SlideShare uma empresa Scribd logo
II Congreso Internacional
sobre profesorado
principiante e inserción
profesional a la docencia
El acompañamiento a los docentes noveles:
prácticas y concepciones
Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de 2010
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 1
Eje temático 4: Investigaciones y experiencias de iniciación a la docencia.
Particularidades de los diferentes ámbitos de inserción.
REPORTE DE INVESTIGACIÓN
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM
EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA REPENSAR AS
NECESSIDADES FORMATIVAS PARA O SÉCULO XXI
Saraiva, Karla Beatriz Gomes
karlabeatriz@usp.br
EACH- Universidade de São Paulo
Resumen
Neste projeto pesquisaram-se as idéias e a compreensão que professores têm
sobre o seu papel profissional e sobre qual é a função que possui a escola, também se
analisou a relação destes professores com a comunidade escolar e com a sociedade em
geral. As narrativas dos professores acerca das suas experiências e memórias escolares
e docentes foram utilizadas para identificar crenças e conhecimentos pessoais que
constituem elementos importantes para a sua prática educativa. Posteriormente, os
dados obtidos a partir das respostas de professores em exercício foram comparados com
os obtidos, através da entrevista-questionário adaptada, de estudantes de Licenciatura
em Ciências da Natureza (LCN), único curso que formará professores de ciências na
Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), da Universidade de São Paulo, Brasil.
Foram utilizadas idéias de Maurice Tardif, Paulo Freire e Edgar Morin como referencial
teórico para analisar as concepções dos professores e para obter subsídios que
permitissem levantar algumas das necessidades formativas dos docentes no terceiro
milênio. Para isto foram analisadas as entrevistas de 25 professores de ciências em
exercício com as respostas dadas por 10 professores de ciências em formação inicial. As
questões tratavam sobre experiências e memórias escolares e docentes. Depois de
comparar os dados obtidos dos dois grupos conclui-se que uma das grandes
necessidades dos cursos de formação de professores, tanto para professores em
formação inicial quanto para os professores em exercício, neste início de século XXI é
despertar no aluno a conscientização da importância da profissão docente.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 2
CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM
EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA REPENSAR AS
NECESSIDADES FORMATIVAS PARA O SÉCULO XXI
Desde os debates sobre educação que ocorreram nos anos 60, em que os
professores foram acusados de ajudarem a manter uma ordem social injusta e
contribuírem para a reprodução das desigualdades sociais, a profissão docente passa por
uma crise de identidade, que perdura até a atualidade. Para que se encontre uma saída
para essa crise, é necessário repensar as relações entre o professor, a escola, a
comunidade e a sociedade (NÓVOA, 1999).
Um dos paradoxos da formação de professores é que poucas vezes os
professores em exercício têm espaços de reflexão para se perguntar: quem é o
professor? Ou o que é ensinar? E o que se deve ensinar? Este projeto pretende ser um
estudo exploratório que recolha, analise e interprete as opiniões, reflexões, comentários e
idéias de professores com experiência na sala de aula.
Para inferir as necessidades formativas que dos professores na atualidade, a
partir dos relatos de professores em exercício, utilizaremos algumas idéias de autores
como Maurice Tardif, Paulo Freire e Edgar Morin.
De acordo com TARDIF “... o professor não trabalha apenas um objeto, ele
trabalha com sujeitos e em função de um projeto: transformar os alunos, educá-los e
instruí-los” (TARDIF, 2002, p.2), portanto torna-se imprescindível o estudo da formação e
prática docente para a melhor compreensão de todas essas atribuições docentes.
A qualidade do ensino está intimamente ligada com o processo de formação de
um bom profissional docente. O professor só irá introduzir mudanças na sua maneira de
trabalhar e agir ao se sentir livre e se tiver total respaldo e segurança para que isso
aconteça. Assim a formação teórica e prática do professor devem proporcionar o apoio e
a convicção necessária aos educadores, possibilitando a melhoria nas condições de
trabalho e conseqüentemente na qualidade do ensino. Conforme diz MORIN “A educação
deve favorecer a aptidão natural da mente em formular e resolver problemas essenciais
e, de forma correlata, estimular o uso total da inteligência geral” (MORIN, 2000, p.39).
Os educadores, em alguns casos, não pensam na profissão de uma maneira mais
profunda e mais responsável sobre a importância do seu papel profissional, sendo
simples aplicadores de disciplinas e não verdadeiros educadores. Conforme FREIRE “...
ensinar não é transmitir conhecimentos, mas criar as possibilidades para sua própria
produção ou sua construção” (FREIRE, 1996, p.25).
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 3
Apenas conhecimentos das técnicas e das práticas didáticas não são suficientes
para formar um bom professor. “Uma educação só pode ser viável se for uma educação
integral do ser humano. Uma educação que se dirige à totalidade aberta do ser humano e
não apenas a um de seus componentes” (FREIRE, 1996, p.11).
A formação docente precisa acentuar a reflexão no processo político, pois o
professor deve ensinar os alunos a pensar, refletir e não somente se integrar, mas
também questionar a sociedade, levando-os a desenvolver a consciência crítica
necessária para compreender e intervir em assuntos sobre a demanda social, econômica
e política que dizem respeito ao seu cotidiano. É preciso “situar o saber do professor na
interface entre o individual e o social, entre o ator e o sistema, a fim de captar a sua
natureza social e individual como um todo” (TARDIF, 2002, p.16).
Torna-se importante e indispensável incorporar na formação dos educadores o
estudo de características humanas, para que os docentes sintam-se capacitados a
promover nos alunos um saber apropriado para solucionar os problemas, estimulando
intelectualmente futuros cidadãos com conhecimentos que os tornem preparados a
opinar e resolver questões impostas pela realidade social, pois “... o ser humano é ao
mesmo tempo biológico, psíquico, social, afetivo e racional (...) e o conhecimento
pertinente deve reconhecer esse caráter multidimensional e nele inserir estes dados”
(MORIN, 2000, p.38).
É preciso que o professor seja capaz de refletir sobre sua prática e
direcioná-la segundo a realidade em que atua, de acordo com os interesses e
necessidades dos alunos. De acordo com FREIRE “É pensando criticamente a prática de
hoje ou de ontem é que se pode melhorar a próxima prática” (FREIRE, 1996, p.43). O
estudo da prática docente passada possibilita uma maior compreensão da formação
docente atual e futura. Quanto melhor for a formação do professor, mais profunda,
abrangente e de melhor qualidade será sua prática educativa.
Diante de todas essas colocações, observa-se que os profissionais docentes não
estão sendo preparados para compreender e se adaptar à realidade complexa das novas
necessidades educacionais, pois existe um grande descompasso entre a formação do
profissional e as exigências do mundo moderno. Torna-se fundamental um aprendizado
que possibilite a segurança das ações dos professores, fazendo-os examinar
cuidadosamente os seus conceitos sobre a aptidão resultante de tal processo
profissional. Isso permitirá o aprimoramento das práticas pedagógicas desse docente.
TARDIF (2002).
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 4
