SlideShare uma empresa Scribd logo
1 
Joaquim Colôa 
10 MAIO DE 2014 
Joaquim.coloa@gmail.com http://www.slideshare.net/jcoloa 
Nota: O presente texto serviu de base a uma síntese (que não é da minha responsabilidade) que foi publicada na revista com diversos textos referentes à semana da educação, uma iniciativa da FENPROF, CNOD e INR. O mesmo serviu de base à comunicação realizada no seminário que decorreu no Seixal, integrado na semana global de educação de 4 a 10 de maio. 
A INCLUSÃO NA ESCOLA 
A afirmação da escola pública é a afirmação de que todos os cidadãos têm direito à educação, o direito declarativo de uma Educação Inclusiva (EI). Já a consequência deste direito é o da não descriminação seja por que razão ou condição for (UNESCO, 2005). O direito à educação e à igualdade de oportunidades é um direito que está consignado na Constituição Portuguesa bem como na Lei de Bases do Sistema Educativo. Segundo Sousa (1997), é durante os anos sessenta que o acesso à educação começa a ser pautado por critérios de justiça e igualdade. Assim, segregação foi, paulatinamente, dando lugar ao ideal de integração escolar e social. Movimento que, progressivamente, tem vindo a ser substituído pelos princípios inerentes à EI. Embora estes pressupostos evolutivos sejam, na generalidade, aceites o conceito de EI é também encarado como centro de diversas discussões e muitas vezes objeto de ambiguidades concetuais e de indefinições. Situação que é identificada em todo o mundo e que é, segundo alguns investigadores, ainda mais visível em Portugal. Como diz Plaisance (2006), em Portugal e restantes países de língua portuguesa o conceito de inclusão observa-se demasiado generalizado e mesmo banalizado. Aceitando-se como certa a
2 
afirmação anterior, poderemos complementá-la com a ideia de que quando um conceito se utiliza para designar demasiadas coisas, ele acaba por não permitir distinguir a que realmente se refere (Canário, 2006). 
Uma premissa que temos clara é a da que os princípios de EI não se referem somente à educação de alunos com condição de deficiência. No mesmo sentido, Smith (2006) sublinha que o conceito de EI deve entender-se como referindo-se a todos os “potenciais aprendentes” que, por qualquer razão, se encontram excluídos da escola em consequência de uma não significativa participação, tanto no que respeita à vida económica, como social, política e cultural. 
Com base nas ideias de D’Alessio (2006), a abordagem referente à EI diz respeito: ao desenvolvimento de um ambiente educativo, social e político, à (re)organização de recursos para todos os alunos, nomeadamente os alunos com necessidades específicas, ao desenvolvimento de uma intervenção centrada nos contextos e posteriormente no indivíduo, à transformação de respostas individuais e particulares em respostas para todos os alunos, à concetualização de um quadro teórico assente num modelo social de deficiência e à afirmação do princípio de empowerment, ou seja, as pessoas com condição de deficiência e as suas famílias estão no centro de todas as decisões. 
No entendimento da UNESCO (2005a), existem quatro elementos chave que, com frequência, são associados à concetualização da EI: 
(1) É um processo, porque tende a ser vista como uma procura contínua de respostas à diversidade e à promoção da convivência bem como do respeito pelas diferenças. Permite também tornar as diferenças como uma mais-valia e um estímulo para a promoção das aprendizagens dos alunos e dos próprios professores. 
(2) É uma ação de identificação de barreiras e, consequentemente, envolve elencar, ordenar e avaliar a informação que provém de diversas fontes. Informação utilizada para planear a melhoria de políticas e de práticas do agrupamento de escolas e de cada uma das escolas. 
(3) É a presença, participação e realização de todos os alunos. Tem a ver com o atendimento e com a qualidade de experiências que os alunos vivenciam para, deste modo, incorporar os pontos de vista destes. Também tem a ver com os resultados das
3 
aprendizagens realizadas, no sentido de que não devem ser avaliadas somente com recurso a testes. 
(4) É enfatizar, de forma particular, as respostas aos alunos em risco de exclusão e marginalização, para assegurar a sua participação e realização no sistema educativo. 
Ainda na compreensão da UNESCO (2005a), a EI pode ser definida como: (a) Um processo, uma vez que deve ser encarada como um contínuo de ações que equacionam respostas à diversidade, (b) A convivência com as diferenças, (c) O desenvolvimento de atitudes positivas perante as diferenças reconhecendo-as como um estímulo para o desenvolvimento das aprendizagens e das interações, (d) A preocupação em identificar e atenuar ou eliminar barreiras à aprendizagem e participação, (e) A necessidade de se recolher, articular e avaliar a informação com base numa diversidade de fontes, para que se possam planificar uma plêiade de ações ao nível das políticas, culturas e práticas das escolas, (f) O recurso a diversas estratégias de forma a estimular-se a criatividade e a resolução de problemas, (g) A presença e participação de todos os alunos, para que estes consigam desenvolver aprendizagens de qualidade, (h) A necessidade de equacionar os contextos em que decorrem essas aprendizagens, (i) A necessidade de explicitar os níveis de participação por referência à qualidade das experiências e história de vida dos alunos. Interessar-nos pelo seu ponto de vista e, por estes motivos, reportar-nos à aprendizagem ao longo da vida e (j) A ênfase e centralidade na ação em grupos de alunos que possam estar em risco de marginalização e exclusão e/ou que apresentem dificuldades em acederem ao currículo. É a defesa de que não chega todos estarem na escola mas que a Educação é para Todos. 
A afirmação social e humana de que todas as pessoas têm direito à educação, independentemente da sua condição cultural, física, intelectual, etc., implica mudanças sócio culturais, nomeadamente na educação e inerentemente nas organizações escolares. No entanto estas têm denotado algumas tensões e, por vezes mesmo contradições no desenvolvimento da EI. Algumas destas tensões e/ou contradições dizem respeito a muitos princípios subjacentes a uma pública de qualidade e para Todos, tanto em Portugal como noutros países. Referimo-nos, como identifica a European Agency for Development in Special Needs Education (2008), a uma tensão evidente entre o pressuposto da competição e o princípio de igualdade de oportunidades. Muitas vezes esta aparente dicotomia coloca-se na opção entre um sistema competitivo ou um sistema
4 
