SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Gestão Financeira
UM NOVO NEGÓCIO DENTRO DE SEU NEGÓCIO
APRESENTAÇÃO DO FACILITADOR


       Thiago Lavor – thiago@alavancar.me / @thlareis


       MBA Gerenciamento de Projetos / Gestão de Negócios


       8 anos mercado de TI / Gestão / Financeira


       Consultor e Sócio Fundador do Alavancar.me
Pauta
                                             1º
INTRODUÇÃO
   Conceitos   Básicos    da   Gestão
   Financeira


1 PARTE – COMO SE CONSTROI UMA
VISÃO FINANCEIRA                             DIA
Receitas e Custos e       Despesas   e
Investimentos
Estrutura de Apuração
Planejamento e Operação
Plano de Contas
Capital de Giro




                                          www.alavancar.me
Para onde?
Sem Controle Financeiro

                   Extrato Bancário
       Banco Aplicação
       Extrato de conta corrente
       João Sobrinho         Conta: 102.203.452/10
       Dia      Historio   Debito Credito    Saldo
       1/jan    Deposito           500       500
       3/jan    Cheque     50                450
       5/jan    Saque      600               -150
       10/jan   Deposito           300       150
       15/jan   Deposito           200       350
       17/Jan   Cheque     600               -250
       24/jan   Deposito           1000      750
       26/Jan   Saque      400               350
       28/jan   Cheque     380               -30
Estranha Equação
MUITO TRABALHO
BON$
       EGÓCIOS
www.alavancar.me
www.alavancar.me
Separar

          • Análise
          • Identificação
          • Controle
          • Planejamento
          • Monitoramento
Desenvolver Mecanismos de Controle
Erros Frequentes

• Definir   como     custo
  estoque
• Definir    Equipamento
  como custo
• Não     Classificar  ou
  Subdividir Investimento,
  Custos e Centro de
  Resultados
Modelo de Gestão Financeira
                              Visão


                           Apuração


                         Lançamento


                      Centro de Resultado


                        Plano de Conta
Plano de Contas

• O plano de contas é uma lista de contas que serão
  utilizadas para a consolidação das transações
  financeiras da sua empresa.
Plano de Contas
ADM
 • Telefonia
 • Aluguel
 • Combustível
 • Viagem
 • etc

PESSOAL
 • Folha
 • Férias
 • Alimentação
 • Transporte
 • etc

IMPOSTOS
 • IRPJ
 • CS
 • etc

ETC...
Plano de Contas

ESTOQUE
• Grupo 1
• Grupo 2
• etc
INVESTIMENTO
• Equipamentos
• Obras
• etc
Centro de Custo

• o conceito de centro de custo, ou seja, o
  departamento ou grupo que originou a transação
  (receita ou despesa) financeira. Desta forma posso
  tirar relatórios consolidados pela conta (do plano de
  contas) e pelo centro de custo.
Centro de Custos




                     Escritório




                                         Logística
Loja




       •L1                        •E1                •G1
       •L2                        •E2                •G2
       •Etc                       •Etc
Centro de Custos vs Plano de Contas
Análise




Os gráficos além de elucidar e demonstrar as metas conquistadas
e desejadas, também demonstram o desempenho da Empresa.
Análise
Análise Gráfica

                                                  - DESPESAS

      200,000.00
      180,000.00
      160,000.00
      140,000.00
      120,000.00
 R$




      100,000.00
       80,000.00
       60,000.00
       40,000.00
       20,000.00
              -
                                      fev




                                                          mai




                                                                                                     nov


                                                                                                           dez
                                                                                               out
                                            mar


                                                    abr




                                                                  jun


                                                                        jul




                                                                                       set
                                jan
                   Media 2010




                                                                                                                 média 2011
                                                                                 ago
                                                          Histórico       2011          2010
Análise

     25000
                  45000
                          CMV
                          LUCRO LIQUIDO
  16000
                          IMPOSTOS
          14000           DESPESAS OPERACIONAIS
CMV
                                CMV = EI + C + CA – DC – EF
                                CMV – custo da mercadoria
                                vendida
                                EI – estoque inicial
                                C – compras
                                CA – custo acessório
                                (fretes, seguros, carga e
                                descarga)
                                DC – devoluções de compras
                                EF – estoque final

Custo da Mercadoria e Serviços Vendidos – COMPETÊNCIA
CMV
                                CMV = EI + C + CA – DC – EF
                                CMV – custo da mercadoria
                                vendida
                                EI – estoque inicial
                                C – compras
                                CA – custo acessório
                                (fretes, seguros, carga e
                                descarga)
                                DC – devoluções de compras
                                EF – estoque final

Custo da Mercadoria e Serviços Vendidos – COMPETÊNCIA
DESPESAS OPERACIONAIS




   Despesas tipo Aluguel, Folha, Encargos; Administrativos, Etc
   Que referem se ao mês em que o produto ou serviço foi vendido
   (competência).
IMPOSTOS


