SlideShare uma empresa Scribd logo
Gota e Pseudogota
   Leonardo C M Savassi




                   James Gillray
Objetivos de Hoje

• Conceitos

• Prevenção

• Diagnóstico

• Tratamento
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Gota e da
              Pseudogota na APS
Definição

Gota e pseudogota fazem parte de um grupo de doenças
caracterizadas pelo depósito de cristais em vários tecidos,
cursando com artrite quando estes ocorrem em sítios
articulares.

Cristais de urato levam a gota – e de cálcio a pseudogota.
 Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
 Leonardo Cançado Monteiro Savassi
 Universidade Federal de Ouro Preto      Savassi; Thomaz; Savassi, 2009
Abordagem da Gota na APS
Incidência e prevalência:

• 1% da população adulta EEUU
• 1,4% da população UK
• Incidência real pode chegar a mais de 8%
   • natureza episódica = subdiagnósticos / não procura
• A artrite inflamatória mais comum em homens.
• H 40 e 50 anos/ M pós-menopausa

Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi                     Saag & Choi 2006.
Universidade Federal de Ouro Preto                    Mikuls et al 2005.
Abordagem da Gota na APS
Fatores de risco:

• níveis de urato plasmático:
    • Fator isolado mais importante;
    • Níveis > 6 mg/dl ↑ 1,3 vezes a chance de crises;
    • MAS de 10% ocidentais com hiperuricemia, 0,5% tem
    gota;
    • MAS há casos de artrite gotosa com urato normal (7
    mg/100mL em homens /-/ 6 mg/100mL na mulher)
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
                                        Jordan et al 2007;
Leonardo Cançado Monteiro Savassi       Halpern et al 2009;
Universidade Federal de Ouro Preto      Contran; Collins; Kumar; 2000
Abordagem da Gota na APS
Fatores de risco:

• hábitos de vida:
   • consumo de álcool (cevada, ricos em purinas)
   • obesidade
   • hipertensão arterial sistêmica
   • dislipidemia

Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
                                             Saag & Choi 2006.
Abordagem da Gota na APS
Prevenção primária:
Dieta (homens):
•RR multivariado para homens no quintil I vs. Quintil V
    •    Para carne: 1,41 (IC 1,07-1,86)
    •    Para frutos do mar foi 1,51 (1,17-1,95)
    •    Não há correção significativa para purinas de origem vegetal
         (Nível III).




 Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
 Leonardo Cançado Monteiro Savassi
 Universidade Federal de Ouro Preto                      Choi et al; 2004
Abordagem da Gota na APS
Prevenção primária:
Consumo de vitamina C (homens):
• Comparados com ingesta de vitamina C < 250 mg/dia:
    • RR 0,83 (0,71-0,97) p/ consumo de 500 a 999 mg/dia
    • RR 0,66 (0,52-0,86) p/ consumo de 1000-1499 mg /dia diários,
    • RR 0,55 (0,38-0,80) para 1500 mg ou mais.
• redução do RA:
    • 27/ 100.000 casos p/ consumo de 500 a 999 mg /dia
    • 51/ 100.000 casos p/ consumo de 1000-1499 mg /dia
    • 69 / 100.000 casos p/ consumo de 1500 ou mais
 Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
 Leonardo Cançado Monteiro Savassi
 Universidade Federal de Ouro Preto            Choi; Gao; Curhan; 2009
Abordagem da Gota na APS
Prevenção primária:
Suplementação vs. homens que não usam vitamina C:
   • RR 0,66 (0,49-0,88) para suplemento 1000-1499 mg/dia
   • RR 0,55 mg (0,36-0,86) para 1500 ou mais por dia.




Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto           Choi; Gao; Curhan; 2009
Abordagem da Gota na APS
Prevenção primária:
Consumo de álcool vs. Homens que não bebem:
   • RR 1,32 (0,99 -1,75) para consumo de 10,0 -14,9 g/dia,
   • RR 1,49 (1,14 -1,94) para consumo de 15,0 -29,9 g/dia,
   • RR 1,96 (1,48-60,2) para consumo de 30,0 -49,9 g/dia
   • RR 2,53 (1,73-70,3) para consumo ≥ 50g/dia.

   • Cerveja RR por 12 doses diárias de 1,49, (1,32 -1,70).
   • Bebidas em geral RR por dose diária 1,15, (1,04 -1,28).
   • Vinho RR por 4 doses por dia 1,04; 0,88 -1,22).
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto                       Choi et al; 2004
Abordagem da Gota na APS
Prevenção primária:
Consumo de álcool vs. Homens que não bebem:
Níveis de urato sérico aumentam com maior ingestão de
cerveja ou licor, mas não com a ingestão de vinho.
Mesmo com ajuste de doses e outros fatores de risco
incluindo alimentares, as associações foram atenuadas,
mas continuaram significativas para a cerveja ou licor, mas
não para vinho 0,04 mg/dl

Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto            Choi; Curhan; 2004
Abordagem da Gota na APS
Prevenção primária:
consumo de refrigerantes açucarados vs. consumo < 1
porção bebida não alcoólicas com açúcar por mês:,
   • RR de 1,29 (1,00-1,68) por 5-6 porções semanais;
   • RR de 1,45 (1,02-2,08) para uma porção diária;
   • RR de 1,85 (1,08-3,16) para 2 ou mais porções diárias.

