SlideShare uma empresa Scribd logo
Formatação: ANA BEATRIZ CARGNIN
A sinusite é uma inflamação de cavidades
existentes nos ossos da face, o seio da face ou
sinus. Essas cavidades tem comunicação com as
fossas nasais e podem ser invadidas por
bactérias, que desencadeiam um processo
infeccioso. Na sinusite aguda, a pessoa tem dor
em diversas regiões da face e há corrimento nasal
mucoso e, às vezes, purulento (com pus).
O resfriado comum pode ser causado por
diversos tipos de vírus e é mais propício no
inverno, época em que as células do corpo se
tornam mais susceptíveis a infecções. Os vírus se
instalam nas células da cavidade nasal e da
faringe, provocando inflamações. A coriza
(corrimento de líquido pelas narinas durante o
resfriado), é conseqüência dessas inflamações.
Além da coriza, podem aparecer outros sintomas,
tais como sensação de secura na garganta,
espirros, olhos lacrimejantes e febre.
É uma das mais famosas doenças da infância,
causada pela bactéria Haemophilus pertussi, que
se instala na mucosa das vias respiratórias
(laringe, traquéia, brônquios e bronquíolos). A
proliferação das bactérias causa forte irritação,
com grande produção de muco (catarro). Toxinas
produzidas pelas bactérias irritam terminações
nervosas, desencadeando acessos de tosse,
típicos da doença.
A coqueluche é prevenida pela vacina tríplice, que protege também contra a
difteria e o tétano. Essa vacina é administrada em três doses, uma a cada
trinta dias, a partir do segundo mês de vida.
A pneumonia é uma infecção pulmonar causada
por diversas espécies de bactérias e, às vezes,
por fungos. A bactéria se instala nos pulmões,
provocando aumento da secreção de muco e
ruptura das paredes dos alvéolos. Os sintomas da
doença são febre alta, falta de ar, dores no peito e
expectoração de catarro viscoso e, às vezes,
sanguinolento. Em geral, atinge pessoas que
estão com sua resistência orgânica debilitada.
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Tuberculose é uma infecção causada pela
bactéria Mycobacterium tuberculosis que se
instala geralmente nos pulmões. Os alvéolos
pulmonares inflamam-se e sofrem necrose (morte
celular). Os sintomas da tuberculose pulmonar
são febre, sudorese noturna, fraqueza e perda de
apetite e de peso. A prevenção consiste em evitar
o convívio com pessoas doentes e só consumir
leite pasteurizado ou adequadamente fervido, pois
a bactéria pode estar presente no leite. O
tratamento é feito com antibióticos.
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Mais de 75% dos pacientes com bronquite crônica
são ou foram fumantes. Os bronquíolos secretam
quantidade excessiva de muco, tornando-se
comprimidos e inflamados. Os cílios do epitélio
bronquiolar deixam de bater, e muco e partículas
de sujeira vão se acumulando, dificultando a
passagem do ar. A respiração torna-se curta e os
acessos de tosse são constantes. Pessoas com
bronquite crônica, em geral, acabam por
desenvolver enfisema.
NORMAL BRONQUIT
E
BRÔNQUIOS
NÃO-
FUMANTE
FUMANTE
PULMÕES
O enfisema é muito raro em pessoas que nunca
fumaram. É a obstrução completa dos
bronquíolos, com aumento da resistência à
passagem de ar, principalmente durante as
expirações. Pode ocorrer, então, rompimento das
paredes dos alvéolos, com formação de grandes
cavidades. Isso diminui a eficiência dos pulmões
em absorver oxigênio e há sobrecarga do coração
como forma de compensar a deficiência
pulmonar. A sobrecarga leva a maioria dos
pacientes com enfisema a morrer de insuficiência
cardíaca.
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
O hábito de fumar é a principal causa do câncer
de pulmão. 80% desse tipo de câncer poderia ser
evitado se as pessoas parassem de fumar.
Diversas substâncias contidas no cigarro são
cancerígenas. Células cancerosas originadas nos
pulmões se multiplicam descontroladamente,
podendo invadir outros tecidos do corpo, onde
originam novos tumores.
É o fechamento repentino da artéria pulmonar ou
de um de seus ramos, provocado por bolhas de
ar, fragmentos de tumores ou freqüentemente por
coágulos sanguíneos. O fechamento de uma
artéria de pequeno calibre pode passar
despercebido, mas se uma grande artéria for
atingida, a pessoa é acometida por dor súbita no
peito, falta de ar, aumento da transpiração,
palpitações, cianose e eventualmente é levada à
morte.
É uma inflamação das mucosas que revestem as
cavidades nasais devido a processos alérgicos.
Como conseqüência da inflamação, as células
