SlideShare uma empresa Scribd logo
IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL
Pr. Robson Rosa Santana
(Adaptação e compilação)
www.emissional.blogspot.com.br
rrsantana@hotmail.com
www.ipb.org.br
2
ÍNDICE
INTRODUÇÃO 3
1. O CANON DAS ESCRITURAS 3
1.1. O CÂNON PROTESTANTE DO ANTIGO TESTAMENTO 3
Origem 3
Os Massoretas 4
O Cânon Massorético 4
O Cânon Consonantal 4
Testemunhas Antigas do Cânon Protestante Hebraico 5
O Testemunho de Jesus e dos Apóstolos 6
1.2 O CÂNON CATÓLICO DO ANTIGO TESTAMENTO 6
Origem 6
A Septuaginta 6
A Vulgata 8
Conclusão 9
2. CONTEÚDO RESUMIDO DOS LIVROS APÓCRIFOS 9
3. ANÁLISE CRÍTICO-DOUTRINÁRIA DOS LIVROS APÓCRIFOS
10
3.1. SALVAÇÃO PELAS OBRAS 10
3.2. ELOGIO AO SUICÍDIO 11
3.3. FEITIÇARIA 12
3.4. INTERCESSÃO PELOS MORTOS 12
3.5. AUSÊNCIA DE INSPIRAÇÃO DIVINA 12
3.6. O PECADO 13
CONCLUSÃO 14
3
A QUESTÃO DOS LIVROS APÓCRIFOS
INTRODUÇÃO
Freqüentemente a Igreja Protestante é acusada pelos católicos romanos de
haver retirado da Bíblia Sagrada alguns livros e partes de outros. E muitas
vezes os cristãos evangélicos ficam sem saber o que responder por falta de
instrução acerca do assunto. Será que esses livros foram retirados da Bíblia
pelos protestantes ou foram acrescentados como livros inspirados, mesmo que
de reconhecimento tardio (deuterocanônicos) pelos católicos romanos, após a
Reforma Protestante? Na verdade os livros apócrifos foram disputados durante
séculos acerca de sua inspiração divina. À época da Reforma Protestante ainda
permanecia a discussão: fazem parte ou não da coleção dos livros inspirados
pelo Espírito Santo, também chamada de Sagradas Escrituras? Os protestantes
reconheceram pelo seu conteúdo e pela própria formação do Cânon Hebraico
que esses livros não eram de inspiração divina. Por algum tempo eles foram
colocados ao final das Bíblias de edição protestante como um apêndice, tendo
apenas valor histórico. Por fim, foram totalmente retirados para que não
houvesse nenhuma confusão a respeito dos livros verdadeiramente inspirados.
O texto que se segue é uma compilação de materiais. A primeira parte é
extraída do livro Sola Scriptura: a Doutrina Reformada das Escrituras, de autoria
de Paulo Anglada, Editora Os Puritanos. No capítulo 3 desse livro, o autor trata
do Cânon das Escrituras, e como a discussão dos livros não inspirados é uma
questão no Antigo Testamento, pois os livros apócrifos estão nessa parte da
Bíblia Católica, transcrevi as duas divisões que nos interessam no momento: O
Cânon Protestante do Antigo Testamento e O Cânon Católico do Antigo Testamento.
A segunda parte é um resumo dos livros apócrifos, extraído do artigo de G. R.
Beasley-Murray, Os Livros Apócrifos e Apocalípticos, do Novo Comentário da Bíblia.
A última parte, por sua vez, é uma avaliação crítica da incompatibilidade das
doutrinas ensinadas nesses livros em relação aos livros inspirados, ou seja, os
39 livros do Antigo Testamento e 27 do Novo Testamento.
1. O CANON DAS ESCRITURAS
1.1. O CÂNON1
PROTESTANTE DO ANTIGO TESTAMENTO
Origem
O cânon protestante do Antigo Testamento é exatamente igual ao cânon
hebraico massorético. O cânon massorético é a Bíblia hebraica em sua forma
1 A palavra cânon é mera transliteração do termo grego kanwn, que significa vara reta, régua,
regra. Aplicado às Escrituras, o termo designa os livros que se conformam à regra da
inspiração e autoridade divinas. Atanásio (séc. IV) parece ter sido o primeiro a usar a palavra
neste sentido. São chamados canônicos, portanto, os livros que foram inspirados por Deus, os
quais compõem as Escrituras Sagradas – o cânon bíblico (Anglada. Sola Scriptura, p. 33-34).
4
definitiva, vocalizada e acentuada pelos massoretas. A ordem dos livros,
entretanto, segue a da Vulgata e da Septuaginta.
Os Massoretas
Os massoretas eram judeus estudiosos que se dedicavam à tarefa de
guardar a tradição oral (massora) da vocalização e acentuação correta do texto.
À medida que um sistema de vocalização foi sendo desenvolvido, entre 500 e
950 d.C., o texto consonantal2 que receberam dos soferim3 foi sendo por eles
cuidadosamente vocalizado e acentuado. Além dos pontos vocálicos e dos
acentos, os massoretas acrescentavam também ao texto massoras marginais,
maiores e finais, calculadas pelos soferim. Essas massoras (tradições) eram
estatísticas colocadas ao lado das linhas, ao fim das páginas e ao final dos
livros, indicando quantas vezes uma determinada palavra aparecia no livro, o
numero de versículos, palavras e letras. Elas indicavam até a palavra e letra
central do livro.
O Cânon Massorético
Embora o conteúdo do cânon protestante seja o mesmo do cânon hebraico,
a divisão e a ordem dos livros são diferentes. Eis a divisão e a ordem do cânon
hebraico:
O Pentateuco (Torá): Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio.
Os Profetas (Neviim):
Anteriores: Josué, Juízes, 1-2 Samuel, 1-2 Reis.
Posteriores: Isaías, Jeremias, Ezequiel e Profetas Menores.
Os Escritos (Kêtuvim):
Poesia e Sabedoria: Salmos, Provérbios e Jó.
Rolos ou Megilloth (lidos nos anos litúrgicos): Cantares (na páscoa),
Rute (no pentecostes), Lamentações (no quinto mês), Eclesiastes (na
festa dos tabernáculos) e Éster (na festa de purim).
Históricos: Daniel, Esdras, Neemias e 1 e 2 Crônicas.
O Cânon Consonantal
A divisão e ordem dos livros no cânon hebraico consonantal (anterior)
eram as mesmas. O número de livros, entretanto, era diferente. O conteúdo era
o mesmo, mas agrupado de modo a formar apenas 24 livros. Os livros de 1 e 2
2 O nome é texto consonantal porque no alfabeto hebraico não havia vogais, logo, os
massoretas adicionaram às palavras que só tinham consoantes os sinais vocálicos para
facilitar a pronuncia.
3 Ordem dos escribas que originou-se com Esdras, e que se estendeu até 200 d.C., cuja função
era preservar puro o texto bíblico.
5
Samuel, 1 e 2 Reis e 1 e 2 Crônicas eram unidos, formando apenas um livro
cada (o que implica em 3 livros a menos em relação ao nosso cânon). Os doze
profetas menores eram agrupados em um só livro (menos 11 livros). Esdras e
Neemias formavam um só livro, o Livro de Esdras (menos 1 livro).4
Testemunhas Antigas do Cânon Protestante Hebraico
A referência mais antiga ao cânon hebraico é do historiador judeu Josefo
(37-95 d.C.). Em Contra Apionem ele escreve: “Não temos dezenas de milhares
de livros, em desarmonia e conflitos, mas só vinte e dois, contendo o registro de
toda a história, os quais, conforme se crê, com justiça, são divinos”.5 Depois de
referir-se aos cinco livros de Moisés, aos treze livros dos profetas, e aos demais
escritos (os quais “incluem hinos a Deus e conselhos pelos quais os homens
podem pautar suas vidas”), ele continua afirmando:
Desde Artaxexes (sucessor de Xerxes) até nossos dias, tudo tem sido
registrado, mas não tem sido considerado digno de tanto crédito quanto
aquilo que precedeu a esta época, visto que a sucessão dos profetas cessou.
Mas a fé que depositamos em nossos próprios escritos é percebida através
de nossa conduta; pois, apesar de ter-se passado tanto tempo, ninguém
jamais ousou acrescentar coisa alguma a eles, nem tirar deles coisa alguma,
nem alterar neles qualquer coisa que seja.6
Josefo é suficientemente claro. Como historiador judeu, ele é fonte
fidedigna. Era apenas vinte e dois os livros do cânon hebraico agrupados nas
três divisões do cânon massorético. E desde a época de Malaquias (Artaxerxes,
464-424 a.C.) até a sua época nada se lhe havia sido acrescentado. Outros livros
foram escritos, mas não eram considerados canônicos, com a autoridade divina
dos vinte e dois livros mencionados.
Além de Josefo, Mileto, Bispo de Sardes, diz ter viajado para o Oriente, em
170, com o propósito de investigar a ordem e o número dos livros do Antigo
Testamento; Orígenes, o erudito do Egito, que morreu em 254; Tertuliano (160-
250), pai latino contemporâneo de Orígenes; e Jerônimo (340-420), entre outros,
confirmam o cânon hebraico de vinte e dois e vinte e quatro livros
(dependendo do agrupamento ou não de Rute e Lamentações).
É interessante observar que o próprio Jerônimo, tradutor da Vulgata latina,
que daria origem ao cânon católico, embora considerasse os livros apócrifos
4 24 livros da Bíblia hebraica, mais 15 que foram agrupados, chega aos 39 livros do cânon
protestante.
5 Ele menciona 22, ao invés de 24, porque com certeza, originalmente, Rute era agrupado com
Juízes e Lamentações com Jeremias.
6 Capítulo primeiro.
6
úteis para a edificação, não os tinha como canônicos. Embora tendo traduzido
outros livros não canônicos, ele escreveu que “deveriam ser colocados entre os
apócrifos”, afirmando que “não fazem parte do cânon”. Referindo-se ao livro
de Sabedoria de Salomão e ao livro de Eclesiástico, ele diz: “Da mesma maneira
pela qual a igreja lê Judite e Tobias e Macabeus (no culto público), mas não os
recebe entre as Escrituras canônicas, assim também sejam estes dois livros úteis
para a edificação do povo, mas não para receber as doutrinas da igreja”.7
Vale salientar ainda que a versão siríaca Peshita, que bem pode ter sido feita
no século II ou III, ou até mesmo no século I, nos manuscritos mais antigos, não
contém nenhum dos apócrifos.
O Testemunho de Jesus e dos Apóstolos
Embora as evidencias já mencionadas sejam importantes, a principal
testemunha do cânon protestante do Antigo Testamento é o Novo Testamento.
Jesus e os apóstolos não questionaram o cânon hebraico da época (época de
Josefo, convém lembrar). Eles citaram-no cerca de 600 vezes, de modo
autoritaritativos, incluindo praticamente todos os livros do cânon hebraico.
Entretanto, não citam nenhuma vez os livros apócrifos.8 Pode-se concluir,
portanto, que Jesus e os apóstolos deram o imprimatur deles ao cânon hebraico
e, conseqüentemente, ao cânon protestante.
1.2 O CÂNON CATÓLICO DO ANTIGO TESTAMENTO
Origem
O cânon católico, composto pelos trinta e nove livros encontrados no cânon
protestante, acrescido das adições a Daniel e Éster, e dos livros de Baruque, Carta de
Jeremias, 1-2 Macabeus, Judite, Tobias, Eclesiástico e Sabedoria – 3 e 4 Esdras e a
Oração de Manasses9 são acrescentados depois do NT [Novo Testamento] –
origina-se da Vulgata latina, que por sua vez provém da Septuaginta.
A Septuaginta
A Septuaginta [LXX] é uma tradução dos livros judaicos para o grego feita,
possivelmente, durante o reinado de Ptolomeu Filadelfo (285-245 a.C.) ou até
meados do século I a.C., para a biblioteca de Alexandria, no Egito. Os
tradutores não se limitaram a traduzir os livros considerados canônicos pelos
judeus. Eles traduziram os demais livros judaicos disponíveis. E, a julgar pelos
7 Gleason L. Archer Jr, Merece Confiança o Antigo Testamento?, 76.