Refrigerantes dietéticos não associados com risco de gota.


Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto                            Choi; 2004
Abordagem da Gota na APS
Classificação da Gota:
A forma primária: 90% dos casos. Maioria é idiopática, sendo
de herança multifatorial, associadas à produção excessiva de
ácido úrico ou pela produção normal + eliminação insuficiente.

A forma secundária: 10% dos casos. > metabolismo purinas:
   • Doenças (linfo e mieloproliferativas, mieloma múltiplo, na. hemolítica
   e outras hemólises crônicas, policitemia, psoríase),
   • Doenças renais crônicas capazes de ↓ excreção do ác. úrico (como a
   nefropatia adquirida, acidose).
   • Drogas (aspirina, diuréticos, ácido nicotínico, etanol)
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Gota na APS
Quadro Clínico da Gota:
• A gota raramente aparece com menos de 20 anos de
hiperuricêmica assintomática. Kishnan, 2006
• O paciente terá um surto inicial de gota com ataque
agudo extremamente doloroso, na maioria das vezes
monoarticular, e sintomas gerais leves.
• A crise pode ocorrer, porém com níveis de urato dentro
da normalidade ocorre entre 20 e 43% das vezes.
                                        Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003.
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS   Park et al; 2003.
Leonardo Cançado Monteiro Savassi       Logan; Morrison; McGill. 1997.
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Gota na APS
Quadro Clínico da Gota:

• hiperuricemia assintomática
• artrite gotosa aguda
• gota intercrítica
• gota tofácea crônica


Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto      Savassi; Thomaz; Savassi, 2009
Abordagem da Gota na APS
Diagnóstico:
• Diagnóstico de certeza: cristais de urato, em forma de
agulha, dentro de leucócitos no liquido sinovial.
                                                                Dore, 2008

•Na APS, as condições p/ realização não são favoráveis:
     • os profissionais não estão treinados para tal.
     • o tempo de consulta e a demanda não favorecem a realização.
     • a análise deve ser imediata.
     • infra-estrutura inadequada: exige esterilidade no ambiente de
     punção.
     • exame invasivo.
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
     • risco de artrite séptica iatrogênica.
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
                                                  Savassi; Thomaz; Savassi, 2009
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Gota na APS
Diagnóstico:
 Urato Sérico: solicitar na crise
• parâmetro para reavaliação (2 semanas).
Pacientes podem ter níveis normais durante a crise, mas
↑ urato sérico após a crise é forte preditor da doença;
                                                         Urano, 2002
• prognóstico na recorrência das crises de gota.
↓ urato = ↓risco de ataques recorrentes com uma razão
de chances de 0,22 (IC 95% 0.10-0,47).
• valores séricos médios de ácido úrico relacionados a
crise são de 7,01 mg /dl e para não-crise 6,36 mg /dl;
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto   Shoji , Yamanaka, Kamatani, 2004
Abordagem da Gota na APS
Diagnóstico:
• Exames de imagem não são diagnósticos.
    • achados ao RX = artrites inflamatórias . Pode ser útil
    na gota tofácea.
    • Outros exames em situações específicas –como
    apresentação poliarticular sugestiva de outras doenças
                                                Bussières et al, 2008
    – e não substituem a punção articular
• Tratamento de prova com colchicina se não acesso a
exames = melhora rápida dos sintomas (dor e inflamação).
A rápida resposta pode ser considerada diagnóstica.
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto       Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003
Critérios da American Reumathology Association para gota:
Presença de um dos seguintes critérios:
1 - cristais de urato monossódico em líquido sinovial
2 - Tofos confirmados, com cristais na articulação
3 - Pelo menos seis dos seguintes achados:
       a - inchaço assimétrico dentro de uma articulação em uma radiografia
       b - Primeira articulação metatarsofalangiana sensível ou inchada (podagra)
       c - Hiperuricemia
       d - inflamação máxima desenvolvida dentro de um dia
       e - Ataque Monoarticular
       f - Mais de um ataque articular agudo
       g - Vermelhidão observada sobre as articulações
       h- Cistos subcorticais, sem erosões à radiografia
       i - Tofos suspeitos
       j - Cultura do líquido sinovial negativa para os organismos durante um ataque agudo
       k - Ataque unilateral da articulação metatarsofalangeana
       l - Ataque unilateral tarsal
  Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
  Leonardo Cançado Monteiro Savassi
                                                                          Wallace et al. 1977
  Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Gota na APS
Tratamento:
 Hiperuricemia assintomática
•Caracterizada pela ausência de sintomas da
hiperuricemia, e apenas achados laboratoriais.
•Cerca de 10% dos indivíduos com hiperuricemia
desenvolverão ataques agudos.
•Não tratar!
•O rientações dietéticas visando a perda de peso, redução
da ingestão de álcool, tratamento da HAS e dislipidemia
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto      Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003
Abordagem da Gota na APS
Tratamento:
 Crise Aguda:
• antiinflamatórios não-esteróides = amenizar inflamação,
aliviar dor. Indometacina, naproxeno, ibuprofeno VO.

