
nos tecidos apenas de moléculas
de tamanho relativamente
pequeno e de baixo peso
molecular.
• Uma ampla variedade de
substâncias é empregada e a mais
comum é a hidrocortisona.
Cap 6: Ultra-som
Substâncias comumente administradas por fonoforese
Classificação Indicação Tecidos-alvo Exemplos
Corticoesteróides Quadros inflamatórios Tecidos
subcutâneos
Nervos
Músculo
Hidrocortison
a
Dexametason
a
Salicilatos Quadros inflamatórios
Dor
Tecidos
subcutâneos
Myoflex
Anestésicos Dor
Pontos-gatilho
Nervos
Sistema circulatório
Lidocaína
As seguintes recomendações foram estabelecidas, a fim de fornecer a melhor aplicação de fonoforese:
- Utilizar apenas meios aprovados de transmissão de ultra-som.
- Assegurar-se de que a pele esteja bem úmida; áreas de pele seca devem ser evitadas.
- Antes do TTO, tricotomizar a área para melhorar a capacidade de difusão do medicamento.
- Posicionar a extremidade de forma a estimular a medicação
- Utilizar o método contínuo para maximizar o efeito da fonoforese (a menos que sejam contra-indicados).
Termoterapia
• Cicatrização de fraturas.
• Uma saída de 1,5Mhz em pulso de baixa intensidade
(30mW/cm²), aplicado durante 20 min. por dia, é
promissora para acelerar a cicatrização de fraturas
agudas (Esses parâmetros de saída não são
encontrados em ultra-sons comerciais).
• Utra-som e estimulação elétrica.
• Ultra-som e estimulação elétrica vem sendo
aplicados em conjunto há bastante tempo para TTO
de pontos-gatilho e outras síndromes miofasciais.
• A fonte ultrasônica fornece tanto a corrente elétrica
como o feixe sonoro.
• Em teoria forneceria os mesmos benefícios do ultra-
som (térmico e mecânico) e da estimulação elétrica
(circulação, redução do espasmo, diminuição da
aderência do tecido cicatricial.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Duração e frequência do TTO.
• Varia de 3 a 12 min. Dependendo do tamanho da área tratada,
da intensidade do TTO.
• Em geral uma vez por dia, durante 10 a 14 dias.
• Nesse período a eficácia do TTO deve ser avaliada.
• Precauções.
• Os sintomas podem piorar depois dos primeiros 2 TTOs em
razão do aumento da inflamação na área, se a piora persistir
depois do 3º ou 4º TTOs, o uso dessa modalidade deve ser
interrompido.
• Cuidado ao aplicar ultra-som ao redor da medula espinhal
(vários fabricantes contra-indicam).
• O uso sobre implantes metálicos não é contra-indicado,
contando que a fonte seja mantida em movimento e que a
área tratada esteja com as funções sensoriais normais.
• O uso sobre placas epifisiárias de ossos em crescimento deve
ser feito com cuidado. Muitos autores contra-indicam essa
modalidade.
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Indicações:
• - Contraturas articulares;
• - Espasmo muscular;
• - Neuroma;
• - Tecido cicatricial;
• - Distúrbios do sistema nervoso simpático;
• - Pontos-gatilho;
• - Verrugas;
• - Espasticidade;
• - Redução pós-aguda de miosite ossificante;
• - Condições inflamatórias agudas (saída pulsada);
• - Condições inflamatórias crônicas (Saída pulsada
ou contínua).
Cap 6: Ultra-som
Termoterapia
• Contra-indicações:
• - Patologias agudas (saída contínua);
• - Áreas isquêmicas;
• - Tendência a hemorragia;
• - áreas ao redor dos olhos, crânio ou genitália;
• - Gravidez, quando a aplicação for em áreas pélvicas ou
lombares;
• - Sobre timores cancerígenos;
• - Medula espinhal;
• - Áreas anestesiadas;
• - Sobre locais de fratura, antes de sua consolidação;
• - Locais de fraturas por tensão;
• - Sobre locais de infecção ativa;
• - Sobre área pélvica ou lombar de pacientes menstruadas;
• - áreas cuja circulação está prejudicada.
Cap 6: Ultra-som
Referências bibliográficas
• MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e
Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em:
http://ofisioterapeuta.blogspot.com/
• Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em
fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001.
• Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In:
Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford:
Butterworth-Heinemann; 2000.
Prof: Cleanto Santos Vieira – contato – cleantosantos@Hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Cleanto Santos Vieira
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
Nay Ribeiro
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
IBRAMED
 
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Cleanto Santos Vieira
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Cleanto Santos Vieira
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
Regina de Oliveira
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
laismoraes93
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
FUAD HAZIME
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
Nay Ribeiro
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
Danillo Aguiar
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6 Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
Cleanto Santos Vieira
 
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
Roseli Italo fonseca lazarini
 
microondas
microondasmicroondas
microondas
Nay Ribeiro
 
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
thiagopennachaves
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia

Mais procurados (20)

Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
 
ultrasom
ultrasomultrasom
ultrasom
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
 
