SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 103
QualidadenoAmbienteHospitalar
ACREDITAÇÃO
HOSPITALAR
AcreditaçãoHospitalar
ACREDITAÇÃO- DEFINIÇÕES
2
“Acreditar significa dar crédito, crer, ter como
verdadeiro, dar ou estabelecer crédito.”
(Dicionário Aurélio)
“Acreditação é um sistema de avaliação externa para
verificar o cumprimento de padrões pré estabelecidos
por determinadas organizações “
(Scrivens, 1995)
AcreditaçãoHospitalar
SEGUNDOACREDITADORAS
3
AcreditaçãoHospitalar
ACREDITAÇÃO- DEFINIÇÕES
4
“Um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde,
voluntário, periódico e reservado. Nas experiências, brasileira e internacional,
é uma ação coordenada por uma organização ou agência não governamental
encarregada do desenvolvimento e implantação da sua metodologia. Em seus
princípios tem um caráter eminentemente educativo, voltado para a melhoria
contínua, sem finalidade de fiscalização ou controle oficial, não devendo ser
confundido com os procedimentos de licenciamento e ações típicas de
Estado.”
(ONA)
AcreditaçãoHospitalar
HISTÓRIA- EUA
5
AcreditaçãoHospitalar
HISTÓRIA- BRASIL
6
AcreditaçãoHospitalar
BRASIL
7
AcreditaçãoHospitalar
CARACTERÍSTICAS
8
AcreditaçãoHospitalar
VANTAGENS
9
• Segurança para os pacientes e profissionais;
• Qualidade da assistência;
• Construção de equipe e melhoria contínua;
• Útil instrumento de gerenciamento;
• Critérios e objetivos concretos adaptados à realidade brasileira;
• O caminho para a melhoria contínua.
AcreditaçãoHospitalar
INTERESSADOS
10
• Líderes e administradores;
• Profissionais de saúde;
• Organizações de saúde;
• Sistemas compradores;
• Governo;
• Cidadão.
AcreditaçãoHospitalar
FOCOSEGURANÇA
11
AcreditaçãoHospitalar
FOCOSEGURANÇA
12
AcreditaçãoHospitalar
DIFICULDADES
13
• Falta de compreensão da essência dos métodos;
• Excessivo benchmarking de processos. Cópia de processos de
outras instituições de sucesso;
• Deficiência no uso das ferramentas da qualidade;
• Utilizar o título apenas como estratégia competitiva;
AcreditaçãoHospitalar
ISQUA- InternationalSociety forQualityinHealthCar
•Realiza a Acreditação de Instituições Acreditadoras
•Padrões de acreditação
•Tem relacionamento formal com a OMS
•Missão é "Conduzir a melhoria contínua na qualidade e segurança dos cuidados
de saúde em todo o mundo através da educação, pesquisa, colaboração e
disseminação do conhecimento baseada em evidências"
14
AcreditaçãoHospitalar
MODELOS
15
AcreditaçãoHospitalar
METODOLOGIASHOSPITALARES
16
AcreditaçãoHospitalar
ASPECTOSCOMUNSAOSMÉTODOS
17
• Reforço das leis, normas e regulamentações existentes
• Liderança, valores da instituição. Relação com a comunidade. Saúde
financeira. Políticas de gestão de riscos.
• Gestão de riscos assistenciais, sanitários, ambientais, ocupacionais e
responsabilidade civil
• Gestão de resíduos
• Gestão de pessoas – risco ocupacional, segurança do trabalho, saúde do
trabalhador
• Qualificação de fornecedores, exigências legais.
• Gestão de produtos químicos perigosos : quimioterápicos, materiais e
resíduos radioativos, equipamentos, medicamentos, etc
• Segurança do ambiente: edificações, instalações, equipamentos
• Segurança dos sistemas utilitários: água, energia, etc
AcreditaçãoHospitalar
HospitaisAcreditadosporModelo–2000/2014
18
AcreditaçãoHospitalar
HospitaisAcreditadosporRegião
19
Não há hospitais
acreditados:Acre, Piauí,
Rondônia, Roraima e
Tocantins.
QualidadenoAmbienteHospitalar
ONA
INSTITUIÇÕESACREDITADORAS- IACS
21
ONA
ONA- ORGANIZAÇÃONACIONALDEACREDITAÇÃO
22
A ONA foi fundada em 1999 por entidades públicas e privadas do setor de saúde. Sua
criação está ligada às mudanças que ocorreram após a Constituição de 1988, que
definiu a saúde como um direito de todo cidadão.
Na década de 1990, instituições de saúde e governos começaram a se preocupar
fortemente com a avaliação dos serviços oferecidos à população. Foi nesse período
que surgiram as primeiras iniciativas regionais de acreditação e o Manual de
Acreditação de Hospitais para América Latina e Caribe, publicado pela Federação
Brasileira de Hospitais, Federação Latino-americana de Hospitais e Organização Pan-
Americana da Saúde - OPAS.
ONA
ONA- ORGANIZAÇÃONACIONALDEACREDITAÇÃO
23
A metodologia de avaliação da ONA foi desenvolvida a partir da revisão desses
modelos de acreditação regionais e dos manuais da América Latina e de países como
Estados Unidos, Canadá, Espanha e Inglaterra.
Para ser utilizado nacionalmente, o manual da ONA foi testado em instituições de
saúde nas cinco regiões do Brasil.
Desde sua criação, a ONA coordena o Sistema Brasileiro de Acreditação - SBA, que
reúne organizações e serviços de saúde, entidades e instituições acreditadoras em
prol da segurança do paciente e da melhoria do atendimento.
ONA
ONA–FUNDAMENTOS
24
ONA
MODELOCONCEITUAL
25
ONA
NÍVEISONA
26
ONA
NÍVEISONA
Acreditado
Para instituições que atendem aos critérios de segurança do
paciente em todas as áreas de atividade, incluindo aspectos
estruturais e assistenciais.
Válido por dois anos.
Acreditado Pleno
Para instituições que, além de atender aos critérios de segurança,
apresenta gestão integrada, com processos ocorrendo de maneira
fluida e plena comunicação entre as atividades.
Válido por dois anos.
Acreditado com Excelência
O princípio deste nível é a “excelência em gestão”. Uma Organização
ou Programa da Saúde Acreditado com excelência atende aos níveis
1 e 2 , além dos requisitos específicos de nível 3. A instituição já deve
demonstrar uma cultura organizacional de melhoria contínua com
maturidade institucional.
Válido por três anos.
27
ONA
MANUAL
28
ONA
NORMASPARAAVALIAÇÃO
29
ONA
ORGANIZAÇÃODOMANUAL- SEÇÕES
30
ONA
GESTÃOELIDERANÇA
31
ONA
ATENÇÃOAOPACIENTE/ CLIENTE
32
ONA
DIAGNÓSTICOETERAPÊUTICA
33
ONA
APOIOTÉCNICO
34
ONA
ABASTECIMENTOEAPOIOLOGÍSTICO
35
ONA
PADRÕES/ DIMENSÕESDAQUALIDADE
36
QualidadenoAmbienteHospitalar
JCI
THEJOINTCOMMISSION
38
JCI
CONSÓRCIOBRASILEIRODEACREDITAÇÃO- CBA
A Joint Commission International foi criada
em 1999, como um desdobramento da Joint
Commission on Accreditation of Healthcare
