SlideShare uma empresa Scribd logo
É difícil julgar os homens
Objetivos
- Perceber a necessidade de observar e corrigir
nossos próprios defeitos para evoluirmos.
- Perceber que estamos sempre reagindo de forma
a julgar, censurar e repreender o semelhante;
- Identificar nas sábias lições de Jesus a humildade e
a indulgência, levando-nos, de um lado, ao
reconhecimento das nossas próprias faltas, e de
outro, à compreensão das faltas alheias.
O que estas imagens lhe dizem?
é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens
" O homem, considerado na sua essência e nas
suas relações, é o enigma de mais difícil
explicação. "
• Entre julgar e discernir, há sempre grande
distância. O ato de julgar para a especificação de
conseqüências definitivas pertence à autoridade
divina, porém, o direito da análise está instituído
para todos os Espíritos, de modo que,
discernindo o bem e o mal, o erro e a verdade,
possam as criaturas traçar as diretrizes do seu
melhor caminho para Deus.
• Emmanuel - (Consolador) [55 - página 80]
Mal por mal significa o eclipse
absoluto da razão
• E, sob o império da sombra, que poderemos aguardar
senão a cegueira e a morte? Por mais aflitiva lhe seja a
lembrança do adversário, recorde-o em suas preces e
em suas meditações, por irmão necessitado de nossa
assistência fraterna. Ainda não readquirimos nossa
memória integral do passado e nem sabemos o que
nos ocorrerá no futuro...
• Quem terá sido ele no pretérito?
• Alguém que ajudamos ou ferimos?
• Quem será para nós no porvir?
• Nosso pai ou nosso filho?
• Segundo a Lei, o bem neutraliza o mal, que se
transforma, por fim, em servidor do próprio
bem. Ainda que tudo pareça conspirar contra
a sua felicidade, ame e ajude sempre, porque
o tempo se incumbirá de expulsar as trevas
que nos visitam, à medida que se nos
aumente o mérito moral.
• - André Luiz - 1954
O que é o pecado, segundo o Espiritismo?
• Pecado é todo e qualquer ato que contrarie as
leis de Deus (leis naturais). Paulo de Tarso, na
Bíblia, diz que sem Lei não existe pecado. Isso
quer dizer que à medida que o homem toma
consciência da Lei de Deus, aumenta sua
responsabilidade em relação aos erros e
igualmente o rigor em seu próprio
julgamento. É somente nessa transgressão
que se resume o pecado.
No momento de julgar
• No momento de julgar alguém, como
poderás julgar esse alguém, de todo, se não
conheces tudo?
• Terá sucedido um crime, estarrecendo a
multidão.
• Suponhamos que um homem desequilibrado
haja posto uma bomba em certa casa, no intuito
de destruir-lhe os moradores. Entretanto, por
trás dele estão aqueles que fabricaram o
engenho mortífero; os que o conservaram para
utilização em momento oportuno; os outros que
lhe identificaram o perigo, aprovando-lhe a
existência; e aqueles outros ainda que,
indiferentes, lhe acompanharam o fogo no
estopim, sem a mínima disposição de apagá-lo.
• De que maneira medirias o remorso do espírito
de um homem assassinado, na hipótese desse
mesmo assassinado haver provocado o seu
contendor até que o antagonista lhe furtasse o
corpo, num instante de insanidade? E como
observarias o pesar do semelhante, às vezes
ilhado no fundo de uma penitenciária, na
posição de um vivo-morto, quando o imaginado
morto permanece vivo? E com que metro
verificarias o sofrimento de um e outro?
• Com que pancadas ou palavras agressivas
conseguirias punir, durante algumas horas, a
criatura menos feliz que já carrega em si o
tormento da culpa, à feição de suplício que
lhe atenaza o coração, noite e dia?
• Ante a queda moral de alguém, é mais
razoável entrarmos para logo no assunto, na
condição de partícipes dela, antes que nos
alcemos à indébita função de censores.
• Não precisaríamos tanto de justiça, se não
praticássemos a injustiça e nem tanto de medicina se
não tivéssemos doença.
• Necessitaríamos, porventura, na Terra, de tantas e tão
multiplicadas lições, em torno do bem, se o mal não
nos armasse riscos, quase que em todas as direções
do planeta?
• E onde estão aqueles que estejam usufruindo a glória
da instalação segura no bem, sem o prejuízo de algum
mal, ou aqueles outros que atravessam os espinheiros
do mal, sem a vantagem de algum bem?
• No momento de julgar, peçamos a inspiração
da Providência Divina para os magistrados
que as circunstâncias vestiram com a toga, a
fim de que acertem, nas suas decisões, em
louvor do equilíbrio geral, porquanto é tão
delicado o encargo do juiz chamado a
interferir no corpo da ordem social quão
difícil é a tarefa do cirurgião convocado a
interferir no corpo físico.
• E quanto a nós outros, os que não somos
trazidos a sentenças de lei, já que não nos
achamos compromissados para isso, usemos
a sobriedade e a compaixão em todos os
nossos processos de vivência pessoal no
cotidiano, conscientes, quanto devemos
estar, de que os justos são as âncoras dos
injustos e de que os bons constituem a
esperança para todos aqueles que a maldade
ensandece.
• No momento de julgar, ainda que te
coloquem no último banco, entre os últimos
réus, e mesmo que se te negue o direito de
defender a própria consciência edificada e
tranqüila, a ninguém condenes, nem mesmo
àqueles que porventura te condenem.
• Usa sempre a misericórdia e acertarás.
• (Emmanuel)
é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Samz revisão
Samz revisãoSamz revisão
Samz revisão
Cristobal Avalos Rojas
 
