Feminismos em Quadrinhos

2.966 visualizações

Publicada em

DIA 09/10/2012 - Trabalho da 2ª mesa-redonda do SIMPÓSIO-GEFEM-UNB.

Feminismos em Quadrinhos

  1. 1. Feminismos emQuadrinhos, Re presentações Sociais Prof.ª Dr.ª Valéria Fernandes da Silva 10/9/2012 1
  2. 2. Mulheres Quadrinistas?•O Yellow Kid (1895) éconsiderado a primeiraHQ.•No entanto, Rose O’Neill(1874-1944) publicou seuprimeiro quadrinho algunsmeses antes.• Um dos equívocos noOcidente é acreditar quea indústria de quadrinhossempre foi masculina. 2
  3. 3. Ethel Hays criou a personagem Flapper Fanny em 1924.Utilizando um estilo art noveau, marcou época. Em 1931, atirinha passou a ser desenhada por outra mulher, Gladys Parker. 3
  4. 4. Mulheres Quadrinistas e a Guerra• As artistas americanaseram quase especialistasem quadrinhos infantis ousobre flappers.• Com a II Guerra, elas sefizeram presentes emtodas as áreas e tambémnos comics de ação. É ocaso de Wing Tips deRuth Atkinson. 4
  5. 5. A Mulher Maravilha•Em 1941, William M.Marston criou a primeirasuper-heroína a MulherMaravilha.• Durante váriosanos, ela foi a únicasuper-heroína adulta doscomics, com revistaprópri e sem a tutelamasculina. 5
  6. 6. • A questão do bondage tem sido utilizada para desqualificar a personagem. 10/9/2012 6
  7. 7. • No entanto, Batman, Super Homem também passaram pela mesma situação… e ainda passam. 10/9/2012 7
  8. 8. • Miss Fury foi a primeira super- heroína criadapor uma mulher.• Tarpe Mills foiresponsável pela personagem entre 1944-1949. Footer Text 10/9/2012 8
  9. 9. Backlash: Mulheres para Casa• Com o retorno dos homens daguerra, poucas permaneceram na indústria.Mesmo as comics de romance eram feitaspor homens. As meninas deixaram deinteressar como consumidoras e osquadrinhos femininos desaparecem. 9
  10. 10. Dados da Indústria em 2012Somente 11,2% dos profissionais da Marvel sãomulheres, dentre os desenhistas, elas são 1,3%;entre os roteiristas, elas representam 5%. 10/9/2012 10
  11. 11. Dados da Indústria em 2012Somente 9,9% dos profissionais da DC sãomulheres, dentre os desenhistas, elas são 2,8%;entre os roteiristas, elas representam 3%. 10/9/2012 11
  12. 12. A ausência das mulheres na indústria tem impactona forma como as mulheres são apresentadas nasHQs americanas. 10/9/2012 12
  13. 13. Marcas de Gênero associadas ao Feminino:• Sexualização;• Futilidade;• Debilidade física;• Infantilização;• Narcisismo;• Instabilidade emocional;• Irracionalidade; 10/9/2012 13
  14. 14. • Um dos pôsteres do filme Os Vingadores foi muitocriticado por reforçar estereótipos.
  15. 15. • A crítica feita pelo artista Kevin Bolk.
  16. 16. Graphic Memoirs• HQs autobiográficas têmservido como lugar desubjetivação, afirmação, retomada ou construçãode identidades.• É um terreno no qual asmulheres se destacam:Marguerite Abouet, AlisonBechdel, MarjaneSatrapi, Rosalind P.Penfold, Marisa Acocella 16
  17. 17. Graphic Memoirs• Em Aya de Yopougon, Marguerite Abouetretorna para a Costa do Marfim na década de1970, e discute questões de gênero,desconstruindo a idéia de África miserável quepovoa o imaginário Ocidental. 17
  18. 18. Graphic Memoirs• Alison Bechdel trouxepara os quadrinhosnorte americanos oolhar lesbiano. Suaobra mais conhecida éDykes to Watch Out For(1983-2008). NoBrasil, sua obra maisconhecida é Fun Home– Uma Tragicomédiaem Família (2006). 18
  19. 19. Graphic Memoirs Persepólis de Marjane Satrapi dá vida às suas memórias pessoais sobre a Revolução Islâmica de 1979 e a vida no Irã nos anos que se seguiram. 19
  20. 20. Mangá, uma outra história...• NoJapão, as mulheres produzem quadrinhospara o seu próprio consumo e há toda umaparcela do mercado que é direcionado parao público feminino, os shoujo mangá. 20 Morte de Maria Antonieta no mangá A Rosa de Versalhes ( ベルサイユのばら) de Riyoko Ikeda
  21. 21. • Os shoujo mangá não quadrinhos feministas, mas tratam de temas de interesse das mulheres e estão atentos aos temas contemporâneos.• São dezenas de títulos lançados todos os meses com as mais diferentes temáticas, abordagen s e diferentes 10/9/2012 21
  22. 22. • Há obras, como Confidential Confessions, de Momochi Reiko, trazem questões fministas e promovem o empoderamento das meninas. • Prostituição, bullying, estupro,assédio sexual, etc. são tratados no quadrinho 10/9/2012 22
  23. 23. • No Japão há muitas autoras e algumas produzem para revistas que não são voltadas para o público feminino.• Ainda assim, as leitoras as seguem e mangás como Hataraki-Man, de Moyoco Anno, são elogiados por abordarem de forma crível a difícil experiência das mulheres japonesas no mundo do trabalho. 10/9/2012 23
  24. 24. Joana D’Arc Uma releitura Feminista• As autoras Valérie Mangin e Jeanne Puchol lançaram este ano a graphic novel "Moi, Jeanne d’Arc" (“Eu, Joana D’Arc”). Footer Text 10/9/2012 24
  25. 25. • Valéria Fernandes• Contato: shoujofan@gmail.com• Shoujo Café: http://www.shoujo- cafe.com• Utilização permitida desde que citados os créditos.Footer Text 10/9/2012 25

×