SlideShare uma empresa Scribd logo
Formatação: Profa
. Ana Beatriz CargninFormatação: Profa
. Ana Beatriz Cargnin
A ARTE DA
A história do filme de animação começa com os primeiros momentos
do cinema mudo e continua até os dias de hoje. Contudo, a história
das Imagens Animadas começa antes, com a produção de Brinquedos
Ópticos tais como o Fenaquiscópio (ou também, fenaquistiscópio), inventado
em 1832 pelo belga Joseph Plateau e pelo austríaco Simon von Stampfer,
simultaneamente.
HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO
O
Fenaquiscópi
o– Uma válsa
do casal.
O
Fenaquiscópio
de Eadweard
Muybridge
(1893).
Uma ilustração de
Fenaquiscópio
Criado por John Ayrton Paris entre 1824 e 1827, o taumatrópio foi o primeiro
brinquedo desenvolvido para a arte de animação.
Lado do
Thaumatrópio
com flor
Lado do
Thaumatrópio
com vaso
Taumatrópio
em
movimento,
reunindo flor e
vaso, 1825
O primeiro desenho animado foi realizado pelo Francês Émile Reynaud, que
criou o praxinoscópio, sistema de animação de 12 imagens, e filmes de
aproximadamente 500 a 600 imagens, projetado no seu próprio théatre
optique, sistema próximo do moderno projetor de filme, no Musée
Grévin em Paris, França, em 28 de Outubro de 1892.
Uma ilustração de 1879 de um
praxinoscópio
Imagem de um praxinoscópio de 1882
O primeiro desenho animado em um projetor de filmes moderno
foi Fantasmagorie pelo diretor francês Émile Courtet (também chamado
de Émile Cohl), projetado pela primeira vez em 17 de Agosto de 1908 no
'Théâtre du Gymnase', em Paris. Courtet foi para Fort Lee, NY próximo da
cidade de Nova York em 1912, onde trabalhou para o estúdio francêsÉclair e
espalhou sua técnica pelos Estados Unidos.
Gertie the Dinosaur é um curta metragem de animação de 1914, escrito e
dirigido pelo pioneiro da animação Winsor McCay.
Winsor McCay atuou ao vivo perante a audiência juntamente
com a animação, segurando uma maçã e convidando Gertie a
comer. Esta estica o seu pescoço e através da animação engole
a maçã que o próprio animador para ela atira. Isto foi muito real
para as pessoas da época e McCay teve o seu maior sucesso.
HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO NO CINEMA
Primeiro desenho com som Steamboat Willie
No desenho que celebrizou Mickey Mouse. O próprio Disney regeu a orquestra responsável pela
trilha sonora e fez a voz do camundongo, criado no mesmo ano em duas animações mudas que
passaram quase despercebidas. A estreia sonorizada impulsionou o personagem ao estrelato: em
apenas um ano, Mickey ganhou mais de 15 desenhos.
HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO NO CINEMA
Primeiro desenho transmitido pela televisão O Gato Félix
Lançado pelo americano Otto Messmer e pelo australiano Pat Sullivan, o risonho gato preto
apareceu pela primeira vez na animação Feline Follies ("Folias Felinas"), em 1919. Félix foi o maior
astro da era dos desenhos mudos, mas não conseguiu sobreviver ao cinema sonoro. Apesar do
fracasso na TV, a animação teve o privilégio de ser a primeira a ser transmitida pela televisão, em
1930.
HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO NO CINEMA
Primeiro desenho colorido Flowers and Trees
Em 1932, Walt Disney foi à Technicolor, empresa que tinha criado um sistema para usar cores em
filmes, e pediu-lhes exclusivamente por dois anos. O primeiro resultado da parceria foi Flowers and
Trees ("Flores e Árvores"), o pioneiro desenho colorido, que deu a Disney um Oscar no primeiro ano
em que foi criado um troféu específico para celebrar a animação.
ANIMAÇÃO NA WEB
Junto com a popularização da Web, animações para a mesma também foram
se popularizando. GIF, uma sigla para Graphics Interchange Format (Formato
de Intercâmbio de Gráficos), é um tipo de arquivo de imagem que permite que
animações sejam vistas num Web Browser. Ele era o formato mais popular
para animações na Web até relativamente pouco tempo.
Com o surgimento de outros formatos, como o Flash, criado
pela Macromedia e atualmente mantido pela Adobe, ele passou a ser
utilizado apenas para pequenas animações. O Flash também tem a
vantagem de permitir uso de efeitos sonoros e de criar animações
interativas, dentre outras.
Animação em imagem GIF.
Exemplo de animação
2d feito com o
programa flash.
Exemplo de uma animação feita
quadro-a-quadro no estilo de
uma criança de 8 anos.
Animação da corrida de
um cavalo feita com 15 quadros,
pelo pioneiro Eadweard
Muybridge que estudava o ser
humano em movimento
Animação com 12 quadros por
segundo dando a sensação de
movimento.
A mesma
animação
configurada para
1 quadro por
segundo,
descaracterizand
o o movimento.
TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO
ANIMAÇÃO TRADICIONAL
A animação  tradicional,  por  vezes  também 
chamado animação  por  célula ou animação  desenhada  à 
mão, é a mais velha e historicamente a mais popular forma 
de animação. Em um desenho animado de forma tradicional, 
cada quadro é desenhado à mão.
Nesse  estilo  de  animação  os 
desenhos  são  feitos  a  mão  e 
retraçados  ou  copiados  num 
plástico transparente chamado 
célula. 
Depois  coloca-se  a  célula 
sobre  um  fundo  pintado  e  os 
movimentos  são  fotografados 
um a um com uma câmara.
ANIMAÇÃO DIGITAL
A animação digital é a arte de criar imagens em movimento 
utilizando computadores,  mais  especificamente  usando 
recursos  de  computação  gráfica.  Por  vezes,  o  destino  da 
animação  é  o  próprio  computador,  mas  por  vezes  é  outro 
meio, como filmes dedicados para propaganda e cinema.
A animação computacional 3D 
é,  antes  de  mais  nada,  o 
sucessor  digital  da  animação 
por stopmotion;  a  figura 
animada  é  modelada  no 
monitor  e  "vestida"  com  um 
esqueleto  virtual.  Então  os 
membros,  olhos,  bocas, 
roupas, etc., da figura 3D são 
movimentadas pelo animador.
ANIMAÇÃO DE RECORTES
A animação  de  recortes (em  inglês Cut-out 
ainmation)  é  uma  técnica  específica 
de animação que  utiliza  personagens,  objetos  e 
cenários  recortados  de  materiais  como  papel, 
cartão, tecido ou mesmo fotografias.
Hoje  em  dia,  uma 
forma estilizada da  animação 
de  recortes  é  simulada 
digitalmente.  O  exemplo  mais 
conhecido  é  a série  de 
televisão South  Park,  cujos 
primeiros  episódios  foram 
realizados  com  animação  de 
recortes  verdadeira,  mas  que 
em  seguida  passou  a  ser 
produzida  utilizando  os 
programas Corel Draw e Maya. 
CAPTURA DE MOVIMENTO
Captura de movimento, ou mocap, é um termo
usado para descrever o processo de gravação
de movimento e transposição do movimento em
um modelo digital. Inicialmente inventado
na Escócia, a técnica é usada em militarismo,
entretenimento, esportes e aplicações médicas.
Em produções cinematográficas,
o termo refere-se a gravar ações
de atores humanos e usar tais
informações para animar
modelos de personagens virtuais
em animação 3D.
Quando se inclui a face, os
dedos ou quando se captura
expressões sutis, é
frequentemente referido
como captura de performance. Um sistema de marcadores ativos de alta resolução com 3.600 × 3.600 de
resolução em 480hz, fornecendo posições sub milimétricas em tempo real.
ANIMAÇÃO POR STOP-
MOTIONStop-motion é uma técnica
de animação fotograma a fotograma (ou quadro a
quadro), usando como recurso uma máquina de
filmar, uma máquina fotográfica ou um
computador. Utilizam-se modelos reais em
diversos materiais, os mais comuns são a massa
de modelar ou argila.
Os modelos são movimentados
e fotografados quadro a quadro.
Esses quadros são
posteriormente montados em
uma película cinematográfica,
criando a impressão de
movimento. Nessa fase, podem
ser acrescentados efeitos
sonoros, como fala ou música.
Exemplo de uma animação stop-motion de uma
moeda a mover-se.
ANIMAÇÃO COM FANTOCHES
O fantoche é uma modalidade de Boneco. Sua
manipulação é feita com a mão dentro do
fantoche. A boca do fantoche pode ser articulada
ou não.
Para manipular um fantoche é
preciso ter muito treino,
dedicação e amor pelo que está
fazendo, pois animar um boneco
é muito mais do que apenas
manipular. Animar é fazer com
que ele pareça ter vida própria,
com que encante o público com
gestos simples, porém bem
elaborados.
MUPPETS e DARK CRISTAL _ Fantoches para animação criados por Jim
Henson.
Dinosaurs
Produzida pela Disney em parceria com a Jim Henson
Productions - a qual concebeu os bonecos que representam os
personagens - e a Michael Jacobs Productions, entre os anos
de 1991 e 1994, a série trata das aventuras de uma família
de dinossauros, a Família Silva Sauro (Sinclair, em inglês), que
vive em uma sociedade dominada pelos grandes répteis, onde os
humanos são animais selvagens.
ANIMAÇÃO COM
ROTOSCÓPIOUm rotoscópio é um dispositivo que permite aos
animadores redesenhar quadros de filmagens
para ser usado em animação. Pode ser usado
para animar seguindo uma referência filmada. Ele
pode ser considerado um precursor da
moderna captura de movimento digital.
O aparelho foi inventado
por Max Fleischer, que o utilizou
em sua série Out of the Inkwell a
partir de 1914. Fleischer contou
com o seu irmão, Dave
Fleischer, vestido de palhaço,
como o filme de referência para
o personagem Koko the Clown.
Animação feita com rotoscópio
Rotoscópio original de Dave Fleischer

