SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
capítulo 13
Universidade de Brasília - UnB
Introdução à Administração
Erica Byanca, Jamily Martins, Mariana Andrade e Neireth Eucania
OBJETIVOS
Descrever o processo da liderança e seus componentes,
Descrever os estilos básicos de liderança e suas variantes, e
Relacionar o estilo de liderança e as motivações dos liderados.
INTRODUÇÃO
Desempenhar o papel de líder é exercer influência no
comportamento dos liderados.
O líder precisa dos liderados para realizar metas e
vice-versa.
A capacidade de liderar está intimamente ligada com o
processo da motivação.
O motivo dos liderados é a identidade de interesses
entre suas necessidades, valores e inspirações e as
proposições do líder.
1- LIDERANÇA COMO UM
PROCESSO SOCIAL
Segundo Douglas McGregor, a liderança é um processo
em que interagem quatro variáveis: motivações dos
liderados, tarefa ou missão, o líder e conjuntura.
O que é a liderança?
Uma pessoa (ou grupo) tem liderança quando
consegue conduzir ações ou influenciar o
comportamento de outras pessoas.
Liderança é a realização de uma meta por meio da
direção de colaboradores humanos. A pessoa que
comanda com sucesso seus colaboradores para
alcançar finalidades específicas é um líder. Um grande
líder é aquele que tem essa capacidade dia após dia, ano
após ano, numa grande variedade de situações.
A liderança ocorre quando há líderes que induzem
seguidores a realizar certos objetivos que representam
os valores e as motivações - desejos e necessidades,
aspirações e expectativas - tanto dos líderes quanto dos
seguidores. A genialidade da liderança está na forma como
os líderes enxergam e trabalham os valores e motivações
tanto seus quanto de seus seguidores.
Liderança é o uso da influência não coercitiva para
dirigir as atividades os membros de um grupo e levá-los à
realização de seus próprios objetivos.
Os quatro componentes do complexo processo social da
liderança, segundo Douglas McGregor:
Processo
social da
liderança
Líder Conjuntura
Tarefa ou
missão proposta
pelo líder
Motivações
dos
liderados
1.1 - MOTIVAÇÕES DOS
LIDERADOS
Segundo Petracca:
Líder e liderados encontram-se numa relação de
influência recíproca.
Os liderados classificam-se em duas categorias, de
acordo com suas motivações: os fiéis e os mercenários.
“Líderes são os que, em um grupo, ocupam uma
posição de poder, e que têm condições de influenciar,
de forma determinante, todas as decisões de caráter
estratégico. O poder é exercido ativamente e encontra
legitimação na correspondência com as expectativas do
grupo.”
1.2 - TAREFA OU
MISSÃO
Segundo William Safire, as pessoas que pretendem ser
líderes se perguntam:
A primeira regra no processo de tornar-se um líder,
segundo Safire, é focalizar a missão
Há dois tipos de missão, que correspondem aos dois tipos
de liderados de Petracca: moral (líder transformador ou
carismático) e calculista (líder transacional).
Para onde quero levar esta empresa (ou grupo, exército,
cidade ou nação)? Como realizo meu plano de sair do
aqui e agora para o até lá e depois?
1.3 - O LÍDER
A liderança sempre está sempre ligada a pessoas. É uma
função, papel ou tarefa que qualquer pessoa
desempenha, quando é responsável por um grupo.
Independente de suas competências, muitas pessoas são
colocadas em posições de liderança.
Até hoje não se conseguiu identificar um conjunto de
traços de personalidade comum a todos os líderes. Alguns
dos traços de personalidade mais característicos dos
líderes são determinação, iniciativa nas relações
pessoais, vontade de liderar e autoconfiança.
David McClelland identificou no líder a necessidade
de poder (o interesse em perseguir, ocupar e exercitar
posições de poder).
Também, segundo McClelland, a necessidade de
poder tem duas manifestações: a busca por satisfação
pessoal por meio da influência sobre o comportamento
alheio e a satisfação de metas coletivas, com ênfase ao
poder social ou institucional.
1.4 - CONJUNTURA
É representada pelo meio organizacional e social em que
ocorre o processo de liderança. O meio influencia o
comportamento do líder e dos liderados e define o modelo
de liderança a ser seguido. As diferenças culturais, por
exemplo, definem qual é o comportamento apropriado nas
relações entre líderes e liderados. Por isso, o
administrador deve ter um profundo entendimento da
conjuntura, especialmente se pretende desempenhar com
sucesso a liderança em diferentes conjunturas.
Segundo Mintzberg, a liderança é um complexo de
habilidades. E a habilidade de comunicação é o alicerce
da liderança por ser o meio de persuadir, inspirar e motivar
os seguidores.
2- ESTILO DE
L I D E R A N Ç A
São empregados dois termos para definir, estilos básicos de liderança: a
autocracia e a democracia. Esses por sua vez desdobram-se em outros,
dependendo da situação ou da maneira como o líder se relaciona com os
liderados, todos podem ser válidos e eficazes.
Tais estilos são reconhecidos desde a Antiguidade
clássica, assim como suas disfunções: excesso de
democracia (a demagogia, processo que consiste em
buscar a popularidade com os governantes) e a tirania
tirania autocracia democracia demagogia
liderança
orientada para
a tarefa
liderança
orientada para
as pessoas
(abuso da autoridade). Ao longo dos séculos, o conceito
não mudou. Apenas outros nomes para as mesmas ideias,
como mostra a figura abaixo:
2.1 - LIDERANÇA
ORIENTADA PARA A
TAREFA
Na liderança orientada para tarefas, a liderança diretiva e
a autocracia são mais comuns para indicar os estilos em
que o poder de tomar decisões está concentrada no líder.
Liderança orientada para a tarefa
Concentração do poder de
decisão no líder e ênfase na
realização da tarefa ou missão
Liderança autoritária
Liderançaautocrática
Liderançadiretiva
Um líder autocrático:
Toma decisões sem consultar sua equipe.
Está muito mais preocupado com a tarefa do que com
o grupo que a executa.
Concentra sua atençao no desempenho do funcionário
ou grupo, enfatizando o cumprimento de prazos, os
padrões de qualidade e a economia de custos.
Insiste na necessidade de cumprir as metas.
Insiste na necessidade de superar a concorrência ou
um rival dentro da mesma organização, ou o desemprenho
passado.
Define com precisão as responsabilidades individuais e
designa tarefas específicas para pessoas específicas.
Dá ênfase à cobrança e avaliação do desempenho de