passam a produzir excesso de muco, que escorre
pelas narinas. Surtos repetidos de renite alérgica
em crianças podem causar obstrução nasal
definitiva, que leva a alterações ósseas na base
do crânio. Como as rinites tem forte componente
emocional, o afeto e as boas condições
psicológicas fazem parte do tratamento da
doença.
É uma doença pulmonar que se caracteriza pela
diminuição de calibre (constrição) dos
bronquíolos. A asma pode ter diversas causas,
sendo a alérgica a mais comum. Tendo também
forte desencadeamento da crise de asma.
A crise asmática ocorre quando a musculatura
lisa dos bronquíolos se contrai
espasmodicamente. A mucosa que reveste
internamente os bronquíolos incha e passa a
produzir mais secreção, o que contribui para
diminuir o calibre dos condutos respiratórios. A
dificuldade respiratória prejudica a oxigenação do
sangue e, em casos muito graves, pode ocorrer
cianoses (coloração azulada da pele e das
mucosas), provocada pelo acúmulo de gás
carbônico no sangue.
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
NEBULIZADOR
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
O ronco é considerado um evento normal do sono a
menos que o ruído seja tão alto a ponto de
incomodar não só quem dorme no mesmo quarto,
mas as pessoas da casa e até os moradores da
vizinhança. Nesse caso, o problema maior do ronco
não é o desconforto que provoca nos outros. É a
possibilidade de ocorrerem interrupções na
respiração que podem ter como conseqüência
quadros mais graves de sobrecarga cardiopulmonar,
sonolência durante o dia, baixo rendimento
intelectual e no trabalho, cansaço e irritabilidade
persistente.
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
O soluço é resultado de uma contração involuntária
do diafragma, um fino músculo que separa o tórax
do abdômen e que, juntamente com os músculos
intercostais externos, é responsável pelo controle da
respiração. Seus movimentos de contração e
relaxamento permitem que inspiremos e expiremos o
ar e são controlados pelo nervo frênico, situado logo
acima do estômago. Os incômodos do soluço
surgem a partir de uma irritação do nervo frênico,
cujas causas podem ser diversas (distensão gástrica
pela ingestão de bebidas com gás, deglutição de ar
ou alimentação em grande volume; mudanças
súbitas da temperatura de alimentos ingeridos;
modificações da temperatura corporal, como sauna
seguida de ducha gelada; ingestão de bebidas
alcoólicas; ou até mesmo gargalhadas). Quando ele
fica ou sensibilizado, envia uma mensagem para o
diafragma se contrair, o que dispara o soluço.
O característico barulhinho "hic, hic" surge quando
ocorre fechamento súbito da glote (abertura superior
da laringe, onde se localizam as cordas vocais),
produzindo vibração nas cordas vocais.
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
O bocejo é uma ação involuntária, na qual
abrimos a boca e respiramos fundo.
Até hoje, não se sabe exatamente o que
provoca o bocejo. Existem três teorias que
tentam explicá-lo. A teoria física afirma que
nós bocejamos para obter uma maior
quantidade de oxigênio e eliminar um acúmulo
de dióxido de carbono. Por esse motivo,
segundo a teoria, nós bocejamos bastante
quando estamos em grupo, uma vez que
muitas pessoas produzem uma maior
quantidade de dióxido de carbono no
ambiente. A teoria da evolução prega que os
nossos ancestrais já realizavam uma espécie
de bocejo para mostrar os dentes, e que este
ato seria uma manifestação de confronto.
Outra tese, e talvez a mais conhecida, é a de
que o bocejo acontece em situações de tédio,
fadiga ou cansaço.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Doenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratórioDoenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratório
pibidmarilia
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
Fabiano Reis
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 
Asma
AsmaAsma
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Cláudia Moura
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Aula 11 sistema respiratório - anatomia e fisiologia
Aula 11   sistema respiratório - anatomia e fisiologiaAula 11   sistema respiratório - anatomia e fisiologia
Aula 11 sistema respiratório - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
Farmacêutico Digital
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Sistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpointSistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
Ghiordanno Bruno
 
