SlideShare uma empresa Scribd logo
Eletroterapia
Avançada
Faculdade Novo Horizonte – FNB.PB
Curso de Pós Graduação em Estética
Prof.: Roosivelt Honorato
@dr.roosivelthonorato
A ELETROTERAPIA
⬥ Tratamento ou avaliação usando uma das várias modalidades,
incluindo estímulo elétrico, ultrassom, métodos de
aquecimento e resfriamento, diatermia por ondas curtas e
radiação eletromagnética como infravermelho e terapias de luz
incluindo LASER e ultravioleta” (Robertson, 2009).
⬥ “Avaliação ou tratamento usando estímulos elétricos”
(Robertson, 2009).
2
A ELETROTERAPIA
⬥ Eletroterapia consiste no uso de correntes elétricas
dentro da terapêutica. Os aparelhos de eletroterapia
utilizam u ma intensidade de corrente muito baixa, são
miliamperes e microamperes.
⬥ Os eletrodos são a plicados diretamente sobre a pele e o
organismo será o condutor.
⬥ Na eletroterapia temos que considerar parâmetros como:
resistência, intensidade, voltagem potência e
condutividade.
3
APLICAÇÕES DA ELETROTERAPIA
⬥ Relaxamento de espasmos
musculares;
⬥ Prevenção e retardamento
de atrofia por falta de uso;
⬥ Elevação da circulação
sanguínea local;
⬥ Reabilitação e reeducação
muscular.
4
⬥ Controle da dor;
⬥ Estimulação pós -cirúrgica
imediata dos músculos para
evitar trombose venosa;
⬥ Recuperação de lesão e
aplicação de medicamentos;
⬥ Manutenção e elevação da
amplitude de movimentos.
CORRENTE ELÉTRICA
⬥ Corrente elétrica é o fluxo de carga elétrica, geralmente
elétrons, medido em ampére (A).
⬥ Os metais, nos quais os átomos são ligados formando uma
estrutura tipo treliça, a carga é transportada por elétrons
5
CONDUTORES
⬥ O músculo e o nervo são
bons condutores, enquanto
que a pele e a gordura são
condutores fracos.
6
⬥ São todas as substâncias
nas quais “as partículas
carregadas se movimentam
simplesmente quando são
colocadas em um campo
elétrico”
ISOLANTES
⬥ Ao contrário das substâncias que permitem movimento
fácil de partículas carregadas em um campo elétrico, os
isolantes são substâncias que tendem a não permitir o
movimento livre de íons ou elétrons, como a borracha e
muitos plásticos.
7
VOLTAGEM OU TENSÃO
⬥ É a pressão que faz com que
haja fluxo de elétrons no
condutor. A unidade de
medida é o volt (V).
⬥ A potência é o parâmetro que provoca a sensação agradável ou desagradável no
paciente, sendo assim, pode-se reduzir a potência quando o paciente
demonstrar desconforto diante de algum agente físico elétrico. Também pode
ser medida em joule (J).
8
POTÊNCIA
PULSO
⬥ O pulso pode ser definido
como uma forma de onda
individual, é expresso
geralmente em segundos (seg),
milissegundos (ms) ou
microssegundos (μs).
⬥ Largura de pulso (LP) é o
tempo de duração de cada um
dos pulsos, medido desde
quando deixar o ponto zero até
voltar a encontrá-lo.
⬥ Se o pulso for bidirecional,
quando parte é positiva e parte
é negativa (fases), a largura de
pulso será o tempo gasto para
completar cada ciclo.
9
PULSO
10
PERÍODO
⬥ Período é o tempo que
vai do início de um
pulso, ou conjunto de
pulsos, até o início do(s)
seguinte(s).
⬥ F = λ / T
⬥ Onde:
⬥ F = Frequência
⬥ T = Período
⬥ λ = Comprimento da
Onda
11
INTERVALO
⬥ Intervalo é o tempo transcorrido entre dois pulsos, ou dois conjuntos
de pulsos.
⬥ Também pode ser definido como tempo de repouso, no entanto,
recomenda-se que utilize tempo de repouso para definir o tempo em
que não ocorre eletroestimulação para favorecer o relaxamento
muscular (AGNE, 2006).
12
FREQUÊNCIA
⬥ É o número de ciclos por segundo (ciclos, voltas,
oscilações), é expresso em hertz (Hz), ou seja, a quantidade
de pulsos em um determinado tempo. Por exemplo, se
tivermos uma frequência de 1000 Hz, significa que temos
um estímulo passando mil vezes por segundo.
13
CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES
QUANTO ÀS FREQUÊNCIAS
Baixa Frequência
⬥ 1 a 1.0 00 Hz, mais utilizada na
prática clínica a faixa de 1 a 200 Hz.
⬥ Corrente Galvânica, Farádica,
Diadinâmicas, TENS (Estimulação
Nervosa Elétrica Transcutânea) e
FES (Estimulação Elétrica
Funcional).
Alta Frequência
⬥ 10.000 Hz a 100.000 Hz;
⬥ Ondas Curtas, Micro-ondas,
Ultrassom.
14
Média Frequência
⬥ 1.000 a 10.000 Hz, sendo utilizado na
eletroterapia de 2.000 a 4.000 Hz.
⬥ Interferencial e Corrente Russa.
CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES QUANTO ÀS FORMAS DE
ONDAS
⬥ Formas de ondas:
Senoidal
⬥ Alternada, bifásica, simétrica,
apolar.
⬥ Exemplo: Corrente Interferencial.
15
Exponencial
⬥ Polar e apolar
⬥ Exemplo: Corrente Farádica
Efeitos: contração muscular
Semi-senóide
⬥ Monofásica, polar ou apolar
⬥ Exemplo: Diadinâmicas
Triangular
⬥ Apolar ou polar (dependendo
do aparelho)
⬥ Exemplo: Corrente Farádica
CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES QUANTO ÀS FORMAS DE
ONDAS
⬥ Formas de ondas:
Retilínea
⬥ direta ou contínua, polarizada.
⬥ Exemplo: Corrente Galvânica.
⬥ Efeitos: aplicação dos
medicamentos por ter
polaridade definida; hiperemia
e vasodilatação.
16
Quadrática
⬥ Alternada, despolarizada,.
⬥ Exemplo: Tens, Ultra excitante e
corrente Russa.
⬥ Efeitos: analgesia, contração e
estimulação muscular de força.
FORMA DE ONDA
⬥ Corrente Interferencial :
forma senoidal (4KHz);
⬥ Corrente Russa: bursts de
longa duração (2,5 KHz –
10ms);
⬥ Corrente Aussie - bursts de
curta duração (1kHz -2ms e
4kHz - 4ms).
17
INTENSIDADE
⬥ Medida em microampéres (μA) ou miliampéres (mA),
aumentando-se a intensidade em um aparelho, aumenta-
se a unidade motora recrutada, a área atingida, bem como
sua magnitude.
⬥ Pode-se aumentar a intensidade para manter o estímulo
sensorial, visto que na medida do tempo vai havendo
acomodação.
18
TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS
⬥ Corrente direta (CD)
(corrente contínua), aquela
na qual o fluxo de elétrons
está em uma direção
apenas;
⬥ (polarizada) como aquela
que tem sempre o mesmo
sentido, de um polo a
outro.
⬥ A corrente alternada (CA),
na qual a corrente flui
primeiro por um caminho e
depois por outro,
alternadamente
⬥ (despolarizada) é quando a
polaridade dos elétrons da
fonte muda de forma
periódica no tempo, e em
consequência mudando
também o sentido de
circulação dos elétrons.
19
EFEITOS POLARES
20
Ânodo = Polo (+)
Reação Ácida
Cátodo = Polo (-)
Reação Alcalina
Sedante Estimulante – Irritante
Vasoconstrictor Vasodilatador
Solidificação de proteínas Liquefação de proteínas
Desidratante Hidratante
Quanto mais água tem o tecido, melhor é a sua
propriedade de conduzir a corrente elétrica.
Pouco condutores
Condutores
médios
Bons condutores
Osso Pele úmida Sangue
Gordura Tendões Linfa
Pele seca Fáscias grossas Líquidos corporais
Pêlos Cartilagens Músculos
Unhas ---- Vísceras
--- ---- Tecido nervoso
21
O que devo fazer para reduzir a
impedância da pele?
⬥ Retire o excesso de pelo local;
⬥ Melhore o aporte sanguíneo anteriormente utilizando
modalidades como massoterapia ou recursos da
hipertermoterapia;
⬥ Umedeça a pele;
⬥ Faça passar pelo local outra corrente elétrica. A mais
usada é a Difásica Fixa (DF);
⬥ Dê preferência para os eletroestimuladores com média
frequência (RUSSA ou INTERFERENCIAL).
22
ELETRODOS
⬥ Quanto menor o tamanho do
eletrodo, maior será a resistência
da pele à passagem da corrente
elétrica e vice -versa.
⬥ Quanto menor o tamanho do
eletrodo, maior será a densidade
de energia elétrica passando pela
área do eletrodo.
23
Borracha siliconada
Autoadesivos
ELETRODOS
⬥ Tomar cuidado para que o
eletrodo esteja sempre úmido
e em contato uniforme com a
superfície de contato, evitando
queimadura do tipo
eletroquímica.
24
PARAMÊTROS BÁSICOS C. AUSSIE
⬥ MODO DE ESTIMULAÇÃO (STIM. MODE) - CONT, REC, SINC, SEQ;
⬥ FREQUÊNCIA PORTADORA (CARRIER) - 1kHz (estímulo motor),
4kHz (estímulo sensorial – drenagem e analgesia);
⬥ DURAÇÃO DE BURST (DURATION ms) - 2ms (estímulo motor), 4ms
(estímulo sensorial – drenagem e analgesia);
⬥ FREQUÊNCIA (FREQUENCY Hz) - 1 a 100Hz (50Hz estimulação
motora, 10Hz drenagem linfática, 100Hz analgesia).
25
PARAMÊTROS BÁSICOS DA C. AUSSIE
⬥ PARÂMETROS:
⬥ RISE, DECAY, ON, OFF - Tempo OFF ≥ Tempo ON
⬥ TEMPO DE APLICAÇÃO - Tempo total de aplicação até 30
minutos (Depende da condição metabólica de cada paciente,
não deve gerar fadiga).
⬥ INTENSIDADE - Intensidade de acordo com a sensibilidade e
tolerância de cada paciente.
⬥ OBS: - Estímulo motor - visualizar a contração. Não deve
gerar dor intensa.
⬥ Estímulo sensorial – sensação de formigamento.
26
27
TÉCNICA DE APLICAÇÃO PARA
FORTALECIMENTO
⬥ Mioenergética (2 eletrodos de silicone carbono no ventre muscular);
⬥ Ponto Motor (1 eletrodo de silicone carbono no ponto motor do
músculo e outro próxima a região);
⬥ Utilizar gel condutor neutro;
⬥ TÉCNICA DE APLICAÇÃO PARA ANALGESIA E DRENAGEM:
⬥ Analgesia: a área a ser tratada deve estar posicionada entre os
eletrodos;
⬥ Drenagem: posicionar os eletrodos no sentido da linfa em todo o
membro no modo sequêncial de distal para proximal.
28
TÉCNICA DE APLICAÇÃO MIOENERGÉTICA
29
CORRENTE AUSSIE
⬥ Duas canetas apropriadas
com eletrodos de borracha
condutiva conectados na
ponta;
⬥ Técnica mioenergética (ventre
muscular);
⬥ Técnica ponto motor
(conhecimento da localização
correta dos pontos);
⬥ Deve ser utilizado somente no
canal 1 do equipamento.
30
PONTOS PARA ESTIMULAÇÃO FACIAL
31
CONTRA-INDICAÇÕES GERAIS
⬥ Incapacidades cardíacas graves;
⬥ Marcapasso;
⬥ Gravidez;
⬥ Implantes metálicos expostos;
⬥ Seio carotídeo;
⬥ Ao redor dos olhos;
⬥ Obesidade mórbida.
32
TÉCNICAS DE APLICAÇÃO
⬥ Longitudinal: eletrodos
na mesma face
anatômica.
⬥ Transversal: eletrodos
em faces anatômicas
diferentes.
⬥ Banho de galvanização:
utilização de água para
aumentar o campo de
atuação.
33
Resumindo..
⬥ A eletroterapia corresponde a utilização
da corrente elétrica com fins
terapêuticos, com o aquecimento
profundo e superficial; efeitos
mecânicos nos tecidos combatendo a
fibrose; difusão de substâncias através
da membrana celular; aumento da
vasodilatação, metabolismo e nutrição
tecidual; diminuição da excitabilidade
motora; e aumento do limiar de
excitabilidade nervosa. (BIASOLI, 2 007,
apud OLI VEIRA, 2 015). 34
ELETROTERAPIA APLICADA
35
APARELHOS
CORRENTES MAIS USADAS
NA ESTÉTICA
⬥ Corrente Aussie – flacidez muscular, analgesia,
drenagem linfática;
⬥ Corrente Polarizada – ionização (celulite,
gordura localizada, estrias, rejuvenescimento);
⬥ Micropolarizada – estrias e rugas (eletrolifting);
⬥ Microcorrente – flacidez dérmica, cicatrização;
⬥ Alta Frequência – limpeza de pele, tratamento
capilar, podologia.
36
CORRENTE GALVÂNICA
1
CORRENTE GALVÂNICA
38
CORRENTE GALVÂNICA =
CORRENTE CONTÍNUA
⬥ A corrente polarizada ou galvânica deve ser
utilizada para a realização do procedimento de
iontoforese, ou seja, a permeação de insumos
farmacêuticos associados aos efeitos polares da
corrente.
39
CORRENTE GALVÂNICA
⬥ Adaptada para o uso na estética, sua unidade de
medida é o miliampére (MA).
40
CORRENTE GALVÂNICA
⬥ Utiliza-se dois eletrodos.
41
⬥ POSITIVO (Vermelho)
⬥ NEGATIVO (Preto)
⬥ A corrente galvânica (contínua) o movimento
das cargas de mesmo sinal se deslocam no
mesmo sentido, com uma intensidade fixa.
INTENSIDADE
⬥ Baixas intensidades são mais efetivas com força
direcional.
⬥ A intensidade não deve ultrapassar 0,1 mA/cm²
de área de eletrodo ativo.
42
⬥ CUIDADOS!
⬥ Ao aplicar a corrente galvânica, certifique-se que a pele esteja
limpa e que não existam feridas abertas. A intensidade será
dada pelo paciente!
EFEITOS DA CORRENTE GALVÂNICA
⬥ Hiperemia local (predominante no pólo
negativo);
⬥ Vasodilatação local;
⬥ Elevação da temperatura local;
⬥ Elevação do metabolismo;
⬥ Otimização da circulação sanguínea (maior
nutrição dos tecido superficiais e profundos);
⬥ Analgesia.
43
EFEITOS FISIOLÓGICOS DA CORRENTE
CONTÍNUA
⬥ Produção de calor: A resistência dos tecidos a
passagem dacorrente elétrica produz calor.
Efeito Jaule.
⬥ Eletrólise: Reação química provocada pelos
efeitos polares. Os íons negativos seguem em
direção ao pólo positivo(reação ácida) e os íons
positivo's seguem em direção ao pólo negativo
(reação básica).
44
TIPOS DE APARELHOS COM A
CORRENTE CONTÍNUA
⬥ Ionização facial e corporal;
⬥ Desincruste;
⬥ Eletrolifting ou galvanopuntura;
⬥ Eletrólise.
45
CORRENTE CONTÍNUA PULSADA
⬥ Microcorrente;
⬥ Eletrolipoforese ou Eletrolipólise.
46
IONTOFORESE OU IONIZAÇÃO
⬥ Ionizando o produto com o pólo de mesma carga, estamos provocando
uma repulsão entre o produto e o eletrodo e uma atração entre o
produto e o organismo, facilitando sua penetração.
⬥ Geralmente os produtos utilizados são ampolas nutritivas à base de
uréia, colágeno, elastina, extrato placentário, DNA, vitamina C, entre
outros.
47
PENETRAÇÃO DOS ÍONS
⬥ A transferência de íons irá acontecer principalmente nos
ductos das glândulas sudoríparas, e em menor extensão nos
folículos pilosos e glândulas Sebáceas.
48
49
DOSIMETRIA
50
APLICAÇÃO DA CORRENTE GALVÂNICA
⬥ 2 placas de alumínio com as esponjas vegetais azuis,
ambas as esponjas deverão ser umidificadas em água;
⬥ O jacaré vermelho é sempre o pólo ATIVO e o preto é
o pólo DISPERSIVO. (Consenso literário);
⬥ O princípio ativo deverá ficar no pólo ativo (jacaré
vermelho);
⬥ O equipamento deve ser ajustado na mesma
polaridade do ativo.
51
CORRENTE POLARIZADA
TÉCNICA DE APLICAÇÃO (CORPORAL)
⬥ Ambos os eletrodos devem ser posicionados na pele da paciente
sobre o local a ser tratado com uma distância de ± 3 ou 4 dedos
entre eles.
⬥ Deve-se ajustar a intensidade no equipamento segundo a
sensibilidade e tolerância da paciente.
⬥ O tempo não deve ultrapassar 5 a 10 minutos de aplicação.
⬥ INDICAÇÕES : tratamentos de celulite, estrias, tratamentos de
cicatrização, pós operatório, edemas.
52
CORRENTE POLARIZADA
TÉCNICA DE APLICAÇÃO (FACIAL/CORPORAL):
⬥ Ponteira rolinho (pólo ativo)/ placa de alumínio e esponja
vegetal (pólo dispersivo);
⬥ Ajustar no equipamento a mesma polaridade do princípio
ativo;
⬥ Deve-se ajustar a intensidade no equipamento segundo a
sensibilidade e tolerância da paciente;
⬥ O tempo não deve ultrapassar 5 a 10 minutos de aplicação.
⬥ INDICAÇÕES : protocolos de hidratação e revitalização.
53
DESINCRUSTE
⬥ É uma técnica que utiliza a corrente galvânica para facilitar a
retirada do excesso de secreção sebácea da superfície da pele.
Geralmente é utilizado um produto com ativos à base de
carbonato de sódio, salicilato de sódio ou lauril sulfato de sódio,
que possuem características alcalinas.
⬥ Esses produtos realizam saponificação ou efeito detergente com
os ácidos graxos presentes na secreção sebácea, transformando-
o em sabão, o qual é facilmente removível com água.
54
DESINCRUSTE
⬥ Os eletrodos que devem ser utilizados são o gancho (jacaré) envolvido
por algodão embebido na solução e o bastonete, que a cliente deve
segurar durante a aplicação. Essa técnica também tem sido bastante
utilizada nos tratamentos capilares para redução da oleosidade nos
quadros seborréicos.
55
ELETROLIFTING OU GALVANOPUNTURA
⬥ É uma técnica que utiliza a corrente galvânica juntamente com uma
agulha de 5mm no pólo negativo, com o objetivo de atenuar vincos e
linhas de expressão. Não se caracteriza por um método invasivo, pois a
agulha atinge apenas a superfície da pele sem aprofundar-se.
⬥ Consiste em provocar uma sutil agressão na camada superficial da
epiderme, sobre as rugas ou linhas de expressão nas regiões naso-labiais,
perioculares, frontal, entre outras.
56
ELETROLIFTING OU GALVANOPUNTURA
⬥ Indicações:
⬥ Vincos e linhas de expressão - Intensidade de 100 a 300 μA;
⬥ Estrias - Intensidade 70 a 100 μa.
⬥ Contraindicações:
⬥ Semelhantes à iontoforese;
⬥ Amamentação;
⬥ Uso de hormônios esteróides (anticoncepcionais);
⬥ Uso de corticóides;
⬥ Síndrome do ovário policístico;
⬥ Tendência a quelóide.
57
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Higienizar a região a ser tratada com sabonete antisséptico, álcool ou
emulsão de limpeza.
⬥ Configurar o aparelho de corrente galvânica em microamperagem.
⬥ Utilizar agulha esterilizada de calibre 0,20 com 4 milímetros de
comprimento.
⬥ O jacaré vermelho é sempre o pólo ATIVO e o preto é o pólo DISPERSIVO.
(Consenso literário).
⬥ Técnica de aplicação: caneta com ou sem agulha (polo ativo) e polo
dispersivo (placa de alumínio e esponja vegetal)
⬥ Punturar toda a extensão do sulco, linha de expressão ou estria contando
dois segundos. Também pode ser utilizada a técnica de deslizamento ou
escarificação.
⬥ Pode-se complementar o tratamento aplicando substâncias à base de
aminoácidos de colágeno e elastina ou substâncias hidrossolúveis.
⬥ Finalizar aplicando bloqueador solar.
⬥ Não tomar sol. 58
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Deslizamento da agulha dentro do canal da
