SlideShare uma empresa Scribd logo
NATURALISMO
Naturalismo (características)
 - Determinismo biológico;
 - Objetivismo científico;
 - Temas de patologia social;
 - Observação e análise da realidade;
 Ser humano descrito sob a ótica do animalesco e do sensual;
 - Linguagem simples;
 - Descrição e narrativa lentas
 - Impessoalidade;
 - Preocupação com detalhes.
 Principais autores: Aluísio Azevedo,
 “O mulato”, em 1881: início do Naturalismo no Brasil; “O Cortiço”,
 Raul Pompéia, “O Ateneu”.
R E A L I S M O X N A T U R A L I S M O
REALISMO NATURALISMO
- Forte influência da literatura de Gustave
Flaubert (França).
- Forte influência da literatura de Émile Zola
(França).
- Romance documental, apoiado na observação e
na análise.
- Romance experimental, apoiado na
experimentação e observação científica.
- A investigação da sociedade e dos caracteres
individuais é feita “de dentro para fora”, por
meio de análise psicológica capaz de abranger
sua complexidade, utilizando a ironia, que
sugere e aponta, em vez de afirmar.
- A investigação da sociedade e dos caracteres
individuais ocorre “de fora para dentro”, os
personagens tendem a se simplificar, pois são
vistos como joguetes, pacientes dos fatores
biológicos, históricos e sociais que determinam
suas ações, pensamentos e sentimento.
- Volta-se para a psicologia, centrando-se mais
no indivíduo.
- Volta-se para a biologia e a patologia,
centrando-se mais no social.
- As obras retratam e criticam as classes
dominantes, a alta burguesia urbana e,
normalmente, os personagens pertencem a esta
classe social.
- As obras retratam as camadas inferiores, o
proletariado, os marginalizados e, normalmente,
os personagens são oriundos dessas classes
sociais mais baixas.
- O tratamento imparcial e objetivo dos
temas garante ao leitor um espaço de
interpretação, de elaboração de suas
próprias conclusões a respeito das obras.
- o tratamento dos temas com base em
uma visão determinista conduz e direciona
as conclusões do leitor e empobrece
literariamente os textos.
Um Realismo mais extremo (exacerbado).
Buscou analisar o comportamento humano
ressaltando os aspectos instintivos e
biológicos.
NATURALISMO
Fez do romance um laboratório da vida e
do homem um caso animalesco.
Preferiu temas degradantes da condição
humana com taras, vícios, sedução,
homossexualismo.
NATURALISMO
Na teoria de O romance experimental
de Émile Zola, o escritor sintetiza os
fundamentos do Naturalismo, ao propor a
substituição do “estudo do homem
abstrato e metafísico pelo do homem
natural, sujeito a leis físico-químicas e
determinado pela influência do meio”.
Aproximou o homem ao animal – zoomorfismo.
Determinismo = raça, meio e momento.
A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre “de fora para dentro.”
Aluísio Tancredo Gonçalves de
Azevedo nasceu dia 14 de abril de
1857, em São Luís do Maranhão.
Jornalista e desenhista caricaturista escreveu romances, contos,
operetas e revistas teatrais.
O MULATO (1881) – obra de início do Naturalismo.
Tem linguagem coloquial simples e direta. O romance “ O Mulato“ é
considerado o marco inicial do Naturalismo que trata do preconceito racial e
crítica à igreja.
naturalismo.ppt
Raimundo tornou-se lívido. Manoel prosseguiu, no fim de um silêncio:
– Já vê o amigo que não é por mim que lhe recusei Ana Rosa, mas é por tudo! A família de minha mulher sempre foi
escrupulosa a esse respeito, e como ela é toda a sociedade do Maranhão! Concordo que seja uma asneira; concordo que seja
um prejuízo tolo! O senhor porém não imagina o que é por cá a prevenção contra os mulatos!… Nunca me perdoariam um tal
casamento; além do que, para realizá-lo, teria que quebrar a promessa que fiz a minha sogra, de não dar a neta senão a um
branco de lei, português ou descendente direto de portugueses!… O senhor é um moço muito digno, muito merecedor de
consideração, mas… foi forro à pia, e aqui ninguém o ignora.
– Eu nasci escravo?!…
– Sim, pesa-me dizê-lo e não o faria se a isso não fosse constrangido, mas o senhor é filho de uma escrava e nasceu também
cativo.
– Raimundo abaixou a cabeça. Continuaram a viagem. E ali no campo, à sombra daquelas árvores colossais, por onde a
espaços a lua se filtrava tristemente, ia Manoel narrando a vida do irmão com a preta Domingas. Quando, em algum ponto
hesitava por delicadeza em dizer toda a verdade, o outro pedia-lhe que prosseguisse francamente, guardando na aparência
uma tranquilidade fingida. O negociante contou tudo o que sabia.
– Mas que fim levou minha mãe?… a minha verdadeira mãe? perguntou o rapaz, quando aquele terminou. Mataram-na?
Venderam-na? O que fizeram com ela?
– Nada disso; soube ainda há pouco que está viva… É aquela pobre idiota de São Brás.
– Meus Deus! Exclamou Raimundo, querendo voltar à tapera.
– Que é isso? Vamos! Nada de loucuras! Voltarás noutra ocasião!
Calaram-se ambos. Raimundo, pela primeira vez, sentiu-se infeliz; uma nascente má vontade contra os outros homens
formava-se na sua alma até aí limpa e clara; na pureza do seu caráter o desgosto punha a primeira nódoa. E, querendo reagir,
uma revolução operava-se dentro dele; ideias turvas, enlodadas de ódio e de vagos desejos de vingança, iam e vinham,
atirando-se raivosos contra os sólidos princípios da sua moral e da sua honestidade, como num oceano a tempestade açula
contra um rochedo os negros vagalhões encapelados. Uma só palavra boiava à superfície dos seus pensamentos: “Mulato”. E
crescia, crescia, transformando-se em tenebrosa nuvem, que escondia todo o seu passado. Ideia parasita, que estrangulava
todas as outras ideias.
– Mulato!
(Aluísio de Azevedo. O MULATO. L&PM Editores, Porto Alegre, 2002)
Obra marcante no Naturalismo.
No romance social tem o poder de
dar vida aos agrupamentos humanos.
Os protagonistas são vistos “de fora”
e o drama é apenas um fatalismo
(sorte inevitável). Nada psicológico.
João Romão – português ambicioso.
Bertoleza – escrava fugida, dona de uma quitanda e umas
economias.
Amasiam-se e a escrava agora, trabalha como uma louca
para João.
Primeiro, três casas e depois... o cortiço
cresce como larvas.
Senhor Miranda – Classe elevada mora
vizinho do cortiço num sobrado e ainda é pai
da bela Zulmira.
No cortiço Carapicus (flores
espinhosas) tem-se tipos como:
Machona – desencaminhada pelas
companhias.
Rita Baiana – mulata faceira, amigada
com Firmo (malandro, valentão).
Jerônimo e sua mulher – portugueses
recém chegados.
naturalismo.ppt
 Justamente por essa ocasião vendeu-se também um sobrado que