  Imposto é a imposição de um
 encargo financeiro ou outro tributo
 sobre o contribuinte (pessoa física
 ou jurídica) por um estado ou o
 equivalente funcional de um
 estado a partir da ocorrência de
 um fato gerador,
LUCRO BRUTO
 Lucro Bruto = Receita – CMV
 Margem Bruta = Lucro Bruto / Receita

 A margem bruta mede a eficiência
 comercial do negócio. Representa a
 margem comercial. No maior parte das
 vezes o preço é o mercado
 determina, e não a empresa.
 Consequentemente         a     margem
 comercial mede a eficiência entre o ato
 da compra e da venda. A estrutura de
 custo do produto ou serviço prestado é
 o diferencial entre as empresa
LUCRO OPERACIONAL

             Lucro Operacional = Lucro Bruto –
             Despesas Operacionais
             Margem Operacional = Lucro Operacional /
             receita

             A margem operacional mede a eficiência da
             estrutura de custos operacionais da
             empresa. A principal tarefa é identificar os
             custos fixos da empresa, principal
             componente nesta análise: Alugueis
             folha, Desp. Adm, etc
LUCRO LÍQUIDO
Lucro Líquido = Lucro Bruto – Impostos
Margem Líquida = Lucro Liquido/ receita

A margem líquida acrescenta a margem
operacional o componente imposto. O
que está em jogo é a organização
tributária da empresa.
VISÃO
Margem Bruta



Margem
                  Visão
Operacional      Analítica

Margem Liquida
VISÃO
   • Receita                       • Mg
                                     Bruta

               Mercado    CMV



                          Custos
               Impostos
                          Fixos

   • Mg Liq.                       • Mg
                                     Oper
VISÃO / AÇÕES
   Mercado          CM            Custo Fixo       Impostos

                   Pesquisa de
                                    Curva ABC de    Oportunidades
    Market Share      Merc.
                                       custos         tributárias
                   fornecedor


                    Produtos         Revisão de
     Matriz BCG                                          Etc
                   Alternativos      contratos



    Margem por                       Revisão de
                   Importações
      família                        processos



      Nichos           Etc              Etc



    Agregação de
        Valor



        Etc
RESULTADO CAIXA
RECEITA          100.000,00
DESPESAS         123.500,00
 ADM             10.000,00
 Mão de Obra     15.000,00    Despesas Operacionais
 Financeira      3.500,00
 Impostos        20.000,00
 Investimentos   25.000,00     Conta de despesas. Não é custo. O resultado econômico não “enxerga”

 Fornecedores    50.000,00     Conta de despesas. Não é custo. O resultado econômico não “enxerga”

FLCX             (23.500)
SISTEMA DE
 VERBAS METAS
  PROVISÕES E
MONITORAMENTO
Tomada de Decisão
40.0%
           - MARGEM LÍQUIDA                - LUCRO LÍQUIDO
20.0%
 0.0%                         110,000.00
                 fev



                mai




                nov
                dez
                 out
                abr
                mar




                  jul

                 set
                 jan




                 jun




         média 2011
         Media 2010




                ago
-20.0%




                              R$
                               60,000.00
%




-40.0%
                               10,000.00




                                           Media…




                                           média…
                                             fev




                                             out
                                             set
                                             mai




                                             nov
                                             dez
                                             jan




                                             jun
                                              jul
                                            mar
                                             abr




                                            ago
                              -40,000.00


                 Histórico                        Histórico
Organizando-se para a
  Gestão Financeira
Motivação

Garante a saúde de sua
empresa e,
Mantendo a liquidez,
Compromissos assumidos são
honrados
Ampliar seus lucros sobre
investimentos.
Manutenção da liquidez:

A manutenção de uma liquidez confortável e seus
resultados satisfatórios são frutos de uma série de
decisões e atitudes tomadas diariamente.


                 Manutenção da liquidez: significa que
                  os recursos que entram no caixa da
                 empresa serão suficientes para pagar
                          seus compromissos
Decisões

Impactos positivos
Impactos negativos
Impactos positivos
Redução de estoques de materiais ou de mercadorias
(estoques excedentes).
Redução dos prazos de recebimentos de
vendas, mediante:
    aumento das vendas à vista.
    ações efetivas de cobrança e melhoria no crediário
    para
reduzir os valores em atrasos com as vendas a prazo.
Aumento de prazos para pagamentos aos
fornecedores.
Entrada de novos recursos no caixa, mediante:
    integralização de capital dos sócios.
    vendas à vista de equipamentos ociosos.
Aumento dos lucros
Impactos negativos
Aumento de estoques, devido a compras
excessivas ou queda nas vendas.
Aumento dos prazos de vendas, com
financiamentos da própria empresa.
Aumento da inadimplência (clientes em atraso).
Aumento das compras à vista.
Aumento do tempo de fabricação.
Retiradas de recursos para aplicações em outras
atividades.
Excesso de retiradas pelos sócios.
Redução dos lucros mensais
Informações
gestão financeira, o empresário precisa
lidar com números e informações o tempo
todo

