SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA SECUNDÁRIA ENG. ACÁCIO CALAZANS DUARTE
Utilização e organização dos laboratórios escolares
Oficina de Formação
GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE UMA
ACTIVIDADE LABORATORIAL
FACTORES QUE INFLUENCIAM A ACTIVIDADE ENZIMÁTICA
Formanda: Maria de Fátima Santos Carvalho
Julho de 2010
Formador: Dr. Victor Teodoro
Escola Secundária Engº Calazans Duarte
Biologia 12ºAno - Aula prática nº___
Ano Lectivo ___________
Nome __________________________________ nº ____ Turma ___
VERSÃO DO PROFESSOR
Actividade Experimental: FACTORES QUE INFLUENCIAM A ACTIVIDADE
ENZIMÁTICA (Pesquisa da acção da enzima catalase em fígado de porco)
Objectivos:
1 – Verificar a influência das alterações de pH na actividade enzimática.
2 – Verificar a influência da temperatura na actividade enzimática.
Introdução:
Nas células forma-se peróxido de hidrogénio (H2O2) como resultado de algumas reacções
químicas. Devido à elevada toxicidade desta substância, ela terá de ser decomposta para evitar
a destruição das células. O H2O2 pode ser convertido em Oxigénio tal com está evidenciado na
equação seguinte:
H2O2↔ 2H2O + O2
Muitos organismos podem decompor o peróxido de hidrogénio enzimaticamente.
As enzimas são catalizadores biológicos que têm a função de acelerar as reacções, pois
diminuem a energia de activação necessária para estas se desencadearem.
São proteínas globulares com estrutura terciária e possuem uma região, denominada centro
activo, que se liga ao substrato.
A actividade enzimática é condicionada por diversos factores. Tanto as temperaturas altas com
as temperaturas baixas inactivam as enzimas, podendo a inibição ser irreversível. O pH baixo
ou elevado também acarreta inactivação das enzimas uma vez que interfere com a
configuração dos centros activos.
A velocidade da reacção enzimática pode ser estudada medindo a concentração do produto
formado. Neste caso é utilizado o sensor de O2, uma vez que o oxigénio é um dos produtos
finais do metabolismo do H2O2.
Verificar significados: Elaborar breves descrições dos seguintes conceitos:
Conceitos Breve descrição
Catalizador
Enzima
Centro activo
Propriedades das
enzimas
Desnaturação
Inibição enzimática
Material: Além do material a seguir indicado, que é essencial para a
experiência, necessita de mais material de apoio, após ler o protocolo preencha
o quadro seguinte
LabPro interface
Computador com software Logger Pro
CBL2
Calculadora gráfica
Sensor de O2 gasoso
Sensor de pH
Material
Descrição Quantidades
Modo de proceder:
a) Com o computador e a calculadora gráfica
1. Ligue o sensor de O2 ao LabPro. Use o cabo de ligação para ligar o LabPro ao
computador.
2. Escolher a actividade e o sensor e clicar em “start data collection”
3. Ligue a calculadora e inicie a aplicação EASY DATA. Prima Enter.
4. Se a calculadora exibir pH em canal 1, continue. Se não o exibir, seleccione o sensor
manualmente.
5. Seleccione o modo de recolha de dados:
Seleccione SETUP.
Seleccione Time Graph.
Seleccione Editar.
6. Defina 5 como o tempo de recolha entre as amostras e prima Next.
7. Defina 36 como o total de recolhas e prima Next.
8. Prima OK.
9. Prima Start, quando iniciar o registo.
b) Com o material laboratorial:
1. Numere os tubos de 1 a 5 e coloque-os no suporte.
2. Deite 10 ml de H2O2 em cada um dos tubos.
3. Acrescente 5 gotas de HCl no tubo 3 e 5 gotas de NaOH no tubo 4.
4. Verifique o pH nos tubos 3 e 4 utilizando o sensor de pH.
5. Coloque um fragmento de cerca de 200 mg de fígado cru no frasco.
6. Verta o conteúdo do tubo 1 no frasco do sensor de O2, tendo o cuidado para que este não
entre em contacto com o fígado e coloque imediatamente o sensor.
