SlideShare uma empresa Scribd logo
Conceitos Básicos em
Eletroterapia
Eletroterapia Aplicada à Estética
CÍNTIA KARINE RAMALHO PERSEGONA
Gama, DF, 2022.
CENTRO UNIVERSITÁRIO APPARECIDO DOS SANTOS
- UNICEPLAC
P466c
Persegona, Cintia Karine Ramalho.
Conceitos básicos em eletroterapia: eletroterapia
aplicada à estética . Gama, DF: UNICEPLAC, 2022.
24 p.
1. Eletroterapia. 2. Eletroterapia - Conceito. 3. CST
em Estética e Cosmética. I. Título.
CDU: 615.8
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
A eletroterapia esta fundamentada em uma longa trajetória do emprego da corrente
elétrica com fins terapêuticos. Muita estudada e aplicada na fisioterapia como
sendo um recurso base dos agentes físicos terapêuticos utilizada também em
diversas outras áreas como a medicina, odontologia, fonoaudiologia e estética.
O termo eletroterapia é oriundo da corrente elétrica que poderá ser utilizada de
forma direta ou indiretamente, podendo ser transformada em outros agentes físicos
terapêuticos como o ultrassom, radiofrequência e laser em que a base da
estimulação ou formação da nova energia será sempre a corrente elétrica. Portanto
pode-se definir a ELETROTERAPIA “como sendo a forma direta ou previamente
transformada, a fim de estimular diferentes órgãos ou sistemas com distintos
objetivos” (Agne,2018).
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
AGENTES FÍSICOS GERADORES DE ENERGIA
Um aparelho não deve ser reconhecido como sendo so um recurso
terapêutico e sim como um agente físico gerador de energia d eum tipo de
energia, a qual será incidida e absorvida adequadamente no tecido biológico,
sejam nas camadas cutâneas, subcutâneas ou musculares. As energias
produzidas e emitidas pelos equipamentos de um modo geral e as mais
utilizadas no campo da estética são classificadas em térmicas, mecânicas e
eletromagnéticas, e na mais nova classificação as terapias luminosas (Agne,
2018).
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
Eletricidade: É a parte da física que estuda as manifestações elétricas.
ELETROSTÁTICA: É a parte da eletricidade que estuda os corpos elétricos em
repouso.
ELETRODINÂMICA: É a parte da física que estuda os corpos elétricos em
movimento
DDP: a diferença de potencial ou tensão que faz com que os elétrons sejam
movidos. Sua unidade é o Volt (110/ 220 Volts) (Pereira,2007).
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
CARGAS ELÉTRICAS: Todos os corpos são formados por um grande número de
átomos. Os átomos, no seu núcleo central, possuem prótons e nêutrons; em
torno do núcleo circundam os elétrons.
Elétron: átomo portador de carga elétrica negativa.
Íon: é o átomo que tenha adquirido carga elétrica pelo ganho ou
perda de elétrons. Classificam-se como cátions (positivos) e ânions
(negativos).
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
Catodo: é o Eletrodo Negativo; pólo com maior concentração de elétrons;
onde acontecem os fenômenos de despolarização, portanto freqüentemente
chamamos de Eletrodo Ativo.
Anodo: é o Eletrodo Positivo; pólo com menor concentração de elétrons;
onde acontecem os fenômenos de hiperpolarização, portanto, menos
estimulante do que o catodo, freqüentemente chamamos de Eletrodo
Dispersivo ou Indiferente.
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
CORRENTE ELÉTRICA: É um fluxo ordenado de elétrons que se produz quando
existe uma diferença de potencial entre os extremos de um condutor.
Intensidade da Corrente Elétrica: representa a carga (Q) que passa durante
um tempo determinado (t). I = Q/t. sua unidade é o Ampare. Em
eletroterapia usa-se o miliampére (mA) e o microampére (µA).
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
A corrente elétrica apresenta-se relacionada a três aspectos diferentes:
Tensão : medida em volts (V);
Intensidade: medida em ámpere e miliámpere em Medicina, Eletroterapia
e Eletroestética;
Resistência : medida em Ohm;
A resistência é representada em nosso caso pelo organismo humano onde
será aplicada a corrente elétrica.
A resistência da pele diminui muito quando ela se encontra mais hidratada
favorecendo a passagem de corrente elétrica através das diferentes
estruturas orgânicas (Pereira,2007).
Eletroterapia – Conceitos Fundamentais
FREQÜÊNCIA: A frequência é uma característica dependente do tempo e é
mensurada em Hertz (Hz), ela refere-se à frequência com que os elétrons
passam na corrente ou ao número de pulsos existentes durante um segundo.
Baixa Frequência: na faixa de 1 Hz a 1.000 Hz. Ex: corrente farádica.
Média Frequência: na faixa de 1.000 Hz a 100.000 Hz. Ex: corrente russa.
Alta Frequência: de 100.000 Hz em diante.
A frequência também interfere no limiar sensitivo, sendo que frequências
maiores desencadeiam percepções menores, uma vez que altas frequências
apresentam resistências menores da pele à passagem da corrente elétrica.
Classificação das Correntes Elétricas
Corrente Contínua: ou polarizada, ocorre quando a carga se move sempre na
mesma direção, a corrente circula sempre no sentindo, sendo esta
unideriocional e conserva seus valores constantes. Circula do P+ em direção
ao P-. Polarizada.
Ex. Correntes Galvânicas.
Corrente Alternada: é uma corrente pulsada, despolarizada, onde a corrente
flui primeiramente em uma direção e depois em outra, podendo se
apresentar na forma polar ou apolar. A forma polar(despolarizada) se