ruga;
⬥ Penetração da agulha em pontos adjacentes e
no interior da ruga;
⬥ Escarificação método de deslizamento da
agulha no canal da ruga, diferenciando-se pela
agulha ser posicionada a 90º, ocasionando uma
lesão no tecido.
59
MICROCORRENTES - MENS
⬥ As microcorrentes, também chamadas de Micro
Electro Neuro Stimulation (MENS), são um tipo
de eletroestimulação que utiliza correntes de
baixa intensidade medida em microamperagem
(μA) e baixa frequência, podendo apresentar
correntes contínuas ou alternadas.
60
MICROCORRENTES - MENS
⬥ Corrente pulsada em microampéres (μA) com
inversão automática de polaridade positiva e
negativa a cada 3 segundos.
⬥ São especificamente projetados para imitar e
ampliar os sinais bioelétricos do corpo humano,
aumentando sua habilidade para transportar
nutrientes e resíduos metabólicos das células
nas áreas afetadas.
61
EFEITOS FISIOLÓGICOS DA MENS
⬥ Elevação da temperatura local.
⬥ Aumento da circulação local.
⬥ Incremento do metabolismo.
⬥ Aumento da síntese de ATP e colágeno.
⬥ Aumento do transporte ativo das membranas.
⬥ Incremento da drenagem.
⬥ Aumento da reabsorção de edemas e
hematomas.
⬥ Auxílio à cicatrização em pós-operatórios.
62
INDICAÇÕES
⬥ Pós-operatório;
⬥ Cicatrização;
⬥ Recuperação de queimaduras;
⬥ Acne;
⬥ Revitalização facial;
⬥ Rejuvenescimento;
⬥ Iontoforese.
63
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ Alergia à corrente elétrica.
⬥ Próteses ou implantes metálicos no local de
aplicação.
⬥ Gestação.
⬥ Eixo de cardíaco.
⬥ Neoplasias.
64
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Os parâmetros a serem determinados basicamente
referem-se à intensidade da corrente que varia entre 20 e
600μA e o tempo de estimulação que varia entre 15
minutos e 1 hora, outros autores sugerem a aplicação
entre 1 e 30 minutos.
⬥ Intensidade normalmente entre 80 e 100μA para
tratamentos estéticos.
65
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Podem ser utilizados eletrodos fixos de borracha, ou
eletrodos móveis de prata, no entanto, os eletrodos de
prata são mais eficientes para aplicação das
microcorrentes, visto que sua resistência é de apenas 20
ohms, enquanto que nos eletrodos de borracha essa
resistência é de 200 ohms.
66
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ 1ª Fase – Normalização – frequência: 100hz e intensidade 500ma,
usar o gel condutor, caneta do centro para as extremidades de
forma lenta – Tempo de 10 minutos na face total;
⬥ 2ª Fase – Nutrição – Frequência: 100hz intensidade 100ma,
⬥ usar o gel condutor, caneta em zig zag de forma lenta – Tempo
de 10 minutos na face total;
⬥ 3ª Fase – Bioestimulação – Frequência: 1hz e intensidade de
50ma, usar o gel condutor, caneta parada e outra
movimentando de forma lenta - Tempo de 10 minutos na face
total;
67
68
ELETROLIPOFORESE
A queridinha da Lipólise!
2
ELETROLIPOFORESE / ELETROLIPÓLISE
⬥ Eletrolipoforese trata-se de uma técnica que
utiliza microcorrente de baixa frequência capaz
de atingir diretamente os adipócitos e lipídios
acumulados, favorecendo sua destruição e
eliminação.
⬥ As correntes polarizadas atuam por área de
saturação, ou seja, entre os eletrodos ou agulhas
conectadas entre um polo positivo e um polo
negativo.
70
Eletrolipólise
⬥ Técnica que utiliza corrente elétrica de baixa frequência (em
média de 25Hz), que atua diretamente ao nível dos adipócitos
produzindo a quebra dos lipídios de seu interior e favorecendo
também sua eliminação. As moléculas de gorduras (triglicérides)
sofrem ruptura originando moléculas de ácidos graxos e glicerol,
deslocando-se para o interstício celular e posteriormente sendo
captados pela corrente sanguínea.
71
Eletro Lipólise
INDICAÇÕES
⬥ Gordura Localizada;
⬥ Celulite.
⬥ É também indicado para: lipodistrofias
localizadas.
As áreas que melhor respondem a eletrolipólise
são: região trocantérica, flancos, abdômen e face
interna dos joelhos.
72
CONTRA INDICAÇÕES
⬥ Alterações cardíacas;
⬥ Alterações dermatológicas;
⬥ Tumores;
⬥ Insuficiência renal crônica;
⬥ Epilepsia;
⬥ Gravidez (não se trata de uma contra indicação
absoluta, apenas, preventiva).
73
EFEITOS
⬥ Diminuição da espessura subcutânea;
⬥ Diminuição da perimetria ;
⬥ Diminuição do glicerol;
⬥ Efeito circulatório, promovido pela estimulação das terminações
nervosas pela corrente elétrica, o que gera vasodilatação e promove
ativação da circulação sanguínea.
74
75
VIAS DE USO
⬥ Epicutânea: técnica aplicada com eletrodos de silicone em
tiras, posicionados com uma distância de 4 a 5 cm entre
eles (positivo e negativo).
⬥ Subcutânea: técnica aplicada com agulhas de acupuntura,
introduzidas a nível da hipoderme com a distância de 4
cm entre elas.
76
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Assepsia da pele;
⬥ Coloque a agulha dentro da cânula, encoste na pele à 90º, baixe à
45º e insira devagar e sempre perguntando ao paciente sobre o
incomodo;
⬥ São introduzidas na hipoderme, agulhas de acupuntura
descartáveis que podem medir entre 4, 5, 7 e 12cm as mais
utilizadas giram em torno de 30 mm a 75mm de comprimento,
com 0,3 mm de diâmetro;
77
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ A técnica se inicia com a introdução das agulhas na hipoderme e finaliza
com o acoplamento do aparelho nas agulhas com garras jacaré;
⬥ O tempo de aplicação gira em torno de 50 a 60 minutos, e a dosimetria
obedece à sensação subjetiva relatada pela cliente, em que se recomenda
a máxima intensidade tolerada;
⬥ É sugestivo a periodicidade de duas aplicações semanais;
⬥ Pode fazer a associação da eletrolipólise com a vacuoterapia, pois assim
há possibilidade de resultados mais efetivos.
78
79
ALTA FREQUÊNCIA
3
ALTA FREQUÊNCIA
⬥ A alta-freqüência é um tipo de corrente de elevada tensão e baixa
intensidade que passa de uma peça chamada bobina para os eletrodos
de vidro que contém gás nobre. Os gases utilizados são geralmente
Neônio ou Argônio. Quando é acionado, emite uma coloração alaranjada,
no caso do neônio, ou azulada, no caso do argônio.
81
CARACTERÍSTICAS
⬥ O equipamento gera uma tensão alternada de alguns milhares
de volts (baixa corrente) que é aplicada a eletrodos de vidro.
⬥ O gás dentro do vidro será então excitado produzindo pequenas
“faíscas elétricas” na face externa do eletrodo de vidro. Durante
este processo de faíscas elétricas é gerado ozônio.
⬥ Propriedades do ozônio: oxigenante, fungicida e bactericidas.
82
INDICAÇÕES
⬥ Tratamentos faciais, capilares e podologia;
⬥ Tratamentos para desinfecção da pele acneica e lesões podais;
⬥ Cauterização da pele pós-extração de pústulas;
⬥ Em protocolos de revitalização e hidratação da pele;
⬥ Desinfecção do couro cabeludo no caso de seborréias;
⬥ Estimulação da circulação sanguínea facial e capilar;
⬥ Pós-depilação;
⬥ Feridas inflamadas pós-extração de cutículas ungueais.
83
TIPOS DE ELETRODOS
⬥ Eletrodo aplicador de vidro tipo esférico maior e menor – empregado no
modo faiscamento direto e fluxação. Pode ser empregado nos
tratamentos de limpeza de pele e tratamentos podais.
84
⬥ Eletrodo Pente – Empregado em tratamentos capilares como alopecia e
seborréia.
TIPOS DE ELTRODOS
85
TIPOS DE ELETRODOS
⬥ Eletrodo aplicador de vidro tipo forquilha – pode ser utilizado em mamas
e pescoço no modo faiscamento direto e fluxação.
86
⬥ Eletrodo saturador – Utilizado com o modo faiscamento indireto.
Melhora a vascularização e nutrição tecidual em peles desvitalizadas.
Eletrodo cauterizador – Empregado no modo faiscamento direto para
homeostasia da pele pós extração (Limpeza de peles, acnes e etc.).
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ Uso de toxína botulínica;
⬥ Cardiopatia, presença de marcapasso;
⬥ Tumor local;
⬥ Gravidez;
⬥ HA e diabetes descompensados;
⬥ Psoríase;
⬥ Alergia à corrente;
⬥ Somente para polarizada e micropolarizada: presença de metais
internos e externos;
⬥ Somente para micropolarizada: hemofilia, vitiligo, quelóides ou
propensão a quelóides, lesões abertas, processo inflamatório
sistêmico ou paciente que está fazendo uso de antiinflamatórios
ou corticóides. 87
ATENÇÃO!!!
⬥ As correntes de alta frequência NUNCA
devem ser utilizadas sobre a pele úmida
por líquidos inflamáveis, como por
exemplo, álcool ou éter, pois podem
produzir queimaduras. O mesmo vale
para a higienização dos eletrodos!
88
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Fluxação: passagens lentas e regulares do eletrodo em contato direto
com a pele.
⬥ Faiscamento direto: utiliza-se o eletrodo afastado alguns milímetros da
pele, gerando um faiscamento mais energético (ocorre a formação de
ozônio).
⬥ Faiscamento indireto: esta técnica é somente para eletrodo saturador. O
paciente segura o eletrodo de vidro nas mãos e o profissional executa
um suave tamborilamento sobre a pele. Essa técnica permite tonificar e
estimular as terminações nervosas da pele, além de permitir a
permeação de ativos cosméticos.
⬥ O tempo de aplicação varia de acordo com o local, área tratada e tipo de
aplicação, sendo geralmente de 3 a 8 minutos. A intensidade varia de
acordo com a sensibilidade do paciente.
89
90
CORRENTE RUSSA
A queridinha da barriga de tanquinho
3
CORRENTE RUSSA
⬥ É uma corrente de média frequência, alternada de 2.500 Hertz, aplicada
como uma série de disparos avulsos.
⬥ Trata-se de um trem de impulsos de correntes retangulares ou senoidais,
bipolar, simétrica, emitidos numa frequência de 2.500Hz modulada por
uma onda que pode variar de 50 a 80Hz. Estes parâmetros criam um
trem de pulsos compostos pelo tempo de subida, tempo de contração
(tempo on), tempo de descida e repouso (tempo off).
92
FIBRAS MUSCULARES
⬥ Fibras musculares tipo I: fibras de contração lenta. Possuem grande
suprimento vascular, grande quantidade de mitocôndrias, de
mioglobinas, são resistentes à fadiga e possuem baixa produção de força.
Exemplo: maratonistas, ciclistas, nadadores de longa distância.
Estimuladas na frequência de 20 a 30Hz.
⬥ Fibras musculares tipo II: fibras de contração rápida. Possuem baixo
suprimento vascular, baixa quantidade de mitocôndrias, de mioglobinas,
são pouco resistentes à fadiga e possuem grande produção de força.
Exemplo: atividades de velocidade e explosão. As fibras do tipo II podem
ser divididas em tipo IIa e tipo IIb, sendo as do tipo IIa intermediárias.
Estimuladas na frequência de 50 a 150Hz.
93
FIBRAS MUSCULARES
94
TIPOS DE FIBRAS MUSCULARES
95
INDICAÇÕES
⬥ Auxilia no fortalecimento e definição muscular;
⬥ Aumento da irrigação sanguínea;
⬥ Aumento do retorno sanguíneo e linfático.
96
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ Cardiopatias.
⬥ Portadores de marca-passo.
⬥ Doenças circulatórias.
⬥ Pressão arterial descompensada.
⬥ Neoplasias.
⬥ Doenças pulmonares.
⬥ Renais crônicos.
⬥ Processos infecciosos e inflamatórios.
⬥ Lesões musculares.
⬥ Implante ou prótese metálica.
⬥ Epilepsia.
⬥ Gestação.
⬥ Dermatite ou dermatoses.
⬥ Pacientes neurológicos (tônus alterado).
⬥ Fraturas ósseas recentes.
⬥ Excesso de tecido adiposo (isolante). 97
Nunca estimular os seios
carotídeos (reflexo vago-
vagais), pescoço e boca
(espasmos dos músculos
laríngeos e faríngeos).
TÉCNICAS E PARAMETROS DE APLICAÇÃO
⬥ Higienizar a pele;
⬥ Aplicar os eletrodos nos pontos motores/nervos.
98
TÉCNICAS E PARAMETROS DE APLICAÇÃO
⬥ Recomenda a utilização de 6 on e 6 off. Este tempo de
contração e relaxamento irá variar de acordo com cada
paciente;
⬥ O tempo de subida e descida determina o aumento ou
diminuição gradativa da amplitude do pulso, varia entre 1
e 5 segundos;
⬥ A intensidade ideal é a máxima tolerada com conforto
pelo paciente.
99
100
⬥ Os resultados podem ser potencializados se associada a
contração ativa à contração passiva, por exemplo, para a
estimulação de adutores pode-se incentivar o paciente a
pressionar uma bola entre os joelhos durante a fase on.
⬥ O número e a frequência de realização das sessões são
determinados pelo terapeuta.
101
102
ACEITAÇÃO DO PACIENTE
103
ULTRASSOM
Ondas sonoras com poder de lipólise
4
O ultrassom (US) começou a ser utilizado na medicina no
início da década de 30. A partir da década de 50 começou a
ser aplicado em fisioterapia, e a partir da década de 70 este
equipamento começou a ser utilizado em tratamentos
estéticos.
ULTRASSOM
105
PRINÍPIOS BÁSICOS DO ULTRASSOM
⬥ Vibrações sonoras possuem frequência entre 20 e 20.000
Hz, “quando a frequência está abaixo de 20 Hz, classifica-
se como infrassônica ou subsônica, e acima de 20.000 Hz
como ultrassônica”. A maioria das frequências envolvidas
na fala e na música fica na faixa de 30 a 4.000 Hz.
⬥ No campo terapêutico denomina-se US as oscilações
cinéticas ou mecânicas produzidas por um transdutor
vibratório que se aplica sobre a pele, atravessando e
penetrando no organismo em diferentes profundidades.
106
TRANSMISSÃO DAS ONDAS
⬥ O US é gerado através de um transdutor;
⬥ Os transdutores eletroacústicos ou ultrassônicos
convertem energia elétrica em mecânica e vice-
versa.
107
ERA DO US
⬥ A ERA é um parâmetro muito importante, que determina a
intensidade da onda ultrassônica, sendo expressa em unidade de
superfície;
⬥ US pode ser aplicada continuamente durante todo o tempo de
tratamento, no modo contínuo, ou pode ser aplicada em pulsos.
108
CAVITAÇÃO
⬥ A cavitação ocorre em toda aplicação do US, é a formação de
pequenas bolhas gasosas nos tecidos como resultado da
vibração do US, ela pode ser estável ou transitória.
⬥ A cavitação estável ocorre quando as bolhas balançam de um
lado para outro no interior das ondas de pressão do US, mas
permanecem intactas.
⬥ A cavitação instável ocorre se a intensidade for muito elevada
ou se o feixe ultrassônico ficar estacionário.
109
PARAMÊTROS
⬥ Os US terapêuticos variam de 1 a 3 MHz;
⬥ US de 1 MHz alcança-se mais de 5 cm, enquanto
que com US de 3 MHz a penetração é em torno
de 3 cm.
⬥ A frequência de 3 MHz, além de mais absorvida
na superfície, é também absorvida três vezes
mais rápido que a frequência de 1 MHz,
proporcionando maior rapidez no aquecimento
tecidual.
110
⬥ Na estética utiliza-se de 1,2 a 1,5 W/cm² no modo contínuo para a
maioria dos protocolos para adiposidade e FEG, e 0,5 W/cm² no
modo pulsado para processos de reparo tecidual, principalmente
cicatrizes.
⬥ TEMPO = ÁREA ÷ ERA
111
EFEITOS TÉRMICOS
⬥ Hiperemia;
⬥ Aumento da circulação sanguínea;
⬥ Aumento do metabolismo tecidual;
⬥ Aumento da permeabilidade das membranas;
⬥ Incremento da flexibilidade dos tecidos ricos em colágeno;
⬥ Aumento da angiogênese;
⬥ Aumento na atividade fibroblástica e síntese de colágeno;
⬥ Aumento na síntese de proteínas;
⬥ Efeito analgésico;
⬥ Relaxamento.
112
EFEITOS NÃO TÉRMICOS
⬥ Cavitação;
⬥ Correntes acústicas: pode aumentar sua
permeabilidade;
⬥ Ondas estacionárias.
113
FONOFORESE
⬥ é a capacidade de administração percutânea de
agentes farmacologicamente ativos através do
US.
114
TERAPIA COMBINADA
⬥ US + Corrente;
INDICAÇÕES
⬥ Presença de tumores;
⬥ Diabetes;
⬥ Tromboflebites;
⬥ Insuficiência vascular;
⬥ Tecido isquêmico;
⬥ Áreas com redução de sensibilidade;
115
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ FEG;
⬥ Gordura localizada;
⬥ Fibroses;
⬥ Pós cirurgias.
⬥ Olhos;
⬥ Região cardíaca;
⬥ Útero gravídico;
⬥ Implantes metálicos.
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ A área de tratamento deve ser higienizada com álcool ou água e sabão
neutro;
⬥ Deve-se eleger os parâmetros de utilização do US (W/cm²);
⬥ A área a ser tratada deverá ser coberta de gel para acoplamento do
transdutor;
⬥ O transdutor não pode ficar inerte e deve ser movimentado lentamente,
em movimentos circulares, deslocado a uma velocidade de 1 a 2 cm/seg;
⬥ O tempo de aplicação varia de acordo com o tamanho da área tratada, no
entanto, deve-se limitar a 20 minutos por sessão para evitar efeitos
deletérios do US;
⬥ A frequência das sessões deve variar entre duas a três vezes semanais,
respeitando o intervalo de pelo menos um dia entre elas.
116
ENDERMOTERAPIA
4
ENDERMOLOGIA
⬥ A endermologia trata-se de uma técnica de
tratamento realizada por equipamentos
específicos que aliam pressão negativa por
sucção a uma mobilização tecidual positiva
efetuada através de rolos localizados no
cabeçote de aplicação;
⬥ Associa: vácuo – sucção – rolamento.
118
INDICAÇÕES
⬥ Incremento na circulação sanguínea superficial;
⬥ Melhora o trofismo dos vasos sanguíneos;
⬥ Melhora a nutrição dos tecidos e eliminação das toxinas;
⬥ Reestruturação do tecido conjuntivo e remodelamento corporal;
⬥ Diminuição das fibroses.
119
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ Fragilidade capilar;
⬥ Lesões cutâneas;
⬥ Doenças infecciosas;
⬥ Neoplasias;
⬥ Hipertensão;
