SlideShare uma empresa Scribd logo
Ano 29 Número 03 julho/setembro de 2013 www.cni.org.br
PIB cresce com mais
investimento
Sem espaços para quedas
adicionais da taxa de
desemprego
Pág. 4
Aperto monetário deve
continuar nos próximos meses
Superávit primário segue
distante da meta
Saldo comercial fica
próximo de zero em 2013
Pág. 10
A economia
brasileira no terceiro
trimestre de 2013
A economia brasileira deverá mostrar cresci-
mento de 2,4% em 2013. Essa taxa é maior
que a registrada em 2012, mas ainda insatis-
fatória. O PIB da indústria, com alta de 1,4%,
representa uma melhora em comparação ao
recuo registrado no ano anterior. Outro ponto
positivo é na composição do crescimento, com
o investimento gerando maior contribuição à
alta do PIB.
Por outro lado, o setor externo (exportações
líquidas) segue dando uma contribuição nega-
tiva à expansão da economia. Sem dúvida, o
elevado déficit comercial dos manufaturados
– que se mantém há três anos no patamar
de US$ 100 bilhões anuais – mostra-se uma
evidência das dificuldades para um melhor
desempenho da indústria e do PIB.
A retomada do crescimento também é limitada
pela inflação próxima do teto da meta. O atual
patamar de juros, que deverá se manter além
de 2013 para lidar com pressões originárias
dos serviços e dos efeitos da desvalorização
cambial, impõe amarras adicionais à recupe-
ração. A manutenção de uma política fiscal
expansionista pouco colabora e termina por
impor ao setor produtivo os custos do proces-
so de desinflação.
O quadro de crescimento baixo reflete as dificul-
dades de superação de dois desafios de natureza
estrutural: a baixa competitividade e a reduzida
taxa de investimento, inferior a 20% do PIB.
Hoje há um consenso que é imprescindível
elevar nossa competitividade, por meio da
redução do custo de produção e do aumento
da produtividade. Todavia, a implementação
vagarosa, e por vezes incompleta, de políticas
nessa área terminam por gerar efeitos
insuficientes para reverter o quadro.
A mudança no patamar de câmbio é um dado
relevante, ainda que a volatilidade de curto pra-
zo dificulte a percepção do novo nível da taxa
Melhora do quadro econômico não
assegura forte ritmo de crescimento
INFORME CONJUNTURAL
cambial. Superado esse momento, seus efeitos
serão progressivamente mais perceptíveis.
Os avanços são menos nítidos na questão do
investimento. A taxa de poupança doméstica
segue ainda reduzida, o que exige maior es-
forço de poupança externa (o déficit em conta
corrente). Essa alternativa implica riscos de
fragilização externa, em um cenário de menor
disponibilidade global de recursos com a futura
normalização da política monetária americana.
Em suma, o quadro econômico melhora
gradualmente. O desafio é tornar essa melhora
mais intensa e permanente. A questão chave
é o investimento e a agenda da infraestrutura
é uma oportunidade. A materialização dessa
agenda exige horizontes amplos e confiança
elevada. Nesse particular, o comprometimento
com uma meta fiscal clara e crível, ainda que
menos ambiciosa, ajuda a alicerçar a confiança
nos fundamentos econômicos e melhorar a
capacidade de poupança e investimento do
setor público.
IPCA e Selic
Acumulado em 12 meses (IPCA) e percentual ao ano (Selic)
Inflação persistente no teto da meta reativa aperto monetário
Informativo da Confederação Nacional da Indústria
Fonte: IBGE e Banco Central do Brasil
Pág. 2
Pág. 6
Pág. 8
ISSN 1983-621X
0
2
4
6
8
10
12
14
ago/09 fev/10 ago/10 fev/11 ago/11 fev/12 ago/12 fev/13 ago/13
IPCA Selic Limites da meta de inflação
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
2
PIB cresce com mais investimento
A alternância entre queda e
crescimento dos indicadores de
atividade é a característica mais
marcante da evolução da economia
brasileira em 2013. Todavia, a CNI
revisou para cima a estimativa para o
crescimento do PIB de 2013, de 2,0%
para 2,4%.
O PIB cresceu 1,5% no segundo
trimestre frente ao trimestre anterior,
taxa mais que o dobro da registrada
no primeiro trimestre, na mesma base
de comparação. Com esse resultado,
já estaria garantido uma expansão
de 2,2% da economia no ano usando
a hipótese de estabilidade do PIB no
terceiro e quarto trimestres do ano
(efeito carregamento).
atividade econômica
Consumo dá lugar
aos investimentos no
crescimento do PIB
A despeito da confiança dos
empresários industriais se encontrar
em patamar historicamente baixo, os
investimentos, medidos pela formação
bruta de capital fixo (FBKF/IBGE),
cresceram 6,0% no primeiro semestre
de 2013 frente ao mesmo período do
ano anterior.
A maior parte do crescimento da
produção de bens de capital no Brasil
foi de equipamentos de transporte,
movimento concentrado em caminhões.
A produção desses produtos, no
entanto, mostra sinais de perda de
ritmo: o crescimento passou de 28% em
junho para 16% em julho na comparação
com o mesmo mês do ano anterior.
Com exceção de produtos agrícolas,
todas as categorias de bens de capital
registraram desaceleração na taxa de
crescimento frente ao mesmo mês do ano
anterior. A expansão da produção de bens
de capital para fins industriais passou de
21,4% em junho para 13,3% em julho.
A produção total de bens de capital (PIM-
PF/IBGE) iniciou o terceiro trimestre em
queda de 3,4% em julho frente ao mês
anterior. Mesmo com a quebra de ritmo
de crescimento e a baixa disseminação
dos investimentos, a CNI espera uma
expansão de 8,0% da FBKF em 2013,
de forma a contribuir com 1,5 ponto
percentual no crescimento do PIB.
O consumo das famílias avançou apenas
2,2% no primeiro semestre de 2013 frente
ao mesmo período do ano anterior. A
perda de dinamismo no crescimento do
emprego, os ganhos cada vez menores
dos rendimentos reais dos trabalhadores
e o alto endividamento das famílias resul-
tarão em uma expansão abaixo de 2,0%
do consumo das famílias em 2013. Caso
esse resultado se cofirme, o consumo das
famílias contribuirá com 1,2 ponto percen-
tual no resultado do PIB no ano, portanto,
menos do que os investimentos.
Atividade industrial inicia
terceiro trimestre em queda
A produção industrial recuou 2,0% em
julho frente ao mês anterior. A queda de
julho foi duas vezes maior do que todo
Crescimento econômico é mais equilibrado
Consumo das famílias e investimentos (FBKF)
Variação frente ao trimestre anterior - dessazonalizada (%)
Clara recuperação dos investimentos e perda de ritmo da
expansão do consumo das famílias
Fonte: IBGE
1,2
0,8 0,9 0,9
0,0 0,3
-2,4
-1,9
-1,4
1,5
4,7
3,6
I II III IV I II
2012 2013
Consumo das famílias FBKF
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
3
o crescimento do segundo trimestre do
ano. O IBC-BR, indicador utilizado como
proxy para observar a evolução mensal
do PIB, registrou queda de 0,3% em julho
frente ao mês anterior.
Os estoques da indústria continuam
acima do planejado. Em agosto, o
indicador de estoque efetivo em relação
ao planejado (Sondagem Industrial CNI)
ficou em 51,3 pontos. Para conseguir
adequar o nível de estoques, a indústria
terá que reduzir o ritmo de crescimento
da produção.
Enquanto alguns indicadores apontam
queda da atividade no início do terceiro
trimestre, outros mostram resultados
melhores. O Índice de Confiança do
Empresário Industrial (ICEI/CNI) cresceu
em agosto e em setembro. O aumento
do ICEI pelo segundo mês seguido,
após o indicador ter ficado próximo da
linha divisória entre confiança e falta de
confiança, é um sinal importante para a
recuperação da indústria.
Dado o efeito de carregamento
estatístico de 2,1% do PIB da indústria
de transformação e adicionando na
conta a queda da produção industrial de
julho, a CNI espera que o PIB da indústria
de transformação cresça 2,6% em 2013,
de modo a ser o segmento industrial
que mais irá crescer no ano. O PIB da
indústria extrativa deverá recuar 4,0%,
contribuindo negativamente para o PIB
do setor. Considerando todos os quatro
segmentos da indústria, o PIB do setor
deverá crescer 1,4% em 2013.
As vendas no comércio varejista
cresceram 1,9% em julho frente ao mês
anterior, resultado de uma aceleração
do ritmo de crescimento ocorrido nos
meses anteriores. O PIB de serviços
cresceu 1,8% no primeiro semestre do
ano, frente ao mesmo período do ano
anterior. Contando com o resultado do
comércio no início do trimestre, a CNI
espera uma alta de 2,2% do PIB dos
serviços em 2013.
Do lado da demanda, a desvalorização
do real deverá mostrar impactos mais
claros no dinamismo das exportações
apenas no ano que vem, de forma que
as vendas para o exterior fiquem muito
perto da estabilidade em 2013 quando
comparadas ao ano anterior. Já as
importações deverão continuar crescendo
no ano (6,0%). Com isso a contribuição
do setor externo no PIB será negativa em
0,8 ponto percentual em 2013.
Economia próxima à
estabilidade no terceiro
trimestre
Apesar da aparente melhora na
composição e na velocidade de
crescimento da economia, os
Estimativa da CNI para o PIB
Variação percentual e contribuição dos componentes do PIB
2013
Componentes do PIB Taxa de
crescimento (%)
Contribuição
(p.p.)
Ótica da
demanda
Consumo das famílias 1,9 1,2
Consumo do governo 1,5 0,3
FBKF 8,0 1,5
Exportações 0,0 0,0
(-) Importações 6,0 -0,8
Ótica da
oferta
Agropecuária 11,0 0,6
Indústria 1,4 0,4
Indústria extrativa -4,0 -0,2
Indústria de transformação 2,6 0,3
Construção civil 2,0 0,1
SIUP 2,2 0,1
Serviços 2,2 1,5
PIB pm 2,4
indicadores de atividade continuam
apontando oscilações entre queda
e crescimento mês a mês, o que é
característico de baixo crescimento
econômico.
Com a divulgação dos poucos
indicadores de atividade dos meses
que compõem o terceiro trimestre
– produção industrial, IBC-BR,
confiança do empresário industrial
e vendas do comércio –, não há
evidências de continuação do mesmo
ritmo de crescimento ocorrido no
segundo trimestre.
A CNI estima que a economia fique
perto da estabilidade no terceiro
trimestre (-0,3%) e volte a crescer no
último trimestre de 2013 em ritmo
semelhante ao do primeiro trimestre
do ano, o que resultará em uma
expansão de 2,4% do PIB em 2013.
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
4
emprego e renda
Sem espaços para quedas adicionais da taxa de desemprego
Emprego e população economicamente ativa crescem no mesmo ritmo
emprego e renda
caracteriza o mercado de trabalho
como inclusivo.
O emprego sem carteira continua
registrando recuos sucessivos na
mesma base de comparação. Em julho
a queda ficou em 5,6% na mesma base
de comparação. A ocupação por conta
própria passou a crescer, mas ainda
em ritmo inferior ao do emprego com
carteira.
Com isso, o índice de formalização do
mercado de trabalho mantém-se em
trajetória de crescimento de forma quase
que ininterrupta. Em julho esse indicador,
que é calculado pela soma de empregos
com carteira e regime estatutário sobre
o total da ocupação, atingiu 62,7%, novo
recorde desde o início da série histórica,
em março de 2002.
No entanto, o crescimento do emprego
com carteira vem perdendo ritmo
de expansão e ainda não mostrou
sinais de reversão dessa tendência.
Dados do Caged/MTE mostram
uma desaceleração da criação de
novas vagas em todo o Brasil. Após
atingir 2,3 milhões de empregos no
acumulado em 12 meses findos em
agosto de 2010, a desaceleração do
crescimento do emprego permaneceu
até atingir 388 mil novas vagas em
julho de 2013, também no acumulado
em 12 meses.
A criação de empregos nos serviços e
na indústria (contemplando os quatro
segmentos) também perdeu ritmo. Em
agosto de 2010, foram criadas perto
de 900 mil ocupações em cada setor no
acumulado em 12 meses.Fonte: CAGED/MTE
O ritmo de criação de empregos
chegou ao seu pior momento em maio
de 2013. Naquele mês, a variação
do emprego na comparação com o
mesmo mês do ano anterior foi de
0,1%, o que representou apenas 23
mil vagas criadas em 12 meses nas
seis maiores regiões metropolitanas
(PME/IBGE).
A tendência de desaquecimento do
mercado de trabalho, no entanto,
foi interrompida recentemente. Nos
meses de junho e julho, o emprego
metropolitano voltou a intensificar o
ritmo de crescimento e atingiu alta de
1,5% no último mês, na comparação
com o mesmo mês do ano anterior.
Esse crescimento representa 339 mil
novos empregos gerados nos últimos
12 meses.
Formalização do mercado
de trabalho se mantém
Mesmo em um mercado de trabalho
pouco aquecido, a maior geração de
empregos formais em detrimento
dos informais continua ocorrendo.
O emprego formal cresce na
comparação anual há 45 meses
seguidos. O emprego com carteira
assinada do setor privado expandiu à
taxa de 3,5% em julho na comparação
com o mesmo mês do ano anterior.
Assim, o crescimento do emprego
formal ocorre em ritmo acima da
expansão da economia, o que
Criação de empregos
Acumulado em 12 meses (em milhares)
Desaceleração do ritmo de crescimento do emprego ocorre para
todos os setores da economia
0
500
1000
1500
2000
2500
ago/10 jan/11 jun/11 nov/11 abr/12 set/12 fev/13 jul/13
Indústria Serviços Total
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
5
