SlideShare uma empresa Scribd logo
A INSPIRAÇÃO DE PEDRO
OBS: 1 TRAIU , 1 NEGOU, 9 FUGIRAM, SÓ 1 FICOU AO LADO DE MARIA
A inspiração de pedro 1
O TRABALHO DE JESUS FICARIA MAIS FÁCIL SE ELE ESCOLHESSE 12 ARCANJOS , MAS FORAM ESCOLHIDOS HOMENS RUDES, IMPULSIVOS
E IMPREVISÍVEIS . ASSIM NOS SENTIMOS IDENTIFICADOS COM ELES. HAROLDO DUTRA DIAS
NA ÉPOCA DE JESUS CRISTO EXISTIAM APROXIMADAMENTE MIL PESSOAS COM O NOME DE JESUS, QUE ERA MUITO COMU
A inspiração de pedro 1
Iluminado por inspiração superior,
Pedro age como médium perfeitamente
associado às forças do bem quando
reconhece, em Jesus, o Messias Divino.
PEDRO DISSE FILHO DO DEUS VIVO PORQUE MUITOS, NAQUELA ÉPOCA,
ADORAVAM VÁRIOS OUTROS DEUSES
E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado
és tu, Simão Bar jonas, porque não foi carne e
sangue quem te revelou, mas meu Pai, que está nos
céus.
Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre
esta pedra edificarei a minha igreja.
Então, mandou aos seus discípulos que a ninguém
dissessem que ele era o Cristo. (Mateus 16: 13-20).
PEDRO EM GREGO : PETROS
PEDRA EM GREGO : PETRAS
O fragmento da rocha era Pedro, mas o Rochedo
Firme e Inabalável era Cristo Jesus.
FILHO
As cartas escritas por Pedro
Pedro escreveu 2 cartas que estão
na Bíblia, a 1ª e 2ª Epístolas de
Pedro.
Estas foram destinadas aos cristãos
espalhados pela Ásia Menor, com o
intuito de instruir, animar e fortalecê-
los espiritualmente.
Essas cartas pertencem aos últimos
períodos da vida de Pedro e são
provas de sua obediência a 2 ordens
diretas de Jesus:
Fortalecer os irmãos (Lucas 22:32) e
Interpretação do texto evangélico
» E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os
seus discípulos, dizendo... (Mt 16:13).
É importante considerar, a propósito, que Jesus sempre valorizou
as circunstâncias para ensinar com acerto.
Daí ser usual encontrarmos no seu Evangelho verbos flexionados
no gerúndio, tais como: chegando, partindo, falando, voltando, etc.
Cesaréia de Filipe era um lugar pacato e
afastado, situado ao pé do monte Hermon,
norte da Palestina.
Distante do foco político e religioso das
demais cidades e povoados.
Lugar ideal para as pessoas emitirem
suas opiniões, falando despreocupadamente
e de forma autêntica.
Expressando os reais sentimentos e
idéias.
“interrogou os seus discípulos”
Jesus procurava medir o nível de aprendizado
desenvolvido pelos seus discípulos em relação às suas
orientações. Ex: Herval
O Mestre, como todos os demais benfeitores que nos
tutelam com amor, acompanham de perto o nosso
desenvolvimento, verificando se nós, efetivamente,
estamos seguindo os seus passos.
Os discípulos devem se portar como atentos observadores do seu orientador
(guia ou mestre) e dos ensinamentos que este lhes transmite como diretrizes de
vida.
Ao interrogá-los, Jesus deu a entender que eles deveriam se posicionar como
observadores atentos.
Esta é também a proposta da Doutrina Espírita quando, pela fé raciocinada,
nos fornece seguros padrões de conhecimento que impulsionam a nossa melhoria
espiritual e a nossa posição evolutiva.
Além disso, a fé raciocinada viabiliza condições para entender e respeitar o
grau de progresso de cada criatura que nos compartilha a existência.
O Filho do Homem é, portanto, o exemplo de perfeição que podemos aspirar.
É aquele que nasce, cresce e se evidencia pela capacidade de transformação
de si mesmo, sob a tutela amorável de Deus. Ex: Judas
A inspiração de pedro 1
E eles disseram: Uns dizem que és
João Batista; outros, Elias; e outros,
Jeremias ou um dos profetas (Mt
16:14).
Este texto evidencia que a idéia da
reencarnação era corrente à época.
Faltava, no entanto, um maior
entendimento dos seus processos.
Tal como acontece nos dias atuais,
é significativo o número de pessoas
que entende e aceita a idéia da
reencarnação,
mas nem sempre compreende os
seus mecanismos.
Estudando os ensinos de Jesus, à luz do entendimento
espírita, aprendemos a compreendê-lo sem misticismos,
religiosidade perniciosa ou fanatismo, mas enxergando que o
seu Evangelho é Cartilha de Vida.
ANA WOLFF , PSIQUIATRA, DISSE : O EVANGELHO DE JESUS É A MELHOR PSICOTERAPIA DO MUNDO.
