SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema de informação e avaliação destinado a
prover seus usuários com demonstrações e
análises de natureza econômica, financeira,
física, de produtividade especial com relação à
entidade objeto de contabilização. Quanto a
seu objeto, ciência do Patrimônio, que
evidencia as variações quantitativas e
qualitativas do mesmo. Em uma visão macro,
ciência que registra e avalia como e quão bem
a entidade utilizou os recursos a ela confiados.
CONTABILIDADE BASICA
CONCEITO
É a ciência que tem como objetivo observar, registrar
e informar os fatos econômico-financeiros
acontecidos dentro de um patrimônio pertencente a
uma entidade; mediante a aplicação do seu conjunto
de princípios, normas, técnicas e procedimentos
próprios.
OBJETO
O objeto da Contabilidade é o patrimônio das
entidades. Patrimônio administrável e em
constante alteração.
FINALIDADES
- Controlar o patrimônio das entidades
- Apurar o resultado das entidades
- Prestar informações sobre o patrimônio, sobre o
resultado das entidades aos diversos
usuários das informações contábeis.
ENTIDADE
É qualquer pessoa física ou jurídica detentora de um
patrimônio.
Modernamente as finalidades da Contabilidade são
reunidas em duas:
- Planejamento - a informação contábil pode ser um
forte suporte para o planejamento e, mais
ainda, quando estabelecendo padrões, torna claras
situações futuras.
- Controle - está ligado à análise das definições
adotadas pela organização.
CAMPO DE APLICAÇÃO
Pessoas físicas e pessoas jurídicas com finalidade
lucrativa ou não, inclusive as de Direito
Público como a União, Estados e Municípios.
INTERESSADOS
- Os proprietários e sócios de empresas;
- Os administradores de empresas;
- Os empregados das empresas;
- Os fornecedores e financiadores;
- Governos;
- O público em geral.
TÉCNICAS CONTÁBEIS
ESCRITURAÇÃO
É a técnica pela qual os fatos que ocorrem na
entidade influenciando o seu patrimônio, são
registrados.
DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
São relatórios onde são agrupados e divulgados os
fatos. Cada relatório é feito para atender a uma
finalidade específica.
AUDITORIA
É o exame da "documentação contábil" obedecendo
às normas especiais de procedimentos a
fim de verificar se os demonstrativos apresentados
representam com fidelidade a situação
patrimonial.
ANÁLISE DE BALANÇOS
Utilização de métodos e processos específicos na
decomposição, comparação e interpretação
do conteúdo das demonstrações contábeis para
determinar a capacidade de pagamento da empresa,
o grau de solvência, a evolução da empresa, a
estrutura patrimonial e outros.
PATRIMÔNIO
CONCEITO CONTÁBIL DE PATRIMÔNIO
Conjunto de bens, direitos e obrigações vinculados a
uma entidade num determinado
momento, susceptíveis de avaliação econômica.
COMPONENTES BÁSICOS
ATIVO
Representa todos os bens, direitos e valores a receber
de uma entidade. Se uma empresa compra uma
máquina, esta representa um bem de sua
propriedade, portanto um ativo. Por outro lado, se
uma empresa paga determinada quantia, digamos,
pela patente de uma invenção, ela passa a ter o
direito sobre essa patente. Assim uma patente
representa um direito; logo um ativo.
Exemplos de ativos:
- Dinheiro guardado em banco;
- Duplicatas a receber provenientes de vendas a
prazo;
- Veículos;
- Imóveis;
- Terrenos;
- Estoque de mercadorias.
PASSIVO
Representa todas as obrigações financeiras que uma
empresa tem para com terceiros.
É tudo que deve; as dívidas que ela contraiu. Assim se
uma empresa adquire um veículo para pagamento a
prazo, a posse do mesmo representa um ativo.
Mas por outro lado, a empresa passa a ter uma
obrigação para com a
pessoa ou empresa que vendeu o veículo.
Assim, ela passa a ter uma obrigação, que representa
um passivo exigível.
Exemplos de passivos:
- Duplicatas a pagar
- Salários a pagar
- Aluguéis a pagar
- Encargos sociais a pagar
- Juros a pagar
- Impostos a pagar
PATRIMÔNIO LIQUIDO
O patrimônio líquido representa o registro do valor
que os proprietários de uma empresa têm
aplicado no negócio.
Para ilustrar, vamos admitir que você e um sócio
decidiram abrir uma empresa.
Mas, para iniciar as atividades, a empresa necessita
de um capital inicial de R$ 20.000.000, que vocês
entregam ao gerente da firma.
No momento em que a empresa recebe o dinheiro, a
posse deste representa um ativo.
Mas, por outro lado, a empresa deve registrar que
seus proprietários (os sócios) aplicaram no
negócio uma determinada quantia, o capital, que
representa o patrimônio líquido da empresa.
A resposta é simples. Suponhamos que você decida
comprar um veículo; porém uma parte da
compra será financiada.
Assim temos:
Valor do veículo R$ 10.000
Valor pago à vista R$ 4.000
Valor a pagar R$ 6.000
Agora observe: Aposse do veículo representa para
você um patrimônio, chamado ativo.
Ao mesmo tempo, o valor que você ficou devendo,
representa uma obrigação e
conseqüentemente, um passivo exigível.
Dessa forma, se você tem um patrimônio no valor de
R$ 10.000, mas ainda está devendo R$
6.000 referente à sua compra, o valor líquido de seu
ativo é R$ 4.000,00. O que equivale a
dizer que seu patrimônio líquido monta em R$ 4.000.
EQUAÇÃO BÁSICA PATRIMONIAL
Agora que já sabemos classificar ativos, passivos e
patrimônio líquido, vejamos a equação
básica da contabilidade, que é bem simples:
ATIVO = PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO
A equação vista é chamada de "equação do balanço",
porque consiste em "balancear" o total
do ativo com o total obtido pela soma do passivo mais
o patrimônio liquido.
Sob o aspecto quantitativo o patrimônio é visto como
um fundo de valores; de um lado,
valores positivos (o ativo), formado pelo conjunto de
bens e direitos e, de outro, valores
negativos (o passivo, formado pelas obrigações
assumidas.)
DESPESAS, RECEITAS E
RESULTADO
Conceito de Despesas Topo
Despesas de uma empresa são os gastos,
desembolsados ou devidos pela mesma,
necessários ao desenvolvimento de suas operações.
Os gastos devidos são aqueles que ainda não foram
desembolsados, mas que já ocorreram.
Exemplo: as despesas de gasolina para pagamento no
final do mês.
Quando você pagar a conta do posto de gasolina,
então o gasto passará a ser desembolsado.
Não confunda desembolso com despesa.
O desembolso significa entregar dinheiro a alguém
por algum motivo.
Por exemplo o desembolso que você faz ao comprar
um automóvel à vista não representa uma
despesa: Você passa a ter um ativo, desde que
