SlideShare uma empresa Scribd logo
Versão preliminar
6 de setembro de 2002

Notas de Aula de Física
02. VETORES E ESCALARES........................................................................................... 2
UM POUCO DE TRIGONOMETRIA............................................................................................ 2
MÉTODO GEOMÉTRICO ........................................................................................................ 2
MÉTODO ANALÍTICO ............................................................................................................ 3
MULTIPLICAÇÃO DE VETORES............................................................................................... 3
Multiplicação de um vetor por um escalar..................................................................... 4
Produto escalar ............................................................................................................. 4
Produto vetorial ............................................................................................................. 5
SOLUÇÃO DE ALGUNS PROBLEMAS ....................................................................................... 7
02 .................................................................................................................................. 7
06 .................................................................................................................................. 7
32 .................................................................................................................................. 8
39 .................................................................................................................................. 8
45 .................................................................................................................................. 9
46 .................................................................................................................................. 9
47 ................................................................................................................................ 10
51 ................................................................................................................................ 10
Prof. Romero Tavares da Silva

02. Vetores e escalares
Algumas grandezas físicas ficam completamente definidas quando informamos um
número e uma unidade. Quando dizemos que a temperatura de uma pessoa é 370C a
informação está completa. A temperatura é uma grandeza escalar. Se dissermos que a
velocidade de um automóvel é de 50km/h não definimos completamente a informação.
Não foi dito em que direção e sentido esse corpo se movimentava. A necessidade dessa
informação complementar - direção e sentido - caracteriza a velocidade como um vetor.
Os vetores são representados por setas, e costuma-se representar um vetor com
módulo maior que outro por uma seta de tamanho maior. Usamos basicamente de dois
modos de representar os vetores, o método geométrico e o método analítico.
Um pouco de trigonometria
Vamos considerar um triângulo retângulo com hipotenusa a e catetos b e c respectivamente. O teorema de
Pitágoras diz que:
a2 = b2 + c2

α

As funções seno e cosseno são definidas como:
c
c
= cos α
a
b
cos θ = = sen α
a
E do Teorema de Pitágoras, encontramos que:

a

senθ =

θ
b

sen 2 θ + cos 2 = 1
senθ
c
cos α
= tan θ = = cot α =
cos θ
a
sen α
Método geométrico
No método geométrico, a visualização dos vetores fica mais óbvia, mas não é adequado para a operações com diversos vetores.
Método geométrico
A força é uma grandeza vetorial.
Quando consideramos duas forças atuando
sobre um dado corpo, o efeito resultante será !
igual à atuação de uma única força que seja a
!
!
a soma vetorial das duas forças mencionab
c
das.
!
!
A soma desses dois vetores pode ser
a
b
efetuada usando-se a regra do paralelogramo.
! ! !
c =a+b
Cap 02

romero@fisica.ufpb.br

2
Prof. Romero Tavares da Silva
Método analítico
O método analítico consiste basicamente em definir um sistema de coordenadas
cartesianas e decompor os vetores segundo as suas componentes nestes eixos.
Vamos considerar um sistema de coordenadas
bidimensional, definido pelos eixos x ! e y , como
mostrados na figura ao lado. O vetor a tem componentes cartesianas ax e ay que tem a forma:
y
ax = a . cosθ
ay = a . senθ

!
a
ay

Ou de maneira inversa:
a = a +a
2
x

tan θ =

θ
ax

2
y

x

ay
ax

Uma maneira de representar vetores é através de suas componentes num dado
sistema de coordenadas, como foi antecipado na figura anterior. Desse modo:
!
a = iˆa x + ˆa y
j
onde iˆ e ˆ são vetores unitários (ou versores) que apontam nas direções dos eixos x
j
e y respectivamente e têm módulos iguais a um.
A soma de dois vetores será então definida como:
" ! !
c =a+b

onde

!
a = iˆa x +

e
!
b = iˆb +
x


ˆa
j y

!
c = iˆ (a x + b x ) + ˆ (a y + b y )
j

⇒
ˆb
j y

ou seja:
!
c = iˆc x + ˆc y
j

onde

c x = a x + b x

e

c = a + b
y
y
 y

Multiplicação de vetores
As operações com vetores são utilizadas de maneira muito ampla na Física, para
expressar as relações que existem entre as diversas grandezas.

Cap 02

romero@fisica.ufpb.br

3
Prof. Romero Tavares da Silva
Multiplicação de um vetor por um escalar
!
!
Sejam dois vetores a e b e um escalar k. Definimos a multiplicação mencionada como:
!
!
b = ka
!
!
O vetor k a tem a mesma direção do vetor a . Terá
mesmo sentido se k for positivo e sentido contrário se
k for negativo.

!
ka

!
a

Produto escalar
!
Define-se o produto escalar de dois vetores a e
!
b como a operação:
! !
a ⋅ b = ab cos ϕ

!
a
ϕ
!
b

onde ϕ é o ângulo formado pelos dois vetores.

