SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Módulo: 
GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS 
Autor: Leonardo Melo de Lima 
www.leodemelo.com.br
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
1- A IMPORTÂNCIA DO ESCOPO 
Todo projeto deve atentar a um objetivo, seja para uma melhoria ou para o advento de um novo produto ou serviço, para tanto sem um correto planejamento dificilmente conseguirá atingir-se esse objetivo proposto. O Gerenciamento do escopo é a base para o planejamento do projeto e para criação da sua linha de base (baseline), ele forma a base do trabalho a ser realizado necessário (e só o necessário) que será pago pelo cliente. 
Gerenciar o escopo, trata-se principalmente por definir e controlar o que está e o que não está incluso no projeto, contém os elementos necessários para descrever todo o trabalho que deverá ser feito bem como o que não será feito. Sua importância vai além desta descrição, pois, projetos são nada mais do que resultados dos objetivos estratégicos das empresas que buscam sua implementação, sem que se organize o que se precisa ser feito, certamente a empresa terá prazos maiores, custos maiores para que se atinja o que se quer. 
1.1 PROBLEMAS COM A MÁ DEFINIÇÃO DO ESCOPO 
Um projeto visa além de entregar um produto, serviço ou uma solução, em promover um resultado dentro de uma perspectiva financeira, seja para aumento de receitas com a venda de novos produtos ou seja pela redução de custos com a otimização de uma linha de produção. Quando não se consegue definir os limites de abrangência de um projeto, provavelmente ele irá ter um custo maior e resultar em um projeto que produz entregas que o cliente se recuse a aceitar. Aliado a isto acarretará em falta de recursos de pessoal, atrasos no cronograma, constantes mudanças e problemas organizacionais promovendo até a suspensão do projeto sem que alcance resultado algum. 
1.2 ESCOPO E SUAS DEFINIÇÕES 
 Escopo: a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto.  Escopo do Produto: é a descrição de todas as características e funcionalidades do produto ou serviço e é verificado pelos seus requisitos.  Escopo do Projeto: é o trabalho que deve ser feito para liberar o produto com as funcionalidades especificadas e é verificado pelo plano de gerenciamento projeto.  Escopo do Cliente: é o trabalho que deve ser feito para liberar as entregas estabelecidas pelo cliente.  Escopo de Contratação: uma descrição narrativa dos produtos, serviços ou resultados a serem fornecidos sob contrato perante o cliente. 
2- RELEMBRANDO ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES 
 Entrega ou deliverables: qualquer saída (produto ou serviço), tangível e verificável, que dever ser produzido obrigatoriamente para a conclusão de um pacote de trabalho, fase ou do projeto como um todo. 
 Reprogramar: consiste em alterações no projeto sem mexer no escopo, custo ou tempo do projeto.
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
 Reprojetar: consiste em alterações que mexam no escopo, custo ou tempo do projeto. 
 Project Chapter ou TAP: descreve o projeto de uma forma mais generalizada, autoriza formalmente o projeto onde após sua aprovação se inicia verdadeiramente as ações do projeto. 
3- PLANEJAR O GERENCIAMENTO DO ESCOPO 
Fornece as orientações sobre como gerenciar o escopo durante o projeto, incluindo regras e referências para a construção e manutenção da linha de base do escopo, a qual é composta pela declaração de escopo EAP e dicionário da EAP. 
O plano de gerenciamento do escopo do projeto está contido de acordo com o PMBOk 5ª edição no plano de gerenciamento do projeto e envolve o conceito de “planejar o planejamento”. Os componentes de um plano de gerenciamento do escopo do projeto, em geral, incluem: 
 Um processo para preparar uma declaração do escopo detalhada do projeto 
 Um processo que permite a criação da EAP a partir da declaração do escopo e que determina como a EAP será mantida e aprovada 
 Um processo que especifica como será feita a verificação e obtida a aceitação formal das entregas do projeto 
 Um processo para controlar como serão processadas as solicitações de mudanças da declaração do escopo do projeto 
4- COLETAR REQUISITOS 
Após aprovação do Project Chapter ou Termo de Abertura do projeto, faz-se necessário coletar os requisitos dos principais Stakeholders e estruturar seu escopo para que ele possa ser gerenciado adequadamente. É um processo altamente dependente das áreas de comunicações e relacionado aos processos da área de Qualidade. 
Requisitos são condições ou características que atendem às necessidades e expectativas das dos stakeholders, é preciso descrevê-los em um nível suficiente de detalhes para que possam ser incluídos na baseline do escopo, medidos e controlados de forma satisfatória ao longo do projeto. 
4.1 REQUISITOS (NEGÓCIO vs GERENCIAMENTO DE PROJETO) 
 Requisitos de Negócio: referem-se ao atendimento das necessidades que justificam a existência do projeto, tais como, uma obrigação legal, uma demanda de mercado ou um cliente específico. 
 Requisitos do Gerenciamento de Projetos: referem-se aos requisitos para que o trabalho tenha fluidez e seja entrega dentro do projetado, tais como, custos, prazos, procedimentos, metodologias.
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
4.2 TÉCNICAS PARA A COLETA DE REQUISITOS 
Voltadas para facilitar a compreensão e promover o engajamento dos stakeholders no projeto, abaixo as técnicas mais utilizadas: 
 Entrevistas 
 Brainstorm 
 Questionário 
 Observação direta 
4.3 DOCUMENTAÇÃO DOS REQUISITOS 
Descreve os requisitos coletados e como eles vão permitir atingir os objetivos de negócio do projeto. Os requisitos podem ser descritos de um modo geral para que sejam detalhados posteriormente. 
5- DEFINIR O ESCOPO 
Processo fundamental para que um projeto posso alcançar seus objetivos, vista que, quando não se define corretamente as ações que deverão ser realizadas o projeto poderá caminhar em direção contrária ao objetivo proposto pela empresa. Definir o Escopo é desenvolver uma descrição detalhada do projeto e do produto. 
5.1 DECLARAÇÃO DE ESCOPO 
