SlideShare uma empresa Scribd logo
Cânon
Cânon Bíblico é a lista de todos os livros da Bíblia. Canôn vem de
cana que era usada como metro, medida. Daí a palavra passou a ser usada
também como norma, regra de verdade ou de fé.
         Os livros da Bíblia foram chamados de “canônicos” a partir do século
IV, porque foram reconhecidos como normativos para a fé e a vida dos fiéis.
Para o Antigo Testamento existem dois cânones:

O Cânon Alexandrino (ou longo): com 46 livros, presentes na Bíblia Católica;

O Cânon Palestinense (ou curto) com 39 livros, presentes nas Bíblias Hebraica e
Protestante;

        Para o Novo Testamento, o cânon é o mesmo para católicos e protestantes
contendo 27 livros.
Tendo em vista a aceitação ou não no Cânon, os livros da Bíblia são
chamados de Protocanônicos e Deuterocanônicos.

Protocanônicos: são os livros presentes nas três Bíblias (Católica, Hebraica
e Protestante). Isto é, aqueles livros que foram considerados inspirados por
Deus, sempre e por todos.

Deuterocanônicos: são os livros cuja inspiração foi objetos de debates e que
são aceitos por um e rejeitados por outros. Encontram-se somente na Bíblia
Católica.
Formação
do Cânon   É muito fácil refazer a história do cânon do Antigo Testamento; sabemos que
pelo ano de 130 a.C., o tradutor do livro de Eclesiástico do hebraico para o grego
sabia da existência de três grupos de livros que eram o tesouro de Israel: a lei, os
Profetas e os Escritos.
           O primeiro e o segundo grupo já estavam bem definidos. Quanto aos
escritos, ainda no tempo de Jesus, havia incertezas. No final do primeiro século
depois de Cristo, os rabinos reconheceram que alguns livros “manchavam as mãos”
isto é, eram sagrados e depois de manuseá-los era preciso purificar-se.
           O Cânon judaico, com 39 livros, foi fixado nos finais do século II d.C. Um dos
motivos que contribuiu para isso foi a Igreja Primitiva que usava o texto grego da
Bíblia, que continham 46 livros. Portanto, com os sete livros deuterocanônicos, não
aceitos pelos judeus.
Quanto ao cânon da Bíblia Católica, os autores
dos livros do Novo Testamento, ao citar textos do Antigo
Testamento, usaram todos os livros da Bíblia
Grega, inclusive os deuterocanônicos. A Igreja
Primitiva, portanto, considerou inspirados por Deus os 46
livros da Bíblia Grega e não apenas os 39 livros da Bíblia
Hebraica.
         A formação do cânon no Novo Testamento
também é complexa. O anônimo autor da Segunda Carta
de Pedro fala das coleções de cartas de cartas de
Paulo, colocando-as ao lado das “outras Escrituras”

“Ele trata disso também em todas as suas cartas, se bem
que nelas se encontrem algumas coisas difíceis, que
homens sem instrução e vacilantes deformam, para a sua
própria perdição. Aliás, é o que fazem também com as
demais Escrituras” (2Pd 3,16)
Não sabemos quantas e quais cartas ele conhecia. São Justino, nos meados do século II
depois de Cristo, afirma que os cristãos liam, nas assembléias litúrgicas, as “memórias dos
apóstolos”, isto é, os Evangelhos.
             A lista dos livros do Novo Testamento mais antiga que possuímos é o chamado Cânon de
Muratori,, no final do século II d.C. Nela faltam Hebreus, Tiago, as duas cartas de São Pedro e a
Segunda e Terceira Cartas de João.
             Um dos fatores que pode ter contribuído para a fixação do cânon no Novo Testamento foi
o herege Marcião que, em sua igreja, rejeitou todos os livros do Antigo Testamento e do Novo
Testamento e admitiu apenas o Evangelho de Lucas e as dez cartas de Paulo. Por isso alguns
concílios locais, como os de Hipona em 393 d.C e os de Catargo em 397 e 419 d.C, aprovaram
listas de livros do Antigo e do Novo Testamento, que coincidem com os cânons atuais.
             Mas o primeiro Cânon oficial da Igreja é o do Concílio Ecumênico de Florença em
1441, sob o papa Eugênio IV. Porém, a declaração definitiva do cânon bíblico só aconteceu em
1946, na IV sessão do concílio de Trento. Ali Definiu-se co cânon do Antigo Testamento com 46
livros e do Novo Testamento com 27 livros.
Critérios de
CanonidadeComo a Igreja tem certeza que esses livros são canônicos? Sem dúvida, não
foi por uma revelação especial. O Concílio Vaticano II diz que: “mediante a Tradição a
Igreja conhece o cânon inteiro dos livros sagrados” (DV 8). Isso significa que, no
processo de reconhecimento do cânon, está implícita a ação do Espírito Santo
que, segundo Jesus, levará a Igreja à Verdade Total. O mesmo Espírito, que inspirou os
autores sagrados a escrever, guia também a Igreja para reconhecer quais livros são
inspirados ou não. Além da ação do Espírito Santo, existem outros critérios
secundários.
Para os judeus, um livro era inspirado e, portanto, canônico, se fosse escrito
  por um profeta, em hebraico e em Israel. Por isso os livros chamados
  deuterocanônicos não foram aceitos pelos judeus. Ou porque foram escritos em
  grego, ou fora de Israel ou por uma pessoa que não era considerada profeta. Já os
  cristãos olharam a prática de Jesus e dos apóstolos, o uso litúrgico e a sua
  conformidade com a fé. Os livros que não são inspirados e não fazem parte de nenhum
  cânon são chamados Apócrifos.