Podemos dizer que o produto escalar de dois vetores é igual ao módulo do primeiro
vezes a componente do segundo no eixo determinado pelo primeiro, ou vice-versa. Isso
pode-se resumir na propriedade :
! ! ! !
a ⋅b = b ⋅a
Uma aplicação do produto escalar é a definição de trabalho W executado por uma
força constante que atua ao longo de um percurso d:
! !
W = F .d = Fd cos θ
Usando o conceito de vetor unitário encontramos que:
iˆ ⋅ iˆ = iˆ iˆ cos 0 0 = 1

z

ˆ⋅ ˆ =1
j j
ˆ ˆ
k ⋅k =1
e de modo equivalente:
iˆ ⋅ ˆ = iˆ ˆ cos 90 0 = 0
j
j

ˆ
k
iˆ

ˆ
j

y

ˆ
iˆ ⋅ k = 0
x
ˆ⋅k = 0
j ˆ
Podemos utilizar a decomposição de um vetor segundo as suas componentes cartesianas e definir o produto escalar:

Cap 02

romero@fisica.ufpb.br

4
Prof. Romero Tavares da Silva
!
ˆ
a = iˆa x + ˆa y + ka z
j
!
ˆ
b = iˆb x + ˆb y + kb z
j

(

)(

! !
ˆ
ˆ
a ⋅ b = iˆa x + ˆa y + ka z ⋅ iˆb x + ˆb y + kbz
j
j
e portanto:

)

! !
a ⋅ b = a x b x + a y by + a z bz

Fica fácil perceber que:
! !
2
2
a ⋅ a = a 2 = a x + a y + a z2
!!
! !
a.b
Como a ⋅ b = ab cos ϕ , temos que cos ϕ =
, e assim poderemos calcular o
ab
ângulo entre os dois vetores, em função de suas componentes cartesianas:
cos ϕ =

a x b x + a y by + az bz
2
2
2
a x + a y + a z b x2 + b y2 + b z2

Produto vetorial
!
Define-se o produto vetorial de dois vetores a e
!
b como a operação:
! ! !
c = a×b
e módulo c é definido como:
c = ab sen ϕ
!
onde c é um vetor perpendicular ao plano defino pe!
!
los vetores a e b e ϕ é o ângulo formado por esses
dois últimos dois vetores.

!
c

!
b
ϕ
!
a

!
Uma aplicação do produto vetorial é a definição da força F que atua em uma car!
ga elétrica q que penetra com velocidade v numa região que existe um campo magnéti!
co B :
!
! !
F = qv ×B
ou ainda:
F = q v B senϕ

Cap 02

romero@fisica.ufpb.br

5
Prof. Romero Tavares da Silva
Usando a definição de produto vetorial, encontramos que:
iˆ × ˆ = k = − ˆ × iˆ
j ˆ
j
ˆ ˆ
ˆ j
j × k = iˆ = −k × ˆ

z

ˆ
k

ˆ
ˆ
ˆ
k × iˆ = j = −iˆ × k

iˆ

ˆ ˆ ˆ ˆ
iˆ × iˆ = j × j = k × k = 0

ˆ
j

y

x

De modo genérico, podemos definir o produto vetorial como:

(

)(

! ! !
ˆ
ˆ
c = a × b = iˆa x + ˆa y + ka z × iˆb x + ˆb y + kb z
j
j

)

e usando os resultados dos produtos vetoriais entre os vetores unitários, encontramos
que:
!
ˆ
c = iˆ(a y b z − a z b y ) + ˆ(a z b x − a x bz ) + k (a x b y − a y b x )
j
Usando as propriedades de matrizes, encontramos que o produto vetorial pode ser
expresso como o determinante da matriz definida a seguir:
 iˆ
! ! ! 
c = a × b =  ax

 bx


Cap 02

ˆ
j
ay
by

romero@fisica.ufpb.br

ˆ
k

az 

bz 


6
Prof. Romero Tavares da Silva
Solução de alguns problemas
Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
!
!
02 Quais são as propriedades dos vetores a e b tais que:
! ! !
a)
a+b =c e a+b=c
Temos que:
! !
! ! ! !
! ! ! !
! !
c ⋅ c = a + b ⋅ a + b = a ⋅ a + b ⋅ b + 2a ⋅ b
ou seja:
c 2 = a 2 + b 2 + 2ab cos θ

(

)(

)

!
b

!
c
θ

!
a

Para que c = a + b é necessário que θ = 0 pois
!
b

!
a

c2 = a2 + b2 + 2ab = (a + b)2
! !
Portanto a b
! ! ! !
a+b =a−b

b)

Da equação acima, temos que:
!
!
! ! ! !
a − a = b + b ∴ 2b = 0 ∴ b = 0
! ! !
a+b =c

c)

e

a2 + b2 = c 2

Como
c 2 = a 2 + b 2 + 2ab cos θ ,
para que

2

2

2

!
b

2

c = a + b + 2ab = (a + b)
devemos ter

θ =

θ

! !
π
portanto a ⊥ b
2

!
a

Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
!
!
O vetor a tem módulo de 3 unidades e está dirigido para Leste. O vetor b está diri06 gido para 350 a Oeste do Norte e tem módulo 4 unidades. Construa os diagramas
!
!
!
!
vetoriais para ! a + b e b - a . Estime o módulo e a orientação dos vetores
!
!
!
a + b e a - b a partir desse diagramas.
!
a = iˆa x

