SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Morita
Introdução à Administração
e às
Escolas de Pensamento em Administração
Conceito de Administração
Latin  administratione = direção ou gerência  ato de
dirigir um empreendimento, com objetivo de alcançar uma meta.
Koontz e O´Donnel (1982 p.1)  criação e manutenção de um
ambiente interno, em uma empresa, onde grupos organizados de
indivíduos trabalham com vistas à consecução de metas.
Introdução à Administração
Algumas observações relativo à Administração
Mota e Vasconcelos (2006, p.xi) :
 é comum o uso alternado das palavras administração e
organização  teoria geral da administração = teoria das
organizações
 organização pode ser sinônimo de empresa, ou firma;
 organização é uma das funções administrativas de Fayol (1916)
Introdução à Administração
As funções administrativas
Segundo Fayol (1916) :
 Planejamento
 Organização
 Coordenação (a fusão da direção e coordenação)
 Controle
Introdução à Administração
Introdução à Administração
Presidente
Diretoria
Projetos
&
Processos
Preocupações
do dia-a-dia
Departamentoss
Funcionários
Planejar Organizar Coordenar Controlar
Planejar Organizar Coordenar Controlar
Projeto Processo Processo
RH/RM
S
N
NAmbiente
externo
Presidente
Diretoria
Projetos
&
Processos
Preocupações
do dia-a-dia
Departamentoss
Funcionários
Planejar Organizar Coordenar Controlar
Planejar Organizar Coordenar Controlar
Projeto Processo Processo
RH/RM
S
N
NAmbiente
externo
Escolas de Pensamento da Administração
Evolução do conceito de Administração
Ao longo do século XX ocorreram evoluções
dialéticas, em movimentos que caracterizaram
7 escolas de pensamento:
 Clássica
 Burocrática
 Relações Humanas
 Racionalidade Limitada
 Motivação e Liderança
 Sistemas Abertos
 Contigência Estrutural
Mota e Vasconcelos, 2006
Teoria Geral da Administração
SP: Thomson
Escolas de Pensamento da Administração
Escolas de pensamento e focos de anEscolas de pensamento e focos de anááliselise
ASPECTO ESTRUTURALASPECTO ESTRUTURAL
Teoria dos
Sistemas Abertos e a
Escola Sócio-técnica Escola Clássica
.
Teoria da Contingência Burocracia
Estrutural .
Racionalidade Limitada
Escola de
Relações Humanas
Teorias sobre
Motivação e
Liderança
ASPECTO RELACIONALASPECTO RELACIONAL
AA
MM
BB
II
EE
NN
TT
EE
EE
XX
TT
AA
MM
BB
II
EE
NN
TT
EE
II
NN
TT
A Escola Clássica
Idéia central = o homo economicus:
Escolas de Pensamento da Administração
 um ser humano previsível e controlável, egoísta e utilitarista
 otimiza ações, após pesar todas alternativas
 tem racionalidade absoluta
 seus incentivos são monetários
A Escola Clássica
Características:
Escolas de Pensamento da Administração
 administração realizada por 5 funções: planejar, organizar, dirigir,
coordenar e controlar
 Busca da melhor maneira de produção, por meio de métodos científicos
 especialização da operação
 autoridade hierárquica
 remuneração com base na produção
A Escola Clássica
Características:
Escolas de Pensamento da Administração
 busca de estruturas e sistemas perfeitos
 divisão do trabalho
 centralização das decisões
 poucos subordinados por gerente (amplitude de controle)
 Impessoalidade nas decisões
Hoxie em 1915
Scientific management and
labor
NY: Kelley, 1966
A Escola Burocrática
Idéia central = o homem organizacional:
Escolas de Pensamento da Administração
 indivíduo flexível, resistente a frustração
 otimiza ações, após pesar todas alternativas
 indivíduo habilitado a mudanças rápidas e contínuas
 homem político
A Escola Burocrática
Mudanças:
Escolas de Pensamento da Administração
 Autoridade tradicional  Autoridade racional-legal
 Lógica da “impessoalidade”
  o cargo permanece, os ocupantes é que mudam
Monarquia (Rei)  Democracia (Presidente República)
 surgimento e consolidação das indústrias e racionalidade técnica
A Escola Burocrática
Características:
Escolas de Pensamento da Administração
 existem funções definidas e competências determinadas por lei
 existem direitos e deveres, dados por regras e regulamentos
 hierarquia definida por regras
 recrutamento é feito por regras previamente estabelecidas
 remuneração segue o principio da isonomia
 Promoção e avanço na carreira são regulados por normas
A Escola Burocrática
Conclusão:
Escolas de Pensamento da Administração
 solução organizacional que evita :
 Arbirariedade
 Confronto entre indivíduos e grupos
 Abuso de poder
 regras e rotinas fornecem:
 Segurança  minimizam incertezas e riscos
 Mecanismo de defesa contra ansiedade
Escolas de Pensamento da Administração
 o comportamento humano não é simples nem mecanicista
 o ser humano é condicionado pelo sistema social e pelas demandas
biológicas
 todo homem possui necessidades de segurança, afeto, aprovação social,
prestígio e auto-realização
