SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso: EFA Secundário – Técnico(a) Comercial
Turma S 74
Componente de Formação Tecnológica
Componente de Formação Tecnológica
UFCD (7851) - 7: APROVISIONAMENTO, LOGÍSTICA E GESTÃO DE STOCKS
Aprovisionamentos: conceitos chave
Gestão de Compras
11 Maio 2021
Miguel Alexandre
Capital:
• Infraestruturas
•Equipamentos
•Materiais de
trabalho
•Matérias primas
•Outras matérias
BENS :
• Materiais
F
O
R
N
E
C
O
N
C
O
VISÃO DA EMPRESA NA SOCIEDADE DE CONSUMO
•Outras matérias
e energia
Trabalho:
Capacidade de
trabalho,
envolvendo
atitude e
qualificações
EMPRESA
• Materiais
(Tangíveis)
• Serviços
(Intangíveis)
E
C
E
D
O
R
E
S
MERCADO
O
R
R
E
N
T
E
S
Bens
Infraestruturas
•Equipamentos
•Materiais de
trabalho
•Matérias primas
•Outras matérias
BENS :
• Materiais
F
O
R
N
E
C
O
N
C
O
VISÃO DA EMPRESA NA SOCIEDADE DE CONSUMO
APROVISIONAMENTO
•Outras matérias
e energia
Serviços:
Realização de
trabalho,
externalizado
ou em
outsourcing
EMPRESA
• Materiais
(Tangíveis)
• Serviços
(Intangíveis)
E
C
E
D
O
R
E
S
MERCADO
O
R
R
E
N
T
E
S
Do dicionário
Provisão (provimento):
- Conjunto de coisas necessárias a algo;
- Acumulação de coisas ou bens, de reserva;
- Fornecimento, abastecimento.
- ….
Aprovisionamento:
Aprovisionamento:
- ato de aprovisionar;
Aprovisionar:
- fornecer(-se) de provisões; abastecer; munir; prover.
- abastecer-se do que é necessário para determinado fim.
Da importância do Aprovisionamento
Em média, cerca de 2/3 do valor das vendas das empresas
industriais, referem-se aos custos dos bens materiais.
Sendo assim, facilmente se percebe a necessidade e a importância
da função Aprovisionamento.
Trata-se de gerir o que corresponde, a uma importante, senão a
maior despesa das empresas.
maior despesa das empresas.
E respeita aos materiais necessários à produção dos bens
destinados à satisfação dos clientes.
É, portanto, uma área muito pressionada em termos de eficiência e
eficácia.
É inquestionável o reconhecimento da importância das atividades
de “aprovisionamentos" no sucesso da empresa.
O que se pretende:
Garantir a disponibilidade das “existências” no momento certo:
1. Ter um sistema logístico de abastecimento eficaz;
2. Constituir stocks de artigos, evitando faltas (ruturas de stock)
que possam comprometer o bom funcionamento da empresa.
que possam comprometer o bom funcionamento da empresa.
Responder a três perguntas:
O que é necessário?
Quanto é necessário?
Quando é necessário?
O quê, quanto e quando …
A gestão da cadeia de abastecimento é a integração de processos desde o
consumidor final até o fornecedor original, que disponibiliza produtos, serviços e
informação que acrescentam valor ao consumidor final.
Os “Aprovisionamentos” são principalmente responsáveis pelas atividades
mais a montante do canal - o abastecimento
GESTÃO – Função Aprovisionamento
Conjunto de atividades, tendo como objetivo:
 pôr à disposição dos utilizadores internos,
os bens e serviços de que estes precisam
FORNECEDORES
UTILIZADORES
INTERNOS
BENS E SERVIÇOS
os bens e serviços de que estes precisam
para poderem exercer as atividades que lhe estão atribuídas,
e respondendo a exigências de:
 Prazo necessário;
 Qualidade requerida;
 Quantidades estabelecidas;
 Aos melhores custos.
Fazer
Acontecer
Tipos de Aprovisionamento
APROVISIONAMENTO
de SERVIÇOS
de BENS
APROVISIONAMENTO
GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS
GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS
SERVIÇOS -----
IMOBILIZADO
(Bens de Património)
-----
Bens de CONSUMO DIRETO -----
Artigos ou Produtos de STOCK
(1.º armazenados e depois utilizados)
Artigos ou Produtos de STOCK
(1.º armazenados e depois utilizados)
Tipos de Aprovisionamento
APROVISIONAMENTO
de SERVIÇOS
de BENS
APROVISIONAMENTO
GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS
GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS
COMPRA: Processo de aquisição de
bem ou serviço, com dadas
características de preço, qualidade,
quantidade, prazo e termos de
entrega, prazos de pagamento, …,
para ser utilizado pela organização.
• A QUEM COMPRAR
• COMO COMPRAR
Processos de armazenamento,
manuseamento e disponibilização de
bens a utilizador interno.
GESTÃO PREVISIONAL
GESTÃO ADMINISTRATIVA
GESTÃO FÍSICA
Aprovisionamento de Serviços
1. Avaliar se o serviço deve ser feito na empresa, ou contratado
ao exterior (externalizar: sim ou não?).
2. Contratos - ocasionais ou regulares - que se estabelecem com
entidades prestadoras de serviços (ex.: serviços de higiene e
limpeza; manutenção; consultadoria; formação profissional;
segurança; auditorias; certificações de qualidade; …).
segurança; auditorias; certificações de qualidade; …).
3. Etapas:
I. Rigor nas especificações e termos de referência do serviço
(de forma a que sejam consideradas nas propostas dos
fornecedores);
II. Seleção do prestador de serviço;
III. Controlo de execução
Análise
Custo /
Benefício
Componentes da Gestão de Stocks
GESTÃO PREVISIONAL
(feita em função do que
prevemos utilizar, consumir ou
vender)
O QUE COMPRAR
QUANTO COMPRAR
QUANDO COMPRAR
GESTÃO ADMINISTRATIVA
(Controlo de existências, registo
O QUE EXISTE
(Controlo de existências, registo
de entradas e saídas por
produto/código)
Inventário permanente de:
GESTÃO
FÍSICA
Envolve:
QUANTO EXISTE
ONDE ESTÁ
Rececionar os
produtos
comprados
Armazená-los
e
movimentá-los
Entregá-los aos
utilizadores
internos
Organização e gestão do armazém e do processo de
armazenamento: lay out, arrumação, movimentação, …
Gestão de Compras
Procurement – é o processo de garantir eficácia a qualidade a
toda a aquisição de materiais ou serviços fora da organização
com o objetivo de servirem de suporte às operações normais
da empresa, visando a satisfação dos seus clientes.
Sourcing - Trata-se de escolher os melhores fornecedores para a
empresa. Isso é feito após uma extensa pesquisa de mercado.
A ideia é encontrar parceiros confiáveis, com preços e prazos
adequados às necessidades do negócio.
1. ÂMBITO DA FUNÇÃO COMPRA
A função compra consiste, como Já foi referido no Início, em
saber
" A QUEM COMPRAR" E "COMO COMPRAR".
Gestão de Compras
Ao departamento de compras são feitos pedidos de compra
que partem dos utilizadores internos e
que devem vir devidamente especificados.
Ao serviço de compras compete-lhe EXECUTAR a compra e não
decidi-la.
À medida que as organizações se especializam e fazem a
externalização (outsourcing) de muitas atividades, os
recursos gastos em "Aprovisionamentos" ao exterior
(atividades logísticas, por exemplo) aumentam relativamente
às despesas internas as atividades de “compra” passam a
Papel estratégico dos aprovisionamentos
às despesas internas as atividades de “compra” passam a
receber maior atenção!