8 Com exceção de Enoque 1:9, aludido em Judas 14-16; contudo, não citado autoritativamente,
e sim como qualquer outro autor; assim como Paulo cita Arato em Atos 17.28 e Menander em
1 Coríntios 15.33.
9 Todos os itálicos são ênfase minha.
7
manuscritos existentes, deram um arranjo tópico à biblioteca judaica, na
seguinte ordem:
Livros da Lei: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.
Livros de História: Josué, Juízes, Rute, 1-2 Samuel, 1-2 Reis (chamados 1-2-
3-4 Reinados), 1-2 Crônicas, 1-2 Esdras (o primeiro apócrifo), Neemias, Tobias,
Judite e Éster.
Livros de Poesia e Sabedoria: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes,
Cantares, Sabedoria de Salomão, Sabedoria de Siraque (ou Eclesiástico).
Livros Proféticos: Profetas Menores [12 livros: de Oséias a Malaquias],
Profetas Maiores: Isaías, Jeremias, Baruque, Lamentações, Epístola de
Jeremias, Ezequiel, e Daniel (incluindo as histórias de Susana, Bel e o Dragão e o
cântico dos Três Varões).
Alguns desses livros foram escritos posteriormente, em grego,
possivelmente por judeus alexandrinos, e foram incluídos na biblioteca judaica
de Alexandria, tais como Primeiro e Segundo Esdras, adições a Éster,
Sabedoria, a Epístola de Jeremias. Nem sempre todos estes livros estão
presentes nos manuscritos antigos da Septuaginta. O Códice Vaticano (B)
omite Primeiro e Segundo Macabeus (canônicos para a Igreja Católica) e inclui
Primeiro Esdras (não canônicos para a Igreja Católica). O Códice Sinaítico (a)
omite Baruque (canônico para Roma), mas inclui o quarto livro dos Macabeus
(não canônico para Roma). O Códice Alexandrino (A) inclui o Primeiro Livro
de Esdras e o Terceiro e Quarto Livros dos Macabeus (apócrifos para Roma).
O que se pode concluir daí é que, quando a Septuaginta era copiada, alguns
livros não canônicos para os judeus eram também copiados. Isso poderia ter
ocorrido por ignorância quanto aos livros verdadeiramente canônicos. Pessoas
não afeiçoadas ao judaísmo ou mesmo desinteressadas em distinguir livros
canônicos dos não canônicos tinham por igual valor todos os livros, fossem eles
originalmente recebidos sagrados pelos judeus ou não. Mesmo aqueles que não
tinham os demais livros judaicos como canônicos certamente também
copiavam estes livros, não por considerá-los sagrados, mas apenas para serem
lidos. Por que não copiar livros tão antigos e interessantes?
Mesmo pessoas bem intencionadas podem ter sido levadas a rejeitar alguns
livros canônicos, ou aceitar como canônicos alguns que não fossem, por
ignorância ou má interpretação da historia do cânon. Convém lembrar que,
embora o testemunho do Espírito Santo seja a principal regra de canonicidade
por parte da igreja como um todo, mesmo assim, o crente ainda tem uma
natureza pecaminosa que não o livra totalmente de incidir em erro, inclusive
quanto ao assunto da canonicidade. Isto acontece especialmente em épocas de
8
transição, como foi o caso de Agostinho10 que defendeu os livros apócrifos,
embora de modo dúbio, e depois o de Lutero, o qual colocou em dúvida a
canonicidade da carta de Tiago.
A Vulgata
Ao traduzir a Vulgata11, Jerônimo também inclui alguns livros apócrifos.
Não o fez, contudo, por considerá-los canônicos, mas apenas por considerá-los
úteis, como fontes de informação sobre a história do povo judeu.
Na Idade Média a versão francamente usada pela igreja foi a Vulgata latina.
A partir dela e da Septuaginta também forma feitas outras traduções. Ora,
multiplicando-se o erro, e afastando-se cada vez mais a igreja da verdade (como
aconteceu crescentemente nesse período), tornou-se mais e mais difícil
distinguir entre os livros que deveriam ser considerados canônicos ou não.
Esses livros nunca foram completamente aceitos, mesmo nessa época. Mas, por
estarem incluídos nessas versões, a igreja em época de trevas, geralmente
falando, não teve discernimento espiritual para distinguir entre livros apócrifos
e canônicos.
Por fim, no Concílio de Trento, em 1546, também em reação contra os
protestantes, que reconheceram apenas o cânon hebraico, a igreja de Roma
declarou os livros apócrifos relacionados acima, bem como autoritativas as
tradições orais: “O Sínodo... recebe e venera todos os livros, tanto do Antigo
como do Novo Testamento... assim como as tradições orais”. A seguir são
relacionados todos os livros considerados canônicos, incluindo os apócrifos.
Concluindo o decreto adverte:
Se qualquer pessoa não aceitar como sagrado e canônico os livros
mencionados em todas as suas partes, de modo como eles têm sido lidos
nas igrejas católicas, e como se encontram na antiga Vulgata latina, e
deliberadamente rejeitar as tradições antes mencionadas, seja anátema. 12
A igreja grega seguiu mais ou menos os passos da igreja ocidental. Houve
sempre dúvida na aceitação dos apócrifos, mas, no Concílio de Trulano, em
692, foram todos aceitos (quatorze). Ainda assim, como sempre houve reservas
quanto à plena aceitação de muito deles, a igreja grega, em 1672, acabou
10 Bispo de Hipona (354-430), norte da África, chamado pelos católicos de Santo Agostinho.
11 Vulgata (em latim vulgar editio, "edição popular"), edição da Bíblia latina qualificada de
autêntica pelo Concílio de Trento. A atual composição da Vulgata é, em essência, obra de
Jerônimo (345-419), doutor da Igreja Católica.
12 R. L. Harris, Inspiration and Canonicity of the Bible [Inspiraçao e Canonicidade da Bíblia], 192.
9
reduzindo para quatro o número dos apócrifos aceitos: Sabedoria, Eclesiástico,
Tobias e Judite.13
Conclusão
Por ironia da História, a Vulgata de Jerônimo, o qual não considerava
canônicos os livros apócrifos,14 veio a ser a principal responsável pela inclusão
destes livros no cânon católico.
A obra dos reformadores foi maior do que se pode pensar à primeira vista.
Eles não apenas redescobriram as doutrinas básicas do evangelho, como a
doutrina da salvação pela graça mediante a fé. Eles redescobriram também o
cânon. Graças a eles e ao testemunho do Espírito Santo, a igreja protestante
reconhece como canônicos, com relação ao Antigo Testamento (é claro), os
mesmos livros que Jesus e os apóstolos, e os judeus de um modo geral sempre
reconheceram.
Alguns dos apócrifos são realmente úteis como fontes de informações a
respeito de uma época importante na história do povo de Deus: o período inter-
testamentário. Os protestantes reconhecem o valor histórico deles. Seguindo a
prática dos primeiros cristãos, as edições modernas protestantes da Septuaginta
normalmente incluem os apócrifos, e até algumas Bíblias protestantes antigas
os incluíam, no final, apenas como livros históricos.
Mas as igrejas reformadas15 excluíram totalmente os apócrifos das suas
edições da Bíblia, e, “induziram a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, sob
pressão do puritanismo escocês, a declarar que não editaria Bíblias que
tivessem os apócrifos, e de não colaborar com outras sociedades que incluíssem
esses livros em suas edições”.16 Melhor assim, tendo em vista o que aconteceu
com a Vulgata! Melhor editá-los separadamente.
2. CONTEÚDO RESUMIDO DOS LIVROS APÓCRIFOS17
O livro 1 [3] de Esdras é uma narração fragmentária dos acontecimentos
lembrados no livro canônico de Esdras, juntamente com a história dos três
cortesãos, um dos quais se chama Zorobabel e que teve papel preponderante na
festa de Dario.
13 Gleason L. Archer Jr, Merece Confiança o Antigo Testamento?, 80.
14 Jerônimo foi o primeiro a usar o termo apócrifo.
15 Igrejas calvinistas, como a Igreja Presbiteriana do Brasil.
16 A. Buntzer, Introdução ao Antigo Testamento, 49.
17 Este conteúdo resumido foi extraído do artigo de G. R. Beasley-Murray, Os Livros
Apócrifos e Apocalípticos. In: Novo Comentário da Bíblia, 2 ed., São Paulo: Vida Nova: 1980
[CD-Rom].
10
O livro 2 [4] de Esdras não passa dum apocalipse do primeiro século da era
cristã, de certo modo o mais trágico de todos os apocalipses.
Tobias é uma história romântica que nos fala da sepultura dos mortos e do
casamento de Tobias. Foi escrito provavelmente nos fins do século III a. C.
Judite é outra obra de ficção a propósito da libertação duma cidade do
exército assírio. Não vai além da época dos macabeus (cerca de 150 a.C.).
O descanso de Ester é um apêndice ao livro canônico, e inclui orações e
decretos, que vêm tornar mais explícito o caráter religioso do livro.
A sabedoria de Salomão é considerado um dos livros mais representativos
e mais sublimes da sabedoria hebraica, do período que decorre entre os dois
Testamentos, pois supõe-se escrito entre 150 a.C. e o ano 40 da nossa era.
O Eclesiástico, também chamado "Sabedoria de Jesus, filho de Siraque", é
uma obra do gênero da anterior, embora se julgue ser da autoria dum saduceu
e publicada cerca do ano 180 a.C.
Baruque forma um livro só com A Epístola de Jeremias, datando o
primeiro do século III a.C. e o segundo do século II a.C. Ambos se destinam a
combater a heresia.
Apêndices ao livro de Daniel conhecem-se três: A história de Susana
condenada à morte e defendida pelo jovem Daniel; A oração de Azarias e o
Cântico dos três santos mancebos lançados à fornalha ardente; e por fim Bel e o
Dragão, duas narrativas separadas contando como Daniel desacreditou os
sacerdotes de Bel e desmascarou o deus-dragão.
A oração de Manassés é um grito de arrependimento proferido pelo rei
que tem este nome e baseado em #2Cr 23.12 e segs., escrito provavelmente no
século II a.C.
O livro 1 Macabeus narra a luta dos judeus, chefiados pelos filhos de
Matatias, contra Antíoco Epífanes e seus sucessores. Há quem suponha que o
autor é contemporâneo dos acontecimentos que relata.
O 2 Macabeus continua o anterior e expõe, num estilo primoroso, as
façanhas de Judas Macabeu.
3. ANÁLISE CRÍTICO-DOUTRINÁRIA DOS LIVROS APÓCRIFOS18
3.1. SALVAÇÃO PELAS OBRAS
Em Tobias 4.7 –11 é dito: “Toma de teus bens para dar esmola. Nunca
afastes de algum pobre a tua face, e Deus não afastará de ti a sua face… pois a
esmola livra da morte e impede que se caia nas trevas. Dom valioso é a esmola,
para quantos a praticam na presença do altíssimo”. 12.8 e 9 “Boa coisa é a
18 A partir daqui até o tópico 3.5 é parte de um trabalho apresentado pelos então seminaristas
Luiz Ancelmo Cardoso e Nelson dos Santos Magalhães, no Seminário Presbiteriano Brasil
Central (GO).
11
oração com o jejum, e melhor é a esmola com a justiça do que a riqueza com a
iniquidade… a esmola livra da morte e purifica de todo o pecado. Os que dão
esmola terão longa vida…”
Essas duas passagens comprometem muito esse livro, pois não se trata
apenas de uma referência do pensamento do velho Tobias, o que nele está é
uma expressão de forma normativa, de uma doutrina contrária às Escrituras
Sagradas, apresentada como ensinada pôr um anjo. (ver Gal. 1.8).
