SlideShare uma empresa Scribd logo
A atividade da enzima catalase
INTRODUÇÃO TEÓRICA Proteínas são compostos orgânicos de alto peso molecular, são formadas pelo encadeamento de aminoácidos. Representam cerca de 50 a 80% do peso seco da célula sendo, portanto, o composto orgânico mais abundante de matéria viva. A forma das proteínas é um fator muito importante em sua atividade, pois se ela é alterada, a proteína torna-se inativa. As proteínas desempenham nos seres vivos as seguintes funções:  estrutural, enzimática, hormonal,  de defesa, nutritivo,  coagulação sangüínea e  transporte.   As enzimas são catalisadores  (aumenta a  velocidade de uma determinada  reação química) biológicos de  alta especificidade. A catalase, é uma enzima  que decompõe o peróxido  de hidrogênio  (H2O2).
OBJETIVOS DO EXPERIMENTO Demonstrar a atividade da enzima  catalase e os fatores que a afetam  – pH, temperatura  e presença de substrato.
Tubo nº1  ( carne crua e não macerada com H2O2) A catalase da carne entra em  ação sobre a H2O2,  fazendo com que a carne fique  esbranquiçada  e que aconteça a  formação de muitas bolhas grandes de O2.
Tubo 2  (pimentão cru com H2O2) Não há o desprendimento  de bolhas de O2 do pimentão
Tubo 3 (pimentão com H2O2 e acido acético) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
Tubo 4  (carne cozida com H2O2) A enzima catalase sofreu  desnaturação protéica.  Não há, dessa forma, desprendimento  de bolhas de O2
Tubo 5  (carne com H2O2 e com acido acético) Mudou o pH do meio, afetou a atividade  enzimática. Houve desprendimento  de bolhas , mas depois  de certo tempo.
Tubo 6   (pimentão com acido acético e H2O2) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
Tubo 7    (carne macerada com H2O2) Há o desprendimento  de poucas bolhas de O2.
Tubo 8  ( Pimentão macerado com H2O2) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
Tubo 9  ( Pimentão com água quente ) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
Tubo 10  (carne com água quente)   Desprendimento de muitas bolhas  de O2; portanto, a morna catalisou  a reação da enzima.
Conclusão Portanto, se se aparecem bolhas,  o organismo é catalase-positivo  (possui catalase),se não é  catalase-negativo As bolhas são  formadas pelo oxigênio molecular libertado na  reação da catalase.
Alunas Amanda Leal RA: 10042 . Bruna Gabriela H. Ferreira RA: 10048  Denise dos Santos RA: 10051  Emily Zucatti da Silva RA: 10052  Lua Miziara RA: 10064  Mariana Matias RA:10727

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
escola Argentina Pereira Feitosa
 
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restriçãoAula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
Jaqueline Almeida
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Gabriel Resende
 
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinante
Shaline Araújo
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Marcia Azevedo
 
Nanotecnologia
NanotecnologiaNanotecnologia
Nanotecnologia
nanotecnologia
 
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
Instituto Qualittas de Pós Graduação
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
profatatiana
 
Caracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundáriosCaracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundários
Catir
 
Vírus
VírusVírus
Heranca ligada sexo
Heranca ligada sexoHeranca ligada sexo
Heranca ligada sexo
Iuri Fretta Wiggers
 
Bingo na Sala de Aula - por Gica Yabu
Bingo na Sala de Aula - por Gica YabuBingo na Sala de Aula - por Gica Yabu
Bingo na Sala de Aula - por Gica Yabu
Gica Trierweiler Yabu
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
barbara_carlini
 
Analisando cladogramas
Analisando cladogramasAnalisando cladogramas
Analisando cladogramas
Fabio Magalhães
 
Plano de aula I
Plano de aula IPlano de aula I
Plano de aula I
CCMbiologia
 
Bio aulas praticas
Bio aulas praticasBio aulas praticas
Composição química dos seres vivos substâncias orgânicas carboidratos e li...
Composição química dos seres vivos    substâncias orgânicas carboidratos e li...Composição química dos seres vivos    substâncias orgânicas carboidratos e li...
Composição química dos seres vivos substâncias orgânicas carboidratos e li...
Paulo Alexandre
 
III.1 Adolescência
III.1 AdolescênciaIII.1 Adolescência
III.1 Adolescência
Rebeca Vale
 
Piramide alimentar
Piramide alimentarPiramide alimentar
Piramide alimentar
Yeda Silva
 
Resumo bioquimica
Resumo bioquimicaResumo bioquimica
Resumo bioquimica
Fernanda de Sousa Fernandes
 

Mais procurados (20)

Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-Plano de aula de biologia da eja ii  ensino medio 2018  novo-
Plano de aula de biologia da eja ii ensino medio 2018 novo-
 
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restriçãoAula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
Aula de Engenharia Genética sobre Enzimas de restrição
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinante
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
Nanotecnologia
NanotecnologiaNanotecnologia
Nanotecnologia
 
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
Meu Paciente Está Com Leishmaniose. E Agora?
 