Corresponde a um anteprojeto do trabalho a ser realizado. Em detalhes descreve o escopo do produto, as listas de entregas e seus critérios de aceitação, além das restrições técnicas como datas requeridas, materiais, tecnologia e políticas, além de exclusões, restrições e premissas. 
Os principais componentes de uma declaração de escopo correspondem, em essência, ao resultado do detalhamento das informações que constam no Termo de Abertura do Projeto. 
5.1.1 Justificativas: essa informação servirá para que o gerente de projetos e sua equipe possam apresentar as necessidades do negócio que motivaram a criação do projeto. Estão geralmente associadas a uma requisição do cliente ou a uma combinação de oportunidades e necessidades da empresa. 
5.1.2 Objetivos: uma vez estabelecidas as justificativas, é preciso deixar claro as intenções do projeto, ou seja, quais suas metas, quais os resultados esperados 
5.1.3 Premissas: Também chamadas de pressupostos, suposições ou hipóteses, ocorrem quando pelo desconhecimento da realidade alguns fatos são adotados como verdadeiros sem a comprovação dos mesmos, o que acaba por proporcionar riscos que causem sérias ameaças aos projetos. Por isso quando adotar-se uma premissa, deve-se constantemente testa-la para valida-la, evitando assim que ela se confirme e traga más resultados. 
5.1.4 Restrições: consiste em todo e qualquer fator que limite as opções e alternativas de atuação da equipe para conduzir seus trabalhos. Está diretamente ligada ao escopo do projeto (e não do produto). É preciso reiterar a diferença entre RESTRIÇÕES e REQUISITOS OU ESPECIFICAÇÕES DA SOLUÇÃO DO PROJETO.
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
RESTRIÇÕES REQUISITOS OU ESPECIFICAÇÕES 
Requisitos ou especificações exclusivamente associadas ao escopo do projeto 
Exs: 
 O prazo do projeto é de 90 dias 
 O custo total é de um milhão de reais 
 A equipe deverá seguir uma jornada de 44 horas semanais 
Condições a respeito do escopo do projeto. 
Exs: 
 O cliente disponibilizará até o dia 01/01/2015 toda a infraestrutura necessária 
 As obras poderão ser executadas nos meses de junho a agosto, devido à baixa incidência de chuvas na região neste período 
5.1.5 Produto do projeto: aquilo que se espera entregar no final para que o projeto tenha sucesso. Deverá conter uma descrição sucinta do produto do projeto. 
5.1.6 Critérios de Aceitação: condições que devem ser atingidas para que as entregas sejam validadas. 
5.2 ESCOPO EXCLUSO 
Descreve o que está de fora do escopo e não será atendido pelo projeto. Ex: o projeto de construção de um estádio de futebol pode não contemplar o acesso urbano ao mesmo, por este motivo, deve-se deixar claro o que o seu projeto não fará, para não deixar “subentendido” que seu projeto fará tal serviço. 
5.3 DIFERANÇAS ENTRE DECLARAÇÃO DE ESCOPO E O TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 
A declaração de escopo usualmente repete e expande elementos do termo de abertura, dentro do conceito de elaboração progressiva, o qual envolve melhorar e detalhar o planejamento conforme informações detalhadas e específicas se tornarem disponíveis. ESCOPO TAP ou Project Chapter 
 Entregas do projeto 
 Critérios de aceitação do usuário 
 Exclusões do projeto 
 Restrições do projeto 
 Premissas do projeto 
 Propósito ou justificativa 
 Objetivos e critérios de sucesso 
 Requisitos de alto nível 
 Descrição do projeto 
 Risco de alto nível 
 Resumo do cronograma 
 Designação do GP
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
6- CRIAR EAP (ou WBS) 
A EAP ou WBS é a decomposição do trabalho que deve ser realizado em entregas menores a serem executadas pela equipe visando a entrega final do projeto, ou seja, é dividir o que ser obter no final do projeto em grupos de tarefas onde o somatório destes grupos de tarefas promoverão o resultado esperado do projeto. 
Quando quebramos o nosso objetivo em partes, podemos mais facilmente conquistar o objetivo final, pois, iremos conquistando cada componente de forma estruturada até obter o que queremos. Essa decomposição ajuda na estimativa de custos e dos prazos para a conclusão das tarefas. 
O objetivo de uma EAP é identificar elementos terminais (os produtos, serviços e resultados a serem feitos em um projeto). Assim, a EAP serve como base para a maior parte do planejamento de projeto. 
Relembrando: 
As caixinhas da WBS dever ser mutuamente excludentes, ou seja, um mesmo trabalho não se encontra em duas caixinhas. Lembre-se que isso não quer dizer que as caixinhas não tenham relação entre si, afinal são partes de um mesmo projeto e assim têm dependência, que dizer apenas que não há redundância entre elas. Além disso, a soma do trabalho de todas as caixinhas de um determinado nível deve representar 100% do escopo do nível superior, é o que chamamos de integração (para cima), é recomendável também utilizar substantivos para nomear as caixinhas da WBS. 
A arte de fazer uma boa EAP é dominar a decomposição. 
Decompor muito pode detalhar d+ o trabalho aproximando-se do cronograma. 
Decompor pouco pode significar em estimativas grosseiras dos pacotes de trabalho. 
6.1 VANTANGES DO USO DA WBS 
 Visão do todo o escopo do projeto e suas entregas programadas 
 Associação de responsabilidades explícitas 
 Estimativas de custos 
 Facilidade de apresentação do trabalho do projeto 
 Constituição das principais fontes de risco e identificação de incertezas 
 Definir e controlar melhor as entregas 
 Aumentar a exatidão das estimativas 
A constituição de uma WBS deve levar em conta tanto o trabalho quanto os recursos das áreas funcionais da empresa que estarão diretas ou indiretamente ligados ao projeto. 
Pacote de trabalho: São os conjuntos de atividades concretas, é o nível em que não há mais desmembramento em novas tarefas.
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
Representação Gráfica da EAP 
Representação Hierárquica da EAP 
1. PROJETO FINLÂNDIA 
1.1. Gerente de projetos 
1.1.1. EAP 
1.1.2. Elaboração do cronograma 
1.1.3. Elaboração do orçamento 
1.2. Preparação dos documentos 
1.2.1. Revisão dos documentos 
1.2.2. Solicitação dos vistos 
1.3. Preparação da Viagem 
1.3.1. Aquisição de roupas 
