SlideShare uma empresa Scribd logo
Ficha de Avaliação Sumativa
Biologia e Geologia – 11º ano
Dezembro de 2021
Prof. José Luís Alves
1
Nome: ______________________________________________________________ Nº:_____ Turma:____
Avaliação:_____________________ Enc. Ed._______________________ O Professor: ___________
Versão A
A prova inclui 18 itens, devidamente identificados no enunciado, cujas respostas contribuem
obrigatoriamente para a classificação final. Dos restantes 12 itens da prova, apenas contribuem para a
classificação final os 7 itens cujas respostas obtenham melhor pontuação.
GRUPO I
Documento 1
Durante a divisão celular, os cromossomas ligam-se ao fuso acromático e são, posteriormente,
separados para polos opostos. É o fuso acromático que permite a movimentação dos cromossomas durante
as fases da mitose. O fuso acromático faz parte do citoesqueleto e é formado pelas tubulinas α e ẞ. Estas
são proteínas globulares que se ligam formando um polímero. O fuso acromático é muito dinâmico,
podendo crescer por polimerização ou encurtar por despolimerização. O fuso acromático liga-se aos
cromossomas, garantindo que se encontram alinhados na placa equatorial, e é responsável pela sua
separação para polos opostos. O mecanismo de transporte dos cromossomas tem sido estudado pelos
investigadores, mas não se sabia se a despolimerização ocorria na extremidade junto ao cinetocoro dos
cromossomas ou na extremidade junto aos centríolos, de acordo com os modelos A e B da figura 1,
respetivamente.
Figura 1
Uma equipa de investigadores, liderada por Gary Borisy, pretendia determinar se os microtúbulos ligados
aos cinetocoros despolimerizavam de acordo com o modelo A ou com o modelo B. Para tal, adicionaram às
tubulinas um marcador fluorescente e injetaram-nas em células renais de porco, que foram depois mantidas
numa cultura laboratorial.
Posteriormente, eliminaram a fluorescência numa secção do microtúbulo entre o cinetocoro e o
centrossoma, usando um feixe laser muito preciso. A aplicação do feixe de laser não afetou a estrutura do
fuso acromático, que permaneceu intacto.
Ao longo da anáfase, os investigadores determinaram a posição da secção de fuso acromático sem a
marcação fluorescente. Os resultados estão expressos na figura 2.
Figura 2
2
1. Considere as seguintes afirmações referentes à experiência.
I. O objetivo foi estudar o transporte de cromossomas no fuso acromático durante a metáfase.
II. O feixe de laser não reduziu a despolimerização das tubulinas.
III. A variável dependente é a presença ou ausência de secções do fuso acromático sem fluorescência.
(A) II é verdadeira; I e III são falsas.
(B) II e III são verdadeiras; I é falsa.
(C) I e II são verdadeiras; III é falsa.
(D) I é verdadeira; II e III são falsas.
2. O principal resultado da experiência apresentada foi
(A) a secção dos microtúbulos entre a marca sem fluorescência e o centrossoma diminuiu.
(B) ocorreu migração dos cromossomas para polos opostos da célula.
(C) a secção dos microtúbulos entre a marca sem fluorescência e o cinetocoro diminuiu.
(D) a secção dos microtúbulos entre a marca sem fluorescência e o centrossoma aumentou.
3. A injeção da tubulina marcada com fluorescência foi efetuada enquanto as células renais estavam em
_____, para garantir que a incorporação de tubulina no fuso acromático em formação era _____.
(A) G2 … máxima
(B) prófase … máxima
(C) prófase … mínima
(D) G2 … mínima
4. Durante a prófase não ocorre
(A) condensação dos cromossomas.
(B) alinhamento dos cromossomas na placa equatorial.
(C) desintegração do invólucro nuclear.
(D) formação do fuso acromático.
5. Explique em que medida os resultados obtidos permitem validar um dos modelos apresentados na figura 1.
Documento 2
Em 1885, o biólogo alemão August Friedrich Leopold Weisman propôs uma hipótese para explicar a
manutenção do número de cromossomas de uma geração para outra. Ele previu acertadamente que na
formação dos gâmetas devia ocorrer um tipo diferente de divisão celular, em que o número de
cromossomas das células-filhas seria reduzido para metade. Esse processo é atualmente chamado meiose.
Na época, as observações mais importantes sobre o comportamento dos cromossomas na formação dos
gâmetas foram realizadas no verme nematoide Parascaris equorum, a lombriga de cavalo. As células
somáticas destes animais apresentam apenas quatro cromossomas de grande tamanho, o que facilita seu
estudo.
3
A figura 3 representa células percursoras dos gâmetas desse verme, em diferentes fases da divisão
meiótica.
Figura 3
6. Identifique as fases representadas na figura 3.
A – B – C – D – E –
7. Os pontos de quiasma
(A) não ocorrem durante a prófase I.
(B) são locais onde se forma o fuso acromático.
(C) não ocorrem nos bivalentes.
(D) são locais onde ocorre crossing-over.
8. Uma célula germinativa de Parascaris equorum, ao entrar em divisão meiótica, apresentará na anáfase I
______ cromossomas e na telófase I ______ cromatídeos.
(A) 4 … 8
(B) 4 … 4
(C) 2 … 4
(D) 2 … 2
9. Dos processos seguintes, assinale aquele que não é considerado recombinação génica.
(A) Ocorrência de mutação.
(B) Crossing-over na prófase I.
(C) Disposição aleatória dos cromossomas homólogos na metáfase I.
(D) União aleatória de gâmetas na fecundação.
10. Faça corresponder a cada um dos acontecimentos celulares descritos na coluna I, a designação da fase da
meiose, expressa na coluna II, em que o acontecimento ocorre.
Coluna I Coluna II
(a) Contração dos filamentos do fuso acromático, levando à segregação dos
cromatídeos. ___
(b) Ocorrência de crossing-over entre cromatídeos de cromossomas homólogos. ___
(c) Disposição das tétradas cromatídicas no plano equatorial do fuso. ___
(d) Formação da membrana nuclear, envolvendo cromossomas com dois
cromatídeos. ___
(e) Descondensação de cromossomas constituídos por uma molécula de DNA. ___
(1) Prófase I
(2) Prófase II
(3) Metáfase I
(4) Metáfase II
(5) Anáfase I
(6) Anáfase II
(7) Telófase I
(8) Telófase II
11. Na tabela seguinte está indicado o conteúdo total médio de DNA, em 10-17 g/núcleo, encontrado nos
núcleos de vários tipos de células de diferentes animais.
Animal Espermatozoide Célula somática
Boi 3,40 6,80
Galo 1,30 2,60
Sapo-comum 3,70 7,40
Carpa 1,70 3,40
Explique a diferença entre a quantidade de DNA encontrado nos espermatozoides e nas células somáticas
dos animais referidos na tabela.
4
GRUPO II
As dáfnias, conhecidas como pulgas-de-água, são pequenos crustáceos (0,2 a 5 mm) que vivem em