Apócrifos: livros escritos no tempo dos demais mas que não foram escritos sobre a
inspiração de Deus e por isso, não pertence ao livro da Bíblia.
Os
Livros     Os cânones, ou lista, dos livros sagrados para cristãos, protestantes e judeus estão demonstrados
nas tabelas a seguir:
       Obs.: Os livros sublinhados são aqueles que ocupam lugares diferentes nos três cânones. Os escritos em
                                                                                negrito são deuterocanônicos.

Antigo
Testamento
   Bíblia Católica                         Bíblia Protestante                  Bíblia Hebraica
            Pentateuco                        Pentateuco                              Lei
            Gênesis                             Gênesis                            Gênesis
              Êxodo                               Êxodo                              Êxodo
             Levítico                            Levítico                           Levítico
            Números                             Números                            Números
          Deuteronômio                        Deuteronômio                       Deuteronômio
Bíblia Católica    Bíblia Protestante     Bíblia Hebraica
  Históricos           Históricos       Profetas Anteriores
       Josué              Josué               Josué
       Juízes             Juízes              Juízes
        Rute               Rute
   1 e 2 Samuel       1 e 2 Samuel          1 e 2 Samuel
     1 e 2 Reis         1 e 2 Reis            1 e 2 Reis
  1 e 2 Crônicas     1 e 2 Crônicas
       Esdras             Esdras
      Neemias            Neemias
       Tobias
       Judite
        Ester             Ester
1 e 2 Macabeus      1 e 2 Macabeus
Bíblia Católica   Bíblia Protestante
   Profetas            Profetas
     Isaías             Isaías
   Jeremias            Jeremias
 Lamentações         Lamentações
     Baruc
    Ezequiel            Ezequiel
     Daniel              Daniel
     Oséias              Oséias
      Joel                Joel
     Amós                Amós
     Abdias              Abdias
     Jonas               Jonas
   Miquéias            Miquéias
     Naum                Naum
   Habacuc             Habacuc
   Sofonias            Sofonias
      Ageu                Ageu
   Zacarias            Zacarias
   Malaquias           Malaquias
Novo
    Bíblia Católica Bíblia Protestante
Testamento  Históricos            Históricos
        Evangelho de Mateus   Evangelho de Mateus
        Evangelho de Marcos   Evangelho de Marcos
         Evangelho de Lucas    Evangelho de Lucas
         Evangelho de João     Evangelho de João
         Atos dos Apóstolos    Atos dos Apóstolos
Bíblia Católica             Bíblia Protestante
         Didáticos                      Didáticos
     Cartas aos Romanos             Cartas aos Romanos
     I Carta aos Coríntios          I Carta aos Coríntios
    II Carta aos Coríntios         II Carta aos Coríntios
       Carta aos Gálatas              Carta aos Gálatas
       Cartas aos Efésios             Cartas aos Efésios
    Cartas aos Filipenses          Cartas aos Filipenses
   Cartas aos Colossenses         Cartas aos Colossenses
I Carta aos Tessalonicenses    I Carta aos Tessalonicenses
II Carta aos Tessalonicenses   II Carta aos Tessalonicenses
        I Carta a Timótio              I Carta a Timótio
       II Carta a Timótio             II Carta a Timótio
            Carta a Tito                   Carta a Tito
         Carta a Filêmon                Carta a Filêmon
             Hebreus                        Hebreus
          Carta de Tiago                 Carta de Tiago
        I Carta de Pedro               I Carta de Pedro
       II Carta de Pedro              II Carta de Pedro
         I Carta de João                I Carta de João
        II Carta de João               II Carta de João
        III Carta de João              III Carta de João
         Carta de Judas                 Carta de Judas
Bíblia Católica   Bíblia Protestante
  Proféticos          Proféticos
  Apocalipse          Apocalipse
                      (Revelação)
A Inspiração
Por “inspiração” entendemos a ação particular de Deus sobre algumas pessoas.

Deus inspirou algumas pessoas para AGIR. Por exemplo: Abraão, Moisés e muitos outros;

