SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Lesão Celular
Lesão Celular


A lesão celular pode ser por causas
diversas, desde uma violência física
externa, ou causas endógenas
internas.

Lesão Celular Reversível
 Lesão Celular Irreversível



1 - Privação de Oxigênio :



A hipóxia é um exemplo mais comum de morte
celular, prejudicando a respiração oxidativa.



Exemplos de hipóxia pode ser:



Insuficiência cardiorrespiratória.



Perda da capacidade no transporte de oxigênio
como na anemia ou por intoxicação por monóxido
de carbono.



As células podem se adaptar de acordo com a
oferta de oxigênio, se a artéria femoral por
exemplo diminuir o Oxigênio enviado aos
músculos das pernas, ele pode sofrer atrofia.


2 - Agentes Químicos e Drogas :

Glicose e sal ( em altas concentrações
hipertônicas, oxigênio em altas concentrações,
poluentes etc.)


3 - Agentes Infecciosos :

Vírus, parasitas.
4 - Reações Imunológicas:

-

Reação Anafilática


5 - Anormalidades Genéticas:

Malformação congênita.


6 - Desequilíbrios nutricionais:

Excesso de lipídios ( aterosclerose )
LESÃO E NECROSE
CELULARES:






Praticamente todas as formas de lesão
orgânica
se iniciam com alterações
moleculares ou estruturais nas células.
Resposta celular a estímulos, depende das
doses de uma determinada toxina química e de
períodos de isquemia (ausência de fluxo
sangüíneo) que podem acomete-la, portanto,
altas doses da mesma toxina ou períodos
longos de isquemia podem acarretar morte
celular instantânea ou lesão irreversível.
As conseqüências de Lesão Celular dependem
do tipo / estado e adaptabilidade da célula
lesada.


Alguns estresses fisiológicos um pouco mais
excessivos podem acarretar adaptações
fisiológicas ou morfológicas.



Por exemplo, o músculo dos fisioculturistas
que praticam halterofilismo que resultam em
adaptações fisiológicas, (aumento massa
muscular).



A célula muscular aumentada atinge um
novo equilíbrio, permitindo que sobreviva a
um nível mais alto de atividade, isto chamase ( hipertrofia ).


Diferentemente, na ATROFIA ocorre
uma redução no tamanho e função
das células.



Quando os limites das células são
ultrapassados na sua capacidade,
ocorre a lesão celular.



A lesão celular pode
até um certo ponto,
pode ocorrer lesão
morte celular.

ser reversível
caso persista
irreversível e
A morte celular, afeta todos os tipos de
células, podendo representar isquemia
(ausência de fluxo sanguíneo ), Infecção e
reações imunes.
 NECROSE OU NECROSE DE
COAGULAÇÃO:
 É o tipo mais comum de morte celular
após estímulo exógeno.
 APOPTOSE:
 Ocorre quando a célula morre mediante
ativação de um programa de suicídio
controlado internamente.

LESÃO ISQUÊMICA E
HIPÓXICA
Na hipóxia a produção glicolítica de
energia é mantida,
 Já na isquemia o transporte de substratos
para a glicólise é interrompido.
 A isquemia tende então a lesar os tecidos
mais rapidamente que a hipóxia, uma vez
que além do transporte de substratos, o
fluxo sanguíneo remove os metabólitos
resultantes da reação glicolítica.

LESÃO ISQUÊMICA
É a lesão por privação de oxigênio, que envolvem
a oclusão completa de artérias finais de um órgão.
( ex. artéria coronariana )
 A lesão pode ser passível de reparo, se as células
afetadas recuperarem o oxigênio e substratos
bloqueados anteriormente, metabólitos forem de
novo oferecidos por restauração do fluxo
sanguíneo, isto é chamado de lesão reversível.
 Na persistência da isquemia, a usina oxidativa
mitocondrial e via glicolítica tornam-se irreparáveis,
devido a depleção de ATP, isto irá garantir uma
isquemia irreversível.

TUMEFAÇÃO CELULAR
PELA ISQUEMIA
Com a diminuição do oxigênio, a respiração
aeróbica é prejudicada, com a queda do
oxigênio intracelular, cai
a fosforilação
oxidativa e diminui a produção de ATP.
 A bomba de sódio depende de energia
gerada, a falha no sistema resulta em
aumento da atividade de ATPase, levando ao
acúmulo de Na+ intracelular e K +para fora,
com isto aumenta a água intracelular por
aumento do soluto e tumefação.

