SlideShare uma empresa Scribd logo
Versão preliminar
25 de março de 2002

Notas de Aula de Física
01. MEDIÇÃO ..................................................................................................................... 2
ALGUMAS UNIDADES FUNDAMENTAIS: ................................................................................... 2
ALGUMAS UNIDADES DERIVADAS: ......................................................................................... 2
O MUNDO DA FÍSICA ........................................................................................................... 3
AS DIVISÕES DA FÍSICA ....................................................................................................... 4
COMO RESOLVER PROBLEMAS DE FÍSICA .............................................................................. 5
Prof. Romero Tavares da Silva

01. Medição
Para expressar quantitativamente uma lei física necessitamos de um sistema de
unidades. Do mesmo modo, para medir uma grandeza física é necessário definir a priori a
unidade na qual esta grandeza será medida.
Existe uma enorme quantidade de grandezas físicas, mas apenas algumas são
consideradas fundamentais, sendo as demais derivadas delas. Tempo (segundo), espaço
(metro), massa(quilograma) e carga elétrica(Coulomb) são exemplos de unidades fundamentais. Velocidade (metro/segundo), aceleração (metro/segundo2) e força (quilograma.metro/segundo2) são exemplos de unidades derivadas.
Por razões históricas, o tempo foi a primeira quantidade a ser mensurada. Este
conceito surge a partir da duração do dia, da presença da luminosidade do Sol; e a sua
ausência: a noite.
Com a evolução da humanidade e com os deslocamentos das comunidades surge
o conceito de distância, de comprimento, de temperatura e etc.
A partir da necessidade de quantificar as mercadorias para troca surge o conceito
de peso, e mais tarde a noção de massa.
Outras grandezas surgem com o avançar da tecnologia e o desenvolvimento do
método científico tais como pressão, intensidade luminosa, potência, carga elétrica, corrente elétrica, campo eletromagnético, calor específico, entropia e etc.
De certo modo, cada cultura tecnológica autônoma desenvolveu um próprio sistema de unidades. Mas a interação entre as sociedades, de certo modo impôs que existisse
uma uniformização para que as trocas acontecessem de modo transparente e inteligível
pata as partes. A Inglaterra medieval era praticamente isolada comercialmente do resto
da Europa e isso contribuiu para que lá se estabelecesse um sistema de unidades diferente do restante: polegada, pé, milha, libra e etc.
Algumas unidades fundamentais:
Grandeza
Sistema Internacional - SI
Comprimento
Metro - m
Tempo
Segundo - s
Massa
Quilograma - kg
Carga elétrica
Coulomb - C
Algumas unidades derivadas:
Grandeza
Sistema Internacional - SI
Velocidade
m/s
Aceleração
m/s2
Força
kg.m/s2 = Newton
Energia
kg.m2/s2 = Joule

Cap 01

romero@fisica.ufpb.br

CGS
Centímetro - cm
Segundo - s
Grama - s

CGS
cm/s
cm/s2
g.cm/s2 = Dina
g.cm2/s2 = Erg

2
Prof. Romero Tavares da Silva
O mundo da Física
A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: alguns dizem
que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer
ou, ainda, no pensamento religioso, que é uma forma de conhecer a Deus. Mas uma coisa não podemos negar: o homem é curioso!
-

Por que as coisas caem?
O Sol é uma bola de fogo?
A Terra está parada? E a Lua, como ela fica lá em cima?
Quando começou o tempo?
Como surge o pensamento?
Como surgiu a vida? Existe vida depois da morte?

Essas são perguntas que o homem vem se fazendo há muito tempo. Algumas sabemos responder, outras não. Algumas têm mais de uma resposta, a diferença está no método usado para respondê-las. Alguns métodos permitem conhecer o mundo que nos cerca, outros nos levam a ilusões sobre este mundo. Observe estes casos:
HORÓSCOPO
“A Lua energiza seu signo apesar de
estar em fase com Saturno com o qual
apresenta tensão. Você deve aproveitar as vibrações de mercúrio que completa hoje seu ciclo. Assim, curta hoje
os seus amigos.
Número de sorte 23.”

ESPELHO, ESPELHO MEU
VOCÊ SABIA?
“Para vermos inteiramente nosso rosto
num espelho plano é suficiente que ele
tenha metade do tamanho (altura) do
rosto. Tente observar este fato.”

