SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Faculdade Maurício de Nassau
Bioquímica
AULA PRÁTICA I:
RELATÓRIO DE PRECIPITAÇÃO DE PROTEÍNAS
Aluna: Ilana Farias Andrade de Moura
Bacharel em Enfermagem - Noite C
Prof° - Sra. Thaís Pontes
Fortaleza / Ceará
20.05.13
2
ÍNDICE
1. Introdução ------------------------------------------------------------------------------- 3
2. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------- 4
3. Materiais e métodos -------------------------------------------------------------------- 5
4. Resultados e discussões ---------------------------------------------------------------- 7
5. Conclusão -------------------------------------------------------------------------------- 9
6. Referência Bibliográfica ------------------------------------------------------------- 10
3
INTRODUÇÃO
As proteínas são as moléculas orgânicas mais abundantes e importantes nas
células. São encontradas em todas as partes de todas as células, uma vez que são
fundamentais sob todos os aspectos da estrutura e função celulares. Existem muitas
espécies diferentes de proteínas, cada uma especializada para uma função biológica
diversa, como por exemplo, transporte de substâncias, manutenção da pressão, defesa
contra organismos estranhos. Além disso, a maior parte da informação genética é
expressa pelas proteínas. Pertencem à classe dos peptídeos, pois são formadas por
aminoácidos ligados entre si por ligações peptídicas, sendo esta uma ligação covalente
entre o grupo amino (-NH 2 ) e um aminoácido com o grupo carboxila (-COOH)
de outro aminoácido, através da formação de uma amida. Por estar muito próximo um
aminoácido do outro eles começam a interagir por pontes de hidrogênio. Essas
interações são do tipo ponte de hidrogênio e pontes de dissulfeto, interações
hidrofóbicas e interações iônicas. A desnaturação protéica se dá não só pelo calor, mas
também por extremos de pH, por alguns solventes orgânicos miscíveis com a água
(álcool e acetona, por exemplo), por certos solutos como uréia e cloridrato de
guanidínio ou por detergentes. Cada um desses agentes desnaturantes representa um
tratamento relativamente brando no sentido de que nenhuma ligação covalente na cadeia
polipepitídica é rompida. Os solventes orgânicos (uréia e detergente) agem
principalmente de modo a promover o rompimento de interações hidrofóbicas que
estabilizam as proteínas globulares; os extremos de pH alteram a carga líquida da
proteína, provocando a repulsão eletrostática e rompimento de algumas ligações de
hidrogênio.
A importância das proteínas, entretanto, está relacionada com suas funções no
organismo, e não com sua quantidade. Todas as enzimas conhecidas, por exemplo, são
proteínas; muitas vezes, as enzimas existem em porções muito pequenas. Mesmo assim,
estas substâncias catalisam todas as reações metabólicas e capacitam aos organismos à
construção de outras moléculas - proteínas, ácidos nucleicos, carboidratos e lipídios -
que são necessárias para a vida. O estudo de aspectos importantes da bioquímica nos
leva, invariavelmente, ao estudo de proteínas. Portanto, torna-se importante a existência
de métodos adequados de purificação e quantificação destes compostos. A purificação e
caracterização de uma proteína baseiam-se em suas características físico-químicas.
4
OBJETIVO
Analisar o comportamento da proteína ovoalbumina sob o efeito de diversos
fatores: temperatura, solventes orgânicos e altas concentrações salinas, podem ser feitos
experimentos no qual determinada proteína é exposta a diferentes condições. Para tal,
utilizaremos a albumina, presente na clara de ovo.
5
MATERIAIS DE MÉTODOS
1. Precipitação de proteínas por adição de sais neutros (efeito de força iônica)
a) Reagentes e soluções
- solução de clara de ovo
- solução saturada de sulfato de amônio [(NH4)2SO4]
- solução de NaCl
- água destilada
b) Vidraçaria e instrumental
- Pipeta
- 1 tudo de ensaio
* Preparo da solução de clara de ovo: Dissolver 3 ml de clara de ovo com 12 ml de
solução de NaCl 1%. Misturar.
** Preparo da solução saturada de (NH4)2SO4: Dissolva 7,7g de sulfato de amônia
(NH4)2SO4 em 10 ml de água destilada.
c) Procedimento
1. Em um tubo de ensaio, colocar 2 ml da solução de proteínas (clara do ovo);
2. Adicionar, deixando escorrer pelas paredes do tubo, 2 ml da solução de sulfato de
amônio;