caracteriza por inverter a sua direção em intervalos regulares de tempo. Varia
tanto de valor quanto de sentido quando circula por um circulo elétrico
Condutores da Corrente
Condutores: são instrumentos que permitem a condução de uma corrente
elétrica de um determinado local a outro.
Bom condutor: oferece menor resistência para o fluxo da corrente.
Cobre: bom condutor; possui grande quantidade de elétrons livres.
Água: excelente condutora, fazendo do corpo humano um bom condutor
(60% de água).
Condutores da Corrente
Isolantes: maus condutores, pois são corpos que necessitam de elétrons, já
que tem poucos elétrons livres (Ex.: madeira).
Tecidos bons condutores: sangue, linfa, músculos, tecido nervoso.
Tecidos medianamente condutores: pele, tendão, cartilagens, fáscias
musculares.
Tecidos pouco condutores: ossos, gordura, pêlos, unhas.
Eletrodos
Têm como função básica transmitir a corrente, que está sendo produzida no
equipamento, ao paciente.
Podem ser confeccionados com diversos tipos de material: chumbo, cobre,
tela de latão, alumínio, silicone, auto-adesivo (gel), etc
Possuem várias formas de utilização: em forma de placas quadradas,
retangulares e redondas, colocadas sobre a pele; em forma de tubos,
máscaras, canetas, banhos, etc
Os equipamentos atuais empregam diferentes tipos de correntes, onde
o aparelho emite a energia eletromagnética que é então conduzida
através de cabos condutores até os eletrodos que ficam aderidos à pele
do paciente. Outras formas incluem a utilização de agulhas ao invés de
eletrodos, sendo este emprego mais reservado ao uso para terapia
estética ou para métodos diagnósticos (Pereira,2007)
Eletroterapia na Estética
Os benefícios da eletroterapia para a saúde são os de controlar dores,
fortalecer os músculos, prevenir o atrofiamento, diminuir espasmos
musculares e edemas e auxiliar na cicatrização. O principal diferencial é sua
ação a nível celular, agindo com efeitos analgésicos e anti-inflamatório e
regeneração de tecido, em que se consegue resultados a curto e longo prazo
(Borges,2010).
Com auxílio de eletrodos, é produzida uma baixa intensidade de corrente,
que de acordo com cada tipo de tratamento (estéticos ou medicinais), serão
provocados estímulos pelo corpo. Os resultados vão sendo atingidos aos
poucos, já que se trata de um processo. Cada corrente elétrica possui sua
especificidade, mas todas elas produzem efeitos benéficos nos tecidos
durante o tratamento.
Eletroterapia na Estética
Antes de iniciar o tratamento, o paciente/cliente precisa informar se possui
alguma sensibilidade prejudicada da pele na região de aplicação da
eletroterapia. Neste caso, o paciente/cliente não será capaz de perceber e
referir com clareza o efeito da corrente elétrica, o que aumenta a
probabilidade de lesão de pele ou muscular.
Se apresenta musculatura fadigada, suspeita ou diagnóstico de epilepsia,
problemas cardíacos, suspeita ou confirmação de gravidez será contra
indicado realizar o tratamento e caso suspeite ou apresente alguma infecção,
corrente elétrica neste caso pode aumentar a atividade metabólica e agravar
o quadro.
Eletroterapia para Tratamentos Corporais
Os recursos de eletroterapia disponíveis para um tratamento estético
favorecem a realização de funções como drenagem linfática, estimulação
muscular, eletroforese de grande superfície, ionização, e outros.
Visam a correção ou atenuação de diversos distúrbios como celulite, gordura
localizada, flacidez muscular, retenção de líquidos, etc.
Eletroterapia para Tratamentos Corporais
Manta Térmica
Alta Frequência
Microcorrentes
Ionização
Correntes Excitomotoras: Aussie/ Russa
Eletrolifting
Endermoterapia
Microdermoabrasão – Peeling de Cristal / Peeling de Diamante
Eletroterapia para Tratamentos Corporais
Ultrassom (HECCUS Turbo)
Ultra cavitação
Ondas de Choque
Radiofrequência
Criofreguência
Laser
Led Terapia
Criolipólise
Eletroterapia para Tratamentos Faciais
Nos tratamentos faciais a eletroterapia auxilia na melhoria dos quadros de
acne, revitalização cutânea, na limpeza de pele, no clareamento cutâneo, no
pré e pós-cirúrgico, na drenagem linfática facial e outros.
Com o objetivo de corrigir ou atenuar estes distúrbios de forma mais intensa
e profunda.
Eletroterapia para Tratamentos Faciais
Vapor de Ozônio
Alta Frequência
Microcorrentes
Ionização
Correntes Excitomotoras: Aussie/ Russa
Eletrolifting
Endermoterapia
Microdermoabrasão – Peeling de Cristal / Peeling de Diamante
Eletroterapia para Tratamentos Faciais
Ultrassom
Radiofrequência
Criofreguência
Laser
Led Terapia
Contra Indicações Absolutas
Sobre o útero durante a gravidez
Problemas cardíacos descompensados
Paciente portador de marca-passo
Sobre locais que contenham prótese metálica
Sobre locais onde haja processos neoplásicos
Pacientes portadores de epilepsia
Lesões de pele no local da aplicação
Referências
BORGES, S.F. Dermato-Funcional: Modalidades terapêuticas nas disfunções
estéticas. 2°ed. São Paulo: Phorte, 2010.
AGNE, E.J. Eu sei eletroterapia. 3°ed. Santa Maria: Palloti, 2012.
AGNE, E.J. Eletrotermofototerapia. 5°ed. Santa Maria, RS: O Autor, 2018.
PEREIRA, Franklin. Eletroterapia sem mistérios . Rio de Janeiro, RJ: Difusão
Rubio, 2007.
Obrigado (a)!
Cintia.ramalho@uniceplac.edu.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Conceitos básicos em eletroterapia.pdf

Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
Viviane Arantes
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical SanManual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
AmericanFisio
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
onomekyo
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Cleanto Santos Vieira
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
Anna Paulla
 
Radiação Eletromagnetica
Radiação EletromagneticaRadiação Eletromagnetica
Radiação Eletromagnetica
geracao3d
 
Eletoestatica
EletoestaticaEletoestatica
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABLAula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Jauru Freitas
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
AmericanFisio
 
Eletrecidade
EletrecidadeEletrecidade
Eletrecidade
Mariana Saraiva
 
Lesões elétricas.doc
Lesões elétricas.docLesões elétricas.doc
Lesões elétricas.doc
Brunno Rosique
 
Aula 2 eletroeletrônica
Aula 2   eletroeletrônicaAula 2   eletroeletrônica
Aula 2 eletroeletrônica
GIGLLIARA SEGANTINI DE MENEZES
 
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdf
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdfEletrotermofototerapia em Idosos.pdf
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdf
RAFAELVINICIUSDEOLIV
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)
Welisson Porto
 
Apostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completaApostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completa
Joyce Domingues
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
0 - Segurança com a eletricidade.pdf
0 - Segurança com a eletricidade.pdf0 - Segurança com a eletricidade.pdf
0 - Segurança com a eletricidade.pdf
lucassouza327699
 
Ressonância magnética Nuclear
Ressonância magnética NuclearRessonância magnética Nuclear
Ressonância magnética Nuclear
Lorem Morais
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
Santos de Castro
 