Introdução à biologia celular
Introdução à biologia celularIntrodução à biologia celular
Introdução à biologia celular
 
Caracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundáriosCaracteres sexuais primários e secundários
Caracteres sexuais primários e secundários
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Heranca ligada sexo
Heranca ligada sexoHeranca ligada sexo
Heranca ligada sexo
 
Bingo na Sala de Aula - por Gica Yabu
Bingo na Sala de Aula - por Gica YabuBingo na Sala de Aula - por Gica Yabu
Bingo na Sala de Aula - por Gica Yabu
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Analisando cladogramas
Analisando cladogramasAnalisando cladogramas
Analisando cladogramas
 
Plano de aula I
Plano de aula IPlano de aula I
Plano de aula I
 
Bio aulas praticas
Bio aulas praticasBio aulas praticas
Bio aulas praticas
 
Composição química dos seres vivos substâncias orgânicas carboidratos e li...
Composição química dos seres vivos    substâncias orgânicas carboidratos e li...Composição química dos seres vivos    substâncias orgânicas carboidratos e li...
Composição química dos seres vivos substâncias orgânicas carboidratos e li...
 
III.1 Adolescência
III.1 AdolescênciaIII.1 Adolescência
III.1 Adolescência
 
Piramide alimentar
Piramide alimentarPiramide alimentar
Piramide alimentar
 
Resumo bioquimica
Resumo bioquimicaResumo bioquimica
Resumo bioquimica
 

Destaque

Experimento Sobre Atividade Enzimatica
Experimento Sobre Atividade EnzimaticaExperimento Sobre Atividade Enzimatica
Experimento Sobre Atividade Enzimatica
CotucaEldez
 
Enzimas óxidorredutases
Enzimas   óxidorredutasesEnzimas   óxidorredutases
Enzimas óxidorredutases
DANIELLE BORGES
 
Catalase 4
Catalase 4Catalase 4
Catalase 4
TA 10
 
Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...
Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...
Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...
CotucaEldez
 
RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039
RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039
RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039
COTUCA
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Cátia Teixeira
 

Destaque (6)

Experimento Sobre Atividade Enzimatica
Experimento Sobre Atividade EnzimaticaExperimento Sobre Atividade Enzimatica
Experimento Sobre Atividade Enzimatica
 
Enzimas óxidorredutases
Enzimas   óxidorredutasesEnzimas   óxidorredutases
Enzimas óxidorredutases
 
Catalase 4
Catalase 4Catalase 4
Catalase 4
 
Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...
Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...
Apresentação das fotos da experiência da Catalase, 2º Bimestre 2010 ( Nomes e...
 
RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039
RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039
RAs: 10010 ; 10017 ; 10020 ; 10021 ; 10023 ; 10029 ; 10036 ; 10039
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
 

Semelhante a Catalase 3

Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
URCA
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
Ilana Moura
 
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
Adriana Mesquita
 
aula de enzimas bioquímimica para curso técnico
aula de enzimas bioquímimica para curso técnicoaula de enzimas bioquímimica para curso técnico
aula de enzimas bioquímimica para curso técnico
fabiano
 
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptxBIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
Drylima
 
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
SantiagoTeixeira2
 
ENZIMAS.ppt
ENZIMAS.pptENZIMAS.ppt
ENZIMAS.ppt
MarcusBancilon1
 
Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
Altair Hoepers
 
Composição química celular organica
Composição química celular organicaComposição química celular organica
Composição química celular organica
andreepinto
 
Composição química celular orgânica
Composição química celular orgânicaComposição química celular orgânica
Composição química celular orgânica
andreepinto
 
Aula bioquimica2
Aula bioquimica2Aula bioquimica2
Aula bioquimica2
Pedro Araújo
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Características Gerais Enzimática
Características Gerais EnzimáticaCaracterísticas Gerais Enzimática
Características Gerais Enzimática
Aline Paiva
 
Características e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais EnzimáticaCaracterísticas e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais Enzimática
Aline Paiva
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
UERGS
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
Ionara Urrutia Moura
 
Tema 3 biologia pdf
Tema 3   biologia pdfTema 3   biologia pdf
Tema 3 biologia pdf
Silvia Couto
 
Bioquimica celular ppt
Bioquimica celular pptBioquimica celular ppt
Bioquimica celular ppt
giovannimusetti
 