Organizations (JCAHO), para melhorar a
qualidade da assistência à saúde
internacionalmente. No Brasil a JCI está
representada pelo Consórcio Brasileiro de
Acreditação.
39
JCI
ETAPASACREDITAÇÃOJCI
 Formação e capacitação do Grupo Facilitador
 Sensibilização das Lideranças e Corpo Profissional
 Educação e preparação para avaliação externa
 Avaliação Externa Diagnóstica
 Discussão do relatório e recomendações
 Elaboração do plano de ação para a busca de conformidade com os
padrões
 Implementação das ações corretivas
 Avaliação de Educação e/ou Simulada
 Continuidade das ações corretivas (caso necessário)
 Avaliação para Acreditação
40
JCI
ORGANIZAÇÃODOMANUAL
41
JCI
ESTRUTURADOMANUAL
42
JCI
SEÇÕESDOMANUAL/ CAPÍTULOS
43
JCI
PADRÃO
44
 É a unidade básica do sistema de avaliação
de Acreditação
 Expressa uma expectativa de excelência no
desenvolvimento de um processo ou
atividade
JCI
PROPÓSITO
45
 Trata da explicação dos requisitos e elementos
constantes do padrão
 Esclarece a intenção do padrão, apresentando
exemplos ou descrevendo características
relativas ao processo em questão
JCI
ELEMENTODEMENSURAÇÃO
46
 São os requisitos do padrão e dos propósitos
que serão verificados e aos quais será atribuída
uma pontuação durante o processo de avaliação
de Acreditação
 A relação dos elementos pretende dar maior
clareza aos padrões e auxiliar as instituições a
educar os profissionais no seu preparo para a
avaliação de Acreditação
JCI
EXEMPLO
47
JCI
REGRADEPONTUAÇÃO
48
REGRA DE PONTUAÇÃO - AVALIAÇÃO JCI
Regra 1 Pontuação Indicador
Conformidade de cada padrão
Pelo menos 5 em cada padrão (médias
dos EM)
% de padrões com média
> 5,00
Meta 100% (320 padrões)
Regra 2 Pontuação Indicador
Conformidade de cada capítulo
Pontuação geral dos padrões do
capítulo: mínimo média 8
% capítulos com média >
8,00
Meta 100% (14 capítulos)
Regra 3 Pontuação Indicador
Média global dos capítulos
Pontuação geral de todos os capítulos:
mínimo média 9
Média pontuação geral >
9,00
Regra 4 Pontuação Indicador
Número de Elementos de Mensuração
pontuados como Parcial ou Não
Conforme Máximo de 47 com desvio padrão 3
Quantidade de Elementos
de Mensuração não
conforme e parciais
Meta < 47
JCI
METODOLOGIATRACER
49
JCI
METODOLOGIATRACER
50
JCI
METODOLOGIATRACER
O avaliador escolhe aleatoriamente alguns pacientes,
Os prontuários dos pacientes são cuidadosamente avaliados, pensando no
registro completo da assistência;
O avaliador conversa com visitantes e familiares do paciente;
Além disso os colaboradores e médicos são questionados sobre processos,
cuidados em relação à segurança, documentação, treinamentos, etc...
A todo momento a segurança das instalações é avaliada.
51
JCI
CAPÍTULOIPSG–MET
ASINTERNACIONAISDESEGURANÇADOPACIENT
1 - Identificar os pacientes
corretamente
2- Melhorar a comunicação
efetiva
3 - Melhorar a segurança de
medicamentos de alta vigilância
52
JCI
CAPÍTULOIPSG–MET
ASINTERNACIONAISDESEGURANÇADOPACIENT
4 - Assegurar cirurgias em local de
intervenção correto, procedimento
correto e paciente correto
5- Reduzir o risco de infecções
associadas aos cuidados de saúde
6- Reduzir o risco de lesões ao
paciente decorrente de quedas
53
JCI
ACC–ACESSOACUIDADOSECONTINUIDADEDOSCUIDADOS
54
Áreas de Desempenho:
Admissão à Instituição
Continuidade do Cuidado
Alta, Referência e Acompanhamento
Transferência de Pacientes
Transporte
JCI
ACC
55
JCI
PFR- DireitosdoPaciente eFamiliares
56
Áreas de Desempenho:
 Processos que garantam direitos do paciente e
familiares
Consentimento Informado
 Pesquisa
 Doação de Órgãos
JCI
AOP-AvaliaçãodoPaciente
57
Áreas de Desempenho:
Avaliação do paciente
Serviços Laboratoriais
 Serviços de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
JCI
AOP-AvaliaçãodoPaciente
58
JCI
COP- CuidadosaoPaciente
59
Áreas de Desempenho:
Prestação de Cuidados a Todos os Pacientes
Cuidado aos Pacientes de Alto Risco e
Disponibilização de Serviços de Alto Risco
 Alimentação e Terapia Nutricional
 Gerenciamento da Dor
Cuidado aos Pacientes em Final de Vida
JCI
ASC-AnestesiaeCirurgia
60
Áreas de Desempenho:
Organização e Gerenciamento
Assistência à Sedação
Assistência Anestésica
Assistência Cirúrgica
JCI
MMU- GerenciamentoeUsodeMedicamentos
61
Áreas de Desempenho:
Organização e Gerenciamento
Seleção e Aquisição
Estoque
Prescrição e Transcrição
Preparo e Dispensação
Administração
Monitoramento
JCI
PFE- EducaçãodoPaciente eFamiliares
62
Avaliação e registro no prontuário das
necessidades de educação de cada paciente
Os pacientes e seus familiares são educados
para o fornecimento de consentimento
informado e participação/decisão nos
processos de cuidado
JCI
PFE- EducaçãodoPaciente eFamiliares
63
Os pacientes e seus familiares são educados para o
uso seguro de medicamentos, de equipamentos
médicos, possíveis interações entre medicamentos e
alimentos, orientação nutricional, técnicas de
reabilitação e dor
Os profissionais de saúde envolvidos no cuidado têm
o conhecimento e as habilidades necessárias para
uma educação efetiva
JCI
QPS- MelhoriadaQualidadeeSegurançadoPaciente
64
Áreas de Desempenho:
 Liderança e Planejamento
 Desenho dos Processos Clínicos e Administrativos
para
 Seleção das medidas e coleta de dados
Monitoramento da Qualidade
 Validação e Análise dos Dados de Medição
 Alcance e sustentação da Melhoria
JCI
PCI- PrevençãoeControle daInfecção
65
Áreas de Desempenho:
Liderança e Coordenação do Programa
Foco do Programa
Procedimentos de Isolamento
Técnicas de Barreira e Higiene das Mãos
Integração do Programa com a Melhoria da
Qualidade e Segurança do Paciente
Educação dos Profissionais sobre o Programa
JCI
GLD- Governo, LiderançaeDireção
66
Áreas de Desempenho:
Governo da Instituição
Liderança da Instituição
Direção dos Departamentos e Serviços
Ética Organizacional
JCI
FMS- GerenciamentodasInstalações
67
Áreas de Desempenho:
Liderança e planejamento
Segurança e Proteção
 Materiais perigosos
Preparação para desastres
 Segurança contra incêndio
 Equipamentos médicos
 Sistemas utilitários
 Educação dos Profissionais
JCI
