SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Ficha de Avaliação Sumativa
Biologia e Geologia – 11º ano
Janeiro de 2022
Prof. José Luís Alves
1
Nome: ______________________________________________________________ Nº:_____ Turma:____
Avaliação: _____________________ Enc. Ed._______________________ O Professor: ___________
Versão A
A prova inclui 18 itens, identificados no enunciado com , cujas respostas contribuem obrigatoriamente
para a classificação final. Dos restantes 12 itens da prova, apenas contribuem para a classificação final os 7
itens cujas respostas obtenham melhor pontuação.
GRUPO I
As traças-da-seda apresentam uma grande diversidade em relação à forma das suas asas posteriores,
evidenciadas em espécies como Argema mimosae, Argema polyphemus e Argema luna. Nestes indivíduos,
estas asas possuem caudas que confundem predadores, como os morcegos, que criam uma ilusão acústica
que leva os morcegos a percecionarem as duas caudas destas traças como se fossem dois alvos distintos,
o que desvia a sua atenção do corpo vulnerável dos insetos.
Análises genéticas e morfológicas permitiram reconstituir o processo evolutivo das traças, constatando-
se que as diferentes formas das asas posteriores não evoluíram a partir de um antepassado comum. Para
testar o mecanismo de defesa das traças relacionado com a forma das asas posteriores, foi desenvolvido o
seguinte estudo:
Em três espécies de traças, as asas posteriores de alguns animais foram experimentalmente
modificadas através do corte e colagem das caudas, obtendo-se grupos de animais com as asas cortadas,
inalteradas e aumentadas.
Os animais dos diferentes grupos foram colocados individualmente no mesmo espaço com morcegos,
tendo-se apurado, em cada grupo, as percentagens de animais que conseguiram escapar a este predador,
que constam no gráfico da figura 1.
Baseado em Rubin, J.J et al (2018). The evolution of anti-bat sensorry illusionx in motths”. Science Advances, vol.4, nº7.
Figura 1
1. Na experiência descrita, o ______ constitui a variável independente e o controlo corresponde ao grupo de
animais com caudas ______.
(A) sucesso na fuga ... aumentadas
(B) comprimento das asas ... intactas
(C) comprimento das asas ... aumentadas
(D) sucesso na fuga ... intactas
2
2. Da análise de resultados verifica-se que quanto ______ for o comprimento das asas posteriores de uma
traça de dada espécie, ______ é a sua probabilidade de sobreviver ao ataque do morcego.
(A) maior... maior
(B) maior ... menor
(C) menor ... menor
(D) menor ... maior
3. Considere as afirmações seguintes, relativas à interpretação dos resultados do estudo
I. O aumento do tamanho das asas posteriores não confere vantagens adaptativas às traças-da-seda.
II. O sucesso de fuga varia inversamente com o comprimento das asas posteriores das três espécies.
III. Os morcegos contribuíram para o aumento de tamanho das asas posteriores de Argema mimosae.
(A) I e II verdadeiras, III é falsa.
(B) II é verdadeira, I e III falsas
(C) I e III são verdadeiras, II é falsa.
(D) III é verdadeira, I e II são falsas.
4. Segundo uma perspetiva
(A) darwinista, as traças que desenvolveram “cauda” tiveram maior sucesso reprodutivo.
(B) lamarckista, entre as traças ancestrais, só as que tinham “cauda” puderam sobreviver.
(C) darwinista, as traças desenvolveram “cauda” para fugirem aos morcegos.
(D) lamarckista, as traças com “cauda” evoluíram devido à variabilidade intraespecífica.
5. A capacidade de fuga à predação de algumas traças-da-seda, segundo uma perspetiva lamarckista,
provavelmente resulta da
(A) adaptação individual.
(B) ocorrência de mutações.
(C) variabilidade intraespecífica.
(D) eliminação dos mais fracos.
6. Argema polyphemus e Argema luna são nomes científicos de traças-da-seda, existentes que pertencem
(A) ao mesmo género, mas não à mesma classe.
(B) à mesma família, mas não à mesma ordem.
(C) à mesma família e à mesma ordem.
(D) mesma espécie e ao mesmo género.
7. As asas dos morcegos e as asas das traças-da-seda são órgãos
(A) análogos e apresentam uma estrutura interna idêntica.
(B) homólogos e apresentam uma estrutura interna diferente.
(C) análogos e resultam de uma evolução convergente.
(D) homólogos e resultam de uma evolução divergente.
8. Para estabelecimento das relações evolutivas entre as traças foram utilizadas
(A) apenas dados bioquímicos
(B) dados bioquímicos e anatómicos
(C) apenas dados anatómicos
(D) dados citológicos e morfológicos.
9. As traças-de–seda tendem a acasalar com o primeiro macho que se aproxima, pelo que é de prever que
(A) a escolha dos machos desempenhe um papel relevante na evolução das caudas das traças.
(B) o acasalamento ao acaso favoreça a manutenção de fundo genético da população de traças.
(C) o acasalamento ao acaso favoreça o aparecimento de animais com cauda.
(D) o acasalamento ao acaso conduza à alteração do fundo genético das populações de traças.
3
10. Associe às teorias apresentadas na Coluna I as afirmações da Coluna II que lhe podem corresponder.
Cada um dos números deve ser associado apenas a uma letra e todos os números devem ser utilizados.
(a) _______________ (b) _______________ (c) _______________
11. Explique, segundo uma perspetiva neodarwinista, o aparecimento de caudas longas nas asas posteriores
de Argema mimosae.
Coluna I Coluna II
(a) Lamarquismo
(b) Neodarwinismo
(c) Ambas as teorias
(1) Os morcegos sujeitos a idênticas pressões seletivas apresentam
analogias estruturais.
(2) A presença de caudas nas asas posteriores em Argema luna
constitui uma adaptação individual.
(3) As espécies evoluíram por adaptação ao meio ambiente.
(4) As mutações são fonte de variabilidade genética.
(5) O morcego, por voar à noite, desenvolveu a capacidade auditiva ao
longo do seu tempo de vida.
(6) As populações de traças-da-seda adaptaram-se à predação pelos
morcegos.
(7) O voo noturno dos morcegos levou à atrofia da sua visão.
(8) As características de adaptação ao ambiente são transmitidas à
descendência.
(9) Os seres mais bem adaptados apresentam sobrevivência diferencial.
4
GRUPO II
PE_316
Desde há séculos que o povo da etnia Zoque, no México, pratica um ritual religioso, no final da estação
seca, durante o qual usam raízes de barbasco (Lonchocarpus sp.) para envenenar peixes da espécie
Poecilia mexicana. Durante a cerimónia, o barbasco é depositado numa gruta a partir de onde é distribuído
pela corrente ao longo do interior e para o exterior da gruta. As raízes de barbasco contêm rotenona, uma
substância tóxica que inibe a atividade mitocondrial. Os peixes anestesiados são depois recolhidos e
usados na alimentação até que as culturas estejam prontas para a colheita.
Estes peixes habitam o sistema de grutas designado por Caverna do Enxofre, distribuindo-se por
habitats caracterizados pela presença ou ausência de sulfureto de hidrogénio (H2S), um gás libertado do
chão das grutas que pode ser usado por bactérias quimioautotróficas. Apesar da proximidade dos vários
tipos de habitat e da ausência de barreiras físicas, as várias populações apresentam acentuada divergência
genética.
Um grupo de investigadores formulou a hipótese de as populações de peixes, anualmente sujeitas à