representa um bem para seu uso, e revenda
posterior.
Porém, a gasolina que você paga para que o carro
ande representa uma despesa.
Assim sendo, a diferença básica entre desembolso e
despesa esta no seguinte critério: Se o
desembolso provocar um aumento do ativo, ou uma
redução do passivo exigível, não será uma
despesa.
Não sendo esse o caso, então o desembolso
representará uma despesa.
Exemplos de despesas:
- Salários de empregados;
- Aluguel de salas;
- Gastos com material de limpeza;
- Gastos com material de escritório;
- Juros sobre empréstimos;
- Comissões de vendedores;
Veja que nenhum dos exemplos acima representa um
aumento do ativo ou uma diminuição do
passivo exigível.
Conceito de Receitas Topo
Considera-se como receita de uma empresa o
dinheiro que a mesma recebe ou tem direito a
receber, proveniente das operações da mesma.
Observe a diferença entre recebido e "com direito a
receber“.
Exemplo: Você é um corretor de imóveis e vende um
apartamento de um cliente.
Ao receber o dinheiro da comissão - que representa
uma receita para você - ele provocará um
aumento do seu ativo.
Na hipótese de você não ter recebido a comissão no
ato da venda, você terá o direito "a receber"
posteriormente, esse "direito" originou-se de uma
receita.
Não faça confusão, porém, entre os recebimentos
provenientes de receitas e aqueles
originados de outras fontes.
Por exemplo: O dinheiro que você recebeu, a título de
empréstimo do banco representa um
recebimento, e não uma receita.
O critério de distinção seria: Se o recebimento
provocar diminuição do ativo ou aumento do
passivo exigível, não será uma receita.
Não sendo esse o caso, então o recebimento
representará uma receita.
Exemplos de Receitas:
- Receita de serviços prestados;
- Receita de aluguel;
- Receita de juros;
- Receita de vendas.
Observe que nenhum dos exemplos acima representa
uma diminuição do ativo ou aumento do
passivo exigível.
Conceito de Resultado
Agora que já conhecemos o conceito de despesas e
de receitas, o conceito de resultado é bem
simples: Representa a diferença entre as despesas e
receitas de um período determinado.
LUCRO OU PREJUÍZO
Lucro: total de receitas é superior ao total de
despesas;
- Prejuízo: total de despesas é maior que a soma de
receitas.
A influência do resultado entre despesas e receitas no
patrimônio líquido:
- As receitas aumentam o Patrimônio Liquido;
- As despesas diminuem o Patrimônio Liquido.
FATOS CONTÁBEIS
Os fatos contábeis classificam-se em:
a) Fatos Permutativos
b) Fatos Modificativos
c) Fatos Mistos
FATOS PERMUTATIVOS
Não alteram o patrimônio líquido, ocorrendo somente
trocas entre os elementos do patrimônio,
tais como: Bens por bens, bens por obrigações,
direitos por bens, etc.
Exemplos:
- Compra de mercadorias a vista (bens por bens)
- Compra de mercadorias a prazo
(bens por obrigações)
- Recebimento de uma duplicata (direitos por bens)
FATOS MODIFICATIVOS
Alteram o patrimônio líquido aumentando-o ou
diminuindo-o, como as receitas e as despesas.
Exemplos:
- Receitas de aluguel
- Fato modificativo aumentativo
- Receitas de juros - fato modificativo aumentativo
- Despesas de salários - fato modificativo diminutivo
- Despesas financeiras - fato modificativo diminutivo
FATOS MISTOS
Combina fatos permutativos e modificativos.
Exemplos:
- Venda de mercadorias com lucro
- Fato Misto Aumentativo
- Venda de mercadorias com prejuízo - Fato Misto
Diminutivo
- Pagamento de uma duplicata com juros - Fato Misto
Diminutivo
- Recebimento de uma duplicata com juros - Fato
Misto Aumentativo
REGISTRO DAS TRANSAÇÕES
MEIO DE REGISTRO: CONTAS
Suponhamos que você vá ao banco e efetue um
depósito em seu próprio nome.
Sendo correntista do banco, você terá uma conta
aberta em seu nome.
O que significa dizer que o valor depositado vai ser
anotado em um registro, destinado a
demonstrar todas as suas transações com o banco,
chamado conta.
Da mesma forma que o banco, as empresas utilizam
para registrar as transações ocorridas,
uma conta.
O nome de uma conta indica o tipo de transação que
deve ser registrado na mesma.
E deve indicar também se a conta é de ativo, passivo
exigível ou patrimônio líquido.
LANÇAMENTOS
É o registro de uma transação em uma conta.
Os elementos "anotados" em um lançamento são:
- Data,
- O nome das contas que sofrerão alterações,
- Um breve histórico da transação.
- O valor da transação.
CONVENÇÕES PARA REGISTRO: DÉBITO E CRÉDITO
Débito e crédito são palavras convencionadas para
indicar se uma transação aumenta ou
diminui o ativo, o passivo exigível e o patrimônio
líquido de uma empresa.
Como o total de cada um desses componentes é
formado pela soma de diversas contas, temos
que os débitos e créditos indicam se o saldo de uma
conta deve ser aumentado ou diminuído
em função de uma transação.
ONDE REGISTRAR: LIVRO DIÁRIO GERAL
- Valor dos débitos e créditos em cada conta
- Histórico da transação, descrito de forma resumida
CONTROLE DE CONTAS INDIVIDUAIS: LIVRO RAZÃO
O razão representa um sistema pelo qual se controla a
movimentação ocorrida individualmente
em cada conta.
A escrituração do mesmo pode ser feita através de
um livro, ou pela utilização de fichas, cada
página ou ficha representando uma conta.
Exemplos de transações
A empresa, Capital, presta serviços de assistência
técnica e iniciou suas atividades
em19XX. Até 22 de janeiro de 20XX ocorreram as
transações descritas abaixo.
1. Cinco sócios formaram a sociedade, com a
participação de R$ 10.000 de cada, integralizada
em dinheiro. O valor total foi entregue ao gerente da
firma. Explicação: O dinheiro entrou em caixa,
aumentando o ativo (por débito). Foi também feito o
registro do capital social (por crédito, aumentando o
patrimônio líquido).
2. O dinheiro foi depositado em banco.
Explicação: O ativo caixa foi diminuído (por crédito),
mas o ativo banco c/ movimento aumentou
(por débito).
3. Foram comprados móveis e utensílios, a prazo, no
valor de R$ 1.500.
Explicação: A firma adquiriu a posse de um bem
(aumentando o ativo por débito), assumindo
uma obrigação (por crédito).
4. A firma prestou serviços, cobrando R$ 5.000,
depositados em banco.
Explicação: O dinheiro recebido e depositado
representa um aumento do ativo (por débito),
enquanto o registro da origem do numerário aumenta
o patrimônio líquido (por crédito).
5. Foram pagos por cheque os salários dos
empregados, R$ 1.600.
Explicação: O registro do aumento das despesas (e
diminuição do patrimônio líquido) é feito