seus funcionários.
Mantém distância de seus funcionários ou sua equipe.
2.2 - LIDERANÇA
ORIENTADA PARA AS
PESSOAS
O estilo democrático, liderança participativa e liderança
orientada para as pessoas, indicam algum graus de
participação dos funcionários no poder do chefe ou em
suas decisões. Nesse tipo de liderança quanto mais
decisões do líder influenciadas pelo grupo, mais
democrático é o comportamento do líder.
Orientada para as pessoas
Participação dos liderados no
poder de decisão e ênfase na
equipe
Liderança consultiva
Liderançaparticipativa
Liderançademocrática
Um líder democrático:
Acretida que deve criar um clima em que as pessoas
sintam-se confortáveis.
Focaliza sua atenção no próprio funcionário ou no
grupo, enfatizando as relações humanas e o
desenvolvimento da capacidade de trabalhar em equipe.
Pede opiniões ou sugestões de decisões, ouve, presta
atenção e usa as ideias do grupo.
Dedica parte significativa de seu tempo à orientação
dos integrantes de sua equipe.
É amigável.
Apoia e defende os funcionários.
Insiste com os integrantes de sua equipe para que
aceitem responsabilidades e tomem a iniciativa de resolver
problemas.
2.3 - A RÉGUA DA
LIDERANÇA
Como já evidenciado antes a Autocracia ou liderança
orientada para a tarefa e a Democracia ou liderança
orientada para as pessoas, são os estilos básicos, que se
desdobram em outros. Tannenbaum e Schmidt
desenvolveram a ideia de uma escala ou régua dos estilos
de liderança, para explicar como isso ocorre. Nessa régua,
a autoridade do gerente e a autonomia dos liderados se
combina. Conforme a autoridade do gerente aumenta, a
autoridade dos liderados diminui (o grau de autocracia
aumenta) e quando acontece o contrário (o grau de
democracia aumenta).
o gerente decide
e comunica a
decisão
o gerente “vende”
a decisão
o gerente
apresenta ideias
e promove
debates
o gerente
apresenta uma
decisão possível,
sujeita a
mudança
o gerente
apresenta o
problema, pede
sugestões e
toma a decisão
o gerente define
limites, dentro
dos quais o
grupo decide
o gerente
permite que a
equipe trabalhe
sozinha dentro
dos limites
AMPLITUDE DO COMPORTAMENTO
Uso de autoridade pelo gerente
Área de liberdade dos subordinados
LIDERANÇA ORIENTADA PARA O CHEFE LIDERANÇA ORIENTADA PARA OS SUBORDINADOS
2.4 - LIDERANÇA
BIDIMENSIONAL
A liderança orientada para tarefas e a liderança orientada
para as pessoas, foram considerados estilos opostos por
muito tempo, mutuamente excludentes. Mas as ideias
avançadas sobre a liderança recenhecem que podemos
combinar vários graus de autocracia e democracia em
nossa maneira de lidar com funcionários e equipes. O
estilo tarefa e estilo pessoas são duas réguas que se
combinam e formam os limites de um território, permitindo
identificar não dois, mas pelo menos quatro estilos
básicos de liderança.
muita ênfase
nas pessoas,
pouca na tarefa
muita ênfase
nas pessoas e
na tarefa
pouca ênfase
nas pessoas e
na tarefa
muita ênfase na
tarefa, pouca
nas pessoas
LIDERANÇA ORIENTADA PARAAS
PESSOAS
LIDERANÇAORIENTADAPARAA
TAREFA
Um dos modelos mais populares que procuram explicar a
liderança, combinando os dois estilos, é a grade de Blake
e Mouton, autores que propõem cinco estilos:
1.9
Administração do tipo “clube de
campo”; uma cuidadosa atenção
às necessidades de
relacionamentos das pessoas
produz uma atmosfera amigável e
um ritmo de trabalho confortável
9.9
Administração do tipo “gerência de
equipes”: o trabalho é realizado por
pessoas comprometidas, a
interdependência que resulta do sentido
de “mesmo barco” produz um ambiente
de relacionamento de cnfiança e
respeito.
5.5
Administração do tipo “funcionário”: o desempenho
adequado da organização é alcançado por meio do
equilíbrio entre a necessidade de trabalho e a
manutenção do moral das pessoas em nível satisfatório
Líder-tarefa, orientação para a produção.
Líder-pessoas, orientação para as
pessoas.
Líder negligente, que não se preocupa
com tarefas nem pessoas.
Líder-equipe, orientado simultaneamente
para pessoas e tarefas.
Líder meio-termo, medianamente
preocupado com o resultado e pessoas.
1.1
Administração precária: a permanência
como membro da organização requer
um mínimo de esforço para fazer o
serviço
9.1
Autoridade e obediência: a
eficiência das operações é
produto de um sistema de
trabalho no qual a interferência
do elemento humano é mínima
1 2 3 4 5 6 7 8 9
123456789
baixa ÊNFASE NA PRODUÇÃO alta
baixaÊNFASENASPESSOASalta
3- QUAL ESTILO É
M A I S E F I C A Z ?
Eficácia: É a capacidade de fazer aquilo que é preciso,
que é certo para se alcançar determinado objetivo. É
escolher os melhores meios e produzir um produto
adequado ao mercado.
A EFICÁCIA DO ESTILO DE
LIDERANÇA
A eficácia do estilo de liderança é avaliada pelo efeito
sobre o desempenho da tarefa e sobre a satisfação do
liderado. Se o liderado mostrar-se satisfeito e, ao mesmo
tempo, apresentar desempenho satisfatório, o estilo é
eficaz.
Para ser eficaz, o estilo de liderança tem de ser
apropriado à situação.
4-LIDERANÇA SITUACIONAL
GROSS NATIONAL
HAPPINESS
A Felicidade Interna Bruta (FIB) é um indicador sistêmico
desenvolvido no Butão. O conceito nasceu em 1972,
elaborado pelo rei butanês Jigme Singya Wangchuck.
Desde então, o reino de Butão, com o apoio do PNUD
(Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento),
começou a colocar esse conceito em prática, e atraiu a
atenção do resto do mundo com sua nova fórmula para
medir o progresso de uma comunidade ou nação. Assim, o
cálculo da “riqueza” deve considerar outros aspectos além
do desenvolvimento econômico, como a conservação do
meio ambiente e a qualidade da vida das pessoas.
FIB é baseado na premissa de que o objetivo principal de
uma sociedade não deveria ser somente o crescimento
econômico, mas a integração do desenvolvimento
material com o psicológico, o cultural e o espiritual –
sempre em harmonia com a Terra.
4.1 - MODELO DE
TENNENBAUM E
SCHIMIDT
Tannenbaum e Schrmidt propõe 3 critérios para avaliar a
situação:
O LÍDER: O próprio líder é um dos principais
componentes da situação. A forma como o líder se
comporta é influenciada principalmente pela sua formação,
conhecimento, valores e experiência. Uma pessoa que
valorize a iniciativa e a liberdade, por exemplo, tende a dar
prioridade aos comportamentos democráticos.
OS FUNCIONÁRIOS: As características dos
funcionários influenciam a escolha e a eficácia do estilo de
