SlideShare uma empresa Scribd logo
Formatação: Prof. Esp. Ana Beatriz Cargnin
A necessidade de buscar
sensações bem-estar,
prazer, afeto, contato,
carinho, que todo ser
humano tem.
A
SEXUALIDADE
É NATURAL !
De várias formas:
. bem-estar, alegria, estímulo
. desejos, fantasias
. curiosidade do outro, relacionamentos
. amizade, amor
. afeto, carinho
. contato físico, sexo
. sensibilidade, prazer
A
SEXUALIDADE
TEM
POSSIBILIDADES
INFINITAS !
Um período de transição do
desenvolvimento humano,
correspondente à passagem
da fase da infância para a
adolescência, circunstanciada
por transformações biológicas
de âmbito comportamental e
corpóreo, conferindo pelo
surgimento dos caracteres
sexuais secundários
diferenciados de acordo com
o gênero.
Logo que nascem, as meninas têm os órgãos femininos
completos. Estes amadurecem e se desenvolvem ao
longo do crescimento.
Os órgãos femininos internos (aqueles que não vemos)
estão situados dentro do corpo da menina; debaixo da
barriga, do umbigo e dos intestinos.
Os órgãos externos (os que vemos) estão entre as pernas
da menina; os seios femininos encontram-se no exterior
do corpo e vão aumentar de tamanho durante a
puberdade.
TUBA UTERINA
Tipos de
O corpo deles, incluindo o dos bebês, já
tem os órgãos masculinos, mas esses
órgãos também têm que amadurecer e
se desenvolver e, só a partir da
puberdade, é que podem fazer bebês.
Os órgãos internos (que não vemos) do
sexo masculino estão situados debaixo
do umbigo, do estômago e dos
intestinos, tal como nas meninas!
Os órgãos externos (os que vemos) estão
todos entre as pernas do menino.
EXTREMIDADE
DO PÊNIS
CAMADA DE
PELE QUE
COBRE A
GLANDE
No menino, as transformações
começam por volta de 13 anos e
são muito mais demoradas que
nas meninas.
Os primeiros sinais dessa
transformação são, basicamente, o
aumento no tamanho dos órgãos
genitais, o nascimento da barba e
o aparecimento de pelos na região
pubiana, nas pernas, nos braços e
no peito.
Transformações:
Nos meninos, os ombros e o
peito alargam e os músculos
começam a se desenvolver.
Aparecem os pêlos púbicos e o
pênis e os testículos começam a
crescer.
Os testículos começam a
produzir espermatozóides, que
são as células reprodutoras
Surgem as espinhas!
A medida que os meninos
continuam crescendo, as cordas
vocais também aumentam, o
que vai tornar as suas vozes
mais graves.
Ocorrerá um aumento de pêlos
debaixo dos braços, na zona da
púbis, nos braços e pernas, no
rosto, no peito e nas costas.
As glândulas sudoríparas (que
produzem suor) começam a
funcionar e pode existir
ejaculação (saída de sêmen)
durante os sonhos ou durante a
masturbação.
A puberdade feminina se inicia, em
geral, entre 11 e 14 anos, variando
esse período de pessoa para pessoa.
Em geral, a puberdade tem inicio com
a primeira menstruação (menarca),
que coincide com o surgimento de
uma série de transformações do corpo
que já se vinham manifestando na
fase conhecida como pré-puberal.
Transformações:
O seu corpo torna-se mais roliço e os
órgãos sexuais, além de adquirirem
uma tonalidade mais escura, tornam-
se mais carnudos.
Surgem as espinhas!
Surgem também pêlos debaixo dos
braços e na zona da púbis; além do
mais irá ocorrer um expressivo
aumento de pêlos nas pernas e nos
braços.
Irá ocorrer o desenvolvimento das
mamas.
Nesta fase é que se inicia a ovulação _
saída do óvulo (célula reprodutiva
feminina) dos ovários _ e, por
consequência, a menstruação.
Vídeo: Ciclo
Menstrual
Masturbar-se é tocar os próprios órgãos genitais para
obtenção do prazer sexual.
É quando o menino acaricia o próprio pênis e a
menina acaricia o próprio clitóris.
Um dos termos mais comuns para a
masturbação é “fazer sexo consigo
mesmo”. Há pessoas que se masturbam
e há outras que não. Depende da
maneira que cada pessoa se sente e da
descoberta que está fazendo no seu
corpo.
Algumas pessoas acham que a
masturbação é um erro, que faz
mal ou ainda que é um pecado.
Mas ela não faz mal...
O motivo é que você teve uma
ejaculação (saída de sêmen) noturna,
ou seja, seu pênis ficou ereto (duro)
e teve ejaculação durante o sono.
Isso acontece quando se tem um
sonho bom, que te dá prazer: seu
corpo responde a este sonho. Agora
você sabe que seu corpo já está
produzindo espermatozóides.
A idade em que isto acontece pode
variar de pessoa para pessoa;
geralmente ocorre por volta dos
12/13 anos de idade, mas também
pode ocorrer mais cedo ou mais
tarde.
O ato sexual ou relação sexual é a denominação
geral dada à fase em que dois seres humanos
executam a ação física de junção dos seus órgãos
sexuais, originalmente para a transmissão do
gameta masculino ao feminino.
Contudo, nem sempre tem uma
função reprodutiva.
As preliminares,
diminuem a inibição e
aumentam o conforto
emocional dos parceiros e
também podem levar à
excitação sexual dos
parceiros, resultando na
ereção do pênis e na
lubrificação natural e
dilatação da vagina.
Vídeo: Concepção
Nessa fase
já é
possível
identificar