por um débito; a saída do numerário (diminuição do
ativo) é registrada através de um crédito.
6. Prestou serviços a uma empresa, emitindo uma
fatura e duplicata de R$ 6.000, para
recebimento em 30 dias.
Explicação: A firma passou a ter um valor a receber,
aumentando o ativo (por débito), devendo
registrar a origem do mesmo (receita de serviços,
aumento do patrimônio líquido, por crédito).
7. Pagou 20% da compra a prazo dos móveis e
utensílios.
Explicação: O valor das obrigações foi diminuído (por
débito), enquanto o numerário em banco
também diminuiu (por crédito).
Contabilização
ESTRUTURA DAS CONTAS Topo
A conta tem alguns elementos essenciais, são:
Título, que deve representar o componente do
patrimônio que identifica.
Histórico, narração resumida do fato contábil que
provocou a alteração na conta.
Débitos e Créditos, são registrados um ou outro
dependendo se a conta foi debitada ou
creditada.
Saldo, é o valor resultante da diferença entre débitos
e créditos sofridos pela conta.
Coluna D/C, identifica se o saldo é devedor ou credor.
Essa estrutura pode ser melhor visualizada
observando-se um livro razão.
PLANO DE CONTAS
Toda obra exige um estudo prévio, elaboração de um
programa e estabelecimento detalhado
de um plano de ação.
O arquiteto ou engenheiro antes de iniciar a
construção de um prédio ele prepara uma planta e
um cronograma de obras que devera ser seguido pelo
mestre de obras.
Na contabilidade de uma entidade/empresa seja ela
de que porte for, o plano prévio de ação
chama se plano de contas.
É definido como um elenco de todas as contas
previstas pelo contabilista como necessárias
aos seus registros contábeis.
Ele não poderá ser rígido e inflexível, devendo pelo
contrário permitir que sejam inseridas
novas contas ou excluídas contas que não serão mais
usadas nos registros contábeis.
Recomenda-se ir alterando o plano de contas durante
o ano em curso e no final deste, imprimir
o mesmo por ocasião do balanço anual.
Veja um esquema de montagem de um plano de
contas:
1- Ativo
1.1 - Ativo Circulante
1.2 - Ativo Realizável a Longo Prazo
1.3 - Ativo Permanente
1.4 - Compensação Ativa
2 - Passivo
2.1 - Passivo Circulante
2.2 - Passivo Exigível a Longo Prazo
2.3 - Resultados de Exercícios Futuros
2.4 - Patrimônio Liquido
2.5 - Compensação Passiva
3 - Receitas
3.1 - Operacionais
3.2 - Não Operacionais
4 - Despesas
4.1 - Operacionais
4.2 - Não Operacionais
5 - Apuração de Resultado
5.1 - Resultado Bruto
5.2 - Resultado Liquido
Esta é a estrutura principal de um plano de contas,
devendo o contabilistas ao longo de sua
atividade na empresa ir inserindo ou excluindo contas
dentro destes grupos.
CONCILIAÇÃO CONTÁBIL
Para iniciarmos o processo de encerramento da
movimentação contábil do ano, é necessário
que os saldos de todas as Contas de nossa
contabilidade estejam com os seus saldos
corretos, ou seja, os saldos contábeis devem
corresponder exatamente com os saldos reais
existentes na data de 31/12/.
No decorrer da movimentação contábil de uma
empresa são realizados centenas de
lançamentos propiciando, com isso, a possibilidade da
ocorrência de alguns erros que se não
corrigidos antes do encerramento, deixarão os saldos
das Contas irreais, trazendo reflexos nas
Demonstrações Financeiras da empresa de modo que
estas não espelharão a sua situação
patrimonial real.
Os erros mais comuns são:
- Valores lançados a maior ou a menor;
- Troca de contas;
- Inversão de contas;
- Lançamento em duplicidade;
- Omissão de lançamento, entre outros.
Os meios de correção mais utilizados são:
- Estorno de lançamento,
- Lançamento complementar e
- Lançamento retificativo.
Para chegarmos aos erros, é necessário fazermos uma
conciliação contábil de todas as contas
utilizadas pela contabilidade.
Não é difícil. Vejam por exemplo: Se a conta contábil
tiver em 22/10 um saldo de R$
697,00, este valor deve coincidir com o saldo
existente no controle extra contábil do caixa em
22/10.
Melhor dizendo, o total de dinheiro que tiver no cofre
da empresa em 22/10 deve ser
exatamente o saldo da conta contábil.
Os saldos contábeis das contas bancárias em 31/12
devem coincidir com os saldos constantes
nos extratos das contas bancárias. Exemplo: Se o
saldo da conta contábil do Banco
for, em 31/12, de R$ 2.375,00, este mesmo saldo deve
ser o constante no extrato da conta
corrente do Banco nesta mesma data.
Se não "bater", é porque tem algum lançamento
errado, aí temos que conferir o extrato bancário com
a ficha razão do Banco para encontrarmos a diferença
e procedermos os lançamentos de correção.
O saldo contábil da conta de Clientes diversos
(duplicatas a receber) deve corresponder com a
soma de todas as duplicatas que a empresa tiver
ainda para receber na data de 22/10/.
Os saldos contábeis das Contas: Móveis e Utensílios,
Equipamentos de Informática, Veículos,
etc., devem corresponder com os saldos existentes no
controle extra contábil de bens do Ativo
Permanente que a empresa deve ter, inclusive para
facilitar os cálculos das depreciações.
Os saldos contábeis das Contas Vendas e Compras de
mercadorias devem corresponder com
os totais existentes nos Livros Fiscais : Livro de
Entradas de Mercadorias e Livro de Saída de
Mercadorias, entre outros.
Os saldos contábeis das contas dos fornecedores
devem conferir com o total de duplicatas que
a empresa esteja devendo em 22/10.
Os saldos das contas de Impostos e Contribuições a
pagar também devem corresponder
exatamente com os impostos que a empresa esteja
devendo em 22/10.
Enfim, como já foi dito, é importante checarmos todas
as contas utilizadas, inclusive as contas
de resultados (despesas e receitas) de modo que
tenhamos a certeza de que todos os saldos
estejam corretos para aí sim partirmos para os demais
procedimentos de encerramento.
O bom contabilista tem por norma fazer a conciliação
contábil mensalmente, o que é o correto,
pois desta forma não permanece erro de um mês
para outro, e, ao final do ano não se perde
tempo com a conciliação de um período mais longo.
Em função dessa conciliação mensal não sendo
detectado nenhum erro contábil na
escrituração da empresa em 22/10/....., ela estará
pronta para os procedimentos de
encerramento da escrituração do ano.
BOA SORTE!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Patrimonio liquido resumo
Patrimonio liquido resumoPatrimonio liquido resumo
Patrimonio liquido resumo
apostilacontabil
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
Cristiano Rodrigues Barcellos
 