ficava à direita da venda, separado desta apenas por aquelas vinte
braças; e de sorte que todo o flanco esquerdo do prédio, coisa de uns
vinte e tantos metros, despejava para o terreno do vendeiro as suas
nove janelas de peitoril. Comprou-o um tal Miranda, negociante
português, estabelecido na rua do Hospício com uma loja de
fazendas por atacado.”
“E durante dois anos o cortiço prosperou de dia para dia, ganhando
forças, socando-se de gente. E ao lado o Miranda assustava-se,
inquieto com aquela exuberância brutal de vida, aterrado diante
daquela floresta implacável que lhe crescia junto da casa, por
debaixo das janelas, e cujas raízes piores e mais grossas do que
serpentes miravam por toda parte, ameaçando rebentar o chão em
torno dela, rachando o solo e abalando tudo.”
(AZEVEDO, Aluísio. O Cortiço. 26. ed. São Paulo: Martins, 1974. p.
23; 33.)
Raul d’Ávila Pompéia nasceu a 12 de abril
de 1863, em Jacuacanga, Angra dos Reis,
Rio de Janeiro.
Estudou direito, militou nos movimentos
abolicionistas, colaborou na Gazeta de
Notícias, envolveu-se em diversas
polêmicas (até num duelo com Olavo
Bilac) e suicidou-se numa noite de Natal
aos 32 anos.
Elaborado a partir das recomendações do autor.
Estilo realista ao apresentar problemas como
homossexualismo, teorias científicas, dependência e
outros.
Traz como subtítulo:“Crônicas de Saudades”.
Riqueza de vocabulário, impressionismo isto é, não
retrata a realidade diretamente, mas sim, a impressão
que essa produz no seu espírito.
Desenhos sobre o Ateneu pelo próprio autor.
Resumo da Obra:
Sérgio é recebido por Aristarco, diretor do colégio, retratado por vários
aspectos negativos; casado com D. Ema, mulher que Sérgio se apaixonou
platonicamente.
É relatado o excesso de autoridade, as travessuras e os sofrimentos
findando-se com o incêndio do colégio provocado pelo revoltado Américo.
naturalismo.ppt
“A verdadeira arte, a arte natural, não conhece moralidade.
Existe para o indivíduo sem atender à existência de outro
indivíduo. Pode ser obscena na opinião da moralidade: Leda,
pode ser cruel: Roma em chamas, que espetáculo! Basta que
seja artística. Cruel, obscena, egoísta, imoral, indômita,
eternamente selvagem, a arte é a superioridade humana –
acima dos preceitos que se combatem, acima das religiões
que passam, acima da ciência que se corrige; embriaga
como a orgia e como o êxtase. E desdenha dos séculos
efêmeros”. (p. 107 e 108)
“Ensaiados no microcosmo do internato, não há mais
surpresas no grande mundo lá fora, onde se vão sofrer todas
as convivências, respirar todos os ambientes; onde a razão da
maior força é a dialética geral, e nos envolvem as evoluções
de tudo que rasteja e tudo que morde, porque a perfídia terra-
terra é um dos processos mais eficazes da vulgaridade
vencedora; onde o aviltamento é quase sempre a condição do
êxito, como se houvesse ascensões pra baixo; onde o poder é
uma redoma de chumbo sobre as aspirações altivas; onde a
cidade é franca para as dissoluções babilônicas do instinto;
onde o que é nulo flutua e aparece, como no mar as pérolas
imensas são ignoradas, e sobrenadam ao dia as algas mortas
e a espuma”. (p. 166 e 167)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a naturalismo.ppt