o sexo do
feto.
O corpo
do feto é
revestido
por uma
camada de
gordura
protetora
(vérnix)
Nascimento
O parto (também chamado
nascimento) é a saída do feto do
útero materno.
Alguns sintomas podem aparecer
para avisar que a hora do trabalho
de parto está chegando. O bebê se
posiciona mais para baixo, o que dá
uma sensação de compressão no
baixo ventre que pode ser
acompanhada de uma dor lombar e
perdas vaginais mais intensas. O
abdome endurece.
As contrações geralmente começam
depois do rompimento da bolsa de
água. Quando a bolsa estourar, é
sinal que o bebê irá nascer.
É em cromossomos especiais _ os
cromossomos sexuais _ que vem a
informação para nascer menino ou
menina.
Os óvulos têm um cromossomo
sexual X; mas os espermatozóides
podem ter um cromossomo sexual
X ou um cromossomo sexual Y.
Se o óvulo for fecundado por um
espermatozóide X, irá formar um
ovo XX e, portanto, nascerá uma
menina. Mas, se o óvulo for
fecundado por um espermatozóide
Y, irá formar um ovo XY e,
portanto, nascerá um menino.
Chama-se gêmeos a dois ou mais irmãos que
nascem num nascimento múltiplo, ou seja, de
uma mesma gestação da mãe, podendo ser
idênticos ou não. Por extensão, as crianças
nascidas de partos triplos, quádruplos ou mais
também são chamados de gêmeos.
Os gêmeos fraternos são são
formados a partir de dois óvulos.
Nesse caso são produzidos dois
óvulos e os dois são fecundados,
formando assim, dois embriões.
Os gêmeos fraternos não se
assemelham muito entre si,
podem ter, ou não, o mesmo
fator sanguíneo e podem ser do
mesmo sexo ou não.
Também são conhecidos como
gêmeos diferentes.
Na verdade são dois irmãos
comuns que tiveram gestação
coincidente.
Quando um óvulo é produzido e fecundado por um só
espermatozóide e se divide em duas culturas de células completas, dá
origem aos gêmeos idênticos. Sempre possuem o mesmo sexo. Os
gêmeos idênticos têm o mesmo genoma, e são clones um do outro.
A gestação é difícil pelo fato de apenas 10% a 15% dos gêmeos
idênticos terem placentas diferentes, geralmente possuem a mesma
placenta.
Às vezes, um homem e uma mulher
querem ter relações sexuais, mas
não querem ter filhos. Então, podem
utilizar um método contraceptivo.
Métodos contraceptivos são
meios que os homens e as
mulheres podem utilizar para
evitar uma gravidez quando
têm relações sexuais.
Os métodos contraceptivos mais
utilizados e também mais
conhecidos são o preservativo
(camisinha) e a pílula.
A camisinha, também chamada
camisa de Vênus ou preservativo é o
método anticoncepcional mais
simples. Vendida em farmácias e
supermercados , a camisinha pode
ser usada por qualquer homem.
É uma espécie de saquinho de
borracha que deve ser colocado no
pênis já ereto, antes da penetração na
vagina.
O esperma ejaculado fica dentro da
camisinha, impedindo que os
espermatozóides entrem no corpo da
mulher. Ao colocar a camisinha , é
preciso deixar um espaço livre do
fundo, para que o esperma se
É uma bolsa de plástico fino,
transparente e suave, com dois
anéis, sendo um preso e o outro
móvel (que não deve ser removido).
Previne tanto DST como gravidez e
não apresenta efeitos colaterais nem
reações alérgicas.
É um comprimido feito com hormônios
sintéticos (não naturais) que impedem o
amadurecimento do óvulo e a ovulação. É
um método quase 100% seguro de evitar a
gravidez.
A pílula deve ser tomada todos os dias no
mesmo horário. Cada cartela tem 21
comprimidos. O primeiro deve ser tomado
no 5º dia a partir da chegada da
menstruação, ou seja, no 5 º dia do ciclo
menstrual .
Adolescente não deve tomar pílula, pois os
hormônios desse anticoncepcional podem
interferir no seu crescimento. Para
algumas mulheres, a pílula pode trazer
alguns problema de saúde. Por isso, esse
anticoncepcional só pode ser receitado por
um médico.
DIU significa Dispositivo Intra
Uterino.
É uma peça de cobre ou de silicone,
que é colocada , pelo médico, dentro
do útero . Essa peça impede que o
espermatozóide chegue ao óvulo, ou,
que o óvulo fecundado se
desenvolva .
Só um médico pode colocar o DIU na
mulher.
As mulheres que usam esse
dispositivo devem retornar
periodicamente ao médico, pois o
DIU pode sair do lugar e provocar
sangramentos, problemas de saúde,
ou mesmo permitir a gravidez .
É uma capinha de borracha que deve
ser colocada na parte mais profunda
da vagina, pra tampar a entrada do
útero e assim impedir a penetração
dos espermatozóides. O diafragma
deve ser colocado antes da relação e
retirado oito horas depois da
mesma .
Deve-se consultar um médico, que
indicará o tamanho do diafragma
adequado para cada mulher e
também ensinará como usá-lo. Por
não ser muito simples de ser
colocado, requer um pouco de treino
para isso .
O diafragma não prejudica a saúde e
não é sentido pela mulher nem pelo
homem durante a relação sexual .
É um método natural , pois
não utiliza nenhum material
ou remédio. Consiste em não
ter relações sexuais no
período fértil, ou seja, no
período que pode existir um