SQE- EducaçãoeQualificaçãodeProfissionais
68
Áreas de Desempenho:
Planejamento
Orientação e Educação
Corpo Médico
Corpo de Enfermagem
Outros Corpos Profissionais
JCI
MCI- GerenciamentodaComunicaçãoeInformação
69
Áreas de Desempenho:
Comunicação com a Comunidade
Comunicação com Pacientes e Familiares
Comunicação entre Profissionais dentro e fora da
Instituição
Liderança e Planejamento
Prontuário Clínico do Paciente
Dados e Informações Agregadas
QualidadenoAmbienteHospitalar
QMENTUM
QMENTUM
71
QMENTUM
Triple Aim
Melhorar a Qualidade e Segurança do Cuidado
Entender as necessidades da população atendida
Diminuir custos
72
TRIPLEAIM
QMENTUM
A organização e a gestão dos processos de trabalho, em especial
do trabalho em Time, constituem um dos eixos centrais da
reordenação do método de avaliação do Qmentum.
Diante dessa organização, a avaliação tem que responder aos seguintes objetivos:
• Compreender o processo de trabalho na sua totalidade e a inter- relação dos seus
elementos.
• Identificar as especificidades de cada elemento do processo de trabalho e suas
implicações práticas.
• Perceber o funcionamento do processo de trabalho numa perspectiva dinâmica e
reiterativa.
• Compreender a importância da avaliação constante no processo de trabalho.
73
TIMES
QMENTUM
A metodologia internacional sugere não reduzir o esquema da
qualidade à tríade estrutura – processo - resultado (Donabedian ).
O crescimento das complexas dimensões sócio-sistémicas entre os atores de
um hospital e/o de outra estrutura sanitária não permite privilegiar essa
tríade, mas recomenda analisar a qualidade como “exigência primária capaz de
modificar a gestão [...] ou seja, é preciso verificar continuamente a missão da
instituição de saúde e suas prioridades”.
É necessário o uso de métodos e técnicas que demonstrem a capacidade de
captar tanto as dimensões estruturais do ambiente da assistência ;
as dimensões relacionadas às representações sociais dos
atores envolvidos;
e às expectativas de saúde dos pacientes.
74
OMétododeAvaliação
QMENTUM
PassosdaAvaliação
75
© Accreditation Canada International
• Auto Avaliação;
• Reunião introdutória com a alta administração;
• Avaliação dos processos prioritários;
• Tracer;
• Grupos Focados
• Troca de informações entre avaliadores;
• Revisão;
• Preenchimento do portal online pelos avaliadores;
• Debriefing
QMENTUM
PassosdaAvaliação
76
© Accreditation Canada International
QMENTUM
76
LinhasEstratégicas
Emergência
Ambulatório
Centro
Cirúrgico
Terapia
Intensiva
As. farmacêutica
Materno
Infantil
TIMES ESTRATÉGICOS
Protocolos
Protocolos
Protocolos
Protocolos
Protocolos
Protocolos
Cuidados Cirúrgicos Linha do medicamento Assistência Oncológica
Recursos Humanos
Paciente Crítico
Cirurgia Ortopédica
Gestão do Acesso
QMENTUM
77
DIRETRIZESPARAAVALIAÇÃO
QMENTUM
NÍVEIS
79
© Accreditation Canada International
QMENTUM
NÍVEIS
80
© Accreditation Canada International
Ouro: Trata de estruturas e processos básicos ligados
aos elementos fundamentais da segurança e da melhoria
da qualidade.
Platina: mantém e desenvolve os elementos
fundamentais de qualidade e segurança, e enfatiza os
elementos principais de um atendimento centrado no
paciente.
Diamante: Concentra-se em
monitorando os desfechos,
alcançar a qualidade
utilizando evidências e
melhores práticas para aprimorar serviços, e fazendo
benchmarking com instituições pares.
QMENTUM
OINSTRUMENTO
81
1. Diretrizes do Qmentum
2. Governança
3. Planejamento do Trabalho
4. Estrutura Assistencial
5. Assistência Ambulatorial
6. Assistência Farmacêutica
7. Assistência farmacêutica para Instituições de Pequeno Porte
8. Assistência Obstétrica e Perinatal
9. Atenção Primária à Saúde
10. Atendimento as Urgências e Emergências
11. Cuidados Cirúrgicos
12. Cuidados Intensivos
13. Diagnóstico por Imagem
14. Equipe Cirúrgica
15. Preparo para o Caso de Desastres e Emergências
16. Reprocessamento e Esterilização de Materiais
17. Prevenção e Controle de Infecção
QMENTUM
ESTRUTURA ASSISTENCIAL BÁSICA
1.0 A instituição desenvolve serviços de cuidados intensivos
para atender às necessidades dos pacientes.
1.1 A instituição dispõe de uma licença de funcionamento
atualizada para prestar serviços de cuidados intensivos.
Dimensão de Qualidade:
Processo Prioritário:
Prioridade:
Nível:
Efetividade
Liderança Clínica
Alta
Ouro
Diretrizes:
Buscar opiniões de pacientes e colaboradores ajuda a garantir
que o atendimento vá refletir corretamente as necessidades dos
pacientes.
Módulo
Padrão
Critério
Diretrizes fornecem
detalhes sobre o que
é necessário estar
implementado para
que cada critério seja
atendido
OINSTRUMENTO
82
QMENTUM
OINSTRUMENTO
Módulo Padrão
Critério
83
QMENTUM
OINSTRUMENTO
84
QMENTUM
Ciclo de 3 anos
Entrada da Instituição no
Programa
Processo de Educação
Preenchimento da
Auto Avaliação
Visita de Preparação
Visita de
Acreditação
Processo
de Manutenção
ProgramadeAcreditação
85
QMENTUM
ProcessodeEducação
86
Princípios da Metodologia
Governança Clínica
Times de Trabalho
Linhas Estratégicas
Gestão do Conhecimento
Política da Segurança
Protocolos
Entendendo a Maturidade Institucional e as Necessidades de melhoria
QMENTUM
PASSOSPARAAPLICAÇÃODOMODELO
Processo de Educação
Tracer
Grupos Focados
Entrevistas
Documentos
Indicadores
ROPs
Caracterização da
Organização
Coleta de
Dados
Tratamento das
Informações
Delineamento
do Estágio
Classificação da
Maturidade
87
QMENTUM
ROP- PráticaOrganizacional Exigida
88
QMENTUM
ROP- PráticaOrganizacional Exigida
89
Prática Organizacional Exigida (ROP) é definida como prática essencial
que as organizações devem ter implementado para melhorar a segurança
do paciente e minimizar riscos.
É apresentada como uma meta estabelecida, acompanhada por testes
de conformidade.
A organização deve atender todos os testes de conformidade e atingir a
meta estabelecida. Os testes de conformidade são avaliados durante a
visita utilizando a metodologia “tracer”.
Embora a documentação adequada seja necessária para cumprir a maioria
dos testes de conformidade, esta por si só não é suficiente. Na realização