Se a empresa tem números
confiáveis, ele consegue informações para
tomar decisões

Para obter informações úteis à gestão
financeira, o primeiro estágio será
organizar os controles internos para que
eles forneçam as informações necessárias
à tomada de decisões.
Informações

O segundo estágio consiste na
preparação dos dados e das informações
necessárias para a gestão do capital de
giro.

O terceiro e último estágio apresenta os
instrumentos e as ações para a sua
gestão, para a qual o fluxo de caixa é o
instrumento básico.
Confiabilidade

Não adianta a empresa ter
uma série de dados, se os
registros existentes não
forem confiáveis e se os
procedimentos adotados não
estiverem organizados para
fornecer informações em tempo
hábil.
Controles financeiros básicos
                         Controle Diário de Caixa: Registra todas as
                         entradas e saídas de dinheiro, além de apurar o
                         saldo existente no caixa;

                         Controle Bancário:É o registro diário de toda
                         a movimentação bancária e do controle de
                         saldos existentes;

                         Controle Diário de Vendas: Sua principal
                         finalidade é acompanhar as vendas diárias e o
                         total das vendas acumuladas durante o mês;
Controles financeiros básicos

Controle de Contas a Receber:Tem como
finalidade    controlar    os    valores  a
receber, provenientes das vendas a prazo;

Controle de Contas a Pagar: Chegou a hora
de honrar os compromissos financeiros

Controle de Estoques: Controlando os
estoques existentes na sua empresa, você evita
desvios, fornece informações para reposição
dos produtos vendidos, e ainda, facilita a
tomada de providências para redução dos
produtos parados no estoque.
REFLEXÕES

 A sua empresa              já    tem     controles
 financeiros?
 Os controles são de fundamental importância para o dia-
 a-dia da empresa.

 As informações geradas com esses controles
 representam o primeiro estágio para a gestão do capital de
 giro
O Que é Capital de
      Giro?
Definição

Capital de giro significa capital de
trabalho, ou seja, o capital necessário para
financiar a continuidade das operações da
empresa,      como        recursos      para
financiamento:

 Clientes (nas vendas a prazo),
Manter estoques
Recursos       para     pagamento    aos
fornecedores (compras de matéria-prima ou
mercadorias de revenda)
Pagamento de impostos
Salários
Demais custos e despesas operacionais.
Se o capital de giro está relacionado com as contas
financeiras que giram ou movimentam o dia-a-dia da
empresa, podemos concluir que:


 a) Toda empresa que vende a        precisa de recursos para financiar
    prazo                           seus clientes.
 b) Toda empresa que mantém         precisa de recursos para financiar
 estoque de matéria-prima ou        estoques.
 de mercadorias
 c) Quando a empresa compra a       significa que os fornecedores
 prazo (matéria-prima ou            financiam parte ou a totalidade do
 mercadorias)                       estoque.
 d) Quando a empresa tem            significa que parte ou a totalidade
 prazos para pagar as despesas      dessas despesas é financiada
 (impostos, energia,                pelos fornecedores
 salários e outros gastos).         de serviços.
A interpretação das situações acima nos leva a determinar em quais
contas a empresa precisa aplicar recursos e de que contas a empresa
obtém recursos para financiar o capital de giro



 APLICAÇÃO EM CAPITAL DE                        FINANCIAMENTO DE CAPITAL DE
   GIRO                                         GIRO

 Contas a receber de clientes      Fornecedores de matéria-prima e
 Estoques (matéria-prima,          de mercadorias
 estoque de produtos acabados Impostos a pagar
 e estoque de mercadorias) de Capital de Giro representa a
               A Necessidade       Despesas a pagar (energia,
                                   salários, telefone, etc.).
                  diferença entre o montante de recursos
             aplicados em capital de giro (I) menos o total dos
              recursos que a empresa consegue para financiar
                             o capital de giro (II)
Alavancar me gestão financeira aula1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila cathedra contabilidade de custos
Apostila cathedra   contabilidade de custosApostila cathedra   contabilidade de custos
Apostila cathedra contabilidade de custos
contacontabil
 
Cap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dre
Cap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dreCap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dre
Cap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dre
controladoriacontab
 
Apostila v ponto de equilibrio
Apostila v   ponto de equilibrioApostila v   ponto de equilibrio
Apostila v ponto de equilibrio
zeramento contabil
 
