SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 01 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS O Termo História de onde veio?
  O vocábulo História nasceu na Grécia Antiga e significa “investigação”. Foi o grego Heródoto, considerado ‘O Pai da História’, que, pela primeira vez, empregou esta palavra com o sentido de investigação do passado.
“ Pensar o passado para compreender o presente e idealizar o futuro”
“ De todos os infortúnios que afligem a humanidade, o mais amargo é que temos de ter consciência de muito e controle de nada”.
Conceitos de História Não existe um conceito único, pronto e acabado, que seja imutável; mas sim, várias formas de conceituar a História. Nas recentes definições, a  História  é vista como uma  ciência   que estuda o passado da humanidade para compreender o presente e ajudar a transformar o futuro . O estudo do passado humano nos permite conhecer as motivações e os efeitos das transformações pelas quais passou a humanidade e nos fornecem elementos que ajudam a explicar as sociedades atuais.
 
As Fontes Históricas e as Ciências Auxiliares O trabalho do Historiador consiste em interpretar os Fatos Históricos ou as experiências humanas, por meio da análise de registros que foram deixados por uma sociedade em um determinado tempo e local. As  Fontes Históricas  são  Todos os elementos deixados pelo homem e que nos permitem o conhecimento dos acontecimentos históricos .
DOCUMENTO  ANTIGO MONUMENTO PINTURA RUPESTRE-VESTIGIOS TESTEMUNHO
As  Fontes Históricas  podem ser divididas em:  Arqueológicas, escritas e orais. Fontes Históricas Arqueológicas :  Vestígios da presença humana em material variado, geralmente, não intencional. Exs: Restos de animais, utensílios, fósseis, instrumentos, armas, construções etc. Fontes Históricas Escritas :  Traços escritos em material variado (papiro, pedra, papel etc), geralmente intencional. De acordo com a intencionalidade.
" Arqueólogos acham esqueletos dos mais antigos  jumentos domésticos no Egito   esses animais de 5.000 anos ainda lembram seus parentes selvagens da Núbia e da Etiópia. Lesões nos ossos e cartilagens, no entanto, indicam que eles viveram carregando peso”.
Os 20 fósseis encontrados na China apresentariam semelhanças com pterodáctilos mais primitivos e mais evoluídos, que viveram entre 65 milhões e 220 milhões de anos atrás.
Neolítico  os homens pré-históricos desenvolvem a técnica de construir armas e instrumentos  com pedras polidas mediante atrito.  Os artistas do Paleolítico também faziam esculturas. Predominam as figuras    femininas, com a cabeça surgindo do pescoço, seios volumosos, ventre saltado e quadris largos. Por serem o símbolo da fecundidade essas esculturas são chamadas de Vênus.
Os traços descritos podem ser:  Fontes de   Arquivo:  Se a intenção foi comprovar alguma coisa;  Fontes Literárias : Possui a intenção de informar aos contemporâneos e ä posteridade alguma coisa, mas não de comprovar.   Fontes Históricas Orais : São os traços que têm a intenção de informar, mas não possuem um material de transmissão
Na construção do saber histórico são utilizados conhecimentos de diversas outras áreas do saber humano. As relações interdisciplinares são fundamentais.   Toda ciência que de alguma forma auxilia na construção do saber histórico pode ser considerada uma Ciência Auxiliar da História . São exemplos destes saberes: A Paleografia, a Numismática, a Arqueologia, a Sociologia, a Geografia etc.  
