SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
ELETRICIDADE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ELETROSTÁTICA  ELETRODINÂMICA
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Cargas Elétricas
Princípio da atração e repulsão •  Cargas elétricas de mesmo sinal se repelem; •  Cargas elétricas de sinais opostos se atraem. Princípio da conservação das cargas •   Num sistema eletricamente isolado, a soma algébrica das quantidades de cargas positivas e negativas é constante. Princípios da Eletrostática
Condutores elétricos Meios materiais nos quais as cargas elétricas movimentam-se com facilidade. Isolantes elétricos ou dielétricos Meios materiais nos quais as cargas elétricas não têm facilidade de movimentação. Condutores e isolantes
O processo de eletrização de um corpo é semelhante ao de um átomo. Se num corpo o número de prótons for igual ao número de elétrons, dizemos que ele está neutro. Quando um corpo apresenta uma falta ou um excesso de elétrons, ele adquire uma carga elétrica Q, que é sempre um número inteiro n de elétrons, de modo que:  , sendo n um numero inteiro. Portanto, um corpo pode ser:   a) eletrizado positivamente: falta  de elétrons Q = + n . e  b) eletrizado negativamente: excesso de elétrons Q = – n . e   Eletrização de um corpo
A eletrização de um corpo inicialmente neutro pode ocorrer de três maneiras: - Atrito - Contato - Indução Processos   de   Eletrização  
Na eletrização por atrito, os dois corpos adquirem a mesma quantidade de cargas, porém de sinais contrários. Atrito
  Os condutores adquirem cargas de mesmo sinal. Se os condutores tiverem mesma forma e mesmas dimensões, a carga final será igual para os dois e dada pela média aritmética das cargas iniciais. Contato
A eletrização de um condutor neutro pode ocorrer por simples aproximação de um outro corpo eletrizado, sem que haja o contato entre eles.  No processo da indução eletrostática, o corpo induzido será eletrizado sempre com cargas de sinal contrário ao das cargas do indutor. Indução
Eletroscópio de Folhas
Lei de Du Fay Cargas com sinais iguais sofrem  Cargas com sinais opostos sofrem  ATRAÇÃO REPULSÃO
Coulomb constatou que: ->  A intensidade da força elétrica é diretamente proporcional ao produto das cargas elétricas. ->  A intensidade da força elétrica é inversamente proporcional ao quadrado da distância entre os corpos. Portanto temos a equação que relaciona a intensidade da força elétrica (F) como sendo:                          Lei de Coulomb
F -> Força elétrica (N) Q 1  e Q 2  -> Cargas elétricas(C) d -> Distância (m) K=9,0.10 9  Nm 2 /C -2  Lei de Coulomb
ELETRICIDADE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ELETROSTÁTICA  ELETRODINÂMICA
Campo Elétrico Chamamos de Campo Elétrico (Ē) a região do espaço onde um pequena carga de prova (q) fica sujeita a uma força de origem elétrica (F). As fontes do campo eletrostático são corpos eletrizados, que chamamos de Carga fonte (Q).  A carga de prova, também tem que ser eletricamente carregado, para que haja interação.
Campo Elétrico E -> Campo elétrico (N/C)  F -> Força elétrica (N) q -> Carga elétrica (C)
Linhas de campo As Linhas de forças (ou de campo) são linhas imaginárias, tangentes aos vetores campo elétrico em cada ponto do espaço sob influência elétrica e no mesmo sentido dos vetores campo elétrico.
Se Q>0 o vetor campo elétrico é de  AFASTAMENTO Se Q<0 o vetor campo elétrico é de  APROXIMAÇÃO Linhas de campo
Campo elétrico uniforme Um campo elétrico é uma região do espaço onde o vetor representativo do campo (Ē) tem, em todos os pontos a mesma direção, o mesmo sentido e o mesmo módulo. Num campo elétrico uniforme, as linhas de força são sempre retilíneas, paralelas entre si e distanciadas igualmente.
ELETRICIDADE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ELETROSTÁTICA  ELETRODINÂMICA
Potencial elétrico Uma carga puntiforme isolada gera no espaço que a rodeia a possibilidade de se ter uma energia potencial elétrica. Para isso basta colocar uma carga de prova nesse espaço. A partir dessa idéia, define-se o potencial elétrico (V) de um ponto do espaço como a quantidade de energia potencial elétrica (E pot. ) por unidade de carga de prova (q) colocada nesse ponto:
Potencial elétrico V -> Potencial elétrico (V) E pot  -> Campo elétrico (N/C) q -> Carga (C)
Superfície equipotencial As  superfícies equipotenciais são superfícies ao longo das quais o potencial é constante, porque é gerada por uma carga puntiforme então k e Q são constantes,  assim todo ponto situado a mesma distancia (d) terá  o mesmo potencial.
ELETRICIDADE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ELETROSTÁTICA  ELETRODINÂMICA
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
i-> intensidade da corrente elétrica (A) Q-> quantidade de carga(C)  t-> tempo (s) A = C/s ,[object Object]
Sentidos da corrente elétrica Real Convencional
Efeitos da corrente elétrica Efeito Joule : Quando uma corrente passa por um condutor metálico, há a transformação  de energia elétrica em energia térmica. Esse efeito é denominado  EFEITO JOULE . Ex.: Ferro de passar roupa  Chuveiro
Efeitos da corrente elétrica Efeito Fisiológico : Os impulsos nervosos no corpo humano são transmitidos por estímulos elétricos, ela provoca contrações musculares  no nosso organismo dependendo da sua intensidade pode causar parada cardíaca, porém, a tensão necessária para produzir uma parada cardíaca é de dezenas de volts, pois o corpo humano é um péssimo condutor quando comparado com os metais.
Efeitos da corrente elétrica Efeito químico : Esse efeito resulta de um fenômeno elétrico molecular, sendo objeto de estudo da Eletroquímica. O aproveitamento do efeito químico se dá, por exemplo, nas pilhas, na eletrólise, como também na cromação e na niquelação de objetos.
Efeito luminoso : Esse efeito resulta também de um fenômeno elétrico molecular. A excitação eletrônica pode dar margem à emissão de radiação visível, tal como observamos nas lâmpadas fluorescentes. Efeitos da corrente elétrica
Efeitos da corrente elétrica Efeito magnético : Toda corrente elétrica gera ao seu redor um campo magnético. Essa efeito é inerente à corrente elétrica e a sua descoberta consolidou a associação entre a eletricidade e o magnetismo, dando origem ao eletromagnetismo.
Potência elétrica Definimos a potência elétrica (P) para qualquer máquina pela relação entre a quantidade de energia transformada ( ∆ E) e o correspondente intervalo  de tempo ( ∆   t).
Potência elétrica P -> Potência elétrica (W) E -> Energia (J) t -> tempo (s)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Exercícios átomos
Exercícios átomosExercícios átomos
Exercícios átomos
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Estudo dos receptores
Estudo dos receptoresEstudo dos receptores
Estudo dos receptores
 