Em consequência da evolução das tecnologias de informação
e da automatização, a função "Aprovisionamentos"
encontra-se numa fase de elevada mudança, com um
crescente /alargamento do seu papel na contribuição para
os objetivos globais da empresa: a satisfação global do
consumidor.
Desempenhar atividades relacionadas com o abastecimento,
como suporte aos objetivos globais da organização:
1. O acesso aos mercados permite-lhe e prospeção de:
• informações de novas tecnologias
Papel estratégico dos aprovisionamentos
• novos materiais ou serviços
• novas fontes
• alterações no mercado
Que podem apoiar reformulações da estratégia da organização
para ganhar vantagens no mercado
2. Desenvolvimento e gestão do relacionamento com os
fornecedores (como parceiros estratégicos):
– desenvolver ou encontrar novos fornecedores
– trazer os fornecedores para o desenvolvimento de novos
Papel estratégico dos aprovisionamentos
– trazer os fornecedores para o desenvolvimento de novos
produtos
– seleção de fornecedores, avaliação e gestão corrente,
gestão da qualidade total, planos de compra e pesquisa…
– Diferenciação que pode significar a liderança
3. Todos os departamentos dentro da organização dependem
dos “Aprovisionamentos” para algum tipo de informação ou
de suporte, desde o nível eminentemente operacional até
estratégico!
Papel estratégico dos aprovisionamentos
Uma vez que os “Aprovisionamentos” fornecem valor a outras
áreas funcionais, estas têm que estar presentes no processo
de decisão de compra - o facto da função
“Aprovisionamentos” estar bem informada, atempadamente,
permite a antecipação de necessidades específicas
A determinação da quantidade de bens e serviços a adquirir,
o que implica, de imediato, o conhecimento:
 da rapidez de utilização dos bens e serviços;
 do período de tempo que medeia entra a formulação de uma
Elementos essenciais do aprovisionamento
 do período de tempo que medeia entra a formulação de uma
encomenda e a sua entrega nos armazéns da empresa;
 da vantagem ou desvantagem que há entre o adquirir-se
determinada quantidade de bens face ao custo adicional
resultante de stocks elevados;
 das previsões de vendas a curto e médio prazos;
A qualidade dos bens a adquirir,
que deve ajustar-se perfeitamente aos requisitos
preestabelecidos pelos serviços da empresa.
Daí que a qualidade do bem seja um fator decisivo a ter em
Elementos essenciais do aprovisionamento
conta na sua aquisição.
É óbvio, pois, que o bem a adquirir deve ser de boa qualidade,
mas já poderá ser um exagero a empresa abastecer-se com
bens de qualidade superior à necessária
Prazos de entrega.
É de primordial importância saber se o fornecedor tem
capacidade para efetuar o fornecimento dos bens no prazo
previamente acordado, uma vez que o não cumprimento dos
prazos pode ,
Elementos essenciais do aprovisionamento
prazos pode ,
não só provocar paragens no funcionamento da empresa,
como também denegrir a sua imagem por contratos que esta,
por sua vez, venha a não cumprir;
Preços dos bens
Ter em atenção que
artigos de baixo preço são, em geral, de baixa qualidade,
mas que o facto de os artigos terem um preço elevado não é
Elementos essenciais do aprovisionamento
garantia de boa qualidade,
isto é, a empresa
não deve necessariamente efetuar as suas aquisições à
empresa que oferece os melhores preços,
mas deve negociar o melhor preço para o produto que
pretende, de facto, adquirir.
Tempo certo para adquirir,
para que a empresa não crie stocks demasiadamente
elevados,
nem fique com os stocks esgotados,
Elementos essenciais do aprovisionamento
o que lhe acarretaria paragens no processo de fabrico ou a
impossibilidade de responder às solicitações dos seus clientes.
2. FASES DA COMPRA
Poderemos decompor a função compra nas seguintes fases:
1.ª Fase: Pedido
2.ª Fase: Prospeção do Mercado Fornecedor
Gestão de Compras
2.ª Fase: Prospeção do Mercado Fornecedor
3.ª Fase: Negociação e Contrato
4.ª Fase: Execução da Compra
5.ª Fase: Assistência Pós-Compra
6.ª Fase: Conferência de Faturas
Receber e
analisar
pedidos de
compras
Selecionar
fornecedores
Negociar
contrato
Acompanhar a
execução da
execução da
compra
Acompanhar o
recebimento e
aceitação do bem
ou serviço
Conferir e
aprovar faturas
2. FASES DA COMPRA
1.ª Fase: Receção do Pedido de compra, identificação,
encaminhamento e classificação.
2.ª Fase: Preparação da compra.
Prospeção do Mercado Fornecedor, envolvendo:
Gestão de Compras
Prospeção do Mercado Fornecedor, envolvendo:
– operações de "Procurement Sistemático" com criação de uma base
de dados atualizada e útil sobre os fornecedores mais consultados,
– operações de "Procurement Específico" ou consulta quando tal se
justificar;
Seleção de Fornecedores comparando e avaliando as condições
de oferta.
2. FASES DA COMPRA
3.ª Fase: Negociação e contrato tendo em conta as especificidades
de cada fornecimento, a legislação em vigor e, especialmente o
interesse da nossa organização: garantia
Gestão de Compras
da satisfação das necessidades
no tempo oportuno
nas quantidades certas e
ao menor custo.
2. FASES DA COMPRA
4.ª Fase: Execução da compra compreendendo a formalização
das encomendas ou assinatura do contrato, o controlo do
prazo de entrega ou prestação (lead time)
Gestão de Compras
Na receção é feita a conferência, quantitativa e qualitativa, da
mercadoria (os artigos até serem totalmente rececionados
são da responsabilidade das compras).
Disponibilização no armazém, ou diretamente ao cliente
interno do bem não sujeito a stock.
2. FASES DA COMPRA
5.ª Fase: Assistência Pós-Compra, comprovando que nem mesmo
após a receção, as compras se devem desligar do processo de
aquisição.
Gestão de Compras
Na verdade, esta assistência permite corrigir procedimentos e
não repetir erros.
2. FASES DA COMPRA
6.ª Fase: A conferência de faturas, confrontação das quantidades
recebidas com as quantidades encomendadas e com as
quantidades referidas no documento de transporte (guia de
remessa ou de transporte) do fornecedor ou transportador,
Gestão de Compras
remessa ou de transporte) do fornecedor ou transportador,
bem como verificação de outras condições contratuais (prazo,
preço dos artigos e serviço, qualidade, etc.).
A Conferência de Faturas é, na maioria dos casos entregue à
Contabilidade. Trata-se de uma operação onde devem intervir
sempre outras duas entidades, as compras e o utilizador. Só
assim se conseguirá o controlo necessário.
• Manter elevados padrões de qualidade dos materiais, tendo
em atenção a sua conceção e aplicação;
• A procura de materiais ao mais baixo custo, em consonância
com a qualidade e serviço pretendidos pela empresa;
• A garantia de continuidade de fornecimento, de forma a
Objetivos do setor de Compras
• A garantia de continuidade de fornecimento, de forma a