! ˆ
j
b = i b x + ˆb y

a x = a = 3

0
b x = −b senθ = −4 sen 35 = −2,29
b = b cos θ == 4 cos 35 0 = 3,27
 y
Cap 02

romero@fisica.ufpb.br

y
!
b
θ
Oeste

Leste
!
a

x
7
Prof. Romero Tavares da Silva
a)

! ! !
c =a+b

c x = a x + b x

c y = a y + b y

cx = 3 - 2,29 = 0,71
cy = 3,27
2
2
c = c x + c y = 3,34

b)

! ! !
d = b −a

d x = b x − a x

d y = b y − a y

dx = -2,29 - 3 = -5,29
dy = 3,27
2
d = d x + d y2 = 6,21

Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
Prove que dois vetores devem ter o mesmo módulo para que sua soma seja perpen32 dicular á sua diferença.
! ! ! !
(a + b )⋅ (a − b ) = a

2

− b2 = 0

⇒

a=b

Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
39 Mostre que num sistema de coordenadas destrógiro:
iˆ ⋅ iˆ = ˆ ⋅ ˆ = k ⋅ k = 1
j j ˆ ˆ
e
iˆ ⋅ ˆ = ˆ ⋅ k = k ⋅ iˆ = 0
j j ˆ ˆ
! !
A definição de produto escalar é tal que: a ⋅ b = a b cos θ , onde θ é o ângulo formado
pelos vetores. Logo:
iˆ ⋅ iˆ = iˆ iˆ cos 0 0 = 1.1.1 = 1
e
iˆ ⋅ ˆ = iˆ ˆ cos 90 0 = 1.1.0 = 0
j
j
Os outros itens seguem-se como extensão desses anteriores.

Cap 02

romero@fisica.ufpb.br

8
Prof. Romero Tavares da Silva
Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
45
A soma de três vetores é igual a zero, como mostra a
figura. Calcule:

α

!
c
θ

! !
a) a ⋅ b = ?
! !
π
a ⋅ b = a b cos = 0
2
! !
b) a ⋅ c = - a c cosθ = -a c (a/c) = - a2
c)

!
b

!
a

! !
b ⋅ c = - b c cosα = - b c (b/c) = - b2
Podemos concluir que:
! ! !
c +a+b =0
! ! ! ! ! !
c ⋅c + c ⋅b + c ⋅a = 0
logo:
c2 = a2 + b2

Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
46 Para o problema anterior, calcule:
! !
a) a × b = ?

!
b

Suponhamos que o eixo z seja! perpendicular ao pla!
no definido pelos vetores a e b .
! !
ˆ
ˆ
a × b = z a b sen(π/2) = z a b

β
!
a

! !
b) a × c = ?

c)

θ

! !
a × c = a c senθ
! !
ˆ
ˆ
ˆ
a × c = (- z ) a c senθ = - z a c (b/c) = - z a b
! !
b×c =?
! !
b × c = b c senα
! !
ˆ
ˆ
b × c = z b c senα = z b c (a/c)
! !
ˆ
b×c = z a b

Cap 02

romero@fisica.ufpb.br

!
c

!
a

!
b

!
c

α

9
Prof. Romero Tavares da Silva
Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
47 Produto escalar em função das coordenadas: Suponha que dois vetores sejam
representados em termos das coordenadas como:
!
!
ˆ
ˆ
a = iˆa x + ˆa y + ka z e b = iˆb x + ˆb y + kb z
j
j
mostre que:

! !
a ⋅ b = a x b x + a y by + a z bz

Por definição temos que:

(

)(

! !
ˆ
ˆ
a ⋅ b = iˆa x + ˆa y + ka z ⋅ iˆb x + ˆb y + kb z
j
j

)

Usando os resultados do problema 39, resolvido anteriormente, temos a resposta
pedida.
! !
a ⋅ b = a x b x + a y by + a z bz

Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição
!
!
Dois vetores são dados por a = 3iˆ + 5 ˆ e b = 2iˆ + 4 ˆ . Calcule:
j
j

51

! !
a) a × b =?
 iˆ ˆ k 
j ˆ

! ! 
ˆ
ˆ
a × b =  3 5 0  = k (3.4 − 5.2) = 2k


2 4 0


!
!
b) a ⋅ b =?
! !
a ⋅ b = 3.2 + 5.4 = 26
c)

! ! !
(a + b )⋅ b =?
!
(a + b )⋅ b = (5iˆ + 9 jˆ)⋅ (2iˆ + 4 jˆ)= 5.2 + 9.4 = 46
!