1.3.2. Definição da moradia 
1.3.3. Definição da escola 
1.3.4. Aquisição de passagens aéreas 
1.3.5. Empacotamento de bens 
1.4. Mudança de Roberto 
1.5. Instalação 
1.5.1. Locação da moradia 
1.5.2. Adequação da moradia 
1.5.3. Recebimento dos bens 
1.6. Mudança da Família
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
6.2 ACORDANDO O ESCOPO DO PROJETO COM OS STAKEHOLDERS 
Uma vez feita a EAP, temos explícitas as responsabilidades dos interessados nos resultados do projeto. Quando apresentamos a EAP aos principais stakeholders e descrevemos os pacotes de trabalho e suas respectivas entregas, além de associá-las aos responsáveis, explanamos os prazos em que cada deliverable será entregue. Sem o apoio e aprovação dos Stakeholders sua EAP será certamente ineficaz. 
6.3 DICIONÁRIO DA EAP 
Documento complementar a EAP e representa uma breve especificação do pacote de trabalho e seu critério de aceitação. Ele pode servir como parte de um sistema de autorização de trabalho descrevendo para os integrantes da equipe cada componente da estrutura analítica do projeto (EAP) e pode ser usado para controlar quando um trabalho específico é realizado de modo a evitar aumento do escopo e aumento da compreensão das partes interessadas sobre o esforço necessário para cada pacote de trabalho. 
ATENÇÃO 
Ex: 
7- VALIDAÇÃO DO ESCOPO 
A validação do escopo consiste em ações de inspeção conduzidas para certificar que as entregas que foram previstas sejam cumpridas. O enfoque dado a essas ações é sobre o resultado obtido durante a execução do empreendimento. 
 Validação das entregas: foca na aceitação das entregas pelo cliente ou Sponsor 
 Verificação das entregas: foca no atendimento dos requisitos de qualidade especificados 
OS MARCOS (ou Milestones) E AS ATIVIDADES QUE SERÃO ACRESCENTADAS DURANTE O GERENCIAMENTO DO TEMPO NÃO SÃO PACOTES DE TRABALHO, LOGO NÃO DEVEM SER ESPECIFICADOS NO DICIONÁRIO DA EAP
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
As ações de validação ocorrem a qualquer momento, especialmente durante a execução do projeto, quando existe o desenvolvimento de uma ação planejada previamente. Quando não conseguimos a aprovação do escopo durante o planejamento do projeto, certamente teremos conflites durante as entregas dos subprodutos. 
7.1 VALIDAÇÃO DO ESCOPO PELO CLIENTE 
Quando falamos em garantir a validação do escopo, estamos garantindo que o nosso cliente aceite o que foi gerado e produzido no projeto e nos demonstre sua aceitação por meio de uma documentação que registre e expresse sua satisfação. 
Uma forma de aumentar as chances de aceitação dos resultados pelo cliente é criar subprodutos do projeto, os quais constituem entregas que podem ser validadas por ele por meus de suas quantidades, de suas funcionalidades e de sua integração à solução final. Quando o cliente valida os subprodutos, tem-se uma maior confiabilidade de que o resultado final será realmente o contratado. 
É importante observar que o cliente nem sempre sentirá satisfeito ou insatisfeito com o projeto, por isso é de extrema valia promover seu engajamento e informação das entregas que o projeto proverá. 
8- CONTROLAR O ESCOPO 
O processo de controlar o completa o desempenho do controle integrado de mudanças evitando assim que haja uma expansão descontrolada do espoco por meio da adição de recursos e funcionalidades sem as considerações dos impactos ao resultado final. O processo de controle do escopo deve garantir que todas as mudanças solicitadas e ações corretivas recomendadas sejam controladas. 
As revisões de projetos devem ser planejadas de acordo com as necessidades de verificação de escopo traçadas no planejamento, podemos expressa-las conforme abaixo: 
REVISÃO 
OBJETIVO PERIÓDICA Previstas para serem realizadas em determinados períodos do projeto 
FASE 
Após cumprir determinadas fases, as revisões ocorrem com o objetivo de aprovar a fase anterior e, assim, iniciar uma nova fase ESPORÁDICAS Revisões pontuais em que o gerente de projetos e sua equipe apresentam os avanços alcançados 
8.1 AS MUDANÇAS NO ESCOPO 
As mudanças são mais frequentes nos projetos em que o escopo não foi bem planejado, ou em que a análise dos interessados não foi exaustiva, ou ainda em que a avaliação dos riscos inerentes ao projeto não tinha sido desenhada adequadamente. 
Estas mudanças podem surgir em suma de:
MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 
Fim. 
 Erros na avaliação inicial de como atingir a meta do projeto 
 Novas informações sobre o produto do projeto 
 Um novo representante do cliente 
 Mudanças no negócio / ambiente da empresa 
 Requisitos esperados 
Um sistema de controle e acompanhamento de solicitações de mudanças em projetos deverá conter elementos que ajudem na análise de cada uma delas, possibilitando assim a realização de uma espécie de triagem, em que seja possível selecionar as mudanças mais importantes. 
Gerir mudanças no escopo é, portanto uma atividade sensível à natureza do projeto, ao tipo de contrato estabelecido com seu cliente e ao relacionamento e confiança existentes entre os stakeholders. A tomada de decisão sobre a mudança deve ser seguida pela distribuição da informação a todos os intervenientes nela envolvidos, juntando a isto toda a documentação necessária para formalizar e resguardar o processo de mudança. 
8.2 REDUZINDO AS ALTERAÇÕES DO ESCOPO 
Podemos adotar algumas práticas para minimizar as mudanças no escopo, tais como descritas abaixo: 
 Ter usuários / clientes como integrantes da equipe do projeto 
 Reuniões periódicas 
 Formalizar a aprovação do escopo do projeto 
 Utilizar um processo para tratar os pedidos de mudanças 
 Avaliar o impacto das alterações do escopo no projeto em termos de cronograma, custo, qualidade e risco. 
8.3 FINALIZANDO O CONTROLE DO ESCOPO 
Vale lembrar que após a aprovação e efetivação da mudança, a documentação do projeto deve ser atualizada contendo esses novos processos. Para tanto é de extrema importância a documentação de todo o processo para o registro de lições aprendidas e para a manutenção dos ativos organizacionais no âmbito dos seus projetos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&m
tembito
 