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
Eletroterapia - fisiologia e psicologia da dor vias ascendentes - capítulo 2 ...
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
Hidroterapia - crio tapping - Aula 8
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 
Ultrassom terapêutico
Ultrassom terapêuticoUltrassom terapêutico
Ultrassom terapêutico
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 
Ultra som
Ultra somUltra som
Ultra som
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6 Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
Eletroterapia - calor - agentes térmicos - capítulo 4 Aula 6
 
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser01 manual de aprendizagem acupuntura laser
01 manual de aprendizagem acupuntura laser
 
microondas
microondasmicroondas
microondas
 
ULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdfULTRA-SOM.pdf
ULTRA-SOM.pdf
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 

Semelhante a Termoterapia ultra-som - capítulo 14

Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
RAFAELVINICIUSDEOLIV
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Ana Pereira
 
laser
laserlaser
Conceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografiaConceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografia
Bruna Cesário
 
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas "Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Us
UsUs
STC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptx
STC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptxSTC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptx
STC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptx
ssuser5a912d
 
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
Marcos Dias
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
Sergio Madureira
 
Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano]
Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano] Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano]
Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano]
Ronaldo Santana
 
ondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e som
ondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e somondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e som
ondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e som
MariaClaraQueiroz8
 
Ecografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdfEcografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdf
FranciscaBastos3
 
Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.
Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.
Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.
iagoLuz3
 
So_laser
So_laserSo_laser
So_laser
Ana Pereira
 
Biofísica da Audição
Biofísica da AudiçãoBiofísica da Audição
Biofísica da Audição
Helena Amaral
 
Espetros e radiações Joao tiago
Espetros e radiações Joao tiagoEspetros e radiações Joao tiago
Espetros e radiações Joao tiago
SaTiDiMi
 
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdfSlide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
EducareEnsinoeFormao
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
Ailton de Sousa Gonçalves
 
Acústica
AcústicaAcústica
FíSica Das RadiaçõEs
FíSica Das RadiaçõEsFíSica Das RadiaçõEs
FíSica Das RadiaçõEs
AulasParticulares
 

Semelhante a Termoterapia ultra-som - capítulo 14 (20)

Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
 
laser
laserlaser
laser
 
Conceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografiaConceitos ultrassonografia
Conceitos ultrassonografia
 
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas "Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
"Somos Físicos" Ondas Eletromagnéticas
 
Us
UsUs
Us
 
STC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptx
STC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptxSTC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptx
STC5_DR1_OndasSonorasEletromagneticas.pptx
 
Artefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografiaArtefatos em ultrassonografia
Artefatos em ultrassonografia
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
 
Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano]
Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano] Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano]
Aula de Física: Ondas e som [Ciências - EF - 9º Ano]
 
ondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e som
ondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e somondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e som
ondasesom-161007010840.pdf conceitos físicos de onda e som
 
Ecografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdfEcografia RESUMOS .pdf
Ecografia RESUMOS .pdf
 
Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.
Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.
Treinamento de Ultrassom - Ensaios não destrutivos.
 
So_laser
So_laserSo_laser
So_laser
 
Biofísica da Audição
Biofísica da AudiçãoBiofísica da Audição
Biofísica da Audição
 
Espetros e radiações Joao tiago
Espetros e radiações Joao tiagoEspetros e radiações Joao tiago
Espetros e radiações Joao tiago
 
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdfSlide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
Slide de Ultrassom - Introdução radiologia.pdf
 
Aula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografiaAula 07 ultrassonografia
Aula 07 ultrassonografia
 
Acústica
AcústicaAcústica
Acústica
 
FíSica Das RadiaçõEs
FíSica Das RadiaçõEsFíSica Das RadiaçõEs
FíSica Das RadiaçõEs
 

Mais de Cleanto Santos Vieira

Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Cleanto Santos Vieira
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Cleanto Santos Vieira
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Cleanto Santos Vieira
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Cleanto Santos Vieira
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Cleanto Santos Vieira
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Cleanto Santos Vieira
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Cleanto Santos Vieira
 

Mais de Cleanto Santos Vieira (20)

Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
Fototerapia - ultra violeta - capitulo 16
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12 Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
Hidroterapia - banhos de contraste - Aula 12
 
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
Hidroterapia - turbilhões - Aula 11
 
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
Hidroterapia - crioalongamento - Aula 10
 
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
Hidroterapia - imersão no gelo - Aula 9
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
Eletroterapia - corrente aussie - capitulo 8 aula 18
 
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
Eletroterapia - corrente russa - capitulo 7 aula 17
 
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2 Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
Neurofisiologia - sinapses - aula 3 capitulo 2
 
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...Sistema Nervoso -  fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
Sistema Nervoso - fisiopatologia do neurônio motor superior e periférico - A...
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgênciaPrimeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
Primeiros Socorros - Desmaios noções de cuidados e socorros de urgência
 
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
Primeiros Socorros - Respiração noções de primeiros socorros e cuidados de em...
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos ofidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopterosPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos himenopteros
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos aracnidismo
 
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismoPrimeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
Primeiros Socorros - Acidentes com animais peçonhentos escorpionismo
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 