Recordemos que como candidatos ao esforço de renovação
com o Cristo, seremos testados continuamente, convocados a
dar o testemunho da nossa fidelidade aos princípios que
acatamos como regra de vida, tal como ocorreu aos discípulos
de Jesus.
“ Meu Pai que está nos céus”.
Não se trata, aqui, do céu religioso, tradicional, dos compêndios espirituais da retaguarda,
fundamentados em interpretações teológicas e dogmáticas.
Urge compreender “céus” como um estado vibracional da alma, em sua feição positiva de amor.
São “céus” que se expressam no que existe de bom, de belo, de equilibrado e de harmônico,
na medida em que avançamos em conhecimento e moralidade, pelo trabalho incessante.
A verdadeira percepção de Deus e do reino dos céus é atributo dos Espíritos crísticos, como
Jesus.
Os puros Espíritos são os mensageiros de Deus pela transmissão e execução das suas vontades.
Preenchem as grandes missões, presidem à formação dos mundos e à harmonia geral do
Universo, tarefa gloriosa a que se não chega senão pela perfeição. 1
JESUS: O REINO DOS CÉUS É A OBRA DE DEUS NO CORAÇÃO DOS HOMENS.
Sabemos que após a crucificação de
Jesus, Pedro inicia, em Jerusalém, a
missão de divulgar o Evangelho que
lhe fora confiado pelo Senhor.
Mais tarde ao lado de Paulo em
Roma, Pedro articula os trabalhos
evangélicos que se desenvolviam na
grande cidade trabalhando fielmente
até cair vítima da perseguição.” 8
O amor monogâmico só deve existir
entre o casal;
Fora isso, deve ser poligâmico.
Quanto mais pessoas amarmos como
Irmãos em Cristo mais nos
aproximaremos
De Deus.
Richard Simonetti
A promessa do Cristo é atemporal e sempre estará
disponível.
Cabe a nós abrirmos as portas do entendimento, e
alcançar a libertação por meio dos recursos seguros do
Evangelho.
QUANDO PEDRO CUROU A FILHA DE UM SOLDADO ROMANO QUE O TINHA APEDREJADO SEMANAS ANTES,
PRA FINALIZAR:
Muitos desejam o Céu, mas não pretendem tirar os pés do chão.
Anulam, assim, qualquer possibilidade de sintonia com os amigos invisíveis e reclamam que
foram abandonados quando seus excessos geram a perturbação.
Muitos se preparam no Mundo Espiritual para marchar na vanguarda;
Mas esquecem a exemplificação e acabam estacionados nas trevas da retaguarda.
Para que tão lamentáveis enganos sejam evitados, encontramos nos postulados da Doutrina dos
Espíritos as mais severas advertências.
Muitos abandonarão a tarefa, arrastados para o desequilíbrio pelas influências inferiores que
insistiram em prestigiar.
Gostariam de ser “grandes aos olhos do Senhor”, como João, o Batista.
Esquecem-se, entretanto, de que sua grandeza não foi mero fruto da graça divina, mas sim
de muita disciplina, perseverança e transpiração nos trabalhos do bem.
Reformador – fevereiro, 1965
1. KARDEC, Allan. O céu e o inferno. Tradução de Manuel Justiniano Quintão. 58. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005.
Primeira parte, cap. 3, item 12, p. 34.
2. . Cap. 10, item 19, p. 154.
3. . O evangelho segundo o espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 124. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 4,
item 4, p. 84.
4. . Cap. Cap. 14, item 4, p. 236.
5. . A gênese. Tradução de Guillon Ribeiro. 48. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 17, item 28, p. 379.
6. . O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86 ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005, questão 621, p. 307.
7. . Questão 625, p. 308.
8.RIGONATTI, Eliseu. O evangelho dos humildes. 15. ed. São Paulo: Pensamento - Cultrix, 2003. Item: A confissão
de Pedro, p. 155.
9.XAVIER, F. Cândido e VIEIRA, Waldo. Opinião espírita. Pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz. 4. ed. Uberaba:
1973. Cap. 2 (O mestre e o apóstolo – mensagem ditada por Emmanuel), p. 25.
10.XAVIER, Francisco Cândido. Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. 24. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Cap. 7
(Aos discípulos), p. 31-32.
11. palestra do Haroldo Dutra Dias em Amparo /SP. 2016
12.Palestra do Reverendo Hernandes dias lopes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
Denise Aguiar
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
Marilice Passos
 