3. Observe. Misture o conteúdo do tubo (por inversão) e anote os resultados.
4. Em um tubo de ensaio, colocar 2 ml da solução de proteínas (clara do ovo);
5. Adicionar, deixando escorrer pelas paredes do tubo, 2 ml da solução de NaCl 1%.
6. Observe.
2. Precipitação por ação do calor (desnaturação)
a) Reagentes e soluções
- solução de proteínas (solução de clara de ovo)
b) Vidraçaria e instrumental
- Pipeta
- 1 tudo de ensaio
c) Procedimento
1. Colocar 5 ml da solução de clara de ovo em um tubo de ensaio;
2. Deixar o tubo em banho-maria fervente por 5 minutos (o tubo também pode ser
6
aquecido direto na chama de um bico de Bunsen);
3. Retire o tubo do banho, observe e anote os resultados.
3. Precipitação das proteínas por solventes orgânicos
a) Reagentes e soluções
- solução de proteínas (clara de ovo)
- etanol (CH3CH2OH) 95% gelado
- acetona (CH3COCH3) gelada
- cloreto de sódio (NaCl) sólido
- água destilada
b) Vidraçaria e instrumental
- 04 tubos de ensaio
- pipetas (vidro ou plásticas)
c) Procedimento
OBS: trabalhar a baixa temperatura
1. Tome dois tubos de ensaio e coloque, em cada um, 2 ml da solução de proteínas;
2. Adicionar 4 ml de etanol gelado a cada tubo;
3. Agite;
4. Em um dos tubos, coloque uma pequena quantidade de NaCl sólido, sob agitação;
5. Observe e responda: qual o efeito do álcool sobre a proteína na presença e na
ausência do eletrólito?
6. Adicione 6 ml de água destilada e observe.
7. Repita as etapas anteriores substituindo o etanol por 4 ml de acetona gelada a
cada tubo;
8. Compare os resultados.
7
RESULTADOS E DISCURSSÕES
1. Precipitação de proteínas por adição de sais neutros (efeito de força iônica)
Foi dissolvido 2 ml de clara de ovo com 2 ml de solução de NaCl 1% e
observado. Viu-se que houve homogeneização parcial. Ocorreu precipitação da
albumina, pois em altas concentrações de sais as proteínas precipitam de suas soluções.
Em seguida, foi dissolvido 7,7g de sulfato de amônia (NH4)2SO4 em 10 ml de
água destilada e adicionada tudo de ensaio, onde o composto ficou trifásico com a
albumina no meio, houve precipitação da albumina.
Concluí-se que altas concentrações de sais precipitam proteínas de suas
soluções. Este fenômeno é denominado de salting out ou precipitação por sais. Os sais
desidratam as proteínas, atraindo as moléculas de água do meio, de modo a ficar menos
água disponível para as moléculas proteicas. A solubilidade de uma proteína depende da
quantidade de água disponível ao redor de seus grupos iônicos. Por outro lado, baixas
concentrações de sais podem aumentar a solubilidade de muitas proteínas. É o
fenômeno conhecido como salting in ou solubilização por sais. Isso pode ser explicado
através da interação entre os íons salinos e as cargas iônicas das proteínas, aumentando,
assim, o numero efetivo de cargas e a quantidade de moléculas de água fixadas à
ionosfera proteica. De modo geral, pequenos aumentos da força iônica solubilizam
melhor as proteínas, enquanto que aumentos maiores provocam a precipitação das
mesmas.
2. Precipitação por ação do calor (desnaturação)
Foi colocado 5 ml da solução de clara de ovo em um tubo de ensaio e deixado o
tubo em banho-maria fervente por 5 minutos. Observou-se que a substância ficou densa
e a albumina desnaturou, a desnaturação promove alterações que diminuem a
solubilidade da proteína, levando à sua precipitação.
As proteínas possuem uma estrutura tridimensional bem definida, da qual dependem
fundamentalmente suas propriedades físicas, químicas e biológicas. Essa estrutura é
relativamente sensível à ação do calor, que causa desorganização das cadeias peptídicas,
com consequente alteração na sua conformação. Esse fenômeno recebe o nome
de desnaturação, e altera as estruturas quaternária, terciária e secundária da
proteína levando-as até a sua estrutura primária.
A desnaturação promove alterações que diminuem a solubilidade da proteína,
levando à sua precipitação.
3. Precipitação das proteínas por solventes orgânicos
Em um tubo de ensaio foi inserido 2 ml da solução de proteínas e adicionado 4 ml
de etanol gelado, agitando-o. Colocado uma pequena quantidade de NaCl sólido, sob
agitação. Em seguida, adicionado 6 ml de água destilada. Observou-se que a proteína
precipitou ficando homogênea e densa. O etanol causa o rompimento das interações
fracas, por isso ocorre à precipitação.
8