Módulo 7 - Pesquisa e Desenvolvimento
Módulo 7 - Pesquisa e DesenvolvimentoMódulo 7 - Pesquisa e Desenvolvimento
Módulo 7 - Pesquisa e Desenvolvimento
Carlos Fernando Jung
 
Aula 6 7 automação de processos
Aula 6 7   automação de processosAula 6 7   automação de processos
Aula 6 7 automação de processos
Maurício Botelho
 
BPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de Negócio
BPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de NegócioBPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de Negócio
BPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de Negócio
Keila Freitas
 
Indicadores estratégicos para a gestão empresarial
Indicadores estratégicos para a gestão empresarialIndicadores estratégicos para a gestão empresarial
Indicadores estratégicos para a gestão empresarial
Dawison Calheiros
 

Mais procurados (20)

Cep
CepCep
Cep
 
Slides MPS-BR
Slides MPS-BRSlides MPS-BR
Slides MPS-BR
 
Planejamento agregado 2018
Planejamento agregado   2018Planejamento agregado   2018
Planejamento agregado 2018
 
Extreme programming (xp)
 Extreme programming   (xp) Extreme programming   (xp)
Extreme programming (xp)
 
Analise de Valor Agregado - EVA
Analise de Valor Agregado - EVAAnalise de Valor Agregado - EVA
Analise de Valor Agregado - EVA
 
Introdução a Gerência de Configuração
Introdução a Gerência de ConfiguraçãoIntrodução a Gerência de Configuração
Introdução a Gerência de Configuração
 
Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&m
 
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
 
Palestra - Planejamento programação e controle da produção
Palestra - Planejamento programação e controle da produçãoPalestra - Planejamento programação e controle da produção
Palestra - Planejamento programação e controle da produção
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
 
Padronização
PadronizaçãoPadronização
Padronização
 
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de ProjetosGestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
Gestão do escopo e qualidade em Gestão de Projetos
 
Treinamento de Scrum
Treinamento de ScrumTreinamento de Scrum
Treinamento de Scrum
 
Módulo 7 - Pesquisa e Desenvolvimento
Módulo 7 - Pesquisa e DesenvolvimentoMódulo 7 - Pesquisa e Desenvolvimento
Módulo 7 - Pesquisa e Desenvolvimento
 
Aula 6 7 automação de processos
Aula 6 7   automação de processosAula 6 7   automação de processos
Aula 6 7 automação de processos
 
우리 제품의 검증 프로세스 소개 자료
우리 제품의 검증 프로세스 소개 자료 우리 제품의 검증 프로세스 소개 자료
우리 제품의 검증 프로세스 소개 자료
 
BPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de Negócio
BPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de NegócioBPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de Negócio
BPMN 2.0 - Notação e Modelo de Processo de Negócio
 
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de SoftwareNormas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
 
20150328 e xsalon발표2_UX디자이너 왜 살아남기 어려운가
20150328 e xsalon발표2_UX디자이너 왜 살아남기 어려운가20150328 e xsalon발표2_UX디자이너 왜 살아남기 어려운가
20150328 e xsalon발표2_UX디자이너 왜 살아남기 어려운가
 
Indicadores estratégicos para a gestão empresarial
Indicadores estratégicos para a gestão empresarialIndicadores estratégicos para a gestão empresarial
Indicadores estratégicos para a gestão empresarial
 

Destaque

Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Advocatenkantoor LEGALZ
 
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
Geohistoria23
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messages
rtinkelman
 
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
Geohistoria23
 

Destaque (20)

Modelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projetoModelo de Declaracao do escopo do projeto
Modelo de Declaracao do escopo do projeto
 
Gerenciamento de escopo em projetos
Gerenciamento de escopo em projetosGerenciamento de escopo em projetos
Gerenciamento de escopo em projetos
 
Luis felipe cadavid acosta
Luis felipe cadavid acostaLuis felipe cadavid acosta
Luis felipe cadavid acosta
 
Currículo Nacional de la Educación Básica
Currículo Nacional de la Educación BásicaCurrículo Nacional de la Educación Básica
Currículo Nacional de la Educación Básica
 
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
 
Training Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebTraining Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het Web
 
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
Primer Paquete Económico 2017 Zacatecas (2/9)
 