que promove a inclusão através da cooperação e da partilha de experiências de aprendizagem. No entanto defendemos que, quando gerados os equilíbrios desejáveis e necessários, a tenção deixa de existir e a contradição é meramente aparente. As politicas, dinâmicas organizacionais e práticas criadoras desse equilíbrio tendem a inferir à competição, independentemente da condição do aluno, um potencial motivacional e de incentivos e ao desenvolvimento de sistemas que apoiam a igualdade de oportunidades a capacitação para a mobilização da cooperação e promoção da equidade e da justiça social. 
Outra aparente contradição é a associada aos princípios e práticas de globalização. Por um lado assiste-se à aceitação de que estes princípios e práticas deveriam assentar numa ideia de afirmação da diferença, apelar ao valor social e cultural da diferença. Por outro lado percebe-se que a ideia de globalização acentua o emergir da quantificação de indicadores que, para alguns, representam e comunicam a qualidade e quantidade em educação Ryan e Cousins (2009). Perspetiva de medição e quantificação que incrementa abordagens, pressupostamente, representativas de melhor educação porque permitem, segundo os seus paladinos, melhores e mais diferenciadas respostas à diferença. É neste sentido que vão os discursos de muitos, nomeadamente os defensores da aplicação Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Um instrumento que, na lógica de muitos, serve essencialmente para proceder a classificações de alunos, à sua rotulação para posterior elegibilidade para respostas específicas, algumas vezes caraterizadas por contornos segregadores. Por um lado o reconhecimento da heterogeneidade inerente aos pressupostos da globalização. Por outro lado o aparecimento de “sistemas orquestrados na lógica do cálculo e medição dos outputs e dos resultados” (Schwandt, 2009, p. 33), de discursos que acentuam e se centram nos problemas. 
Numa via os discursos educativos, tanto ao nível das politicas como das práticas que (re)afirmam a necessidade de reconhecer e afirmar a heterogeneidade. A necessidade de desenvolver um currículo com sentido e sentido para e por todos os alunos. Discursos que valorizam as diferenças individuais e os processos de aprendizagem para além dos resultados. Noutra via, completamente divergente, a defesa da implementação e desenvolvimento de um currículo “fechado”, restrito e restritivo que aponta para a
5 
homogeneização do ensino e que assenta em processos acumulativos e sequenciais, numa aprendizagem centrada em critérios e objetivos. 
Ideia que tem (in)formado as últimas mudanças nas politicas educativas em Portugal, e muita da produção legislativa enquadradora dessas mudanças. Damos como exemplo a Portaria n.º 275-A/2012 de 11 de setembro que, para além de diversas das ambiguidades e contradições que temos vindo a descrever, representa o expoente máximo da proposta de desenvolvimento de um currículo “fechado”. Um currículo restritivo não só no que se refere às áreas de ensino e aprendizagem que propõe desenvolver, como à própria população a que se destina e, ainda, aos contextos que propõe para o desenvolvimento de maior parte dessas áreas. Um currículo homogeneizador, ma legislação que, em nome da EI, desvaloriza a ação da escola pública financia respostas tendencialmente segregadoras. 
Deste modo, estamos perante um paradigma de pensamento e necessariamente de ação, referenciada a diversos níveis, que olha para o OUTRO que é diferente e que afirma essa mesma diferença nesse OUTRO. Caminhar divergente de um conceito de Inclusão claramente declarativo da heterogeneidade. De um paradigma que coloca a ênfase na comunicação entre diferentes que somos NÓS. Heterogeneidade que se inscreve na contínua relação entre o NÓS diferentes, mas também entre as diversas e possíveis diferenças de cada um de NÓS e as distintas e prováveis diferenças dos contextos. Uma pluralidade de possíveis diferentes que potencia a comunicação bem como a colaboração e a criticidade assumindo-se esta realidade como a (re)afirmação da própria diferença. 
Nesta relação constante entre diferentes, cada pessoa descobre as diversas possibilidades que incorporam e fortalecem o seu autoconhecimento e potenciam a capacidade crítica de autodeterminação, o sentido divergente na colaboração. Uma colaboração que se consubstancia em sistemas comunitários naturais de apoio que obriga a redefinir organizações e serviços para responder, eleger respostas para as necessidades de cada um de NÓS. É o reequacionamento, com base na crítica social e cultural, da qualidade de vida desse NÓS tanto numa perspetiva coletiva como individual / plural. 
A mudança só possível na afirmação de valores que façam emergir uma linguagem comum tanto ao nível social como individual. Uma mudança critica que, baseada nessa
6 
diferença consciente do NÓS, potencie a mudança das organizações. Mudança clara que seja motor social e reivindicativa de políticas claramente Inclusivas. Parafraseando Simone de Beauvoir /1976), todos aqueles que apregoam a igualdade na diferença, não poderão, em qualquer caso, discordar que é possível existirem diferenças na igualdade. 
Referências Bibliográficas 
Beauvoir, S. (1976). Le Deuxième Sexe. Paris: Gallimard. 
Canário, R. (2006). A Escola: Da Escola à Hospitalidade. In David Rodrigues (Org.), Educação Inclusiva: Estamos a fazer Progressos? (pp. 31-45). Lisboa: Fórum de Estudos de Educação Inclusiva – Faculdade de Motricidade Humana. 
D’Alessio, S. (2006). Le Concept d’Inclusion Scolaire. In UNESCO, De l’Intégration à l’Inclusion: un Défi pour Tous (pp. 25- 29). Paris: UNESCO. 
European Agency for Development in Special Needs Education (2008). Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos: Questões-chave para Políticas e Práticas. Dinamarca: 
Plaisance, E. (2006). Le Concept d’Inclusion. In UNESCO, De l’Intégration à l’Inclusion : un Défi Pour Tous (pp. 14 – 17). Paris: UNESCO. 
Ryan, K. E. & Cousins, J. B. (2009). The Sage International Handbook of Educational Evaluation. Thousand Oaks: Sage. 
Schwandt, T. A. (2009). Globalizing Influences on the Western Evaluation Imaginary. In K. E. Ryan; J. B. Cousins, The Sage International Handbook of Educational Evaluation (pp. 19–36). Thousand Oaks: Sage. 
Smith, P. (2006). Vers L´Education pour Tous. Inclusion–Policy Briefs, 1, UNESCO. 
Sousa, A. B. (2009). Investigação em Educação. Lisboa: Livros Horizonte. 
Sousa, L. (1997). Princípios para o Atendimento de Crianças com Necessidades Educativas Especiais: Integração/Inclusão. Integrar, 14, 34-39. 
UNESCO (2005). Guidelines for Inclusion: Ensuring Access to Education for All. Paris: UNESCO.
7 
UNESCO (2005a). Changer les Méthodes d’Enseignement-La Différenciation des Programmes Comme Solution à la Diversité des Elèves. Paris: UNESCO.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Freitas, luiz carlos de ciclo, seriacao, avaliacao
Freitas, luiz carlos de   ciclo, seriacao, avaliacaoFreitas, luiz carlos de   ciclo, seriacao, avaliacao
Freitas, luiz carlos de ciclo, seriacao, avaliacao
marcaocampos
 