A conta
A contaA conta
Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4
André Silva
 
Contabilidade respostas 00
Contabilidade respostas 00Contabilidade respostas 00
Contabilidade respostas 00
zeramento contabil
 
Contabilidade i equacao patrimonial
Contabilidade i equacao patrimonialContabilidade i equacao patrimonial
Contabilidade i equacao patrimonial
zeramento contabil
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
simuladocontabil
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
albumina
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
Dayane Dias
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Contabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentosContabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentos
apostilacontabil
 
Aula 04 auxiliar de contabilidade
Aula 04 auxiliar de contabilidadeAula 04 auxiliar de contabilidade
Aula 04 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Apostila contabilidade introdutoria pat
Apostila contabilidade introdutoria patApostila contabilidade introdutoria pat
Apostila contabilidade introdutoria pat
Unilago
 
Aula receita despesa
Aula receita despesaAula receita despesa
Aula receita despesa
apostilacontabil
 
Apuração Do Resultado V 5
Apuração Do Resultado V 5Apuração Do Resultado V 5
Apuração Do Resultado V 5
ctccecbg
 
Ativos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da ContabilidadeAtivos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Herlon Moitinho
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
PUC Minas
 
Aula 02 auxiliar de contabilidade
Aula 02 auxiliar de contabilidadeAula 02 auxiliar de contabilidade
Aula 02 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Receitas e despesas resultados
Receitas e despesas   resultadosReceitas e despesas   resultados
Receitas e despesas resultados
zeramento contabil
 
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014ASlides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
Sustentare Escola de Negócios
 

Mais procurados (20)

Patrimonio liquido resumo
Patrimonio liquido resumoPatrimonio liquido resumo
Patrimonio liquido resumo
 
Contabilidade Basica
Contabilidade BasicaContabilidade Basica
Contabilidade Basica
 
A conta
A contaA conta
A conta
 
Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4Diapositivos bloco 4
Diapositivos bloco 4
 
Contabilidade respostas 00
Contabilidade respostas 00Contabilidade respostas 00
Contabilidade respostas 00
 
Contabilidade i equacao patrimonial
Contabilidade i equacao patrimonialContabilidade i equacao patrimonial
Contabilidade i equacao patrimonial
 
Contabilidade geral ppt
Contabilidade geral   pptContabilidade geral   ppt
Contabilidade geral ppt
 
Origens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeirasOrigens aplicações – demonstrações financeiras
Origens aplicações – demonstrações financeiras
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de Contabilidade
 
Contabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentosContabilidade fundamentos
Contabilidade fundamentos
 
Aula 04 auxiliar de contabilidade
Aula 04 auxiliar de contabilidadeAula 04 auxiliar de contabilidade
Aula 04 auxiliar de contabilidade
 
Apostila contabilidade introdutoria pat
Apostila contabilidade introdutoria patApostila contabilidade introdutoria pat
Apostila contabilidade introdutoria pat
 
Aula receita despesa
Aula receita despesaAula receita despesa
Aula receita despesa
 
Apuração Do Resultado V 5
Apuração Do Resultado V 5Apuração Do Resultado V 5
Apuração Do Resultado V 5
 
Ativos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da ContabilidadeAtivos e Passivos - Teoria da Contabilidade
Ativos e Passivos - Teoria da Contabilidade
 
Módulo 4 contabilidade gerencial
Módulo 4   contabilidade gerencialMódulo 4   contabilidade gerencial
Módulo 4 contabilidade gerencial
 
Aula 02 auxiliar de contabilidade
Aula 02 auxiliar de contabilidadeAula 02 auxiliar de contabilidade
Aula 02 auxiliar de contabilidade
 
Receitas e despesas resultados
Receitas e despesas   resultadosReceitas e despesas   resultados
Receitas e despesas resultados
 
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014ASlides Equalização - Contabilidade 2014A
Slides Equalização - Contabilidade 2014A
 

Destaque

PUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek Bibliotheekblad
PUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek BibliotheekbladPUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek Bibliotheekblad
PUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek Bibliotheekbladmarianne73
 
USCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – English
USCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – EnglishUSCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – English
USCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – English
Ellen Huber
 
Networking For Small Bus Summary
Networking For Small Bus SummaryNetworking For Small Bus Summary
Networking For Small Bus Summary
cfabrycki
 
Middlemarch
MiddlemarchMiddlemarch
Middlemarch
ccvdebron
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
lupistorres
 
Aantwon-Bellamy (2)
Aantwon-Bellamy (2)Aantwon-Bellamy (2)
Aantwon-Bellamy (2)
Antwon Bellamy
 
Gost 8.616 2013
Gost 8.616 2013Gost 8.616 2013
Gost 8.616 2013
Major Dickerson
 
Samen delen samen spelen juni 2015
Samen delen samen spelen juni 2015Samen delen samen spelen juni 2015
Samen delen samen spelen juni 2015marianne73
 
三字经
三字经三字经
三字经
Kim Woochu
 
T-Sql Statements
T-Sql StatementsT-Sql Statements
T-Sql Statements
Lynn Langit
 
العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات
 العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات
العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات
Trans Gulf information technology
 
Turnip Consultants Profile
Turnip Consultants ProfileTurnip Consultants Profile
Turnip Consultants Profile
Chaitanya V Cotha
 

Destaque (13)

PUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek Bibliotheekblad
PUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek BibliotheekbladPUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek Bibliotheekblad
PUBLICATIE - 2015 06 De vloeibare bibliotheek Bibliotheekblad
 
USCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – English
USCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – EnglishUSCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – English
USCBC 2016 Board Priorities Statement A4 – English
 
Networking For Small Bus Summary
Networking For Small Bus SummaryNetworking For Small Bus Summary
Networking For Small Bus Summary
 
Middlemarch
MiddlemarchMiddlemarch
Middlemarch
 
MY SLIDE
MY SLIDEMY SLIDE
MY SLIDE
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Aantwon-Bellamy (2)
Aantwon-Bellamy (2)Aantwon-Bellamy (2)
Aantwon-Bellamy (2)
 
Gost 8.616 2013
Gost 8.616 2013Gost 8.616 2013
Gost 8.616 2013
 
Samen delen samen spelen juni 2015
Samen delen samen spelen juni 2015Samen delen samen spelen juni 2015
Samen delen samen spelen juni 2015
 
