SlideShare uma empresa Scribd logo
II Congreso Internacional
sobre profesorado
principiante e inserción
profesional a la docencia
El acompañamiento a los docentes noveles:
prácticas y concepciones
Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de 2010
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 2
EJE TEMÁTICO 5: Las pedagogías de la formación y el acompañamiento a los
noveles. Implicancias en la formación inicial.
TIPO DE PRESENTACIÓN: REPORTES DE INVESTIGACIÓN
A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DE SABERES DOS PROFESSORES EM FORMAÇÃO:
A PARTIR DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS
Silveira, Denise Nascimento
CPF: 231230440-68
denisesil@via-rs.net
Instituto Federal Sul-rio-grandense/IF-Sul,
Fernandes, Cleoni Maria Barboza
CPF: 192429800-72
cleofernandes@terra.com.br
Pontifícia Universidade Católica de Rio Grande do Sul/PUCR
Palavras-chave: formação inicial – trajetória longitudinal – campo da formação – campo
profissional.
A formação e suas implicações de identidade decorrem de uma concepção de educação
e de mundo. E, a discussão do campo da formação inicial de professores necessita de
compreensão conceitual, nessa perspectiva, fortalecer o campo em estudo por meio da
pesquisa significa produzir sentido para compreender a complexidade da formação em
sua configuração político-histórica e sócio-cultural. Apresentamos um recorte dessa
pesquisa interinstitucional “A constituição do campo de saberes do professor em
formação: o desafio da articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação e
do campo profissional “ e, de acordo com a trajetória que temos percorrido, esse estudo
funda-se em uma abordagem qualitativa, em um corte longitudinal, acompanhando os
estudantes em seu percurso curricular. No contexto das políticas públicas para a
Educação Básica no Brasil, desde 2002, temos outra proposição curricular para a
formação de professores. Os currículos passaram a ser organizados em processos que
privilegiam a tematização dos conhecimentos escolarizados, saberes da experiência,
iniciação científica, inserção no campo profissional desde o início do curso, estágio
supervisionado a partir da metade do curso. Os dados até agora encontrados apontam
para uma desterritorialização do Estágio e do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) na
dinâmica curricular do curso, indicam também, que os saberes mobilizados nesse
percurso foram construídos enquanto estudantes da Escola Básica. Pode-se constatar
ainda uma tendência para valorizar os saberes pedagógicos. As referências básicas da
pesquisa são: Freire, Vieira Pinto, Marcelo Garcia, Perez Gómez, Correia, Severino,
Bombassaro, André, Diniz Pereira, Ghedin, Cunha, Martins, Tardif dentre outros.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 3
Introdução
A complexidade da formação inicial 1
de professores faz com que o tema situe-se
entre os de maior importância no campo da educação. E, nessa perspectiva, esse texto
traz um recorte de uma pesquisa interinstitucional que envolve universidades públicas e
privadas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.
Consideramos que a discussão da formação inicial de professores necessita de
adentrar no campo investigativo para compreender o lugar, o tempo e a constituição de
seu papel na sociedade atual. Sabemos que a investigação/pesquisa emerge de
movimentos político-econômicos e sócio-culturais que terminam por configurar a prática
docente. E esta prática é instituída a partir de um amálgama de condições objetivas de
trabalho, tanto no plano teórico, quanto no plano da prática cotidiana.
Na pesquisa “A constituição do campo de saberes do professor em formação: o
desafio da articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação e do campo
profissional” 2
, nos movimentos de sua travessia, tem como objeto de estudo a
constituição do campo dos saberes do estudante, que denominamos de professor em
formação. Queremos compreender como está se produzindo a articulação teoria-prática e
as tensões do campo da formação (Universidade) e do campo profissional (Escola de
Educação Básica).
O discurso oficial das Diretrizes Curriculares sobre a formação de professores
vem apontando uma necessidade de currículos organizados em processos que
privilegiem a tematização dos conhecimentos escolarizados. Esse discurso traz também
a valorização dos saberes da experiência, encaminha a iniciação científica por meio do
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), promove a inserção na prática no campo
profissional desde o início do curso, estabelece a prática como componente curricular e o
estágio supervisionado a partir da metade do curso. Nessa reformulação tem sido
1 1
O grifo está utilizado para demarcar uma discussão sobre o sentido do inicial na formação de professores
dos cursos de licenciatura que habilitam e legitimam o exercício da docência na Escola Básica. Esta
discussão está fundada nos dados parciais da pesquisa “A constituição do campo de saberes do professor em
formação: o desafio da articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação e do campo
profissional”. Na produção de análises sobre o campo de saberes, Fernandes e Silveira (2008) vem
constatando que há uma predominância de saberes dos interlocutores desta pesquisa, os quais foram
produzidos na experiência como alunos, especialmente no Ensino Fundamental, o que aponta para um
processo inicial de formação naquela condição.
2
Pesquisa interinstitucional “PUCRS/UNISINOS/UFPEL/UNIPLAC/UFSM” envolvendo 150 professores
em formação, consideradas as reconfigurações do grupo de interlocutores determinadas por reprovações e/ou
evasões.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 4
possível perceber que há um fortalecimento da identidade do curso de Licenciatura3
, sem
ser um apêndice do Bacharelado.
As Diretrizes4
representam um processo rupturante com o chamado modelo
3+1, tal como afirma Ghedin (In: GHEDIN e outros, 2008, 40), quando pontua avanços
sobre o modelo anterior:
• a Licenciatura ganhou especificidade e integralidade própria em relação
ao bacharelado, constituíndo-se em um objeto específico;
• a Licenciatura passa a ter definição de currículo próprio, que não deve
se confundir com o bacharelado ou com a antiga formação de
professores que ficou caracterizada como “ modelo 3+1”;
• a proposta legal favoreceu que a formação de professores passa a ser
realizada num processo autônomo, como curso próprio, com identidade
própria.
Concepções e referenciais de discussão
A concepção chave que orienta essa proposta tem na prática como componente
curricular uma condição fundante de referência para a formação do professor em
formação, trazendo à tona problemas que são de instância epistemológica, histórico-
política e cultural. O que tem originado críticas ao risco de aligeiramento dessa
formação, deslocando a discussão da práxis nos processos formativos e provocando um
certo esvaziamento da teoria (MORAES, 2003)) .
Esse deslocamento da discussão da práxis vem mobilizando o movimento
docente que pesquisa e discute a formação inicial de professores, no cenário das
políticas públicas e das legislações específicas. Trazendo um alerta de cuidado para que
a prática não fique reduzida a um processo associativo de empirias compartilhadas,
desconectando-se da articulação recíproca entre teoria e prática e da configuração do
espaço efetivo da práxis (MORAES: 2003: p. 47).
Diante desse cenário, os interrogantes gerados por essas novas configurações
propostas de matriz curricular dos cursos de formação inicial de professores têm nos
inquietado, para produzir sentidos – significado e direção – que permitam uma
3
Licenciatura, no Brasil, é a nomenclatura dos cursos de Formação Inicial de Professores para a Escola
Básica, nesse estudo, trata do Ensino de Língua Portuguesa, Matemática, História e outras disciplinas que
compõem a organização curricular dos anos finais do Ensino Fundamental e aos anos do Ensino Medido. A