ação da rotenona, apresentarem uma maior resistência a esta substância. Para testar esta hipótese, foram
capturados peixes em dois locais afetados pela deposição do barbasco e de dois locais não afetados,
situados a montante do local do ritual (figura 2). Após a recolha, os peixes foram colocados em tanques com
100 ml de água sem H2S, arejada com regularidade, onde permaneceram durante dois dias. Posteriormente
foram adicionados 5 ml de uma solução de barbasco, com intervalos de 2 minutos, ao longo de 60 minutos,
tendo sido determinado o tempo até os peixes perderem o controlo do movimento. Findo este tempo, os
peixes dos dois sexos foram medidos, pesados e colocados em tanques de recuperação fortemente
arejados. Os resultados experimentais estão expressos nos gráficos A e B da figura 3.
Baseado em M. Tobler, et al, An indigenous religious ritual selects for resistance to a toxicant in a livebearing fish
Figura 2 – Localização da captura dos peixes e locais dos rituais religiosos na Caverna o Enxofre.
Figura 3
1. A atividade experimental teve como principal objetivo
(A) compreender o efeito da luz sobre as populações de peixes.
(B) verificar a ação da seleção natural sobre os peixes da Caverna do Enxofre.
(C) verificar a influência do H2S no aumento da resistência ao barbasco.
(D) compreender a relação entre uma atividade humana e o aumento da resistência ao barbasco.
5
2. Uma das variáveis independentes da investigação corresponde
(A) à presença ou ausência de luz a que os peixes são submetidos.
(B) à população de origem dos peixes.
(C) à temperatura a que estão sujeitos os peixes.
(D) ao tempo de perda do controlo motor dos peixes.
3. Considere as seguintes afirmações, relativas aos dados obtidos na investigação.
I. O sexo dos peixes de Poecilia mexicana não influencia a resistência à rotenona.
II. As fêmeas da P. mexicana recolhidas fora da Caverna do Enxofre têm maior resistência à rotenona.
III. O tamanho dos peixes condiciona a resistência à rotenona.
(A) III é verdadeira; I e II são falsas.
(B) I e II são verdadeiras; III é falsa.
(C) II e III são verdadeiras; I é falsa.
(D) I é verdadeira; II e III são falsas.
4. As bactérias quimioautotróficas utilizam a energia da ______ de compostos inorgânicos, como o H2S,
encontrando-se no ______ das cadeias alimentares.
(A) redução ... final
(B) oxidação ... início
(C) oxidação ... final
(D) redução ... início
5. As bactérias Escherichia coli, que habitam no intestino dos peixes, são seres heterotróficos que obtém o
alimento por
(A) ingestão e possuem parede celular com constituição celulósica.
(B) absorção e possuem parede celular com constituição celulósica.
(C) ingestão e possuem parede celular com polissacarídeos e proteínas.
(D) absorção e possuem parede celular com polissacarídeos e proteínas.
6. Utilizando apenas como critério de classificação ___, as bactérias pertencem inequivocamente ao Reino __,
(A) o tipo de nutrição … Monera
(B) o tipo de nutrição … Protista
(C) a organização estrutural … Monera
(D) a organização estrutural … Protista
7. De acordo com uma explicação lamarckista,
(A) a introdução da rotenona induz o aumento da resistência dos peixes.
(B) a ausência do barbasco aumenta a resistência dos peixes.
(C) a presença da rotenona cria um efeito seletivo que aumenta os peixes resistentes na população.
(D) o aumento da resistência dos peixes resulta da ação de genes que metabolizam a rotenona.
8. Explique em que medida a ação da rotenona pode influenciar o controlo do movimento dos peixes.
9. No ciclo de vida dos peixes, os gâmetas pertencem à ______, resultando de um processo ______ de divisão
celular.
(A) haplofase ... meiótico
(B) diplofase ... meiótico
(C) haplofase ... mitótico
(D) diplofase ... mitótico
10. Explique em que medida a investigação não é conclusiva sobre as causas da resistência dos peixes, tendo
em conta o conjunto de fatores a que estão sujeitos nos diferentes habitats.
6
GRUPO III
Embora a maioria das plantas sirva de alimento para os insetos, algumas têm a capacidade de produzir
substâncias tóxicas que as protegem desses animais.
A mosca-branca, Bemisia tabaci, é uma praga agrícola que se alimenta de mais de 600 espécies de
plantas, a maioria das quais produz glicosídeos fenólicos, que são mortais para os insetos. As moscas-
brancas conseguem evitar os efeitos desta toxina porque incorporaram o gene BtPMaT1, originário de
plantas, que concede ao inseto a capacidade de desintoxicar esses compostos por si mesmos. As plantas
usam o gene dentro das suas próprias células para armazenar os seus compostos nocivos de uma forma
inofensiva, para que a planta não se envenene.
Investigadores chineses, após efetuarem análises genéticas e filogenéticas, creem que o gene BtPMaT1
terá sido captado por um vírus, dentro da planta e após a ingestão por uma mosca-branca, terá sido
integrado no seu genoma há cerca de 35 Ma. Este é o primeiro e único caso registado da transferência
horizontal de um gene funcional de uma planta para um inseto, que neutraliza compostos tóxicos
produzidos pela planta.
O gene BtPMaT1 é responsável pela produção da enzima glicosídeo fenólico maloniltransferase, que
neutraliza os glicosídeos fenólicos. Este facto, foi confirmado em investigações recentes, após a
transformação genética de tomateiros que produzem RNAs que silenciam o gene BtPMaT1, prejudicando
assim a capacidade de desintoxicação das moscas-brancas. Esta descoberta revela um cenário evolutivo
em que os insetos herbívoros podem captar genes de plantas hospedeiras para desenvolver resistência às
defesas químicas de plantas e como isso pode ser explorado para proteção de culturas agrícolas.
Na figura 4 está representada a aquisição do gene vegetal BtPMaT1 pela mosca-branca B. tabaci e a
neutralização dos glicosídeos fenólicos vegetais.
Baseado em https://biosci.snu.ac.kr/pcb/board/jclub?bm=v&bbsidx=948&page=1
Figura 4
1. Segundo o sistema de classificação de Whittaker, a mosca-branca pertence, inequivocamente, ao Reino
Animalia por apresentar
(A) mobilidade e nutrição por ingestão.
(B) células eucarióticas e nutrição por absorção.
(C) diferenciação tecidular elevada e heterotrofia.
(D) multicelularidade e tecidos especializados.
2. A comparação de sequências de genes de Bemisia tabaci para a reconstrução de relações filogenéticas
constituem argumentos
(A) bioquímicos, de acordo com o darwinismo.
(B) bioquímicos, de acordo com o neodarwinismo.
(C) citológicos, de acordo com o darwinismo.
(D) citológicos, de acordo com o neodarwinismo.
7
3. Na designação Bemisia tabaci, o termo tabaci corresponde ao ______ associado ______ Bemisia.
(A) restritivo específico ... ao género
(B) restritivo específico ... à espécie
(C) restritivo genérico ... à espécie
(D) restritivo genérico ... ao género
4. Os sistemas de classificação ______ baseiam-se exclusivamente nas características atuais dos seres vivos
e não consideram as ______ entre os grupos criados.
(A) fenéticos … semelhanças
(B) fenéticos … relações evolutivas
(C) filogenéticos … semelhanças
(D) filogenéticos … relações evolutivas