cumprir o planeamento de produção (no caso de empresas
produtoras) ou os níveis de serviços prestados (empresas
prestadoras de serviços, distribuição, etc.);
• Praticar os pontos atrás referidos com o mínimo investimento
em stock de materiais de forma segura e com vantagens
económicas;
• Evitar duplicação, desperdício e obsolescência dos materiais;
• Manter a posição competitiva da empresa, com uma
constante motivação para os resultados, principalmente no
que se refere a materiais;
Objetivos do setor de Compras
• Analisar periodicamente outras possibilidades de
fornecimento e custos de aquisição dos artigos mais
comprados;
• Sondar continuamente o mercado em busca de soluções,
produtos e serviços novos e alternativas cuja adoção permita
melhorar a eficiência da empresa e seus resultados.
A qualidade dos materiais entregues pelos fornecedores
influenciam diretamente a qualidade do produto final.
O Processo de Qualificação compreende um conjunto de análises e
respetivas conclusões, de diferente âmbito, mas que concorrem
para avaliar uma empresa fornecedora na sua globalidade.
O fornecedor, ainda antes da primeira encomenda, deve ser
A Qualificação de Fornecedores
O fornecedor, ainda antes da primeira encomenda, deve ser
submetido ao controlo ou avaliação de três departamentos da
empresa-cliente:
– Departamento de Engenharia, para estudo e classificação do produto;
– Departamento de Compras, para definição das condições contratuais;
– Departamento da Qualidade, para análise e aprovação das condições
organizacionais da função qualidade, de forma a que sejam enviados os
produtos com a qualidade desejada.
A análise completa da prestação global de uma empresa
fornecedora passa por um conjunto alargado de subsistemas que
podem ser englobados em quatro áreas:
1- Estrutura e Condições Organizativas
2- Condições Contratuais
A Qualificação de Fornecedores
2- Condições Contratuais
3- Rendimento do Fornecimento
4- Capacidade Técnica e Tecnológica
A análise do fornecedor passa por uma classificação da sua
prestação, através de sistemas simples de avaliação de mérito.
A grelha de análise pode ser organizada por áreas .
EMPRESA A EMPRESA B
PESO ABSOLUTO PONDERADO ABSOLUTO PONDERADO
Área 1 30 8 6
Área 2 10 8 6
Área 3 50 5 9
A Qualificação de Fornecedores
Área 4 10 5 7
TOTAIS
Cada área tem uma escala de 1 (mínimo) a 10 (máximo)
A Qualificação de Fornecimentos
A qualificação de fornecimentos está, associada à qualificação dos
fornecedores. Poderá envolver a utilização de três categorias
para classificar peças ou lotes defeituosos.
Categoria 0: Fornecimento sem anomalias. Material totalmente
conforme. Lote aprovado.
Categoria 1: Unidades ou lotes com anomalias secundárias e
Categoria 1: Unidades ou lotes com anomalias secundárias e
que permitem a sua utilização sem qualquer intervenção de
reparação. Lote aprovado mas sob condição.
Categoria 2: Evidência de anomalias e que requerem
intervenção de recuperação ou reparação. Lote sujeito a
triagem ou reparação.
Categoria 3: Evidência de defeitos críticos e que originam
recusa de utilização. Lote rejeitado.
A Qualificação de Fornecimentos
métodos da valoração
Método 1:
Este método refere-se à entrada de materiais ou mercadorias e não
entra em linha de conta com as quantidades fornecidas ou
recebidas.
Ou seja, o coeficiente ou índice de qualidade é unicamente função
Ou seja, o coeficiente ou índice de qualidade é unicamente função
da importância do defeito, e não do número ou da percentagem
de peças defeituosas.
Cada categoria tem um fator de ponderação específico:
categoria 0: o fator de ponderação 1;
categoria 1: o fator de ponderação será 5;
categoria 2: o fator de ponderação será 30 ;
categoria 3: o fator de ponderação será 100.
A Qualificação de Fornecimentos
métodos da valoração
Método 1: Exemplo.
Admita-se um conjunto de 17 lotes rececionados durante um
certo período de tempo em análise, assim classificados:
Categoria fator n.º de lotes pontuação
0 1 3
0 1 3
1 5 10
2 30 3
3 100 1
Totais 17
IQ – Índice de Qualidade
IQ = 101 – (total da pontuação / total de lotes)
A Qualificação de Fornecimentos
métodos da valoração
Método 2:
Este método entra em consideração com o número de unidades
com anomalias, bem como o tipo ou gravidade dessas
anomalias.
Este método de análise e valoração tem em conta a diferente
Este método de análise e valoração tem em conta a diferente
quantidade de unidades em cada lote.
Classificação de unidades defeituosas Letra /Classe Fator de ponderação
Com defeitos secundários A 0,02
Com defeitos principais recuperáveis M 5
Com defeitos críticos, unidade rejeitada R 15
A Qualificação de Fornecimentos
métodos da valoração
Método 2: Exemplo.
Unidades
por Lote
Amostra Defeitos
por
amostra
Defeitos
por lote
Fator de
ponderação
Pontuação
2000 80 3 M 75 M 5 375
2000 80 3 M 75 M 5 375
3500 125 5 R 140 R 15 2100
5000 125 0 0 --- 0
10500 2475
IQ 76,43
IQ = (1 - total da pontuação / total de unidades) x 100
A Qualificação de Fornecimentos
métodos da valoração
Método 2:
Qualificação dos fornecedores
Classe IQ Caracterização
A 96 a 100 Consistente – qualificado sem limitações
B 90 a 95,9 Variável – apto a necessitar de ações de melhoria
C 0 a 89,9 Deficiente – Inapto a requerer alterações (correcões) profundas
A Avaliação de fornecedores
Existem muitos métodos, não existindo um que seja o melhor para
todas as empresas
o importante é utilizar procedimentos consistentes de forma a
aumentar a objetividade do processo
genericamente:
 desenvolver uma lista de parâmetros de avaliação
 determinar o peso relativo de cada um dos parâmetros
 o desempenho de cada fornecedor em cada parâmetro numa
mesma escala
 elaborar classificação média ponderada para cada fornecedor
 selecionar o que tiver a classificação mais elevada
A Avaliação de fornecedores
Fase 1 - Fase preliminar
- Estabelecimento de necessidades
em "Aprovisionamentos"
- Caso seja necessário, formar uma
equipa
Fase 2 - Identificação de potencial
fornecedor
- Determinação de critério/aproximação
de seleção
- Identificação de potenciais fornecedores
Fase 3 - escolha e selecção Fase 4 - Estabelecer um relacionamento
Fase 3 - escolha e selecção
- Contactar fornecedor
potencial
- Avaliar o fornecedor
- Escolher
Fase 4 - Estabelecer um relacionamento
- Documentar o que se espera do
fornecedor/contactos
- Nível de atenção elevado
- Dar feedback atempadamente
Fase 5 - Avaliação do relacionamento
- Continua ao nível atual
- Expandir/construir relação
- Reduzir/dissolver a interação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprovisionamento
Aprovisionamento   Aprovisionamento
Aprovisionamento Ines Soares
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
Homero Alves de Lima
 