Em um tubo de ensaio foi inserido 2 ml da solução de proteínas e adicionado 4
ml de cetona gelado, agitando-o. Colocado uma pequena quantidade de NaCl sólido,
sob agitação. Em seguida, adicionado 6 ml de água destilada. Observou-se que se
formou um conglomerado de proteínas no fundo do tudo de ensaio.
Solventes orgânicos que têm uma porção hidrofóbica (lipofílica) e uma porção
polar são agentes de precipitação de macromoléculas. Os grupos polares interagem
com grupos polares proteicos em competição com moléculas de água. Os grupos
hidrofóbicos podem romper interações intramoleculares estabilizantes da estrutura da
proteína. Um volume elevado de solvente orgânico reduz a concentração efetiva da
água, deixando menos moléculas de água para hidratação da proteína. Isto é,
modificam a camada de solvatação das proteínas.
A precipitação por solventes orgânicos depende muito da temperatura. Os
solventes orgânicos, quando utilizados a temperaturas baixas, são bastante úteis na
separação de misturas de proteínas. A temperaturas mais elevadas esses solventes
podem levar à desnaturação por rompimento das pontes de hidrogênio e
estabelecimento de interações apolares, importantes na manutenção da conformação
proteica.
9
CONCLUSÃO
Concluí-se que as proteínas possuem uma estrutura tridimensional bem definida
que está relacionada com suas propriedades físicas e biológicas. A modificação na
estrutura tridimensional nativa de uma proteína, com a consequente alteração de suas
propriedades é conhecida como desnaturação. A desnaturação envolve alterações nas
estruturas quaternária, terciária e secundária de proteínas, mas não da primária. A
desnaturação, usualmente decresce a solubilidade das proteínas. A diminuição da
solubilidade pode ser explicada pela exposição de radicais hidrofóbicos e outros que
prejudiquem a interação proteína-água e favoreçam a interação proteína-proteína. A
desnaturação é o evento primário e importante. A floculação e a coagulação, que muitas
vezes são confundidos com desnaturação de proteínas, são simplesmente manifestações
visíveis das alterações estruturais causadas pelos agentes desnaturantes. Existem vários
agentes desnaturantes de proteínas, tais como: calor, ácidos, álcalis, solventes orgânicos,
soluções concentradas de uréia e guanidina, detergentes, sais de metais pesados, etc.
Entre as alterações que se observam em decorrência da desnaturação protéica, pode-se
citar:diminuição da solubilidade, perda de atividade biológica (por exemplo, da ação
enzimática, da ação hormonal), aumento da reatividade de radicais da cadeia
polipeptídica, alterações na viscosidade e coeficiente de sedimentação, etc. A
precipitação com desnaturação, além de serem utilizadas para caracterizar a presença de
proteínas em solução, também são úteis para proceder a desprotenização de líquidos
biológicos para análise decomponentes não proteicos.
10
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Relatório bioquímica experimental: proteínas. Disponível em:
<http://www.ebah.com.br/content/ABAAABgX4AB/relatorio-bioquimica-
experimental-proteinas> Acessado em: 15/05/2013
Experimento de bioquímica. Disponível em:
<http://www.fcfar.unesp.br/alimentos/bioquimica/praticas_proteinas/precipitacao_protei
nas.htm> Acessado em: 15/05/2013
Proteínas: Reações de coloração e precipitação. Disponível em:
<http://pt.scribd.com/doc/29031871/PROTEINAS-Reacoes-de-coloracao-e-
precipitacao> Acessado em: 15/05/2013
Desnaturação de proteínas. Disponível em:
<http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/desnaturacao-proteinas.htm>
Acessado em: 15/05/2013
Extração, separação e purificação enzimática. Disponível em:
<http://www.eq.ufrj.br/biose/nukleo/aulas/Enzimol%20Grad/aula8.pdf> Acessado em:
19/05/2013
Proteínas. Disponível em:
<http://www.geocities.ws/laboratoriodebioquimica/index_arquivos/Page929.htm>
Acessado em: 19/05/2013
As proteínas. Classificação, estrutura e propriedades. Disponível em:
<http://www.insumos.com.br/aditivos_e_ingredientes/materias/298.pdf> Acessado em:
19/05/2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDoseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
David Quintino
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Ana Morais Nascimento
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Dhion Meyg Fernandes
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Ivys Antônio
 
MUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCALMUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCAL
Laerson Psico
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
Ezequias Guimaraes
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
ADSONTORREZANE
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
Léo Morais
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Gabriela Begalli
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Lauryenne Oliveira
 
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
Aula 1   introdução a bioquímica metabólica Aula 1   introdução a bioquímica metabólica
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
Silvana Arage
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
Messias Miranda
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Rômulo Alexandrino Silva
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
Dianna Grandal
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Karen Pirovano
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
Márcia Anjos
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
Adrianne Mendonça
 

Mais procurados (20)

Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do VinagreRelatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
Relatorio de Química Analítica II - Determinação da Acidez total do Vinagre
 
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) BioquímicaDoseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
Doseamento Das ProteíNas Pelo MéTodo Do Bioreto (RelatóRio) Bioquímica
 
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralizaçãoRelatório prática 1 volumetria de neutralização
Relatório prática 1 volumetria de neutralização
 
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
Relatório - Volumetria de Complexação: determinação de dureza da água.
 
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
Relatório de preparo e padronização de HCl e H2SO4
 
MUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCALMUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCAL
 
Relatorio 5
Relatorio 5Relatorio 5
Relatorio 5
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: EXTRAÇÃO LÍQUIDO - LÍQUIDO
 
Relatório de química
Relatório de químicaRelatório de química
Relatório de química
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
54302847 relatorio-acidos-bases-e-oxidos
 
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - RelatórioSolubilidade e Miscibilidade - Relatório
Solubilidade e Miscibilidade - Relatório
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
 
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
Aula 1   introdução a bioquímica metabólica Aula 1   introdução a bioquímica metabólica
Aula 1 introdução a bioquímica metabólica
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
 
Relatorio 3 leite de magnésia
Relatorio 3  leite de magnésiaRelatorio 3  leite de magnésia
Relatorio 3 leite de magnésia
 
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8Relatório de cromatografia- organica - aula 8
Relatório de cromatografia- organica - aula 8
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 

Semelhante a Relatório precipitação das proteínas

1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
Adriana Mesquita
 
Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01
Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01
Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01
Giulianna Oehlmeyer
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
Jéssica Rodrigues'
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
CotucaAmbiental
 
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
SantiagoTeixeira2
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimica
EdvaldoAmaro1
 
Relatório Colóides
Relatório ColóidesRelatório Colóides
Relatório Colóides
Beatriz Rodrigues
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
Ionara Urrutia Moura
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Cátia Teixeira
 
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
evelynandrade25
 
Relatório dna helena_dias
Relatório dna helena_diasRelatório dna helena_dias
Relatório dna helena_dias
helenasvdias
 
Relatorio de química analítica ii determinação da acidez total do vinagre
Relatorio de química analítica ii   determinação da acidez total do vinagreRelatorio de química analítica ii   determinação da acidez total do vinagre
Relatorio de química analítica ii determinação da acidez total do vinagre
Dhion Meyg Fernandes
 
Catalase 3
Catalase 3Catalase 3
Catalase 3
TA 10
 
Laboratório 1
Laboratório   1Laboratório   1
Laboratório 1
essabiologia12a
 
Laboratório 1
Laboratório   1Laboratório   1
Laboratório 1
essabiologia12a
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Marcelo Costa
 
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
Claudiney C. Rodrigues
 
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Mountain Expedition
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
Hugo Fialho
 
Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)
Vera Figueredo Figueredo
 

Semelhante a Relatório precipitação das proteínas (20)

1ª aula prática proteínas
1ª aula prática  proteínas1ª aula prática  proteínas
1ª aula prática proteínas
 
Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01
Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01
Manualdeatividadesprticas gd-130515100228-phpapp01
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
 
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
Maria_de_Fatima_Carvalho_Marinha_Grande_factores_que_influenciam_a_act._enzim...
 
Apostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimicaApostila de praticas de fisico quimica
Apostila de praticas de fisico quimica
 
Relatório Colóides
Relatório ColóidesRelatório Colóides
Relatório Colóides
 
Quimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpoQuimica em nosso_corpo
Quimica em nosso_corpo
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
 
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
Do laboratório de biologia celular da faculdade de medicina da universidade d...
 
Relatório dna helena_dias
Relatório dna helena_diasRelatório dna helena_dias
Relatório dna helena_dias
 
Relatorio de química analítica ii determinação da acidez total do vinagre
Relatorio de química analítica ii   determinação da acidez total do vinagreRelatorio de química analítica ii   determinação da acidez total do vinagre
Relatorio de química analítica ii determinação da acidez total do vinagre
 
Catalase 3
Catalase 3Catalase 3
Catalase 3
 
Laboratório 1
Laboratório   1Laboratório   1
Laboratório 1
 
Laboratório 1
Laboratório   1Laboratório   1
Laboratório 1
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
Titulometria ou volumetria de complexação: análise da dureza da água potável ...
 
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
Biologia - Relatório da Extração de DNA do Kiwi (11º Ano)
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)Centro universitário campos de andrade (1)
Centro universitário campos de andrade (1)
 

Mais de Ilana Moura

Relatório de micologia
Relatório de micologiaRelatório de micologia
Relatório de micologia
Ilana Moura
 
Relatório Histologia
Relatório HistologiaRelatório Histologia
Relatório Histologia
Ilana Moura
 
Trabalho de genética humana
Trabalho de genética humanaTrabalho de genética humana
Trabalho de genética humana
Ilana Moura
 
Seminário choque e infarto
Seminário   choque e infartoSeminário   choque e infarto
Seminário choque e infarto
Ilana Moura
 
Cisticercose
CisticercoseCisticercose
Cisticercose
Ilana Moura
 
Aspectos éticos na ação gerencial do enfermeiro
Aspectos éticos na ação gerencial do enfermeiroAspectos éticos na ação gerencial do enfermeiro
Aspectos éticos na ação gerencial do enfermeiro
Ilana Moura
 
Histamina e Anti-histamínicos
Histamina e Anti-histamínicos Histamina e Anti-histamínicos
Histamina e Anti-histamínicos
Ilana Moura
 

Mais de Ilana Moura (7)

Relatório de micologia
Relatório de micologiaRelatório de micologia
Relatório de micologia
 
Relatório Histologia
Relatório HistologiaRelatório Histologia
Relatório Histologia
 
Trabalho de genética humana
Trabalho de genética humanaTrabalho de genética humana
Trabalho de genética humana
 
Seminário choque e infarto
Seminário   choque e infartoSeminário   choque e infarto
Seminário choque e infarto
 
Cisticercose
CisticercoseCisticercose
Cisticercose
 
Aspectos éticos na ação gerencial do enfermeiro
Aspectos éticos na ação gerencial do enfermeiroAspectos éticos na ação gerencial do enfermeiro
Aspectos éticos na ação gerencial do enfermeiro
 
Histamina e Anti-histamínicos
Histamina e Anti-histamínicos Histamina e Anti-histamínicos
Histamina e Anti-histamínicos
 

Último

Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 

Último (9)

Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 

Relatório precipitação das proteínas

  • 1. 1 Faculdade Maurício de Nassau Bioquímica AULA PRÁTICA I: RELATÓRIO DE PRECIPITAÇÃO DE PROTEÍNAS Aluna: Ilana Farias Andrade de Moura Bacharel em Enfermagem - Noite C Prof° - Sra. Thaís Pontes Fortaleza / Ceará 20.05.13
  • 2. 2 ÍNDICE 1. Introdução ------------------------------------------------------------------------------- 3 2. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------- 4 3. Materiais e métodos -------------------------------------------------------------------- 5 4. Resultados e discussões ---------------------------------------------------------------- 7 5. Conclusão -------------------------------------------------------------------------------- 9 6. Referência Bibliográfica ------------------------------------------------------------- 10
  • 3. 3 INTRODUÇÃO As proteínas são as moléculas orgânicas mais abundantes e importantes nas células. São encontradas em todas as partes de todas as células, uma vez que são fundamentais sob todos os aspectos da estrutura e função celulares. Existem muitas espécies diferentes de proteínas, cada uma especializada para uma função biológica diversa, como por exemplo, transporte de substâncias, manutenção da pressão, defesa contra organismos estranhos. Além disso, a maior parte da informação genética é expressa pelas proteínas. Pertencem à classe dos peptídeos, pois são formadas por aminoácidos ligados entre si por ligações peptídicas, sendo esta uma ligação covalente entre o grupo amino (-NH 2 ) e um aminoácido com o grupo carboxila (-COOH) de outro aminoácido, através da formação de uma amida. Por estar muito próximo um aminoácido do outro eles começam a interagir por pontes de hidrogênio. Essas interações são do tipo ponte de hidrogênio e pontes de dissulfeto, interações hidrofóbicas e interações iônicas. A desnaturação protéica se dá não só pelo calor, mas também por extremos de pH, por alguns solventes orgânicos miscíveis com a água (álcool e acetona, por exemplo), por certos solutos como uréia e cloridrato de guanidínio ou por detergentes. Cada um desses agentes desnaturantes representa um tratamento relativamente brando no sentido de que nenhuma ligação covalente na cadeia polipepitídica é rompida. Os solventes orgânicos (uréia e detergente) agem principalmente de modo a promover o rompimento de interações hidrofóbicas que estabilizam as proteínas globulares; os extremos de pH alteram a carga líquida da proteína, provocando a repulsão eletrostática e rompimento de algumas ligações de hidrogênio. A importância das proteínas, entretanto, está relacionada com suas funções no organismo, e não com sua quantidade. Todas as enzimas conhecidas, por exemplo, são proteínas; muitas vezes, as enzimas existem em porções muito pequenas. Mesmo assim, estas substâncias catalisam todas as reações metabólicas e capacitam aos organismos à construção de outras moléculas - proteínas, ácidos nucleicos, carboidratos e lipídios - que são necessárias para a vida. O estudo de aspectos importantes da bioquímica nos leva, invariavelmente, ao estudo de proteínas. Portanto, torna-se importante a existência de métodos adequados de purificação e quantificação destes compostos. A purificação e caracterização de uma proteína baseiam-se em suas características físico-químicas.
  • 4. 4 OBJETIVO Analisar o comportamento da proteína ovoalbumina sob o efeito de diversos fatores: temperatura, solventes orgânicos e altas concentrações salinas, podem ser feitos experimentos no qual determinada proteína é exposta a diferentes condições. Para tal, utilizaremos a albumina, presente na clara de ovo.
