SlideShare uma empresa Scribd logo
1 Coríntios 4 
COMO SUPERAR OS CONFLITOS NA 
COMUNIDADE
A CIDADE DE CORINTO – GRÉCIA 
• As quatro cidades mais importantes do Império Romano 
eram: Roma, Corinto, Éfeso e Antioquia da Síria. Portanto, 
Corinto era célebre. 
• A cidade localizava-se em um istmo, que é uma porção de 
terra que liga uma península ao continente. 
• Possuía dois portos. Assim, além de ser a única passagem 
por terra entre o norte e o sul da Grécia, era também 
passagem entre a Ásia, a Palestina e a Itália. 
• Os navegantes poderiam dar a volta pelo sul da península. 
Porém, o mar na região era muito tempestuoso. Corinto era 
então um corredor de mercadorias. Além disso, suas terras 
eram férteis. A cidade era rica e tinha localização 
estratégica no cenário mundial.
• Corinto era uma rica cidade comercial, com 
mais de 500.000 habitantes, na maioria 
escravos. 
• Nesse porto marítimo acotovelava-se gente de 
todas as raças e religiões à procura de vida 
fácil e luxuosa, criando ambiente de 
imoralidade e ganância. A riqueza escandalosa 
de uma minoria estava ao lado da miséria de 
muitos. Surgiu, inclusive, uma expressão: « 
Viver à moda de Corinto», que significava 
viver no luxo e na orgia.
1 coríntios 4
1 coríntios 4
Templo de Afrodite – deusa 
da sensualidade. Corinto era 
uma cidade de decadência 
moral.
Visão da antiga cidade de 
CORINTO . Paulo e Silas 
pregaram o Evangelho aqui pela primeira vez, fundando a Igreja de Corinto.
Quem eram os coríntios? 
• Habitantes – gentios – maioria ex-escravos e 
livres de diversas regiões – 500.000 
habitantes. 
• Conquistada por Roma em 146 a.C e destruída 
completamente. 
• Reconstruída por Júlio César em 46 a.C. e 
posta como capital da Acaia em 27 a.C. - 
alcançando grande desenvolvimento nos dias 
de Paulo.
• A idolatria de Corinto 
• A idolatria fazia parte da cultura grega com seus inúmeros 
deuses mitológicos. Ao sul de Corinto havia uma colina 
chamada Acrocorinto, que se elevava a 152 metros acima 
da cidade. Ali estava o templo de Afrodite, também 
chamada Astarte, Vênus ou Vésper, – deusa do amor e da 
fertilidade. 
• A corrupção de Corinto 
• Os cultos a Afrodite incluíam ritos sexuais realizados por 
1000 sacerdotisas, ou seja, prostitutas cultuais. O fato de 
ser cidade portuária, contribuía para que umas séries de 
problemas se estabelecessem. Muitos viajantes que por ali 
passavam se entregavam à prostituição e à prática de 
outros delitos. O fato de estarem de passagem criava uma 
sensação de impunidade, o que de fato se concretizava 
normalmente. Estes e outros fatores contribuíam para uma 
corrupção generalizada na cidade.
História recente 
• AS EPÍSTOLAS AOS CORÍNTIOS 
• Em nossas bíblias, temos duas epístolas de Paulo 
aos Coríntios. Entretanto, sabemos que elas 
seriam pelo menos três. Em I Cor.5.9, Paulo se 
refere a uma carta anterior, a qual não chegou às 
nossas mãos. Em II Cor. 7.8 existe referência à 
outra carta que pode ser I Coríntios. Alguns 
comentaristas sugerem que a carta mencionada 
em II Cor.7.8, seja uma outra epístola. Nesse caso, 
teríamos quatro epístolas. Trabalhando ainda 
com hipóteses, sugere-se que essa epístola 
corresponda aos capítulos 10 a 13 de II Coríntios, 
os quais poderiam ter sido ali agrupados 
posteriormente.
Temos então o seguinte esquema: 
• 1a carta - desaparecida - existência garantida 
por I Cor.5.9 
• 2a carta - é a que chamamos I Coríntios. 
• 3a carta - desaparecida – existência hipotética. 
• 4a carta – é a que chamamos II Coríntios.
A PRIMEIRA EPÍSTOLA DE PAULO AOS 
CORÍNTIOS 
• Autor: Paulo (1.1) 
• Escritor: Sóstenes (1.1) 
• Data: 56 d.C. 
• Local: Éfeso (16.8) 
• Texto chave: 5.7 
• Tema: o comportamento do cristão. 
• Classificação: eclesiologia (Estudos referentes 
à igreja).
Principais motivos da carta 
• Nessa epístola, Paulo não expõe os 
fundamentos do evangelho, como fez na carta 
aos Romanos. Afinal, ele já estivera 
doutrinando os coríntios pessoalmente 
durante um ano e meio. Paulo escreveu 
àquela igreja depois de receber uma carta 
com perguntas dos coríntios (I Cor. 7.1; 8.1-13) 
e a visita de pessoas que vieram trazendo más 
