SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Corrente Russa
A técnica conhecida como corrente russa é uma forma de eletroterapia associada a movimentos
musculares, desenvolvida nos anos 80, pelo russo Yakov Kots. O equipamento atua emitindo
impulsos elétricos até o músculo que se deseja atingir, aumentando o metabolismo e, portanto, a
nutrição. Isso faz com que aumente a força da pessoa,dando volume, tonificação muscular e
enrijecendo a área. Além disso, também ajuda na redução de gordura corporal e na melhora da
drenagem linfática.
De que forma a corrente russa é aplicada?
O aparelho de corrente russa é composto de vários eletrodos. Estes devem ser posicionados
estrategicamente no ventre muscular da região a ser tratada. A corrente elétrica utilizada é
assimétrica, de baixa frequência, com baixa voltagem e pequena intensidade. O estímulo
elétrico é aplicado por 10 segundos, seguido por intervalo de 50 segundos, com um tempo de
tratamento recomendado de 10 minutos de estimulação elétrica por sessão.
Quais as indicações para o uso da corrente russa?
Indicada para diminuir a flacidez muscular, melhorar o fluxo sanguíneo e o sistema circulatório.
É bastante eficaz no pós-parto para o fortalecimento do abdômen, podendo ser associada para
acelerar e potencializar os resultados da musculação.
Quais as contraindicações da corrente russa?
A corrente russa não é recomendada para pessoas com cardiopatias congestivas, portadores de
marca-passo,patologias circulatórias como flebites, embolias, varizes, tromboflebites, gestantes,
hiper e hipotensos descompensados, problemas renais crônicos, processos infecciosos e
inflamatórios, neoplasia, renais crônicos, problemas de pressão, patologias pulmonares como
enfisema pulmonar, epilepsia, em regiões com dermatites ou dermatoses e lesões musculares.
Preparação do cliente
Posicione os eletrodos na cliente, utilizando gel sem qualquer princípio ativo, e depois
de ajustados os parâmetros libere a intensidade nos canais.
Nota: segue adiante uma demonstração de todos os músculos para facilitar a colocação
de eletrodos nos ventres musculares
* O modo Reciproc (R) atua alternando a saída de corrente entre os canais 1-2-3-4 com
os canais 5-6-7-8, ou seja, ora os canais do primeiro grupo atuam, ora os canais do
segundo grupo atuam. Neste modo, On time é igual à Off Time e é possível trabalhar
músculos agonistas e antagonistas. Indicado para fortalecimento muscular.
Exemplos para Colocação de Eletrodos:
1º
- Canais 1 e 2 nos bíceps direito e esquerdo (ver figura 01)
- Canais 3 e 4 nos reto abdominais direito e esquerdo (ver figura 03)
- Canais 5 e 6 nos tríceps direito e esquerdo (ver figura 02)
- Canais 7 e 8 nos oblíquos direito e esquerdo (ver figura 03)
2º
- Canais 1 e 2 nos reto abdominais direito e esquerdo (ver figura 03)
- Canais 3 e 4 nos reto femorais direito e esquerdo (ver figura 05)
- Canais 5 e 6 nos oblíquos direito e esquerdo (ver figura 03)
- Canais 7 e 8 nos abdutores OU adutores direito e esquerdo (ver figura 06 ou 07)
3º
- Canais 1 e 2, ou mais se necessário, nos glúteos direito e esquerdo (ver figura 04)
- Canais 3 e 4 nos bíceps femorais direito e esquerdo (ver figura 08)
Vale ressaltar que a colocação é feita de acordo com a avaliação realizada pelo (a)
profissional!!!
O modo Synchro (S) faz com que todos os canais atuem simultaneamente, obedecendo
aos tempos estabelecidos em On Time e Off time. Indicado para fortalecimento
muscular.
- Parâmetros:
On Time (s): ajuste do período de tempo que a corrente circula pelos eletrodos durante
cada ciclo de estimulação. É o tempo de sustentação (on) do pulso, que é ajustável de 1
a 20 segundos, nos modos (R), (S) e (Q).
- Mínimo de 5 segundos e máximo de 15 segundos
Off Time (s): ajuste do período de tempo que a corrente não circula pelos eletrodos. É o
tempo de repouso (off) do pulso, que é ajustável de 1 a 20 segundos, apenas no modo
Synchro (S).
- Começar com valor idêntico ao tempo on e com a evolução do tratamento aumentar
tempo on e manter off para melhor resultado. Só é ajustável no modo Synchro (S).
% Modulation: varia de 10% - 20% - 30% - 40% - 50%, sendo que a modulação de 10 a
20% é indicada para músculos pequenos, de 30% para músculos médios e de 40 a 50%
para músculos maiores.
Tempo: o tempo de aplicação pode variar de 1 a 60 minutos, mas o indicado é no
mínimo 20 minutos e no máximo, 40.
Freqüência: deve ser feita a seleção das fibras a serem recrutadas com freqüência
portadora de 2500Hz:
 de 10 a 40 Hz: fibras vermelhas
 50 Hz: fibras mistas
 acima de 60 Hz: fibras brancas
Precauções
 Não contrair um músculo em excesso e de forma súbita para evitar uma lesão
muscular
 Acoplar corretamente as placas ou faixas condutoras com gel condutor. A pele
deve ser previamente limpa na área onde serão colocados os eletrodos.
 Verificar se as placas ou faixas condutoras estão bem posicionadas e fixadas
 A colocação das placas ou faixas condutoras deverá ser realizada com o
equipamento ligado, mas com as intensidades zeradas. Jamais manuseie as
placas ou faixas condutoras durante a terapia se elas não estiverem com sua
intensidade zerada.
 O uso indevido (tempo total da terapia/ T On/ T Off) pode causar fadiga
muscular. Portanto deve-se adequar os valores de tempo, de acordo com as
característica físicas do paciente.
 Exigir o máximo de contração muscular dentro do limite tolerável pelo paciente.
Algumas pessoas se assustam facilmente com a possibilidade de receber um
estímulo elétrico, mesmo que controlado, e solicitam que a intensidade fique
sempre em limites muito baixos de contração muscular, o que não contribui para
o tratamento.
 Espasmos severos nos músculos da laringe e faringe podem vir a ocorrer se os
eletrodos forem colocados muito próximos do pescoço. Estas contrações podem
gerar dificuldades para a respiração
 A duração do tratamento é de aproximadamente 20 sessões, podendo ser
estendido sem nenhum problema, pois o mesmo não apresenta efeitos
sistêmicos.
 Normalmente as sessões para cada músculo ou grupo muscular são intervaladas.
 Não ligue ou desligue totalmente o equipamento com os eletrodos conectados ao
paciente
 Use somente os eletrodos e cabos originais do equipamento. Eles foram testados
e aprovados para uso
Protocolos
1. Higienização
2. Esfoliação
3. Ultrassom
4. Corrente Russa
5. Crioterapia
1. Higienização
2. Esfoliação
3. Endermo
4. Massagem modeladora
5. Corrente Russa
6. Crioterapia
1. Higienização
2. Esfoliação
3. Microcorrentes
4. DLM
5. Corrente Russa
6. Crioterapia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013IBRAMED
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avilaDinha
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfRoosivelt Honorato
 