•Colchicina = eficaz para a redução da dor e dos sintomas
na crises agudas de gota; toxicidade limita sua utilidade
                                        Schlesinger et al; 2006 [Cochrane]
• não há superioridade de nenhum tratamento; escassez
de evidências no tratamento da gota aguda
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS   Sutaria; Katbamna; Underwood; 2006
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Gota na APS
Tratamento:
 Gota intercrítica:

• Dieta: hipocalórica para obesos, menor ingesta de
purinas animais/ frutos do mar, evitar alcool/ cevada

• casos em que o paciente consegue até mesmo prever a
crise, através de sinais, sintomas ou atitudes
desencadeadoras: início precoce de colchicina.
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto      Sutaria; Katbamna; Underwood; 2006
Abordagem da Gota na APS
Tratamento:
 Artrite gotosa crônica:
• Alopurinol (300 mg/dia)            Nível II; Metaanálise Cochrane em andamento


• uricosúricos: Maior utilidade se uricosúria inferior a 800
mg/dia: probenecida (cp 500 mg BID), silfinpirazona (100
a 800 mg/dia) ou benzobromarona (50 a 100 mg/dia).
                                           Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003

•Febuxostat: nova droga para o controle da hiperuricemia.
Estudos randomizados (Nível II); protocolo de avaliação,
através de Metaanálise Cochrane em andamento.
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi          Schumacher; Becker; Wortmann; 2008
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Pseudogota na APS
 • Evidências científicas modestas
 • depósito de cristais de pirofosfato de cálcio
 • incidência > com idade, início próximo 50a/ pico aos 85a.
 • presença de cristais de cálcio na articulação, sem
 processo inflamatório articular = condrocalcinose
 • maioria dos casos, assintomática.
 •pode cursar com artrite aguda, subaguda ou crônica, o
 que dificulta o diagnóstico diferencial com osteoartrite e
 artrite reumatóide.
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Pseudogota na APS
Três grupos:
• Esporádica (idiopática)
• Hereditária : surgimento precoce dos cristais (antes dos
50 anos), associados a uma osteoartrite intensa.
• Secundária: após algum distúrbio: lesão articular
anterior, hiperparatireoidismo, hemocromatose,
hipomagnesemia, hipotireoidismo, diabetes,
debridamento articular                  Pasquetti 2004
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Pseudogota na APS
Diagnóstico:
• radiologia, mostrando depósitos dos cristais nas
articulações.
• diagnóstico de certeza é realizado pela aspiração e
análise do líquido sinovial com pesquisa de cristais por
microscopia de luz polarizada.



Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Abordagem da Pseudogota na APS
Tratamento:
medidas de apoio, não há terapia que impeça ou retarde
a formação dos cristais de pirofosfato de cálcio.
 Na fase aguda da doença, antiinflamatórios e
sintomáticos. Pode-se usar AINEs e injeções intra-
articulares de CTC. A colchicina pode ser uma opção.
 As formas crônicas são tratadas como na osteoartrite:
 analgésicos, AINEs, exercícios para aumentar a motilidade
 articular e a força muscular.
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto
Obrigado!

Leonardo C M Savassi
leosavassi@gmail.com
http://sites.google.com/site/leosavassi
Abordagem da Gota e Pseudogota na APS
Leonardo Cançado Monteiro Savassi
Universidade Federal de Ouro Preto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Anemias
AnemiasAnemias
Anemias
Marcos Vô
 
Cirrose
CirroseCirrose
Cirrose
Déa Pereira
 
Osteoporose
Osteoporose Osteoporose
Osteoporose
Renan Malaquias
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal
Jucie Vasconcelos
 
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
Laboratório Sérgio Franco
 
Diagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - AnemiasDiagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - Anemias
SEMUSA
 
2 anemias - visão geral
2  anemias - visão geral2  anemias - visão geral
2 anemias - visão geral
Francismar Prestes Leal
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
blogped1
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
André Cipriano
 
LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016
LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016
LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016
Liliana Mendes
 
2 Anemias - Visão Geral
2  Anemias - Visão Geral2  Anemias - Visão Geral
2 Anemias - Visão Geral
Francismar Prestes Leal
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
HIAGO SANTOS
 
Hemograma+ +31.07.10
Hemograma+ +31.07.10Hemograma+ +31.07.10
Hemograma+ +31.07.10
Adilson Alves Senne
 
Doença reumatóide
Doença reumatóide Doença reumatóide
Doença reumatóide
pauloalambert
 
Trabalho anemia
Trabalho anemiaTrabalho anemia
Trabalho anemia
Allison Azevedo
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
Jucie Vasconcelos
 
Sindrome uremica trabalho.corrigido
Sindrome uremica trabalho.corrigidoSindrome uremica trabalho.corrigido
Sindrome uremica trabalho.corrigido
janinemagalhaes
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
João Marcos
 
Escorbuto e beriberi
Escorbuto e beriberiEscorbuto e beriberi
Escorbuto e beriberi
Victor Said
 