Termoterapia ultra-som - capítulo 14

  • 2. Termoterapia • O ultra-som é uma modalidade de penetração profunda, capaz de produzir alterações nos tecidos, por mecanismos térmicos e não térmicos. • A energia liberada pelo transdutor é de origem acústica e não eletromagnética. • Dependendo da frequência utilizada, pode ser utilizado para: • - diagnóstico por imagens • - cura terapêutica de tecido • - Destruição de tecidos. Cap: 6 Ultra-som
  • 3. Termoterapia • Tradicionalmente o ultra-som terapêutico tem sido empregado na medicina esportiva. • Dependendo dos parâmetros de entrada, os efeitos da aplicação de ultra-som podem incluir o aumento da velocidade de reparo dos tecidos e cura de lesões por: • - Aumento do fluxo sanguíneo; • - Aumento da extensibilidade do tecido; • - Dissolução de depósitos de cálcio; • - Redução da dor; • - Redução de espasmo muscular devido a alteração da condução nervosa e etc... • Na tabela ao lado alguns parâmetros e medidas de saída de Ultra-som Cap: 6 Ultra-som Parâmetros e medidas de saída de Ultra-som Relação de não uniformidade do feixe (RNF) A RNF descreve a consistência (uniformidade) da saída do ultra-som enquanto relação. Quanto menor for a relação, mais uniforme será o feixe. Uma RNF maior que 8:1 não é considerada segura. Ciclo de funcionamento Um ciclo de funcionamento de 100% indica uma saída constante de utra-som e provoca efeitos térmicos dentro do corpo. Um ciclo de funcionamento baixo (pulsado) produz efeitos não térmicos. Área de radiação efetiva (ARE) A área de uma fonte sonora que produz ondas ultra-sônicas. Medida em cm². Frequência A frequência determina a profundidade efetiva de penetração (quanto > a frequência < a profundidade de penetração). Intensidade A intensidade descreve o grau de potência gerada pela unidade geradora. Intensidade espacial média (IEM) Medida em Watts por cm², descreve o grau de potência por unidade de área ARE da fonte sonora. Intensidade média no tempo (IMT) Só significativa quando se libera ultra-som em pulsos, a IMT descreve a quantidade média de energia liberada por segundo. Duração do TTO A duração do TTO é determinada pela intensidade de saída e pelas metas específicas do TTO.
  • 4. Termoterapia • Produção de utra-som. • É produzido por uma corrente alternada que flui através de um cristal piezoelétrico, como: • - Quartzo; • - Titanato de bário; • - Zirconato de chumbo ou Titanato. • É alojado em um transdutor, sendo que os cristais naturais foram substituídos por cristais sintéticos que produzem um campo de energia melhor e mais consistente (estão em desenvolvimento geradores ultrasônicos movidos a laser, que provavelmente fornecerão uma saída mais precisa e mais flexível). • Os cristais piezoelétricos produzem cargas elétricas positivas e negativas quando se contraem ou se expandem. • A vibração dos cristais causa a produção mecânica de ondas sonoras de alta frequência. Cap: 6 Ultra-som
  • 5. Termoterapia • A transmissão de energia acústica depende de um meio, e quanto mais denso for o meio, melhor é a transmissão. • Em um meio uniforme, o som caminha a uma velocidade constante, que pode ser calculada como: Velocidade= Frequência x Comprimento de onda. • Para que sons de diferentes frequências caminhem na mesma velocidade, seus comprimentos de onda devem ser diferentes. • Comprimentos de onda mais curtos devem ter uma frequência maior para atingir a velocidade dos comprimentos de onda mais longos. • Ex: Imagine duas pessoas caminhando lado a lado, uma mede 2,13m e seu passo é de 0,91 m. A outra mede 1,52m e seu passo é de 0,46 m. Despois de percorrerem 27,43 m, a pessoa mais alta deu 30 passos, a mais baixa deu 60 passos. • A energia produzida por ultra-som (vibração) deforma o meio, por isso é impossível no vácuo. Cap: 6 Ultra-som
  • 6. Termoterapia • A semelhança entre um gerador de ultra-som e o som estéreo que produz som audível é grande. • Quando seu Ipod toca música ele detecta padrões dos impulsos de som gravados na memória, esses padrões são convertidos em energia elétrica, que é transferida para um alto-falante. • Ao atingir o alto-falante, um magneto é ativado, provocando expansão e contração do cone, essa vibração produz ondas mecânicas, que são transmitidas pelo ar e chegam aos nosso tímpanos gerando também vibração que é captada pelo S.N.C. Cap: 6 Ultra-som
  • 7. Termoterapia • Transmissão de ondas por ultra-som. • A energia da onda é transferida por uma molécula colidindo com a molécula vizinha e trocando energia cinética, sem originar um deslocamento verdadeiro de moléculas. • Ex: Uma folha flutua em um lago, pedra cai perto dela, a folha balança para cima e para baixo, conforme as ondas passam perto dela, mas sua posição não muda. Cap: 6 Ultra-som