三字经
三字经三字经
三字经
 
T-Sql Statements
T-Sql StatementsT-Sql Statements
T-Sql Statements
 
العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات
 العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات
العرض المرئي عن الشركة عبر الخليج لتقنية المعلومات
 
Turnip Consultants Profile
Turnip Consultants ProfileTurnip Consultants Profile
Turnip Consultants Profile
 

Semelhante a Contabilidade

Prova Contabilidade
Prova ContabilidadeProva Contabilidade
Prova Contabilidade
admfape
 
Resumo ativo
Resumo ativoResumo ativo
Resumo ativo
simuladocontabil
 
O patrimonio
O patrimonioO patrimonio
O patrimonio
apostilacontabil
 
4° modulo de contabilidade
4° modulo de contabilidade4° modulo de contabilidade
4° modulo de contabilidade
Jeferson Souza
 
Demonstracoes contabeis
Demonstracoes contabeisDemonstracoes contabeis
Demonstracoes contabeis
apostilacontabil
 
Principios contabeis
Principios contabeisPrincipios contabeis
Principios contabeis
Ernani Nascimento
 
Fundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptx
Fundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptxFundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptx
Fundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptx
RonisonCastro1
 
Contab
ContabContab
Contab
ContabContab
Aula 09 secretariado
Aula 09 secretariadoAula 09 secretariado
Aula 09 secretariado
Homero Alves de Lima
 
Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
simuladocontabil
 
Resumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade BásicaResumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade Básica
eadrede
 
Avaliacao de empresas - clase 1
Avaliacao de empresas - clase 1Avaliacao de empresas - clase 1
Avaliacao de empresas - clase 1
Guillermo L. Dumrauf
 
Apostila de Contabilidade básica para concurso
Apostila de Contabilidade básica para concursoApostila de Contabilidade básica para concurso
Apostila de Contabilidade básica para concurso
Bruna Pedroso
 
Custos processosoperaçõescontabeiscpoc
Custos processosoperaçõescontabeiscpocCustos processosoperaçõescontabeiscpoc
Custos processosoperaçõescontabeiscpoc
Geraldo Luis Araujo
 
Aula 3. estrutura contábil
Aula 3. estrutura contábilAula 3. estrutura contábil
Aula 3. estrutura contábil
razonetecontabil
 
Aula 05 auxiliar de contabilidade
Aula 05 auxiliar de contabilidadeAula 05 auxiliar de contabilidade
Aula 05 auxiliar de contabilidade
Homero Alves de Lima
 
Gp contabilidade slides de aula unidade i
Gp contabilidade slides de aula   unidade iGp contabilidade slides de aula   unidade i
Gp contabilidade slides de aula unidade i
Claudia Patricia
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
zeramento contabil
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
Roger Guimarães
 

Semelhante a Contabilidade (20)

Prova Contabilidade
Prova ContabilidadeProva Contabilidade
Prova Contabilidade
 
Resumo ativo
Resumo ativoResumo ativo
Resumo ativo
 
O patrimonio
O patrimonioO patrimonio
O patrimonio
 
4° modulo de contabilidade
4° modulo de contabilidade4° modulo de contabilidade
4° modulo de contabilidade
 
Demonstracoes contabeis
Demonstracoes contabeisDemonstracoes contabeis
Demonstracoes contabeis
 
Principios contabeis
Principios contabeisPrincipios contabeis
Principios contabeis
 
Fundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptx
Fundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptxFundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptx
Fundamentos da Contabilidade - Unidade 1.pptx
 
Contab
ContabContab
Contab
 
Contab
ContabContab
Contab
 
Aula 09 secretariado
Aula 09 secretariadoAula 09 secretariado
Aula 09 secretariado
 
Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
 
Resumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade BásicaResumo Básico de Contabilidade Básica
Resumo Básico de Contabilidade Básica
 
Avaliacao de empresas - clase 1
Avaliacao de empresas - clase 1Avaliacao de empresas - clase 1
Avaliacao de empresas - clase 1
 
Apostila de Contabilidade básica para concurso
Apostila de Contabilidade básica para concursoApostila de Contabilidade básica para concurso
Apostila de Contabilidade básica para concurso
 
Custos processosoperaçõescontabeiscpoc
Custos processosoperaçõescontabeiscpocCustos processosoperaçõescontabeiscpoc
Custos processosoperaçõescontabeiscpoc
 
Aula 3. estrutura contábil
Aula 3. estrutura contábilAula 3. estrutura contábil
Aula 3. estrutura contábil
 
Aula 05 auxiliar de contabilidade
Aula 05 auxiliar de contabilidadeAula 05 auxiliar de contabilidade
Aula 05 auxiliar de contabilidade
 
Gp contabilidade slides de aula unidade i
Gp contabilidade slides de aula   unidade iGp contabilidade slides de aula   unidade i
Gp contabilidade slides de aula unidade i
 
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geralApostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
Apostila 04 variacoes do patrimonio liquido-c.geral
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
 

Mais de Canal Maktub

Curso de silk screen
Curso de silk screenCurso de silk screen
Curso de silk screen
Canal Maktub
 
Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal
Canal Maktub
 
Curso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmaciaCurso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmacia
Canal Maktub
 
Automaquiagem1
Automaquiagem1Automaquiagem1
Automaquiagem1
Canal Maktub
 
Curso administracao de marketing 002
Curso administracao de marketing 002Curso administracao de marketing 002
Curso administracao de marketing 002
Canal Maktub
 
Manicure
ManicureManicure
Manicure
Canal Maktub
 
Garçom
GarçomGarçom
Garçom
Canal Maktub
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
Canal Maktub
 
Maquiagem
MaquiagemMaquiagem
Maquiagem
Canal Maktub
 
Curso grátis de Culinária Japonesa com certificado
Curso grátis de Culinária Japonesa com certificadoCurso grátis de Culinária Japonesa com certificado
Curso grátis de Culinária Japonesa com certificado
Canal Maktub
 
Instalações elétricas
Instalações elétricasInstalações elétricas
Instalações elétricas
Canal Maktub
 

Mais de Canal Maktub (11)

Curso de silk screen
Curso de silk screenCurso de silk screen
Curso de silk screen
 
Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal Curso reflexologia podal
Curso reflexologia podal
 
Curso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmaciaCurso de Balconista de farmacia
Curso de Balconista de farmacia
 
Automaquiagem1
Automaquiagem1Automaquiagem1
Automaquiagem1
 
Curso administracao de marketing 002
Curso administracao de marketing 002Curso administracao de marketing 002
Curso administracao de marketing 002
 
Manicure
ManicureManicure
Manicure
 
Garçom
GarçomGarçom
Garçom
 
Contabilidade
ContabilidadeContabilidade
Contabilidade
 
Maquiagem
MaquiagemMaquiagem
Maquiagem
 
Curso grátis de Culinária Japonesa com certificado
Curso grátis de Culinária Japonesa com certificadoCurso grátis de Culinária Japonesa com certificado
Curso grátis de Culinária Japonesa com certificado
 