5. O recurso a inseticidas na agricultura tem levado ao aparecimento de insetos resistentes. Numa perspetiva
darwinista, a alteração da resistência aos inseticidas poderia ser explicada como resultante
(A) da existência, nos insetos, de genes selecionados pela aplicação continuada de inseticidas.
(B) do surgimento de insetos mutantes resistentes, após a aplicação continuada de inseticidas.
(C) da necessidade de adaptação individual dos insetos, devido à aplicação continuada de inseticidas.
(D) da sobrevivência diferencial dos insetos mais resistentes à aplicação continuada de inseticidas.
6. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica
dos acontecimentos que culminam no controle biotecnológico da praga da mosca-branca.
A. Atuação de ácidos nucleicos do tomateiro em células animais.
B. Neutralização de glicosídeos fenólicos em macroconsumidores.
C. Transcrição do gene BtPMaT1 em seres autotróficos. ___-___-___-___-___
D. Perda de capacidade de desintoxicação das moscas-brancas.
E. Incorporação do gene BtPMaT1 em células germinativas da mosca-branca.
7. Explique de que modo a transferência horizontal de genes contribuiu para o aparecimento de insetos
resistentes a toxinas produzidas por plantas.
8. A cada uma das letras (a a e) da coluna I, que assinalam afirmações relativas a características de seres
vivos, faz corresponder o número (1 a 8) da coluna II que identifica critérios de classificação.
Coluna A Coluna B
(a) Os lagartos e as cobras possuem um número característico de
cromossomas. ___
(b) Os lagartos e as cobras realizam digestão intracorporal e
extracelular. ___
(c) Os lagartos e as cobras são ovíparos. ___
(d) Os fungos e os animais não possuem cloroplastos, ao contrário
das plantas. ___
(e) Os lagartos e as cobras podem ser agrupados de acordo com o
número de membros locomotores. ___
(1) Morfológicos
(2) Simetria corporal
(3) Nutrição
(4) Bioquímicos
(5) Citológicos
(6) Embriológicos
(7) Cariologia
(8) Estratégias reprodutivas
8
9. De entre as afirmações seguintes, relacionadas com dois sistemas de classificação de seres vivos,
selecione as três que estão corretas.
I. De acordo com o sistema de classificação de Whittaker modificado, as bactérias e os fungos
pertencem ao mesmo reino.
II. O sistema de classificação dos seres vivos em três domínios propõe a separação dos procariontes em
dois domínios.
III. Os fungos, assim como todos os seres eucariontes, pertencem ao domínio Eukaria.
IV. De acordo com o critério de interação nos ecossistemas do sistema de classificação de Whittaker
modificado, os fungos são microconsumidores.
V. As bactérias pertencem ao domínio Monera, segundo o sistema de classificação dos seres vivos em
três domínios.
As pontuações obtidas nas respostas aos 18 itens assinalados com
contribuem obrigatoriamente para a classificação final.
8 x 18
Subtotal
144
Dos restantes 12 itens, contribuem
para a classificação final os 7 itens cujas respostas obtenham melhor
pontuação, até ao máximo de 44 pontos.
8 x 7
Subtotal
56
Cotação Total 200
9
CRITÉRIOS DE CORREÇÃO
GRUPO I
Itens 1. 2. 3. 4. 5 6 7. 8. 9.
Versão A B A D A A C C B B
Versão B C B B D B D B C A
10. (a) – (2), (5), 7); (b) – 1), (4), (6), (9); (c) – (3), (8).
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
3 Associa corretamente 8 ou 9 afirmações. 8
2 Associa corretamente 5, 6 ou 7 afirmações. 5
1 Associa corretamente 2, 3 ou 4 afirmações. 2
11. Tópicos de resposta:
• Na população inicial devido a mutações e recombinações genéticas, existiam borboletas com caudas
longas nas asas posteriores e sem caudas;
• As borboletas com asas posteriores mais longas, ao confundir os morcegos, facilitaram a fuga (ou
dificultaram sua predação) a estes predadores, conseguindo sobreviver.
• A maior reprodução das borboletas com caudas longas nas asas posteriores levou a sua
predominância na população.
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
5 Explica, com rigor científico, os três tópicos. 8
4 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 7
3 Explica, com rigor científico, apenas dois dos tópicos. 5
2 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 4
1 Explica, com rigor científico, apenas um dos tópicos. 2
GRUPO II
Itens 1. 2. 3. 4. 5 6 7. 9.
Versão A D B A B D C A A
Versão B C A B C B D B C
8. Tópicos de resposta:
• A rotenona inibe a ação das mitocôndrias, provocando a diminuição da produção de energia.
• A perda do controlo dos movimentos dos peixes deve-se à diminuição da produção de energia pelas
células musculares/transmissão do impulso nervoso.
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
4 Explica, com rigor científico, apresentando os dois tópicos. 8
3 Explica, com falhas no rigor científico, apresentando os dois tópicos. 6
2 Apresenta com rigor científico apenas um dos tópicos. 4
1 Apresenta, com falhas apenas um dos tópicos. 2
10. Tópicos de resposta:
• Referência ao facto de as populações dos diferentes locais (1, 2, 3 e 4) poderem estar sujeitas a
diferentes concentrações de H2S na água.
• Referência ao facto de o H2S poder influenciar a atividade mitocondrial dos peixes.
• Referência ao facto de o H2S não ter sido testado na investigação.
10
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
4 Explica, com rigor científico, os três tópicos. 8
3 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 7
Explica, com rigor científico, apenas dois dos tópicos. 5
2 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 4
1 Explica, com rigor científico, apenas um dos tópicos. 2
GRUPO III
Itens 1. 2. 3. 4. 5
Versão A C B A B D
Versão B B D C D A
6. C-E-A-B-D
7. Tópicos de resposta:
• A captação de genes de plantas por parte dos insetos origina novas combinações genéticas.
• Numa população, os insetos que permitem resistir a plantas que produzem toxinas reproduzem-se
mais.
• A resistência às toxinas ao passar à descendência contribuiu para originar populações resistentes às
toxinas.
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
4 Explica, com rigor científico, os três tópicos. 8
3 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 7
Explica, com rigor científico, apenas dois dos tópicos. 5
2 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 4
1 Explica, com rigor científico, apenas um dos tópicos. 2
8. (a)-(7); (b)-(3); (c)-(8); (d)-(5); (e)-(1)
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
1 Associa corretamente 5 afirmações. 8
2 Associa corretamente 3 ou 4 afirmações. 5
3 Associa corretamente 1 ou 2 afirmações. 2
9. II, III, IV.
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
2 Seleciona apenas as 3 afirmações corretas. 8
1 Seleciona apenas 2 das afirmações corretas e nenhuma das outras. 5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanosandranascimento
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaJosé Luís Alves
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOsandranascimento
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)Nuno Correia
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Isaura Mourão
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão iijoseeira
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Isaura Mourão
 