Perfil dos Alunos para o Século XXI
Perfil dos Alunos para o Século XXIPerfil dos Alunos para o Século XXI
Perfil dos Alunos para o Século XXI
Joaquim Colôa
 
Ed inclusiva
Ed inclusivaEd inclusiva
Educação inclusiva aula 2 - a escola como espaço inclusivo
Educação inclusiva   aula 2 - a escola como espaço inclusivoEducação inclusiva   aula 2 - a escola como espaço inclusivo
Educação inclusiva aula 2 - a escola como espaço inclusivo
Fernanda Câmara
 
Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...
Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...
Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...
Joaquim Colôa
 
Atividade FDE
Atividade FDEAtividade FDE
Atividade FDE
Elete Souza
 
Fundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 final
Fundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 finalFundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 final
Fundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 final
Bartolomeu Varela
 
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
RBEFE Rev. Bras. Educação Física e Esporte
 
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatóriaO perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
tecnologiase
 
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
Wallace Melo Gonçalves Barbosa
 
Tracando caminhos para a educacao inclusiva
Tracando caminhos para a educacao inclusivaTracando caminhos para a educacao inclusiva
Tracando caminhos para a educacao inclusiva
tanilenatic
 
Maria teresa eglér mantoan inclusão escolar
Maria teresa eglér mantoan   inclusão escolarMaria teresa eglér mantoan   inclusão escolar
Maria teresa eglér mantoan inclusão escolar
ricardo couto
 
Candau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticas
Candau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticasCandau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticas
Candau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticas
jessicabiopires
 
Currículo nee
Currículo neeCurrículo nee
Currículo nee
Sandrastos
 
Anexo 3 perfil do-aluno
Anexo 3  perfil do-alunoAnexo 3  perfil do-aluno
Anexo 3 perfil do-aluno
Francisco Costa
 
Perfil do aluno
Perfil do alunoPerfil do aluno
Artigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógicaArtigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógica
Viviane Moreiras
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
packarde2709
 

Mais procurados (18)

Freitas, luiz carlos de ciclo, seriacao, avaliacao
Freitas, luiz carlos de   ciclo, seriacao, avaliacaoFreitas, luiz carlos de   ciclo, seriacao, avaliacao
Freitas, luiz carlos de ciclo, seriacao, avaliacao
 
Perfil dos Alunos para o Século XXI
Perfil dos Alunos para o Século XXIPerfil dos Alunos para o Século XXI
Perfil dos Alunos para o Século XXI
 
Ed inclusiva
Ed inclusivaEd inclusiva
Ed inclusiva
 
Educação inclusiva aula 2 - a escola como espaço inclusivo
Educação inclusiva   aula 2 - a escola como espaço inclusivoEducação inclusiva   aula 2 - a escola como espaço inclusivo
Educação inclusiva aula 2 - a escola como espaço inclusivo
 
Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...
Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...
Texto elaborado para: Audição conjunta sobre o acompanhamento e avaliação da ...
 