diversos ambientes aquáticos de água doce, nomeadamente charcos temporários. O seu ciclo de vida
depende da influência das condições ambientais, que condicionam o tipo de reprodução que ocorre.
Durante a fase assexuada, as fêmeas produzem óvulos diploides que originam descendência direta, na
sua maioria fêmeas. Perante condições ambientais adversas, como a escassez de alimento ou a redução
da temperatura, os óvulos diploides originam machos e as fêmeas produzem óvulos haploides que
requerem fertilização por gâmetas masculinos. Os ovos formados, devido a uma camada externa protetora,
mantêm-se dormentes até haver condições favoráveis para se desenvolver, originando fêmeas. Esses ovos
podem manter-se viáveis até 20 anos.
Para verificar a hipótese de que a reprodução sexuada, ao permitir a mistura de alelos de genes
diferentes, pode prevenir a acumulação de genes prejudiciais numa população, investigadores colheram
amostras de Daphnia pulex de várias populações naturais. Foram estudadas 14 populações sexuadas e 14
populações assexuadas. Os cientistas isolaram e sequenciaram o DNA dos membros das 28 populações.
Em seguida, alinharam as sequências e determinaram o número de alterações do DNA que causavam
substituições nos aminoácidos. Estas alterações foram classificadas em altamente, moderadamente e
suavemente prejudiciais ou neutras para a função das proteínas. Finalmente, compararam as populações
sexuadas e assexuadas no que respeita à persistência destas alterações. Os resultados obtidos estão
registados no quadro I.
Figura 2 – Diagrama do ciclo de vida sexuado e assexuado de uma dáfnia.
Quadro I
Mutações raras nas populações
de Daphnia pulex
Aminoácidos
substituídos (%)
Persistência das mutações nas populações
Sexuadas Assexuadas
Altamente prejudiciais 73,2 Não Não
Moderadamente prejudiciais 13,3 Não Sim
Ligeiramente prejudiciais 4,4 Sim Sim
Neutras 9,1 Sim Sim
1. Uma das condições determinantes da fiabilidade dos resultados obtidos foi
(A) a quantidade de populações analisadas.
(B) o número de mutações raras no DNA.
(C) a repetição das análises do DNA.
(D) a deteção de variações nos aminoácidos.
5
2. Relativamente ao estudo efetuado é correto afirmar que
(A) os resultados obtidos não permitem validar a hipótese formulada.
(B) as mutações não prejudiciais são as que apresentam um menor número de aminoácidos substituídos.
(C) o procedimento experimental realizado não envolveu o controle de variáveis independentes.
(D) em populações sexuadas não se detetaram dáfnias com mais de 13,3% de aminoácidos substituídos.
3. Algumas das mutações em que ocorre a substituição de aminoácidos são neutras devido
(A) à redundância do código genético.
(B) ao código genético não ser ambíguo.
(C) à semelhança da estrutura dos novos aminoácidos presentes na proteína.
(D) a ocorrerem numa zona não determinante para a função da proteína.
4. As fêmeas de dáfnia
(A) podem ser haplontes e podem originar machos por fecundação.
(B) são sempre diplontes e os machos originam-se sempre por partenogénese.
(C) podem ser haplontes e os machos originam-se sempre por partenogénese.
(D) são sempre diplontes e podem originar machos por fecundação.
5. Nas dáfnias, os machos nascidos a partir da mesma fêmea são geneticamente ______ entre si e ______
respetiva progenitora.
(A) diferentes … diferentes da
(B) diferentes … iguais à
(C) iguais … e iguais à
(D) iguais … diferentes da
6. Caso haja alterações ambientais, as populações de dáfnias reproduzem-se ______ porque têm ______
capacidade de sobrevivência.
(A) assexuadamente … maior
(B) assexuadamente … menor
(C) sexuadamente … maior
(D) sexuadamente … menor
7. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência correta de
acontecimentos relacionados com o ciclo de vida de D. pulex, que culminam na formação do zigoto.
A. Restabelecimento da diploidia.
B. Formação de bivalentes.
C. Divisão de células indiferenciadas. ___-___-___-___-___
D. Desenvolvimento de machos.
E. Regulação da transcrição de genes.
8. Explique, tendo em consideração as suas características, a importância dos ovos sexuados de Daphnia
pulex para a sobrevivência das populações em ambientes em mudança.
9. Na fase haploide do ciclo de vida das plantas,
(A) os gametófitos resultam da germinação de esporos diferentes.
(B) os gametófitos são entidades unicelulares que participam na fecundação.
(C) o esporófito é uma entidade pluricelular que forma esporângios.
(D) o esporófito origina esporos morfologicamente diferentes.
6
10. Os ciclos de vida dos organismos que se reproduzem sexuadamente são variados, mas com aspetos
comuns a todos eles. Faça corresponder o ciclo de vida da coluna I a cada das afirmações da coluna II.
Coluna I Coluna II
(a) Ciclo haplonte
(b) Ciclo diplonte
(c) Ciclo haplodiplonte
(d) Todos os ciclos de vida
(1) Verifica-se alternância de fases nucleares.
(2) A meiose é pré-gamética.
(3) O zigoto é diploide e forma-se por fusão dos gâmetas.
(4) O organismo adulto é haploide e forma gâmetas por mitose.
(5) Formam-se estruturas multicelulares haploides e diploides.
(6) A meiose dá início à haplófase.
(7) É caraterístico dos animais.
(8) A meiose é pós-zigótica.
(a) ____________ (b) ____________ (c) ____________ (d) ____________
GRUPO III
A partir da observação dos ovos de algumas espécies de salamandras e rãs da América do Norte,
investigadores observaram a presença de uma cor esverdeada, diferente da maioria dos outros anfíbios. Os
investigadores constataram que após a postura, alguns ovos da salamandra da espécie Ambystoma
maculatum são invadidos pela alga verde unicelular Oophila amblystomatis, que prolifera no seu interior
junto ao embrião. Após a realização de vários estudos, constatou-se que as algas libertam oxigénio no
interior dos ovos da salamandra e utilizam o dióxido de carbono e os produtos azotados resultantes do
metabolismo do embrião em desenvolvimento.
Observações resultantes da atividade da clorofila juntamente com informações provenientes da análise
do gene que codifica a subunidade pequena dos ribossomas (18S rDNA) da alga permitiram constatar que a
mesma invade tecidos e células do embrião da salamandra. Esta invasão assemelha-se à que ocorre em
muitos protistas e invertebrados e representa uma associação rara entre uma alga e um vertebrado..
1. Na fuga aos predadores, a salamandra Ambystoma maculatum perde a sua cauda. No entanto, esta volta a
crescer a partir de células ______ que sofrem divisões ______.
(A) germinativas ... mitóticas
(B) germinativas ... meióticas
(C) somáticas ... mitóticas