Biologia 11 evolução - exercícios
Biologia 11   evolução - exercíciosBiologia 11   evolução - exercícios
Biologia 11 evolução - exercíciosNuno Correia
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluçõesTeste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluçõesIsaura Mourão
 
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) SoluçõesTeste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) SoluçõesIsaura Mourão
 
Exercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínasExercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínasIsabel Lopes
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRicardo Dias
 
Biologia 11 exercícios 1
Biologia 11   exercícios 1Biologia 11   exercícios 1
Biologia 11 exercícios 1Nuno Correia
 
Experiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlExperiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlCecilferreira
 

Mais procurados (20)

Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
 
Teste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese ProteicaTeste BG - Síntese Proteica
Teste BG - Síntese Proteica
 
EXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMESEXERCÍCIOS DE EXAMES
EXERCÍCIOS DE EXAMES
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
 
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
 
Teste 2 versão ii
Teste 2 versão iiTeste 2 versão ii
Teste 2 versão ii
 
BG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdfBG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdf
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
 
FT 4 - CICLOS DE VIDA
FT 4 - CICLOS DE VIDAFT 4 - CICLOS DE VIDA
FT 4 - CICLOS DE VIDA
 
Biologia 11 evolução - exercícios
Biologia 11   evolução - exercíciosBiologia 11   evolução - exercícios
Biologia 11 evolução - exercícios
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluçõesTeste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º) soluções
 
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) SoluçõesTeste de Avaliação nr. 2  (Biologia 10º) Soluções
Teste de Avaliação nr. 2 (Biologia 10º) Soluções
 
FT8 - ROCHAS SEDIMENTARES
FT8 - ROCHAS SEDIMENTARESFT8 - ROCHAS SEDIMENTARES
FT8 - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Exercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínasExercícios dna e síntese proteínas
Exercícios dna e síntese proteínas
 
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11ºRelatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
Relatório Atividades Laboratoriais 1.1, 1.2, 1.3, 1.4 11º
 
Biologia 11 exercícios 1
Biologia 11   exercícios 1Biologia 11   exercícios 1
Biologia 11 exercícios 1
 
Experiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlExperiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahl
 
Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11
 

Semelhante a 1_BG11_T3a_21_CC.pdf

Aprimoramento 10 - Evolução
Aprimoramento 10 - EvoluçãoAprimoramento 10 - Evolução
Aprimoramento 10 - EvoluçãoGiovanibiologo
 
09336915 -lista_de_exercicio_evolucao
09336915  -lista_de_exercicio_evolucao09336915  -lista_de_exercicio_evolucao
09336915 -lista_de_exercicio_evolucaoantoniojosdaschagas
 
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_aPrv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_aIonara Urrutia Moura
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do AmanhãProva 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do AmanhãLeonardo Kaplan
 
Prv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_b
Prv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_bPrv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_b
Prv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_bIonara Urrutia Moura
 
Treinamento de evolução
Treinamento de evoluçãoTreinamento de evolução
Treinamento de evoluçãoemanuel
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SMEProva 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SMELeonardo Kaplan
 
Prv respondida 3mec nov_2011_turma_b
Prv respondida 3mec nov_2011_turma_bPrv respondida 3mec nov_2011_turma_b
Prv respondida 3mec nov_2011_turma_bIonara Urrutia Moura
 
Avaliação parcial de ciências 7 ano agosto
Avaliação parcial de ciências 7 ano agostoAvaliação parcial de ciências 7 ano agosto
Avaliação parcial de ciências 7 ano agostoMoesio Alves
 