Importante mencionar que mesmo
em um cenário de muita oscilação
entre queda e crescimento da
atividade industrial, não há qualquer
sinal de movimento de demissão por
parte da indústria. A estratégia de
retenção de mão de obra qualificada
é disseminada na indústria brasileira.
Em julho, o emprego na indústria
de transformação (Indicadores
Industriais/CNI) cresceu 0,3% frente
ao mês anterior e acumulou uma alta
de 0,9% frente ao mesmo período do
ano anterior.
Taxa de desemprego fica
estável em 2013
O contingente de população
economicamente ativa (PEA) cresceu
de forma constante do início de 2011
até agosto de 2012. Após esse período
houve um aumento da procura por
trabalho (aumento mais intenso da
PEA), de forma que a PEA cresceu 1,5%
em julho de 2013 frente ao mesmo mês
do ano anterior.
Com esse resultado, a PEA volta a
evoluir junto com a ocupação. Se a
PEA mantiver o crescimento próximo
da ocupação – cenário utilizado pela
CNI –, não haverá espaço para maiores
quedas da taxa de desemprego.
Haverá uma redução do índice ao longo
do segundo semestre por motivos
sazonais, mas a taxa de desemprego
média do ano deverá ficar muito
próxima do observado em 2012.
Rendimento médio real
não cresce como antes
O rendimento médio real habitualmente
recebido pelos trabalhadores (PME/
IBGE) cresceu de forma quase contínua
na comparação com o mesmo mês do
ano anterior desde 2010. No entanto,
Rendimento médio real dos trabalhadores metropolitanos
Em R$ - preços de julho de 2013
Queda por cinco meses consecutivos do rendimento médio real ocorreu
em mais duas ocasiões (início de 2003 e início de 2009)
Fonte: PME/IBGE
1.600
1.650
1.700
1.750
1.800
1.850
1.900
jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13
há sinais de mudança na dinâmica
dessa variável.
Com uma inflação mais alta, as
negociações salariais não conseguem
alcançar o mesmo êxito de antes.
Balanço feito pelo Dieese aponta
que no primeiro semestre de 2013,
aproximadamente 85% das unidades
de negociação coletiva analisadas
conseguiram aumentos reais para os
salários quando comparado ao INPC/
IBGE. Esse percentual é inferior ao
observado em 2012 e em 2010 e é
praticamente o mesmo do registrado
em 2011.
A perda de dinamismo é clara na
evolução da renda real do trabalhador.
Esse indicador recuou em julho
pelo quinto mês consecutivo, na
comparação com o mês anterior. Uma
retração dessa forma só ocorreu em
mais duas ocasiões desde o início da
série histórica da PME, em março de
2002. A primeira foi no ano de 2003,
período de turbulências politico-
econômicas com a mudança de
governo, quando o PIB cresceu apenas
1,1%. A segunda ocasião foi logo após
a eclosão da crise internacional no
Brasil (quase todo o primeiro semestre
de 2009).
Menor crescimento dos
rendimentos freia consumo
Se por um lado, não há expectativas de
queda do consumo, por outro, também
não há sinais de intensificação do
ritmo de crescimento dos rendimentos
médios reais.
Esse comportamento alerta para uma
evolução mais modesta do consumo,
uma vez que o mercado de trabalho
não mostra o mesmo dinamismo
de antes e o endividamento das
famílias se mantém alto para padrões
históricos.
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
6
Aperto monetário deve continuar nos próximos meses
inflação, juros e crédito
A inflação brasileira persistiu em alto
patamar no terceiro trimestre. Em agosto,
o IPCA alcançou um acumulado em 12
meses de 6,09%. Apesar da desacelera-
ção (chegou a 6,70% a.a. em junho), a
expectativa é de que esse movimento de
queda seja mais ameno até o fim do ano.
Quando observados os quatro grandes
grupos do IPCA (preços administrados,
de alimentos, de produtos industriais e
de serviços) percebe-se que não há, de
fato, um movimento de desaceleração
em todos os grupos.
Os principais responsáveis pelo alto pata-
mar do IPCA continuam a ser os preços
dos produtos alimentares e dos serviços.
O acumulado em 12 meses dos produtos
alimentares, em agosto, supera os 10%.
Contudo, esse foi também o responsável
pela desaceleração observada no IPCA,
uma vez que o patamar atual é inferior ao
observado em meses anteriores (em abril
esse acumulado era de 14%).
A ligeira queda no acumulado em 12
meses do grupo se deve a uma reversão
no choque de preços observado no fim
de 2012 e início deste ano, em função de
problemas de safra. Esse movimento de
desaceleração deve ser interrompido até
o fim de 2013 por causa da pressão nos
preços originada pelo câmbio mais des-
valorizado do que no início do ano. Assim,
o grupo tende a encerrar o ano com um
acumulado pouco abaixo dos 10%.
No sentido contrário, os preços dos
produtos industriais mostram uma alta
não usual. O acumulado em 12 meses do
grupo supera os 4,6% desde junho, maior
patamar desde 2008. A alta no acumulado
em 12 meses do grupo, que era inferior a
2% no fim de 2012, se deu principalmente
pela recomposição do IPI no preço dos
automóveis. A recomposição ocorreu em
janeiro e fevereiro deste ano, enquanto
que a queda pelo mesmo motivo foi obser-
vada em junho do ano passado (já fora do
acumulado em 12 meses).
Para os próximos meses, não há expecta-
tiva de reversão nesse cenário, uma vez
que o câmbio exerce impacto direto na
evolução dos preços dos produtos indus-
triais. A desvalorização cambial ocorrida
em boa parte do trimestre tende a tornar
a alta nesses preços acima do comporta-
mento sazonal mensal, fazendo com que
o acumulado no ano do grupo se sustente
próximo aos 4,6%.
O grupo de serviços continua a mostrar a
inércia característica da evolução de seus
preços: o acumulado em 12 meses do
grupo alcançou 8,6% em agosto. A desace-
leração que era esperada ao longo de 2013
não aconteceu: esse é o mesmo patamar
do fim de 2012. A expectativa é de manu-
tenção desse patamar até o fim do ano.
O grupo dos preços administrados apre-
senta desaceleração atípica. O acumulado
em 12 meses do grupo é de 1,4% em
agosto, taxa bastante inferior à do fim do
ano passado (4,2%). Esse patamar está
ancorado pela desoneração pontual no
custo da energia elétrica e pelo “congela-
mento” das tarifas de transporte público.
Como comparação, se o IPCA não levasse
em consideração os preços administrados,
a inflação em agosto seria de 7,8%.
IPCA dividido entre preços livres e administrados
Acumulado em 12 meses (%)
Preços administrados se descolam dos livres
Preços administrados seguram IPCA dentro do limite superior da meta
Fonte: IBGE - Elaboração: CNI
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
ago/09 abr/10 dez/10 ago/11 abr/12 dez/12 ago/13
Livres Administrados IPCA
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
7
Para os próximos meses, a estimativa da
CNI para esse grupo leva em conta dois
componentes básicos: (i) reajustes já
aprovados na energia elétrica em alguns
estados e no Distrito Federal, e (ii) nenhum
reajuste no preço dos combustíveis.
Esse último se deve à impossibilidade de
previsão, pois envolve questões políticas
além de técnicas. Mesmo com aumentos
na energia elétrica, o acumulado em 12
meses do grupo desacelerará ainda mais,
terminando o ano próximo a 1%.
Nesse cenário, a estimativa da CNI é de
que o IPCA termine o ano em 5,8%. Caso
haja ainda neste ano um aumento nos
combustíveis de, por exemplo, 5%, o IPCA
de 2013 iria a 6,0%.
Movimento de alta na Selic
continua nas próximas
reuniões do Copom
Com a inflação próxima ao limite superior
da meta, o Copom restabeleceu em abril a
política de aperto monetário via elevação
na taxa básica de juros (Selic). Apesar do
cenário de baixo crescimento econômico, a
dificuldade na retração da inflação fez com
que essa política fosse mantida no terceiro
trimestre. Só em 2013 foram quatro altas
consecutivas, elevando a Selic de 7,25%
a.a. em abril para 9,00% a.a. em agosto.
Esse cenário de alta deve continuar nos
próximos meses. A inflação continuará se
sustentando próximo as 6% a.a. e outros
fatores contribuem para um cenário de
atenção para a inflação (como a desvalori-
zação cambial e a possibilidade de aumento
no preço dos combustíveis).
Assim, a CNI estima dois novos aumentos
até o fim do ano, levando a Selic a 9,75%
a.a. em novembro, e acumulando um
aperto monetário de 2,50 p.p. na taxa
básica de juros em 2013. Nesse cenário, e
com a inflação de 5,8%, a taxa real de juros
média do ano será de 1,9% a.a., inferior à
observada no ano passado (3,1%).
Taxas de juros dos
empréstimos mostram
tendência de alta
A concessão de crédito está desaceleran-
do em 2013. O saldo de crédito total da
economia acumulado até julho é 16,5%,
superior aos doze meses anteriores.
Contudo, esse mesmo indicador chegou a
mais de 20% em meados de 2011.
É importante ressaltar que essa desace-
leração não é exclusiva no crédito para
pessoa física ou jurídica. Ambos apre-
sentam indicador de expansão também
próximos dos 16%, e em desaceleração.
A própria desaceleração da economia
e o alto endividamento das famílias
contribuem para uma menor demanda
por crédito. A possibilidade de
normalização no cenário internacional,
com reversão do fluxo de capitais para
os EUA, torna a concessão de crédito
mais cautelosa por parte das instituições
financeiras.
Outro fator que contribui para a menor
expansão no crédito é a tendência de
elevação nas taxas de juros. O movi-
mento de alta na Selic já começa a ser
percebido nas taxas ofertadas pelos
bancos: em julho, a taxa média nas
operações para pessoa física alcançou
25,1% a.a., contra 24,0% a.a. em maio.
Para pessoa jurídica, a taxa passou de
13,5% a.a. para 14,4% a.a. no mesmo
período.
Uma vez que o movimento de alta na Selic
tende a continuar até fim do ano, novas
altas nas taxas de juros dos empréstimos
e financiamentos ainda devem ser obser-
vadas nos próximos meses.
Saldo de operações de crédito
Acumulado em 12 meses contra os 12 meses anteriores (%)
Credito total desacelera no ano
Fonte: Banco Central do Brasil
10
15
20
25
30
35
40
jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13
Total Pessoa jurídica Pessoa física
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
8
política fiscal
As despesas do Governo Federal não
apresentaram alteração no ritmo
de crescimento nos últimos meses.
O aumento real de 6,0%, que havia
sido observado entre janeiro e abril,
foi mantido quando se considera o
período entre janeiro e julho de 2013,
na comparação com os mesmos meses
de 2012. A expansão das despesas do
Governo Federal caracteriza a continui-
dade da política fiscal expansionista,
particularmente quando comparado ao
crescimento do PIB de 2,6% no primeiro
semestre de 2013, com relação ao
mesmo período de 2012.
Chama atenção o aumento das despe-
sas discricionárias, que elevaram seu
ritmo de crescimento real para 10,0%
nos primeiros sete meses do ano, o que
indica a utilização da política fiscal como
instrumento de estímulo da atividade
econômica. Todavia, a maior parte
desse crescimento ficou concentrada
em gastos de custeio. Dentro do item
outras despesas de custeio e capital,
as despesas de custeio foram elevadas
em 13,2% entre janeiro e julho de 2013.
Já os investimentos (GND 4 do Sistema
Integrado de Administração Financei-
ra – SIAFI) tiveram queda de 2,7% na
mesma base de comparação.
Com relação às despesas dos estados
e municípios, observou-se uma forte
aceleração no ritmo de crescimento. O
gasto total, que registrou aumento real
de 2,3% entre janeiro e maio de 2013,
passou a mostrar crescimento real de
7,8% quando considerados os sete
primeiros meses do ano.
Pelo lado da arrecadação, o Governo
Federal registrou aumento real de 2,1%
de suas receitas líquidas entre janeiro
e julho de 2013, na comparação com o
mesmo período de 2012. Esse resultado
mostra aceleração se comparado ao
crescimento real de 0,8% dos cinco
primeiros meses de 2013. O aumento
no ritmo é explicado pelo crescimento
da atividade industrial e pela venda de
bens e serviços em junho, que refletiu
na elevação da arrecadação, em julho,
de impostos e contribuições.
Por outro lado, as receitas dos es-
tados e municípios mostraram forte
redução no seu ritmo de crescimento
real nos últimos meses. A expansão
da arrecadação, que era de 0,6% até
abril, agora apresenta queda de 4,6%
quando considerados os sete primeiros
meses de 2013, com relação ao mesmo
período de 2012. Essa queda é resultado
da desaceleração das transferências
recebidas pela União e da leve queda
na arrecadação do ICMS e em outras
fontes de receita.
No Governo Federal, a evolução das
receitas e despesas nos sete primeiros
meses de 2013 provocou queda no re-
sultado primário estrutural – que exclui
fatores atípicos, como o Fundo Sobe-
rano do Brasil – no acumulado em 12
meses de 1,5% em dezembro de 2012
para 1,2% do PIB, em julho de 2013.
Para os estados e municípios, a expres-
siva queda no ritmo de crescimento
das receitas aliado à forte aceleração
Superávit primário do setor público consolidado e por níveis de governo
Em relação ao PIB nos últimos 12 meses (%)
Resultado primário do setor público se reduziu em mais de 0,3 ponto