Nesta pesquisa obtivemos as concepções de professores, tanto em exercício
quanto em formação inicial, sobre a docência e o papel dos educadores na escola e na
sociedade, a fim de se verificar algumas necessidades formativas docentes deste inicio
de século XXI.
Os resultados obtidos a partir da pesquisa proposta servirão como material para
discutir sobre o ser professor, seu papel na escola e principalmente na sociedade. Além
de fornecer subsídios a alunos e profissionais da área da educação, possibilitando a
percepção e reflexão sobre os assuntos que foram desenvolvidos com este trabalho.
Metodologia da pesquisa
A pesquisa foi qualitativa e de caráter descritivo, foram utilizados questionários
com perguntas abertas para analisar a realidade docente contextualizada. (BOGDAN &
BIKLEN, 2006). Foram analisadas 25 entrevistas-questionário respondidas por
professores de ciências da rede pública de ensino da cidade de São Paulo, Brasil. As
perguntas do questionário pretendiam em parte conhecer a auto-estima do professor, a
inserção dele na escola, e o grau de consciência sobre seu papel como profissional
docente.
Os professores que participaram desta pesquisa responderam o questionário
dentro do projeto Laboratório Didático Virtual (Labvirt), projeto da Escola do Futuro,
núcleo de pesquisa da Universidade de São Paulo – USP, cuja principal atividade é a
investigação das novas tecnologias de comunicação aplicadas à educação. O Labvirt
tinha como principal objetivo construir uma infra-estrutura pedagógica e tecnológica para
facilitar a criação de simulações nas áreas de física e química pelos alunos das escolas
incentivando-os a pensarem criticamente, ao uso do método científico, ao gosto pela
ciência e principalmente à reflexão e compreensão do mundo que os cerca. Além de
gerar uma rede de conhecimento dinâmica o suficiente para mudar e adequar o ensino
de ciências às necessidades atuais (www.labvirt.futuro.usp.br).
O questionário respondido pelos professores foi adaptado e respondido por 10
alunos do último ano do curso de LCN da EACH-USP, único curso que forma professores
dessa unidade, para que fossem feitas algumas comparações.
Algumas idéias de Edgar Morin, Maurice Tardif e Paulo Freire, foram utilizadas
como referencial teórico para analisar as concepções dos professores em exercício
contrastadas com as de professores em formação, para obter subsídios que permitissem
levantar algumas das necessidades formativas dos docentes neste novo milênio.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 5
De todas as perguntas do questionário geral do projeto LabVirt, foram
selecionadas e analisadas 5 questões para esta pesquisa respondidas pelos professores
(Quadro 1), que verificaram: o conhecimento do professor sobre teorias importantes na
educação (pergunta 1), a importância da interdisciplinaridade na educação (pergunta 2),
a interferência dos responsáveis pela organização escolar no trabalho docente (pergunta
3), a liberdade do docente para realizar a sua prática educativa (pergunta 4) e o que os
professores fazem em benefício da educação, além de dar suas aulas (pergunta 5).
Quadro 1: Questões respondidas pelos professores participantes da pesquisa.
Questões
1. Você se considera um professor conservador ou não-conservador?
2. Você faz trabalho com outros professores?
3. Você considera que a estrutura da escola, com as hierarquias de direção,
coordenação, com as divisões de disciplinas, tempos de aula, ajudam ou
atrapalham?
4. Você tem espaço para fazer as coisas do seu jeito?
5. Você já colocou em prática um projeto que beneficiasse os alunos ou a
escola?
Das perguntas feitas aos alunos de LCN foram escolhidas e analisadas 3
questões (Quadro 2) que mais diziam respeito à prática educativa, tema mais relevante
desse trabalho, para fazer parte as análise desta pesquisa e verificaram: a convicção
sobre a vida docente (pergunta 1), os conhecimentos sobre as teorias importantes na
educação (perguntas 2), a opinião particular sobre interdisciplinaridade (perguntas 3).
Quadro 2: Questões analisadas sobre os alunos participantes da pesquisa.
Questões:
1. Você pretende dar aula ao final do curso?
2. O que para você é ser um professor conservador ou não-conservador?
3. Você considera importante que os professores façam trabalhos com
professores de outras disciplinas?
Análise dos Resultados
As questões analisadas são mostradas graficamente, primeiramente as dos
professores e posteriormente as dos alunos. Cada gráfico mostra os resultados para uma
única questão conforme o título. Os números indicam a quantidade absoluta e a
porcentagem de entrevistados que responderam cada uma das questões.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 6
Respostas dadas pelos professores em exercício
Questão 1: Professores:
Os professores não sabiam ou não compreendiam o conceito de professor
conservador ou não-conservador. A maioria deles se considerava não-conservadores,
pois são muito liberais, amigos dos alunos, comunicativos e aceitam sem problema algum
a opinião dos outros.
Questão 2:
Você faz trabalho com outros professores?
8
32%
17
68%
sim não
Pôde-se inferir de acordo com essa questão, que os professores não
compreendem muito bem o conceito de interdisciplinaridade, tema que envolve duas ou
mais disciplinas ou ramos do conhecimento. Os professores afirmam que preferem fazer
os trabalhos sozinhos para não se exporem perante os outros professores.
Você se considera um professor conservador ou não
conservador?
5
20%
20
80%
CONSERVADOR NÃO-CONSERVADOR
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 7
Questão 3:
Você considera que a estrutura da escola, com as hierarquias
de direção, coordenação, com as divisões de disciplinas,
tempos de aula, ajudam ou atrapalham?
12
48%
13
52%
ajudam indecisos
Os professores asseguram que a hierarquia escolar não atrapalha, ao contrário,
geralmente ajuda, principalmente a direção que dá apoio e não se intromete no trabalho
deles, o que facilita. O que chamou a atenção nesta questão foi que a maioria dos
professores não soube responder objetivamente a questão, mostrando-se bastante
indecisos, não sendo claros na resposta. Apenas dizem que a direção não ajuda e nem
atrapalha, mas que o horário pequeno de suas aulas atrapalha bastante. A relação de
heteronomia, isto é a dependência e o medo da autoridade pode ter sido a causa da
indecisão dos professores.
Questão 4:
Você tem espaço para fazer as coisas do seu jeito?
22
88%
3
12%
sim não
Os professores dizem que tem total apoio e liberdade para fazerem as coisas do
jeito que acharem melhor. A única coisa que é pedida a eles é o cumprimento do
planejamento que é feito no início do ano. Eles disseram que não tem ninguém que
fiscalize se eles estão realmente seguindo ou não o planejamento escolar. Dos três
professores que disseram não ter apóio, chama a atenção o discurso de um deles:
“...eles não me dão apoio, mas finjo dar aula e passa por isso mesmo.”
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 8
Questão 5:
Você já colocou em prática um projeto que
beneficiasse os alunos ou a escola?
4
16%
21
84%
sim não
Os professores justificam não fazer projetos devido à falta de tempo. Alegam que
como ganham pouco, precisam trabalhar em muitas escolas. Os professores que fazem
algum tipo de projeto participam de alguns que já estavam em prática quando entraram
na escola, ajudando para o melhor funcionamento do mesmo.
Respostas dadas pelos professores em formação inicial (alunos do curso de LCN)
Questão 1:
Dos alunos que dizem querer seguir a profissão docente, um deles diz que como
os pais são professores no decorrer do curso ele resolveu seguir essa profissão também.
O outro afirma que gostou do curso e teve certeza que queria ser professor durante o seu