Cap 02

!

romero@fisica.ufpb.br

10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Átomos e o mundo quântico
Átomos e o mundo quânticoÁtomos e o mundo quântico
Átomos e o mundo quântico
Marília Isabel Tarnowski Correia
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
Paulo Alexandre
 
Vetores
VetoresVetores
Vetores
Miky Mine
 
Dilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficialDilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficial
Eloir De Carli
 
Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
Marco Antonio Sanches
 
Química Geral 2016/1 Aula 04
Química Geral 2016/1 Aula 04Química Geral 2016/1 Aula 04
Química Geral 2016/1 Aula 04
Ednilsom Orestes
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
fisicaatual
 
Centro de massa
Centro de massaCentro de massa
Centro de massa
Rildo Borges
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
Marco Antonio Sanches
 
Queda Livre
Queda LivreQueda Livre
Queda Livre
tiajeh
 
Cinemática Escalar
Cinemática EscalarCinemática Escalar
Cinemática Escalar
Marco Antonio Sanches
 
Aula Primeira Lei da Termodinâmica.pdf
Aula Primeira Lei da Termodinâmica.pdfAula Primeira Lei da Termodinâmica.pdf
Aula Primeira Lei da Termodinâmica.pdf
Paulo63083
 
Leis ponderais
Leis ponderais Leis ponderais
Leis ponderais
Escola Modelo de Iguatu
 
Ejemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y Energía
Ejemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y EnergíaEjemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y Energía
Ejemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y Energía
José Rodríguez Guerra
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
ReinaldoMassayuki1
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
Marco Antonio Sanches
 
07 velocidade média
07  velocidade média07  velocidade média
07 velocidade média
Bruno De Siqueira Costa
 
Termometria slides
Termometria  slidesTermometria  slides
Termometria slides
Cristiano Silva
 
Movimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variadoMovimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variado
sotonji
 
M.R.U.V.
M.R.U.V.M.R.U.V.
M.R.U.V.
Pibid Física
 

Mais procurados (20)

Átomos e o mundo quântico
Átomos e o mundo quânticoÁtomos e o mundo quântico
Átomos e o mundo quântico
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Vetores
VetoresVetores
Vetores
 
Dilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficialDilatacao termica superficial
Dilatacao termica superficial
 
Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)Hidrostática (versão 2018)
Hidrostática (versão 2018)
 
Química Geral 2016/1 Aula 04
Química Geral 2016/1 Aula 04Química Geral 2016/1 Aula 04
Química Geral 2016/1 Aula 04
 
Potencial elétrico
Potencial elétricoPotencial elétrico
Potencial elétrico
 
Centro de massa
Centro de massaCentro de massa
Centro de massa
 
Força magnética
Força magnéticaForça magnética
Força magnética
 
Queda Livre
Queda LivreQueda Livre
Queda Livre
 
Cinemática Escalar
Cinemática EscalarCinemática Escalar
Cinemática Escalar
 
Aula Primeira Lei da Termodinâmica.pdf
Aula Primeira Lei da Termodinâmica.pdfAula Primeira Lei da Termodinâmica.pdf
Aula Primeira Lei da Termodinâmica.pdf
 
Leis ponderais
Leis ponderais Leis ponderais
Leis ponderais
 
Ejemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y Energía
Ejemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y EnergíaEjemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y Energía
Ejemplos de ejercicios resueltos de trabajo,Potencia y Energía
 
Calor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latenteCalor sensivel e calor latente
Calor sensivel e calor latente
 
Mecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEMMecânica - Série ENEM
Mecânica - Série ENEM
 
07 velocidade média
07  velocidade média07  velocidade média
07 velocidade média
 
Termometria slides
Termometria  slidesTermometria  slides
Termometria slides
 
Movimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variadoMovimento uniformemente variado
Movimento uniformemente variado
 
M.R.U.V.
M.R.U.V.M.R.U.V.
M.R.U.V.
 

Semelhante a 02. vetores e escalares

120662893 fisica-para-concursos-militares
120662893 fisica-para-concursos-militares120662893 fisica-para-concursos-militares
120662893 fisica-para-concursos-militares
Creusa Nascimento
 
03 Mecânica - Vetores
03 Mecânica - Vetores03 Mecânica - Vetores
03 Mecânica - Vetores
Eletrons
 
Aula 03 mecância - vetores
Aula 03   mecância - vetoresAula 03   mecância - vetores
Aula 03 mecância - vetores
Jonatas Carlos
 
Física - Mecânica - Vetores
Física - Mecânica - VetoresFísica - Mecânica - Vetores
Física - Mecânica - Vetores
Carson Souza
 
Aula 03 mecância - vetores
Aula 03   mecância - vetoresAula 03   mecância - vetores
Aula 03 mecância - vetores
Bruno San
 
Exercícios rec física 2ª série - vetores
Exercícios rec física   2ª série - vetoresExercícios rec física   2ª série - vetores
Exercícios rec física 2ª série - vetores
Wilson Passos
 
08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.
08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.
08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.
luiggi50
 
Aula 1 2_3_2010_11
Aula 1 2_3_2010_11Aula 1 2_3_2010_11
Aula 1 2_3_2010_11
ersfd
 
Grandezas escalares e vetoriais
Grandezas escalares e vetoriaisGrandezas escalares e vetoriais
Grandezas escalares e vetoriais
fisicaatual
 
Aula 2-vetores.pptx
Aula 2-vetores.pptxAula 2-vetores.pptx
Aula 2-vetores.pptx
MuriloMartins48
 
Finit Elements Analysis
Finit Elements AnalysisFinit Elements Analysis
Finit Elements Analysis
Joana Ribeiro Paulo
 