Revisão literatura - realismo - naturalismo
Revisão   literatura - realismo - naturalismoRevisão   literatura - realismo - naturalismo
Revisão literatura - realismo - naturalismo
jasonrplima
 
O alienista Machado de Assis
O alienista  Machado de AssisO alienista  Machado de Assis
O alienista Machado de Assis
Socorro Machado
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
Entrelinhas Curso
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiro
Susana Frikh
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Andre Guerra
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Fabio Melo
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
Ana Borges
 
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, SimbolismoRealismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Paula Meyer Piagentini
 
O alienista
O alienista O alienista
O alienista
Jandiassy Ribeiro
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
Dante Napoli
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Famosos do século XX
Famosos do século XXFamosos do século XX
Famosos do século XX
momengtonoticia
 
Realismo (3)
Realismo (3)Realismo (3)
O livro das feras
O livro das ferasO livro das feras
O livro das feras
Giulliana Vieira Rocha
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
BiiancaAlvees
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
Andriane Cursino
 
Vanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdfVanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdf
ThiagoArajo125756
 

Semelhante a naturalismo.ppt (20)

Revisão literatura - realismo - naturalismo
Revisão   literatura - realismo - naturalismoRevisão   literatura - realismo - naturalismo
Revisão literatura - realismo - naturalismo
 
O alienista Machado de Assis
O alienista  Machado de AssisO alienista  Machado de Assis
O alienista Machado de Assis
 
Pré-modernismo
Pré-modernismoPré-modernismo
Pré-modernismo
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiro
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
Ensaio sobre a cegueira - 3ª E - 2011
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
 
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, SimbolismoRealismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
Realismo, Naturalismo, Impressionismo, Parnasianismo, Simbolismo
 
O alienista
O alienista O alienista
O alienista
 
Vanguardas
VanguardasVanguardas
Vanguardas
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Famosos do século XX
Famosos do século XXFamosos do século XX
Famosos do século XX
 
Realismo (3)
Realismo (3)Realismo (3)
Realismo (3)
 
O livro das feras
O livro das ferasO livro das feras
O livro das feras
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Realismo - Naturalismo
Realismo - NaturalismoRealismo - Naturalismo
Realismo - Naturalismo
 
Vanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdfVanguardas-Europeias.pdf
Vanguardas-Europeias.pdf
 