óvulo maduro no organismo
da mulher.Para usar a tabela , a
mulher deve anotar num
calendário , o primeiro dia
do ciclo. Aproximadamente,
no 14o
dia ocorrerá a
ovulação e daí se faz a
relação de que os dias mais
seguros para não engravidar
são : os sete dias antes da
menstruação; os dias da
menstruação; os três dias ,
após a menstruação.
Mas, esse método é muito falho
e em mulheres com
menstruação irregular, não
funciona mesmo .
Agente: bactéria Haemophilus ducreyi
Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral
Ocorrência: 01 mulher para cada 20 homens.
Sintomas de 02 a 05 dias após o contágio
acompanhado de dor de cabeça, febre e
prostração.pequenas e dolorosas feridas, úlceras,
nos genitais externos.
As úlceras podem ser únicas ou múltiplas
Cancro Mole
Agente: Candida albicans (Microbiota)
Queda de imunidade, higiene pessoal ou distúrbios
no organismos e período pré-menstrual levam ao
aparecimento da doença.
Transmissão: faz parte da microbiota natural da
vagina, não é comprovado que seja transmitido pelo
ato sexual.
Sintomas: corrimento branco, irritação e coceira
Candidíase
Agente: Papiloma Vírus Humano (HPV)
Transmissão: via sexual.
Manifestação clássica: Pele dolorosa,
pequenas verrugas rugosas nas zonas
genitais, anais ou garganta.
Mulheres: na vulva, períneo, vagina e colo do
útero, havendo quase sempre, concomitância
de corrimento vaginal.
Homens: na glande, prepúcio e a bolsa
testicular
Condiloma Genital
ou Crista de Galo
Agente: bactéria Neisseria Gonorrhoeae
Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral.
Sintomas: diferem na mulher e no homem, que
apresenta quadro infeccioso mais aparente,
caracterizado pela uretrite, que produz secreção
purulenta amarelo-esverdeada, pela manhã,
provocando odor e ardor ao urinar.
Quando não tratada pode acometer próstata,
vesículas seminais, epidídimos, pele, articulações,
endocárdio, fígado, meninges.
Gonorréia
 Agente: bactéria Callymatobacterium
granulomatis.
Sintomas: lesão inicial indolor, na forma de
vesículas endurecidas na pele dos órgãos genitais,
as quais se rompem formando uma única úlcera,
que aumenta causando destruição dos tecidos.
Os casos não tratados, podem evoluir causando
sérias complicações como ulceração estreitamento
da uretra, vagina ou ânus.
Granuloma
Agente Parasita Trichomonas vaginalis,
Transmissão: relações sexuais ou por ambientes
contaminados como banheiros e piscinas.
Nas mulheres, os sintomas são coceira intensa na
vagina, corrimento amarelado de odor
desagradável e ardor ao urinar.
O processo inflamatório intenso na vagina e no colo
do útero pode facilitar a penetração do HIV no
organismo.
Nos homens, geralmente, os sintomas podem ficar
ocultos durante semanas ou aparecer na forma de
pequena irritação no pênis e ardor ao urinar.
Tricomoníase
Agente é o Herpes vírus II.
Transmissão: contato sexual.
Manifestação: Relacionada à queda das defesas
imunológicas do organismo.
Sintomas: primeiramente prurido, fisgada e
sensação de queimadura na pele dos genitais, que
evoluem para lesões avermelhadas - pequenas
vesículas nos genitais ou anais que se tornam
muito dolorosas, as quais cicatrizam-se em
algumas semanas com ou sem tratamento.
Herpes Genital
Agente: bactéria Chlamydia trachomatis.
Transmissão: sexo vaginal com pessoa contaminada.
Sintomas leve secreção matinal com aspecto de
"clara de ovo", ardor ao urinar e às vezes alterações
na freqüência urinária, seguida por lesão genital
transitória, única e indolor tipo erosão superficial,
que cicatriza espontânea e rapidamente em mais ou
menos três a quatro dias.
Nas mulheres: vagina, a vulva e, em alguns casos,
o colo uterino,
Nos homens as lesões ocorrem na glande e no
prepúcio, formando grandes feridas purulentas.
Linfogranuloma
Doença de caráter sistêmico, causada pela bactéria
Treponema pallidum.
É adquirida através do sexo vaginal, anal ou oral com
pessoa contaminada, além de transfusão de sangue
ou pelo parto.
Apresenta 03 fases:
Primária
Secundária
Terciária
Sífilis
ou Cancro Duro
O QUE É A DOENÇA
 - O que quer dizer a sigla
Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.
 - Quem causa a doença  (HIV)
 - O caráter da doença (imunodeficiente)
- Como  é  detectada  (anti-HIV  através  de  Elisa, 
imunofluorescência e Wostern-Blot)
COMO SE PEGA AIDS
- Quais os líquidos onde foi encontrado o HIV
( sangue, saliva, leite, sêmen secreção vaginal e líquido
cegalorraquidiano e fezes )
- Quando o contato com os líquidos pode contaminar
(sexo, amamentação, drogas)
- Quais as formas mais comuns de contaminação
(sexo, hemotransfusão, drogas)
- A AIDS do adulto é diferente da criança
(A criança é mais suscetível a infecções bacterianas)
- A criança recém nascida deve ser amamentada pela
mãe portadora?
ASPECTOS CLÍNICOS
- Quais os aspectos clínicos da doença
(queda  na  resistência  física  da  pessoa,  como 
infecções virais e bacterianas como candidíase, 
pneumonias, herpes )
 