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodasPalestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Divulgador do Espiritismo
 
Genese cap 01 de 1 a 29
Genese cap 01  de 1 a 29Genese cap 01  de 1 a 29
Genese cap 01 de 1 a 29
Fernando A. O. Pinto
 
Parabola do festim das bodas
Parabola do festim das bodasParabola do festim das bodas
Parabola do festim das bodas
Henrique Vieira
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
Livio Sousa
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
home
 
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursorAula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
JoyAlbanez
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
Norberto Tomasini Jr
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Ricardo Azevedo
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
Claudio Macedo
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
grupodepaisceb
 
Parabola do Joio e do Trigo
Parabola do Joio e do TrigoParabola do Joio e do Trigo
Parabola do Joio e do Trigo
Patricia Farias
 
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira SecaEvangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
Antonino Silva
 
Natal palestra
Natal palestraNatal palestra
Natal palestra
Izabel Cristina Fonseca
 
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueireEvangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Antonino Silva
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Fábio Paiva
 
O papel da ciencia na genese
  O papel da ciencia na genese  O papel da ciencia na genese
O papel da ciencia na genese
carlos freire
 
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATALVISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
Jorge Luiz dos Santos
 
Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
Divulgador do Espiritismo
 

Mais procurados (20)

Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
 
Laços familia
Laços familiaLaços familia
Laços familia
 
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodasPalestra Espírita - Parábola do festim de bodas
Palestra Espírita - Parábola do festim de bodas
 
Genese cap 01 de 1 a 29
Genese cap 01  de 1 a 29Genese cap 01  de 1 a 29
Genese cap 01 de 1 a 29
 
Parabola do festim das bodas
Parabola do festim das bodasParabola do festim das bodas
Parabola do festim das bodas
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
 
Da Lei de Sociedade
Da Lei de SociedadeDa Lei de Sociedade
Da Lei de Sociedade
 
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursorAula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
Aula 9-eade-i-ii-roteiro-3-joao-batista-o-precursor
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
 
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo PrimitivoFrancisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
Francisco de Assis - Revivendo o Cristianismo Primitivo
 
Jesus o medico das almas
Jesus  o medico das almasJesus  o medico das almas
Jesus o medico das almas
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
Parabola do Joio e do Trigo
Parabola do Joio e do TrigoParabola do Joio e do Trigo
Parabola do Joio e do Trigo
 
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira SecaEvangeliza - Parábola da Figueira Seca
Evangeliza - Parábola da Figueira Seca
 
Natal palestra
Natal palestraNatal palestra
Natal palestra
 
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueireEvangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
Evangeliza - Não coloqueis a candeia debaixo do alqueire
 
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espíritaMaria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
Maria, Mãe de Jesus - um olhar espírita
 
O papel da ciencia na genese
  O papel da ciencia na genese  O papel da ciencia na genese
O papel da ciencia na genese
 
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATALVISÃO ESPÍRITA DO NATAL
VISÃO ESPÍRITA DO NATAL
 
Palestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelaçõesPalestra Espírita - As três revelações
Palestra Espírita - As três revelações
 