Inspirou outras para FALAR. Por exemplo, os profetas

Inspirou outros para ESCREVER. Esses são os hagiógrafos, ou autores sagrados, que escreveram a
Bíblia.
Ao falar de Inspiração da Sagrada Escritura, entende-se inspiração para
escrever a Bíblia. A Igreja herdou dos judeus a crença que seus livros sagrados foram
escritos por inspiração divina.
           Não existem, no Antigo Testamento, textos explícitos que falem da inspiração
divina. Porém, à proporção que os livros do Antigo Testamento se formavam, crescia
sempre mais, entre os judeus, a crença na inspiração divina.
           Assim, o rei Josias fez uma grande reforma religiosa em Judá, baseando no livro
da Aliança, encontrado no Templo em Jerusalém (2Rs 23) . Sabemos, hoje, que esse livro é
o Deuteronômio.
           Esdras leu ao povo “o Livro da Lei de Moisés que o Senhor mandou a Israel”. Esse
livro de Moisés, hoje, é identificado com todo o Pentateuco. Os rabinos chegaram a afirmar
que a Torá (o Pentateuco), tinha sido escrita pelo próprio Deus, antes da criação do Mundo.
Por acreditar na origem divina de seus livros sagrados, os judeus ficaram conhecidos como
“Povo do Livro”.
Tanto Jesus como os apóstolos acreditavam que as Escrituras eram
livros sagrados. Várias vezes encontramos afirmações de que Deus ou o
Espírito Santo falou através de Moisés, de Davi ou dos Profetas.
          É certo que, para Jesus e para a Igreja Primitiva, as Escrituras são
livros sagrados onde se encontra a palavra de Deus.
O Concílio Vaticano II, na Constituição Dogmática Dei Verbum (III, 11), diz:

  “As verdades divinamente reveladas que estão contidas e expressas nos livros da
   Sagrada Escritura foram escritas por inspiração do Espírito Santo. A Santa Mãe
       Igreja, por fé apostólica, considera sagrados e canônicos todos os livros
inteiros, seja do Antigo como no Novo Testamento com todas as suas partes, porque
   escritos por inspiração do Espírito Santo, tem Deus por autor e como tais foram
dados a Igreja. Para a composição dos Livros Sagrados, Deus escolheu homens, dos
  quais se serviu fazendo-os usar suas próprias faculdades e capacidades, afim de
 que, Ele agindo neles, escrevessem como verdadeiros autores, tudo e só aquilo que
                            Ele queria que fossem escritos”
Resumindo, Deus é o autor da Bíblia. Mas, para dirigir o texto, serviu-se de homens. Por
isso, a Bíblia é um livro divino e humano.
             Mas como entender a inspiração? Alguns afirmam que a inspiração é um dom natural, como
oratória, a pintura, a culinária e entre outras. Para outros é um dom sobrenatural, um carisma divino,
concedido a quem Deus escolheu.
             A principio, entendeu-se a inspiração como sendo um DITADO. Deus teria ditado, palavra por
palavra, e o autor humano teria escrito tudo com fidelidade. Para outros, Deus teria inspirado apenas a
MENSAGEM, as idéias, deixando ao homem a expressão verbal das mesmas.
Hoje com base em vários documentos da Igreja, entendemos a inspiração
com a explicação da “CAUSA INSTRUMENTAL”, isto é, Deus é a causa principal e
primeira na composição da Bíblia. Foi Ele quem moveu os homens a escrever. O
homem é a causa instrumental, isto é, o instrumento de Deus para escrever o texto.
Quando escrevemos, a ação é da caneta ou do lápis. Mas eles não escrevem sem a
nossa contribuição. Assim o resultado de um texto é da pessoa e também da caneta.
Porém, o homem não pode ser comparado à caneta ou a qualquer outro
instrumento, porque ele possui vontade própria, imaginação, memória, fantasia e etc. Não é um
instrumento passivo e inerte na mão de Deus. É sim, um instrumento, mas um instrumento ativo, e por
isso escreveu, como verdadeiro autor, tudo o que o autor principal, Deus, queria. A Bíblia é, pois, um
livro divino porque Deus é seu autor principal, mas também um livro humano, pois é fruto da ação do
homem.
             A inspiração incide sobre todas as faculdades do
escritor, imaginação, conhecimento, memória, vontade e faculdades executivas. Porém, cada autor
humano continuou filho do seu tempo, de sua cultura e escreveu com os conhecimentos que possuía. O
texto bíblico reflete o estilo e a cultura de cada autor humano. Não existe livro mais inspirado que
outro. Existem, sim, autores humanos diferentes entre si, vivendo em épocas e lugares diferentes, com
graus de cultura diferentes. Os “erros” de história, geografia, ciências e outros que encontramos na
Bíblia se devem a limitação dos autores humanos
Sabemos que a Sagrada Escritura é obra de muitas pessoas. Todas elas, desde que
influíram no texto sagrado, foram inspiradas, mesmo que a contribuição do autor tenha sido uma frase,
um retoque. Do mesmo modo, todos os livros inteiros são inspirados. A inspiração atinge a totalidade
da Bíblia e não só algumas partes mais importantes.
            A conseqüência mais importante da inspiração é que a Bíblia, por ter Deus como autor
principal, não pode conter erro algum, até pouco tempo atrás falava-se de IERRANCIA , isto é, a
ausência de erro na Bíblia. Mas basta ler alguns textos para se notar uma série de erros nos mais
diversos assuntos. Hoje após o Concilio Vaticano II, fala-se de VERDADE BÍBLICA. A Bíblia não é um livro
de história, nem de ciências naturais ou de psicologia.
A Verdade que a Bíblia quer ensinar é religiosa, importante para nossa
salvação. Portanto, não devemos procurar nela outras verdades. Os erros que
ela contem são devidos aos conhecimentos limitados de seus autores humanos.
Aliás, não deveríamos falar em erros mas em ignorância. O erro existe quando,
sabendo a verdade, se ensina o falso. A ignorância consiste em não saber e em
não afirmar . Os autores humanos não pretendiam ensinar o falso, mas
ignoravam muitas coisas que nós hoje conhecemos.
A verdade bíblica não deve ser buscada em apenas um versículo, parágrafo ou capitulo da
Bíblia. Deve ser buscada na sua totalidade. Porque Deus não se revela de uma só vez. Mas o faz aos
poucos, à proporção que o homem pode compreender. Houve um progresso na revelação e na
pedagogia divina. Por isso a moral do Antigo Testamento é imperfeita em comparação com a moral
evangélica. O próprio mistério de Deus vai se esclarecendo pouco a pouco. A Abraão, Deus se revela
como um entre muitos outros deuses. A Moisés, como o único Deus. Somente Jesus nos revela o
mistério profundo de Deus Uno e Trino. Portanto, é preciso tomar a Bíblia na sua totalidade para
conhecer a verdade que Deus quis que fosse escrita para a nossa Salvação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Luan Almeida
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
Viva a Igreja
 
Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1
Moisés Sampaio
 
4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I
Jefferson Evangelista
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
Alípio Vallim
 
Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2
Moisés Sampaio
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
faculdadeteologica
 
A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
estudo sobre as epístolas gerais
estudo sobre as epístolas geraisestudo sobre as epístolas gerais
estudo sobre as epístolas gerais
RODRIGO FERREIRA
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
Moisés Sampaio
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhos
André Rocha
 
(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíblia(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíblia
GlauciaSlides
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Coop. Fabio Silva
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
Sergio Silva
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
Eriovaldo Santin
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
Adriano Pascoa
 
3 aula administração e liderança crista com ética
3 aula administração e liderança crista com ética3 aula administração e liderança crista com ética
3 aula administração e liderança crista com ética
RODRIGO FERREIRA
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1Evangelhos sinóticos aula1
Evangelhos sinóticos aula1
 
4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I4º Aula de Epístolas Paulinas I
4º Aula de Epístolas Paulinas I
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
 
Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
 
estudo sobre as epístolas gerais
estudo sobre as epístolas geraisestudo sobre as epístolas gerais
estudo sobre as epístolas gerais
 
Livros Históricos
Livros  HistóricosLivros  Históricos
Livros Históricos
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhos
 
(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíblia(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíblia
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna Aula 6 - A Igreja Moderna
Aula 6 - A Igreja Moderna
 
3 aula administração e liderança crista com ética
3 aula administração e liderança crista com ética3 aula administração e liderança crista com ética
3 aula administração e liderança crista com ética
 
5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas5. O Evangelho de Lucas
5. O Evangelho de Lucas
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
 

Destaque

Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Francisco Sales
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
Robson Rocha
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
DimensaoCatolica
 
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
José Santos
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
CursosTeologicos
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
Antonio Marcos
 
Introdução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia pptIntrodução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia ppt
Gilson Barbosa
 
Cap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das Escrituras
Cap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das EscriturasCap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das Escrituras
Cap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das Escrituras
Petula
 
Microsoft Power Point Aula De BíBlia Sagrada 5º Ano
Microsoft Power Point   Aula De BíBlia Sagrada 5º AnoMicrosoft Power Point   Aula De BíBlia Sagrada 5º Ano
Microsoft Power Point Aula De BíBlia Sagrada 5º Ano
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
Jocarli Junior
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
Rosana Eugenio Dos Santos
 
A Questão dos Livros Apócrifos
A Questão dos Livros ApócrifosA Questão dos Livros Apócrifos
A Questão dos Livros Apócrifos
Robson Santana
 
Aula 3 as características da canonicidade
Aula 3   as características da canonicidadeAula 3   as características da canonicidade
Aula 3 as características da canonicidade
luizadell
 
Sola Scriptura - Paulo Anglada
Sola Scriptura - Paulo AngladaSola Scriptura - Paulo Anglada
Sola Scriptura - Paulo Anglada
Hilton da Silva
 
Bibliologia - Inerrância
Bibliologia - InerrânciaBibliologia - Inerrância
Bibliologia - Inerrância
Dilean Melo
 
EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...
EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...
EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de TiranoAula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Romulo Andalécio
 
Os Iluminatis
Os IluminatisOs Iluminatis

Destaque (20)

Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
 
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
 
Introdução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia pptIntrodução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia ppt
 
Cap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das Escrituras
Cap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das EscriturasCap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das Escrituras
Cap 2 InspiraçãO, IluminaçãO E Unidade Das Escrituras
 
Microsoft Power Point Aula De BíBlia Sagrada 5º Ano
Microsoft Power Point   Aula De BíBlia Sagrada 5º AnoMicrosoft Power Point   Aula De BíBlia Sagrada 5º Ano
Microsoft Power Point Aula De BíBlia Sagrada 5º Ano
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
A Questão dos Livros Apócrifos
A Questão dos Livros ApócrifosA Questão dos Livros Apócrifos
A Questão dos Livros Apócrifos
 
Aula 3 as características da canonicidade
Aula 3   as características da canonicidadeAula 3   as características da canonicidade
Aula 3 as características da canonicidade
 
Sola Scriptura - Paulo Anglada
Sola Scriptura - Paulo AngladaSola Scriptura - Paulo Anglada
Sola Scriptura - Paulo Anglada
 
Bibliologia - Inerrância
Bibliologia - InerrânciaBibliologia - Inerrância
Bibliologia - Inerrância
 
EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...
EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...
EBD CPAD Lições bíblicas 4°trimestre 2015 lição 9 benção e maldição na famíli...
 