Aulas de Custos (Componentes de Custos)
Aulas de Custos (Componentes de Custos)Aulas de Custos (Componentes de Custos)
Aulas de Custos (Componentes de Custos)
Adriano Bruni
 
Contabilidade de Custos
Contabilidade de CustosContabilidade de Custos
Contabilidade de Custos
Augusto Rocha
 
Questoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencialQuestoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencial
simuladocontabil
 
Exercicios principios contabeis aplicados custos
Exercicios principios contabeis aplicados custosExercicios principios contabeis aplicados custos
Exercicios principios contabeis aplicados custos
simuladocontabil
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
zeramento contabil
 
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
capitulocontabil
 
Apostila gestao de_custos_administracao
Apostila gestao de_custos_administracaoApostila gestao de_custos_administracao
Apostila gestao de_custos_administracao
zeramento contabil
 

Mais procurados (20)

Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de CustosAula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
Aula 6 - Histórico e Definição de Contabilidade de Custos
 
Apostila cathedra contabilidade de custos
Apostila cathedra   contabilidade de custosApostila cathedra   contabilidade de custos
Apostila cathedra contabilidade de custos
 
Classifique os custos 03
Classifique os custos 03Classifique os custos 03
Classifique os custos 03
 
Contab custos 5o_per_1b_2010
Contab custos 5o_per_1b_2010Contab custos 5o_per_1b_2010
Contab custos 5o_per_1b_2010
 
Cap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dre
Cap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dreCap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dre
Cap 03 gabarito cf cap_tulo_03 dre
 
Ponto de equilíbrio
Ponto de equilíbrioPonto de equilíbrio
Ponto de equilíbrio
 
Apostila v ponto de equilibrio
Apostila v   ponto de equilibrioApostila v   ponto de equilibrio
Apostila v ponto de equilibrio
 
Aulas de Custos (Componentes de Custos)
Aulas de Custos (Componentes de Custos)Aulas de Custos (Componentes de Custos)
Aulas de Custos (Componentes de Custos)
 
Contabilidade de Custos
Contabilidade de CustosContabilidade de Custos
Contabilidade de Custos
 
Questoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencialQuestoes contabilidade gerencial
Questoes contabilidade gerencial
 
Exercicios principios contabeis aplicados custos
Exercicios principios contabeis aplicados custosExercicios principios contabeis aplicados custos
Exercicios principios contabeis aplicados custos
 
Ponto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriaisPonto de equilíbrio custos industriais
Ponto de equilíbrio custos industriais
 
Contabilidade de custos slides 06 - leonardo almeida - custeio por absorção...
Contabilidade de custos   slides 06 - leonardo almeida - custeio por absorção...Contabilidade de custos   slides 06 - leonardo almeida - custeio por absorção...
Contabilidade de custos slides 06 - leonardo almeida - custeio por absorção...
 
Análise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrioAnálise do ponto de equilíbrio
Análise do ponto de equilíbrio
 
Analise de custos
Analise de custosAnalise de custos
Analise de custos
 
Custos completo
Custos completoCustos completo
Custos completo
 
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5Exercicios contabilidade exercicioscap 5
Exercicios contabilidade exercicioscap 5
 
Resumo custos
Resumo custosResumo custos
Resumo custos
 
Apostila gestao de_custos_administracao
Apostila gestao de_custos_administracaoApostila gestao de_custos_administracao
Apostila gestao de_custos_administracao
 
Contabilidade de Custo: uma ferramenta gerencial e estratégica
Contabilidade de Custo: uma ferramenta gerencial e estratégicaContabilidade de Custo: uma ferramenta gerencial e estratégica
Contabilidade de Custo: uma ferramenta gerencial e estratégica
 

Destaque

Project Builder PMO
Project Builder PMOProject Builder PMO
Project Builder PMO
Thiago Reis
 
Verdadeiro poder-falconi
Verdadeiro poder-falconiVerdadeiro poder-falconi
Verdadeiro poder-falconi
Ana
 
Sgq apresentação
Sgq apresentaçãoSgq apresentação
Sgq apresentação
Carlos Rocha
 
Gerenciamento da rotina 1 modulo
Gerenciamento da rotina 1 moduloGerenciamento da rotina 1 modulo
Gerenciamento da rotina 1 modulo
Thiago Reis
 
Gestão da qualidade tqm e modelos de excelência
Gestão da qualidade tqm e modelos de excelênciaGestão da qualidade tqm e modelos de excelência
Gestão da qualidade tqm e modelos de excelência
Felipe Guedes Pinheiro
 
Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2
Thiago Reis
 

Destaque (20)

Project Builder PMO
Project Builder PMOProject Builder PMO
Project Builder PMO
 
Estratégia e indicadores
Estratégia e indicadoresEstratégia e indicadores
Estratégia e indicadores
 
Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)Palestra iso 9001 ej ros (1)
Palestra iso 9001 ej ros (1)
 