liderança.
A ORGANIZAÇÃO: O clima da organização, o grupo
4.2 - MODELO DE
FIEDLER
Fred Fiedler entende que as situações que os lideres
enfrentam podem ser avaliadas em termos de três
características que permitem avaliar o “grau de
favorabilidade” da situação para o líder.
de trabalho, a natureza da tarefa e a pressão do tempo
caracterizam a situação dentro da qual os estilos
funcionam com maior ou menor eficácia.
Fiedler e outros pesquisadores analisaram diferentes
situações em inúmeras organizações, por meio de
questionários que medem o estilo do líder e as
características da situação e chegaram às seguintes
conclusões:
A liderança orientada para tarefa é eficaz nas
situações que são muito favoráveis ou muito desfavoráveis
para o líder.
A liderança orientada para pessoas é eficaz nas
situações de dificuldade intermediária.
Relação entre
líder e
liderados
positivas situação
favorável
negativas situação
desfavorável
Grau de
estruturação da
tarefa
alto situação
favorável
baixo situação
desfavorável
Poder da
posição
muito situação
favorável
pouco situação
desfavorável
4.3 - MODELO DE
HERSEY-BLANCHARD
Para esses autores, a maturidade do subordinado,
avaliada em termos de grau de capacidade e interesse de
fazer um bom trabalho, é a principal característica da
situação que qualquer líder enfrenta. Quanto mais maduro
o seguidor, menos intenso deve ser o uso da autoridade
pelo líder e mais intensa a orientação para o
relacionamento. Inversamente, a imaturidade deve ser
gerenciada por meio do uso “forte” da autoridade, com
pouca ênfase no relacionamento. A ideia principal de
Hersey e Blanchard, divide-se em quatro estilos ou
formas de liderança:
COMANDO: Adequado a pessoas com baixo nível de
maturidade, prevê alto nível de comportamento orientado
para tarefa, com pouca ênfase no relacionamento.
VENDA: Esse estilo compreende alto nível de
comportamentos orientados simultaneamente para tarefa e
relacionamento e ajusta-se para pessoas com elevada
vontade de assumir responsabilidades, mas pouca
experiência ou conhecimento. Hipóteses a respeito da
liderança situacional
PARTICIPAÇÃO: Orienta-se fortemente para o
relacionamento, com pouca ênfase na tarefa, e ajusta-se
com grande competência, mas pouco interesse em
assumir responsabilidades.
DELEGAÇÃO: Esse estilo consiste em dar pouca
atenção tanto à tarefa quanto ao relacionamento,
ajustando-se a pessoas que tenham as condições ideais
para assumir responsabilidades – competência e
motivação.
5- BASES MOTIVACIONAIS
D A L I D E R A N Ç A
Baseiam-se na divisão do poder de decisão entre o líder e os liderados.
Há outros modelos de liderança, que focalizam não a forma como as decisões
são tomadas, mas o tipo de recompensa que o líder oferece.
5.1 - LIDERANÇA
CARISMÁTICA
Observa-se neste tipo de liderança a predominância da
moral e liderados fiéis, já que o líder carismático preza
os valores e padrões, criando meios que os guiam às
esforços coletivos em direção das metas. Em
consequência seus liderados superam seus próprios
interesses e trabalham excepcionalmente para realizar a
missão, meta ou causa. Essa capacidade de influência do
líder, apela às emoções dos seguidores estimulando sua
identificação com o líder, inspirando para que o liderado
vejam os problemas de maneira diferente, dando o
máximo de si e apresentando novas ideias.
Característica
líder transformador líder inspirador
líder renovador líder revolucionário
Agente de Mudança
Recompensas
oferece recompensas de
conteúdo moral e tem
seguidores fiéis
liderados trabalham por
metas, missão ou
causas
oportunidade de
crescimento
Recompensas Simbólicas
oportunidade de
crescimento
5.2 - LIDERANÇA
TRANSACIONAL
Esse tipo de líder apela para os interesses, dando
importância às necessidades primárias dos liderados. O
líder transacional oferece recompensas materiais ou
psicológicas, conseguindo em troca um compromisso de
tipo calculista. Tanto o funcionário (ou líder e liderado), em
uma relação transacional enxergam o trabalho como um
sistema de trocas entre contribuições e recompensas.
Característica
líder negociador líder manipulador
Líder baseado na promessa de recompensas
Recompensas
apela para interesses,
especialmente as
necessidades primárias
oferece recompensas
materiais ou
psicológicas
Aumentos salariais Promoções
5.3 - QUAL
RECOMPENSA É A
MAIS EFICAZ?
Habitualmente o trabalho é realizado sem qualquer
interesse em recompensas materiais, porém as duas
formas de liderar são importantes levando em conta a
situação e até que ponto as recompensas tem valor ou
não, pois produzem efeito sobre diferentes dimensões da
motivação da equipe.
Pirâmide das necessidades de Maslow, o efeito das recompensas
sobre motivação.
6 - A L É M D A
L I D E R A N Ç A
O estudo da liderança está muito ligado ao entendimento
dos mecanismos da influência entre líderes e seguidores.
O objetivo final é desenvolver habilidades de liderança
em gerentes, de modo a torná-los mais eficazes em suas
tarefas que envolvem a direção de pessoas. Este objetivo
está ligado à tradicional concepção do gerente como
“chefe de pessoas”. À medida que evoluem as
concepções sobre administração de organizações e os
papel dos gerentes, é natural que evoluam também as
teorias sobre a liderança.
No século XXI, o processo de autogestão é de grande
importância, pois tem ação transformadora nas tarefas
dos gerentes, que precisam muito mais das habilidades de
liderança do que dos poderes de chefia. Steven Kerr
afirma que certas características da organização podem,
de fato, minimizar a necessidade da liderança, sendo as
pessoas capazes de tomar conta de si próprias dentro das
condições ao lado:
As pessoas têm as competências necessárias para
executar suas tarefas e avançar, aceitando novos desafios.
As pessoas conhecem os mecanismos da autogestão.
A organização tem suas tarefas estruturadas e é capaz
de se ajustar a novas circunstâncias, por meio da
participação de seus integrantes.
A organização favorece a autonomia , a autogestão e o
aprendizado contínuo.
O ponto de vista de Kerr coincide com o de A. N.
Whitehead: “O problema não é como produzir grandes
homens, mas como produzir grandes sociedades. A
grande sociedade fornece os homens para as ocasiões.”
FIM
Perguntas?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SemináRio LiderançA
SemináRio LiderançASemináRio LiderançA
SemináRio LiderançAOCWillians
 
GestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNciasGestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNciasNovezala
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDertati_spazziano
 
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura OrganizacionalAula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura OrganizacionalProf. Leonardo Rocha
 
Liderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício AndradeLiderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício AndradeMaurício Andrade
 
Palestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipePalestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipeMarcely Santos
 
CICLO PDCA: Plan-Do-Check-Act
CICLO PDCA: Plan-Do-Check-ActCICLO PDCA: Plan-Do-Check-Act
CICLO PDCA: Plan-Do-Check-ActDaniel Faria
 
Motivação no trabalho - Slides.ppt
Motivação no trabalho - Slides.pptMotivação no trabalho - Slides.ppt
Motivação no trabalho - Slides.pptGeorgeAlves8
 
Treinamento para líderes
Treinamento para líderesTreinamento para líderes
Treinamento para líderesMariana Correa
 
Liderança Situacional
Liderança SituacionalLiderança Situacional
Liderança SituacionalAdm Unime
 
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...Janaina Ferreira
 

Mais procurados (20)

Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
SemináRio LiderançA
SemináRio LiderançASemináRio LiderançA
SemináRio LiderançA
 
GestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNciasGestãO De CompetêNcias
GestãO De CompetêNcias
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
 
Liderança de equipes
Liderança de equipesLiderança de equipes
Liderança de equipes
 
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura OrganizacionalAula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
Aula 4 - Dimensão 1 - Elementos da Estrutura Organizacional
 
Aula de chefia e liderança
Aula de chefia e liderança Aula de chefia e liderança
Aula de chefia e liderança
 
Liderança e motivação
Liderança e motivaçãoLiderança e motivação
Liderança e motivação
 
Liderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício AndradeLiderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício Andrade
 
Estilos lideranca
Estilos liderancaEstilos lideranca
Estilos lideranca
 
Palestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipePalestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipe
 