percentual do PIB entre dez/12 e jul/13
Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: CNI
Superávit primário segue distante da meta
Despesas dos governos regionais têm forte aceleração
(%doPIB)
0
1
2
3
4
dez/11 jun/12 dez/12 jun/13
Setor Público Total Governo Federal Governos Regionais
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
9
das despesas resultou em um superávit
de 0,45% do PIB, distante da meta de
0,95% do PIB estipulado pelo Governo
Federal. Dessa forma, o superávit primá-
rio do setor público consolidado caiu de
2,0% do PIB em dezembro de 2012 para
1,6% do PIB em julho de 2013.
A redução do superávit primário fez com
que o déficit nominal acumulado nos
últimos 12 meses subisse de 2,8% em
dezembro de 2012, para 3,3% do PIB em
julho de 2013. No entanto, a elevação
no déficit nominal não se converteu em
aumento da relação Dívida Líquida/PIB
em função da desvalorização da taxa de
câmbio. O ajuste nas dívidas interna e ex-
terna levou a Dívida Líquida/PIB a cair de
35,2% em dezembro de 2012 para 34,1%
em julho de 2013. Por sua vez, a relação
Dívida Bruta/PIB continua em expansão e
atingiu 59,4% em julho, contra os 58,7%
registrados em dezembro de 2012.
Contingenciamento tímido
mantém meta de superávit
primário distante
A política fiscal deve manter-se
expansionista nos próximos meses. A
expectativa é que o Governo Federal
acelere o ritmo de crescimento das
despesas para 7,3%, em termos reais,
em 2013, caso não seja anunciado novo
contingenciamento.
Com relação às receitas, a CNI pre-
vê expansão maior que a verificada
até julho. Apesar do menor ritmo de
crescimento da arrecadação de alguns
impostos em função de desonerações
tributárias, a projeção de aumento nas
receitas não administradas pela RFB
deve aumentar a receita líquida do
Governo Federal, em termos reais, para
4,9% em 2013. Nesse cenário, o supe-
rávit primário estimado para o Governo
Federal e suas estatais em 2013 é de
R$ 63,7 bilhões (1,3% do PIB).
Nesse cenário, o superávit primário do
setor público consolidado previsto pela
CNI é de R$ 82,8 bilhões (1,7% do PIB).
Esse resultado ficaria abaixo da meta
ajustada – considerando os abatimentos
– de R$ 110,9 bilhões ou 2,3% do PIB.
O resultado esperado para o superávit
primário significa uma forte queda em re-
lação ao resultado de 2011 (3,1% do PIB)
e 2012 (2,4% do PIB). Essa queda, aliada
à expectativa de pequeno crescimento
nas despesas com juros – que devem
passar de 4,9% em 2012, para 5,0%
do PIB em 2013 – deve elevar o déficit
nominal para 3,3% do PIB.
A elevação no déficit nominal não deve
provocar aumentos na relação Dívida/PIB
em função dos efeitos da desvalorização
da taxa de câmbio nos ajustes cambiais
nas dívidas interna e externa. Dessa for-
ma, a CNI projeta queda da relação Dívida
Líquida/PIB de 35,2%, em dezembro de
2012, para 34,8% em dezembro de 2013.
Evolução da Dívida Líquida do Setor Público
Em relação ao PIB (%)
Endividamento público com relação ao PIB deve cair pelo quarto ano
consecutivo em 2013
Fonte: Banco Central do Brasil
* Previsão CNI
Para os estados e municípios, o
comportamento das despesas e
das receitas sinaliza mais uma vez o
descumprimento das determinações
da Lei de Responsabilidade Fiscal.
O resultado primário nos governos
regionais deve apresentar leve piora
em relação ao registrado até julho,
atingindo apenas R$ 16,9 bilhões (0,4%
do PIB) até o fim do ano, valor muito
abaixo do estipulado pelo Governo
Federal (R$ 47,8 bilhões).
Na busca de atingir a meta fiscal,
o Governo Federal anunciou um
contingenciamento adicional
de R$ 4,4 bilhões de despesas
discricionárias. Essa nova restrição
nas despesas autorizadas no
Orçamento é insuficiente e
inviabiliza o alcance da meta de
superávit primário, ainda que sejam
considerados os abatimentos de R$
45 bilhões autorizados pela Lei de
Diretrizes Orçamentárias de 2013.
30
40
50
2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013*
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
10
Saldo comercial fica próximo de zero em 2013
Necessidade de financiamento externo aumenta
setor externo e câmbio
Câmbio reverte trajetória no
fim do trimestre
A taxa de câmbio no terceiro trimestre
de 2013 mostra duas trajetórias
distintas. Uma iniciada ainda em maio
que se manteve até o dia 22 de agosto
e outra a partir desta data. Entre os
dias 14 de maio e 22 de agosto, o real
desvalorizou 18% frente ao dólar. Desta
data até o dia 20 de setembro, ou seja,
em menos de um mês, a moeda voltou a
valorizar 9,8%.
As possíveis mudanças na política
monetária americana são a grande
responsável pela trajetória recente na
taxa de câmbio. No início do segundo
semestre, foi dada como certa a retirada
dos estímulos monetários à economia
americana a partir de setembro. Isso
provocou valorização não somente da
moeda brasileira como também de
diversas outras moedas, sobretudo de
países emergentes.
A inexistência de uma definição pelo FED,
o banco central americano, em relação
a sua política monetária, também gerou
bastante incerteza e oscilações nas
cotações dessas moedas durante esse
período. No Brasil, o rápido aumento do
déficit externo e a elevação da incerteza
dos agentes econômicos com relação
ao crescimento da economia motivaram
a valorização da moeda brasileira mais
intensa do que a de outros países.
Contudo, no dia 22 de agosto, após a
cotação real/dólar atingir o maior valor
desde 2008 (R$ 2,44/US$), o Banco
Central (BC) anunciou que passaria a
realizar leilões diários de venda de dólares
até o fim do ano, podendo injetar no
período até US$ 60 bilhões. Até então, o
BC tinha feito uma série de intervenções
esporádicas com pouco sucesso.
Além disso, a ausência de sinais claros de
recuperação da economia americana fez
com que as apostas até então vigentes
de uma interrupção dos estímulos
monetários em setembro se reduzissem.
Com a concretização desse novo cenário
(em 18 de setembro o FED anunciou
que não iria interromper o pacote de
estímulos antes de “maiores evidências”
de crescimento da economia americana),
o real intensificou a valorização.
O real deverá manter trajetória de
valorização provisoriamente, sem retornar
aos patamares do início do ano, enquanto
o mercado ajusta suas expectativas
quanto ao mercado americano. Todavia,
a tendência da moeda brasileira é de
desvalorização. . Projetamos uma taxa de
câmbio de R$ 2,23/US$ para dezembro
e R$ 2,14/US$ para a média de 2013.
Contudo, caso o Banco Central reduza ou
interrompa os leilões de vendas diários
iniciados em agosto, a taxa de câmbio se
tornará mais volátil e uma desvalorização
adicional poderá se verificar.
Exportações devem ficar
abaixo do registrado em 2012
As exportações brasileiras totalizaram,
em agosto, US$ 238,6 bilhões no
acumulado em 12 meses, uma queda
de 4,5% na comparação com o
acumulado em 12 meses até agosto de
2012. Após longa trajetória de queda,
Taxa de Câmbio Real / Dólar
Cotações de Fechamento Ptax (R$/US$)
Câmbio reverte trajetória de valorização do segundo trimestre
Fonte: Banco Central do Brasil
1,80
1,90
2,00
2,10
2,20
2,30
2,40
2,50
2,60
02/jan/13 02/mar/13 02/mai/13 02/jul/13 02/set/13
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
11
iniciada em abril de 2012, o valor
exportado acumulado em 12 meses vem
experimentando alguma estabilidade,
mantendo-se pouco abaixo de U$240
bilhões desde março deste ano.
As importações, por outro lado, mantêm
trajetória de alta desde o início de 2013.
Essas totalizaram em agosto US$ 236,1
bilhões em 12 meses, um crescimento
de 4% na comparação com o acumulado
em 12 meses até agosto de 2012.
No mesmo período, o saldo comercial
recuou de US$ 22,9 bilhões para US$ 2,5
bilhões, uma queda de 89%.
Se mesmo com a desvalorização do
câmbio durante o segundo trimestre
as exportações brasileiras continuaram
a mostrar pouco fôlego, a retomada –
ainda que provisória – de uma trajetória
de valorização não melhora o quadro
de curto prazo. Mesmo ocorrendo
uma reversão e a taxa de câmbio real/
dólar volte a superar R$ 2,30/US$
ou mesmo R$ 2,35/US$, a oscilação
da taxa de câmbio gera considerável
incerteza, o que dificulta a precificação
das exportações e a definição de
investimentos necessários no esforço
exportador. Além disso, os problemas
de competitividade e o cenário externo
adverso não serão revertidos no curto
prazo. Dessa forma, as exportações
não irão mostrar recuperação e deverão
ficar abaixo do registrado em 2012,
totalizando US$ 240,5 bilhões em
dezembro de 2013.
As importações seguem em crescimento,
respondendo ao novo patamar do câmbio
que é mais valorizado que em anos
anteriores. As importações alcançarão,
ao fim de 2013, US$ 238,8 bilhões, valor
7,0% maior que o registrado em 2012.
Com isso, o saldo comercial de 2013 será
de apenas US$ 1,7 bilhão, contra US$
19,4 bilhões em 2012.
Necessidade de financiamento externo
Em relação ao PIB nos 12 meses anteriores (%)
A necessidade de financiamento externo segue crescendo
Déficit em transações
correntes cresce em
proporção do PIB
No acumulado em 12 meses até julho
de 2013, o déficit em transações
correntes alcançou US$ 77,7 bilhões,
cifra 49,8% maior que o registrado em
12 meses até julho de 2012 (déficit de
US$ 51,9 bilhões). No período, o déficit
externo passou de 2,18% do PIB para
3,39% do PIB.
A maior parte do crescimento do déficit
(74%) se deve à queda do superávit
comercial no mesmo período, que
recuou de US$ 25,8 bilhões para US$ 4,5
bilhões. O déficit de serviços e rendas
aumentou de US$ 78,4 bilhões para US$
85,1 bilhões e contribuiu com os 26%
restantes do crescimento do déficit em
transações correntes.
No mesmo período, o investimento
estrangeiro direto (IED) recuou 6%. O
IED alcançou US$ 62,3 bilhões no fim de
julho de 2013 ante os US$ 66,3 em 12
meses até julho de 2012. A necessidade
de financiamento externo (NFE), ou seja,
a diferença entre o saldo em transações
correntes e o investimento estrangeiro
direto, que era negativa até fevereiro
deste ano, se tornou positiva e desde
então cresce rapidamente. Em janeiro de
2013, a NFE era negativa em 0,22% do
PIB. Em julho de 2013, a NFE alcançou
0,67% do PIB.
O déficit em transações correntes deverá
manter-se em crescimento até o fim
de 2013. A conta de serviços responde
pouco à valorização do real ocorrida no
primeiro semestre e a recente reversão
da tendência da taxa de câmbio pode dar
novo impulso às despesas, sobretudo de
viagens internacionais. O saldo comercial
pouco contribuirá para deter o ritmo de
piora, com o saldo em 12 meses pouco
alterando até o fim do ano. Assim, o
déficit em transações correntes deverá
alcançar novo valor recorde em 2013:
US$79,6 bilhões (3,57% do PIB), um
crescimento de 45,2% em relação ao
ano anterior.
Fonte: Banco Central do Brasil
-0,62
0,67
-0,80
-0,60
-0,40
-0,20
0,00
0,20
0,40
0,60
0,80
jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13
Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013
INFORME CONJUNTURAL | Publicação trimestral da Confederação Nacional da Indústria - CNI | Gerência Executiva de Política Econômica | Gerente
executivo: Flávio Castelo Branco | Equipe técnica: Danilo César Cascaldi Garcia, Fábio Bandeira Guerra, Isabel Mendes de Faria, Marcelo de Ávila, Marcelo
Souza Azevedo e Mário Sérgio Carraro Telles | Informações técnicas: (61) 3317-9468 | Supervisão gráfica: DIRCOM | Impressão e acabamento: Reprografia
Sistema Indústria | Normalização bibliográfica: ASCORP/GEDIN | Assinaturas: Serviço de Atentimento ao Cliente SAC: (61) 3317-9989 - sac@cni.org.br
SBN Quadra 01 Bloco C Ed. Roberto Simonsen Brasília, DF - CEP: 70040-903 www.cni.org.br. | Autorizada a reprodução desde que citada a fonte.
	 Documento elaborado em 20 de setembro de 2013.
perspectivas da economia brasileira
2011 2012
2013
projeção
anterior
(junho/13)
2013
(projeção)
Atividade econômica
PIB
(variação anual)
2,7% 0,9% 2,0% 2,4%
PIB industrial
(variação anual)
1,6% -0,8% 1,0% 1,4%
Consumo das famílias
(variação anual)
4,1% 3,1% 2,3% 1,9%
Formação bruta de capital fixo
(variação anual)
4,7% -4,0% 5,1% 8,0%
Taxa de Desemprego
(média anual - % da PEA)
6,0% 5,5% 5,3% 5,1%
Inflação
Inflação
(IPCA - variação anual)
6,5% 5,8% 6,0% 5,8%
Taxa de juros
Taxa nominal de juros
(taxa média do ano) 11,76% 8,63% 8,25% 8,27%
(fim do ano) 11,00% 7,25% 9,50% 9,75%
Taxa real de juros
(taxa média anual e defl: IPCA)
4,8% 3,1% 1,7% 1,9%
Contas públicas
Déficit público nominal
(% do PIB)
2,61% 2,47% 3,40% 3,30%
Superávit público primário
(% do PIB)
3,11% 2,38% 1,50% 1,70%
Dívida pública líquida
(% do PIB)
36,4% 35,2% 34,9% 34,8%
Taxa de câmbio
Taxa nominal de câmbio - R$/US$
(média de dezembro) 1,83 2,08 2,18 2,23
(média do ano) 1,67 1,95 2,10 2,14
Setor externo
Exportações
(US$ bilhões)
256,0 242,6 249,3 240,5
Importações
(US$ bilhões)
226,2 223,2 240,1 238,8
Saldo comercial
(US$ bilhões)
29,8 19,4 9,2 1,7
Saldo em conta corrente
(US$ bilhões)
-52,5 -54,2 -74,3 -79,6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
sincorsc
 