  • 8. Termoterapia • Ondas longitudinais. • Nas ondas longitudinais, as partículas se deslocam paralelamente à direção do som. • A alternância de pressão alta e baixa exercida pelo feixe de ultra-som resulta em regiões de elevada densidade de partículas (compressão) e de baixa densidade de partículas (rarefação) ao longo do caminho da onda sonora. • Essas flutuações de pressão transmitem energia dentro dos tecidos, produzindo efeitos fisiológicos. • As ondas longitudinais são capazes de percorrer meios sólidos e líquidos e o ultra-som atravessa os tecidos moles dessa forma. Cap: 6 Ultra-som
  • 9. Termoterapia • Ondas transversais. • Nas ondas transversais as ondas se deslocam perpendicularmente à direção da onda sonora. • Ex: Uma corda de guitarra vibrando é um exemplo deste tipo de onda. • Ela vibra em paralelo ao seu comprimento. • As ondas transversais não atravessam fluidos e só aparecem no corpo quando o ultra-som encontra um osso. Cap: 6 Ultra-som
  • 10. Termoterapia • A onda de Ultra-som. • As frequências utilizadas no ultra-som terapêutico produzem feixes cilíndricos, com extensão até certo ponto menor que o diâmetro da fonte sonora. • Essas ondas têm propriedades de reflexão, penetração e absorção. • Próximo da fonte do transdutor, a pressão do campo sonoro não é uniforme, formando picos de alta intensidade e vales de baixa intensidade. • Esta é a área do feixe ultra-sônico usada com objetivos terapêuticos. Cap: 6 Ultra-som
  • 11. Termoterapia • As fontes de ultra-som estão disponíveis em diferentes tamanhos e com diferentes frequências ressonantes de cristal. • Cada fonte ressonante deve ter marcada sua frequência, área de radiação efetiva e proporção de feixe não uniforme. • As fontes de diâmetros maiores produzem um feixe mais colimado, e as fontes de diâmetros menores originam feixes mais divergentes. • Os ultra-sons de baixa frequência (0,75mhz– 1mhz) possuem um feixe que diverge mais que o de Alta frequência (3mhz – 5mhz). • A área de radiação efetiva (ARE) representa todas as áreas que produzem mais que 5% da saída da potência máxima do transdutor. • A ARE tem sempre uma área menor que o tamanho real da fonte sonora. Cap: 6 Ultra-som
  • 12. Termoterapia • Frequência. • A frequência de saída de um gerador de ultra- som é medida em mega-hertz (MHZ) e descrita como o número de ondas que ocorrem em um segundo. • A frequência de saída determina a profundidade de penetração da energia. • Geradores de alta frequência (3mhz) são empregados para tratamentos superficiais, pois a energia é rapidamente absorvida e o gerador mais utilizado (1mhz), oferece um ajuste entre a penetração profunda e um aquecimento adequado, em função da frequência relativamente baixa empregada. Cap: 6 Ultra-som
  • 13. Termoterapia • Potência e intensidade. • A potência produzida por um gerador de ultra- som é medida em Watts (W) e representa a quantia de energia produzida por um transdutor. • A intensidade representa a força das ondas sonoras, em uma área, dentro dos tecidos tratados. • Existem duas medidas principais: • - Intensidade média espacial • - Intensidade média temporal. • Existe ainda a medida de valor de meia camada, que representa a profundidade em que 50% da energia ultra-sônica foi absorvida pelos tecidos. Se o ultra-som aplicado a 1 w/cm² perde 50% de sua energia em uma profundidade de 2,3cm, a intensidade do feixe é, então, 0,5 w/cm². Cap: 6 Ultra-som
  • 14. Termoterapia • Intensidade média espacial. • (IME) descreve a quantidade de energia que passa através de uma área específica, nesse caso, a área da fonte sonora (a ARE). • É expressa em Watts por cm², fornece a medida da potência de saída pela ARE da fonte do transdutor (centímetros quadrados). • Ex: se 10 w estão sendo emitidos pela fonte de transdutor com uma ARE de 5 cm², a intensidade média espacial será de 2 w por cm². • As doses de TTO variam de 0,5 a 5 watts/cm². Cap:6 Ultra-som Efeito da área de radiação de utra-som sobre a energia total produzida Intensidade (w/cm²) Área de radiação efetiva (ARE) Potência total produzida (w) 1,5 5 7,5 1,5 6 9,0 1,5 10 15,0
  • 15. Termoterapia • Intensidade temporal média. • Mede a potência de energia ultra- sônica liberada nos tecidos, em um dado período, sendo significativa apenas na aplicação de ultra-som em pulso. • A energia liberada nos tecidos, por unidade de tempo, com o ultra- som operando em um ciclo de funcionamento de 50%, é metade da liberada por modo contínuo. • Ex: Uma intensidade espacial média de 2 w/cm² e a fizermos passar em pulsos de 50% do ciclo de funcionamento, a densidade temporal média do TTO será de 1 w/cm² (2 w/cm² x 0,5 = 1 w/cm²). Cap: 6 Ultra-som