CICLO PDCA: Plan-Do-Check-Act
CICLO PDCA: Plan-Do-Check-ActCICLO PDCA: Plan-Do-Check-Act
CICLO PDCA: Plan-Do-Check-Act
 
Workshop PDL -Programa de Desenvolivmento de Líderes e Gestores
Workshop PDL -Programa de Desenvolivmento de Líderes e GestoresWorkshop PDL -Programa de Desenvolivmento de Líderes e Gestores
Workshop PDL -Programa de Desenvolivmento de Líderes e Gestores
 
Liderança 01
Liderança 01Liderança 01
Liderança 01
 
Motivação no trabalho - Slides.ppt
Motivação no trabalho - Slides.pptMotivação no trabalho - Slides.ppt
Motivação no trabalho - Slides.ppt
 
Treinamento para líderes
Treinamento para líderesTreinamento para líderes
Treinamento para líderes
 
Liderança Situacional
Liderança SituacionalLiderança Situacional
Liderança Situacional
 
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança   lider coach, feedback, des ...
Aula 03, 04, 05 e 06 gestao pessoas e liderança lider coach, feedback, des ...
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
 

Semelhante a Liderança - Introdução à Administração (IADM)

Semelhante a Liderança - Introdução à Administração (IADM) (20)

Liderança.pptx
Liderança.pptxLiderança.pptx
Liderança.pptx
 
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Aula 4   comportamento mesoorganizacionalAula 4   comportamento mesoorganizacional
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
 
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em ComércioComportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
 
Artigo lider equipes
Artigo lider equipesArtigo lider equipes
Artigo lider equipes
 
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇAEXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
 
Aula 2 adminis
Aula 2 adminisAula 2 adminis
Aula 2 adminis
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
 
Liderença
LiderençaLiderença
Liderença
 
Estilo de liderança
Estilo de liderançaEstilo de liderança
Estilo de liderança
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
 
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizaçõesLiderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
Liderança e sua interferencia no trabalho em equipe nas organizações
 
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
 
6 coordenacaolideranca
6 coordenacaolideranca6 coordenacaolideranca
6 coordenacaolideranca
 
Apostilacompleta.doc
Apostilacompleta.docApostilacompleta.doc
Apostilacompleta.doc
 
Técnicas de liderança
Técnicas de liderançaTécnicas de liderança
Técnicas de liderança
 
Apresentacao dd1
Apresentacao dd1Apresentacao dd1
Apresentacao dd1
 
Apostila 04 -_2011
Apostila 04 -_2011Apostila 04 -_2011
Apostila 04 -_2011
 
LIDERANÇA-teorias tradicionais.pptx
LIDERANÇA-teorias tradicionais.pptxLIDERANÇA-teorias tradicionais.pptx
LIDERANÇA-teorias tradicionais.pptx
 

Último

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 

Último (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 

Liderança - Introdução à Administração (IADM)

