Método alemão

4.858 visualizações

Publicada em

método alemão de escola de ginástica

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.858
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
176
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Método alemão

  1. 1. GUSTAVO LEAL ISAIAS MIGUELÂNGELO LORENA FERREIRA MARIANA SOUZA MARINA OLÍMPIO PAULO ALESSANDRO ROSÂNGELA SILVA SIMONE ALVES UBERABA/MG 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA I PROF.ª.: REGINA SIMÕES
  2. 2. ESCOLA GINÁSTICA DA ALEMANHA “ O exercício tanto torna o homem saudável como sábio e justo (...) quanto maior sua atividade física, maior sua aprendizagem”. Jean- Jacques Rousseau
  3. 3. A ESCOLA ALEMÃ- CONTEXTO HISTÓRICO  Surgiu no início do século XIX ( 1800);  Finalidade de regenerar a raça, promover a saúde e desenvolver a moral da população;  A preocupação com a saúde física e força moral, advinha da necessidade e utilização desse povo para a produção e defesa da pátria.
  4. 4. GUTS MUTHS (1759- 1839)  Um dos fundadores da ginástica Alemã;  A ginástica era fundamentada sobre bases fisiológicas e a prática, calculada segundo a constituição de cada indivíduo;  Ginástica:Organizada pelo Estado;  Aplicada todos os dias, para todos(homens, mulheres, crianças);  Homens fortes para defender a pátria.
  5. 5. FRIEDERICH LUDWING JAHN (1778- 1825)  Reforça que além da saúde e da moral, o caráter militar da ginástica;  Formação do “homem total”;  Criação dos chamados “obstáculos artificiais”, que mais tarde seriam denominados “aparelhos de ginástica”;  Ginástica com conteúdo social e patriótico;  Um dos percussores da ginástica artística com aparelhos.
  6. 6. FRIEDERICH LUDWING JAHN- CONT.  OBSTÁCULOS ARTIFICIAIS  APARELHOS DE GINÁSTICA  BARRAS PARALELAS CAVALO BARRA FIXA   APARELHOS EXCLUSIVAMENTE MASCULINOS
  7. 7. TURNEN
  8. 8. TURNEN  Organizadas a partir do ano de 1814;  Movimento ginástico constituído de festas gímnicas, que eram grandes encontros de massas, porém muito disciplinadas;  Forma de instrução física militar  Disseminação do patriotismo e moral
  9. 9. ADOLF SPIESS (1810- 1858)  Renascentista do método alemão de ginástica;  Ginástica na escola para ambos os sexos propõe que um período do dia seja dedicado ao exercício físico;  Preocupação de renovar o método de Guts Muths para aplicá- lo no ambiente escolar;  Esquematiza o sistema de ginástica escolar;
  10. 10. SISTEMA DE GINÁSTICA DE A. SPIESS  Características mecânicas e funcional;  Ginástica;como educação indivisível;  Perfeição do corpo,equilíbrio com a alma.
  11. 11. GINÁSTICA ALEMÃ NO BRASIL  A implantação da ginástica alemã no Brasil, ocorreu na primeira metade do século xx  Núcleos que conservavam os hábitos trazidos da terra natal;  Os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo foram os preferidos pelos alemães.  1860: O método alemão foi consagrado como método oficial do exército brasileiro;  1912: O método oficial foi substituído pelo método francês.  Escolas primárias:o método alemão não foi considerado pelos brasileiros como o mais adequado, sendo adotado o método sueco.
  12. 12. CONSIDERAÇÕES FINAIS  A ginástica Alemã caracterizou- se por um forte espírito nacionalista;  A partir do ano de 1870, a ginástica tinha orientações nacionalistas, socialistas, ultranacionalista e racista;  A ginástica passa a se aplicar na escola(investimento no corpo dos indivíduos atravéz da ginástica em massa);  Considera cada indivíduo como um soldado, que repete na disciplina um gesto idêntico;
  13. 13. CONSIDERAÇÕES FINAIS- CONT.  Exercício físico:aplicação realista das teorias que exaltam o desenvolvimento do homem universal;  Satisfaz necessidade prática/histórica, (proporciona instrução física para atender a unidade nacional em defesa da pátria).
  14. 14. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Carmen, Lúcia Soares. Educação Física Raízes Européias e Brasil. 4ª ed. Campinas/SP: Autores Associados, 1994.
  15. 15. VAMOS PARA PRÁTICA?

×