Os trechos escritos nos quadros acima poderiam ser encontrados num jornal ou
falados pela televisão. Freqüentemente encontramos frases que propõem, sugerem, ou
mesmo ordenam que façamos, ou não façamos, certas coisas: “Não fume no elevador.
Lei Municipal número tal”. Essa afirmação tenta nos dizer que se fumarmos no elevador
estaremos sujeitos às penas da tal lei.
Voltemos aos quadros. O primeiro nos diz algumas coisas a respeito da situação
dos astros em que podemos, ou não, acreditar. Mais ainda, nos fala para “curtir” os nossos amigos, o que é bom, e, indiretamente, propõe que joguemos no número 23. Dentro
do quadro encontramos palavras que parecem científicas: energizar, vibração. O texto
usa essa linguagem para tentar nos convencer de que tudo que foi escrito é verdade. Mas
os horóscopos são produtos da Astrologia que não é uma ciência. Suas definições não
são exatas e variam de astrólogo para astrólogo. Na verdade o que foi dito é a opinião de
quem fez o horóscopo e o astrólogo pode, ou não, acertar as suas previsões. No segundo
quadro estamos no campo da ciência. Ele procura nos descrever um. Se uma pessoa, em
qualquer lugar do mundo, seguir as instruções e se olhar num espelho que tenha, pelo
menos, metade da altura do seu rosto, conseguirá ver o rosto por inteiro. Não estamos
mais diante de uma opinião, mas sim de um fato, que pode ser verificado.
Devemos ouvir o que as pessoas têm a dizer, porém devemos ser capazes de julgar o que foi dito. Não é porque “saiu no jornal” ou “deu na TV” que é verdade! Por outro
lado, devemos ter cuidado, pois julgar não é discordar de tudo, o importante é fazer perCap 01

romero@fisica.ufpb.br

3
Prof. Romero Tavares da Silva
guntas, é ter curiosidade e ir em busca dos fatos e suas explicações. A ciência e seus
métodos podem nos ajudar a responder muitas perguntas, a tomar posições e a fazer julgamentos.
Curso de Física do 2º grau - Capítulo 1
Telecurso 2000
As divisões da Física
A Física estuda vários tipos de fenômenos da Natureza. Para facilitar o seu estudo
costuma-se dividi-la. Até o início do século as principais partes da Física eram: a Mecânica, a Termodinâmica e o Eletromagnetismo.
No século XX, a partir de grandes descobertas, surgiram novos ramos, entre eles:
Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear, Mecânica Quântica Mecânica Quântica Mecânica Quântica Mecânica Quântica Mecânica Quântica, Relatividade. Os novos conceitos
introduzidos neste século provocaram uma verdadeira revolução na Física. Hoje é comum
também dividir a Física em Clássica (antes de 1900) e Moderna (após 1900).
O quadro a seguir mostra algumas perguntas que podem surgir no nosso dia-a-dia,
e identifica qual o ramo da Física que trata de respondê-las.
PERGUNTAS
QUEM RESPONDE
- Por que somos jogados para
MECÂNICA
frente do ônibus quando ele freia
bruscamente?
- Por que nos dias de chuva é
mais difícil freiar um automóvel?
- Como um navio consegue boiar?

- Como funciona um termômetro?
- Por que o congelador fica na
parte superior da geladeira?
- O que ocorre com a naftalina,
que “some” do fundo da gaveta?

TERMODINÂMICA

- Como vemos os objetos?
ÓPTICA
- Como os óculos ajudam a melhorar a visão?
- Como se forma a nossa imagem
num espelho?

Cap 01

romero@fisica.ufpb.br

ALGUNS CONCEITOS
Força
Espaço
Inércia
Tempo
Velocidade
Massa
Aceleração
Energia
Densidade
Calor
Energia térmica
Pressão
Volume
Dilatação
Temperatura
Mudanças de estado
Raio de luz
Reflexão
Refração
Lentes
Espelhos

4
Prof. Romero Tavares da Silva

- O que é a corrente elétrica?
- Como funciona um chuveiro elétrico?
- Para que serve um fusível?

ELETROMAGNETISMO

- O que é, de fato, a luz?
- O que compõe todas as coisas?
- O que são microondas?