Último

O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

naturalismo.ppt

  • 2. Naturalismo (características)  - Determinismo biológico;  - Objetivismo científico;  - Temas de patologia social;  - Observação e análise da realidade;  Ser humano descrito sob a ótica do animalesco e do sensual;  - Linguagem simples;  - Descrição e narrativa lentas  - Impessoalidade;  - Preocupação com detalhes.  Principais autores: Aluísio Azevedo,  “O mulato”, em 1881: início do Naturalismo no Brasil; “O Cortiço”,  Raul Pompéia, “O Ateneu”.
  • 3. R E A L I S M O X N A T U R A L I S M O
  • 4. REALISMO NATURALISMO - Forte influência da literatura de Gustave Flaubert (França). - Forte influência da literatura de Émile Zola (França). - Romance documental, apoiado na observação e na análise. - Romance experimental, apoiado na experimentação e observação científica. - A investigação da sociedade e dos caracteres individuais é feita “de dentro para fora”, por meio de análise psicológica capaz de abranger sua complexidade, utilizando a ironia, que sugere e aponta, em vez de afirmar. - A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre “de fora para dentro”, os personagens tendem a se simplificar, pois são vistos como joguetes, pacientes dos fatores biológicos, históricos e sociais que determinam suas ações, pensamentos e sentimento. - Volta-se para a psicologia, centrando-se mais no indivíduo. - Volta-se para a biologia e a patologia, centrando-se mais no social. - As obras retratam e criticam as classes dominantes, a alta burguesia urbana e, normalmente, os personagens pertencem a esta classe social. - As obras retratam as camadas inferiores, o proletariado, os marginalizados e, normalmente, os personagens são oriundos dessas classes sociais mais baixas. - O tratamento imparcial e objetivo dos temas garante ao leitor um espaço de interpretação, de elaboração de suas próprias conclusões a respeito das obras. - o tratamento dos temas com base em uma visão determinista conduz e direciona as conclusões do leitor e empobrece literariamente os textos.
  • 5. Um Realismo mais extremo (exacerbado). Buscou analisar o comportamento humano ressaltando os aspectos instintivos e biológicos. NATURALISMO
  • 6. Fez do romance um laboratório da vida e do homem um caso animalesco. Preferiu temas degradantes da condição humana com taras, vícios, sedução, homossexualismo. NATURALISMO
  • 7. Na teoria de O romance experimental de Émile Zola, o escritor sintetiza os fundamentos do Naturalismo, ao propor a substituição do “estudo do homem abstrato e metafísico pelo do homem natural, sujeito a leis físico-químicas e determinado pela influência do meio”. Aproximou o homem ao animal – zoomorfismo. Determinismo = raça, meio e momento. A investigação da sociedade e dos caracteres individuais ocorre “de fora para dentro.”
  • 8. Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo nasceu dia 14 de abril de 1857, em São Luís do Maranhão. Jornalista e desenhista caricaturista escreveu romances, contos, operetas e revistas teatrais. O MULATO (1881) – obra de início do Naturalismo.
  • 9. Tem linguagem coloquial simples e direta. O romance “ O Mulato“ é considerado o marco inicial do Naturalismo que trata do preconceito racial e crítica à igreja.
  • 11. Raimundo tornou-se lívido. Manoel prosseguiu, no fim de um silêncio: – Já vê o amigo que não é por mim que lhe recusei Ana Rosa, mas é por tudo! A família de minha mulher sempre foi escrupulosa a esse respeito, e como ela é toda a sociedade do Maranhão! Concordo que seja uma asneira; concordo que seja um prejuízo tolo! O senhor porém não imagina o que é por cá a prevenção contra os mulatos!… Nunca me perdoariam um tal casamento; além do que, para realizá-lo, teria que quebrar a promessa que fiz a minha sogra, de não dar a neta senão a um branco de lei, português ou descendente direto de portugueses!… O senhor é um moço muito digno, muito merecedor de consideração, mas… foi forro à pia, e aqui ninguém o ignora. – Eu nasci escravo?!… – Sim, pesa-me dizê-lo e não o faria se a isso não fosse constrangido, mas o senhor é filho de uma escrava e nasceu também cativo. – Raimundo abaixou a cabeça. Continuaram a viagem. E ali no campo, à sombra daquelas árvores colossais, por onde a espaços a lua se filtrava tristemente, ia Manoel narrando a vida do irmão com a preta Domingas. Quando, em algum ponto hesitava por delicadeza em dizer toda a verdade, o outro pedia-lhe que prosseguisse francamente, guardando na aparência uma tranquilidade fingida. O negociante contou tudo o que sabia. – Mas que fim levou minha mãe?