Paleografia
A numismática faz uso de diversas áreas do conhecimento para estudar as moedas, buscando identificá-las e situá-las no tempo histórico. Porém na atualidade a moeda se tornou, também, um documento histórico, sendo utilizada como “fonte” de dados para pesquisas, pois uma moeda pode facilmente fornecer dados sobre o povo que a cunhou, como sua forma de governo,  língua , religião, forma como comercializavam, situação da economia, e até mesmo grau de sofisticação dos povos – através da análise do método de  cunhagem  – e por isso a numismática tem um papel cada vez maior no estudo da história dos povos. NUMISMÁTICA
ARQUEOLOGIA Tem origem grega, em que Archaios significa passado / antigo e, Logos significa ciência / estudo. Somando-se estas duas palavras, podemos definir a Arqueologia como a ciência que estuda o passado. 
O Fato Histórico A matéria-prima da História são os Fatos Históricos. Conceitualmente,  o  Fato Histórico é o acontecimento que modifica e transforma a realidade social.   São  características  do Fato Histórico:  Singularidade :  O Fato Histórico não se repete, é único;  Complexidade:  O Fato Histórico possui várias causas;  Irreversibilidade:  O Fato Histórico não pode ser modificado;  Temporabilidade  : O  Fato Histórico é fruto de seu tempo; Traz sempre conseqüências; Certeza e Demonstrabilidade ,  pois através das Fontes Históricas se tem o conhecimento Histórico.
As Divisões do Processo Histórico (Periodização da História)   O  Processo Histórico   é  continuo .  Porém, para facilitar seu estudo, os historiadores , ao longo do tempo, utilizaram várias   divisões . Todas como  recursos meramente didáticos . Hoje, a divisão mais utilizada, embora bastante criticada é a seguinte :
Período Histórico Marco Inicial Marco Final Modo de Produção Características Pré-História Surgimento do Homem (variável) Invenção da Escrita 4000 a.C Coletivista ou Comunal Primitivo Coletivismos; Divisão Natural do trabalho; Propriedade individual das armas e utensílios; Propriedade coletiva da terra; Sociedades sem classes sociais. Idade Antiga Invenção da Escrita 4000 a.C Queda de Roma 476 d.C A  Idade Antiga  é subdividida  e Idade Antiga Ocidental. Antiguidade Oriental Asiático ou Despótico-Tributário Civilizações Hidráulicas; Servidão Coletiva de Camponeses e Escravos; Impérios Teocráticos de Regadio; Obras Públicas Antiguidade Ocidental ou Clássica Escravista Escravos exercendo todas as atividades, inclusive as intelectuais; Propriedade Privada da terra; Escravismo. Idade Média Queda de Roma 476 d.C Queda de Constantinopla 1453 d.C Feudal Terra como principal riqueza; Servo como principal trabalhador; Feudo como principal unidade produtora; Cultura Teocêntrica. Idade Moderna Queda de Constantinopla 1453 Revolução Francesa 1789 Sem Modo de Produção específico Transição Feudalismo/Capitalismo Idade Contemporânea Revolução Francesa 1789 - Dias atuais Capitalista Propriedade Privada dos Meios de Produção; Trabalho Assalariado.
O Tempo Histórico   Ao trabalhar com as Fontes Históricas, o historiador lida, além do espaço com o tempo. O tempo histórico nem sempre corresponde ao tempo cronológico. Não há um avanço implacável para o futuro.  A contagem do tempo não é igual para todas as sociedades. Existem diferentes calendários, que variam de acordo com a crença, a cultura e os costumes de cada povo.
 