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Fundação de Economia e Estatística
 
Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014
  Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014  Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014
Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015
Igor Morais
 
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Calendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retorno
Calendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retornoCalendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retorno
Calendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retorno
Banco Pine
 
Documento Base - 1º CETTR
Documento Base - 1º CETTRDocumento Base - 1º CETTR
Documento Base - 1º CETTR
FETAEP
 
Relatório Sobre Acréscimos na Selic
Relatório Sobre Acréscimos na SelicRelatório Sobre Acréscimos na Selic
Relatório Sobre Acréscimos na Selic
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Nota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjunturaNota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjuntura
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Fundação de Economia e Estatística
 
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
economiaufes
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
Polibio Braga
 
2016: O ano da recuperação?
2016: O ano da recuperação? 2016: O ano da recuperação?
2016: O ano da recuperação?
Fundação de Economia e Estatística
 
Choque de produtividade
Choque de produtividadeChoque de produtividade
Choque de produtividade
Grupo de Economia Política IE-UFRJ
 
Tec junho 2013
Tec junho 2013Tec junho 2013
Tec junho 2013
Carmem Rocha
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
eticademocracia
 
Apresentação | Informe Conjuntural | 3º Trimestre
Apresentação | Informe Conjuntural | 3º TrimestreApresentação | Informe Conjuntural | 3º Trimestre
Apresentação | Informe Conjuntural | 3º Trimestre
Confederação Nacional da Indústria
 
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
Delta Economics & Finance
 
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Alex Araujo
 

Mais procurados (20)

Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
Conjuntura CNseg Nº8 | Ano 2 | Junho 2019
 
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia Brasileira e Gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
 
Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014
  Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014  Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014
Informe Conjuntural | 2º trimestre de 2014 | Divulgação 24/07/2014
 
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 41 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015A economia brasileira em 2015
A economia brasileira em 2015
 
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 46 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Calendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retorno
Calendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retornoCalendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retorno
Calendário Econômico Pine: Momento de decisão, o retorno
 
Documento Base - 1º CETTR
Documento Base - 1º CETTRDocumento Base - 1º CETTR
Documento Base - 1º CETTR
 
Relatório Sobre Acréscimos na Selic
Relatório Sobre Acréscimos na SelicRelatório Sobre Acréscimos na Selic
Relatório Sobre Acréscimos na Selic
 
Nota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjunturaNota trimestral de conjuntura
Nota trimestral de conjuntura
 
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
Economia brasileira e gaúcha - Perspectivas 2015 e 2016
 
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 48 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
 
2016: O ano da recuperação?
2016: O ano da recuperação? 2016: O ano da recuperação?
2016: O ano da recuperação?
 
Choque de produtividade
Choque de produtividadeChoque de produtividade
Choque de produtividade
 
Tec junho 2013
Tec junho 2013Tec junho 2013
Tec junho 2013
 
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
A ECONOMIA EM ÉPOCA DE CRISE: Desafios e Propostas
 
Apresentação | Informe Conjuntural | 3º Trimestre
Apresentação | Informe Conjuntural | 3º TrimestreApresentação | Informe Conjuntural | 3º Trimestre
Apresentação | Informe Conjuntural | 3º Trimestre
 
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
CI - 2007 - perspectivas econômicas para 2007
 
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
 

Destaque

Seminário Saneamento | Apresentação ABDIB
Seminário Saneamento | Apresentação ABDIBSeminário Saneamento | Apresentação ABDIB
Seminário Saneamento | Apresentação ABDIB
Confederação Nacional da Indústria
 
Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013
Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013
Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013
Confederação Nacional da Indústria
 
Guillermo
GuillermoGuillermo
Guillermo
guillermo_01985
 
Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013
Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013
Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013
Confederação Nacional da Indústria
 
D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)
D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)
D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)
Wynand Holtzhausen
 
Indicadores Industriais | Maio 2012
Indicadores Industriais | Maio 2012Indicadores Industriais | Maio 2012
Indicadores Industriais | Maio 2012
Confederação Nacional da Indústria
 
Indicadores Industriais | Fevereiro 2013
Indicadores Industriais | Fevereiro 2013Indicadores Industriais | Fevereiro 2013
Indicadores Industriais | Fevereiro 2013
Confederação Nacional da Indústria
 
Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012
Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012
Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012
Confederação Nacional da Indústria
 
Windows xp
Windows xpWindows xp
Windows xp
cruzdelina1339
 
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012
Confederação Nacional da Indústria
 
24/01 - Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 2012
24/01 -  Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 201224/01 -  Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 2012
24/01 - Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 2012
Confederação Nacional da Indústria
 
E. Carleton Jones High School – Reference
E. Carleton Jones High School – ReferenceE. Carleton Jones High School – Reference
E. Carleton Jones High School – Reference
Wynand Holtzhausen
 
Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012
Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012
Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012
Confederação Nacional da Indústria
 
Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013
Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013
Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013
Confederação Nacional da Indústria
 
Power point blog
Power point blogPower point blog
Power point blog
martandrea
 
NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013
NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013
NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013
Confederação Nacional da Indústria
 
Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012
Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012
Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012
Confederação Nacional da Indústria
 
INEC | Outubro 2012
INEC | Outubro 2012INEC | Outubro 2012

Destaque (20)

Seminário Saneamento | Apresentação ABDIB
Seminário Saneamento | Apresentação ABDIBSeminário Saneamento | Apresentação ABDIB
Seminário Saneamento | Apresentação ABDIB
 
Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013
Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013
Indicadores Industriais | Janeiro | Divulgação 12/03/2013
 
Guillermo
GuillermoGuillermo
Guillermo
 
Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013
Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013
Novidades Legislativas Nº07 | 12/03/2013
 
D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)
D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)
D. Summary of work experience at Merisol (SASOL)
 
Indicadores Industriais | Maio 2012
Indicadores Industriais | Maio 2012Indicadores Industriais | Maio 2012
Indicadores Industriais | Maio 2012
 
Indicadores Industriais | Fevereiro 2013
Indicadores Industriais | Fevereiro 2013Indicadores Industriais | Fevereiro 2013
Indicadores Industriais | Fevereiro 2013
 
Tenis
TenisTenis
Tenis
 
Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012
Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012
Apresentação Informe Conjuntural 2º trimestre 2012
 
Windows xp
Windows xpWindows xp
Windows xp
 
LLETZlearn_DTR (003) (4) (1)
LLETZlearn_DTR (003) (4) (1)LLETZlearn_DTR (003) (4) (1)
LLETZlearn_DTR (003) (4) (1)
 