Instalações elétricas
Instalações elétricasInstalações elétricas
Instalações elétricas
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 

Contabilidade

  • 1. Sistema de informação e avaliação destinado a prover seus usuários com demonstrações e análises de natureza econômica, financeira, física, de produtividade especial com relação à entidade objeto de contabilização. Quanto a seu objeto, ciência do Patrimônio, que evidencia as variações quantitativas e qualitativas do mesmo. Em uma visão macro, ciência que registra e avalia como e quão bem a entidade utilizou os recursos a ela confiados.
  • 3. CONCEITO É a ciência que tem como objetivo observar, registrar e informar os fatos econômico-financeiros acontecidos dentro de um patrimônio pertencente a uma entidade; mediante a aplicação do seu conjunto de princípios, normas, técnicas e procedimentos próprios.
  • 4. OBJETO O objeto da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração. FINALIDADES - Controlar o patrimônio das entidades - Apurar o resultado das entidades - Prestar informações sobre o patrimônio, sobre o resultado das entidades aos diversos usuários das informações contábeis.
  • 5. ENTIDADE É qualquer pessoa física ou jurídica detentora de um patrimônio. Modernamente as finalidades da Contabilidade são reunidas em duas: - Planejamento - a informação contábil pode ser um forte suporte para o planejamento e, mais ainda, quando estabelecendo padrões, torna claras situações futuras. - Controle - está ligado à análise das definições adotadas pela organização.
  • 6. CAMPO DE APLICAÇÃO Pessoas físicas e pessoas jurídicas com finalidade lucrativa ou não, inclusive as de Direito Público como a União, Estados e Municípios.
  • 7. INTERESSADOS - Os proprietários e sócios de empresas; - Os administradores de empresas; - Os empregados das empresas; - Os fornecedores e financiadores; - Governos; - O público em geral.
  • 8. TÉCNICAS CONTÁBEIS ESCRITURAÇÃO É a técnica pela qual os fatos que ocorrem na entidade influenciando o seu patrimônio, são registrados. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS São relatórios onde são agrupados e divulgados os fatos. Cada relatório é feito para atender a uma finalidade específica.
  • 9. AUDITORIA É o exame da "documentação contábil" obedecendo às normas especiais de procedimentos a fim de verificar se os demonstrativos apresentados representam com fidelidade a situação patrimonial. ANÁLISE DE BALANÇOS Utilização de métodos e processos específicos na decomposição, comparação e interpretação do conteúdo das demonstrações contábeis para determinar a capacidade de pagamento da empresa, o grau de solvência, a evolução da empresa, a estrutura patrimonial e outros.
  • 10. PATRIMÔNIO CONCEITO CONTÁBIL DE PATRIMÔNIO Conjunto de bens, direitos e obrigações vinculados a uma entidade num determinado momento, susceptíveis de avaliação econômica.
  • 11. COMPONENTES BÁSICOS ATIVO Representa todos os bens, direitos e valores a receber de uma entidade. Se uma empresa compra uma máquina, esta representa um bem de sua propriedade, portanto um ativo. Por outro lado, se uma empresa paga determinada quantia, digamos, pela patente de uma invenção, ela passa a ter o direito sobre essa patente. Assim uma patente representa um direito; logo um ativo.
  • 12. Exemplos de ativos: - Dinheiro guardado em banco; - Duplicatas a receber provenientes de vendas a prazo; - Veículos; - Imóveis; - Terrenos; - Estoque de mercadorias.
  • 13. PASSIVO Representa todas as obrigações financeiras que uma empresa tem para com terceiros. É tudo que deve; as dívidas que ela contraiu. Assim se uma empresa adquire um veículo para pagamento a prazo, a posse do mesmo representa um ativo. Mas por outro lado, a empresa passa a ter uma obrigação para com a pessoa ou empresa que vendeu o veículo. Assim, ela passa a ter uma obrigação, que representa um passivo exigível.
  • 14. Exemplos de passivos: - Duplicatas a pagar - Salários a pagar - Aluguéis a pagar - Encargos sociais a pagar - Juros a pagar - Impostos a pagar
  • 15. PATRIMÔNIO LIQUIDO O patrimônio líquido representa o registro do valor que os proprietários de uma empresa têm aplicado no negócio. Para ilustrar, vamos admitir que você e um sócio decidiram abrir uma empresa. Mas, para iniciar as atividades, a empresa necessita de um capital inicial de R$ 20.000.000, que vocês entregam ao gerente da firma.
  • 16. No momento em que a empresa recebe o dinheiro, a posse deste representa um ativo. Mas, por outro lado, a empresa deve registrar que seus proprietários (os sócios) aplicaram no negócio uma determinada quantia, o capital, que representa o patrimônio líquido da empresa.
  • 17. A resposta é simples. Suponhamos que você decida comprar um veículo; porém uma parte da compra será financiada. Assim temos: Valor do veículo R$ 10.000 Valor pago à vista R$ 4.000 Valor a pagar R$ 6.000
  • 18. Agora observe: Aposse do veículo representa para você um patrimônio, chamado ativo. Ao mesmo tempo, o valor que você ficou devendo, representa uma obrigação e conseqüentemente, um passivo exigível. Dessa forma, se você tem um patrimônio no valor de R$ 10.000, mas ainda está devendo R$ 6.000 referente à sua compra, o valor líquido de seu ativo é R$ 4.000,00. O que equivale a dizer que seu patrimônio líquido monta em R$ 4.000.
  • 19. EQUAÇÃO BÁSICA PATRIMONIAL Agora que já sabemos classificar ativos, passivos e patrimônio líquido, vejamos a equação básica da contabilidade, que é bem simples: ATIVO = PASSIVO + PATRIMÔNIO LÍQUIDO A equação vista é chamada de "equação do balanço", porque consiste em "balancear" o total do ativo com o total obtido pela soma do passivo mais o patrimônio liquido.
  • 20. Sob o aspecto quantitativo o patrimônio é visto como um fundo de valores; de um lado, valores positivos (o ativo), formado pelo conjunto de bens e direitos e, de outro, valores negativos (o passivo, formado pelas obrigações assumidas.)
  • 21. DESPESAS, RECEITAS E RESULTADO Conceito de Despesas Topo Despesas de uma empresa são os gastos, desembolsados ou devidos pela mesma, necessários ao desenvolvimento de suas operações.
  • 22. Os gastos devidos são aqueles que ainda não foram desembolsados, mas que já ocorreram. Exemplo: as despesas de gasolina para pagamento no final do mês. Quando você pagar a conta do posto de gasolina, então o gasto passará a ser desembolsado. Não confunda desembolso com despesa. O desembolso significa entregar dinheiro a alguém por algum motivo.