A História da Logística.
A História da Logística.A História da Logística.
A História da Logística.
SOBRINHO, Samuel Rodrigues Lopes
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentos
Ricardo Domingues
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
Studiesfree
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
warier96
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
Charles Rebouças
 
recebimento-e-expedicao.ppt
recebimento-e-expedicao.pptrecebimento-e-expedicao.ppt
recebimento-e-expedicao.ppt
Marcelo370708
 
Logística de Suprimentos
Logística de SuprimentosLogística de Suprimentos
Logística de Suprimentos
Willian dos Santos Abreu
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
Adeildo Caboclo
 
Logística - Fundamentos
Logística - FundamentosLogística - Fundamentos
Tecnologias aplicadas a logística
Tecnologias aplicadas a logísticaTecnologias aplicadas a logística
Tecnologias aplicadas a logística
Sandro Souza
 
História da Logística
História da LogísticaHistória da Logística
História da Logística
Robson Costa
 
Introdução logistica
Introdução logisticaIntrodução logistica
Introdução logisticaJAILTONBORGES
 
Custo de stocks
Custo de stocksCusto de stocks
Custo de stocks
Sabertoth613
 

Mais procurados (20)

Gestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de StocksGestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de Stocks
 
Aprovisionamento
Aprovisionamento   Aprovisionamento
Aprovisionamento
 
01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística01 aula introdução a logística
01 aula introdução a logística
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de EstoqueApresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
 
A História da Logística.
A História da Logística.A História da Logística.
A História da Logística.
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentos
 
Logistica
LogisticaLogistica
Logistica
 
Gestao de stocks
Gestao de stocksGestao de stocks
Gestao de stocks
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
recebimento-e-expedicao.ppt
recebimento-e-expedicao.pptrecebimento-e-expedicao.ppt
recebimento-e-expedicao.ppt
 
Logística de Suprimentos
Logística de SuprimentosLogística de Suprimentos
Logística de Suprimentos
 
Logística Empresarial
Logística EmpresarialLogística Empresarial
Logística Empresarial
 
Logística - Fundamentos
Logística - FundamentosLogística - Fundamentos
Logística - Fundamentos
 
Tecnologias aplicadas a logística
Tecnologias aplicadas a logísticaTecnologias aplicadas a logística
Tecnologias aplicadas a logística
 
História da Logística
História da LogísticaHistória da Logística
História da Logística
 
Introdução logistica
Introdução logisticaIntrodução logistica
Introdução logistica
 
Cross Docking
Cross DockingCross Docking
Cross Docking
 
Custo de stocks
Custo de stocksCusto de stocks
Custo de stocks
 

Semelhante a Aprovisionamentos conceitos chave

Aula 2 cã³pia
Aula 2   cã³piaAula 2   cã³pia
Aula 2 cã³pia
Jordeilson Amaral
 
manual_7851 na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...
manual_7851  na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...manual_7851  na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...
manual_7851 na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...
vlsm1979
 
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logísticaGESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
ssuserf1e067
 
Ufcd 8511
Ufcd 8511Ufcd 8511
Ufcd 8511
ISCAP
 
Aula 1 -_cadeia_de_suprimentos
Aula 1 -_cadeia_de_suprimentosAula 1 -_cadeia_de_suprimentos
Aula 1 -_cadeia_de_suprimentosandressabarcson
 