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2012
 
24/01 - Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 2012
24/01 -  Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 201224/01 -  Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 2012
24/01 - Indicador de Custos Industriais - Nº01 jul-set 2012
 
E. Carleton Jones High School – Reference
E. Carleton Jones High School – ReferenceE. Carleton Jones High School – Reference
E. Carleton Jones High School – Reference
 
Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012
Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012
Novidades Legislativas Nº 45 | 04/07/2012
 
Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013
Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013
Pesquisa Completa | CNI Ibope Avaliação do Governo | Março 2013
 
Power point blog
Power point blogPower point blog
Power point blog
 
NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013
NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013
NOvidades Legislativas Nº 56 | 27/08/2013
 
Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012
Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012
Novidades Legislativas Nº 56 | 30/08/2012
 
INEC | Outubro 2012
INEC | Outubro 2012INEC | Outubro 2012
INEC | Outubro 2012
 

Semelhante a Informe Conjuntural | 3º Trimestre de 2013

Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011
Sistema FIEB
 
Monitor Econômico - set/2014
Monitor Econômico - set/2014Monitor Econômico - set/2014
Monitor Econômico - set/2014
Sistema FIEMG
 
Calendário Econômico Pine: Um pouco de tudo
Calendário Econômico Pine: Um pouco de tudoCalendário Econômico Pine: Um pouco de tudo
Calendário Econômico Pine: Um pouco de tudo
Banco Pine
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
Polibio Braga
 
XIII Análise Ceplan
XIII Análise CeplanXIII Análise Ceplan
XIII Análise Ceplan
Ceplan Economia
 
Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital
Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital
Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital
Sidnei Raulino
 
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá lasAmeaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Fernando Alcoforado
 
Monitor Econômico - Outubro de 2014
Monitor Econômico - Outubro de 2014Monitor Econômico - Outubro de 2014
Monitor Econômico - Outubro de 2014
Sistema FIEMG
 
Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011
Sistema FIEB
 
Informe Conjuntural 2º trim 2010
Informe Conjuntural 2º trim 2010Informe Conjuntural 2º trim 2010
Informe Conjuntural 2º trim 2010
Kleber Pinto
 
Primeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFES
Primeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFESPrimeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFES
Primeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFES
economiaufes
 
Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)
Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)
Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)
Apex-Brasil - Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos
 
Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013
Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013
Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013
Confederação Nacional da Indústria
 
Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011
Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011
Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011
Confederação Nacional da Indústria
 
Calendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivo
Calendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivoCalendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivo
Calendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivo
Banco Pine
 
Informe conjuntural 2º tri 2011 - Apresentação
Informe conjuntural 2º tri 2011 - ApresentaçãoInforme conjuntural 2º tri 2011 - Apresentação
Informe conjuntural 2º tri 2011 - Apresentação
Confederação Nacional da Indústria
 
Apresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário EconomiaApresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário Economia
Associação Comercial de São Paulo
 
120703 conjunturaemfoco junho
120703 conjunturaemfoco junho120703 conjunturaemfoco junho
120703 conjunturaemfoco junho
Luis Nassif
 
11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...
11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...
11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...
Abravidro
 
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjunturaCalendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Banco Pine
 

Semelhante a Informe Conjuntural | 3º Trimestre de 2013 (20)

Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Economia Brasileira - Outubro 2011
 
Monitor Econômico - set/2014
Monitor Econômico - set/2014Monitor Econômico - set/2014
Monitor Econômico - set/2014
 
Calendário Econômico Pine: Um pouco de tudo
Calendário Econômico Pine: Um pouco de tudoCalendário Econômico Pine: Um pouco de tudo
Calendário Econômico Pine: Um pouco de tudo
 
Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013Cp 64o artigo pib 2013
Cp 64o artigo pib 2013
 
XIII Análise Ceplan
XIII Análise CeplanXIII Análise Ceplan
XIII Análise Ceplan
 
Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital
Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital
Análise Econômica - 1° Trimestre 2019 Seed Digital
 
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá lasAmeaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
 
Monitor Econômico - Outubro de 2014
Monitor Econômico - Outubro de 2014Monitor Econômico - Outubro de 2014
Monitor Econômico - Outubro de 2014
 
Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011
Acompanhamento Conjuntural - Dezembro 2011
 
Informe Conjuntural 2º trim 2010
Informe Conjuntural 2º trim 2010Informe Conjuntural 2º trim 2010
Informe Conjuntural 2º trim 2010
 
Primeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFES
Primeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFESPrimeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFES
Primeiro Semestre de 2016 - Nível de Atividade - Conjuntura UFES
 
Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)
Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)
Economia Brasileira em Perspectiva | 17ª Edição (Dez/2012)
 
Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013
Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013
Informe Conjuntural Especial | Divulgação 19/12/2013
 
Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011
Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011
Informe Conjuntural - Abril a junho - 2011
 
Calendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivo
Calendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivoCalendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivo
Calendário Econômico Pine: COPOM e o cenário prospectivo
 
Informe conjuntural 2º tri 2011 - Apresentação
Informe conjuntural 2º tri 2011 - ApresentaçãoInforme conjuntural 2º tri 2011 - Apresentação
Informe conjuntural 2º tri 2011 - Apresentação
 
Apresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário EconomiaApresentação Seminário Economia
Apresentação Seminário Economia
 
120703 conjunturaemfoco junho
120703 conjunturaemfoco junho120703 conjunturaemfoco junho
120703 conjunturaemfoco junho
 
11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...
11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...
11º Simpovidro Abravidro - Palestra de Gustavo Loyola - "Perspectivas da econ...
 
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjunturaCalendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
Calendário Econômico Pine: Um mix de conjuntura
 

Mais de Confederação Nacional da Indústria

Apresentação Lee - Etapa nacional
Apresentação Lee - Etapa nacionalApresentação Lee - Etapa nacional
Apresentação Lee - Etapa nacional
Confederação Nacional da Indústria
 
Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...
Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...
Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...
Confederação Nacional da Indústria
 
Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...
Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...
Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...
Confederação Nacional da Indústria
 
INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11
INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11
INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11
Confederação Nacional da Indústria
 
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014
Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014
Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014
ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014
ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014
 Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014 Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014
Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014
INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014
INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014
 Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014 Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014
Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014
CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014
CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014
Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014
Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Cartilha - Escolha Profissões da Indústria
Cartilha - Escolha Profissões da Indústria Cartilha - Escolha Profissões da Indústria
Cartilha - Escolha Profissões da Indústria
Confederação Nacional da Indústria
 
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014
ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014
ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014
Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014
Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014
Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014
Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014
Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014
Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014
INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014
INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Confederação Nacional da Indústria
 

Mais de Confederação Nacional da Indústria (20)

Apresentação Lee - Etapa nacional
Apresentação Lee - Etapa nacionalApresentação Lee - Etapa nacional
Apresentação Lee - Etapa nacional
 
Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...
Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...
Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida - Janeiro 2015 | Divulgação 08/01/...
 
Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...
Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...
Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica - Dezembro 2014 | Divulgaç...
 
INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11
INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11
INEC | Novembro 2014 | Divulgação 28/11
 
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014
Sondagem Indústria da Construção | Setembro 2014 | Divulgação 27/10/2014
 
Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014
Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014
Sondagem industrial | Setembro 2014 | Divulgação 23/10/2014
 
ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014
ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014
ICEI | Outubro 2014 | Divulgação 15/10/2014
 
Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014
 Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014 Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014
Indicadores Industriais | Agosto 2014 | Divulgação 01/10/2014
 
INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014
INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014
INEC | Setembro 2014 | Divulgação 29/9/2014
 
Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014
 Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014 Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014
Sondagem Industrial | Agosto 2014 | Divulgação 18/09/2014
 
CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014
CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014
CNI-Ibope | Setembro 2014 | Divulgação 12/09/2014
 
Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014
Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014
Indicadores Industriais | Julho 2014 | Divulgação 04/09/2014
 
Cartilha - Escolha Profissões da Indústria
Cartilha - Escolha Profissões da Indústria Cartilha - Escolha Profissões da Indústria
Cartilha - Escolha Profissões da Indústria
 
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
Pesquisa sobre Resíduos Sólidos | Junho/Julho 2014 | Divulgação 20/08/2014
 
ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014
ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014
ICEI | Agosto 2014 | Divulgação 18/08/2014
 
Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014
Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014
Sondagem Especial Terceirização | Julho de 2014 | Divulgação 14/08/2014
 
Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014
Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014
Coeficientes de Abertura Comercial | Abril/ Junho 2014 | Divulgação 14/08/2014
 
Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014
Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014
Indicadores Industriais | Junho 2014 | Divulgação 05/08/2014
 
INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014
INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014
INEC | Julho 2014 | Divulgação 31/07/2014
 
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
Apresentação | Propostas da Indústria para as Eleições 2014
 