A Escola de Relações Humanas
Idéia central = o homo socialis:
A Escola de Relações Humanas
Escolas de Pensamento da Administração
Base teórica: aumento da lucratividade pela diminuição de custos oriundos
de conflitos internos (na empresa)
Mayo investiga comportamento de funcionários em fábrica de lâmpadas
Exp. de Hawthorne (1923 iluminação, 1927 conversas e 1931 grupo)
Barnard (1938) organizações informais
A Escola de Relações Humanas
Características:
Escolas de Pensamento da Administração
 o trabalho é uma atividade de grupo
 o mundo social é padronizado em relação à atividade no trabalho
 a moral e produtividade dependem de reconhecimento, do senso de
segurança e de pertencer a algo.
 atitudes e eficiência são condicionadas por demandas sociais
 atitudes e hábitos do trabalhador sofrem influência dos grupos informais
 colaboração do grupo ocorre de forma planejada e desenvolvida
A Escola de Motivação e Liderança
Idéia central = o homo complexus:
Escolas de Pensamento da Administração
 o ser humano tem necessidades múltiplas e complexas
 o ser humano tem desejo de autodesenvolvimento e realização
 o trabalho fornece sentido à sua existência
 autonomia de pensamento
A Escola de Motivação e Liderança
Escolas de Pensamento da Administração
A Escola de Motivação e Liderança
Desenvolvimento do papel gerencial: Instrumental e Político
Modelo InstrumentalModelo Instrumental
 Gerente conservador e burocrático
Escolas de Pensamento da Administração
 empresa é um instrumento racional de produção
 a empresa busca resultados econômicos
 pagamento depende de produtividade
 eficiência social gera eficácia econômica
 autonomia e descentralização são padrões de processos decisórios
 indivíduos são considerados agentes condicionáveis e previsíveis
A Escola de Motivação e Liderança
Desenvolvimento do papel gerencial: Instrumental e Político
Modelo PolModelo Polííticotico
Instituto Tavistock (Londres)  participação e debate
Escolas de Pensamento da Administração
 eficiência econômica negociada
 aceitação de conflitos e necessidade de negociação
 avaliação de resultados feita pelo grupo organizacional
 indivíduos são atores políticos que buscam concretizar seus interesses
 mudança organizacional é desejável e necessária
 meio ambiente é construído por alianças estratégicas
 uma organização é vista como uma arena política
A Escola da Racionalidade limitada
Idéia central = não existe uma racionalidade absoluta, sendo
relativa ao sujeito que decide:
Escolas de Pensamento da Administração
 aceita a existência de conflitos no processo decisório
 gerentes e tomadores de decisão possuem interesses, preferências e valores
diferentes entre si
 tomadores de decisão formam coalizões e alianças políticas
 soluções devem ser negociadas continuamente
Escolas de Pensamento da Administração
Base teórica: Racionalidade Limitada, Jogos de poder e
Processos decisórios
Simon (1947), Administrative behavior
Cohen, March e Olsen (1972), garbage can model
(As anarquias organizadas propostas são críticas a escola burocrática)
Lindblom (1978), the science of muddling through
A Escola da racionalidade limitada
Características:
Escolas de Pensamento da Administração
 decisões são satisfatórias, mas não ótimas
 existe limitações nos seres humanos para acessar e processar,
cognitivamente, todas as opções
 otimização de decisões é uma ficção
 impossibilidade material de acessar todas informações necessarias, devido
problemas de tempo e de custo
 pressões afetivas, culturais e jogos de poder influenciam decisões
A teoria dos sistemas abertos
Idéia central = uma empresa é um sistema aberto que interage
com o meio ambiente:
Escolas de Pensamento da Administração
 uma empresa interage com o meio ambiente
 empresas recebem matéria-prima e mão-de-obra; processa insumos e
transforma em produtos
 interage com o meio colocando seus produtos no ambiente
 existem limites e barreiras que definem a esfera de ação
Ludwig von Bertalanffy
The theory of open systems in physics and biology - Science, nr 111, p.23-28, 1950
General system theory. Yearbook of Society for Advancement of General Sys Theory, 1956
Administração e escolas de pensamento
Administração e escolas de pensamento
A teoria dos sistemas abertos
Emery e Trist (1965)  existem quatro tipos de meio ambiente:
Escolas de Pensamento da Administração
 ambiente estável e difuso  poucas mudanças e pouca competitividade
 ambiente estável e concentrado  poucas mudanças e competição,
organizações disputam espaço
 ambiente instável e reativo  muitas mudanças organizacionais e
pequena diferenciação entre as organizações
 ambiente turbulento  mudanças radicais, grande competição, mundo
complexo, clima similar à de grandes eventos mundiais.
A teoria de sistema abertos