  -Nas sociedades cristãs, o tempo possui como marco inicial para sua contagem o Nascimento de Cristo, considerado o ano 1; as datas anteriores ao Nascimento de Cristo recebem, obrigatoriamente, a abreviatura a.C.(antes de Cristo) e são decrescentes;  -As datas posteriores ao Nascimento de Cristo podem ou não receber a abreviatura d.C (depois de Cristo) e são contadas em ordem crescente. Nosso calendário é solar e pode ser chamado Cristão Ocidental ou Gregoriano.
 
Agente Histórico   A História é um processo onde  todos  os homens são agentes das constantes transformações. Somos senhores da História, autores e transformadores.   OBJETO DA HISTÓRIA : O Homem  ( homens, mulheres e crianças )   HISTÓRIA:   como instrumento para a ciência e tecnologia.
EVOLUÇÃO  DO  TEMPO  HISTÓRICO   Idade Média   ( teocentrismo )   Ordem econômica:  feudalismo Símbolo do poder:  terra  As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado (nas mãos dos senhores feudais), economia baseada na agricultura e utilização do trabalho dos servos Idade Moderna   ( liberalismo )   Ordem econômica:  mercantilismo – capitalismo Símbolo do poder:  ouro, prata, metais preciosos.   Idade Contemporânea   (  neoliberalismo ) Ordem econômica  :  capitalismo Símbolo do poder:  capital
Séculos Ano  Século 1 a 100 .......................................................... I = 1 101 a 200 ...................................................... II = 2 201 a 300 ...................................................... III = 3 301 a 400 ...................................  401 a 500  V = 5   501 a 600 ...................................................... VI = 6 601 a 700 ...................................................... VII = 7 701 a 800 ......................................................  VIII = 8 801 a 900 ......................................................  IX = 9 901 a 1000 ....................................................  X = 10   1001 a 1100 ..................................................  XI = 11 1101 a 1200 ..................................................  XII = 12 1201 a 1300 ..................................................  XIII = 13 1301 a 1400 ..................................................  XIV = 14 1401 a 1500 ..................................................  XV  = 15 1801 a 1900 ..................................................  XIX = 19 1901 a 2000 ..................................................  XX = 20 2001 a ...........................................................  XXI = 21
PRE: “A história(investigação) não seria nada se não houvessem as outras ciências para a completar. E esta produção de história é feita pelo  homem, que é o sujeito que pode mudar suas perspectivas”.   Flavianne Aguiar fonte: Apostila do PREVUPE- Flávio Fragoso

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Douglas Barraqui
 
Palavras cruzadas revolução francesa
Palavras cruzadas revolução francesaPalavras cruzadas revolução francesa
Palavras cruzadas revolução francesa
Doug Caesar
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
Aulas de História
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
Marilia Pimentel
 
O Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o anoO Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o ano
Lucas Degiovani
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações
Handel Ching
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
Margarida Moreira
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
Diego Bian Filo Moreira
 
Resumo grécia antiga
Resumo  grécia antigaResumo  grécia antiga
Resumo grécia antiga
Claudenilson da Silva
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
Daniel Alves Bronstrup
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
Eloy Souza
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Avaliação 3º ano Primeira República
Avaliação 3º ano Primeira RepúblicaAvaliação 3º ano Primeira República
Avaliação 3º ano Primeira República
Marcia Lopes
 
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o anoOs Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Lucas Degiovani
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
Fatima Freitas
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Nefer19
 
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
Marilia Pimentel
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
Lucio Oliveira
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 

Mais procurados (20)

Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Palavras cruzadas revolução francesa
Palavras cruzadas revolução francesaPalavras cruzadas revolução francesa
Palavras cruzadas revolução francesa
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
 
O Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o anoO Tempo e a História - 6o ano
O Tempo e a História - 6o ano
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações7º anos - Idade Moderna e suas transformações
7º anos - Idade Moderna e suas transformações
 
Civilização Grega
Civilização GregaCivilização Grega
Civilização Grega
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
Resumo grécia antiga
Resumo  grécia antigaResumo  grécia antiga
Resumo grécia antiga
 
Império Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. MédioImpério Romano - Ens. Médio
Império Romano - Ens. Médio
 
História 6º ano
História 6º anoHistória 6º ano
História 6º ano
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
Avaliação 3º ano Primeira República
Avaliação 3º ano Primeira RepúblicaAvaliação 3º ano Primeira República
Avaliação 3º ano Primeira República
 
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o anoOs Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
Os Germanos entram no mundo Romano - 7o ano
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 

Destaque

Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
Paulo Alexandre
 
Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
Professor Marcelo
 
História,sujeito e fato histórico
História,sujeito e fato históricoHistória,sujeito e fato histórico
História,sujeito e fato histórico
Uecson Santos
 
Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1
Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1
Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1
Bruno Younes
 
6º anos - Fontes históricas
6º anos - Fontes históricas6º anos - Fontes históricas
6º anos - Fontes históricas
Handel Ching
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
Nila Michele Bastos Santos
 
INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS
INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOSINTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS
INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
6º ano introdução aos estudos históricos
6º ano   introdução aos estudos históricos6º ano   introdução aos estudos históricos
6º ano introdução aos estudos históricos
João Ferreira
 
Introdução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricasIntrodução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricas
Isabel Aguiar
 
Rafael e michael 1 5°b
Rafael e michael 1 5°bRafael e michael 1 5°b
Rafael e michael 1 5°b
5canisioprofessoracintia
 
