SlideShare uma empresa Scribd logo
Uma Nova Escola
para uma Nova Época
Eduardo Chaves
Presidente, Instituto Lumiar
Consultor, Microsoft Educação
Março de 2008
A Necessidade de uma Nova Escola
• O processo de mudanças nos últimos 60 anos (+/-)
• Dois tipos de mudanças
• Umas acontecem dentro de um paradigma e, portanto,
são pequenas, lentas, graduais, superficiais, incrementais
• Outras subvertem paradigmas e, portanto, são maiores,
rápidas, súbitas, profundas, sistêmicas
Menor, lenta,
gradual, superficial,
incremental
Maior, rápida,
súbita, profunda,
sistêmica
Dentro de um
paradigma:
próxima da
prática atual
Subverte o
paradigma:
distante da
prática atual
REFORMA
TRANSFORMAÇÃO
A Natureza da Mudança e a Linha da Inovação
Adaptado de David Hargreaves, Education Epidemic
–
–
+
+
Alternativa para a Educação Escolar
• Realizar mudanças dentro do atual paradigma da escola,
ficando próximos da prática atual, reformando aspectos
não-fundamentais da escola
• Mudar o paradigma, transformando, pela inovação, a
própria instituição escolar – reinventar a escola
A Reinvenção da Escola
• Para reinventar a escola, são necessárias:
• Uma nova visão pedagógica
• Um jeito de ver as coisas:
• Educação
• Aprendizado
• Escola
• Uma nova prática pedagógica (coerente com a visão)
• Um jeito de fazer as coisas:
• Currículo, metodologia, avaliação
• Novos papéis pedagógicos
• Uso da tecnologia
• Forma de gestão
Visão Pedagógica: Educação
• Processo de desenvolvimento humano
• Forma: busca transformar a incompetência, dependência
e irresponsabilidade originais na criança na competência,
autonomia e responsabilidade características do adulto
• Substância: busca levar a criança a definir um “projeto de
vida” e a se capacitar para transformá-lo em realidade,
pois o ser humano não é totalmente programado -- o que
ele se torna é, em parte, questão de escolha e capacidade
• Competência, autonomia e responsabilidade não surgem
naturalmente, como parte do processo de crescimento e
amadurecimento: precisam ser adquiridas (construídas)
• A aprendizagem é o mecanismo que a natureza escolheu
para desenvolvê-las
Visão Pedagógica: Aprendizagem
• Construção e expansão de capacidades
• Aprender é se tornar capaz de fazer o que antes não se
conseguia fazer (Peter Senge, A Quinta Disciplina)
• Assim, aprender é um processo ativo de construir e / ou
expandir capacidades (desenvolver competências), não
um processo passivo de assimilar e acumular informações
• O processo de aprendizagem envolve:
• Observar outras pessoas fazendo coisas
• Desejar fazer essas coisas
• Tentar fazer essas coisas
• Não conseguir e receber “feedback” e apoio
• Tentar novamente
• Alcançar sucesso – e, talvez, se tornar um “expert”
Visão Pedagógica: Escola
• Ambiente formal e dedicado de aprendizagem, criado a
partir da complexificação da vida em sociedade
• Apesar disso, ela deve integrar-se a outros ambientes de
aprendizagem – não formais e não dedicados – existentes
na sociedade: o lar, a comunidade, igrejas, bibliotecas,
clubes, esportes, artes, as várias mídias, etc.
• Assim a escola deixará de ser um gueto e passará a ser
parte da vida e da experiência dos alunos – através de sua
integração com esses outros ambientes mais amplos (e,
talvez, mais eficazes) de aprendizagem que já fazem parte
da vida e da experiência dos alunos
Prática Pedagógica: “Mosaico”
• Ferramenta para integrar currículo, metodologia e
avaliação
• Currículo (o que aprender):
• Base: Competências e habilidades, não matérias escolares
• Foco: Construção de capacidade, desenvolvimento de