  • 1. capítulo 13 Universidade de Brasília - UnB Introdução à Administração Erica Byanca, Jamily Martins, Mariana Andrade e Neireth Eucania
  • 2. OBJETIVOS Descrever o processo da liderança e seus componentes, Descrever os estilos básicos de liderança e suas variantes, e Relacionar o estilo de liderança e as motivações dos liderados.
  • 3. INTRODUÇÃO Desempenhar o papel de líder é exercer influência no comportamento dos liderados. O líder precisa dos liderados para realizar metas e vice-versa. A capacidade de liderar está intimamente ligada com o processo da motivação. O motivo dos liderados é a identidade de interesses entre suas necessidades, valores e inspirações e as proposições do líder.
  • 4. 1- LIDERANÇA COMO UM PROCESSO SOCIAL Segundo Douglas McGregor, a liderança é um processo em que interagem quatro variáveis: motivações dos liderados, tarefa ou missão, o líder e conjuntura.
  • 5. O que é a liderança? Uma pessoa (ou grupo) tem liderança quando consegue conduzir ações ou influenciar o comportamento de outras pessoas. Liderança é a realização de uma meta por meio da direção de colaboradores humanos. A pessoa que comanda com sucesso seus colaboradores para alcançar finalidades específicas é um líder. Um grande líder é aquele que tem essa capacidade dia após dia, ano após ano, numa grande variedade de situações. A liderança ocorre quando há líderes que induzem seguidores a realizar certos objetivos que representam os valores e as motivações - desejos e necessidades, aspirações e expectativas - tanto dos líderes quanto dos seguidores. A genialidade da liderança está na forma como os líderes enxergam e trabalham os valores e motivações tanto seus quanto de seus seguidores. Liderança é o uso da influência não coercitiva para dirigir as atividades os membros de um grupo e levá-los à realização de seus próprios objetivos. Os quatro componentes do complexo processo social da liderança, segundo Douglas McGregor: Processo social da liderança Líder Conjuntura Tarefa ou missão proposta pelo líder Motivações dos liderados
  • 6. 1.1 - MOTIVAÇÕES DOS LIDERADOS Segundo Petracca: Líder e liderados encontram-se numa relação de influência recíproca. Os liderados classificam-se em duas categorias, de acordo com suas motivações: os fiéis e os mercenários. “Líderes são os que, em um grupo, ocupam uma posição de poder, e que têm condições de influenciar, de forma determinante, todas as decisões de caráter estratégico. O poder é exercido ativamente e encontra legitimação na correspondência com as expectativas do grupo.” 1.2 - TAREFA OU MISSÃO Segundo William Safire, as pessoas que pretendem ser líderes se perguntam: A primeira regra no processo de tornar-se um líder, segundo Safire, é focalizar a missão Há dois tipos de missão, que correspondem aos dois tipos de liderados de Petracca: moral (líder transformador ou carismático) e calculista (líder transacional). Para onde quero levar esta empresa (ou grupo, exército, cidade ou nação)? Como realizo meu plano de sair do aqui e agora para o até lá e depois?
  • 7. 1.3 - O LÍDER A liderança sempre está sempre ligada a pessoas. É uma função, papel ou tarefa que qualquer pessoa desempenha, quando é responsável por um grupo. Independente de suas competências, muitas pessoas são colocadas em posições de liderança. Até hoje não se conseguiu identificar um conjunto de traços de personalidade comum a todos os líderes. Alguns dos traços de personalidade mais característicos dos líderes são determinação, iniciativa nas relações pessoais, vontade de liderar e autoconfiança. David McClelland identificou no líder a necessidade de poder (o interesse em perseguir, ocupar e exercitar posições de poder). Também, segundo McClelland, a necessidade de poder tem duas manifestações: a busca por satisfação pessoal por meio da influência sobre o comportamento alheio e a satisfação de metas coletivas, com ênfase ao poder social ou institucional.
  • 8. 1.4 - CONJUNTURA É representada pelo meio organizacional e social em que ocorre o processo de liderança. O meio influencia o comportamento do líder e dos liderados e define o modelo de liderança a ser seguido. As diferenças culturais, por exemplo, definem qual é o comportamento apropriado nas relações entre líderes e liderados. Por isso, o administrador deve ter um profundo entendimento da conjuntura, especialmente se pretende desempenhar com sucesso a liderança em diferentes conjunturas. Segundo Mintzberg, a liderança é um complexo de habilidades. E a habilidade de comunicação é o alicerce da liderança por ser o meio de persuadir, inspirar e motivar os seguidores.
  • 9. 2- ESTILO DE L I D E R A N Ç A São empregados dois termos para definir, estilos básicos de liderança: a autocracia e a democracia. Esses por sua vez desdobram-se em outros, dependendo da situação ou da maneira como o líder se relaciona com os liderados, todos podem ser válidos e eficazes.
  • 10. Tais estilos são reconhecidos desde a Antiguidade clássica, assim como suas disfunções: excesso de democracia (a demagogia, processo que consiste em buscar a popularidade com os governantes) e a tirania tirania autocracia democracia demagogia liderança orientada para a tarefa liderança orientada para as pessoas (abuso da autoridade). Ao longo dos séculos, o conceito não mudou. Apenas outros nomes para as mesmas ideias, como mostra a figura abaixo:
  • 11. 2.1 - LIDERANÇA ORIENTADA PARA A TAREFA Na liderança orientada para tarefas, a liderança diretiva e a autocracia são mais comuns para indicar os estilos em que o poder de tomar decisões está concentrada no líder. Liderança orientada para a tarefa Concentração do poder de decisão no líder e ênfase na realização da tarefa ou missão Liderança autoritária Liderançaautocrática Liderançadiretiva Um líder autocrático: Toma decisões sem consultar sua equipe. Está muito mais preocupado com a tarefa do que com o grupo que a executa. Concentra sua atençao no desempenho do funcionário ou grupo, enfatizando o cumprimento de prazos, os padrões de qualidade e a economia de custos. Insiste na necessidade de cumprir as metas. Insiste na necessidade de superar a concorrência ou um rival dentro da mesma organização, ou o desemprenho passado. Define com precisão as responsabilidades individuais e designa tarefas específicas para pessoas específicas. Dá ênfase à cobrança e avaliação do desempenho de seus funcionários. Mantém distância de seus funcionários ou sua equipe.