Atividade FDE
Atividade FDEAtividade FDE
Atividade FDE
 
Fundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 final
Fundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 finalFundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 final
Fundamentos e perspetivas de inovação educativa e curricular 2014 final
 
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
 
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatóriaO perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
O perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória
 
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
ESCOLA, EXCLUSÃO, DESIGUALDADES E DIFERENÇAS: COMO O AMBIENTE PEDAGÓGICO PODE...
 
Tracando caminhos para a educacao inclusiva
Tracando caminhos para a educacao inclusivaTracando caminhos para a educacao inclusiva
Tracando caminhos para a educacao inclusiva
 
Maria teresa eglér mantoan inclusão escolar
Maria teresa eglér mantoan   inclusão escolarMaria teresa eglér mantoan   inclusão escolar
Maria teresa eglér mantoan inclusão escolar
 
Candau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticas
Candau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticasCandau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticas
Candau, vera didática entre saberes, sujeitos e práticas
 
Currículo nee
Currículo neeCurrículo nee
Currículo nee
 
Anexo 3 perfil do-aluno
Anexo 3  perfil do-alunoAnexo 3  perfil do-aluno
Anexo 3 perfil do-aluno
 
Perfil do aluno
Perfil do alunoPerfil do aluno
Perfil do aluno
 
Artigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógicaArtigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógica
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 

Destaque

Escola que Reforma?
Escola que Reforma?Escola que Reforma?
Escola que Reforma?
Joaquim Colôa
 
Notas Sobre Educação Especial
Notas Sobre Educação EspecialNotas Sobre Educação Especial
Notas Sobre Educação Especial
Joaquim Colôa
 
O Valor das Emoções na Escola
O Valor das Emoções na EscolaO Valor das Emoções na Escola
O Valor das Emoções na Escola
Joaquim Colôa
 
A Criança Precoce no Processo Ensino/Aprendizagem
A Criança Precoce no Processo Ensino/AprendizagemA Criança Precoce no Processo Ensino/Aprendizagem
A Criança Precoce no Processo Ensino/Aprendizagem
Joaquim Colôa
 
Uma Abordagem aos Problemas Emocionais
Uma Abordagem aos Problemas EmocionaisUma Abordagem aos Problemas Emocionais
Uma Abordagem aos Problemas Emocionais
Joaquim Colôa
 
Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...
Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...
Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...
Joaquim Colôa
 
Percursos de Autonomia
Percursos de AutonomiaPercursos de Autonomia
Percursos de Autonomia
Joaquim Colôa
 
Afinal são pessoas!
Afinal são pessoas!Afinal são pessoas!
Afinal são pessoas!
Joaquim Colôa
 
Da Inclusão À Cidadania
Da Inclusão À CidadaniaDa Inclusão À Cidadania
Da Inclusão À Cidadania
Joaquim Colôa
 
BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...
BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...
BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...
Joaquim Colôa
 
Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...
Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...
Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...
Joaquim Colôa
 
A Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da Actividade
A Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da ActividadeA Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da Actividade
A Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da Actividade
Joaquim Colôa
 
Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...
Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...
Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...
Joaquim Colôa
 
CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...
CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...
CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...
Joaquim Colôa
 
DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...
DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...
DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...
Joaquim Colôa
 
Como Reorganizar os Apoios Educativos
Como Reorganizar os Apoios EducativosComo Reorganizar os Apoios Educativos
Como Reorganizar os Apoios Educativos
Joaquim Colôa
 
Manifesto para a educação especial
Manifesto para a educação especialManifesto para a educação especial
Manifesto para a educação especial
Joaquim Colôa
 
Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)
Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)
Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)
Joaquim Colôa
 
O Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de Inclusão
O Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de InclusãoO Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de Inclusão
O Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de Inclusão
Joaquim Colôa
 
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENSESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
Joaquim Colôa
 

Destaque (20)

Escola que Reforma?
Escola que Reforma?Escola que Reforma?
Escola que Reforma?
 
Notas Sobre Educação Especial
Notas Sobre Educação EspecialNotas Sobre Educação Especial
Notas Sobre Educação Especial
 
O Valor das Emoções na Escola
O Valor das Emoções na EscolaO Valor das Emoções na Escola
O Valor das Emoções na Escola
 
A Criança Precoce no Processo Ensino/Aprendizagem
A Criança Precoce no Processo Ensino/AprendizagemA Criança Precoce no Processo Ensino/Aprendizagem
A Criança Precoce no Processo Ensino/Aprendizagem
 
Uma Abordagem aos Problemas Emocionais
Uma Abordagem aos Problemas EmocionaisUma Abordagem aos Problemas Emocionais
Uma Abordagem aos Problemas Emocionais
 
Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...
Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...
Avaliação Pedagógica de Alunos com Necessidades Educativas Especiais: da Dive...
 
Percursos de Autonomia
Percursos de AutonomiaPercursos de Autonomia
Percursos de Autonomia
 
Afinal são pessoas!
Afinal são pessoas!Afinal são pessoas!
Afinal são pessoas!
 
Da Inclusão À Cidadania
Da Inclusão À CidadaniaDa Inclusão À Cidadania
Da Inclusão À Cidadania
 
BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...
BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...
BREVES PALAVRAS SOBRE A REVOGAÇÃO DA PORTARIA 275/A, COM A PUBLICAÇÃO DA PORT...
 
Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...
Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...
Da Natureza do Conceito de Avaliação Pedagógica de alunos do 1.º ciclo com Ne...
 
A Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da Actividade
A Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da ActividadeA Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da Actividade
A Poesia no Jardim de Infância a (Pro)Vocação da Actividade
 
Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...
Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...
Resumo da apresentação denominada: Transição Pós Escolar - Perspetivar um Mod...
 
CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...
CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...
CONTRIBUTOS PARA UMA REFLEXÃO CRITICA DO CONCEITO DE nECESSIDADES EDUCATIVAS ...
 
DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...
DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...
DECLARAÇÃO DE LISBOA SOBRE EQUIDADE EDUCATIVA - JULHO DE 2015 / THE LISBON ED...
 
Como Reorganizar os Apoios Educativos
Como Reorganizar os Apoios EducativosComo Reorganizar os Apoios Educativos
Como Reorganizar os Apoios Educativos
 
Manifesto para a educação especial
Manifesto para a educação especialManifesto para a educação especial
Manifesto para a educação especial
 
Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)
Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)
Reflexão Decreto-Lei 3/2008 (Artºs 5º e 6º)
 
O Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de Inclusão
O Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de InclusãoO Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de Inclusão
O Processo de Avaliação Enquanto Mecanismo de Inclusão
 
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENSESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
ESPECTRO DO AUTISMO; FALARMOS DE ALUNBOS E DE APRENDIZAGENS
 

Semelhante a A INCLUSÃO NA ESCOLA

14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
LinaKelly3
 
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Maryanne Monteiro
 
"Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos".
"Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos"."Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos".
"Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos".
formacaobesmart
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
cfrancisca
 
Os ciclos da escola plural
Os ciclos da escola pluralOs ciclos da escola plural
O direito à educação e a um currículo eficaz fde
O direito à educação e a um currículo eficaz fdeO direito à educação e a um currículo eficaz fde
O direito à educação e a um currículo eficaz fde
Cinara Sampaio
 
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
IsabelPereira2010
 
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
ProfessorPrincipiante
 
Aula do dia 03 de outubro
Aula do dia 03 de outubroAula do dia 03 de outubro
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
197569go
 
Pós - graduação Uemanet.pptx
Pós - graduação Uemanet.pptxPós - graduação Uemanet.pptx
Pós - graduação Uemanet.pptx
LinaKelly2
 
O projecto educativo de escola no contexto da globalização
O projecto educativo de escola no contexto da globalizaçãoO projecto educativo de escola no contexto da globalização
O projecto educativo de escola no contexto da globalização
Bartolomeu Varela
 
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)
Naysa Taboada
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
escolabeatriz
 
Inclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdf
Inclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdfInclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdf
Inclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdf
CrecheEscoladaVitria
 
OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...
OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...
OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...
Silvani Silva
 
Formação da escola plural
Formação da escola pluralFormação da escola plural
Professora Gilvonete Souza de Oliveira
Professora Gilvonete Souza de OliveiraProfessora Gilvonete Souza de Oliveira
Professora Gilvonete Souza de Oliveira
adelvaniasouza souza
 
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdfDIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
Denise De Ramos
 
Ppp pva
Ppp pvaPpp pva

Semelhante a A INCLUSÃO NA ESCOLA (20)

14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
14022018-cursoeadcurriculoeinclusao.pptx
 
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVAAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NUMA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
 
"Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos".
"Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos"."Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos".
"Centros de estudo e formação de professores e de outros agentes educativos".
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Os ciclos da escola plural
Os ciclos da escola pluralOs ciclos da escola plural
Os ciclos da escola plural
 
O direito à educação e a um currículo eficaz fde
O direito à educação e a um currículo eficaz fdeO direito à educação e a um currículo eficaz fde
O direito à educação e a um currículo eficaz fde
 
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
Perfil alunosaidaescolaridadeobrigatoria(12anos)
 
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
PROCESSO INCLUSIVO E A FORMAÇÃO INICIAL DO(A) PEDAGOGO(A) FRENTE AO ATENDIMEN...
 
Aula do dia 03 de outubro
Aula do dia 03 de outubroAula do dia 03 de outubro
Aula do dia 03 de outubro
 
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
Ee ta versão_final_gilbertootavianodasilva.
 
Pós - graduação Uemanet.pptx
Pós - graduação Uemanet.pptxPós - graduação Uemanet.pptx
Pós - graduação Uemanet.pptx
 
O projecto educativo de escola no contexto da globalização
O projecto educativo de escola no contexto da globalizaçãoO projecto educativo de escola no contexto da globalização
O projecto educativo de escola no contexto da globalização
 
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
 
Inclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdf
Inclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdfInclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdf
Inclusão Escolar O Que É Por Quê Como Fazer.pdf
 
OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...
OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...
OS DESAFIOS DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NO ...
 
Formação da escola plural
Formação da escola pluralFormação da escola plural
Formação da escola plural
 
Professora Gilvonete Souza de Oliveira
Professora Gilvonete Souza de OliveiraProfessora Gilvonete Souza de Oliveira
Professora Gilvonete Souza de Oliveira
 
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdfDIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
 
Ppp pva
Ppp pvaPpp pva
Ppp pva
 

Mais de Joaquim Colôa

CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
Joaquim Colôa
 
APRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdf
APRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdfAPRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdf
APRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdf
Joaquim Colôa
 
DA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTA
DA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTADA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTA
DA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTA
Joaquim Colôa
 
APRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdf
APRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdfAPRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdf
APRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdf
Joaquim Colôa
 
APRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdf
APRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdfAPRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdf
APRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdf
Joaquim Colôa
 
INCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdf
INCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdfINCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdf
INCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdf
Joaquim Colôa
 
Problemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdf
Problemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdfProblemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdf
Problemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdf
Joaquim Colôa
 
Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...
Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...
Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...
Joaquim Colôa
 
Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...
Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...
Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...
Joaquim Colôa
 
DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021
DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021
DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021
Joaquim Colôa
 
Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?
Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?
Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?
Joaquim Colôa
 