notícias (1.11; 16.17). Os problemas dos 
coríntios eram muitos. Em destaque estavam a 
divisão e a imoralidade.
A solução 
• Paulo lembra aos coríntios que Jesus é o 
fundamento de suas vidas. Entretanto, sobre esse 
fundamento, estava sendo utilizado material 
estranho para a construção. 
• Entra aí a questão da responsabilidade dos 
líderes eclesiásticos. 
• Não sabemos quem liderava a igreja em Corinto. 
Ao que tudo indica, faltava ali uma liderança forte 
que conseguisse conduzir a igreja. 
• Vemos que a mesma estava dividida em grupos. 
Certamente, havia líderes, mas estes não estavam 
conseguindo uma coesão entre si e entre os 
membros da igreja.
Sua relação com eles 
• Por evangelizar Corinto, Paulo se tornou, em 
certo sentido, o pai espiritual deles. Ele 
esperava que o imitassem (como ele imitava a 
Cristo) e os disciplinava quando necessário.
1 Coríntios 4 
• 1 Que os homens nos considerem como 
ministros de Cristo, e despenseiros dos 
mistérios de Deus. 
• 2 Além disso requer-se dos despenseiros que 
cada um se ache fiel. 
• 3 Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser 
julgado por vós, ou por algum juízo humano; 
nem eu tampouco a mim mesmo me julgo. 
• 4 Porque em nada me sinto culpado; mas nem 
por isso me considero justificado, pois quem 
me julga é o Senhor.
• Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o 
Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas 
ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos 
corações; e então cada um receberá de Deus o 
louvor. 
• 6 E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por 
semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; 
para que em nós aprendais a não ir além do que 
está escrito, não vos ensoberbecendo a favor de 
um contra outro. 
• 7 ¶ Porque, quem te faz diferente? E que tens tu 
que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por 
que te glorias, como se não o houveras recebido?
• 8 Já estais fartos! já estais ricos! sem nós reinais! 
e quisera reinásseis para que também nós 
viéssemos a reinar convosco! 
• 9 Porque tenho para mim, que Deus a nós, 
apóstolos, nos pôs por últimos, como 
condenados à morte; pois somos feitos 
espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens. 
• 10 Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós 
sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós 
ilustres, e nós vis. 
• 11 Até esta presente hora sofremos fome, e sede, 
e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não 
temos pousada certa,
• 12 E nos afadigamos, trabalhando com nossas 
próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; 
somos perseguidos, e sofremos; 
• 13 Somos blasfemados, e rogamos; até ao 
presente temos chegado a ser como o lixo deste 
mundo, e como a escória de todos. 
• 14 ¶ Não escrevo estas coisas para vos 
envergonhar; mas admoesto-vos como meus 
filhos amados. 
• 15 Porque ainda que tivésseis dez mil aios em 
Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; porque 
eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo.
• 16 Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. 
• 17 ¶ Por esta causa vos mandei Timóteo, que é meu filho 
amado, e fiel no Senhor, o qual vos lembrará os meus 
caminhos em Cristo, como por toda a parte ensino em cada 
igreja. 
• 18 Mas alguns andam ensoberbecidos, como se eu não 
houvesse de ir ter convosco. 
• 19 Mas em breve irei ter convosco, se o Senhor quiser, e 
então conhecerei, não as palavras dos que andam 
ensoberbecidos, mas o poder. 
• 20 Porque o reino de Deus não consiste em palavras, mas 
em poder. 
• 21 Que quereis? Irei ter convosco com vara ou com amor e 
espírito de mansidão?
Com vara ou com amor? 
• Despenseiros dos mistérios de Deus. 
• Requer-se dos despenseiros que cada um se 
ache fiel. 
• Quem me julga é o Senhor.
Não às palavras... Ação. 
• (1) Consolador, 
• (2) Sofrido, 
• (3) Sincero, 
• (5) Interessado, 
• (6) Triunfante, 
• (7) Abnegado, 
• (8) O amor a Cristo é o motivo predominante,
1 coríntios 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblicaPalestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblica
ADMILTON SOARES
 