TRATAMENTO
  Uso de anti-retrovirais 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Puberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;dPuberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;d
Monica Alves
 
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPOADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
veronicasilva
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
Aulas Biologia
 
III.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoIII.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimento
Rebeca Vale
 
Reprodução nas plantas
Reprodução nas plantasReprodução nas plantas
Reprodução nas plantas
danielpinheiro
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Werner Mendoza Blanco
 
Slides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunosSlides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunos
Jaqueline Almeida
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
Alinebrauna Brauna
 
Métodos contraceptivos de barreira e naturais
Métodos contraceptivos de barreira e naturaisMétodos contraceptivos de barreira e naturais
Métodos contraceptivos de barreira e naturais
António Luís
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
tocha_turma9a
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
Helena Borralho
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
Alinebrauna Brauna
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
Isabel Lopes
 
A sexualidade humana
A sexualidade humanaA sexualidade humana
A sexualidade humana
professoraludmila
 
8 ano reprodução E sistema reprodutor
8 ano reprodução E  sistema reprodutor8 ano reprodução E  sistema reprodutor
8 ano reprodução E sistema reprodutor
Giselle Marques Goes
 
Adolescência e puberdade
Adolescência e puberdadeAdolescência e puberdade
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Isabel Lopes
 
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Leonardo Kaplan
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
Fatima Comiotto
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
guestbacc08
 

Mais procurados (20)

Puberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;dPuberdade .pptx;d
Puberdade .pptx;d
 
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPOADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
ADOLESCÊNCIA E AS TRANSFORMAÇÕES DO CORPO
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
III.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoIII.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimento
 
Reprodução nas plantas
Reprodução nas plantasReprodução nas plantas
Reprodução nas plantas
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Slides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunosSlides de reprodução assistida alunos
Slides de reprodução assistida alunos
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
 
Métodos contraceptivos de barreira e naturais
Métodos contraceptivos de barreira e naturaisMétodos contraceptivos de barreira e naturais
Métodos contraceptivos de barreira e naturais
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida fecundação, gravidez e início da vida
fecundação, gravidez e início da vida
 
A sexualidade humana
A sexualidade humanaA sexualidade humana
A sexualidade humana
 
8 ano reprodução E sistema reprodutor
8 ano reprodução E  sistema reprodutor8 ano reprodução E  sistema reprodutor
8 ano reprodução E sistema reprodutor
 
Adolescência e puberdade
Adolescência e puberdadeAdolescência e puberdade
Adolescência e puberdade
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 

Destaque

Feuduc 2016 sexualidade escola
Feuduc 2016 sexualidade escolaFeuduc 2016 sexualidade escola
Feuduc 2016 sexualidade escola
Adila Trubat
 
Alteracões na Puberdade
Alteracões na PuberdadeAlteracões na Puberdade
Alteracões na Puberdade
adriana.biologia
 
Sistema reprodutor humano prof Ivanise Meyer
Sistema reprodutor humano prof Ivanise MeyerSistema reprodutor humano prof Ivanise Meyer
Sistema reprodutor humano prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
Unidade 2 reprodução humana
Unidade 2 reprodução humanaUnidade 2 reprodução humana
Unidade 2 reprodução humana
Margarida Cardoso
 
Anatomía y fisiología de la mujer
Anatomía y fisiología de la mujerAnatomía y fisiología de la mujer
Anatomía y fisiología de la mujer
Lucy 'Martinez
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivos
jppaco
 
Puberdade Precoce: como conduzir
Puberdade Precoce: como conduzirPuberdade Precoce: como conduzir
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
Paulo Vitor
 
Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2
luis97filipe
 
ginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescenteginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescente
Ladicita Lavayen
 
Medicina Legal Violacion Sexual
Medicina Legal Violacion SexualMedicina Legal Violacion Sexual
Medicina Legal Violacion Sexual
Migle Devides
 
Desarrollo puberal
Desarrollo puberalDesarrollo puberal
Desarrollo puberal
mperezp
 

Destaque (12)

Feuduc 2016 sexualidade escola
Feuduc 2016 sexualidade escolaFeuduc 2016 sexualidade escola
Feuduc 2016 sexualidade escola
 
Alteracões na Puberdade
Alteracões na PuberdadeAlteracões na Puberdade
Alteracões na Puberdade
 