Da Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXI
Da Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXIDa Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXI
Da Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXI
Joaquim Colôa
 
Reflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas Especiais
Reflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas EspeciaisReflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas Especiais
Reflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas Especiais
Joaquim Colôa
 
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaDES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
Joaquim Colôa
 
Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...
Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...
Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...
Joaquim Colôa
 
Educação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos dias
Educação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos diasEducação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos dias
Educação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos dias
Joaquim Colôa
 
Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*
Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*
Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*
Joaquim Colôa
 
Decreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim Colôa
Decreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim ColôaDecreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim Colôa
Decreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim Colôa
Joaquim Colôa
 
Diferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricular
Diferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricularDiferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricular
Diferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricular
Joaquim Colôa
 
Inclusão; Alunos autistas na escola. II parte
Inclusão; Alunos autistas na escola. II parteInclusão; Alunos autistas na escola. II parte
Inclusão; Alunos autistas na escola. II parte
Joaquim Colôa
 

Mais de Joaquim Colôa (20)

CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
APRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdf
APRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdfAPRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdf
APRESENTAÇÃO AULA ABERTA INSTITUTO JEAN PIAGET DE ALMADA.pdf
 
DA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTA
DA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTADA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTA
DA VIOLÊNCIA DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO QUE (ÀS VEZES) É VIOLENTA
 
APRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdf
APRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdfAPRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdf
APRESENTAÇÃO CENTRO DE FORMAÇÃO ANTÓNIO SÉRGIO.pdf
 
APRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdf
APRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdfAPRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdf
APRESENTAÇÃO CONGRESSO UNIVERSIDADE LUSÓFONA .pdf
 
INCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdf
INCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdfINCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdf
INCLUSÃO ESCOLAR EM TEMPOS DE PÓS-PANDEMIA.pdf
 
Problemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdf
Problemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdfProblemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdf
Problemas Emocinais e Comportamentais - Teoria e Prática.pdf
 
Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...
Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...
Tempos de Pandemia: quando os frágeis sintomas de inclusão se transformam em ...
 
Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...
Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...
Políticas e Culturas de Avaliação de Alunos com Necessidades Educativas Espec...
 
DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021
DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021
DES|CONFINAR 2.º MARÇO.ABRIL 2021
 
Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?
Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?
Cabe a Diferenciação pedagógica numa Medida Prescritiva?
 
Da Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXI
Da Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXIDa Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXI
Da Exclusão à Inclusão - A escola completa do século XXI
 
Reflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas Especiais
Reflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas EspeciaisReflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas Especiais
Reflexão sobre o conceito de Necessidades Educativas Especiais
 
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim ColôaDES|CONFINAR - Joaquim Colôa
DES|CONFINAR - Joaquim Colôa
 
Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...
Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...
Joaquim Colôa - AS OPORTUNIDADES DA NOVA LEI EM PORTUGAL – DITA QUE É PARA A ...
 
Educação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos dias
Educação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos diasEducação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos dias
Educação Inclusiva: Uma narrativa de 25 anos no aroma dos dias
 
Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*
Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*
Autodeterminação ou o Poder e a Liberdade em dar Sentido à Singularidade*
 
Decreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim Colôa
Decreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim ColôaDecreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim Colôa
Decreto Lei 54 de Julho de 2018 - Joaquim Colôa
 
Diferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricular
Diferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricularDiferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricular
Diferenciação Pedagógica: Ações de gestão curricular
 
Inclusão; Alunos autistas na escola. II parte
Inclusão; Alunos autistas na escola. II parteInclusão; Alunos autistas na escola. II parte
Inclusão; Alunos autistas na escola. II parte
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 