As Escrituras afirmam mediante as palavras de Jesus que por meio do
próprio homem a salvação é impossível (Mateus 19.25, 26); que o amor de Deus
demonstrado em seu filho Jesus Cristo é a solução divina para quem nele crê
(João 3.16); e em outras passagens como I Timóteo 2.5; Atos 4.12; João 14.6;
Efésios 2.8, 9,;Atos 11.13, 14; 10.1-5.
3.2. ELOGIO AO SUICÍDIO
Em II Macabeus 14.41-46 vemos o relato da história de um homem
chamado Razias, um ancião de Jerusalém, acusado diante de Nicanor e seu
exército em um momento de grande aperto: “As tropas estavam para se
apoderar da torre e forçavam a porta do pátio, e já se dera a ordem para trazer
fogo para se incendiarem as portas quando Razias, cercado de todos os lados,
atirou-se sobre a própria espada… contudo, não tendo acertado com o golpe,
por causa da pressa do combate…correu ele animosamente para a muralha e,
com intrepidez viril, precipitou-se em cima da muralha… ainda respirando e
ardendo em indignação, ele ergueu-se… arrancou as entranhas e, tomando-as
com as duas mãos, arremessou-as contra a multidão. Invocando, ao mesmo
tempo, aquele que é o senhor da vida e do espírito, para que lhos restituísse um
dia, desse modo passou para outra vida”.
Pelo teor da narrativa se vê a expressão fictícia, o afã de exaltar um
personagem heróico. O autor da mesma e em todo o seu livro, quis contar a
história da bravura com que seus compatriotas lutaram e até morreram, e para
salvaguardar a responsabilidade de seu biografado Razias, chega a declarar que
sua atitude suicida é uma maneira de morrer nobremente. Essa afirmação choca
brutalmente com toda a Escritura. Passagem como Êxodo 20.13 que afirma
mediante lei divina o “não matarás” e outras como I Crônicas 10.1-14; Atos
1.15-20.
Além do mais, o tal Razias é apresentado como alguém que teve resistência
um tanto quanto sobre-humana, pois se ferir, cair de certa altura, depois correr
no meio do povo e ainda tirar com as próprias mãos as suas entranhas e as
atirar ao povo, exige forças além das que são conhecidas e experimentadas pelo
homem.
12
3.3. FEITIÇARIA
Em Tobias 6.4,5, 7,8 vemos o conselho do anjo ao jovem Tobias quando na
beira do rio Tigre quase foi atacado por um grande peixe: “ … e o anjo lhe
disse: agarra o peixe e segura-o firme! Tobias dominou o peixe e o arrastou
para a terra. E o anjo acrescentou : abre o peixe, tira o fel, o coração e o fígado e
guarda-os; joga fora os intestinos, pois o fel, o coração e o fígado são remédios
úteis… então Tobias perguntou ao anjo: Azarias, meu irmão, que remédio há
no coração, no fígado e no fel do peixe? Respondeu ele: Se se queima o coração
ou o fígado do peixe diante de um homem ou de uma mulher atormentados
por um demônio ou por um espírito mau a fumaça afugenta todo mau e o faz
desaparecer para sempre”.
Este romance está de todo envolto em mistérios e exageros, onde o peixe é
arrastado para fora d’água de modo aparentemente heróico e quanto ao uso de
suas partes para fins de combate a espíritos, tem conotação de certas práticas de
feitiçaria ou baixo espiritismo. Nas Escrituras não se vê tais ensinos ou
superstições, antes ela declara que entre o povo de Deus não deve haver
feitiçaria, pois a mesma é abominação (Deuteronômio 18.10), sendo que os que
a praticam como não tendo parte no reino dos céus (Ap. 21.8). Tal livro de
Tobias é fruto de uma mentalidade babilônica e pagã que possuíam essas
práticas para com os supostos espíritos.(ver Marcos 9.29).
3.4. INTERCESSÃO PELOS MORTOS
Em II Macabeus 12.39-46 vemos o comportamento de Judas Macabeus por
ocasião da perda de alguns soldados e a consideração do próprio autor do
livro: “No dia seguinte… partiram os homens de Judas para recolherem os
corpos dos que haviam tombado, a fim de inumá-los junto com os seus
parentes nos túmulos de seus pais. Então encontraram, debaixo das túnicas de
um dos mortos, objetos consagrados aos ídolos de Jâmnia, cujo o uso a lei
vedava aos judeus. Tornou-se assim evidente, para todos, que foi por esse
motivo que eles sucumbiram. Todos, pois, tendo o bendito modo de proceder
do senhor… puseram-se em oração para pedir que o pecado cometido fosse
completamente cancelado…”
Tal afirmação entra em profunda contradição com o ensino das Escrituras
sagradas com respeito aos que morrem. Passagens como Mateus 25. 31-46;
Hebreus 9. 27; Lucas 16.19-31; I Timóteo 2.5-6; Atos 4.12; I João 2.2; João 14.6; I
Pedro 1.18-19.
3.5. AUSÊNCIA DE INSPIRAÇÃO DIVINA
Estas são as próprias palavras do autor de II Macabeus ao concluir a sua
obra: “… se o fiz bem, de maneira conveniente a uma composição escrita, era
justamente isso que eu queria; se vulgarmente e de modo medíocre, é isso o que
13
me foi possível. De fato, como é nocivo beber somente vinho, ou somente água,
ao passo que o vinho misturado à água é agradável e causa um prazer
delicioso, assim (trabalho) da preparação do relato encanta os ouvidos daqueles
que entram em contato com a composição. Aqui, porém, será o fim”.
Assim declara o autor, reconhecendo a possibilidade de falhas e
contradição com os próprios fatos que pôr ele próprio são narrados. E se
desculpa caso tenha cometido algum engano. Isso nunca pode ser narrativa
bíblica, pois Jesus disse que as Escrituras nunca podem falhar Jo. 10.35. Ver
também II Pe.1.19-21; II Tm 3.16; Lc. 1.3; I Co. 14.34; II Co. 13.3; Jo. 42.2.
Como vimos, todos estes livros entram em contradição com toda a
Escritura, inseri-los no cânon sagrado seria pôr em descrédito toda a Escritura.
Portanto, é inadmissível aceitarmos tais erros teológicos e doutrinários no
Cânon Sagrado.
3.6. O PECADO
“Foi muito discutida a origem do pecado, tendo sido apresentadas várias
soluções, em especial no que se refere ao grande desastre do Éden. Em alguns
casos a culpa é atribuída a Eva (Eclesiástico 25.24), em outros a Adão (2Ed
7.118), ainda noutros ao Demônio (Sabedoria 2.24), e finalmente aos Anjos
Maus (1 Enoque 10.7-8). Por outro lado, o autor de 2 Baruque não concorda
com a atribuição da culpa aos nossos antepassados: "Embora Adão fosse o
primeiro a pecar, por ele a morte se transmitisse a todos os seus descendentes,
cada um de nós preparou no seu íntimo tal acontecimento... Adão é, pois,
apenas o responsável pelo seu pecado, enquanto cada um de nós responde pelo
seu, por sermos cada um o seu Adão em espírito" (2 Baruque 54.15 e 19).
“Quanto à expiação por esse pecado, recorre-se aos sacrifícios, tal como no
Velho Testamento. Mas não se dispensam as obras: "Aquele que honra o pai
fará sacrifícios pelos pecados" (Eclesiástico 3.3); "A esmola livra da morte e
purifica do pecado" (Tobias 12.9). É contra estas teorias que Paulo se insurge
veementemente.
“Recorre-se, ainda, aos méritos dos santos (2Ed 8.28-29), e o martírio dos
confessores fiéis pode vir a expiar os pecados (4Mc 6.28-29)”.19
Os textos que se seguem nos mostram claramente que todos os seres
humanos sofrem as conseqüências do pecado de Adão (Rm 5.14; 1Co 15.22).
Como diz Davi, "eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe"
(Sl 51.4). Apesar de todas as coisas acontecerem de acordo com o decreto eterno
de Deus, quem pecou foi Adão. Como diz o teólogo reformado Louis Berkhof,
“esse pecado trouxe consigo corrupção permanente, corrupção que, dada a
19 G. R. Beasley-Murray. Os Livros Apócrifos e Apocalípticos. In: Novo Comentário da Bíblia, 2
ed., São Paulo: Vida Nova: 1980 [CD-Rom].
14
solidariedade da raça humana, teria efeito, não somente sobre Adão , mas
também sobre todos os seus descendentes”. Mais à frente ele continua: “Adão
pecou não somente como o pai da raça humana, mas também como chefe
representativo de todos os seus descendentes; e, portanto, a culpa do seu
pecado é posta na conta deles, pelo que todos são passíveis de punição e
morte”20 (leia Rm 5.12, 18-19). Desse modo, em Adão todos nós nascemos
corrompidos pelo pecado e culpados diante de Deus, merecedores de punição e
morte.
E quanto à expiação dos pecados, o que as Escrituras inspiradas nos
ensinam? Nem as obras, nem os méritos dos santos, nem os mártires
confessores podem nos purificar da malignidade de nosso pecado, mas a graça
de Deus por intermédio da fé no sacrifício único de Jesus Cristo (Rm 3.19-26;
6.23; Ef 2.8-9).
Sabemos que existem os ensinos fundamentados nos livros Apócrifos
(como a doutrina do purgatório), mas esses ensinos distorcidos e incompatíveis
com o que dizem os livros realmente inspirados, são suficientes para reprová-
los nos testes de autoridade e inspiração. Por isso é preciso que se diga que
esses livros e acréscimos não devem fazer parte do cânon sagrado.
CONCLUSÃO
“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertarás”, disse Jesus (João 8.32).
Os testemunhos históricos nos dão provas claras de que foi um equívoco muito
grande esses textos apócrifos serem inseridos no conjunto dos livros sagrados.
Como diz o dito popular, o pior cego é o que não quer ver. Jerônimo, tradutor da
versão autorizada pela Igreja Católica Romana, a Vulgata, ele próprio
desconsiderou os livros apócrifos, como já foi dito.
Além do testemunho histórico desde o início em que foram incluídos esses
livros, quando da tradução dos livros dos judeus para o grego, a fim de que
fizesse parte da Biblioteca de Alexandria, passando pelo historiador Flávio
Josefo, que afirmou que os judeus não tinham esses livros no cânon hebraico,
bem como pelos pais da Igreja, todos são categóricos em afirmar quais os livros
verdadeiramente são inspirados, e os que citamos como apócrifos, ou seja, os
que estão na tradução das Bíblias católicas, não são canônicos; logo, não devem
fazer parte do texto sagrado, a Palavra de Deus. O livro de Apocalipse finaliza
com uma advertência muito grave e séria: “Eu, a todo aquele que ouve as
palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer
acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro” (Ap 22.18).
Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!
20 Louis Berkhof. Teologia Sistemática. Campinas: Luz Para o Caminho, 1990. p. 222.
15
BIBLIOGRAFIA
ANGLADA, Paulo. Sola Scriptura: a Doutrina Reformada das Escrituras. 1 ed., São
Paulo: Editora Os Puritanos, 1998.
BEASLEY-MURRAY, G. R. Os Livros Apócrifos e Apocalípticos. In: Novo
Comentário da Bíblia, 2 ed., São Paulo: Vida Nova: 1980 [CD-Rom].
CARDOSO, Luiz Ancelmo, MAGALHÃES, Nelson dos Santos. Os Livros
Apócrifos. Goiânia: SPBC, 2000 (trabalho não publicado).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
RODRIGO FERREIRA
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
DimensaoCatolica
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
Moisés Sampaio
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
Jocarli Junior
 