(D) somáticas ... meióticas
2. A transcrição do gene 18S rDNA origina uma molécula constituída por
(A) aminoácidos.
(B) ribonucleótidos.
(C) desoxirribonucleótidos.
(D) monossacarídeos.
3. A relação existente entre a alga Oophila amblystomatis e os embriões da salamandra Ambystoma
rnaculatum pode ser considerada uma endossimbiose porque as algas
(A) vivem no interior das células da salamandra, com benefício para ambos.
(B) vivem no interior dos ovos da salamandra, com prejuízo para ambos.
(C) beneficiam de um ambiente protetor ao crescerem no interior dos ovos da salamandra.
(D) invadem as células e os tecidos do embrião.
4. Relativamente à hipótese endossimbiótica, pode-se afirmar que
(A) a simbiose ocorreu com os ancestrais dos cloroplastos e depois com os ancestrais das mitocôndrias.
(B) atualmente já não existem exemplos de endossimbiose.
(C) a presença de material genético nas mitocôndrias resultou da partilha genes do núcleo.
(D) a dupla membrana das mitocôndrias apoia a referida hipótese.
7
5. Admite-se, atualmente, que os ancestrais dos organismos multicelulares seriam colónias de seres
unicelulares ______ cuja interdependência estrutural e funcional foi ______ no decurso da evolução.
(A) procariontes ... diminuindo
(B) procariontes ... aumentando
(C) eucariontes ... diminuindo
(D) eucariontes ... aumentando
6. Segundo o modelo autogénico, os seres
(A) procariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres eucariontes.
(B) eucariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres procariontes.
(C) procariontes apresentam mitocôndrias como resultado de invaginações da membrana plasmática.
(D) eucariontes apresentam mitocôndrias como resultado de invaginações da membrana plasmática.
7. Os organismos pluricelulares, comparativamente aos seres coloniais, apresentam
(A) interdependência estrutural e funcional.
(B) interdependência estrutural.
(C) independência estrutural e funcional.
(D) independência estrutural.
8. De entre as seguintes afirmações, relacionadas com a evolução dos seres vivos, selecione as três que estão
corretas.
I. Nos seres multicelulares há maior dependência do meio ambiente do que nos seres unicelulares.
II. Os seres multicelulares apresentam uma maior eficiência energética do que os seres unicelulares.
III. O aparecimento da multicelularidade, propiciou o aumento da razão entre a área e o volume.
IV. A capacidade das mitocôndrias se dividirem autonomamente contraria o modelo endossimbiótico.
V. Segundo o modelo autogénico, invaginações da membrana originaram o retículo endoplasmático.
9. Explique o aparecimento da multicelularidade, tendo como ponto de partida o modelo endossimbiótico.
As pontuações obtidas nas respostas aos 18 itens assinalados com
contribuem obrigatoriamente para a classificação final.
8 x 18
Subtotal
144
Dos restantes 12 itens, contribuem
para a classificação final os 7 itens cujas respostas obtenham melhor
pontuação.
8 x 7
Subtotal
56
Cotação Total 200
8
CRITÉRIOS DE CORREÇÃO
GRUPO I
Itens 1. 2. 3. 4. 7. 8. 9.
Versão A A C B B D C A
Versão B B A C D A B B
5. Tópicos de resposta:
• Os dados da figura 2, permitem constatar que, após a remoção da marcação fluorescente das tubulinas
presentes numa secção do microtúbulo, estas permaneceram na mesma posição (não migraram para o
polo).
• O fuso acromático não foi despolimerizado na extremidade junto aos centríolos, pois, neste caso, a zona
sem fluorescência migraria para o polo da célula.
• A despolimerização dos microtúbulos do fuso acromático ocorre na extremidade junto ao cinetocoro e
progride até aos centríolos, validando o modelo A da figura 1.
6. A – Anáfase II B – Metáfase II C – Telófase II D – Metáfase I E – Prófase I
10. (a) – (6); (b) – (1); (c) – (3); (d) – (7); (e) – (8)
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
1 Associa corretamente 5 afirmações. 8
2 Associa corretamente 3 ou 4 afirmações. 5
3 Associa corretamente 1 ou 2 afirmações. 2
11. Tópicos de resposta:
• Nos animais, como o ciclo de vida é diplonte, as células somáticas possuem cromossomas homólogos
(ou são diploides).
• Como os gâmetas se formam por meiose, possuem metade do número de cromossomas das células
somáticas (não têm cromossomas homólogos).
• Em todos os animais o DNA dos espermatozoides, presente nos cromossomas, é metade das suas
células somáticas.
GRUPO II
Itens 1. 2. 3. 4. 5. 6. 9.
Versão A A D D B C C A
Versão B C B C C A D C
7. C-E-D-B-A
8. Tópicos de resposta:
• Os ovos de Daphnia pufex, formados por reprodução sexuada, apresentam diversidade genética
devido a recombinações genéticas.
• A camada externa protetora permite a sobrevivência dos ovos em condições ambientais adversas
durante longos períodos de tempo.
• A formação de indivíduos geneticamente diferentes, após a eclosão dos ovos, aumenta a
possibilidade de sobrevivência das populações em ambientes em mudança.
10. A – 4; 8 B – 2; 7 C – 5; D – 1; 3; 6
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
1 Associa corretamente 7 ou 8 afirmações. 8
2 Associa corretamente 4, 5 ou 6 afirmações. 5
3 Associa corretamente 2 ou 3 afirmações. 2
9
GRUPO III
Itens 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.
Versão A C B A D D B A
Versão B A A B C C A D
8. II, III, V.
Níveis Descritores de desempenho Pontuação
2 Seleciona apenas as 3 afirmações corretas. 8
1 Seleciona apenas 2 das afirmações corretas e nenhuma das outras. 5
9. Tópicos de resposta:
• relação da endossimbiose entre procariontes (ou entre bactérias) com o aparecimento de células
eucarióticas (ou de células com organelos membranares) (ver nota 1);
• referência ao desenvolvimento de associações coloniais entre eucariontes (ver notas 2 e 3);
• relação entre a progressiva especialização celular (ou a diferenciação celular, ou a interdependência
funcional) nos seres coloniais e o aparecimento da multicelularidade (ver nota 4).
Notas:
1 – Em alternativa a «endossimbiose», aceita-se a referência a «simbiose», desde que seja referido o englobamento de uma célula por
outra.
2 – Se a resposta apresentar o primeiro tópico, poderá estar omissa a referência a «eucariontes». Caso contrário, a omissão da
referência a «eucariontes» é considerada falha na utilização da linguagem científica.
3 – A referência a «agregados de células» ou a «associações celulares», em vez de «associações coloniais», é considerada falha na
utilização da linguagem científica.
4 – Se a resposta apresentar o segundo tópico, poderá estar omissa a referência a «coloniais».