dos tracers, os avaliadores irão procurar evidências de que tais políticas e
processos estejam implementados em toda a organização.
QMENTUM
ROP- PráticaOrganizacional Exigida
"um conjunto de práticas que proporciona ligação direta entre os conhecimentos da
organização, a estratégia, a qualidade e a segurança do cuidado”.
90
QMENTUM
PráticaOrganizacional Exigida
91
QMENTUM
PráticaOrganizacional Exigida
92
Área de Segurança do Paciente: Comunicação
ROP: Implementar um protocolo de identificação para os pacientes em todo o fluxo
assistencial.
Meta: Melhorar coordenação e eficácia da comunicação entre os profissionais da
saúde e o paciente em todo fluxo assistencial.
Nível: Ouro
Foco: Identificação do Paciente
Experiência: A dificuldade de identificar corretamente os pacientes resulta em erros
de medicação, erros de transfusão, procedimentos em pacientes errados, e troca de
recém nascidos. O risco de uma identificação errada pode ser reduzido
significantemente através da adaptação de procedimentos de identificação
comprovados como seguros.
Accreditation Canada’s Qmentum ROPs (2) e WHO Collaborating Centre for Patient
Safety Solution informou o desenvolvimento desta ROP.
QMENTUM
PráticaOrganizacional Exigida
93
Teste de conformidade:
 A organização tem um método de identificação dos pacientes
(ex.: pulseira no pulso, identificação com foto....) que está padronizado em
toda a instituição.
 Os profissionais utilizam dois métodos de confirmação (ex.: nome e data de
nascimento) para identificar um paciente antes de fornecer qualquer serviço ou
fazer qualquer procedimento.
*O número do quarto do paciente não pode ser utilizado para identificá-lo.
Mais informações:
Pulseiras no pulso são utilizadas universalmente para a identificação de pacientes;
veja o site da Agência Nacional de Segurança do Paciente para mais informações:
http://www.npsa.nhs.uk/nrls/alerts-and-directives/notices/wristbands/.
O primeiro e o ultimo nome do paciente, a sua data de nascimento, número do quarto
e registro são dados importantes que devem ser colocados nesta pulseira.
QMENTUM
PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE
Pesquisa Hospitalar sobre a Cultura de
Segurança do Paciente
94
© Accreditation Canada International
QMENTUM
PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE
95
© Accreditation Canada International
QMENTUM
PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE
96
© Accreditation Canada International
Pesquisa Hospitalar sobre a Cultura de Segurança do Paciente
Agência para a Pesquisa e Qualidade em Saúde (AHRQ)
Ferramenta de avaliação para analisar a cultura da
segurança nos hospitais como um todo, ou em unidades
específicas dentro de um hospital.
Como parte das 5 Iniciativas para a Segurança do
Paciente, a Organização Mundial da Saúde atualmente
está implementando a pesquisa da AHRQ para avaliar o
impacto de intervenções para a segurança do paciente,
e para acompanhar mudanças na segurança do
paciente ao longo do tempo.
QMENTUM
PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE
EXAMINA A CULTURA DE SEGURANÇA
DO PACIENTE NA ÓTICA DOS
FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL
97
© Accreditation Canada International
QMENTUM
PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE
98
© Accreditation Canada International
Amostra:
O instrumento será administrado utilizando-se uma abordagem de censo. Isto
tem a vantagem de dar a todos os funcionários a oportunidade de comentar (o
que é chave em avaliações da cultura organizacional), e evita os problemas
associados a se obter taxas de respostas suficientes para garantir que as
amostras sejam representativas e tenham o poder de gerar conclusões.
Com base no número de funcionários de cada instituição, uma taxa de
resposta mínima para os instrumentos é calculada pelo software da
Accreditation Canada que utiliza regras estatísticas.
QMENTUM
PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE
99
© Accreditation Canada International
A pesquisa pode ser respondida por todos os tipos de funcionários do hospital – da equipe de limpeza e
segurança aos enfermeiros e médicos. Entretanto, a pesquisa é mais direcionada às seguintes categorias:
• Funcionários do hospital que têm contato ou interação direta com os pacientes
(corpo clínico , time de enfermagem, ou pessoal não clínico como os atendentes das
unidades)
• Funcionários do hospital que podem não ter contato ou interação direta com os
pacientes, mas cujo trabalho afeta diretamente a assistência ao paciente
(funcionários de unidades tais como a farmácia hospitalar, laboratório/patologia)
• Médicos contratados pelo hospital que passam a maior parte de sua jornada de
trabalho na instituição (médicos do pronto atendimento, médicos hospitalistas,
patologistas)
• Supervisores, gerentes e administradores do hospital.
QMENTUM
GruposFocados
Grupos focados são fóruns de um pequeno grupo de indivíduos que se reúnem
para conversar sobre algum tópico de interesse.
Em geral, os encontros contam com 5 a 10 pessoas, têm duração aproximada de
duas horas e são conduzidos por um moderador.
10
0
© Accreditation Canada International
QMENTUM
GruposFocadosxEntrevistasIndividuais
10
© Accreditation Canada International
Grupos focados Entrevistas individuais
Temas delicados Possibilidade maior de
constrangimento  várias
pessoas
Possibilidade menor de
constrangimento  uma
pessoa
Fadiga do entrevistador Menor Maior
Condução das
entrevistas
Maior dificuldade  conversas
simultâneas e/ou paralelas
Menor dificuldade
Quantidade de
informações
Maior quantidade de
informações geradas pelo grupo
se o tempo é restrito
Maior quantidade de
informações geradas pelas
pessoas se for possível
entrevistar a todos
Agenda Pode haver dificuldade de
conciliar horários
Maior flexibilidade para
agendar horários
Infra-estrutura Necessidade de diversos itens
de infra-estrutura
Mínima
QMENTUM
Auto–AvaliaçãoeMaturidade
Link
e Senha
Dura 30
minutos
10
© Accreditation Canada International
Anônimo
QMENTUM
ProcessosPrioritários
10
© Accreditation Canada International