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
Rebeca Neiva
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
diogocaetanorodrigues
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do Cinema
Filipe Leal
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
Marcelo Malafaia
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
História da animação
História da animaçãoHistória da animação
História da animação
Allan Nagy
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
Matheus Vieira
 
Dança
DançaDança
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
ProfFernandaBraga
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Cristiane Seibt
 
Arte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividadeArte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividade
Casiris Crescencio
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
Susana Sobrenome
 
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Andrea Dressler
 
AULA 2: História da Animação
AULA 2: História da AnimaçãoAULA 2: História da Animação
AULA 2: História da Animação
Dra. Camila Hamdan
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
Mary Lopes
 
Teatro
TeatroTeatro
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 

Mais procurados (20)

A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
A história da fotografia
A história da fotografiaA história da fotografia
A história da fotografia
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do Cinema
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Questões simulado
Questões simuladoQuestões simulado
Questões simulado
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
História da animação
História da animaçãoHistória da animação
História da animação
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
Dança
DançaDança
Dança
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Arte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividadeArte grega texto para atividade
Arte grega texto para atividade
 
GV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do TeatroGV - Breve História do Teatro
GV - Breve História do Teatro
 
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
 
AULA 2: História da Animação
AULA 2: História da AnimaçãoAULA 2: História da Animação
AULA 2: História da Animação
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 

Semelhante a A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação

Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias?
 Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias? Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias?
Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias?
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Animacao
AnimacaoAnimacao
Animacao
InesSantos14
 
Animacao
AnimacaoAnimacao
Animacao
InesSantos14
 
Power point trabalho cssjf2
Power point trabalho cssjf2Power point trabalho cssjf2
Power point trabalho cssjf2
MarianaQuirino
 
Seminário sobre o universo da Animação.pdf
Seminário sobre o universo da Animação.pdfSeminário sobre o universo da Animação.pdf
Seminário sobre o universo da Animação.pdf
Mirnawernerfagundes
 
Animação e grafismo 3D.pptx
Animação e grafismo 3D.pptxAnimação e grafismo 3D.pptx
Animação e grafismo 3D.pptx
TomasSousa7
 
Seminario animacao
Seminario animacaoSeminario animacao
Seminario animacao
Jessica Bombonato
 
Animação
AnimaçãoAnimação
Animação
MarianaQuirino
 
Cinema1
Cinema1Cinema1
Cinema1
cinema8b
 
Animaçãoe
AnimaçãoeAnimaçãoe
Animaçãoe
AnimaçãoeAnimaçãoe
Trabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animaçãoTrabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animação
gasparlanca
 
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Albertocurso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
George Alberto F. Cavalcante
 
Trabalho sobre animação
Trabalho sobre animaçãoTrabalho sobre animação
Trabalho sobre animação
luthomas
 
Trabalho sobre animação
Trabalho sobre animaçãoTrabalho sobre animação
Trabalho sobre animação
luthomas
 