Energia Potencial e Potencial Elétrico.pdf
Energia Potencial e Potencial Elétrico.pdfEnergia Potencial e Potencial Elétrico.pdf
Energia Potencial e Potencial Elétrico.pdf
 
Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Superfície equipotencial
Superfície equipotencialSuperfície equipotencial
Superfície equipotencial
 
Aula sobre magnetismo 9° ano cssa
Aula  sobre magnetismo 9° ano  cssaAula  sobre magnetismo 9° ano  cssa
Aula sobre magnetismo 9° ano cssa
 
Slides eletrostatica
Slides eletrostaticaSlides eletrostatica
Slides eletrostatica
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Cálculos de resistências
Cálculos de resistênciasCálculos de resistências
Cálculos de resistências
 
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
Potêncial elétrico, halliday, cap. 24
 
Simulado 02 (ciências 9º ano)
Simulado 02 (ciências 9º ano)Simulado 02 (ciências 9º ano)
Simulado 02 (ciências 9º ano)
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Potencial elétrico e trabalho
Potencial elétrico e trabalhoPotencial elétrico e trabalho
Potencial elétrico e trabalho
 
Cap 23 lei de gauss
Cap 23   lei de gaussCap 23   lei de gauss
Cap 23 lei de gauss
 
Condutores em equilíbrio eletrostático(1).
Condutores em equilíbrio eletrostático(1).Condutores em equilíbrio eletrostático(1).
Condutores em equilíbrio eletrostático(1).
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Exercicios velocidade média
Exercicios velocidade médiaExercicios velocidade média
Exercicios velocidade média
 

Destaque

Destaque (20)

Eletrostatica
EletrostaticaEletrostatica
Eletrostatica
 
Eletricidade aplicada
Eletricidade aplicadaEletricidade aplicada
Eletricidade aplicada
 
Campo magnético
Campo magnéticoCampo magnético
Campo magnético
 
ELETRICIDADE BASICA T- Aula 1 eletrostática
ELETRICIDADE BASICA T- Aula 1   eletrostáticaELETRICIDADE BASICA T- Aula 1   eletrostática
ELETRICIDADE BASICA T- Aula 1 eletrostática
 