  • 16. Termoterapia • Não uniformidade do feixe de ultra-som. • O grau de variação da intensidade dentro de um feixe de ultra- som é medido em termos de relação de não uniformidade do feixe (RNF). • Corresponde a maior intensidade dentro do feixe, a intensidade, isto é, a intensidade espacial de pico e a intensidade média registrada no marcador de saída. • A RNF ideal, porém clinicamente impossível de ser obtida é 1:1. • Uma RNF maior que 8:1 pode ser considerada inaceitável. • Ex: Uma RNF indicada de 3:1 e o medidor mostrar uma saída de 2 w/cm², em algum lugar do feixe, a intensidade real é de 6 w/cm² (3 x 2 w = 6 w). • A existência de áreas de alta intensidade dentro do feixe, os “pontos quentes”, são a principal razão para manter a fonte do ultra-som em movimento durante o TTO. Cap 6: Ultra-som
  • 17. Termoterapia • Duração do TTO. • Depende do tamanho da área a ser tratada, da intensidade de saída e das metas terapêuticas do TTO. • Em qualquer circunstância, a área de TTO, não deve ser maior que duas a três vezes a área de superfície da ARE da fonte sonora. • Ao invés de tratar uma grande área em uma única sessão de ultra-som, a área deve ser dividida em zonas de TTO menores. • Quando se deseja efeito vigoroso de aquecimento, a duração do TTO deve ser de 10 a 12 minutos, com uma saída de 1MHz; e de 3 a 4 minutos com ultra-som de 3MHz. • Geralmente o ultra-som é administrado em TTOs por períodos de 10 a 14 dias, após isso a eficácia do TTO deve ser reavaliada. Cap 6: Ultra-som
  • 18. Termoterapia • Tratamentos dose-orientados. • A quantidade de aumento da temperatura depende da intensidade da saída e da duração do tratamento. • Esse método de determinação da dosagem do tratamento é uma técnica imprecisa, embora tradicionalmente utilizada. • Os aperfeiçoamentos da qualidade dos geradores, os microprocessadores e pesquisas sobre efeitos de aquecimento provocados por ultra-som levaram ao desenvolvimento de parâmetros de tratamento orientados pela dose. • Nesse caso o médico indica o total de aumento de temperatura e as características dos tecidos alvo. • A unidade geradora calcula os melhores parâmetros para o tratamento. Cap 6: Ultra-som Taxa de aquecimento por ultra-som, por minuto, baseada em uma área de TTO duas a três vezes maior que a ARE Intensidade (w/cm²) Profundidade do tecido 1 MHz 5cm 3MHz 1,2cm 0,5 0,04 ºC 0,3 ºC 1,0 0,2 ºC 0,6 ºC 1,5 0,3 ºC 0,9 ºC 2,0 0,4 ºC 1,4 ºC
  • 19. Termoterapia • Transferência ultra-sônica através dos tecidos. • O ultra-som atravessa os tecidos moles na forma de ondas longitudinais, até atingir um osso. • Quando isso acontece, parte da energia é refletida e o resto é convertido em ondas transversais. • A propagação da energia ultra-sônica depende da frequência das ondas sonoras e da densidade dos tecidos. • A energia ultra-sônica intensa refletida pelos ossos pode provocar dor perióstea (dor ou queimadura de localização profunda), um efeito indesejável. • A intensidade diminui a medida que a distância que ela percorre através dos tecidos aumenta. • Esse processo chama-se atenuação. Cap 6: Ultra-som Porcentagem de reflexão de energia ultra-sônica em várias interfaces Interface Energia refletida (%) Água – tecido mole 0,2 Tecido mole - gordura 1 Tecido mole - osso 15-40 Tecido mole - ar 99,9
  • 20. Termoterapia • Ultra som modo contínuo. • Aplicação contínua pode aquecer, com eficiência, tecidos localizados a 5cm (ou mais) de profundidade, dependendo da frequência utilizada. • Como a saída é liberada 100% do tempo, a energia é medida em termos da intensidade média espacial (Watts/cm²). • A intensidade espacial de pico, determinada pela RNF, não deve exceder a 8 w/cm² (saída medida x RNF). Cap 6: Ultra-som
  • 21. Termoterapia • Ultra-som pulsado. • Num feixe de ultra-som pulsado, a intensidade temporal média de saída diminui, reduzindo os efeitos térmicos e ao mesmo tempo permitindo os efeitos não térmicos do ultra- som. • A relação entre o comprimento do pulso e o intervalo de pulso é expressa como uma porcentagem do ciclo de funcionamento: • Ciclo de func.= __________Comp. do pulso_____________ • (Comp. do pulso + intervalo de pulso) x 100 • Quanto mais próximo de 100% o ciclo de funcionamento chegar, maiores serão o efeitos térmicos finais do TTO. • A saída de ultra-som pulsado é medida pela intensidade temporal máxima, mas a quantidade de energia real liberada no tecido depende do ciclo de funcionamento. Cap 6: Ultra-som