Sistemas de Gestão de Qualidade
Sistemas de Gestão de QualidadeSistemas de Gestão de Qualidade
Sistemas de Gestão de Qualidade
 
Verdadeiro poder-falconi
Verdadeiro poder-falconiVerdadeiro poder-falconi
Verdadeiro poder-falconi
 
TQM MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL
TQM MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTALTQM MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL
TQM MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL
 
O verdadeiro poder - Vicente Falconi
O verdadeiro poder - Vicente FalconiO verdadeiro poder - Vicente Falconi
O verdadeiro poder - Vicente Falconi
 
Falconi 1992 Controle de qualidade- Eng. de Produção (capitulos apenas)
Falconi 1992 Controle de qualidade- Eng. de Produção (capitulos apenas) Falconi 1992 Controle de qualidade- Eng. de Produção (capitulos apenas)
Falconi 1992 Controle de qualidade- Eng. de Produção (capitulos apenas)
 
Sgq apresentação
Sgq apresentaçãoSgq apresentação
Sgq apresentação
 
Apresentação - Igor - 23.08.2012
Apresentação - Igor - 23.08.2012Apresentação - Igor - 23.08.2012
Apresentação - Igor - 23.08.2012
 
Ebook 9001 2015
Ebook 9001 2015Ebook 9001 2015
Ebook 9001 2015
 
4 Atitudes para ser bem sucedido
4 Atitudes para ser bem sucedido4 Atitudes para ser bem sucedido
4 Atitudes para ser bem sucedido
 
Projeto Rumo a ISO 9001:2015
Projeto Rumo a ISO 9001:2015Projeto Rumo a ISO 9001:2015
Projeto Rumo a ISO 9001:2015
 
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
2009 - Introdução ao SGQ para Novos Colaboradores
 
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
Palestra gestão de riscos na nova ISO 9001:2015
 
Gerenciamento da rotina 1 modulo
Gerenciamento da rotina 1 moduloGerenciamento da rotina 1 modulo
Gerenciamento da rotina 1 modulo
 
Gestão da qualidade tqm e modelos de excelência
Gestão da qualidade tqm e modelos de excelênciaGestão da qualidade tqm e modelos de excelência
Gestão da qualidade tqm e modelos de excelência
 
Gerenciamento da Rotina_MODULO_4
Gerenciamento da Rotina_MODULO_4Gerenciamento da Rotina_MODULO_4
Gerenciamento da Rotina_MODULO_4
 
Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2Gerenciamento da rotina modulo 2
Gerenciamento da rotina modulo 2
 
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
 

Semelhante a Alavancar me gestão financeira aula1

Contabilidade aula 04 receitas x despesas
Contabilidade aula 04 receitas x despesasContabilidade aula 04 receitas x despesas
Contabilidade aula 04 receitas x despesas
capitulocontabil
 
Apostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadoresApostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadores
Marcus Oliveira
 

Semelhante a Alavancar me gestão financeira aula1 (17)

Gestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentáriaGestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentária
 
Contabilidade aula 04 receitas x despesas
Contabilidade aula 04 receitas x despesasContabilidade aula 04 receitas x despesas
Contabilidade aula 04 receitas x despesas
 
Prova 2012 02_tecnico_resolução .:. www.tc58n.wordpress.com
Prova 2012 02_tecnico_resolução  .:. www.tc58n.wordpress.comProva 2012 02_tecnico_resolução  .:. www.tc58n.wordpress.com
Prova 2012 02_tecnico_resolução .:. www.tc58n.wordpress.com
 
Apostila etec pfo iii
Apostila etec   pfo iiiApostila etec   pfo iii
Apostila etec pfo iii
 
Contabilidade para não contadores
Contabilidade para não contadoresContabilidade para não contadores
Contabilidade para não contadores
 
5° modulo de contabilidade
5° modulo de contabilidade5° modulo de contabilidade
5° modulo de contabilidade
 
03 como administrar_os_custos_de_sua_empresa
03 como administrar_os_custos_de_sua_empresa03 como administrar_os_custos_de_sua_empresa
03 como administrar_os_custos_de_sua_empresa
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Aula custos
Aula custosAula custos
Aula custos
 
Avaliação de Empresas.pdf
Avaliação de Empresas.pdfAvaliação de Empresas.pdf
Avaliação de Empresas.pdf
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
 
"Remuneração de Advogados e Sócios" - Lara Selem - Netsalas
"Remuneração de Advogados e Sócios" - Lara Selem - Netsalas"Remuneração de Advogados e Sócios" - Lara Selem - Netsalas
"Remuneração de Advogados e Sócios" - Lara Selem - Netsalas
 
Apostila finanças
Apostila   finançasApostila   finanças
Apostila finanças
 
Apostila vii eva e mva
Apostila vii   eva e mvaApostila vii   eva e mva
Apostila vii eva e mva
 