Relatietips
RelatietipsRelatietips
Relatietips
 
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messages
 
Geheugen verbeteren
Geheugen verbeterenGeheugen verbeteren
Geheugen verbeteren
 
De impact van adhd
De impact van adhdDe impact van adhd
De impact van adhd
 
El emprendedor y el empresario profesional cert
El emprendedor y el empresario profesional certEl emprendedor y el empresario profesional cert
El emprendedor y el empresario profesional cert
 
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
1ºBACH Economía Tema 5 Oferta y demanda
 
Tears In The Rain
Tears In The RainTears In The Rain
Tears In The Rain
 
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitiefOnderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
Onderzoeksrapport acrs v3.0_definitief
 
Como hacer un plan de negocios
Como hacer un plan de negociosComo hacer un plan de negocios
Como hacer un plan de negocios
 
Schrijven voor het web
Schrijven voor het webSchrijven voor het web
Schrijven voor het web
 
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
Evidence: Describing my kitchen. ENGLISH DOT WORKS 2. SENA.
 
Estrategias competitivas básicas
Estrategias competitivas básicasEstrategias competitivas básicas
Estrategias competitivas básicas
 

Semelhante a Apostila Gerenciamento de Escopo em Projetos

2 modelo de termo de abertura
2 modelo de termo de abertura2 modelo de termo de abertura
2 modelo de termo de abertura
renatawr1
 
02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto
02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto
02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto
Robson Ferreira
 
Escopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetos
Escopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetosEscopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetos
Escopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetos
Mauricio Santos
 
Artigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetos
Artigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetosArtigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetos
Artigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetos
Mauricio Santos
 
Introduçãoao gestão de projetos
Introduçãoao gestão de projetosIntroduçãoao gestão de projetos
Introduçãoao gestão de projetos
Marvinza
 

Semelhante a Apostila Gerenciamento de Escopo em Projetos (20)

Gerencia deprojeos modulo_2_final_ (1)
Gerencia deprojeos modulo_2_final_ (1)Gerencia deprojeos modulo_2_final_ (1)
Gerencia deprojeos modulo_2_final_ (1)
 
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptxpag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
pag 31 - Curso-Gerenciamento-.pptx
 
GP_04_Gerenciamento de Escopo (1).pdf
GP_04_Gerenciamento de Escopo (1).pdfGP_04_Gerenciamento de Escopo (1).pdf
GP_04_Gerenciamento de Escopo (1).pdf
 
GP4US - Gerenciamento do Escopo do Projeto
GP4US - Gerenciamento do Escopo do ProjetoGP4US - Gerenciamento do Escopo do Projeto
GP4US - Gerenciamento do Escopo do Projeto
 
Project
ProjectProject
Project
 
Administração de Projetos - Planejamento - Escopo - Aula 8
Administração de Projetos - Planejamento - Escopo - Aula 8Administração de Projetos - Planejamento - Escopo - Aula 8
Administração de Projetos - Planejamento - Escopo - Aula 8
 
Aula 5 - Especificando o Escopo.pdf
Aula 5 - Especificando o Escopo.pdfAula 5 - Especificando o Escopo.pdf
Aula 5 - Especificando o Escopo.pdf
 
Pmbok5 escopo
Pmbok5   escopoPmbok5   escopo
Pmbok5 escopo
 
Gerencia de projetos
Gerencia de projetosGerencia de projetos
Gerencia de projetos
 
2 modelo de termo de abertura
2 modelo de termo de abertura2 modelo de termo de abertura
2 modelo de termo de abertura
 
02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto
02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto
02 declaracao do_escopo_preliminar_do_projeto
 
Escopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetos
Escopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetosEscopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetos
Escopo ou desejo como atender com sucesso gerenciamento de projetos
 
Pmbok5 escopo (2)
Pmbok5   escopo (2)Pmbok5   escopo (2)
Pmbok5 escopo (2)
 
Gestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos HibridaGestão de Projetos Hibrida
Gestão de Projetos Hibrida
 
Escopo
EscopoEscopo
Escopo
 
Artigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetos
Artigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetosArtigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetos
Artigo a importância do gerenciamento de escopo na gestão de projetos
 
Gerenciamento do escopo do projeto
Gerenciamento do escopo do projetoGerenciamento do escopo do projeto
Gerenciamento do escopo do projeto
 
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico GonzalesGestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
Gestão de Projetos - Prof. João Frederico Gonzales
 
Introduçãoao gestão de projetos
Introduçãoao gestão de projetosIntroduçãoao gestão de projetos
Introduçãoao gestão de projetos
 
Gerenciamento de integracao
Gerenciamento de integracaoGerenciamento de integracao
Gerenciamento de integracao
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