Características:
Escolas de Pensamento da Administração
 enfoque interdisciplinar
 dinamismo das organizações
 organização como sistema aberto
 interação com o meio ambiente
 funcionamento auto-controlado
 hierarquização de sistemas
A Escola da Contigência estrutural
Idéia central = o meio ambiente é dinâmico:
Escolas de Pensamento da Administração
 meio ambiente é heterogêneo, diverso, segmentado e sujeito a mutações
 toda organização precisa desenvolver seu diferencial competitivo
 toda organização deve se preocupar em manter integração, bem como
manter equilíbrio entre o diferencial proposto e a integração necessária
 deve tolerar ambigüidades que sustentam o equilíbrio
A Escola da contigência estrutural
Esta escola prescreveu dois modelos (Burns e Stalker, 1961):
Modelo Mecânico e Modelo Orgânico
Modelo Mecânico (ambientes estModelo Mecânico (ambientes estááveis)veis)
Escolas de Pensamento da Administração
 especialização do trabalho – cada indivíduo tem sua tarefa
 papéis determinados para um conjunto de tarefas especificas
 hierarquia reforçada
 autoridade centralizada
 padronização de tarefas
 controles burocráticos reforçados (tightly coupled system)
A Escola da contigência estrutural
Esta escola prescreveu dois modelos (Burns e Stalker, 1961):
Modelo Mecânico e Modelo Orgânico
Modelo Orgânico (ambientes turbulentos)Modelo Orgânico (ambientes turbulentos)
Escolas de Pensamento da Administração
 coordenação e equipes multifuncionais
 mecanismos de integração complexos
 papéis complexos, redefinidos continuamente, e não correspondendo só a
uma tarefa
 descentralização e autonomia
 organização baseada em competência técnica
 pouco controles burocráticos (loosely coupled system)
 Barnard, C. The functions of the executive. Cambridge: Harvard Press,
1938.
 Blau, P. The dunamics of bureaucracy. Chicago: University of Chicago
Press, 1955.
 Burns, T.; Stalker, G.M.The management of innovations. 3.ed.
London:Tavistock Pub, 1961.
 Cohen, M et al. A garbage can model of organization choice. Administrative
Science Qarterly, v. 17, p. 1-25, 1972.
 Crozier, M. Le phénomène bureaucratique. Paris :Seuil, 1964.
 Cyert, R.; March, J. A behavioral theory of the firm. Englewood Cliffs:
Prentice Hall, 1963.
 Emery, F; Trist, E. The causal texture of organizational environments.
Human Relations, n. XVIII, p. 21-33, 1965.
 Fayol, H. Administration industrielle et générale. Paris : Dunod, 1916.
 Festinger, L. A theory of cognitive dissonance. NY: Harper, 1957
Follett, M.P. The collected papers of Mary Parker Follett. In Dynamics
administrations. NY: Harper, 1940;
Gouldner, A. Patterns of industrial bureaucracy. Glencoe: Free Press, 1954.
Herzberg, F. Managerial choice: To be efficient and to be human. NY:
Down=Jones Irwin, 1959.
Homans (1950), G.C. El grupo humano. Buenos Aires: Eudeba, 1950,
Kahn et al (1964, Organizational stress : studies in rale conflict and ambiguity.
NY: John & sons, 1964
Katz, D.; Kahn, R.L. Psicologia social das organizações. SP:Atlas, 1970.
Koontz, H.; O´Donnel, C. Princípios de Administração – Uma análise das
funções administrativas. Vol.1, 13ª Ed. SP: Pioneira, 1982
Lawrence, P.; Lorsch, J. Organization and environment: Managing
differentiation and interaction. Boston: Harvard Univ Press, 1967.
 Likert, R. New patterns of management. Toquio: Int. Student Ed, Kagakusha,
1961
Lindblom, C. The science of muddling through. Public Administration Review,
n. XIX, p. 79-88, 1978.
Maslow, A. A theory of human motivation. Psychological Review, v. 50, p.
370-396, 1943.
Mayo, E. The human problems of an industrial civilization. NY: Viking,
1968);
McGregor, D. The human side of enterprise. In Bennis, W.; Schein, E. eds.
Leadership and motivations: Essays of Douglas McGregor. Cambridge: MIT
Press, 1966.
McClelland, D. C. Human motivation. NY: Cambridge University Press, 1985.
Merton, R. The role-set: problems in sociological theory. British Journal of
Sociology, v. 8, p. 106-120, 1950.
 Motta, F.C.P.; Vasconcelos, I.F.G. Teoria Geral da Administração. 3ª Ed.
SP: Thomson, 2006.
Roethlisberger, F.J.; Dickson, W. Management and the worker. Cambridge:
Harvard Press, 1939
Selznick, P. TVA and tge grass roots. Berkeley: University of California Press,
1955
Simon, H. Administrative behavior: A study of decision making processes in
administrative organization. NY: Free Press, 1947.
Taylor, F. The principles of scientific management NY:Norton, 1911
Wahrlich, B. Evolução das ciências administrativas na América Latina.
Revista da Administração Pública, v. 13, n. 1, p. 31-68, 1979
Weber, M. The theory of social and economics organization NY: Oxford,
1947.
Woodward, J. Industrial Organizations: theory and practice. Oxford: Oxford
Univ Press, 1968