  • 22. Termoterapia • Agentes e métodos de acoplamento. • As ondas de ultra-som não podem atravessar o ar, por isso utilizamos uma agente de acoplamento para permitir que as ondas passem do transdutor para os tecidos. • Um bom meio é capaz de transmitir uma boa porcentagem de ultra-som, portanto ele não deve ser refletor. • A água destilada é o meio ideal para a transmissão, pois ela reflete apenas 0,2% da energia. • Muitos geradores de ultra-som modernos desligam-se automaticamente se a aplicação estiver sendo feita sem um meio, se o meio não for aceitável ou se houver contato insuficiente com a pele. • Uma fonte acoplada indevidamente produz aumento de temperatura. • Muitas unidades desligam se a temperatura pré- determinada for ultrapassada. Cap 6: Ultra-som
  • 23. Termoterapia • Acoplamento direto. • O transdutor é colocado diretamente sobre a pele, junto com o gel que serve para excluir o ar entre a pele e a fonte sonora. • Os géis consistem de água destilada e um material inerte não refletor, que aumenta a viscosidade da mistura. • Esse gele deve ser generosamente aplicado na área para garantir que uma camada consistente, sem grandes bolhas de ar, esteja disponível durante o TTO. • A eficácia do gel diminui se a parte tratada do corpo for provida de pelos ou for irregular. • Quanto maior a quantidade de pelos da parte do corpo, menor será a energia liberada nos tecidos (deve-se considerar raspar a área de TTO quando os pelos forem excessivos). • Deve-se aplicar uma pressão constante e firme, mantendo o transdutor em contato total com a pele (pouca pressão cria acoplamento insuficiente e muita pressão diminui a energia transferida para os tecidos recomenda-se de 200 g a 600 g de pressão sobre o tecido. Cap 6: Ultra-som Capacidade de acoplamento de potenciais meios para ultra-som Substância Transmissão em relação a água (%) Envoltório de Saram 98 Gel Lidex, fluocinomida 0,05% 97 Creme tetra-gésico, metil salicilato 97 Óleo mineral 97 Gel para transmissão de ultra-som 96 Loção para transmissão de ultra-som 90 Chempad-L 68 Hidrocortisona em pó (1%) em gel para US 29 Hidrocortisona em pó (10%) em gel para US 7 Creme Eucerine 0 Creme Myoflex, salicilato de trolamina 10% 0 Gel de petrolato branco 0
  • 24. Termoterapia • Imersão em água. • Deve ser aplicado quando se trata de uma área irregular, como as extremidades distais, pode-se administrar uma dose mais uniforme de ultra-som, utilizando-se a água como condutor sonoro. • A parte a ser tratada é imersa em água (água destilada é ideal mas devido ao preço raramente é usada). • Em seguida o transdutor é colocado na água, com a fonte voltada para o corpo, a aproximadamente 2,54cm de distância. • A mão do operador não deve ficar imersa na água (pode ser perigoso ao longo de repetidas sessões). • Recomenda-se o uso de banheira cerâmica para a aplicação de ultra- som submerso, por essa ser excelente refletora, criando uma câmara de “eco” e permitindo que as ondas atinjam o corpo em todos os ângulos. • Quando utilizar água não destilada, pode-se aumentar a intensidade do ultra-som em cerca de 0,5 w/cm², para compensar a atenuação provocada pelo ar e os sais minerais da água. • A imersão em água de torneira é menos eficaz para aumentar a temperatura dos tecidos subcutâneos do que o método de acoplamento direto, utilizando o transdutor de 3MHz. Cap 6: Ultra-som
  • 25. Termoterapia • Técnica da bexiga. • Nessa técnica utiliza-se uma bexiga cheia de água ou uma bolsa plástica coberta com gel aplicador. • A bexiga se adapta a áreas irregulares como as articulações acromioclavicular e talocrural. • Podem ser utilizados preservativos cheios de água (mais resistentes). Cap 6: Ultra-som
  • 26. Termoterapia • Efeitos biofísicos da aplicação de ultra-som. • Podem ser agrupados em duas classes. • Efeitos não térmicos -> alterações dentro dos tecidos, resultantes do efeito mecânico da energia ultra- sônica; • Efeitos térmicos -> alterações dentro dos tecidos, como resultado direto da elevação da temperatura do tecido, provocada pelo ultra-som. • Os dois tipos de efeitos ocorrem no organismo, mas a proporção e a magnitude de cada um deles dependem do ciclo de fornecimento e da intensidade de saída. • Quanto maior for o ciclo (on), maiores serão os efeitos térmicos; quanto maior for a intensidade de saída, maior será a magnitude dos efeitos. Cap 6: Ultra-som Efeitos fisiológicos da aplicação de ultra-som. Efeitos não térmicos Efeitos térmicos ↑ da permeabilidade da membrana celular ↑ da velocidade de condução do nervo sensorial Taxas alteradas de difusão através da membrana celular ↑ da velocidade de condução do nervo motor ↑ da permeabilidade vascular ↑ da extensibilidade de estruturas ricas em colágeno Secreção de substâncias quimiotácteis ↑ da deposição de colágeno ↑ do fluxo sanguíneo ↑ do fluxo sanguíneo ↑ da atividade fibroblástica Redução do espasmo muscular Estimulação da fagocitose ↑ da atividade dos macrófagos Produção de tecido de granulação sadia Melhora da adesão dos leucócitos a células endoteliais danificadas. Síntese de proteínas Redução de edemas Síntese de colágeno Difusão de íons Regeneração de tecido Formação de tecido conjuntivo mais forte