Teste Global de Biologia 1
Teste Global de Biologia 1Teste Global de Biologia 1
Teste Global de Biologia 1Isaura Mourão
 
Origem da vida-exercícios
Origem da vida-exercíciosOrigem da vida-exercícios
Origem da vida-exercíciosAdriano Sarges
 
Atividades de ciências avaliação com os descritores
Atividades de ciências avaliação com os descritoresAtividades de ciências avaliação com os descritores
Atividades de ciências avaliação com os descritoresNTE
 
9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiar
9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiar9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiar
9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiarssuserda7871
 
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferosElizabete Costa
 
FT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICA
FT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICAFT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICA
FT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICAsandranascimento
 
1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias 9º ANO 2023.docx Ingá.docx
1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias  9º ANO 2023.docx Ingá.docx1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias  9º ANO 2023.docx Ingá.docx
1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias 9º ANO 2023.docx Ingá.docxMaria dos remédios
 

Semelhante a 1_BG11_T3a_21_CC.pdf (20)

Aprimoramento 10 - Evolução
Aprimoramento 10 - EvoluçãoAprimoramento 10 - Evolução
Aprimoramento 10 - Evolução
 
Aprimoramento 10
Aprimoramento 10Aprimoramento 10
Aprimoramento 10
 
1
11
1
 
09336915 -lista_de_exercicio_evolucao
09336915  -lista_de_exercicio_evolucao09336915  -lista_de_exercicio_evolucao
09336915 -lista_de_exercicio_evolucao
 
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_aPrv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
Prv respondida 3_ele_nov_2011_turma_a
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do AmanhãProva 7º ano - 3º bimestre  - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME - Cientistas do Amanhã
 
Prv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_b
Prv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_bPrv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_b
Prv respondida 3_ta ok_out_2012_turma_b
 
Treinamento de evolução
Treinamento de evoluçãoTreinamento de evolução
Treinamento de evolução
 
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SMEProva 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
Prova 7º ano - 3º bimestre - 2010 - SME
 
Prv respondida 3mec nov_2011_turma_b
Prv respondida 3mec nov_2011_turma_bPrv respondida 3mec nov_2011_turma_b
Prv respondida 3mec nov_2011_turma_b
 
Avaliação parcial de ciências 7 ano agosto
Avaliação parcial de ciências 7 ano agostoAvaliação parcial de ciências 7 ano agosto
Avaliação parcial de ciências 7 ano agosto
 
Teste Global de Biologia 1
Teste Global de Biologia 1Teste Global de Biologia 1
Teste Global de Biologia 1
 
Origem da vida-exercícios
Origem da vida-exercíciosOrigem da vida-exercícios
Origem da vida-exercícios
 
Exercícios de evolução.pdf
Exercícios de evolução.pdfExercícios de evolução.pdf
Exercícios de evolução.pdf
 
Trabalho recuperacao a5-1
Trabalho recuperacao a5-1Trabalho recuperacao a5-1
Trabalho recuperacao a5-1
 
Atividades de ciências avaliação com os descritores
Atividades de ciências avaliação com os descritoresAtividades de ciências avaliação com os descritores
Atividades de ciências avaliação com os descritores
 
9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiar
9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiar9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiar
9 ANO CINCIAS.pdf trabalho pronto para copiar
 
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
7ano exercicio repteis_aves_e_mamiferos
 
FT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICA
FT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICAFT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICA
FT5 - EVOLUÇÃO BIOLÓGICA
 
1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias 9º ANO 2023.docx Ingá.docx
1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias  9º ANO 2023.docx Ingá.docx1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias  9º ANO 2023.docx Ingá.docx
1ª RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE CIênncias 9º ANO 2023.docx Ingá.docx
 

Mais de José Luís Alves (7)

BG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdfBG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdf
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
 
Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 

Último

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 

Último (20)

Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 

1_BG11_T3a_21_CC.pdf

  • 1. Ficha de Avaliação Sumativa Biologia e Geologia – 11º ano Janeiro de 2022 Prof. José Luís Alves 1 Nome: ______________________________________________________________ Nº:_____ Turma:____ Avaliação: _____________________ Enc. Ed._______________________ O Professor: ___________ Versão A A prova inclui 18 itens, identificados no enunciado com , cujas respostas contribuem obrigatoriamente para a classificação final. Dos restantes 12 itens da prova, apenas contribuem para a classificação final os 7 itens cujas respostas obtenham melhor pontuação. GRUPO I As traças-da-seda apresentam uma grande diversidade em relação à forma das suas asas posteriores, evidenciadas em espécies como Argema mimosae, Argema polyphemus e Argema luna. Nestes indivíduos, estas asas possuem caudas que confundem predadores, como os morcegos, que criam uma ilusão acústica que leva os morcegos a percecionarem as duas caudas destas traças como se fossem dois alvos distintos, o que desvia a sua atenção do corpo vulnerável dos insetos. Análises genéticas e morfológicas permitiram reconstituir o processo evolutivo das traças, constatando- se que as diferentes formas das asas posteriores não evoluíram a partir de um antepassado comum. Para testar o mecanismo de defesa das traças relacionado com a forma das asas posteriores, foi desenvolvido o seguinte estudo: Em três espécies de traças, as asas posteriores de alguns animais foram experimentalmente modificadas através do corte e colagem das caudas, obtendo-se grupos de animais com as asas cortadas, inalteradas e aumentadas. Os animais dos diferentes grupos foram colocados individualmente no mesmo espaço com morcegos, tendo-se apurado, em cada grupo, as percentagens de animais que conseguiram escapar a este predador, que constam no gráfico da figura 1. Baseado em Rubin, J.J et al (2018). The evolution of anti-bat sensorry illusionx in motths”. Science Advances, vol.4, nº7. Figura 1 1. Na experiência descrita, o ______ constitui a variável independente e o controlo corresponde ao grupo de animais com caudas ______. (A) sucesso na fuga ... aumentadas (B) comprimento das asas ... intactas (C) comprimento das asas ... aumentadas (D) sucesso na fuga ... intactas
  • 2. 2 2. Da análise de resultados verifica-se que quanto ______ for o comprimento das asas posteriores de uma traça de dada espécie, ______ é a sua probabilidade de sobreviver ao ataque do morcego. (A) maior... maior (B) maior ... menor (C) menor ... menor (D) menor ... maior 3. Considere as afirmações seguintes, relativas à interpretação dos resultados do estudo I. O aumento do tamanho das asas posteriores não confere vantagens adaptativas às traças-da-seda. II. O sucesso de fuga varia inversamente com o comprimento das asas posteriores das três espécies. III. Os morcegos contribuíram para o aumento de tamanho das asas posteriores de Argema mimosae. (A) I e II verdadeiras, III é falsa. (B) II é verdadeira, I e III falsas (C) I e III são verdadeiras, II é falsa. (D) III é verdadeira, I e II são falsas. 4. Segundo uma perspetiva (A) darwinista, as traças que desenvolveram “cauda” tiveram maior sucesso reprodutivo. (B) lamarckista, entre as traças ancestrais, só as que tinham “cauda” puderam sobreviver. (C) darwinista, as traças desenvolveram “cauda” para fugirem aos morcegos. (D) lamarckista, as traças com “cauda” evoluíram devido à variabilidade intraespecífica. 5. A capacidade de fuga à predação de algumas traças-da-seda, segundo uma perspetiva lamarckista, provavelmente resulta da (A) adaptação individual. (B) ocorrência de mutações. (C) variabilidade intraespecífica. (D) eliminação dos mais fracos. 6. Argema polyphemus e Argema luna são nomes científicos de traças-da-seda, existentes que pertencem (A) ao mesmo género, mas não à mesma classe. (B) à mesma família, mas não à mesma ordem. (C) à mesma família e à mesma ordem. (D) mesma espécie e ao mesmo género. 7. As asas dos morcegos e as asas das traças-da-seda são órgãos (A) análogos e apresentam uma estrutura interna idêntica. (B) homólogos e apresentam uma estrutura interna diferente. (C) análogos e resultam de uma evolução convergente. (D) homólogos e resultam de uma evolução divergente. 8. Para estabelecimento das relações evolutivas entre as traças foram utilizadas (A) apenas dados bioquímicos (B) dados bioquímicos e anatómicos (C) apenas dados anatómicos (D) dados citológicos e morfológicos. 9. As traças-de–seda tendem a acasalar com o primeiro macho que se aproxima, pelo que é de prever que (A) a escolha dos machos desempenhe um papel relevante na evolução das caudas das traças. (B) o acasalamento ao acaso favoreça a manutenção de fundo genético da população de traças. (C) o acasalamento ao acaso favoreça o aparecimento de animais com cauda. (D) o acasalamento ao acaso conduza à alteração do fundo genético das populações de traças.
  • 3. 3 10. Associe às teorias apresentadas na Coluna I as afirmações da Coluna II que lhe podem corresponder. Cada um dos números deve ser associado apenas a uma letra e todos os números devem ser utilizados. (a) _______________ (b) _______________ (c) _______________ 11. Explique, segundo uma perspetiva neodarwinista, o aparecimento de caudas longas nas asas posteriores de Argema mimosae. Coluna I Coluna II (a) Lamarquismo (b) Neodarwinismo (c) Ambas as teorias (1) Os morcegos sujeitos a idênticas pressões seletivas apresentam analogias estruturais. (2) A presença de caudas nas asas posteriores em Argema luna constitui uma adaptação individual. (3) As espécies evoluíram por adaptação ao meio ambiente. (4) As mutações são fonte de variabilidade genética. (5) O morcego, por voar à noite, desenvolveu a capacidade auditiva ao longo do seu tempo de vida. (6) As populações de traças-da-seda adaptaram-se à predação pelos morcegos. (7) O voo noturno dos morcegos levou à atrofia da sua visão. (8) As características de adaptação ao ambiente são transmitidas à descendência. (9) Os seres mais bem adaptados apresentam sobrevivência diferencial.