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Acreditação hospitalar.pptx

ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
Maria Stella
 
Qualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analitica
Qualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analiticaQualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analitica
Qualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analitica
Carina Moita
 
Anais - VIII Enenge
Anais - VIII EnengeAnais - VIII Enenge
Anais - VIII Enenge
Sobragen
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_Normas
Fatima Morais
 
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
Ana Aragão
 

Semelhante a Acreditação hospitalar.pptx (20)

ONA
ONAONA
ONA
 
Qualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDeQualidade Em SaúDe
Qualidade Em SaúDe
 
Acreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalarAcreditacao hospitalar
Acreditacao hospitalar
 
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
Processo de preparação para acreditação ona em clínica de gastroenterologia e...
 
Trabalho da marlene
Trabalho da marleneTrabalho da marlene
Trabalho da marlene
 
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
ACREDITAÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE - GARANTIA DE QUALIDADE TOTAL Maria Stella P...
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Qualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analitica
Qualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analiticaQualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analitica
Qualidade em analises clinicas hospitalares indicadores da fase analitica
 
Anais VIII Enenge
Anais VIII EnengeAnais VIII Enenge
Anais VIII Enenge
 
Anais - VIII Enenge
Anais - VIII EnengeAnais - VIII Enenge
Anais - VIII Enenge
 
CME E CC.pdf
CME E CC.pdfCME E CC.pdf
CME E CC.pdf
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
 
AULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.pptAULA 1 GESTÃO.ppt
AULA 1 GESTÃO.ppt
 
Gestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfGestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdf
 
Apresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_NormasApresentação QAS_Normas
Apresentação QAS_Normas
 
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
A mensuração da qualidade da assistência de enfermagem realizada por meio da ...
 
Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...Hospital das clínicas de niterói   escolha de acreditação - caso de ensino - ...
Hospital das clínicas de niterói escolha de acreditação - caso de ensino - ...
 
Qsgc
QsgcQsgc
Qsgc
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
 

Mais de IsadoraPereira32

Mais de IsadoraPereira32 (12)

Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptxPrimeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
Primeiros Socorros Básicos: RCP e desengasgo.pptx
 
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissãoParasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
Parasitologia. O que é, parasitas e formas de transmissão
 
Mediacao_de_conflitos_.pptx
Mediacao_de_conflitos_.pptxMediacao_de_conflitos_.pptx
Mediacao_de_conflitos_.pptx
 
Parasitologia.pptx
Parasitologia.pptxParasitologia.pptx
Parasitologia.pptx
 
Tecnologias_de_infusao.pptx
Tecnologias_de_infusao.pptxTecnologias_de_infusao.pptx
Tecnologias_de_infusao.pptx
 
Tecnologias em Saúde.pptx
Tecnologias em Saúde.pptxTecnologias em Saúde.pptx
Tecnologias em Saúde.pptx
 
Sistema Digestório.pptx
Sistema Digestório.pptxSistema Digestório.pptx
Sistema Digestório.pptx
 
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptxFinitude morte e cuidados no final da vida.pptx
Finitude morte e cuidados no final da vida.pptx
 
calculos enfermagem.pptx.pdf
calculos enfermagem.pptx.pdfcalculos enfermagem.pptx.pdf
calculos enfermagem.pptx.pdf
 
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdfFINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
FINITUDE, MORTE E MORRER.pdf
 
Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
 
OXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptxOXIGENOTERAPIA.pptx
OXIGENOTERAPIA.pptx
 

Último

ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
TaniaN8
 

Último (12)

Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
Não podemos esquecer que outros critérios são necessários para se fazer o dia...
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
 