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os PatriarcasA História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
Pr. Luiz Carlos Lopes
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado
Geversom Sousa
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Márcio Martins
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
Pastor Wanderley
 
35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel35. O Profeta Joel
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
RODRIGO FERREIRA
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
Jovens Do Caminho
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos Filipenses
UEPB
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
Viva a Igreja
 
Ressurreição
RessurreiçãoRessurreição
Ressurreição
Dókimos Aprovado
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
faculdadeteologica
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
Romulo Roosemberg
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
Respirando Deus
 
Anticristo
AnticristoAnticristo
Anticristo
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
Respirando Deus
 
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Éder Tomé
 
Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1
Kairosphb
 

Mais procurados (20)

Palestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblicaPalestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblica
 
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os PatriarcasA História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
 
45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias45. o profeta malaquias
45. o profeta malaquias
 
34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias34. O profeta Oséias
34. O profeta Oséias
 
Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado Doutrina do Pecado
Doutrina do Pecado
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
 
O que e Igreja
O que e IgrejaO que e Igreja
O que e Igreja
 
35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel35. O Profeta Joel
35. O Profeta Joel
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
Escatologia 3
Escatologia 3Escatologia 3
Escatologia 3
 
Carta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos FilipensesCarta de Paulo aos Filipenses
Carta de Paulo aos Filipenses
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
 
Ressurreição
RessurreiçãoRessurreição
Ressurreição
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
 
Eclesiologia
EclesiologiaEclesiologia
Eclesiologia
 
Panorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - FilipensesPanorama do NT - Filipenses
Panorama do NT - Filipenses
 
Anticristo
AnticristoAnticristo
Anticristo
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
 
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
 
Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1Panorama do antigo testamento aula1
Panorama do antigo testamento aula1
 

Destaque

Missiologia
MissiologiaMissiologia
Missiologia
Hebert Balieiro
 
LIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIAS
LIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIASLIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIAS
LIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIAS
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
Os desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digitalOs desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digital
Aline Amaro da Silva
 
é Hora De Evangelizar
é Hora De Evangelizaré Hora De Evangelizar
é Hora De Evangelizar
wagner souza
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Rodrigo Ribeiro
 
4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo
prfavinho
 
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
Polícia Militar do Estado do Tocantins
 
Apostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoalApostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoal
Marcos Lino
 
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
Márcio Pereira
 
Dicas para trabalhar com os jovens
Dicas para trabalhar com os jovensDicas para trabalhar com os jovens
Dicas para trabalhar com os jovens
Patricia Montenegro
 
Batalha espiritual 1
Batalha espiritual 1Batalha espiritual 1
Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1
LEANDRO DE SOUZA RAMOS
 
O Evangelismo e a igreja.ppt
O Evangelismo e a igreja.pptO Evangelismo e a igreja.ppt
O Evangelismo e a igreja.ppt
Herbert de Carvalho
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
Antonio Rodrigues
 
Evangelismo Criativo
Evangelismo CriativoEvangelismo Criativo
Evangelismo Criativo
Michele L D Pain
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
Natalino das Neves Neves
 
Slides batalha espiritual
Slides   batalha espiritualSlides   batalha espiritual
Slides batalha espiritual
Abdias Barreto
 
Evangelização da Juventude
Evangelização da JuventudeEvangelização da Juventude
Evangelização da Juventude
pjest
 