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Nuno Correia
 
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
ecolealcamara
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Isaura Mourão
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
sandranascimento
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Isaura Mourão
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
sandranascimento
 
Teste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcçãoTeste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcção
Isaura Mourão
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercícios
Nuno Correia
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
sandranascimento
 
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
Bg 11   síntese proteica (exercícios)Bg 11   síntese proteica (exercícios)
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
Nuno Correia
 
Experiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlExperiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahl
Cecilferreira
 

Mais procurados (20)

Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)Bg 11   reprodução assexuada (exercícios)
Bg 11 reprodução assexuada (exercícios)
 
T1 bg11 21_22_v1.docx
T1 bg11 21_22_v1.docxT1 bg11 21_22_v1.docx
T1 bg11 21_22_v1.docx
 
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
1o teste pratico_v1prof-15-16 (1)
 
Ficha5 bg11 2122
Ficha5 bg11 2122Ficha5 bg11 2122
Ficha5 bg11 2122
 
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
Teste de Biologia (2º Teste) - Biologia 11
 
ciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exerciciosciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exercicios
 
BG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdfBG11_T4a_2022.pdf
BG11_T4a_2022.pdf
 
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANOTESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
TESTES INTERMÉDIOS 11ºANO
 
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
Teste de Avaliação nr. 1 (Biologia 10º)
 
Areal teste 11 bg_outubro 2021
Areal teste 11 bg_outubro 2021Areal teste 11 bg_outubro 2021
Areal teste 11 bg_outubro 2021
 
Testes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºanoTestes Intermédios 10ºano
Testes Intermédios 10ºano
 
Teste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcçãoTeste de Biologia (2º Teste) - correcção
Teste de Biologia (2º Teste) - correcção
 
Teste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revistoTeste 5 de novembro revisto
Teste 5 de novembro revisto
 
Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11Preparação 1.º teste bio11
Preparação 1.º teste bio11
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercícios
 
11 BG Dez 09
11 BG Dez 0911 BG Dez 09
11 BG Dez 09
 
Teste 1 versão ii
Teste 1 versão iiTeste 1 versão ii
Teste 1 versão ii
 
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10ºEXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA 10º
 
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
Bg 11   síntese proteica (exercícios)Bg 11   síntese proteica (exercícios)
Bg 11 síntese proteica (exercícios)
 
Experiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlExperiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahl
 

Semelhante a BG11_T2a_21_CC.pdf

EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOSEXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
sandranascimento
 
Treinamento cariologia
Treinamento cariologiaTreinamento cariologia
Treinamento cariologia
emanuel
 
45865588 nucleo-e-divisao-exercicios
45865588 nucleo-e-divisao-exercicios45865588 nucleo-e-divisao-exercicios
45865588 nucleo-e-divisao-exercicios
Flávia Oliveira
 
Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2
gracindabento
 
Mitose e meiose - correcção
Mitose e meiose - correcçãoMitose e meiose - correcção
Mitose e meiose - correcção
Ana Castro
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Isaura Mourão
 