Palestra Financas para Empreendedores - Workshop Unisal 2014
Palestra Financas para Empreendedores - Workshop Unisal 2014Palestra Financas para Empreendedores - Workshop Unisal 2014
Palestra Financas para Empreendedores - Workshop Unisal 2014
 
Apostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadoresApostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadores
 

Mais de Thiago Reis

Culture code growth machine
Culture code   growth machineCulture code   growth machine
Culture code growth machine
Thiago Reis
 
Project builder puc minas
Project builder puc minasProject builder puc minas
Project builder puc minas
Thiago Reis
 
Paradigma = modelo, padrão, exemplo
Paradigma = modelo, padrão, exemploParadigma = modelo, padrão, exemplo
Paradigma = modelo, padrão, exemplo
Thiago Reis
 
Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3
Thiago Reis
 

Mais de Thiago Reis (12)

Culture code growth machine
Culture code   growth machineCulture code   growth machine
Culture code growth machine
 
Dinamica
DinamicaDinamica
Dinamica
 
Execução: A disciplina para atingir resultados
Execução: A disciplina para atingir resultadosExecução: A disciplina para atingir resultados
Execução: A disciplina para atingir resultados
 
Project builder puc minas
Project builder puc minasProject builder puc minas
Project builder puc minas
 
Alavancar.me comercial
Alavancar.me comercialAlavancar.me comercial
Alavancar.me comercial
 
Project Model Canvas - Palestra Infnet
Project Model Canvas - Palestra InfnetProject Model Canvas - Palestra Infnet
Project Model Canvas - Palestra Infnet
 
Modelo de negocio
Modelo de negocioModelo de negocio
Modelo de negocio
 
Paradigma = modelo, padrão, exemplo
Paradigma = modelo, padrão, exemploParadigma = modelo, padrão, exemplo
Paradigma = modelo, padrão, exemplo
 
Jogos de criatividade
Jogos de criatividadeJogos de criatividade
Jogos de criatividade
 
Pb PMTOOLS
Pb PMTOOLSPb PMTOOLS
Pb PMTOOLS
 
Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3Gerenciamento da rotina modulo-3
Gerenciamento da rotina modulo-3
 