estágio supervisionado.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 9
Questão 2:
Todos eles compreendiam o conceito de professor conservador e não
conservador. Inclusive alguns citaram Freire como base do seu pensamento.
Questão 3:
A maioria dos alunos não percebe a importância da interdisciplinaridade para a
educação. Os alunos dizem que embora a teoria fale da necessidade de trabalhos
interdisciplinares, na prática funciona de outra forma, pois o professor precisa trabalhar
em diferentes escolas, não possuindo muito tempo para conversar com outros
professores para colocar projetos em prática. Mesmo entre os dois que responderam
considerar importante o trabalho em grupo, apenas um compreende o significado do
tema. Isso foi comprovado quando ele afirmou que: é fundamental trabalhar com outros
professores, pois os conteúdos não são fragmentados, eles dependem uns dos outros.
Sendo trabalhados juntos será mais fácil para que os alunos compreendam. Enquanto o
outro desenvolveu idéias vagas, sem conteúdo significativo a respeito do assunto.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 10
Discussão sobre os resultados
De acordo com as análises das entrevistas dos professores e dos alunos, pôde-se
perceber que ambos os grupos de entrevistados não tinham uma clara percepção ou
noção da importância da carreira docente e do significado da palavra educador. A maioria
dos entrevistados acredita que ser professor é apenas transmitir conteúdos aos alunos e
não têm consciência da importância da sua prática profissional para a formação dos seus
alunos e nem que “Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao
aprender” (FREIRE, 1996, p. 25), pois os docentes em exercício geralmente não levam
em consideração o conhecimento prévio dos alunos e a troca de experiências e
aprendizado que acontece durante o processo de ensino-aprendizagem e entre os atores
e protagonistas essenciais da educação (professores e alunos).
As entrevistas mostraram que os alunos (professores em formação inicial)
conhecem bem algumas teorias educacionais importantes, enquanto os professores, que
participaram dessa pesquisa, pareciam ter se esquecido de alguns conceitos. Segundo
os estudiosos da educação como Freire, professor conservador é aquele que utiliza uma
proposta de ensino que privilegia o conteúdo; é centrada na figura do professor,
encarregado de transmitir os conhecimentos. O aluno é um elemento passivo, que recebe
e assimila o que é transmitido. Para os professores entrevistados, ser conservador é ser
rígido e autoritário e ser não-conservador é ser brincalhão, mais aberto aos alunos. Um
dos professores que se autodenominou conservador, disse ser mais rígido e até um
pouco carrancudo, justificando sua atitude ao dizer que os jovens confundem a liberdade
com libertinagem quando os professores são mais brincalhões. A maioria dos alunos
participantes citou Freire como base para o seu conhecimento sobre esse conceito,
demonstrando uma boa compreensão dos conteúdos do curso.
Pôde-se inferir que nem os professores em exercício e nem os professores em
formação dão importância à questão da interdisciplinaridade. Os professores em
exercício não compreendem muito bem o conceito interdisciplinaridade, tema que
envolve duas ou mais disciplinas ou ramos do conhecimento, assunto que é muito
apreciado por pensadores como MORIN que diz: "é necessário que os educadores se
auto-eduquem, e se eduquem prestando atenção às gritantes necessidades do século, as
quais são encarnadas também pelos estudantes” (MORIN, 2000, p. 17). Segundo ele é
muito importante que não haja separação entre as disciplinas, que elas não sejam
tratadas como assuntos individualizados. Isso facilitará a melhor compreensão dos
conteúdos por parte dos alunos e a formação de cidadãos conscientes, o que é uma
grande necessidade do século XXI.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 11
Os professores afirmam que preferem fazer os trabalhos sozinhos para não se
exporem perante os outros professores. Além disso, dizem que a maioria dos professores
atua como donos da disciplina e não permitem que ninguém opine na sua matéria. Os
professores que fazem trabalhos com outros professores, procuram docentes da mesma
disciplina que as suas. Eles não consideram importante fazer trabalhos com professores
de outras disciplinas. Na realidade, os professores não aceitam que “O conhecimento das
informações ou dos dados isolados é insuficiente. É preciso situar as informações e os
dados em seu contexto para que adquiram sentido” (MORIN, 2000, p. 36). Mas na
verdade, foi constatado que os professores mantém conversas que ajudam na
formulação e na realização dos seus trabalhos.
Os professores em formação, embora conheçam bem o conceito
interdisciplinaridade, afirmam em sua maioria que na prática a interdisciplinaridade não é
tão importante como na teoria, pois os professores por não conseguirem colocá-la em
prática, se saem muito bem sem ela, conforme o que observaram durante o estágio.
Considerações finais
Através da análise das questões selecionadas a partir das entrevistas, pôde-se
observar que as respostas dadas pelos professores revelam informações importantes
sobre o perfil dos participantes da pesquisa, como o que acham e quais suas atitudes a
respeito de algumas questões.
Contudo, parece que alguns dos professores em exercício não têm consciência
da importância da sua prática profissional para a formação dos seus alunos. Consideram-
se apenas transmissores dos conhecimentos que possuem, não se valorizando como
formadores e educadores.
Por outro lado, este trabalho indicou que os professores entrevistados, tanto em
exercício quanto em processo de formação inicial, não valorizam as práticas
colaborativas em sala de aula nem as abordagens interdisciplinares, por falta de
conhecimento ou por não ter vivenciado a experiência nos seus cursos de formação.
A partir desses dados conclui-se que uma das grandes necessidades dos cursos
de formação de professores, tanto para professores em formação inicial quanto para os
professores em exercício, neste século XXI é despertar no aluno a conscientização da
importância da profissão docente.
Os professores podem ser uma alavanca para o desenvolvimento da sociedade,
uma parte importante na formação de cidadãos capazes de falar e opinar em questões
sociais essenciais para todos e para o desenvolvimento humano.
II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia
Saraiva, Karla 12
Bibliografía:
• Freire, P. (1996) Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra (34ª edição).
• LABVIRT. Disponível em < www.labvirt.futuro.usp.br > acessado em: 20 de janeiro
de 2009.
• Morin, E. (2002) Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de
Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de
Assis Carvalho. – 2. ed. – São Paulo : Cortez ; Brasília, DF : UNESCO.
• Nóvoa, A. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à
pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, Jun 1999, vol.25, no.1, p.11-20.
• Perrenoud, P. (2002) As Competências Para Ensinar no Século XXI: A Formação
dos Professores e o Desafio da Avaliação. Porto Alegre: Artmed Editora.
• Rampazzo, L. (1998) Metodologia científica para alunos de graduação e pós
graduação. Ed. Stiliano, Lorena-SP.
• Tardif, M. (2002) Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis-RJ :
Vozes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigo a didática na formação pedagógica de professores
Artigo   a didática na formação pedagógica de professoresArtigo   a didática na formação pedagógica de professores
Artigo a didática na formação pedagógica de professores
Ronilson de Souza Luiz
 
Projeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestradoProjeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestrado
eduviecorr
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
ProfessorPrincipiante
 
Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.
Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.
Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.
revistas - UEPG
 
Livro didatica
Livro didaticaLivro didatica
Artigo 7 saberes Andreucci
Artigo 7 saberes  AndreucciArtigo 7 saberes  Andreucci
Artigo 7 saberes Andreucci
Ronilson de Souza Luiz
 
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
ProfessorPrincipiante
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
ProfessorPrincipiante
 
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
ProfessorPrincipiante
 
FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR: ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...
FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR:  ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR:  ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...
FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR: ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...
christianceapcursos
 
A formação continuada do coordenador
A formação continuada do coordenadorA formação continuada do coordenador
A formação continuada do coordenador
Vanderlita Gomes B Marquetti
 
A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...
A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...
A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...
ProfessorPrincipiante
 
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E HistoriaConcurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Fabio Santos
 
445 1630-1-pb
445 1630-1-pb445 1630-1-pb
445 1630-1-pb
MartaGama7
 
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Temas para TCC
 
A18
A18A18
didatica ensino superior
didatica ensino superiordidatica ensino superior
didatica ensino superior
jairdeoliveirajunior
 
Otm normal médio novas tecnologias
Otm normal médio   novas tecnologiasOtm normal médio   novas tecnologias
Otm normal médio novas tecnologias
Flávia Maria
 
A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...
A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...
A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...
Mário Cruz
 
A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...
A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...
A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...
Temas para TCC
 

Mais procurados (20)

Artigo a didática na formação pedagógica de professores
Artigo   a didática na formação pedagógica de professoresArtigo   a didática na formação pedagógica de professores
Artigo a didática na formação pedagógica de professores
 
Projeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestradoProjeto pesquisa mestrado
Projeto pesquisa mestrado
 
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
~UM PROGRAMA DE FORMAÇÃO-INVESTIGAÇÃO ONLINE NA (RE) CONSTRUÇÃO DE INDICADORE...
 
Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.
Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.
Uma Leitura Sociológica do Início da Docência na Educação Infantil.
 
Livro didatica
Livro didaticaLivro didatica
Livro didatica
 
Artigo 7 saberes Andreucci
Artigo 7 saberes  AndreucciArtigo 7 saberes  Andreucci
Artigo 7 saberes Andreucci
 
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO DE DOIS PROFE...
 
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
PROFESSORES INICIANTES E EXPERIENTES E APRENDIZAGENS DA DOCÊNCIA NUM GRUPO CO...
 
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES INICIANTES NA E...
 
FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR: ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...
FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR:  ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR:  ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...
FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O ENSINO SUPERIOR: ASPECTOS RELEVANTES PARA ATUAÇÃO...
 
A formação continuada do coordenador
A formação continuada do coordenadorA formação continuada do coordenador
A formação continuada do coordenador
 
A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...
A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...
A FORMAÇÃO INICIAL PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO PROFESSOR DA EDUCAÇ...
 
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E HistoriaConcurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
Concurso Para Docentes Da See Sp Geografia E Historia
 
445 1630-1-pb
445 1630-1-pb445 1630-1-pb
445 1630-1-pb
 
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica ...
 
A18
A18A18
A18
 
didatica ensino superior
didatica ensino superiordidatica ensino superior
didatica ensino superior
 
Otm normal médio novas tecnologias
Otm normal médio   novas tecnologiasOtm normal médio   novas tecnologias
Otm normal médio novas tecnologias
 
A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...
A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...
A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA PROPOSTA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO D...
 
A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...
A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...
A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes p...
 

Destaque

COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...
COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...
COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...
ProfessorPrincipiante
 
~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...
~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...
~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...
ProfessorPrincipiante
 
LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...
LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...
LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...
ProfessorPrincipiante
 
DOS MUNDOS Y UNA DOCENTE
DOS MUNDOS Y UNA DOCENTEDOS MUNDOS Y UNA DOCENTE
DOS MUNDOS Y UNA DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...
LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...
LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...
ProfessorPrincipiante
 
EL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍAS
EL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍASEL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍAS
EL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍAS
ProfessorPrincipiante
 
SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...
SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...
SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...
ProfessorPrincipiante
 
EL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIO
EL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIOEL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIO
EL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIO
ProfessorPrincipiante
 
ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...
ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...
ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...
ProfessorPrincipiante
 
LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...
LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...
LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...
ProfessorPrincipiante
 
EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...
EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...
EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...
ProfessorPrincipiante
 
EXPERIENCIAS REALES
EXPERIENCIAS REALESEXPERIENCIAS REALES
EXPERIENCIAS REALES
ProfessorPrincipiante
 
ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...
ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...
ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...
ProfessorPrincipiante
 
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
ProfessorPrincipiante
 
INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...
INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...
INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...
ProfessorPrincipiante
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 
ESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIAS
ESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIASESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIAS
ESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIAS
ProfessorPrincipiante
 
DE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOS
DE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOSDE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOS
DE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOS
ProfessorPrincipiante
 
APRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALES
APRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALESAPRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALES
APRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALES
ProfessorPrincipiante
 
PROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTE
ProfessorPrincipiante
 

Destaque (20)

COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...
COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...
COHERENCIA ENTRE TEORIA Y REALIDAD. UN MODELO DE CONSTRUCCION GRUPAL DE LA PR...
 