Educação Infantil e os Anos Iniciais ficam sob a responsabilidade da Licenciatura em Pedagogia.
4
Especialmente as Resoluções 01 e 02 de 2002 – Conselho Nacional de Educação-Conselho Pleno, definem
o tempo de duração e carga horária para os cursos de Formação Inicial de Professores que irão atuar na
Educação Básica. Como ouvimos em pesquisas anteriores os professores e os coordenadores de cursos de
licenciatura (FERNANDES, 2005) e os professores da Escola de Educação Básica que acolhem os
estagiários (SILVEIRA, 2008).
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 5
intervenção possível nos processos formativos, processos estes impregnados das
ideologias e dos valores, nem sempre percebidos, mas revelados nos atos e nas
escolhas que fazemos.
A educação e a concepção de formação não sendo neutras exigem uma análise
multidimensional de perspectivas, a partir de um olhar rigoroso na concepção de Freire e
Shor (1987) impregnado pelo cuidado ético com as finalidades culturais da formação de
professores.
Nesse sentido, a pesquisa sobre formação de professores pressupõe este cuidado:
trabalhamos com valores e ideologias à flor da pele, conhecimentos e saberes válidos/
não válidos, procedimentos metodológicos, relações humanas, estruturas de poder,
visões de mundo, enfim vários fios que interagem em uma teia de relações que envolvem
o conhecimento como categoria fundante (FERNANDES: 1999), os quais tecem e são
tecidos com o mundo lá fora.
Gauthier (1999) nos fortalece ao afirmar, que “cada dispositivo do olhar e da
observação modifica o objeto de estudo [...] por isso, nunca estudamos um objeto neutro,
mas sempre um objeto implicado, caracterizado pela teoria e pelo dispositivo que permite
vê-lo, observá-lo e conhecê-lo”. (p. 24).
Em outros estudos ouvimos em pesquisas anteriores os professores e os
coordenadores de cursos de licenciatura (FERNANDES, 2005) e os professores da
Escola de Educação Básica que acolhem os estagiários (SILVEIRA, 2008). E esses(as)
depoimentos/narrativas foram pródigos de significados, assim ouvir os estudantes sobre
as experiências que estão vivenciando tornou-se uma condição necessária para
compreender esta outra lógica de organização curricular.
O grande impacto trazido nessa proposta de formação inicial incidiu diretamente
sobre a relação teoria e prática com implicações entre o campo da formação
(Universidade) e o campo profissional (Escola de Educação Básica). No contexto dessa
proposta tem sido possível constatar que a inserção no campo profissional desde o início
do curso, com a prática como componente curricular, passa a exigir uma outra visão de
curso em suas múltiplas dimensões de totalidade.
Pensar nessa inserção exige enfrentar o desafio de situar-se em outra matriz
teórica e societal, criando outras territorialidades (FERNANDES:1999) – ocupação,
circulação e apropriação de outros territórios como lugares também de formação,
superando a idéia de Universidade como a detentora dos saberes válidos e
estabelecendo uma outra relação entre a Universidade e a Escola, que se
complementam na necessidade de interação entre o campo da formação e o campo
profissional desde o início do curso em outras configurações (SILVEIRA, 2008).
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 6
A reflexão sobre essas configurações exige uma outra compreensão sobre o
trabalho docente, tendo o conhecimento como categoria de mediação com a produção
sócio-cultural da vida. Constituindo-se também em uma categoria de análise, fundante
para a necessidade de tensionar as relações que decorrem da inserção dos estudantes
no campo profissional desde o início do curso em outras bases de estruturas de poder –
maior equilíbrio de forças na relação entre a Universidade e a Escola.
A inserção do professor em formação no campo profissional desde o início do
curso e a realização do estágio curricular supervisionado a partir da metade do curso
rompe com uma visão de que a teoria antecede à prática e esta, a prática, reduz-se à
aplicação de teorias, compreensão de conhecimento e de ciência arraigada em nossos
currículos e em nossas concepções.
A dificuldade de interagirmos como sujeitos nas relações com nossos objetos de
estudo, entre nós sujeitos, protagonistas de nosso trabalho, no individualismo em que nos
situamos em nossas disciplinas e pesquisas, viabiliza a perda de vista da dimensão
existencial e coletiva dos modos de conhecer o conhecimento existente e o conhecimento
novo (FREIRE e SHOR: 1987).
Essas concepções de conhecimento, de ciência e de seus modos de produção
precisam se incorporar às nossas práticas cotidianas, porque incidem diretamente na
produção dos saberes, dos conhecimentos para além dos conhecimentos considerados
válidos oriundos do campo legal, campo científico e campo profissional, e necessitam de
interrogantes e interrogadores que os contextualizem e os resignifiquem com rigor
epistemológico e ético (FREIRE e SHOR: 1987).
Sabemos que não é tarefa fácil mudar currículos ou práticas pedagógicas,
sabemos que esta tarefa não se esgota nas metodologias, pedagogias ou
epistemologias, as mudanças são vividas no entrevero das rupturas e das continuidades,
entranhadas de jogos de correlação de forças e de posturas frente à vida, no embate no
interior de nossas almas, o que nos anima e, na possibilidade concreta do que nos
construímos como grupo, no limite de nossa sobrevivência profissional e cidadã, sobre o
fio do corte da navalha, entre o medo e a ousadia, cotidiano do professor (FREIRE e
SHOR: 1987).
Nessa direção é que a formação de professores representa um elemento
fundamental onde é necessário um esforço de energias e intencionalidades para fugir das
armadilhas dos formalismos, que a burocracia fechada em gabinetes planeja. Por
concordarmos com a idéia apresentada por Gimeno Sacristán e Pérez Gómez (1998) de
que qualquer tentativa de mudança no sistema educativo deverá ter como uma das
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 7
pedras angulares a formação de professores, é que investimos na pesquisa dessa
formação.
Seguindo nessa perspectiva trazemos para esse texto o conceito elaborado por
Marcelo Garcia sobre formação de professores, após análise de diferentes tendências,
este autor afirma que:
A Formação de Professores é a área de conhecimento, investigação e de
proposta teóricas e práticas que, no âmbito da Didáctica e da organização
Escolar, estuda os processos através dos quais os professores – em formação
ou em exercício – se implicam individualmente ou em equipe, em experiências
de aprendizagem através das quais adquirem ou melhoram os seus
conhecimentos, competências e disposições, e que lhes permite intervir
profissionalmente no desenvolvimento do seu ensino, do currículo e da escola,
com o objetivo de melhorar a qualidade da educação que os alunos recebem
(2005, p.26).
Configuração metodológica
Nessa compreensão apresentamos uma síntese precária da pesquisa com
algumas reflexões até aqui produzidas, ao propor um estudo que auscultasse o que
pensam os estudantes, os quais são aqui nominados como professores em formação, no
contexto de mudanças da legislação.
A questão básica que movimentou nossa intenção pode ser definida como: Como
vem sendo constituído o campo de saberes5
dos estudantes, professores em formação,
especialmente, na articulação teoria e prática, incluindo as tensões entre o campo da
formação (Universidade) e o campo profissional (Escola de Educação Básica) que
configuram o exercício da docência?
Os objetivos da pesquisa foram descritos como:
• identificar as experiências que os estudantes, professores em formação, estão
vivenciando no campo da formação no cotidiano da sala de aula, levando em
consideração a especificidade da natureza epistemológica do Curso de Licenciatura e os
diferentes momentos de sua trajetória no currículo;
5
Aqui compreendido como “saber é poder manusear, poder compreender, poder dispor. O saber está