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de TiranoAula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
Aula- Teologia Sistemática/Bibliologia - Instituto Bíblico de Tirano
 
Os Iluminatis
Os IluminatisOs Iluminatis
Os Iluminatis
 

Semelhante a Aula 2 cânon bíblico

Ebd escrituras sagradas 02
Ebd escrituras sagradas 02Ebd escrituras sagradas 02
Ebd escrituras sagradas 02
Dagmar Wendt
 
1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt
Douglas Ferreira Do Nascimento
 
Formação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdfFormação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdf
Priscila Puga
 
Livros deuterocanônicos
Livros deuterocanônicosLivros deuterocanônicos
Livros deuterocanônicos
Alessandro Ferreira
 
05 A Bíblia
05  A Bíblia05  A Bíblia
05 A Bíblia
Léo Mendonça
 
Introdução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoIntrodução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizado
Viva a Igreja
 
Curso básico de teologia aula 01 ver9
Curso básico de teologia   aula 01 ver9Curso básico de teologia   aula 01 ver9
Curso básico de teologia aula 01 ver9
emilsonribeiro
 
Estudo bíblico - Apocalipse
Estudo bíblico - ApocalipseEstudo bíblico - Apocalipse
Estudo bíblico - Apocalipse
Filipe Monnerat
 
Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2
Jovens Do Caminho
 
Apostilavidanova
ApostilavidanovaApostilavidanova
Apostilavidanova
Waldecy Jose da Silva
 
Livros apócrifos
Livros apócrifosLivros apócrifos
Livros apócrifos
Ana Oliveira
 
A bíblia fonte de comunhão
A bíblia fonte de comunhãoA bíblia fonte de comunhão
A bíblia fonte de comunhão
Alexandre Ribeiro
 
Sagrada escritura
Sagrada escrituraSagrada escritura
Sagrada escritura
Blog VALDERI
 
Aula - A Bíblia Católica.pdf
Aula - A Bíblia Católica.pdfAula - A Bíblia Católica.pdf
Aula - A Bíblia Católica.pdf
kyllaFernanda1
 
Aula 2 - Parte B
Aula 2 - Parte BAula 2 - Parte B
Aula 2 - Parte B
Darlene Cesar
 
Introdução à bíblia
Introdução à bíbliaIntrodução à bíblia
Introdução à bíblia
Marcos Antonio da Silva
 
A bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismoA bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismo
grupodepaisceb
 
Panorama do NT - Introdução
Panorama do NT - IntroduçãoPanorama do NT - Introdução
Panorama do NT - Introdução
Respirando Deus
 
0 a bíblia
0 a bíblia0 a bíblia
0 a bíblia
Pib Penha
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Viva a Igreja
 

Semelhante a Aula 2 cânon bíblico (20)

Ebd escrituras sagradas 02
Ebd escrituras sagradas 02Ebd escrituras sagradas 02
Ebd escrituras sagradas 02
 
1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt1. Introdução ao Pentateuco.ppt
1. Introdução ao Pentateuco.ppt
 
Formação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdfFormação do Cânon.pdf
Formação do Cânon.pdf
 
Livros deuterocanônicos
Livros deuterocanônicosLivros deuterocanônicos
Livros deuterocanônicos
 
05 A Bíblia
05  A Bíblia05  A Bíblia
05 A Bíblia
 
Introdução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizadoIntrodução Bíblica - atualizado
Introdução Bíblica - atualizado
 
Curso básico de teologia aula 01 ver9
Curso básico de teologia   aula 01 ver9Curso básico de teologia   aula 01 ver9
Curso básico de teologia aula 01 ver9
 
Estudo bíblico - Apocalipse
Estudo bíblico - ApocalipseEstudo bíblico - Apocalipse
Estudo bíblico - Apocalipse
 
Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2Bibliologia Parte 2
Bibliologia Parte 2
 
Apostilavidanova
ApostilavidanovaApostilavidanova
Apostilavidanova
 
Livros apócrifos
Livros apócrifosLivros apócrifos
Livros apócrifos
 
A bíblia fonte de comunhão
A bíblia fonte de comunhãoA bíblia fonte de comunhão
A bíblia fonte de comunhão
 
Sagrada escritura
Sagrada escrituraSagrada escritura
Sagrada escritura
 
Aula - A Bíblia Católica.pdf
Aula - A Bíblia Católica.pdfAula - A Bíblia Católica.pdf
Aula - A Bíblia Católica.pdf
 
Aula 2 - Parte B
Aula 2 - Parte BAula 2 - Parte B
Aula 2 - Parte B
 
Introdução à bíblia
Introdução à bíbliaIntrodução à bíblia
Introdução à bíblia
 
A bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismoA bíblia e o espiritismo
A bíblia e o espiritismo
 
Panorama do NT - Introdução
Panorama do NT - IntroduçãoPanorama do NT - Introdução
Panorama do NT - Introdução
 
0 a bíblia
0 a bíblia0 a bíblia
0 a bíblia
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
 

Último

edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 

Último (20)

edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
5 - A justiça do cristão. Mateus 5.20 Pois eu digo que, se a justiça de vocês...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 