A INCLUSÃO NA ESCOLA

  • 1. 1 Joaquim Colôa 10 MAIO DE 2014 Joaquim.coloa@gmail.com http://www.slideshare.net/jcoloa Nota: O presente texto serviu de base a uma síntese (que não é da minha responsabilidade) que foi publicada na revista com diversos textos referentes à semana da educação, uma iniciativa da FENPROF, CNOD e INR. O mesmo serviu de base à comunicação realizada no seminário que decorreu no Seixal, integrado na semana global de educação de 4 a 10 de maio. A INCLUSÃO NA ESCOLA A afirmação da escola pública é a afirmação de que todos os cidadãos têm direito à educação, o direito declarativo de uma Educação Inclusiva (EI). Já a consequência deste direito é o da não descriminação seja por que razão ou condição for (UNESCO, 2005). O direito à educação e à igualdade de oportunidades é um direito que está consignado na Constituição Portuguesa bem como na Lei de Bases do Sistema Educativo. Segundo Sousa (1997), é durante os anos sessenta que o acesso à educação começa a ser pautado por critérios de justiça e igualdade. Assim, segregação foi, paulatinamente, dando lugar ao ideal de integração escolar e social. Movimento que, progressivamente, tem vindo a ser substituído pelos princípios inerentes à EI. Embora estes pressupostos evolutivos sejam, na generalidade, aceites o conceito de EI é também encarado como centro de diversas discussões e muitas vezes objeto de ambiguidades concetuais e de indefinições. Situação que é identificada em todo o mundo e que é, segundo alguns investigadores, ainda mais visível em Portugal. Como diz Plaisance (2006), em Portugal e restantes países de língua portuguesa o conceito de inclusão observa-se demasiado generalizado e mesmo banalizado. Aceitando-se como certa a
  • 2. 2 afirmação anterior, poderemos complementá-la com a ideia de que quando um conceito se utiliza para designar demasiadas coisas, ele acaba por não permitir distinguir a que realmente se refere (Canário, 2006). Uma premissa que temos clara é a da que os princípios de EI não se referem somente à educação de alunos com condição de deficiência. No mesmo sentido, Smith (2006) sublinha que o conceito de EI deve entender-se como referindo-se a todos os “potenciais aprendentes” que, por qualquer razão, se encontram excluídos da escola em consequência de uma não significativa participação, tanto no que respeita à vida económica, como social, política e cultural. Com base nas ideias de D’Alessio (2006), a abordagem referente à EI diz respeito: ao desenvolvimento de um ambiente educativo, social e político, à (re)organização de recursos para todos os alunos, nomeadamente os alunos com necessidades específicas, ao desenvolvimento de uma intervenção centrada nos contextos e posteriormente no indivíduo, à transformação de respostas individuais e particulares em respostas para todos os alunos, à concetualização de um quadro teórico assente num modelo social de deficiência e à afirmação do princípio de empowerment, ou seja, as pessoas com condição de deficiência e as suas famílias estão no centro de todas as decisões. No entendimento da UNESCO (2005a), existem quatro elementos chave que, com frequência, são associados à concetualização da EI: (1) É um processo, porque tende a ser vista como uma procura contínua de respostas à diversidade e à promoção da convivência bem como do respeito pelas diferenças. Permite também tornar as diferenças como uma mais-valia e um estímulo para a promoção das aprendizagens dos alunos e dos próprios professores. (2) É uma ação de identificação de barreiras e, consequentemente, envolve elencar, ordenar e avaliar a informação que provém de diversas fontes. Informação utilizada para planear a melhoria de políticas e de práticas do agrupamento de escolas e de cada uma das escolas. (3) É a presença, participação e realização de todos os alunos. Tem a ver com o atendimento e com a qualidade de experiências que os alunos vivenciam para, deste modo, incorporar os pontos de vista destes. Também tem a ver com os resultados das
  • 3. 3 aprendizagens realizadas, no sentido de que não devem ser avaliadas somente com recurso a testes. (4) É enfatizar, de forma particular, as respostas aos alunos em risco de exclusão e marginalização, para assegurar a sua participação e realização no sistema educativo. Ainda na compreensão da UNESCO (2005a), a EI pode ser definida como: (a) Um processo, uma vez que deve ser encarada como um contínuo de ações que equacionam respostas à diversidade, (b) A convivência com as diferenças, (c) O desenvolvimento de atitudes positivas perante as diferenças reconhecendo-as como um estímulo para o desenvolvimento das aprendizagens e das interações, (d) A preocupação em identificar e atenuar ou eliminar barreiras à aprendizagem e participação, (e) A necessidade de se recolher, articular e avaliar a informação com base numa diversidade de fontes, para que se possam planificar uma plêiade de ações ao nível das políticas, culturas e práticas das escolas, (f) O recurso a diversas estratégias de forma a estimular-se a criatividade e a resolução de problemas, (g) A presença e participação de todos os alunos, para que estes consigam desenvolver aprendizagens de qualidade, (h) A necessidade de equacionar os contextos em que decorrem essas aprendizagens, (i) A necessidade de explicitar os níveis de participação por referência à qualidade das experiências e história de vida dos alunos. Interessar-nos pelo seu ponto de vista e, por estes motivos, reportar-nos à aprendizagem ao longo da vida e (j) A ênfase e centralidade na ação em grupos de alunos que possam estar em risco de marginalização e exclusão e/ou que apresentem dificuldades em acederem ao currículo. É a defesa de que não chega todos estarem na escola mas que a Educação é para Todos. A afirmação social e humana de que todas as pessoas têm direito à educação, independentemente da sua condição cultural, física, intelectual, etc., implica mudanças sócio culturais, nomeadamente na educação e inerentemente nas organizações escolares. No entanto estas têm denotado algumas tensões e, por vezes mesmo contradições no desenvolvimento da EI. Algumas destas tensões e/ou contradições dizem respeito a muitos princípios subjacentes a uma pública de qualidade e para Todos, tanto em Portugal como noutros países. Referimo-nos, como identifica a European Agency for Development in Special Needs Education (2008), a uma tensão evidente entre o pressuposto da competição e o princípio de igualdade de oportunidades. Muitas vezes esta aparente dicotomia coloca-se na opção entre um sistema competitivo ou um sistema