Informe Conjuntural | 3º Trimestre de 2013

  • 1. Ano 29 Número 03 julho/setembro de 2013 www.cni.org.br PIB cresce com mais investimento Sem espaços para quedas adicionais da taxa de desemprego Pág. 4 Aperto monetário deve continuar nos próximos meses Superávit primário segue distante da meta Saldo comercial fica próximo de zero em 2013 Pág. 10 A economia brasileira no terceiro trimestre de 2013 A economia brasileira deverá mostrar cresci- mento de 2,4% em 2013. Essa taxa é maior que a registrada em 2012, mas ainda insatis- fatória. O PIB da indústria, com alta de 1,4%, representa uma melhora em comparação ao recuo registrado no ano anterior. Outro ponto positivo é na composição do crescimento, com o investimento gerando maior contribuição à alta do PIB. Por outro lado, o setor externo (exportações líquidas) segue dando uma contribuição nega- tiva à expansão da economia. Sem dúvida, o elevado déficit comercial dos manufaturados – que se mantém há três anos no patamar de US$ 100 bilhões anuais – mostra-se uma evidência das dificuldades para um melhor desempenho da indústria e do PIB. A retomada do crescimento também é limitada pela inflação próxima do teto da meta. O atual patamar de juros, que deverá se manter além de 2013 para lidar com pressões originárias dos serviços e dos efeitos da desvalorização cambial, impõe amarras adicionais à recupe- ração. A manutenção de uma política fiscal expansionista pouco colabora e termina por impor ao setor produtivo os custos do proces- so de desinflação. O quadro de crescimento baixo reflete as dificul- dades de superação de dois desafios de natureza estrutural: a baixa competitividade e a reduzida taxa de investimento, inferior a 20% do PIB. Hoje há um consenso que é imprescindível elevar nossa competitividade, por meio da redução do custo de produção e do aumento da produtividade. Todavia, a implementação vagarosa, e por vezes incompleta, de políticas nessa área terminam por gerar efeitos insuficientes para reverter o quadro. A mudança no patamar de câmbio é um dado relevante, ainda que a volatilidade de curto pra- zo dificulte a percepção do novo nível da taxa Melhora do quadro econômico não assegura forte ritmo de crescimento INFORME CONJUNTURAL cambial. Superado esse momento, seus efeitos serão progressivamente mais perceptíveis. Os avanços são menos nítidos na questão do investimento. A taxa de poupança doméstica segue ainda reduzida, o que exige maior es- forço de poupança externa (o déficit em conta corrente). Essa alternativa implica riscos de fragilização externa, em um cenário de menor disponibilidade global de recursos com a futura normalização da política monetária americana. Em suma, o quadro econômico melhora gradualmente. O desafio é tornar essa melhora mais intensa e permanente. A questão chave é o investimento e a agenda da infraestrutura é uma oportunidade. A materialização dessa agenda exige horizontes amplos e confiança elevada. Nesse particular, o comprometimento com uma meta fiscal clara e crível, ainda que menos ambiciosa, ajuda a alicerçar a confiança nos fundamentos econômicos e melhorar a capacidade de poupança e investimento do setor público. IPCA e Selic Acumulado em 12 meses (IPCA) e percentual ao ano (Selic) Inflação persistente no teto da meta reativa aperto monetário Informativo da Confederação Nacional da Indústria Fonte: IBGE e Banco Central do Brasil Pág. 2 Pág. 6 Pág. 8 ISSN 1983-621X 0 2 4 6 8 10 12 14 ago/09 fev/10 ago/10 fev/11 ago/11 fev/12 ago/12 fev/13 ago/13 IPCA Selic Limites da meta de inflação
  • 2. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 2 PIB cresce com mais investimento A alternância entre queda e crescimento dos indicadores de atividade é a característica mais marcante da evolução da economia brasileira em 2013. Todavia, a CNI revisou para cima a estimativa para o crescimento do PIB de 2013, de 2,0% para 2,4%. O PIB cresceu 1,5% no segundo trimestre frente ao trimestre anterior, taxa mais que o dobro da registrada no primeiro trimestre, na mesma base de comparação. Com esse resultado, já estaria garantido uma expansão de 2,2% da economia no ano usando a hipótese de estabilidade do PIB no terceiro e quarto trimestres do ano (efeito carregamento). atividade econômica Consumo dá lugar aos investimentos no crescimento do PIB A despeito da confiança dos empresários industriais se encontrar em patamar historicamente baixo, os investimentos, medidos pela formação bruta de capital fixo (FBKF/IBGE), cresceram 6,0% no primeiro semestre de 2013 frente ao mesmo período do ano anterior. A maior parte do crescimento da produção de bens de capital no Brasil foi de equipamentos de transporte, movimento concentrado em caminhões. A produção desses produtos, no entanto, mostra sinais de perda de ritmo: o crescimento passou de 28% em junho para 16% em julho na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Com exceção de produtos agrícolas, todas as categorias de bens de capital registraram desaceleração na taxa de crescimento frente ao mesmo mês do ano anterior. A expansão da produção de bens de capital para fins industriais passou de 21,4% em junho para 13,3% em julho. A produção total de bens de capital (PIM- PF/IBGE) iniciou o terceiro trimestre em queda de 3,4% em julho frente ao mês anterior. Mesmo com a quebra de ritmo de crescimento e a baixa disseminação dos investimentos, a CNI espera uma expansão de 8,0% da FBKF em 2013, de forma a contribuir com 1,5 ponto percentual no crescimento do PIB. O consumo das famílias avançou apenas 2,2% no primeiro semestre de 2013 frente ao mesmo período do ano anterior. A perda de dinamismo no crescimento do emprego, os ganhos cada vez menores dos rendimentos reais dos trabalhadores e o alto endividamento das famílias resul- tarão em uma expansão abaixo de 2,0% do consumo das famílias em 2013. Caso esse resultado se cofirme, o consumo das famílias contribuirá com 1,2 ponto percen- tual no resultado do PIB no ano, portanto, menos do que os investimentos. Atividade industrial inicia terceiro trimestre em queda A produção industrial recuou 2,0% em julho frente ao mês anterior. A queda de julho foi duas vezes maior do que todo Crescimento econômico é mais equilibrado Consumo das famílias e investimentos (FBKF) Variação frente ao trimestre anterior - dessazonalizada (%) Clara recuperação dos investimentos e perda de ritmo da expansão do consumo das famílias Fonte: IBGE 1,2 0,8 0,9 0,9 0,0 0,3 -2,4 -1,9 -1,4 1,5 4,7 3,6 I II III IV I II 2012 2013 Consumo das famílias FBKF
  • 3. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 3 o crescimento do segundo trimestre do ano. O IBC-BR, indicador utilizado como proxy para observar a evolução mensal do PIB, registrou queda de 0,3% em julho frente ao mês anterior. Os estoques da indústria continuam acima do planejado. Em agosto, o indicador de estoque efetivo em relação ao planejado (Sondagem Industrial CNI) ficou em 51,3 pontos. Para conseguir adequar o nível de estoques, a indústria terá que reduzir o ritmo de crescimento da produção. Enquanto alguns indicadores apontam queda da atividade no início do terceiro trimestre, outros mostram resultados melhores. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI/CNI) cresceu em agosto e em setembro. O aumento do ICEI pelo segundo mês seguido, após o indicador ter ficado próximo da linha divisória entre confiança e falta de confiança, é um sinal importante para a recuperação da indústria. Dado o efeito de carregamento estatístico de 2,1% do PIB da indústria de transformação e adicionando na conta a queda da produção industrial de julho, a CNI espera que o PIB da indústria de transformação cresça 2,6% em 2013, de modo a ser o segmento industrial que mais irá crescer no ano. O PIB da indústria extrativa deverá recuar 4,0%, contribuindo negativamente para o PIB do setor. Considerando todos os quatro segmentos da indústria, o PIB do setor deverá crescer 1,4% em 2013. As vendas no comércio varejista cresceram 1,9% em julho frente ao mês anterior, resultado de uma aceleração do ritmo de crescimento ocorrido nos meses anteriores. O PIB de serviços cresceu 1,8% no primeiro semestre do ano, frente ao mesmo período do ano anterior. Contando com o resultado do comércio no início do trimestre, a CNI espera uma alta de 2,2% do PIB dos serviços em 2013. Do lado da demanda, a desvalorização do real deverá mostrar impactos mais claros no dinamismo das exportações apenas no ano que vem, de forma que as vendas para o exterior fiquem muito perto da estabilidade em 2013 quando comparadas ao ano anterior. Já as importações deverão continuar crescendo no ano (6,0%). Com isso a contribuição do setor externo no PIB será negativa em 0,8 ponto percentual em 2013. Economia próxima à estabilidade no terceiro trimestre Apesar da aparente melhora na composição e na velocidade de crescimento da economia, os Estimativa da CNI para o PIB Variação percentual e contribuição dos componentes do PIB 2013 Componentes do PIB Taxa de crescimento (%) Contribuição (p.p.) Ótica da demanda Consumo das famílias 1,9 1,2 Consumo do governo 1,5 0,3 FBKF 8,0 1,5 Exportações 0,0 0,0 (-) Importações 6,0 -0,8 Ótica da oferta Agropecuária 11,0 0,6 Indústria 1,4 0,4 Indústria extrativa -4,0 -0,2 Indústria de transformação 2,6 0,3 Construção civil 2,0 0,1 SIUP 2,2 0,1 Serviços 2,2 1,5 PIB pm 2,4 indicadores de atividade continuam apontando oscilações entre queda e crescimento mês a mês, o que é característico de baixo crescimento econômico. Com a divulgação dos poucos indicadores de atividade dos meses que compõem o terceiro trimestre – produção industrial, IBC-BR, confiança do empresário industrial e vendas do comércio –, não há evidências de continuação do mesmo ritmo de crescimento ocorrido no segundo trimestre. A CNI estima que a economia fique perto da estabilidade no terceiro trimestre (-0,3%) e volte a crescer no último trimestre de 2013 em ritmo semelhante ao do primeiro trimestre do ano, o que resultará em uma expansão de 2,4% do PIB em 2013.
  • 4. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 4 emprego e renda Sem espaços para quedas adicionais da taxa de desemprego Emprego e população economicamente ativa crescem no mesmo ritmo emprego e renda caracteriza o mercado de trabalho como inclusivo. O emprego sem carteira continua registrando recuos sucessivos na mesma base de comparação. Em julho a queda ficou em 5,6% na mesma base de comparação. A ocupação por conta própria passou a crescer, mas ainda em ritmo inferior ao do emprego com carteira. Com isso, o índice de formalização do mercado de trabalho mantém-se em trajetória de crescimento de forma quase que ininterrupta. Em julho esse indicador, que é calculado pela soma de empregos com carteira e regime estatutário sobre o total da ocupação, atingiu 62,7%, novo recorde desde o início da série histórica, em março de 2002. No entanto, o crescimento do emprego com carteira vem perdendo ritmo de expansão e ainda não mostrou sinais de reversão dessa tendência. Dados do Caged/MTE mostram uma desaceleração da criação de novas vagas em todo o Brasil. Após atingir 2,3 milhões de empregos no acumulado em 12 meses findos em agosto de 2010, a desaceleração do crescimento do emprego permaneceu até atingir 388 mil novas vagas em julho de 2013, também no acumulado em 12 meses. A criação de empregos nos serviços e na indústria (contemplando os quatro segmentos) também perdeu ritmo. Em agosto de 2010, foram criadas perto de 900 mil ocupações em cada setor no acumulado em 12 meses.Fonte: CAGED/MTE O ritmo de criação de empregos chegou ao seu pior momento em maio de 2013. Naquele mês, a variação do emprego na comparação com o mesmo mês do ano anterior foi de 0,1%, o que representou apenas 23 mil vagas criadas em 12 meses nas seis maiores regiões metropolitanas (PME/IBGE). A tendência de desaquecimento do mercado de trabalho, no entanto, foi interrompida recentemente. Nos meses de junho e julho, o emprego metropolitano voltou a intensificar o ritmo de crescimento e atingiu alta de 1,5% no último mês, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Esse crescimento representa 339 mil novos empregos gerados nos últimos 12 meses. Formalização do mercado de trabalho se mantém Mesmo em um mercado de trabalho pouco aquecido, a maior geração de empregos formais em detrimento dos informais continua ocorrendo. O emprego formal cresce na comparação anual há 45 meses seguidos. O emprego com carteira assinada do setor privado expandiu à taxa de 3,5% em julho na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Assim, o crescimento do emprego formal ocorre em ritmo acima da expansão da economia, o que Criação de empregos Acumulado em 12 meses (em milhares) Desaceleração do ritmo de crescimento do emprego ocorre para todos os setores da economia 0 500 1000 1500 2000 2500 ago/10 jan/11 jun/11 nov/11 abr/12 set/12 fev/13 jul/13 Indústria Serviços Total