Aula 1 mecânica aplicada
Aula 1   mecânica aplicada Aula 1   mecânica aplicada
Aula 1 mecânica aplicada
Juliana Jeniffer
 
Aula 4 vetores
Aula 4  vetoresAula 4  vetores
Aula 4 vetores
Montenegro Física
 
Apostila de matemática aplicada vol i 2004
Apostila de matemática aplicada vol i 2004Apostila de matemática aplicada vol i 2004
Apostila de matemática aplicada vol i 2004
aldobrasilro
 
Notas de aula 1 cinematica mecanismos
Notas de aula 1 cinematica mecanismosNotas de aula 1 cinematica mecanismos
Notas de aula 1 cinematica mecanismos
Vanessa Santos
 
Caderno deexercicios1 2
Caderno deexercicios1 2Caderno deexercicios1 2
Caderno deexercicios1 2
PEDRO SEREDNICKI
 
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADAProva do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
thieresaulas
 
1º física
1º física1º física
1º física
newtonbonfim
 
Fis mat resolucao comentada 001
Fis mat resolucao comentada   001Fis mat resolucao comentada   001
Fis mat resolucao comentada 001
comentada
 
ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?
ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?
ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?
A. R. Silva
 

Semelhante a 02. vetores e escalares (20)

120662893 fisica-para-concursos-militares
120662893 fisica-para-concursos-militares120662893 fisica-para-concursos-militares
120662893 fisica-para-concursos-militares
 
03 Mecânica - Vetores
03 Mecânica - Vetores03 Mecânica - Vetores
03 Mecânica - Vetores
 
Aula 03 mecância - vetores
Aula 03   mecância - vetoresAula 03   mecância - vetores
Aula 03 mecância - vetores
 
Física - Mecânica - Vetores
Física - Mecânica - VetoresFísica - Mecânica - Vetores
Física - Mecânica - Vetores
 
Aula 03 mecância - vetores
Aula 03   mecância - vetoresAula 03   mecância - vetores
Aula 03 mecância - vetores
 
Exercícios rec física 2ª série - vetores
Exercícios rec física   2ª série - vetoresExercícios rec física   2ª série - vetores
Exercícios rec física 2ª série - vetores
 
08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.
08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.
08 algoritmo de euclides propriedades do m.m.c. e m.d.c.
 
Aula 1 2_3_2010_11
Aula 1 2_3_2010_11Aula 1 2_3_2010_11
Aula 1 2_3_2010_11
 
Grandezas escalares e vetoriais
Grandezas escalares e vetoriaisGrandezas escalares e vetoriais
Grandezas escalares e vetoriais
 
Aula 2-vetores.pptx
Aula 2-vetores.pptxAula 2-vetores.pptx
Aula 2-vetores.pptx
 
Finit Elements Analysis
Finit Elements AnalysisFinit Elements Analysis
Finit Elements Analysis
 
Aula 1 mecânica aplicada
Aula 1   mecânica aplicada Aula 1   mecânica aplicada
Aula 1 mecânica aplicada
 
Aula 4 vetores
Aula 4  vetoresAula 4  vetores
Aula 4 vetores
 
Apostila de matemática aplicada vol i 2004
Apostila de matemática aplicada vol i 2004Apostila de matemática aplicada vol i 2004
Apostila de matemática aplicada vol i 2004
 
Notas de aula 1 cinematica mecanismos
Notas de aula 1 cinematica mecanismosNotas de aula 1 cinematica mecanismos
Notas de aula 1 cinematica mecanismos
 
Caderno deexercicios1 2
Caderno deexercicios1 2Caderno deexercicios1 2
Caderno deexercicios1 2
 
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADAProva do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
Prova do Colégio Militar do Rio de Janeiro, COMENTADA
 
1º física
1º física1º física
1º física
 
Fis mat resolucao comentada 001
Fis mat resolucao comentada   001Fis mat resolucao comentada   001
Fis mat resolucao comentada 001
 
ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?
ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?
ABSURDOS DA MATEMÁTICA: 1 é igual 2?
 

Mais de leonardoenginer

Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveisSistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
leonardoenginer
 
13. equilíbrio
13. equilíbrio13. equilíbrio
13. equilíbrio
leonardoenginer
 
11. rotação b
11. rotação b11. rotação b
11. rotação b
leonardoenginer
 
11. rotação
11. rotação11. rotação
11. rotação
leonardoenginer
 
10. colisões
10. colisões10. colisões
10. colisões
leonardoenginer
 
09. sistema de partículas
09. sistema de partículas09. sistema de partículas
09. sistema de partículas
leonardoenginer
 
08. conservação da energia
08. conservação da energia08. conservação da energia
08. conservação da energia
leonardoenginer
 
07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética
leonardoenginer
 
06. força de atrito
06. força de atrito06. força de atrito
06. força de atrito
leonardoenginer
 
05. leis de newton
05. leis de newton05. leis de newton
05. leis de newton
leonardoenginer
 
04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões
leonardoenginer
 
03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo
leonardoenginer
 
01. medição
01. medição01. medição
01. medição
leonardoenginer
 
00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física
leonardoenginer
 
12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular
leonardoenginer
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
leonardoenginer
 