Mais procurados (20)

Anemias
AnemiasAnemias
Anemias
 
Cirrose
CirroseCirrose
Cirrose
 
Osteoporose
Osteoporose Osteoporose
Osteoporose
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal Aula Litíase Renal
Aula Litíase Renal
 
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
 
Diagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - AnemiasDiagnóstico Laboratorial - Anemias
Diagnóstico Laboratorial - Anemias
 
2 anemias - visão geral
2  anemias - visão geral2  anemias - visão geral
2 anemias - visão geral
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
 
LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016
LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016
LILIANA MENDES CIRROSE HEPÁTICA E SUAS COMPLICAÇÕES JOVEM GASTRO DF 2016
 
2 Anemias - Visão Geral
2  Anemias - Visão Geral2  Anemias - Visão Geral
2 Anemias - Visão Geral
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Hemograma+ +31.07.10
Hemograma+ +31.07.10Hemograma+ +31.07.10
Hemograma+ +31.07.10
 
Doença reumatóide
Doença reumatóide Doença reumatóide
Doença reumatóide
 
Trabalho anemia
Trabalho anemiaTrabalho anemia
Trabalho anemia
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
 
Sindrome uremica trabalho.corrigido
Sindrome uremica trabalho.corrigidoSindrome uremica trabalho.corrigido
Sindrome uremica trabalho.corrigido
 
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
Escorbuto e beriberi
Escorbuto e beriberiEscorbuto e beriberi
Escorbuto e beriberi
 

Destaque

Seudogota
SeudogotaSeudogota
Enfermedad por deposito de cristales
Enfermedad por deposito de cristalesEnfermedad por deposito de cristales
Enfermedad por deposito de cristales
Kenya Marburg
 
Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)
Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)
Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)
limonera15
 
Artritis por depósito de cristales
Artritis por depósito de cristalesArtritis por depósito de cristales
Artritis por depósito de cristales
EsLi Contreras
 
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevençãoGota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
Katherine Stübbe
 
GOTA
GOTAGOTA
Pseudogota
PseudogotaPseudogota
Pseudogota
Ivan Vidal
 
Gota artrose slide pronto copia
Gota artrose slide pronto   copiaGota artrose slide pronto   copia
Gota artrose slide pronto copia
Marciane Missio
 
Reumatologia - Gota
Reumatologia - GotaReumatologia - Gota
Reumatologia - Gota
Venilson Serafim
 
Gota Úrica
Gota ÚricaGota Úrica
Gota Úrica
filipejose
 
HCM - Reumatologia - Artropatia Por Cristales
HCM - Reumatologia - Artropatia Por CristalesHCM - Reumatologia - Artropatia Por Cristales
HCM - Reumatologia - Artropatia Por Cristales
Carmelo Gallardo
 
Gota
GotaGota
Seminario Artropatías por Microcristales
Seminario Artropatías por MicrocristalesSeminario Artropatías por Microcristales
Seminario Artropatías por Microcristales
Alonso Custodio
 
Gota
GotaGota
Anemia completo
Anemia completoAnemia completo
Anemia completo
MarryFts
 
Artropatia por cristales
Artropatia por cristalesArtropatia por cristales
Artropatia por cristales
Ars han
 
Condrocalcinosis
CondrocalcinosisCondrocalcinosis
Condrocalcinosis
Mi rincón de Medicina
 
Artritis y artrosis clinicas 4 my doc
Artritis y artrosis clinicas 4 my docArtritis y artrosis clinicas 4 my doc
Artritis y artrosis clinicas 4 my doc
Habibi Mijares
 
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblasticaAnemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Luis Dantas
 
Artropatia por cristales y gota ok
Artropatia por cristales y gota okArtropatia por cristales y gota ok
Artropatia por cristales y gota ok
eddynoy velasquez
 

Destaque (20)

Seudogota
SeudogotaSeudogota
Seudogota
 
Enfermedad por deposito de cristales
Enfermedad por deposito de cristalesEnfermedad por deposito de cristales
Enfermedad por deposito de cristales
 
Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)
Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)
Artropatía por microcristales (Gota, Pseudogota)
 
Artritis por depósito de cristales
Artritis por depósito de cristalesArtritis por depósito de cristales
Artritis por depósito de cristales
 
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevençãoGota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
 
GOTA
GOTAGOTA
GOTA
 
Pseudogota
PseudogotaPseudogota
Pseudogota
 
Gota artrose slide pronto copia
Gota artrose slide pronto   copiaGota artrose slide pronto   copia
Gota artrose slide pronto copia
 
Reumatologia - Gota
Reumatologia - GotaReumatologia - Gota
Reumatologia - Gota
 
Gota Úrica
Gota ÚricaGota Úrica
Gota Úrica
 
HCM - Reumatologia - Artropatia Por Cristales
HCM - Reumatologia - Artropatia Por CristalesHCM - Reumatologia - Artropatia Por Cristales
HCM - Reumatologia - Artropatia Por Cristales
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Seminario Artropatías por Microcristales
Seminario Artropatías por MicrocristalesSeminario Artropatías por Microcristales
Seminario Artropatías por Microcristales
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Anemia completo
Anemia completoAnemia completo
Anemia completo
 