~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...
~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...
~CONFIGURACIONES DIDÁCTICAS Y DECISIONES CURRICULARES QUE ASUMEN Y SUSTENTAN ...
 
LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...
LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...
LA INSERCIÓN AL EJERCICIO DOCENTE: ALGUNOS SENTIDOS Y SIGNIFICADOS DESDE LA E...
 
DOS MUNDOS Y UNA DOCENTE
DOS MUNDOS Y UNA DOCENTEDOS MUNDOS Y UNA DOCENTE
DOS MUNDOS Y UNA DOCENTE
 
LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...
LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...
LA CONSTRUCCIÓN DEL CONOCIMIENTO PROFESIONAL DOCENTE EN LOS PRIMEROS PROCESOS...
 
EL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍAS
EL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍASEL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍAS
EL ACOMPAÑAMIENTO DOCENTE A TRAVÉS DE LAS TUTORÍAS
 
SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...
SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...
SOBRE LA MARCHA: EXPECTATIVAS, PROBLEMAS Y NECESIDADES EN LA CERCANÍA CON DOC...
 
EL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIO
EL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIOEL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIO
EL PLAN DE FORMACIÓN DE AUXILIARES. EL CASO DE LA UNIDAD ACADÉMICA RÍO TURBIO
 
ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...
ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...
ACOMPAÑAMIENTO A DOCENTES PRINCIPIANTES EN CONTEXTOS VULNERABLES: EGRESADOS D...
 
LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...
LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...
LA AUTOPERCEPCIÓN DEL FORMADOR DE FORMADORES. UN ACERCAMIENTO A LA CONSTRUCCI...
 
EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...
EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...
EL DESARROLLO PROFESIONAL EN DIFERENTES CONTEXTOS EDUCATIVOS: REVISIÓN DE LA ...
 
EXPERIENCIAS REALES
EXPERIENCIAS REALESEXPERIENCIAS REALES
EXPERIENCIAS REALES
 
ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...
ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...
ENSINANDO PARA APRENDER, APRENDENDO PARA ENSINAR: EXPERIÊNCIAS DE FORMAÇÃO IN...
 
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
PROFESSORES INICIANTES, EXPERIENTES E PESQUISADORES EM GRUPO COLABORATIVO: NA...
 
INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...
INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...
INVESTIGANDO AL PROFESORADO PRINCIPIANTE BAJO UNA MIRADA FENOMENOLÓGICA. EL R...
 
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSOR INICIANTE: O SER E ESTAR NA PROFISSÃO DOCENTE
 
ESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIAS
ESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIASESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIAS
ESCRIBIR LAS PRÁCTICAS: HISTORIA Y EXPERIENCIAS
 
DE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOS
DE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOSDE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOS
DE ESTUDIANTE-PROFESOR A MAESTRO-PRINCIPIANTE. ESTUDIO EN CASOS
 
APRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALES
APRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALESAPRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALES
APRENDIENDO A ENSEÑAR EN ESCENARIOS COMPLEJOS Y REALES
 
PROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTEPROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTE
PROFESSORES INICIANTES: DESAFIOS DA PROFISSÃO DOCENTE
 

Semelhante a CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA REPENSAR AS NECESSIDADES FORMATIVAS PARA O SÉCULO XXI

Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
Liberty Ensino
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
DrikaSato
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
Mariana Correia
 
O TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR
O TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIORO TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR
O TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR
ProfessorPrincipiante
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
christianceapcursos
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
ProfessorPrincipiante
 
DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...
DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...
DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...
ProfessorPrincipiante
 
PROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIOR
PROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIORPROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIOR
PROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIOR
ProfessorPrincipiante
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
cefaprodematupa
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
Mariana Correia
 
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
ProfessorPrincipiante
 
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
ProfessorPrincipiante
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIORFORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
ProfessorPrincipiante
 
8eixo
8eixo8eixo
Tese
TeseTese
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ProfessorPrincipiante
 
Situação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temáticaSituação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temática
Fabiano Antunes
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
ProfessorPrincipiante
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
Cida Cerqueira
 
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
ProfessorPrincipiante
 

Semelhante a CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA REPENSAR AS NECESSIDADES FORMATIVAS PARA O SÉCULO XXI (20)

Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
 
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdfTEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
TEXTO3.2-Percepção acerca do prof reflexivo.pdf
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
 
O TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR
O TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIORO TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR
O TRABALHO DOCENTE DE ASSISTENTES SOCIAIS E ENGENHEIROS NO ENSINO SUPERIOR
 
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL  NA CONTEMPORANEIDADE  Vanda Pere...
COMPETÊNCIA DOCENTE FRENTE À DEMANDA SOCIAL NA CONTEMPORANEIDADE Vanda Pere...
 
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
DIMENSÕES DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: PIBID E COMUNIDADES DE PR...
 
DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...
DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...
DIFICULDADES DOS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EM TRABALHAR AS DIFERENT...
 
PROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIOR
PROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIORPROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIOR
PROFESSORES PRINCIPIANTES: DIFICULDADES DA DOCÊNCIA SUPERIOR
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR:  ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR: ENTRE O DISCURSO E A PRÁTICA, O QUE OCORRE...
 
20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb20265 87941-1-pb
20265 87941-1-pb
 
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA COLABORATIVA PARA A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DE FUTUROS...
 
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA DE BACHARÉIS E TECNÓLOGOS EM UMA UNIVERSIDADE TECNOL...
 
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIORFORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORESDA EDUCAÇÃO SUPERIOR
 
8eixo
8eixo8eixo
8eixo
 
Tese
TeseTese
Tese
 
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
ENTRADA NA CARREIRA DOCENTE: DIALOGANDO SOBRE OS DESAFIOS ENCONTRADOS PELOS P...
 
Situação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temáticaSituação de estudo e abordagem temática
Situação de estudo e abordagem temática
 
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
DIÁLOGOS ENTRE OS SABERES DA PRÁTICA E A TEORIA: O QUE DIZEM OS (AS) ACADÊMIC...
 
Didática para formação
Didática  para formação Didática  para formação
Didática para formação
 
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
A MOBILIZAÇÃO DE SABERES DOCENTES DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO INÍCIO...
 