Sistema Respiratorio
Sistema RespiratorioSistema Respiratorio
Sistema Respiratorio
Andrea Lemos
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
Laboratório Sérgio Franco
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
Fernanda Marinho
 

Mais procurados (20)

Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Doenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratórioDoenças dos sistema respiratório
Doenças dos sistema respiratório
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
 
Sistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpointSistema circulatorio powerpoint
Sistema circulatorio powerpoint
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Aula 11 sistema respiratório - anatomia e fisiologia
Aula 11   sistema respiratório - anatomia e fisiologiaAula 11   sistema respiratório - anatomia e fisiologia
Aula 11 sistema respiratório - anatomia e fisiologia
 
PES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e ResfriadosPES 3.1 Gripes e Resfriados
PES 3.1 Gripes e Resfriados
 
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologiaAula 06   sistema nervoso - anatomia e fisiologia
Aula 06 sistema nervoso - anatomia e fisiologia
 
Sistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpointSistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpoint
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Sistema Respiratorio
Sistema RespiratorioSistema Respiratorio
Sistema Respiratorio
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 

Destaque

Sistema Respiratorio - Patricia Santos
Sistema Respiratorio - Patricia SantosSistema Respiratorio - Patricia Santos
Sistema Respiratorio - Patricia Santos
Victoria Cabral
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA
SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIASISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA
SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA
Naahmatoss
 
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Solos
SolosSolos
Solos
genarui
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Ana Beatriz Cargnin
 
Átomo
ÁtomoÁtomo
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Filo dos nematelmintos
Filo dos nematelmintosFilo dos nematelmintos
Filo dos nematelmintos
Ana Beatriz Cargnin
 
Vírus
VírusVírus
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Aula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatóriosAula sobre distúrbios circulatórios
Importância dos meios de cultura
Importância dos meios de culturaImportância dos meios de cultura
Importância dos meios de cultura
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
Ana Beatriz Cargnin
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
Ana Beatriz Cargnin
 
Filo dos platelmintos
Filo dos platelmintosFilo dos platelmintos
Filo dos platelmintos
Ana Beatriz Cargnin
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Aida Maria Pereira
 
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Pelo Siro
 
Osgemeos
OsgemeosOsgemeos
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
nenhuma
 

Destaque (20)

Sistema Respiratorio - Patricia Santos
Sistema Respiratorio - Patricia SantosSistema Respiratorio - Patricia Santos
Sistema Respiratorio - Patricia Santos
 
SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA
SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIASISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA
SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA
 
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Átomo
ÁtomoÁtomo
Átomo
 
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
 
Filo dos nematelmintos
Filo dos nematelmintosFilo dos nematelmintos
Filo dos nematelmintos
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Aula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatóriosAula sobre distúrbios circulatórios
Aula sobre distúrbios circulatórios
 
Importância dos meios de cultura
Importância dos meios de culturaImportância dos meios de cultura
Importância dos meios de cultura
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
 
Filo dos platelmintos
Filo dos platelmintosFilo dos platelmintos
Filo dos platelmintos
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
 
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
 
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
Powerpoint rochas-100405101137-phpapp01
 
Osgemeos
OsgemeosOsgemeos
Osgemeos
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 

Semelhante a Doenças e distúrbios dos sistema respiratório

Sistema Respiratório -- A respiração pulmonar
Sistema Respiratório -- A respiração pulmonarSistema Respiratório -- A respiração pulmonar
Sistema Respiratório -- A respiração pulmonar
Roxana Alhadas
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquite
Dafné José
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquite
Dafné José
 