FÍSICA ATÔMICA
FÍSICANUCLEAR

Carga elétrica
Corrente elétrica
Campos elétricos
Campos magnéticos
Ondas eletromagnéticas
Átomos
Núcleos
Fótons
Elétrons

Curso de Física do 2º grau - Capítulo 1
Telecurso 2000

Como resolver problemas de Física
1ª ETAPA: LER O PROBLEMA: É preciso saber ler, quer dizer, ser capaz de imaginar a
cena que o enunciado descreve. Nem sempre entendemos tudo o que está escrito, mas
podemos estar atentos aos detalhes para "visualizar" corretamente o que se está dizendo.
2ª ETAPA: FAZER UM ESQUEMA: Fazer um esquema ou desenho simples da situação
ajuda a visualizá-la e a resolvê-la. Procure indicar em seus esquemas informações básicas como o sentido e os valores envolvidos. Preste atenção que uma frase como "dar ré"
indica o sentido do movimento do objeto em questão.
3ª ETAPA: MONTE AS EQUAÇÕES E FAÇA AS CONTAS: Uma equação só faz sentido
se você sabe o que ela significa. Sabemos que é possível resolver a nossa questão porque há a conservação da quantidade movimento total de um sistema. Quer dizer, a soma
das quantidades de movimento antes e depois do choque deverá ter o mesmo valor. Com
isso, você consegue montar as contas.
4ª ETAPA: INTERPRETE OS VALORES. (A ETAPA MAIS IMPORTANTE!) Muito bem,
você achou um número! Mas ainda não resolveu o problema. Não queremos saber somente o número, mas também o que aconteceu. O número deve nos dizer isso. Olhando
para ele você deve ser capaz de chegar a alguma conclusão. DESCONFIE DOS
NÚMEROS!!! Existe uma coisa que se chama erro nas contas, que pode nos levar a resultados errados. Pense bem no que o número está lhe dizendo e avalie se é uma coisa
razoável. Se achar que há um erro, confira suas contas e o seu raciocínio. Se o número
insistir em lhe dizer coisas absurdas, considere a possibilidade de que aquilo que você
esperava não ser realmente o que acontece na prática.
Leituras de Física - MECÂNICA - Capítulo 1
GREF - Grupo de Reelaboração do Ensino de Física
Instituto de Física da USP - junho de 1998

Cap 01

romero@fisica.ufpb.br

5

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Lista Fisica III - Eng. Civil
Lista Fisica III - Eng. CivilLista Fisica III - Eng. Civil
Lista Fisica III - Eng. Civil
Armando Heilmann
 
Fisica trabalho potencia energia
Fisica trabalho potencia energiaFisica trabalho potencia energia
Fisica trabalho potencia energia
comentada
 
Fenômeno do transporte aula 01
Fenômeno do transporte aula 01Fenômeno do transporte aula 01
Fenômeno do transporte aula 01
Diomedes Manoel
 
Exercicios potencial eletrico
Exercicios potencial eletricoExercicios potencial eletrico
Exercicios potencial eletrico
Adicleison Véla
 
Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.
Rebeca Conceição da Silva Reis
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
Saulo Costa
 
Aula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).pptAula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).ppt
Michael Esclapes
 
Manual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.i
Manual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.iManual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.i
Manual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.i
andryellebatista
 
4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios
Nathalia Salomao Damiao
 
ley de gauss
ley de gaussley de gauss
ley de gauss
rilara
 
Problemas sobre la ley de gauss
Problemas sobre la ley de gaussProblemas sobre la ley de gauss
Problemas sobre la ley de gauss
alejaescalante
 
Cap 3 ley de gauss
Cap 3 ley de gaussCap 3 ley de gauss
Cap 3 ley de gauss
Moisés Galarza Espinoza
 
Ley De Gauss
Ley De GaussLey De Gauss
Ley De Gauss
israel.1x
 
LEY DE GAUSS: Física C-ESPOL
LEY DE GAUSS: Física C-ESPOLLEY DE GAUSS: Física C-ESPOL
LEY DE GAUSS: Física C-ESPOL
ESPOL
 
Questões Corrigidas, em Word: Potencial Elétrico - Conteúdo vinculado ao bl...
Questões Corrigidas, em Word:  Potencial Elétrico  - Conteúdo vinculado ao bl...Questões Corrigidas, em Word:  Potencial Elétrico  - Conteúdo vinculado ao bl...
Questões Corrigidas, em Word: Potencial Elétrico - Conteúdo vinculado ao bl...
Rodrigo Penna
 
Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3
Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3
Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3
taimaratr
 
Problemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial Electrico
Problemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial ElectricoProblemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial Electrico
Problemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial Electrico
Amy Avalos Guillen
 
Campo electrico problemas resueltos-gonzalo revelo pabon
Campo electrico   problemas resueltos-gonzalo revelo pabonCampo electrico   problemas resueltos-gonzalo revelo pabon
Campo electrico problemas resueltos-gonzalo revelo pabon
GONZALO REVELO PABON . GORETTI
 
Problemas resueltos-cap-23-fisica-serway
Problemas resueltos-cap-23-fisica-serwayProblemas resueltos-cap-23-fisica-serway
Problemas resueltos-cap-23-fisica-serway
joaquings
 

Destaque (19)

Lista Fisica III - Eng. Civil
Lista Fisica III - Eng. CivilLista Fisica III - Eng. Civil
Lista Fisica III - Eng. Civil
 
Fisica trabalho potencia energia
Fisica trabalho potencia energiaFisica trabalho potencia energia
Fisica trabalho potencia energia
 
Fenômeno do transporte aula 01
Fenômeno do transporte aula 01Fenômeno do transporte aula 01
Fenômeno do transporte aula 01
 
Exercicios potencial eletrico
Exercicios potencial eletricoExercicios potencial eletrico
Exercicios potencial eletrico
 
Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Aula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).pptAula 5 (capacitância).ppt
Aula 5 (capacitância).ppt
 
Manual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.i
Manual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.iManual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.i
Manual de problemas_resolvidos_de_eletromagnetismo_vol.i
 
4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios
 
ley de gauss
ley de gaussley de gauss
ley de gauss
 
Problemas sobre la ley de gauss
Problemas sobre la ley de gaussProblemas sobre la ley de gauss
Problemas sobre la ley de gauss
 
Cap 3 ley de gauss
Cap 3 ley de gaussCap 3 ley de gauss
Cap 3 ley de gauss
 
Ley De Gauss
Ley De GaussLey De Gauss
Ley De Gauss
 
LEY DE GAUSS: Física C-ESPOL
LEY DE GAUSS: Física C-ESPOLLEY DE GAUSS: Física C-ESPOL
LEY DE GAUSS: Física C-ESPOL
 
Questões Corrigidas, em Word: Potencial Elétrico - Conteúdo vinculado ao bl...
Questões Corrigidas, em Word:  Potencial Elétrico  - Conteúdo vinculado ao bl...Questões Corrigidas, em Word:  Potencial Elétrico  - Conteúdo vinculado ao bl...
Questões Corrigidas, em Word: Potencial Elétrico - Conteúdo vinculado ao bl...
 
Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3
Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3
Solucionário do Serway, 3 edição em espanhol-Física 3
 
Problemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial Electrico
Problemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial ElectricoProblemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial Electrico
Problemario Física, Ley Coulomb, Gauss, Potencial Electrico
 
Campo electrico problemas resueltos-gonzalo revelo pabon
Campo electrico   problemas resueltos-gonzalo revelo pabonCampo electrico   problemas resueltos-gonzalo revelo pabon
Campo electrico problemas resueltos-gonzalo revelo pabon
 
Problemas resueltos-cap-23-fisica-serway
Problemas resueltos-cap-23-fisica-serwayProblemas resueltos-cap-23-fisica-serway
Problemas resueltos-cap-23-fisica-serway
 

Semelhante a 01. medição

Apostila física
Apostila   físicaApostila   física
Apostila física
brumetzker
 
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdfFísica - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
rolnselbns
 
Física I ed. 1
Física I ed. 1Física I ed. 1
Física I ed. 1
Jonathan Quartuccio
 
Saber e fazer 9º ano aluno
Saber e fazer 9º ano   alunoSaber e fazer 9º ano   aluno
Saber e fazer 9º ano aluno
Caroline Barbosa
 
Atividades Práticas sobre Luz e Física Moderna
Atividades Práticas sobre Luz e Física ModernaAtividades Práticas sobre Luz e Física Moderna
Atividades Práticas sobre Luz e Física Moderna
Valmir Heckler
 
Matematica vol2
Matematica vol2Matematica vol2
Matematica vol2
Blaunier Matheus
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Salomao Lucio Dos Santos
 