Nbr gerais1067
Nbr gerais1067Nbr gerais1067
Nbr gerais1067
leonardoenginer
 
Física1 09
Física1 09Física1 09
Física1 09
leonardoenginer
 

Mais de leonardoenginer (18)

Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveisSistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
 
13. equilíbrio
13. equilíbrio13. equilíbrio
13. equilíbrio
 
11. rotação b
11. rotação b11. rotação b
11. rotação b
 
11. rotação
11. rotação11. rotação
11. rotação
 
10. colisões
10. colisões10. colisões
10. colisões
 
09. sistema de partículas
09. sistema de partículas09. sistema de partículas
09. sistema de partículas
 
08. conservação da energia
08. conservação da energia08. conservação da energia
08. conservação da energia
 
07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética
 
06. força de atrito
06. força de atrito06. força de atrito
06. força de atrito
 
05. leis de newton
05. leis de newton05. leis de newton
05. leis de newton
 
04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões
 
03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo
 
01. medição
01. medição01. medição
01. medição
 
00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física
 
12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
 
Nbr gerais1067
Nbr gerais1067Nbr gerais1067
Nbr gerais1067
 
Física1 09
Física1 09Física1 09
Física1 09
 

Último

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 

Último (20)

CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 

02. vetores e escalares

  • 1. Versão preliminar 6 de setembro de 2002 Notas de Aula de Física 02. VETORES E ESCALARES........................................................................................... 2 UM POUCO DE TRIGONOMETRIA............................................................................................ 2 MÉTODO GEOMÉTRICO ........................................................................................................ 2 MÉTODO ANALÍTICO ............................................................................................................ 3 MULTIPLICAÇÃO DE VETORES............................................................................................... 3 Multiplicação de um vetor por um escalar..................................................................... 4 Produto escalar ............................................................................................................. 4 Produto vetorial ............................................................................................................. 5 SOLUÇÃO DE ALGUNS PROBLEMAS ....................................................................................... 7 02 .................................................................................................................................. 7 06 .................................................................................................................................. 7 32 .................................................................................................................................. 8 39 .................................................................................................................................. 8 45 .................................................................................................................................. 9 46 .................................................................................................................................. 9 47 ................................................................................................................................ 10 51 ................................................................................................................................ 10
  • 2. Prof. Romero Tavares da Silva 02. Vetores e escalares Algumas grandezas físicas ficam completamente definidas quando informamos um número e uma unidade. Quando dizemos que a temperatura de uma pessoa é 370C a informação está completa. A temperatura é uma grandeza escalar. Se dissermos que a velocidade de um automóvel é de 50km/h não definimos completamente a informação. Não foi dito em que direção e sentido esse corpo se movimentava. A necessidade dessa informação complementar - direção e sentido - caracteriza a velocidade como um vetor. Os vetores são representados por setas, e costuma-se representar um vetor com módulo maior que outro por uma seta de tamanho maior. Usamos basicamente de dois modos de representar os vetores, o método geométrico e o método analítico. Um pouco de