Material de apoio 1º ano
Material de apoio 1º anoMaterial de apoio 1º ano
Material de apoio 1º ano
Acrópole - História & Educação
 
Da UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia Portuguesa
Da UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia PortuguesaDa UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia Portuguesa
Da UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia Portuguesa
guest8d9c061
 
Dialogus 2011 v7 n1
Dialogus 2011 v7 n1Dialogus 2011 v7 n1
Dialogus 2011 v7 n1
Lilian Oliveira Rosa
 
Casoclinicp3
Casoclinicp3Casoclinicp3
Casoclinicp3
Leonardo Santos
 
Omnichannel e Supermercado na web.
Omnichannel e Supermercado na web.Omnichannel e Supermercado na web.
Omnichannel e Supermercado na web.
Ricardo Jordão Magalhaes
 
Diabetes 2015 eraldo
Diabetes 2015 eraldoDiabetes 2015 eraldo
Diabetes 2015 eraldo
ERALDO DOS SANTOS
 
Pcn seminário
Pcn seminárioPcn seminário
Pcn seminário
Ana Paula Dias
 
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor RobsonCasos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Professor Robson
 
Flashcards as grandes navegações
Flashcards as grandes navegaçõesFlashcards as grandes navegações
Flashcards as grandes navegações
Glasiely Virgílio Silva
 
PCN HISTÓRIA
PCN HISTÓRIAPCN HISTÓRIA
PCN HISTÓRIA
23568921
 

Destaque (20)

Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
 
Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
 
História,sujeito e fato histórico
História,sujeito e fato históricoHistória,sujeito e fato histórico
História,sujeito e fato histórico
 
Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1
Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1
Introdução aos Estudos Históricos - Módulo 1
 
6º anos - Fontes históricas
6º anos - Fontes históricas6º anos - Fontes históricas
6º anos - Fontes históricas
 
O QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIAO QUE É HISTÓRIA
O QUE É HISTÓRIA
 
INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS
INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOSINTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS
INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS
 
6º ano introdução aos estudos históricos
6º ano   introdução aos estudos históricos6º ano   introdução aos estudos históricos
6º ano introdução aos estudos históricos
 
Introdução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricasIntrodução a historia - fontes históricas
Introdução a historia - fontes históricas
 
Rafael e michael 1 5°b
Rafael e michael 1 5°bRafael e michael 1 5°b
Rafael e michael 1 5°b
 
Material de apoio 1º ano
Material de apoio 1º anoMaterial de apoio 1º ano
Material de apoio 1º ano
 
Da UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia Portuguesa
Da UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia PortuguesaDa UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia Portuguesa
Da UniãO IbéRica à RestauraçãO Da IndependêNcia Portuguesa
 
Dialogus 2011 v7 n1
Dialogus 2011 v7 n1Dialogus 2011 v7 n1
Dialogus 2011 v7 n1
 
Casoclinicp3
Casoclinicp3Casoclinicp3
Casoclinicp3
 
Omnichannel e Supermercado na web.
Omnichannel e Supermercado na web.Omnichannel e Supermercado na web.
Omnichannel e Supermercado na web.
 
Diabetes 2015 eraldo
Diabetes 2015 eraldoDiabetes 2015 eraldo
Diabetes 2015 eraldo
 
Pcn seminário
Pcn seminárioPcn seminário
Pcn seminário
 
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor RobsonCasos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
Casos clínicos de síndrome metabólica - Professor Robson
 
Flashcards as grandes navegações
Flashcards as grandes navegaçõesFlashcards as grandes navegações
Flashcards as grandes navegações
 
PCN HISTÓRIA
PCN HISTÓRIAPCN HISTÓRIA
PCN HISTÓRIA
 

Semelhante a Prevupe - Introdução aos estudos históricos

África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidade
Tyrone Mello
 
História
HistóriaHistória
História
pravda78
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
Daniel Alves Bronstrup
 
Introdução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do HistoriadorIntrodução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do Historiador
Andre Lucas
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
Privada
 