Aprovisionamento
AprovisionamentoAprovisionamento
Aprovisionamentowarier96
 
Aula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de MateriaisAula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de Materiaispcm1nd
 
Compraseavaliaodefornecedores
CompraseavaliaodefornecedoresCompraseavaliaodefornecedores
Compraseavaliaodefornecedores
Ana Sobrenome
 
Texto aquisição gestão compras
Texto aquisição   gestão comprasTexto aquisição   gestão compras
Texto aquisição gestão comprasEdvaldo Viana
 
Obtenção e Recebimento
Obtenção e RecebimentoObtenção e Recebimento
Obtenção e RecebimentoMayara Mônica
 
Aulacompras 121219095712-phpapp02
Aulacompras 121219095712-phpapp02Aulacompras 121219095712-phpapp02
Aulacompras 121219095712-phpapp02
Gbison Almeida
 
Administração de compras
Administração de comprasAdministração de compras
Administração de compras
Carlos Áscoli
 
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
AdministraçãO De Recursos Materiais   1AdministraçãO De Recursos Materiais   1
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
Hugo Alvaro Miranda Colque
 
Administração de Operações Logística.pptx
Administração de Operações Logística.pptxAdministração de Operações Logística.pptx
Administração de Operações Logística.pptx
MatheusAugustoCuran2
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Diego Lopes
 
Compras conteudo
Compras conteudoCompras conteudo
Compras conteudo
Cleberton Franceski
 
Logística de produção
Logística de produçãoLogística de produção
Logística de produção
Sandro Souza
 

Semelhante a Aprovisionamentos conceitos chave (20)

Aula 2 cã³pia
Aula 2   cã³piaAula 2   cã³pia
Aula 2 cã³pia
 
manual_7851 na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...
manual_7851  na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...manual_7851  na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...
manual_7851 na quantidade necessária, no momento oportuno e ao menor custo p...
 
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logísticaGESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
GESTÃO DE OPERAÇÕES - conceitos básicos e logística
 
Ufcd 8511
Ufcd 8511Ufcd 8511
Ufcd 8511
 
Aula 1 -_cadeia_de_suprimentos
Aula 1 -_cadeia_de_suprimentosAula 1 -_cadeia_de_suprimentos
Aula 1 -_cadeia_de_suprimentos
 
Aprovisionamento
AprovisionamentoAprovisionamento
Aprovisionamento
 
Aula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de MateriaisAula 03 - Administração de Materiais
Aula 03 - Administração de Materiais
 
Compraseavaliaodefornecedores
CompraseavaliaodefornecedoresCompraseavaliaodefornecedores
Compraseavaliaodefornecedores
 
Texto aquisição gestão compras
Texto aquisição   gestão comprasTexto aquisição   gestão compras
Texto aquisição gestão compras
 
Obtenção e Recebimento
Obtenção e RecebimentoObtenção e Recebimento
Obtenção e Recebimento
 
Aulacompras 121219095712-phpapp02
Aulacompras 121219095712-phpapp02Aulacompras 121219095712-phpapp02
Aulacompras 121219095712-phpapp02
 
Administração de compras
Administração de comprasAdministração de compras
Administração de compras
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
 
02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento02 aula cadeia de fornecimento
02 aula cadeia de fornecimento
 
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
AdministraçãO De Recursos Materiais   1AdministraçãO De Recursos Materiais   1
AdministraçãO De Recursos Materiais 1
 
Administração de Operações Logística.pptx
Administração de Operações Logística.pptxAdministração de Operações Logística.pptx
Administração de Operações Logística.pptx
 
265 pág visão sistêmica do processo logístico
265 pág      visão sistêmica do processo logístico265 pág      visão sistêmica do processo logístico
265 pág visão sistêmica do processo logístico
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Compras conteudo
Compras conteudoCompras conteudo
Compras conteudo
 
Logística de produção
Logística de produçãoLogística de produção
Logística de produção
 

Último

Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 

Último (20)

Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 

Aprovisionamentos conceitos chave

  • 1. Curso: EFA Secundário – Técnico(a) Comercial Turma S 74 Componente de Formação Tecnológica Componente de Formação Tecnológica UFCD (7851) - 7: APROVISIONAMENTO, LOGÍSTICA E GESTÃO DE STOCKS Aprovisionamentos: conceitos chave Gestão de Compras 11 Maio 2021 Miguel Alexandre
  • 2. Capital: • Infraestruturas •Equipamentos •Materiais de trabalho •Matérias primas •Outras matérias BENS : • Materiais F O R N E C O N C O VISÃO DA EMPRESA NA SOCIEDADE DE CONSUMO •Outras matérias e energia Trabalho: Capacidade de trabalho, envolvendo atitude e qualificações EMPRESA • Materiais (Tangíveis) • Serviços (Intangíveis) E C E D O R E S MERCADO O R R E N T E S
  • 3. Bens Infraestruturas •Equipamentos •Materiais de trabalho •Matérias primas •Outras matérias BENS : • Materiais F O R N E C O N C O VISÃO DA EMPRESA NA SOCIEDADE DE CONSUMO APROVISIONAMENTO •Outras matérias e energia Serviços: Realização de trabalho, externalizado ou em outsourcing EMPRESA • Materiais (Tangíveis) • Serviços (Intangíveis) E C E D O R E S MERCADO O R R E N T E S
  • 4. Do dicionário Provisão (provimento): - Conjunto de coisas necessárias a algo; - Acumulação de coisas ou bens, de reserva; - Fornecimento, abastecimento. - …. Aprovisionamento: Aprovisionamento: - ato de aprovisionar; Aprovisionar: - fornecer(-se) de provisões; abastecer; munir; prover. - abastecer-se do que é necessário para determinado fim.
  • 5. Da importância do Aprovisionamento Em média, cerca de 2/3 do valor das vendas das empresas industriais, referem-se aos custos dos bens materiais. Sendo assim, facilmente se percebe a necessidade e a importância da função Aprovisionamento. Trata-se de gerir o que corresponde, a uma importante, senão a maior despesa das empresas. maior despesa das empresas. E respeita aos materiais necessários à produção dos bens destinados à satisfação dos clientes. É, portanto, uma área muito pressionada em termos de eficiência e eficácia. É inquestionável o reconhecimento da importância das atividades de “aprovisionamentos" no sucesso da empresa.
  • 6. O que se pretende: Garantir a disponibilidade das “existências” no momento certo: 1. Ter um sistema logístico de abastecimento eficaz; 2. Constituir stocks de artigos, evitando faltas (ruturas de stock) que possam comprometer o bom funcionamento da empresa. que possam comprometer o bom funcionamento da empresa. Responder a três perguntas: O que é necessário? Quanto é necessário? Quando é necessário?
  • 7. O quê, quanto e quando … A gestão da cadeia de abastecimento é a integração de processos desde o consumidor final até o fornecedor original, que disponibiliza produtos, serviços e informação que acrescentam valor ao consumidor final. Os “Aprovisionamentos” são principalmente responsáveis pelas atividades mais a montante do canal - o abastecimento
  • 8. GESTÃO – Função Aprovisionamento Conjunto de atividades, tendo como objetivo:  pôr à disposição dos utilizadores internos, os bens e serviços de que estes precisam FORNECEDORES UTILIZADORES INTERNOS BENS E SERVIÇOS os bens e serviços de que estes precisam para poderem exercer as atividades que lhe estão atribuídas, e respondendo a exigências de:  Prazo necessário;  Qualidade requerida;  Quantidades estabelecidas;  Aos melhores custos. Fazer Acontecer
  • 9. Tipos de Aprovisionamento APROVISIONAMENTO de SERVIÇOS de BENS APROVISIONAMENTO GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS SERVIÇOS ----- IMOBILIZADO (Bens de Património) ----- Bens de CONSUMO DIRETO ----- Artigos ou Produtos de STOCK (1.º armazenados e depois utilizados) Artigos ou Produtos de STOCK (1.º armazenados e depois utilizados)
  • 10. Tipos de Aprovisionamento APROVISIONAMENTO de SERVIÇOS de BENS APROVISIONAMENTO GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS GESTÃO DE COMPRAS GESTÃO DE STOCKS COMPRA: Processo de aquisição de bem ou serviço, com dadas características de preço, qualidade, quantidade, prazo e termos de entrega, prazos de pagamento, …, para ser utilizado pela organização. • A QUEM COMPRAR • COMO COMPRAR Processos de armazenamento, manuseamento e disponibilização de bens a utilizador interno. GESTÃO PREVISIONAL GESTÃO ADMINISTRATIVA GESTÃO FÍSICA
  • 11. Aprovisionamento de Serviços 1. Avaliar se o serviço deve ser feito na empresa, ou contratado ao exterior (externalizar: sim ou não?). 2. Contratos - ocasionais ou regulares - que se estabelecem com entidades prestadoras de serviços (ex.: serviços de higiene e limpeza; manutenção; consultadoria; formação profissional; segurança; auditorias; certificações de qualidade; …). segurança; auditorias; certificações de qualidade; …). 3. Etapas: I. Rigor nas especificações e termos de referência do serviço (de forma a que sejam consideradas nas propostas dos fornecedores); II. Seleção do prestador de serviço; III. Controlo de execução Análise Custo / Benefício
  • 12. Componentes da Gestão de Stocks GESTÃO PREVISIONAL (feita em função do que prevemos utilizar, consumir ou vender) O QUE COMPRAR QUANTO COMPRAR QUANDO COMPRAR GESTÃO ADMINISTRATIVA (Controlo de existências, registo O QUE EXISTE (Controlo de existências, registo de entradas e saídas por produto/código) Inventário permanente de: GESTÃO FÍSICA Envolve: QUANTO EXISTE ONDE ESTÁ Rececionar os produtos comprados Armazená-los e movimentá-los Entregá-los aos utilizadores internos Organização e gestão do armazém e do processo de armazenamento: lay out, arrumação, movimentação, …
  • 14. Procurement – é o processo de garantir eficácia a qualidade a toda a aquisição de materiais ou serviços fora da organização com o objetivo de servirem de suporte às operações normais da empresa, visando a satisfação dos seus clientes. Sourcing - Trata-se de escolher os melhores fornecedores para a empresa. Isso é feito após uma extensa pesquisa de mercado. A ideia é encontrar parceiros confiáveis, com preços e prazos adequados às necessidades do negócio.
  • 15. 1. ÂMBITO DA FUNÇÃO COMPRA A função compra consiste, como Já foi referido no Início, em saber " A QUEM COMPRAR" E "COMO COMPRAR". Gestão de Compras Ao departamento de compras são feitos pedidos de compra que partem dos utilizadores internos e que devem vir devidamente especificados. Ao serviço de compras compete-lhe EXECUTAR a compra e não decidi-la.
  • 16. À medida que as organizações se especializam e fazem a externalização (outsourcing) de muitas atividades, os recursos gastos em "Aprovisionamentos" ao exterior (atividades logísticas, por exemplo) aumentam relativamente às despesas internas as atividades de “compra” passam a Papel estratégico dos aprovisionamentos às despesas internas as atividades de “compra” passam a receber maior atenção! Em consequência da evolução das tecnologias de informação e da automatização, a função "Aprovisionamentos" encontra-se numa fase de elevada mudança, com um crescente /alargamento do seu papel na contribuição para os objetivos globais da empresa: a satisfação global do consumidor.