Sistema reprodutor humano prof Ivanise Meyer
Sistema reprodutor humano prof Ivanise MeyerSistema reprodutor humano prof Ivanise Meyer
Sistema reprodutor humano prof Ivanise Meyer
 
Unidade 2 reprodução humana
Unidade 2 reprodução humanaUnidade 2 reprodução humana
Unidade 2 reprodução humana
 
Anatomía y fisiología de la mujer
Anatomía y fisiología de la mujerAnatomía y fisiología de la mujer
Anatomía y fisiología de la mujer
 
puberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivospuberdade e métodos contraceptivos
puberdade e métodos contraceptivos
 
Puberdade Precoce: como conduzir
Puberdade Precoce: como conduzirPuberdade Precoce: como conduzir
Puberdade Precoce: como conduzir
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
 
Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2Puberdade powerpoint 2
Puberdade powerpoint 2
 
ginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescenteginecologia pediatrica y del adolescente
ginecologia pediatrica y del adolescente
 
Medicina Legal Violacion Sexual
Medicina Legal Violacion SexualMedicina Legal Violacion Sexual
Medicina Legal Violacion Sexual
 
Desarrollo puberal
Desarrollo puberalDesarrollo puberal
Desarrollo puberal
 

Semelhante a Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst

Educação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividadeEducação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividade
Alfredo Figueiredo
 
Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor
ladyacp
 
Adolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidadeAdolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidade
Bio Sem Limites
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Pelo Siro
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
António Morais
 
Sexualidade 1232490160916248-3
Sexualidade 1232490160916248-3Sexualidade 1232490160916248-3
Sexualidade 1232490160916248-3
Pelo Siro
 
Sexualidade humana i_
Sexualidade humana i_Sexualidade humana i_
Sexualidade humana i_
Thamires Morais
 
A adolescência, fase de novas descobertas
A adolescência, fase de novas descobertas A adolescência, fase de novas descobertas
A adolescência, fase de novas descobertas
Elizangela Mendonça Martins
 
Gravides de ciencias lara
Gravides de ciencias laraGravides de ciencias lara
Gravides de ciencias lara
Carla Gomes
 
Educação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na AdolescênciaEducação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na Adolescência
patte
 
Educação sexual para todos
Educação sexual para todosEducação sexual para todos
Educação sexual para todos
Marina Ferreira
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Pelo Siro
 
Menus cidadania educação sexual
Menus cidadania   educação sexualMenus cidadania   educação sexual
Menus cidadania educação sexual
Fátima Rocha
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Luis
 
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
mestregil
 
PLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.ppt
PLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.pptPLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.ppt
PLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.ppt
Josy Farias
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Zé Luís
 
Se és rapariga
Se és raparigaSe és rapariga
Se és rapariga
Sandra Freitas
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonhar
santhdalcin
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonhar
santhdalcin
 

Semelhante a Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst (20)

Educação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividadeEducação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividade
 
Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor Resumo sistema reprodutor
Resumo sistema reprodutor
 
Adolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidadeAdolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidade
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Sexualidade 1232490160916248-3
Sexualidade 1232490160916248-3Sexualidade 1232490160916248-3
Sexualidade 1232490160916248-3
 
Sexualidade humana i_
Sexualidade humana i_Sexualidade humana i_
Sexualidade humana i_
 
A adolescência, fase de novas descobertas
A adolescência, fase de novas descobertas A adolescência, fase de novas descobertas
A adolescência, fase de novas descobertas
 
Gravides de ciencias lara
Gravides de ciencias laraGravides de ciencias lara
Gravides de ciencias lara
 
Educação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na AdolescênciaEducação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na Adolescência
 
Educação sexual para todos
Educação sexual para todosEducação sexual para todos
Educação sexual para todos
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
 
Menus cidadania educação sexual
Menus cidadania   educação sexualMenus cidadania   educação sexual
Menus cidadania educação sexual
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humanaProfessor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
Professor Gil Motta - 7a série - Sexo e reprodução humana
 
PLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.ppt
PLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.pptPLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.ppt
PLANEJAMENTO FAMILIAR AULA.ppt
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Se és rapariga
Se és raparigaSe és rapariga
Se és rapariga
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonhar
 
Projeto vale sonhar
Projeto vale sonharProjeto vale sonhar
Projeto vale sonhar
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
Ana Beatriz Cargnin
 
Gravuras
GravurasGravuras
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
Ana Beatriz Cargnin
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
Ana Beatriz Cargnin
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
Ana Beatriz Cargnin
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
Ana Beatriz Cargnin
 
Misturas
MisturasMisturas
Átomo
ÁtomoÁtomo
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Ana Beatriz Cargnin
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
Ana Beatriz Cargnin
 
Filo dos artrópodes
Filo dos artrópodesFilo dos artrópodes
Filo dos artrópodes
Ana Beatriz Cargnin
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin (20)