Cad aluno vol1_fisica_em_2_s
Cad aluno vol1_fisica_em_2_sCad aluno vol1_fisica_em_2_s
Cad aluno vol1_fisica_em_2_s
profzwipp
 
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
Diogo Santos
 
Física - Módulo 01
Física  - Módulo 01Física  - Módulo 01
Física - Módulo 01
Everton Moraes
 
Mecânica básica i (3a. edição)
Mecânica básica i (3a. edição)Mecânica básica i (3a. edição)
Mecânica básica i (3a. edição)
scarcela
 
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumentalHawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Cláudio Ferreira
 
46794
4679446794
Aula 07 de ciências naturais e suas tecnologias
Aula 07 de ciências naturais e suas tecnologiasAula 07 de ciências naturais e suas tecnologias
Aula 07 de ciências naturais e suas tecnologias
Homero Alves de Lima
 
Mecanica e-cinematica-
Mecanica e-cinematica-Mecanica e-cinematica-
Mecanica e-cinematica-
Daniel Lavouras (Bagual)
 
Física_9ano - 2 edição.pdf
Física_9ano - 2 edição.pdfFísica_9ano - 2 edição.pdf
Física_9ano - 2 edição.pdf
EditoraEnovus
 
Ibutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorarIbutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorar
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 
Mecanica
MecanicaMecanica
Mecanica
Telma Costa
 
Saber e fazer 6º ano aluno
Saber e fazer 6º ano   alunoSaber e fazer 6º ano   aluno
Saber e fazer 6º ano aluno
Caroline Barbosa
 
Fisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdf
Fisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdfFisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdf
Fisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdf
aline628737
 

Semelhante a 01. medição (20)

Apostila física
Apostila   físicaApostila   física
Apostila física
 
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdfFísica - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
Física - Ensino Médio - telecurso 2000.pdf.pdf
 
Física I ed. 1
Física I ed. 1Física I ed. 1
Física I ed. 1
 
Saber e fazer 9º ano aluno
Saber e fazer 9º ano   alunoSaber e fazer 9º ano   aluno
Saber e fazer 9º ano aluno
 
Atividades Práticas sobre Luz e Física Moderna
Atividades Práticas sobre Luz e Física ModernaAtividades Práticas sobre Luz e Física Moderna
Atividades Práticas sobre Luz e Física Moderna
 
Matematica vol2
Matematica vol2Matematica vol2
Matematica vol2
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
 
Cad aluno vol1_fisica_em_2_s
Cad aluno vol1_fisica_em_2_sCad aluno vol1_fisica_em_2_s
Cad aluno vol1_fisica_em_2_s
 
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 2 Ano vol 1 2014-2017
 
Física - Módulo 01
Física  - Módulo 01Física  - Módulo 01
Física - Módulo 01
 
Mecânica básica i (3a. edição)
Mecânica básica i (3a. edição)Mecânica básica i (3a. edição)
Mecânica básica i (3a. edição)
 
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumentalHawking, Stephen o-projeto-monumental
Hawking, Stephen o-projeto-monumental
 
46794
4679446794
46794
 
Aula 07 de ciências naturais e suas tecnologias
Aula 07 de ciências naturais e suas tecnologiasAula 07 de ciências naturais e suas tecnologias
Aula 07 de ciências naturais e suas tecnologias
 
Mecanica e-cinematica-
Mecanica e-cinematica-Mecanica e-cinematica-
Mecanica e-cinematica-
 
Física_9ano - 2 edição.pdf
Física_9ano - 2 edição.pdfFísica_9ano - 2 edição.pdf
Física_9ano - 2 edição.pdf
 
Ibutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorarIbutg como calcular_sem_decorar
Ibutg como calcular_sem_decorar
 
Mecanica
MecanicaMecanica
Mecanica
 
Saber e fazer 6º ano aluno
Saber e fazer 6º ano   alunoSaber e fazer 6º ano   aluno
Saber e fazer 6º ano aluno
 
Fisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdf
Fisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdfFisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdf
Fisica - 1° ano (movimento) CESEC.pdf
 

Mais de leonardoenginer

Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveisSistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
leonardoenginer
 
13. equilíbrio
13. equilíbrio13. equilíbrio
13. equilíbrio
leonardoenginer
 
11. rotação b
11. rotação b11. rotação b
11. rotação b
leonardoenginer
 
11. rotação
11. rotação11. rotação
11. rotação
leonardoenginer
 
10. colisões
10. colisões10. colisões
10. colisões
leonardoenginer
 
09. sistema de partículas
09. sistema de partículas09. sistema de partículas
09. sistema de partículas
leonardoenginer
 