  • 5. 5 MATERIAIS DE MÉTODOS 1. Precipitação de proteínas por adição de sais neutros (efeito de força iônica) a) Reagentes e soluções - solução de clara de ovo - solução saturada de sulfato de amônio [(NH4)2SO4] - solução de NaCl - água destilada b) Vidraçaria e instrumental - Pipeta - 1 tudo de ensaio * Preparo da solução de clara de ovo: Dissolver 3 ml de clara de ovo com 12 ml de solução de NaCl 1%. Misturar. ** Preparo da solução saturada de (NH4)2SO4: Dissolva 7,7g de sulfato de amônia (NH4)2SO4 em 10 ml de água destilada. c) Procedimento 1. Em um tubo de ensaio, colocar 2 ml da solução de proteínas (clara do ovo); 2. Adicionar, deixando escorrer pelas paredes do tubo, 2 ml da solução de sulfato de amônio; 3. Observe. Misture o conteúdo do tubo (por inversão) e anote os resultados. 4. Em um tubo de ensaio, colocar 2 ml da solução de proteínas (clara do ovo); 5. Adicionar, deixando escorrer pelas paredes do tubo, 2 ml da solução de NaCl 1%. 6. Observe. 2. Precipitação por ação do calor (desnaturação) a) Reagentes e soluções - solução de proteínas (solução de clara de ovo) b) Vidraçaria e instrumental - Pipeta - 1 tudo de ensaio c) Procedimento 1. Colocar 5 ml da solução de clara de ovo em um tubo de ensaio; 2. Deixar o tubo em banho-maria fervente por 5 minutos (o tubo também pode ser
  • 6. 6 aquecido direto na chama de um bico de Bunsen); 3. Retire o tubo do banho, observe e anote os resultados. 3. Precipitação das proteínas por solventes orgânicos a) Reagentes e soluções - solução de proteínas (clara de ovo) - etanol (CH3CH2OH) 95% gelado - acetona (CH3COCH3) gelada - cloreto de sódio (NaCl) sólido - água destilada b) Vidraçaria e instrumental - 04 tubos de ensaio - pipetas (vidro ou plásticas) c) Procedimento OBS: trabalhar a baixa temperatura 1. Tome dois tubos de ensaio e coloque, em cada um, 2 ml da solução de proteínas; 2. Adicionar 4 ml de etanol gelado a cada tubo; 3. Agite; 4. Em um dos tubos, coloque uma pequena quantidade de NaCl sólido, sob agitação; 5. Observe e responda: qual o efeito do álcool sobre a proteína na presença e na ausência do eletrólito? 6. Adicione 6 ml de água destilada e observe. 7. Repita as etapas anteriores substituindo o etanol por 4 ml de acetona gelada a cada tubo; 8. Compare os resultados.
  • 7. 7 RESULTADOS E DISCURSSÕES 1. Precipitação de proteínas por adição de sais neutros (efeito de força iônica) Foi dissolvido 2 ml de clara de ovo com 2 ml de solução de NaCl 1% e observado. Viu-se que houve homogeneização parcial. Ocorreu precipitação da albumina, pois em altas concentrações de sais as proteínas precipitam de suas soluções. Em seguida, foi dissolvido 7,7g de sulfato de amônia (NH4)2SO4 em 10 ml de água destilada e adicionada tudo de ensaio, onde o composto ficou trifásico com a albumina no meio, houve precipitação da albumina. Concluí-se que altas concentrações de sais precipitam proteínas de suas soluções. Este fenômeno é denominado de salting out ou precipitação por sais. Os sais desidratam as proteínas, atraindo as moléculas de água do meio, de modo a ficar menos água disponível para as moléculas proteicas. A solubilidade de uma proteína depende da quantidade de água disponível ao redor de seus grupos iônicos. Por outro lado, baixas concentrações de sais podem aumentar a solubilidade de muitas proteínas. É o fenômeno conhecido como salting in ou solubilização por sais. Isso pode ser explicado através da interação entre os íons salinos e as cargas iônicas das proteínas, aumentando, assim, o numero efetivo de cargas e a quantidade de moléculas de água fixadas à ionosfera proteica. De modo geral, pequenos aumentos da força iônica solubilizam melhor as proteínas, enquanto que aumentos maiores provocam a precipitação das mesmas. 2. Precipitação por ação do calor (desnaturação) Foi colocado 5 ml da solução de clara de ovo em um tubo de ensaio e deixado o tubo em banho-maria fervente por 5 minutos. Observou-se que a substância ficou densa e a albumina desnaturou, a desnaturação promove alterações que diminuem a solubilidade da proteína, levando à sua precipitação. As proteínas possuem uma estrutura tridimensional bem definida, da qual dependem fundamentalmente suas propriedades físicas, químicas e biológicas. Essa estrutura é relativamente sensível à ação do calor, que causa desorganização das cadeias peptídicas, com consequente alteração na sua conformação. Esse fenômeno recebe o nome de desnaturação, e altera as estruturas quaternária, terciária e secundária da proteína levando-as até a sua estrutura primária. A desnaturação promove alterações que diminuem a solubilidade da proteína, levando à sua precipitação. 3. Precipitação das proteínas por solventes orgânicos Em um tubo de ensaio foi inserido 2 ml da solução de proteínas e adicionado 4 ml de etanol gelado, agitando-o. Colocado uma pequena quantidade de NaCl sólido, sob agitação. Em seguida, adicionado 6 ml de água destilada. Observou-se que a proteína precipitou ficando homogênea e densa. O etanol causa o rompimento das interações fracas, por isso ocorre à precipitação.