Acreditação hospitalar.pptx

  • 2. AcreditaçãoHospitalar ACREDITAÇÃO- DEFINIÇÕES 2 “Acreditar significa dar crédito, crer, ter como verdadeiro, dar ou estabelecer crédito.” (Dicionário Aurélio) “Acreditação é um sistema de avaliação externa para verificar o cumprimento de padrões pré estabelecidos por determinadas organizações “ (Scrivens, 1995)
  • 4. AcreditaçãoHospitalar ACREDITAÇÃO- DEFINIÇÕES 4 “Um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Nas experiências, brasileira e internacional, é uma ação coordenada por uma organização ou agência não governamental encarregada do desenvolvimento e implantação da sua metodologia. Em seus princípios tem um caráter eminentemente educativo, voltado para a melhoria contínua, sem finalidade de fiscalização ou controle oficial, não devendo ser confundido com os procedimentos de licenciamento e ações típicas de Estado.” (ONA)
  • 9. AcreditaçãoHospitalar VANTAGENS 9 • Segurança para os pacientes e profissionais; • Qualidade da assistência; • Construção de equipe e melhoria contínua; • Útil instrumento de gerenciamento; • Critérios e objetivos concretos adaptados à realidade brasileira; • O caminho para a melhoria contínua.
  • 10. AcreditaçãoHospitalar INTERESSADOS 10 • Líderes e administradores; • Profissionais de saúde; • Organizações de saúde; • Sistemas compradores; • Governo; • Cidadão.
  • 13. AcreditaçãoHospitalar DIFICULDADES 13 • Falta de compreensão da essência dos métodos; • Excessivo benchmarking de processos. Cópia de processos de outras instituições de sucesso; • Deficiência no uso das ferramentas da qualidade; • Utilizar o título apenas como estratégia competitiva;
  • 14. AcreditaçãoHospitalar ISQUA- InternationalSociety forQualityinHealthCar •Realiza a Acreditação de Instituições Acreditadoras •Padrões de acreditação •Tem relacionamento formal com a OMS •Missão é "Conduzir a melhoria contínua na qualidade e segurança dos cuidados de saúde em todo o mundo através da educação, pesquisa, colaboração e disseminação do conhecimento baseada em evidências" 14
  • 17. AcreditaçãoHospitalar ASPECTOSCOMUNSAOSMÉTODOS 17 • Reforço das leis, normas e regulamentações existentes • Liderança, valores da instituição. Relação com a comunidade. Saúde financeira. Políticas de gestão de riscos. • Gestão de riscos assistenciais, sanitários, ambientais, ocupacionais e responsabilidade civil • Gestão de resíduos • Gestão de pessoas – risco ocupacional, segurança do trabalho, saúde do trabalhador • Qualificação de fornecedores, exigências legais. • Gestão de produtos químicos perigosos : quimioterápicos, materiais e resíduos radioativos, equipamentos, medicamentos, etc • Segurança do ambiente: edificações, instalações, equipamentos • Segurança dos sistemas utilitários: água, energia, etc
  • 22. ONA ONA- ORGANIZAÇÃONACIONALDEACREDITAÇÃO 22 A ONA foi fundada em 1999 por entidades públicas e privadas do setor de saúde. Sua criação está ligada às mudanças que ocorreram após a Constituição de 1988, que definiu a saúde como um direito de todo cidadão. Na década de 1990, instituições de saúde e governos começaram a se preocupar fortemente com a avaliação dos serviços oferecidos à população. Foi nesse período que surgiram as primeiras iniciativas regionais de acreditação e o Manual de Acreditação de Hospitais para América Latina e Caribe, publicado pela Federação Brasileira de Hospitais, Federação Latino-americana de Hospitais e Organização Pan- Americana da Saúde - OPAS.
  • 23. ONA ONA- ORGANIZAÇÃONACIONALDEACREDITAÇÃO 23 A metodologia de avaliação da ONA foi desenvolvida a partir da revisão desses modelos de acreditação regionais e dos manuais da América Latina e de países como Estados Unidos, Canadá, Espanha e Inglaterra. Para ser utilizado nacionalmente, o manual da ONA foi testado em instituições de saúde nas cinco regiões do Brasil. Desde sua criação, a ONA coordena o Sistema Brasileiro de Acreditação - SBA, que reúne organizações e serviços de saúde, entidades e instituições acreditadoras em prol da segurança do paciente e da melhoria do atendimento.
  • 27. ONA NÍVEISONA Acreditado Para instituições que atendem aos critérios de segurança do paciente em todas as áreas de atividade, incluindo aspectos estruturais e assistenciais. Válido por dois anos. Acreditado Pleno Para instituições que, além de atender aos critérios de segurança, apresenta gestão integrada, com processos ocorrendo de maneira fluida e plena comunicação entre as atividades. Válido por dois anos. Acreditado com Excelência O princípio deste nível é a “excelência em gestão”. Uma Organização ou Programa da Saúde Acreditado com excelência atende aos níveis 1 e 2 , além dos requisitos específicos de nível 3. A instituição já deve demonstrar uma cultura organizacional de melhoria contínua com maturidade institucional. Válido por três anos. 27
  • 39. JCI CONSÓRCIOBRASILEIRODEACREDITAÇÃO- CBA A Joint Commission International foi criada em 1999, como um desdobramento da Joint Commission on Accreditation of Healthcare Organizations (JCAHO), para melhorar a qualidade da assistência à saúde internacionalmente. No Brasil a JCI está representada pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação. 39
  • 40. JCI ETAPASACREDITAÇÃOJCI  Formação e capacitação do Grupo Facilitador  Sensibilização das Lideranças e Corpo Profissional  Educação e preparação para avaliação externa  Avaliação Externa Diagnóstica  Discussão do relatório e recomendações  Elaboração do plano de ação para a busca de conformidade com os padrões  Implementação das ações corretivas  Avaliação de Educação e/ou Simulada  Continuidade das ações corretivas (caso necessário)  Avaliação para Acreditação 40
  • 44. JCI PADRÃO 44  É a unidade básica do sistema de avaliação de Acreditação  Expressa uma expectativa de excelência no desenvolvimento de um processo ou atividade
  • 45. JCI PROPÓSITO 45  Trata da explicação dos requisitos e elementos constantes do padrão  Esclarece a intenção do padrão, apresentando exemplos ou descrevendo características relativas ao processo em questão
  • 46. JCI ELEMENTODEMENSURAÇÃO 46  São os requisitos do padrão e dos propósitos que serão verificados e aos quais será atribuída uma pontuação durante o processo de avaliação de Acreditação  A relação dos elementos pretende dar maior clareza aos padrões e auxiliar as instituições a educar os profissionais no seu preparo para a avaliação de Acreditação
  • 48. JCI REGRADEPONTUAÇÃO 48 REGRA DE PONTUAÇÃO - AVALIAÇÃO JCI Regra 1 Pontuação Indicador Conformidade de cada padrão Pelo menos 5 em cada padrão (médias dos EM) % de padrões com média > 5,00 Meta 100% (320 padrões) Regra 2 Pontuação Indicador Conformidade de cada capítulo Pontuação geral dos padrões do capítulo: mínimo média 8 % capítulos com média > 8,00 Meta 100% (14 capítulos) Regra 3 Pontuação Indicador Média global dos capítulos Pontuação geral de todos os capítulos: mínimo média 9 Média pontuação geral > 9,00 Regra 4 Pontuação Indicador Número de Elementos de Mensuração pontuados como Parcial ou Não Conforme Máximo de 47 com desvio padrão 3 Quantidade de Elementos de Mensuração não conforme e parciais Meta < 47
  • 51. JCI METODOLOGIATRACER O avaliador escolhe aleatoriamente alguns pacientes, Os prontuários dos pacientes são cuidadosamente avaliados, pensando no registro completo da assistência; O avaliador conversa com visitantes e familiares do paciente; Além disso os colaboradores e médicos são questionados sobre processos, cuidados em relação à segurança, documentação, treinamentos, etc... A todo momento a segurança das instalações é avaliada. 51