Lista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoes
Lista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoesLista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoes
Lista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoes
Ionara Urrutia Moura
 

Semelhante a BG11_T2a_21_CC.pdf (20)

EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOSEXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
EXERCÍCIOS DOS TESTES INTERMÉDIOS
 
Teste de Avaliação 11.º Ano 2.pdf
Teste de Avaliação 11.º Ano 2.pdfTeste de Avaliação 11.º Ano 2.pdf
Teste de Avaliação 11.º Ano 2.pdf
 
Treinamento cariologia
Treinamento cariologiaTreinamento cariologia
Treinamento cariologia
 
45865588 nucleo-e-divisao-exercicios
45865588 nucleo-e-divisao-exercicios45865588 nucleo-e-divisao-exercicios
45865588 nucleo-e-divisao-exercicios
 
Exercícios recup 1 s _3bim
Exercícios  recup   1 s _3bimExercícios  recup   1 s _3bim
Exercícios recup 1 s _3bim
 
Exercícios recup 1 s _3bim
Exercícios  recup   1 s _3bimExercícios  recup   1 s _3bim
Exercícios recup 1 s _3bim
 
Cromossomas e mutações
Cromossomas e mutaçõesCromossomas e mutações
Cromossomas e mutações
 
lista de estatistica
lista de estatisticalista de estatistica
lista de estatistica
 
Biologia obj
Biologia objBiologia obj
Biologia obj
 
Exerc exames
Exerc examesExerc exames
Exerc exames
 
Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2Ficha de trabalho codigo genetico2
Ficha de trabalho codigo genetico2
 
ESTUDO DIRIGIDO (01/2016) Citologia e divisão celular
ESTUDO DIRIGIDO (01/2016) Citologia e divisão celularESTUDO DIRIGIDO (01/2016) Citologia e divisão celular
ESTUDO DIRIGIDO (01/2016) Citologia e divisão celular
 
Aulão ACAFE 2013 - Biologia
Aulão ACAFE 2013 - BiologiaAulão ACAFE 2013 - Biologia
Aulão ACAFE 2013 - Biologia
 
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
 
3 ano atividade 1 respostas
3 ano atividade 1 respostas3 ano atividade 1 respostas
3 ano atividade 1 respostas
 
Mitose e meiose - correcção
Mitose e meiose - correcçãoMitose e meiose - correcção
Mitose e meiose - correcção
 
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
Biologia 11 (1º Teste 1º Período)
 
nucleo-e-divisao-exercicios
nucleo-e-divisao-exerciciosnucleo-e-divisao-exercicios
nucleo-e-divisao-exercicios
 
ciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exerciciosciclos de vida - exercicios
ciclos de vida - exercicios
 
Lista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoes
Lista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoesLista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoes
Lista de exercicios_divisao_celular_-_70_questoes
 

Mais de José Luís Alves (8)

BG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdfBG11_T4a_CC.pdf
BG11_T4a_CC.pdf
 
Ficha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - RochasFicha Formativa - Rochas
Ficha Formativa - Rochas
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
 
Ácidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNAÁcidos nucleicos DNA RNA
Ácidos nucleicos DNA RNA
 
Bg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_ccBg10 t1a 17_cc
Bg10 t1a 17_cc
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 