⬥ Pós operatório imediato;
⬥ Flacidez.
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
120
RADIOFREQUÊNCIA
Aquela que exorciza a flacidez
4
RADIOFREQUÊNCIA
⬥ A radiofrequência refere-se à frequência das ondas
de rádio que compreendem aproximadamente de 30
kHz a 3000 kHz. Os equipamentos de
radiofrequência emitem correntes elétricas de alta
frequência através de dois eletrodos, os quais
fecham um circuito pelo qual é formado um campo
eletromagnético, promovendo assim aquecimento
nos tecidos humanos.
122
RADIOFREQUÊNCIA
⬥ O efeito da lesão térmica controlada induz a uma resposta
inflamatória que favorece a migração dos fibroblastos,
responsáveis por reforçar a estrutura do colágeno,
favorecendo uma melhora na estrutura da pele.
⬥ Para alcançar este efeito deve-se produzir um aumento de
temperatura local entre 40º e 42º C, o que irá desencadear
a cascata de reações fisiológicas: aquecimento do tecido
→ vasodilatação local → estímulo à neocolagênese
123
RADIOFREQUÊNCIA
⬥ Capacitiva: Esse tipo de radiofrequência atua de forma a
gerar calor de dentro para fora do corpo, então sua ação
acontece a partir de ondas curtas e, geralmente, possui a
frequência de 13 a 40 MHz.
⬥ Resistiva: resistiva atua gerando calor de fora para dentro
por meio de um campo elétrico que, através do atrito
gerado no contato com o tecido, se torne um campo
eletromagnético, aquecendo o tecido.
124
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ Flacidez de pele;
⬥ Estrias;
⬥ Rugas;
⬥ Aderências e fibroses;
⬥ Cicatrizes hipertróficas;
⬥ Fibroedema geloide;
⬥ Sequelas de acne;
⬥ Gordura Localizada.
125
INDICAÇÕES ⬥ Endopróteses ou implantes metálicos no local
de aplicação;
⬥ Déficit de sensibilidade local;
⬥ Tecido isquêmico;
⬥ Peles sensibilizadas;
⬥ Preenchimentos;
⬥ Neoplasias;
⬥ Gestação;
⬥ Processos infecciosos;
⬥ Processos inflamatórios agudos;
⬥ Trombose venosa profunda recente (TVP);
⬥ Portadores de marcapasso;
⬥ Condições hemorrágicas;
⬥ Pacientes imunodepressivos;
⬥ Cautela na aplicação periocular.
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Higienizar a região a ser tratada. Pode-se reduzir a impedância da pele
através de esfoliação.
⬥ Selecionar a frequência de acordo com a região a ser tratada: em torno
de 640 kHz para região facial, 1.200 kHz para colo e pescoço e 2.400 kHz
para regiões corporais.
⬥ A intensidade varia de acordo com a sensibilidade referida pelo paciente,
é muito importante o feedback do paciente durante a aplicação.
⬥ Para acoplamento deve ser usado meio condutor (indicado pelo
fabricante do equipamento).
⬥ O movimento deve ser constante e contínuo, movimentos lentos
promovem aquecimento rápido, movimentos rápidos aquecimento
lento.
126
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ A aplicação deve ser feita por pequenas regiões (demarcadas
previamente com lápis de olho branco), após atingir a temperatura
entre 40º e 42º deve ser mantida em torno de cinco minutos para
que produza os efeitos desejados, passando-se assim para a próxima
região.
⬥ O intervalo entre as sessões varia, em geral respeita-se o intervalo de
21 dias, de acordo com o ciclo da produção de colágeno, e são
recomendadas no mínimo seis sessões para que se alcance os
resultados almejados.
⬥ A hiperemia local tende a desaparecer em alguns minutos após a
aplicação.
⬥ Finalizar a sessão com o uso de hidratante e protetor solar.
127
128
129
ELETROPORAÇÃO
Aumenta em até 400x a penetração de ativos
4
ELETROPORAÇÃO
⬥ A eletroporação é um método não invasivo e indolor que emite
ondas eletromagnéticas a partir de correntes elétricas de alta
voltagem e curtos pulsos, o que possibilita a penetração de
princípios ativos por via transdérmica à velocidade de 1ml/min.
131
ELETROPORAÇÃO
⬥ Formação transitória de poros
aquosos (“aquaporinas”) na
bicamada lipídica;
⬥ Macromoléculas migrem através
desses poros para uma camada
mais profunda da pele;
⬥ Até 400 vezes a absorção dos
ativos.
132
INDICAÇÕES
⬥ Hidratação,;
⬥ Manchas e acne;
⬥ Rejuvenescedores;
⬥ Gordura localizada;
⬥ Estrias;
⬥ Celulites;
⬥ Pré e pós-operatório de cirurgias plásticas;
⬥ Otimização do controle inflamatório;
⬥ Cicatrização tecidual em casos de úlceras cutâneas;
⬥ Drenagem de edema;
⬥ Descongestão tecidual e controle da dor aguda e crônica. 133
CONTRA-INDICAÇÃO
⬥ Marca-passo;
⬥ Doença muscular ou nervosa;
⬥ Epilepsia;
⬥ Gravidez ou lactante;
⬥ Câncer, tumores malignos etc;
⬥ Implantes (como próteses de joelho ou quadril).
134
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Os eletrodos circulares são os
dois eletrodos ativos e o
eletrodo placa de alumínio e
esponja vegetal é o eletrodo
dispersivo.
⬥ A técnica é aplicada
dinamicamente.
135
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Para efetuar a aplicação é muito simples.
Basta aplicar topicamente o ativo
específico, gotejando aproximadamente
2 a 3 ml/ponto de aplicação e deslizar o
manípulo em movimentos suaves sobre
a pele umedecida até a completa
absorção (1ml/minuto). A aplicação deve
seguir por quadrantes de acordo com a
área correspondente ao tamanho do
manípulo.
136
LASER E LUZ INTENSA
PULSADA
Depilação definitiva
4
LUZ INTENSA PULSADA
⬥ Tecnologia que emite feixes de luzes
policromáticas e não colimada (em várias
direções). Ou seja, são luzes diversas que emitem
comprimentos de onda variados na pele,
gerando calor local por meio desses disparos.
138
LASER X LIP
139
⬥ Laser: Energia focada e
seletivo à melanina;
⬥ LIP: a energia não é
focada somente no
cromóforo alvo, mas
sim absorvida de forma
mais ampla e dispersa
ENERGIA
140
MECÂNICA
TÉRMICA
ELETROMAGNÉTI
CA LIP
COMO A LIP OCORRE?
⬥ No tecido que está sendo tratado existem
componentes fotorreceptivos, cromóforos, os
quais convertem a energia luminosa que
receberam do equipamento em calor,
coagulando o tecido e ativando, também,
reações químicas do organismo. Desse modo,
lesiona-se somente o tecido-alvo.
141
INTERAÇÃO
142
ENERGIA
FÍSICA
TECIDO RESPOSTA
BIOQUÍMICA
LESÃO
AÇÃO
TERAPÊUTICA
ENTENDENDO A LIP
⬥ Interação biológica entre a luz e os tecidos.
⬥ Absorvida pelos cromóforos (grupo de átomos
constituintes dos tecidos-alvo ou células fotossensíveis à
luz) presentes na pele, tais como a melanina, a oxi-
hemoglobina, a água e o colágeno.
⬥ A absorção da energia pelos tecidos resulta na conversão
da luz em calor, e a taxa de absorção é duplamente
dependente do comprimento de onda da luz emitida e do
cromóforo atingido.
143
CROMÓFORO
144
Molécula
responsável pela cor
Tem a capacidade
de absorver energia
Absorve uma luz
específica
PRINCIPAIS CROMÓFOROS
145
Água
Sangue (oxihemoglobina)
Melanina
Porfirina
FOTOTERMÓLISE SELETIVA
⬥ o princípio da ação do Lyra é a
Fototermólise Seletiva;
⬥ Absorção da luz (comprimento de
onda especifico) pelo cromóforo;
⬥ Duração de pulso otimizada, suficiente
para limitar o dano em tecidos
adjacentes ao alvo.
146
⬥ Necrose do Bulbo
FOTOTERMÓLISE SELETIVA
⬥ Duração do disparo ou
duração do pulso (ms):
as ondas de luz
emitidas em ms em
função do TRT
147
⬥ Tempo de
relaxamento térmico
(TRT): tempo
necessário para que o
alvo perca 50% da T°
absorvida sem
provocar danos aos
tecidos adjacentes
⬥ Filtros de corte (nm): o espectro de
emissão de LIP varia de 400nm a
1200nm, com os filtros é possível
selecionar comprimentos de onda de
acordo com a profundidade da
estrutura que se pretende atingir
⬥ Fluência (J/cm²): é o
quanto de energia em
J ofertado por 1 cm²
suficiente para atingir
a T° ideal para
danificar o cromóforo
alvo
⬥ Comprimento de onda (nm):
adequado
Quanto < o fototipo:
> energia pode ser aplicada
< reação adversa
148
⬥ 1. conversão de energia em calor;
⬥ 2. necrose do bulbo.
⬥ Intervalo entre as sessões: 30 à 60 dias
149
INDICAÇÕES DA LIP
⬥ lesões pigmentares da pele;
⬥ Lesões vasculares;
⬥ Acne ativa;
⬥ Manchas;
⬥ Hirsutismo, hipertricose e epilação duradoura;
⬥ Estimulação da produção metabólica de
colágeno e elastina;
⬥ Melanoses.
150
PRÉ-TESTE
⬥ área discreta com o tom de pele semelhante à área a ser
tratada;
⬥ Aplicar 1 a 2 disparos no lugar;
⬥ Por favor, tenha atenção: • Reação imediatamente, • Após
10 a 15 minutos, • No dia seguinte;
⬥ Sobre dose: presença de vermelhidão da pele (eritema
perifolicular) imediatamente após o pulso e / ou depois de
10-15 minutos, e / ou atenuação / queimar;
⬥ Fototipo mais alto que o selecionado.
151
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Comprimento de onda – pelos finos e superficiais serão atingidos com
comprimentos de onda curtos, em torno de 550 nm a 750 nm; e pelos
mais grossos e de implantação profunda, com comprimentos de onda
maiores, de 750 nm a 1.100 nm. Pelos brancos não são atingidos pelaluz.
⬥ Duração do pulso – pelos finos e superficiais serão atingidos com
duração de pulso curta, de 5 ms a 20 ms, e pelos mais grossos e de
implantação profunda, com duração de pulso maior, em torno de 20 ms
a 40 ms.
⬥ Fluência – quanto maior a fluência, melhor a eficácia da epilação;
porém, vale ressaltar que a eficácia depende da interação da destruição
do folículo sem lesão de estruturas adjacentes.
152
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Área ponteira – spots maiores permitem abrangência de áreas maiores
em menos tempo.
⬥ Resfriamento da epiderme – para diminuir as chances de
queimaduras, recomenda-se o resfriamento da epiderme, a fim de
permitir a aplicação de fluência maior; porém, deve-se respeitar a
adaptação da fluência ao fototipo de pele.
⬥ Fototipo cutâneo da área a tratar – devemos, antes de iniciar o
tratamento com IPL, avaliar o fototipo cutâneo dos pacientes de acordo
com a Classificação de Fitzpatrick
153
CUIDADOS PÓS-APLICAÇÃO
⬥ Evitar água morna;
⬥ Hidratar a pele;
⬥ Usar filtro solar;
⬥ Evitar maquiagem;
⬥ Usar roupas confortáveis.
154
USE ÓCULOS DE SEGURANÇA
155
SEGUIR SEMPRE OS PARÂMETROS =
156
PREPARO DO PACIENTE
157
ALGUNS RESULTADOS
158
ONDAS DE CHOQUE
Técnicas mais atuais para o tratamento da
adiposidade localizada.
4
ONDAS DE CHOQUE
⬥ A terapia por ondas de choque (TOC) é uma das
técnicas mais atuais para o tratamento da
adiposidade localizada.
⬥ Essa onda de energia produz dois efeitos, sendo o
primeiro o impacto mecânico nos tecidos e o
segundo a cavitação, que é a formação de
microbolhas gasosas nos líquidos biológicos.
160
INDICAÇÕES
⬥ Modelagem do contorno corporal;
⬥ Gordura localizada;
⬥ Celulite grau 1;
⬥ Celulite grau 2;
⬥ Celulite grau 3;
⬥ Estrias e cicatrizes;
⬥ Flacidez de pele pós-lipoaspiração;
⬥ Flacidez de pele corporal;
⬥ Rejuvenescimento facial.
161
EFEITOS FISIOLÓGICOS
⬥ Mecanotransdução do sinal: é o processo pelo qual as células
mecanorreceptoras e parênquimas convertem estímulos mecânicos
(ondas de choque) em uma resposta química, ativando os fibroblastos e
aumentando a densidade das fibras de colágeno e elastina, devido à
produção do neocolágeno e neoelastina;
⬥ Remodelagem do colágeno;
⬥ Estimulação da microcirculação;
⬥ Eliminação das toxinas e aumento do fluxo linfático;
⬥ Redução do tecido adiposo.
162
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ Gestantes ou intenção de engravidar;
⬥ Hemofilia ou outros distúrbios hemorrágicos;
⬥ Ingestão de anticoagulantes;
⬥ Sobre tecidos com inflamações agudas não diagnosticadas;
⬥ Sobre erupções cutâneas ou outro tipo de lesão tecidual;
⬥ Sobre área de polineuropatia em pacientes com Diabetes mellitus;
⬥ Em pacientes submetidos à terapia com cortisona até 6 meses antes da
primeira sessão de terapia por ondas de choque extracorpórea;
⬥ Sobre áreas neoplásicas;
⬥ Diretamente sobre implantes metálicos;
⬥ Sobre doenças vasculares oclusivas e insuficiência circulatória, como em
casos de trombose venosa profunda, flebite, varizes, arteriosclerose
obliterante e tromboangeíte obliterante;
⬥ Sobre os órgãos reprodutores; 163
CONTRA-INDICAÇÕES
⬥ Na presença de infecções sistêmicas (sepse, tuberculose) ou se a
temperatura do paciente for elevada (febre);
⬥ Dispositivo eletrônico implantado (ex.: marca-passo cardíaco, dispositivo
de estimulação cerebral profunda etc.);
⬥ Sobre laminectomia ou espinha bífida;
⬥ Diretamente sobre os seios carotídeos, gânglio estrelado ou nervo vago
localizados no triângulo anterior do pescoço;
⬥ Sobre a região de pulmões, área cardíaca, grandes nervos e vasos, coluna
e cabeça;
⬥ Sobre ou perto de centros de crescimento ósseo até que o osso tenha
terminado seu crescimento;
⬥ Áreas com tendência para hemorragias após trauma agudo ou fratura.
164
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Examinar a pele e limpar a área de tratamento previamente à aplicação
utilizando clorexidina alcoólica;
⬥ Aplicar a loção neutra Thork ou gel neutro para deslizamento das
ponteiras;
⬥ Dependendo do objetivo terapêutico, realizar aplicação estática pontual
ou movimentos lentos com o aplicador nas direções horizontal e vertical,
realizando um scanning sobre o local de tratamento;
⬥ Após o procedimento, é comum o paciente apresentar hiperemia e
hipersensibilidade;
⬥ Limpar as ponteiras e o aplicador antes e depois de cada sessão de
tratamento. No caso das ponteiras, pode-se lavar com água e higienizar
com clorexidina alcóolica. Para as ponteiras de 25mm e 34mm, caso
necessário, utilizar uma escovinha para limpar os resíduos de gel.
165
Ponteiras plásticas (poliacetal)
166
⬥ Utilizadas para tratamentos na área da
estética e reabilitação que visam atingir
tecidos/estruturas mais superficiais.
Ponteiras metálicas (aço inox)
⬥ Utilizadas para tratamentos
na área da estética e
reabilitação que visam
atingir tecidos/estruturas
mais profundas. 167
VAPOR DE OZÔNIO
A emoliência perfeita
4
VAPOR DE OZÔNIO
⬥ Vapor de ozônio destinado aos tratamentos de nutrição,
emoliência, hidratação e limpeza da pele. Ele possui um
reservatório designado a realizar a evaporação da água
através de uma resistência calefatora, que é responsável
pela ebulição, e um circuito gerador de ozônio (O3), que após
ser produzido, ele pode ser liberado com vapor de água.
169
INDICAÇÕES
⬥ Vapor
⬥ Emoliência e umectação em
tratamentos faciais, capilares e
podologia;
⬥ Emoliência no preparo para
limpeza de pele, pré-extração de
sebo e comedões;
⬥ Emoliência de áreas corporais,
como calcanhar, cotovelos e
cutículas;
⬥ Umectação de áreas corporais
prévias à esfoliação e/ou à
hidratação profunda;
⬥ Vapor aromatizado: uso de vapor
associado a óleos essenciais.
⬥ Vapor ozonizado
⬥ Bactericida e fungicida;
⬥ Emoliência e umectação em
tratamentos faciais, capilares e
podologia;
⬥ Emoliência no preparo para
limpeza de pele, pré-extração de
sebo e comedões;
⬥ Emoliência de áreas corporais,
como calcanhar, cotovelos e
cutículas;
⬥ Umectação de áreas corporais
prévia à esfoliação e/ou à
hidratação profunda. 170
CONTRAINDICAÇÃO
⬥ Vaporterapia
⬥ Aplicações com o braço
direcionador de vapor muito
próximo à pele (menos de 25cm);
⬥ Aplicações diretas sobre os olhos
desprotegidos;
⬥ Pacientes com pele excessivamente
sensíveis;
⬥ Sobre áreas neoplásicas.
⬥ Vaporterapia + ozonioterapia
⬥ Uso do ozônio associado à solução
salina (NaCl 0,9%), pois essa
interação promove a formação de
ácido hipocloroso, que pode
provocar inflamação local, como
vasculites;
⬥ Aplicações com o braço
direcionador de vapor muito
próximo à pele (menos de 25cm);
⬥ Aplicações diretas sobre os olhos
desprotegidos;
⬥ Pacientes com pele excessivamente
sensíveis.
⬥ Sobre áreas neoplásicas.
171
172
TÉCNICA DE APLICAÇÃO
⬥ Deve ser aplicado depois da higienização e eliminando o
resto de maquilagem e impurezas da pele; ou durante a
aplicação de um peeling cosmético. EM CASO DE SE
REALIZAR UMA VAPORIZAÇÃO FACIAL, PROTEGER OS
OLHOS DA PESSOA COM ALGODÕES UMEDECIDOS.
⬥ A distância entre a ponta do braço direcionador de vapor
(saída de vapor) e a região de aplicação deve ser de
aproximadamente 30/40 centímetros. O tempo de
aplicação dependerá do tipo de pele, mas em geral será de
5 a 10 minutos.
173
Investir em conhecimentos, rende sempre os melhores
juros”
174
Benjamin Franklin
OBRIGADO
DÚVIDAS?
Envie sua dúvida
@dr.roosivelthonorato
dr.roosivelthonorato@hotmail.com
175
REFERÊNCIAS
⬥ Wing, T. Modern low voltage microcurrent stimulation: A comprehensive
overview. Chiropratic Economics, 37;265-71, 1989.
⬥ Low, J; Reed, A. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 3.ed. São Paulo:
Manole, 2001.
⬥ Robertson, V. et al. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 4.ed. São
Paulo: Elsevier, 2009.
⬥ Foulds, I.S et al. Human skin battery potentials and their possible role in
wound healing. Br J Dermatol. Nov;109(5):515-22,1983.
⬥ Borges, FS. Modalidades Terapêuticas nas disfunções estéticas. São
Paulo: Phorte Editora, 2006.
176