Estudo sobre o evangelho de Marcos
Estudo sobre o evangelho de MarcosEstudo sobre o evangelho de Marcos
Estudo sobre o evangelho de Marcos
RODRIGO FERREIRA
 
Lição 01 - O Evangelho de Matheus
Lição 01 - O Evangelho de MatheusLição 01 - O Evangelho de Matheus
Lição 01 - O Evangelho de Matheus
Emmanuel Anacleto
 
4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento
4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento
4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento
Jefferson Evangelista
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Carta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossensesCarta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossenses
UEPB
 
Introdução ao estudo da teologia
Introdução ao estudo da teologiaIntrodução ao estudo da teologia
Introdução ao estudo da teologia
Francelia Carvalho Oliveira
 
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igreja
ugleybson
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
Jefferson Evangelista
 
I Corintios Inicio
 I Corintios Inicio I Corintios Inicio
I Corintios Inicio
UEPB
 
Hermenêutica
HermenêuticaHermenêutica
Hermenêutica
Silvio Fagundes
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
Pastor W. Costa
 
Métodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíbliaMétodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíblia
Antonio Filho
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)
Daniel Junior
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
Antonio Marcos
 
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Éder Tomé
 

Mais procurados (20)

Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
 
Estudo sobre o evangelho de Marcos
Estudo sobre o evangelho de MarcosEstudo sobre o evangelho de Marcos
Estudo sobre o evangelho de Marcos
 
Lição 01 - O Evangelho de Matheus
Lição 01 - O Evangelho de MatheusLição 01 - O Evangelho de Matheus
Lição 01 - O Evangelho de Matheus
 
4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento
4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento
4º Aula - Livros Históricos do Antigo Testamento
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Carta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossensesCarta de paulo aos colossenses
Carta de paulo aos colossenses
 
Introdução ao estudo da teologia
Introdução ao estudo da teologiaIntrodução ao estudo da teologia
Introdução ao estudo da teologia
 
Doutrina da igreja
Doutrina da igrejaDoutrina da igreja
Doutrina da igreja
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
 
I Corintios Inicio
 I Corintios Inicio I Corintios Inicio
I Corintios Inicio
 
Hermenêutica
HermenêuticaHermenêutica
Hermenêutica
 
PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01PENTATEUCO - Aula 01
PENTATEUCO - Aula 01
 
Métodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíbliaMétodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíblia
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)1 Coríntios (1º Estudo)
1 Coríntios (1º Estudo)
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
 
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o LevíticoLição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
Lição 11 - O Sacerdócio de Cristo e o Levítico
 

Destaque

Apócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidosApócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidos
Wesley Arruda
 
Apocrifos livros perdidos
Apocrifos   livros perdidosApocrifos   livros perdidos
Apocrifos livros perdidos
Efraim Ben Tzion
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
Robson Rocha
 
Aula 2 cânon bíblico
Aula 2   cânon bíblicoAula 2   cânon bíblico
Aula 2 cânon bíblico
npmscampos
 
O Livro Oculto de Melquesedeque
O Livro Oculto de MelquesedequeO Livro Oculto de Melquesedeque
O Livro Oculto de Melquesedeque
Carlos Torres
 
O código de salomão
O código de salomão   O código de salomão
O código de salomão
Roney Zurc
 
Qual o Nome de Deus?
Qual o Nome de Deus?Qual o Nome de Deus?
Qual o Nome de Deus?
ASD Remanescentes
 
Qual verdadeiro Nome de Deus?
Qual verdadeiro Nome de Deus?Qual verdadeiro Nome de Deus?
Qual verdadeiro Nome de Deus?
ASD Remanescentes
 
Redes -aula_1o
Redes  -aula_1oRedes  -aula_1o
Redes -aula_1o
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_6
Redes  -aula_6Redes  -aula_6
Redes -aula_6
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_4
Redes  -aula_4Redes  -aula_4
Redes -aula_4
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_7_-_seguranca
Redes  -aula_7_-_segurancaRedes  -aula_7_-_seguranca
Redes -aula_7_-_seguranca
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_3_-_parte2
Redes  -aula_3_-_parte2Redes  -aula_3_-_parte2
Redes -aula_3_-_parte2
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_9_-_servicos_de_diretorio
Redes  -aula_9_-_servicos_de_diretorioRedes  -aula_9_-_servicos_de_diretorio
Redes -aula_9_-_servicos_de_diretorio
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_5
Redes  -aula_5Redes  -aula_5
Redes -aula_5
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_3_-_parte_1
Redes  -aula_3_-_parte_1Redes  -aula_3_-_parte_1
Redes -aula_3_-_parte_1
cleitonfcsantos
 
Redes -aula_8_-_seguranca_2_
Redes  -aula_8_-_seguranca_2_Redes  -aula_8_-_seguranca_2_
Redes -aula_8_-_seguranca_2_
cleitonfcsantos
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
Livio Sousa
 
Redes -aula_10_-_admin_win2k3
Redes  -aula_10_-_admin_win2k3Redes  -aula_10_-_admin_win2k3
Redes -aula_10_-_admin_win2k3
cleitonfcsantos
 
Clavis Redes -aula_2
Clavis Redes  -aula_2Clavis Redes  -aula_2
Clavis Redes -aula_2
cleitonfcsantos
 

Destaque (20)

Apócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidosApócrifos, livros perdidos
Apócrifos, livros perdidos
 
Apocrifos livros perdidos
Apocrifos   livros perdidosApocrifos   livros perdidos
Apocrifos livros perdidos
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
Aula 2 cânon bíblico
Aula 2   cânon bíblicoAula 2   cânon bíblico
Aula 2 cânon bíblico
 
O Livro Oculto de Melquesedeque
O Livro Oculto de MelquesedequeO Livro Oculto de Melquesedeque
O Livro Oculto de Melquesedeque
 
O código de salomão
O código de salomão   O código de salomão
O código de salomão
 
Qual o Nome de Deus?
Qual o Nome de Deus?Qual o Nome de Deus?
Qual o Nome de Deus?
 
Qual verdadeiro Nome de Deus?
Qual verdadeiro Nome de Deus?Qual verdadeiro Nome de Deus?
Qual verdadeiro Nome de Deus?
 