Os três campos de batalha parte 1 - a mente
Os três campos de batalha   parte 1 - a menteOs três campos de batalha   parte 1 - a mente
Os três campos de batalha parte 1 - a mente
Escola Bíblica Sem Fronteiras
 
Documento 85 Da Cnbb - Evangelização da Juventude
Documento 85 Da Cnbb - Evangelização da JuventudeDocumento 85 Da Cnbb - Evangelização da Juventude
Documento 85 Da Cnbb - Evangelização da Juventude
Marciel de Oliveira Rocha
 

Destaque (20)

Missiologia
MissiologiaMissiologia
Missiologia
 
LIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIAS
LIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIASLIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIAS
LIÇÃO 5 - A EVANGELIZAÇÃO URBANA E SUAS ESTRATÉGIAS
 
Os desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digitalOs desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digital
 
é Hora De Evangelizar
é Hora De Evangelizaré Hora De Evangelizar
é Hora De Evangelizar
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
 
4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo
 
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
 
Apostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoalApostila evangelismo pessoal
Apostila evangelismo pessoal
 
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
2Co Capítulo 4 - Vasos de Barro
 
Dicas para trabalhar com os jovens
Dicas para trabalhar com os jovensDicas para trabalhar com os jovens
Dicas para trabalhar com os jovens
 
Batalha espiritual 1
Batalha espiritual 1Batalha espiritual 1
Batalha espiritual 1
 
Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1Documento 85 - Sintese 1
Documento 85 - Sintese 1
 
O Evangelismo e a igreja.ppt
O Evangelismo e a igreja.pptO Evangelismo e a igreja.ppt
O Evangelismo e a igreja.ppt
 
Curso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismoCurso basico de evangelismo
Curso basico de evangelismo
 
Evangelismo Criativo
Evangelismo CriativoEvangelismo Criativo
Evangelismo Criativo
 
Planejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejasPlanejamento estratégico para igrejas
Planejamento estratégico para igrejas
 
Slides batalha espiritual
Slides   batalha espiritualSlides   batalha espiritual
Slides batalha espiritual
 
Evangelização da Juventude
Evangelização da JuventudeEvangelização da Juventude
Evangelização da Juventude
 
Os três campos de batalha parte 1 - a mente
Os três campos de batalha   parte 1 - a menteOs três campos de batalha   parte 1 - a mente
Os três campos de batalha parte 1 - a mente
 
Documento 85 Da Cnbb - Evangelização da Juventude
Documento 85 Da Cnbb - Evangelização da JuventudeDocumento 85 Da Cnbb - Evangelização da Juventude
Documento 85 Da Cnbb - Evangelização da Juventude
 

Semelhante a 1 coríntios 4

Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Jeronimo Nunes
 
Panorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1CorintiosPanorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1Corintios
ssusere39624
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
Joel Silva
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
Joel Silva
 
I corintios
I corintiosI corintios
I corintios
Joel Silva
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
Natalino das Neves Neves
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Candice Gunther
 
Documento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introdução
Documento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introduçãoDocumento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introdução
Documento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introdução
JeannieSimes
 
O apostolo Paulo.ppt
O apostolo Paulo.pptO apostolo Paulo.ppt
O apostolo Paulo.ppt
Diego Rocha
 
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até RomaT200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
GersonPrates
 
Os Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdf
Os Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdfOs Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdf
Os Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdf
EnioSilva20
 
Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento
Construção Edificações
 
Aula 14 - I Coríntios
Aula 14 - I CoríntiosAula 14 - I Coríntios
Aula 14 - I Coríntios
ibrdoamor
 
Comentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I CoríntiosComentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I Coríntios
JOSE ROBERTO ALVES DA SILVA
 
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – IntroduçãoEstudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Márcio Pereira
 
“O viver é Cristo e o morrer é lucro”
“O viver é Cristo e o morrer é lucro”“O viver é Cristo e o morrer é lucro”
“O viver é Cristo e o morrer é lucro”
JUERP
 
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
Joel Silva
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
Joel Silva
 

Semelhante a 1 coríntios 4 (20)

Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
Filipenses aulas 01 e 02 (jin)
 
Panorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1CorintiosPanorama Biblico 1Corintios
Panorama Biblico 1Corintios
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
 
Doutrina i corintios
Doutrina  i corintiosDoutrina  i corintios
Doutrina i corintios
 
I corintios
I corintiosI corintios
I corintios
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 1 - A PRIMEIRA CARTA DE PAULO À IGREJA DE CORINTO
 
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de CorintoCarta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
Carta aos Coríntios com Emmanuel - A Cidade de Corinto
 
Documento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introdução
Documento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introduçãoDocumento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introdução
Documento_de_Jeannie.pptx Primeira coríntios introdução
 
O apostolo Paulo.ppt
O apostolo Paulo.pptO apostolo Paulo.ppt
O apostolo Paulo.ppt
 
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até RomaT200 O início da Igreja Cristã até Roma
T200 O início da Igreja Cristã até Roma
 
Os Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdf
Os Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdfOs Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdf
Os Martires do Coliseu - A. J. OReilly - _.pdf
 
Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento Livro bibliologia novo testamento
Livro bibliologia novo testamento
 
Aula 14 - I Coríntios
Aula 14 - I CoríntiosAula 14 - I Coríntios
Aula 14 - I Coríntios
 
Comentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I CoríntiosComentário Geral sobre I Coríntios
Comentário Geral sobre I Coríntios
 
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – IntroduçãoEstudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
Estudo Epístola 1 Coríntios – Introdução
 
“O viver é Cristo e o morrer é lucro”
“O viver é Cristo e o morrer é lucro”“O viver é Cristo e o morrer é lucro”
“O viver é Cristo e o morrer é lucro”
 
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 05.pptx
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos3º trimestre 2015 lição 05 adultos
3º trimestre 2015 lição 05 adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 05 Adultos
 

Mais de Dalila Melo

é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homensé Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens
Dalila Melo
 
As criaturas existem e não existem
As criaturas existem e não existemAs criaturas existem e não existem
As criaturas existem e não existem
Dalila Melo
 
Confissões livro vi item iv
Confissões livro vi item ivConfissões livro vi item iv
Confissões livro vi item iv
Dalila Melo
 
Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
Dalila Melo
 
Instruções a timóteo
Instruções a timóteoInstruções a timóteo
Instruções a timóteo
Dalila Melo
 
Psicologia da gratidão
Psicologia da gratidãoPsicologia da gratidão
Psicologia da gratidão
Dalila Melo
 
Literatura infantil espírita
Literatura infantil espíritaLiteratura infantil espírita
Literatura infantil espírita
Dalila Melo
 
A Casa espírita
A Casa espíritaA Casa espírita
A Casa espírita
Dalila Melo
 
Falatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de LuzFalatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de Luz
Dalila Melo
 
Caminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espiritoCaminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espirito
Dalila Melo
 
Educação do afeto
Educação do afetoEducação do afeto
Educação do afeto
Dalila Melo
 
Valor ação correta
Valor ação corretaValor ação correta
Valor ação correta
Dalila Melo
 
Rosas
RosasRosas
3 história da terra
3   história da terra3   história da terra
3 história da terra
Dalila Melo
 
Criação de deus
Criação de deusCriação de deus
Criação de deus
Dalila Melo
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
Dalila Melo
 
A fé religiosa
A fé religiosaA fé religiosa
A fé religiosa
Dalila Melo
 
A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
Dalila Melo
 
Ano novo
Ano novoAno novo
Ano novo
Dalila Melo
 
A verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deusA verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deus
Dalila Melo
 

Mais de Dalila Melo (20)

é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homensé Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens
 
As criaturas existem e não existem
As criaturas existem e não existemAs criaturas existem e não existem
As criaturas existem e não existem
 
Confissões livro vi item iv
Confissões livro vi item ivConfissões livro vi item iv
Confissões livro vi item iv
 
Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
 
Instruções a timóteo
Instruções a timóteoInstruções a timóteo
Instruções a timóteo
 
Psicologia da gratidão
Psicologia da gratidãoPsicologia da gratidão
Psicologia da gratidão
 
Literatura infantil espírita
Literatura infantil espíritaLiteratura infantil espírita
Literatura infantil espírita
 