  • 23. Por exemplo o desembolso que você faz ao comprar um automóvel à vista não representa uma despesa: Você passa a ter um ativo, desde que representa um bem para seu uso, e revenda posterior. Porém, a gasolina que você paga para que o carro ande representa uma despesa.
  • 24. Assim sendo, a diferença básica entre desembolso e despesa esta no seguinte critério: Se o desembolso provocar um aumento do ativo, ou uma redução do passivo exigível, não será uma despesa. Não sendo esse o caso, então o desembolso representará uma despesa.
  • 25. Exemplos de despesas: - Salários de empregados; - Aluguel de salas; - Gastos com material de limpeza; - Gastos com material de escritório; - Juros sobre empréstimos; - Comissões de vendedores; Veja que nenhum dos exemplos acima representa um aumento do ativo ou uma diminuição do passivo exigível.
  • 26. Conceito de Receitas Topo Considera-se como receita de uma empresa o dinheiro que a mesma recebe ou tem direito a receber, proveniente das operações da mesma. Observe a diferença entre recebido e "com direito a receber“.
  • 27. Exemplo: Você é um corretor de imóveis e vende um apartamento de um cliente. Ao receber o dinheiro da comissão - que representa uma receita para você - ele provocará um aumento do seu ativo. Na hipótese de você não ter recebido a comissão no ato da venda, você terá o direito "a receber" posteriormente, esse "direito" originou-se de uma receita.
  • 28. Não faça confusão, porém, entre os recebimentos provenientes de receitas e aqueles originados de outras fontes. Por exemplo: O dinheiro que você recebeu, a título de empréstimo do banco representa um recebimento, e não uma receita. O critério de distinção seria: Se o recebimento provocar diminuição do ativo ou aumento do passivo exigível, não será uma receita.
  • 29. Não sendo esse o caso, então o recebimento representará uma receita. Exemplos de Receitas: - Receita de serviços prestados; - Receita de aluguel; - Receita de juros; - Receita de vendas. Observe que nenhum dos exemplos acima representa uma diminuição do ativo ou aumento do passivo exigível.
  • 30. Conceito de Resultado Agora que já conhecemos o conceito de despesas e de receitas, o conceito de resultado é bem simples: Representa a diferença entre as despesas e receitas de um período determinado.
  • 31. LUCRO OU PREJUÍZO Lucro: total de receitas é superior ao total de despesas; - Prejuízo: total de despesas é maior que a soma de receitas. A influência do resultado entre despesas e receitas no patrimônio líquido: - As receitas aumentam o Patrimônio Liquido; - As despesas diminuem o Patrimônio Liquido.
  • 32. FATOS CONTÁBEIS Os fatos contábeis classificam-se em: a) Fatos Permutativos b) Fatos Modificativos c) Fatos Mistos
  • 33. FATOS PERMUTATIVOS Não alteram o patrimônio líquido, ocorrendo somente trocas entre os elementos do patrimônio, tais como: Bens por bens, bens por obrigações, direitos por bens, etc. Exemplos: - Compra de mercadorias a vista (bens por bens) - Compra de mercadorias a prazo (bens por obrigações) - Recebimento de uma duplicata (direitos por bens)
  • 34. FATOS MODIFICATIVOS Alteram o patrimônio líquido aumentando-o ou diminuindo-o, como as receitas e as despesas. Exemplos: - Receitas de aluguel - Fato modificativo aumentativo - Receitas de juros - fato modificativo aumentativo - Despesas de salários - fato modificativo diminutivo - Despesas financeiras - fato modificativo diminutivo
  • 35. FATOS MISTOS Combina fatos permutativos e modificativos. Exemplos: - Venda de mercadorias com lucro - Fato Misto Aumentativo - Venda de mercadorias com prejuízo - Fato Misto Diminutivo - Pagamento de uma duplicata com juros - Fato Misto Diminutivo - Recebimento de uma duplicata com juros - Fato Misto Aumentativo
  • 36. REGISTRO DAS TRANSAÇÕES MEIO DE REGISTRO: CONTAS Suponhamos que você vá ao banco e efetue um depósito em seu próprio nome. Sendo correntista do banco, você terá uma conta aberta em seu nome. O que significa dizer que o valor depositado vai ser anotado em um registro, destinado a demonstrar todas as suas transações com o banco, chamado conta.
  • 37. Da mesma forma que o banco, as empresas utilizam para registrar as transações ocorridas, uma conta. O nome de uma conta indica o tipo de transação que deve ser registrado na mesma. E deve indicar também se a conta é de ativo, passivo exigível ou patrimônio líquido.
  • 38. LANÇAMENTOS É o registro de uma transação em uma conta. Os elementos "anotados" em um lançamento são: - Data, - O nome das contas que sofrerão alterações, - Um breve histórico da transação. - O valor da transação.
  • 39. CONVENÇÕES PARA REGISTRO: DÉBITO E CRÉDITO Débito e crédito são palavras convencionadas para indicar se uma transação aumenta ou diminui o ativo, o passivo exigível e o patrimônio líquido de uma empresa. Como o total de cada um desses componentes é formado pela soma de diversas contas, temos que os débitos e créditos indicam se o saldo de uma conta deve ser aumentado ou diminuído em função de uma transação.
  • 40. ONDE REGISTRAR: LIVRO DIÁRIO GERAL - Valor dos débitos e créditos em cada conta - Histórico da transação, descrito de forma resumida CONTROLE DE CONTAS INDIVIDUAIS: LIVRO RAZÃO O razão representa um sistema pelo qual se controla a movimentação ocorrida individualmente em cada conta. A escrituração do mesmo pode ser feita através de um livro, ou pela utilização de fichas, cada página ou ficha representando uma conta.
  • 41. Exemplos de transações A empresa, Capital, presta serviços de assistência técnica e iniciou suas atividades em19XX. Até 22 de janeiro de 20XX ocorreram as transações descritas abaixo. 1. Cinco sócios formaram a sociedade, com a participação de R$ 10.000 de cada, integralizada em dinheiro. O valor total foi entregue ao gerente da firma. Explicação: O dinheiro entrou em caixa, aumentando o ativo (por débito). Foi também feito o registro do capital social (por crédito, aumentando o patrimônio líquido).
  • 42. 2. O dinheiro foi depositado em banco. Explicação: O ativo caixa foi diminuído (por crédito), mas o ativo banco c/ movimento aumentou (por débito). 3. Foram comprados móveis e utensílios, a prazo, no valor de R$ 1.500. Explicação: A firma adquiriu a posse de um bem (aumentando o ativo por débito), assumindo uma obrigação (por crédito).