vinculado ao mundo prático, o qual não é somente condição de possibilidade para qualquer enunciado, mas
também o lugar efetivo onde a enunciação pode ser produzida. Portanto, a investigação do saber como
epistêmico remete ao prático, pois o saber revela-se em instância que vincula o homem ao mundo.”
(BOMBASSARO: 1992; p.21). Nessa direção, fazemos aproximações teóricas com Tardif para compreender
a configuração e a produção dos saberes do professor em formação.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 8
Reafirmando a trajetória de pesquisa que temos percorrido, esse estudo está
sendo realizado em uma abordagem qualitativa, incluindo os procedimentos próprios
dessa modalidade, utilizando princípios da etnografia: imersão na realidade, descrição
densa para sustentar a ênfase na interpretação dos fenômenos apreendidos a partir dos
significados produzidos no contexto sócio-cultural dos interlocutores.
A metodologia contempla um corte longitudinal no tempo em que o estudante faz
o percurso de sua formação, ou seja, os interlocutores dessa pesquisa estão sendo
acompanhados desde o início até o término desse percurso de seu curso de Licenciatura.
Os instrumentos de coleta de dados estão sendo as narrativas, as entrevistas semi-
estruturadas e a análise documental da produção que esses estudantes considerarem
significativos.
Os interlocutores dessa pesquisa são dos cursos de Licenciatura em Biologia,
Educação Física, Física, História, Letras, Matemática e Química.
Na travessia dessa pesquisa, percebemos que há uma necessidade de criar uma
outra cultura que priorize a escuta do outro, escutando-se, o que nos aproxima de
Enriconi (2004) quando ela destaca: “formação humanista, impregnada de sentimentos e
emoções, que qualifica a integração da formação matemática e da formação pedagógica
[...] para além de um somatório.” (p.26/27).
Está posto o desafio da construção de outras territorialidades na formação inicial
de professores fortalecendo a concepção do trabalho com o conhecimento como
categoria de mediação na prática pedagógica cotidiana indissociada da prática social
com suas tensões e conflitos: um lugar com outros lugares – as várias territorialidades
em movimentos e relações complementares em uma triangulação interativa entre a
formação pedagógica, a formação específica e a inserção no campo profissional, sem as
hierarquias das estruturas de poder entre a Universidade – campo da formação e a
Escola – campo profissional.
Estamos encontrando uma tendência nas narrativas e entrevistas cartografradas,
as quais apontam para uma preocupação com os saberes pedagógicos que constituem a
formação de professores.
Embora não tenhamos a coleta de dados aprontada6
, para afirmar que essa
tendência seja determinante, na medida em que ainda temos dados a serem coletados e
trabalhados, entretanto, as justificativas apresentadas pelos interlocutores da pesquisa
têm uma coerência interna que revela um valor pedagógico para além das questões
6
Tendo em vista que há instituições com os cursos em quatro anos e em outros três anos e meio, havendo
ainda duas coletas de dados a serem realizadas neste ano.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 9
somente das técnicas de ensino isoladas do conteúdo, aparecem preocupações com
uma avaliação justa, uma aprendizagem significativa, um conhecimento da realidade da
escola e dos estudantes, com a necessidade de motivação e com a responsabilidade da
escola pública.
Considerações a guisa de conclusão
Conscientes das críticas muito fortes em relação às diretrizes e com justificativa
plausível, tanto pela forma de encaminhamento, quanto pela ambigüidade do seu
conteúdo, encontramos muitas contradições, desafios que nos encaminham para dilemas
sem fazer terra arrasada, de que não há ganhos na nova legislação a serem trabalhados.
Nessa possibilidade de ocupar espaços de contradição, Fernandes (2005) em
uma viagem de retorno ao passado traz alguns interrogantes que nos fazem refletir:
Como era a discussão da formação antes da reformulação legal? Qual era sua
concepção? Como eram percebidas e operacionalizadas as relações teoria e prática,
forma e conteúdo, modos de produção do conhecimento? Que relações havia entre a
formação pedagógica e a formação dita específica? Como nós professores do campo dito
específico e do campo pedagógico interagíamos com o curso como um todo? Como era a
lógica da organização Curricular?
É claro que estes interrogantes necessitam ser contextualizados e re-significados
nos seus tempos e lugares. Enfim, muitas questões para refletirmos e muitos caminhos
para se fazer, muitos desafios e dilemas a enfrentar, assumimos com Freire (1996) os
condicionamentos, mas negamos o aprontado, o determinado. Isto posto, resgatamos
suas palavras:
Isto não significa negar os condicionamentos os condicionamentos
genéticos, culturais sociais a que estamos submetidos. Significa que somos
seres condicionados mas não determinados. Reconhecer, que a História
de possibilidade e não de determinismo, que o futuro, permita-me reiterar,
problemático e não inexorável. (p.19, grifos do autor).
Acreditamos que é possível investir em uma sólida epistemologia da prática,
especialmente quando ouvimos de professores em formação dizer que é preciso trabalhar
mais com a prática na prática, estendendo o curso para que os alunos trabalhadores
possam fazer realmente uma boa prática e um bom estágio. Há indícios que sinalizam a
possibilidade de reinvenção da formação inicial de professores.
Utopias? Por que não? Como é possível formar, sem formar-se com elas?
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 10
Referências:
FERNANDES, Cleoni M. B. Sala de aula universitária – ruptura, memória educativa,
territorialidade – o desafio da construção pedagógica do conhecimento. Tese de
Doutorado. PPGEdu,/FACED/UFRGS, 1999.
FERNANDES, Cleoni Maria Barboza; FERNANDES, Sonia. As questões da prática
pedagógica como componente curricular nas Licenciaturas. In: ANPED - 40 ANOS DA
PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL, 2005, Caxambú. CDROM. Rio de
Janeiro: 2005. p. 01-05.
FERNANDES, Cleoni M. B.. RELATÓRIO DA PESQUISA. A Licenciatura e a
Resolução CNE/CP 2 de 19 de Fevereiro de 2002 – Possibilidades e Limites –
Reconfigurações de Projetos Pedagógicos. PPGEdu/UNISINOS. São Leopoldo: 2005.
mimeo.
FERNANDES, Cleoni M. B. PROJETO DE PESQUISA. A constituição do campo de
saberes do professor em formação: o desafio da articulação teoria-prática e as
tensões do campo da formação e do campo profissional. PPGEdu/UNISINOS. São
Leopoldo: 2006. mimeo.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa.
São Paulo: Paz e Terra. 1996.
FREIRE, Paulo e SHOR, Ira. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. Rio de
Janeiro, Paz e Terra, 1987.
ENRICONI, Maria Helena. Formação continuada: um caminho para promover os diálogos,
os saberes vividos e as rupturas possíveis. Dissertação de Mestrado.
PPGEDU/UNISINOS, São Leopoldo, 2004.
GAUTHIER, Jacques. O que é pesquisar - entre Deleuze-Guattari e o candomblé:
pensando mito, ciência, arte e culturas de resistência. Educação e Sociedade.
Campinas, ano XX, nº69, dez. 1999.
GARCÍA, Carlos Marcelo. Formação de Professores. Porto-Portugal: Porto Editora,
2005.
GIMENO SACRISTÁN, PÉREZ GÓMEZ. Compreender e transformar o ensino. Porto
Alegre: ArtMed, 1998.
MORAES et all., DIAS-DA-SILVA, 2005
SILVEIRA, Denise Nascimento. O Estágio Curricular Supervisionado na Escola de
Educação Básica: Diálogo com os Professores que acolhem estagiários. Tese de
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 11
doutoramento. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade do Vale do
Rio dos Sinos. São Leopoldo. 2008.
TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. São Paulo. Editora
Cortez, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...
O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...
O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...
ProfessorPrincipiante
 
PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...
PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...
PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...
ProfessorPrincipiante
 
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
ProfessorPrincipiante
 
O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...
O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...
O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...
ProfessorPrincipiante
 
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...
ProfessorPrincipiante
 
A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?
A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?
A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?
ProfessorPrincipiante
 
O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃO
O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃOO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃO
O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃO
ProfessorPrincipiante
 
SABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
SABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONALSABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
SABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
ProfessorPrincipiante
 
AS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES
AS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTESAS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES
AS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES
ProfessorPrincipiante
 
O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...
O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...
O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...
ProfessorPrincipiante
 
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
ProfessorPrincipiante
 
A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...
A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...
A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...
ProfessorPrincipiante
 
O CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIA
O CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIAO CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIA
O CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIA
ProfessorPrincipiante
 
CONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIA
CONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIACONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIA
CONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIA
ProfessorPrincipiante
 
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
ProfessorPrincipiante
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
ProfessorPrincipiante
 
11502 42453-1-pb
11502 42453-1-pb11502 42453-1-pb
11502 42453-1-pb
Dilma Maria Lucena Álvares
 
M1
M1M1
Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior ...
Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior  ...Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior  ...
Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior ...
Bartolomeu Varela
 
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docenciaOficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
Celia Santos
 

Mais procurados (20)

O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...
O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...
O OLHAR DE PROFESSORES INICIANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE O PAPEL DO SUPERVI...
 
PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...
PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...
PERCEPÇÕES DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA EM INÍCIO DE CARREIRA SOBRE O PAPEL DA...
 
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
PERCURSOS FORMATIVOS DE ESTUDANTES PARTICIPANTES DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE...
 
O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...
O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...
O CAMPO DE CONHECIMENTO E AS PRÁTICAS SOBRE A INICIAÇÃO À DOCÊNCIA: O QUE REV...
 
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: ...
 
A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?
A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?
A FORMAÇÃO INICIAL PREPARA PARA A INICIAÇÃO À PRÁTICA DOCENTE?
 
O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃO
O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃOO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃO
O ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA PERSPECTIVA DE ESTUDANTES DA PÓS-GRADUAÇÃO
 
SABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
SABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONALSABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
SABERES, PRÁTICAS E APRENDIZAGEM DOCENTE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
 
AS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES
AS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTESAS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES
AS APRENDIZAGENS DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES
 
O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...
O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...
O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: A ENTRADA NA PROFISSÃ...
 
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
 
A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...
A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...
A INSERÇÃO PROFISSIONAL DO EDUCADOR DE INFÂNCIA: DA FORMAÇÃO INICIAL À PRÁTIC...
 
O CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIA
O CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIAO CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIA
O CAMPO COMPLEXO DA INICIAÇÃO NA DOCÊNCIA
 
CONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIA
CONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIACONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIA
CONSTRUÇÃO DE SABERES DIDÁTICOS EM SERVIÇO POR DOCENTES DO CURSO DE FOTOGRAFIA
 
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
 
11502 42453-1-pb
11502 42453-1-pb11502 42453-1-pb
11502 42453-1-pb
 
M1
M1M1
M1
 
Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior ...
Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior  ...Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior  ...
Práticas e tendências de evolução do trabalho pedagógico no ensino superior ...
 
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docenciaOficina de idéias sobre estágio e docencia
Oficina de idéias sobre estágio e docencia
 

Destaque

EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...
EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...
EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...
ProfessorPrincipiante
 
LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...
LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...
LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...
ProfessorPrincipiante
 
PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...
PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...
PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...
ProfessorPrincipiante
 
ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...
ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...
ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...
ProfessorPrincipiante
 
RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?
RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?
RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?
ProfessorPrincipiante
 
LAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTE
LAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTELAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTE
LAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...
LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...
LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...
ProfessorPrincipiante
 
PROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENS
PROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENSPROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENS
PROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENS
ProfessorPrincipiante
 
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLARO PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
ProfessorPrincipiante
 
FORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILE
FORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILEFORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILE
FORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILE
ProfessorPrincipiante
 
INICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑAR
INICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑARINICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑAR
INICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑAR
ProfessorPrincipiante
 
OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...
OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...
OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...
ProfessorPrincipiante
 
O LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES
O LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTESO LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES
O LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES
ProfessorPrincipiante
 
LOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑAN
LOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑANLOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑAN
LOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑAN
ProfessorPrincipiante
 
ACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLES
ACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLESACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLES
ACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLES
ProfessorPrincipiante
 
LA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOS
LA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOSLA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOS
LA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOS
ProfessorPrincipiante
 
VOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMOR
VOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMORVOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMOR
VOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMOR
ProfessorPrincipiante
 
LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...
LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...
LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...
ProfessorPrincipiante
 
MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...
MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...
MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...
ProfessorPrincipiante
 
RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...
RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...
RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...
ProfessorPrincipiante
 

Destaque (20)

EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...
EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...
EL ACOMPAÑAMIENTO A LOS MAESTROS Y PROFESORES EN SU PRIMER PUESTO DE TRABAJO:...
 
LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...
LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...
LOS PROBLEMAS DE LAS MAESTRAS PRINCIPIANTES EN EDUCACION INFANTIL YSU REFEREN...
 
PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...
PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...
PROGRAMAS DE INSERCIÓN LABORAL PARA PROFESORES PRINCIPIANTES EN VENEZUELA. UN...
 
ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...
ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...
ANÁLISIS DE LA ADECUACIÓN DEL PROGRAMA DE INSERCIÓN PROFESIONAL (”COMENCEM BÉ...
 
RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?
RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?
RELATO “VOCES DE LOS NOVELES” SER O NO SER… ¿CUÁL ES LA CUESTIÓN?
 
LAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTE
LAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTELAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTE
LAS BATALLAS OFICIALES EN LA LABOR DOCENTE
 
LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...
LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...
LA CONSTRUCCIÓN DEL OFICIO DE SER MAESTRO. EXPERIENCIAS Y FORMAS DE SOCIALIZA...
 
PROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENS
PROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENSPROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENS
PROFESSORES INICIANTES: SEU INGRESSO NA PROFISSÃO E SUAS APRENDIZAGENS
 
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLARO PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
 
FORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILE
FORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILEFORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILE
FORMACIÓN DE MENTORES DOCENTES PRINCIPIANTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN CHILE
 
INICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑAR
INICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑARINICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑAR
INICIARSE A LA DOCENCIA. LOS GAJES DEL OFICIO DE ENSEÑAR
 
OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...
OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...
OS CASOS DE ENSINO NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES EM DIFEREN...
 
O LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES
O LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTESO LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES
O LUGAR DO INCONSCIENTE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES PRINCIPIANTES
 
LOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑAN
LOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑANLOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑAN
LOS DOCENTES NOVELES Y SU RELACIÓN CON EL SABER QUE ENSEÑAN
 
ACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLES
ACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLESACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLES
ACOMPAÑAMIENTO DIFERIDO: RECUPERANDO ESCENARIOS POSIBLES
 
LA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOS
LA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOSLA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOS
LA FORMACIÓN DEL DOCENTE PARA LOS NUEVOS ESCENARIOS EDUCATIVOS
 
VOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMOR
VOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMORVOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMOR
VOCES DE LOS NOVELES. MI PRIMER GRAN AMOR
 
LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...
LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...
LA CUESTIÓN DE LA COMUNIDAD POSIBLE EN EL MARCO DE LA EDUCACIÓN PARA LA DIFER...
 
MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...
MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...
MENTORÍA O MENTORAZGO: ALTERNATIVA DE PERFECCIONAMIENTO Y ACTUALIZACIÓN DIDÁC...
 
RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...
RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...
RESULTADOS DE PESQUISAS SOBRE PROFESSORES INICIANTES E AS TENDÊNCIAS ATUAIS D...
 

Semelhante a A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DE SABERES DOS PROFESSORES EM FORMAÇÃO: A PARTIR DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS

INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...
INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...
INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...
ProfessorPrincipiante
 
didatica ensino superior
didatica ensino superiordidatica ensino superior
didatica ensino superior
jairdeoliveirajunior
 
Material complementar disciplina pós thiago felício]
Material complementar  disciplina pós    thiago felício]Material complementar  disciplina pós    thiago felício]
Material complementar disciplina pós thiago felício]
TiagoFel1
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
christianceapcursos
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
christianceapcursos
 
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
ProfessorPrincipiante
 
Situação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temáticaSituação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temática
Fabiano Antunes
 
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ProfessorPrincipiante
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIORFORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
ProfessorPrincipiante
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
ProfessorPrincipiante
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
Cida Cerqueira
 
PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...
PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...
PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...
ProfessorPrincipiante
 
Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.
Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.
Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.
PROIDDBahiana
 
CONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA
CONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICACONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA
CONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA
ProfessorPrincipiante
 
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
PIBID UFPEL
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
ProfessorPrincipiante
 
O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...
O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...
O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...
ProfessorPrincipiante
 
Artigo a didática na formação pedagógica de professores
Artigo   a didática na formação pedagógica de professoresArtigo   a didática na formação pedagógica de professores
Artigo a didática na formação pedagógica de professores
Ronilson de Souza Luiz
 
8eixo
8eixo8eixo

Semelhante a A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DE SABERES DOS PROFESSORES EM FORMAÇÃO: A PARTIR DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS (20)

INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...
INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...
INÍCIO DA CARREIRA UNIVERSITÁRIA: ALTERNATIVAS DE APOIO APONTADAS POR DOCENTE...
 
didatica ensino superior
didatica ensino superiordidatica ensino superior
didatica ensino superior
 
Material complementar disciplina pós thiago felício]
Material complementar  disciplina pós    thiago felício]Material complementar  disciplina pós    thiago felício]
Material complementar disciplina pós thiago felício]
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
 
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
OS SABERES DOCENTES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: A COMPREENSÃO DOS ESTUDANTES E PROFES...
 
Situação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temáticaSituação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temática
 
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIORFORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
 
PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...
PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...
PROFESSORES PRINCIPIANTES: O QUE NOS CONTAM AS NARRATIVAS DOS EGRESSOS DA LIC...
 
Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.
Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.
Paradigmas e tendencias do ensino universitario Mendonca/Lelis/Cotta/CarvalhoJr.
 
CONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA
CONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICACONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA
CONCEPÇÕES DE ENSINO NA APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA
 
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
O Programa Institucional de Bolsa e Inicialização a Docência na Universidade ...
 
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTEO PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
O PROFESSOR INCIANTE DE MATEMÁTICA E SUA CONSTITUIÇÃO PARA O TRABALHO DOCENTE
 
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
 
O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...
O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...
O INÍCIO DA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: UM ESTUDO SOBRE O PROFESSOR FORMADOR...
 
Artigo a didática na formação pedagógica de professores
Artigo   a didática na formação pedagógica de professoresArtigo   a didática na formação pedagógica de professores
Artigo a didática na formação pedagógica de professores
 
8eixo
8eixo8eixo
8eixo
 

Último

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 

Último (20)

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 

A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DE SABERES DOS PROFESSORES EM FORMAÇÃO: A PARTIR DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS

  • 1. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de 2010
  • 2. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 2 EJE TEMÁTICO 5: Las pedagogías de la formación y el acompañamiento a los noveles. Implicancias en la formación inicial. TIPO DE PRESENTACIÓN: REPORTES DE INVESTIGACIÓN A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DE SABERES DOS PROFESSORES EM FORMAÇÃO: A PARTIR DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS Silveira, Denise Nascimento CPF: 231230440-68 denisesil@via-rs.net Instituto Federal Sul-rio-grandense/IF-Sul, Fernandes, Cleoni Maria Barboza CPF: 192429800-72 cleofernandes@terra.com.br Pontifícia Universidade Católica de Rio Grande do Sul/PUCR Palavras-chave: formação inicial – trajetória longitudinal – campo da formação – campo profissional. A formação e suas implicações de identidade decorrem de uma concepção de educação e de mundo. E, a discussão do campo da formação inicial de professores necessita de compreensão conceitual, nessa perspectiva, fortalecer o campo em estudo por meio da pesquisa significa produzir sentido para compreender a complexidade da formação em sua configuração político-histórica e sócio-cultural. Apresentamos um recorte dessa pesquisa interinstitucional “A constituição do campo de saberes do professor em formação: o desafio da articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação e do campo profissional “ e, de acordo com a trajetória que temos percorrido, esse estudo funda-se em uma abordagem qualitativa, em um corte longitudinal, acompanhando os estudantes em seu percurso curricular. No contexto das políticas públicas para a Educação Básica no Brasil, desde 2002, temos outra proposição curricular para a formação de professores. Os currículos passaram a ser organizados em processos que privilegiam a tematização dos conhecimentos escolarizados, saberes da experiência, iniciação científica, inserção no campo profissional desde o início do curso, estágio supervisionado a partir da metade do curso. Os dados até agora encontrados apontam para uma desterritorialização do Estágio e do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) na dinâmica curricular do curso, indicam também, que os saberes mobilizados nesse percurso foram construídos enquanto estudantes da Escola Básica. Pode-se constatar ainda uma tendência para valorizar os saberes pedagógicos. As referências básicas da pesquisa são: Freire, Vieira Pinto, Marcelo Garcia, Perez Gómez, Correia, Severino, Bombassaro, André, Diniz Pereira, Ghedin, Cunha, Martins, Tardif dentre outros.
  • 3. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 3 Introdução A complexidade da formação inicial 1 de professores faz com que o tema situe-se entre os de maior importância no campo da educação. E, nessa perspectiva, esse texto traz um recorte de uma pesquisa interinstitucional que envolve universidades públicas e privadas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Consideramos que a discussão da formação inicial de professores necessita de adentrar no campo investigativo para compreender o lugar, o tempo e a constituição de seu papel na sociedade atual. Sabemos que a investigação/pesquisa emerge de movimentos político-econômicos e sócio-culturais que terminam por configurar a prática docente. E esta prática é instituída a partir de um amálgama de condições objetivas de trabalho, tanto no plano teórico, quanto no plano da prática cotidiana. Na pesquisa “A constituição do campo de saberes do professor em formação: o desafio da articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação e do campo profissional” 2 , nos movimentos de sua travessia, tem como objeto de estudo a constituição do campo dos saberes do estudante, que denominamos de professor em formação. Queremos compreender como está se produzindo a articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação (Universidade) e do campo profissional (Escola de Educação Básica). O discurso oficial das Diretrizes Curriculares sobre a formação de professores vem apontando uma necessidade de currículos organizados em processos que privilegiem a tematização dos conhecimentos escolarizados. Esse discurso traz também a valorização dos saberes da experiência, encaminha a iniciação científica por meio do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), promove a inserção na prática no campo profissional desde o início do curso, estabelece a prática como componente curricular e o estágio supervisionado a partir da metade do curso. Nessa reformulação tem sido 1 1 O grifo está utilizado para demarcar uma discussão sobre o sentido do inicial na formação de professores dos cursos de licenciatura que habilitam e legitimam o exercício da docência na Escola Básica. Esta discussão está fundada nos dados parciais da pesquisa “A constituição do campo de saberes do professor em formação: o desafio da articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação e do campo profissional”. Na produção de análises sobre o campo de saberes, Fernandes e Silveira (2008) vem constatando que há uma predominância de saberes dos interlocutores desta pesquisa, os quais foram produzidos na experiência como alunos, especialmente no Ensino Fundamental, o que aponta para um processo inicial de formação naquela condição. 2 Pesquisa interinstitucional “PUCRS/UNISINOS/UFPEL/UNIPLAC/UFSM” envolvendo 150 professores em formação, consideradas as reconfigurações do grupo de interlocutores determinadas por reprovações e/ou evasões.
  • 4. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 4 possível perceber que há um fortalecimento da identidade do curso de Licenciatura3 , sem ser um apêndice do Bacharelado. As Diretrizes4 representam um processo rupturante com o chamado modelo 3+1, tal como afirma Ghedin (In: GHEDIN e outros, 2008, 40), quando pontua avanços sobre o modelo anterior: • a Licenciatura ganhou especificidade e integralidade própria em relação ao bacharelado, constituíndo-se em um objeto específico; • a Licenciatura passa a ter definição de currículo próprio, que não deve se confundir com o bacharelado ou com a antiga formação de professores que ficou caracterizada como “ modelo 3+1”; • a proposta legal favoreceu que a formação de professores passa a ser realizada num processo autônomo, como curso próprio, com identidade própria. Concepções e referenciais de discussão A concepção chave que orienta essa proposta tem na prática como componente curricular uma condição fundante de referência para a formação do professor em formação, trazendo à tona problemas que são de instância epistemológica, histórico- política e cultural. O que tem originado críticas ao risco de aligeiramento dessa formação, deslocando a discussão da práxis nos processos formativos e provocando um certo esvaziamento da teoria (MORAES, 2003)) . Esse deslocamento da discussão da práxis vem mobilizando o movimento docente que pesquisa e discute a formação inicial de professores, no cenário das políticas públicas e das legislações específicas. Trazendo um alerta de cuidado para que a prática não fique reduzida a um processo associativo de empirias compartilhadas, desconectando-se da articulação recíproca entre teoria e prática e da configuração do espaço efetivo da práxis (MORAES: 2003: p. 47). Diante desse cenário, os interrogantes gerados por essas novas configurações propostas de matriz curricular dos cursos de formação inicial de professores têm nos inquietado, para produzir sentidos – significado e direção – que permitam uma 3 Licenciatura, no Brasil, é a nomenclatura dos cursos de Formação Inicial de Professores para a Escola Básica, nesse estudo, trata do Ensino de Língua Portuguesa, Matemática, História e outras disciplinas que compõem a organização curricular dos anos finais do Ensino Fundamental e aos anos do Ensino Medido. A Educação Infantil e os Anos Iniciais ficam sob a responsabilidade da Licenciatura em Pedagogia. 4 Especialmente as Resoluções 01 e 02 de 2002 – Conselho Nacional de Educação-Conselho Pleno, definem o tempo de duração e carga horária para os cursos de Formação Inicial de Professores que irão atuar na Educação Básica. Como ouvimos em pesquisas anteriores os professores e os coordenadores de cursos de licenciatura (FERNANDES, 2005) e os professores da Escola de Educação Básica que acolhem os estagiários (SILVEIRA, 2008).