08. conservação da energia
08. conservação da energia08. conservação da energia
08. conservação da energia
leonardoenginer
 
07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética
leonardoenginer
 
06. força de atrito
06. força de atrito06. força de atrito
06. força de atrito
leonardoenginer
 
05. leis de newton
05. leis de newton05. leis de newton
05. leis de newton
leonardoenginer
 
04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões
leonardoenginer
 
03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo
leonardoenginer
 
02. vetores e escalares
02. vetores e escalares02. vetores e escalares
02. vetores e escalares
leonardoenginer
 
00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física
leonardoenginer
 
12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular
leonardoenginer
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
leonardoenginer
 
Nbr gerais1067
Nbr gerais1067Nbr gerais1067
Nbr gerais1067
leonardoenginer
 
Física1 09
Física1 09Física1 09
Física1 09
leonardoenginer
 

Mais de leonardoenginer (18)

Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveisSistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
Sistemas construtivos _ pavimentos permeáveis
 
13. equilíbrio
13. equilíbrio13. equilíbrio
13. equilíbrio
 
11. rotação b
11. rotação b11. rotação b
11. rotação b
 
11. rotação
11. rotação11. rotação
11. rotação
 
10. colisões
10. colisões10. colisões
10. colisões
 
09. sistema de partículas
09. sistema de partículas09. sistema de partículas
09. sistema de partículas
 
08. conservação da energia
08. conservação da energia08. conservação da energia
08. conservação da energia
 
07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética07. trabalho e energia cinética
07. trabalho e energia cinética
 
06. força de atrito
06. força de atrito06. força de atrito
06. força de atrito
 
05. leis de newton
05. leis de newton05. leis de newton
05. leis de newton
 
04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões04. movimento em duas e três dimensões
04. movimento em duas e três dimensões
 
03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo03. movimento retilíneo
03. movimento retilíneo
 
02. vetores e escalares
02. vetores e escalares02. vetores e escalares
02. vetores e escalares
 
00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física00. como resolver problemas de física
00. como resolver problemas de física
 
12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular12. rolamento torque e momento angular
12. rolamento torque e momento angular
 
Agronegócio
AgronegócioAgronegócio
Agronegócio
 
Nbr gerais1067
Nbr gerais1067Nbr gerais1067
Nbr gerais1067
 
Física1 09
Física1 09Física1 09
Física1 09
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