  • 52. JCI CAPÍTULOIPSG–MET ASINTERNACIONAISDESEGURANÇADOPACIENT 1 - Identificar os pacientes corretamente 2- Melhorar a comunicação efetiva 3 - Melhorar a segurança de medicamentos de alta vigilância 52
  • 53. JCI CAPÍTULOIPSG–MET ASINTERNACIONAISDESEGURANÇADOPACIENT 4 - Assegurar cirurgias em local de intervenção correto, procedimento correto e paciente correto 5- Reduzir o risco de infecções associadas aos cuidados de saúde 6- Reduzir o risco de lesões ao paciente decorrente de quedas 53
  • 54. JCI ACC–ACESSOACUIDADOSECONTINUIDADEDOSCUIDADOS 54 Áreas de Desempenho: Admissão à Instituição Continuidade do Cuidado Alta, Referência e Acompanhamento Transferência de Pacientes Transporte
  • 56. JCI PFR- DireitosdoPaciente eFamiliares 56 Áreas de Desempenho:  Processos que garantam direitos do paciente e familiares Consentimento Informado  Pesquisa  Doação de Órgãos
  • 57. JCI AOP-AvaliaçãodoPaciente 57 Áreas de Desempenho: Avaliação do paciente Serviços Laboratoriais  Serviços de Radiologia e Diagnóstico por Imagem
  • 59. JCI COP- CuidadosaoPaciente 59 Áreas de Desempenho: Prestação de Cuidados a Todos os Pacientes Cuidado aos Pacientes de Alto Risco e Disponibilização de Serviços de Alto Risco  Alimentação e Terapia Nutricional  Gerenciamento da Dor Cuidado aos Pacientes em Final de Vida
  • 60. JCI ASC-AnestesiaeCirurgia 60 Áreas de Desempenho: Organização e Gerenciamento Assistência à Sedação Assistência Anestésica Assistência Cirúrgica
  • 61. JCI MMU- GerenciamentoeUsodeMedicamentos 61 Áreas de Desempenho: Organização e Gerenciamento Seleção e Aquisição Estoque Prescrição e Transcrição Preparo e Dispensação Administração Monitoramento
  • 62. JCI PFE- EducaçãodoPaciente eFamiliares 62 Avaliação e registro no prontuário das necessidades de educação de cada paciente Os pacientes e seus familiares são educados para o fornecimento de consentimento informado e participação/decisão nos processos de cuidado
  • 63. JCI PFE- EducaçãodoPaciente eFamiliares 63 Os pacientes e seus familiares são educados para o uso seguro de medicamentos, de equipamentos médicos, possíveis interações entre medicamentos e alimentos, orientação nutricional, técnicas de reabilitação e dor Os profissionais de saúde envolvidos no cuidado têm o conhecimento e as habilidades necessárias para uma educação efetiva
  • 64. JCI QPS- MelhoriadaQualidadeeSegurançadoPaciente 64 Áreas de Desempenho:  Liderança e Planejamento  Desenho dos Processos Clínicos e Administrativos para  Seleção das medidas e coleta de dados Monitoramento da Qualidade  Validação e Análise dos Dados de Medição  Alcance e sustentação da Melhoria
  • 65. JCI PCI- PrevençãoeControle daInfecção 65 Áreas de Desempenho: Liderança e Coordenação do Programa Foco do Programa Procedimentos de Isolamento Técnicas de Barreira e Higiene das Mãos Integração do Programa com a Melhoria da Qualidade e Segurança do Paciente Educação dos Profissionais sobre o Programa
  • 66. JCI GLD- Governo, LiderançaeDireção 66 Áreas de Desempenho: Governo da Instituição Liderança da Instituição Direção dos Departamentos e Serviços Ética Organizacional
  • 67. JCI FMS- GerenciamentodasInstalações 67 Áreas de Desempenho: Liderança e planejamento Segurança e Proteção  Materiais perigosos Preparação para desastres  Segurança contra incêndio  Equipamentos médicos  Sistemas utilitários  Educação dos Profissionais
  • 68. JCI SQE- EducaçãoeQualificaçãodeProfissionais 68 Áreas de Desempenho: Planejamento Orientação e Educação Corpo Médico Corpo de Enfermagem Outros Corpos Profissionais
  • 69. JCI MCI- GerenciamentodaComunicaçãoeInformação 69 Áreas de Desempenho: Comunicação com a Comunidade Comunicação com Pacientes e Familiares Comunicação entre Profissionais dentro e fora da Instituição Liderança e Planejamento Prontuário Clínico do Paciente Dados e Informações Agregadas
  • 72. QMENTUM Triple Aim Melhorar a Qualidade e Segurança do Cuidado Entender as necessidades da população atendida Diminuir custos 72 TRIPLEAIM
  • 73. QMENTUM A organização e a gestão dos processos de trabalho, em especial do trabalho em Time, constituem um dos eixos centrais da reordenação do método de avaliação do Qmentum. Diante dessa organização, a avaliação tem que responder aos seguintes objetivos: • Compreender o processo de trabalho na sua totalidade e a inter- relação dos seus elementos. • Identificar as especificidades de cada elemento do processo de trabalho e suas implicações práticas. • Perceber o funcionamento do processo de trabalho numa perspectiva dinâmica e reiterativa. • Compreender a importância da avaliação constante no processo de trabalho. 73 TIMES
  • 74. QMENTUM A metodologia internacional sugere não reduzir o esquema da qualidade à tríade estrutura – processo - resultado (Donabedian ). O crescimento das complexas dimensões sócio-sistémicas entre os atores de um hospital e/o de outra estrutura sanitária não permite privilegiar essa tríade, mas recomenda analisar a qualidade como “exigência primária capaz de modificar a gestão [...] ou seja, é preciso verificar continuamente a missão da instituição de saúde e suas prioridades”. É necessário o uso de métodos e técnicas que demonstrem a capacidade de captar tanto as dimensões estruturais do ambiente da assistência ; as dimensões relacionadas às representações sociais dos atores envolvidos; e às expectativas de saúde dos pacientes. 74 OMétododeAvaliação
  • 75. QMENTUM PassosdaAvaliação 75 © Accreditation Canada International • Auto Avaliação; • Reunião introdutória com a alta administração; • Avaliação dos processos prioritários; • Tracer; • Grupos Focados • Troca de informações entre avaliadores; • Revisão; • Preenchimento do portal online pelos avaliadores; • Debriefing
  • 80. QMENTUM NÍVEIS 80 © Accreditation Canada International Ouro: Trata de estruturas e processos básicos ligados aos elementos fundamentais da segurança e da melhoria da qualidade. Platina: mantém e desenvolve os elementos fundamentais de qualidade e segurança, e enfatiza os elementos principais de um atendimento centrado no paciente. Diamante: Concentra-se em monitorando os desfechos, alcançar a qualidade utilizando evidências e melhores práticas para aprimorar serviços, e fazendo benchmarking com instituições pares.
  • 81. QMENTUM OINSTRUMENTO 81 1. Diretrizes do Qmentum 2. Governança 3. Planejamento do Trabalho 4. Estrutura Assistencial 5. Assistência Ambulatorial 6. Assistência Farmacêutica 7. Assistência farmacêutica para Instituições de Pequeno Porte 8. Assistência Obstétrica e Perinatal 9. Atenção Primária à Saúde 10. Atendimento as Urgências e Emergências 11. Cuidados Cirúrgicos 12. Cuidados Intensivos 13. Diagnóstico por Imagem 14. Equipe Cirúrgica 15. Preparo para o Caso de Desastres e Emergências 16. Reprocessamento e Esterilização de Materiais 17. Prevenção e Controle de Infecção
  • 82. QMENTUM ESTRUTURA ASSISTENCIAL BÁSICA 1.0 A instituição desenvolve serviços de cuidados intensivos para atender às necessidades dos pacientes. 1.1 A instituição dispõe de uma licença de funcionamento atualizada para prestar serviços de cuidados intensivos. Dimensão de Qualidade: Processo Prioritário: Prioridade: Nível: Efetividade Liderança Clínica Alta Ouro Diretrizes: Buscar opiniões de pacientes e colaboradores ajuda a garantir que o atendimento vá refletir corretamente as necessidades dos pacientes. Módulo Padrão Critério Diretrizes fornecem detalhes sobre o que é necessário estar implementado para que cada critério seja atendido OINSTRUMENTO 82