  • 17. Desempenhar atividades relacionadas com o abastecimento, como suporte aos objetivos globais da organização: 1. O acesso aos mercados permite-lhe e prospeção de: • informações de novas tecnologias Papel estratégico dos aprovisionamentos • novos materiais ou serviços • novas fontes • alterações no mercado Que podem apoiar reformulações da estratégia da organização para ganhar vantagens no mercado
  • 18. 2. Desenvolvimento e gestão do relacionamento com os fornecedores (como parceiros estratégicos): – desenvolver ou encontrar novos fornecedores – trazer os fornecedores para o desenvolvimento de novos Papel estratégico dos aprovisionamentos – trazer os fornecedores para o desenvolvimento de novos produtos – seleção de fornecedores, avaliação e gestão corrente, gestão da qualidade total, planos de compra e pesquisa… – Diferenciação que pode significar a liderança
  • 19. 3. Todos os departamentos dentro da organização dependem dos “Aprovisionamentos” para algum tipo de informação ou de suporte, desde o nível eminentemente operacional até estratégico! Papel estratégico dos aprovisionamentos Uma vez que os “Aprovisionamentos” fornecem valor a outras áreas funcionais, estas têm que estar presentes no processo de decisão de compra - o facto da função “Aprovisionamentos” estar bem informada, atempadamente, permite a antecipação de necessidades específicas
  • 20. A determinação da quantidade de bens e serviços a adquirir, o que implica, de imediato, o conhecimento:  da rapidez de utilização dos bens e serviços;  do período de tempo que medeia entra a formulação de uma Elementos essenciais do aprovisionamento  do período de tempo que medeia entra a formulação de uma encomenda e a sua entrega nos armazéns da empresa;  da vantagem ou desvantagem que há entre o adquirir-se determinada quantidade de bens face ao custo adicional resultante de stocks elevados;  das previsões de vendas a curto e médio prazos;
  • 21. A qualidade dos bens a adquirir, que deve ajustar-se perfeitamente aos requisitos preestabelecidos pelos serviços da empresa. Daí que a qualidade do bem seja um fator decisivo a ter em Elementos essenciais do aprovisionamento conta na sua aquisição. É óbvio, pois, que o bem a adquirir deve ser de boa qualidade, mas já poderá ser um exagero a empresa abastecer-se com bens de qualidade superior à necessária
  • 22. Prazos de entrega. É de primordial importância saber se o fornecedor tem capacidade para efetuar o fornecimento dos bens no prazo previamente acordado, uma vez que o não cumprimento dos prazos pode , Elementos essenciais do aprovisionamento prazos pode , não só provocar paragens no funcionamento da empresa, como também denegrir a sua imagem por contratos que esta, por sua vez, venha a não cumprir;
  • 23. Preços dos bens Ter em atenção que artigos de baixo preço são, em geral, de baixa qualidade, mas que o facto de os artigos terem um preço elevado não é Elementos essenciais do aprovisionamento garantia de boa qualidade, isto é, a empresa não deve necessariamente efetuar as suas aquisições à empresa que oferece os melhores preços, mas deve negociar o melhor preço para o produto que pretende, de facto, adquirir.
  • 24. Tempo certo para adquirir, para que a empresa não crie stocks demasiadamente elevados, nem fique com os stocks esgotados, Elementos essenciais do aprovisionamento o que lhe acarretaria paragens no processo de fabrico ou a impossibilidade de responder às solicitações dos seus clientes.
  • 25. 2. FASES DA COMPRA Poderemos decompor a função compra nas seguintes fases: 1.ª Fase: Pedido 2.ª Fase: Prospeção do Mercado Fornecedor Gestão de Compras 2.ª Fase: Prospeção do Mercado Fornecedor 3.ª Fase: Negociação e Contrato 4.ª Fase: Execução da Compra 5.ª Fase: Assistência Pós-Compra 6.ª Fase: Conferência de Faturas
  • 26. Receber e analisar pedidos de compras Selecionar fornecedores Negociar contrato Acompanhar a execução da execução da compra Acompanhar o recebimento e aceitação do bem ou serviço Conferir e aprovar faturas
  • 27. 2. FASES DA COMPRA 1.ª Fase: Receção do Pedido de compra, identificação, encaminhamento e classificação. 2.ª Fase: Preparação da compra. Prospeção do Mercado Fornecedor, envolvendo: Gestão de Compras Prospeção do Mercado Fornecedor, envolvendo: – operações de "Procurement Sistemático" com criação de uma base de dados atualizada e útil sobre os fornecedores mais consultados, – operações de "Procurement Específico" ou consulta quando tal se justificar; Seleção de Fornecedores comparando e avaliando as condições de oferta.
  • 28. 2. FASES DA COMPRA 3.ª Fase: Negociação e contrato tendo em conta as especificidades de cada fornecimento, a legislação em vigor e, especialmente o interesse da nossa organização: garantia Gestão de Compras da satisfação das necessidades no tempo oportuno nas quantidades certas e ao menor custo.
  • 29. 2. FASES DA COMPRA 4.ª Fase: Execução da compra compreendendo a formalização das encomendas ou assinatura do contrato, o controlo do prazo de entrega ou prestação (lead time) Gestão de Compras Na receção é feita a conferência, quantitativa e qualitativa, da mercadoria (os artigos até serem totalmente rececionados são da responsabilidade das compras). Disponibilização no armazém, ou diretamente ao cliente interno do bem não sujeito a stock.
  • 30. 2. FASES DA COMPRA 5.ª Fase: Assistência Pós-Compra, comprovando que nem mesmo após a receção, as compras se devem desligar do processo de aquisição. Gestão de Compras Na verdade, esta assistência permite corrigir procedimentos e não repetir erros.
  • 31. 2. FASES DA COMPRA 6.ª Fase: A conferência de faturas, confrontação das quantidades recebidas com as quantidades encomendadas e com as quantidades referidas no documento de transporte (guia de remessa ou de transporte) do fornecedor ou transportador, Gestão de Compras remessa ou de transporte) do fornecedor ou transportador, bem como verificação de outras condições contratuais (prazo, preço dos artigos e serviço, qualidade, etc.). A Conferência de Faturas é, na maioria dos casos entregue à Contabilidade. Trata-se de uma operação onde devem intervir sempre outras duas entidades, as compras e o utilizador. Só assim se conseguirá o controlo necessário.
