Conceito de competência

2.805 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.805
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conceito de competência

  1. 1. Construindo CompetênciasO objectivo da Escola não deve ser só passar conteúdos, mas preparar - todos - para a vida na sociedade moderna
  2. 2. Conceito: Competência é a faculdade de mobilizar um conjunto de recursos cognitivos .(saberes,capacidades,informações etc) para solucionar com pertinência e eficácia uma série de situações.
  3. 3. Competência éO conjunto de Saberes em Acção: Saber - Saber Conhecimentos Saber - Fazer Capacidades Saber - Ser Atitudes
  4. 4. Competência: Saberes em Acção Conhecimentos Capacidades Atitudes
  5. 5. Segundo o Ministério da Educação• Não se trata de adicionar a um conjunto de conhecimentos um certo número de capacidades e atitudes, mas sim o promover o desenvolvimento integrado de capacidades e atitudes, que viabilizam a utilização dos conhecimentos em situações diversas, mais familiares ou menos familiares ao aluno.
  6. 6. Exemplos do quotidiano (1):• Saber Conduzir – mobiliza as capacidades de coordenação motora, ocular, os saberes de regras e sinais de trânsito• Saber orientar-se em uma cidade desconhecida - mobiliza as capacidades de ler um mapa, localizar- se, pedir informações ou e os saberes: ter noção de escala, elementos da topografia ou referências geográficas.
  7. 7. Exemplos do quotidiano (2):• Saber curar uma criança doente - mobiliza as capacidades de observar sinais fisiológicos, medir a temperatura, administrar um medicamento; e os saberes: identificar patologias e sintomas, primeiros socorros, terapias, os riscos, os remédios, os serviços médicos e farmacêuticos• Saber votar de acordo com seus interesses - mobiliza as capacidades de saber informar-se, preencher o impresso; e saberes: instituições políticas, processo de eleição, candidatos, partidos, programas políticos, políticas democráticas etc
  8. 8. Mas a verdade é que• As competências estão ligadas a contextos culturais, profissionais e condições sociais.• Os seres humanos desenvolvem competências adaptadas às suas realidade.Ex:• A vida nas cidades exige competências diferentes da vida nas florestas virgem.• Os pobres têm problemas diferentes dos ricos para resolver. . Algumas competências desenvolvem-se em grande parte na ESCOLA. Outras não!
  9. 9. Mas, na ESCOLA• Quando a Escola se preocupa em formar competências . dá prioridade a recursos.A Escola preocupa-se mais com ingredientes de certas competências, e bem menos em colocá-las em sinergia nas situações complexas.
  10. 10. Durante o Ensino BásicoAprende-se a ler, a escrever, a contar,mas também a raciocinar, a explicar, a resumir, a observar, a comparar, a desenhar e dúzias de outras capacidades gerais!Assimilam-se conhecimentos disciplinares,como matemática, história, ciências, geografia etc.
  11. 11. A Escola .Não tem a preocupação de ligar essesrecursos a certas situações da vida.Quando se pergunta porque se ensina isso ou aquilo, a justificação é geralmente baseada nas exigências da sequência do programa:• Ensina-se a contar para resolver problemas• Aprende-se gramática para redigir um texto .Quando se faz referência à vida, apresenta-se uma perspectiva muito generalista:• Aprende-se para se tornar um cidadão para ter um bom emprego
  12. 12. Há que entender que .• A transferência e a integração das capacidades e dos conhecimentos não caem do céu.É preciso trabalhá-las e treiná-las. Isto exige tempo, e etapas pedagógico-didáticas bem estruturadas.• Na escola não se trabalha suficientemente a transferência.• Os alunos acumulam saberes, passam nos exames, mas não conseguem mobilizar o que aprenderam em situações reais, no trabalho e fora dele (família, cidade, lazer etc)
  13. 13. Na realidade• A abordagem por competências é uma maneira de levar a sério uma problemática antiga – a de transferir conhecimentos.Isto não é dramático para quem faz estudos longos.É mais grave para quem frequentaa Escola apenas por alguns anos.
  14. 14. A luta é contra• O ensinar por ensinar• O marginalizar as referências às situações da vida• O NÃO “perder tempo” treinando a mobilização dos saberes para situações complexas.
  15. 15. A palavra de ordem é• A competência diz respeito ao processo de Activar Recursos• Não se pode falar em competência sem lhe associar o desenvolvimento de algum grau de autonomia em relação ao uso do saber.
  16. 16. Competências e Objectivos: o casamento necessário! Necessidade de Competências Competências definir ObjectivosCompetências Gerais (definidas Específicas Gerais e Específicos Essenciais para o Ensino (definidas por Básico) Área Disciplinar) • Cognitivos As Competências Gerais são operacionalizáveis nas diferentes • Comportamentais disciplinas, o que lhes dá um • Atitudinais carácter transversal.
  17. 17. Definição de Objectivos• Centrados no aluno;• Exequíveis;• Realistas;• Verbos no infinitivo;• O. Geral – Verbos mais abrangentes;• O. Específico – Verbos que permitam operacionalização, concretização, verificação;• Para cada O. Geral pelo menos 3 O. Específicos; (Saber, Ser, Fazer)
  18. 18. Nunca se esqueçam que o importante é que O aluno deve ser capaz de Aprender a Aprender . Aprender a Ser Feliz . Aprender a gostar de Aprender .
  19. 19. Para saber mais• http://www.unige.ch/fapse/SSE/teachers/ perrenoud/php_main/Perrenoud_livros_e _artigos.html Philippe Perrenoud é sociólogo suíço, professor na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação na Universidade de Genebra, autor de vários títulos importantes na área de formação de professores, hoje considerados leitura obrigatória para os profissionais do ensino.

×