  • 85. QMENTUM Ciclo de 3 anos Entrada da Instituição no Programa Processo de Educação Preenchimento da Auto Avaliação Visita de Preparação Visita de Acreditação Processo de Manutenção ProgramadeAcreditação 85
  • 86. QMENTUM ProcessodeEducação 86 Princípios da Metodologia Governança Clínica Times de Trabalho Linhas Estratégicas Gestão do Conhecimento Política da Segurança Protocolos Entendendo a Maturidade Institucional e as Necessidades de melhoria
  • 87. QMENTUM PASSOSPARAAPLICAÇÃODOMODELO Processo de Educação Tracer Grupos Focados Entrevistas Documentos Indicadores ROPs Caracterização da Organização Coleta de Dados Tratamento das Informações Delineamento do Estágio Classificação da Maturidade 87
  • 89. QMENTUM ROP- PráticaOrganizacional Exigida 89 Prática Organizacional Exigida (ROP) é definida como prática essencial que as organizações devem ter implementado para melhorar a segurança do paciente e minimizar riscos. É apresentada como uma meta estabelecida, acompanhada por testes de conformidade. A organização deve atender todos os testes de conformidade e atingir a meta estabelecida. Os testes de conformidade são avaliados durante a visita utilizando a metodologia “tracer”. Embora a documentação adequada seja necessária para cumprir a maioria dos testes de conformidade, esta por si só não é suficiente. Na realização dos tracers, os avaliadores irão procurar evidências de que tais políticas e processos estejam implementados em toda a organização.
  • 90. QMENTUM ROP- PráticaOrganizacional Exigida "um conjunto de práticas que proporciona ligação direta entre os conhecimentos da organização, a estratégia, a qualidade e a segurança do cuidado”. 90
  • 92. QMENTUM PráticaOrganizacional Exigida 92 Área de Segurança do Paciente: Comunicação ROP: Implementar um protocolo de identificação para os pacientes em todo o fluxo assistencial. Meta: Melhorar coordenação e eficácia da comunicação entre os profissionais da saúde e o paciente em todo fluxo assistencial. Nível: Ouro Foco: Identificação do Paciente Experiência: A dificuldade de identificar corretamente os pacientes resulta em erros de medicação, erros de transfusão, procedimentos em pacientes errados, e troca de recém nascidos. O risco de uma identificação errada pode ser reduzido significantemente através da adaptação de procedimentos de identificação comprovados como seguros. Accreditation Canada’s Qmentum ROPs (2) e WHO Collaborating Centre for Patient Safety Solution informou o desenvolvimento desta ROP.
  • 93. QMENTUM PráticaOrganizacional Exigida 93 Teste de conformidade:  A organização tem um método de identificação dos pacientes (ex.: pulseira no pulso, identificação com foto....) que está padronizado em toda a instituição.  Os profissionais utilizam dois métodos de confirmação (ex.: nome e data de nascimento) para identificar um paciente antes de fornecer qualquer serviço ou fazer qualquer procedimento. *O número do quarto do paciente não pode ser utilizado para identificá-lo. Mais informações: Pulseiras no pulso são utilizadas universalmente para a identificação de pacientes; veja o site da Agência Nacional de Segurança do Paciente para mais informações: http://www.npsa.nhs.uk/nrls/alerts-and-directives/notices/wristbands/. O primeiro e o ultimo nome do paciente, a sua data de nascimento, número do quarto e registro são dados importantes que devem ser colocados nesta pulseira.
  • 94. QMENTUM PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE Pesquisa Hospitalar sobre a Cultura de Segurança do Paciente 94 © Accreditation Canada International
  • 96. QMENTUM PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE 96 © Accreditation Canada International Pesquisa Hospitalar sobre a Cultura de Segurança do Paciente Agência para a Pesquisa e Qualidade em Saúde (AHRQ) Ferramenta de avaliação para analisar a cultura da segurança nos hospitais como um todo, ou em unidades específicas dentro de um hospital. Como parte das 5 Iniciativas para a Segurança do Paciente, a Organização Mundial da Saúde atualmente está implementando a pesquisa da AHRQ para avaliar o impacto de intervenções para a segurança do paciente, e para acompanhar mudanças na segurança do paciente ao longo do tempo.
  • 97. QMENTUM PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE EXAMINA A CULTURA DE SEGURANÇA DO PACIENTE NA ÓTICA DOS FUNCIONÁRIOS DO HOSPITAL 97 © Accreditation Canada International
  • 98. QMENTUM PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE 98 © Accreditation Canada International Amostra: O instrumento será administrado utilizando-se uma abordagem de censo. Isto tem a vantagem de dar a todos os funcionários a oportunidade de comentar (o que é chave em avaliações da cultura organizacional), e evita os problemas associados a se obter taxas de respostas suficientes para garantir que as amostras sejam representativas e tenham o poder de gerar conclusões. Com base no número de funcionários de cada instituição, uma taxa de resposta mínima para os instrumentos é calculada pelo software da Accreditation Canada que utiliza regras estatísticas.
  • 99. QMENTUM PESQUISACULTURADESEG.DOPACIENTE 99 © Accreditation Canada International A pesquisa pode ser respondida por todos os tipos de funcionários do hospital – da equipe de limpeza e segurança aos enfermeiros e médicos. Entretanto, a pesquisa é mais direcionada às seguintes categorias: • Funcionários do hospital que têm contato ou interação direta com os pacientes (corpo clínico , time de enfermagem, ou pessoal não clínico como os atendentes das unidades) • Funcionários do hospital que podem não ter contato ou interação direta com os pacientes, mas cujo trabalho afeta diretamente a assistência ao paciente (funcionários de unidades tais como a farmácia hospitalar, laboratório/patologia) • Médicos contratados pelo hospital que passam a maior parte de sua jornada de trabalho na instituição (médicos do pronto atendimento, médicos hospitalistas, patologistas) • Supervisores, gerentes e administradores do hospital.
  • 100. QMENTUM GruposFocados Grupos focados são fóruns de um pequeno grupo de indivíduos que se reúnem para conversar sobre algum tópico de interesse. Em geral, os encontros contam com 5 a 10 pessoas, têm duração aproximada de duas horas e são conduzidos por um moderador. 10 0 © Accreditation Canada International
  • 101. QMENTUM GruposFocadosxEntrevistasIndividuais 10 © Accreditation Canada International Grupos focados Entrevistas individuais Temas delicados Possibilidade maior de constrangimento  várias pessoas Possibilidade menor de constrangimento  uma pessoa Fadiga do entrevistador Menor Maior Condução das entrevistas Maior dificuldade  conversas simultâneas e/ou paralelas Menor dificuldade Quantidade de informações Maior quantidade de informações geradas pelo grupo se o tempo é restrito Maior quantidade de informações geradas pelas pessoas se for possível entrevistar a todos Agenda Pode haver dificuldade de conciliar horários Maior flexibilidade para agendar horários Infra-estrutura Necessidade de diversos itens de infra-estrutura Mínima
  • 102. QMENTUM Auto–AvaliaçãoeMaturidade Link e Senha Dura 30 minutos 10 © Accreditation Canada International Anônimo