Semelhante a A inspiração de pedro 1

3º. trimestre 2012 – jesus cristo
3º. trimestre 2012 – jesus cristo3º. trimestre 2012 – jesus cristo
3º. trimestre 2012 – jesus cristo
Andreza Ephigênia Nunes Rocha
 
De onde é esse homem - Lição da Revista de escola Dominical
De onde é esse homem - Lição da Revista de escola DominicalDe onde é esse homem - Lição da Revista de escola Dominical
De onde é esse homem - Lição da Revista de escola Dominical
Anderson Cezar
 
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Natalino das Neves Neves
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1
Marcos Luiz DA Silva
 
comentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptx
comentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptxcomentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptx
comentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptx
ssusere19209
 
O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014
Gerson G. Ramos
 
Lição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus Cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus CristoLição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus Cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus Cristo
Éder Tomé
 
Aula reposição 5,6,7
Aula reposição 5,6,7Aula reposição 5,6,7
Aula reposição 5,6,7
Paulo Mattos
 
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Francisco Barbosa
 
Apostila Treinamento IDE.pdf
Apostila Treinamento IDE.pdfApostila Treinamento IDE.pdf
Apostila Treinamento IDE.pdf
Fabrício Tarles
 
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
PIB Penha - SP
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
Joel Silva
 
QUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de Deus
QUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de DeusQUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de Deus
QUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de Deus
LucianoFernandes810001
 
Estudo 01 santos e servos
Estudo 01   santos e servosEstudo 01   santos e servos
Estudo 01 santos e servos
André Luiz Bento Arêa
 
A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...
A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...
A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...
MateusMatos46
 
reunião de alinhamento ministério infantil.pptx
reunião de alinhamento ministério infantil.pptxreunião de alinhamento ministério infantil.pptx
reunião de alinhamento ministério infantil.pptx
doterraces
 
29 joão
29 joão29 joão
29 joão
PIB Penha
 
Classe do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptx
Classe do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptxClasse do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptx
Classe do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptx
SergioBastian3
 
Religião
ReligiãoReligião

Semelhante a A inspiração de pedro 1 (20)

3º. trimestre 2012 – jesus cristo
3º. trimestre 2012 – jesus cristo3º. trimestre 2012 – jesus cristo
3º. trimestre 2012 – jesus cristo
 
De onde é esse homem - Lição da Revista de escola Dominical
De onde é esse homem - Lição da Revista de escola DominicalDe onde é esse homem - Lição da Revista de escola Dominical
De onde é esse homem - Lição da Revista de escola Dominical
 
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Basicão em pdf
 
Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1Ap fundamentos basicos_1
Ap fundamentos basicos_1
 
comentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptx
comentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptxcomentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptx
comentario-expositivo-romanos-rc-sproulpdf.pptx
 
O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014
 
Lição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus Cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus CristoLição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus Cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de Jesus Cristo
 
Aula reposição 5,6,7
Aula reposição 5,6,7Aula reposição 5,6,7
Aula reposição 5,6,7
 
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4: O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
Apostila Treinamento IDE.pdf
Apostila Treinamento IDE.pdfApostila Treinamento IDE.pdf
Apostila Treinamento IDE.pdf
 
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
1- Objetivos, metodologia e planejamento das Cartas de Paulo.pptx
 
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04E.b.d   adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
E.b.d adultos 3ºtrimestre 2017 lição 04
 
QUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de Deus
QUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de DeusQUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de Deus
QUEM É JESUS PARA VOCÊ. mensagem de Deus
 
Estudo 01 santos e servos
Estudo 01   santos e servosEstudo 01   santos e servos
Estudo 01 santos e servos
 
A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...
A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...
A vida de Jesus do nascimento ao sermão do monte.pdf_Leandro Lima e Sérgio Li...
 
reunião de alinhamento ministério infantil.pptx
reunião de alinhamento ministério infantil.pptxreunião de alinhamento ministério infantil.pptx
reunião de alinhamento ministério infantil.pptx
 
29 joão
29 joão29 joão
29 joão
 
Classe do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptx
Classe do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptxClasse do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptx
Classe do Pré-Discipulado lição 5 a 7.pp.pptx
 