Último

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 

Último (20)

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 

CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA REPENSAR AS NECESSIDADES FORMATIVAS PARA O SÉCULO XXI

  • 1. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de 2010
  • 2. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 1 Eje temático 4: Investigaciones y experiencias de iniciación a la docencia. Particularidades de los diferentes ámbitos de inserción. REPORTE DE INVESTIGACIÓN CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA REPENSAR AS NECESSIDADES FORMATIVAS PARA O SÉCULO XXI Saraiva, Karla Beatriz Gomes karlabeatriz@usp.br EACH- Universidade de São Paulo Resumen Neste projeto pesquisaram-se as idéias e a compreensão que professores têm sobre o seu papel profissional e sobre qual é a função que possui a escola, também se analisou a relação destes professores com a comunidade escolar e com a sociedade em geral. As narrativas dos professores acerca das suas experiências e memórias escolares e docentes foram utilizadas para identificar crenças e conhecimentos pessoais que constituem elementos importantes para a sua prática educativa. Posteriormente, os dados obtidos a partir das respostas de professores em exercício foram comparados com os obtidos, através da entrevista-questionário adaptada, de estudantes de Licenciatura em Ciências da Natureza (LCN), único curso que formará professores de ciências na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), da Universidade de São Paulo, Brasil. Foram utilizadas idéias de Maurice Tardif, Paulo Freire e Edgar Morin como referencial teórico para analisar as concepções dos professores e para obter subsídios que permitissem levantar algumas das necessidades formativas dos docentes no terceiro milênio. Para isto foram analisadas as entrevistas de 25 professores de ciências em exercício com as respostas dadas por 10 professores de ciências em formação inicial. As questões tratavam sobre experiências e memórias escolares e docentes. Depois de comparar os dados obtidos dos dois grupos conclui-se que uma das grandes necessidades dos cursos de formação de professores, tanto para professores em formação inicial quanto para os professores em exercício, neste início de século XXI é despertar no aluno a conscientização da importância da profissão docente.
  • 3. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 2 CONCEPÇÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE DOCENTES EM EXERCÍCIO E EM FORMAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA REPENSAR AS NECESSIDADES FORMATIVAS PARA O SÉCULO XXI Desde os debates sobre educação que ocorreram nos anos 60, em que os professores foram acusados de ajudarem a manter uma ordem social injusta e contribuírem para a reprodução das desigualdades sociais, a profissão docente passa por uma crise de identidade, que perdura até a atualidade. Para que se encontre uma saída para essa crise, é necessário repensar as relações entre o professor, a escola, a comunidade e a sociedade (NÓVOA, 1999). Um dos paradoxos da formação de professores é que poucas vezes os professores em exercício têm espaços de reflexão para se perguntar: quem é o professor? Ou o que é ensinar? E o que se deve ensinar? Este projeto pretende ser um estudo exploratório que recolha, analise e interprete as opiniões, reflexões, comentários e idéias de professores com experiência na sala de aula. Para inferir as necessidades formativas que dos professores na atualidade, a partir dos relatos de professores em exercício, utilizaremos algumas idéias de autores como Maurice Tardif, Paulo Freire e Edgar Morin. De acordo com TARDIF “... o professor não trabalha apenas um objeto, ele trabalha com sujeitos e em função de um projeto: transformar os alunos, educá-los e instruí-los” (TARDIF, 2002, p.2), portanto torna-se imprescindível o estudo da formação e prática docente para a melhor compreensão de todas essas atribuições docentes. A qualidade do ensino está intimamente ligada com o processo de formação de um bom profissional docente. O professor só irá introduzir mudanças na sua maneira de trabalhar e agir ao se sentir livre e se tiver total respaldo e segurança para que isso aconteça. Assim a formação teórica e prática do professor devem proporcionar o apoio e a convicção necessária aos educadores, possibilitando a melhoria nas condições de trabalho e conseqüentemente na qualidade do ensino. Conforme diz MORIN “A educação deve favorecer a aptidão natural da mente em formular e resolver problemas essenciais e, de forma correlata, estimular o uso total da inteligência geral” (MORIN, 2000, p.39). Os educadores, em alguns casos, não pensam na profissão de uma maneira mais profunda e mais responsável sobre a importância do seu papel profissional, sendo simples aplicadores de disciplinas e não verdadeiros educadores. Conforme FREIRE “... ensinar não é transmitir conhecimentos, mas criar as possibilidades para sua própria produção ou sua construção” (FREIRE, 1996, p.25).
  • 4. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 3 Apenas conhecimentos das técnicas e das práticas didáticas não são suficientes para formar um bom professor. “Uma educação só pode ser viável se for uma educação integral do ser humano. Uma educação que se dirige à totalidade aberta do ser humano e não apenas a um de seus componentes” (FREIRE, 1996, p.11). A formação docente precisa acentuar a reflexão no processo político, pois o professor deve ensinar os alunos a pensar, refletir e não somente se integrar, mas também questionar a sociedade, levando-os a desenvolver a consciência crítica necessária para compreender e intervir em assuntos sobre a demanda social, econômica e política que dizem respeito ao seu cotidiano. É preciso “situar o saber do professor na interface entre o individual e o social, entre o ator e o sistema, a fim de captar a sua natureza social e individual como um todo” (TARDIF, 2002, p.16). Torna-se importante e indispensável incorporar na formação dos educadores o estudo de características humanas, para que os docentes sintam-se capacitados a promover nos alunos um saber apropriado para solucionar os problemas, estimulando intelectualmente futuros cidadãos com conhecimentos que os tornem preparados a opinar e resolver questões impostas pela realidade social, pois “... o ser humano é ao mesmo tempo biológico, psíquico, social, afetivo e racional (...) e o conhecimento pertinente deve reconhecer esse caráter multidimensional e nele inserir estes dados” (MORIN, 2000, p.38). É preciso que o professor seja capaz de refletir sobre sua prática e direcioná-la segundo a realidade em que atua, de acordo com os interesses e necessidades dos alunos. De acordo com FREIRE “É pensando criticamente a prática de hoje ou de ontem é que se pode melhorar a próxima prática” (FREIRE, 1996, p.43). O estudo da prática docente passada possibilita uma maior compreensão da formação docente atual e futura. Quanto melhor for a formação do professor, mais profunda, abrangente e de melhor qualidade será sua prática educativa. Diante de todas essas colocações, observa-se que os profissionais docentes não estão sendo preparados para compreender e se adaptar à realidade complexa das novas necessidades educacionais, pois existe um grande descompasso entre a formação do profissional e as exigências do mundo moderno. Torna-se fundamental um aprendizado que possibilite a segurança das ações dos professores, fazendo-os examinar cuidadosamente os seus conceitos sobre a aptidão resultante de tal processo profissional. Isso permitirá o aprimoramento das práticas pedagógicas desse docente. TARDIF (2002).