5.doc
5.doc5.doc
Bronquite[1]
Bronquite[1]Bronquite[1]
Bronquite[1]
emefguerreiro
 
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Rose Viviane Bezerra
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Vanessa Maia
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Arthur Marques de Oliveira
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
guiribeiro0210
 
Eu e a saude
Eu e a saudeEu e a saude
Eu e a saude
ccwaengertner
 
Asma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgicaAsma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgica
Renan Ribeiro
 
Viajando Com O Ar
Viajando Com O ArViajando Com O Ar
Viajando Com O Ar
guestdb5b7a
 
021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosse021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosse
enzofaversani
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
Caroline Magnabosco
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
Magali Feldmann
 
Trate a sinusite com a acupuntura
Trate a sinusite com a acupunturaTrate a sinusite com a acupuntura
Trate a sinusite com a acupuntura
Fatima Borges Silva
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
floripa-lucas
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
JessiellyGuimares
 
Asma
AsmaAsma
Sistema respiratório e Patologias
Sistema respiratório e PatologiasSistema respiratório e Patologias
Sistema respiratório e Patologias
ssuser8fc550
 

Semelhante a Doenças e distúrbios dos sistema respiratório (20)

Sistema Respiratório -- A respiração pulmonar
Sistema Respiratório -- A respiração pulmonarSistema Respiratório -- A respiração pulmonar
Sistema Respiratório -- A respiração pulmonar
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquite
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquite
 
5.doc
5.doc5.doc
5.doc
 
Bronquite[1]
Bronquite[1]Bronquite[1]
Bronquite[1]
 
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
Fisiologia de anormalidades pulmonares específicas(resumo guyton)
 
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
Aula 12  doencas do sistema respiratorioAula 12  doencas do sistema respiratorio
Aula 12 doencas do sistema respiratorio
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Pneumonia
Pneumonia Pneumonia
Pneumonia
 
Eu e a saude
Eu e a saudeEu e a saude
Eu e a saude
 
Asma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgicaAsma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgica
 
Viajando Com O Ar
Viajando Com O ArViajando Com O Ar
Viajando Com O Ar
 
021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosse021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosse
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
 
Doenças bacterianas
Doenças bacterianasDoenças bacterianas
Doenças bacterianas
 
Trate a sinusite com a acupuntura
Trate a sinusite com a acupunturaTrate a sinusite com a acupuntura
Trate a sinusite com a acupuntura
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Sistema respiratório e Patologias
Sistema respiratório e PatologiasSistema respiratório e Patologias
Sistema respiratório e Patologias
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
Ana Beatriz Cargnin
 
Gravuras
GravurasGravuras
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
Ana Beatriz Cargnin
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
Ana Beatriz Cargnin
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
Ana Beatriz Cargnin
 
Misturas
MisturasMisturas
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Ana Beatriz Cargnin
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
Ana Beatriz Cargnin
 
Filo dos artrópodes
Filo dos artrópodesFilo dos artrópodes
Filo dos artrópodes
Ana Beatriz Cargnin
 
Instrumentos de laboratório
Instrumentos de laboratórioInstrumentos de laboratório
Instrumentos de laboratório
Ana Beatriz Cargnin
 
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRAUNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
Ana Beatriz Cargnin
 
O SOL
O SOLO SOL
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
Ana Beatriz Cargnin
 
Os vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatroOs vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatro
Ana Beatriz Cargnin
 
Artes cênicas
Artes cênicasArtes cênicas
Artes cênicas
Ana Beatriz Cargnin
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin (18)

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
 
Gravuras
GravurasGravuras
Gravuras
 
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
 
Misturas
MisturasMisturas
Misturas
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
 
Filo dos artrópodes
Filo dos artrópodesFilo dos artrópodes
Filo dos artrópodes
 
Instrumentos de laboratório
Instrumentos de laboratórioInstrumentos de laboratório
Instrumentos de laboratório
 
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRAUNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
UNIVERSO - SISTEMA SOLAR - MOVIMENTOS DA TERRA
 