Religião
ReligiãoReligião
Religião
 

Mais de Sergio Menezes

Discipulos de jesus
Discipulos de jesusDiscipulos de jesus
Discipulos de jesus
Sergio Menezes
 
Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo
Sergio Menezes
 
Ressurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnaçãoRessurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnação
Sergio Menezes
 
Provas reencarnação
Provas reencarnaçãoProvas reencarnação
Provas reencarnação
Sergio Menezes
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
Sergio Menezes
 
Não vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espadaNão vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espada
Sergio Menezes
 
Ansiedade e depressao
Ansiedade e depressaoAnsiedade e depressao
Ansiedade e depressao
Sergio Menezes
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espírita
Sergio Menezes
 
Parábola do semeador
Parábola do semeadorParábola do semeador
Parábola do semeador
Sergio Menezes
 
Parábola bom samaritano
Parábola bom samaritanoParábola bom samaritano
Parábola bom samaritano
Sergio Menezes
 
Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade
Sergio Menezes
 
A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro
Sergio Menezes
 
P. fariseu e publicano
P. fariseu e publicanoP. fariseu e publicano
P. fariseu e publicano
Sergio Menezes
 
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Sergio Menezes
 
A parábola da rede
A parábola da redeA parábola da rede
A parábola da rede
Sergio Menezes
 
A parábola da candeia
A parábola da candeiaA parábola da candeia
A parábola da candeia
Sergio Menezes
 
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundoVois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
Sergio Menezes
 
João batista 1
João batista 1João batista 1
João batista 1
Sergio Menezes
 
A cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirradaA cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirrada
Sergio Menezes
 
A cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaidaA cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaida
Sergio Menezes
 

Mais de Sergio Menezes (20)

Discipulos de jesus
Discipulos de jesusDiscipulos de jesus
Discipulos de jesus
 
Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo Vois sois a luz do mundo
Vois sois a luz do mundo
 
Ressurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnaçãoRessurreiçào e reencarnação
Ressurreiçào e reencarnação
 
Provas reencarnação
Provas reencarnaçãoProvas reencarnação
Provas reencarnação
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
 
Não vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espadaNão vim trazer a paz, maz a espada
Não vim trazer a paz, maz a espada
 
Ansiedade e depressao
Ansiedade e depressaoAnsiedade e depressao
Ansiedade e depressao
 
Agressividade na visão espírita
Agressividade na visão espíritaAgressividade na visão espírita
Agressividade na visão espírita
 
Parábola do semeador
Parábola do semeadorParábola do semeador
Parábola do semeador
 
Parábola bom samaritano
Parábola bom samaritanoParábola bom samaritano
Parábola bom samaritano
 
Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade Conhecereis a verdade
Conhecereis a verdade
 
A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro A cura da sogra de pedro
A cura da sogra de pedro
 
P. fariseu e publicano
P. fariseu e publicanoP. fariseu e publicano
P. fariseu e publicano
 
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
Cura paralitico cafarnaum [salvo automaticamente]
 
A parábola da rede
A parábola da redeA parábola da rede
A parábola da rede
 
A parábola da candeia
A parábola da candeiaA parábola da candeia
A parábola da candeia
 
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundoVois sois o sal da terra e a luz do mundo
Vois sois o sal da terra e a luz do mundo
 
João batista 1
João batista 1João batista 1
João batista 1
 
A cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirradaA cura do homem mão mirrada
A cura do homem mão mirrada
 
A cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaidaA cura do cego de betsaida
A cura do cego de betsaida
 

Último

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (14)