01. medição

  • 1. Versão preliminar 25 de março de 2002 Notas de Aula de Física 01. MEDIÇÃO ..................................................................................................................... 2 ALGUMAS UNIDADES FUNDAMENTAIS: ................................................................................... 2 ALGUMAS UNIDADES DERIVADAS: ......................................................................................... 2 O MUNDO DA FÍSICA ........................................................................................................... 3 AS DIVISÕES DA FÍSICA ....................................................................................................... 4 COMO RESOLVER PROBLEMAS DE FÍSICA .............................................................................. 5
  • 2. Prof. Romero Tavares da Silva 01. Medição Para expressar quantitativamente uma lei física necessitamos de um sistema de unidades. Do mesmo modo, para medir uma grandeza física é necessário definir a priori a unidade na qual esta grandeza será medida. Existe uma enorme quantidade de grandezas físicas, mas apenas algumas são consideradas fundamentais, sendo as demais derivadas delas. Tempo (segundo), espaço (metro), massa(quilograma) e carga elétrica(Coulomb) são exemplos de unidades fundamentais. Velocidade (metro/segundo), aceleração (metro/segundo2) e força (quilograma.metro/segundo2) são exemplos de unidades derivadas. Por razões históricas, o tempo foi a primeira quantidade a ser mensurada. Este conceito surge a partir da duração do dia, da presença da luminosidade do Sol; e a sua ausência: a noite. Com a evolução da humanidade e com os deslocamentos das comunidades surge o conceito de distância, de comprimento, de temperatura e etc. A partir da necessidade de quantificar as mercadorias para troca surge o conceito de peso, e mais tarde a noção de massa. Outras grandezas surgem com o avançar da tecnologia e o desenvolvimento do método científico tais como pressão, intensidade luminosa, potência, carga elétrica, corrente elétrica, campo eletromagnético, calor específico, entropia e etc. De certo modo, cada cultura tecnológica autônoma desenvolveu um próprio sistema de unidades. Mas a interação entre as sociedades, de certo modo impôs que existisse uma uniformização para que as trocas acontecessem de modo transparente e inteligível pata as partes. A Inglaterra medieval era praticamente isolada comercialmente do resto da Europa e isso contribuiu para que lá se estabelecesse um sistema de unidades diferente do restante: polegada, pé, milha, libra e etc. Algumas unidades fundamentais: Grandeza Sistema Internacional - SI Comprimento Metro - m Tempo Segundo - s Massa Quilograma - kg Carga elétrica Coulomb - C Algumas unidades derivadas: Grandeza Sistema Internacional - SI Velocidade m/s Aceleração m/s2 Força kg.m/s2 = Newton Energia kg.m2/s2 = Joule Cap 01 romero@fisica.ufpb.br CGS Centímetro - cm Segundo - s Grama - s CGS cm/s cm/s2 g.cm/s2 = Dina g.cm2/s2 = Erg 2
  • 3. Prof. Romero Tavares da Silva O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: alguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda, no pensamento religioso, que é uma forma de conhecer a Deus. Mas uma coisa não podemos negar: o homem é curioso! - Por que as coisas caem? O Sol é uma bola de fogo? A Terra está parada? E a Lua, como ela fica lá em cima? Quando começou o tempo? Como surge o pensamento? Como surgiu a vida? Existe vida depois da morte? Essas são perguntas que o homem vem se fazendo há muito tempo. Algumas sabemos responder, outras não. Algumas têm mais de uma resposta, a diferença está no método usado para respondê-las. Alguns métodos permitem conhecer o mundo que nos cerca, outros nos levam a ilusões sobre este mundo. Observe estes casos: HORÓSCOPO “A Lua energiza seu signo apesar de estar em fase com Saturno com o qual apresenta tensão. Você deve aproveitar as vibrações de mercúrio que completa hoje seu ciclo. Assim, curta hoje os seus amigos. Número de sorte 23.” ESPELHO, ESPELHO MEU VOCÊ SABIA? “Para vermos inteiramente nosso rosto num espelho plano é suficiente que ele tenha metade do tamanho (altura) do rosto. Tente observar este fato.” Os trechos escritos nos quadros acima poderiam ser encontrados num jornal ou falados pela televisão. Freqüentemente encontramos frases que propõem, sugerem, ou mesmo ordenam que façamos, ou não façamos, certas coisas: “Não fume no elevador. Lei Municipal número tal”. Essa afirmação tenta nos dizer que se fumarmos no elevador estaremos sujeitos às penas da tal lei. Voltemos aos quadros. O primeiro nos diz algumas coisas a respeito da situação dos astros em que podemos, ou não, acreditar. Mais ainda, nos fala para “curtir” os nossos amigos, o que é bom, e, indiretamente, propõe que joguemos no número 23. Dentro do quadro encontramos palavras que parecem científicas: energizar, vibração. O texto usa essa linguagem para tentar nos convencer de que tudo que foi