  • 4. 4 GRUPO II PE_316 Desde há séculos que o povo da etnia Zoque, no México, pratica um ritual religioso, no final da estação seca, durante o qual usam raízes de barbasco (Lonchocarpus sp.) para envenenar peixes da espécie Poecilia mexicana. Durante a cerimónia, o barbasco é depositado numa gruta a partir de onde é distribuído pela corrente ao longo do interior e para o exterior da gruta. As raízes de barbasco contêm rotenona, uma substância tóxica que inibe a atividade mitocondrial. Os peixes anestesiados são depois recolhidos e usados na alimentação até que as culturas estejam prontas para a colheita. Estes peixes habitam o sistema de grutas designado por Caverna do Enxofre, distribuindo-se por habitats caracterizados pela presença ou ausência de sulfureto de hidrogénio (H2S), um gás libertado do chão das grutas que pode ser usado por bactérias quimioautotróficas. Apesar da proximidade dos vários tipos de habitat e da ausência de barreiras físicas, as várias populações apresentam acentuada divergência genética. Um grupo de investigadores formulou a hipótese de as populações de peixes, anualmente sujeitas à ação da rotenona, apresentarem uma maior resistência a esta substância. Para testar esta hipótese, foram capturados peixes em dois locais afetados pela deposição do barbasco e de dois locais não afetados, situados a montante do local do ritual (figura 2). Após a recolha, os peixes foram colocados em tanques com 100 ml de água sem H2S, arejada com regularidade, onde permaneceram durante dois dias. Posteriormente foram adicionados 5 ml de uma solução de barbasco, com intervalos de 2 minutos, ao longo de 60 minutos, tendo sido determinado o tempo até os peixes perderem o controlo do movimento. Findo este tempo, os peixes dos dois sexos foram medidos, pesados e colocados em tanques de recuperação fortemente arejados. Os resultados experimentais estão expressos nos gráficos A e B da figura 3. Baseado em M. Tobler, et al, An indigenous religious ritual selects for resistance to a toxicant in a livebearing fish Figura 2 – Localização da captura dos peixes e locais dos rituais religiosos na Caverna o Enxofre. Figura 3 1. A atividade experimental teve como principal objetivo (A) compreender o efeito da luz sobre as populações de peixes. (B) verificar a ação da seleção natural sobre os peixes da Caverna do Enxofre. (C) verificar a influência do H2S no aumento da resistência ao barbasco. (D) compreender a relação entre uma atividade humana e o aumento da resistência ao barbasco.
  • 5. 5 2. Uma das variáveis independentes da investigação corresponde (A) à presença ou ausência de luz a que os peixes são submetidos. (B) à população de origem dos peixes. (C) à temperatura a que estão sujeitos os peixes. (D) ao tempo de perda do controlo motor dos peixes. 3. Considere as seguintes afirmações, relativas aos dados obtidos na investigação. I. O sexo dos peixes de Poecilia mexicana não influencia a resistência à rotenona. II. As fêmeas da P. mexicana recolhidas fora da Caverna do Enxofre têm maior resistência à rotenona. III. O tamanho dos peixes condiciona a resistência à rotenona. (A) III é verdadeira; I e II são falsas. (B) I e II são verdadeiras; III é falsa. (C) II e III são verdadeiras; I é falsa. (D) I é verdadeira; II e III são falsas. 4. As bactérias quimioautotróficas utilizam a energia da ______ de compostos inorgânicos, como o H2S, encontrando-se no ______ das cadeias alimentares. (A) redução ... final (B) oxidação ... início (C) oxidação ... final (D) redução ... início 5. As bactérias Escherichia coli, que habitam no intestino dos peixes, são seres heterotróficos que obtém o alimento por (A) ingestão e possuem parede celular com constituição celulósica. (B) absorção e possuem parede celular com constituição celulósica. (C) ingestão e possuem parede celular com polissacarídeos e proteínas. (D) absorção e possuem parede celular com polissacarídeos e proteínas. 6. Utilizando apenas como critério de classificação ___, as bactérias pertencem inequivocamente ao Reino __, (A) o tipo de nutrição … Monera (B) o tipo de nutrição … Protista (C) a organização estrutural … Monera (D) a organização estrutural … Protista 7. De acordo com uma explicação lamarckista, (A) a introdução da rotenona induz o aumento da resistência dos peixes. (B) a ausência do barbasco aumenta a resistência dos peixes. (C) a presença da rotenona cria um efeito seletivo que aumenta os peixes resistentes na população. (D) o aumento da resistência dos peixes resulta da ação de genes que metabolizam a rotenona. 8. Explique em que medida a ação da rotenona pode influenciar o controlo do movimento dos peixes. 9. No ciclo de vida dos peixes, os gâmetas pertencem à ______, resultando de um processo ______ de divisão celular. (A) haplofase ... meiótico (B) diplofase ... meiótico (C) haplofase ... mitótico (D) diplofase ... mitótico 10. Explique em que medida a investigação não é conclusiva sobre as causas da resistência dos peixes, tendo em conta o conjunto de fatores a que estão sujeitos nos diferentes habitats.
  • 6. 6 GRUPO III Embora a maioria das plantas sirva de alimento para os insetos, algumas têm a capacidade de produzir substâncias tóxicas que as protegem desses animais. A mosca-branca, Bemisia tabaci, é uma praga agrícola que se alimenta de mais de 600 espécies de plantas, a maioria das quais produz glicosídeos fenólicos, que são mortais para os insetos. As moscas- brancas conseguem evitar os efeitos desta toxina porque incorporaram o gene BtPMaT1, originário de plantas, que concede ao inseto a capacidade de desintoxicar esses compostos por si mesmos. As plantas usam o gene dentro das suas próprias células para armazenar os seus compostos nocivos de uma forma inofensiva, para que a planta não se envenene. Investigadores chineses, após efetuarem análises genéticas e filogenéticas, creem que o gene BtPMaT1 terá sido captado por um vírus, dentro da planta e após a ingestão por uma mosca-branca, terá sido integrado no seu genoma há cerca de 35 Ma. Este é o primeiro e único caso registado da transferência horizontal de um gene funcional de uma planta para um inseto, que neutraliza compostos tóxicos produzidos pela planta. O gene BtPMaT1 é responsável pela produção da enzima glicosídeo fenólico maloniltransferase, que neutraliza os glicosídeos fenólicos. Este facto, foi confirmado em investigações recentes, após a transformação genética de tomateiros que produzem RNAs que silenciam o gene BtPMaT1, prejudicando assim a capacidade de desintoxicação das moscas-brancas. Esta descoberta revela um cenário evolutivo em que os insetos herbívoros podem captar genes de plantas hospedeiras para desenvolver resistência às defesas químicas de plantas e como isso pode ser explorado para proteção de culturas agrícolas. Na figura 4 está representada a aquisição do gene vegetal BtPMaT1 pela mosca-branca B. tabaci e a neutralização dos glicosídeos fenólicos vegetais. Baseado em https://biosci.snu.ac.kr/pcb/board/jclub?bm=v&bbsidx=948&page=1 Figura 4 1. Segundo o sistema de classificação de Whittaker, a mosca-branca pertence, inequivocamente, ao Reino Animalia por apresentar (A) mobilidade e nutrição por ingestão. (B) células eucarióticas e nutrição por absorção. (C) diferenciação tecidular elevada e heterotrofia. (D) multicelularidade e tecidos especializados. 2. A comparação de sequências de genes de Bemisia tabaci para a reconstrução de relações filogenéticas constituem argumentos (A) bioquímicos, de acordo com o darwinismo. (B) bioquímicos, de acordo com o neodarwinismo. (C) citológicos, de acordo com o darwinismo. (D) citológicos, de acordo com o neodarwinismo.