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
Jaqueline da Silva
 
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
Andreia Evelyn
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
Danillo Aguiar
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Cleanto Santos Vieira
 
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABLAula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Jauru Freitas
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
Cleanto Santos Vieira
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
IBRAMED
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
Dinha
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
HTM ELETRÔNICA
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Microagulhamento
MicroagulhamentoMicroagulhamento
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Lupe Bello Cuerpo
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
SuzyOliveira20
 
Estrias
EstriasEstrias
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
FUAD HAZIME
 
Neurodyn esthetic 2013
Neurodyn esthetic 2013Neurodyn esthetic 2013
Neurodyn esthetic 2013
IBRAMED
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
Nathanael Amparo
 
Aula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptx
Aula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptxAula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptx
Aula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptx
ScheilaOliveira10
 

Mais procurados (20)

Mine apostila eletro
Mine apostila eletroMine apostila eletro
Mine apostila eletro
 
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Eletroterapia Resumo
Eletroterapia ResumoEletroterapia Resumo
Eletroterapia Resumo
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABLAula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
Aula de introdução ao Uso de LASER ,LUZ e elementos físicos da ABL
 
Fototerapia - laser - capítulo 15
 Fototerapia - laser - capítulo 15 Fototerapia - laser - capítulo 15
Fototerapia - laser - capítulo 15
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...1   terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
1 terapia combinada ultrassom de alta potência associado a novas correntes ...
 