LESÃO CELULAR
IRREVERSÍVEL
Se a isquemia persistir, sobrevém uma lesão
irreversível e esta associada a tumefação
intensa das mitocôndrias, lesão da membrana
plasmática.
 Após a morte, os componentes celulares são
progressivamente degradados.
 A célula morta pode ser substituída por
grandes massas compostas de fosfolipídios.
 Essas massa são fagocitadas por outras
células ou degradadas em ácidos graxos.

 Dois

fenômenos
caracterizam
a
passagem
da lesão celular de
reversível para irreversível:

 Incapacidade

de reverter a disfunção
mitocondrial que causa depleção de
ATP.

 Pertubações

membrana.

profundas na função da
Patologia aula 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestre
Jumooca
 
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo nettoPatologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICAINFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
 
Aula 2 causas das lesões
Aula 2   causas das lesõesAula 2   causas das lesões
Aula 2 causas das lesões
 
Aula 1 adaptações celulares (1)
Aula 1  adaptações celulares (1)Aula 1  adaptações celulares (1)
Aula 1 adaptações celulares (1)
 
Alterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celularAlterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celular
 
ICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - HipersensibilidadesICSA17 - Hipersensibilidades
ICSA17 - Hipersensibilidades
 
Hipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVHipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IV
 
Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestre
 
Imunodiagnóstico
ImunodiagnósticoImunodiagnóstico
Imunodiagnóstico
 
Inflamação
  Inflamação  Inflamação
Inflamação
 
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo nettoPatologia 02   lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
Patologia 02 lesão e morte celular - med resumos - arlindo netto
 
Adaptação celular
Adaptação celularAdaptação celular
Adaptação celular
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes Doenças auto-imunes
Doenças auto-imunes
 
Adaptação celular
Adaptação celularAdaptação celular
Adaptação celular
 
Cicatrização e reparo 2
Cicatrização e reparo 2Cicatrização e reparo 2
Cicatrização e reparo 2
 
Patologia geral - agressões e reações celulares reversíveis e irreversíveis -...
Patologia geral - agressões e reações celulares reversíveis e irreversíveis -...Patologia geral - agressões e reações celulares reversíveis e irreversíveis -...
Patologia geral - agressões e reações celulares reversíveis e irreversíveis -...
 
Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1Patologia geral - introdução - capitulo 1
Patologia geral - introdução - capitulo 1
 
Aula 4 - M
Aula 4 - MAula 4 - M
Aula 4 - M
 
Imunologia I
Imunologia IImunologia I
Imunologia I
 
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
Patologia geral - metodos de estudo em patologia - capitulo 2
 

Destaque

02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
Gildo Crispim
 
Lesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivelLesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivel
Fernanda Lima Pinto
 
Mapa Conceitual Computador Na EducaçãO
Mapa Conceitual Computador Na EducaçãOMapa Conceitual Computador Na EducaçãO
Mapa Conceitual Computador Na EducaçãO
silsiane
 
Patologia Geral: Aula 01 2009 - Introdução
Patologia Geral: Aula 01 2009 - IntroduçãoPatologia Geral: Aula 01 2009 - Introdução
Patologia Geral: Aula 01 2009 - Introdução
UFPEL
 

Destaque (18)

Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)
 
Patologia3
Patologia3Patologia3
Patologia3
 
02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es02 etiopatogãšnese das lesã•es
02 etiopatogãšnese das lesã•es
 
1 lesão e adaptação celular
1 lesão e adaptação celular1 lesão e adaptação celular
1 lesão e adaptação celular
 
Lesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivelLesão celular reversivel e inreversivel
Lesão celular reversivel e inreversivel
 
2 lesao reversível e necrose
2 lesao reversível e necrose2 lesao reversível e necrose
2 lesao reversível e necrose
 
Aula de Pigmentações
Aula de PigmentaçõesAula de Pigmentações
Aula de Pigmentações
 
Adaptações celulares
Adaptações celularesAdaptações celulares
Adaptações celulares
 
Projeto Mapas Conceituais(AdaptaçãO Da Atividade Mapas Conceituais –
Projeto Mapas Conceituais(AdaptaçãO Da Atividade Mapas Conceituais –Projeto Mapas Conceituais(AdaptaçãO Da Atividade Mapas Conceituais –
Projeto Mapas Conceituais(AdaptaçãO Da Atividade Mapas Conceituais –
 
Mapa Conceitual Computador Na EducaçãO
Mapa Conceitual Computador Na EducaçãOMapa Conceitual Computador Na EducaçãO
Mapa Conceitual Computador Na EducaçãO
 
Patologia Geral: Aula 01 2009 - Introdução
Patologia Geral: Aula 01 2009 - IntroduçãoPatologia Geral: Aula 01 2009 - Introdução
Patologia Geral: Aula 01 2009 - Introdução
 