trigonometria Vamos considerar um triângulo retângulo com hipotenusa a e catetos b e c respectivamente. O teorema de Pitágoras diz que: a2 = b2 + c2 α As funções seno e cosseno são definidas como: c c = cos α a b cos θ = = sen α a E do Teorema de Pitágoras, encontramos que: a senθ = θ b sen 2 θ + cos 2 = 1 senθ c cos α = tan θ = = cot α = cos θ a sen α Método geométrico No método geométrico, a visualização dos vetores fica mais óbvia, mas não é adequado para a operações com diversos vetores. Método geométrico A força é uma grandeza vetorial. Quando consideramos duas forças atuando sobre um dado corpo, o efeito resultante será ! igual à atuação de uma única força que seja a ! ! a soma vetorial das duas forças mencionab c das. ! ! A soma desses dois vetores pode ser a b efetuada usando-se a regra do paralelogramo. ! ! ! c =a+b Cap 02 romero@fisica.ufpb.br 2
  • 3. Prof. Romero Tavares da Silva Método analítico O método analítico consiste basicamente em definir um sistema de coordenadas cartesianas e decompor os vetores segundo as suas componentes nestes eixos. Vamos considerar um sistema de coordenadas bidimensional, definido pelos eixos x ! e y , como mostrados na figura ao lado. O vetor a tem componentes cartesianas ax e ay que tem a forma: y ax = a . cosθ ay = a . senθ ! a ay Ou de maneira inversa: a = a +a 2 x tan θ = θ ax 2 y x ay ax Uma maneira de representar vetores é através de suas componentes num dado sistema de coordenadas, como foi antecipado na figura anterior. Desse modo: ! a = iˆa x + ˆa y j onde iˆ e ˆ são vetores unitários (ou versores) que apontam nas direções dos eixos x j e y respectivamente e têm módulos iguais a um. A soma de dois vetores será então definida como: " ! ! c =a+b onde ! a = iˆa x +  e ! b = iˆb + x  ˆa j y ! c = iˆ (a x + b x ) + ˆ (a y + b y ) j ⇒ ˆb j y ou seja: ! c = iˆc x + ˆc y j onde c x = a x + b x  e  c = a + b y y  y Multiplicação de vetores As operações com vetores são utilizadas de maneira muito ampla na Física, para expressar as relações que existem entre as diversas grandezas. Cap 02 romero@fisica.ufpb.br 3
  • 4. Prof. Romero Tavares da Silva Multiplicação de um vetor por um escalar ! ! Sejam dois vetores a e b e um escalar k. Definimos a multiplicação mencionada como: ! ! b = ka ! ! O vetor k a tem a mesma direção do vetor a . Terá mesmo sentido se k for positivo e sentido contrário se k for negativo. ! ka ! a Produto escalar ! Define-se o produto escalar de dois vetores a e ! b como a operação: ! ! a ⋅ b = ab cos ϕ ! a ϕ ! b onde ϕ é o ângulo formado pelos dois vetores. Podemos dizer que o produto escalar de dois vetores é igual ao módulo do primeiro vezes a componente do segundo no eixo determinado pelo primeiro, ou vice-versa. Isso pode-se resumir na propriedade : ! ! ! ! a ⋅b = b ⋅a Uma aplicação do produto escalar é a definição de trabalho W executado por uma força constante que atua ao longo de um percurso d: ! ! W = F .d = Fd cos θ Usando o conceito de vetor unitário encontramos que: iˆ ⋅ iˆ = iˆ iˆ cos 0 0 = 1 z ˆ⋅ ˆ =1 j j ˆ ˆ k ⋅k =1 e de modo equivalente: iˆ ⋅ ˆ = iˆ ˆ cos 90 0 = 0 j j ˆ k iˆ ˆ j y ˆ iˆ ⋅ k = 0 x ˆ⋅k = 0 j ˆ Podemos utilizar a decomposição de um vetor segundo as suas componentes cartesianas e definir o produto escalar: Cap 02 romero@fisica.ufpb.br 4
  • 5. Prof. Romero Tavares da Silva ! ˆ a = iˆa x + ˆa y + ka z j ! ˆ b = iˆb x + ˆb y + kb z j ( )( ! ! ˆ ˆ a ⋅ b = iˆa x + ˆa y + ka z ⋅ iˆb x + ˆb y + kbz j j e portanto: ) ! ! a ⋅ b = a x b x + a y by + a z bz Fica fácil perceber que: ! ! 2 2 a ⋅ a = a 2 = a x + a y + a z2 !! ! ! a.b Como a ⋅ b = ab cos ϕ , temos que cos ϕ = , e assim poderemos calcular o ab ângulo entre os dois vetores, em função de suas componentes cartesianas: cos ϕ = a x b x + a y by + az bz 2 2 2 a x + a y + a z b x2 + b y2 + b z2 Produto vetorial ! Define-se o produto vetorial de dois vetores a e ! b como a operação: ! ! ! c = a×b e módulo c é definido como: c = ab sen ϕ ! onde c é um vetor perpendicular ao plano defino pe! ! los vetores a e b e ϕ é o ângulo formado por esses dois últimos dois vetores. ! c ! b ϕ ! a ! Uma aplicação do produto vetorial é a definição da força F que atua em uma car! ga elétrica q que penetra com velocidade v numa região que existe um campo magnéti! co B : ! ! ! F = qv ×B ou ainda: F = q v B senϕ Cap 02 romero@fisica.ufpb.br 5