Carga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrizaçãoCarga elétrica e eletrização
Carga elétrica e eletrização
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
 
Determinação da carga elementar
Determinação da  carga elementarDeterminação da  carga elementar
Determinação da carga elementar
 
Lentes site
Lentes siteLentes site
Lentes site
 
cargas elétricas
cargas elétricascargas elétricas
cargas elétricas
 
Introdução à óptica geométrica 2
Introdução à óptica geométrica 2Introdução à óptica geométrica 2
Introdução à óptica geométrica 2
 
Aula 01 esquema básico do sistema elétrico
Aula 01   esquema básico do sistema elétricoAula 01   esquema básico do sistema elétrico
Aula 01 esquema básico do sistema elétrico
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Acidentes com eletricidade
Acidentes com eletricidadeAcidentes com eletricidade
Acidentes com eletricidade
 
Eletrostática site
Eletrostática siteEletrostática site
Eletrostática site
 
Cap 9-temperatura
Cap 9-temperaturaCap 9-temperatura
Cap 9-temperatura
 
Prezi eletrostática
Prezi eletrostáticaPrezi eletrostática
Prezi eletrostática
 
Física - Dinâmica (Atrito)
Física - Dinâmica (Atrito)Física - Dinâmica (Atrito)
Física - Dinâmica (Atrito)
 
5 apresentação - acidente com eletricidade 10 fev2004
5   apresentação - acidente com eletricidade 10 fev20045   apresentação - acidente com eletricidade 10 fev2004
5 apresentação - acidente com eletricidade 10 fev2004
 
Aula 02 desenhos elétricos
Aula 02   desenhos elétricosAula 02   desenhos elétricos
Aula 02 desenhos elétricos
 
Estudo dos gases site
Estudo dos gases siteEstudo dos gases site
Estudo dos gases site
 

Semelhante a Eletricidade

Semelhante a Eletricidade (20)

Werther_Serra.pdf
Werther_Serra.pdfWerther_Serra.pdf
Werther_Serra.pdf
 
Resumo fisica4 branco
Resumo fisica4 brancoResumo fisica4 branco
Resumo fisica4 branco
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
Eletricidade Básica.pdf
Eletricidade Básica.pdfEletricidade Básica.pdf
Eletricidade Básica.pdf
 
Eletricidade Básica.pptx
Eletricidade Básica.pptxEletricidade Básica.pptx
Eletricidade Básica.pptx
 
AULA 1 INTRODUÇÃO ELETRICIDADE & CIRCUITOS ELÉTRICOS.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO ELETRICIDADE & CIRCUITOS ELÉTRICOS.pdfAULA 1 INTRODUÇÃO ELETRICIDADE & CIRCUITOS ELÉTRICOS.pdf
AULA 1 INTRODUÇÃO ELETRICIDADE & CIRCUITOS ELÉTRICOS.pdf
 
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente ContínuaCircuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
Circuitos eletricos 1 - Circuitos Elétricos em Corrente Contínua
 
Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1 Circuitos eletricos 1
Circuitos eletricos 1
 
Apresentação 2003 final
Apresentação 2003 finalApresentação 2003 final
Apresentação 2003 final
 
Eletrostática2.pdf
Eletrostática2.pdfEletrostática2.pdf
Eletrostática2.pdf
 
Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.Eletricidade ii unid.
Eletricidade ii unid.
 
1ª lei de coulomb
1ª lei de coulomb1ª lei de coulomb
1ª lei de coulomb
 
Eletrostática apo
Eletrostática apoEletrostática apo
Eletrostática apo
 
Eletrostática apo
Eletrostática apoEletrostática apo
Eletrostática apo
 
Eletrostática bbbb
Eletrostática bbbbEletrostática bbbb
Eletrostática bbbb
 
6 capacitores
6 capacitores6 capacitores
6 capacitores
 
Eletrostática jodafi
Eletrostática jodafiEletrostática jodafi
Eletrostática jodafi
 
Eletricidade capítulo 01
Eletricidade capítulo 01Eletricidade capítulo 01
Eletricidade capítulo 01
 
Eletricidade.pptx
Eletricidade.pptxEletricidade.pptx
Eletricidade.pptx
 
f10_2_1.pptx
f10_2_1.pptxf10_2_1.pptx
f10_2_1.pptx
 

Mais de Saulo Costa

4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomia4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomiaSaulo Costa
 
Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Saulo Costa
 
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoretaExercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoretaSaulo Costa
 
Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Saulo Costa
 
Exercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedioExercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedioSaulo Costa
 
Exercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedioExercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedioSaulo Costa
 
Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Saulo Costa
 
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoretaExercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoretaSaulo Costa
 
Exercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanaliticaExercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanaliticaSaulo Costa
 
Distanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontosDistanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontosSaulo Costa
 
Coeficienteangular
CoeficienteangularCoeficienteangular
CoeficienteangularSaulo Costa
 
Introduçaoanalitica
IntroduçaoanaliticaIntroduçaoanalitica
IntroduçaoanaliticaSaulo Costa
 
Exercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanaliticaExercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanaliticaSaulo Costa
 
Distanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontosDistanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontosSaulo Costa
 
Coeficienteangular
CoeficienteangularCoeficienteangular
CoeficienteangularSaulo Costa
 
Introduçaoanalitica
IntroduçaoanaliticaIntroduçaoanalitica
IntroduçaoanaliticaSaulo Costa
 

Mais de Saulo Costa (20)

4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomia4. introdução à anatomia
4. introdução à anatomia
 
5. osteologia
5. osteologia5. osteologia
5. osteologia
 
Ativ.extra.2011
Ativ.extra.2011Ativ.extra.2011
Ativ.extra.2011
 
Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011
 
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoretaExercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
 
Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011
 
Exercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedioExercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedio
 
Exercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedioExercicio.distancia.pontomedio
Exercicio.distancia.pontomedio
 
Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011Conteud oexamefinal3º ano 2011
Conteud oexamefinal3º ano 2011
 
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoretaExercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
Exercicio.coeficienteangular.equaçaoreta
 
Exercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanaliticaExercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanalitica
 
Equaçaodareta
EquaçaodaretaEquaçaodareta
Equaçaodareta
 
Distanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontosDistanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontos
 
Coeficienteangular
CoeficienteangularCoeficienteangular
Coeficienteangular
 
Introduçaoanalitica
IntroduçaoanaliticaIntroduçaoanalitica
Introduçaoanalitica
 
Exercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanaliticaExercicio introduça oanalitica
Exercicio introduça oanalitica
 
Equaçaodareta
EquaçaodaretaEquaçaodareta
Equaçaodareta
 
Distanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontosDistanciaentre2pontos
Distanciaentre2pontos
 