Medicina legal apostila
Medicina legal apostilaMedicina legal apostila
Medicina legal apostila
 
Patologia
PatologiaPatologia
Patologia
 
Aula 05 - Referências
Aula 05 - ReferênciasAula 05 - Referências
Aula 05 - Referências
 
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
 
Inflama o aguda
Inflama  o  agudaInflama  o  aguda
Inflama o aguda
 
Aula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de PesquisaAula 04 - O Projeto de Pesquisa
Aula 04 - O Projeto de Pesquisa
 
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicasAula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
Aula 2 - A construção do SUS no contexo das políticas públicas
 

Semelhante a Patologia aula 2

Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
agemais
 

Semelhante a Patologia aula 2 (20)

Apostilafisiopatologia1
Apostilafisiopatologia1Apostilafisiopatologia1
Apostilafisiopatologia1
 
Db301 un1 les-morte-cel
Db301 un1 les-morte-celDb301 un1 les-morte-cel
Db301 un1 les-morte-cel
 
PATOLOGIA p1.docx
PATOLOGIA p1.docxPATOLOGIA p1.docx
PATOLOGIA p1.docx
 
Patologia 4
Patologia 4Patologia 4
Patologia 4
 
01 aula patologia Necrose
01 aula patologia Necrose01 aula patologia Necrose
01 aula patologia Necrose
 
01 aula patologia_Necrose 2
01 aula patologia_Necrose 201 aula patologia_Necrose 2
01 aula patologia_Necrose 2
 
01 aula patologia_celular
01 aula patologia_celular01 aula patologia_celular
01 aula patologia_celular
 
MAPA mental rabdomiólise completo 6 (1).pdf
MAPA mental rabdomiólise completo  6 (1).pdfMAPA mental rabdomiólise completo  6 (1).pdf
MAPA mental rabdomiólise completo 6 (1).pdf
 
Envelhecimento dos tecidos _ Biologia do envelhecimento
Envelhecimento  dos tecidos _ Biologia do envelhecimentoEnvelhecimento  dos tecidos _ Biologia do envelhecimento
Envelhecimento dos tecidos _ Biologia do envelhecimento
 
Adaptações celulares.pdf
Adaptações celulares.pdfAdaptações celulares.pdf
Adaptações celulares.pdf
 
Revisao patologia
Revisao patologiaRevisao patologia
Revisao patologia
 
Emergencia tipos de choque resulmo
Emergencia tipos de choque resulmoEmergencia tipos de choque resulmo
Emergencia tipos de choque resulmo
 
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
RESUMO FISIOPATOLOGIA - agressão, defesa, necrose e apoptose, causas das lesõ...
 
Alterações do crescimento celular
Alterações do crescimento celularAlterações do crescimento celular
Alterações do crescimento celular
 
Fisiopatologia da cirurgia
Fisiopatologia da cirurgiaFisiopatologia da cirurgia
Fisiopatologia da cirurgia
 
Projeto de Mestrado - Avaliação dos efeitos do exercício resistido dinâmico e...
Projeto de Mestrado - Avaliação dos efeitos do exercício resistido dinâmico e...Projeto de Mestrado - Avaliação dos efeitos do exercício resistido dinâmico e...
Projeto de Mestrado - Avaliação dos efeitos do exercício resistido dinâmico e...
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Ozonioterapia em oncologia 2015 - maria emilia gadelha serra
Ozonioterapia em oncologia   2015 - maria emilia gadelha serraOzonioterapia em oncologia   2015 - maria emilia gadelha serra
Ozonioterapia em oncologia 2015 - maria emilia gadelha serra
 
resumo COMPLETO patologia (1) (1).docx
resumo COMPLETO patologia (1) (1).docxresumo COMPLETO patologia (1) (1).docx
resumo COMPLETO patologia (1) (1).docx
 
ADAPTAÇÃO CELULAR aula 2.pdf
ADAPTAÇÃO CELULAR aula 2.pdfADAPTAÇÃO CELULAR aula 2.pdf
ADAPTAÇÃO CELULAR aula 2.pdf
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 