competências e habilidades
• Metodologia (como aprender):
• Ativa, foco em solução de problemas, baseada em projetos
• Avaliação (como aferir a aprendizagem):
• Forma: Baseada na observação constante do aluno, não
em testes e exames
• Foco: Centrada no desenvolvimento de competências , não
na posse de informações
Currículo: Matriz de Competências
• Competência:
• Capacidade de nível muito alto de mobilizar habilidades,
informações (conhecimentos), valores, e atitudes para
que produzam desempenho de alto nível, e com certa
naturalidade, nas ações que exigidas dentro de uma área
específica de atuação
• Competências básicas e especializadas :
• Básicas: exigidas para o mister de viver, enquanto tal, num
dado contexto sócio-histórico
• Especializadas: requeridas para projetos de vida específicos
• Exemplo: leitura e escrita são competências básicas hoje –
na Idade Média eram competências especializadas
Currículo: Matriz de Competências
• No currículo da Educação Básica (K-12), a ênfase deve
recair sobre o desenvolvimento de competências básicas
• Entretanto, crianças têm interesses e talentos diferentes
que devem ser respeitados (liberdade de aprender)
• Assim, não precisam desenvolver todas as competências
básica, nem desenvolver as competências escolhidas no
mesmo nível de profundidade
• A escola, de comum acordo com os pais, deve ajudar os
alunos a escolher áreas de concentração
• “Liberdade de aprender”: escolha de onde concentrar os
esforços, respeitadas as “competências inegociáveis”
Currículo: Matriz de Competências
• Uma forma de organizar as competências básicas é usar
os “Quatro Pilares da Educação” da UNESCO como mega-
competências e empregar as inteligências múltiplas de
Gardner como conjuntos de competências
• As mega-competências seriam:
• Pessoais (aprender a ser)
• Interpessoais (aprender a conviver, a viver junto)
• Cognitivas (aprender a saber, aprender a adquirir novas
competências sem necessidade da escola)
• Ativas (aprender a fazer, a agir, a empreender)
Currículo: Matriz de Competências
• Em quase todos os níveis da Educação Básica todas
essas categorias estão envolvidas
• Exemplo: no primeiro ciclo da Educação Fundamental
(idades 6-8) temos:
• Uma “sub-matriz” composta de competências de todas
as quatro mega-competências
• E, debaixo delas, competências verbais, numéricas,
lógicas, espaciais, musicais, artísticas (outras artes),
esportivas, interpessoais…
Currículo: Matriz de Competências
• Diferença entre escola democrática e escola libertária
(ou “laissez-faire”)
• A escola democrática deve respeitar a liberdade de
aprender do aluno, mas não pode abrir mão de sua
responsabilidade, como escola, de definir quais são
as competências cuja aprendizagem é inegociável
Metodologia: Problemas e Projetos
• A raça humana evoluiu enfrentando e solucionando
problemas
• Alguns probremas foram intelectuais: sua solução veio
na forma de teorias…
• Foi assim que surgiram a filosofia e a ciência (“pura”)
• Outros problemas foram práticos: sua solução veio na
forma de métodos, procedimentos, notações ou
ferramentas, instrumentos, equipamentos, etc.
• Foi assim que a ciência aplicada e a tecnologia evoluíram:
mesmo nossas linguagens e instituições são tecnologia
• Um projeto é uma tentativa deliberada e sistemática de
solucionar um problema: teórico ou prático
Metodologia: Problemas e Projetos
• O maior problema que qualquer pessoa enfrenta é
como viver sua vida
• Infelizmente, as escolas tradicionais dão muito pouca
atenção a esse problema
• O resultado é que aquilo que os alunos fazem na escola
