2.introdução á história.15.

279 visualizações

Publicada em

O que é História?
- Refletir sobre a importância de se estudar História, conhecendo alguns conceitos fundamentais para entender a produção histórica nas últimas decádas.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
279
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2.introdução á história.15.

  1. 1. AULA DE HISTÓRIA. Introdução á Historia. PROFESSOR Seu Riba. O homem não vive somente de pão; a História não tinha mesmo pão; ela não se alimentava se não de esqueletos agitados, por uma dança macabra de autômatos. Era necessário descobrir na História uma outra parte. Essa outra coisa, essa outra parte, eram as mentalidades“ Jacques Le Goff
  2. 2. O QUE É HISTÓRIA ? - É o estudo do ser humano e de suas ações no tempo. Marc Bloch.
  3. 3. Mahatma Gandhi - 1940 Operários de Tarsila do Amaral - 1933 Rua Grande. São Luís –MA . 2012. Que pessoas são mostradas nas imagens acima? Como elas participam da História e ajudam a construi-la? E você qual a sua participação?
  4. 4. - Século XIX , a história passa a ser considerada uma Ciência. - Quando se diz que "a História é o estudo do homem no tempo", rompesse com a ideia de que a História deve examinar apenas e necessariamente o Passado. O que ela estuda na verdade são as ações e transformações humanas (ou permanências) que se desenvolvem ou se estabelecem em um determinado período de tempo, mais longo ou mais curto. - o principal objeto de estudo da História são os atos do homem no decorrer do tempo. A História no tempo:
  5. 5. Quem construiu a Tebas das sete portas? Nos livros constam os nomes dos reis. Os reis arrastaram os blocos de pedra? E a Babilônia tantas vezes destruída Quem ergueu outras tantas? Em que casas da Lima radiante de ouro Moravam os construtores? Para onde foram os pedreiros Na noite em que ficou pronta a Muralha da China? A grande Roma está cheia de arcos do triunfo. Quem os levantou? Bertolt Brecht (1898-1956), grande poeta e pensador alemão
  6. 6. A HISTÓRIA NO TEMPO. A divisão periódica da história – uma visão eurocêntrica. Estes recordes estão relacionados a uma divisão da história tradicional que estabelecia uma visão eurocêntrica do mundo, ou seja, todo o conhecimento e formação da sociedade estão relacionados com as mudanças ocorridas a partir da Europa (ocidente). Obs. Estudaremos a História da África e os primeiros anos da História do Brasil.
  7. 7. TRAJETORIA. GRÉCIA ANTIGA – Inicio dos estudos vinculados à mitologia. A narrativa tinha o objetivo de enaltecer os feitos heroicos do povo grego diferenciando-os dos demais. - HERÓDOTO – “PAI DA HISTÓRIA” – sobre as Guerras Médicas. CHINESA preocupação ritualista. IDADE MÉDIA (séc. V – XV) – submetida à Igreja. Séc. XI – os Nobres e Burgueses – encomendavam as árvores genealógicas, buscavam enaltecer o seu passado. Renascimento – caráter mais racional procurando garantir a fidedignidade dos documentos. Privilegiava os feitos e heróis ate o século XIX. A historia só poderia ser conhecida através dos seus registros históricos. No século XX nova concepção passou a valorizar a CULTURA MATERIAL (objetos que podem recriar o ambiente social). Obs. Atualmente acrescenta-se a valorização da CULTURA IMATERIAL, como o bumba-boi do Maranhão.
  8. 8. Atualmente acrescenta-se a valorização da CULTURA IMATERIAL, como o bumba-boi do Maranhão.
  9. 9. CULTURA IMATERIAL, como o bumba-boi do Maranhão. Humberto de Maracanã e Alcione Nazaré. Boi da Maioba
  10. 10. O OFÍCIO DO HISTORIADOR Historiador é o profissional que estuda/pesquisa o passado humano em seus vários aspectos: economia, sociedade, cultura, ideias e cotidiano. O historiador investiga e interpreta criticamente os acontecimentos, buscando resgatar a memória da humanidade e ampliar a compreensão da condição humana. Seu trabalho se baseia, principalmente, na pesquisa de documentos, como manuscritos, impressos, gravações, filmes, objetos e fotos. Depois de selecionar, classificar e relacionar os dados levantados em bibliotecas, arquivos, entrevistas ou estudos arqueológicos, ele data o fato ou o objeto, confere autenticidade e analisa sua importância e seu significado para a compreensão do encadeamento dos acontecimentos. (http://www.sohistoria.com.br/ef2/profissao/). O Historiador e influenciado pelo seu tempo e outros aspectos como a sua cultura.
  11. 11. CORRENTES DE ANÁLISE HISTÓRICA. ESCOLA DOS ANNALES
  12. 12. . POSITIVISMO AUGUSTO COMTE- filosofo francês. Proposta – reprodução fiel dos acontecimentos, priorizando os grandes eventos e heróis. - a serviço da criação de uma identidade nacional. - - criação de mitos como Tiradentes “herói nacional”.