Histor 01
Histor 01Histor 01
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
Zé Knust
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
João Medeiros
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
Privada
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
Ana Cristina F
 
A ciência histórica.pptx
A ciência histórica.pptxA ciência histórica.pptx
A ciência histórica.pptx
FlviaCristina51
 
Aula introdutória de História
Aula introdutória de HistóriaAula introdutória de História
Aula introdutória de História
vivas85
 
Introdução aos Estudos Históricos
Introdução aos Estudos HistóricosIntrodução aos Estudos Históricos
Introdução aos Estudos Históricos
EM Pedra Branca
 
Introdução à história em
Introdução à história emIntrodução à história em
Introdução à história em
Adriana Gomes Messias
 
História, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escrita
História, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escritaHistória, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escrita
História, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escrita
Sheila Soarte
 
Módulo 0
Módulo 0Módulo 0
Módulo 0
cattonia
 
Módulo 0.pptx
Módulo 0.pptxMódulo 0.pptx
Módulo 0.pptx
LciaBarbosa8
 
Aulas história 6_ano
Aulas história 6_anoAulas história 6_ano
Aulas história 6_ano
tyromello
 
Histor 04
Histor 04Histor 04
1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos
Suellen Barbosa
 

Semelhante a Prevupe - Introdução aos estudos históricos (20)

África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidade
 
História
HistóriaHistória
História
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
 
Introdução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do HistoriadorIntrodução - O trabalho do Historiador
Introdução - O trabalho do Historiador
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
 
Histor 01
Histor 01Histor 01
Histor 01
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
 
Revisão galielu
Revisão galieluRevisão galielu
Revisão galielu
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
 
A ciência histórica.pptx
A ciência histórica.pptxA ciência histórica.pptx
A ciência histórica.pptx
 
Aula introdutória de História
Aula introdutória de HistóriaAula introdutória de História
Aula introdutória de História
 
Introdução aos Estudos Históricos
Introdução aos Estudos HistóricosIntrodução aos Estudos Históricos
Introdução aos Estudos Históricos
 
Introdução à história em
Introdução à história emIntrodução à história em
Introdução à história em
 
História, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escrita
História, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escritaHistória, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escrita
História, breve introdução ao estudo. Da pré História ao surgimento da escrita
 
Módulo 0
Módulo 0Módulo 0
Módulo 0
 
Módulo 0.pptx
Módulo 0.pptxMódulo 0.pptx
Módulo 0.pptx
 
Aulas história 6_ano
Aulas história 6_anoAulas história 6_ano
Aulas história 6_ano
 
Histor 04
Histor 04Histor 04
Histor 04
 
1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos1. introdução aos estudos históricos
1. introdução aos estudos históricos
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 