Aula 2 cânon bíblico

  • 2. Cânon Bíblico é a lista de todos os livros da Bíblia. Canôn vem de cana que era usada como metro, medida. Daí a palavra passou a ser usada também como norma, regra de verdade ou de fé. Os livros da Bíblia foram chamados de “canônicos” a partir do século IV, porque foram reconhecidos como normativos para a fé e a vida dos fiéis.
  • 3. Para o Antigo Testamento existem dois cânones: O Cânon Alexandrino (ou longo): com 46 livros, presentes na Bíblia Católica; O Cânon Palestinense (ou curto) com 39 livros, presentes nas Bíblias Hebraica e Protestante; Para o Novo Testamento, o cânon é o mesmo para católicos e protestantes contendo 27 livros.
  • 4. Tendo em vista a aceitação ou não no Cânon, os livros da Bíblia são chamados de Protocanônicos e Deuterocanônicos. Protocanônicos: são os livros presentes nas três Bíblias (Católica, Hebraica e Protestante). Isto é, aqueles livros que foram considerados inspirados por Deus, sempre e por todos. Deuterocanônicos: são os livros cuja inspiração foi objetos de debates e que são aceitos por um e rejeitados por outros. Encontram-se somente na Bíblia Católica.
  • 5. Formação do Cânon É muito fácil refazer a história do cânon do Antigo Testamento; sabemos que pelo ano de 130 a.C., o tradutor do livro de Eclesiástico do hebraico para o grego sabia da existência de três grupos de livros que eram o tesouro de Israel: a lei, os Profetas e os Escritos. O primeiro e o segundo grupo já estavam bem definidos. Quanto aos escritos, ainda no tempo de Jesus, havia incertezas. No final do primeiro século depois de Cristo, os rabinos reconheceram que alguns livros “manchavam as mãos” isto é, eram sagrados e depois de manuseá-los era preciso purificar-se. O Cânon judaico, com 39 livros, foi fixado nos finais do século II d.C. Um dos motivos que contribuiu para isso foi a Igreja Primitiva que usava o texto grego da Bíblia, que continham 46 livros. Portanto, com os sete livros deuterocanônicos, não aceitos pelos judeus.
  • 6. Quanto ao cânon da Bíblia Católica, os autores dos livros do Novo Testamento, ao citar textos do Antigo Testamento, usaram todos os livros da Bíblia Grega, inclusive os deuterocanônicos. A Igreja Primitiva, portanto, considerou inspirados por Deus os 46 livros da Bíblia Grega e não apenas os 39 livros da Bíblia Hebraica. A formação do cânon no Novo Testamento também é complexa. O anônimo autor da Segunda Carta de Pedro fala das coleções de cartas de cartas de Paulo, colocando-as ao lado das “outras Escrituras” “Ele trata disso também em todas as suas cartas, se bem que nelas se encontrem algumas coisas difíceis, que homens sem instrução e vacilantes deformam, para a sua própria perdição. Aliás, é o que fazem também com as demais Escrituras” (2Pd 3,16)
  • 7. Não sabemos quantas e quais cartas ele conhecia. São Justino, nos meados do século II depois de Cristo, afirma que os cristãos liam, nas assembléias litúrgicas, as “memórias dos apóstolos”, isto é, os Evangelhos. A lista dos livros do Novo Testamento mais antiga que possuímos é o chamado Cânon de Muratori,, no final do século II d.C. Nela faltam Hebreus, Tiago, as duas cartas de São Pedro e a Segunda e Terceira Cartas de João. Um dos fatores que pode ter contribuído para a fixação do cânon no Novo Testamento foi o herege Marcião que, em sua igreja, rejeitou todos os livros do Antigo Testamento e do Novo Testamento e admitiu apenas o Evangelho de Lucas e as dez cartas de Paulo. Por isso alguns concílios locais, como os de Hipona em 393 d.C e os de Catargo em 397 e 419 d.C, aprovaram listas de livros do Antigo e do Novo Testamento, que coincidem com os cânons atuais. Mas o primeiro Cânon oficial da Igreja é o do Concílio Ecumênico de Florença em 1441, sob o papa Eugênio IV. Porém, a declaração definitiva do cânon bíblico só aconteceu em 1946, na IV sessão do concílio de Trento. Ali Definiu-se co cânon do Antigo Testamento com 46 livros e do Novo Testamento com 27 livros.
  • 8. Critérios de CanonidadeComo a Igreja tem certeza que esses livros são canônicos? Sem dúvida, não foi por uma revelação especial. O Concílio Vaticano II diz que: “mediante a Tradição a Igreja conhece o cânon inteiro dos livros sagrados” (DV 8). Isso significa que, no processo de reconhecimento do cânon, está implícita a ação do Espírito Santo que, segundo Jesus, levará a Igreja à Verdade Total. O mesmo Espírito, que inspirou os autores sagrados a escrever, guia também a Igreja para reconhecer quais livros são inspirados ou não. Além da ação do Espírito Santo, existem outros critérios secundários.