  • 12. 2.2 - LIDERANÇA ORIENTADA PARA AS PESSOAS O estilo democrático, liderança participativa e liderança orientada para as pessoas, indicam algum graus de participação dos funcionários no poder do chefe ou em suas decisões. Nesse tipo de liderança quanto mais decisões do líder influenciadas pelo grupo, mais democrático é o comportamento do líder. Orientada para as pessoas Participação dos liderados no poder de decisão e ênfase na equipe Liderança consultiva Liderançaparticipativa Liderançademocrática Um líder democrático: Acretida que deve criar um clima em que as pessoas sintam-se confortáveis. Focaliza sua atenção no próprio funcionário ou no grupo, enfatizando as relações humanas e o desenvolvimento da capacidade de trabalhar em equipe. Pede opiniões ou sugestões de decisões, ouve, presta atenção e usa as ideias do grupo. Dedica parte significativa de seu tempo à orientação dos integrantes de sua equipe. É amigável. Apoia e defende os funcionários. Insiste com os integrantes de sua equipe para que aceitem responsabilidades e tomem a iniciativa de resolver problemas.
  • 13. 2.3 - A RÉGUA DA LIDERANÇA Como já evidenciado antes a Autocracia ou liderança orientada para a tarefa e a Democracia ou liderança orientada para as pessoas, são os estilos básicos, que se desdobram em outros. Tannenbaum e Schmidt desenvolveram a ideia de uma escala ou régua dos estilos de liderança, para explicar como isso ocorre. Nessa régua, a autoridade do gerente e a autonomia dos liderados se combina. Conforme a autoridade do gerente aumenta, a autoridade dos liderados diminui (o grau de autocracia aumenta) e quando acontece o contrário (o grau de democracia aumenta). o gerente decide e comunica a decisão o gerente “vende” a decisão o gerente apresenta ideias e promove debates o gerente apresenta uma decisão possível, sujeita a mudança o gerente apresenta o problema, pede sugestões e toma a decisão o gerente define limites, dentro dos quais o grupo decide o gerente permite que a equipe trabalhe sozinha dentro dos limites AMPLITUDE DO COMPORTAMENTO Uso de autoridade pelo gerente Área de liberdade dos subordinados LIDERANÇA ORIENTADA PARA O CHEFE LIDERANÇA ORIENTADA PARA OS SUBORDINADOS
  • 14. 2.4 - LIDERANÇA BIDIMENSIONAL A liderança orientada para tarefas e a liderança orientada para as pessoas, foram considerados estilos opostos por muito tempo, mutuamente excludentes. Mas as ideias avançadas sobre a liderança recenhecem que podemos combinar vários graus de autocracia e democracia em nossa maneira de lidar com funcionários e equipes. O estilo tarefa e estilo pessoas são duas réguas que se combinam e formam os limites de um território, permitindo identificar não dois, mas pelo menos quatro estilos básicos de liderança. muita ênfase nas pessoas, pouca na tarefa muita ênfase nas pessoas e na tarefa pouca ênfase nas pessoas e na tarefa muita ênfase na tarefa, pouca nas pessoas LIDERANÇA ORIENTADA PARAAS PESSOAS LIDERANÇAORIENTADAPARAA TAREFA
  • 15. Um dos modelos mais populares que procuram explicar a liderança, combinando os dois estilos, é a grade de Blake e Mouton, autores que propõem cinco estilos: 1.9 Administração do tipo “clube de campo”; uma cuidadosa atenção às necessidades de relacionamentos das pessoas produz uma atmosfera amigável e um ritmo de trabalho confortável 9.9 Administração do tipo “gerência de equipes”: o trabalho é realizado por pessoas comprometidas, a interdependência que resulta do sentido de “mesmo barco” produz um ambiente de relacionamento de cnfiança e respeito. 5.5 Administração do tipo “funcionário”: o desempenho adequado da organização é alcançado por meio do equilíbrio entre a necessidade de trabalho e a manutenção do moral das pessoas em nível satisfatório Líder-tarefa, orientação para a produção. Líder-pessoas, orientação para as pessoas. Líder negligente, que não se preocupa com tarefas nem pessoas. Líder-equipe, orientado simultaneamente para pessoas e tarefas. Líder meio-termo, medianamente preocupado com o resultado e pessoas. 1.1 Administração precária: a permanência como membro da organização requer um mínimo de esforço para fazer o serviço 9.1 Autoridade e obediência: a eficiência das operações é produto de um sistema de trabalho no qual a interferência do elemento humano é mínima 1 2 3 4 5 6 7 8 9 123456789 baixa ÊNFASE NA PRODUÇÃO alta baixaÊNFASENASPESSOASalta
  • 16. 3- QUAL ESTILO É M A I S E F I C A Z ? Eficácia: É a capacidade de fazer aquilo que é preciso, que é certo para se alcançar determinado objetivo. É escolher os melhores meios e produzir um produto adequado ao mercado.
  • 17. A EFICÁCIA DO ESTILO DE LIDERANÇA A eficácia do estilo de liderança é avaliada pelo efeito sobre o desempenho da tarefa e sobre a satisfação do liderado. Se o liderado mostrar-se satisfeito e, ao mesmo tempo, apresentar desempenho satisfatório, o estilo é eficaz. Para ser eficaz, o estilo de liderança tem de ser apropriado à situação.
  • 19. GROSS NATIONAL HAPPINESS A Felicidade Interna Bruta (FIB) é um indicador sistêmico desenvolvido no Butão. O conceito nasceu em 1972, elaborado pelo rei butanês Jigme Singya Wangchuck. Desde então, o reino de Butão, com o apoio do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), começou a colocar esse conceito em prática, e atraiu a atenção do resto do mundo com sua nova fórmula para medir o progresso de uma comunidade ou nação. Assim, o cálculo da “riqueza” deve considerar outros aspectos além do desenvolvimento econômico, como a conservação do meio ambiente e a qualidade da vida das pessoas. FIB é baseado na premissa de que o objetivo principal de uma sociedade não deveria ser somente o crescimento econômico, mas a integração do desenvolvimento material com o psicológico, o cultural e o espiritual – sempre em harmonia com a Terra.