A Casa espírita
A Casa espíritaA Casa espírita
A Casa espírita
 
Falatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de LuzFalatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de Luz
 
Caminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espiritoCaminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espirito
 
Educação do afeto
Educação do afetoEducação do afeto
Educação do afeto
 
Valor ação correta
Valor ação corretaValor ação correta
Valor ação correta
 
Rosas
RosasRosas
Rosas
 
3 história da terra
3   história da terra3   história da terra
3 história da terra
 
Criação de deus
Criação de deusCriação de deus
Criação de deus
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
 
A fé religiosa
A fé religiosaA fé religiosa
A fé religiosa
 
A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
 
Ano novo
Ano novoAno novo
Ano novo
 
A verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deusA verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deus
 

1 coríntios 4

  • 1. 1 Coríntios 4 COMO SUPERAR OS CONFLITOS NA COMUNIDADE
  • 2. A CIDADE DE CORINTO – GRÉCIA • As quatro cidades mais importantes do Império Romano eram: Roma, Corinto, Éfeso e Antioquia da Síria. Portanto, Corinto era célebre. • A cidade localizava-se em um istmo, que é uma porção de terra que liga uma península ao continente. • Possuía dois portos. Assim, além de ser a única passagem por terra entre o norte e o sul da Grécia, era também passagem entre a Ásia, a Palestina e a Itália. • Os navegantes poderiam dar a volta pelo sul da península. Porém, o mar na região era muito tempestuoso. Corinto era então um corredor de mercadorias. Além disso, suas terras eram férteis. A cidade era rica e tinha localização estratégica no cenário mundial.
  • 3. • Corinto era uma rica cidade comercial, com mais de 500.000 habitantes, na maioria escravos. • Nesse porto marítimo acotovelava-se gente de todas as raças e religiões à procura de vida fácil e luxuosa, criando ambiente de imoralidade e ganância. A riqueza escandalosa de uma minoria estava ao lado da miséria de muitos. Surgiu, inclusive, uma expressão: « Viver à moda de Corinto», que significava viver no luxo e na orgia.
  • 6. Templo de Afrodite – deusa da sensualidade. Corinto era uma cidade de decadência moral.
  • 7. Visão da antiga cidade de CORINTO . Paulo e Silas pregaram o Evangelho aqui pela primeira vez, fundando a Igreja de Corinto.
  • 8. Quem eram os coríntios? • Habitantes – gentios – maioria ex-escravos e livres de diversas regiões – 500.000 habitantes. • Conquistada por Roma em 146 a.C e destruída completamente. • Reconstruída por Júlio César em 46 a.C. e posta como capital da Acaia em 27 a.C. - alcançando grande desenvolvimento nos dias de Paulo.
  • 9. • A idolatria de Corinto • A idolatria fazia parte da cultura grega com seus inúmeros deuses mitológicos. Ao sul de Corinto havia uma colina chamada Acrocorinto, que se elevava a 152 metros acima da cidade. Ali estava o templo de Afrodite, também chamada Astarte, Vênus ou Vésper, – deusa do amor e da fertilidade. • A corrupção de Corinto • Os cultos a Afrodite incluíam ritos sexuais realizados por 1000 sacerdotisas, ou seja, prostitutas cultuais. O fato de ser cidade portuária, contribuía para que umas séries de problemas se estabelecessem. Muitos viajantes que por ali passavam se entregavam à prostituição e à prática de outros delitos. O fato de estarem de passagem criava uma sensação de impunidade, o que de fato se concretizava normalmente. Estes e outros fatores contribuíam para uma corrupção generalizada na cidade.
  • 10. História recente • AS EPÍSTOLAS AOS CORÍNTIOS • Em nossas bíblias, temos duas epístolas de Paulo aos Coríntios. Entretanto, sabemos que elas seriam pelo menos três. Em I Cor.5.9, Paulo se refere a uma carta anterior, a qual não chegou às nossas mãos. Em II Cor. 7.8 existe referência à outra carta que pode ser I Coríntios. Alguns comentaristas sugerem que a carta mencionada em II Cor.7.8, seja uma outra epístola. Nesse caso, teríamos quatro epístolas. Trabalhando ainda com hipóteses, sugere-se que essa epístola corresponda aos capítulos 10 a 13 de II Coríntios, os quais poderiam ter sido ali agrupados posteriormente.