Apostila Gerenciamento de Escopo em Projetos

  • 1. Módulo: GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS Autor: Leonardo Melo de Lima www.leodemelo.com.br
  • 2. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 1- A IMPORTÂNCIA DO ESCOPO Todo projeto deve atentar a um objetivo, seja para uma melhoria ou para o advento de um novo produto ou serviço, para tanto sem um correto planejamento dificilmente conseguirá atingir-se esse objetivo proposto. O Gerenciamento do escopo é a base para o planejamento do projeto e para criação da sua linha de base (baseline), ele forma a base do trabalho a ser realizado necessário (e só o necessário) que será pago pelo cliente. Gerenciar o escopo, trata-se principalmente por definir e controlar o que está e o que não está incluso no projeto, contém os elementos necessários para descrever todo o trabalho que deverá ser feito bem como o que não será feito. Sua importância vai além desta descrição, pois, projetos são nada mais do que resultados dos objetivos estratégicos das empresas que buscam sua implementação, sem que se organize o que se precisa ser feito, certamente a empresa terá prazos maiores, custos maiores para que se atinja o que se quer. 1.1 PROBLEMAS COM A MÁ DEFINIÇÃO DO ESCOPO Um projeto visa além de entregar um produto, serviço ou uma solução, em promover um resultado dentro de uma perspectiva financeira, seja para aumento de receitas com a venda de novos produtos ou seja pela redução de custos com a otimização de uma linha de produção. Quando não se consegue definir os limites de abrangência de um projeto, provavelmente ele irá ter um custo maior e resultar em um projeto que produz entregas que o cliente se recuse a aceitar. Aliado a isto acarretará em falta de recursos de pessoal, atrasos no cronograma, constantes mudanças e problemas organizacionais promovendo até a suspensão do projeto sem que alcance resultado algum. 1.2 ESCOPO E SUAS DEFINIÇÕES  Escopo: a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto.  Escopo do Produto: é a descrição de todas as características e funcionalidades do produto ou serviço e é verificado pelos seus requisitos.  Escopo do Projeto: é o trabalho que deve ser feito para liberar o produto com as funcionalidades especificadas e é verificado pelo plano de gerenciamento projeto.  Escopo do Cliente: é o trabalho que deve ser feito para liberar as entregas estabelecidas pelo cliente.  Escopo de Contratação: uma descrição narrativa dos produtos, serviços ou resultados a serem fornecidos sob contrato perante o cliente. 2- RELEMBRANDO ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES  Entrega ou deliverables: qualquer saída (produto ou serviço), tangível e verificável, que dever ser produzido obrigatoriamente para a conclusão de um pacote de trabalho, fase ou do projeto como um todo.  Reprogramar: consiste em alterações no projeto sem mexer no escopo, custo ou tempo do projeto.
  • 3. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos  Reprojetar: consiste em alterações que mexam no escopo, custo ou tempo do projeto.  Project Chapter ou TAP: descreve o projeto de uma forma mais generalizada, autoriza formalmente o projeto onde após sua aprovação se inicia verdadeiramente as ações do projeto. 3- PLANEJAR O GERENCIAMENTO DO ESCOPO Fornece as orientações sobre como gerenciar o escopo durante o projeto, incluindo regras e referências para a construção e manutenção da linha de base do escopo, a qual é composta pela declaração de escopo EAP e dicionário da EAP. O plano de gerenciamento do escopo do projeto está contido de acordo com o PMBOk 5ª edição no plano de gerenciamento do projeto e envolve o conceito de “planejar o planejamento”. Os componentes de um plano de gerenciamento do escopo do projeto, em geral, incluem:  Um processo para preparar uma declaração do escopo detalhada do projeto  Um processo que permite a criação da EAP a partir da declaração do escopo e que determina como a EAP será mantida e aprovada  Um processo que especifica como será feita a verificação e obtida a aceitação formal das entregas do projeto  Um processo para controlar como serão processadas as solicitações de mudanças da declaração do escopo do projeto 4- COLETAR REQUISITOS Após aprovação do Project Chapter ou Termo de Abertura do projeto, faz-se necessário coletar os requisitos dos principais Stakeholders e estruturar seu escopo para que ele possa ser gerenciado adequadamente. É um processo altamente dependente das áreas de comunicações e relacionado aos processos da área de Qualidade. Requisitos são condições ou características que atendem às necessidades e expectativas das dos stakeholders, é preciso descrevê-los em um nível suficiente de detalhes para que possam ser incluídos na baseline do escopo, medidos e controlados de forma satisfatória ao longo do projeto. 4.1 REQUISITOS (NEGÓCIO vs GERENCIAMENTO DE PROJETO)  Requisitos de Negócio: referem-se ao atendimento das necessidades que justificam a existência do projeto, tais como, uma obrigação legal, uma demanda de mercado ou um cliente específico.  Requisitos do Gerenciamento de Projetos: referem-se aos requisitos para que o trabalho tenha fluidez e seja entrega dentro do projetado, tais como, custos, prazos, procedimentos, metodologias.
