SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Os Lusíadas
Canto IX
93-95
Resumo Canto IX
• Os português finalmente deixou Calcute, apesar das
dificuldades, regressando a Portugal.
• Vénus recompensa os portugueses com a Ilha dos
Amores, manda o seu filho, Cúpido, atirar flexas às
Ninfas que, apaixonadas, receberão os portugueses.
• Tétis explica a situação a Vasco da Gama, afirmando
que no futuro terão muitas conquistas.
• O poeta comenta a importância da forma de alcançar
a fama.
Assunto
• Camões dirige agora uma exortação a todos aqueles
que sonham alcançar a fama, tornando-se assim
imortais.
• Dá também conselhos aos que aspiram a condição de
herói.

• (abandonar a cobiça, a ambição e a tirania.)
Analise Canto IX (93)
São as condições
para ser um herói.

E ponde na cobiça um freio duro,
E na ambição também, que
indignamente
Tomais mil vezes, e no torpe e escuro
Vício da tirania infame e urgente:
Porque essas honras vãs, esse ouro puro
Verdadeiro valor não dão à gente
Milhor é, merecê-los sem os ter,
Que possuí-los sem os merecer.

Explicação
Analise Canto IX (94)
Só assim haverá
“Reinos grandes
e possantes” e o
usufruto de
“riquezas
merecidas com
as honras que
ilustram tanto
as vidas”.

Ou dai na paz as leis iguais, constantes,
Que aos grandes não dem o dos pequenos,
Ou vos vesti nas armas rutilantes,
Contra a lei dos imigos Sarracenos:
Fareis os Reinos grandes e possantes,
E todos tereis mais, e nenhum menos:
Possuireis riquezas merecidas,
Com as honras que ilustram tanto as vidas.

Não dar aos grandes o que é dos pequenos.

Assim se fão fortes
os reinos. Todos
ganharão sem
nenhum perder.
Analise Canto IX (95)
E fareis claro o Rei, que tanto amais,
Agora co’ os conselhos bem cuidados,
Agora co’ as espadas, que imortais
Vos farão, como os vossos já passados:
Impossibilidades não façais,
Que quem quis sempre pôde; e numerados
Sereis entre os Heróis esclarecidos,
E nesta Ilha de Vénus recebidos.

A condição de herói associa-se a
recompensa neste caso.

Não vale a pena
arranjar desculpas.

Seguindo o Rei e
glorificando-o serão
reconhecidos como
heróis.
Intencionalidade
• Condenação da cobiça, da ambição, e da tirania e dar
conselhos aos que esperavam alcançar a condição de
herói.
• Advertência de Camões a todos os que sonham com a
imortalidade.
Infante D. Henrique

• André Cálix
• Carina Silva
• Vanessa Carvalho
Biografia
• Nasceu a 4 de Março de 1394 e
faleceu a 13 de Março de 1460;
• Foi a figura mais importante no
início da era das descobertas;
• Ficou popularmente conhecido
como Infante de Sagres ou “O
Navegador”;
• Foi o quinto filho D. João I de
Portugal (fundador da dinastia de
Avis) e de Dona Filipa de
Lencastre;
A sua importância para a História de
Portugal
• Em 1414 montou a campanha
para a conquista de Ceuta;
• A Agosto de 1415 conquistou
Ceuta;
• Tornou-se encarregado do
governo de Ceuta no dia 18 de
Fevereiro de 1416;
• Voltou a Ceuta na companhia do
seu irmão em 1418;
• A 25 de Maio de 1420 foi
nomeado Grão-Mestre da
Ordem de Cristo;
• Em 1427, os seus navegadores
descobriram as primeira Ilhas
dos Açores;
• Foi um dos principais
organizadores da conquista
de Tânger em 1437;
• O seu sobrinho foi o seu
principal herdeiro.
Infante D. Henrique, o Navegador

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesbeonline5
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralDina Baptista
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A TradeOxana Marian
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte ALurdes Augusto
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasclaudiarmarques
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaDina Baptista
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousananasimao
 

Mais procurados (20)

Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixesEstrutura do sermão de sto antónio aos peixes
Estrutura do sermão de sto antónio aos peixes
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Ilha dos Amores
Ilha dos AmoresIlha dos Amores
Ilha dos Amores
 
Os Lusíadas - Canto VII
Os Lusíadas -  Canto VIIOs Lusíadas -  Canto VII
Os Lusíadas - Canto VII
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Os Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel CentralOs Maias - Jantar no Hotel Central
Os Maias - Jantar no Hotel Central
 
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A TradeOs Maias - Episódio da Corneta do Diabo e  Jornal A Trade
Os Maias - Episódio da Corneta do Diabo e Jornal A Trade
 