  • 7. 7 3. Na designação Bemisia tabaci, o termo tabaci corresponde ao ______ associado ______ Bemisia. (A) restritivo específico ... ao género (B) restritivo específico ... à espécie (C) restritivo genérico ... à espécie (D) restritivo genérico ... ao género 4. Os sistemas de classificação ______ baseiam-se exclusivamente nas características atuais dos seres vivos e não consideram as ______ entre os grupos criados. (A) fenéticos … semelhanças (B) fenéticos … relações evolutivas (C) filogenéticos … semelhanças (D) filogenéticos … relações evolutivas 5. O recurso a inseticidas na agricultura tem levado ao aparecimento de insetos resistentes. Numa perspetiva darwinista, a alteração da resistência aos inseticidas poderia ser explicada como resultante (A) da existência, nos insetos, de genes selecionados pela aplicação continuada de inseticidas. (B) do surgimento de insetos mutantes resistentes, após a aplicação continuada de inseticidas. (C) da necessidade de adaptação individual dos insetos, devido à aplicação continuada de inseticidas. (D) da sobrevivência diferencial dos insetos mais resistentes à aplicação continuada de inseticidas. 6. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos que culminam no controle biotecnológico da praga da mosca-branca. A. Atuação de ácidos nucleicos do tomateiro em células animais. B. Neutralização de glicosídeos fenólicos em macroconsumidores. C. Transcrição do gene BtPMaT1 em seres autotróficos. ___-___-___-___-___ D. Perda de capacidade de desintoxicação das moscas-brancas. E. Incorporação do gene BtPMaT1 em células germinativas da mosca-branca. 7. Explique de que modo a transferência horizontal de genes contribuiu para o aparecimento de insetos resistentes a toxinas produzidas por plantas. 8. A cada uma das letras (a a e) da coluna I, que assinalam afirmações relativas a características de seres vivos, faz corresponder o número (1 a 8) da coluna II que identifica critérios de classificação. Coluna A Coluna B (a) Os lagartos e as cobras possuem um número característico de cromossomas. ___ (b) Os lagartos e as cobras realizam digestão intracorporal e extracelular. ___ (c) Os lagartos e as cobras são ovíparos. ___ (d) Os fungos e os animais não possuem cloroplastos, ao contrário das plantas. ___ (e) Os lagartos e as cobras podem ser agrupados de acordo com o número de membros locomotores. ___ (1) Morfológicos (2) Simetria corporal (3) Nutrição (4) Bioquímicos (5) Citológicos (6) Embriológicos (7) Cariologia (8) Estratégias reprodutivas
  • 8. 8 9. De entre as afirmações seguintes, relacionadas com dois sistemas de classificação de seres vivos, selecione as três que estão corretas. I. De acordo com o sistema de classificação de Whittaker modificado, as bactérias e os fungos pertencem ao mesmo reino. II. O sistema de classificação dos seres vivos em três domínios propõe a separação dos procariontes em dois domínios. III. Os fungos, assim como todos os seres eucariontes, pertencem ao domínio Eukaria. IV. De acordo com o critério de interação nos ecossistemas do sistema de classificação de Whittaker modificado, os fungos são microconsumidores. V. As bactérias pertencem ao domínio Monera, segundo o sistema de classificação dos seres vivos em três domínios. As pontuações obtidas nas respostas aos 18 itens assinalados com contribuem obrigatoriamente para a classificação final. 8 x 18 Subtotal 144 Dos restantes 12 itens, contribuem para a classificação final os 7 itens cujas respostas obtenham melhor pontuação, até ao máximo de 44 pontos. 8 x 7 Subtotal 56 Cotação Total 200
  • 9. 9 CRITÉRIOS DE CORREÇÃO GRUPO I Itens 1. 2. 3. 4. 5 6 7. 8. 9. Versão A B A D A A C C B B Versão B C B B D B D B C A 10. (a) – (2), (5), 7); (b) – 1), (4), (6), (9); (c) – (3), (8). Níveis Descritores de desempenho Pontuação 3 Associa corretamente 8 ou 9 afirmações. 8 2 Associa corretamente 5, 6 ou 7 afirmações. 5 1 Associa corretamente 2, 3 ou 4 afirmações. 2 11. Tópicos de resposta: • Na população inicial devido a mutações e recombinações genéticas, existiam borboletas com caudas longas nas asas posteriores e sem caudas; • As borboletas com asas posteriores mais longas, ao confundir os morcegos, facilitaram a fuga (ou dificultaram sua predação) a estes predadores, conseguindo sobreviver. • A maior reprodução das borboletas com caudas longas nas asas posteriores levou a sua predominância na população. Níveis Descritores de desempenho Pontuação 5 Explica, com rigor científico, os três tópicos. 8 4 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 7 3 Explica, com rigor científico, apenas dois dos tópicos. 5 2 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 4 1 Explica, com rigor científico, apenas um dos tópicos. 2 GRUPO II Itens 1. 2. 3. 4. 5 6 7. 9. Versão A D B A B D C A A Versão B C A B C B D B C 8. Tópicos de resposta: • A rotenona inibe a ação das mitocôndrias, provocando a diminuição da produção de energia. • A perda do controlo dos movimentos dos peixes deve-se à diminuição da produção de energia pelas células musculares/transmissão do impulso nervoso. Níveis Descritores de desempenho Pontuação 4 Explica, com rigor científico, apresentando os dois tópicos. 8 3 Explica, com falhas no rigor científico, apresentando os dois tópicos. 6 2 Apresenta com rigor científico apenas um dos tópicos. 4 1 Apresenta, com falhas apenas um dos tópicos. 2 10. Tópicos de resposta: • Referência ao facto de as populações dos diferentes locais (1, 2, 3 e 4) poderem estar sujeitas a diferentes concentrações de H2S na água. • Referência ao facto de o H2S poder influenciar a atividade mitocondrial dos peixes. • Referência ao facto de o H2S não ter sido testado na investigação.
  • 10. 10 Níveis Descritores de desempenho Pontuação 4 Explica, com rigor científico, os três tópicos. 8 3 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 7 Explica, com rigor científico, apenas dois dos tópicos. 5 2 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 4 1 Explica, com rigor científico, apenas um dos tópicos. 2 GRUPO III Itens 1. 2. 3. 4. 5 Versão A C B A B D Versão B B D C D A 6. C-E-A-B-D 7. Tópicos de resposta: • A captação de genes de plantas por parte dos insetos origina novas combinações genéticas. • Numa população, os insetos que permitem resistir a plantas que produzem toxinas reproduzem-se mais. • A resistência às toxinas ao passar à descendência contribuiu para originar populações resistentes às toxinas. Níveis Descritores de desempenho Pontuação 4 Explica, com rigor científico, os três tópicos. 8 3 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 7 Explica, com rigor científico, apenas dois dos tópicos. 5 2 Explica, com falhas no rigor científico, apenas dois dos tópicos. 4 1 Explica, com rigor científico, apenas um dos tópicos. 2 8. (a)-(7); (b)-(3); (c)-(8); (d)-(5); (e)-(1) Níveis Descritores de desempenho Pontuação 1 Associa corretamente 5 afirmações. 8 2 Associa corretamente 3 ou 4 afirmações. 5 3 Associa corretamente 1 ou 2 afirmações. 2 9. II, III, IV. Níveis Descritores de desempenho Pontuação 2 Seleciona apenas as 3 afirmações corretas. 8 1 Seleciona apenas 2 das afirmações corretas e nenhuma das outras. 5