Redes -aula_1o
Redes  -aula_1oRedes  -aula_1o
Redes -aula_1o
 
Redes -aula_6
Redes  -aula_6Redes  -aula_6
Redes -aula_6
 
Redes -aula_4
Redes  -aula_4Redes  -aula_4
Redes -aula_4
 
Redes -aula_7_-_seguranca
Redes  -aula_7_-_segurancaRedes  -aula_7_-_seguranca
Redes -aula_7_-_seguranca
 
Redes -aula_3_-_parte2
Redes  -aula_3_-_parte2Redes  -aula_3_-_parte2
Redes -aula_3_-_parte2
 
Redes -aula_9_-_servicos_de_diretorio
Redes  -aula_9_-_servicos_de_diretorioRedes  -aula_9_-_servicos_de_diretorio
Redes -aula_9_-_servicos_de_diretorio
 
Redes -aula_5
Redes  -aula_5Redes  -aula_5
Redes -aula_5
 
Redes -aula_3_-_parte_1
Redes  -aula_3_-_parte_1Redes  -aula_3_-_parte_1
Redes -aula_3_-_parte_1
 
Redes -aula_8_-_seguranca_2_
Redes  -aula_8_-_seguranca_2_Redes  -aula_8_-_seguranca_2_
Redes -aula_8_-_seguranca_2_
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
 
Redes -aula_10_-_admin_win2k3
Redes  -aula_10_-_admin_win2k3Redes  -aula_10_-_admin_win2k3
Redes -aula_10_-_admin_win2k3
 
Clavis Redes -aula_2
Clavis Redes  -aula_2Clavis Redes  -aula_2
Clavis Redes -aula_2
 

Semelhante a A Questão dos Livros Apócrifos

1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt
Douglas Ferreira Do Nascimento
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Pastoral da Juventude
 
BIBLIA AVE MARIA
BIBLIA AVE MARIABIBLIA AVE MARIA
Estrutura interna da bíblia
Estrutura interna da bíbliaEstrutura interna da bíblia
Estrutura interna da bíblia
Manuel Pereira Gonçalves
 
Estudos do AT.doc
Estudos do AT.docEstudos do AT.doc
Estudos do AT.doc
marco elizeu
 
A Integridade Da Bíblia
A Integridade Da BíbliaA Integridade Da Bíblia
A Integridade Da Bíblia
DimensaoCatolica
 
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completoIntrodução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Francelia Carvalho Oliveira
 
Os Evangelhos - Parte I
Os Evangelhos - Parte IOs Evangelhos - Parte I
Os Evangelhos - Parte I
Paulo Magalhães
 
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De NotasPanorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notas
fogotv
 
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça scCurso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
polianysbernal
 
Biblia 03-integridade
Biblia 03-integridadeBiblia 03-integridade
Biblia 03-integridade
Ricardo Neves
 
Escatologia vitoriosa
Escatologia vitoriosaEscatologia vitoriosa
Escatologia vitoriosa
André Sandiêgo Falcão
 
Aula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon SagradoAula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon Sagrado
Maxsuel Aquino
 
Formação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdfFormação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdf
Priscila Puga
 
A bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismoA bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismo
grupodepaisceb
 
Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2
Jovens Do Caminho
 
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert LockyerTodas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
jesusnaveia
 
Biblia 05-o-canone
Biblia 05-o-canoneBiblia 05-o-canone
Biblia 05-o-canone
Ricardo Neves
 
Biblia emrc
Biblia emrcBiblia emrc
Biblia emrc
Zaara Miranda
 
Os evangelhos
Os evangelhosOs evangelhos
Os evangelhos
Sérgio Ira
 

Semelhante a A Questão dos Livros Apócrifos (20)

1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
BIBLIA AVE MARIA
BIBLIA AVE MARIABIBLIA AVE MARIA
BIBLIA AVE MARIA
 
Estrutura interna da bíblia
Estrutura interna da bíbliaEstrutura interna da bíblia
Estrutura interna da bíblia
 
Estudos do AT.doc
Estudos do AT.docEstudos do AT.doc
Estudos do AT.doc
 
A Integridade Da Bíblia
A Integridade Da BíbliaA Integridade Da Bíblia
A Integridade Da Bíblia
 
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completoIntrodução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
 
Os Evangelhos - Parte I
Os Evangelhos - Parte IOs Evangelhos - Parte I
Os Evangelhos - Parte I
 
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De NotasPanorama Da BíBlia Modulo 1   Bloco De Notas
Panorama Da BíBlia Modulo 1 Bloco De Notas
 
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça scCurso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
Curso biblico da igreja batista adore de palhoça sc
 
Biblia 03-integridade
Biblia 03-integridadeBiblia 03-integridade
Biblia 03-integridade
 
Escatologia vitoriosa
Escatologia vitoriosaEscatologia vitoriosa
Escatologia vitoriosa
 
Aula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon SagradoAula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon Sagrado
 
Formação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdfFormação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdf
 
A bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismoA bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismo
 
Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2
 
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert LockyerTodas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
 
Biblia 05-o-canone
Biblia 05-o-canoneBiblia 05-o-canone
Biblia 05-o-canone
 
Biblia emrc
Biblia emrcBiblia emrc
Biblia emrc
 
Os evangelhos
Os evangelhosOs evangelhos
Os evangelhos
 

Mais de Robson Santana

Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Robson Santana
 
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igrejaComo Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Robson Santana
 
Mundanismo - Parte 2 - Imoralidade e Idolatria
Mundanismo - Parte 2 - Imoralidade e IdolatriaMundanismo - Parte 2 - Imoralidade e Idolatria
Mundanismo - Parte 2 - Imoralidade e Idolatria
Robson Santana
 
Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)
Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)
Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)
Robson Santana
 
Islamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagação
Islamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagaçãoIslamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagação
Islamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagação
Robson Santana
 
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Robson Santana
 
Homossexualismo à luz da biblia
Homossexualismo à luz da bibliaHomossexualismo à luz da biblia
Homossexualismo à luz da biblia
Robson Santana
 
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael GoheenComo Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Robson Santana
 
O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?
Robson Santana
 
1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja
1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja
1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja
Robson Santana
 
Disciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igrejaDisciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igreja
Robson Santana
 
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de WestminsterCasamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
Robson Santana
 
Lidando com as áreas escuras da liderança
Lidando com as áreas escuras da liderançaLidando com as áreas escuras da liderança
Lidando com as áreas escuras da liderança
Robson Santana
 
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey MalphursCurso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Robson Santana
 
A Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa Santana
A Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa SantanaA Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa Santana
A Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa Santana
Robson Santana
 
Como lidar com o sofrimento
Como lidar com o sofrimentoComo lidar com o sofrimento
Como lidar com o sofrimento
Robson Santana
 
Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus - Mt 3.13-4.11
Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus -  Mt 3.13-4.11Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus -  Mt 3.13-4.11
Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus - Mt 3.13-4.11
Robson Santana
 
Série pertencer a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...
Série pertencer   a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...Série pertencer   a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...
Série pertencer a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...
Robson Santana
 
50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper
50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper
50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper
Robson Santana
 
Meu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O Quarto
Meu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O QuartoMeu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O Quarto
Meu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O Quarto
Robson Santana
 

Mais de Robson Santana (20)

Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
Evangelização - como criar uma cultura de evangelização na igreja local - J. ...
 
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igrejaComo Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
Como Levar sua Igreja para Frente: Revitalização de igreja
 
Mundanismo - Parte 2 - Imoralidade e Idolatria
Mundanismo - Parte 2 - Imoralidade e IdolatriaMundanismo - Parte 2 - Imoralidade e Idolatria
Mundanismo - Parte 2 - Imoralidade e Idolatria
 
Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)
Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)
Mundanismo - Parte 1 - Dinheiro (dízimos e ofertas)
 
Islamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagação
Islamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagaçãoIslamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagação
Islamismo: origem, divisões, expansão, pilares e meios de propagação
 
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
Estilos de paternidade: pais permissivos, negligentes, autoritários e com aut...
 
Homossexualismo à luz da biblia
Homossexualismo à luz da bibliaHomossexualismo à luz da biblia
Homossexualismo à luz da biblia
 
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael GoheenComo Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
 
O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?
 
1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja
1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja
1 Ts 5.12 13 - Como tratar os líderes da igreja
 
Disciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igrejaDisciplina: a terceira marca da igreja
Disciplina: a terceira marca da igreja
 
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de WestminsterCasamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
Casamento e Divórcio - Adaptado do Cap. 24 da Confissão de Fé de Westminster
 
Lidando com as áreas escuras da liderança
Lidando com as áreas escuras da liderançaLidando com as áreas escuras da liderança
Lidando com as áreas escuras da liderança
 
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey MalphursCurso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
 
A Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa Santana
A Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa SantanaA Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa Santana
A Bíblia e a Copa do Mundo - Robson Rosa Santana
 
Como lidar com o sofrimento
Como lidar com o sofrimentoComo lidar com o sofrimento
Como lidar com o sofrimento
 
Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus - Mt 3.13-4.11
Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus -  Mt 3.13-4.11Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus -  Mt 3.13-4.11
Série QUESTOES DIFICEIS - Estudo 1 - Batismo e Tentação de Jesus - Mt 3.13-4.11
 
Série pertencer a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...
Série pertencer   a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...Série pertencer   a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...
Série pertencer a multidão errada - estudo 5 - aproximando-se - 2 coríntios...
 
50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper
50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper
50 razões por que Jesus veio morrer | John Piper
 
Meu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O Quarto
Meu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O QuartoMeu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O Quarto
Meu Coração, o Lar de Cristo - Estudo 5 - O Quarto
 

Último

Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
MasaCalixto2
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
lindalva da cruz
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 

Último (18)

Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsxBíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
Bíblia Sagrada - Amós - slides powerpoint.ppsx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhorCultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
Cultura de Paz - educar para a paz para um mundo melhor
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxZacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Zacarias - 005.ppt xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introduçãoEstudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
Estudo Bíblico da Carta aos Filipenses - introdução
 