  • 32. • Manter elevados padrões de qualidade dos materiais, tendo em atenção a sua conceção e aplicação; • A procura de materiais ao mais baixo custo, em consonância com a qualidade e serviço pretendidos pela empresa; • A garantia de continuidade de fornecimento, de forma a Objetivos do setor de Compras • A garantia de continuidade de fornecimento, de forma a cumprir o planeamento de produção (no caso de empresas produtoras) ou os níveis de serviços prestados (empresas prestadoras de serviços, distribuição, etc.); • Praticar os pontos atrás referidos com o mínimo investimento em stock de materiais de forma segura e com vantagens económicas;
  • 33. • Evitar duplicação, desperdício e obsolescência dos materiais; • Manter a posição competitiva da empresa, com uma constante motivação para os resultados, principalmente no que se refere a materiais; Objetivos do setor de Compras • Analisar periodicamente outras possibilidades de fornecimento e custos de aquisição dos artigos mais comprados; • Sondar continuamente o mercado em busca de soluções, produtos e serviços novos e alternativas cuja adoção permita melhorar a eficiência da empresa e seus resultados.
  • 34. A qualidade dos materiais entregues pelos fornecedores influenciam diretamente a qualidade do produto final. O Processo de Qualificação compreende um conjunto de análises e respetivas conclusões, de diferente âmbito, mas que concorrem para avaliar uma empresa fornecedora na sua globalidade. O fornecedor, ainda antes da primeira encomenda, deve ser A Qualificação de Fornecedores O fornecedor, ainda antes da primeira encomenda, deve ser submetido ao controlo ou avaliação de três departamentos da empresa-cliente: – Departamento de Engenharia, para estudo e classificação do produto; – Departamento de Compras, para definição das condições contratuais; – Departamento da Qualidade, para análise e aprovação das condições organizacionais da função qualidade, de forma a que sejam enviados os produtos com a qualidade desejada.
  • 35. A análise completa da prestação global de uma empresa fornecedora passa por um conjunto alargado de subsistemas que podem ser englobados em quatro áreas: 1- Estrutura e Condições Organizativas 2- Condições Contratuais A Qualificação de Fornecedores 2- Condições Contratuais 3- Rendimento do Fornecimento 4- Capacidade Técnica e Tecnológica A análise do fornecedor passa por uma classificação da sua prestação, através de sistemas simples de avaliação de mérito. A grelha de análise pode ser organizada por áreas .
  • 36. EMPRESA A EMPRESA B PESO ABSOLUTO PONDERADO ABSOLUTO PONDERADO Área 1 30 8 6 Área 2 10 8 6 Área 3 50 5 9 A Qualificação de Fornecedores Área 4 10 5 7 TOTAIS Cada área tem uma escala de 1 (mínimo) a 10 (máximo)
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41. A Qualificação de Fornecimentos A qualificação de fornecimentos está, associada à qualificação dos fornecedores. Poderá envolver a utilização de três categorias para classificar peças ou lotes defeituosos. Categoria 0: Fornecimento sem anomalias. Material totalmente conforme. Lote aprovado. Categoria 1: Unidades ou lotes com anomalias secundárias e Categoria 1: Unidades ou lotes com anomalias secundárias e que permitem a sua utilização sem qualquer intervenção de reparação. Lote aprovado mas sob condição. Categoria 2: Evidência de anomalias e que requerem intervenção de recuperação ou reparação. Lote sujeito a triagem ou reparação. Categoria 3: Evidência de defeitos críticos e que originam recusa de utilização. Lote rejeitado.
  • 42. A Qualificação de Fornecimentos métodos da valoração Método 1: Este método refere-se à entrada de materiais ou mercadorias e não entra em linha de conta com as quantidades fornecidas ou recebidas. Ou seja, o coeficiente ou índice de qualidade é unicamente função Ou seja, o coeficiente ou índice de qualidade é unicamente função da importância do defeito, e não do número ou da percentagem de peças defeituosas. Cada categoria tem um fator de ponderação específico: categoria 0: o fator de ponderação 1; categoria 1: o fator de ponderação será 5; categoria 2: o fator de ponderação será 30 ; categoria 3: o fator de ponderação será 100.
  • 43. A Qualificação de Fornecimentos métodos da valoração Método 1: Exemplo. Admita-se um conjunto de 17 lotes rececionados durante um certo período de tempo em análise, assim classificados: Categoria fator n.º de lotes pontuação 0 1 3 0 1 3 1 5 10 2 30 3 3 100 1 Totais 17 IQ – Índice de Qualidade IQ = 101 – (total da pontuação / total de lotes)
  • 44. A Qualificação de Fornecimentos métodos da valoração Método 2: Este método entra em consideração com o número de unidades com anomalias, bem como o tipo ou gravidade dessas anomalias. Este método de análise e valoração tem em conta a diferente Este método de análise e valoração tem em conta a diferente quantidade de unidades em cada lote. Classificação de unidades defeituosas Letra /Classe Fator de ponderação Com defeitos secundários A 0,02 Com defeitos principais recuperáveis M 5 Com defeitos críticos, unidade rejeitada R 15
  • 45. A Qualificação de Fornecimentos métodos da valoração Método 2: Exemplo. Unidades por Lote Amostra Defeitos por amostra Defeitos por lote Fator de ponderação Pontuação 2000 80 3 M 75 M 5 375 2000 80 3 M 75 M 5 375 3500 125 5 R 140 R 15 2100 5000 125 0 0 --- 0 10500 2475 IQ 76,43 IQ = (1 - total da pontuação / total de unidades) x 100
  • 46. A Qualificação de Fornecimentos métodos da valoração Método 2: Qualificação dos fornecedores Classe IQ Caracterização A 96 a 100 Consistente – qualificado sem limitações B 90 a 95,9 Variável – apto a necessitar de ações de melhoria C 0 a 89,9 Deficiente – Inapto a requerer alterações (correcões) profundas
  • 47. A Avaliação de fornecedores Existem muitos métodos, não existindo um que seja o melhor para todas as empresas o importante é utilizar procedimentos consistentes de forma a aumentar a objetividade do processo genericamente:  desenvolver uma lista de parâmetros de avaliação  determinar o peso relativo de cada um dos parâmetros  o desempenho de cada fornecedor em cada parâmetro numa mesma escala  elaborar classificação média ponderada para cada fornecedor  selecionar o que tiver a classificação mais elevada
  • 48. A Avaliação de fornecedores Fase 1 - Fase preliminar - Estabelecimento de necessidades em "Aprovisionamentos" - Caso seja necessário, formar uma equipa Fase 2 - Identificação de potencial fornecedor - Determinação de critério/aproximação de seleção - Identificação de potenciais fornecedores Fase 3 - escolha e selecção Fase 4 - Estabelecer um relacionamento Fase 3 - escolha e selecção - Contactar fornecedor potencial - Avaliar o fornecedor - Escolher Fase 4 - Estabelecer um relacionamento - Documentar o que se espera do fornecedor/contactos - Nível de atenção elevado - Dar feedback atempadamente Fase 5 - Avaliação do relacionamento - Continua ao nível atual - Expandir/construir relação - Reduzir/dissolver a interação