  • 27. Termoterapia Cap 6: Ultra-som Aumentos de temperatura necessários para obter efeitos terapêuticos específicos durante a aplicação do ultra-som Classificação dos efeitos térmicos do ultras-som Aumento de temperatura Utilizado para Brando 1ºC Inflamação leve Aceleração da taxa metabólica Moderado 2 a 3ºC ↓ do espasmo muscular ↓ da dor ↑ do fluxo sanguíneo ↓ da inflamação crônica Forte 3 a 5ºC Alongamento do tecido, redução de tecido cicatricial Inibição da atividade simpática
  • 28. Termoterapia • Efeitos sobre o ciclo de resposta à lesão. • Dependem do modo de aplicação (contínuo ou pulsado), da frequência do som, do tamanho da área tratada e dos tecidos tratados (vascularização e densidade). • Os efeitos térmicos são semelhantes aos da termoterapia. • O uso da energia a Laser pode ser uma alternativa ao ultra-som (devido as semelhanças dos efeitos biofísicos). Cap 6: Ultra-som
  • 29. Termoterapia • Fluxo sanguíneo. • O ultra-som pode aumentar o fluxo sanguíneo por até 45 min. Depois do TTO, embora esses dados não sejam universalmente aceitos. • Em um estudo, a aplicação de calor úmido antes do ultra-som diminuiu muito o aumento do fluxo sanguíneo na área em TTO. • Em outro estudo a aplicação de massagem com gelo antes do ultra-som manteve o aumento do fluxo sanguíneo no nível observado com aplicação isolada de ultra- som. Cap 6: Ultra-som
  • 30. Termoterapia • Cicatrização do tecido. • A aplicação de ultra-som acelera a fase inflamatória do processo de inflamação tissular. • O modo contínuo influencia de forma positiva a atividade dos macrófagos e aumenta a adesão dos leucócitos nas células endoteliais danificadas. • Quando o ultra-som é aplicado na fase de proliferação, ele estimula a divisão celular. • O ultra-som contínuo de baixa frequência (0,75- 1MHz) intensifica a liberação dos fibroblastos pré- formados, enquanto que o ultra-som de alta frequência (3MHz) aumenta a capacidade da célula sintetizar e secretar partes componentes dos fibroblastos. Cap 6: Ultra-som
  • 31. Termoterapia • Estiramento do tecido. • O efeito térmico de aumento da extensibilidade dos tecidos ricos em colágeno pode ser empregado de forma vantajosa incorporando exercícios de amplitude de movimento depois da aplicação de ultra-som contínuo. • É necessário um alongamento suave, ativo ou passivo. • Para promover o alongamento a temperatura dos tecidos a serem tratados deve subir 5ºC. • Depois da aplicação do ultra-som, a oportunidade da “janela de alongamento” de Draper dura pouco. • Qualquer alongamento subsequente deve ser realizado imediatamente após o término do TTO. Cap 6: Ultra-som
  • 32. Termoterapia • Controle da dor. • O ultra-som pode controlar a dor pelo efeito direto que a energia exerce sobre o S.N.P. • A permeabilidade da membrana celular aos íons de sódio é modificada, alterando a atividade elétrica da fibra nervosa e elevando o limiar de dor. • A velocidade da condução nervosa aumenta devido aos efeitos térmicos da aplicação do ultra-som e também pode produzir efeito contra-irritante. • A redução indireta da dor é decorrente de outros efeitos da aplicação do ultra-som. • O ↑ do fluxo sanguíneo e da permeabilidade capilar eleva a liberação de O² na área hipóxica, reduzindo a atividade dos quimioceptores de dor. • A estimulação dos receptores mecânicos de dor ↓ por causa do espasmo muscular e do ↑ do relaxamento muscular. Cap 6: Ultra-som
  • 33. Termoterapia • Fonoforese. • A energia ultrasônica pode ser utilizada para liberar medicamentos nos tecidos pelo processo de fonoforese. • O processo é semelhante ao da iontoforese ,mas não necessita que a medicação seja eletricamente carregada. • Os efeitos da energia ultra-sônica abrem caminhos que permitem que a medicação se difunda através da pele e penetre mais profundamente nos tecidos. • A vantagem é que a droga é espalhada sobre uma área maior e essa técnica não é invasiva. Cap 6: Ultra-som Fatores da pele que determinam a taxa de difusão do medicamento durante a aplicação transdérmica Fator Efeito Hidratação Quanto maior o conteúdo de água, mais permeável é a pele à passagem de medicamentos. Idade A desidratação ocorre como o envelhecimento da pele; também diminuem o contéude de lipídeos e a circulação. Composição A passagem mais fácil de medicação através da pele ocorre perto de folículos pilosos, glândulas sebáceas e ductos sudoríparos. Embora os folículos pilosos estimulem a passagem de medicamento através da pele, o excesso de pelos deve ser retirado da área a ser tratada. Vascularização Áreas altamente vascularizadas são mais aptas a permitir a transferência de medicamentos para tecidos profundos. Os vasos contraídos localizam os efeitos, ao passo que vasos dilatados aumentam a liberação sistêmica da medicação. Espessura A pele espessa oferece uma barreira mais incômoda à medicação do que a pele fina. Quando aplicar fonoforese em uma área espessa, tente aplica-la sobre áreas de baixa densidade de pele (fasciite plantar-> aspecto médio do calcâneo).