Materiais
MateriaisMateriais

Semelhante a Conceitos básicos em eletroterapia.pdf (20)

Riscos elétricos
Riscos elétricosRiscos elétricos
Riscos elétricos
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical SanManual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Uso da alta frequência
Uso da alta frequênciaUso da alta frequência
Uso da alta frequência
 
Radiação Eletromagnetica
Radiação EletromagneticaRadiação Eletromagnetica
Radiação Eletromagnetica
 
Eletoestatica
EletoestaticaEletoestatica
Eletoestatica
 
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABLAula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Start - Medical San
 
Eletrecidade
EletrecidadeEletrecidade
Eletrecidade
 
Lesões elétricas.doc
Lesões elétricas.docLesões elétricas.doc
Lesões elétricas.doc
 
Aula 2 eletroeletrônica
Aula 2   eletroeletrônicaAula 2   eletroeletrônica
Aula 2 eletroeletrônica
 
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdf
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdfEletrotermofototerapia em Idosos.pdf
Eletrotermofototerapia em Idosos.pdf
 
Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)Eletroneuromiografia (ENMG)
Eletroneuromiografia (ENMG)
 
Apostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completaApostila de eletricidade completa
Apostila de eletricidade completa
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
0 - Segurança com a eletricidade.pdf
0 - Segurança com a eletricidade.pdf0 - Segurança com a eletricidade.pdf
0 - Segurança com a eletricidade.pdf
 
Ressonância magnética Nuclear
Ressonância magnética NuclearRessonância magnética Nuclear
Ressonância magnética Nuclear
 
Choque Eletrico
Choque EletricoChoque Eletrico
Choque Eletrico
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 