Artropatia por cristales
Artropatia por cristalesArtropatia por cristales
Artropatia por cristales
 
Condrocalcinosis
CondrocalcinosisCondrocalcinosis
Condrocalcinosis
 
Artritis y artrosis clinicas 4 my doc
Artritis y artrosis clinicas 4 my docArtritis y artrosis clinicas 4 my doc
Artritis y artrosis clinicas 4 my doc
 
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblasticaAnemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
Anemias Nutricionais: Anemias ferropriva, talassemica e sideroblastica
 
Artropatia por cristales y gota ok
Artropatia por cristales y gota okArtropatia por cristales y gota ok
Artropatia por cristales y gota ok
 

Semelhante a 2012 gota e pseudogota

Artropatias microcristalinas 2016
Artropatias microcristalinas 2016Artropatias microcristalinas 2016
Artropatias microcristalinas 2016
pauloalambert
 
Avaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptxAvaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptx
raylandias
 
osteoporose.pdf
osteoporose.pdfosteoporose.pdf
osteoporose.pdf
Mateus Mendes
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
douglas870578
 
Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas
pauloalambert
 
Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas
pauloalambert
 
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiáticoaula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
AlexandrelindoVital1
 
Aula Residencia medica mfc betim osteoporose na aps
Aula Residencia medica mfc betim osteoporose na apsAula Residencia medica mfc betim osteoporose na aps
Aula Residencia medica mfc betim osteoporose na aps
Leonardo Savassi
 
Dtp 16 sp
Dtp 16 spDtp 16 sp
Dtp 16 sp
pauloalambert
 
O envelhecimento e os rins - Dia mundial do Rim 2014
O envelhecimento e os rins -  Dia mundial do Rim  2014O envelhecimento e os rins -  Dia mundial do Rim  2014
O envelhecimento e os rins - Dia mundial do Rim 2014
Walter Gouvea
 
Cálculo Renal
Cálculo RenalCálculo Renal
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
Flavia Garcez
 
Apresentação cálculo renal
Apresentação cálculo renalApresentação cálculo renal
Apresentação cálculo renal
Laboratório Sérgio Franco
 
Cancer de-prostata
Cancer de-prostataCancer de-prostata
Cancer de-prostata
Edna Luiza
 
Gota Prof.Renan
Gota Prof.RenanGota Prof.Renan
Gota Prof.Renan
pauloalambert
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
Paulo Alambert
 
Gota
GotaGota
Oa 2013
Oa 2013Oa 2013
Oa 2013
pauloalambert
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
CristianeSouza339313
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografia
Isabel Canova
 

Semelhante a 2012 gota e pseudogota (20)

Artropatias microcristalinas 2016
Artropatias microcristalinas 2016Artropatias microcristalinas 2016
Artropatias microcristalinas 2016
 
Avaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptxAvaliação pré-operatória.pptx
Avaliação pré-operatória.pptx
 
osteoporose.pdf
osteoporose.pdfosteoporose.pdf
osteoporose.pdf
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 
Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas
 
Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas Artropatias microcristalinas
Artropatias microcristalinas
 
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiáticoaula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
aula densitometria óssea diagnóstico de osteoporose. Público feminino e asiático
 
Aula Residencia medica mfc betim osteoporose na aps
Aula Residencia medica mfc betim osteoporose na apsAula Residencia medica mfc betim osteoporose na aps
Aula Residencia medica mfc betim osteoporose na aps
 
Dtp 16 sp
Dtp 16 spDtp 16 sp
Dtp 16 sp
 
O envelhecimento e os rins - Dia mundial do Rim 2014
O envelhecimento e os rins -  Dia mundial do Rim  2014O envelhecimento e os rins -  Dia mundial do Rim  2014
O envelhecimento e os rins - Dia mundial do Rim 2014
 
Cálculo Renal
Cálculo RenalCálculo Renal
Cálculo Renal
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Apresentação cálculo renal
Apresentação cálculo renalApresentação cálculo renal
Apresentação cálculo renal
 
Cancer de-prostata
Cancer de-prostataCancer de-prostata
Cancer de-prostata
 
Gota Prof.Renan
Gota Prof.RenanGota Prof.Renan
Gota Prof.Renan
 
Gota.pdf19 re
Gota.pdf19 reGota.pdf19 re
Gota.pdf19 re
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Oa 2013
Oa 2013Oa 2013
Oa 2013
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografia
 

Mais de Leonardo Savassi

Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Leonardo Savassi
 
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
Leonardo Savassi
 
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
Leonardo Savassi
 
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da CriançaVentilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Leonardo Savassi
 
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFCAtencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Leonardo Savassi
 
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e ComunidadeAula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Leonardo Savassi
 
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Leonardo Savassi
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Leonardo Savassi
 
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Leonardo Savassi
 
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Leonardo Savassi
 
2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento
Leonardo Savassi
 
2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo
Leonardo Savassi
 
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
2017   2 vd aula disciplina mfc ufop2017   2 vd aula disciplina mfc ufop
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
Leonardo Savassi
 
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
Leonardo Savassi
 
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
Leonardo Savassi
 
Princípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionadosPrincípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionados
Leonardo Savassi
 
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmasMedicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Leonardo Savassi
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
Leonardo Savassi
 
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vdIaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Leonardo Savassi
 
Habilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistasHabilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistas
Leonardo Savassi
 

Mais de Leonardo Savassi (20)

Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
Savassi LCM. Cuidados Paliativos e Atenção Domiciliar (LACP e Ubuntu 2023)
 
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
2021 "A importância da MFC para a Saúde Pública do país". UBUNTU Liga acadêmi...
 