  • 20. 4.1 - MODELO DE TENNENBAUM E SCHIMIDT Tannenbaum e Schrmidt propõe 3 critérios para avaliar a situação: O LÍDER: O próprio líder é um dos principais componentes da situação. A forma como o líder se comporta é influenciada principalmente pela sua formação, conhecimento, valores e experiência. Uma pessoa que valorize a iniciativa e a liberdade, por exemplo, tende a dar prioridade aos comportamentos democráticos. OS FUNCIONÁRIOS: As características dos funcionários influenciam a escolha e a eficácia do estilo de liderança. A ORGANIZAÇÃO: O clima da organização, o grupo 4.2 - MODELO DE FIEDLER Fred Fiedler entende que as situações que os lideres enfrentam podem ser avaliadas em termos de três características que permitem avaliar o “grau de favorabilidade” da situação para o líder. de trabalho, a natureza da tarefa e a pressão do tempo caracterizam a situação dentro da qual os estilos funcionam com maior ou menor eficácia.
  • 21. Fiedler e outros pesquisadores analisaram diferentes situações em inúmeras organizações, por meio de questionários que medem o estilo do líder e as características da situação e chegaram às seguintes conclusões: A liderança orientada para tarefa é eficaz nas situações que são muito favoráveis ou muito desfavoráveis para o líder. A liderança orientada para pessoas é eficaz nas situações de dificuldade intermediária. Relação entre líder e liderados positivas situação favorável negativas situação desfavorável Grau de estruturação da tarefa alto situação favorável baixo situação desfavorável Poder da posição muito situação favorável pouco situação desfavorável
  • 22. 4.3 - MODELO DE HERSEY-BLANCHARD Para esses autores, a maturidade do subordinado, avaliada em termos de grau de capacidade e interesse de fazer um bom trabalho, é a principal característica da situação que qualquer líder enfrenta. Quanto mais maduro o seguidor, menos intenso deve ser o uso da autoridade pelo líder e mais intensa a orientação para o relacionamento. Inversamente, a imaturidade deve ser gerenciada por meio do uso “forte” da autoridade, com pouca ênfase no relacionamento. A ideia principal de Hersey e Blanchard, divide-se em quatro estilos ou formas de liderança: COMANDO: Adequado a pessoas com baixo nível de maturidade, prevê alto nível de comportamento orientado para tarefa, com pouca ênfase no relacionamento. VENDA: Esse estilo compreende alto nível de comportamentos orientados simultaneamente para tarefa e relacionamento e ajusta-se para pessoas com elevada vontade de assumir responsabilidades, mas pouca experiência ou conhecimento. Hipóteses a respeito da liderança situacional PARTICIPAÇÃO: Orienta-se fortemente para o relacionamento, com pouca ênfase na tarefa, e ajusta-se com grande competência, mas pouco interesse em assumir responsabilidades. DELEGAÇÃO: Esse estilo consiste em dar pouca atenção tanto à tarefa quanto ao relacionamento, ajustando-se a pessoas que tenham as condições ideais para assumir responsabilidades – competência e motivação.
  • 23. 5- BASES MOTIVACIONAIS D A L I D E R A N Ç A Baseiam-se na divisão do poder de decisão entre o líder e os liderados. Há outros modelos de liderança, que focalizam não a forma como as decisões são tomadas, mas o tipo de recompensa que o líder oferece.
  • 24. 5.1 - LIDERANÇA CARISMÁTICA Observa-se neste tipo de liderança a predominância da moral e liderados fiéis, já que o líder carismático preza os valores e padrões, criando meios que os guiam às esforços coletivos em direção das metas. Em consequência seus liderados superam seus próprios interesses e trabalham excepcionalmente para realizar a missão, meta ou causa. Essa capacidade de influência do líder, apela às emoções dos seguidores estimulando sua identificação com o líder, inspirando para que o liderado vejam os problemas de maneira diferente, dando o máximo de si e apresentando novas ideias. Característica líder transformador líder inspirador líder renovador líder revolucionário Agente de Mudança Recompensas oferece recompensas de conteúdo moral e tem seguidores fiéis liderados trabalham por metas, missão ou causas oportunidade de crescimento Recompensas Simbólicas oportunidade de crescimento
  • 25. 5.2 - LIDERANÇA TRANSACIONAL Esse tipo de líder apela para os interesses, dando importância às necessidades primárias dos liderados. O líder transacional oferece recompensas materiais ou psicológicas, conseguindo em troca um compromisso de tipo calculista. Tanto o funcionário (ou líder e liderado), em uma relação transacional enxergam o trabalho como um sistema de trocas entre contribuições e recompensas. Característica líder negociador líder manipulador Líder baseado na promessa de recompensas Recompensas apela para interesses, especialmente as necessidades primárias oferece recompensas materiais ou psicológicas Aumentos salariais Promoções
  • 26. 5.3 - QUAL RECOMPENSA É A MAIS EFICAZ? Habitualmente o trabalho é realizado sem qualquer interesse em recompensas materiais, porém as duas formas de liderar são importantes levando em conta a situação e até que ponto as recompensas tem valor ou não, pois produzem efeito sobre diferentes dimensões da motivação da equipe. Pirâmide das necessidades de Maslow, o efeito das recompensas sobre motivação.
  • 27. 6 - A L É M D A L I D E R A N Ç A
  • 28. O estudo da liderança está muito ligado ao entendimento dos mecanismos da influência entre líderes e seguidores. O objetivo final é desenvolver habilidades de liderança em gerentes, de modo a torná-los mais eficazes em suas tarefas que envolvem a direção de pessoas. Este objetivo está ligado à tradicional concepção do gerente como “chefe de pessoas”. À medida que evoluem as concepções sobre administração de organizações e os papel dos gerentes, é natural que evoluam também as teorias sobre a liderança. No século XXI, o processo de autogestão é de grande importância, pois tem ação transformadora nas tarefas dos gerentes, que precisam muito mais das habilidades de liderança do que dos poderes de chefia. Steven Kerr afirma que certas características da organização podem, de fato, minimizar a necessidade da liderança, sendo as pessoas capazes de tomar conta de si próprias dentro das condições ao lado: As pessoas têm as competências necessárias para executar suas tarefas e avançar, aceitando novos desafios. As pessoas conhecem os mecanismos da autogestão. A organização tem suas tarefas estruturadas e é capaz de se ajustar a novas circunstâncias, por meio da participação de seus integrantes. A organização favorece a autonomia , a autogestão e o aprendizado contínuo. O ponto de vista de Kerr coincide com o de A. N. Whitehead: “O problema não é como produzir grandes homens, mas como produzir grandes sociedades. A grande sociedade fornece os homens para as ocasiões.”