BG11_T2a_21_CC.pdf

  • 1. Ficha de Avaliação Sumativa Biologia e Geologia – 11º ano Dezembro de 2021 Prof. José Luís Alves 1 Nome: ______________________________________________________________ Nº:_____ Turma:____ Avaliação:_____________________ Enc. Ed._______________________ O Professor: ___________ Versão A A prova inclui 18 itens, devidamente identificados no enunciado, cujas respostas contribuem obrigatoriamente para a classificação final. Dos restantes 12 itens da prova, apenas contribuem para a classificação final os 7 itens cujas respostas obtenham melhor pontuação. GRUPO I Documento 1 Durante a divisão celular, os cromossomas ligam-se ao fuso acromático e são, posteriormente, separados para polos opostos. É o fuso acromático que permite a movimentação dos cromossomas durante as fases da mitose. O fuso acromático faz parte do citoesqueleto e é formado pelas tubulinas α e ẞ. Estas são proteínas globulares que se ligam formando um polímero. O fuso acromático é muito dinâmico, podendo crescer por polimerização ou encurtar por despolimerização. O fuso acromático liga-se aos cromossomas, garantindo que se encontram alinhados na placa equatorial, e é responsável pela sua separação para polos opostos. O mecanismo de transporte dos cromossomas tem sido estudado pelos investigadores, mas não se sabia se a despolimerização ocorria na extremidade junto ao cinetocoro dos cromossomas ou na extremidade junto aos centríolos, de acordo com os modelos A e B da figura 1, respetivamente. Figura 1 Uma equipa de investigadores, liderada por Gary Borisy, pretendia determinar se os microtúbulos ligados aos cinetocoros despolimerizavam de acordo com o modelo A ou com o modelo B. Para tal, adicionaram às tubulinas um marcador fluorescente e injetaram-nas em células renais de porco, que foram depois mantidas numa cultura laboratorial. Posteriormente, eliminaram a fluorescência numa secção do microtúbulo entre o cinetocoro e o centrossoma, usando um feixe laser muito preciso. A aplicação do feixe de laser não afetou a estrutura do fuso acromático, que permaneceu intacto. Ao longo da anáfase, os investigadores determinaram a posição da secção de fuso acromático sem a marcação fluorescente. Os resultados estão expressos na figura 2. Figura 2
  • 2. 2 1. Considere as seguintes afirmações referentes à experiência. I. O objetivo foi estudar o transporte de cromossomas no fuso acromático durante a metáfase. II. O feixe de laser não reduziu a despolimerização das tubulinas. III. A variável dependente é a presença ou ausência de secções do fuso acromático sem fluorescência. (A) II é verdadeira; I e III são falsas. (B) II e III são verdadeiras; I é falsa. (C) I e II são verdadeiras; III é falsa. (D) I é verdadeira; II e III são falsas. 2. O principal resultado da experiência apresentada foi (A) a secção dos microtúbulos entre a marca sem fluorescência e o centrossoma diminuiu. (B) ocorreu migração dos cromossomas para polos opostos da célula. (C) a secção dos microtúbulos entre a marca sem fluorescência e o cinetocoro diminuiu. (D) a secção dos microtúbulos entre a marca sem fluorescência e o centrossoma aumentou. 3. A injeção da tubulina marcada com fluorescência foi efetuada enquanto as células renais estavam em _____, para garantir que a incorporação de tubulina no fuso acromático em formação era _____. (A) G2 … máxima (B) prófase … máxima (C) prófase … mínima (D) G2 … mínima 4. Durante a prófase não ocorre (A) condensação dos cromossomas. (B) alinhamento dos cromossomas na placa equatorial. (C) desintegração do invólucro nuclear. (D) formação do fuso acromático. 5. Explique em que medida os resultados obtidos permitem validar um dos modelos apresentados na figura 1. Documento 2 Em 1885, o biólogo alemão August Friedrich Leopold Weisman propôs uma hipótese para explicar a manutenção do número de cromossomas de uma geração para outra. Ele previu acertadamente que na formação dos gâmetas devia ocorrer um tipo diferente de divisão celular, em que o número de cromossomas das células-filhas seria reduzido para metade. Esse processo é atualmente chamado meiose. Na época, as observações mais importantes sobre o comportamento dos cromossomas na formação dos gâmetas foram realizadas no verme nematoide Parascaris equorum, a lombriga de cavalo. As células somáticas destes animais apresentam apenas quatro cromossomas de grande tamanho, o que facilita seu estudo.
  • 3. 3 A figura 3 representa células percursoras dos gâmetas desse verme, em diferentes fases da divisão meiótica. Figura 3 6. Identifique as fases representadas na figura 3. A – B – C – D – E – 7. Os pontos de quiasma (A) não ocorrem durante a prófase I. (B) são locais onde se forma o fuso acromático. (C) não ocorrem nos bivalentes. (D) são locais onde ocorre crossing-over. 8. Uma célula germinativa de Parascaris equorum, ao entrar em divisão meiótica, apresentará na anáfase I ______ cromossomas e na telófase I ______ cromatídeos. (A) 4 … 8 (B) 4 … 4 (C) 2 … 4 (D) 2 … 2 9. Dos processos seguintes, assinale aquele que não é considerado recombinação génica. (A) Ocorrência de mutação. (B) Crossing-over na prófase I. (C) Disposição aleatória dos cromossomas homólogos na metáfase I. (D) União aleatória de gâmetas na fecundação. 10. Faça corresponder a cada um dos acontecimentos celulares descritos na coluna I, a designação da fase da meiose, expressa na coluna II, em que o acontecimento ocorre. Coluna I Coluna II (a) Contração dos filamentos do fuso acromático, levando à segregação dos cromatídeos. ___ (b) Ocorrência de crossing-over entre cromatídeos de cromossomas homólogos. ___ (c) Disposição das tétradas cromatídicas no plano equatorial do fuso. ___ (d) Formação da membrana nuclear, envolvendo cromossomas com dois cromatídeos. ___ (e) Descondensação de cromossomas constituídos por uma molécula de DNA. ___ (1) Prófase I (2) Prófase II (3) Metáfase I (4) Metáfase II (5) Anáfase I (6) Anáfase II (7) Telófase I (8) Telófase II 11. Na tabela seguinte está indicado o conteúdo total médio de DNA, em 10-17 g/núcleo, encontrado nos núcleos de vários tipos de células de diferentes animais. Animal Espermatozoide Célula somática Boi 3,40 6,80 Galo 1,30 2,60 Sapo-comum 3,70 7,40 Carpa 1,70 3,40 Explique a diferença entre a quantidade de DNA encontrado nos espermatozoides e nas células somáticas dos animais referidos na tabela.