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
Carlos Alberto Freire De Souza
 
LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27
Patricia Farias
 
Perfeitos ou submissos?
Perfeitos ou submissos?Perfeitos ou submissos?
Perfeitos ou submissos?
Natanael Araujo
 
Homem de bem
Homem de bemHomem de bem
Homem de bem
Angelo Baptista
 
Da perfeição moral
Da perfeição moralDa perfeição moral
Da perfeição moral
Layce Paiva
 
A verdade é deus!
A verdade é deus!A verdade é deus!
A verdade é deus!
Dalila Melo
 
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
003 conhecimento de deus - j.i.packer-vf2
003   conhecimento de deus - j.i.packer-vf2003   conhecimento de deus - j.i.packer-vf2
003 conhecimento de deus - j.i.packer-vf2
airtonbatista
 
Curso Básico de Espiritismo FEESP 1º ano
Curso Básico de Espiritismo FEESP 1º anoCurso Básico de Espiritismo FEESP 1º ano
Curso Básico de Espiritismo FEESP 1º ano
Roseli Lemes
 
Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.
João Campos
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
jmeirelles
 
Conduta Espírita
Conduta EspíritaConduta Espírita
Conduta Espírita
Izabel Cristina Fonseca
 
Ser Espirita 2
Ser Espirita 2Ser Espirita 2
Ser Espirita 2
Izabel Cristina Fonseca
 
Quem domina a sua mente
Quem domina a sua menteQuem domina a sua mente
Quem domina a sua mente
Vilma Longuini
 
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERAESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
Jorge Luiz dos Santos
 
Como saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristãoComo saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristão
infomerso
 
LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28
Patricia Farias
 
Conhece-te a ti mesmo
Conhece-te a ti mesmoConhece-te a ti mesmo
Conhece-te a ti mesmo
Amanda Figueirêdo
 

Mais procurados (20)

Samz revisão
Samz revisãoSamz revisão
Samz revisão
 
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
ESDE - Módulo XVII - Roteiro 2: conhecimento de si mesmo.
 
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
090909 da perfeição moral – cap. 12 – livro iii
 
LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27LE 634 e ESE cap. 5 item27
LE 634 e ESE cap. 5 item27
 
Perfeitos ou submissos?
Perfeitos ou submissos?Perfeitos ou submissos?
Perfeitos ou submissos?
 
Homem de bem
Homem de bemHomem de bem
Homem de bem
 
Da perfeição moral
Da perfeição moralDa perfeição moral
Da perfeição moral
 
A verdade é deus!
A verdade é deus!A verdade é deus!
A verdade é deus!
 