  • 5. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 5 Importante mencionar que mesmo em um cenário de muita oscilação entre queda e crescimento da atividade industrial, não há qualquer sinal de movimento de demissão por parte da indústria. A estratégia de retenção de mão de obra qualificada é disseminada na indústria brasileira. Em julho, o emprego na indústria de transformação (Indicadores Industriais/CNI) cresceu 0,3% frente ao mês anterior e acumulou uma alta de 0,9% frente ao mesmo período do ano anterior. Taxa de desemprego fica estável em 2013 O contingente de população economicamente ativa (PEA) cresceu de forma constante do início de 2011 até agosto de 2012. Após esse período houve um aumento da procura por trabalho (aumento mais intenso da PEA), de forma que a PEA cresceu 1,5% em julho de 2013 frente ao mesmo mês do ano anterior. Com esse resultado, a PEA volta a evoluir junto com a ocupação. Se a PEA mantiver o crescimento próximo da ocupação – cenário utilizado pela CNI –, não haverá espaço para maiores quedas da taxa de desemprego. Haverá uma redução do índice ao longo do segundo semestre por motivos sazonais, mas a taxa de desemprego média do ano deverá ficar muito próxima do observado em 2012. Rendimento médio real não cresce como antes O rendimento médio real habitualmente recebido pelos trabalhadores (PME/ IBGE) cresceu de forma quase contínua na comparação com o mesmo mês do ano anterior desde 2010. No entanto, Rendimento médio real dos trabalhadores metropolitanos Em R$ - preços de julho de 2013 Queda por cinco meses consecutivos do rendimento médio real ocorreu em mais duas ocasiões (início de 2003 e início de 2009) Fonte: PME/IBGE 1.600 1.650 1.700 1.750 1.800 1.850 1.900 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 há sinais de mudança na dinâmica dessa variável. Com uma inflação mais alta, as negociações salariais não conseguem alcançar o mesmo êxito de antes. Balanço feito pelo Dieese aponta que no primeiro semestre de 2013, aproximadamente 85% das unidades de negociação coletiva analisadas conseguiram aumentos reais para os salários quando comparado ao INPC/ IBGE. Esse percentual é inferior ao observado em 2012 e em 2010 e é praticamente o mesmo do registrado em 2011. A perda de dinamismo é clara na evolução da renda real do trabalhador. Esse indicador recuou em julho pelo quinto mês consecutivo, na comparação com o mês anterior. Uma retração dessa forma só ocorreu em mais duas ocasiões desde o início da série histórica da PME, em março de 2002. A primeira foi no ano de 2003, período de turbulências politico- econômicas com a mudança de governo, quando o PIB cresceu apenas 1,1%. A segunda ocasião foi logo após a eclosão da crise internacional no Brasil (quase todo o primeiro semestre de 2009). Menor crescimento dos rendimentos freia consumo Se por um lado, não há expectativas de queda do consumo, por outro, também não há sinais de intensificação do ritmo de crescimento dos rendimentos médios reais. Esse comportamento alerta para uma evolução mais modesta do consumo, uma vez que o mercado de trabalho não mostra o mesmo dinamismo de antes e o endividamento das famílias se mantém alto para padrões históricos.
  • 6. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 6 Aperto monetário deve continuar nos próximos meses inflação, juros e crédito A inflação brasileira persistiu em alto patamar no terceiro trimestre. Em agosto, o IPCA alcançou um acumulado em 12 meses de 6,09%. Apesar da desacelera- ção (chegou a 6,70% a.a. em junho), a expectativa é de que esse movimento de queda seja mais ameno até o fim do ano. Quando observados os quatro grandes grupos do IPCA (preços administrados, de alimentos, de produtos industriais e de serviços) percebe-se que não há, de fato, um movimento de desaceleração em todos os grupos. Os principais responsáveis pelo alto pata- mar do IPCA continuam a ser os preços dos produtos alimentares e dos serviços. O acumulado em 12 meses dos produtos alimentares, em agosto, supera os 10%. Contudo, esse foi também o responsável pela desaceleração observada no IPCA, uma vez que o patamar atual é inferior ao observado em meses anteriores (em abril esse acumulado era de 14%). A ligeira queda no acumulado em 12 meses do grupo se deve a uma reversão no choque de preços observado no fim de 2012 e início deste ano, em função de problemas de safra. Esse movimento de desaceleração deve ser interrompido até o fim de 2013 por causa da pressão nos preços originada pelo câmbio mais des- valorizado do que no início do ano. Assim, o grupo tende a encerrar o ano com um acumulado pouco abaixo dos 10%. No sentido contrário, os preços dos produtos industriais mostram uma alta não usual. O acumulado em 12 meses do grupo supera os 4,6% desde junho, maior patamar desde 2008. A alta no acumulado em 12 meses do grupo, que era inferior a 2% no fim de 2012, se deu principalmente pela recomposição do IPI no preço dos automóveis. A recomposição ocorreu em janeiro e fevereiro deste ano, enquanto que a queda pelo mesmo motivo foi obser- vada em junho do ano passado (já fora do acumulado em 12 meses). Para os próximos meses, não há expecta- tiva de reversão nesse cenário, uma vez que o câmbio exerce impacto direto na evolução dos preços dos produtos indus- triais. A desvalorização cambial ocorrida em boa parte do trimestre tende a tornar a alta nesses preços acima do comporta- mento sazonal mensal, fazendo com que o acumulado no ano do grupo se sustente próximo aos 4,6%. O grupo de serviços continua a mostrar a inércia característica da evolução de seus preços: o acumulado em 12 meses do grupo alcançou 8,6% em agosto. A desace- leração que era esperada ao longo de 2013 não aconteceu: esse é o mesmo patamar do fim de 2012. A expectativa é de manu- tenção desse patamar até o fim do ano. O grupo dos preços administrados apre- senta desaceleração atípica. O acumulado em 12 meses do grupo é de 1,4% em agosto, taxa bastante inferior à do fim do ano passado (4,2%). Esse patamar está ancorado pela desoneração pontual no custo da energia elétrica e pelo “congela- mento” das tarifas de transporte público. Como comparação, se o IPCA não levasse em consideração os preços administrados, a inflação em agosto seria de 7,8%. IPCA dividido entre preços livres e administrados Acumulado em 12 meses (%) Preços administrados se descolam dos livres Preços administrados seguram IPCA dentro do limite superior da meta Fonte: IBGE - Elaboração: CNI 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 ago/09 abr/10 dez/10 ago/11 abr/12 dez/12 ago/13 Livres Administrados IPCA
  • 7. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 7 Para os próximos meses, a estimativa da CNI para esse grupo leva em conta dois componentes básicos: (i) reajustes já aprovados na energia elétrica em alguns estados e no Distrito Federal, e (ii) nenhum reajuste no preço dos combustíveis. Esse último se deve à impossibilidade de previsão, pois envolve questões políticas além de técnicas. Mesmo com aumentos na energia elétrica, o acumulado em 12 meses do grupo desacelerará ainda mais, terminando o ano próximo a 1%. Nesse cenário, a estimativa da CNI é de que o IPCA termine o ano em 5,8%. Caso haja ainda neste ano um aumento nos combustíveis de, por exemplo, 5%, o IPCA de 2013 iria a 6,0%. Movimento de alta na Selic continua nas próximas reuniões do Copom Com a inflação próxima ao limite superior da meta, o Copom restabeleceu em abril a política de aperto monetário via elevação na taxa básica de juros (Selic). Apesar do cenário de baixo crescimento econômico, a dificuldade na retração da inflação fez com que essa política fosse mantida no terceiro trimestre. Só em 2013 foram quatro altas consecutivas, elevando a Selic de 7,25% a.a. em abril para 9,00% a.a. em agosto. Esse cenário de alta deve continuar nos próximos meses. A inflação continuará se sustentando próximo as 6% a.a. e outros fatores contribuem para um cenário de atenção para a inflação (como a desvalori- zação cambial e a possibilidade de aumento no preço dos combustíveis). Assim, a CNI estima dois novos aumentos até o fim do ano, levando a Selic a 9,75% a.a. em novembro, e acumulando um aperto monetário de 2,50 p.p. na taxa básica de juros em 2013. Nesse cenário, e com a inflação de 5,8%, a taxa real de juros média do ano será de 1,9% a.a., inferior à observada no ano passado (3,1%). Taxas de juros dos empréstimos mostram tendência de alta A concessão de crédito está desaceleran- do em 2013. O saldo de crédito total da economia acumulado até julho é 16,5%, superior aos doze meses anteriores. Contudo, esse mesmo indicador chegou a mais de 20% em meados de 2011. É importante ressaltar que essa desace- leração não é exclusiva no crédito para pessoa física ou jurídica. Ambos apre- sentam indicador de expansão também próximos dos 16%, e em desaceleração. A própria desaceleração da economia e o alto endividamento das famílias contribuem para uma menor demanda por crédito. A possibilidade de normalização no cenário internacional, com reversão do fluxo de capitais para os EUA, torna a concessão de crédito mais cautelosa por parte das instituições financeiras. Outro fator que contribui para a menor expansão no crédito é a tendência de elevação nas taxas de juros. O movi- mento de alta na Selic já começa a ser percebido nas taxas ofertadas pelos bancos: em julho, a taxa média nas operações para pessoa física alcançou 25,1% a.a., contra 24,0% a.a. em maio. Para pessoa jurídica, a taxa passou de 13,5% a.a. para 14,4% a.a. no mesmo período. Uma vez que o movimento de alta na Selic tende a continuar até fim do ano, novas altas nas taxas de juros dos empréstimos e financiamentos ainda devem ser obser- vadas nos próximos meses. Saldo de operações de crédito Acumulado em 12 meses contra os 12 meses anteriores (%) Credito total desacelera no ano Fonte: Banco Central do Brasil 10 15 20 25 30 35 40 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 Total Pessoa jurídica Pessoa física
  • 8. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 8 política fiscal As despesas do Governo Federal não apresentaram alteração no ritmo de crescimento nos últimos meses. O aumento real de 6,0%, que havia sido observado entre janeiro e abril, foi mantido quando se considera o período entre janeiro e julho de 2013, na comparação com os mesmos meses de 2012. A expansão das despesas do Governo Federal caracteriza a continui- dade da política fiscal expansionista, particularmente quando comparado ao crescimento do PIB de 2,6% no primeiro semestre de 2013, com relação ao mesmo período de 2012. Chama atenção o aumento das despe- sas discricionárias, que elevaram seu ritmo de crescimento real para 10,0% nos primeiros sete meses do ano, o que indica a utilização da política fiscal como instrumento de estímulo da atividade econômica. Todavia, a maior parte desse crescimento ficou concentrada em gastos de custeio. Dentro do item outras despesas de custeio e capital, as despesas de custeio foram elevadas em 13,2% entre janeiro e julho de 2013. Já os investimentos (GND 4 do Sistema Integrado de Administração Financei- ra – SIAFI) tiveram queda de 2,7% na mesma base de comparação. Com relação às despesas dos estados e municípios, observou-se uma forte aceleração no ritmo de crescimento. O gasto total, que registrou aumento real de 2,3% entre janeiro e maio de 2013, passou a mostrar crescimento real de 7,8% quando considerados os sete primeiros meses do ano. Pelo lado da arrecadação, o Governo Federal registrou aumento real de 2,1% de suas receitas líquidas entre janeiro e julho de 2013, na comparação com o mesmo período de 2012. Esse resultado mostra aceleração se comparado ao crescimento real de 0,8% dos cinco primeiros meses de 2013. O aumento no ritmo é explicado pelo crescimento da atividade industrial e pela venda de bens e serviços em junho, que refletiu na elevação da arrecadação, em julho, de impostos e contribuições. Por outro lado, as receitas dos es- tados e municípios mostraram forte redução no seu ritmo de crescimento real nos últimos meses. A expansão da arrecadação, que era de 0,6% até abril, agora apresenta queda de 4,6% quando considerados os sete primeiros meses de 2013, com relação ao mesmo período de 2012. Essa queda é resultado da desaceleração das transferências recebidas pela União e da leve queda na arrecadação do ICMS e em outras fontes de receita. No Governo Federal, a evolução das receitas e despesas nos sete primeiros meses de 2013 provocou queda no re- sultado primário estrutural – que exclui fatores atípicos, como o Fundo Sobe- rano do Brasil – no acumulado em 12 meses de 1,5% em dezembro de 2012 para 1,2% do PIB, em julho de 2013. Para os estados e municípios, a expres- siva queda no ritmo de crescimento das receitas aliado à forte aceleração Superávit primário do setor público consolidado e por níveis de governo Em relação ao PIB nos últimos 12 meses (%) Resultado primário do setor público se reduziu em mais de 0,3 ponto percentual do PIB entre dez/12 e jul/13 Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: CNI Superávit primário segue distante da meta Despesas dos governos regionais têm forte aceleração (%doPIB) 0 1 2 3 4 dez/11 jun/12 dez/12 jun/13 Setor Público Total Governo Federal Governos Regionais