Projeto Co2 Neutro
Projeto Co2 NeutroProjeto Co2 Neutro
Projeto Co2 Neutro
 

Alavancar me gestão financeira aula1

  • 1. Gestão Financeira UM NOVO NEGÓCIO DENTRO DE SEU NEGÓCIO
  • 2. APRESENTAÇÃO DO FACILITADOR Thiago Lavor – thiago@alavancar.me / @thlareis MBA Gerenciamento de Projetos / Gestão de Negócios 8 anos mercado de TI / Gestão / Financeira Consultor e Sócio Fundador do Alavancar.me
  • 3. Pauta 1º INTRODUÇÃO Conceitos Básicos da Gestão Financeira 1 PARTE – COMO SE CONSTROI UMA VISÃO FINANCEIRA DIA Receitas e Custos e Despesas e Investimentos Estrutura de Apuração Planejamento e Operação Plano de Contas Capital de Giro www.alavancar.me
  • 5. Sem Controle Financeiro Extrato Bancário Banco Aplicação Extrato de conta corrente João Sobrinho Conta: 102.203.452/10 Dia Historio Debito Credito Saldo 1/jan Deposito 500 500 3/jan Cheque 50 450 5/jan Saque 600 -150 10/jan Deposito 300 150 15/jan Deposito 200 350 17/Jan Cheque 600 -250 24/jan Deposito 1000 750 26/Jan Saque 400 350 28/jan Cheque 380 -30
  • 8. BON$ EGÓCIOS
  • 11. Separar • Análise • Identificação • Controle • Planejamento • Monitoramento
  • 13. Erros Frequentes • Definir como custo estoque • Definir Equipamento como custo • Não Classificar ou Subdividir Investimento, Custos e Centro de Resultados
  • 14. Modelo de Gestão Financeira Visão Apuração Lançamento Centro de Resultado Plano de Conta
  • 15. Plano de Contas • O plano de contas é uma lista de contas que serão utilizadas para a consolidação das transações financeiras da sua empresa.
  • 16. Plano de Contas ADM • Telefonia • Aluguel • Combustível • Viagem • etc PESSOAL • Folha • Férias • Alimentação • Transporte • etc IMPOSTOS • IRPJ • CS • etc ETC...
  • 17. Plano de Contas ESTOQUE • Grupo 1 • Grupo 2 • etc INVESTIMENTO • Equipamentos • Obras • etc
  • 18. Centro de Custo • o conceito de centro de custo, ou seja, o departamento ou grupo que originou a transação (receita ou despesa) financeira. Desta forma posso tirar relatórios consolidados pela conta (do plano de contas) e pelo centro de custo.
  • 19. Centro de Custos Escritório Logística Loja •L1 •E1 •G1 •L2 •E2 •G2 •Etc •Etc
  • 20. Centro de Custos vs Plano de Contas
  • 21. Análise Os gráficos além de elucidar e demonstrar as metas conquistadas e desejadas, também demonstram o desempenho da Empresa.
  • 23. Análise Gráfica - DESPESAS 200,000.00 180,000.00 160,000.00 140,000.00 120,000.00 R$ 100,000.00 80,000.00 60,000.00 40,000.00 20,000.00 - fev mai nov dez out mar abr jun jul set jan Media 2010 média 2011 ago Histórico 2011 2010
  • 24. Análise 25000 45000 CMV LUCRO LIQUIDO 16000 IMPOSTOS 14000 DESPESAS OPERACIONAIS
  • 25. CMV CMV = EI + C + CA – DC – EF CMV – custo da mercadoria vendida EI – estoque inicial C – compras CA – custo acessório (fretes, seguros, carga e descarga) DC – devoluções de compras EF – estoque final Custo da Mercadoria e Serviços Vendidos – COMPETÊNCIA
  • 26. CMV CMV = EI + C + CA – DC – EF CMV – custo da mercadoria vendida EI – estoque inicial C – compras CA – custo acessório (fretes, seguros, carga e descarga) DC – devoluções de compras EF – estoque final Custo da Mercadoria e Serviços Vendidos – COMPETÊNCIA
  • 27. DESPESAS OPERACIONAIS Despesas tipo Aluguel, Folha, Encargos; Administrativos, Etc Que referem se ao mês em que o produto ou serviço foi vendido (competência).
  • 28. IMPOSTOS Imposto é a imposição de um encargo financeiro ou outro tributo sobre o contribuinte (pessoa física ou jurídica) por um estado ou o equivalente funcional de um estado a partir da ocorrência de um fato gerador,
  • 29. LUCRO BRUTO Lucro Bruto = Receita – CMV Margem Bruta = Lucro Bruto / Receita A margem bruta mede a eficiência comercial do negócio. Representa a margem comercial. No maior parte das vezes o preço é o mercado determina, e não a empresa. Consequentemente a margem comercial mede a eficiência entre o ato da compra e da venda. A estrutura de custo do produto ou serviço prestado é o diferencial entre as empresa
  • 30. LUCRO OPERACIONAL Lucro Operacional = Lucro Bruto – Despesas Operacionais Margem Operacional = Lucro Operacional / receita A margem operacional mede a eficiência da estrutura de custos operacionais da empresa. A principal tarefa é identificar os custos fixos da empresa, principal componente nesta análise: Alugueis folha, Desp. Adm, etc
  • 31. LUCRO LÍQUIDO Lucro Líquido = Lucro Bruto – Impostos Margem Líquida = Lucro Liquido/ receita A margem líquida acrescenta a margem operacional o componente imposto. O que está em jogo é a organização tributária da empresa.
  • 32. VISÃO Margem Bruta Margem Visão Operacional Analítica Margem Liquida
  • 33. VISÃO • Receita • Mg Bruta Mercado CMV Custos Impostos Fixos • Mg Liq. • Mg Oper
  • 34. VISÃO / AÇÕES Mercado CM Custo Fixo Impostos Pesquisa de Curva ABC de Oportunidades Market Share Merc. custos tributárias fornecedor Produtos Revisão de Matriz BCG Etc Alternativos contratos Margem por Revisão de Importações família processos Nichos Etc Etc Agregação de Valor Etc
  • 35. RESULTADO CAIXA RECEITA 100.000,00 DESPESAS 123.500,00 ADM 10.000,00 Mão de Obra 15.000,00 Despesas Operacionais Financeira 3.500,00 Impostos 20.000,00 Investimentos 25.000,00 Conta de despesas. Não é custo. O resultado econômico não “enxerga” Fornecedores 50.000,00 Conta de despesas. Não é custo. O resultado econômico não “enxerga” FLCX (23.500)
  • 36. SISTEMA DE VERBAS METAS PROVISÕES E MONITORAMENTO