Ultra Som
Ultra SomUltra Som
Ultra Som
 
Microagulhamento
MicroagulhamentoMicroagulhamento
Microagulhamento
 
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
Associação da Fototerapia e ativos cosméticos nos tratamentos estéticos facia...
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
Estrias
EstriasEstrias
Estrias
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Neurodyn esthetic 2013
Neurodyn esthetic 2013Neurodyn esthetic 2013
Neurodyn esthetic 2013
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
 
Aula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptx
Aula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptxAula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptx
Aula de Eletrolifting e Microcorrentes do dia 17-05.pptx
 

Semelhante a slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf

1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
marcelamenezes28
 
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdfConceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
cleitonLuis6
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
onomekyo
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Cleanto Santos Vieira
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdf
NorteSul4
 
apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
PatrciaAntunes30
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Ana Pereira
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
Regina de Oliveira
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Cleanto Santos Vieira
 
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Cleanto Santos Vieira
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
FUAD HAZIME
 
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humanoCorrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
Elisabete Garcia
 
eletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfeletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdf
Ronaldo Fernandes
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Cleanto Santos Vieira
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
Jacqueline Bexiga
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
TLEAVEIRO
 
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | HolisteTerapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
Holiste Psiquiatria
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical SanManual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
AmericanFisio
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
FUAD HAZIME
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
RAFAELVINICIUSDEOLIV
 

Semelhante a slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf (20)

1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
1-+Eletro+conceitos+básicos (1).pdf
 
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdfConceitos básicos em eletroterapia.pdf
Conceitos básicos em eletroterapia.pdf
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13 Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
Eletroterapia capítulo 5 agentes elétricos microcorrentes - Aula 13
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdf
 
apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
 
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermiaSonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
Sonodemia+electrolog+galvan+outrascorr_+diatermia
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8 Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
Eletroterapia - circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 8
 
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humanoCorrente eletrica e sua aplicações no org humano
Corrente eletrica e sua aplicações no org humano
 
eletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdfeletroacupuntura otima aula.pdf
eletroacupuntura otima aula.pdf
 
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7Termoterapia   ondas curtas e microondas - cap 7
Termoterapia ondas curtas e microondas - cap 7
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)Monografia ieee tle(versão final)
Monografia ieee tle(versão final)
 
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | HolisteTerapias de Neuroestimulação | Holiste
Terapias de Neuroestimulação | Holiste
 
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical SanManual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
Manual Radiofrequencia Ethernia Clinic - Medical San
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptxEletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
Eletrotermofototerapia - Aula Ultrassom.pptx
 

Último

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
luanaazzisesmt
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
musicasdeteclado
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
LuizGustavoCiciliato
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 

Último (10)

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptxTreinamento Técnico de Equipe  WB Engenharia.pptx
Treinamento Técnico de Equipe WB Engenharia.pptx
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
Anatomofisiologia do aparelho locomotor.
 
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
Certificado Introdução à Terapia Cognitiva.
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 

slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf

  • 1. Eletroterapia Avançada Faculdade Novo Horizonte – FNB.PB Curso de Pós Graduação em Estética Prof.: Roosivelt Honorato @dr.roosivelthonorato
  • 2. A ELETROTERAPIA ⬥ Tratamento ou avaliação usando uma das várias modalidades, incluindo estímulo elétrico, ultrassom, métodos de aquecimento e resfriamento, diatermia por ondas curtas e radiação eletromagnética como infravermelho e terapias de luz incluindo LASER e ultravioleta” (Robertson, 2009). ⬥ “Avaliação ou tratamento usando estímulos elétricos” (Robertson, 2009). 2
  • 3. A ELETROTERAPIA ⬥ Eletroterapia consiste no uso de correntes elétricas dentro da terapêutica. Os aparelhos de eletroterapia utilizam u ma intensidade de corrente muito baixa, são miliamperes e microamperes. ⬥ Os eletrodos são a plicados diretamente sobre a pele e o organismo será o condutor. ⬥ Na eletroterapia temos que considerar parâmetros como: resistência, intensidade, voltagem potência e condutividade. 3
  • 4. APLICAÇÕES DA ELETROTERAPIA ⬥ Relaxamento de espasmos musculares; ⬥ Prevenção e retardamento de atrofia por falta de uso; ⬥ Elevação da circulação sanguínea local; ⬥ Reabilitação e reeducação muscular. 4 ⬥ Controle da dor; ⬥ Estimulação pós -cirúrgica imediata dos músculos para evitar trombose venosa; ⬥ Recuperação de lesão e aplicação de medicamentos; ⬥ Manutenção e elevação da amplitude de movimentos.
  • 5. CORRENTE ELÉTRICA ⬥ Corrente elétrica é o fluxo de carga elétrica, geralmente elétrons, medido em ampére (A). ⬥ Os metais, nos quais os átomos são ligados formando uma estrutura tipo treliça, a carga é transportada por elétrons 5
  • 6. CONDUTORES ⬥ O músculo e o nervo são bons condutores, enquanto que a pele e a gordura são condutores fracos. 6 ⬥ São todas as substâncias nas quais “as partículas carregadas se movimentam simplesmente quando são colocadas em um campo elétrico”
  • 7. ISOLANTES ⬥ Ao contrário das substâncias que permitem movimento fácil de partículas carregadas em um campo elétrico, os isolantes são substâncias que tendem a não permitir o movimento livre de íons ou elétrons, como a borracha e muitos plásticos. 7
  • 8. VOLTAGEM OU TENSÃO ⬥ É a pressão que faz com que haja fluxo de elétrons no condutor. A unidade de medida é o volt (V). ⬥ A potência é o parâmetro que provoca a sensação agradável ou desagradável no paciente, sendo assim, pode-se reduzir a potência quando o paciente demonstrar desconforto diante de algum agente físico elétrico. Também pode ser medida em joule (J). 8 POTÊNCIA
  • 9. PULSO ⬥ O pulso pode ser definido como uma forma de onda individual, é expresso geralmente em segundos (seg), milissegundos (ms) ou microssegundos (μs). ⬥ Largura de pulso (LP) é o tempo de duração de cada um dos pulsos, medido desde quando deixar o ponto zero até voltar a encontrá-lo. ⬥ Se o pulso for bidirecional, quando parte é positiva e parte é negativa (fases), a largura de pulso será o tempo gasto para completar cada ciclo. 9
  • 11. PERÍODO ⬥ Período é o tempo que vai do início de um pulso, ou conjunto de pulsos, até o início do(s) seguinte(s). ⬥ F = λ / T ⬥ Onde: ⬥ F = Frequência ⬥ T = Período ⬥ λ = Comprimento da Onda 11
  • 12. INTERVALO ⬥ Intervalo é o tempo transcorrido entre dois pulsos, ou dois conjuntos de pulsos. ⬥ Também pode ser definido como tempo de repouso, no entanto, recomenda-se que utilize tempo de repouso para definir o tempo em que não ocorre eletroestimulação para favorecer o relaxamento muscular (AGNE, 2006). 12
  • 13. FREQUÊNCIA ⬥ É o número de ciclos por segundo (ciclos, voltas, oscilações), é expresso em hertz (Hz), ou seja, a quantidade de pulsos em um determinado tempo. Por exemplo, se tivermos uma frequência de 1000 Hz, significa que temos um estímulo passando mil vezes por segundo. 13
  • 14. CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES QUANTO ÀS FREQUÊNCIAS Baixa Frequência ⬥ 1 a 1.0 00 Hz, mais utilizada na prática clínica a faixa de 1 a 200 Hz. ⬥ Corrente Galvânica, Farádica, Diadinâmicas, TENS (Estimulação Nervosa Elétrica Transcutânea) e FES (Estimulação Elétrica Funcional). Alta Frequência ⬥ 10.000 Hz a 100.000 Hz; ⬥ Ondas Curtas, Micro-ondas, Ultrassom. 14 Média Frequência ⬥ 1.000 a 10.000 Hz, sendo utilizado na eletroterapia de 2.000 a 4.000 Hz. ⬥ Interferencial e Corrente Russa.
  • 15. CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES QUANTO ÀS FORMAS DE ONDAS ⬥ Formas de ondas: Senoidal ⬥ Alternada, bifásica, simétrica, apolar. ⬥ Exemplo: Corrente Interferencial. 15 Exponencial ⬥ Polar e apolar ⬥ Exemplo: Corrente Farádica Efeitos: contração muscular Semi-senóide ⬥ Monofásica, polar ou apolar ⬥ Exemplo: Diadinâmicas Triangular ⬥ Apolar ou polar (dependendo do aparelho) ⬥ Exemplo: Corrente Farádica
  • 16. CLASSIFICAÇÃO DAS CORRENTES QUANTO ÀS FORMAS DE ONDAS ⬥ Formas de ondas: Retilínea ⬥ direta ou contínua, polarizada. ⬥ Exemplo: Corrente Galvânica. ⬥ Efeitos: aplicação dos medicamentos por ter polaridade definida; hiperemia e vasodilatação. 16 Quadrática ⬥ Alternada, despolarizada,. ⬥ Exemplo: Tens, Ultra excitante e corrente Russa. ⬥ Efeitos: analgesia, contração e estimulação muscular de força.
  • 17. FORMA DE ONDA ⬥ Corrente Interferencial : forma senoidal (4KHz); ⬥ Corrente Russa: bursts de longa duração (2,5 KHz – 10ms); ⬥ Corrente Aussie - bursts de curta duração (1kHz -2ms e 4kHz - 4ms). 17
  • 18. INTENSIDADE ⬥ Medida em microampéres (μA) ou miliampéres (mA), aumentando-se a intensidade em um aparelho, aumenta- se a unidade motora recrutada, a área atingida, bem como sua magnitude. ⬥ Pode-se aumentar a intensidade para manter o estímulo sensorial, visto que na medida do tempo vai havendo acomodação. 18
  • 19. TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS ⬥ Corrente direta (CD) (corrente contínua), aquela na qual o fluxo de elétrons está em uma direção apenas; ⬥ (polarizada) como aquela que tem sempre o mesmo sentido, de um polo a outro. ⬥ A corrente alternada (CA), na qual a corrente flui primeiro por um caminho e depois por outro, alternadamente ⬥ (despolarizada) é quando a polaridade dos elétrons da fonte muda de forma periódica no tempo, e em consequência mudando também o sentido de circulação dos elétrons. 19
  • 20. EFEITOS POLARES 20 Ânodo = Polo (+) Reação Ácida Cátodo = Polo (-) Reação Alcalina Sedante Estimulante – Irritante Vasoconstrictor Vasodilatador Solidificação de proteínas Liquefação de proteínas Desidratante Hidratante
  • 21. Quanto mais água tem o tecido, melhor é a sua propriedade de conduzir a corrente elétrica. Pouco condutores Condutores médios Bons condutores Osso Pele úmida Sangue Gordura Tendões Linfa Pele seca Fáscias grossas Líquidos corporais Pêlos Cartilagens Músculos Unhas ---- Vísceras --- ---- Tecido nervoso 21
  • 22. O que devo fazer para reduzir a impedância da pele? ⬥ Retire o excesso de pelo local; ⬥ Melhore o aporte sanguíneo anteriormente utilizando modalidades como massoterapia ou recursos da hipertermoterapia; ⬥ Umedeça a pele; ⬥ Faça passar pelo local outra corrente elétrica. A mais usada é a Difásica Fixa (DF); ⬥ Dê preferência para os eletroestimuladores com média frequência (RUSSA ou INTERFERENCIAL). 22
  • 23. ELETRODOS ⬥ Quanto menor o tamanho do eletrodo, maior será a resistência da pele à passagem da corrente elétrica e vice -versa. ⬥ Quanto menor o tamanho do eletrodo, maior será a densidade de energia elétrica passando pela área do eletrodo. 23 Borracha siliconada Autoadesivos
  • 24. ELETRODOS ⬥ Tomar cuidado para que o eletrodo esteja sempre úmido e em contato uniforme com a superfície de contato, evitando queimadura do tipo eletroquímica. 24
  • 25. PARAMÊTROS BÁSICOS C. AUSSIE ⬥ MODO DE ESTIMULAÇÃO (STIM. MODE) - CONT, REC, SINC, SEQ; ⬥ FREQUÊNCIA PORTADORA (CARRIER) - 1kHz (estímulo motor), 4kHz (estímulo sensorial – drenagem e analgesia); ⬥ DURAÇÃO DE BURST (DURATION ms) - 2ms (estímulo motor), 4ms (estímulo sensorial – drenagem e analgesia); ⬥ FREQUÊNCIA (FREQUENCY Hz) - 1 a 100Hz (50Hz estimulação motora, 10Hz drenagem linfática, 100Hz analgesia). 25
  • 26. PARAMÊTROS BÁSICOS DA C. AUSSIE ⬥ PARÂMETROS: ⬥ RISE, DECAY, ON, OFF - Tempo OFF ≥ Tempo ON ⬥ TEMPO DE APLICAÇÃO - Tempo total de aplicação até 30 minutos (Depende da condição metabólica de cada paciente, não deve gerar fadiga). ⬥ INTENSIDADE - Intensidade de acordo com a sensibilidade e tolerância de cada paciente. ⬥ OBS: - Estímulo motor - visualizar a contração. Não deve gerar dor intensa. ⬥ Estímulo sensorial – sensação de formigamento. 26
  • 27. 27
  • 28. TÉCNICA DE APLICAÇÃO PARA FORTALECIMENTO ⬥ Mioenergética (2 eletrodos de silicone carbono no ventre muscular); ⬥ Ponto Motor (1 eletrodo de silicone carbono no ponto motor do músculo e outro próxima a região); ⬥ Utilizar gel condutor neutro; ⬥ TÉCNICA DE APLICAÇÃO PARA ANALGESIA E DRENAGEM: ⬥ Analgesia: a área a ser tratada deve estar posicionada entre os eletrodos; ⬥ Drenagem: posicionar os eletrodos no sentido da linfa em todo o membro no modo sequêncial de distal para proximal. 28
  • 29. TÉCNICA DE APLICAÇÃO MIOENERGÉTICA 29
  • 30. CORRENTE AUSSIE ⬥ Duas canetas apropriadas com eletrodos de borracha condutiva conectados na ponta; ⬥ Técnica mioenergética (ventre muscular); ⬥ Técnica ponto motor (conhecimento da localização correta dos pontos); ⬥ Deve ser utilizado somente no canal 1 do equipamento. 30
  • 32. CONTRA-INDICAÇÕES GERAIS ⬥ Incapacidades cardíacas graves; ⬥ Marcapasso; ⬥ Gravidez; ⬥ Implantes metálicos expostos; ⬥ Seio carotídeo; ⬥ Ao redor dos olhos; ⬥ Obesidade mórbida. 32
  • 33. TÉCNICAS DE APLICAÇÃO ⬥ Longitudinal: eletrodos na mesma face anatômica. ⬥ Transversal: eletrodos em faces anatômicas diferentes. ⬥ Banho de galvanização: utilização de água para aumentar o campo de atuação. 33
  • 34. Resumindo.. ⬥ A eletroterapia corresponde a utilização da corrente elétrica com fins terapêuticos, com o aquecimento profundo e superficial; efeitos mecânicos nos tecidos combatendo a fibrose; difusão de substâncias através da membrana celular; aumento da vasodilatação, metabolismo e nutrição tecidual; diminuição da excitabilidade motora; e aumento do limiar de excitabilidade nervosa. (BIASOLI, 2 007, apud OLI VEIRA, 2 015). 34
  • 36. CORRENTES MAIS USADAS NA ESTÉTICA ⬥ Corrente Aussie – flacidez muscular, analgesia, drenagem linfática; ⬥ Corrente Polarizada – ionização (celulite, gordura localizada, estrias, rejuvenescimento); ⬥ Micropolarizada – estrias e rugas (eletrolifting); ⬥ Microcorrente – flacidez dérmica, cicatrização; ⬥ Alta Frequência – limpeza de pele, tratamento capilar, podologia. 36
  • 39. CORRENTE GALVÂNICA = CORRENTE CONTÍNUA ⬥ A corrente polarizada ou galvânica deve ser utilizada para a realização do procedimento de iontoforese, ou seja, a permeação de insumos farmacêuticos associados aos efeitos polares da corrente. 39
  • 40. CORRENTE GALVÂNICA ⬥ Adaptada para o uso na estética, sua unidade de medida é o miliampére (MA). 40
  • 41. CORRENTE GALVÂNICA ⬥ Utiliza-se dois eletrodos. 41 ⬥ POSITIVO (Vermelho) ⬥ NEGATIVO (Preto) ⬥ A corrente galvânica (contínua) o movimento das cargas de mesmo sinal se deslocam no mesmo sentido, com uma intensidade fixa.
  • 42. INTENSIDADE ⬥ Baixas intensidades são mais efetivas com força direcional. ⬥ A intensidade não deve ultrapassar 0,1 mA/cm² de área de eletrodo ativo. 42 ⬥ CUIDADOS! ⬥ Ao aplicar a corrente galvânica, certifique-se que a pele esteja limpa e que não existam feridas abertas. A intensidade será dada pelo paciente!
  • 43. EFEITOS DA CORRENTE GALVÂNICA ⬥ Hiperemia local (predominante no pólo negativo); ⬥ Vasodilatação local; ⬥ Elevação da temperatura local; ⬥ Elevação do metabolismo; ⬥ Otimização da circulação sanguínea (maior nutrição dos tecido superficiais e profundos); ⬥ Analgesia. 43
  • 44. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA CORRENTE CONTÍNUA ⬥ Produção de calor: A resistência dos tecidos a passagem dacorrente elétrica produz calor. Efeito Jaule. ⬥ Eletrólise: Reação química provocada pelos efeitos polares. Os íons negativos seguem em direção ao pólo positivo(reação ácida) e os íons positivo's seguem em direção ao pólo negativo (reação básica). 44
  • 45. TIPOS DE APARELHOS COM A CORRENTE CONTÍNUA ⬥ Ionização facial e corporal; ⬥ Desincruste; ⬥ Eletrolifting ou galvanopuntura; ⬥ Eletrólise. 45
  • 46. CORRENTE CONTÍNUA PULSADA ⬥ Microcorrente; ⬥ Eletrolipoforese ou Eletrolipólise. 46
  • 47. IONTOFORESE OU IONIZAÇÃO ⬥ Ionizando o produto com o pólo de mesma carga, estamos provocando uma repulsão entre o produto e o eletrodo e uma atração entre o produto e o organismo, facilitando sua penetração. ⬥ Geralmente os produtos utilizados são ampolas nutritivas à base de uréia, colágeno, elastina, extrato placentário, DNA, vitamina C, entre outros. 47
  • 48. PENETRAÇÃO DOS ÍONS ⬥ A transferência de íons irá acontecer principalmente nos ductos das glândulas sudoríparas, e em menor extensão nos folículos pilosos e glândulas Sebáceas. 48
  • 49. 49
  • 51. APLICAÇÃO DA CORRENTE GALVÂNICA ⬥ 2 placas de alumínio com as esponjas vegetais azuis, ambas as esponjas deverão ser umidificadas em água; ⬥ O jacaré vermelho é sempre o pólo ATIVO e o preto é o pólo DISPERSIVO. (Consenso literário); ⬥ O princípio ativo deverá ficar no pólo ativo (jacaré vermelho); ⬥ O equipamento deve ser ajustado na mesma polaridade do ativo. 51
  • 52. CORRENTE POLARIZADA TÉCNICA DE APLICAÇÃO (CORPORAL) ⬥ Ambos os eletrodos devem ser posicionados na pele da paciente sobre o local a ser tratado com uma distância de ± 3 ou 4 dedos entre eles. ⬥ Deve-se ajustar a intensidade no equipamento segundo a sensibilidade e tolerância da paciente. ⬥ O tempo não deve ultrapassar 5 a 10 minutos de aplicação. ⬥ INDICAÇÕES : tratamentos de celulite, estrias, tratamentos de cicatrização, pós operatório, edemas. 52
  • 53. CORRENTE POLARIZADA TÉCNICA DE APLICAÇÃO (FACIAL/CORPORAL): ⬥ Ponteira rolinho (pólo ativo)/ placa de alumínio e esponja vegetal (pólo dispersivo); ⬥ Ajustar no equipamento a mesma polaridade do princípio ativo; ⬥ Deve-se ajustar a intensidade no equipamento segundo a sensibilidade e tolerância da paciente; ⬥ O tempo não deve ultrapassar 5 a 10 minutos de aplicação. ⬥ INDICAÇÕES : protocolos de hidratação e revitalização. 53
  • 54. DESINCRUSTE ⬥ É uma técnica que utiliza a corrente galvânica para facilitar a retirada do excesso de secreção sebácea da superfície da pele. Geralmente é utilizado um produto com ativos à base de carbonato de sódio, salicilato de sódio ou lauril sulfato de sódio, que possuem características alcalinas. ⬥ Esses produtos realizam saponificação ou efeito detergente com os ácidos graxos presentes na secreção sebácea, transformando- o em sabão, o qual é facilmente removível com água. 54
  • 55. DESINCRUSTE ⬥ Os eletrodos que devem ser utilizados são o gancho (jacaré) envolvido por algodão embebido na solução e o bastonete, que a cliente deve segurar durante a aplicação. Essa técnica também tem sido bastante utilizada nos tratamentos capilares para redução da oleosidade nos quadros seborréicos. 55
  • 56. ELETROLIFTING OU GALVANOPUNTURA ⬥ É uma técnica que utiliza a corrente galvânica juntamente com uma agulha de 5mm no pólo negativo, com o objetivo de atenuar vincos e linhas de expressão. Não se caracteriza por um método invasivo, pois a agulha atinge apenas a superfície da pele sem aprofundar-se. ⬥ Consiste em provocar uma sutil agressão na camada superficial da epiderme, sobre as rugas ou linhas de expressão nas regiões naso-labiais, perioculares, frontal, entre outras. 56
  • 57. ELETROLIFTING OU GALVANOPUNTURA ⬥ Indicações: ⬥ Vincos e linhas de expressão - Intensidade de 100 a 300 μA; ⬥ Estrias - Intensidade 70 a 100 μa. ⬥ Contraindicações: ⬥ Semelhantes à iontoforese; ⬥ Amamentação; ⬥ Uso de hormônios esteróides (anticoncepcionais); ⬥ Uso de corticóides; ⬥ Síndrome do ovário policístico; ⬥ Tendência a quelóide. 57
  • 58. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Higienizar a região a ser tratada com sabonete antisséptico, álcool ou emulsão de limpeza. ⬥ Configurar o aparelho de corrente galvânica em microamperagem. ⬥ Utilizar agulha esterilizada de calibre 0,20 com 4 milímetros de comprimento. ⬥ O jacaré vermelho é sempre o pólo ATIVO e o preto é o pólo DISPERSIVO. (Consenso literário). ⬥ Técnica de aplicação: caneta com ou sem agulha (polo ativo) e polo dispersivo (placa de alumínio e esponja vegetal) ⬥ Punturar toda a extensão do sulco, linha de expressão ou estria contando dois segundos. Também pode ser utilizada a técnica de deslizamento ou escarificação. ⬥ Pode-se complementar o tratamento aplicando substâncias à base de aminoácidos de colágeno e elastina ou substâncias hidrossolúveis. ⬥ Finalizar aplicando bloqueador solar. ⬥ Não tomar sol. 58