  • 9. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 9 das despesas resultou em um superávit de 0,45% do PIB, distante da meta de 0,95% do PIB estipulado pelo Governo Federal. Dessa forma, o superávit primá- rio do setor público consolidado caiu de 2,0% do PIB em dezembro de 2012 para 1,6% do PIB em julho de 2013. A redução do superávit primário fez com que o déficit nominal acumulado nos últimos 12 meses subisse de 2,8% em dezembro de 2012, para 3,3% do PIB em julho de 2013. No entanto, a elevação no déficit nominal não se converteu em aumento da relação Dívida Líquida/PIB em função da desvalorização da taxa de câmbio. O ajuste nas dívidas interna e ex- terna levou a Dívida Líquida/PIB a cair de 35,2% em dezembro de 2012 para 34,1% em julho de 2013. Por sua vez, a relação Dívida Bruta/PIB continua em expansão e atingiu 59,4% em julho, contra os 58,7% registrados em dezembro de 2012. Contingenciamento tímido mantém meta de superávit primário distante A política fiscal deve manter-se expansionista nos próximos meses. A expectativa é que o Governo Federal acelere o ritmo de crescimento das despesas para 7,3%, em termos reais, em 2013, caso não seja anunciado novo contingenciamento. Com relação às receitas, a CNI pre- vê expansão maior que a verificada até julho. Apesar do menor ritmo de crescimento da arrecadação de alguns impostos em função de desonerações tributárias, a projeção de aumento nas receitas não administradas pela RFB deve aumentar a receita líquida do Governo Federal, em termos reais, para 4,9% em 2013. Nesse cenário, o supe- rávit primário estimado para o Governo Federal e suas estatais em 2013 é de R$ 63,7 bilhões (1,3% do PIB). Nesse cenário, o superávit primário do setor público consolidado previsto pela CNI é de R$ 82,8 bilhões (1,7% do PIB). Esse resultado ficaria abaixo da meta ajustada – considerando os abatimentos – de R$ 110,9 bilhões ou 2,3% do PIB. O resultado esperado para o superávit primário significa uma forte queda em re- lação ao resultado de 2011 (3,1% do PIB) e 2012 (2,4% do PIB). Essa queda, aliada à expectativa de pequeno crescimento nas despesas com juros – que devem passar de 4,9% em 2012, para 5,0% do PIB em 2013 – deve elevar o déficit nominal para 3,3% do PIB. A elevação no déficit nominal não deve provocar aumentos na relação Dívida/PIB em função dos efeitos da desvalorização da taxa de câmbio nos ajustes cambiais nas dívidas interna e externa. Dessa for- ma, a CNI projeta queda da relação Dívida Líquida/PIB de 35,2%, em dezembro de 2012, para 34,8% em dezembro de 2013. Evolução da Dívida Líquida do Setor Público Em relação ao PIB (%) Endividamento público com relação ao PIB deve cair pelo quarto ano consecutivo em 2013 Fonte: Banco Central do Brasil * Previsão CNI Para os estados e municípios, o comportamento das despesas e das receitas sinaliza mais uma vez o descumprimento das determinações da Lei de Responsabilidade Fiscal. O resultado primário nos governos regionais deve apresentar leve piora em relação ao registrado até julho, atingindo apenas R$ 16,9 bilhões (0,4% do PIB) até o fim do ano, valor muito abaixo do estipulado pelo Governo Federal (R$ 47,8 bilhões). Na busca de atingir a meta fiscal, o Governo Federal anunciou um contingenciamento adicional de R$ 4,4 bilhões de despesas discricionárias. Essa nova restrição nas despesas autorizadas no Orçamento é insuficiente e inviabiliza o alcance da meta de superávit primário, ainda que sejam considerados os abatimentos de R$ 45 bilhões autorizados pela Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2013. 30 40 50 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013*
  • 10. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 10 Saldo comercial fica próximo de zero em 2013 Necessidade de financiamento externo aumenta setor externo e câmbio Câmbio reverte trajetória no fim do trimestre A taxa de câmbio no terceiro trimestre de 2013 mostra duas trajetórias distintas. Uma iniciada ainda em maio que se manteve até o dia 22 de agosto e outra a partir desta data. Entre os dias 14 de maio e 22 de agosto, o real desvalorizou 18% frente ao dólar. Desta data até o dia 20 de setembro, ou seja, em menos de um mês, a moeda voltou a valorizar 9,8%. As possíveis mudanças na política monetária americana são a grande responsável pela trajetória recente na taxa de câmbio. No início do segundo semestre, foi dada como certa a retirada dos estímulos monetários à economia americana a partir de setembro. Isso provocou valorização não somente da moeda brasileira como também de diversas outras moedas, sobretudo de países emergentes. A inexistência de uma definição pelo FED, o banco central americano, em relação a sua política monetária, também gerou bastante incerteza e oscilações nas cotações dessas moedas durante esse período. No Brasil, o rápido aumento do déficit externo e a elevação da incerteza dos agentes econômicos com relação ao crescimento da economia motivaram a valorização da moeda brasileira mais intensa do que a de outros países. Contudo, no dia 22 de agosto, após a cotação real/dólar atingir o maior valor desde 2008 (R$ 2,44/US$), o Banco Central (BC) anunciou que passaria a realizar leilões diários de venda de dólares até o fim do ano, podendo injetar no período até US$ 60 bilhões. Até então, o BC tinha feito uma série de intervenções esporádicas com pouco sucesso. Além disso, a ausência de sinais claros de recuperação da economia americana fez com que as apostas até então vigentes de uma interrupção dos estímulos monetários em setembro se reduzissem. Com a concretização desse novo cenário (em 18 de setembro o FED anunciou que não iria interromper o pacote de estímulos antes de “maiores evidências” de crescimento da economia americana), o real intensificou a valorização. O real deverá manter trajetória de valorização provisoriamente, sem retornar aos patamares do início do ano, enquanto o mercado ajusta suas expectativas quanto ao mercado americano. Todavia, a tendência da moeda brasileira é de desvalorização. . Projetamos uma taxa de câmbio de R$ 2,23/US$ para dezembro e R$ 2,14/US$ para a média de 2013. Contudo, caso o Banco Central reduza ou interrompa os leilões de vendas diários iniciados em agosto, a taxa de câmbio se tornará mais volátil e uma desvalorização adicional poderá se verificar. Exportações devem ficar abaixo do registrado em 2012 As exportações brasileiras totalizaram, em agosto, US$ 238,6 bilhões no acumulado em 12 meses, uma queda de 4,5% na comparação com o acumulado em 12 meses até agosto de 2012. Após longa trajetória de queda, Taxa de Câmbio Real / Dólar Cotações de Fechamento Ptax (R$/US$) Câmbio reverte trajetória de valorização do segundo trimestre Fonte: Banco Central do Brasil 1,80 1,90 2,00 2,10 2,20 2,30 2,40 2,50 2,60 02/jan/13 02/mar/13 02/mai/13 02/jul/13 02/set/13
  • 11. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 11 iniciada em abril de 2012, o valor exportado acumulado em 12 meses vem experimentando alguma estabilidade, mantendo-se pouco abaixo de U$240 bilhões desde março deste ano. As importações, por outro lado, mantêm trajetória de alta desde o início de 2013. Essas totalizaram em agosto US$ 236,1 bilhões em 12 meses, um crescimento de 4% na comparação com o acumulado em 12 meses até agosto de 2012. No mesmo período, o saldo comercial recuou de US$ 22,9 bilhões para US$ 2,5 bilhões, uma queda de 89%. Se mesmo com a desvalorização do câmbio durante o segundo trimestre as exportações brasileiras continuaram a mostrar pouco fôlego, a retomada – ainda que provisória – de uma trajetória de valorização não melhora o quadro de curto prazo. Mesmo ocorrendo uma reversão e a taxa de câmbio real/ dólar volte a superar R$ 2,30/US$ ou mesmo R$ 2,35/US$, a oscilação da taxa de câmbio gera considerável incerteza, o que dificulta a precificação das exportações e a definição de investimentos necessários no esforço exportador. Além disso, os problemas de competitividade e o cenário externo adverso não serão revertidos no curto prazo. Dessa forma, as exportações não irão mostrar recuperação e deverão ficar abaixo do registrado em 2012, totalizando US$ 240,5 bilhões em dezembro de 2013. As importações seguem em crescimento, respondendo ao novo patamar do câmbio que é mais valorizado que em anos anteriores. As importações alcançarão, ao fim de 2013, US$ 238,8 bilhões, valor 7,0% maior que o registrado em 2012. Com isso, o saldo comercial de 2013 será de apenas US$ 1,7 bilhão, contra US$ 19,4 bilhões em 2012. Necessidade de financiamento externo Em relação ao PIB nos 12 meses anteriores (%) A necessidade de financiamento externo segue crescendo Déficit em transações correntes cresce em proporção do PIB No acumulado em 12 meses até julho de 2013, o déficit em transações correntes alcançou US$ 77,7 bilhões, cifra 49,8% maior que o registrado em 12 meses até julho de 2012 (déficit de US$ 51,9 bilhões). No período, o déficit externo passou de 2,18% do PIB para 3,39% do PIB. A maior parte do crescimento do déficit (74%) se deve à queda do superávit comercial no mesmo período, que recuou de US$ 25,8 bilhões para US$ 4,5 bilhões. O déficit de serviços e rendas aumentou de US$ 78,4 bilhões para US$ 85,1 bilhões e contribuiu com os 26% restantes do crescimento do déficit em transações correntes. No mesmo período, o investimento estrangeiro direto (IED) recuou 6%. O IED alcançou US$ 62,3 bilhões no fim de julho de 2013 ante os US$ 66,3 em 12 meses até julho de 2012. A necessidade de financiamento externo (NFE), ou seja, a diferença entre o saldo em transações correntes e o investimento estrangeiro direto, que era negativa até fevereiro deste ano, se tornou positiva e desde então cresce rapidamente. Em janeiro de 2013, a NFE era negativa em 0,22% do PIB. Em julho de 2013, a NFE alcançou 0,67% do PIB. O déficit em transações correntes deverá manter-se em crescimento até o fim de 2013. A conta de serviços responde pouco à valorização do real ocorrida no primeiro semestre e a recente reversão da tendência da taxa de câmbio pode dar novo impulso às despesas, sobretudo de viagens internacionais. O saldo comercial pouco contribuirá para deter o ritmo de piora, com o saldo em 12 meses pouco alterando até o fim do ano. Assim, o déficit em transações correntes deverá alcançar novo valor recorde em 2013: US$79,6 bilhões (3,57% do PIB), um crescimento de 45,2% em relação ao ano anterior. Fonte: Banco Central do Brasil -0,62 0,67 -0,80 -0,60 -0,40 -0,20 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13
  • 12. Ano 29, n. 03, julho/setembro de 2013 INFORME CONJUNTURAL | Publicação trimestral da Confederação Nacional da Indústria - CNI | Gerência Executiva de Política Econômica | Gerente executivo: Flávio Castelo Branco | Equipe técnica: Danilo César Cascaldi Garcia, Fábio Bandeira Guerra, Isabel Mendes de Faria, Marcelo de Ávila, Marcelo Souza Azevedo e Mário Sérgio Carraro Telles | Informações técnicas: (61) 3317-9468 | Supervisão gráfica: DIRCOM | Impressão e acabamento: Reprografia Sistema Indústria | Normalização bibliográfica: ASCORP/GEDIN | Assinaturas: Serviço de Atentimento ao Cliente SAC: (61) 3317-9989 - sac@cni.org.br SBN Quadra 01 Bloco C Ed. Roberto Simonsen Brasília, DF - CEP: 70040-903 www.cni.org.br. | Autorizada a reprodução desde que citada a fonte. Documento elaborado em 20 de setembro de 2013. perspectivas da economia brasileira 2011 2012 2013 projeção anterior (junho/13) 2013 (projeção) Atividade econômica PIB (variação anual) 2,7% 0,9% 2,0% 2,4% PIB industrial (variação anual) 1,6% -0,8% 1,0% 1,4% Consumo das famílias (variação anual) 4,1% 3,1% 2,3% 1,9% Formação bruta de capital fixo (variação anual) 4,7% -4,0% 5,1% 8,0% Taxa de Desemprego (média anual - % da PEA) 6,0% 5,5% 5,3% 5,1% Inflação Inflação (IPCA - variação anual) 6,5% 5,8% 6,0% 5,8% Taxa de juros Taxa nominal de juros (taxa média do ano) 11,76% 8,63% 8,25% 8,27% (fim do ano) 11,00% 7,25% 9,50% 9,75% Taxa real de juros (taxa média anual e defl: IPCA) 4,8% 3,1% 1,7% 1,9% Contas públicas Déficit público nominal (% do PIB) 2,61% 2,47% 3,40% 3,30% Superávit público primário (% do PIB) 3,11% 2,38% 1,50% 1,70% Dívida pública líquida (% do PIB) 36,4% 35,2% 34,9% 34,8% Taxa de câmbio Taxa nominal de câmbio - R$/US$ (média de dezembro) 1,83 2,08 2,18 2,23 (média do ano) 1,67 1,95 2,10 2,14 Setor externo Exportações (US$ bilhões) 256,0 242,6 249,3 240,5 Importações (US$ bilhões) 226,2 223,2 240,1 238,8 Saldo comercial (US$ bilhões) 29,8 19,4 9,2 1,7 Saldo em conta corrente (US$ bilhões) -52,5 -54,2 -74,3 -79,6