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
2021 Medicina e Arte Liga Saude Espiritualidade.pptx
 
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da CriançaVentilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
Ventilacao Mecanica Domiciliar - Especificidades da Criança
 
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFCAtencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
Atencao Domiciliar e Vulnerabilidade - III Congresso MT de MFC
 
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e ComunidadeAula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
Aula Prevenção Quaternária - UFOP - Disciplina Medicina de Família e Comunidade
 
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
Aula sobre conceitos básicos de rastreamento - UFOP - Disciplina MFC (MED195)
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
 
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
Avaliação clínico-assistencial das Visitas Domiciliares por Profissionais da ...
 
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
Análise das práticas de Acolhimento entre profissionais da Atenção Primária a...
 
2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento2017 ufop rastreamento
2017 ufop rastreamento
 
2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo2017 2 aula tabagismo
2017 2 aula tabagismo
 
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
2017   2 vd aula disciplina mfc ufop2017   2 vd aula disciplina mfc ufop
2017 2 vd aula disciplina mfc ufop
 
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop2017   2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
2017 2 ab fam 2 disciplina mfc ufop
 
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
14o CBMFC Curitiba-PR - Mesa AD na APS - Desafios
 
Princípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionadosPrincípios da aps slides selecionados
Princípios da aps slides selecionados
 
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmasMedicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
Medicina Baseada em Evidências - Oficina UFOP buscando evidencias para subturmas
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
 
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vdIaps 3 UFMG  habilidade de comunicação na vd
Iaps 3 UFMG habilidade de comunicação na vd
 
Habilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistasHabilidade de comunicação para entrevistas
Habilidade de comunicação para entrevistas
 

Último

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 

Último (8)