Prevupe - Introdução aos estudos históricos

  • 1. Aula 01 INTRODUÇÃO AOS ESTUDOS HISTÓRICOS O Termo História de onde veio?
  • 2.   O vocábulo História nasceu na Grécia Antiga e significa “investigação”. Foi o grego Heródoto, considerado ‘O Pai da História’, que, pela primeira vez, empregou esta palavra com o sentido de investigação do passado.
  • 3. “ Pensar o passado para compreender o presente e idealizar o futuro”
  • 4. “ De todos os infortúnios que afligem a humanidade, o mais amargo é que temos de ter consciência de muito e controle de nada”.
  • 5. Conceitos de História Não existe um conceito único, pronto e acabado, que seja imutável; mas sim, várias formas de conceituar a História. Nas recentes definições, a História é vista como uma ciência que estuda o passado da humanidade para compreender o presente e ajudar a transformar o futuro . O estudo do passado humano nos permite conhecer as motivações e os efeitos das transformações pelas quais passou a humanidade e nos fornecem elementos que ajudam a explicar as sociedades atuais.
  • 6.  
  • 7. As Fontes Históricas e as Ciências Auxiliares O trabalho do Historiador consiste em interpretar os Fatos Históricos ou as experiências humanas, por meio da análise de registros que foram deixados por uma sociedade em um determinado tempo e local. As Fontes Históricas são Todos os elementos deixados pelo homem e que nos permitem o conhecimento dos acontecimentos históricos .
  • 8. DOCUMENTO ANTIGO MONUMENTO PINTURA RUPESTRE-VESTIGIOS TESTEMUNHO
  • 9. As Fontes Históricas podem ser divididas em: Arqueológicas, escritas e orais. Fontes Históricas Arqueológicas : Vestígios da presença humana em material variado, geralmente, não intencional. Exs: Restos de animais, utensílios, fósseis, instrumentos, armas, construções etc. Fontes Históricas Escritas : Traços escritos em material variado (papiro, pedra, papel etc), geralmente intencional. De acordo com a intencionalidade.
  • 10. " Arqueólogos acham esqueletos dos mais antigos jumentos domésticos no Egito esses animais de 5.000 anos ainda lembram seus parentes selvagens da Núbia e da Etiópia. Lesões nos ossos e cartilagens, no entanto, indicam que eles viveram carregando peso”.
  • 11. Os 20 fósseis encontrados na China apresentariam semelhanças com pterodáctilos mais primitivos e mais evoluídos, que viveram entre 65 milhões e 220 milhões de anos atrás.
  • 12. Neolítico os homens pré-históricos desenvolvem a técnica de construir armas e instrumentos com pedras polidas mediante atrito. Os artistas do Paleolítico também faziam esculturas. Predominam as figuras femininas, com a cabeça surgindo do pescoço, seios volumosos, ventre saltado e quadris largos. Por serem o símbolo da fecundidade essas esculturas são chamadas de Vênus.
  • 13. Os traços descritos podem ser: Fontes de Arquivo: Se a intenção foi comprovar alguma coisa; Fontes Literárias : Possui a intenção de informar aos contemporâneos e ä posteridade alguma coisa, mas não de comprovar. Fontes Históricas Orais : São os traços que têm a intenção de informar, mas não possuem um material de transmissão
  • 14. Na construção do saber histórico são utilizados conhecimentos de diversas outras áreas do saber humano. As relações interdisciplinares são fundamentais. Toda ciência que de alguma forma auxilia na construção do saber histórico pode ser considerada uma Ciência Auxiliar da História . São exemplos destes saberes: A Paleografia, a Numismática, a Arqueologia, a Sociologia, a Geografia etc.  
  • 16. A numismática faz uso de diversas áreas do conhecimento para estudar as moedas, buscando identificá-las e situá-las no tempo histórico. Porém na atualidade a moeda se tornou, também, um documento histórico, sendo utilizada como “fonte” de dados para pesquisas, pois uma moeda pode facilmente fornecer dados sobre o povo que a cunhou, como sua forma de governo, língua , religião, forma como comercializavam, situação da economia, e até mesmo grau de sofisticação dos povos – através da análise do método de cunhagem – e por isso a numismática tem um papel cada vez maior no estudo da história dos povos. NUMISMÁTICA
  • 17. ARQUEOLOGIA Tem origem grega, em que Archaios significa passado / antigo e, Logos significa ciência / estudo. Somando-se estas duas palavras, podemos definir a Arqueologia como a ciência que estuda o passado. 
  • 18. O Fato Histórico A matéria-prima da História são os Fatos Históricos. Conceitualmente, o Fato Histórico é o acontecimento que modifica e transforma a realidade social. São características do Fato Histórico: Singularidade : O Fato Histórico não se repete, é único; Complexidade: O Fato Histórico possui várias causas; Irreversibilidade: O Fato Histórico não pode ser modificado; Temporabilidade : O Fato Histórico é fruto de seu tempo; Traz sempre conseqüências; Certeza e Demonstrabilidade , pois através das Fontes Históricas se tem o conhecimento Histórico.