7. Inicie o registo dos resultados logo que a solução entre em contacto com o fígado.
8. Repita este passo de acordo com as indicações do quadro seguinte,
tendo o cuidado de não tocar no material biológico.
Tubo Procedimento Resultados
1 H2O2 + fígado cru
2 H2O2 + fígado cru triturado
3 H2O2 + 5 gotas de HCl +
fígado cru
4 H2O2 + 5 gotas de NaOH +
fígado cru
5 H2O2 + fígado cozido
9. Elabore o relatório do trabalho efectuado, procurando responder às
seguintes questões:
9.1 Procure explicar as diferenças de resultados entre os tubos 1 e 2.
9.2 O que pode concluir acerca do pH óptimo da enzima catalase?
9.3 Como explica os resultados do tubo 5?
Avaliação da actividade
10. Avalie a actividade que acabou de realizar, respondendo às seguintes
questões:
Sim Não
1. Achou que o protocolo o ajudou
na concretização da actividade?
2. Achou a actividade interessante?
3. Teve dificuldade em tirar
conclusões?
4. Mudaria alguma coisa no
protocolo da actividade?
5. Achou que o tempo para a
realização da actividade foi
suficiente?
11. Se respondeu, afirmativamente à pergunta 4, indique o que alteraria no
protocolo.
FIM
A professora: Fátima Carvalho
Escola Secundária Engº Calazans Duarte
Biologia 12ºAno - Aula prática nº___
Ano Lectivo ___________
Nome __________________________________ nº ____ Turma ___
VERSÃO DO ALUNO
Actividade Experimental: FACTORES QUE INFLUENCIAM A ACTIVIDADE
ENZIMÁTICA (Pesquisa da acção da enzima catalase em fígado de porco)
Objectivos:
1 – Verificar a influência das alterações de pH na actividade enzimática.
2 – Verificar a influência da temperatura na actividade enzimática.
Introdução:
Nas células forma-se peróxido de hidrogénio (H2O2) como resultado de algumas reacções
químicas. Devido à elevada toxicidade desta substância, ela terá de ser decomposta para evitar
a destruição das células. O H2O2 pode ser convertido em Oxigénio tal com está evidenciado na
equação seguinte:
H2O2↔ 2H2O + O2
Muitos organismos podem decompor o peróxido de hidrogénio enzimaticamente.
As enzimas são catalizadores biológicos que têm a função de acelerar as reacções, pois
diminuem a energia de activação necessária para estas se desencadearem.
São proteínas globulares com estrutura terciária e possuem uma região, denominada centro
activo, que se liga ao substrato.
A actividade enzimática é condicionada por diversos factores. Tanto as temperaturas altas com
as temperaturas baixas inactivam as enzimas, podendo a inibição ser irreversível. O pH baixo
ou elevado também acarreta inactivação das enzimas uma vez que interfere com a
configuração dos centros activos.
A velocidade da reacção enzimática pode ser estudada medindo a concentração do produto
formado. Neste caso é utilizado o sensor de O2, uma vez que o oxigénio é um dos produtos
finais do metabolismo do H2O2.
Verificar significados: Elaborar breves descrições dos seguintes conceitos:
Conceitos Breve descrição
Catalisador
Toda e qualquer substância que acelera uma reacção,
diminuindo a energia de activação, diminuindo
a energia do complexo activado, sem ser consumido,
durante o processo.
Enzima
As enzimas são proteínas que, actuando como
catalisadores na maioria das reacções bioquímicas,
baixam a energia de activação necessária para que se
dê uma reacção química.
Centro activo
Local da enzima onde o substrato se "encaixa"
Propriedades das
enzimas
- As enzimas não se gastam nem se alteram durante
as reacções químicas
- Cada enzima é específica para um determinado
substrato
- Cada enzima possui um pH óptimo e uma
temperatura óptima de funcionamento
Desnaturação A desnaturação é um processo em que a proteína
perde a sua estrutura tridimensional e, portanto, as
suas propriedades
Inibição enzimática
Há substâncias pode inibir a actividade enzimática. Os