A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

A inspiração de pedro 1

  • 1. A INSPIRAÇÃO DE PEDRO OBS: 1 TRAIU , 1 NEGOU, 9 FUGIRAM, SÓ 1 FICOU AO LADO DE MARIA
  • 3. O TRABALHO DE JESUS FICARIA MAIS FÁCIL SE ELE ESCOLHESSE 12 ARCANJOS , MAS FORAM ESCOLHIDOS HOMENS RUDES, IMPULSIVOS E IMPREVISÍVEIS . ASSIM NOS SENTIMOS IDENTIFICADOS COM ELES. HAROLDO DUTRA DIAS
  • 4. NA ÉPOCA DE JESUS CRISTO EXISTIAM APROXIMADAMENTE MIL PESSOAS COM O NOME DE JESUS, QUE ERA MUITO COMU
  • 6. Iluminado por inspiração superior, Pedro age como médium perfeitamente associado às forças do bem quando reconhece, em Jesus, o Messias Divino. PEDRO DISSE FILHO DO DEUS VIVO PORQUE MUITOS, NAQUELA ÉPOCA, ADORAVAM VÁRIOS OUTROS DEUSES
  • 7. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Bar jonas, porque não foi carne e sangue quem te revelou, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja. Então, mandou aos seus discípulos que a ninguém dissessem que ele era o Cristo. (Mateus 16: 13-20). PEDRO EM GREGO : PETROS PEDRA EM GREGO : PETRAS O fragmento da rocha era Pedro, mas o Rochedo Firme e Inabalável era Cristo Jesus. FILHO
  • 8. As cartas escritas por Pedro Pedro escreveu 2 cartas que estão na Bíblia, a 1ª e 2ª Epístolas de Pedro. Estas foram destinadas aos cristãos espalhados pela Ásia Menor, com o intuito de instruir, animar e fortalecê- los espiritualmente. Essas cartas pertencem aos últimos períodos da vida de Pedro e são provas de sua obediência a 2 ordens diretas de Jesus: Fortalecer os irmãos (Lucas 22:32) e
  • 9. Interpretação do texto evangélico » E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo... (Mt 16:13). É importante considerar, a propósito, que Jesus sempre valorizou as circunstâncias para ensinar com acerto. Daí ser usual encontrarmos no seu Evangelho verbos flexionados no gerúndio, tais como: chegando, partindo, falando, voltando, etc.
  • 10. Cesaréia de Filipe era um lugar pacato e afastado, situado ao pé do monte Hermon, norte da Palestina. Distante do foco político e religioso das demais cidades e povoados. Lugar ideal para as pessoas emitirem suas opiniões, falando despreocupadamente e de forma autêntica. Expressando os reais sentimentos e idéias.
  • 11. “interrogou os seus discípulos” Jesus procurava medir o nível de aprendizado desenvolvido pelos seus discípulos em relação às suas orientações. Ex: Herval O Mestre, como todos os demais benfeitores que nos tutelam com amor, acompanham de perto o nosso desenvolvimento, verificando se nós, efetivamente, estamos seguindo os seus passos.
  • 12. Os discípulos devem se portar como atentos observadores do seu orientador (guia ou mestre) e dos ensinamentos que este lhes transmite como diretrizes de vida. Ao interrogá-los, Jesus deu a entender que eles deveriam se posicionar como observadores atentos. Esta é também a proposta da Doutrina Espírita quando, pela fé raciocinada, nos fornece seguros padrões de conhecimento que impulsionam a nossa melhoria espiritual e a nossa posição evolutiva. Além disso, a fé raciocinada viabiliza condições para entender e respeitar o grau de progresso de cada criatura que nos compartilha a existência.
  • 13. O Filho do Homem é, portanto, o exemplo de perfeição que podemos aspirar. É aquele que nasce, cresce e se evidencia pela capacidade de transformação de si mesmo, sob a tutela amorável de Deus. Ex: Judas
  • 15. E eles disseram: Uns dizem que és João Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias ou um dos profetas (Mt 16:14). Este texto evidencia que a idéia da reencarnação era corrente à época. Faltava, no entanto, um maior entendimento dos seus processos. Tal como acontece nos dias atuais, é significativo o número de pessoas que entende e aceita a idéia da reencarnação, mas nem sempre compreende os seus mecanismos.
  • 16. Estudando os ensinos de Jesus, à luz do entendimento espírita, aprendemos a compreendê-lo sem misticismos, religiosidade perniciosa ou fanatismo, mas enxergando que o seu Evangelho é Cartilha de Vida. ANA WOLFF , PSIQUIATRA, DISSE : O EVANGELHO DE JESUS É A MELHOR PSICOTERAPIA DO MUNDO.