  13. 13. MATERIALISMO HISTÓRICO. KARK MARX – pensador alemão Analise a partir da luta de classes sociais. Ricos X Pobres, Burgueses X Operários... Ênfase na questão econômica. Categorias: Modo de produção e Mais-Valia.
  14. 14. ESCOLA DOS ANNALES Marc Bloch e Lucien Febvre. Historiadores franceses Novas abordagens e metodologias o uso de novas fontes e o entrosamento com outras ciências. Preocupação também com a trajetória das pessoas comuns. Valorização das mais diversas contribuições
  15. 15. EXERCICOS. (UNB)O que distingue o historiador dos outros cientistas sociais é sua preocupação primordial com o tempo, com a duração, com a mudança e com as resistências à mudança, com as transformações e as permanências ou sobrevivências . Se a documentação adequada existir e estiver disponível, não há aspecto algum do presente que esteja fechado à pesquisa científica do tipo histórico. Ciro Flamarion S. Cardoso. Uma introdução à História. 2. a ed. S. Paulo: Brasiliense, 1982, p. 107 (com adaptações). A partir do texto acima, julgue os itens seguintes, referentes ao estudo da História. (1) Se, como afirma o autor, o tempo é a categoria que singulariza o campo de trabalho do historiador, não há como pretender a interdisciplinaridade entre História e as demais ciências sociais, já que são rígidas as fronteiras que as separam. (2) Infere-se do texto que seu autor elimina a possibilidade de haver uma História do tempo presente, quer pela indisponibilidade de fontes para a pesquisa, quer pela elevada subjetividade de que estaria impregnado o trabalho do historiador. (3) Do ponto de vista do autor a História é o conjunto de fatos significativos do passado, sustentadores da marcha linear de progresso que caracteriza a trajetória das sociedades ao longo dos séculos. (4) Ao falar em “mudança” e em “transformações” na História, o autor poderia apoiar-se, por exemplo, em significativos momentos da evolução do Ocidente: da mesma forma que, na Antiguidade, Roma foi uma ruptura em relação à Grécia, a Idade Média européia correspondeu ao rompimento definitivo com o passado clássico
  16. 16. . (UFPE) História é a ciência que: a) estuda os acidentes históricos e geográficos do planeta Terra; b) se fundamenta unicamente em documentos escritos; c) estuda os acontecimentos do passado dos homens, utilizando-se dos vestígios que a humanidade deixou; d) estuda os acontecimentos presentes para prever o futuro da humanidade; e) estuda a causalidade dos fenômenos físicos e sociais com base no empirismo.
  17. 17. (UFPE) A História é uma das áreas do conhecimento mais polêmicas. Pode-se atribuir este caráter à História, porque, em sentido genérico, todos somos historiadores e, por outro lado, porque o acontecimento histórico é passível das mais diferentes interpretações. ( ) No período de crescimento, a criança e o adolescente, através da convivência social, da escola e da cultura, formam de maneira quase natural uma visão do passado, do presente e do futuro. Constroem assim uma visão histórica, em ressonância com o que seu grupo social ensinou-lhe. ( ) A História, apesar de ser alvo de muitas polêmicas, estabelece verdades comprovadas, que têm como base os documentos. Por essa razão, é correto admitir, como fazem todos os autores, que a história da humanidade só se inicia com o uso da escrita. ( ) A História é um saber científico e, portanto, não muda. Podemos comprovar que aquilo que aprendemos, muitas vezes, são verdades inquestionáveis através dos séculos. Essa característica da História garante-lhe um lugar entre as demais ciências. ( ) Todos aqueles que defendem a História como um conhecimento passível de muitas interpretações, contribuem para fortalecer a idéia de que a História é um conhecimento certo e verdadeiro, construído a partir de documentos que não deixam margem a dúvidas. ( ) O bombardeio atômico sobre as cidades japonesas em 1945, embora seja um fato inegável para alguns historiadores, significou um genocídio injustificável; para outros, foi um ato necessário para evitar o prolongamento da II Guerra, o que revela o caráter interpretativo da História.
  18. 18. Fontes consultadas GOOGLE IMAGENS. http://www.luso-poemas.net http://pt.wikipedia.org/wiki/Microhist%C3%B3ria http://www.suapesquisa.com/o_que_e/positivismo. http://educacao.uol.com.br http://www.klickeducacao.com.br http://www.scielo.br/scielo.php http://www.gifs-animados.net/ APOLOGIA DA HISITÓRIA http://mestresdahistoria.blogspot.com.br Vídeo : http://www.youtube.com/watch?v=xp1zSvVJXWA APOSTILA MATERIAL FTD.
  19. 19. FIQUEM EM PAZ. FELIZ 2015. FIQUEM EM PAZ.

×