inibidores podem ser reversíveis ou irreversíveis, de
acordo com a estabilidade gerada pela sua ligação com
a enzima. A inibição pode ainda ser competitiva ou
não-competitiva
Material: Além do material a seguir indicado, que é essencial para a
experiência, necessita de mais material de apoio, após ler o protocolo preencha
o quadro seguinte
LabPro interface
Computador com software Logger Pro
CBL2
Calculadora gráfica
Sensor de O2 gasoso
Sensor de pH
Material
Descrição Quantidades
Recipiente de 250 ml 1
Tubos de ensaio 5
Suporte para tubos de ensaio 1
Proveta graduada de 10 ml 1
H2O2 a 20 volumes 10 ml
Hidróxido de sódio 5 gotas
Ácido clorídrico 5 gotas
Pinça e bisturi 1
Almofariz com pilão 1
Fígado fresco e fígado cozido 200 mg
Vidro de relógio 1
Balança 1
Recipiente de 250 ml 1
Modo de proceder:
b) Com o computador e a calculadora gráfica
10. Ligue o sensor de O2 ao LabPro. Use o cabo de ligação para ligar o LabPro ao
computador.
11. Escolher a actividade e o sensor e clicar em “start data collection”
12. Ligue a calculadora e inicie a aplicação EASY DATA. Prima Enter.
13. Se a calculadora exibir pH em canal 1, continue. Se não o exibir, seleccione o sensor
manualmente.
14. Seleccione o modo de recolha de dados:
Seleccione SETUP.
Seleccione Time Graph.
Seleccione Editar.
15. Defina 5 como o tempo de recolha entre as amostras e prima Next.
16. Defina 36 como o total de recolhas e prima Next.
17. Prima OK.
18. Prima Start, quando iniciar o registo.
b) Com o material laboratorial:
1. Numere os tubos de 1 a 5 e coloque-os no suporte.
2. Deite 10 ml de H2O2 em cada um dos tubos.
3. Acrescente 5 gotas de HCl no tubo 3 e 5 gotas de NaOH no tubo 4.
4. Verifique o pH nos tubos 3 e 4 utilizando o sensor de pH.
5. Coloque um fragmento de cerca de 200 mg de fígado cru no frasco.
6. Verta o conteúdo do tubo 1 no frasco do sensor de O2, tendo o cuidado para que este não
entre em contacto com o fígado e coloque imediatamente o sensor.
7. Inicie o registo dos resultados logo que a solução entre em contacto com o fígado.
8. Repita este passo de acordo com as indicações do quadro seguinte, tendo
o cuidado de não tocar no material biológico.
Tubo Procedimento
Resultados
1 H2O2 + fígado cru
Há libertação de O2
2 H2O2 + fígado cru triturado
Há um aumento da libertação de O2
em relação ao tubo anterior
3 H2O2 + 5 gotas de HCl + fígado cru
Libertação de O2 semelhante ao tubo
anterior
4 H2O2 + 5 gotas de NaOH + fígado cru Não há libertação de O2
5 H2O2 + fígado cozido
Não há libertação de O2
9. Elabore o relatório do trabalho efectuado, procurando responder às
seguintes questões:
9.1 Procure explicar as diferenças de resultados entre os tubos 1 e 2
Verificou-se maior libertação de O2 no tubo 2 porque, ao triturarmos o
fígado, aumentamos a superfície de contacto com a enzima, daí haver
maior libertação de O2
9.2 O que pode concluir acerca do pH óptimo da enzima catalase?
O pH óptimo da enzima é 2,8, logo pH ácido, uma vez que comparando
os tubos 3 e 4, apenas houve libertação de O2 no tubo 3
9.3 Como explica os resultados do tubo 5?
Ao cozermos o fígado, este foi sujeito a temperaturas elevadas, assim
ocorreu a desnaturação das enzimas e por isso não houve reacção.
Avaliação da actividade
10. Avalie a actividade que acabou de realizar, respondendo às seguintes
questões:
Sim Não
1. Achou que o protocolo o ajudou na
concretização da actividade?
2. Achou a actividade interessante?
3. Teve dificuldade em tirar
conclusões?
4. Mudaria alguma coisa no protocolo
da actividade?
5. Achou que o tempo para a realização
da actividade foi suficiente?
11.Se respondeu, afirmativamente à pergunta 4, indique o que alteraria no protocolo.
FIM
A professora: Fátima Carvalho