  • 17. Recordemos que como candidatos ao esforço de renovação com o Cristo, seremos testados continuamente, convocados a dar o testemunho da nossa fidelidade aos princípios que acatamos como regra de vida, tal como ocorreu aos discípulos de Jesus.
  • 18. “ Meu Pai que está nos céus”. Não se trata, aqui, do céu religioso, tradicional, dos compêndios espirituais da retaguarda, fundamentados em interpretações teológicas e dogmáticas. Urge compreender “céus” como um estado vibracional da alma, em sua feição positiva de amor. São “céus” que se expressam no que existe de bom, de belo, de equilibrado e de harmônico, na medida em que avançamos em conhecimento e moralidade, pelo trabalho incessante. A verdadeira percepção de Deus e do reino dos céus é atributo dos Espíritos crísticos, como Jesus. Os puros Espíritos são os mensageiros de Deus pela transmissão e execução das suas vontades. Preenchem as grandes missões, presidem à formação dos mundos e à harmonia geral do Universo, tarefa gloriosa a que se não chega senão pela perfeição. 1 JESUS: O REINO DOS CÉUS É A OBRA DE DEUS NO CORAÇÃO DOS HOMENS.
  • 19. Sabemos que após a crucificação de Jesus, Pedro inicia, em Jerusalém, a missão de divulgar o Evangelho que lhe fora confiado pelo Senhor. Mais tarde ao lado de Paulo em Roma, Pedro articula os trabalhos evangélicos que se desenvolviam na grande cidade trabalhando fielmente até cair vítima da perseguição.” 8 O amor monogâmico só deve existir entre o casal; Fora isso, deve ser poligâmico. Quanto mais pessoas amarmos como Irmãos em Cristo mais nos aproximaremos De Deus. Richard Simonetti
  • 20. A promessa do Cristo é atemporal e sempre estará disponível. Cabe a nós abrirmos as portas do entendimento, e alcançar a libertação por meio dos recursos seguros do Evangelho. QUANDO PEDRO CUROU A FILHA DE UM SOLDADO ROMANO QUE O TINHA APEDREJADO SEMANAS ANTES,
  • 21. PRA FINALIZAR: Muitos desejam o Céu, mas não pretendem tirar os pés do chão. Anulam, assim, qualquer possibilidade de sintonia com os amigos invisíveis e reclamam que foram abandonados quando seus excessos geram a perturbação. Muitos se preparam no Mundo Espiritual para marchar na vanguarda; Mas esquecem a exemplificação e acabam estacionados nas trevas da retaguarda. Para que tão lamentáveis enganos sejam evitados, encontramos nos postulados da Doutrina dos Espíritos as mais severas advertências. Muitos abandonarão a tarefa, arrastados para o desequilíbrio pelas influências inferiores que insistiram em prestigiar. Gostariam de ser “grandes aos olhos do Senhor”, como João, o Batista. Esquecem-se, entretanto, de que sua grandeza não foi mero fruto da graça divina, mas sim de muita disciplina, perseverança e transpiração nos trabalhos do bem. Reformador – fevereiro, 1965
  • 22. 1. KARDEC, Allan. O céu e o inferno. Tradução de Manuel Justiniano Quintão. 58. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Primeira parte, cap. 3, item 12, p. 34. 2. . Cap. 10, item 19, p. 154. 3. . O evangelho segundo o espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 124. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 4, item 4, p. 84. 4. . Cap. Cap. 14, item 4, p. 236. 5. . A gênese. Tradução de Guillon Ribeiro. 48. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 17, item 28, p. 379. 6. . O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 86 ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005, questão 621, p. 307. 7. . Questão 625, p. 308. 8.RIGONATTI, Eliseu. O evangelho dos humildes. 15. ed. São Paulo: Pensamento - Cultrix, 2003. Item: A confissão de Pedro, p. 155. 9.XAVIER, F. Cândido e VIEIRA, Waldo. Opinião espírita. Pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz. 4. ed. Uberaba: 1973. Cap. 2 (O mestre e o apóstolo – mensagem ditada por Emmanuel), p. 25. 10.XAVIER, Francisco Cândido. Vinha de luz. Pelo Espírito Emmanuel. 24. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Cap. 7 (Aos discípulos), p. 31-32. 11. palestra do Haroldo Dutra Dias em Amparo /SP. 2016 12.Palestra do Reverendo Hernandes dias lopes