não tem virtualmente nenhuma relevância para o seu
projeto de vida (ver o filme “Céu de Outubro”)
• Para enfrentar esse maior problema de todos os alunos
precisam praticar em problemas menores – mas mesmo
esses precisam ser relacionados aos seus interesses e,
oportunamente, ao seu projeto de vida
Metodologia: Problemas e Projetos
• Dois princípios que governam a aprendizagem através
de projetos
• Há sempres múltiplas formas de aprender algo – i.e., de
desenvolver uma competência
• Quando tentamos deliberadamente aprender algo, nós,
em regra, aprendemos várias outras coisas ao lado
• Por causa desses dois princípios, é possível deixar que
os alunos escolham os projetos que lhes interessam –
i.e., que correspondem a problemas que eles gostariam
de solucionar – e, ao mesmo tempo, ter certeza de que,
com a orientação correta, eles vão aprender, também, o
que precisam aprender, como sub-produtos
Metodologia: Problemas e Projetos
• A escola democrática não fica esperando que os alunos
encontrem problemas que gostariam de solucionar: ela
lhes oferece uma ampla escolha de problemas que eles
podem selecionar em diferentes áreas
• Para fazer isso a escola deve manter um rico Banco de
Projetos – em que são descritas as competências que
cada um envolvido em cada projeto vai desenvolver –
com o nome das pessoas que podem oferecê-los
• Os projetos oferecidos são renovados periodicamente,
dando aos alunos ampla oportunidade de escolher, sob
a orientação dos profissionais pedagógicos e dos pais,
que projetos vão contratar
Avaliação: O Porfólio de Aprendizagem
• O Portfólio de Aprendizagem do Aluno deve, a qualquer
tempo, para cada aluno:
• Sua avaliação inicial, que mapeia as competências que já
possui ao entrar na escola nas várias mega-competências
• Uma indicação de seus interesses, talentos especiais e
eventuais fraquezas – com vistas à oportuna definição de
sua projeto de vida, e, portanto, das áreas em que ele
poderá desejar concentrar sua atenção (ou evitar))
• As competências desenvolvidas em cada projeto de que
ele participou
• As competências desenvolvidas em atividades extra-
curriculares em que ele se envolveu, em especial na
Assembléia da Escola
Novos Papéis Pedagógicos
• O professor da escola convencional é “dividido em dois”
na nova escola:
• Um atua como mentor, conselheiro e orientador para um
grupo de alunos de um mesmo ciclo de estudos (3-5, 6-8,
9-11, 12-14 anos), e permanece com eles enquanto eles
estiverem naquele ciclo: ele é profissional pedagógico
permanente e em tempo integral
• Outro atua como facilitador da aprendizagem, elaborando
ou supervisionando projetos de aprendizagem, garantindo
que os alunos participem dos projetos que contratam e
aprendam o que se espera nos projetos: ele não é um
profissional permamente nem em tempo integral, sendo
requisitado à medida da necessidade
Novos Papéis Pedagógicos: O Mentor
• O primeiro dos dois profissionais tem as seguintes
atribuições na área pedagógica:
• Fazer a avaliação inicial do aluno que vai ficar sob sua
responsabilidade e cuidado
• Supervisionar o aluno o tempo todo, dando-lhe as boas
vindas diariamente, servindo de contato para qualquer
eventualidade, interagindo e dialogando com ele sobre
suas atividades, e entregando-o aos pais no final do dia
• Avaliar formalmente o aluno a cada dois meses com base
em suas observações, nas discussões e conversas com o
aluno, e nos relatórios de avaliação de seu desempenho
nos projetos contratados
Novos Papéis Pedagógicos: O Mestre
• O segundo dos dois profissionais pedagógicos tem as
seguintes atribuições:
• Planejar, desenvolver, cadastrar e coordenar projetos de
aprendizagem voltados para os alunos
• Assegurar-se de que os alunos que participem de seus
projetos façam as atividades que se comprometeram
realizar, quando contrataram o projeto
• Assegurar-se de que os alunos aprendem o que devem
quando participam das atividades dos projetos, i.e., que
desenvolvem as competências que a participação no
projeto prevê que desenvolvam
A Tecnologia
• A tecnologia tem duas funções pedagógicas essenciais
na nova escola:
• Ferramenta de aprendizagem
• Ferramenta de gestão da aprendizagem
Tecnologia: Ferramenta de Aprendizagem
• Pressuposto: cada aluno deve ter acesso ao seu próprio
computador, sempre que necessário
• Objetivos do uso:
• Buscar informações (pesquisa)
• Armazenar e organizar informações (gestão)
• Analisar e avaliar informações (reflexão crítica)
• Aplicar informações na solução de problemas (ação)
• Compartilhar informações (comunicação unidirecional)
• Discutir e interagir com mentores , mestres e colegas
(diálogo e discussão crítica)
• Foco: sua aprendizagem, seu desenvolvimento, isto é, a
definição e o desenvolvimento de seu projeto de vida
Tecnologia: Gestão da Aprendizagem
• As duas principais ferramentas aqui são:
• O Mosaico Digital (Digital Mosaic)
• O Portal da Aprendizagem (Learning Gateway)
Tecnologia: O Mosaico Digital
• O Mosaico Digital é um software que permite e facilita a
integração dos seguintes componentes pedagógicos:
• Matriz de Competências
• Banco de Projetos
• Portfólio de Aprendizagem dos Alunos
• O Mosaico Digital automaticamente faz conexões entre
os projetos de aprendizagem e as competências que são
desenvolvidas através deles e entre o as atividades dos
alunos nos projetos com as competências inegociáveis e
com aquelas exigidas para seu projeto de vida
• O Mosaico Digital apresenta, a cada momento, uma
fotografia do desenvolvimento do aluno
Tecnologia: O Portal da Aprendizagem
• O Portal da Aprendizagem é o Sistema de Informações,
Comunicação e Gestão de Documentos da escola
• Ele é voltado para suprir as necessidades da direção da
escola, dos mentores e mestres, dos alunos e dos seus
pais
• Cada usuário tem acesso que lhe permite visualizar as
informações e atividades que lhe dizem respeito
• Os pais visualizam as informações acerca dos projetos
que estão sendo e serão oferecidos, informações de
seus filhos que estes definem como públicas, bem como
informações de natureza geral de seu interesse
A Forma de Gestão Democrática
• Para desenvolver as competências necessárias para
atuar como cidadãos nums sociedade democrática,
os alunos precisam atuar democraticamente dentro
da escola: a Assembléia Geral possibilita isso
• Todo mundo que deseja participa – a pauta é feita com
indicações de todos e é distribuída antecipadamente
• A Assembléia é o forum para discutir qualquer questão
relacionada à vida em comum e é deliberativa
• A Assembléia deve lidar também com questões relativas
à disciplina – normas e punições
• A Assembléia não é só ferramenta de gestão: também é
local importante de aprendizagem para os alunos
Observações Finais
• A escola do futuro precisa:
• Ser integrada à vida e democrática
• Levar a sério diferenças e interesses individuais
• Respeitar a liberdade de aprender dos alunos
• Dar atenção personalizada aos alunos
• Ao mesmo tempo, garantir que os alunos desenvolvem as
competências e as habilidades que a sociedade do Século
XXI requer e espera deles
Obrigado!
Eduardo Chaves
eduardo@chaves.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2aninhaw2
 