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
 
Gravuras
GravurasGravuras
Gravuras
 
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
 
Misturas
MisturasMisturas
Misturas
 
Átomo
ÁtomoÁtomo
Átomo
 
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
 
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
 
Filo dos artrópodes
Filo dos artrópodesFilo dos artrópodes
Filo dos artrópodes
 

Último

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst

  • 1. Formatação: Prof. Esp. Ana Beatriz Cargnin
  • 2. A necessidade de buscar sensações bem-estar, prazer, afeto, contato, carinho, que todo ser humano tem. A SEXUALIDADE É NATURAL !
  • 3. De várias formas: . bem-estar, alegria, estímulo . desejos, fantasias . curiosidade do outro, relacionamentos . amizade, amor . afeto, carinho . contato físico, sexo . sensibilidade, prazer A SEXUALIDADE TEM POSSIBILIDADES INFINITAS !
  • 4. Um período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para a adolescência, circunstanciada por transformações biológicas de âmbito comportamental e corpóreo, conferindo pelo surgimento dos caracteres sexuais secundários diferenciados de acordo com o gênero.
  • 5.
  • 6. Logo que nascem, as meninas têm os órgãos femininos completos. Estes amadurecem e se desenvolvem ao longo do crescimento. Os órgãos femininos internos (aqueles que não vemos) estão situados dentro do corpo da menina; debaixo da barriga, do umbigo e dos intestinos. Os órgãos externos (os que vemos) estão entre as pernas da menina; os seios femininos encontram-se no exterior do corpo e vão aumentar de tamanho durante a puberdade.
  • 8.
  • 10.
  • 11. O corpo deles, incluindo o dos bebês, já tem os órgãos masculinos, mas esses órgãos também têm que amadurecer e se desenvolver e, só a partir da puberdade, é que podem fazer bebês. Os órgãos internos (que não vemos) do sexo masculino estão situados debaixo do umbigo, do estômago e dos intestinos, tal como nas meninas! Os órgãos externos (os que vemos) estão todos entre as pernas do menino.
  • 12.
  • 14. No menino, as transformações começam por volta de 13 anos e são muito mais demoradas que nas meninas. Os primeiros sinais dessa transformação são, basicamente, o aumento no tamanho dos órgãos genitais, o nascimento da barba e o aparecimento de pelos na região pubiana, nas pernas, nos braços e no peito.
  • 15. Transformações: Nos meninos, os ombros e o peito alargam e os músculos começam a se desenvolver.
  • 16. Aparecem os pêlos púbicos e o pênis e os testículos começam a crescer.
  • 17. Os testículos começam a produzir espermatozóides, que são as células reprodutoras
  • 19. A medida que os meninos continuam crescendo, as cordas vocais também aumentam, o que vai tornar as suas vozes mais graves.
  • 20. Ocorrerá um aumento de pêlos debaixo dos braços, na zona da púbis, nos braços e pernas, no rosto, no peito e nas costas.
  • 21. As glândulas sudoríparas (que produzem suor) começam a funcionar e pode existir ejaculação (saída de sêmen) durante os sonhos ou durante a masturbação.
  • 22. A puberdade feminina se inicia, em geral, entre 11 e 14 anos, variando esse período de pessoa para pessoa. Em geral, a puberdade tem inicio com a primeira menstruação (menarca), que coincide com o surgimento de uma série de transformações do corpo que já se vinham manifestando na fase conhecida como pré-puberal.
  • 23. Transformações: O seu corpo torna-se mais roliço e os órgãos sexuais, além de adquirirem uma tonalidade mais escura, tornam- se mais carnudos.
  • 25. Surgem também pêlos debaixo dos braços e na zona da púbis; além do mais irá ocorrer um expressivo aumento de pêlos nas pernas e nos braços.
  • 26. Irá ocorrer o desenvolvimento das mamas.
  • 27.
  • 28. Nesta fase é que se inicia a ovulação _ saída do óvulo (célula reprodutiva feminina) dos ovários _ e, por consequência, a menstruação.
  • 29.
  • 31.
  • 32.
  • 33. Masturbar-se é tocar os próprios órgãos genitais para obtenção do prazer sexual. É quando o menino acaricia o próprio pênis e a menina acaricia o próprio clitóris. Um dos termos mais comuns para a masturbação é “fazer sexo consigo mesmo”. Há pessoas que se masturbam e há outras que não. Depende da maneira que cada pessoa se sente e da descoberta que está fazendo no seu corpo. Algumas pessoas acham que a masturbação é um erro, que faz mal ou ainda que é um pecado. Mas ela não faz mal...
  • 34. O motivo é que você teve uma ejaculação (saída de sêmen) noturna, ou seja, seu pênis ficou ereto (duro) e teve ejaculação durante o sono. Isso acontece quando se tem um sonho bom, que te dá prazer: seu corpo responde a este sonho. Agora você sabe que seu corpo já está produzindo espermatozóides. A idade em que isto acontece pode variar de pessoa para pessoa; geralmente ocorre por volta dos 12/13 anos de idade, mas também pode ocorrer mais cedo ou mais tarde.
