SlideShare uma empresa Scribd logo
Esquemas-síntese de
«A Ilha dos Amores» —
Canto IX, estâncias
52-53; 66-70
(pp. 190-191)
• Deusa do Amor e da Beleza
• Personagem coadjuvante (auxiliadora)
• Defende a causa dos portugueses junto dos outros deuses
• Protege a frota portuguesa das ciladas de Baco
• Prepara uma recompensa para a frota
No Canto IX, a armada de Vasco da Gama inicia o seu regresso
a Portugal — a «pátria cara» (est. 17).
Como recompensa pelos feitos extraordinários dos Portugueses,
Vénus prepara-lhes uma ilha, uma «ínsula divina» (est. 21), com a ajuda
de Cupido.
«Vénus» (v. 2, est. 52)
«Acidália» (v. 8, est. 52)
«Citereia» (v. 8, est. 53)
«Ericina» (v. 8, est. 66)
Nomenclatura utilizada
para referir a deusa do Amor
Vénus
Os nautas avistam a ilha,
pois Vénus desloca-a
para perto das naus
Etapas do excerto em análise:
Estâncias 52 e 53
«os fortes mancebos»
desembarcam
e exploram a ilha
Estâncias 66 e 67
Os nautas avistam
as «Deusas»
e perseguem-nas;
alerta de Veloso
Estâncias 68-70
Noção de beleza,
frescura, tranquilidade,
deleite, prazer: local idílico
Adjetivação/
dupla
adjetivação
Descrição da «Ilha namorada» (est. 51) — local idílico, com uma
Natureza luxuriante, pleno de beleza e harmonia (locus amoenus):
Descrição da ilha
• «fresca e bela» (v. 1, est. 52)
• «firme […] imóbil» (v. 1, est. 53)
• «ũa enseada / curva e quieta cuja branca areia / pintou de ruivas conchas»
(vv. 6-8, est. 53)
• «montes deleitosos» (v. 6, est. 66)
• «sombrios matos e florestas» (v. 3, est. 67)
• «sombras, que […] / Defendem a verdura» (vv. 5 e 6, est. 67)
• «água, que, suave e queda, / Por alvas pedras corre à praia leda.» (vv. 7-8,
est. 67)
• «verdes ramos» (v. 2, est. 68)
Importância da cor:
local idílico
O avistamento da ilha:
Estâncias
52 e 53
• Os nautas avistam a ilha de longe
• Vénus desloca a ilha até junto das naus, para o local em que se encontra
a armada, como se a ilha se movesse com a força do vento
«como o vento leva a branca vela» (v. 3, est. 52)
Musicalidade
Movimento
Comparação
Aliteração
«Qual ficou Delos, tanto que
pariu / Latona Febo e a Deusa
à caça usada.» (vv. 3 e 4, est. 53)
Comparação
Campo lexical de movimento: «levava», «movia» (est. 52 e 53)
Campo lexical de visão: «viram», «enxergava», «viu» e «vista» (est. 52 e 53)
Formas
verbais
Local do nascimento de Apolo
e Diana (deusa da caça)
Comparação com a ilha
de Delos — local sagrado
«de terra cobiçosos»
Caça «suave, doméstica
e benina»
Fortes
mancebos
Desembarque dos nautas e o seu objetivo na ilha — caçar:
Estância 66
«de acharem caça agreste desejosos»
• Satisfação da vontade
• Anseio
• Desejo
Duplo sentido
para o vocábulo «caça»
Caça: as ninfas
Caça: animais selvagens
A captura seria fácil,
pois as ninfas estavam já
predispostas para o amor
Exploração da ilha — locus amoenusEstância 67
«sombrios matos
e florestas»
Alguns
«Pera ferir os cervos»
«Ao longo da água»
Outros
«passeavam»
Visão dos corpos femininos
A visão da «caça estranha» — perseguição das ninfas:
Estância 68
Pele desnuda
das ninfas
«lã fina e seda diferente,
[…] De que se vestem
as humanas rosas»
(vv. 5 e 7)
Metáfora
Dupla adjetivação
Alerta de Veloso / espanto dos nautasEstância 69
As ninfas são
encaradas
como presas
«caça estranha (disse)
é esta!» (v. 2)
Metáfora
Encontro entre
Plano da viagem / Plano mitológico:
a mitificação dos nautas
Perceção da natureza sagrada
da floresta: espaço iniciático,
reservado apenas aos mais
ousados e destemidos
Acesso a um novo conhecimento:
«grandes as cousas e excelentes» (v. 7)
Perseguição amorosa / conquista das ninfasEstância 70
Caça de animais — perseguição das ninfasMetáfora
Nautas
Caçadores como galgos
Velozes como gamos
Deusas
Verdadeiras?
Fantásticas?
Nautas = cães de caça Ninfas = presas capturadas
Comparação com animais
Astutas, comportamento sedutor:
«sorrindo e gritos dando» (v. 7)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
Paula Oliveira Cruz
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
Maria João Oliveira
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
claudiarmarques
 