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 

2012 gota e pseudogota

  • 1. Gota e Pseudogota Leonardo C M Savassi James Gillray
  • 2. Objetivos de Hoje • Conceitos • Prevenção • Diagnóstico • Tratamento Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 3. Abordagem da Gota e da Pseudogota na APS Definição Gota e pseudogota fazem parte de um grupo de doenças caracterizadas pelo depósito de cristais em vários tecidos, cursando com artrite quando estes ocorrem em sítios articulares. Cristais de urato levam a gota – e de cálcio a pseudogota. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Savassi; Thomaz; Savassi, 2009
  • 4. Abordagem da Gota na APS Incidência e prevalência: • 1% da população adulta EEUU • 1,4% da população UK • Incidência real pode chegar a mais de 8% • natureza episódica = subdiagnósticos / não procura • A artrite inflamatória mais comum em homens. • H 40 e 50 anos/ M pós-menopausa Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Saag & Choi 2006. Universidade Federal de Ouro Preto Mikuls et al 2005.
  • 5. Abordagem da Gota na APS Fatores de risco: • níveis de urato plasmático: • Fator isolado mais importante; • Níveis > 6 mg/dl ↑ 1,3 vezes a chance de crises; • MAS de 10% ocidentais com hiperuricemia, 0,5% tem gota; • MAS há casos de artrite gotosa com urato normal (7 mg/100mL em homens /-/ 6 mg/100mL na mulher) Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Jordan et al 2007; Leonardo Cançado Monteiro Savassi Halpern et al 2009; Universidade Federal de Ouro Preto Contran; Collins; Kumar; 2000
  • 6. Abordagem da Gota na APS Fatores de risco: • hábitos de vida: • consumo de álcool (cevada, ricos em purinas) • obesidade • hipertensão arterial sistêmica • dislipidemia Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Saag & Choi 2006.
  • 7. Abordagem da Gota na APS Prevenção primária: Dieta (homens): •RR multivariado para homens no quintil I vs. Quintil V • Para carne: 1,41 (IC 1,07-1,86) • Para frutos do mar foi 1,51 (1,17-1,95) • Não há correção significativa para purinas de origem vegetal (Nível III). Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Choi et al; 2004
  • 8. Abordagem da Gota na APS Prevenção primária: Consumo de vitamina C (homens): • Comparados com ingesta de vitamina C < 250 mg/dia: • RR 0,83 (0,71-0,97) p/ consumo de 500 a 999 mg/dia • RR 0,66 (0,52-0,86) p/ consumo de 1000-1499 mg /dia diários, • RR 0,55 (0,38-0,80) para 1500 mg ou mais. • redução do RA: • 27/ 100.000 casos p/ consumo de 500 a 999 mg /dia • 51/ 100.000 casos p/ consumo de 1000-1499 mg /dia • 69 / 100.000 casos p/ consumo de 1500 ou mais Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Choi; Gao; Curhan; 2009
  • 9. Abordagem da Gota na APS Prevenção primária: Suplementação vs. homens que não usam vitamina C: • RR 0,66 (0,49-0,88) para suplemento 1000-1499 mg/dia • RR 0,55 mg (0,36-0,86) para 1500 ou mais por dia. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Choi; Gao; Curhan; 2009
  • 10. Abordagem da Gota na APS Prevenção primária: Consumo de álcool vs. Homens que não bebem: • RR 1,32 (0,99 -1,75) para consumo de 10,0 -14,9 g/dia, • RR 1,49 (1,14 -1,94) para consumo de 15,0 -29,9 g/dia, • RR 1,96 (1,48-60,2) para consumo de 30,0 -49,9 g/dia • RR 2,53 (1,73-70,3) para consumo ≥ 50g/dia. • Cerveja RR por 12 doses diárias de 1,49, (1,32 -1,70). • Bebidas em geral RR por dose diária 1,15, (1,04 -1,28). • Vinho RR por 4 doses por dia 1,04; 0,88 -1,22). Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Choi et al; 2004
  • 11. Abordagem da Gota na APS Prevenção primária: Consumo de álcool vs. Homens que não bebem: Níveis de urato sérico aumentam com maior ingestão de cerveja ou licor, mas não com a ingestão de vinho. Mesmo com ajuste de doses e outros fatores de risco incluindo alimentares, as associações foram atenuadas, mas continuaram significativas para a cerveja ou licor, mas não para vinho 0,04 mg/dl Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Choi; Curhan; 2004
  • 12. Abordagem da Gota na APS Prevenção primária: consumo de refrigerantes açucarados vs. consumo < 1 porção bebida não alcoólicas com açúcar por mês:, • RR de 1,29 (1,00-1,68) por 5-6 porções semanais; • RR de 1,45 (1,02-2,08) para uma porção diária; • RR de 1,85 (1,08-3,16) para 2 ou mais porções diárias. Refrigerantes dietéticos não associados com risco de gota. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Choi; 2004
  • 13. Abordagem da Gota na APS Classificação da Gota: A forma primária: 90% dos casos. Maioria é idiopática, sendo de herança multifatorial, associadas à produção excessiva de ácido úrico ou pela produção normal + eliminação insuficiente. A forma secundária: 10% dos casos. > metabolismo purinas: • Doenças (linfo e mieloproliferativas, mieloma múltiplo, na. hemolítica e outras hemólises crônicas, policitemia, psoríase), • Doenças renais crônicas capazes de ↓ excreção do ác. úrico (como a nefropatia adquirida, acidose). • Drogas (aspirina, diuréticos, ácido nicotínico, etanol) Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 14. Abordagem da Gota na APS Quadro Clínico da Gota: • A gota raramente aparece com menos de 20 anos de hiperuricêmica assintomática. Kishnan, 2006 • O paciente terá um surto inicial de gota com ataque agudo extremamente doloroso, na maioria das vezes monoarticular, e sintomas gerais leves. • A crise pode ocorrer, porém com níveis de urato dentro da normalidade ocorre entre 20 e 43% das vezes. Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Park et al; 2003. Leonardo Cançado Monteiro Savassi Logan; Morrison; McGill. 1997. Universidade Federal de Ouro Preto
  • 15. Abordagem da Gota na APS Quadro Clínico da Gota: • hiperuricemia assintomática • artrite gotosa aguda • gota intercrítica • gota tofácea crônica Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Savassi; Thomaz; Savassi, 2009
  • 16. Abordagem da Gota na APS Diagnóstico: • Diagnóstico de certeza: cristais de urato, em forma de agulha, dentro de leucócitos no liquido sinovial. Dore, 2008 •Na APS, as condições p/ realização não são favoráveis: • os profissionais não estão treinados para tal. • o tempo de consulta e a demanda não favorecem a realização. • a análise deve ser imediata. • infra-estrutura inadequada: exige esterilidade no ambiente de punção. • exame invasivo. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS • risco de artrite séptica iatrogênica. Leonardo Cançado Monteiro Savassi Savassi; Thomaz; Savassi, 2009 Universidade Federal de Ouro Preto