  • 59. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Deslizamento da agulha dentro do canal da ruga; ⬥ Penetração da agulha em pontos adjacentes e no interior da ruga; ⬥ Escarificação método de deslizamento da agulha no canal da ruga, diferenciando-se pela agulha ser posicionada a 90º, ocasionando uma lesão no tecido. 59
  • 60. MICROCORRENTES - MENS ⬥ As microcorrentes, também chamadas de Micro Electro Neuro Stimulation (MENS), são um tipo de eletroestimulação que utiliza correntes de baixa intensidade medida em microamperagem (μA) e baixa frequência, podendo apresentar correntes contínuas ou alternadas. 60
  • 61. MICROCORRENTES - MENS ⬥ Corrente pulsada em microampéres (μA) com inversão automática de polaridade positiva e negativa a cada 3 segundos. ⬥ São especificamente projetados para imitar e ampliar os sinais bioelétricos do corpo humano, aumentando sua habilidade para transportar nutrientes e resíduos metabólicos das células nas áreas afetadas. 61
  • 62. EFEITOS FISIOLÓGICOS DA MENS ⬥ Elevação da temperatura local. ⬥ Aumento da circulação local. ⬥ Incremento do metabolismo. ⬥ Aumento da síntese de ATP e colágeno. ⬥ Aumento do transporte ativo das membranas. ⬥ Incremento da drenagem. ⬥ Aumento da reabsorção de edemas e hematomas. ⬥ Auxílio à cicatrização em pós-operatórios. 62
  • 63. INDICAÇÕES ⬥ Pós-operatório; ⬥ Cicatrização; ⬥ Recuperação de queimaduras; ⬥ Acne; ⬥ Revitalização facial; ⬥ Rejuvenescimento; ⬥ Iontoforese. 63
  • 64. CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ Alergia à corrente elétrica. ⬥ Próteses ou implantes metálicos no local de aplicação. ⬥ Gestação. ⬥ Eixo de cardíaco. ⬥ Neoplasias. 64
  • 65. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Os parâmetros a serem determinados basicamente referem-se à intensidade da corrente que varia entre 20 e 600μA e o tempo de estimulação que varia entre 15 minutos e 1 hora, outros autores sugerem a aplicação entre 1 e 30 minutos. ⬥ Intensidade normalmente entre 80 e 100μA para tratamentos estéticos. 65
  • 66. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Podem ser utilizados eletrodos fixos de borracha, ou eletrodos móveis de prata, no entanto, os eletrodos de prata são mais eficientes para aplicação das microcorrentes, visto que sua resistência é de apenas 20 ohms, enquanto que nos eletrodos de borracha essa resistência é de 200 ohms. 66
  • 67. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ 1ª Fase – Normalização – frequência: 100hz e intensidade 500ma, usar o gel condutor, caneta do centro para as extremidades de forma lenta – Tempo de 10 minutos na face total; ⬥ 2ª Fase – Nutrição – Frequência: 100hz intensidade 100ma, ⬥ usar o gel condutor, caneta em zig zag de forma lenta – Tempo de 10 minutos na face total; ⬥ 3ª Fase – Bioestimulação – Frequência: 1hz e intensidade de 50ma, usar o gel condutor, caneta parada e outra movimentando de forma lenta - Tempo de 10 minutos na face total; 67
  • 68. 68
  • 70. ELETROLIPOFORESE / ELETROLIPÓLISE ⬥ Eletrolipoforese trata-se de uma técnica que utiliza microcorrente de baixa frequência capaz de atingir diretamente os adipócitos e lipídios acumulados, favorecendo sua destruição e eliminação. ⬥ As correntes polarizadas atuam por área de saturação, ou seja, entre os eletrodos ou agulhas conectadas entre um polo positivo e um polo negativo. 70
  • 71. Eletrolipólise ⬥ Técnica que utiliza corrente elétrica de baixa frequência (em média de 25Hz), que atua diretamente ao nível dos adipócitos produzindo a quebra dos lipídios de seu interior e favorecendo também sua eliminação. As moléculas de gorduras (triglicérides) sofrem ruptura originando moléculas de ácidos graxos e glicerol, deslocando-se para o interstício celular e posteriormente sendo captados pela corrente sanguínea. 71 Eletro Lipólise
  • 72. INDICAÇÕES ⬥ Gordura Localizada; ⬥ Celulite. ⬥ É também indicado para: lipodistrofias localizadas. As áreas que melhor respondem a eletrolipólise são: região trocantérica, flancos, abdômen e face interna dos joelhos. 72
  • 73. CONTRA INDICAÇÕES ⬥ Alterações cardíacas; ⬥ Alterações dermatológicas; ⬥ Tumores; ⬥ Insuficiência renal crônica; ⬥ Epilepsia; ⬥ Gravidez (não se trata de uma contra indicação absoluta, apenas, preventiva). 73
  • 74. EFEITOS ⬥ Diminuição da espessura subcutânea; ⬥ Diminuição da perimetria ; ⬥ Diminuição do glicerol; ⬥ Efeito circulatório, promovido pela estimulação das terminações nervosas pela corrente elétrica, o que gera vasodilatação e promove ativação da circulação sanguínea. 74
  • 75. 75
  • 76. VIAS DE USO ⬥ Epicutânea: técnica aplicada com eletrodos de silicone em tiras, posicionados com uma distância de 4 a 5 cm entre eles (positivo e negativo). ⬥ Subcutânea: técnica aplicada com agulhas de acupuntura, introduzidas a nível da hipoderme com a distância de 4 cm entre elas. 76
  • 77. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Assepsia da pele; ⬥ Coloque a agulha dentro da cânula, encoste na pele à 90º, baixe à 45º e insira devagar e sempre perguntando ao paciente sobre o incomodo; ⬥ São introduzidas na hipoderme, agulhas de acupuntura descartáveis que podem medir entre 4, 5, 7 e 12cm as mais utilizadas giram em torno de 30 mm a 75mm de comprimento, com 0,3 mm de diâmetro; 77
  • 78. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ A técnica se inicia com a introdução das agulhas na hipoderme e finaliza com o acoplamento do aparelho nas agulhas com garras jacaré; ⬥ O tempo de aplicação gira em torno de 50 a 60 minutos, e a dosimetria obedece à sensação subjetiva relatada pela cliente, em que se recomenda a máxima intensidade tolerada; ⬥ É sugestivo a periodicidade de duas aplicações semanais; ⬥ Pode fazer a associação da eletrolipólise com a vacuoterapia, pois assim há possibilidade de resultados mais efetivos. 78
  • 79. 79
  • 81. ALTA FREQUÊNCIA ⬥ A alta-freqüência é um tipo de corrente de elevada tensão e baixa intensidade que passa de uma peça chamada bobina para os eletrodos de vidro que contém gás nobre. Os gases utilizados são geralmente Neônio ou Argônio. Quando é acionado, emite uma coloração alaranjada, no caso do neônio, ou azulada, no caso do argônio. 81
  • 82. CARACTERÍSTICAS ⬥ O equipamento gera uma tensão alternada de alguns milhares de volts (baixa corrente) que é aplicada a eletrodos de vidro. ⬥ O gás dentro do vidro será então excitado produzindo pequenas “faíscas elétricas” na face externa do eletrodo de vidro. Durante este processo de faíscas elétricas é gerado ozônio. ⬥ Propriedades do ozônio: oxigenante, fungicida e bactericidas. 82
  • 83. INDICAÇÕES ⬥ Tratamentos faciais, capilares e podologia; ⬥ Tratamentos para desinfecção da pele acneica e lesões podais; ⬥ Cauterização da pele pós-extração de pústulas; ⬥ Em protocolos de revitalização e hidratação da pele; ⬥ Desinfecção do couro cabeludo no caso de seborréias; ⬥ Estimulação da circulação sanguínea facial e capilar; ⬥ Pós-depilação; ⬥ Feridas inflamadas pós-extração de cutículas ungueais. 83
  • 84. TIPOS DE ELETRODOS ⬥ Eletrodo aplicador de vidro tipo esférico maior e menor – empregado no modo faiscamento direto e fluxação. Pode ser empregado nos tratamentos de limpeza de pele e tratamentos podais. 84 ⬥ Eletrodo Pente – Empregado em tratamentos capilares como alopecia e seborréia.
  • 86. TIPOS DE ELETRODOS ⬥ Eletrodo aplicador de vidro tipo forquilha – pode ser utilizado em mamas e pescoço no modo faiscamento direto e fluxação. 86 ⬥ Eletrodo saturador – Utilizado com o modo faiscamento indireto. Melhora a vascularização e nutrição tecidual em peles desvitalizadas. Eletrodo cauterizador – Empregado no modo faiscamento direto para homeostasia da pele pós extração (Limpeza de peles, acnes e etc.).
  • 87. CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ Uso de toxína botulínica; ⬥ Cardiopatia, presença de marcapasso; ⬥ Tumor local; ⬥ Gravidez; ⬥ HA e diabetes descompensados; ⬥ Psoríase; ⬥ Alergia à corrente; ⬥ Somente para polarizada e micropolarizada: presença de metais internos e externos; ⬥ Somente para micropolarizada: hemofilia, vitiligo, quelóides ou propensão a quelóides, lesões abertas, processo inflamatório sistêmico ou paciente que está fazendo uso de antiinflamatórios ou corticóides. 87
  • 88. ATENÇÃO!!! ⬥ As correntes de alta frequência NUNCA devem ser utilizadas sobre a pele úmida por líquidos inflamáveis, como por exemplo, álcool ou éter, pois podem produzir queimaduras. O mesmo vale para a higienização dos eletrodos! 88
  • 89. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Fluxação: passagens lentas e regulares do eletrodo em contato direto com a pele. ⬥ Faiscamento direto: utiliza-se o eletrodo afastado alguns milímetros da pele, gerando um faiscamento mais energético (ocorre a formação de ozônio). ⬥ Faiscamento indireto: esta técnica é somente para eletrodo saturador. O paciente segura o eletrodo de vidro nas mãos e o profissional executa um suave tamborilamento sobre a pele. Essa técnica permite tonificar e estimular as terminações nervosas da pele, além de permitir a permeação de ativos cosméticos. ⬥ O tempo de aplicação varia de acordo com o local, área tratada e tipo de aplicação, sendo geralmente de 3 a 8 minutos. A intensidade varia de acordo com a sensibilidade do paciente. 89
  • 90. 90
  • 91. CORRENTE RUSSA A queridinha da barriga de tanquinho 3
  • 92. CORRENTE RUSSA ⬥ É uma corrente de média frequência, alternada de 2.500 Hertz, aplicada como uma série de disparos avulsos. ⬥ Trata-se de um trem de impulsos de correntes retangulares ou senoidais, bipolar, simétrica, emitidos numa frequência de 2.500Hz modulada por uma onda que pode variar de 50 a 80Hz. Estes parâmetros criam um trem de pulsos compostos pelo tempo de subida, tempo de contração (tempo on), tempo de descida e repouso (tempo off). 92
  • 93. FIBRAS MUSCULARES ⬥ Fibras musculares tipo I: fibras de contração lenta. Possuem grande suprimento vascular, grande quantidade de mitocôndrias, de mioglobinas, são resistentes à fadiga e possuem baixa produção de força. Exemplo: maratonistas, ciclistas, nadadores de longa distância. Estimuladas na frequência de 20 a 30Hz. ⬥ Fibras musculares tipo II: fibras de contração rápida. Possuem baixo suprimento vascular, baixa quantidade de mitocôndrias, de mioglobinas, são pouco resistentes à fadiga e possuem grande produção de força. Exemplo: atividades de velocidade e explosão. As fibras do tipo II podem ser divididas em tipo IIa e tipo IIb, sendo as do tipo IIa intermediárias. Estimuladas na frequência de 50 a 150Hz. 93
  • 95. TIPOS DE FIBRAS MUSCULARES 95
  • 96. INDICAÇÕES ⬥ Auxilia no fortalecimento e definição muscular; ⬥ Aumento da irrigação sanguínea; ⬥ Aumento do retorno sanguíneo e linfático. 96
  • 97. CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ Cardiopatias. ⬥ Portadores de marca-passo. ⬥ Doenças circulatórias. ⬥ Pressão arterial descompensada. ⬥ Neoplasias. ⬥ Doenças pulmonares. ⬥ Renais crônicos. ⬥ Processos infecciosos e inflamatórios. ⬥ Lesões musculares. ⬥ Implante ou prótese metálica. ⬥ Epilepsia. ⬥ Gestação. ⬥ Dermatite ou dermatoses. ⬥ Pacientes neurológicos (tônus alterado). ⬥ Fraturas ósseas recentes. ⬥ Excesso de tecido adiposo (isolante). 97 Nunca estimular os seios carotídeos (reflexo vago- vagais), pescoço e boca (espasmos dos músculos laríngeos e faríngeos).
  • 98. TÉCNICAS E PARAMETROS DE APLICAÇÃO ⬥ Higienizar a pele; ⬥ Aplicar os eletrodos nos pontos motores/nervos. 98
  • 99. TÉCNICAS E PARAMETROS DE APLICAÇÃO ⬥ Recomenda a utilização de 6 on e 6 off. Este tempo de contração e relaxamento irá variar de acordo com cada paciente; ⬥ O tempo de subida e descida determina o aumento ou diminuição gradativa da amplitude do pulso, varia entre 1 e 5 segundos; ⬥ A intensidade ideal é a máxima tolerada com conforto pelo paciente. 99
  • 100. 100
  • 101. ⬥ Os resultados podem ser potencializados se associada a contração ativa à contração passiva, por exemplo, para a estimulação de adutores pode-se incentivar o paciente a pressionar uma bola entre os joelhos durante a fase on. ⬥ O número e a frequência de realização das sessões são determinados pelo terapeuta. 101
  • 102. 102
  • 104. ULTRASSOM Ondas sonoras com poder de lipólise 4
  • 105. O ultrassom (US) começou a ser utilizado na medicina no início da década de 30. A partir da década de 50 começou a ser aplicado em fisioterapia, e a partir da década de 70 este equipamento começou a ser utilizado em tratamentos estéticos. ULTRASSOM 105
  • 106. PRINÍPIOS BÁSICOS DO ULTRASSOM ⬥ Vibrações sonoras possuem frequência entre 20 e 20.000 Hz, “quando a frequência está abaixo de 20 Hz, classifica- se como infrassônica ou subsônica, e acima de 20.000 Hz como ultrassônica”. A maioria das frequências envolvidas na fala e na música fica na faixa de 30 a 4.000 Hz. ⬥ No campo terapêutico denomina-se US as oscilações cinéticas ou mecânicas produzidas por um transdutor vibratório que se aplica sobre a pele, atravessando e penetrando no organismo em diferentes profundidades. 106
  • 107. TRANSMISSÃO DAS ONDAS ⬥ O US é gerado através de um transdutor; ⬥ Os transdutores eletroacústicos ou ultrassônicos convertem energia elétrica em mecânica e vice- versa. 107
  • 108. ERA DO US ⬥ A ERA é um parâmetro muito importante, que determina a intensidade da onda ultrassônica, sendo expressa em unidade de superfície; ⬥ US pode ser aplicada continuamente durante todo o tempo de tratamento, no modo contínuo, ou pode ser aplicada em pulsos. 108
  • 109. CAVITAÇÃO ⬥ A cavitação ocorre em toda aplicação do US, é a formação de pequenas bolhas gasosas nos tecidos como resultado da vibração do US, ela pode ser estável ou transitória. ⬥ A cavitação estável ocorre quando as bolhas balançam de um lado para outro no interior das ondas de pressão do US, mas permanecem intactas. ⬥ A cavitação instável ocorre se a intensidade for muito elevada ou se o feixe ultrassônico ficar estacionário. 109
  • 110. PARAMÊTROS ⬥ Os US terapêuticos variam de 1 a 3 MHz; ⬥ US de 1 MHz alcança-se mais de 5 cm, enquanto que com US de 3 MHz a penetração é em torno de 3 cm. ⬥ A frequência de 3 MHz, além de mais absorvida na superfície, é também absorvida três vezes mais rápido que a frequência de 1 MHz, proporcionando maior rapidez no aquecimento tecidual. 110
  • 111. ⬥ Na estética utiliza-se de 1,2 a 1,5 W/cm² no modo contínuo para a maioria dos protocolos para adiposidade e FEG, e 0,5 W/cm² no modo pulsado para processos de reparo tecidual, principalmente cicatrizes. ⬥ TEMPO = ÁREA ÷ ERA 111
  • 112. EFEITOS TÉRMICOS ⬥ Hiperemia; ⬥ Aumento da circulação sanguínea; ⬥ Aumento do metabolismo tecidual; ⬥ Aumento da permeabilidade das membranas; ⬥ Incremento da flexibilidade dos tecidos ricos em colágeno; ⬥ Aumento da angiogênese; ⬥ Aumento na atividade fibroblástica e síntese de colágeno; ⬥ Aumento na síntese de proteínas; ⬥ Efeito analgésico; ⬥ Relaxamento. 112
  • 113. EFEITOS NÃO TÉRMICOS ⬥ Cavitação; ⬥ Correntes acústicas: pode aumentar sua permeabilidade; ⬥ Ondas estacionárias. 113
  • 114. FONOFORESE ⬥ é a capacidade de administração percutânea de agentes farmacologicamente ativos através do US. 114 TERAPIA COMBINADA ⬥ US + Corrente;
  • 115. INDICAÇÕES ⬥ Presença de tumores; ⬥ Diabetes; ⬥ Tromboflebites; ⬥ Insuficiência vascular; ⬥ Tecido isquêmico; ⬥ Áreas com redução de sensibilidade; 115 CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ FEG; ⬥ Gordura localizada; ⬥ Fibroses; ⬥ Pós cirurgias. ⬥ Olhos; ⬥ Região cardíaca; ⬥ Útero gravídico; ⬥ Implantes metálicos.
  • 116. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ A área de tratamento deve ser higienizada com álcool ou água e sabão neutro; ⬥ Deve-se eleger os parâmetros de utilização do US (W/cm²); ⬥ A área a ser tratada deverá ser coberta de gel para acoplamento do transdutor; ⬥ O transdutor não pode ficar inerte e deve ser movimentado lentamente, em movimentos circulares, deslocado a uma velocidade de 1 a 2 cm/seg; ⬥ O tempo de aplicação varia de acordo com o tamanho da área tratada, no entanto, deve-se limitar a 20 minutos por sessão para evitar efeitos deletérios do US; ⬥ A frequência das sessões deve variar entre duas a três vezes semanais, respeitando o intervalo de pelo menos um dia entre elas. 116
  • 118. ENDERMOLOGIA ⬥ A endermologia trata-se de uma técnica de tratamento realizada por equipamentos específicos que aliam pressão negativa por sucção a uma mobilização tecidual positiva efetuada através de rolos localizados no cabeçote de aplicação; ⬥ Associa: vácuo – sucção – rolamento. 118