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
 
003 conhecimento de deus - j.i.packer-vf2
003   conhecimento de deus - j.i.packer-vf2003   conhecimento de deus - j.i.packer-vf2
003 conhecimento de deus - j.i.packer-vf2
 
Curso Básico de Espiritismo FEESP 1º ano
Curso Básico de Espiritismo FEESP 1º anoCurso Básico de Espiritismo FEESP 1º ano
Curso Básico de Espiritismo FEESP 1º ano
 
Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
 
Conduta Espírita
Conduta EspíritaConduta Espírita
Conduta Espírita
 
Ser Espirita 2
Ser Espirita 2Ser Espirita 2
Ser Espirita 2
 
Quem domina a sua mente
Quem domina a sua menteQuem domina a sua mente
Quem domina a sua mente
 
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERAESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
ESPIRITISMO 159 ANOS DE UMA NOVA ERA
 
Como saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristãoComo saber se você é um verdadeiro cristão
Como saber se você é um verdadeiro cristão
 
LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28LE Q.642 e ESE cap5 item28
LE Q.642 e ESE cap5 item28
 
Conhece-te a ti mesmo
Conhece-te a ti mesmoConhece-te a ti mesmo
Conhece-te a ti mesmo
 

Destaque

Falatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de LuzFalatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de Luz
Dalila Melo
 
Literatura infantil espírita
Literatura infantil espíritaLiteratura infantil espírita
Literatura infantil espírita
Dalila Melo
 
Visão Espírita do Carnaval
Visão Espírita do CarnavalVisão Espírita do Carnaval
Visão Espírita do Carnaval
PAN1911
 
Educação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaEducação espírita para a infância
Educação espírita para a infância
Dalila Melo
 
Agua
AguaAgua
Agua
PAN1911
 
Culto Do Evangelho No Lar
Culto  Do  Evangelho No   LarCulto  Do  Evangelho No   Lar
Culto Do Evangelho No Lar
Home
 
Casa espírita
Casa espíritaCasa espírita
Casa espírita
Dalila Melo
 
Superfluo e necessário
Superfluo e necessárioSuperfluo e necessário
Superfluo e necessário
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
Dalila Melo
 
Tarde te amei - Santo Agostinho
Tarde te amei - Santo AgostinhoTarde te amei - Santo Agostinho
Tarde te amei - Santo Agostinho
Marcelo Monti Bica
 
Caminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espiritoCaminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espirito
Dalila Melo
 
A Casa espírita
A Casa espíritaA Casa espírita
A Casa espírita
Dalila Melo
 
3 história da terra
3   história da terra3   história da terra
3 história da terra
Dalila Melo
 
Valor ação correta
Valor ação corretaValor ação correta
Valor ação correta
Dalila Melo
 
Rosas
RosasRosas
Sexualidade para jovens
Sexualidade para jovensSexualidade para jovens
Sexualidade para jovens
DarkWolf
 
1 coríntios 4
1 coríntios 41 coríntios 4
1 coríntios 4
Dalila Melo
 
Santo agostinho autoconhecimento e reforma íntima
Santo agostinho autoconhecimento e reforma íntimaSanto agostinho autoconhecimento e reforma íntima
Santo agostinho autoconhecimento e reforma íntima
Marcos Elesbão
 
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completoCaderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Alice Lirio
 
Educação do afeto
Educação do afetoEducação do afeto
Educação do afeto
Dalila Melo
 

Destaque (20)

Falatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de LuzFalatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de Luz
 
Literatura infantil espírita
Literatura infantil espíritaLiteratura infantil espírita
Literatura infantil espírita
 
Visão Espírita do Carnaval
Visão Espírita do CarnavalVisão Espírita do Carnaval
Visão Espírita do Carnaval
 
Educação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaEducação espírita para a infância
Educação espírita para a infância
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Culto Do Evangelho No Lar
Culto  Do  Evangelho No   LarCulto  Do  Evangelho No   Lar
Culto Do Evangelho No Lar
 