Diferenciação - um Racional de Participação numa Escola com Todos
Diferenciação - um Racional de Participação numa Escola com TodosDiferenciação - um Racional de Participação numa Escola com Todos
Diferenciação - um Racional de Participação numa Escola com TodosJoaquim Colôa
 
Diferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógicaDiferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógicaIdalina Jorge
 
PROJECTO EFA
PROJECTO EFAPROJECTO EFA
PROJECTO EFAinnog
 
Pré-Popjeto FpCJ
Pré-Popjeto FpCJPré-Popjeto FpCJ
Pré-Popjeto FpCJAnaKlein1
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012SMEdeItabaianinha
 
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPACDesafios da Educação
 
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptCefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptEduardo Barbosa
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...rosemaralopes
 
50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o ano50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o anoeliasdemoch
 
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivoViotto advocacia
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetoscinthyamoita
 
Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)Lauri Rene Reis Filho
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Pptroquematoso
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Pptroquematoso
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOguest04f18b
 

Mais procurados (20)

O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
O desafio do aprendiz autônomo no processo de construção do conhecimento.2
 
Diferenciação - um Racional de Participação numa Escola com Todos
Diferenciação - um Racional de Participação numa Escola com TodosDiferenciação - um Racional de Participação numa Escola com Todos
Diferenciação - um Racional de Participação numa Escola com Todos
 
Diferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógicaDiferenciação pedagógica
Diferenciação pedagógica
 
PROJECTO EFA
PROJECTO EFAPROJECTO EFA
PROJECTO EFA
 
Pré-Popjeto FpCJ
Pré-Popjeto FpCJPré-Popjeto FpCJ
Pré-Popjeto FpCJ
 
Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012Novas formas de ensinar 06.03.2012
Novas formas de ensinar 06.03.2012
 
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
"A nova sala de aula", por Gustavo Hoffmann - UNIPAC
 
O Desafio de ser um professor reflexivo
O Desafio de ser um professor reflexivoO Desafio de ser um professor reflexivo
O Desafio de ser um professor reflexivo
 
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na eptCefet   mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
Cefet mg - 2013 - métodos e tecnicas de ensino na ept
 
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de BiologiaInovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
 
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
METODOLOGIAS ATIVAS, TECNOLOGIAS DA WEB 2.0 E FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSIT...
 
50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o ano50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o ano
 
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 
Relatório de alisângela considerações finais
Relatório de alisângela considerações finaisRelatório de alisângela considerações finais
Relatório de alisângela considerações finais
 
Tics metprojetos
Tics metprojetosTics metprojetos
Tics metprojetos
 
Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)Celso vasconcellos superação da lógica (1)
Celso vasconcellos superação da lógica (1)
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
 
Pedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos PptPedagogiadeprojetos Ppt
Pedagogiadeprojetos Ppt
 
PROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICOPROJETO PEDAGOGICO
PROJETO PEDAGOGICO
 

Destaque

TwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social Media
TwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social MediaTwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social Media
TwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social MediaTom Caswell
 
Pit mobilization : remediation : recovery application flow diagram
Pit mobilization : remediation : recovery  application flow diagram Pit mobilization : remediation : recovery  application flow diagram
Pit mobilization : remediation : recovery application flow diagram Randy Brawn
 
Formative assessment
Formative assessmentFormative assessment
Formative assessmentKellyh84
 
Aect2008: Web2.0 To Support Teaching and Learning
Aect2008: Web2.0 To Support Teaching and LearningAect2008: Web2.0 To Support Teaching and Learning
Aect2008: Web2.0 To Support Teaching and LearningTom Caswell
 
于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)
于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)
于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)科幻嘴泡
 

Destaque (8)

TwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social Media
TwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social MediaTwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social Media
TwHistory: Creating Collaborative Historical Narratives with Social Media
 
Pit mobilization : remediation : recovery application flow diagram
Pit mobilization : remediation : recovery  application flow diagram Pit mobilization : remediation : recovery  application flow diagram
Pit mobilization : remediation : recovery application flow diagram
 
Formative assessment
Formative assessmentFormative assessment
Formative assessment
 
Aect2008: Web2.0 To Support Teaching and Learning
Aect2008: Web2.0 To Support Teaching and LearningAect2008: Web2.0 To Support Teaching and Learning
Aect2008: Web2.0 To Support Teaching and Learning
 
于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)
于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)
于立平 Peopo新聞觀點演講 (Pp Tshare)
 
Chapter 12
Chapter 12Chapter 12
Chapter 12
 
What kind of exercise therapy can be recommended in PwMS?
What kind of exercise therapy can be recommended in PwMS?What kind of exercise therapy can be recommended in PwMS?
What kind of exercise therapy can be recommended in PwMS?
 