  • 5. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 4 Nesta pesquisa obtivemos as concepções de professores, tanto em exercício quanto em formação inicial, sobre a docência e o papel dos educadores na escola e na sociedade, a fim de se verificar algumas necessidades formativas docentes deste inicio de século XXI. Os resultados obtidos a partir da pesquisa proposta servirão como material para discutir sobre o ser professor, seu papel na escola e principalmente na sociedade. Além de fornecer subsídios a alunos e profissionais da área da educação, possibilitando a percepção e reflexão sobre os assuntos que foram desenvolvidos com este trabalho. Metodologia da pesquisa A pesquisa foi qualitativa e de caráter descritivo, foram utilizados questionários com perguntas abertas para analisar a realidade docente contextualizada. (BOGDAN & BIKLEN, 2006). Foram analisadas 25 entrevistas-questionário respondidas por professores de ciências da rede pública de ensino da cidade de São Paulo, Brasil. As perguntas do questionário pretendiam em parte conhecer a auto-estima do professor, a inserção dele na escola, e o grau de consciência sobre seu papel como profissional docente. Os professores que participaram desta pesquisa responderam o questionário dentro do projeto Laboratório Didático Virtual (Labvirt), projeto da Escola do Futuro, núcleo de pesquisa da Universidade de São Paulo – USP, cuja principal atividade é a investigação das novas tecnologias de comunicação aplicadas à educação. O Labvirt tinha como principal objetivo construir uma infra-estrutura pedagógica e tecnológica para facilitar a criação de simulações nas áreas de física e química pelos alunos das escolas incentivando-os a pensarem criticamente, ao uso do método científico, ao gosto pela ciência e principalmente à reflexão e compreensão do mundo que os cerca. Além de gerar uma rede de conhecimento dinâmica o suficiente para mudar e adequar o ensino de ciências às necessidades atuais (www.labvirt.futuro.usp.br). O questionário respondido pelos professores foi adaptado e respondido por 10 alunos do último ano do curso de LCN da EACH-USP, único curso que forma professores dessa unidade, para que fossem feitas algumas comparações. Algumas idéias de Edgar Morin, Maurice Tardif e Paulo Freire, foram utilizadas como referencial teórico para analisar as concepções dos professores em exercício contrastadas com as de professores em formação, para obter subsídios que permitissem levantar algumas das necessidades formativas dos docentes neste novo milênio.
  • 6. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 5 De todas as perguntas do questionário geral do projeto LabVirt, foram selecionadas e analisadas 5 questões para esta pesquisa respondidas pelos professores (Quadro 1), que verificaram: o conhecimento do professor sobre teorias importantes na educação (pergunta 1), a importância da interdisciplinaridade na educação (pergunta 2), a interferência dos responsáveis pela organização escolar no trabalho docente (pergunta 3), a liberdade do docente para realizar a sua prática educativa (pergunta 4) e o que os professores fazem em benefício da educação, além de dar suas aulas (pergunta 5). Quadro 1: Questões respondidas pelos professores participantes da pesquisa. Questões 1. Você se considera um professor conservador ou não-conservador? 2. Você faz trabalho com outros professores? 3. Você considera que a estrutura da escola, com as hierarquias de direção, coordenação, com as divisões de disciplinas, tempos de aula, ajudam ou atrapalham? 4. Você tem espaço para fazer as coisas do seu jeito? 5. Você já colocou em prática um projeto que beneficiasse os alunos ou a escola? Das perguntas feitas aos alunos de LCN foram escolhidas e analisadas 3 questões (Quadro 2) que mais diziam respeito à prática educativa, tema mais relevante desse trabalho, para fazer parte as análise desta pesquisa e verificaram: a convicção sobre a vida docente (pergunta 1), os conhecimentos sobre as teorias importantes na educação (perguntas 2), a opinião particular sobre interdisciplinaridade (perguntas 3). Quadro 2: Questões analisadas sobre os alunos participantes da pesquisa. Questões: 1. Você pretende dar aula ao final do curso? 2. O que para você é ser um professor conservador ou não-conservador? 3. Você considera importante que os professores façam trabalhos com professores de outras disciplinas? Análise dos Resultados As questões analisadas são mostradas graficamente, primeiramente as dos professores e posteriormente as dos alunos. Cada gráfico mostra os resultados para uma única questão conforme o título. Os números indicam a quantidade absoluta e a porcentagem de entrevistados que responderam cada uma das questões.
  • 7. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 6 Respostas dadas pelos professores em exercício Questão 1: Professores: Os professores não sabiam ou não compreendiam o conceito de professor conservador ou não-conservador. A maioria deles se considerava não-conservadores, pois são muito liberais, amigos dos alunos, comunicativos e aceitam sem problema algum a opinião dos outros. Questão 2: Você faz trabalho com outros professores? 8 32% 17 68% sim não Pôde-se inferir de acordo com essa questão, que os professores não compreendem muito bem o conceito de interdisciplinaridade, tema que envolve duas ou mais disciplinas ou ramos do conhecimento. Os professores afirmam que preferem fazer os trabalhos sozinhos para não se exporem perante os outros professores. Você se considera um professor conservador ou não conservador? 5 20% 20 80% CONSERVADOR NÃO-CONSERVADOR
  • 8. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 7 Questão 3: Você considera que a estrutura da escola, com as hierarquias de direção, coordenação, com as divisões de disciplinas, tempos de aula, ajudam ou atrapalham? 12 48% 13 52% ajudam indecisos Os professores asseguram que a hierarquia escolar não atrapalha, ao contrário, geralmente ajuda, principalmente a direção que dá apoio e não se intromete no trabalho deles, o que facilita. O que chamou a atenção nesta questão foi que a maioria dos professores não soube responder objetivamente a questão, mostrando-se bastante indecisos, não sendo claros na resposta. Apenas dizem que a direção não ajuda e nem atrapalha, mas que o horário pequeno de suas aulas atrapalha bastante. A relação de heteronomia, isto é a dependência e o medo da autoridade pode ter sido a causa da indecisão dos professores. Questão 4: Você tem espaço para fazer as coisas do seu jeito? 22 88% 3 12% sim não Os professores dizem que tem total apoio e liberdade para fazerem as coisas do jeito que acharem melhor. A única coisa que é pedida a eles é o cumprimento do planejamento que é feito no início do ano. Eles disseram que não tem ninguém que fiscalize se eles estão realmente seguindo ou não o planejamento escolar. Dos três professores que disseram não ter apóio, chama a atenção o discurso de um deles: “...eles não me dão apoio, mas finjo dar aula e passa por isso mesmo.”
  • 9. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 8 Questão 5: Você já colocou em prática um projeto que beneficiasse os alunos ou a escola? 4 16% 21 84% sim não Os professores justificam não fazer projetos devido à falta de tempo. Alegam que como ganham pouco, precisam trabalhar em muitas escolas. Os professores que fazem algum tipo de projeto participam de alguns que já estavam em prática quando entraram na escola, ajudando para o melhor funcionamento do mesmo. Respostas dadas pelos professores em formação inicial (alunos do curso de LCN) Questão 1: Dos alunos que dizem querer seguir a profissão docente, um deles diz que como os pais são professores no decorrer do curso ele resolveu seguir essa profissão também. O outro afirma que gostou do curso e teve certeza que queria ser professor durante o seu estágio supervisionado.