Casa espírita
Casa espíritaCasa espírita
Casa espírita
 
Superfluo e necessário
Superfluo e necessárioSuperfluo e necessário
Superfluo e necessário
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
 
Tarde te amei - Santo Agostinho
Tarde te amei - Santo AgostinhoTarde te amei - Santo Agostinho
Tarde te amei - Santo Agostinho
 
Caminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espiritoCaminhos da educação do espirito
Caminhos da educação do espirito
 
A Casa espírita
A Casa espíritaA Casa espírita
A Casa espírita
 
3 história da terra
3   história da terra3   história da terra
3 história da terra
 
Valor ação correta
Valor ação corretaValor ação correta
Valor ação correta
 
Rosas
RosasRosas
Rosas
 
Sexualidade para jovens
Sexualidade para jovensSexualidade para jovens
Sexualidade para jovens
 
1 coríntios 4
1 coríntios 41 coríntios 4
1 coríntios 4
 
Santo agostinho autoconhecimento e reforma íntima
Santo agostinho autoconhecimento e reforma íntimaSanto agostinho autoconhecimento e reforma íntima
Santo agostinho autoconhecimento e reforma íntima
 
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completoCaderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
Caderno de-atividades 2-cic-de-inf-ii_completo
 
Educação do afeto
Educação do afetoEducação do afeto
Educação do afeto
 

Semelhante a é Difícil julgar os homens

O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
M.R.L
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Emitir julgamento
Emitir julgamentoEmitir julgamento
Emitir julgamento
Helio Cruz
 
Emitir julgamento
Emitir julgamentoEmitir julgamento
Emitir julgamento
Jose Pinto Cardoso
 
Emitir julgamento
Emitir julgamentoEmitir julgamento
Emitir julgamento
Helio Cruz
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
jmeirelles
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
jmeirelles
 
CapíTulo 5 Livrro
CapíTulo 5   LivrroCapíTulo 5   Livrro
CapíTulo 5 Livrro
jmeirelles
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
EdsonAguiar30
 
O bem e o mal
O bem e o malO bem e o mal
O bem e o mal
Ponte de Luz ASEC
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
jmeirelles
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
jmeirelles
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
jmeirelles
 
Capítulo 1 Original Livro
Capítulo 1 Original LivroCapítulo 1 Original Livro
Capítulo 1 Original Livro
jmeirelles
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
jmeirelles
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
Leonardo Pereira
 
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
Marta Gomes
 
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
Sergio Menezes
 
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
ConservoConstrues
 
CapíTulo 4 Original
CapíTulo 4 OriginalCapíTulo 4 Original
CapíTulo 4 Original
jmeirelles
 

Semelhante a é Difícil julgar os homens (20)

O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Emitir julgamento
Emitir julgamentoEmitir julgamento
Emitir julgamento
 
Emitir julgamento
Emitir julgamentoEmitir julgamento
Emitir julgamento
 
Emitir julgamento
Emitir julgamentoEmitir julgamento
Emitir julgamento
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
 
CapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 LivroCapíTulo 10 Livro
CapíTulo 10 Livro
 
CapíTulo 5 Livrro
CapíTulo 5   LivrroCapíTulo 5   Livrro
CapíTulo 5 Livrro
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
 
O bem e o mal
O bem e o malO bem e o mal
O bem e o mal
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
 
Capítulo 1 Original Livro
Capítulo 1 Original LivroCapítulo 1 Original Livro
Capítulo 1 Original Livro
 
CapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original LivroCapíTulo 1 Original Livro
CapíTulo 1 Original Livro
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
 
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
 
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
BEM AVENTURADOS OS QUE TEM FOME E SEDE DE JUSTIÇA
 
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
 
CapíTulo 4 Original
CapíTulo 4 OriginalCapíTulo 4 Original
CapíTulo 4 Original
 

Mais de Dalila Melo

Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
Dalila Melo
 
Instruções a timóteo
Instruções a timóteoInstruções a timóteo
Instruções a timóteo
Dalila Melo
 
Psicologia da gratidão
Psicologia da gratidãoPsicologia da gratidão
Psicologia da gratidão
Dalila Melo
 