A Questão dos Livros Apócrifos

  • 1. IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL Pr. Robson Rosa Santana (Adaptação e compilação) www.emissional.blogspot.com.br rrsantana@hotmail.com www.ipb.org.br
  • 2. 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. O CANON DAS ESCRITURAS 3 1.1. O CÂNON PROTESTANTE DO ANTIGO TESTAMENTO 3 Origem 3 Os Massoretas 4 O Cânon Massorético 4 O Cânon Consonantal 4 Testemunhas Antigas do Cânon Protestante Hebraico 5 O Testemunho de Jesus e dos Apóstolos 6 1.2 O CÂNON CATÓLICO DO ANTIGO TESTAMENTO 6 Origem 6 A Septuaginta 6 A Vulgata 8 Conclusão 9 2. CONTEÚDO RESUMIDO DOS LIVROS APÓCRIFOS 9 3. ANÁLISE CRÍTICO-DOUTRINÁRIA DOS LIVROS APÓCRIFOS 10 3.1. SALVAÇÃO PELAS OBRAS 10 3.2. ELOGIO AO SUICÍDIO 11 3.3. FEITIÇARIA 12 3.4. INTERCESSÃO PELOS MORTOS 12 3.5. AUSÊNCIA DE INSPIRAÇÃO DIVINA 12 3.6. O PECADO 13 CONCLUSÃO 14
  • 3. 3 A QUESTÃO DOS LIVROS APÓCRIFOS INTRODUÇÃO Freqüentemente a Igreja Protestante é acusada pelos católicos romanos de haver retirado da Bíblia Sagrada alguns livros e partes de outros. E muitas vezes os cristãos evangélicos ficam sem saber o que responder por falta de instrução acerca do assunto. Será que esses livros foram retirados da Bíblia pelos protestantes ou foram acrescentados como livros inspirados, mesmo que de reconhecimento tardio (deuterocanônicos) pelos católicos romanos, após a Reforma Protestante? Na verdade os livros apócrifos foram disputados durante séculos acerca de sua inspiração divina. À época da Reforma Protestante ainda permanecia a discussão: fazem parte ou não da coleção dos livros inspirados pelo Espírito Santo, também chamada de Sagradas Escrituras? Os protestantes reconheceram pelo seu conteúdo e pela própria formação do Cânon Hebraico que esses livros não eram de inspiração divina. Por algum tempo eles foram colocados ao final das Bíblias de edição protestante como um apêndice, tendo apenas valor histórico. Por fim, foram totalmente retirados para que não houvesse nenhuma confusão a respeito dos livros verdadeiramente inspirados. O texto que se segue é uma compilação de materiais. A primeira parte é extraída do livro Sola Scriptura: a Doutrina Reformada das Escrituras, de autoria de Paulo Anglada, Editora Os Puritanos. No capítulo 3 desse livro, o autor trata do Cânon das Escrituras, e como a discussão dos livros não inspirados é uma questão no Antigo Testamento, pois os livros apócrifos estão nessa parte da Bíblia Católica, transcrevi as duas divisões que nos interessam no momento: O Cânon Protestante do Antigo Testamento e O Cânon Católico do Antigo Testamento. A segunda parte é um resumo dos livros apócrifos, extraído do artigo de G. R. Beasley-Murray, Os Livros Apócrifos e Apocalípticos, do Novo Comentário da Bíblia. A última parte, por sua vez, é uma avaliação crítica da incompatibilidade das doutrinas ensinadas nesses livros em relação aos livros inspirados, ou seja, os 39 livros do Antigo Testamento e 27 do Novo Testamento. 1. O CANON DAS ESCRITURAS 1.1. O CÂNON1 PROTESTANTE DO ANTIGO TESTAMENTO Origem O cânon protestante do Antigo Testamento é exatamente igual ao cânon hebraico massorético. O cânon massorético é a Bíblia hebraica em sua forma 1 A palavra cânon é mera transliteração do termo grego kanwn, que significa vara reta, régua, regra. Aplicado às Escrituras, o termo designa os livros que se conformam à regra da inspiração e autoridade divinas. Atanásio (séc. IV) parece ter sido o primeiro a usar a palavra neste sentido. São chamados canônicos, portanto, os livros que foram inspirados por Deus, os quais compõem as Escrituras Sagradas – o cânon bíblico (Anglada. Sola Scriptura, p. 33-34).
  • 4. 4 definitiva, vocalizada e acentuada pelos massoretas. A ordem dos livros, entretanto, segue a da Vulgata e da Septuaginta. Os Massoretas Os massoretas eram judeus estudiosos que se dedicavam à tarefa de guardar a tradição oral (massora) da vocalização e acentuação correta do texto. À medida que um sistema de vocalização foi sendo desenvolvido, entre 500 e 950 d.C., o texto consonantal2 que receberam dos soferim3 foi sendo por eles cuidadosamente vocalizado e acentuado. Além dos pontos vocálicos e dos acentos, os massoretas acrescentavam também ao texto massoras marginais, maiores e finais, calculadas pelos soferim. Essas massoras (tradições) eram estatísticas colocadas ao lado das linhas, ao fim das páginas e ao final dos livros, indicando quantas vezes uma determinada palavra aparecia no livro, o numero de versículos, palavras e letras. Elas indicavam até a palavra e letra central do livro. O Cânon Massorético Embora o conteúdo do cânon protestante seja o mesmo do cânon hebraico, a divisão e a ordem dos livros são diferentes. Eis a divisão e a ordem do cânon hebraico: O Pentateuco (Torá): Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio. Os Profetas (Neviim): Anteriores: Josué, Juízes, 1-2 Samuel, 1-2 Reis. Posteriores: Isaías, Jeremias, Ezequiel e Profetas Menores. Os Escritos (Kêtuvim): Poesia e Sabedoria: Salmos, Provérbios e Jó. Rolos ou Megilloth (lidos nos anos litúrgicos): Cantares (na páscoa), Rute (no pentecostes), Lamentações (no quinto mês), Eclesiastes (na festa dos tabernáculos) e Éster (na festa de purim). Históricos: Daniel, Esdras, Neemias e 1 e 2 Crônicas. O Cânon Consonantal A divisão e ordem dos livros no cânon hebraico consonantal (anterior) eram as mesmas. O número de livros, entretanto, era diferente. O conteúdo era o mesmo, mas agrupado de modo a formar apenas 24 livros. Os livros de 1 e 2 2 O nome é texto consonantal porque no alfabeto hebraico não havia vogais, logo, os massoretas adicionaram às palavras que só tinham consoantes os sinais vocálicos para facilitar a pronuncia. 3 Ordem dos escribas que originou-se com Esdras, e que se estendeu até 200 d.C., cuja função era preservar puro o texto bíblico.
  • 5. 5 Samuel, 1 e 2 Reis e 1 e 2 Crônicas eram unidos, formando apenas um livro cada (o que implica em 3 livros a menos em relação ao nosso cânon). Os doze profetas menores eram agrupados em um só livro (menos 11 livros). Esdras e Neemias formavam um só livro, o Livro de Esdras (menos 1 livro).4 Testemunhas Antigas do Cânon Protestante Hebraico A referência mais antiga ao cânon hebraico é do historiador judeu Josefo (37-95 d.C.). Em Contra Apionem ele escreve: “Não temos dezenas de milhares de livros, em desarmonia e conflitos, mas só vinte e dois, contendo o registro de toda a história, os quais, conforme se crê, com justiça, são divinos”.5 Depois de referir-se aos cinco livros de Moisés, aos treze livros dos profetas, e aos demais escritos (os quais “incluem hinos a Deus e conselhos pelos quais os homens podem pautar suas vidas”), ele continua afirmando: Desde Artaxexes (sucessor de Xerxes) até nossos dias, tudo tem sido registrado, mas não tem sido considerado digno de tanto crédito quanto aquilo que precedeu a esta época, visto que a sucessão dos profetas cessou. Mas a fé que depositamos em nossos próprios escritos é percebida através de nossa conduta; pois, apesar de ter-se passado tanto tempo, ninguém jamais ousou acrescentar coisa alguma a eles, nem tirar deles coisa alguma, nem alterar neles qualquer coisa que seja.6 Josefo é suficientemente claro. Como historiador judeu, ele é fonte fidedigna. Era apenas vinte e dois os livros do cânon hebraico agrupados nas três divisões do cânon massorético. E desde a época de Malaquias (Artaxerxes, 464-424 a.C.) até a sua época nada se lhe havia sido acrescentado. Outros livros foram escritos, mas não eram considerados canônicos, com a autoridade divina dos vinte e dois livros mencionados. Além de Josefo, Mileto, Bispo de Sardes, diz ter viajado para o Oriente, em 170, com o propósito de investigar a ordem e o número dos livros do Antigo Testamento; Orígenes, o erudito do Egito, que morreu em 254; Tertuliano (160- 250), pai latino contemporâneo de Orígenes; e Jerônimo (340-420), entre outros, confirmam o cânon hebraico de vinte e dois e vinte e quatro livros (dependendo do agrupamento ou não de Rute e Lamentações). É interessante observar que o próprio Jerônimo, tradutor da Vulgata latina, que daria origem ao cânon católico, embora considerasse os livros apócrifos 4 24 livros da Bíblia hebraica, mais 15 que foram agrupados, chega aos 39 livros do cânon protestante. 5 Ele menciona 22, ao invés de 24, porque com certeza, originalmente, Rute era agrupado com Juízes e Lamentações com Jeremias. 6 Capítulo primeiro.
  • 6. 6 úteis para a edificação, não os tinha como canônicos. Embora tendo traduzido outros livros não canônicos, ele escreveu que “deveriam ser colocados entre os apócrifos”, afirmando que “não fazem parte do cânon”. Referindo-se ao livro de Sabedoria de Salomão e ao livro de Eclesiástico, ele diz: “Da mesma maneira pela qual a igreja lê Judite e Tobias e Macabeus (no culto público), mas não os recebe entre as Escrituras canônicas, assim também sejam estes dois livros úteis para a edificação do povo, mas não para receber as doutrinas da igreja”.7 Vale salientar ainda que a versão siríaca Peshita, que bem pode ter sido feita no século II ou III, ou até mesmo no século I, nos manuscritos mais antigos, não contém nenhum dos apócrifos. O Testemunho de Jesus e dos Apóstolos Embora as evidencias já mencionadas sejam importantes, a principal testemunha do cânon protestante do Antigo Testamento é o Novo Testamento. Jesus e os apóstolos não questionaram o cânon hebraico da época (época de Josefo, convém lembrar). Eles citaram-no cerca de 600 vezes, de modo autoritaritativos, incluindo praticamente todos os livros do cânon hebraico. Entretanto, não citam nenhuma vez os livros apócrifos.8 Pode-se concluir, portanto, que Jesus e os apóstolos deram o imprimatur deles ao cânon hebraico e, conseqüentemente, ao cânon protestante. 1.2 O CÂNON CATÓLICO DO ANTIGO TESTAMENTO Origem O cânon católico, composto pelos trinta e nove livros encontrados no cânon protestante, acrescido das adições a Daniel e Éster, e dos livros de Baruque, Carta de Jeremias, 1-2 Macabeus, Judite, Tobias, Eclesiástico e Sabedoria – 3 e 4 Esdras e a Oração de Manasses9 são acrescentados depois do NT [Novo Testamento] – origina-se da Vulgata latina, que por sua vez provém da Septuaginta. A Septuaginta A Septuaginta [LXX] é uma tradução dos livros judaicos para o grego feita, possivelmente, durante o reinado de Ptolomeu Filadelfo (285-245 a.C.) ou até meados do século I a.C., para a biblioteca de Alexandria, no Egito. Os tradutores não se limitaram a traduzir os livros considerados canônicos pelos judeus. Eles traduziram os demais livros judaicos disponíveis. E, a julgar pelos 7 Gleason L. Archer Jr, Merece Confiança o Antigo Testamento?, 76. 8 Com exceção de Enoque 1:9, aludido em Judas 14-16; contudo, não citado autoritativamente, e sim como qualquer outro autor; assim como Paulo cita Arato em Atos 17.28 e Menander em 1 Coríntios 15.33. 9 Todos os itálicos são ênfase minha.