  • 9. Para os judeus, um livro era inspirado e, portanto, canônico, se fosse escrito por um profeta, em hebraico e em Israel. Por isso os livros chamados deuterocanônicos não foram aceitos pelos judeus. Ou porque foram escritos em grego, ou fora de Israel ou por uma pessoa que não era considerada profeta. Já os cristãos olharam a prática de Jesus e dos apóstolos, o uso litúrgico e a sua conformidade com a fé. Os livros que não são inspirados e não fazem parte de nenhum cânon são chamados Apócrifos. Apócrifos: livros escritos no tempo dos demais mas que não foram escritos sobre a inspiração de Deus e por isso, não pertence ao livro da Bíblia.
  • 10. Os Livros Os cânones, ou lista, dos livros sagrados para cristãos, protestantes e judeus estão demonstrados nas tabelas a seguir: Obs.: Os livros sublinhados são aqueles que ocupam lugares diferentes nos três cânones. Os escritos em negrito são deuterocanônicos. Antigo Testamento Bíblia Católica Bíblia Protestante Bíblia Hebraica Pentateuco Pentateuco Lei Gênesis Gênesis Gênesis Êxodo Êxodo Êxodo Levítico Levítico Levítico Números Números Números Deuteronômio Deuteronômio Deuteronômio
  • 11. Bíblia Católica Bíblia Protestante Bíblia Hebraica Históricos Históricos Profetas Anteriores Josué Josué Josué Juízes Juízes Juízes Rute Rute 1 e 2 Samuel 1 e 2 Samuel 1 e 2 Samuel 1 e 2 Reis 1 e 2 Reis 1 e 2 Reis 1 e 2 Crônicas 1 e 2 Crônicas Esdras Esdras Neemias Neemias Tobias Judite Ester Ester 1 e 2 Macabeus 1 e 2 Macabeus
  • 12. Bíblia Católica Bíblia Protestante Profetas Profetas Isaías Isaías Jeremias Jeremias Lamentações Lamentações Baruc Ezequiel Ezequiel Daniel Daniel Oséias Oséias Joel Joel Amós Amós Abdias Abdias Jonas Jonas Miquéias Miquéias Naum Naum Habacuc Habacuc Sofonias Sofonias Ageu Ageu Zacarias Zacarias Malaquias Malaquias
  • 13. Novo Bíblia Católica Bíblia Protestante Testamento Históricos Históricos Evangelho de Mateus Evangelho de Mateus Evangelho de Marcos Evangelho de Marcos Evangelho de Lucas Evangelho de Lucas Evangelho de João Evangelho de João Atos dos Apóstolos Atos dos Apóstolos
  • 14. Bíblia Católica Bíblia Protestante Didáticos Didáticos Cartas aos Romanos Cartas aos Romanos I Carta aos Coríntios I Carta aos Coríntios II Carta aos Coríntios II Carta aos Coríntios Carta aos Gálatas Carta aos Gálatas Cartas aos Efésios Cartas aos Efésios Cartas aos Filipenses Cartas aos Filipenses Cartas aos Colossenses Cartas aos Colossenses I Carta aos Tessalonicenses I Carta aos Tessalonicenses II Carta aos Tessalonicenses II Carta aos Tessalonicenses I Carta a Timótio I Carta a Timótio II Carta a Timótio II Carta a Timótio Carta a Tito Carta a Tito Carta a Filêmon Carta a Filêmon Hebreus Hebreus Carta de Tiago Carta de Tiago I Carta de Pedro I Carta de Pedro II Carta de Pedro II Carta de Pedro I Carta de João I Carta de João II Carta de João II Carta de João III Carta de João III Carta de João Carta de Judas Carta de Judas
  • 15. Bíblia Católica Bíblia Protestante Proféticos Proféticos Apocalipse Apocalipse (Revelação)
  • 17. Por “inspiração” entendemos a ação particular de Deus sobre algumas pessoas. Deus inspirou algumas pessoas para AGIR. Por exemplo: Abraão, Moisés e muitos outros; Inspirou outras para FALAR. Por exemplo, os profetas Inspirou outros para ESCREVER. Esses são os hagiógrafos, ou autores sagrados, que escreveram a Bíblia.
  • 18. Ao falar de Inspiração da Sagrada Escritura, entende-se inspiração para escrever a Bíblia. A Igreja herdou dos judeus a crença que seus livros sagrados foram escritos por inspiração divina. Não existem, no Antigo Testamento, textos explícitos que falem da inspiração divina. Porém, à proporção que os livros do Antigo Testamento se formavam, crescia sempre mais, entre os judeus, a crença na inspiração divina. Assim, o rei Josias fez uma grande reforma religiosa em Judá, baseando no livro da Aliança, encontrado no Templo em Jerusalém (2Rs 23) . Sabemos, hoje, que esse livro é o Deuteronômio. Esdras leu ao povo “o Livro da Lei de Moisés que o Senhor mandou a Israel”. Esse livro de Moisés, hoje, é identificado com todo o Pentateuco. Os rabinos chegaram a afirmar que a Torá (o Pentateuco), tinha sido escrita pelo próprio Deus, antes da criação do Mundo. Por acreditar na origem divina de seus livros sagrados, os judeus ficaram conhecidos como “Povo do Livro”.
  • 19. Tanto Jesus como os apóstolos acreditavam que as Escrituras eram livros sagrados. Várias vezes encontramos afirmações de que Deus ou o Espírito Santo falou através de Moisés, de Davi ou dos Profetas. É certo que, para Jesus e para a Igreja Primitiva, as Escrituras são livros sagrados onde se encontra a palavra de Deus.