  • 5. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 5 intervenção possível nos processos formativos, processos estes impregnados das ideologias e dos valores, nem sempre percebidos, mas revelados nos atos e nas escolhas que fazemos. A educação e a concepção de formação não sendo neutras exigem uma análise multidimensional de perspectivas, a partir de um olhar rigoroso na concepção de Freire e Shor (1987) impregnado pelo cuidado ético com as finalidades culturais da formação de professores. Nesse sentido, a pesquisa sobre formação de professores pressupõe este cuidado: trabalhamos com valores e ideologias à flor da pele, conhecimentos e saberes válidos/ não válidos, procedimentos metodológicos, relações humanas, estruturas de poder, visões de mundo, enfim vários fios que interagem em uma teia de relações que envolvem o conhecimento como categoria fundante (FERNANDES: 1999), os quais tecem e são tecidos com o mundo lá fora. Gauthier (1999) nos fortalece ao afirmar, que “cada dispositivo do olhar e da observação modifica o objeto de estudo [...] por isso, nunca estudamos um objeto neutro, mas sempre um objeto implicado, caracterizado pela teoria e pelo dispositivo que permite vê-lo, observá-lo e conhecê-lo”. (p. 24). Em outros estudos ouvimos em pesquisas anteriores os professores e os coordenadores de cursos de licenciatura (FERNANDES, 2005) e os professores da Escola de Educação Básica que acolhem os estagiários (SILVEIRA, 2008). E esses(as) depoimentos/narrativas foram pródigos de significados, assim ouvir os estudantes sobre as experiências que estão vivenciando tornou-se uma condição necessária para compreender esta outra lógica de organização curricular. O grande impacto trazido nessa proposta de formação inicial incidiu diretamente sobre a relação teoria e prática com implicações entre o campo da formação (Universidade) e o campo profissional (Escola de Educação Básica). No contexto dessa proposta tem sido possível constatar que a inserção no campo profissional desde o início do curso, com a prática como componente curricular, passa a exigir uma outra visão de curso em suas múltiplas dimensões de totalidade. Pensar nessa inserção exige enfrentar o desafio de situar-se em outra matriz teórica e societal, criando outras territorialidades (FERNANDES:1999) – ocupação, circulação e apropriação de outros territórios como lugares também de formação, superando a idéia de Universidade como a detentora dos saberes válidos e estabelecendo uma outra relação entre a Universidade e a Escola, que se complementam na necessidade de interação entre o campo da formação e o campo profissional desde o início do curso em outras configurações (SILVEIRA, 2008).
  • 6. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 6 A reflexão sobre essas configurações exige uma outra compreensão sobre o trabalho docente, tendo o conhecimento como categoria de mediação com a produção sócio-cultural da vida. Constituindo-se também em uma categoria de análise, fundante para a necessidade de tensionar as relações que decorrem da inserção dos estudantes no campo profissional desde o início do curso em outras bases de estruturas de poder – maior equilíbrio de forças na relação entre a Universidade e a Escola. A inserção do professor em formação no campo profissional desde o início do curso e a realização do estágio curricular supervisionado a partir da metade do curso rompe com uma visão de que a teoria antecede à prática e esta, a prática, reduz-se à aplicação de teorias, compreensão de conhecimento e de ciência arraigada em nossos currículos e em nossas concepções. A dificuldade de interagirmos como sujeitos nas relações com nossos objetos de estudo, entre nós sujeitos, protagonistas de nosso trabalho, no individualismo em que nos situamos em nossas disciplinas e pesquisas, viabiliza a perda de vista da dimensão existencial e coletiva dos modos de conhecer o conhecimento existente e o conhecimento novo (FREIRE e SHOR: 1987). Essas concepções de conhecimento, de ciência e de seus modos de produção precisam se incorporar às nossas práticas cotidianas, porque incidem diretamente na produção dos saberes, dos conhecimentos para além dos conhecimentos considerados válidos oriundos do campo legal, campo científico e campo profissional, e necessitam de interrogantes e interrogadores que os contextualizem e os resignifiquem com rigor epistemológico e ético (FREIRE e SHOR: 1987). Sabemos que não é tarefa fácil mudar currículos ou práticas pedagógicas, sabemos que esta tarefa não se esgota nas metodologias, pedagogias ou epistemologias, as mudanças são vividas no entrevero das rupturas e das continuidades, entranhadas de jogos de correlação de forças e de posturas frente à vida, no embate no interior de nossas almas, o que nos anima e, na possibilidade concreta do que nos construímos como grupo, no limite de nossa sobrevivência profissional e cidadã, sobre o fio do corte da navalha, entre o medo e a ousadia, cotidiano do professor (FREIRE e SHOR: 1987). Nessa direção é que a formação de professores representa um elemento fundamental onde é necessário um esforço de energias e intencionalidades para fugir das armadilhas dos formalismos, que a burocracia fechada em gabinetes planeja. Por concordarmos com a idéia apresentada por Gimeno Sacristán e Pérez Gómez (1998) de que qualquer tentativa de mudança no sistema educativo deverá ter como uma das
  • 7. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 7 pedras angulares a formação de professores, é que investimos na pesquisa dessa formação. Seguindo nessa perspectiva trazemos para esse texto o conceito elaborado por Marcelo Garcia sobre formação de professores, após análise de diferentes tendências, este autor afirma que: A Formação de Professores é a área de conhecimento, investigação e de proposta teóricas e práticas que, no âmbito da Didáctica e da organização Escolar, estuda os processos através dos quais os professores – em formação ou em exercício – se implicam individualmente ou em equipe, em experiências de aprendizagem através das quais adquirem ou melhoram os seus conhecimentos, competências e disposições, e que lhes permite intervir profissionalmente no desenvolvimento do seu ensino, do currículo e da escola, com o objetivo de melhorar a qualidade da educação que os alunos recebem (2005, p.26). Configuração metodológica Nessa compreensão apresentamos uma síntese precária da pesquisa com algumas reflexões até aqui produzidas, ao propor um estudo que auscultasse o que pensam os estudantes, os quais são aqui nominados como professores em formação, no contexto de mudanças da legislação. A questão básica que movimentou nossa intenção pode ser definida como: Como vem sendo constituído o campo de saberes5 dos estudantes, professores em formação, especialmente, na articulação teoria e prática, incluindo as tensões entre o campo da formação (Universidade) e o campo profissional (Escola de Educação Básica) que configuram o exercício da docência? Os objetivos da pesquisa foram descritos como: • identificar as experiências que os estudantes, professores em formação, estão vivenciando no campo da formação no cotidiano da sala de aula, levando em consideração a especificidade da natureza epistemológica do Curso de Licenciatura e os diferentes momentos de sua trajetória no currículo; 5 Aqui compreendido como “saber é poder manusear, poder compreender, poder dispor. O saber está vinculado ao mundo prático, o qual não é somente condição de possibilidade para qualquer enunciado, mas também o lugar efetivo onde a enunciação pode ser produzida. Portanto, a investigação do saber como epistêmico remete ao prático, pois o saber revela-se em instância que vincula o homem ao mundo.” (BOMBASSARO: 1992; p.21). Nessa direção, fazemos aproximações teóricas com Tardif para compreender a configuração e a produção dos saberes do professor em formação.