  • 35. O ato sexual ou relação sexual é a denominação geral dada à fase em que dois seres humanos executam a ação física de junção dos seus órgãos sexuais, originalmente para a transmissão do gameta masculino ao feminino. Contudo, nem sempre tem uma função reprodutiva. As preliminares, diminuem a inibição e aumentam o conforto emocional dos parceiros e também podem levar à excitação sexual dos parceiros, resultando na ereção do pênis e na lubrificação natural e dilatação da vagina.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 51. O corpo do feto é revestido por uma camada de gordura protetora (vérnix)
  • 52.
  • 53.
  • 55. O parto (também chamado nascimento) é a saída do feto do útero materno. Alguns sintomas podem aparecer para avisar que a hora do trabalho de parto está chegando. O bebê se posiciona mais para baixo, o que dá uma sensação de compressão no baixo ventre que pode ser acompanhada de uma dor lombar e perdas vaginais mais intensas. O abdome endurece. As contrações geralmente começam depois do rompimento da bolsa de água. Quando a bolsa estourar, é sinal que o bebê irá nascer.
  • 56. É em cromossomos especiais _ os cromossomos sexuais _ que vem a informação para nascer menino ou menina. Os óvulos têm um cromossomo sexual X; mas os espermatozóides podem ter um cromossomo sexual X ou um cromossomo sexual Y. Se o óvulo for fecundado por um espermatozóide X, irá formar um ovo XX e, portanto, nascerá uma menina. Mas, se o óvulo for fecundado por um espermatozóide Y, irá formar um ovo XY e, portanto, nascerá um menino.
  • 57. Chama-se gêmeos a dois ou mais irmãos que nascem num nascimento múltiplo, ou seja, de uma mesma gestação da mãe, podendo ser idênticos ou não. Por extensão, as crianças nascidas de partos triplos, quádruplos ou mais também são chamados de gêmeos.
  • 58. Os gêmeos fraternos são são formados a partir de dois óvulos. Nesse caso são produzidos dois óvulos e os dois são fecundados, formando assim, dois embriões. Os gêmeos fraternos não se assemelham muito entre si, podem ter, ou não, o mesmo fator sanguíneo e podem ser do mesmo sexo ou não. Também são conhecidos como gêmeos diferentes. Na verdade são dois irmãos comuns que tiveram gestação coincidente.
  • 59. Quando um óvulo é produzido e fecundado por um só espermatozóide e se divide em duas culturas de células completas, dá origem aos gêmeos idênticos. Sempre possuem o mesmo sexo. Os gêmeos idênticos têm o mesmo genoma, e são clones um do outro. A gestação é difícil pelo fato de apenas 10% a 15% dos gêmeos idênticos terem placentas diferentes, geralmente possuem a mesma placenta.
  • 60. Às vezes, um homem e uma mulher querem ter relações sexuais, mas não querem ter filhos. Então, podem utilizar um método contraceptivo. Métodos contraceptivos são meios que os homens e as mulheres podem utilizar para evitar uma gravidez quando têm relações sexuais. Os métodos contraceptivos mais utilizados e também mais conhecidos são o preservativo (camisinha) e a pílula.
  • 61. A camisinha, também chamada camisa de Vênus ou preservativo é o método anticoncepcional mais simples. Vendida em farmácias e supermercados , a camisinha pode ser usada por qualquer homem. É uma espécie de saquinho de borracha que deve ser colocado no pênis já ereto, antes da penetração na vagina. O esperma ejaculado fica dentro da camisinha, impedindo que os espermatozóides entrem no corpo da mulher. Ao colocar a camisinha , é preciso deixar um espaço livre do fundo, para que o esperma se
  • 62. É uma bolsa de plástico fino, transparente e suave, com dois anéis, sendo um preso e o outro móvel (que não deve ser removido). Previne tanto DST como gravidez e não apresenta efeitos colaterais nem reações alérgicas.
  • 63. É um comprimido feito com hormônios sintéticos (não naturais) que impedem o amadurecimento do óvulo e a ovulação. É um método quase 100% seguro de evitar a gravidez. A pílula deve ser tomada todos os dias no mesmo horário. Cada cartela tem 21 comprimidos. O primeiro deve ser tomado no 5º dia a partir da chegada da menstruação, ou seja, no 5 º dia do ciclo menstrual . Adolescente não deve tomar pílula, pois os hormônios desse anticoncepcional podem interferir no seu crescimento. Para algumas mulheres, a pílula pode trazer alguns problema de saúde. Por isso, esse anticoncepcional só pode ser receitado por um médico.
  • 64. DIU significa Dispositivo Intra Uterino. É uma peça de cobre ou de silicone, que é colocada , pelo médico, dentro do útero . Essa peça impede que o espermatozóide chegue ao óvulo, ou, que o óvulo fecundado se desenvolva . Só um médico pode colocar o DIU na mulher. As mulheres que usam esse dispositivo devem retornar periodicamente ao médico, pois o DIU pode sair do lugar e provocar sangramentos, problemas de saúde, ou mesmo permitir a gravidez .
  • 65. É uma capinha de borracha que deve ser colocada na parte mais profunda da vagina, pra tampar a entrada do útero e assim impedir a penetração dos espermatozóides. O diafragma deve ser colocado antes da relação e retirado oito horas depois da mesma . Deve-se consultar um médico, que indicará o tamanho do diafragma adequado para cada mulher e também ensinará como usá-lo. Por não ser muito simples de ser colocado, requer um pouco de treino para isso . O diafragma não prejudica a saúde e não é sentido pela mulher nem pelo homem durante a relação sexual .