2008
20082008
2008
 

Semelhante a Oi futuro

Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)Alessandro Almeida
 
Construcao curricular democrática
Construcao curricular democráticaConstrucao curricular democrática
Construcao curricular democráticaJulci Rocha
 
Construcao curricular democrática
Construcao curricular democráticaConstrucao curricular democrática
Construcao curricular democráticaJulci Rocha
 
Isabel alarcão
Isabel alarcãoIsabel alarcão
Isabel alarcãoNayboa
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escolagindri
 
9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professor9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professorClaudio Lima
 
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5Rute Pereira
 
Replanejamento ee milton silva rodrigues
Replanejamento ee milton silva rodriguesReplanejamento ee milton silva rodrigues
Replanejamento ee milton silva rodriguestelasnorte1
 
PNAIC - Unidade 8 sintese
PNAIC - Unidade 8   sintesePNAIC - Unidade 8   sintese
PNAIC - Unidade 8 sinteseElieneDias
 
Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...
Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...
Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...Gabriel Cardoso
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]UNICEP
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoSimone Mendes Dos Santos
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)Simone Mendes Dos Santos
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfNatalia384006
 
Cadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projeto
Cadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projetoCadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projeto
Cadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projetoNasser Mohamad
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundojaniteacher Simoes
 
Ppt eletivas-see hotsite (1)
Ppt eletivas-see hotsite (1)Ppt eletivas-see hotsite (1)
Ppt eletivas-see hotsite (1)Fatima Luzs
 
metodologias-ativas_eja_slides.pdf
metodologias-ativas_eja_slides.pdfmetodologias-ativas_eja_slides.pdf
metodologias-ativas_eja_slides.pdfFrancisMaryRosa2
 

Semelhante a Oi futuro (20)

Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)
Gestão de Projetos e Empreendedorismo (22/05/2013)
 
Construcao curricular democrática
Construcao curricular democráticaConstrucao curricular democrática
Construcao curricular democrática
 
Construcao curricular democrática
Construcao curricular democráticaConstrucao curricular democrática
Construcao curricular democrática
 
Isabel alarcão
Isabel alarcãoIsabel alarcão
Isabel alarcão
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
 
9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professor9. as formas de planejar do professor
9. as formas de planejar do professor
 
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
Disciplina fundamentos da educação especial e inclusiva aula 4 e 5
 
Replanejamento ee milton silva rodrigues
Replanejamento ee milton silva rodriguesReplanejamento ee milton silva rodrigues
Replanejamento ee milton silva rodrigues
 
PNAIC - Unidade 8 sintese
PNAIC - Unidade 8   sintesePNAIC - Unidade 8   sintese
PNAIC - Unidade 8 sintese
 
Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...
Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...
Metodologias ativas na educação empreendedora: um caso na disciplina de Inova...
 
Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]Planejamento de ensino[1]
Planejamento de ensino[1]
 
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
 
Cadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projeto
Cadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projetoCadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projeto
Cadernos de Formação 01 - um primeiro olhar sobre o projeto
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundo
 
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superiorPrática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
Prática pedagógica:a relação professor-aluno no ensino superior
 
Ppt eletivas-see hotsite (1)
Ppt eletivas-see hotsite (1)Ppt eletivas-see hotsite (1)
Ppt eletivas-see hotsite (1)
 
metodologias-ativas_eja_slides.pdf
metodologias-ativas_eja_slides.pdfmetodologias-ativas_eja_slides.pdf
metodologias-ativas_eja_slides.pdf
 

Mais de Eduardo Chaves

reformar ou transformar a educacao
reformar ou transformar a educacaoreformar ou transformar a educacao
reformar ou transformar a educacaoEduardo Chaves
 