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amores
Bruno Neves
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Helena Coutinho
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
DanielaMoreira84
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
Lurdes Augusto
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
Maria Teresa Soveral
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
António Fernandes
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
Gijasilvelitz 2
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
Cátia Ramalhinho
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
Karyn XP
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
Paula Oliveira Cruz
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
Helena Coutinho
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
ameliapadrao
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
FilipeReis48
 

Mais procurados (20)

Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
Proposição
ProposiçãoProposição
Proposição
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amores
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Lusiadas 10º ano
Lusiadas 10º anoLusiadas 10º ano
Lusiadas 10º ano
 
Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões Lírica de Luís de Camões
Lírica de Luís de Camões
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos PeixesEstrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
Estrutura do Sermão de Santo António aos Peixes
 
Cantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumoCantigas de amigo - resumo
Cantigas de amigo - resumo
 
OCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsxOCEANO NOX_Análise.ppsx
OCEANO NOX_Análise.ppsx
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
 
Cantigas de amigo
Cantigas de amigoCantigas de amigo
Cantigas de amigo
 
Lírica camoniana
Lírica camonianaLírica camoniana
Lírica camoniana
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
"Mar Português" e " Ascensão de Vasco da Gama" por Filipe Reis
 

Destaque

A galinha medrosa
A galinha medrosaA galinha medrosa
A galinha medrosa
Fernanda Pereira
 
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidadeEnc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Fernanda Pereira
 
Contrôle jan
Contrôle janContrôle jan
Contrôle jan
Fernanda Pereira
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Fernanda Pereira
 
Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorial
Fernanda Pereira
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
joanana
 

Destaque (6)

A galinha medrosa
A galinha medrosaA galinha medrosa
A galinha medrosa
 
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidadeEnc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
Enc11 frei luis_sousa_sintese_unidade
 
Contrôle jan
Contrôle janContrôle jan
Contrôle jan
 
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidadeEnc11 amor perdicao_sintese_unidade
Enc11 amor perdicao_sintese_unidade
 
Ficha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorialFicha verificação leitura memorial
Ficha verificação leitura memorial
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 

Último

CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 

Último (20)

CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 

A ilha dos amores canto ix, estâncias52 53; 66-70

  • 1. Esquemas-síntese de «A Ilha dos Amores» — Canto IX, estâncias 52-53; 66-70 (pp. 190-191)
  • 2. • Deusa do Amor e da Beleza • Personagem coadjuvante (auxiliadora) • Defende a causa dos portugueses junto dos outros deuses • Protege a frota portuguesa das ciladas de Baco • Prepara uma recompensa para a frota No Canto IX, a armada de Vasco da Gama inicia o seu regresso a Portugal — a «pátria cara» (est. 17). Como recompensa pelos feitos extraordinários dos Portugueses, Vénus prepara-lhes uma ilha, uma «ínsula divina» (est. 21), com a ajuda de Cupido. «Vénus» (v. 2, est. 52) «Acidália» (v. 8, est. 52) «Citereia» (v. 8, est. 53) «Ericina» (v. 8, est. 66) Nomenclatura utilizada para referir a deusa do Amor Vénus
  • 3. Os nautas avistam a ilha, pois Vénus desloca-a para perto das naus Etapas do excerto em análise: Estâncias 52 e 53 «os fortes mancebos» desembarcam e exploram a ilha Estâncias 66 e 67 Os nautas avistam as «Deusas» e perseguem-nas; alerta de Veloso Estâncias 68-70
  • 4. Noção de beleza, frescura, tranquilidade, deleite, prazer: local idílico Adjetivação/ dupla adjetivação Descrição da «Ilha namorada» (est. 51) — local idílico, com uma Natureza luxuriante, pleno de beleza e harmonia (locus amoenus): Descrição da ilha • «fresca e bela» (v. 1, est. 52) • «firme […] imóbil» (v. 1, est. 53) • «ũa enseada / curva e quieta cuja branca areia / pintou de ruivas conchas» (vv. 6-8, est. 53) • «montes deleitosos» (v. 6, est. 66) • «sombrios matos e florestas» (v. 3, est. 67) • «sombras, que […] / Defendem a verdura» (vv. 5 e 6, est. 67) • «água, que, suave e queda, / Por alvas pedras corre à praia leda.» (vv. 7-8, est. 67) • «verdes ramos» (v. 2, est. 68) Importância da cor: local idílico
  • 5. O avistamento da ilha: Estâncias 52 e 53 • Os nautas avistam a ilha de longe • Vénus desloca a ilha até junto das naus, para o local em que se encontra a armada, como se a ilha se movesse com a força do vento «como o vento leva a branca vela» (v. 3, est. 52) Musicalidade Movimento Comparação Aliteração «Qual ficou Delos, tanto que pariu / Latona Febo e a Deusa à caça usada.» (vv. 3 e 4, est. 53) Comparação Campo lexical de movimento: «levava», «movia» (est. 52 e 53) Campo lexical de visão: «viram», «enxergava», «viu» e «vista» (est. 52 e 53) Formas verbais Local do nascimento de Apolo e Diana (deusa da caça) Comparação com a ilha de Delos — local sagrado
  • 6. «de terra cobiçosos» Caça «suave, doméstica e benina» Fortes mancebos Desembarque dos nautas e o seu objetivo na ilha — caçar: Estância 66 «de acharem caça agreste desejosos» • Satisfação da vontade • Anseio • Desejo Duplo sentido para o vocábulo «caça» Caça: as ninfas Caça: animais selvagens A captura seria fácil, pois as ninfas estavam já predispostas para o amor
  • 7. Exploração da ilha — locus amoenusEstância 67 «sombrios matos e florestas» Alguns «Pera ferir os cervos» «Ao longo da água» Outros «passeavam»
  • 8. Visão dos corpos femininos A visão da «caça estranha» — perseguição das ninfas: Estância 68 Pele desnuda das ninfas «lã fina e seda diferente, […] De que se vestem as humanas rosas» (vv. 5 e 7) Metáfora
  • 9. Dupla adjetivação Alerta de Veloso / espanto dos nautasEstância 69 As ninfas são encaradas como presas «caça estranha (disse) é esta!» (v. 2) Metáfora Encontro entre Plano da viagem / Plano mitológico: a mitificação dos nautas Perceção da natureza sagrada da floresta: espaço iniciático, reservado apenas aos mais ousados e destemidos Acesso a um novo conhecimento: «grandes as cousas e excelentes» (v. 7)
  • 10. Perseguição amorosa / conquista das ninfasEstância 70 Caça de animais — perseguição das ninfasMetáfora Nautas Caçadores como galgos Velozes como gamos Deusas Verdadeiras? Fantásticas? Nautas = cães de caça Ninfas = presas capturadas Comparação com animais Astutas, comportamento sedutor: «sorrindo e gritos dando» (v. 7)