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Marcela Marangon Ribeiro
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
Rafael Evans
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
Prof. Leonardo Rocha
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Introdução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e MetodosIntrodução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e Metodos
Adm Pub
 
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelosAula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
alemartins10
 
Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1
Future Press, E-Press, Presentations,
 
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e TiposEstrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Matheus Inácio
 
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di MiceliGovernança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Sustentare Escola de Negócios
 
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe AssunçãoExercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Habilidades do administrador
Habilidades do administradorHabilidades do administrador
Habilidades do administrador
Bruno Saraiva
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Alexandre Conte
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
Carlos Alves
 
Introdução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da AdministraçãoIntrodução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da Administração
Rubens Vinicius Conte
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
Kenneth Corrêa
 
Tga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalistaTga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalista
Edivan Barreto
 
Aula 9 ferramentas de gestão estratégica
Aula 9   ferramentas de gestão estratégicaAula 9   ferramentas de gestão estratégica
Aula 9 ferramentas de gestão estratégica
AndraSimoneMachiavel
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Diego Andreasi
 

Mais procurados (20)

Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Estruturas organizacionais
Estruturas organizacionaisEstruturas organizacionais
Estruturas organizacionais
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
MODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃOMODELOS DE GESTÃO
MODELOS DE GESTÃO
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Introdução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e MetodosIntrodução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e Metodos
 
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelosAula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
 
Fundamentos da Administração
Fundamentos da AdministraçãoFundamentos da Administração
Fundamentos da Administração
 
Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1Cultura Organizacional 1
Cultura Organizacional 1
 
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e TiposEstrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
 
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di MiceliGovernança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
Governança Corporativa - Slides - Prof. Alexandre Di Miceli
 
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe AssunçãoExercitando a ética   estudo de casos - Prof. Noe Assunção
Exercitando a ética estudo de casos - Prof. Noe Assunção
 
Habilidades do administrador
Habilidades do administradorHabilidades do administrador
Habilidades do administrador
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Aula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacionalAula 7 gestão organizacional
Aula 7 gestão organizacional
 
Introdução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da AdministraçãoIntrodução à Teoria Geral da Administração
Introdução à Teoria Geral da Administração
 
Gestão por Competencias
Gestão por CompetenciasGestão por Competencias
Gestão por Competencias
 
Tga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalistaTga teoria estruturalista
Tga teoria estruturalista
 
Aula 9 ferramentas de gestão estratégica
Aula 9   ferramentas de gestão estratégicaAula 9   ferramentas de gestão estratégica
Aula 9 ferramentas de gestão estratégica
 
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e MicroAmbientes de Marketing - Macro e Micro
Ambientes de Marketing - Macro e Micro
 

Destaque

ADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administraçãoADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administração
Gabriel Faustino
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencial
Celia Carvalho
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Grupo VAHALI
 
Gestão de micro e peq negócios
Gestão de micro e peq negóciosGestão de micro e peq negócios
Gestão de micro e peq negócios
JOFRE DIAS FILHO
 
3 a administração
3   a administração3   a administração
3 a administração
Anhanguera Educacional .
 
Habilidades e competências de um administrador
Habilidades e competências de um administradorHabilidades e competências de um administrador
Habilidades e competências de um administrador
Fernanda
 
Aula11
Aula11Aula11
Sintomas do sistema cardiaco
Sintomas do sistema cardiacoSintomas do sistema cardiaco
Sintomas do sistema cardiaco
ImChristinahh
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas
Debora Miceli
 
Doenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesDoenças cardiovasculares
Doenças cardiovasculares
fabiopombo
 
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizaçõesA Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
Antonio Marcos Montai Messias
 
Administração Sistêmica
Administração SistêmicaAdministração Sistêmica
Administração Sistêmica
Denise Reis
 
Miocardiopatias
MiocardiopatiasMiocardiopatias
Miocardiopatias
Eric Costa
 
Fisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline Zulte
Fisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline ZulteFisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline Zulte
Fisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline Zulte
LAFID PUC-GOIÁS
 
Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Cardio 1
Cardio 1Cardio 1
Cardio 1
UFPEL
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
Mara Izidoro
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
edgarklein
 
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Juliano Carvalho
 
Abordagem sistêmica
Abordagem sistêmicaAbordagem sistêmica
Abordagem sistêmica
Carol Nóbrega
 

Destaque (20)

ADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administraçãoADM - Evolução do pensamento em administração
ADM - Evolução do pensamento em administração
 
Abordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencialAbordagens sistêmica e contingencial
Abordagens sistêmica e contingencial
 