  • 6. Prof. Romero Tavares da Silva Usando a definição de produto vetorial, encontramos que: iˆ × ˆ = k = − ˆ × iˆ j ˆ j ˆ ˆ ˆ j j × k = iˆ = −k × ˆ z ˆ k ˆ ˆ ˆ k × iˆ = j = −iˆ × k iˆ ˆ ˆ ˆ ˆ iˆ × iˆ = j × j = k × k = 0 ˆ j y x De modo genérico, podemos definir o produto vetorial como: ( )( ! ! ! ˆ ˆ c = a × b = iˆa x + ˆa y + ka z × iˆb x + ˆb y + kb z j j ) e usando os resultados dos produtos vetoriais entre os vetores unitários, encontramos que: ! ˆ c = iˆ(a y b z − a z b y ) + ˆ(a z b x − a x bz ) + k (a x b y − a y b x ) j Usando as propriedades de matrizes, encontramos que o produto vetorial pode ser expresso como o determinante da matriz definida a seguir:  iˆ ! ! !  c = a × b =  ax   bx  Cap 02 ˆ j ay by romero@fisica.ufpb.br ˆ k  az   bz   6
  • 7. Prof. Romero Tavares da Silva Solução de alguns problemas Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição ! ! 02 Quais são as propriedades dos vetores a e b tais que: ! ! ! a) a+b =c e a+b=c Temos que: ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! ! c ⋅ c = a + b ⋅ a + b = a ⋅ a + b ⋅ b + 2a ⋅ b ou seja: c 2 = a 2 + b 2 + 2ab cos θ ( )( ) ! b ! c θ ! a Para que c = a + b é necessário que θ = 0 pois ! b ! a c2 = a2 + b2 + 2ab = (a + b)2 ! ! Portanto a b ! ! ! ! a+b =a−b b) Da equação acima, temos que: ! ! ! ! ! ! a − a = b + b ∴ 2b = 0 ∴ b = 0 ! ! ! a+b =c c) e a2 + b2 = c 2 Como c 2 = a 2 + b 2 + 2ab cos θ , para que 2 2 2 ! b 2 c = a + b + 2ab = (a + b) devemos ter θ = θ ! ! π portanto a ⊥ b 2 ! a Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição ! ! O vetor a tem módulo de 3 unidades e está dirigido para Leste. O vetor b está diri06 gido para 350 a Oeste do Norte e tem módulo 4 unidades. Construa os diagramas ! ! ! ! vetoriais para ! a + b e b - a . Estime o módulo e a orientação dos vetores ! ! ! a + b e a - b a partir desse diagramas. ! a = iˆa x  ! ˆ j b = i b x + ˆb y  a x = a = 3  0 b x = −b senθ = −4 sen 35 = −2,29 b = b cos θ == 4 cos 35 0 = 3,27  y Cap 02 romero@fisica.ufpb.br y ! b θ Oeste Leste ! a x 7
  • 8. Prof. Romero Tavares da Silva a) ! ! ! c =a+b c x = a x + b x  c y = a y + b y cx = 3 - 2,29 = 0,71 cy = 3,27 2 2 c = c x + c y = 3,34 b) ! ! ! d = b −a d x = b x − a x  d y = b y − a y dx = -2,29 - 3 = -5,29 dy = 3,27 2 d = d x + d y2 = 6,21 Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição Prove que dois vetores devem ter o mesmo módulo para que sua soma seja perpen32 dicular á sua diferença. ! ! ! ! (a + b )⋅ (a − b ) = a 2 − b2 = 0 ⇒ a=b Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição 39 Mostre que num sistema de coordenadas destrógiro: iˆ ⋅ iˆ = ˆ ⋅ ˆ = k ⋅ k = 1 j j ˆ ˆ e iˆ ⋅ ˆ = ˆ ⋅ k = k ⋅ iˆ = 0 j j ˆ ˆ ! ! A definição de produto escalar é tal que: a ⋅ b = a b cos θ , onde θ é o ângulo formado pelos vetores. Logo: iˆ ⋅ iˆ = iˆ iˆ cos 0 0 = 1.1.1 = 1 e iˆ ⋅ ˆ = iˆ ˆ cos 90 0 = 1.1.0 = 0 j j Os outros itens seguem-se como extensão desses anteriores. Cap 02 romero@fisica.ufpb.br 8
  • 9. Prof. Romero Tavares da Silva Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição 45 A soma de três vetores é igual a zero, como mostra a figura. Calcule: α ! c θ ! ! a) a ⋅ b = ? ! ! π a ⋅ b = a b cos = 0 2 ! ! b) a ⋅ c = - a c cosθ = -a c (a/c) = - a2 c) ! b ! a ! ! b ⋅ c = - b c cosα = - b c (b/c) = - b2 Podemos concluir que: ! ! ! c +a+b =0 ! ! ! ! ! ! c ⋅c + c ⋅b + c ⋅a = 0 logo: c2 = a2 + b2 Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição 46 Para o problema anterior, calcule: ! ! a) a × b = ? ! b Suponhamos que o eixo z seja! perpendicular ao pla! no definido pelos vetores a e b . ! ! ˆ ˆ a × b = z a b sen(π/2) = z a b β ! a ! ! b) a × c = ? c) θ ! ! a × c = a c senθ ! ! ˆ ˆ ˆ a × c = (- z ) a c senθ = - z a c (b/c) = - z a b ! ! b×c =? ! ! b × c = b c senα ! ! ˆ ˆ b × c = z b c senα = z b c (a/c) ! ! ˆ b×c = z a b Cap 02 romero@fisica.ufpb.br ! c ! a ! b ! c α 9
  • 10. Prof. Romero Tavares da Silva Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição 47 Produto escalar em função das coordenadas: Suponha que dois vetores sejam representados em termos das coordenadas como: ! ! ˆ ˆ a = iˆa x + ˆa y + ka z e b = iˆb x + ˆb y + kb z j j mostre que: ! ! a ⋅ b = a x b x + a y by + a z bz Por definição temos que: ( )( ! ! ˆ ˆ a ⋅ b = iˆa x + ˆa y + ka z ⋅ iˆb x + ˆb y + kb z j j ) Usando os resultados do problema 39, resolvido anteriormente, temos a resposta pedida. ! ! a ⋅ b = a x b x + a y by + a z bz Capítulo 3 - Halliday, Resnick e Walker - 4a. edição ! ! Dois vetores são dados por a = 3iˆ + 5 ˆ e b = 2iˆ + 4 ˆ . Calcule: j j 51 ! ! a) a × b =?  iˆ ˆ k  j ˆ  ! !  ˆ ˆ a × b =  3 5 0  = k (3.4 − 5.2) = 2k   2 4 0   ! ! b) a ⋅ b =? ! ! a ⋅ b = 3.2 + 5.4 = 26 c) ! ! ! (a + b )⋅ b =? ! (a + b )⋅ b = (5iˆ + 9 jˆ)⋅ (2iˆ + 4 jˆ)= 5.2 + 9.4 = 46 ! Cap 02 ! romero@fisica.ufpb.br 10