Conceitos básicos em eletroterapia.pdf

  • 1. Conceitos Básicos em Eletroterapia Eletroterapia Aplicada à Estética CÍNTIA KARINE RAMALHO PERSEGONA Gama, DF, 2022.
  • 2. CENTRO UNIVERSITÁRIO APPARECIDO DOS SANTOS - UNICEPLAC P466c Persegona, Cintia Karine Ramalho. Conceitos básicos em eletroterapia: eletroterapia aplicada à estética . Gama, DF: UNICEPLAC, 2022. 24 p. 1. Eletroterapia. 2. Eletroterapia - Conceito. 3. CST em Estética e Cosmética. I. Título. CDU: 615.8 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
  • 3. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais A eletroterapia esta fundamentada em uma longa trajetória do emprego da corrente elétrica com fins terapêuticos. Muita estudada e aplicada na fisioterapia como sendo um recurso base dos agentes físicos terapêuticos utilizada também em diversas outras áreas como a medicina, odontologia, fonoaudiologia e estética. O termo eletroterapia é oriundo da corrente elétrica que poderá ser utilizada de forma direta ou indiretamente, podendo ser transformada em outros agentes físicos terapêuticos como o ultrassom, radiofrequência e laser em que a base da estimulação ou formação da nova energia será sempre a corrente elétrica. Portanto pode-se definir a ELETROTERAPIA “como sendo a forma direta ou previamente transformada, a fim de estimular diferentes órgãos ou sistemas com distintos objetivos” (Agne,2018).
  • 4. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais AGENTES FÍSICOS GERADORES DE ENERGIA Um aparelho não deve ser reconhecido como sendo so um recurso terapêutico e sim como um agente físico gerador de energia d eum tipo de energia, a qual será incidida e absorvida adequadamente no tecido biológico, sejam nas camadas cutâneas, subcutâneas ou musculares. As energias produzidas e emitidas pelos equipamentos de um modo geral e as mais utilizadas no campo da estética são classificadas em térmicas, mecânicas e eletromagnéticas, e na mais nova classificação as terapias luminosas (Agne, 2018).
  • 5. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais Eletricidade: É a parte da física que estuda as manifestações elétricas. ELETROSTÁTICA: É a parte da eletricidade que estuda os corpos elétricos em repouso. ELETRODINÂMICA: É a parte da física que estuda os corpos elétricos em movimento DDP: a diferença de potencial ou tensão que faz com que os elétrons sejam movidos. Sua unidade é o Volt (110/ 220 Volts) (Pereira,2007).
  • 6. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais CARGAS ELÉTRICAS: Todos os corpos são formados por um grande número de átomos. Os átomos, no seu núcleo central, possuem prótons e nêutrons; em torno do núcleo circundam os elétrons. Elétron: átomo portador de carga elétrica negativa. Íon: é o átomo que tenha adquirido carga elétrica pelo ganho ou perda de elétrons. Classificam-se como cátions (positivos) e ânions (negativos).
  • 7. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais Catodo: é o Eletrodo Negativo; pólo com maior concentração de elétrons; onde acontecem os fenômenos de despolarização, portanto freqüentemente chamamos de Eletrodo Ativo. Anodo: é o Eletrodo Positivo; pólo com menor concentração de elétrons; onde acontecem os fenômenos de hiperpolarização, portanto, menos estimulante do que o catodo, freqüentemente chamamos de Eletrodo Dispersivo ou Indiferente.
  • 8. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais CORRENTE ELÉTRICA: É um fluxo ordenado de elétrons que se produz quando existe uma diferença de potencial entre os extremos de um condutor. Intensidade da Corrente Elétrica: representa a carga (Q) que passa durante um tempo determinado (t). I = Q/t. sua unidade é o Ampare. Em eletroterapia usa-se o miliampére (mA) e o microampére (µA).
  • 9. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais A corrente elétrica apresenta-se relacionada a três aspectos diferentes: Tensão : medida em volts (V); Intensidade: medida em ámpere e miliámpere em Medicina, Eletroterapia e Eletroestética; Resistência : medida em Ohm; A resistência é representada em nosso caso pelo organismo humano onde será aplicada a corrente elétrica. A resistência da pele diminui muito quando ela se encontra mais hidratada favorecendo a passagem de corrente elétrica através das diferentes estruturas orgânicas (Pereira,2007).
  • 10. Eletroterapia – Conceitos Fundamentais FREQÜÊNCIA: A frequência é uma característica dependente do tempo e é mensurada em Hertz (Hz), ela refere-se à frequência com que os elétrons passam na corrente ou ao número de pulsos existentes durante um segundo. Baixa Frequência: na faixa de 1 Hz a 1.000 Hz. Ex: corrente farádica. Média Frequência: na faixa de 1.000 Hz a 100.000 Hz. Ex: corrente russa. Alta Frequência: de 100.000 Hz em diante. A frequência também interfere no limiar sensitivo, sendo que frequências maiores desencadeiam percepções menores, uma vez que altas frequências apresentam resistências menores da pele à passagem da corrente elétrica.
  • 11. Classificação das Correntes Elétricas Corrente Contínua: ou polarizada, ocorre quando a carga se move sempre na mesma direção, a corrente circula sempre no sentindo, sendo esta unideriocional e conserva seus valores constantes. Circula do P+ em direção ao P-. Polarizada. Ex. Correntes Galvânicas. Corrente Alternada: é uma corrente pulsada, despolarizada, onde a corrente flui primeiramente em uma direção e depois em outra, podendo se apresentar na forma polar ou apolar. A forma polar(despolarizada) se caracteriza por inverter a sua direção em intervalos regulares de tempo. Varia tanto de valor quanto de sentido quando circula por um circulo elétrico