  • 11. Temos então o seguinte esquema: • 1a carta - desaparecida - existência garantida por I Cor.5.9 • 2a carta - é a que chamamos I Coríntios. • 3a carta - desaparecida – existência hipotética. • 4a carta – é a que chamamos II Coríntios.
  • 12. A PRIMEIRA EPÍSTOLA DE PAULO AOS CORÍNTIOS • Autor: Paulo (1.1) • Escritor: Sóstenes (1.1) • Data: 56 d.C. • Local: Éfeso (16.8) • Texto chave: 5.7 • Tema: o comportamento do cristão. • Classificação: eclesiologia (Estudos referentes à igreja).
  • 13. Principais motivos da carta • Nessa epístola, Paulo não expõe os fundamentos do evangelho, como fez na carta aos Romanos. Afinal, ele já estivera doutrinando os coríntios pessoalmente durante um ano e meio. Paulo escreveu àquela igreja depois de receber uma carta com perguntas dos coríntios (I Cor. 7.1; 8.1-13) e a visita de pessoas que vieram trazendo más notícias (1.11; 16.17). Os problemas dos coríntios eram muitos. Em destaque estavam a divisão e a imoralidade.
  • 14. A solução • Paulo lembra aos coríntios que Jesus é o fundamento de suas vidas. Entretanto, sobre esse fundamento, estava sendo utilizado material estranho para a construção. • Entra aí a questão da responsabilidade dos líderes eclesiásticos. • Não sabemos quem liderava a igreja em Corinto. Ao que tudo indica, faltava ali uma liderança forte que conseguisse conduzir a igreja. • Vemos que a mesma estava dividida em grupos. Certamente, havia líderes, mas estes não estavam conseguindo uma coesão entre si e entre os membros da igreja.
  • 15. Sua relação com eles • Por evangelizar Corinto, Paulo se tornou, em certo sentido, o pai espiritual deles. Ele esperava que o imitassem (como ele imitava a Cristo) e os disciplinava quando necessário.
  • 16. 1 Coríntios 4 • 1 Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. • 2 Além disso requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel. • 3 Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por algum juízo humano; nem eu tampouco a mim mesmo me julgo. • 4 Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero justificado, pois quem me julga é o Senhor.
  • 17. • Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor. • 6 E eu, irmãos, apliquei estas coisas, por semelhança, a mim e a Apolo, por amor de vós; para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito, não vos ensoberbecendo a favor de um contra outro. • 7 ¶ Porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?
  • 18. • 8 Já estais fartos! já estais ricos! sem nós reinais! e quisera reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco! • 9 Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens. • 10 Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres, e nós vis. • 11 Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa,
  • 19. • 12 E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos; • 13 Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos. • 14 ¶ Não escrevo estas coisas para vos envergonhar; mas admoesto-vos como meus filhos amados. • 15 Porque ainda que tivésseis dez mil aios em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo.
  • 20. • 16 Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. • 17 ¶ Por esta causa vos mandei Timóteo, que é meu filho amado, e fiel no Senhor, o qual vos lembrará os meus caminhos em Cristo, como por toda a parte ensino em cada igreja. • 18 Mas alguns andam ensoberbecidos, como se eu não houvesse de ir ter convosco. • 19 Mas em breve irei ter convosco, se o Senhor quiser, e então conhecerei, não as palavras dos que andam ensoberbecidos, mas o poder. • 20 Porque o reino de Deus não consiste em palavras, mas em poder. • 21 Que quereis? Irei ter convosco com vara ou com amor e espírito de mansidão?
  • 21. Com vara ou com amor? • Despenseiros dos mistérios de Deus. • Requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel. • Quem me julga é o Senhor.
  • 22. Não às palavras... Ação. • (1) Consolador, • (2) Sofrido, • (3) Sincero, • (5) Interessado, • (6) Triunfante, • (7) Abnegado, • (8) O amor a Cristo é o motivo predominante,