O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106

32.593 visualizações

Publicada em

Os Lusíadas 12º ano- trabalho oral

Publicada em: Educação

Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106

  1. 1. Os Lusiadas CANTO I – ESTÂNCIAS 105, 106
  2. 2. 105- O recado que trazem é de amigos, Mas debaixo o veneno vem coberto; Que os pensamentos eram de inimigos, Segundo foi o engano descoberto. Oh! Grandes e gravíssimos perigos! Oh! Caminho de vida nunca certo: Que aonde a gente põe sua esperança, Tenha a vida tão pouca segurança! Estâncias
  3. 3. 106- No mar tanta tormenta, e tanto dano, Tantas vezes a morte apercebida! Na terra tanta guerra, tanto engano, Tanta necessidade avorrecida! Onde pode acolher-se um fraco humano, Onde terá segura a curta vida, Que não se arme, e se indigne o Céu sereno Contra um bicho da terra tão pequeno?
  4. 4. Resumo geral das estâncias Estas estâncias são uma reflecção do poeta onde ele fala sobre a vida humana e os perigos que lhe estão sujeitos.
  5. 5. Conteúdo das estâncias Estância 105 (v.1-4) O sujeito poético mostra-nos que o povo de Mombaça se finge de amigos dos portugueses para os traírem, mas são descobertos pelos portugueses. (v.5-8) O sujeito poético fala dos perigos e inseguranças que a vida tem e da esperança que as pessoas colocam na vida e no futuro
  6. 6. Estância 106 (v.1-4) O sujeito poético fala do mar e da terra, o mar simbolizando a morte e perigos e a terra simbolizando a guerra e o engano. (v.5-8) O sujeito poético fala do ser humano como um ser fraco diante da natureza e por ele ser fraco e pequeno nunca vai encontrar segurança. Os portugueses são considerados “bichos da terra” mas eles conseguiram vencer batalhas e fazer feitos históricos e por isso são considerados heróis.
  7. 7. Figuras de estilo  Estância 105  Interjeição/anáfora- (v.5/6) “Oh/Oh”  Antítese- (v.1-4) “amigos/coberto/inimigos/descoberto”  Metáfora- (v.2) “Mas debaixo o veneno vem coberto”
  8. 8.  Estância 106  Anáfora- (v.1-4) “Tanta”, “Tanto”, “Tantas”  Anáfora- (v.5/6) “Onde/Onde”  Paralelismo/enumeração- (v.1/2) “No mar, tormenta, dano, vezes a morte apercebida.”  Personificação- (v.7) “Que não se arme, e se indigne o Céu sereno”  Metáfora- (v.8) “Bichos da terra”  Int.retórica- (v.5-8) “Onde pode acolher-se um fraco humano,/Onde terá segura a curta vida,/Que não se arme, e se indigne o Céu sereno/Contra um bicho da terra tão pequeno?”
  9. 9. Critica presente no século XXI  Falsidade – (estância 104) “Estranhamente ledo, porque espera De poder ver o povo batizado, Como o falso piloto lhe dissera”  Traição- (estância 105) “O recado que trazem é de amigos, Mas debaixo o veneno vem coberto; Que os pensamentos eram de inimigos, Segundo foi o engano descoberto.”
  10. 10. Paralelismo entre o século XVI e XXI  Esperança no futuro - (estância 105) “Que aonde a gente põe sua esperança, Tenha a vida tão pouca segurança!” (estância 106) “Onde terá segura a curta vida”  Terra e Mar – (estância 106) “No mar tanta tormenta, e tanto dano, Tantas vezes a morte apercebida! Na terra tanta guerra, tanto engano, Tanta necessidade avorrecida!”

×