Trabalho animação
Trabalho animaçãoTrabalho animação
Trabalho animação
joaompac
 
Museu do desenho animado
Museu do desenho animadoMuseu do desenho animado
Museu do desenho animado
JessicaLuiza5
 
Historia da Animação Digital
Historia da Animação DigitalHistoria da Animação Digital
Historia da Animação Digital
Dra. Camila Hamdan
 
A historia do stop motion
A historia do stop motionA historia do stop motion
A historia do stop motion
Daniela Pinto
 
Aula 9
Aula 9Aula 9

Semelhante a A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação (20)

Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias?
 Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias? Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias?
Animações 3 D: Novos quadros, para antigas histórias?
 
Animacao
AnimacaoAnimacao
Animacao
 
Animacao
AnimacaoAnimacao
Animacao
 
Power point trabalho cssjf2
Power point trabalho cssjf2Power point trabalho cssjf2
Power point trabalho cssjf2
 
Seminário sobre o universo da Animação.pdf
Seminário sobre o universo da Animação.pdfSeminário sobre o universo da Animação.pdf
Seminário sobre o universo da Animação.pdf
 
Animação e grafismo 3D.pptx
Animação e grafismo 3D.pptxAnimação e grafismo 3D.pptx
Animação e grafismo 3D.pptx
 
Seminario animacao
Seminario animacaoSeminario animacao
Seminario animacao
 
Animação
AnimaçãoAnimação
Animação
 
Cinema1
Cinema1Cinema1
Cinema1
 
Animaçãoe
AnimaçãoeAnimaçãoe
Animaçãoe
 
Animaçãoe
AnimaçãoeAnimaçãoe
Animaçãoe
 
Trabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animaçãoTrabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animação
 
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Albertocurso de animacao 2d Senac-George Alberto
curso de animacao 2d Senac-George Alberto
 
Trabalho sobre animação
Trabalho sobre animaçãoTrabalho sobre animação
Trabalho sobre animação
 
Trabalho sobre animação
Trabalho sobre animaçãoTrabalho sobre animação
Trabalho sobre animação
 
Trabalho animação
Trabalho animaçãoTrabalho animação
Trabalho animação
 
Museu do desenho animado
Museu do desenho animadoMuseu do desenho animado
Museu do desenho animado
 
Historia da Animação Digital
Historia da Animação DigitalHistoria da Animação Digital
Historia da Animação Digital
 
A historia do stop motion
A historia do stop motionA historia do stop motion
A historia do stop motion
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
Ana Beatriz Cargnin
 
Gravuras
GravurasGravuras
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
Ana Beatriz Cargnin
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
Ana Beatriz Cargnin
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
Ana Beatriz Cargnin
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
Ana Beatriz Cargnin
 
Misturas
MisturasMisturas
Átomo
ÁtomoÁtomo
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Ana Beatriz Cargnin
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Ana Beatriz Cargnin
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
Ana Beatriz Cargnin
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin (20)