Criação de deus
Criação de deusCriação de deus
Criação de deus
Dalila Melo
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
Dalila Melo
 
A fé religiosa
A fé religiosaA fé religiosa
A fé religiosa
Dalila Melo
 
A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
Dalila Melo
 
Ano novo
Ano novoAno novo
Ano novo
Dalila Melo
 
A verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deusA verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deus
Dalila Melo
 
Véus
VéusVéus
O valor da prece
O valor da preceO valor da prece
O valor da prece
Dalila Melo
 
A educação de mônica
A educação de mônicaA educação de mônica
A educação de mônica
Dalila Melo
 
Confissões viii item 3
Confissões viii item 3Confissões viii item 3
Confissões viii item 3
Dalila Melo
 
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
Dalila Melo
 
Vencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medosVencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medos
Dalila Melo
 
Jésus gonçalves e o perdão
Jésus gonçalves e o perdãoJésus gonçalves e o perdão
Jésus gonçalves e o perdão
Dalila Melo
 
O homem de bem
O homem de bemO homem de bem
O homem de bem
Dalila Melo
 
Jésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesiasJésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesias
Dalila Melo
 

Mais de Dalila Melo (18)

Manifeste seu progresso
Manifeste seu progressoManifeste seu progresso
Manifeste seu progresso
 
Instruções a timóteo
Instruções a timóteoInstruções a timóteo
Instruções a timóteo
 
Psicologia da gratidão
Psicologia da gratidãoPsicologia da gratidão
Psicologia da gratidão
 
Criação de deus
Criação de deusCriação de deus
Criação de deus
 
Pensamento e vontade
Pensamento e vontadePensamento e vontade
Pensamento e vontade
 
A fé religiosa
A fé religiosaA fé religiosa
A fé religiosa
 
A piedade
A piedadeA piedade
A piedade
 
Ano novo
Ano novoAno novo
Ano novo
 
A verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deusA verdade e a felicidade residem em deus
A verdade e a felicidade residem em deus
 
Véus
VéusVéus
Véus
 
O valor da prece
O valor da preceO valor da prece
O valor da prece
 
A educação de mônica
A educação de mônicaA educação de mônica
A educação de mônica
 
Confissões viii item 3
Confissões viii item 3Confissões viii item 3
Confissões viii item 3
 
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013Mundos regeneradores   dalila melo, julho 2013
Mundos regeneradores dalila melo, julho 2013
 
Vencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medosVencendo os nossos medos
Vencendo os nossos medos
 
Jésus gonçalves e o perdão
Jésus gonçalves e o perdãoJésus gonçalves e o perdão
Jésus gonçalves e o perdão
 
O homem de bem
O homem de bemO homem de bem
O homem de bem
 
Jésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesiasJésus gonçalves e as poesias
Jésus gonçalves e as poesias
 