10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A10ºano Luís de Camões - parte A
10ºano Luís de Camões - parte A
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadasEstrutura externa e interna d'os lusíadas
Estrutura externa e interna d'os lusíadas
 
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do PoetaOs Lusíadas - Reflexões do Poeta
Os Lusíadas - Reflexões do Poeta
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Cap vi
Cap viCap vi
Cap vi
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
 

Semelhante a Infante D. Henrique, o Navegador

Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumoMirceya Lima
 
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresBruno Neves
 
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdfoslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdfClaudiaMariaReis
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesAntónio Fraga
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)António Fraga
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadasPedro Lopes
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadasPedro Lopes
 
Os doze de inglaterra
Os doze de inglaterraOs doze de inglaterra
Os doze de inglaterraagnes2012
 
Os doze de inglaterra
Os doze de inglaterraOs doze de inglaterra
Os doze de inglaterraagnes2012
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1Maria Gomes
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte BLurdes Augusto
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1Maria Gomes
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1Maria Gomes
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29luisprista
 

Semelhante a Infante D. Henrique, o Navegador (19)

Os lusíadas resumo
Os lusíadas resumoOs lusíadas resumo
Os lusíadas resumo
 
Os Lusíadas
Os Lusíadas Os Lusíadas
Os Lusíadas
 
Tétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amoresTétis e a ilha dos amores
Tétis e a ilha dos amores
 
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdfoslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
oslusadas-ovelhodorestelo-ivcanto-110526182923-phpapp02.pdf
 
Os lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camõesOs lusíadas, de luís de camões
Os lusíadas, de luís de camões
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadas
 
Camões os lusíadas
Camões os lusíadasCamões os lusíadas
Camões os lusíadas
 
D quixote de la mancha
D quixote de la manchaD quixote de la mancha
D quixote de la mancha
 
velho do restelo
velho do restelovelho do restelo
velho do restelo
 
Camões / Os Lusíadas
Camões / Os LusíadasCamões / Os Lusíadas
Camões / Os Lusíadas
 
Os doze de inglaterra
Os doze de inglaterraOs doze de inglaterra
Os doze de inglaterra
 
Os doze de inglaterra
Os doze de inglaterraOs doze de inglaterra
Os doze de inglaterra
 
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
Os Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV CantoOs Lusíadas   O Velho do Restelo -  IV Canto
Os Lusíadas O Velho do Restelo - IV Canto
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
 
10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B10ºano Luís de Camões parte B
10ºano Luís de Camões parte B
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
 
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
A política expansionista de D. João II e a rivalidade luso castelhana1
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 29
 

Mais de Karyn XP

Pedro calapez
Pedro calapezPedro calapez
Pedro calapezKaryn XP
 
Importancia das novas tecnologias
Importancia das novas tecnologiasImportancia das novas tecnologias
Importancia das novas tecnologiasKaryn XP
 
Btl carina silva e vanessa carvalho
Btl    carina silva e vanessa carvalhoBtl    carina silva e vanessa carvalho
Btl carina silva e vanessa carvalhoKaryn XP
 
Animação
AnimaçãoAnimação
AnimaçãoKaryn XP
 
Revisao para historia
Revisao para historiaRevisao para historia
Revisao para historiaKaryn XP
 
Alimentação carina silva nº10
Alimentação carina silva nº10Alimentação carina silva nº10
Alimentação carina silva nº10Karyn XP
 
Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32
Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32
Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32Karyn XP
 
Modelo tiat
Modelo tiatModelo tiat
Modelo tiatKaryn XP
 
Museu do chiado
Museu do chiadoMuseu do chiado
Museu do chiadoKaryn XP
 
Viagem a lua
Viagem a luaViagem a lua
Viagem a luaKaryn XP
 
Qualidade em destino turístico
Qualidade em destino turísticoQualidade em destino turístico
Qualidade em destino turísticoKaryn XP
 
Britsh airways
Britsh airwaysBritsh airways
Britsh airwaysKaryn XP
 
Português
PortuguêsPortuguês
PortuguêsKaryn XP
 
Visitas de hca
Visitas de hcaVisitas de hca
Visitas de hcaKaryn XP
 
O grito de edvard mun.0ch
O grito de edvard mun.0chO grito de edvard mun.0ch
O grito de edvard mun.0chKaryn XP
 

Mais de Karyn XP (20)

Pedro calapez
Pedro calapezPedro calapez
Pedro calapez
 
Importancia das novas tecnologias
Importancia das novas tecnologiasImportancia das novas tecnologias
Importancia das novas tecnologias
 
Tibete
TibeteTibete
Tibete
 
Corte
CorteCorte
Corte
 
Btl carina silva e vanessa carvalho
Btl    carina silva e vanessa carvalhoBtl    carina silva e vanessa carvalho
Btl carina silva e vanessa carvalho
 