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
 
Gravuras
GravurasGravuras
Gravuras
 
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
 
Misturas
MisturasMisturas
Misturas
 
Átomo
ÁtomoÁtomo
Átomo
 
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
 
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 

A Arte da Animação: História da Animação e Técnicas de Animação

  • 1. Formatação: Profa . Ana Beatriz CargninFormatação: Profa . Ana Beatriz Cargnin A ARTE DA
  • 2. A história do filme de animação começa com os primeiros momentos do cinema mudo e continua até os dias de hoje. Contudo, a história das Imagens Animadas começa antes, com a produção de Brinquedos Ópticos tais como o Fenaquiscópio (ou também, fenaquistiscópio), inventado em 1832 pelo belga Joseph Plateau e pelo austríaco Simon von Stampfer, simultaneamente. HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO O Fenaquiscópi o– Uma válsa do casal. O Fenaquiscópio de Eadweard Muybridge (1893). Uma ilustração de Fenaquiscópio
  • 3. Criado por John Ayrton Paris entre 1824 e 1827, o taumatrópio foi o primeiro brinquedo desenvolvido para a arte de animação. Lado do Thaumatrópio com flor Lado do Thaumatrópio com vaso Taumatrópio em movimento, reunindo flor e vaso, 1825
  • 4. O primeiro desenho animado foi realizado pelo Francês Émile Reynaud, que criou o praxinoscópio, sistema de animação de 12 imagens, e filmes de aproximadamente 500 a 600 imagens, projetado no seu próprio théatre optique, sistema próximo do moderno projetor de filme, no Musée Grévin em Paris, França, em 28 de Outubro de 1892. Uma ilustração de 1879 de um praxinoscópio Imagem de um praxinoscópio de 1882
  • 5. O primeiro desenho animado em um projetor de filmes moderno foi Fantasmagorie pelo diretor francês Émile Courtet (também chamado de Émile Cohl), projetado pela primeira vez em 17 de Agosto de 1908 no 'Théâtre du Gymnase', em Paris. Courtet foi para Fort Lee, NY próximo da cidade de Nova York em 1912, onde trabalhou para o estúdio francêsÉclair e espalhou sua técnica pelos Estados Unidos.
  • 6. Gertie the Dinosaur é um curta metragem de animação de 1914, escrito e dirigido pelo pioneiro da animação Winsor McCay. Winsor McCay atuou ao vivo perante a audiência juntamente com a animação, segurando uma maçã e convidando Gertie a comer. Esta estica o seu pescoço e através da animação engole a maçã que o próprio animador para ela atira. Isto foi muito real para as pessoas da época e McCay teve o seu maior sucesso.
  • 7. HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO NO CINEMA Primeiro desenho com som Steamboat Willie No desenho que celebrizou Mickey Mouse. O próprio Disney regeu a orquestra responsável pela trilha sonora e fez a voz do camundongo, criado no mesmo ano em duas animações mudas que passaram quase despercebidas. A estreia sonorizada impulsionou o personagem ao estrelato: em apenas um ano, Mickey ganhou mais de 15 desenhos.
  • 8. HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO NO CINEMA Primeiro desenho transmitido pela televisão O Gato Félix Lançado pelo americano Otto Messmer e pelo australiano Pat Sullivan, o risonho gato preto apareceu pela primeira vez na animação Feline Follies ("Folias Felinas"), em 1919. Félix foi o maior astro da era dos desenhos mudos, mas não conseguiu sobreviver ao cinema sonoro. Apesar do fracasso na TV, a animação teve o privilégio de ser a primeira a ser transmitida pela televisão, em 1930.
  • 9. HISTÓRIA DA ANIMAÇÃO NO CINEMA Primeiro desenho colorido Flowers and Trees Em 1932, Walt Disney foi à Technicolor, empresa que tinha criado um sistema para usar cores em filmes, e pediu-lhes exclusivamente por dois anos. O primeiro resultado da parceria foi Flowers and Trees ("Flores e Árvores"), o pioneiro desenho colorido, que deu a Disney um Oscar no primeiro ano em que foi criado um troféu específico para celebrar a animação.
  • 10. ANIMAÇÃO NA WEB Junto com a popularização da Web, animações para a mesma também foram se popularizando. GIF, uma sigla para Graphics Interchange Format (Formato de Intercâmbio de Gráficos), é um tipo de arquivo de imagem que permite que animações sejam vistas num Web Browser. Ele era o formato mais popular para animações na Web até relativamente pouco tempo. Com o surgimento de outros formatos, como o Flash, criado pela Macromedia e atualmente mantido pela Adobe, ele passou a ser utilizado apenas para pequenas animações. O Flash também tem a vantagem de permitir uso de efeitos sonoros e de criar animações interativas, dentre outras. Animação em imagem GIF. Exemplo de animação 2d feito com o programa flash.