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9 Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9 Cleanto Santos Vieira
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasFUAD HAZIME
 
Endermoterapia e Peelings Mecanicos
Endermoterapia e Peelings MecanicosEndermoterapia e Peelings Mecanicos
Endermoterapia e Peelings MecanicosAmanda Hamaue
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013IBRAMED
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...HTM ELETRÔNICA
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Cleanto Santos Vieira
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)FUAD HAZIME
 
Recursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estética
Recursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estéticaRecursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estética
Recursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estéticaconexaocefai
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptSuzyOliveira20
 
Corrente galvânica na estética trabalho 2
Corrente galvânica na estética trabalho 2Corrente galvânica na estética trabalho 2
Corrente galvânica na estética trabalho 2Eliana Tavares
 

Mais procurados (20)

Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 
Eletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENSEletroanalgesia - TENS
Eletroanalgesia - TENS
 
Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013Neurodyn 10 canais 2013
Neurodyn 10 canais 2013
 
Eletroterapia glaydes avila
Eletroterapia   glaydes avilaEletroterapia   glaydes avila
Eletroterapia glaydes avila
 
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdfslide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
slide - eletroterapia - prof Roosivelt.pdf
 
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9 Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
Eletroterapia - Circuitos - agentes elétricos - capítulo 5 Aula 9
 
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e MicroondasDiatermia por Ondas Curtas e Microondas
Diatermia por Ondas Curtas e Microondas
 
Eletroterapia
EletroterapiaEletroterapia
Eletroterapia
 
Microcorrente
MicrocorrenteMicrocorrente
Microcorrente
 
Bases da Eletroterapia
Bases da EletroterapiaBases da Eletroterapia
Bases da Eletroterapia
 
Endermoterapia e Peelings Mecanicos
Endermoterapia e Peelings MecanicosEndermoterapia e Peelings Mecanicos
Endermoterapia e Peelings Mecanicos
 
Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013Sonopulse II 2013
Sonopulse II 2013
 
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...2   laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
2 laser e led terapia abordagem conceitual e aplicabilidade prática para tr...
 
Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1Aula de ultra som 2014.1
Aula de ultra som 2014.1
 
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
Eletroterapia - FES - estimulação eletrica funcional - agentes elétricos - ca...
 
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
Estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS)
 
Recursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estética
Recursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estéticaRecursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estética
Recursos eletrotermofoterapêuticos aplicados à estética
 
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.pptAula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
Aula 07 Eletroestimulação FES e CR.ppt
 
Corrente galvânica na estética trabalho 2
Corrente galvânica na estética trabalho 2Corrente galvânica na estética trabalho 2
Corrente galvânica na estética trabalho 2
 
Laserterapia
LaserterapiaLaserterapia
Laserterapia
 

Destaque

Destaque (20)

Flacidez muscular
Flacidez muscularFlacidez muscular
Flacidez muscular
 
Corrente russa
Corrente russaCorrente russa
Corrente russa
 
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcionalRecursos fisioterapeuticos na dermato funcional
Recursos fisioterapeuticos na dermato funcional
 
Corrente russa 02
Corrente russa 02Corrente russa 02
Corrente russa 02
 
Resumão Eletroterapia
Resumão EletroterapiaResumão Eletroterapia
Resumão Eletroterapia
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Octopus relax - Sugestão de uso Ultra Derm Control (VACUOTERAPIA)
Octopus relax - Sugestão de uso Ultra Derm Control (VACUOTERAPIA)Octopus relax - Sugestão de uso Ultra Derm Control (VACUOTERAPIA)
Octopus relax - Sugestão de uso Ultra Derm Control (VACUOTERAPIA)
 
Linha Nutribio - nutricosméticos Buona Vita
Linha Nutribio - nutricosméticos Buona VitaLinha Nutribio - nutricosméticos Buona Vita
Linha Nutribio - nutricosméticos Buona Vita
 
ENFIM....QUEM NÃO GOSTARIA DE UM BUMBUM “A LA PAOLLA OLIVEIRA???
ENFIM....QUEM NÃO GOSTARIA DE UM BUMBUM “A LA PAOLLA OLIVEIRA???ENFIM....QUEM NÃO GOSTARIA DE UM BUMBUM “A LA PAOLLA OLIVEIRA???
ENFIM....QUEM NÃO GOSTARIA DE UM BUMBUM “A LA PAOLLA OLIVEIRA???
 
Proposta laura souto
Proposta laura soutoProposta laura souto
Proposta laura souto
 
Corrente interferencial
Corrente interferencialCorrente interferencial
Corrente interferencial
 
Manual positron1
Manual positron1Manual positron1
Manual positron1
 
Termoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia AplicadaTermoeletroterapia Aplicada
Termoeletroterapia Aplicada
 
F.Q
 F.Q F.Q
F.Q
 
Heccus 2013
Heccus 2013Heccus 2013
Heccus 2013
 
Laser Fisioterápico
Laser FisioterápicoLaser Fisioterápico
Laser Fisioterápico
 
Apresentaçãotratamentos
ApresentaçãotratamentosApresentaçãotratamentos
Apresentaçãotratamentos
 
Corrente interferencial
Corrente interferencial Corrente interferencial
Corrente interferencial
 
Tratamentos de estética de corpo
Tratamentos de estética de corpoTratamentos de estética de corpo
Tratamentos de estética de corpo
 
Resultados Velox - Ultrassom 3MHz
Resultados Velox - Ultrassom 3MHzResultados Velox - Ultrassom 3MHz
Resultados Velox - Ultrassom 3MHz
 

Semelhante a Corrente russa

Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular  Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular Fernando Valentim
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçafelipethoaldo
 
Aula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpel
Aula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpelAula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpel
Aula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpelfabricioboscolo
 
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Cleanto Santos Vieira
 
auça de fisiologia Bioenergética Básica.pptx
auça de fisiologia Bioenergética Básica.pptxauça de fisiologia Bioenergética Básica.pptx
auça de fisiologia Bioenergética Básica.pptxJoao Neto
 
Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...
Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...
Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...Fernando Farias
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupunturaonomekyo
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Fernanda Emikaele
 
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptxCinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptxRcledfConejero
 
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...SISTEMA WALLACE CONSULTORIA LTDA
 
Tens e alongamento
Tens e alongamentoTens e alongamento
Tens e alongamentoNai Cartocci
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Florr Verasay
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfNorteSul4
 
Biomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação MuscularBiomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação MuscularAllan Krdek
 

Semelhante a Corrente russa (20)

Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular  Curso sobre hipertrofia muscular
Curso sobre hipertrofia muscular
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de força
 
apresentação.pptx
apresentação.pptxapresentação.pptx
apresentação.pptx
 
Fisiologia muscular
Fisiologia muscularFisiologia muscular
Fisiologia muscular
 
Musculação bases metodológicas
Musculação   bases metodológicasMusculação   bases metodológicas
Musculação bases metodológicas
 
Aula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpel
Aula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpelAula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpel
Aula 5 treinamento anaeróbio-esef-ufpel
 
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
Eletroterapia - aparelhos multimodais e pulso de alta voltagem- agentes elétr...
 
auça de fisiologia Bioenergética Básica.pptx
auça de fisiologia Bioenergética Básica.pptxauça de fisiologia Bioenergética Básica.pptx
auça de fisiologia Bioenergética Básica.pptx
 
Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...
Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...
Treinamento de força máxima x treinamento de potência: alterações no desempen...
 
Eletroacupuntura
EletroacupunturaEletroacupuntura
Eletroacupuntura
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
 
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptxCinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
 
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...2011   revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
2011 revista brasileira de futebol - a utilização do manual muscle test sys...
 
Tens e alongamento
Tens e alongamentoTens e alongamento
Tens e alongamento
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008
 
Musculação e emagrecimento ii
Musculação e emagrecimento iiMusculação e emagrecimento ii
Musculação e emagrecimento ii
 
Aula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdfAula 04 - Interferencial.pdf
Aula 04 - Interferencial.pdf
 
Biomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação MuscularBiomecânica da Ação Muscular
Biomecânica da Ação Muscular
 
Frequencia cardiaca
Frequencia cardiacaFrequencia cardiaca
Frequencia cardiaca
 
Envelhecimento fisiológico
Envelhecimento fisiológicoEnvelhecimento fisiológico
Envelhecimento fisiológico
 