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - TaylorPrincípios da Administração Contemporânea - Taylor
Princípios da Administração Contemporânea - Taylor
 
Gestão de micro e peq negócios
Gestão de micro e peq negóciosGestão de micro e peq negócios
Gestão de micro e peq negócios
 
3 a administração
3   a administração3   a administração
3 a administração
 
Habilidades e competências de um administrador
Habilidades e competências de um administradorHabilidades e competências de um administrador
Habilidades e competências de um administrador
 
Aula11
Aula11Aula11
Aula11
 
Sintomas do sistema cardiaco
Sintomas do sistema cardiacoSintomas do sistema cardiaco
Sintomas do sistema cardiaco
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas
 
Doenças cardiovasculares
Doenças cardiovascularesDoenças cardiovasculares
Doenças cardiovasculares
 
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizaçõesA Administração Participativa e a aplicação nas organizações
A Administração Participativa e a aplicação nas organizações
 
Administração Sistêmica
Administração SistêmicaAdministração Sistêmica
Administração Sistêmica
 
Miocardiopatias
MiocardiopatiasMiocardiopatias
Miocardiopatias
 
Fisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline Zulte
Fisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline ZulteFisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline Zulte
Fisio Dermatofuncional e Semiologia_Dra. Aline Zulte
 
Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01Teoria das relações humanas 2012_01
Teoria das relações humanas 2012_01
 
Cardio 1
Cardio 1Cardio 1
Cardio 1
 
Teoria das Relações Humanas
Teoria das Relações HumanasTeoria das Relações Humanas
Teoria das Relações Humanas
 
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
To 02   Administracao Cientifica De TaylorTo 02   Administracao Cientifica De Taylor
To 02 Administracao Cientifica De Taylor
 
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
 
Abordagem sistêmica
Abordagem sistêmicaAbordagem sistêmica
Abordagem sistêmica
 

Semelhante a Administração e escolas de pensamento

segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao
guest680ed0
 
Aula a Aula (1).pptx
Aula  a Aula (1).pptxAula  a Aula (1).pptx
Aula a Aula (1).pptx
PedroLuis216164
 
85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo
Eduardo Moreira
 
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS
 
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptxTeorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
DanielleVieira55
 
AULA 08.pdf
AULA 08.pdfAULA 08.pdf
AULA 08.pdf
RosineiaSantos8
 
Aula7
Aula7Aula7
Administrao
AdministraoAdministrao
Administrao
Daniel Nery
 
Resumo1
Resumo1Resumo1
Resumo1
museu65
 
Aula 02- Organização 24-02.pdf
Aula 02- Organização 24-02.pdfAula 02- Organização 24-02.pdf
Aula 02- Organização 24-02.pdf
NayaraMelo23
 
Teoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administraçãoTeoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administração
Rafael Butruce
 
Tga abordagem estruturalista
Tga   abordagem estruturalistaTga   abordagem estruturalista
Tga abordagem estruturalista
AmandaDias58
 
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptx
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptxTEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptx
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptx
PedroLuis216164
 
Aula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptxAula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptx
Pedro Luis Moraes
 
Aula10
Aula10Aula10
Conceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracaoConceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracao
JanaGraal
 
3042176.ppt
3042176.ppt3042176.ppt
3042176.ppt
NetoMelo12
 
A D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ OA D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ O
taniamaciel
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
guest3ebb133
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanas
guestf9582a
 

Semelhante a Administração e escolas de pensamento (20)

segunda aula gestao
 segunda aula gestao  segunda aula gestao
segunda aula gestao
 
Aula a Aula (1).pptx
Aula  a Aula (1).pptxAula  a Aula (1).pptx
Aula a Aula (1).pptx
 
85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo85615563 teorias-organizacionais-resumo
85615563 teorias-organizacionais-resumo
 
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
Apostila introdução a administração de empresas 2012.1
 
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptxTeorias de Administração - 1ª aula.pptx
Teorias de Administração - 1ª aula.pptx
 
AULA 08.pdf
AULA 08.pdfAULA 08.pdf
AULA 08.pdf
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Administrao
AdministraoAdministrao
Administrao
 
Resumo1
Resumo1Resumo1
Resumo1
 
Aula 02- Organização 24-02.pdf
Aula 02- Organização 24-02.pdfAula 02- Organização 24-02.pdf
Aula 02- Organização 24-02.pdf
 
Teoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administraçãoTeoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administração
 
Tga abordagem estruturalista
Tga   abordagem estruturalistaTga   abordagem estruturalista
Tga abordagem estruturalista
 
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptx
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptxTEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptx
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTAL.pptx
 
Aula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptxAula de Modelos de Gestão.pptx
Aula de Modelos de Gestão.pptx
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
Conceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracaoConceitos fundamentais-da-administracao
Conceitos fundamentais-da-administracao
 
3042176.ppt
3042176.ppt3042176.ppt
3042176.ppt
 
A D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ OA D M I N I S T R AÇÃ O
A D M I N I S T R AÇÃ O
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanas
 