  • 8. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 8 Reafirmando a trajetória de pesquisa que temos percorrido, esse estudo está sendo realizado em uma abordagem qualitativa, incluindo os procedimentos próprios dessa modalidade, utilizando princípios da etnografia: imersão na realidade, descrição densa para sustentar a ênfase na interpretação dos fenômenos apreendidos a partir dos significados produzidos no contexto sócio-cultural dos interlocutores. A metodologia contempla um corte longitudinal no tempo em que o estudante faz o percurso de sua formação, ou seja, os interlocutores dessa pesquisa estão sendo acompanhados desde o início até o término desse percurso de seu curso de Licenciatura. Os instrumentos de coleta de dados estão sendo as narrativas, as entrevistas semi- estruturadas e a análise documental da produção que esses estudantes considerarem significativos. Os interlocutores dessa pesquisa são dos cursos de Licenciatura em Biologia, Educação Física, Física, História, Letras, Matemática e Química. Na travessia dessa pesquisa, percebemos que há uma necessidade de criar uma outra cultura que priorize a escuta do outro, escutando-se, o que nos aproxima de Enriconi (2004) quando ela destaca: “formação humanista, impregnada de sentimentos e emoções, que qualifica a integração da formação matemática e da formação pedagógica [...] para além de um somatório.” (p.26/27). Está posto o desafio da construção de outras territorialidades na formação inicial de professores fortalecendo a concepção do trabalho com o conhecimento como categoria de mediação na prática pedagógica cotidiana indissociada da prática social com suas tensões e conflitos: um lugar com outros lugares – as várias territorialidades em movimentos e relações complementares em uma triangulação interativa entre a formação pedagógica, a formação específica e a inserção no campo profissional, sem as hierarquias das estruturas de poder entre a Universidade – campo da formação e a Escola – campo profissional. Estamos encontrando uma tendência nas narrativas e entrevistas cartografradas, as quais apontam para uma preocupação com os saberes pedagógicos que constituem a formação de professores. Embora não tenhamos a coleta de dados aprontada6 , para afirmar que essa tendência seja determinante, na medida em que ainda temos dados a serem coletados e trabalhados, entretanto, as justificativas apresentadas pelos interlocutores da pesquisa têm uma coerência interna que revela um valor pedagógico para além das questões 6 Tendo em vista que há instituições com os cursos em quatro anos e em outros três anos e meio, havendo ainda duas coletas de dados a serem realizadas neste ano.
  • 9. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 9 somente das técnicas de ensino isoladas do conteúdo, aparecem preocupações com uma avaliação justa, uma aprendizagem significativa, um conhecimento da realidade da escola e dos estudantes, com a necessidade de motivação e com a responsabilidade da escola pública. Considerações a guisa de conclusão Conscientes das críticas muito fortes em relação às diretrizes e com justificativa plausível, tanto pela forma de encaminhamento, quanto pela ambigüidade do seu conteúdo, encontramos muitas contradições, desafios que nos encaminham para dilemas sem fazer terra arrasada, de que não há ganhos na nova legislação a serem trabalhados. Nessa possibilidade de ocupar espaços de contradição, Fernandes (2005) em uma viagem de retorno ao passado traz alguns interrogantes que nos fazem refletir: Como era a discussão da formação antes da reformulação legal? Qual era sua concepção? Como eram percebidas e operacionalizadas as relações teoria e prática, forma e conteúdo, modos de produção do conhecimento? Que relações havia entre a formação pedagógica e a formação dita específica? Como nós professores do campo dito específico e do campo pedagógico interagíamos com o curso como um todo? Como era a lógica da organização Curricular? É claro que estes interrogantes necessitam ser contextualizados e re-significados nos seus tempos e lugares. Enfim, muitas questões para refletirmos e muitos caminhos para se fazer, muitos desafios e dilemas a enfrentar, assumimos com Freire (1996) os condicionamentos, mas negamos o aprontado, o determinado. Isto posto, resgatamos suas palavras: Isto não significa negar os condicionamentos os condicionamentos genéticos, culturais sociais a que estamos submetidos. Significa que somos seres condicionados mas não determinados. Reconhecer, que a História de possibilidade e não de determinismo, que o futuro, permita-me reiterar, problemático e não inexorável. (p.19, grifos do autor). Acreditamos que é possível investir em uma sólida epistemologia da prática, especialmente quando ouvimos de professores em formação dizer que é preciso trabalhar mais com a prática na prática, estendendo o curso para que os alunos trabalhadores possam fazer realmente uma boa prática e um bom estágio. Há indícios que sinalizam a possibilidade de reinvenção da formação inicial de professores. Utopias? Por que não? Como é possível formar, sem formar-se com elas?
  • 10. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 10 Referências: FERNANDES, Cleoni M. B. Sala de aula universitária – ruptura, memória educativa, territorialidade – o desafio da construção pedagógica do conhecimento. Tese de Doutorado. PPGEdu,/FACED/UFRGS, 1999. FERNANDES, Cleoni Maria Barboza; FERNANDES, Sonia. As questões da prática pedagógica como componente curricular nas Licenciaturas. In: ANPED - 40 ANOS DA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO NO BRASIL, 2005, Caxambú. CDROM. Rio de Janeiro: 2005. p. 01-05. FERNANDES, Cleoni M. B.. RELATÓRIO DA PESQUISA. A Licenciatura e a Resolução CNE/CP 2 de 19 de Fevereiro de 2002 – Possibilidades e Limites – Reconfigurações de Projetos Pedagógicos. PPGEdu/UNISINOS. São Leopoldo: 2005. mimeo. FERNANDES, Cleoni M. B. PROJETO DE PESQUISA. A constituição do campo de saberes do professor em formação: o desafio da articulação teoria-prática e as tensões do campo da formação e do campo profissional. PPGEdu/UNISINOS. São Leopoldo: 2006. mimeo. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. 1996. FREIRE, Paulo e SHOR, Ira. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987. ENRICONI, Maria Helena. Formação continuada: um caminho para promover os diálogos, os saberes vividos e as rupturas possíveis. Dissertação de Mestrado. PPGEDU/UNISINOS, São Leopoldo, 2004. GAUTHIER, Jacques. O que é pesquisar - entre Deleuze-Guattari e o candomblé: pensando mito, ciência, arte e culturas de resistência. Educação e Sociedade. Campinas, ano XX, nº69, dez. 1999. GARCÍA, Carlos Marcelo. Formação de Professores. Porto-Portugal: Porto Editora, 2005. GIMENO SACRISTÁN, PÉREZ GÓMEZ. Compreender e transformar o ensino. Porto Alegre: ArtMed, 1998. MORAES et all., DIAS-DA-SILVA, 2005 SILVEIRA, Denise Nascimento. O Estágio Curricular Supervisionado na Escola de Educação Básica: Diálogo com os Professores que acolhem estagiários. Tese de
  • 11. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Silveira, Denise Nascimento -Fernandes, Cleoni Maria Barboza 11 doutoramento. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo. 2008. TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. São Paulo. Editora Cortez, 2002.