… a minha verdadeira mãe? perguntou o rapaz, quando aquele terminou. Mataram-na? Venderam-na? O que fizeram com ela? – Nada disso; soube ainda há pouco que está viva… É aquela pobre idiota de São Brás. – Meus Deus! Exclamou Raimundo, querendo voltar à tapera. – Que é isso? Vamos! Nada de loucuras! Voltarás noutra ocasião! Calaram-se ambos. Raimundo, pela primeira vez, sentiu-se infeliz; uma nascente má vontade contra os outros homens formava-se na sua alma até aí limpa e clara; na pureza do seu caráter o desgosto punha a primeira nódoa. E, querendo reagir, uma revolução operava-se dentro dele; ideias turvas, enlodadas de ódio e de vagos desejos de vingança, iam e vinham, atirando-se raivosos contra os sólidos princípios da sua moral e da sua honestidade, como num oceano a tempestade açula contra um rochedo os negros vagalhões encapelados. Uma só palavra boiava à superfície dos seus pensamentos: “Mulato”. E crescia, crescia, transformando-se em tenebrosa nuvem, que escondia todo o seu passado. Ideia parasita, que estrangulava todas as outras ideias. – Mulato! (Aluísio de Azevedo. O MULATO. L&PM Editores, Porto Alegre, 2002)
  • 12. Obra marcante no Naturalismo. No romance social tem o poder de dar vida aos agrupamentos humanos. Os protagonistas são vistos “de fora” e o drama é apenas um fatalismo (sorte inevitável). Nada psicológico.
  • 13. João Romão – português ambicioso. Bertoleza – escrava fugida, dona de uma quitanda e umas economias. Amasiam-se e a escrava agora, trabalha como uma louca para João. Primeiro, três casas e depois... o cortiço cresce como larvas. Senhor Miranda – Classe elevada mora vizinho do cortiço num sobrado e ainda é pai da bela Zulmira.
  • 14. No cortiço Carapicus (flores espinhosas) tem-se tipos como: Machona – desencaminhada pelas companhias. Rita Baiana – mulata faceira, amigada com Firmo (malandro, valentão). Jerônimo e sua mulher – portugueses recém chegados.
  • 16.  Justamente por essa ocasião vendeu-se também um sobrado que ficava à direita da venda, separado desta apenas por aquelas vinte braças; e de sorte que todo o flanco esquerdo do prédio, coisa de uns vinte e tantos metros, despejava para o terreno do vendeiro as suas nove janelas de peitoril. Comprou-o um tal Miranda, negociante português, estabelecido na rua do Hospício com uma loja de fazendas por atacado.” “E durante dois anos o cortiço prosperou de dia para dia, ganhando forças, socando-se de gente. E ao lado o Miranda assustava-se, inquieto com aquela exuberância brutal de vida, aterrado diante daquela floresta implacável que lhe crescia junto da casa, por debaixo das janelas, e cujas raízes piores e mais grossas do que serpentes miravam por toda parte, ameaçando rebentar o chão em torno dela, rachando o solo e abalando tudo.” (AZEVEDO, Aluísio. O Cortiço. 26. ed. São Paulo: Martins, 1974. p. 23; 33.)
  • 17. Raul d’Ávila Pompéia nasceu a 12 de abril de 1863, em Jacuacanga, Angra dos Reis, Rio de Janeiro. Estudou direito, militou nos movimentos abolicionistas, colaborou na Gazeta de Notícias, envolveu-se em diversas polêmicas (até num duelo com Olavo Bilac) e suicidou-se numa noite de Natal aos 32 anos.
  • 18. Elaborado a partir das recomendações do autor. Estilo realista ao apresentar problemas como homossexualismo, teorias científicas, dependência e outros. Traz como subtítulo:“Crônicas de Saudades”. Riqueza de vocabulário, impressionismo isto é, não retrata a realidade diretamente, mas sim, a impressão que essa produz no seu espírito. Desenhos sobre o Ateneu pelo próprio autor.
  • 19. Resumo da Obra: Sérgio é recebido por Aristarco, diretor do colégio, retratado por vários aspectos negativos; casado com D. Ema, mulher que Sérgio se apaixonou platonicamente. É relatado o excesso de autoridade, as travessuras e os sofrimentos findando-se com o incêndio do colégio provocado pelo revoltado Américo.
  • 21. “A verdadeira arte, a arte natural, não conhece moralidade. Existe para o indivíduo sem atender à existência de outro indivíduo. Pode ser obscena na opinião da moralidade: Leda, pode ser cruel: Roma em chamas, que espetáculo! Basta que seja artística. Cruel, obscena, egoísta, imoral, indômita, eternamente selvagem, a arte é a superioridade humana – acima dos preceitos que se combatem, acima das religiões que passam, acima da ciência que se corrige; embriaga como a orgia e como o êxtase. E desdenha dos séculos efêmeros”. (p. 107 e 108)
  • 22. “Ensaiados no microcosmo do internato, não há mais surpresas no grande mundo lá fora, onde se vão sofrer todas as convivências, respirar todos os ambientes; onde a razão da maior força é a dialética geral, e nos envolvem as evoluções de tudo que rasteja e tudo que morde, porque a perfídia terra- terra é um dos processos mais eficazes da vulgaridade vencedora; onde o aviltamento é quase sempre a condição do êxito, como se houvesse ascensões pra baixo; onde o poder é uma redoma de chumbo sobre as aspirações altivas; onde a cidade é franca para as dissoluções babilônicas do instinto; onde o que é nulo flutua e aparece, como no mar as pérolas imensas são ignoradas, e sobrenadam ao dia as algas mortas e a espuma”. (p. 166 e 167)