  • 4. 4 que promove a inclusão através da cooperação e da partilha de experiências de aprendizagem. No entanto defendemos que, quando gerados os equilíbrios desejáveis e necessários, a tenção deixa de existir e a contradição é meramente aparente. As politicas, dinâmicas organizacionais e práticas criadoras desse equilíbrio tendem a inferir à competição, independentemente da condição do aluno, um potencial motivacional e de incentivos e ao desenvolvimento de sistemas que apoiam a igualdade de oportunidades a capacitação para a mobilização da cooperação e promoção da equidade e da justiça social. Outra aparente contradição é a associada aos princípios e práticas de globalização. Por um lado assiste-se à aceitação de que estes princípios e práticas deveriam assentar numa ideia de afirmação da diferença, apelar ao valor social e cultural da diferença. Por outro lado percebe-se que a ideia de globalização acentua o emergir da quantificação de indicadores que, para alguns, representam e comunicam a qualidade e quantidade em educação Ryan e Cousins (2009). Perspetiva de medição e quantificação que incrementa abordagens, pressupostamente, representativas de melhor educação porque permitem, segundo os seus paladinos, melhores e mais diferenciadas respostas à diferença. É neste sentido que vão os discursos de muitos, nomeadamente os defensores da aplicação Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF). Um instrumento que, na lógica de muitos, serve essencialmente para proceder a classificações de alunos, à sua rotulação para posterior elegibilidade para respostas específicas, algumas vezes caraterizadas por contornos segregadores. Por um lado o reconhecimento da heterogeneidade inerente aos pressupostos da globalização. Por outro lado o aparecimento de “sistemas orquestrados na lógica do cálculo e medição dos outputs e dos resultados” (Schwandt, 2009, p. 33), de discursos que acentuam e se centram nos problemas. Numa via os discursos educativos, tanto ao nível das politicas como das práticas que (re)afirmam a necessidade de reconhecer e afirmar a heterogeneidade. A necessidade de desenvolver um currículo com sentido e sentido para e por todos os alunos. Discursos que valorizam as diferenças individuais e os processos de aprendizagem para além dos resultados. Noutra via, completamente divergente, a defesa da implementação e desenvolvimento de um currículo “fechado”, restrito e restritivo que aponta para a
  • 5. 5 homogeneização do ensino e que assenta em processos acumulativos e sequenciais, numa aprendizagem centrada em critérios e objetivos. Ideia que tem (in)formado as últimas mudanças nas politicas educativas em Portugal, e muita da produção legislativa enquadradora dessas mudanças. Damos como exemplo a Portaria n.º 275-A/2012 de 11 de setembro que, para além de diversas das ambiguidades e contradições que temos vindo a descrever, representa o expoente máximo da proposta de desenvolvimento de um currículo “fechado”. Um currículo restritivo não só no que se refere às áreas de ensino e aprendizagem que propõe desenvolver, como à própria população a que se destina e, ainda, aos contextos que propõe para o desenvolvimento de maior parte dessas áreas. Um currículo homogeneizador, ma legislação que, em nome da EI, desvaloriza a ação da escola pública financia respostas tendencialmente segregadoras. Deste modo, estamos perante um paradigma de pensamento e necessariamente de ação, referenciada a diversos níveis, que olha para o OUTRO que é diferente e que afirma essa mesma diferença nesse OUTRO. Caminhar divergente de um conceito de Inclusão claramente declarativo da heterogeneidade. De um paradigma que coloca a ênfase na comunicação entre diferentes que somos NÓS. Heterogeneidade que se inscreve na contínua relação entre o NÓS diferentes, mas também entre as diversas e possíveis diferenças de cada um de NÓS e as distintas e prováveis diferenças dos contextos. Uma pluralidade de possíveis diferentes que potencia a comunicação bem como a colaboração e a criticidade assumindo-se esta realidade como a (re)afirmação da própria diferença. Nesta relação constante entre diferentes, cada pessoa descobre as diversas possibilidades que incorporam e fortalecem o seu autoconhecimento e potenciam a capacidade crítica de autodeterminação, o sentido divergente na colaboração. Uma colaboração que se consubstancia em sistemas comunitários naturais de apoio que obriga a redefinir organizações e serviços para responder, eleger respostas para as necessidades de cada um de NÓS. É o reequacionamento, com base na crítica social e cultural, da qualidade de vida desse NÓS tanto numa perspetiva coletiva como individual / plural. A mudança só possível na afirmação de valores que façam emergir uma linguagem comum tanto ao nível social como individual. Uma mudança critica que, baseada nessa
  • 6. 6 diferença consciente do NÓS, potencie a mudança das organizações. Mudança clara que seja motor social e reivindicativa de políticas claramente Inclusivas. Parafraseando Simone de Beauvoir /1976), todos aqueles que apregoam a igualdade na diferença, não poderão, em qualquer caso, discordar que é possível existirem diferenças na igualdade. Referências Bibliográficas Beauvoir, S. (1976). Le Deuxième Sexe. Paris: Gallimard. Canário, R. (2006). A Escola: Da Escola à Hospitalidade. In David Rodrigues (Org.), Educação Inclusiva: Estamos a fazer Progressos? (pp. 31-45). Lisboa: Fórum de Estudos de Educação Inclusiva – Faculdade de Motricidade Humana. D’Alessio, S. (2006). Le Concept d’Inclusion Scolaire. In UNESCO, De l’Intégration à l’Inclusion: un Défi pour Tous (pp. 25- 29). Paris: UNESCO. European Agency for Development in Special Needs Education (2008). Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos: Questões-chave para Políticas e Práticas. Dinamarca: Plaisance, E. (2006). Le Concept d’Inclusion. In UNESCO, De l’Intégration à l’Inclusion : un Défi Pour Tous (pp. 14 – 17). Paris: UNESCO. Ryan, K. E. & Cousins, J. B. (2009). The Sage International Handbook of Educational Evaluation. Thousand Oaks: Sage. Schwandt, T. A. (2009). Globalizing Influences on the Western Evaluation Imaginary. In K. E. Ryan; J. B. Cousins, The Sage International Handbook of Educational Evaluation (pp. 19–36). Thousand Oaks: Sage. Smith, P. (2006). Vers L´Education pour Tous. Inclusion–Policy Briefs, 1, UNESCO. Sousa, A. B. (2009). Investigação em Educação. Lisboa: Livros Horizonte. Sousa, L. (1997). Princípios para o Atendimento de Crianças com Necessidades Educativas Especiais: Integração/Inclusão. Integrar, 14, 34-39. UNESCO (2005). Guidelines for Inclusion: Ensuring Access to Education for All. Paris: UNESCO.
  • 7. 7 UNESCO (2005a). Changer les Méthodes d’Enseignement-La Différenciation des Programmes Comme Solution à la Diversité des Elèves. Paris: UNESCO.