  • 43. 4. A firma prestou serviços, cobrando R$ 5.000, depositados em banco. Explicação: O dinheiro recebido e depositado representa um aumento do ativo (por débito), enquanto o registro da origem do numerário aumenta o patrimônio líquido (por crédito). 5. Foram pagos por cheque os salários dos empregados, R$ 1.600. Explicação: O registro do aumento das despesas (e diminuição do patrimônio líquido) é feito por um débito; a saída do numerário (diminuição do ativo) é registrada através de um crédito.
  • 44. 6. Prestou serviços a uma empresa, emitindo uma fatura e duplicata de R$ 6.000, para recebimento em 30 dias. Explicação: A firma passou a ter um valor a receber, aumentando o ativo (por débito), devendo registrar a origem do mesmo (receita de serviços, aumento do patrimônio líquido, por crédito). 7. Pagou 20% da compra a prazo dos móveis e utensílios. Explicação: O valor das obrigações foi diminuído (por débito), enquanto o numerário em banco também diminuiu (por crédito).
  • 45. Contabilização ESTRUTURA DAS CONTAS Topo A conta tem alguns elementos essenciais, são: Título, que deve representar o componente do patrimônio que identifica. Histórico, narração resumida do fato contábil que provocou a alteração na conta.
  • 46. Débitos e Créditos, são registrados um ou outro dependendo se a conta foi debitada ou creditada. Saldo, é o valor resultante da diferença entre débitos e créditos sofridos pela conta. Coluna D/C, identifica se o saldo é devedor ou credor. Essa estrutura pode ser melhor visualizada observando-se um livro razão.
  • 47. PLANO DE CONTAS Toda obra exige um estudo prévio, elaboração de um programa e estabelecimento detalhado de um plano de ação. O arquiteto ou engenheiro antes de iniciar a construção de um prédio ele prepara uma planta e um cronograma de obras que devera ser seguido pelo mestre de obras.
  • 48. Na contabilidade de uma entidade/empresa seja ela de que porte for, o plano prévio de ação chama se plano de contas. É definido como um elenco de todas as contas previstas pelo contabilista como necessárias aos seus registros contábeis.
  • 49. Ele não poderá ser rígido e inflexível, devendo pelo contrário permitir que sejam inseridas novas contas ou excluídas contas que não serão mais usadas nos registros contábeis. Recomenda-se ir alterando o plano de contas durante o ano em curso e no final deste, imprimir o mesmo por ocasião do balanço anual.
  • 50. Veja um esquema de montagem de um plano de contas: 1- Ativo 1.1 - Ativo Circulante 1.2 - Ativo Realizável a Longo Prazo 1.3 - Ativo Permanente 1.4 - Compensação Ativa
  • 51. 2 - Passivo 2.1 - Passivo Circulante 2.2 - Passivo Exigível a Longo Prazo 2.3 - Resultados de Exercícios Futuros 2.4 - Patrimônio Liquido 2.5 - Compensação Passiva 3 - Receitas 3.1 - Operacionais 3.2 - Não Operacionais
  • 52. 4 - Despesas 4.1 - Operacionais 4.2 - Não Operacionais 5 - Apuração de Resultado 5.1 - Resultado Bruto 5.2 - Resultado Liquido Esta é a estrutura principal de um plano de contas, devendo o contabilistas ao longo de sua atividade na empresa ir inserindo ou excluindo contas dentro destes grupos.
  • 53. CONCILIAÇÃO CONTÁBIL Para iniciarmos o processo de encerramento da movimentação contábil do ano, é necessário que os saldos de todas as Contas de nossa contabilidade estejam com os seus saldos corretos, ou seja, os saldos contábeis devem corresponder exatamente com os saldos reais existentes na data de 31/12/.
  • 54. No decorrer da movimentação contábil de uma empresa são realizados centenas de lançamentos propiciando, com isso, a possibilidade da ocorrência de alguns erros que se não corrigidos antes do encerramento, deixarão os saldos das Contas irreais, trazendo reflexos nas Demonstrações Financeiras da empresa de modo que estas não espelharão a sua situação patrimonial real.
  • 55. Os erros mais comuns são: - Valores lançados a maior ou a menor; - Troca de contas; - Inversão de contas; - Lançamento em duplicidade; - Omissão de lançamento, entre outros. Os meios de correção mais utilizados são: - Estorno de lançamento, - Lançamento complementar e - Lançamento retificativo.
  • 56. Para chegarmos aos erros, é necessário fazermos uma conciliação contábil de todas as contas utilizadas pela contabilidade. Não é difícil. Vejam por exemplo: Se a conta contábil tiver em 22/10 um saldo de R$ 697,00, este valor deve coincidir com o saldo existente no controle extra contábil do caixa em 22/10. Melhor dizendo, o total de dinheiro que tiver no cofre da empresa em 22/10 deve ser exatamente o saldo da conta contábil.
  • 57. Os saldos contábeis das contas bancárias em 31/12 devem coincidir com os saldos constantes nos extratos das contas bancárias. Exemplo: Se o saldo da conta contábil do Banco for, em 31/12, de R$ 2.375,00, este mesmo saldo deve ser o constante no extrato da conta corrente do Banco nesta mesma data. Se não "bater", é porque tem algum lançamento errado, aí temos que conferir o extrato bancário com a ficha razão do Banco para encontrarmos a diferença e procedermos os lançamentos de correção.
  • 58. O saldo contábil da conta de Clientes diversos (duplicatas a receber) deve corresponder com a soma de todas as duplicatas que a empresa tiver ainda para receber na data de 22/10/. Os saldos contábeis das Contas: Móveis e Utensílios, Equipamentos de Informática, Veículos, etc., devem corresponder com os saldos existentes no controle extra contábil de bens do Ativo Permanente que a empresa deve ter, inclusive para facilitar os cálculos das depreciações.
  • 59. Os saldos contábeis das Contas Vendas e Compras de mercadorias devem corresponder com os totais existentes nos Livros Fiscais : Livro de Entradas de Mercadorias e Livro de Saída de Mercadorias, entre outros. Os saldos contábeis das contas dos fornecedores devem conferir com o total de duplicatas que a empresa esteja devendo em 22/10.
  • 60. Os saldos das contas de Impostos e Contribuições a pagar também devem corresponder exatamente com os impostos que a empresa esteja devendo em 22/10. Enfim, como já foi dito, é importante checarmos todas as contas utilizadas, inclusive as contas de resultados (despesas e receitas) de modo que tenhamos a certeza de que todos os saldos estejam corretos para aí sim partirmos para os demais procedimentos de encerramento.
  • 61. O bom contabilista tem por norma fazer a conciliação contábil mensalmente, o que é o correto, pois desta forma não permanece erro de um mês para outro, e, ao final do ano não se perde tempo com a conciliação de um período mais longo. Em função dessa conciliação mensal não sendo detectado nenhum erro contábil na escrituração da empresa em 22/10/....., ela estará pronta para os procedimentos de encerramento da escrituração do ano.