  • 11. Exemplo de uma animação feita quadro-a-quadro no estilo de uma criança de 8 anos. Animação da corrida de um cavalo feita com 15 quadros, pelo pioneiro Eadweard Muybridge que estudava o ser humano em movimento Animação com 12 quadros por segundo dando a sensação de movimento. A mesma animação configurada para 1 quadro por segundo, descaracterizand o o movimento.
  • 13. ANIMAÇÃO TRADICIONAL A animação  tradicional,  por  vezes  também  chamado animação  por  célula ou animação  desenhada  à  mão, é a mais velha e historicamente a mais popular forma  de animação. Em um desenho animado de forma tradicional,  cada quadro é desenhado à mão. Nesse  estilo  de  animação  os  desenhos  são  feitos  a  mão  e  retraçados  ou  copiados  num  plástico transparente chamado  célula.  Depois  coloca-se  a  célula  sobre  um  fundo  pintado  e  os  movimentos  são  fotografados  um a um com uma câmara.
  • 14. ANIMAÇÃO DIGITAL A animação digital é a arte de criar imagens em movimento  utilizando computadores,  mais  especificamente  usando  recursos  de  computação  gráfica.  Por  vezes,  o  destino  da  animação  é  o  próprio  computador,  mas  por  vezes  é  outro  meio, como filmes dedicados para propaganda e cinema. A animação computacional 3D  é,  antes  de  mais  nada,  o  sucessor  digital  da  animação  por stopmotion;  a  figura  animada  é  modelada  no  monitor  e  "vestida"  com  um  esqueleto  virtual.  Então  os  membros,  olhos,  bocas,  roupas, etc., da figura 3D são  movimentadas pelo animador.
  • 15. ANIMAÇÃO DE RECORTES A animação  de  recortes (em  inglês Cut-out  ainmation)  é  uma  técnica  específica  de animação que  utiliza  personagens,  objetos  e  cenários  recortados  de  materiais  como  papel,  cartão, tecido ou mesmo fotografias. Hoje  em  dia,  uma  forma estilizada da  animação  de  recortes  é  simulada  digitalmente.  O  exemplo  mais  conhecido  é  a série  de  televisão South  Park,  cujos  primeiros  episódios  foram  realizados  com  animação  de  recortes  verdadeira,  mas  que  em  seguida  passou  a  ser  produzida  utilizando  os  programas Corel Draw e Maya. 
  • 16. CAPTURA DE MOVIMENTO Captura de movimento, ou mocap, é um termo usado para descrever o processo de gravação de movimento e transposição do movimento em um modelo digital. Inicialmente inventado na Escócia, a técnica é usada em militarismo, entretenimento, esportes e aplicações médicas. Em produções cinematográficas, o termo refere-se a gravar ações de atores humanos e usar tais informações para animar modelos de personagens virtuais em animação 3D. Quando se inclui a face, os dedos ou quando se captura expressões sutis, é frequentemente referido como captura de performance. Um sistema de marcadores ativos de alta resolução com 3.600 × 3.600 de resolução em 480hz, fornecendo posições sub milimétricas em tempo real.
  • 17. ANIMAÇÃO POR STOP- MOTIONStop-motion é uma técnica de animação fotograma a fotograma (ou quadro a quadro), usando como recurso uma máquina de filmar, uma máquina fotográfica ou um computador. Utilizam-se modelos reais em diversos materiais, os mais comuns são a massa de modelar ou argila. Os modelos são movimentados e fotografados quadro a quadro. Esses quadros são posteriormente montados em uma película cinematográfica, criando a impressão de movimento. Nessa fase, podem ser acrescentados efeitos sonoros, como fala ou música. Exemplo de uma animação stop-motion de uma moeda a mover-se.
  • 18. ANIMAÇÃO COM FANTOCHES O fantoche é uma modalidade de Boneco. Sua manipulação é feita com a mão dentro do fantoche. A boca do fantoche pode ser articulada ou não. Para manipular um fantoche é preciso ter muito treino, dedicação e amor pelo que está fazendo, pois animar um boneco é muito mais do que apenas manipular. Animar é fazer com que ele pareça ter vida própria, com que encante o público com gestos simples, porém bem elaborados. MUPPETS e DARK CRISTAL _ Fantoches para animação criados por Jim Henson.
  • 19. Dinosaurs Produzida pela Disney em parceria com a Jim Henson Productions - a qual concebeu os bonecos que representam os personagens - e a Michael Jacobs Productions, entre os anos de 1991 e 1994, a série trata das aventuras de uma família de dinossauros, a Família Silva Sauro (Sinclair, em inglês), que vive em uma sociedade dominada pelos grandes répteis, onde os humanos são animais selvagens.
  • 20. ANIMAÇÃO COM ROTOSCÓPIOUm rotoscópio é um dispositivo que permite aos animadores redesenhar quadros de filmagens para ser usado em animação. Pode ser usado para animar seguindo uma referência filmada. Ele pode ser considerado um precursor da moderna captura de movimento digital. O aparelho foi inventado por Max Fleischer, que o utilizou em sua série Out of the Inkwell a partir de 1914. Fleischer contou com o seu irmão, Dave Fleischer, vestido de palhaço, como o filme de referência para o personagem Koko the Clown. Animação feita com rotoscópio Rotoscópio original de Dave Fleischer