  • 4. 4 GRUPO II As dáfnias, conhecidas como pulgas-de-água, são pequenos crustáceos (0,2 a 5 mm) que vivem em diversos ambientes aquáticos de água doce, nomeadamente charcos temporários. O seu ciclo de vida depende da influência das condições ambientais, que condicionam o tipo de reprodução que ocorre. Durante a fase assexuada, as fêmeas produzem óvulos diploides que originam descendência direta, na sua maioria fêmeas. Perante condições ambientais adversas, como a escassez de alimento ou a redução da temperatura, os óvulos diploides originam machos e as fêmeas produzem óvulos haploides que requerem fertilização por gâmetas masculinos. Os ovos formados, devido a uma camada externa protetora, mantêm-se dormentes até haver condições favoráveis para se desenvolver, originando fêmeas. Esses ovos podem manter-se viáveis até 20 anos. Para verificar a hipótese de que a reprodução sexuada, ao permitir a mistura de alelos de genes diferentes, pode prevenir a acumulação de genes prejudiciais numa população, investigadores colheram amostras de Daphnia pulex de várias populações naturais. Foram estudadas 14 populações sexuadas e 14 populações assexuadas. Os cientistas isolaram e sequenciaram o DNA dos membros das 28 populações. Em seguida, alinharam as sequências e determinaram o número de alterações do DNA que causavam substituições nos aminoácidos. Estas alterações foram classificadas em altamente, moderadamente e suavemente prejudiciais ou neutras para a função das proteínas. Finalmente, compararam as populações sexuadas e assexuadas no que respeita à persistência destas alterações. Os resultados obtidos estão registados no quadro I. Figura 2 – Diagrama do ciclo de vida sexuado e assexuado de uma dáfnia. Quadro I Mutações raras nas populações de Daphnia pulex Aminoácidos substituídos (%) Persistência das mutações nas populações Sexuadas Assexuadas Altamente prejudiciais 73,2 Não Não Moderadamente prejudiciais 13,3 Não Sim Ligeiramente prejudiciais 4,4 Sim Sim Neutras 9,1 Sim Sim 1. Uma das condições determinantes da fiabilidade dos resultados obtidos foi (A) a quantidade de populações analisadas. (B) o número de mutações raras no DNA. (C) a repetição das análises do DNA. (D) a deteção de variações nos aminoácidos.
  • 5. 5 2. Relativamente ao estudo efetuado é correto afirmar que (A) os resultados obtidos não permitem validar a hipótese formulada. (B) as mutações não prejudiciais são as que apresentam um menor número de aminoácidos substituídos. (C) o procedimento experimental realizado não envolveu o controle de variáveis independentes. (D) em populações sexuadas não se detetaram dáfnias com mais de 13,3% de aminoácidos substituídos. 3. Algumas das mutações em que ocorre a substituição de aminoácidos são neutras devido (A) à redundância do código genético. (B) ao código genético não ser ambíguo. (C) à semelhança da estrutura dos novos aminoácidos presentes na proteína. (D) a ocorrerem numa zona não determinante para a função da proteína. 4. As fêmeas de dáfnia (A) podem ser haplontes e podem originar machos por fecundação. (B) são sempre diplontes e os machos originam-se sempre por partenogénese. (C) podem ser haplontes e os machos originam-se sempre por partenogénese. (D) são sempre diplontes e podem originar machos por fecundação. 5. Nas dáfnias, os machos nascidos a partir da mesma fêmea são geneticamente ______ entre si e ______ respetiva progenitora. (A) diferentes … diferentes da (B) diferentes … iguais à (C) iguais … e iguais à (D) iguais … diferentes da 6. Caso haja alterações ambientais, as populações de dáfnias reproduzem-se ______ porque têm ______ capacidade de sobrevivência. (A) assexuadamente … maior (B) assexuadamente … menor (C) sexuadamente … maior (D) sexuadamente … menor 7. Ordene as expressões identificadas pelas letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência correta de acontecimentos relacionados com o ciclo de vida de D. pulex, que culminam na formação do zigoto. A. Restabelecimento da diploidia. B. Formação de bivalentes. C. Divisão de células indiferenciadas. ___-___-___-___-___ D. Desenvolvimento de machos. E. Regulação da transcrição de genes. 8. Explique, tendo em consideração as suas características, a importância dos ovos sexuados de Daphnia pulex para a sobrevivência das populações em ambientes em mudança. 9. Na fase haploide do ciclo de vida das plantas, (A) os gametófitos resultam da germinação de esporos diferentes. (B) os gametófitos são entidades unicelulares que participam na fecundação. (C) o esporófito é uma entidade pluricelular que forma esporângios. (D) o esporófito origina esporos morfologicamente diferentes.
  • 6. 6 10. Os ciclos de vida dos organismos que se reproduzem sexuadamente são variados, mas com aspetos comuns a todos eles. Faça corresponder o ciclo de vida da coluna I a cada das afirmações da coluna II. Coluna I Coluna II (a) Ciclo haplonte (b) Ciclo diplonte (c) Ciclo haplodiplonte (d) Todos os ciclos de vida (1) Verifica-se alternância de fases nucleares. (2) A meiose é pré-gamética. (3) O zigoto é diploide e forma-se por fusão dos gâmetas. (4) O organismo adulto é haploide e forma gâmetas por mitose. (5) Formam-se estruturas multicelulares haploides e diploides. (6) A meiose dá início à haplófase. (7) É caraterístico dos animais. (8) A meiose é pós-zigótica. (a) ____________ (b) ____________ (c) ____________ (d) ____________ GRUPO III A partir da observação dos ovos de algumas espécies de salamandras e rãs da América do Norte, investigadores observaram a presença de uma cor esverdeada, diferente da maioria dos outros anfíbios. Os investigadores constataram que após a postura, alguns ovos da salamandra da espécie Ambystoma maculatum são invadidos pela alga verde unicelular Oophila amblystomatis, que prolifera no seu interior junto ao embrião. Após a realização de vários estudos, constatou-se que as algas libertam oxigénio no interior dos ovos da salamandra e utilizam o dióxido de carbono e os produtos azotados resultantes do metabolismo do embrião em desenvolvimento. Observações resultantes da atividade da clorofila juntamente com informações provenientes da análise do gene que codifica a subunidade pequena dos ribossomas (18S rDNA) da alga permitiram constatar que a mesma invade tecidos e células do embrião da salamandra. Esta invasão assemelha-se à que ocorre em muitos protistas e invertebrados e representa uma associação rara entre uma alga e um vertebrado.. 