Animação
AnimaçãoAnimação
Animação
 
Otet
OtetOtet
Otet
 
Revisao para historia
Revisao para historiaRevisao para historia
Revisao para historia
 
Tcat
TcatTcat
Tcat
 
10 jogos
10 jogos10 jogos
10 jogos
 
Alimentação carina silva nº10
Alimentação carina silva nº10Alimentação carina silva nº10
Alimentação carina silva nº10
 
Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32
Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32
Perfil do animador turística carina nº10 tiago montes nº32
 
Modelo tiat
Modelo tiatModelo tiat
Modelo tiat
 
Museu do chiado
Museu do chiadoMuseu do chiado
Museu do chiado
 
Viagem a lua
Viagem a luaViagem a lua
Viagem a lua
 
Qualidade em destino turístico
Qualidade em destino turísticoQualidade em destino turístico
Qualidade em destino turístico
 
Britsh airways
Britsh airwaysBritsh airways
Britsh airways
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Visitas de hca
Visitas de hcaVisitas de hca
Visitas de hca
 
O grito de edvard mun.0ch
O grito de edvard mun.0chO grito de edvard mun.0ch
O grito de edvard mun.0ch
 

Infante D. Henrique, o Navegador

  • 2. Resumo Canto IX • Os português finalmente deixou Calcute, apesar das dificuldades, regressando a Portugal. • Vénus recompensa os portugueses com a Ilha dos Amores, manda o seu filho, Cúpido, atirar flexas às Ninfas que, apaixonadas, receberão os portugueses. • Tétis explica a situação a Vasco da Gama, afirmando que no futuro terão muitas conquistas. • O poeta comenta a importância da forma de alcançar a fama.
  • 3. Assunto • Camões dirige agora uma exortação a todos aqueles que sonham alcançar a fama, tornando-se assim imortais. • Dá também conselhos aos que aspiram a condição de herói. • (abandonar a cobiça, a ambição e a tirania.)
  • 4. Analise Canto IX (93) São as condições para ser um herói. E ponde na cobiça um freio duro, E na ambição também, que indignamente Tomais mil vezes, e no torpe e escuro Vício da tirania infame e urgente: Porque essas honras vãs, esse ouro puro Verdadeiro valor não dão à gente Milhor é, merecê-los sem os ter, Que possuí-los sem os merecer. Explicação
  • 5. Analise Canto IX (94) Só assim haverá “Reinos grandes e possantes” e o usufruto de “riquezas merecidas com as honras que ilustram tanto as vidas”. Ou dai na paz as leis iguais, constantes, Que aos grandes não dem o dos pequenos, Ou vos vesti nas armas rutilantes, Contra a lei dos imigos Sarracenos: Fareis os Reinos grandes e possantes, E todos tereis mais, e nenhum menos: Possuireis riquezas merecidas, Com as honras que ilustram tanto as vidas. Não dar aos grandes o que é dos pequenos. Assim se fão fortes os reinos. Todos ganharão sem nenhum perder.
  • 6. Analise Canto IX (95) E fareis claro o Rei, que tanto amais, Agora co’ os conselhos bem cuidados, Agora co’ as espadas, que imortais Vos farão, como os vossos já passados: Impossibilidades não façais, Que quem quis sempre pôde; e numerados Sereis entre os Heróis esclarecidos, E nesta Ilha de Vénus recebidos. A condição de herói associa-se a recompensa neste caso. Não vale a pena arranjar desculpas. Seguindo o Rei e glorificando-o serão reconhecidos como heróis.
  • 7. Intencionalidade • Condenação da cobiça, da ambição, e da tirania e dar conselhos aos que esperavam alcançar a condição de herói. • Advertência de Camões a todos os que sonham com a imortalidade.
  • 8. Infante D. Henrique • André Cálix • Carina Silva • Vanessa Carvalho
  • 9. Biografia • Nasceu a 4 de Março de 1394 e faleceu a 13 de Março de 1460; • Foi a figura mais importante no início da era das descobertas; • Ficou popularmente conhecido como Infante de Sagres ou “O Navegador”; • Foi o quinto filho D. João I de Portugal (fundador da dinastia de Avis) e de Dona Filipa de Lencastre;
  • 10. A sua importância para a História de Portugal • Em 1414 montou a campanha para a conquista de Ceuta; • A Agosto de 1415 conquistou Ceuta; • Tornou-se encarregado do governo de Ceuta no dia 18 de Fevereiro de 1416; • Voltou a Ceuta na companhia do seu irmão em 1418;
  • 11. • A 25 de Maio de 1420 foi nomeado Grão-Mestre da Ordem de Cristo; • Em 1427, os seus navegadores descobriram as primeira Ilhas dos Açores; • Foi um dos principais organizadores da conquista de Tânger em 1437; • O seu sobrinho foi o seu principal herdeiro.