  • 37. Tomada de Decisão 40.0% - MARGEM LÍQUIDA - LUCRO LÍQUIDO 20.0% 0.0% 110,000.00 fev mai nov dez out abr mar jul set jan jun média 2011 Media 2010 ago -20.0% R$ 60,000.00 % -40.0% 10,000.00 Media… média… fev out set mai nov dez jan jun jul mar abr ago -40,000.00 Histórico Histórico
  • 38.
  • 39. Organizando-se para a Gestão Financeira
  • 40. Motivação Garante a saúde de sua empresa e, Mantendo a liquidez, Compromissos assumidos são honrados Ampliar seus lucros sobre investimentos.
  • 41. Manutenção da liquidez: A manutenção de uma liquidez confortável e seus resultados satisfatórios são frutos de uma série de decisões e atitudes tomadas diariamente. Manutenção da liquidez: significa que os recursos que entram no caixa da empresa serão suficientes para pagar seus compromissos
  • 43. Impactos positivos Redução de estoques de materiais ou de mercadorias (estoques excedentes). Redução dos prazos de recebimentos de vendas, mediante: aumento das vendas à vista. ações efetivas de cobrança e melhoria no crediário para reduzir os valores em atrasos com as vendas a prazo. Aumento de prazos para pagamentos aos fornecedores. Entrada de novos recursos no caixa, mediante: integralização de capital dos sócios. vendas à vista de equipamentos ociosos. Aumento dos lucros
  • 44. Impactos negativos Aumento de estoques, devido a compras excessivas ou queda nas vendas. Aumento dos prazos de vendas, com financiamentos da própria empresa. Aumento da inadimplência (clientes em atraso). Aumento das compras à vista. Aumento do tempo de fabricação. Retiradas de recursos para aplicações em outras atividades. Excesso de retiradas pelos sócios. Redução dos lucros mensais
  • 45. Informações gestão financeira, o empresário precisa lidar com números e informações o tempo todo Se a empresa tem números confiáveis, ele consegue informações para tomar decisões Para obter informações úteis à gestão financeira, o primeiro estágio será organizar os controles internos para que eles forneçam as informações necessárias à tomada de decisões.
  • 46. Informações O segundo estágio consiste na preparação dos dados e das informações necessárias para a gestão do capital de giro. O terceiro e último estágio apresenta os instrumentos e as ações para a sua gestão, para a qual o fluxo de caixa é o instrumento básico.
  • 47. Confiabilidade Não adianta a empresa ter uma série de dados, se os registros existentes não forem confiáveis e se os procedimentos adotados não estiverem organizados para fornecer informações em tempo hábil.
  • 48. Controles financeiros básicos Controle Diário de Caixa: Registra todas as entradas e saídas de dinheiro, além de apurar o saldo existente no caixa; Controle Bancário:É o registro diário de toda a movimentação bancária e do controle de saldos existentes; Controle Diário de Vendas: Sua principal finalidade é acompanhar as vendas diárias e o total das vendas acumuladas durante o mês;
  • 49. Controles financeiros básicos Controle de Contas a Receber:Tem como finalidade controlar os valores a receber, provenientes das vendas a prazo; Controle de Contas a Pagar: Chegou a hora de honrar os compromissos financeiros Controle de Estoques: Controlando os estoques existentes na sua empresa, você evita desvios, fornece informações para reposição dos produtos vendidos, e ainda, facilita a tomada de providências para redução dos produtos parados no estoque.
  • 50. REFLEXÕES A sua empresa já tem controles financeiros? Os controles são de fundamental importância para o dia- a-dia da empresa. As informações geradas com esses controles representam o primeiro estágio para a gestão do capital de giro
  • 51. O Que é Capital de Giro?
  • 52. Definição Capital de giro significa capital de trabalho, ou seja, o capital necessário para financiar a continuidade das operações da empresa, como recursos para financiamento:  Clientes (nas vendas a prazo), Manter estoques Recursos para pagamento aos fornecedores (compras de matéria-prima ou mercadorias de revenda) Pagamento de impostos Salários Demais custos e despesas operacionais.
  • 53. Se o capital de giro está relacionado com as contas financeiras que giram ou movimentam o dia-a-dia da empresa, podemos concluir que: a) Toda empresa que vende a precisa de recursos para financiar prazo seus clientes. b) Toda empresa que mantém precisa de recursos para financiar estoque de matéria-prima ou estoques. de mercadorias c) Quando a empresa compra a significa que os fornecedores prazo (matéria-prima ou financiam parte ou a totalidade do mercadorias) estoque. d) Quando a empresa tem significa que parte ou a totalidade prazos para pagar as despesas dessas despesas é financiada (impostos, energia, pelos fornecedores salários e outros gastos). de serviços.
  • 54. A interpretação das situações acima nos leva a determinar em quais contas a empresa precisa aplicar recursos e de que contas a empresa obtém recursos para financiar o capital de giro APLICAÇÃO EM CAPITAL DE FINANCIAMENTO DE CAPITAL DE GIRO GIRO Contas a receber de clientes Fornecedores de matéria-prima e Estoques (matéria-prima, de mercadorias estoque de produtos acabados Impostos a pagar e estoque de mercadorias) de Capital de Giro representa a A Necessidade Despesas a pagar (energia, salários, telefone, etc.). diferença entre o montante de recursos aplicados em capital de giro (I) menos o total dos recursos que a empresa consegue para financiar o capital de giro (II)