  • 19. As Divisões do Processo Histórico (Periodização da História)   O Processo Histórico é continuo . Porém, para facilitar seu estudo, os historiadores , ao longo do tempo, utilizaram várias divisões . Todas como recursos meramente didáticos . Hoje, a divisão mais utilizada, embora bastante criticada é a seguinte :
  • 20. Período Histórico Marco Inicial Marco Final Modo de Produção Características Pré-História Surgimento do Homem (variável) Invenção da Escrita 4000 a.C Coletivista ou Comunal Primitivo Coletivismos; Divisão Natural do trabalho; Propriedade individual das armas e utensílios; Propriedade coletiva da terra; Sociedades sem classes sociais. Idade Antiga Invenção da Escrita 4000 a.C Queda de Roma 476 d.C A Idade Antiga é subdividida e Idade Antiga Ocidental. Antiguidade Oriental Asiático ou Despótico-Tributário Civilizações Hidráulicas; Servidão Coletiva de Camponeses e Escravos; Impérios Teocráticos de Regadio; Obras Públicas Antiguidade Ocidental ou Clássica Escravista Escravos exercendo todas as atividades, inclusive as intelectuais; Propriedade Privada da terra; Escravismo. Idade Média Queda de Roma 476 d.C Queda de Constantinopla 1453 d.C Feudal Terra como principal riqueza; Servo como principal trabalhador; Feudo como principal unidade produtora; Cultura Teocêntrica. Idade Moderna Queda de Constantinopla 1453 Revolução Francesa 1789 Sem Modo de Produção específico Transição Feudalismo/Capitalismo Idade Contemporânea Revolução Francesa 1789 - Dias atuais Capitalista Propriedade Privada dos Meios de Produção; Trabalho Assalariado.
  • 21. O Tempo Histórico   Ao trabalhar com as Fontes Históricas, o historiador lida, além do espaço com o tempo. O tempo histórico nem sempre corresponde ao tempo cronológico. Não há um avanço implacável para o futuro. A contagem do tempo não é igual para todas as sociedades. Existem diferentes calendários, que variam de acordo com a crença, a cultura e os costumes de cada povo.
  • 22.  
  • 23. -Nas sociedades cristãs, o tempo possui como marco inicial para sua contagem o Nascimento de Cristo, considerado o ano 1; as datas anteriores ao Nascimento de Cristo recebem, obrigatoriamente, a abreviatura a.C.(antes de Cristo) e são decrescentes; -As datas posteriores ao Nascimento de Cristo podem ou não receber a abreviatura d.C (depois de Cristo) e são contadas em ordem crescente. Nosso calendário é solar e pode ser chamado Cristão Ocidental ou Gregoriano.
  • 24.  
  • 25. Agente Histórico   A História é um processo onde todos os homens são agentes das constantes transformações. Somos senhores da História, autores e transformadores.   OBJETO DA HISTÓRIA : O Homem ( homens, mulheres e crianças )   HISTÓRIA: como instrumento para a ciência e tecnologia.
  • 26. EVOLUÇÃO DO TEMPO HISTÓRICO   Idade Média ( teocentrismo )   Ordem econômica: feudalismo Símbolo do poder: terra As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado (nas mãos dos senhores feudais), economia baseada na agricultura e utilização do trabalho dos servos Idade Moderna ( liberalismo )   Ordem econômica: mercantilismo – capitalismo Símbolo do poder: ouro, prata, metais preciosos.   Idade Contemporânea ( neoliberalismo ) Ordem econômica : capitalismo Símbolo do poder: capital
  • 27. Séculos Ano Século 1 a 100 .......................................................... I = 1 101 a 200 ...................................................... II = 2 201 a 300 ...................................................... III = 3 301 a 400 ................................... 401 a 500 V = 5   501 a 600 ...................................................... VI = 6 601 a 700 ...................................................... VII = 7 701 a 800 ...................................................... VIII = 8 801 a 900 ...................................................... IX = 9 901 a 1000 .................................................... X = 10   1001 a 1100 .................................................. XI = 11 1101 a 1200 .................................................. XII = 12 1201 a 1300 .................................................. XIII = 13 1301 a 1400 .................................................. XIV = 14 1401 a 1500 .................................................. XV = 15 1801 a 1900 .................................................. XIX = 19 1901 a 2000 .................................................. XX = 20 2001 a ........................................................... XXI = 21
  • 28. PRE: “A história(investigação) não seria nada se não houvessem as outras ciências para a completar. E esta produção de história é feita pelo homem, que é o sujeito que pode mudar suas perspectivas”. Flavianne Aguiar fonte: Apostila do PREVUPE- Flávio Fragoso