  • 66. É um método natural , pois não utiliza nenhum material ou remédio. Consiste em não ter relações sexuais no período fértil, ou seja, no período que pode existir um óvulo maduro no organismo da mulher.Para usar a tabela , a mulher deve anotar num calendário , o primeiro dia do ciclo. Aproximadamente, no 14o dia ocorrerá a ovulação e daí se faz a relação de que os dias mais seguros para não engravidar são : os sete dias antes da menstruação; os dias da menstruação; os três dias , após a menstruação. Mas, esse método é muito falho e em mulheres com menstruação irregular, não funciona mesmo .
  • 67.
  • 68. Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral Ocorrência: 01 mulher para cada 20 homens. Sintomas de 02 a 05 dias após o contágio acompanhado de dor de cabeça, febre e prostração.pequenas e dolorosas feridas, úlceras, nos genitais externos. As úlceras podem ser únicas ou múltiplas
  • 69.
  • 71. Agente: Candida albicans (Microbiota) Queda de imunidade, higiene pessoal ou distúrbios no organismos e período pré-menstrual levam ao aparecimento da doença. Transmissão: faz parte da microbiota natural da vagina, não é comprovado que seja transmitido pelo ato sexual. Sintomas: corrimento branco, irritação e coceira
  • 72.
  • 74. Agente: Papiloma Vírus Humano (HPV) Transmissão: via sexual. Manifestação clássica: Pele dolorosa, pequenas verrugas rugosas nas zonas genitais, anais ou garganta. Mulheres: na vulva, períneo, vagina e colo do útero, havendo quase sempre, concomitância de corrimento vaginal. Homens: na glande, prepúcio e a bolsa testicular
  • 75.
  • 77. Agente: bactéria Neisseria Gonorrhoeae Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral. Sintomas: diferem na mulher e no homem, que apresenta quadro infeccioso mais aparente, caracterizado pela uretrite, que produz secreção purulenta amarelo-esverdeada, pela manhã, provocando odor e ardor ao urinar. Quando não tratada pode acometer próstata, vesículas seminais, epidídimos, pele, articulações, endocárdio, fígado, meninges.
  • 78.
  • 80.  Agente: bactéria Callymatobacterium granulomatis. Sintomas: lesão inicial indolor, na forma de vesículas endurecidas na pele dos órgãos genitais, as quais se rompem formando uma única úlcera, que aumenta causando destruição dos tecidos. Os casos não tratados, podem evoluir causando sérias complicações como ulceração estreitamento da uretra, vagina ou ânus.
  • 81.
  • 83. Agente Parasita Trichomonas vaginalis, Transmissão: relações sexuais ou por ambientes contaminados como banheiros e piscinas. Nas mulheres, os sintomas são coceira intensa na vagina, corrimento amarelado de odor desagradável e ardor ao urinar. O processo inflamatório intenso na vagina e no colo do útero pode facilitar a penetração do HIV no organismo. Nos homens, geralmente, os sintomas podem ficar ocultos durante semanas ou aparecer na forma de pequena irritação no pênis e ardor ao urinar.
  • 84.
  • 86. Agente é o Herpes vírus II. Transmissão: contato sexual. Manifestação: Relacionada à queda das defesas imunológicas do organismo. Sintomas: primeiramente prurido, fisgada e sensação de queimadura na pele dos genitais, que evoluem para lesões avermelhadas - pequenas vesículas nos genitais ou anais que se tornam muito dolorosas, as quais cicatrizam-se em algumas semanas com ou sem tratamento.
  • 88. Agente: bactéria Chlamydia trachomatis. Transmissão: sexo vaginal com pessoa contaminada. Sintomas leve secreção matinal com aspecto de "clara de ovo", ardor ao urinar e às vezes alterações na freqüência urinária, seguida por lesão genital transitória, única e indolor tipo erosão superficial, que cicatriza espontânea e rapidamente em mais ou menos três a quatro dias. Nas mulheres: vagina, a vulva e, em alguns casos, o colo uterino, Nos homens as lesões ocorrem na glande e no prepúcio, formando grandes feridas purulentas.
  • 89.
  • 91. Doença de caráter sistêmico, causada pela bactéria Treponema pallidum. É adquirida através do sexo vaginal, anal ou oral com pessoa contaminada, além de transfusão de sangue ou pelo parto. Apresenta 03 fases: Primária Secundária Terciária
  • 92.
  • 94. O QUE É A DOENÇA  - O que quer dizer a sigla Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.  - Quem causa a doença  (HIV)  - O caráter da doença (imunodeficiente) - Como  é  detectada  (anti-HIV  através  de  Elisa,  imunofluorescência e Wostern-Blot)
  • 95. COMO SE PEGA AIDS - Quais os líquidos onde foi encontrado o HIV ( sangue, saliva, leite, sêmen secreção vaginal e líquido cegalorraquidiano e fezes ) - Quando o contato com os líquidos pode contaminar (sexo, amamentação, drogas) - Quais as formas mais comuns de contaminação (sexo, hemotransfusão, drogas) - A AIDS do adulto é diferente da criança (A criança é mais suscetível a infecções bacterianas) - A criança recém nascida deve ser amamentada pela mãe portadora?
  • 96. ASPECTOS CLÍNICOS - Quais os aspectos clínicos da doença (queda  na  resistência  física  da  pessoa,  como  infecções virais e bacterianas como candidíase,  pneumonias, herpes )   TRATAMENTO   Uso de anti-retrovirais