é Difícil julgar os homens

  • 1. É difícil julgar os homens
  • 2. Objetivos - Perceber a necessidade de observar e corrigir nossos próprios defeitos para evoluirmos. - Perceber que estamos sempre reagindo de forma a julgar, censurar e repreender o semelhante; - Identificar nas sábias lições de Jesus a humildade e a indulgência, levando-nos, de um lado, ao reconhecimento das nossas próprias faltas, e de outro, à compreensão das faltas alheias.
  • 3. O que estas imagens lhe dizem?
  • 7. " O homem, considerado na sua essência e nas suas relações, é o enigma de mais difícil explicação. " • Entre julgar e discernir, há sempre grande distância. O ato de julgar para a especificação de conseqüências definitivas pertence à autoridade divina, porém, o direito da análise está instituído para todos os Espíritos, de modo que, discernindo o bem e o mal, o erro e a verdade, possam as criaturas traçar as diretrizes do seu melhor caminho para Deus. • Emmanuel - (Consolador) [55 - página 80]
  • 8. Mal por mal significa o eclipse absoluto da razão • E, sob o império da sombra, que poderemos aguardar senão a cegueira e a morte? Por mais aflitiva lhe seja a lembrança do adversário, recorde-o em suas preces e em suas meditações, por irmão necessitado de nossa assistência fraterna. Ainda não readquirimos nossa memória integral do passado e nem sabemos o que nos ocorrerá no futuro... • Quem terá sido ele no pretérito? • Alguém que ajudamos ou ferimos? • Quem será para nós no porvir? • Nosso pai ou nosso filho?
  • 9. • Segundo a Lei, o bem neutraliza o mal, que se transforma, por fim, em servidor do próprio bem. Ainda que tudo pareça conspirar contra a sua felicidade, ame e ajude sempre, porque o tempo se incumbirá de expulsar as trevas que nos visitam, à medida que se nos aumente o mérito moral. • - André Luiz - 1954
  • 10. O que é o pecado, segundo o Espiritismo? • Pecado é todo e qualquer ato que contrarie as leis de Deus (leis naturais). Paulo de Tarso, na Bíblia, diz que sem Lei não existe pecado. Isso quer dizer que à medida que o homem toma consciência da Lei de Deus, aumenta sua responsabilidade em relação aos erros e igualmente o rigor em seu próprio julgamento. É somente nessa transgressão que se resume o pecado.
  • 11. No momento de julgar • No momento de julgar alguém, como poderás julgar esse alguém, de todo, se não conheces tudo? • Terá sucedido um crime, estarrecendo a multidão.
  • 12. • Suponhamos que um homem desequilibrado haja posto uma bomba em certa casa, no intuito de destruir-lhe os moradores. Entretanto, por trás dele estão aqueles que fabricaram o engenho mortífero; os que o conservaram para utilização em momento oportuno; os outros que lhe identificaram o perigo, aprovando-lhe a existência; e aqueles outros ainda que, indiferentes, lhe acompanharam o fogo no estopim, sem a mínima disposição de apagá-lo.
  • 13. • De que maneira medirias o remorso do espírito de um homem assassinado, na hipótese desse mesmo assassinado haver provocado o seu contendor até que o antagonista lhe furtasse o corpo, num instante de insanidade? E como observarias o pesar do semelhante, às vezes ilhado no fundo de uma penitenciária, na posição de um vivo-morto, quando o imaginado morto permanece vivo? E com que metro verificarias o sofrimento de um e outro?
  • 14. • Com que pancadas ou palavras agressivas conseguirias punir, durante algumas horas, a criatura menos feliz que já carrega em si o tormento da culpa, à feição de suplício que lhe atenaza o coração, noite e dia? • Ante a queda moral de alguém, é mais razoável entrarmos para logo no assunto, na condição de partícipes dela, antes que nos alcemos à indébita função de censores.
  • 15. • Não precisaríamos tanto de justiça, se não praticássemos a injustiça e nem tanto de medicina se não tivéssemos doença. • Necessitaríamos, porventura, na Terra, de tantas e tão multiplicadas lições, em torno do bem, se o mal não nos armasse riscos, quase que em todas as direções do planeta? • E onde estão aqueles que estejam usufruindo a glória da instalação segura no bem, sem o prejuízo de algum mal, ou aqueles outros que atravessam os espinheiros do mal, sem a vantagem de algum bem?
  • 16. • No momento de julgar, peçamos a inspiração da Providência Divina para os magistrados que as circunstâncias vestiram com a toga, a fim de que acertem, nas suas decisões, em louvor do equilíbrio geral, porquanto é tão delicado o encargo do juiz chamado a interferir no corpo da ordem social quão difícil é a tarefa do cirurgião convocado a interferir no corpo físico.
  • 17. • E quanto a nós outros, os que não somos trazidos a sentenças de lei, já que não nos achamos compromissados para isso, usemos a sobriedade e a compaixão em todos os nossos processos de vivência pessoal no cotidiano, conscientes, quanto devemos estar, de que os justos são as âncoras dos injustos e de que os bons constituem a esperança para todos aqueles que a maldade ensandece.
  • 18. • No momento de julgar, ainda que te coloquem no último banco, entre os últimos réus, e mesmo que se te negue o direito de defender a própria consciência edificada e tranqüila, a ninguém condenes, nem mesmo àqueles que porventura te condenem. • Usa sempre a misericórdia e acertarás. • (Emmanuel)