Último

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Administração e escolas de pensamento

  • 1. Prof. Morita Introdução à Administração e às Escolas de Pensamento em Administração
  • 2. Conceito de Administração Latin  administratione = direção ou gerência  ato de dirigir um empreendimento, com objetivo de alcançar uma meta. Koontz e O´Donnel (1982 p.1)  criação e manutenção de um ambiente interno, em uma empresa, onde grupos organizados de indivíduos trabalham com vistas à consecução de metas. Introdução à Administração
  • 3. Algumas observações relativo à Administração Mota e Vasconcelos (2006, p.xi) :  é comum o uso alternado das palavras administração e organização  teoria geral da administração = teoria das organizações  organização pode ser sinônimo de empresa, ou firma;  organização é uma das funções administrativas de Fayol (1916) Introdução à Administração
  • 4. As funções administrativas Segundo Fayol (1916) :  Planejamento  Organização  Coordenação (a fusão da direção e coordenação)  Controle Introdução à Administração
  • 5. Introdução à Administração Presidente Diretoria Projetos & Processos Preocupações do dia-a-dia Departamentoss Funcionários Planejar Organizar Coordenar Controlar Planejar Organizar Coordenar Controlar Projeto Processo Processo RH/RM S N NAmbiente externo Presidente Diretoria Projetos & Processos Preocupações do dia-a-dia Departamentoss Funcionários Planejar Organizar Coordenar Controlar Planejar Organizar Coordenar Controlar Projeto Processo Processo RH/RM S N NAmbiente externo
  • 6. Escolas de Pensamento da Administração Evolução do conceito de Administração Ao longo do século XX ocorreram evoluções dialéticas, em movimentos que caracterizaram 7 escolas de pensamento:  Clássica  Burocrática  Relações Humanas  Racionalidade Limitada  Motivação e Liderança  Sistemas Abertos  Contigência Estrutural Mota e Vasconcelos, 2006 Teoria Geral da Administração SP: Thomson
  • 7. Escolas de Pensamento da Administração Escolas de pensamento e focos de anEscolas de pensamento e focos de anááliselise ASPECTO ESTRUTURALASPECTO ESTRUTURAL Teoria dos Sistemas Abertos e a Escola Sócio-técnica Escola Clássica . Teoria da Contingência Burocracia Estrutural . Racionalidade Limitada Escola de Relações Humanas Teorias sobre Motivação e Liderança ASPECTO RELACIONALASPECTO RELACIONAL AA MM BB II EE NN TT EE EE XX TT AA MM BB II EE NN TT EE II NN TT
  • 8. A Escola Clássica Idéia central = o homo economicus: Escolas de Pensamento da Administração  um ser humano previsível e controlável, egoísta e utilitarista  otimiza ações, após pesar todas alternativas  tem racionalidade absoluta  seus incentivos são monetários
  • 9. A Escola Clássica Características: Escolas de Pensamento da Administração  administração realizada por 5 funções: planejar, organizar, dirigir, coordenar e controlar  Busca da melhor maneira de produção, por meio de métodos científicos  especialização da operação  autoridade hierárquica  remuneração com base na produção
  • 10. A Escola Clássica Características: Escolas de Pensamento da Administração  busca de estruturas e sistemas perfeitos  divisão do trabalho  centralização das decisões  poucos subordinados por gerente (amplitude de controle)  Impessoalidade nas decisões Hoxie em 1915 Scientific management and labor NY: Kelley, 1966
  • 11. A Escola Burocrática Idéia central = o homem organizacional: Escolas de Pensamento da Administração  indivíduo flexível, resistente a frustração  otimiza ações, após pesar todas alternativas  indivíduo habilitado a mudanças rápidas e contínuas  homem político
  • 12. A Escola Burocrática Mudanças: Escolas de Pensamento da Administração  Autoridade tradicional  Autoridade racional-legal  Lógica da “impessoalidade”   o cargo permanece, os ocupantes é que mudam Monarquia (Rei)  Democracia (Presidente República)  surgimento e consolidação das indústrias e racionalidade técnica
  • 13. A Escola Burocrática Características: Escolas de Pensamento da Administração  existem funções definidas e competências determinadas por lei  existem direitos e deveres, dados por regras e regulamentos  hierarquia definida por regras  recrutamento é feito por regras previamente estabelecidas  remuneração segue o principio da isonomia  Promoção e avanço na carreira são regulados por normas
  • 14. A Escola Burocrática Conclusão: Escolas de Pensamento da Administração  solução organizacional que evita :  Arbirariedade  Confronto entre indivíduos e grupos  Abuso de poder  regras e rotinas fornecem:  Segurança  minimizam incertezas e riscos  Mecanismo de defesa contra ansiedade
  • 15. Escolas de Pensamento da Administração  o comportamento humano não é simples nem mecanicista  o ser humano é condicionado pelo sistema social e pelas demandas biológicas  todo homem possui necessidades de segurança, afeto, aprovação social, prestígio e auto-realização A Escola de Relações Humanas Idéia central = o homo socialis:
  • 16. A Escola de Relações Humanas Escolas de Pensamento da Administração Base teórica: aumento da lucratividade pela diminuição de custos oriundos de conflitos internos (na empresa) Mayo investiga comportamento de funcionários em fábrica de lâmpadas Exp. de Hawthorne (1923 iluminação, 1927 conversas e 1931 grupo) Barnard (1938) organizações informais
  • 17. A Escola de Relações Humanas Características: Escolas de Pensamento da Administração  o trabalho é uma atividade de grupo  o mundo social é padronizado em relação à atividade no trabalho  a moral e produtividade dependem de reconhecimento, do senso de segurança e de pertencer a algo.  atitudes e eficiência são condicionadas por demandas sociais  atitudes e hábitos do trabalhador sofrem influência dos grupos informais  colaboração do grupo ocorre de forma planejada e desenvolvida
  • 18. A Escola de Motivação e Liderança Idéia central = o homo complexus: Escolas de Pensamento da Administração  o ser humano tem necessidades múltiplas e complexas  o ser humano tem desejo de autodesenvolvimento e realização  o trabalho fornece sentido à sua existência  autonomia de pensamento
  • 19. A Escola de Motivação e Liderança Escolas de Pensamento da Administração
  • 20. A Escola de Motivação e Liderança Desenvolvimento do papel gerencial: Instrumental e Político Modelo InstrumentalModelo Instrumental  Gerente conservador e burocrático Escolas de Pensamento da Administração  empresa é um instrumento racional de produção  a empresa busca resultados econômicos  pagamento depende de produtividade  eficiência social gera eficácia econômica  autonomia e descentralização são padrões de processos decisórios  indivíduos são considerados agentes condicionáveis e previsíveis
  • 21. A Escola de Motivação e Liderança Desenvolvimento do papel gerencial: Instrumental e Político Modelo PolModelo Polííticotico Instituto Tavistock (Londres)  participação e debate Escolas de Pensamento da Administração  eficiência econômica negociada  aceitação de conflitos e necessidade de negociação  avaliação de resultados feita pelo grupo organizacional  indivíduos são atores políticos que buscam concretizar seus interesses  mudança organizacional é desejável e necessária  meio ambiente é construído por alianças estratégicas  uma organização é vista como uma arena política
  • 22. A Escola da Racionalidade limitada Idéia central = não existe uma racionalidade absoluta, sendo relativa ao sujeito que decide: Escolas de Pensamento da Administração  aceita a existência de conflitos no processo decisório  gerentes e tomadores de decisão possuem interesses, preferências e valores diferentes entre si  tomadores de decisão formam coalizões e alianças políticas  soluções devem ser negociadas continuamente
  • 23. Escolas de Pensamento da Administração Base teórica: Racionalidade Limitada, Jogos de poder e Processos decisórios Simon (1947), Administrative behavior Cohen, March e Olsen (1972), garbage can model (As anarquias organizadas propostas são críticas a escola burocrática) Lindblom (1978), the science of muddling through
  • 24. A Escola da racionalidade limitada Características: Escolas de Pensamento da Administração  decisões são satisfatórias, mas não ótimas  existe limitações nos seres humanos para acessar e processar, cognitivamente, todas as opções  otimização de decisões é uma ficção  impossibilidade material de acessar todas informações necessarias, devido problemas de tempo e de custo  pressões afetivas, culturais e jogos de poder influenciam decisões
  • 25. A teoria dos sistemas abertos Idéia central = uma empresa é um sistema aberto que interage com o meio ambiente: Escolas de Pensamento da Administração  uma empresa interage com o meio ambiente  empresas recebem matéria-prima e mão-de-obra; processa insumos e transforma em produtos  interage com o meio colocando seus produtos no ambiente  existem limites e barreiras que definem a esfera de ação Ludwig von Bertalanffy The theory of open systems in physics and biology - Science, nr 111, p.23-28, 1950 General system theory. Yearbook of Society for Advancement of General Sys Theory, 1956
  • 28. A teoria dos sistemas abertos Emery e Trist (1965)  existem quatro tipos de meio ambiente: Escolas de Pensamento da Administração  ambiente estável e difuso  poucas mudanças e pouca competitividade  ambiente estável e concentrado  poucas mudanças e competição, organizações disputam espaço  ambiente instável e reativo  muitas mudanças organizacionais e pequena diferenciação entre as organizações  ambiente turbulento  mudanças radicais, grande competição, mundo complexo, clima similar à de grandes eventos mundiais.