Patologia aula 2

  • 2. Lesão Celular  A lesão celular pode ser por causas diversas, desde uma violência física externa, ou causas endógenas internas. Lesão Celular Reversível  Lesão Celular Irreversível 
  • 3.
  • 4.  1 - Privação de Oxigênio :  A hipóxia é um exemplo mais comum de morte celular, prejudicando a respiração oxidativa.  Exemplos de hipóxia pode ser:  Insuficiência cardiorrespiratória.  Perda da capacidade no transporte de oxigênio como na anemia ou por intoxicação por monóxido de carbono.  As células podem se adaptar de acordo com a oferta de oxigênio, se a artéria femoral por exemplo diminuir o Oxigênio enviado aos músculos das pernas, ele pode sofrer atrofia.
  • 5.  2 - Agentes Químicos e Drogas : Glicose e sal ( em altas concentrações hipertônicas, oxigênio em altas concentrações, poluentes etc.)  3 - Agentes Infecciosos : Vírus, parasitas. 4 - Reações Imunológicas: - Reação Anafilática  5 - Anormalidades Genéticas: Malformação congênita.  6 - Desequilíbrios nutricionais: Excesso de lipídios ( aterosclerose )
  • 6. LESÃO E NECROSE CELULARES:    Praticamente todas as formas de lesão orgânica se iniciam com alterações moleculares ou estruturais nas células. Resposta celular a estímulos, depende das doses de uma determinada toxina química e de períodos de isquemia (ausência de fluxo sangüíneo) que podem acomete-la, portanto, altas doses da mesma toxina ou períodos longos de isquemia podem acarretar morte celular instantânea ou lesão irreversível. As conseqüências de Lesão Celular dependem do tipo / estado e adaptabilidade da célula lesada.
  • 7.
  • 8.  Alguns estresses fisiológicos um pouco mais excessivos podem acarretar adaptações fisiológicas ou morfológicas.  Por exemplo, o músculo dos fisioculturistas que praticam halterofilismo que resultam em adaptações fisiológicas, (aumento massa muscular).  A célula muscular aumentada atinge um novo equilíbrio, permitindo que sobreviva a um nível mais alto de atividade, isto chamase ( hipertrofia ).
  • 9.  Diferentemente, na ATROFIA ocorre uma redução no tamanho e função das células.  Quando os limites das células são ultrapassados na sua capacidade, ocorre a lesão celular.  A lesão celular pode até um certo ponto, pode ocorrer lesão morte celular. ser reversível caso persista irreversível e
  • 10.
  • 11. A morte celular, afeta todos os tipos de células, podendo representar isquemia (ausência de fluxo sanguíneo ), Infecção e reações imunes.  NECROSE OU NECROSE DE COAGULAÇÃO:  É o tipo mais comum de morte celular após estímulo exógeno.  APOPTOSE:  Ocorre quando a célula morre mediante ativação de um programa de suicídio controlado internamente. 
  • 12.
  • 13. LESÃO ISQUÊMICA E HIPÓXICA Na hipóxia a produção glicolítica de energia é mantida,  Já na isquemia o transporte de substratos para a glicólise é interrompido.  A isquemia tende então a lesar os tecidos mais rapidamente que a hipóxia, uma vez que além do transporte de substratos, o fluxo sanguíneo remove os metabólitos resultantes da reação glicolítica. 
  • 14.
  • 15. LESÃO ISQUÊMICA É a lesão por privação de oxigênio, que envolvem a oclusão completa de artérias finais de um órgão. ( ex. artéria coronariana )  A lesão pode ser passível de reparo, se as células afetadas recuperarem o oxigênio e substratos bloqueados anteriormente, metabólitos forem de novo oferecidos por restauração do fluxo sanguíneo, isto é chamado de lesão reversível.  Na persistência da isquemia, a usina oxidativa mitocondrial e via glicolítica tornam-se irreparáveis, devido a depleção de ATP, isto irá garantir uma isquemia irreversível. 
  • 16. TUMEFAÇÃO CELULAR PELA ISQUEMIA Com a diminuição do oxigênio, a respiração aeróbica é prejudicada, com a queda do oxigênio intracelular, cai a fosforilação oxidativa e diminui a produção de ATP.  A bomba de sódio depende de energia gerada, a falha no sistema resulta em aumento da atividade de ATPase, levando ao acúmulo de Na+ intracelular e K +para fora, com isto aumenta a água intracelular por aumento do soluto e tumefação. 
  • 17. LESÃO CELULAR IRREVERSÍVEL Se a isquemia persistir, sobrevém uma lesão irreversível e esta associada a tumefação intensa das mitocôndrias, lesão da membrana plasmática.  Após a morte, os componentes celulares são progressivamente degradados.  A célula morta pode ser substituída por grandes massas compostas de fosfolipídios.  Essas massa são fagocitadas por outras células ou degradadas em ácidos graxos. 
  • 18.  Dois fenômenos caracterizam a passagem da lesão celular de reversível para irreversível:  Incapacidade de reverter a disfunção mitocondrial que causa depleção de ATP.  Pertubações membrana. profundas na função da