  • 17. Abordagem da Gota na APS Diagnóstico: Urato Sérico: solicitar na crise • parâmetro para reavaliação (2 semanas). Pacientes podem ter níveis normais durante a crise, mas ↑ urato sérico após a crise é forte preditor da doença; Urano, 2002 • prognóstico na recorrência das crises de gota. ↓ urato = ↓risco de ataques recorrentes com uma razão de chances de 0,22 (IC 95% 0.10-0,47). • valores séricos médios de ácido úrico relacionados a crise são de 7,01 mg /dl e para não-crise 6,36 mg /dl; Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Shoji , Yamanaka, Kamatani, 2004
  • 18. Abordagem da Gota na APS Diagnóstico: • Exames de imagem não são diagnósticos. • achados ao RX = artrites inflamatórias . Pode ser útil na gota tofácea. • Outros exames em situações específicas –como apresentação poliarticular sugestiva de outras doenças Bussières et al, 2008 – e não substituem a punção articular • Tratamento de prova com colchicina se não acesso a exames = melhora rápida dos sintomas (dor e inflamação). A rápida resposta pode ser considerada diagnóstica. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003
  • 19. Critérios da American Reumathology Association para gota: Presença de um dos seguintes critérios: 1 - cristais de urato monossódico em líquido sinovial 2 - Tofos confirmados, com cristais na articulação 3 - Pelo menos seis dos seguintes achados: a - inchaço assimétrico dentro de uma articulação em uma radiografia b - Primeira articulação metatarsofalangiana sensível ou inchada (podagra) c - Hiperuricemia d - inflamação máxima desenvolvida dentro de um dia e - Ataque Monoarticular f - Mais de um ataque articular agudo g - Vermelhidão observada sobre as articulações h- Cistos subcorticais, sem erosões à radiografia i - Tofos suspeitos j - Cultura do líquido sinovial negativa para os organismos durante um ataque agudo k - Ataque unilateral da articulação metatarsofalangeana l - Ataque unilateral tarsal Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Wallace et al. 1977 Universidade Federal de Ouro Preto
  • 20. Abordagem da Gota na APS Tratamento: Hiperuricemia assintomática •Caracterizada pela ausência de sintomas da hiperuricemia, e apenas achados laboratoriais. •Cerca de 10% dos indivíduos com hiperuricemia desenvolverão ataques agudos. •Não tratar! •O rientações dietéticas visando a perda de peso, redução da ingestão de álcool, tratamento da HAS e dislipidemia Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003
  • 21. Abordagem da Gota na APS Tratamento: Crise Aguda: • antiinflamatórios não-esteróides = amenizar inflamação, aliviar dor. Indometacina, naproxeno, ibuprofeno VO. •Colchicina = eficaz para a redução da dor e dos sintomas na crises agudas de gota; toxicidade limita sua utilidade Schlesinger et al; 2006 [Cochrane] • não há superioridade de nenhum tratamento; escassez de evidências no tratamento da gota aguda Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Sutaria; Katbamna; Underwood; 2006 Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 22. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 23. Abordagem da Gota na APS Tratamento: Gota intercrítica: • Dieta: hipocalórica para obesos, menor ingesta de purinas animais/ frutos do mar, evitar alcool/ cevada • casos em que o paciente consegue até mesmo prever a crise, através de sinais, sintomas ou atitudes desencadeadoras: início precoce de colchicina. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto Sutaria; Katbamna; Underwood; 2006
  • 24. Abordagem da Gota na APS Tratamento: Artrite gotosa crônica: • Alopurinol (300 mg/dia) Nível II; Metaanálise Cochrane em andamento • uricosúricos: Maior utilidade se uricosúria inferior a 800 mg/dia: probenecida (cp 500 mg BID), silfinpirazona (100 a 800 mg/dia) ou benzobromarona (50 a 100 mg/dia). Ranzolin; Lottermann; Von Müller; 2003 •Febuxostat: nova droga para o controle da hiperuricemia. Estudos randomizados (Nível II); protocolo de avaliação, através de Metaanálise Cochrane em andamento. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Schumacher; Becker; Wortmann; 2008 Universidade Federal de Ouro Preto
  • 25. Abordagem da Pseudogota na APS • Evidências científicas modestas • depósito de cristais de pirofosfato de cálcio • incidência > com idade, início próximo 50a/ pico aos 85a. • presença de cristais de cálcio na articulação, sem processo inflamatório articular = condrocalcinose • maioria dos casos, assintomática. •pode cursar com artrite aguda, subaguda ou crônica, o que dificulta o diagnóstico diferencial com osteoartrite e artrite reumatóide. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 26. Abordagem da Pseudogota na APS Três grupos: • Esporádica (idiopática) • Hereditária : surgimento precoce dos cristais (antes dos 50 anos), associados a uma osteoartrite intensa. • Secundária: após algum distúrbio: lesão articular anterior, hiperparatireoidismo, hemocromatose, hipomagnesemia, hipotireoidismo, diabetes, debridamento articular Pasquetti 2004 Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 27. Abordagem da Pseudogota na APS Diagnóstico: • radiologia, mostrando depósitos dos cristais nas articulações. • diagnóstico de certeza é realizado pela aspiração e análise do líquido sinovial com pesquisa de cristais por microscopia de luz polarizada. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 28. Abordagem da Pseudogota na APS Tratamento: medidas de apoio, não há terapia que impeça ou retarde a formação dos cristais de pirofosfato de cálcio. Na fase aguda da doença, antiinflamatórios e sintomáticos. Pode-se usar AINEs e injeções intra- articulares de CTC. A colchicina pode ser uma opção. As formas crônicas são tratadas como na osteoartrite: analgésicos, AINEs, exercícios para aumentar a motilidade articular e a força muscular. Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto
  • 29. Obrigado! Leonardo C M Savassi leosavassi@gmail.com http://sites.google.com/site/leosavassi Abordagem da Gota e Pseudogota na APS Leonardo Cançado Monteiro Savassi Universidade Federal de Ouro Preto