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzimatica_aluno_prof.pdf

Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Cátia Teixeira
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimica
EdvaldoAmaro1
 
Relatório Colóides
Relatório ColóidesRelatório Colóides
Relatório Colóides
Beatriz Rodrigues
 
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
evelynandrade25
 
Cinética quimica de reações
Cinética quimica de reaçõesCinética quimica de reações
Cinética quimica de reações
Elisama Cella
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
Leandro Da Paz Aristides
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
Leandro Da Paz Aristides
 
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
Adriana Mesquita
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Elisama Cella
 
Lista de exercícios 02 2014
Lista de exercícios 02   2014Lista de exercícios 02   2014
Lista de exercícios 02 2014
professoraludmila
 
Catalase 3
Catalase 3Catalase 3
Catalase 3
TA 10
 
Copia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdf
Copia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdfCopia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdf
Copia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdf
AlimaAdangeStahmilla
 
Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia. lab 2. teste de lab...
Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia.   lab 2. teste de lab...Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia.   lab 2. teste de lab...
Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia. lab 2. teste de lab...
John Adson Ferreira
 
Apoio 1ªsuplementar resolução
Apoio 1ªsuplementar resoluçãoApoio 1ªsuplementar resolução
Apoio 1ªsuplementar resolução
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Aula prática temperatura e superfície de contato
Aula prática   temperatura e superfície de contatoAula prática   temperatura e superfície de contato
Aula prática temperatura e superfície de contato
professoraludmila
 
Relatório dna helena_dias
Relatório dna helena_diasRelatório dna helena_dias
Relatório dna helena_dias
helenasvdias
 
Relatorio 5 quimica
Relatorio 5 quimicaRelatorio 5 quimica
Relatorio 5 quimica
Marcelo Pawlowski
 
Análise de Proteínas aula diurno
Análise de Proteínas aula diurnoAnálise de Proteínas aula diurno
Análise de Proteínas aula diurno
primaquim
 
2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali
Augusto Tanamati
 
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativaApostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
♥Mischelle Santos
 

Semelhante a Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzimatica_aluno_prof.pdf (20)

Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimica
 
Relatório Colóides
Relatório ColóidesRelatório Colóides
Relatório Colóides
 
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
 
Cinética quimica de reações
Cinética quimica de reaçõesCinética quimica de reações
Cinética quimica de reações
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
 
Cinetica parte i
Cinetica parte iCinetica parte i
Cinetica parte i
 
1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Lista de exercícios 02 2014
Lista de exercícios 02   2014Lista de exercícios 02   2014
Lista de exercícios 02 2014
 
Catalase 3
Catalase 3Catalase 3
Catalase 3
 
Copia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdf
Copia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdfCopia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdf
Copia_de_Quimica_Feltre_-_Vol_2.pdf
 
Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia. lab 2. teste de lab...
Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia.   lab 2. teste de lab...Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia.   lab 2. teste de lab...
Lab 1. identificação dos íons sódio, potássio e amônia. lab 2. teste de lab...
 
Apoio 1ªsuplementar resolução
Apoio 1ªsuplementar resoluçãoApoio 1ªsuplementar resolução
Apoio 1ªsuplementar resolução
 
Aula prática temperatura e superfície de contato
Aula prática   temperatura e superfície de contatoAula prática   temperatura e superfície de contato
Aula prática temperatura e superfície de contato
 
Relatório dna helena_dias
Relatório dna helena_diasRelatório dna helena_dias
Relatório dna helena_dias
 
Relatorio 5 quimica
Relatorio 5 quimicaRelatorio 5 quimica
Relatorio 5 quimica
 
Análise de Proteínas aula diurno
Análise de Proteínas aula diurnoAnálise de Proteínas aula diurno
Análise de Proteínas aula diurno
 
2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali2016 01 aula-introdutoriaquali
2016 01 aula-introdutoriaquali
 
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativaApostila de análise orgânica e análise qualitativa
Apostila de análise orgânica e análise qualitativa
 

Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzimatica_aluno_prof.pdf

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA ENG. ACÁCIO CALAZANS DUARTE Utilização e organização dos laboratórios escolares Oficina de Formação GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE UMA ACTIVIDADE LABORATORIAL FACTORES QUE INFLUENCIAM A ACTIVIDADE ENZIMÁTICA Formanda: Maria de Fátima Santos Carvalho Julho de 2010 Formador: Dr. Victor Teodoro
  • 2. Escola Secundária Engº Calazans Duarte Biologia 12ºAno - Aula prática nº___ Ano Lectivo ___________ Nome __________________________________ nº ____ Turma ___ VERSÃO DO PROFESSOR Actividade Experimental: FACTORES QUE INFLUENCIAM A ACTIVIDADE ENZIMÁTICA (Pesquisa da acção da enzima catalase em fígado de porco) Objectivos: 1 – Verificar a influência das alterações de pH na actividade enzimática. 2 – Verificar a influência da temperatura na actividade enzimática. Introdução: Nas células forma-se peróxido de hidrogénio (H2O2) como resultado de algumas reacções químicas. Devido à elevada toxicidade desta substância, ela terá de ser decomposta para evitar a destruição das células. O H2O2 pode ser convertido em Oxigénio tal com está evidenciado na equação seguinte: H2O2↔ 2H2O + O2 Muitos organismos podem decompor o peróxido de hidrogénio enzimaticamente. As enzimas são catalizadores biológicos que têm a função de acelerar as reacções, pois diminuem a energia de activação necessária para estas se desencadearem. São proteínas globulares com estrutura terciária e possuem uma região, denominada centro activo, que se liga ao substrato. A actividade enzimática é condicionada por diversos factores. Tanto as temperaturas altas com as temperaturas baixas inactivam as enzimas, podendo a inibição ser irreversível. O pH baixo ou elevado também acarreta inactivação das enzimas uma vez que interfere com a configuração dos centros activos. A velocidade da reacção enzimática pode ser estudada medindo a concentração do produto formado. Neste caso é utilizado o sensor de O2, uma vez que o oxigénio é um dos produtos finais do metabolismo do H2O2. Verificar significados: Elaborar breves descrições dos seguintes conceitos:
  • 3. Conceitos Breve descrição Catalizador Enzima Centro activo Propriedades das enzimas Desnaturação Inibição enzimática Material: Além do material a seguir indicado, que é essencial para a experiência, necessita de mais material de apoio, após ler o protocolo preencha o quadro seguinte LabPro interface Computador com software Logger Pro CBL2 Calculadora gráfica Sensor de O2 gasoso Sensor de pH Material Descrição Quantidades
  • 4. Modo de proceder: a) Com o computador e a calculadora gráfica 1. Ligue o sensor de O2 ao LabPro. Use o cabo de ligação para ligar o LabPro ao computador. 2. Escolher a actividade e o sensor e clicar em “start data collection” 3. Ligue a calculadora e inicie a aplicação EASY DATA. Prima Enter. 4. Se a calculadora exibir pH em canal 1, continue. Se não o exibir, seleccione o sensor manualmente.
  • 5. 5. Seleccione o modo de recolha de dados: Seleccione SETUP. Seleccione Time Graph. Seleccione Editar. 6. Defina 5 como o tempo de recolha entre as amostras e prima Next. 7. Defina 36 como o total de recolhas e prima Next. 8. Prima OK. 9. Prima Start, quando iniciar o registo. b) Com o material laboratorial: 1. Numere os tubos de 1 a 5 e coloque-os no suporte. 2. Deite 10 ml de H2O2 em cada um dos tubos. 3. Acrescente 5 gotas de HCl no tubo 3 e 5 gotas de NaOH no tubo 4. 4. Verifique o pH nos tubos 3 e 4 utilizando o sensor de pH. 5. Coloque um fragmento de cerca de 200 mg de fígado cru no frasco. 6. Verta o conteúdo do tubo 1 no frasco do sensor de O2, tendo o cuidado para que este não entre em contacto com o fígado e coloque imediatamente o sensor.