O SOL
O SOLO SOL
O SOL
 
Arte na pré história
Arte na pré históriaArte na pré história
Arte na pré história
 
Os vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatroOs vários tipos de teatro
Os vários tipos de teatro
 
Artes cênicas
Artes cênicasArtes cênicas
Artes cênicas
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Doenças e distúrbios dos sistema respiratório

  • 2. A sinusite é uma inflamação de cavidades existentes nos ossos da face, o seio da face ou sinus. Essas cavidades tem comunicação com as fossas nasais e podem ser invadidas por bactérias, que desencadeiam um processo infeccioso. Na sinusite aguda, a pessoa tem dor em diversas regiões da face e há corrimento nasal mucoso e, às vezes, purulento (com pus).
  • 3. O resfriado comum pode ser causado por diversos tipos de vírus e é mais propício no inverno, época em que as células do corpo se tornam mais susceptíveis a infecções. Os vírus se instalam nas células da cavidade nasal e da faringe, provocando inflamações. A coriza (corrimento de líquido pelas narinas durante o resfriado), é conseqüência dessas inflamações. Além da coriza, podem aparecer outros sintomas, tais como sensação de secura na garganta, espirros, olhos lacrimejantes e febre.
  • 4. É uma das mais famosas doenças da infância, causada pela bactéria Haemophilus pertussi, que se instala na mucosa das vias respiratórias (laringe, traquéia, brônquios e bronquíolos). A proliferação das bactérias causa forte irritação, com grande produção de muco (catarro). Toxinas produzidas pelas bactérias irritam terminações nervosas, desencadeando acessos de tosse, típicos da doença. A coqueluche é prevenida pela vacina tríplice, que protege também contra a difteria e o tétano. Essa vacina é administrada em três doses, uma a cada trinta dias, a partir do segundo mês de vida.
  • 5. A pneumonia é uma infecção pulmonar causada por diversas espécies de bactérias e, às vezes, por fungos. A bactéria se instala nos pulmões, provocando aumento da secreção de muco e ruptura das paredes dos alvéolos. Os sintomas da doença são febre alta, falta de ar, dores no peito e expectoração de catarro viscoso e, às vezes, sanguinolento. Em geral, atinge pessoas que estão com sua resistência orgânica debilitada.
  • 7. Tuberculose é uma infecção causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis que se instala geralmente nos pulmões. Os alvéolos pulmonares inflamam-se e sofrem necrose (morte celular). Os sintomas da tuberculose pulmonar são febre, sudorese noturna, fraqueza e perda de apetite e de peso. A prevenção consiste em evitar o convívio com pessoas doentes e só consumir leite pasteurizado ou adequadamente fervido, pois a bactéria pode estar presente no leite. O tratamento é feito com antibióticos.
  • 9. Mais de 75% dos pacientes com bronquite crônica são ou foram fumantes. Os bronquíolos secretam quantidade excessiva de muco, tornando-se comprimidos e inflamados. Os cílios do epitélio bronquiolar deixam de bater, e muco e partículas de sujeira vão se acumulando, dificultando a passagem do ar. A respiração torna-se curta e os acessos de tosse são constantes. Pessoas com bronquite crônica, em geral, acabam por desenvolver enfisema.
  • 12. O enfisema é muito raro em pessoas que nunca fumaram. É a obstrução completa dos bronquíolos, com aumento da resistência à passagem de ar, principalmente durante as expirações. Pode ocorrer, então, rompimento das paredes dos alvéolos, com formação de grandes cavidades. Isso diminui a eficiência dos pulmões em absorver oxigênio e há sobrecarga do coração como forma de compensar a deficiência pulmonar. A sobrecarga leva a maioria dos pacientes com enfisema a morrer de insuficiência cardíaca.
  • 14. O hábito de fumar é a principal causa do câncer de pulmão. 80% desse tipo de câncer poderia ser evitado se as pessoas parassem de fumar. Diversas substâncias contidas no cigarro são cancerígenas. Células cancerosas originadas nos pulmões se multiplicam descontroladamente, podendo invadir outros tecidos do corpo, onde originam novos tumores.