Corrente russa

  • 1. Corrente Russa A técnica conhecida como corrente russa é uma forma de eletroterapia associada a movimentos musculares, desenvolvida nos anos 80, pelo russo Yakov Kots. O equipamento atua emitindo impulsos elétricos até o músculo que se deseja atingir, aumentando o metabolismo e, portanto, a nutrição. Isso faz com que aumente a força da pessoa,dando volume, tonificação muscular e enrijecendo a área. Além disso, também ajuda na redução de gordura corporal e na melhora da drenagem linfática. De que forma a corrente russa é aplicada? O aparelho de corrente russa é composto de vários eletrodos. Estes devem ser posicionados estrategicamente no ventre muscular da região a ser tratada. A corrente elétrica utilizada é assimétrica, de baixa frequência, com baixa voltagem e pequena intensidade. O estímulo elétrico é aplicado por 10 segundos, seguido por intervalo de 50 segundos, com um tempo de tratamento recomendado de 10 minutos de estimulação elétrica por sessão. Quais as indicações para o uso da corrente russa? Indicada para diminuir a flacidez muscular, melhorar o fluxo sanguíneo e o sistema circulatório. É bastante eficaz no pós-parto para o fortalecimento do abdômen, podendo ser associada para acelerar e potencializar os resultados da musculação. Quais as contraindicações da corrente russa? A corrente russa não é recomendada para pessoas com cardiopatias congestivas, portadores de marca-passo,patologias circulatórias como flebites, embolias, varizes, tromboflebites, gestantes, hiper e hipotensos descompensados, problemas renais crônicos, processos infecciosos e inflamatórios, neoplasia, renais crônicos, problemas de pressão, patologias pulmonares como enfisema pulmonar, epilepsia, em regiões com dermatites ou dermatoses e lesões musculares.
  • 2. Preparação do cliente Posicione os eletrodos na cliente, utilizando gel sem qualquer princípio ativo, e depois de ajustados os parâmetros libere a intensidade nos canais. Nota: segue adiante uma demonstração de todos os músculos para facilitar a colocação de eletrodos nos ventres musculares * O modo Reciproc (R) atua alternando a saída de corrente entre os canais 1-2-3-4 com os canais 5-6-7-8, ou seja, ora os canais do primeiro grupo atuam, ora os canais do segundo grupo atuam. Neste modo, On time é igual à Off Time e é possível trabalhar músculos agonistas e antagonistas. Indicado para fortalecimento muscular. Exemplos para Colocação de Eletrodos: 1º - Canais 1 e 2 nos bíceps direito e esquerdo (ver figura 01) - Canais 3 e 4 nos reto abdominais direito e esquerdo (ver figura 03) - Canais 5 e 6 nos tríceps direito e esquerdo (ver figura 02) - Canais 7 e 8 nos oblíquos direito e esquerdo (ver figura 03) 2º - Canais 1 e 2 nos reto abdominais direito e esquerdo (ver figura 03) - Canais 3 e 4 nos reto femorais direito e esquerdo (ver figura 05) - Canais 5 e 6 nos oblíquos direito e esquerdo (ver figura 03) - Canais 7 e 8 nos abdutores OU adutores direito e esquerdo (ver figura 06 ou 07) 3º - Canais 1 e 2, ou mais se necessário, nos glúteos direito e esquerdo (ver figura 04) - Canais 3 e 4 nos bíceps femorais direito e esquerdo (ver figura 08) Vale ressaltar que a colocação é feita de acordo com a avaliação realizada pelo (a) profissional!!! O modo Synchro (S) faz com que todos os canais atuem simultaneamente, obedecendo aos tempos estabelecidos em On Time e Off time. Indicado para fortalecimento muscular. - Parâmetros: On Time (s): ajuste do período de tempo que a corrente circula pelos eletrodos durante cada ciclo de estimulação. É o tempo de sustentação (on) do pulso, que é ajustável de 1 a 20 segundos, nos modos (R), (S) e (Q). - Mínimo de 5 segundos e máximo de 15 segundos Off Time (s): ajuste do período de tempo que a corrente não circula pelos eletrodos. É o tempo de repouso (off) do pulso, que é ajustável de 1 a 20 segundos, apenas no modo Synchro (S). - Começar com valor idêntico ao tempo on e com a evolução do tratamento aumentar tempo on e manter off para melhor resultado. Só é ajustável no modo Synchro (S). % Modulation: varia de 10% - 20% - 30% - 40% - 50%, sendo que a modulação de 10 a 20% é indicada para músculos pequenos, de 30% para músculos médios e de 40 a 50% para músculos maiores. Tempo: o tempo de aplicação pode variar de 1 a 60 minutos, mas o indicado é no mínimo 20 minutos e no máximo, 40. Freqüência: deve ser feita a seleção das fibras a serem recrutadas com freqüência portadora de 2500Hz:  de 10 a 40 Hz: fibras vermelhas  50 Hz: fibras mistas  acima de 60 Hz: fibras brancas
  • 3.
  • 4. Precauções  Não contrair um músculo em excesso e de forma súbita para evitar uma lesão muscular  Acoplar corretamente as placas ou faixas condutoras com gel condutor. A pele deve ser previamente limpa na área onde serão colocados os eletrodos.  Verificar se as placas ou faixas condutoras estão bem posicionadas e fixadas  A colocação das placas ou faixas condutoras deverá ser realizada com o equipamento ligado, mas com as intensidades zeradas. Jamais manuseie as placas ou faixas condutoras durante a terapia se elas não estiverem com sua intensidade zerada.  O uso indevido (tempo total da terapia/ T On/ T Off) pode causar fadiga muscular. Portanto deve-se adequar os valores de tempo, de acordo com as característica físicas do paciente.  Exigir o máximo de contração muscular dentro do limite tolerável pelo paciente. Algumas pessoas se assustam facilmente com a possibilidade de receber um estímulo elétrico, mesmo que controlado, e solicitam que a intensidade fique sempre em limites muito baixos de contração muscular, o que não contribui para o tratamento.  Espasmos severos nos músculos da laringe e faringe podem vir a ocorrer se os eletrodos forem colocados muito próximos do pescoço. Estas contrações podem gerar dificuldades para a respiração  A duração do tratamento é de aproximadamente 20 sessões, podendo ser estendido sem nenhum problema, pois o mesmo não apresenta efeitos sistêmicos.  Normalmente as sessões para cada músculo ou grupo muscular são intervaladas.  Não ligue ou desligue totalmente o equipamento com os eletrodos conectados ao paciente  Use somente os eletrodos e cabos originais do equipamento. Eles foram testados e aprovados para uso
  • 5. Protocolos 1. Higienização 2. Esfoliação 3. Ultrassom 4. Corrente Russa 5. Crioterapia 1. Higienização 2. Esfoliação 3. Endermo 4. Massagem modeladora 5. Corrente Russa 6. Crioterapia 1. Higienização 2. Esfoliação 3. Microcorrentes 4. DLM 5. Corrente Russa 6. Crioterapia