  • 6. 7. Inicie o registo dos resultados logo que a solução entre em contacto com o fígado. 8. Repita este passo de acordo com as indicações do quadro seguinte, tendo o cuidado de não tocar no material biológico. Tubo Procedimento Resultados 1 H2O2 + fígado cru 2 H2O2 + fígado cru triturado 3 H2O2 + 5 gotas de HCl + fígado cru 4 H2O2 + 5 gotas de NaOH + fígado cru 5 H2O2 + fígado cozido 9. Elabore o relatório do trabalho efectuado, procurando responder às seguintes questões: 9.1 Procure explicar as diferenças de resultados entre os tubos 1 e 2. 9.2 O que pode concluir acerca do pH óptimo da enzima catalase? 9.3 Como explica os resultados do tubo 5?
  • 7. Avaliação da actividade 10. Avalie a actividade que acabou de realizar, respondendo às seguintes questões: Sim Não 1. Achou que o protocolo o ajudou na concretização da actividade? 2. Achou a actividade interessante? 3. Teve dificuldade em tirar conclusões? 4. Mudaria alguma coisa no protocolo da actividade? 5. Achou que o tempo para a realização da actividade foi suficiente? 11. Se respondeu, afirmativamente à pergunta 4, indique o que alteraria no protocolo. FIM A professora: Fátima Carvalho
  • 8. Escola Secundária Engº Calazans Duarte Biologia 12ºAno - Aula prática nº___ Ano Lectivo ___________ Nome __________________________________ nº ____ Turma ___ VERSÃO DO ALUNO Actividade Experimental: FACTORES QUE INFLUENCIAM A ACTIVIDADE ENZIMÁTICA (Pesquisa da acção da enzima catalase em fígado de porco) Objectivos: 1 – Verificar a influência das alterações de pH na actividade enzimática. 2 – Verificar a influência da temperatura na actividade enzimática. Introdução: Nas células forma-se peróxido de hidrogénio (H2O2) como resultado de algumas reacções químicas. Devido à elevada toxicidade desta substância, ela terá de ser decomposta para evitar a destruição das células. O H2O2 pode ser convertido em Oxigénio tal com está evidenciado na equação seguinte: H2O2↔ 2H2O + O2 Muitos organismos podem decompor o peróxido de hidrogénio enzimaticamente. As enzimas são catalizadores biológicos que têm a função de acelerar as reacções, pois diminuem a energia de activação necessária para estas se desencadearem. São proteínas globulares com estrutura terciária e possuem uma região, denominada centro activo, que se liga ao substrato. A actividade enzimática é condicionada por diversos factores. Tanto as temperaturas altas com as temperaturas baixas inactivam as enzimas, podendo a inibição ser irreversível. O pH baixo ou elevado também acarreta inactivação das enzimas uma vez que interfere com a configuração dos centros activos. A velocidade da reacção enzimática pode ser estudada medindo a concentração do produto formado. Neste caso é utilizado o sensor de O2, uma vez que o oxigénio é um dos produtos finais do metabolismo do H2O2. Verificar significados: Elaborar breves descrições dos seguintes conceitos:
  • 9. Conceitos Breve descrição Catalisador Toda e qualquer substância que acelera uma reacção, diminuindo a energia de activação, diminuindo a energia do complexo activado, sem ser consumido, durante o processo. Enzima As enzimas são proteínas que, actuando como catalisadores na maioria das reacções bioquímicas, baixam a energia de activação necessária para que se dê uma reacção química. Centro activo Local da enzima onde o substrato se "encaixa" Propriedades das enzimas - As enzimas não se gastam nem se alteram durante as reacções químicas - Cada enzima é específica para um determinado substrato - Cada enzima possui um pH óptimo e uma temperatura óptima de funcionamento Desnaturação A desnaturação é um processo em que a proteína perde a sua estrutura tridimensional e, portanto, as suas propriedades Inibição enzimática Há substâncias pode inibir