  • 8. 8 Em um tubo de ensaio foi inserido 2 ml da solução de proteínas e adicionado 4 ml de cetona gelado, agitando-o. Colocado uma pequena quantidade de NaCl sólido, sob agitação. Em seguida, adicionado 6 ml de água destilada. Observou-se que se formou um conglomerado de proteínas no fundo do tudo de ensaio. Solventes orgânicos que têm uma porção hidrofóbica (lipofílica) e uma porção polar são agentes de precipitação de macromoléculas. Os grupos polares interagem com grupos polares proteicos em competição com moléculas de água. Os grupos hidrofóbicos podem romper interações intramoleculares estabilizantes da estrutura da proteína. Um volume elevado de solvente orgânico reduz a concentração efetiva da água, deixando menos moléculas de água para hidratação da proteína. Isto é, modificam a camada de solvatação das proteínas. A precipitação por solventes orgânicos depende muito da temperatura. Os solventes orgânicos, quando utilizados a temperaturas baixas, são bastante úteis na separação de misturas de proteínas. A temperaturas mais elevadas esses solventes podem levar à desnaturação por rompimento das pontes de hidrogênio e estabelecimento de interações apolares, importantes na manutenção da conformação proteica.
  • 9. 9 CONCLUSÃO Concluí-se que as proteínas possuem uma estrutura tridimensional bem definida que está relacionada com suas propriedades físicas e biológicas. A modificação na estrutura tridimensional nativa de uma proteína, com a consequente alteração de suas propriedades é conhecida como desnaturação. A desnaturação envolve alterações nas estruturas quaternária, terciária e secundária de proteínas, mas não da primária. A desnaturação, usualmente decresce a solubilidade das proteínas. A diminuição da solubilidade pode ser explicada pela exposição de radicais hidrofóbicos e outros que prejudiquem a interação proteína-água e favoreçam a interação proteína-proteína. A desnaturação é o evento primário e importante. A floculação e a coagulação, que muitas vezes são confundidos com desnaturação de proteínas, são simplesmente manifestações visíveis das alterações estruturais causadas pelos agentes desnaturantes. Existem vários agentes desnaturantes de proteínas, tais como: calor, ácidos, álcalis, solventes orgânicos, soluções concentradas de uréia e guanidina, detergentes, sais de metais pesados, etc. Entre as alterações que se observam em decorrência da desnaturação protéica, pode-se citar:diminuição da solubilidade, perda de atividade biológica (por exemplo, da ação enzimática, da ação hormonal), aumento da reatividade de radicais da cadeia polipeptídica, alterações na viscosidade e coeficiente de sedimentação, etc. A precipitação com desnaturação, além de serem utilizadas para caracterizar a presença de proteínas em solução, também são úteis para proceder a desprotenização de líquidos biológicos para análise decomponentes não proteicos.
  • 10. 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Relatório bioquímica experimental: proteínas. Disponível em: <http://www.ebah.com.br/content/ABAAABgX4AB/relatorio-bioquimica- experimental-proteinas> Acessado em: 15/05/2013 Experimento de bioquímica. Disponível em: <http://www.fcfar.unesp.br/alimentos/bioquimica/praticas_proteinas/precipitacao_protei nas.htm> Acessado em: 15/05/2013 Proteínas: Reações de coloração e precipitação. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/29031871/PROTEINAS-Reacoes-de-coloracao-e- precipitacao> Acessado em: 15/05/2013 Desnaturação de proteínas. Disponível em: <http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/desnaturacao-proteinas.htm> Acessado em: 15/05/2013 Extração, separação e purificação enzimática. Disponível em: <http://www.eq.ufrj.br/biose/nukleo/aulas/Enzimol%20Grad/aula8.pdf> Acessado em: 19/05/2013 Proteínas. Disponível em: <http://www.geocities.ws/laboratoriodebioquimica/index_arquivos/Page929.htm> Acessado em: 19/05/2013 As proteínas. Classificação, estrutura e propriedades. Disponível em: <http://www.insumos.com.br/aditivos_e_ingredientes/materias/298.pdf> Acessado em: 19/05/2013