  • 15. É o fechamento repentino da artéria pulmonar ou de um de seus ramos, provocado por bolhas de ar, fragmentos de tumores ou freqüentemente por coágulos sanguíneos. O fechamento de uma artéria de pequeno calibre pode passar despercebido, mas se uma grande artéria for atingida, a pessoa é acometida por dor súbita no peito, falta de ar, aumento da transpiração, palpitações, cianose e eventualmente é levada à morte.
  • 16. É uma inflamação das mucosas que revestem as cavidades nasais devido a processos alérgicos. Como conseqüência da inflamação, as células passam a produzir excesso de muco, que escorre pelas narinas. Surtos repetidos de renite alérgica em crianças podem causar obstrução nasal definitiva, que leva a alterações ósseas na base do crânio. Como as rinites tem forte componente emocional, o afeto e as boas condições psicológicas fazem parte do tratamento da doença.
  • 17. É uma doença pulmonar que se caracteriza pela diminuição de calibre (constrição) dos bronquíolos. A asma pode ter diversas causas, sendo a alérgica a mais comum. Tendo também forte desencadeamento da crise de asma. A crise asmática ocorre quando a musculatura lisa dos bronquíolos se contrai espasmodicamente. A mucosa que reveste internamente os bronquíolos incha e passa a produzir mais secreção, o que contribui para diminuir o calibre dos condutos respiratórios. A dificuldade respiratória prejudica a oxigenação do sangue e, em casos muito graves, pode ocorrer cianoses (coloração azulada da pele e das mucosas), provocada pelo acúmulo de gás carbônico no sangue.
  • 21. O ronco é considerado um evento normal do sono a menos que o ruído seja tão alto a ponto de incomodar não só quem dorme no mesmo quarto, mas as pessoas da casa e até os moradores da vizinhança. Nesse caso, o problema maior do ronco não é o desconforto que provoca nos outros. É a possibilidade de ocorrerem interrupções na respiração que podem ter como conseqüência quadros mais graves de sobrecarga cardiopulmonar, sonolência durante o dia, baixo rendimento intelectual e no trabalho, cansaço e irritabilidade persistente.
  • 24. O soluço é resultado de uma contração involuntária do diafragma, um fino músculo que separa o tórax do abdômen e que, juntamente com os músculos intercostais externos, é responsável pelo controle da respiração. Seus movimentos de contração e relaxamento permitem que inspiremos e expiremos o ar e são controlados pelo nervo frênico, situado logo acima do estômago. Os incômodos do soluço surgem a partir de uma irritação do nervo frênico, cujas causas podem ser diversas (distensão gástrica pela ingestão de bebidas com gás, deglutição de ar ou alimentação em grande volume; mudanças súbitas da temperatura de alimentos ingeridos; modificações da temperatura corporal, como sauna seguida de ducha gelada; ingestão de bebidas alcoólicas; ou até mesmo gargalhadas). Quando ele fica ou sensibilizado, envia uma mensagem para o diafragma se contrair, o que dispara o soluço. O característico barulhinho "hic, hic" surge quando ocorre fechamento súbito da glote (abertura superior da laringe, onde se localizam as cordas vocais), produzindo vibração nas cordas vocais.
  • 27. O bocejo é uma ação involuntária, na qual abrimos a boca e respiramos fundo. Até hoje, não se sabe exatamente o que provoca o bocejo. Existem três teorias que tentam explicá-lo. A teoria física afirma que nós bocejamos para obter uma maior quantidade de oxigênio e eliminar um acúmulo de dióxido de carbono. Por esse motivo, segundo a teoria, nós bocejamos bastante quando estamos em grupo, uma vez que muitas pessoas produzem uma maior quantidade de dióxido de carbono no ambiente. A teoria da evolução prega que os nossos ancestrais já realizavam uma espécie de bocejo para mostrar os dentes, e que este ato seria uma manifestação de confronto. Outra tese, e talvez a mais conhecida, é a de que o bocejo acontece em situações de tédio, fadiga ou cansaço.