1. Na fuga aos predadores, a salamandra Ambystoma maculatum perde a sua cauda. No entanto, esta volta a crescer a partir de células ______ que sofrem divisões ______. (A) germinativas ... mitóticas (B) germinativas ... meióticas (C) somáticas ... mitóticas (D) somáticas ... meióticas 2. A transcrição do gene 18S rDNA origina uma molécula constituída por (A) aminoácidos. (B) ribonucleótidos. (C) desoxirribonucleótidos. (D) monossacarídeos. 3. A relação existente entre a alga Oophila amblystomatis e os embriões da salamandra Ambystoma rnaculatum pode ser considerada uma endossimbiose porque as algas (A) vivem no interior das células da salamandra, com benefício para ambos. (B) vivem no interior dos ovos da salamandra, com prejuízo para ambos. (C) beneficiam de um ambiente protetor ao crescerem no interior dos ovos da salamandra. (D) invadem as células e os tecidos do embrião. 4. Relativamente à hipótese endossimbiótica, pode-se afirmar que (A) a simbiose ocorreu com os ancestrais dos cloroplastos e depois com os ancestrais das mitocôndrias. (B) atualmente já não existem exemplos de endossimbiose. (C) a presença de material genético nas mitocôndrias resultou da partilha genes do núcleo. (D) a dupla membrana das mitocôndrias apoia a referida hipótese.
  • 7. 7 5. Admite-se, atualmente, que os ancestrais dos organismos multicelulares seriam colónias de seres unicelulares ______ cuja interdependência estrutural e funcional foi ______ no decurso da evolução. (A) procariontes ... diminuindo (B) procariontes ... aumentando (C) eucariontes ... diminuindo (D) eucariontes ... aumentando 6. Segundo o modelo autogénico, os seres (A) procariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres eucariontes. (B) eucariontes são o resultado de uma evolução gradual dos seres procariontes. (C) procariontes apresentam mitocôndrias como resultado de invaginações da membrana plasmática. (D) eucariontes apresentam mitocôndrias como resultado de invaginações da membrana plasmática. 7. Os organismos pluricelulares, comparativamente aos seres coloniais, apresentam (A) interdependência estrutural e funcional. (B) interdependência estrutural. (C) independência estrutural e funcional. (D) independência estrutural. 8. De entre as seguintes afirmações, relacionadas com a evolução dos seres vivos, selecione as três que estão corretas. I. Nos seres multicelulares há maior dependência do meio ambiente do que nos seres unicelulares. II. Os seres multicelulares apresentam uma maior eficiência energética do que os seres unicelulares. III. O aparecimento da multicelularidade, propiciou o aumento da razão entre a área e o volume. IV. A capacidade das mitocôndrias se dividirem autonomamente contraria o modelo endossimbiótico. V. Segundo o modelo autogénico, invaginações da membrana originaram o retículo endoplasmático. 9. Explique o aparecimento da multicelularidade, tendo como ponto de partida o modelo endossimbiótico. As pontuações obtidas nas respostas aos 18 itens assinalados com contribuem obrigatoriamente para a classificação final. 8 x 18 Subtotal 144 Dos restantes 12 itens, contribuem para a classificação final os 7 itens cujas respostas obtenham melhor pontuação. 8 x 7 Subtotal 56 Cotação Total 200
  • 8. 8 CRITÉRIOS DE CORREÇÃO GRUPO I Itens 1. 2. 3. 4. 7. 8. 9. Versão A A C B B D C A Versão B B A C D A B B 5. Tópicos de resposta: • Os dados da figura 2, permitem constatar que, após a remoção da marcação fluorescente das tubulinas presentes numa secção do microtúbulo, estas permaneceram na mesma posição (não migraram para o polo). • O fuso acromático não foi despolimerizado na extremidade junto aos centríolos, pois, neste caso, a zona sem fluorescência migraria para o polo da célula. • A despolimerização dos microtúbulos do fuso acromático ocorre na extremidade junto ao cinetocoro e progride até aos centríolos, validando o modelo A da figura 1. 6. A – Anáfase II B – Metáfase II C – Telófase II D – Metáfase I E – Prófase I 10. (a) – (6); (b) – (1); (c) – (3); (d) – (7); (e) – (8) Níveis Descritores de desempenho Pontuação 1 Associa corretamente 5 afirmações. 8 2 Associa corretamente 3 ou 4 afirmações. 5 3 Associa corretamente 1 ou 2 afirmações. 2 11. Tópicos de resposta: • Nos animais, como o ciclo de vida é diplonte, as células somáticas possuem cromossomas homólogos (ou são diploides). • Como os gâmetas se formam por meiose, possuem metade do número de cromossomas das células somáticas (não têm cromossomas homólogos). • Em todos os animais o DNA dos espermatozoides, presente nos cromossomas, é metade das suas células somáticas. GRUPO II Itens 1. 2. 3. 4. 5. 6. 9. Versão A A D D B C C A Versão B C B C C A D C 7. C-E-D-B-A 8. Tópicos de resposta: • Os ovos de Daphnia pufex, formados por reprodução sexuada, apresentam diversidade genética devido a recombinações genéticas. • A camada externa protetora permite a sobrevivência dos ovos em condições ambientais adversas durante longos períodos de tempo. • A formação de indivíduos geneticamente diferentes, após a eclosão dos ovos, aumenta a possibilidade de sobrevivência das populações em ambientes em mudança. 10. A – 4; 8 B – 2; 7 C – 5; D – 1; 3; 6 Níveis Descritores de desempenho Pontuação 1 Associa corretamente 7 ou 8 afirmações. 8 2 Associa corretamente 4, 5 ou 6 afirmações. 5 3 Associa corretamente 2 ou 3 afirmações. 2
  • 9. 9 GRUPO III Itens 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Versão A C B A D D B A Versão B A A B C C A D 8. II, III, V. Níveis Descritores de desempenho Pontuação 2 Seleciona apenas as 3 afirmações corretas. 8 1 Seleciona apenas 2 das afirmações corretas e nenhuma das outras. 5 9. Tópicos de resposta: • relação da endossimbiose entre procariontes (ou entre bactérias) com o aparecimento de células eucarióticas (ou de células com organelos membranares) (ver nota 1); • referência ao desenvolvimento de associações coloniais entre eucariontes (ver notas 2 e 3); • relação entre a progressiva especialização celular (ou a diferenciação celular, ou a interdependência funcional) nos seres coloniais e o aparecimento da multicelularidade (ver nota 4). Notas: 1 – Em alternativa a «endossimbiose», aceita-se a referência a «simbiose», desde que seja referido o englobamento de uma célula por outra. 2 – Se a resposta apresentar o primeiro tópico, poderá estar omissa a referência a «eucariontes». Caso contrário, a omissão da referência a «eucariontes» é considerada falha na utilização da linguagem científica. 3 – A referência a «agregados de células» ou a «associações celulares», em vez de «associações coloniais», é considerada falha na utilização da linguagem científica. 4 – Se a resposta apresentar o segundo tópico, poderá estar omissa a referência a «coloniais».