  • 29. A teoria de sistema abertos Características: Escolas de Pensamento da Administração  enfoque interdisciplinar  dinamismo das organizações  organização como sistema aberto  interação com o meio ambiente  funcionamento auto-controlado  hierarquização de sistemas
  • 30. A Escola da Contigência estrutural Idéia central = o meio ambiente é dinâmico: Escolas de Pensamento da Administração  meio ambiente é heterogêneo, diverso, segmentado e sujeito a mutações  toda organização precisa desenvolver seu diferencial competitivo  toda organização deve se preocupar em manter integração, bem como manter equilíbrio entre o diferencial proposto e a integração necessária  deve tolerar ambigüidades que sustentam o equilíbrio
  • 31. A Escola da contigência estrutural Esta escola prescreveu dois modelos (Burns e Stalker, 1961): Modelo Mecânico e Modelo Orgânico Modelo Mecânico (ambientes estModelo Mecânico (ambientes estááveis)veis) Escolas de Pensamento da Administração  especialização do trabalho – cada indivíduo tem sua tarefa  papéis determinados para um conjunto de tarefas especificas  hierarquia reforçada  autoridade centralizada  padronização de tarefas  controles burocráticos reforçados (tightly coupled system)
  • 32. A Escola da contigência estrutural Esta escola prescreveu dois modelos (Burns e Stalker, 1961): Modelo Mecânico e Modelo Orgânico Modelo Orgânico (ambientes turbulentos)Modelo Orgânico (ambientes turbulentos) Escolas de Pensamento da Administração  coordenação e equipes multifuncionais  mecanismos de integração complexos  papéis complexos, redefinidos continuamente, e não correspondendo só a uma tarefa  descentralização e autonomia  organização baseada em competência técnica  pouco controles burocráticos (loosely coupled system)
  • 33.  Barnard, C. The functions of the executive. Cambridge: Harvard Press, 1938.  Blau, P. The dunamics of bureaucracy. Chicago: University of Chicago Press, 1955.  Burns, T.; Stalker, G.M.The management of innovations. 3.ed. London:Tavistock Pub, 1961.  Cohen, M et al. A garbage can model of organization choice. Administrative Science Qarterly, v. 17, p. 1-25, 1972.  Crozier, M. Le phénomène bureaucratique. Paris :Seuil, 1964.  Cyert, R.; March, J. A behavioral theory of the firm. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1963.  Emery, F; Trist, E. The causal texture of organizational environments. Human Relations, n. XVIII, p. 21-33, 1965.  Fayol, H. Administration industrielle et générale. Paris : Dunod, 1916.
  • 34.  Festinger, L. A theory of cognitive dissonance. NY: Harper, 1957 Follett, M.P. The collected papers of Mary Parker Follett. In Dynamics administrations. NY: Harper, 1940; Gouldner, A. Patterns of industrial bureaucracy. Glencoe: Free Press, 1954. Herzberg, F. Managerial choice: To be efficient and to be human. NY: Down=Jones Irwin, 1959. Homans (1950), G.C. El grupo humano. Buenos Aires: Eudeba, 1950, Kahn et al (1964, Organizational stress : studies in rale conflict and ambiguity. NY: John & sons, 1964 Katz, D.; Kahn, R.L. Psicologia social das organizações. SP:Atlas, 1970. Koontz, H.; O´Donnel, C. Princípios de Administração – Uma análise das funções administrativas. Vol.1, 13ª Ed. SP: Pioneira, 1982 Lawrence, P.; Lorsch, J. Organization and environment: Managing differentiation and interaction. Boston: Harvard Univ Press, 1967.
  • 35.  Likert, R. New patterns of management. Toquio: Int. Student Ed, Kagakusha, 1961 Lindblom, C. The science of muddling through. Public Administration Review, n. XIX, p. 79-88, 1978. Maslow, A. A theory of human motivation. Psychological Review, v. 50, p. 370-396, 1943. Mayo, E. The human problems of an industrial civilization. NY: Viking, 1968); McGregor, D. The human side of enterprise. In Bennis, W.; Schein, E. eds. Leadership and motivations: Essays of Douglas McGregor. Cambridge: MIT Press, 1966. McClelland, D. C. Human motivation. NY: Cambridge University Press, 1985. Merton, R. The role-set: problems in sociological theory. British Journal of Sociology, v. 8, p. 106-120, 1950.
  • 36.  Motta, F.C.P.; Vasconcelos, I.F.G. Teoria Geral da Administração. 3ª Ed. SP: Thomson, 2006. Roethlisberger, F.J.; Dickson, W. Management and the worker. Cambridge: Harvard Press, 1939 Selznick, P. TVA and tge grass roots. Berkeley: University of California Press, 1955 Simon, H. Administrative behavior: A study of decision making processes in administrative organization. NY: Free Press, 1947. Taylor, F. The principles of scientific management NY:Norton, 1911 Wahrlich, B. Evolução das ciências administrativas na América Latina. Revista da Administração Pública, v. 13, n. 1, p. 31-68, 1979 Weber, M. The theory of social and economics organization NY: Oxford, 1947. Woodward, J. Industrial Organizations: theory and practice. Oxford: Oxford Univ Press, 1968