  • 119. INDICAÇÕES ⬥ Incremento na circulação sanguínea superficial; ⬥ Melhora o trofismo dos vasos sanguíneos; ⬥ Melhora a nutrição dos tecidos e eliminação das toxinas; ⬥ Reestruturação do tecido conjuntivo e remodelamento corporal; ⬥ Diminuição das fibroses. 119 CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ Fragilidade capilar; ⬥ Lesões cutâneas; ⬥ Doenças infecciosas; ⬥ Neoplasias; ⬥ Hipertensão; ⬥ Pós operatório imediato; ⬥ Flacidez.
  • 122. RADIOFREQUÊNCIA ⬥ A radiofrequência refere-se à frequência das ondas de rádio que compreendem aproximadamente de 30 kHz a 3000 kHz. Os equipamentos de radiofrequência emitem correntes elétricas de alta frequência através de dois eletrodos, os quais fecham um circuito pelo qual é formado um campo eletromagnético, promovendo assim aquecimento nos tecidos humanos. 122
  • 123. RADIOFREQUÊNCIA ⬥ O efeito da lesão térmica controlada induz a uma resposta inflamatória que favorece a migração dos fibroblastos, responsáveis por reforçar a estrutura do colágeno, favorecendo uma melhora na estrutura da pele. ⬥ Para alcançar este efeito deve-se produzir um aumento de temperatura local entre 40º e 42º C, o que irá desencadear a cascata de reações fisiológicas: aquecimento do tecido → vasodilatação local → estímulo à neocolagênese 123
  • 124. RADIOFREQUÊNCIA ⬥ Capacitiva: Esse tipo de radiofrequência atua de forma a gerar calor de dentro para fora do corpo, então sua ação acontece a partir de ondas curtas e, geralmente, possui a frequência de 13 a 40 MHz. ⬥ Resistiva: resistiva atua gerando calor de fora para dentro por meio de um campo elétrico que, através do atrito gerado no contato com o tecido, se torne um campo eletromagnético, aquecendo o tecido. 124
  • 125. CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ Flacidez de pele; ⬥ Estrias; ⬥ Rugas; ⬥ Aderências e fibroses; ⬥ Cicatrizes hipertróficas; ⬥ Fibroedema geloide; ⬥ Sequelas de acne; ⬥ Gordura Localizada. 125 INDICAÇÕES ⬥ Endopróteses ou implantes metálicos no local de aplicação; ⬥ Déficit de sensibilidade local; ⬥ Tecido isquêmico; ⬥ Peles sensibilizadas; ⬥ Preenchimentos; ⬥ Neoplasias; ⬥ Gestação; ⬥ Processos infecciosos; ⬥ Processos inflamatórios agudos; ⬥ Trombose venosa profunda recente (TVP); ⬥ Portadores de marcapasso; ⬥ Condições hemorrágicas; ⬥ Pacientes imunodepressivos; ⬥ Cautela na aplicação periocular.
  • 126. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Higienizar a região a ser tratada. Pode-se reduzir a impedância da pele através de esfoliação. ⬥ Selecionar a frequência de acordo com a região a ser tratada: em torno de 640 kHz para região facial, 1.200 kHz para colo e pescoço e 2.400 kHz para regiões corporais. ⬥ A intensidade varia de acordo com a sensibilidade referida pelo paciente, é muito importante o feedback do paciente durante a aplicação. ⬥ Para acoplamento deve ser usado meio condutor (indicado pelo fabricante do equipamento). ⬥ O movimento deve ser constante e contínuo, movimentos lentos promovem aquecimento rápido, movimentos rápidos aquecimento lento. 126
  • 127. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ A aplicação deve ser feita por pequenas regiões (demarcadas previamente com lápis de olho branco), após atingir a temperatura entre 40º e 42º deve ser mantida em torno de cinco minutos para que produza os efeitos desejados, passando-se assim para a próxima região. ⬥ O intervalo entre as sessões varia, em geral respeita-se o intervalo de 21 dias, de acordo com o ciclo da produção de colágeno, e são recomendadas no mínimo seis sessões para que se alcance os resultados almejados. ⬥ A hiperemia local tende a desaparecer em alguns minutos após a aplicação. ⬥ Finalizar a sessão com o uso de hidratante e protetor solar. 127
  • 128. 128
  • 129. 129
  • 130. ELETROPORAÇÃO Aumenta em até 400x a penetração de ativos 4
  • 131. ELETROPORAÇÃO ⬥ A eletroporação é um método não invasivo e indolor que emite ondas eletromagnéticas a partir de correntes elétricas de alta voltagem e curtos pulsos, o que possibilita a penetração de princípios ativos por via transdérmica à velocidade de 1ml/min. 131
  • 132. ELETROPORAÇÃO ⬥ Formação transitória de poros aquosos (“aquaporinas”) na bicamada lipídica; ⬥ Macromoléculas migrem através desses poros para uma camada mais profunda da pele; ⬥ Até 400 vezes a absorção dos ativos. 132
  • 133. INDICAÇÕES ⬥ Hidratação,; ⬥ Manchas e acne; ⬥ Rejuvenescedores; ⬥ Gordura localizada; ⬥ Estrias; ⬥ Celulites; ⬥ Pré e pós-operatório de cirurgias plásticas; ⬥ Otimização do controle inflamatório; ⬥ Cicatrização tecidual em casos de úlceras cutâneas; ⬥ Drenagem de edema; ⬥ Descongestão tecidual e controle da dor aguda e crônica. 133
  • 134. CONTRA-INDICAÇÃO ⬥ Marca-passo; ⬥ Doença muscular ou nervosa; ⬥ Epilepsia; ⬥ Gravidez ou lactante; ⬥ Câncer, tumores malignos etc; ⬥ Implantes (como próteses de joelho ou quadril). 134
  • 135. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Os eletrodos circulares são os dois eletrodos ativos e o eletrodo placa de alumínio e esponja vegetal é o eletrodo dispersivo. ⬥ A técnica é aplicada dinamicamente. 135
  • 136. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Para efetuar a aplicação é muito simples. Basta aplicar topicamente o ativo específico, gotejando aproximadamente 2 a 3 ml/ponto de aplicação e deslizar o manípulo em movimentos suaves sobre a pele umedecida até a completa absorção (1ml/minuto). A aplicação deve seguir por quadrantes de acordo com a área correspondente ao tamanho do manípulo. 136
  • 137. LASER E LUZ INTENSA PULSADA Depilação definitiva 4
  • 138. LUZ INTENSA PULSADA ⬥ Tecnologia que emite feixes de luzes policromáticas e não colimada (em várias direções). Ou seja, são luzes diversas que emitem comprimentos de onda variados na pele, gerando calor local por meio desses disparos. 138
  • 139. LASER X LIP 139 ⬥ Laser: Energia focada e seletivo à melanina; ⬥ LIP: a energia não é focada somente no cromóforo alvo, mas sim absorvida de forma mais ampla e dispersa
  • 141. COMO A LIP OCORRE? ⬥ No tecido que está sendo tratado existem componentes fotorreceptivos, cromóforos, os quais convertem a energia luminosa que receberam do equipamento em calor, coagulando o tecido e ativando, também, reações químicas do organismo. Desse modo, lesiona-se somente o tecido-alvo. 141
  • 143. ENTENDENDO A LIP ⬥ Interação biológica entre a luz e os tecidos. ⬥ Absorvida pelos cromóforos (grupo de átomos constituintes dos tecidos-alvo ou células fotossensíveis à luz) presentes na pele, tais como a melanina, a oxi- hemoglobina, a água e o colágeno. ⬥ A absorção da energia pelos tecidos resulta na conversão da luz em calor, e a taxa de absorção é duplamente dependente do comprimento de onda da luz emitida e do cromóforo atingido. 143
  • 144. CROMÓFORO 144 Molécula responsável pela cor Tem a capacidade de absorver energia Absorve uma luz específica
  • 146. FOTOTERMÓLISE SELETIVA ⬥ o princípio da ação do Lyra é a Fototermólise Seletiva; ⬥ Absorção da luz (comprimento de onda especifico) pelo cromóforo; ⬥ Duração de pulso otimizada, suficiente para limitar o dano em tecidos adjacentes ao alvo. 146 ⬥ Necrose do Bulbo
  • 147. FOTOTERMÓLISE SELETIVA ⬥ Duração do disparo ou duração do pulso (ms): as ondas de luz emitidas em ms em função do TRT 147 ⬥ Tempo de relaxamento térmico (TRT): tempo necessário para que o alvo perca 50% da T° absorvida sem provocar danos aos tecidos adjacentes ⬥ Filtros de corte (nm): o espectro de emissão de LIP varia de 400nm a 1200nm, com os filtros é possível selecionar comprimentos de onda de acordo com a profundidade da estrutura que se pretende atingir ⬥ Fluência (J/cm²): é o quanto de energia em J ofertado por 1 cm² suficiente para atingir a T° ideal para danificar o cromóforo alvo ⬥ Comprimento de onda (nm): adequado
  • 148. Quanto < o fototipo: > energia pode ser aplicada < reação adversa 148
  • 149. ⬥ 1. conversão de energia em calor; ⬥ 2. necrose do bulbo. ⬥ Intervalo entre as sessões: 30 à 60 dias 149
  • 150. INDICAÇÕES DA LIP ⬥ lesões pigmentares da pele; ⬥ Lesões vasculares; ⬥ Acne ativa; ⬥ Manchas; ⬥ Hirsutismo, hipertricose e epilação duradoura; ⬥ Estimulação da produção metabólica de colágeno e elastina; ⬥ Melanoses. 150
  • 151. PRÉ-TESTE ⬥ área discreta com o tom de pele semelhante à área a ser tratada; ⬥ Aplicar 1 a 2 disparos no lugar; ⬥ Por favor, tenha atenção: • Reação imediatamente, • Após 10 a 15 minutos, • No dia seguinte; ⬥ Sobre dose: presença de vermelhidão da pele (eritema perifolicular) imediatamente após o pulso e / ou depois de 10-15 minutos, e / ou atenuação / queimar; ⬥ Fototipo mais alto que o selecionado. 151
  • 152. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Comprimento de onda – pelos finos e superficiais serão atingidos com comprimentos de onda curtos, em torno de 550 nm a 750 nm; e pelos mais grossos e de implantação profunda, com comprimentos de onda maiores, de 750 nm a 1.100 nm. Pelos brancos não são atingidos pelaluz. ⬥ Duração do pulso – pelos finos e superficiais serão atingidos com duração de pulso curta, de 5 ms a 20 ms, e pelos mais grossos e de implantação profunda, com duração de pulso maior, em torno de 20 ms a 40 ms. ⬥ Fluência – quanto maior a fluência, melhor a eficácia da epilação; porém, vale ressaltar que a eficácia depende da interação da destruição do folículo sem lesão de estruturas adjacentes. 152
  • 153. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Área ponteira – spots maiores permitem abrangência de áreas maiores em menos tempo. ⬥ Resfriamento da epiderme – para diminuir as chances de queimaduras, recomenda-se o resfriamento da epiderme, a fim de permitir a aplicação de fluência maior; porém, deve-se respeitar a adaptação da fluência ao fototipo de pele. ⬥ Fototipo cutâneo da área a tratar – devemos, antes de iniciar o tratamento com IPL, avaliar o fototipo cutâneo dos pacientes de acordo com a Classificação de Fitzpatrick 153
  • 154. CUIDADOS PÓS-APLICAÇÃO ⬥ Evitar água morna; ⬥ Hidratar a pele; ⬥ Usar filtro solar; ⬥ Evitar maquiagem; ⬥ Usar roupas confortáveis. 154
  • 155. USE ÓCULOS DE SEGURANÇA 155
  • 156. SEGUIR SEMPRE OS PARÂMETROS = 156
  • 159. ONDAS DE CHOQUE Técnicas mais atuais para o tratamento da adiposidade localizada. 4
  • 160. ONDAS DE CHOQUE ⬥ A terapia por ondas de choque (TOC) é uma das técnicas mais atuais para o tratamento da adiposidade localizada. ⬥ Essa onda de energia produz dois efeitos, sendo o primeiro o impacto mecânico nos tecidos e o segundo a cavitação, que é a formação de microbolhas gasosas nos líquidos biológicos. 160
  • 161. INDICAÇÕES ⬥ Modelagem do contorno corporal; ⬥ Gordura localizada; ⬥ Celulite grau 1; ⬥ Celulite grau 2; ⬥ Celulite grau 3; ⬥ Estrias e cicatrizes; ⬥ Flacidez de pele pós-lipoaspiração; ⬥ Flacidez de pele corporal; ⬥ Rejuvenescimento facial. 161
  • 162. EFEITOS FISIOLÓGICOS ⬥ Mecanotransdução do sinal: é o processo pelo qual as células mecanorreceptoras e parênquimas convertem estímulos mecânicos (ondas de choque) em uma resposta química, ativando os fibroblastos e aumentando a densidade das fibras de colágeno e elastina, devido à produção do neocolágeno e neoelastina; ⬥ Remodelagem do colágeno; ⬥ Estimulação da microcirculação; ⬥ Eliminação das toxinas e aumento do fluxo linfático; ⬥ Redução do tecido adiposo. 162
  • 163. CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ Gestantes ou intenção de engravidar; ⬥ Hemofilia ou outros distúrbios hemorrágicos; ⬥ Ingestão de anticoagulantes; ⬥ Sobre tecidos com inflamações agudas não diagnosticadas; ⬥ Sobre erupções cutâneas ou outro tipo de lesão tecidual; ⬥ Sobre área de polineuropatia em pacientes com Diabetes mellitus; ⬥ Em pacientes submetidos à terapia com cortisona até 6 meses antes da primeira sessão de terapia por ondas de choque extracorpórea; ⬥ Sobre áreas neoplásicas; ⬥ Diretamente sobre implantes metálicos; ⬥ Sobre doenças vasculares oclusivas e insuficiência circulatória, como em casos de trombose venosa profunda, flebite, varizes, arteriosclerose obliterante e tromboangeíte obliterante; ⬥ Sobre os órgãos reprodutores; 163
  • 164. CONTRA-INDICAÇÕES ⬥ Na presença de infecções sistêmicas (sepse, tuberculose) ou se a temperatura do paciente for elevada (febre); ⬥ Dispositivo eletrônico implantado (ex.: marca-passo cardíaco, dispositivo de estimulação cerebral profunda etc.); ⬥ Sobre laminectomia ou espinha bífida; ⬥ Diretamente sobre os seios carotídeos, gânglio estrelado ou nervo vago localizados no triângulo anterior do pescoço; ⬥ Sobre a região de pulmões, área cardíaca, grandes nervos e vasos, coluna e cabeça; ⬥ Sobre ou perto de centros de crescimento ósseo até que o osso tenha terminado seu crescimento; ⬥ Áreas com tendência para hemorragias após trauma agudo ou fratura. 164
  • 165. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Examinar a pele e limpar a área de tratamento previamente à aplicação utilizando clorexidina alcoólica; ⬥ Aplicar a loção neutra Thork ou gel neutro para deslizamento das ponteiras; ⬥ Dependendo do objetivo terapêutico, realizar aplicação estática pontual ou movimentos lentos com o aplicador nas direções horizontal e vertical, realizando um scanning sobre o local de tratamento; ⬥ Após o procedimento, é comum o paciente apresentar hiperemia e hipersensibilidade; ⬥ Limpar as ponteiras e o aplicador antes e depois de cada sessão de tratamento. No caso das ponteiras, pode-se lavar com água e higienizar com clorexidina alcóolica. Para as ponteiras de 25mm e 34mm, caso necessário, utilizar uma escovinha para limpar os resíduos de gel. 165
  • 166. Ponteiras plásticas (poliacetal) 166 ⬥ Utilizadas para tratamentos na área da estética e reabilitação que visam atingir tecidos/estruturas mais superficiais.
  • 167. Ponteiras metálicas (aço inox) ⬥ Utilizadas para tratamentos na área da estética e reabilitação que visam atingir tecidos/estruturas mais profundas. 167
  • 168. VAPOR DE OZÔNIO A emoliência perfeita 4
  • 169. VAPOR DE OZÔNIO ⬥ Vapor de ozônio destinado aos tratamentos de nutrição, emoliência, hidratação e limpeza da pele. Ele possui um reservatório designado a realizar a evaporação da água através de uma resistência calefatora, que é responsável pela ebulição, e um circuito gerador de ozônio (O3), que após ser produzido, ele pode ser liberado com vapor de água. 169
  • 170. INDICAÇÕES ⬥ Vapor ⬥ Emoliência e umectação em tratamentos faciais, capilares e podologia; ⬥ Emoliência no preparo para limpeza de pele, pré-extração de sebo e comedões; ⬥ Emoliência de áreas corporais, como calcanhar, cotovelos e cutículas; ⬥ Umectação de áreas corporais prévias à esfoliação e/ou à hidratação profunda; ⬥ Vapor aromatizado: uso de vapor associado a óleos essenciais. ⬥ Vapor ozonizado ⬥ Bactericida e fungicida; ⬥ Emoliência e umectação em tratamentos faciais, capilares e podologia; ⬥ Emoliência no preparo para limpeza de pele, pré-extração de sebo e comedões; ⬥ Emoliência de áreas corporais, como calcanhar, cotovelos e cutículas; ⬥ Umectação de áreas corporais prévia à esfoliação e/ou à hidratação profunda. 170
  • 171. CONTRAINDICAÇÃO ⬥ Vaporterapia ⬥ Aplicações com o braço direcionador de vapor muito próximo à pele (menos de 25cm); ⬥ Aplicações diretas sobre os olhos desprotegidos; ⬥ Pacientes com pele excessivamente sensíveis; ⬥ Sobre áreas neoplásicas. ⬥ Vaporterapia + ozonioterapia ⬥ Uso do ozônio associado à solução salina (NaCl 0,9%), pois essa interação promove a formação de ácido hipocloroso, que pode provocar inflamação local, como vasculites; ⬥ Aplicações com o braço direcionador de vapor muito próximo à pele (menos de 25cm); ⬥ Aplicações diretas sobre os olhos desprotegidos; ⬥ Pacientes com pele excessivamente sensíveis. ⬥ Sobre áreas neoplásicas. 171
  • 172. 172
  • 173. TÉCNICA DE APLICAÇÃO ⬥ Deve ser aplicado depois da higienização e eliminando o resto de maquilagem e impurezas da pele; ou durante a aplicação de um peeling cosmético. EM CASO DE SE REALIZAR UMA VAPORIZAÇÃO FACIAL, PROTEGER OS OLHOS DA PESSOA COM ALGODÕES UMEDECIDOS. ⬥ A distância entre a ponta do braço direcionador de vapor (saída de vapor) e a região de aplicação deve ser de aproximadamente 30/40 centímetros. O tempo de aplicação dependerá do tipo de pele, mas em geral será de 5 a 10 minutos. 173
  • 174. Investir em conhecimentos, rende sempre os melhores juros” 174 Benjamin Franklin
  • 176. REFERÊNCIAS ⬥ Wing, T. Modern low voltage microcurrent stimulation: A comprehensive overview. Chiropratic Economics, 37;265-71, 1989. ⬥ Low, J; Reed, A. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 3.ed. São Paulo: Manole, 2001. ⬥ Robertson, V. et al. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 4.ed. São Paulo: Elsevier, 2009. ⬥ Foulds, I.S et al. Human skin battery potentials and their possible role in wound healing. Br J Dermatol. Nov;109(5):515-22,1983. ⬥ Borges, FS. Modalidades Terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte Editora, 2006. 176