Coeficienteangular
CoeficienteangularCoeficienteangular
Coeficienteangular
 
Introduçaoanalitica
IntroduçaoanaliticaIntroduçaoanalitica
Introduçaoanalitica
 

Eletricidade

  • 1.
  • 2.
  • 3. Princípio da atração e repulsão • Cargas elétricas de mesmo sinal se repelem; • Cargas elétricas de sinais opostos se atraem. Princípio da conservação das cargas • Num sistema eletricamente isolado, a soma algébrica das quantidades de cargas positivas e negativas é constante. Princípios da Eletrostática
  • 4. Condutores elétricos Meios materiais nos quais as cargas elétricas movimentam-se com facilidade. Isolantes elétricos ou dielétricos Meios materiais nos quais as cargas elétricas não têm facilidade de movimentação. Condutores e isolantes
  • 5. O processo de eletrização de um corpo é semelhante ao de um átomo. Se num corpo o número de prótons for igual ao número de elétrons, dizemos que ele está neutro. Quando um corpo apresenta uma falta ou um excesso de elétrons, ele adquire uma carga elétrica Q, que é sempre um número inteiro n de elétrons, de modo que: , sendo n um numero inteiro. Portanto, um corpo pode ser: a) eletrizado positivamente: falta de elétrons Q = + n . e b) eletrizado negativamente: excesso de elétrons Q = – n . e Eletrização de um corpo
  • 6. A eletrização de um corpo inicialmente neutro pode ocorrer de três maneiras: - Atrito - Contato - Indução Processos de Eletrização  
  • 7. Na eletrização por atrito, os dois corpos adquirem a mesma quantidade de cargas, porém de sinais contrários. Atrito
  • 8. Os condutores adquirem cargas de mesmo sinal. Se os condutores tiverem mesma forma e mesmas dimensões, a carga final será igual para os dois e dada pela média aritmética das cargas iniciais. Contato
  • 9. A eletrização de um condutor neutro pode ocorrer por simples aproximação de um outro corpo eletrizado, sem que haja o contato entre eles.  No processo da indução eletrostática, o corpo induzido será eletrizado sempre com cargas de sinal contrário ao das cargas do indutor. Indução
  • 11. Lei de Du Fay Cargas com sinais iguais sofrem Cargas com sinais opostos sofrem ATRAÇÃO REPULSÃO
  • 12. Coulomb constatou que: -> A intensidade da força elétrica é diretamente proporcional ao produto das cargas elétricas. -> A intensidade da força elétrica é inversamente proporcional ao quadrado da distância entre os corpos. Portanto temos a equação que relaciona a intensidade da força elétrica (F) como sendo:                         Lei de Coulomb
  • 13. F -> Força elétrica (N) Q 1 e Q 2 -> Cargas elétricas(C) d -> Distância (m) K=9,0.10 9 Nm 2 /C -2 Lei de Coulomb
  • 14.
  • 15. Campo Elétrico Chamamos de Campo Elétrico (Ē) a região do espaço onde um pequena carga de prova (q) fica sujeita a uma força de origem elétrica (F). As fontes do campo eletrostático são corpos eletrizados, que chamamos de Carga fonte (Q). A carga de prova, também tem que ser eletricamente carregado, para que haja interação.
  • 16. Campo Elétrico E -> Campo elétrico (N/C) F -> Força elétrica (N) q -> Carga elétrica (C)
  • 17. Linhas de campo As Linhas de forças (ou de campo) são linhas imaginárias, tangentes aos vetores campo elétrico em cada ponto do espaço sob influência elétrica e no mesmo sentido dos vetores campo elétrico.
  • 18. Se Q>0 o vetor campo elétrico é de AFASTAMENTO Se Q<0 o vetor campo elétrico é de APROXIMAÇÃO Linhas de campo
  • 19. Campo elétrico uniforme Um campo elétrico é uma região do espaço onde o vetor representativo do campo (Ē) tem, em todos os pontos a mesma direção, o mesmo sentido e o mesmo módulo. Num campo elétrico uniforme, as linhas de força são sempre retilíneas, paralelas entre si e distanciadas igualmente.
  • 20.
  • 21. Potencial elétrico Uma carga puntiforme isolada gera no espaço que a rodeia a possibilidade de se ter uma energia potencial elétrica. Para isso basta colocar uma carga de prova nesse espaço. A partir dessa idéia, define-se o potencial elétrico (V) de um ponto do espaço como a quantidade de energia potencial elétrica (E pot. ) por unidade de carga de prova (q) colocada nesse ponto:
  • 22. Potencial elétrico V -> Potencial elétrico (V) E pot -> Campo elétrico (N/C) q -> Carga (C)
  • 23. Superfície equipotencial As superfícies equipotenciais são superfícies ao longo das quais o potencial é constante, porque é gerada por uma carga puntiforme então k e Q são constantes, assim todo ponto situado a mesma distancia (d) terá o mesmo potencial.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Sentidos da corrente elétrica Real Convencional
  • 28. Efeitos da corrente elétrica Efeito Joule : Quando uma corrente passa por um condutor metálico, há a transformação de energia elétrica em energia térmica. Esse efeito é denominado EFEITO JOULE . Ex.: Ferro de passar roupa Chuveiro
  • 29. Efeitos da corrente elétrica Efeito Fisiológico : Os impulsos nervosos no corpo humano são transmitidos por estímulos elétricos, ela provoca contrações musculares no nosso organismo dependendo da sua intensidade pode causar parada cardíaca, porém, a tensão necessária para produzir uma parada cardíaca é de dezenas de volts, pois o corpo humano é um péssimo condutor quando comparado com os metais.
  • 30. Efeitos da corrente elétrica Efeito químico : Esse efeito resulta de um fenômeno elétrico molecular, sendo objeto de estudo da Eletroquímica. O aproveitamento do efeito químico se dá, por exemplo, nas pilhas, na eletrólise, como também na cromação e na niquelação de objetos.
  • 31. Efeito luminoso : Esse efeito resulta também de um fenômeno elétrico molecular. A excitação eletrônica pode dar margem à emissão de radiação visível, tal como observamos nas lâmpadas fluorescentes. Efeitos da corrente elétrica
  • 32. Efeitos da corrente elétrica Efeito magnético : Toda corrente elétrica gera ao seu redor um campo magnético. Essa efeito é inerente à corrente elétrica e a sua descoberta consolidou a associação entre a eletricidade e o magnetismo, dando origem ao eletromagnetismo.
  • 33. Potência elétrica Definimos a potência elétrica (P) para qualquer máquina pela relação entre a quantidade de energia transformada ( ∆ E) e o correspondente intervalo de tempo ( ∆ t).
  • 34. Potência elétrica P -> Potência elétrica (W) E -> Energia (J) t -> tempo (s)