escrito é verdade. Mas os horóscopos são produtos da Astrologia que não é uma ciência. Suas definições não são exatas e variam de astrólogo para astrólogo. Na verdade o que foi dito é a opinião de quem fez o horóscopo e o astrólogo pode, ou não, acertar as suas previsões. No segundo quadro estamos no campo da ciência. Ele procura nos descrever um. Se uma pessoa, em qualquer lugar do mundo, seguir as instruções e se olhar num espelho que tenha, pelo menos, metade da altura do seu rosto, conseguirá ver o rosto por inteiro. Não estamos mais diante de uma opinião, mas sim de um fato, que pode ser verificado. Devemos ouvir o que as pessoas têm a dizer, porém devemos ser capazes de julgar o que foi dito. Não é porque “saiu no jornal” ou “deu na TV” que é verdade! Por outro lado, devemos ter cuidado, pois julgar não é discordar de tudo, o importante é fazer perCap 01 romero@fisica.ufpb.br 3
  • 4. Prof. Romero Tavares da Silva guntas, é ter curiosidade e ir em busca dos fatos e suas explicações. A ciência e seus métodos podem nos ajudar a responder muitas perguntas, a tomar posições e a fazer julgamentos. Curso de Física do 2º grau - Capítulo 1 Telecurso 2000 As divisões da Física A Física estuda vários tipos de fenômenos da Natureza. Para facilitar o seu estudo costuma-se dividi-la. Até o início do século as principais partes da Física eram: a Mecânica, a Termodinâmica e o Eletromagnetismo. No século XX, a partir de grandes descobertas, surgiram novos ramos, entre eles: Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear Física Atômica e Nuclear, Mecânica Quântica Mecânica Quântica Mecânica Quântica Mecânica Quântica Mecânica Quântica, Relatividade. Os novos conceitos introduzidos neste século provocaram uma verdadeira revolução na Física. Hoje é comum também dividir a Física em Clássica (antes de 1900) e Moderna (após 1900). O quadro a seguir mostra algumas perguntas que podem surgir no nosso dia-a-dia, e identifica qual o ramo da Física que trata de respondê-las. PERGUNTAS QUEM RESPONDE - Por que somos jogados para MECÂNICA frente do ônibus quando ele freia bruscamente? - Por que nos dias de chuva é mais difícil freiar um automóvel? - Como um navio consegue boiar? - Como funciona um termômetro? - Por que o congelador fica na parte superior da geladeira? - O que ocorre com a naftalina, que “some” do fundo da gaveta? TERMODINÂMICA - Como vemos os objetos? ÓPTICA - Como os óculos ajudam a melhorar a visão? - Como se forma a nossa imagem num espelho? Cap 01 romero@fisica.ufpb.br ALGUNS CONCEITOS Força Espaço Inércia Tempo Velocidade Massa Aceleração Energia Densidade Calor Energia térmica Pressão Volume Dilatação Temperatura Mudanças de estado Raio de luz Reflexão Refração Lentes Espelhos 4
  • 5. Prof. Romero Tavares da Silva - O que é a corrente elétrica? - Como funciona um chuveiro elétrico? - Para que serve um fusível? ELETROMAGNETISMO - O que é, de fato, a luz? - O que compõe todas as coisas? - O que são microondas? FÍSICA ATÔMICA FÍSICANUCLEAR Carga elétrica Corrente elétrica Campos elétricos Campos magnéticos Ondas eletromagnéticas Átomos Núcleos Fótons Elétrons Curso de Física do 2º grau - Capítulo 1 Telecurso 2000 Como resolver problemas de Física 1ª ETAPA: LER O PROBLEMA: É preciso saber ler, quer dizer, ser capaz de imaginar a cena que o enunciado descreve. Nem sempre entendemos tudo o que está escrito, mas podemos estar atentos aos detalhes para "visualizar" corretamente o que se está dizendo. 2ª ETAPA: FAZER UM ESQUEMA: Fazer um esquema ou desenho simples da situação ajuda a visualizá-la e a resolvê-la. Procure indicar em seus esquemas informações básicas como o sentido e os valores envolvidos. Preste atenção que uma frase como "dar ré" indica o sentido do movimento do objeto em questão. 3ª ETAPA: MONTE AS EQUAÇÕES E FAÇA AS CONTAS: Uma equação só faz sentido se você sabe o que ela significa. Sabemos que é possível resolver a nossa questão porque há a conservação da quantidade movimento total de um sistema. Quer dizer, a soma das quantidades de movimento antes e depois do choque deverá ter o mesmo valor. Com isso, você consegue montar as contas. 4ª ETAPA: INTERPRETE OS VALORES. (A ETAPA MAIS IMPORTANTE!) Muito bem, você achou um número! Mas ainda não resolveu o problema. Não queremos saber somente o número, mas também o que aconteceu. O número deve nos dizer isso. Olhando para ele você deve ser capaz de chegar a alguma conclusão. DESCONFIE DOS NÚMEROS!!! Existe uma coisa que se chama erro nas contas, que pode nos levar a resultados errados. Pense bem no que o número está lhe dizendo e avalie se é uma coisa razoável. Se achar que há um erro, confira suas contas e o seu raciocínio. Se o número insistir em lhe dizer coisas absurdas, considere a possibilidade de que aquilo que você esperava não ser realmente o que acontece na prática. Leituras de Física - MECÂNICA - Capítulo 1 GREF - Grupo de Reelaboração do Ensino de Física Instituto de Física da USP - junho de 1998 Cap 01 romero@fisica.ufpb.br 5