a actividade enzimática. Os inibidores podem ser reversíveis ou irreversíveis, de acordo com a estabilidade gerada pela sua ligação com a enzima. A inibição pode ainda ser competitiva ou não-competitiva Material: Além do material a seguir indicado, que é essencial para a experiência, necessita de mais material de apoio, após ler o protocolo preencha o quadro seguinte LabPro interface Computador com software Logger Pro CBL2 Calculadora gráfica Sensor de O2 gasoso Sensor de pH Material Descrição Quantidades Recipiente de 250 ml 1 Tubos de ensaio 5 Suporte para tubos de ensaio 1 Proveta graduada de 10 ml 1
  • 10. H2O2 a 20 volumes 10 ml Hidróxido de sódio 5 gotas Ácido clorídrico 5 gotas Pinça e bisturi 1 Almofariz com pilão 1 Fígado fresco e fígado cozido 200 mg Vidro de relógio 1 Balança 1 Recipiente de 250 ml 1 Modo de proceder: b) Com o computador e a calculadora gráfica 10. Ligue o sensor de O2 ao LabPro. Use o cabo de ligação para ligar o LabPro ao computador. 11. Escolher a actividade e o sensor e clicar em “start data collection” 12. Ligue a calculadora e inicie a aplicação EASY DATA. Prima Enter. 13. Se a calculadora exibir pH em canal 1, continue. Se não o exibir, seleccione o sensor manualmente.
  • 11. 14. Seleccione o modo de recolha de dados: Seleccione SETUP. Seleccione Time Graph. Seleccione Editar. 15. Defina 5 como o tempo de recolha entre as amostras e prima Next. 16. Defina 36 como o total de recolhas e prima Next. 17. Prima OK. 18. Prima Start, quando iniciar o registo. b) Com o material laboratorial: 1. Numere os tubos de 1 a 5 e coloque-os no suporte. 2. Deite 10 ml de H2O2 em cada um dos tubos. 3. Acrescente 5 gotas de HCl no tubo 3 e 5 gotas de NaOH no tubo 4. 4. Verifique o pH nos tubos 3 e 4 utilizando o sensor de pH. 5. Coloque um fragmento de cerca de 200 mg de fígado cru no frasco.
  • 12. 6. Verta o conteúdo do tubo 1 no frasco do sensor de O2, tendo o cuidado para que este não entre em contacto com o fígado e coloque imediatamente o sensor. 7. Inicie o registo dos resultados logo que a solução entre em contacto com o fígado. 8. Repita este passo de acordo com as indicações do quadro seguinte, tendo o cuidado de não tocar no material biológico.
  • 13. Tubo Procedimento Resultados 1 H2O2 + fígado cru Há libertação de O2 2 H2O2 + fígado cru triturado Há um aumento da libertação de O2 em relação ao tubo anterior 3 H2O2 + 5 gotas de HCl + fígado cru Libertação de O2 semelhante ao tubo anterior 4 H2O2 + 5 gotas de NaOH + fígado cru Não há libertação de O2 5 H2O2 + fígado cozido Não há libertação de O2 9. Elabore o relatório do trabalho efectuado, procurando responder às seguintes questões: 9.1 Procure explicar as diferenças de resultados entre os tubos 1 e 2 Verificou-se maior libertação de O2 no tubo 2 porque, ao triturarmos o fígado, aumentamos a superfície de contacto com a enzima, daí haver maior libertação de O2 9.2 O que pode concluir acerca do pH óptimo da enzima catalase? O pH óptimo da enzima é 2,8, logo pH ácido, uma vez que comparando os tubos 3 e 4, apenas houve libertação de O2 no tubo 3 9.3 Como explica os resultados do tubo 5? Ao cozermos o fígado, este foi sujeito a temperaturas elevadas, assim ocorreu a desnaturação das enzimas e por isso não houve reacção. Avaliação da actividade 10. Avalie a actividade que acabou de realizar, respondendo às seguintes questões: Sim Não 1. Achou que o protocolo o ajudou na concretização da actividade? 2. Achou a actividade interessante? 3. Teve dificuldade em tirar conclusões? 4. Mudaria alguma coisa no protocolo da actividade? 5. Achou que o tempo para a realização da actividade foi suficiente?
  • 14. 11.Se respondeu, afirmativamente à pergunta 4, indique o que alteraria no protocolo. FIM A professora: Fátima Carvalho