Bioquímica Celular
Bioquímica CelularBioquímica Celular
Bioquímica Celular
giovannimusetti
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
Luciana Menezes de Oliveira
 

Semelhante a Catalase 3 (20)

Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Relatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínasRelatório precipitação das proteínas
Relatório precipitação das proteínas
 
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
 
aula de enzimas bioquímimica para curso técnico
aula de enzimas bioquímimica para curso técnicoaula de enzimas bioquímimica para curso técnico
aula de enzimas bioquímimica para curso técnico
 
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptxBIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
BIOQUÍMICA BÁSICA E METABOLISMO - UNIDADE II.pptx
 
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
 
ENZIMAS.ppt
ENZIMAS.pptENZIMAS.ppt
ENZIMAS.ppt
 
Bioquimica celular
Bioquimica celularBioquimica celular
Bioquimica celular
 
Composição química celular organica
Composição química celular organicaComposição química celular organica
Composição química celular organica
 
Composição química celular orgânica
Composição química celular orgânicaComposição química celular orgânica
Composição química celular orgânica
 
Aula bioquimica2
Aula bioquimica2Aula bioquimica2
Aula bioquimica2
 
Metabolismo energético das células
Metabolismo energético das célulasMetabolismo energético das células
Metabolismo energético das células
 
Características Gerais Enzimática
Características Gerais EnzimáticaCaracterísticas Gerais Enzimática
Características Gerais Enzimática
 
Características e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais EnzimáticaCaracterísticas e funções Gerais Enzimática
Características e funções Gerais Enzimática
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
 
Tema 3 biologia pdf
Tema 3   biologia pdfTema 3   biologia pdf
Tema 3 biologia pdf
 
Bioquimica celular ppt
Bioquimica celular pptBioquimica celular ppt
Bioquimica celular ppt
 
Bioquímica Celular
Bioquímica CelularBioquímica Celular
Bioquímica Celular
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
 

Catalase 3

  • 1. A atividade da enzima catalase
  • 2. INTRODUÇÃO TEÓRICA Proteínas são compostos orgânicos de alto peso molecular, são formadas pelo encadeamento de aminoácidos. Representam cerca de 50 a 80% do peso seco da célula sendo, portanto, o composto orgânico mais abundante de matéria viva. A forma das proteínas é um fator muito importante em sua atividade, pois se ela é alterada, a proteína torna-se inativa. As proteínas desempenham nos seres vivos as seguintes funções:  estrutural, enzimática, hormonal,  de defesa, nutritivo,  coagulação sangüínea e  transporte.   As enzimas são catalisadores  (aumenta a  velocidade de uma determinada  reação química) biológicos de  alta especificidade. A catalase, é uma enzima  que decompõe o peróxido  de hidrogênio  (H2O2).
  • 3. OBJETIVOS DO EXPERIMENTO Demonstrar a atividade da enzima  catalase e os fatores que a afetam  – pH, temperatura  e presença de substrato.
  • 4. Tubo nº1 ( carne crua e não macerada com H2O2) A catalase da carne entra em  ação sobre a H2O2,  fazendo com que a carne fique  esbranquiçada  e que aconteça a formação de muitas bolhas grandes de O2.
  • 5. Tubo 2 (pimentão cru com H2O2) Não há o desprendimento  de bolhas de O2 do pimentão
  • 6. Tubo 3 (pimentão com H2O2 e acido acético) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
  • 7. Tubo 4 (carne cozida com H2O2) A enzima catalase sofreu  desnaturação protéica.  Não há, dessa forma, desprendimento  de bolhas de O2
  • 8. Tubo 5 (carne com H2O2 e com acido acético) Mudou o pH do meio, afetou a atividade  enzimática. Houve desprendimento  de bolhas , mas depois  de certo tempo.
  • 9. Tubo 6 (pimentão com acido acético e H2O2) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
  • 10. Tubo 7 (carne macerada com H2O2) Há o desprendimento  de poucas bolhas de O2.
  • 11. Tubo 8 ( Pimentão macerado com H2O2) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
  • 12. Tubo 9 ( Pimentão com água quente ) Não há o desprendimento  de bolhas de O2
  • 13. Tubo 10 (carne com água quente) Desprendimento de muitas bolhas  de O2; portanto, a morna catalisou  a reação da enzima.
  • 14. Conclusão Portanto, se se aparecem bolhas,  o organismo é catalase-positivo  (possui catalase),se não é  catalase-negativo As bolhas são  formadas pelo oxigênio molecular libertado na  reação da catalase.
  • 15. Alunas Amanda Leal RA: 10042 . Bruna Gabriela H. Ferreira RA: 10048  Denise dos Santos RA: 10051  Emily Zucatti da Silva RA: 10052  Lua Miziara RA: 10064  Mariana Matias RA:10727