  • 7. 7 manuscritos existentes, deram um arranjo tópico à biblioteca judaica, na seguinte ordem: Livros da Lei: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Livros de História: Josué, Juízes, Rute, 1-2 Samuel, 1-2 Reis (chamados 1-2- 3-4 Reinados), 1-2 Crônicas, 1-2 Esdras (o primeiro apócrifo), Neemias, Tobias, Judite e Éster. Livros de Poesia e Sabedoria: Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cantares, Sabedoria de Salomão, Sabedoria de Siraque (ou Eclesiástico). Livros Proféticos: Profetas Menores [12 livros: de Oséias a Malaquias], Profetas Maiores: Isaías, Jeremias, Baruque, Lamentações, Epístola de Jeremias, Ezequiel, e Daniel (incluindo as histórias de Susana, Bel e o Dragão e o cântico dos Três Varões). Alguns desses livros foram escritos posteriormente, em grego, possivelmente por judeus alexandrinos, e foram incluídos na biblioteca judaica de Alexandria, tais como Primeiro e Segundo Esdras, adições a Éster, Sabedoria, a Epístola de Jeremias. Nem sempre todos estes livros estão presentes nos manuscritos antigos da Septuaginta. O Códice Vaticano (B) omite Primeiro e Segundo Macabeus (canônicos para a Igreja Católica) e inclui Primeiro Esdras (não canônicos para a Igreja Católica). O Códice Sinaítico (a) omite Baruque (canônico para Roma), mas inclui o quarto livro dos Macabeus (não canônico para Roma). O Códice Alexandrino (A) inclui o Primeiro Livro de Esdras e o Terceiro e Quarto Livros dos Macabeus (apócrifos para Roma). O que se pode concluir daí é que, quando a Septuaginta era copiada, alguns livros não canônicos para os judeus eram também copiados. Isso poderia ter ocorrido por ignorância quanto aos livros verdadeiramente canônicos. Pessoas não afeiçoadas ao judaísmo ou mesmo desinteressadas em distinguir livros canônicos dos não canônicos tinham por igual valor todos os livros, fossem eles originalmente recebidos sagrados pelos judeus ou não. Mesmo aqueles que não tinham os demais livros judaicos como canônicos certamente também copiavam estes livros, não por considerá-los sagrados, mas apenas para serem lidos. Por que não copiar livros tão antigos e interessantes? Mesmo pessoas bem intencionadas podem ter sido levadas a rejeitar alguns livros canônicos, ou aceitar como canônicos alguns que não fossem, por ignorância ou má interpretação da historia do cânon. Convém lembrar que, embora o testemunho do Espírito Santo seja a principal regra de canonicidade por parte da igreja como um todo, mesmo assim, o crente ainda tem uma natureza pecaminosa que não o livra totalmente de incidir em erro, inclusive quanto ao assunto da canonicidade. Isto acontece especialmente em épocas de
  • 8. 8 transição, como foi o caso de Agostinho10 que defendeu os livros apócrifos, embora de modo dúbio, e depois o de Lutero, o qual colocou em dúvida a canonicidade da carta de Tiago. A Vulgata Ao traduzir a Vulgata11, Jerônimo também inclui alguns livros apócrifos. Não o fez, contudo, por considerá-los canônicos, mas apenas por considerá-los úteis, como fontes de informação sobre a história do povo judeu. Na Idade Média a versão francamente usada pela igreja foi a Vulgata latina. A partir dela e da Septuaginta também forma feitas outras traduções. Ora, multiplicando-se o erro, e afastando-se cada vez mais a igreja da verdade (como aconteceu crescentemente nesse período), tornou-se mais e mais difícil distinguir entre os livros que deveriam ser considerados canônicos ou não. Esses livros nunca foram completamente aceitos, mesmo nessa época. Mas, por estarem incluídos nessas versões, a igreja em época de trevas, geralmente falando, não teve discernimento espiritual para distinguir entre livros apócrifos e canônicos. Por fim, no Concílio de Trento, em 1546, também em reação contra os protestantes, que reconheceram apenas o cânon hebraico, a igreja de Roma declarou os livros apócrifos relacionados acima, bem como autoritativas as tradições orais: “O Sínodo... recebe e venera todos os livros, tanto do Antigo como do Novo Testamento... assim como as tradições orais”. A seguir são relacionados todos os livros considerados canônicos, incluindo os apócrifos. Concluindo o decreto adverte: Se qualquer pessoa não aceitar como sagrado e canônico os livros mencionados em todas as suas partes, de modo como eles têm sido lidos nas igrejas católicas, e como se encontram na antiga Vulgata latina, e deliberadamente rejeitar as tradições antes mencionadas, seja anátema. 12 A igreja grega seguiu mais ou menos os passos da igreja ocidental. Houve sempre dúvida na aceitação dos apócrifos, mas, no Concílio de Trulano, em 692, foram todos aceitos (quatorze). Ainda assim, como sempre houve reservas quanto à plena aceitação de muito deles, a igreja grega, em 1672, acabou 10 Bispo de Hipona (354-430), norte da África, chamado pelos católicos de Santo Agostinho. 11 Vulgata (em latim vulgar editio, "edição popular"), edição da Bíblia latina qualificada de autêntica pelo Concílio de Trento. A atual composição da Vulgata é, em essência, obra de Jerônimo (345-419), doutor da Igreja Católica. 12 R. L. Harris, Inspiration and Canonicity of the Bible [Inspiraçao e Canonicidade da Bíblia], 192.
  • 9. 9 reduzindo para quatro o número dos apócrifos aceitos: Sabedoria, Eclesiástico, Tobias e Judite.13 Conclusão Por ironia da História, a Vulgata de Jerônimo, o qual não considerava canônicos os livros apócrifos,14 veio a ser a principal responsável pela inclusão destes livros no cânon católico. A obra dos reformadores foi maior do que se pode pensar à primeira vista. Eles não apenas redescobriram as doutrinas básicas do evangelho, como a doutrina da salvação pela graça mediante a fé. Eles redescobriram também o cânon. Graças a eles e ao testemunho do Espírito Santo, a igreja protestante reconhece como canônicos, com relação ao Antigo Testamento (é claro), os mesmos livros que Jesus e os apóstolos, e os judeus de um modo geral sempre reconheceram. Alguns dos apócrifos são realmente úteis como fontes de informações a respeito de uma época importante na história do povo de Deus: o período inter- testamentário. Os protestantes reconhecem o valor histórico deles. Seguindo a prática dos primeiros cristãos, as edições modernas protestantes da Septuaginta normalmente incluem os apócrifos, e até algumas Bíblias protestantes antigas os incluíam, no final, apenas como livros históricos. Mas as igrejas reformadas15 excluíram totalmente os apócrifos das suas edições da Bíblia, e, “induziram a Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira, sob pressão do puritanismo escocês, a declarar que não editaria Bíblias que tivessem os apócrifos, e de não colaborar com outras sociedades que incluíssem esses livros em suas edições”.16 Melhor assim, tendo em vista o que aconteceu com a Vulgata! Melhor editá-los separadamente. 2. CONTEÚDO RESUMIDO DOS LIVROS APÓCRIFOS17 O livro 1 [3] de Esdras é uma narração fragmentária dos acontecimentos lembrados no livro canônico de Esdras, juntamente com a história dos três cortesãos, um dos quais se chama Zorobabel e que teve papel preponderante na festa de Dario. 13 Gleason L. Archer Jr, Merece Confiança o Antigo Testamento?, 80. 14 Jerônimo foi o primeiro a usar o termo apócrifo. 15 Igrejas calvinistas, como a Igreja Presbiteriana do Brasil. 16 A. Buntzer, Introdução ao Antigo Testamento, 49. 17 Este conteúdo resumido foi extraído do artigo de G. R. Beasley-Murray, Os Livros Apócrifos e Apocalípticos. In: Novo Comentário da Bíblia, 2 ed., São Paulo: Vida Nova: 1980 [CD-Rom].
  • 10. 10 O livro 2 [4] de Esdras não passa dum apocalipse do primeiro século da era cristã, de certo modo o mais trágico de todos os apocalipses. Tobias é uma história romântica que nos fala da sepultura dos mortos e do casamento de Tobias. Foi escrito provavelmente nos fins do século III a. C. Judite é outra obra de ficção a propósito da libertação duma cidade do exército assírio. Não vai além da época dos macabeus (cerca de 150 a.C.). O descanso de Ester é um apêndice ao livro canônico, e inclui orações e decretos, que vêm tornar mais explícito o caráter religioso do livro. A sabedoria de Salomão é considerado um dos livros mais representativos e mais sublimes da sabedoria hebraica, do período que decorre entre os dois Testamentos, pois supõe-se escrito entre 150 a.C. e o ano 40 da nossa era. O Eclesiástico, também chamado "Sabedoria de Jesus, filho de Siraque", é uma obra do gênero da anterior, embora se julgue ser da autoria dum saduceu e publicada cerca do ano 180 a.C. Baruque forma um livro só com A Epístola de Jeremias, datando o primeiro do século III a.C. e o segundo do século II a.C. Ambos se destinam a combater a heresia. Apêndices ao livro de Daniel conhecem-se três: A história de Susana condenada à morte e defendida pelo jovem Daniel; A oração de Azarias e o Cântico dos três santos mancebos lançados à fornalha ardente; e por fim Bel e o Dragão, duas narrativas separadas contando como Daniel desacreditou os sacerdotes de Bel e desmascarou o deus-dragão. A oração de Manassés é um grito de arrependimento proferido pelo rei que tem este nome e baseado em #2Cr 23.12 e segs., escrito provavelmente no século II a.C. O livro 1 Macabeus narra a luta dos judeus, chefiados pelos filhos de Matatias, contra Antíoco Epífanes e seus sucessores. Há quem suponha que o autor é contemporâneo dos acontecimentos que relata. O 2 Macabeus continua o anterior e expõe, num estilo primoroso, as façanhas de Judas Macabeu. 3. ANÁLISE CRÍTICO-DOUTRINÁRIA DOS LIVROS APÓCRIFOS18 3.1. SALVAÇÃO PELAS OBRAS Em Tobias 4.7 –11 é dito: “Toma de teus bens para dar esmola. Nunca afastes de algum pobre a tua face, e Deus não afastará de ti a sua face… pois a esmola livra da morte e impede que se caia nas trevas. Dom valioso é a esmola, para quantos a praticam na presença do altíssimo”. 12.8 e 9 “Boa coisa é a 18 A partir daqui até o tópico 3.5 é parte de um trabalho apresentado pelos então seminaristas Luiz Ancelmo Cardoso e Nelson dos Santos Magalhães, no Seminário Presbiteriano Brasil Central (GO).