  • 34. Termoterapia • Na aplicação da fonoforese, o substituto do gel acoplador padrão é um gel ou creme contendo a medicação, que é bastante variada e pode exigir prescrição médica. • As técnicas permitem a introdução nos tecidos apenas de moléculas de tamanho relativamente pequeno e de baixo peso molecular. • Uma ampla variedade de substâncias é empregada e a mais comum é a hidrocortisona. Cap 6: Ultra-som Substâncias comumente administradas por fonoforese Classificação Indicação Tecidos-alvo Exemplos Corticoesteróides Quadros inflamatórios Tecidos subcutâneos Nervos Músculo Hidrocortison a Dexametason a Salicilatos Quadros inflamatórios Dor Tecidos subcutâneos Myoflex Anestésicos Dor Pontos-gatilho Nervos Sistema circulatório Lidocaína As seguintes recomendações foram estabelecidas, a fim de fornecer a melhor aplicação de fonoforese: - Utilizar apenas meios aprovados de transmissão de ultra-som. - Assegurar-se de que a pele esteja bem úmida; áreas de pele seca devem ser evitadas. - Antes do TTO, tricotomizar a área para melhorar a capacidade de difusão do medicamento. - Posicionar a extremidade de forma a estimular a medicação - Utilizar o método contínuo para maximizar o efeito da fonoforese (a menos que sejam contra-indicados).
  • 35. Termoterapia • Cicatrização de fraturas. • Uma saída de 1,5Mhz em pulso de baixa intensidade (30mW/cm²), aplicado durante 20 min. por dia, é promissora para acelerar a cicatrização de fraturas agudas (Esses parâmetros de saída não são encontrados em ultra-sons comerciais). • Utra-som e estimulação elétrica. • Ultra-som e estimulação elétrica vem sendo aplicados em conjunto há bastante tempo para TTO de pontos-gatilho e outras síndromes miofasciais. • A fonte ultrasônica fornece tanto a corrente elétrica como o feixe sonoro. • Em teoria forneceria os mesmos benefícios do ultra- som (térmico e mecânico) e da estimulação elétrica (circulação, redução do espasmo, diminuição da aderência do tecido cicatricial. Cap 6: Ultra-som
  • 36. Termoterapia • Duração e frequência do TTO. • Varia de 3 a 12 min. Dependendo do tamanho da área tratada, da intensidade do TTO. • Em geral uma vez por dia, durante 10 a 14 dias. • Nesse período a eficácia do TTO deve ser avaliada. • Precauções. • Os sintomas podem piorar depois dos primeiros 2 TTOs em razão do aumento da inflamação na área, se a piora persistir depois do 3º ou 4º TTOs, o uso dessa modalidade deve ser interrompido. • Cuidado ao aplicar ultra-som ao redor da medula espinhal (vários fabricantes contra-indicam). • O uso sobre implantes metálicos não é contra-indicado, contando que a fonte seja mantida em movimento e que a área tratada esteja com as funções sensoriais normais. • O uso sobre placas epifisiárias de ossos em crescimento deve ser feito com cuidado. Muitos autores contra-indicam essa modalidade. Cap 6: Ultra-som
  • 37. Termoterapia • Indicações: • - Contraturas articulares; • - Espasmo muscular; • - Neuroma; • - Tecido cicatricial; • - Distúrbios do sistema nervoso simpático; • - Pontos-gatilho; • - Verrugas; • - Espasticidade; • - Redução pós-aguda de miosite ossificante; • - Condições inflamatórias agudas (saída pulsada); • - Condições inflamatórias crônicas (Saída pulsada ou contínua). Cap 6: Ultra-som
  • 38. Termoterapia • Contra-indicações: • - Patologias agudas (saída contínua); • - Áreas isquêmicas; • - Tendência a hemorragia; • - áreas ao redor dos olhos, crânio ou genitália; • - Gravidez, quando a aplicação for em áreas pélvicas ou lombares; • - Sobre timores cancerígenos; • - Medula espinhal; • - Áreas anestesiadas; • - Sobre locais de fratura, antes de sua consolidação; • - Locais de fraturas por tensão; • - Sobre locais de infecção ativa; • - Sobre área pélvica ou lombar de pacientes menstruadas; • - áreas cuja circulação está prejudicada. Cap 6: Ultra-som
  • 39. Referências bibliográficas • MARCUCCI, Fernando C. I. Histórico da Eletroterapia e Eletroacupuntura. O Fisioterapeuta [site]. Disponível em: http://ofisioterapeuta.blogspot.com/ • Starkey C. Agentes elétricos. In: Starkey C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2001. • Low J, Reed A. Electrical stimulation of nerve and muscle. In: Electrotherapy explained: principles and practice. 3ª ed. Oxford: Butterworth-Heinemann; 2000. Prof: Cleanto Santos Vieira – contato – cleantosantos@Hotmail.com