  • 12. Condutores da Corrente Condutores: são instrumentos que permitem a condução de uma corrente elétrica de um determinado local a outro. Bom condutor: oferece menor resistência para o fluxo da corrente. Cobre: bom condutor; possui grande quantidade de elétrons livres. Água: excelente condutora, fazendo do corpo humano um bom condutor (60% de água).
  • 13. Condutores da Corrente Isolantes: maus condutores, pois são corpos que necessitam de elétrons, já que tem poucos elétrons livres (Ex.: madeira). Tecidos bons condutores: sangue, linfa, músculos, tecido nervoso. Tecidos medianamente condutores: pele, tendão, cartilagens, fáscias musculares. Tecidos pouco condutores: ossos, gordura, pêlos, unhas.
  • 14. Eletrodos Têm como função básica transmitir a corrente, que está sendo produzida no equipamento, ao paciente. Podem ser confeccionados com diversos tipos de material: chumbo, cobre, tela de latão, alumínio, silicone, auto-adesivo (gel), etc Possuem várias formas de utilização: em forma de placas quadradas, retangulares e redondas, colocadas sobre a pele; em forma de tubos, máscaras, canetas, banhos, etc Os equipamentos atuais empregam diferentes tipos de correntes, onde o aparelho emite a energia eletromagnética que é então conduzida através de cabos condutores até os eletrodos que ficam aderidos à pele do paciente. Outras formas incluem a utilização de agulhas ao invés de eletrodos, sendo este emprego mais reservado ao uso para terapia estética ou para métodos diagnósticos (Pereira,2007)
  • 15. Eletroterapia na Estética Os benefícios da eletroterapia para a saúde são os de controlar dores, fortalecer os músculos, prevenir o atrofiamento, diminuir espasmos musculares e edemas e auxiliar na cicatrização. O principal diferencial é sua ação a nível celular, agindo com efeitos analgésicos e anti-inflamatório e regeneração de tecido, em que se consegue resultados a curto e longo prazo (Borges,2010). Com auxílio de eletrodos, é produzida uma baixa intensidade de corrente, que de acordo com cada tipo de tratamento (estéticos ou medicinais), serão provocados estímulos pelo corpo. Os resultados vão sendo atingidos aos poucos, já que se trata de um processo. Cada corrente elétrica possui sua especificidade, mas todas elas produzem efeitos benéficos nos tecidos durante o tratamento.
  • 16. Eletroterapia na Estética Antes de iniciar o tratamento, o paciente/cliente precisa informar se possui alguma sensibilidade prejudicada da pele na região de aplicação da eletroterapia. Neste caso, o paciente/cliente não será capaz de perceber e referir com clareza o efeito da corrente elétrica, o que aumenta a probabilidade de lesão de pele ou muscular. Se apresenta musculatura fadigada, suspeita ou diagnóstico de epilepsia, problemas cardíacos, suspeita ou confirmação de gravidez será contra indicado realizar o tratamento e caso suspeite ou apresente alguma infecção, corrente elétrica neste caso pode aumentar a atividade metabólica e agravar o quadro.
  • 17. Eletroterapia para Tratamentos Corporais Os recursos de eletroterapia disponíveis para um tratamento estético favorecem a realização de funções como drenagem linfática, estimulação muscular, eletroforese de grande superfície, ionização, e outros. Visam a correção ou atenuação de diversos distúrbios como celulite, gordura localizada, flacidez muscular, retenção de líquidos, etc.
  • 18. Eletroterapia para Tratamentos Corporais Manta Térmica Alta Frequência Microcorrentes Ionização Correntes Excitomotoras: Aussie/ Russa Eletrolifting Endermoterapia Microdermoabrasão – Peeling de Cristal / Peeling de Diamante
  • 19. Eletroterapia para Tratamentos Corporais Ultrassom (HECCUS Turbo) Ultra cavitação Ondas de Choque Radiofrequência Criofreguência Laser Led Terapia Criolipólise
  • 20. Eletroterapia para Tratamentos Faciais Nos tratamentos faciais a eletroterapia auxilia na melhoria dos quadros de acne, revitalização cutânea, na limpeza de pele, no clareamento cutâneo, no pré e pós-cirúrgico, na drenagem linfática facial e outros. Com o objetivo de corrigir ou atenuar estes distúrbios de forma mais intensa e profunda.
  • 21. Eletroterapia para Tratamentos Faciais Vapor de Ozônio Alta Frequência Microcorrentes Ionização Correntes Excitomotoras: Aussie/ Russa Eletrolifting Endermoterapia Microdermoabrasão – Peeling de Cristal / Peeling de Diamante
  • 22. Eletroterapia para Tratamentos Faciais Ultrassom Radiofrequência Criofreguência Laser Led Terapia
  • 23. Contra Indicações Absolutas Sobre o útero durante a gravidez Problemas cardíacos descompensados Paciente portador de marca-passo Sobre locais que contenham prótese metálica Sobre locais onde haja processos neoplásicos Pacientes portadores de epilepsia Lesões de pele no local da aplicação
  • 24. Referências BORGES, S.F. Dermato-Funcional: Modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. 2°ed. São Paulo: Phorte, 2010. AGNE, E.J. Eu sei eletroterapia. 3°ed. Santa Maria: Palloti, 2012. AGNE, E.J. Eletrotermofototerapia. 5°ed. Santa Maria, RS: O Autor, 2018. PEREIRA, Franklin. Eletroterapia sem mistérios . Rio de Janeiro, RJ: Difusão Rubio, 2007.