  • 10. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 9 Questão 2: Todos eles compreendiam o conceito de professor conservador e não conservador. Inclusive alguns citaram Freire como base do seu pensamento. Questão 3: A maioria dos alunos não percebe a importância da interdisciplinaridade para a educação. Os alunos dizem que embora a teoria fale da necessidade de trabalhos interdisciplinares, na prática funciona de outra forma, pois o professor precisa trabalhar em diferentes escolas, não possuindo muito tempo para conversar com outros professores para colocar projetos em prática. Mesmo entre os dois que responderam considerar importante o trabalho em grupo, apenas um compreende o significado do tema. Isso foi comprovado quando ele afirmou que: é fundamental trabalhar com outros professores, pois os conteúdos não são fragmentados, eles dependem uns dos outros. Sendo trabalhados juntos será mais fácil para que os alunos compreendam. Enquanto o outro desenvolveu idéias vagas, sem conteúdo significativo a respeito do assunto.
  • 11. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 10 Discussão sobre os resultados De acordo com as análises das entrevistas dos professores e dos alunos, pôde-se perceber que ambos os grupos de entrevistados não tinham uma clara percepção ou noção da importância da carreira docente e do significado da palavra educador. A maioria dos entrevistados acredita que ser professor é apenas transmitir conteúdos aos alunos e não têm consciência da importância da sua prática profissional para a formação dos seus alunos e nem que “Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender” (FREIRE, 1996, p. 25), pois os docentes em exercício geralmente não levam em consideração o conhecimento prévio dos alunos e a troca de experiências e aprendizado que acontece durante o processo de ensino-aprendizagem e entre os atores e protagonistas essenciais da educação (professores e alunos). As entrevistas mostraram que os alunos (professores em formação inicial) conhecem bem algumas teorias educacionais importantes, enquanto os professores, que participaram dessa pesquisa, pareciam ter se esquecido de alguns conceitos. Segundo os estudiosos da educação como Freire, professor conservador é aquele que utiliza uma proposta de ensino que privilegia o conteúdo; é centrada na figura do professor, encarregado de transmitir os conhecimentos. O aluno é um elemento passivo, que recebe e assimila o que é transmitido. Para os professores entrevistados, ser conservador é ser rígido e autoritário e ser não-conservador é ser brincalhão, mais aberto aos alunos. Um dos professores que se autodenominou conservador, disse ser mais rígido e até um pouco carrancudo, justificando sua atitude ao dizer que os jovens confundem a liberdade com libertinagem quando os professores são mais brincalhões. A maioria dos alunos participantes citou Freire como base para o seu conhecimento sobre esse conceito, demonstrando uma boa compreensão dos conteúdos do curso. Pôde-se inferir que nem os professores em exercício e nem os professores em formação dão importância à questão da interdisciplinaridade. Os professores em exercício não compreendem muito bem o conceito interdisciplinaridade, tema que envolve duas ou mais disciplinas ou ramos do conhecimento, assunto que é muito apreciado por pensadores como MORIN que diz: "é necessário que os educadores se auto-eduquem, e se eduquem prestando atenção às gritantes necessidades do século, as quais são encarnadas também pelos estudantes” (MORIN, 2000, p. 17). Segundo ele é muito importante que não haja separação entre as disciplinas, que elas não sejam tratadas como assuntos individualizados. Isso facilitará a melhor compreensão dos conteúdos por parte dos alunos e a formação de cidadãos conscientes, o que é uma grande necessidade do século XXI.
  • 12. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 11 Os professores afirmam que preferem fazer os trabalhos sozinhos para não se exporem perante os outros professores. Além disso, dizem que a maioria dos professores atua como donos da disciplina e não permitem que ninguém opine na sua matéria. Os professores que fazem trabalhos com outros professores, procuram docentes da mesma disciplina que as suas. Eles não consideram importante fazer trabalhos com professores de outras disciplinas. Na realidade, os professores não aceitam que “O conhecimento das informações ou dos dados isolados é insuficiente. É preciso situar as informações e os dados em seu contexto para que adquiram sentido” (MORIN, 2000, p. 36). Mas na verdade, foi constatado que os professores mantém conversas que ajudam na formulação e na realização dos seus trabalhos. Os professores em formação, embora conheçam bem o conceito interdisciplinaridade, afirmam em sua maioria que na prática a interdisciplinaridade não é tão importante como na teoria, pois os professores por não conseguirem colocá-la em prática, se saem muito bem sem ela, conforme o que observaram durante o estágio. Considerações finais Através da análise das questões selecionadas a partir das entrevistas, pôde-se observar que as respostas dadas pelos professores revelam informações importantes sobre o perfil dos participantes da pesquisa, como o que acham e quais suas atitudes a respeito de algumas questões. Contudo, parece que alguns dos professores em exercício não têm consciência da importância da sua prática profissional para a formação dos seus alunos. Consideram- se apenas transmissores dos conhecimentos que possuem, não se valorizando como formadores e educadores. Por outro lado, este trabalho indicou que os professores entrevistados, tanto em exercício quanto em processo de formação inicial, não valorizam as práticas colaborativas em sala de aula nem as abordagens interdisciplinares, por falta de conhecimento ou por não ter vivenciado a experiência nos seus cursos de formação. A partir desses dados conclui-se que uma das grandes necessidades dos cursos de formação de professores, tanto para professores em formação inicial quanto para os professores em exercício, neste século XXI é despertar no aluno a conscientização da importância da profissão docente. Os professores podem ser uma alavanca para o desenvolvimento da sociedade, uma parte importante na formação de cidadãos capazes de falar e opinar em questões sociais essenciais para todos e para o desenvolvimento humano.
  • 13. II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia Saraiva, Karla 12 Bibliografía: • Freire, P. (1996) Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra (34ª edição). • LABVIRT. Disponível em < www.labvirt.futuro.usp.br > acessado em: 20 de janeiro de 2009. • Morin, E. (2002) Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. – 2. ed. – São Paulo : Cortez ; Brasília, DF : UNESCO. • Nóvoa, A. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, Jun 1999, vol.25, no.1, p.11-20. • Perrenoud, P. (2002) As Competências Para Ensinar no Século XXI: A Formação dos Professores e o Desafio da Avaliação. Porto Alegre: Artmed Editora. • Rampazzo, L. (1998) Metodologia científica para alunos de graduação e pós graduação. Ed. Stiliano, Lorena-SP. • Tardif, M. (2002) Saberes Docentes e Formação Profissional. Petrópolis-RJ : Vozes.