  • 20. O Concílio Vaticano II, na Constituição Dogmática Dei Verbum (III, 11), diz: “As verdades divinamente reveladas que estão contidas e expressas nos livros da Sagrada Escritura foram escritas por inspiração do Espírito Santo. A Santa Mãe Igreja, por fé apostólica, considera sagrados e canônicos todos os livros inteiros, seja do Antigo como no Novo Testamento com todas as suas partes, porque escritos por inspiração do Espírito Santo, tem Deus por autor e como tais foram dados a Igreja. Para a composição dos Livros Sagrados, Deus escolheu homens, dos quais se serviu fazendo-os usar suas próprias faculdades e capacidades, afim de que, Ele agindo neles, escrevessem como verdadeiros autores, tudo e só aquilo que Ele queria que fossem escritos”
  • 21. Resumindo, Deus é o autor da Bíblia. Mas, para dirigir o texto, serviu-se de homens. Por isso, a Bíblia é um livro divino e humano. Mas como entender a inspiração? Alguns afirmam que a inspiração é um dom natural, como oratória, a pintura, a culinária e entre outras. Para outros é um dom sobrenatural, um carisma divino, concedido a quem Deus escolheu. A principio, entendeu-se a inspiração como sendo um DITADO. Deus teria ditado, palavra por palavra, e o autor humano teria escrito tudo com fidelidade. Para outros, Deus teria inspirado apenas a MENSAGEM, as idéias, deixando ao homem a expressão verbal das mesmas.
  • 22. Hoje com base em vários documentos da Igreja, entendemos a inspiração com a explicação da “CAUSA INSTRUMENTAL”, isto é, Deus é a causa principal e primeira na composição da Bíblia. Foi Ele quem moveu os homens a escrever. O homem é a causa instrumental, isto é, o instrumento de Deus para escrever o texto. Quando escrevemos, a ação é da caneta ou do lápis. Mas eles não escrevem sem a nossa contribuição. Assim o resultado de um texto é da pessoa e também da caneta.
  • 23. Porém, o homem não pode ser comparado à caneta ou a qualquer outro instrumento, porque ele possui vontade própria, imaginação, memória, fantasia e etc. Não é um instrumento passivo e inerte na mão de Deus. É sim, um instrumento, mas um instrumento ativo, e por isso escreveu, como verdadeiro autor, tudo o que o autor principal, Deus, queria. A Bíblia é, pois, um livro divino porque Deus é seu autor principal, mas também um livro humano, pois é fruto da ação do homem. A inspiração incide sobre todas as faculdades do escritor, imaginação, conhecimento, memória, vontade e faculdades executivas. Porém, cada autor humano continuou filho do seu tempo, de sua cultura e escreveu com os conhecimentos que possuía. O texto bíblico reflete o estilo e a cultura de cada autor humano. Não existe livro mais inspirado que outro. Existem, sim, autores humanos diferentes entre si, vivendo em épocas e lugares diferentes, com graus de cultura diferentes. Os “erros” de história, geografia, ciências e outros que encontramos na Bíblia se devem a limitação dos autores humanos
  • 24. Sabemos que a Sagrada Escritura é obra de muitas pessoas. Todas elas, desde que influíram no texto sagrado, foram inspiradas, mesmo que a contribuição do autor tenha sido uma frase, um retoque. Do mesmo modo, todos os livros inteiros são inspirados. A inspiração atinge a totalidade da Bíblia e não só algumas partes mais importantes. A conseqüência mais importante da inspiração é que a Bíblia, por ter Deus como autor principal, não pode conter erro algum, até pouco tempo atrás falava-se de IERRANCIA , isto é, a ausência de erro na Bíblia. Mas basta ler alguns textos para se notar uma série de erros nos mais diversos assuntos. Hoje após o Concilio Vaticano II, fala-se de VERDADE BÍBLICA. A Bíblia não é um livro de história, nem de ciências naturais ou de psicologia.
  • 25. A Verdade que a Bíblia quer ensinar é religiosa, importante para nossa salvação. Portanto, não devemos procurar nela outras verdades. Os erros que ela contem são devidos aos conhecimentos limitados de seus autores humanos. Aliás, não deveríamos falar em erros mas em ignorância. O erro existe quando, sabendo a verdade, se ensina o falso. A ignorância consiste em não saber e em não afirmar . Os autores humanos não pretendiam ensinar o falso, mas ignoravam muitas coisas que nós hoje conhecemos.
  • 26. A verdade bíblica não deve ser buscada em apenas um versículo, parágrafo ou capitulo da Bíblia. Deve ser buscada na sua totalidade. Porque Deus não se revela de uma só vez. Mas o faz aos poucos, à proporção que o homem pode compreender. Houve um progresso na revelação e na pedagogia divina. Por isso a moral do Antigo Testamento é imperfeita em comparação com a moral evangélica. O próprio mistério de Deus vai se esclarecendo pouco a pouco. A Abraão, Deus se revela como um entre muitos outros deuses. A Moisés, como o único Deus. Somente Jesus nos revela o mistério profundo de Deus Uno e Trino. Portanto, é preciso tomar a Bíblia na sua totalidade para conhecer a verdade que Deus quis que fosse escrita para a nossa Salvação