  • 4. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 4.2 TÉCNICAS PARA A COLETA DE REQUISITOS Voltadas para facilitar a compreensão e promover o engajamento dos stakeholders no projeto, abaixo as técnicas mais utilizadas:  Entrevistas  Brainstorm  Questionário  Observação direta 4.3 DOCUMENTAÇÃO DOS REQUISITOS Descreve os requisitos coletados e como eles vão permitir atingir os objetivos de negócio do projeto. Os requisitos podem ser descritos de um modo geral para que sejam detalhados posteriormente. 5- DEFINIR O ESCOPO Processo fundamental para que um projeto posso alcançar seus objetivos, vista que, quando não se define corretamente as ações que deverão ser realizadas o projeto poderá caminhar em direção contrária ao objetivo proposto pela empresa. Definir o Escopo é desenvolver uma descrição detalhada do projeto e do produto. 5.1 DECLARAÇÃO DE ESCOPO Corresponde a um anteprojeto do trabalho a ser realizado. Em detalhes descreve o escopo do produto, as listas de entregas e seus critérios de aceitação, além das restrições técnicas como datas requeridas, materiais, tecnologia e políticas, além de exclusões, restrições e premissas. Os principais componentes de uma declaração de escopo correspondem, em essência, ao resultado do detalhamento das informações que constam no Termo de Abertura do Projeto. 5.1.1 Justificativas: essa informação servirá para que o gerente de projetos e sua equipe possam apresentar as necessidades do negócio que motivaram a criação do projeto. Estão geralmente associadas a uma requisição do cliente ou a uma combinação de oportunidades e necessidades da empresa. 5.1.2 Objetivos: uma vez estabelecidas as justificativas, é preciso deixar claro as intenções do projeto, ou seja, quais suas metas, quais os resultados esperados 5.1.3 Premissas: Também chamadas de pressupostos, suposições ou hipóteses, ocorrem quando pelo desconhecimento da realidade alguns fatos são adotados como verdadeiros sem a comprovação dos mesmos, o que acaba por proporcionar riscos que causem sérias ameaças aos projetos. Por isso quando adotar-se uma premissa, deve-se constantemente testa-la para valida-la, evitando assim que ela se confirme e traga más resultados. 5.1.4 Restrições: consiste em todo e qualquer fator que limite as opções e alternativas de atuação da equipe para conduzir seus trabalhos. Está diretamente ligada ao escopo do projeto (e não do produto). É preciso reiterar a diferença entre RESTRIÇÕES e REQUISITOS OU ESPECIFICAÇÕES DA SOLUÇÃO DO PROJETO.
  • 5. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos RESTRIÇÕES REQUISITOS OU ESPECIFICAÇÕES Requisitos ou especificações exclusivamente associadas ao escopo do projeto Exs:  O prazo do projeto é de 90 dias  O custo total é de um milhão de reais  A equipe deverá seguir uma jornada de 44 horas semanais Condições a respeito do escopo do projeto. Exs:  O cliente disponibilizará até o dia 01/01/2015 toda a infraestrutura necessária  As obras poderão ser executadas nos meses de junho a agosto, devido à baixa incidência de chuvas na região neste período 5.1.5 Produto do projeto: aquilo que se espera entregar no final para que o projeto tenha sucesso. Deverá conter uma descrição sucinta do produto do projeto. 5.1.6 Critérios de Aceitação: condições que devem ser atingidas para que as entregas sejam validadas. 5.2 ESCOPO EXCLUSO Descreve o que está de fora do escopo e não será atendido pelo projeto. Ex: o projeto de construção de um estádio de futebol pode não contemplar o acesso urbano ao mesmo, por este motivo, deve-se deixar claro o que o seu projeto não fará, para não deixar “subentendido” que seu projeto fará tal serviço. 5.3 DIFERANÇAS ENTRE DECLARAÇÃO DE ESCOPO E O TERMO DE ABERTURA DO PROJETO A declaração de escopo usualmente repete e expande elementos do termo de abertura, dentro do conceito de elaboração progressiva, o qual envolve melhorar e detalhar o planejamento conforme informações detalhadas e específicas se tornarem disponíveis. ESCOPO TAP ou Project Chapter  Entregas do projeto  Critérios de aceitação do usuário  Exclusões do projeto  Restrições do projeto  Premissas do projeto  Propósito ou justificativa  Objetivos e critérios de sucesso  Requisitos de alto nível  Descrição do projeto  Risco de alto nível  Resumo do cronograma  Designação do GP
  • 6. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 6- CRIAR EAP (ou WBS) A EAP ou WBS é a decomposição do trabalho que deve ser realizado em entregas menores a serem executadas pela equipe visando a entrega final do projeto, ou seja, é dividir o que ser obter no final do projeto em grupos de tarefas onde o somatório destes grupos de tarefas promoverão o resultado esperado do projeto. Quando quebramos o nosso objetivo em partes, podemos mais facilmente conquistar o objetivo final, pois, iremos conquistando cada componente de forma estruturada até obter o que queremos. Essa decomposição ajuda na estimativa de custos e dos prazos para a conclusão das tarefas. O objetivo de uma EAP é identificar elementos terminais (os produtos, serviços e resultados a serem feitos em um projeto). Assim, a EAP serve como base para a maior parte do planejamento de projeto. Relembrando: As caixinhas da WBS dever ser mutuamente excludentes, ou seja, um mesmo trabalho não se encontra em duas caixinhas. Lembre-se que isso não quer dizer que as caixinhas não tenham relação entre si, afinal são partes de um mesmo projeto e assim têm dependência, que dizer apenas que não há redundância entre elas. Além disso, a soma do trabalho de todas as caixinhas de um determinado nível deve representar 100% do escopo do nível superior, é o que chamamos de integração (para cima), é recomendável também utilizar substantivos para nomear as caixinhas da WBS. A arte de fazer uma boa EAP é dominar a decomposição. Decompor muito pode detalhar d+ o trabalho aproximando-se do cronograma. Decompor pouco pode significar em estimativas grosseiras dos pacotes de trabalho. 6.1 VANTANGES DO USO DA WBS  Visão do todo o escopo do projeto e suas entregas programadas  Associação de responsabilidades explícitas  Estimativas de custos  Facilidade de apresentação do trabalho do projeto  Constituição das principais fontes de risco e identificação de incertezas  Definir e controlar melhor as entregas  Aumentar a exatidão das estimativas A constituição de uma WBS deve levar em conta tanto o trabalho quanto os recursos das áreas funcionais da empresa que estarão diretas ou indiretamente ligados ao projeto. Pacote de trabalho: São os conjuntos de atividades concretas, é o nível em que não há mais desmembramento em novas tarefas.
  • 7. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos Representação Gráfica da EAP Representação Hierárquica da EAP 1. PROJETO FINLÂNDIA 1.1. Gerente de projetos 1.1.1. EAP 1.1.2. Elaboração do cronograma 1.1.3. Elaboração do orçamento 1.2. Preparação dos documentos 1.2.1. Revisão dos documentos 1.2.2. Solicitação dos vistos 1.3. Preparação da Viagem 1.3.1. Aquisição de roupas 1.3.2. Definição da moradia 1.3.3. Definição da escola 1.3.4. Aquisição de passagens aéreas 1.3.5. Empacotamento de bens 1.4. Mudança de Roberto 1.5. Instalação 1.5.1. Locação da moradia 1.5.2. Adequação da moradia 1.5.3. Recebimento dos bens 1.6. Mudança da Família