  • 11. 11 oração com o jejum, e melhor é a esmola com a justiça do que a riqueza com a iniquidade… a esmola livra da morte e purifica de todo o pecado. Os que dão esmola terão longa vida…” Essas duas passagens comprometem muito esse livro, pois não se trata apenas de uma referência do pensamento do velho Tobias, o que nele está é uma expressão de forma normativa, de uma doutrina contrária às Escrituras Sagradas, apresentada como ensinada pôr um anjo. (ver Gal. 1.8). As Escrituras afirmam mediante as palavras de Jesus que por meio do próprio homem a salvação é impossível (Mateus 19.25, 26); que o amor de Deus demonstrado em seu filho Jesus Cristo é a solução divina para quem nele crê (João 3.16); e em outras passagens como I Timóteo 2.5; Atos 4.12; João 14.6; Efésios 2.8, 9,;Atos 11.13, 14; 10.1-5. 3.2. ELOGIO AO SUICÍDIO Em II Macabeus 14.41-46 vemos o relato da história de um homem chamado Razias, um ancião de Jerusalém, acusado diante de Nicanor e seu exército em um momento de grande aperto: “As tropas estavam para se apoderar da torre e forçavam a porta do pátio, e já se dera a ordem para trazer fogo para se incendiarem as portas quando Razias, cercado de todos os lados, atirou-se sobre a própria espada… contudo, não tendo acertado com o golpe, por causa da pressa do combate…correu ele animosamente para a muralha e, com intrepidez viril, precipitou-se em cima da muralha… ainda respirando e ardendo em indignação, ele ergueu-se… arrancou as entranhas e, tomando-as com as duas mãos, arremessou-as contra a multidão. Invocando, ao mesmo tempo, aquele que é o senhor da vida e do espírito, para que lhos restituísse um dia, desse modo passou para outra vida”. Pelo teor da narrativa se vê a expressão fictícia, o afã de exaltar um personagem heróico. O autor da mesma e em todo o seu livro, quis contar a história da bravura com que seus compatriotas lutaram e até morreram, e para salvaguardar a responsabilidade de seu biografado Razias, chega a declarar que sua atitude suicida é uma maneira de morrer nobremente. Essa afirmação choca brutalmente com toda a Escritura. Passagem como Êxodo 20.13 que afirma mediante lei divina o “não matarás” e outras como I Crônicas 10.1-14; Atos 1.15-20. Além do mais, o tal Razias é apresentado como alguém que teve resistência um tanto quanto sobre-humana, pois se ferir, cair de certa altura, depois correr no meio do povo e ainda tirar com as próprias mãos as suas entranhas e as atirar ao povo, exige forças além das que são conhecidas e experimentadas pelo homem.
  • 12. 12 3.3. FEITIÇARIA Em Tobias 6.4,5, 7,8 vemos o conselho do anjo ao jovem Tobias quando na beira do rio Tigre quase foi atacado por um grande peixe: “ … e o anjo lhe disse: agarra o peixe e segura-o firme! Tobias dominou o peixe e o arrastou para a terra. E o anjo acrescentou : abre o peixe, tira o fel, o coração e o fígado e guarda-os; joga fora os intestinos, pois o fel, o coração e o fígado são remédios úteis… então Tobias perguntou ao anjo: Azarias, meu irmão, que remédio há no coração, no fígado e no fel do peixe? Respondeu ele: Se se queima o coração ou o fígado do peixe diante de um homem ou de uma mulher atormentados por um demônio ou por um espírito mau a fumaça afugenta todo mau e o faz desaparecer para sempre”. Este romance está de todo envolto em mistérios e exageros, onde o peixe é arrastado para fora d’água de modo aparentemente heróico e quanto ao uso de suas partes para fins de combate a espíritos, tem conotação de certas práticas de feitiçaria ou baixo espiritismo. Nas Escrituras não se vê tais ensinos ou superstições, antes ela declara que entre o povo de Deus não deve haver feitiçaria, pois a mesma é abominação (Deuteronômio 18.10), sendo que os que a praticam como não tendo parte no reino dos céus (Ap. 21.8). Tal livro de Tobias é fruto de uma mentalidade babilônica e pagã que possuíam essas práticas para com os supostos espíritos.(ver Marcos 9.29). 3.4. INTERCESSÃO PELOS MORTOS Em II Macabeus 12.39-46 vemos o comportamento de Judas Macabeus por ocasião da perda de alguns soldados e a consideração do próprio autor do livro: “No dia seguinte… partiram os homens de Judas para recolherem os corpos dos que haviam tombado, a fim de inumá-los junto com os seus parentes nos túmulos de seus pais. Então encontraram, debaixo das túnicas de um dos mortos, objetos consagrados aos ídolos de Jâmnia, cujo o uso a lei vedava aos judeus. Tornou-se assim evidente, para todos, que foi por esse motivo que eles sucumbiram. Todos, pois, tendo o bendito modo de proceder do senhor… puseram-se em oração para pedir que o pecado cometido fosse completamente cancelado…” Tal afirmação entra em profunda contradição com o ensino das Escrituras sagradas com respeito aos que morrem. Passagens como Mateus 25. 31-46; Hebreus 9. 27; Lucas 16.19-31; I Timóteo 2.5-6; Atos 4.12; I João 2.2; João 14.6; I Pedro 1.18-19. 3.5. AUSÊNCIA DE INSPIRAÇÃO DIVINA Estas são as próprias palavras do autor de II Macabeus ao concluir a sua obra: “… se o fiz bem, de maneira conveniente a uma composição escrita, era justamente isso que eu queria; se vulgarmente e de modo medíocre, é isso o que
  • 13. 13 me foi possível. De fato, como é nocivo beber somente vinho, ou somente água, ao passo que o vinho misturado à água é agradável e causa um prazer delicioso, assim (trabalho) da preparação do relato encanta os ouvidos daqueles que entram em contato com a composição. Aqui, porém, será o fim”. Assim declara o autor, reconhecendo a possibilidade de falhas e contradição com os próprios fatos que pôr ele próprio são narrados. E se desculpa caso tenha cometido algum engano. Isso nunca pode ser narrativa bíblica, pois Jesus disse que as Escrituras nunca podem falhar Jo. 10.35. Ver também II Pe.1.19-21; II Tm 3.16; Lc. 1.3; I Co. 14.34; II Co. 13.3; Jo. 42.2. Como vimos, todos estes livros entram em contradição com toda a Escritura, inseri-los no cânon sagrado seria pôr em descrédito toda a Escritura. Portanto, é inadmissível aceitarmos tais erros teológicos e doutrinários no Cânon Sagrado. 3.6. O PECADO “Foi muito discutida a origem do pecado, tendo sido apresentadas várias soluções, em especial no que se refere ao grande desastre do Éden. Em alguns casos a culpa é atribuída a Eva (Eclesiástico 25.24), em outros a Adão (2Ed 7.118), ainda noutros ao Demônio (Sabedoria 2.24), e finalmente aos Anjos Maus (1 Enoque 10.7-8). Por outro lado, o autor de 2 Baruque não concorda com a atribuição da culpa aos nossos antepassados: "Embora Adão fosse o primeiro a pecar, por ele a morte se transmitisse a todos os seus descendentes, cada um de nós preparou no seu íntimo tal acontecimento... Adão é, pois, apenas o responsável pelo seu pecado, enquanto cada um de nós responde pelo seu, por sermos cada um o seu Adão em espírito" (2 Baruque 54.15 e 19). “Quanto à expiação por esse pecado, recorre-se aos sacrifícios, tal como no Velho Testamento. Mas não se dispensam as obras: "Aquele que honra o pai fará sacrifícios pelos pecados" (Eclesiástico 3.3); "A esmola livra da morte e purifica do pecado" (Tobias 12.9). É contra estas teorias que Paulo se insurge veementemente. “Recorre-se, ainda, aos méritos dos santos (2Ed 8.28-29), e o martírio dos confessores fiéis pode vir a expiar os pecados (4Mc 6.28-29)”.19 Os textos que se seguem nos mostram claramente que todos os seres humanos sofrem as conseqüências do pecado de Adão (Rm 5.14; 1Co 15.22). Como diz Davi, "eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe" (Sl 51.4). Apesar de todas as coisas acontecerem de acordo com o decreto eterno de Deus, quem pecou foi Adão. Como diz o teólogo reformado Louis Berkhof, “esse pecado trouxe consigo corrupção permanente, corrupção que, dada a 19 G. R. Beasley-Murray. Os Livros Apócrifos e Apocalípticos. In: Novo Comentário da Bíblia, 2 ed., São Paulo: Vida Nova: 1980 [CD-Rom].
  • 14. 14 solidariedade da raça humana, teria efeito, não somente sobre Adão , mas também sobre todos os seus descendentes”. Mais à frente ele continua: “Adão pecou não somente como o pai da raça humana, mas também como chefe representativo de todos os seus descendentes; e, portanto, a culpa do seu pecado é posta na conta deles, pelo que todos são passíveis de punição e morte”20 (leia Rm 5.12, 18-19). Desse modo, em Adão todos nós nascemos corrompidos pelo pecado e culpados diante de Deus, merecedores de punição e morte. E quanto à expiação dos pecados, o que as Escrituras inspiradas nos ensinam? Nem as obras, nem os méritos dos santos, nem os mártires confessores podem nos purificar da malignidade de nosso pecado, mas a graça de Deus por intermédio da fé no sacrifício único de Jesus Cristo (Rm 3.19-26; 6.23; Ef 2.8-9). Sabemos que existem os ensinos fundamentados nos livros Apócrifos (como a doutrina do purgatório), mas esses ensinos distorcidos e incompatíveis com o que dizem os livros realmente inspirados, são suficientes para reprová- los nos testes de autoridade e inspiração. Por isso é preciso que se diga que esses livros e acréscimos não devem fazer parte do cânon sagrado. CONCLUSÃO “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertarás”, disse Jesus (João 8.32). Os testemunhos históricos nos dão provas claras de que foi um equívoco muito grande esses textos apócrifos serem inseridos no conjunto dos livros sagrados. Como diz o dito popular, o pior cego é o que não quer ver. Jerônimo, tradutor da versão autorizada pela Igreja Católica Romana, a Vulgata, ele próprio desconsiderou os livros apócrifos, como já foi dito. Além do testemunho histórico desde o início em que foram incluídos esses livros, quando da tradução dos livros dos judeus para o grego, a fim de que fizesse parte da Biblioteca de Alexandria, passando pelo historiador Flávio Josefo, que afirmou que os judeus não tinham esses livros no cânon hebraico, bem como pelos pais da Igreja, todos são categóricos em afirmar quais os livros verdadeiramente são inspirados, e os que citamos como apócrifos, ou seja, os que estão na tradução das Bíblias católicas, não são canônicos; logo, não devem fazer parte do texto sagrado, a Palavra de Deus. O livro de Apocalipse finaliza com uma advertência muito grave e séria: “Eu, a todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico: Se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe acrescentará os flagelos escritos neste livro” (Ap 22.18). Quem tem ouvidos para ouvir, ouça! 20 Louis Berkhof. Teologia Sistemática. Campinas: Luz Para o Caminho, 1990. p. 222.
  • 15. 15 BIBLIOGRAFIA ANGLADA, Paulo. Sola Scriptura: a Doutrina Reformada das Escrituras. 1 ed., São Paulo: Editora Os Puritanos, 1998. BEASLEY-MURRAY, G. R. Os Livros Apócrifos e Apocalípticos. In: Novo Comentário da Bíblia, 2 ed., São Paulo: Vida Nova: 1980 [CD-Rom]. CARDOSO, Luiz Ancelmo, MAGALHÃES, Nelson dos Santos. Os Livros Apócrifos. Goiânia: SPBC, 2000 (trabalho não publicado).