  • 8. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos 6.2 ACORDANDO O ESCOPO DO PROJETO COM OS STAKEHOLDERS Uma vez feita a EAP, temos explícitas as responsabilidades dos interessados nos resultados do projeto. Quando apresentamos a EAP aos principais stakeholders e descrevemos os pacotes de trabalho e suas respectivas entregas, além de associá-las aos responsáveis, explanamos os prazos em que cada deliverable será entregue. Sem o apoio e aprovação dos Stakeholders sua EAP será certamente ineficaz. 6.3 DICIONÁRIO DA EAP Documento complementar a EAP e representa uma breve especificação do pacote de trabalho e seu critério de aceitação. Ele pode servir como parte de um sistema de autorização de trabalho descrevendo para os integrantes da equipe cada componente da estrutura analítica do projeto (EAP) e pode ser usado para controlar quando um trabalho específico é realizado de modo a evitar aumento do escopo e aumento da compreensão das partes interessadas sobre o esforço necessário para cada pacote de trabalho. ATENÇÃO Ex: 7- VALIDAÇÃO DO ESCOPO A validação do escopo consiste em ações de inspeção conduzidas para certificar que as entregas que foram previstas sejam cumpridas. O enfoque dado a essas ações é sobre o resultado obtido durante a execução do empreendimento.  Validação das entregas: foca na aceitação das entregas pelo cliente ou Sponsor  Verificação das entregas: foca no atendimento dos requisitos de qualidade especificados OS MARCOS (ou Milestones) E AS ATIVIDADES QUE SERÃO ACRESCENTADAS DURANTE O GERENCIAMENTO DO TEMPO NÃO SÃO PACOTES DE TRABALHO, LOGO NÃO DEVEM SER ESPECIFICADOS NO DICIONÁRIO DA EAP
  • 9. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos As ações de validação ocorrem a qualquer momento, especialmente durante a execução do projeto, quando existe o desenvolvimento de uma ação planejada previamente. Quando não conseguimos a aprovação do escopo durante o planejamento do projeto, certamente teremos conflites durante as entregas dos subprodutos. 7.1 VALIDAÇÃO DO ESCOPO PELO CLIENTE Quando falamos em garantir a validação do escopo, estamos garantindo que o nosso cliente aceite o que foi gerado e produzido no projeto e nos demonstre sua aceitação por meio de uma documentação que registre e expresse sua satisfação. Uma forma de aumentar as chances de aceitação dos resultados pelo cliente é criar subprodutos do projeto, os quais constituem entregas que podem ser validadas por ele por meus de suas quantidades, de suas funcionalidades e de sua integração à solução final. Quando o cliente valida os subprodutos, tem-se uma maior confiabilidade de que o resultado final será realmente o contratado. É importante observar que o cliente nem sempre sentirá satisfeito ou insatisfeito com o projeto, por isso é de extrema valia promover seu engajamento e informação das entregas que o projeto proverá. 8- CONTROLAR O ESCOPO O processo de controlar o completa o desempenho do controle integrado de mudanças evitando assim que haja uma expansão descontrolada do espoco por meio da adição de recursos e funcionalidades sem as considerações dos impactos ao resultado final. O processo de controle do escopo deve garantir que todas as mudanças solicitadas e ações corretivas recomendadas sejam controladas. As revisões de projetos devem ser planejadas de acordo com as necessidades de verificação de escopo traçadas no planejamento, podemos expressa-las conforme abaixo: REVISÃO OBJETIVO PERIÓDICA Previstas para serem realizadas em determinados períodos do projeto FASE Após cumprir determinadas fases, as revisões ocorrem com o objetivo de aprovar a fase anterior e, assim, iniciar uma nova fase ESPORÁDICAS Revisões pontuais em que o gerente de projetos e sua equipe apresentam os avanços alcançados 8.1 AS MUDANÇAS NO ESCOPO As mudanças são mais frequentes nos projetos em que o escopo não foi bem planejado, ou em que a análise dos interessados não foi exaustiva, ou ainda em que a avaliação dos riscos inerentes ao projeto não tinha sido desenhada adequadamente. Estas mudanças podem surgir em suma de:
  • 10. MÓDULO: Gerenciamento de Escopo em Projetos Fim.  Erros na avaliação inicial de como atingir a meta do projeto  Novas informações sobre o produto do projeto  Um novo representante do cliente  Mudanças no negócio / ambiente da empresa  Requisitos esperados Um sistema de controle e acompanhamento de solicitações de mudanças em projetos deverá conter elementos que ajudem na análise de cada uma delas, possibilitando assim a realização de uma espécie de triagem, em que seja possível selecionar as mudanças mais importantes. Gerir mudanças no escopo é, portanto uma atividade sensível à natureza do projeto, ao tipo de contrato estabelecido com seu cliente e ao relacionamento e confiança existentes entre os stakeholders. A tomada de decisão sobre a mudança deve ser seguida pela distribuição da informação a todos os intervenientes nela envolvidos, juntando a isto toda a documentação necessária para formalizar e resguardar o processo de mudança. 8.2 REDUZINDO AS ALTERAÇÕES DO ESCOPO Podemos adotar algumas práticas para minimizar as mudanças no escopo, tais como descritas abaixo:  Ter usuários / clientes como integrantes da equipe do projeto  Reuniões periódicas  Formalizar a aprovação do escopo do projeto  Utilizar um processo para tratar os pedidos de mudanças  Avaliar o impacto das alterações do escopo no projeto em termos de cronograma, custo, qualidade e risco. 8.3 FINALIZANDO O CONTROLE DO ESCOPO Vale lembrar que após a aprovação e efetivação da mudança, a documentação do projeto deve ser atualizada contendo esses novos processos. Para tanto é de extrema importância a documentação de todo o processo para o registro de lições aprendidas e para a manutenção dos ativos organizacionais no âmbito dos seus projetos.