Reinvent the School or Deschool Education?
Reinvent the School or Deschool Education? Reinvent the School or Deschool Education?
Reinvent the School or Deschool Education? Eduardo Chaves
 
Andreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de Lutero
Andreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de LuteroAndreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de Lutero
Andreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de LuteroEduardo Chaves
 
"O Impacto da Reforma na Cultura"
"O Impacto da Reforma na Cultura""O Impacto da Reforma na Cultura"
"O Impacto da Reforma na Cultura"Eduardo Chaves
 
EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2
EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2
EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2Eduardo Chaves
 
Caminhos para a Educação
Caminhos para a Educação Caminhos para a Educação
Caminhos para a Educação Eduardo Chaves
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)Eduardo Chaves
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)Eduardo Chaves
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)Eduardo Chaves
 
Reform or Innovation in Education?
Reform or Innovation in Education? Reform or Innovation in Education?
Reform or Innovation in Education? Eduardo Chaves
 
EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2
EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2
EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2Eduardo Chaves
 
Educação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da Tecnologia
Educação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da TecnologiaEducação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da Tecnologia
Educação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da TecnologiaEduardo Chaves
 
A Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao TeologicaA Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao TeologicaEduardo Chaves
 
A Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao TeologicaA Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao TeologicaEduardo Chaves
 
Educação, Sonhos e Felicidade
Educação, Sonhos e FelicidadeEducação, Sonhos e Felicidade
Educação, Sonhos e FelicidadeEduardo Chaves
 
Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116
Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116
Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116Eduardo Chaves
 
Tecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins Confusos
Tecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins ConfusosTecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins Confusos
Tecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins ConfusosEduardo Chaves
 
Education: Dreams, Passion, Competence
Education: Dreams, Passion, CompetenceEducation: Dreams, Passion, Competence
Education: Dreams, Passion, CompetenceEduardo Chaves
 

Mais de Eduardo Chaves (20)

Unisal - 2020
Unisal - 2020Unisal - 2020
Unisal - 2020
 
reformar ou transformar a educacao
reformar ou transformar a educacaoreformar ou transformar a educacao
reformar ou transformar a educacao
 
ESALQ
ESALQESALQ
ESALQ
 
Reinvent the School or Deschool Education?
Reinvent the School or Deschool Education? Reinvent the School or Deschool Education?
Reinvent the School or Deschool Education?
 
Andreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de Lutero
Andreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de LuteroAndreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de Lutero
Andreas von Karlstadt: Reformador do Pensamento de Lutero
 
"O Impacto da Reforma na Cultura"
"O Impacto da Reforma na Cultura""O Impacto da Reforma na Cultura"
"O Impacto da Reforma na Cultura"
 
EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2
EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2
EC-Educacao - SLIDES - FGV-EAESP - 20161201-v2
 
Caminhos para a Educação
Caminhos para a Educação Caminhos para a Educação
Caminhos para a Educação
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 1 (2016)
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 2 (2016)
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
 
Reform or Innovation in Education?
Reform or Innovation in Education? Reform or Innovation in Education?
Reform or Innovation in Education?
 
EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2
EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2
EC-Educacao Mudanca e Inovacao - IFSP - Capivari - 20160504 - v2
 
Educação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da Tecnologia
Educação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da TecnologiaEducação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da Tecnologia
Educação, Mudança e Inovação: O Papel do Professor e da Tecnologia
 
A Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao TeologicaA Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao Teologica
 
A Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao TeologicaA Tecnologia e a Educacao Teologica
A Tecnologia e a Educacao Teologica
 
Educação, Sonhos e Felicidade
Educação, Sonhos e FelicidadeEducação, Sonhos e Felicidade
Educação, Sonhos e Felicidade
 
Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116
Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116
Educacao, Mudanca e Inovacao - InovaEduca - 20151116
 
Tecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins Confusos
Tecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins ConfusosTecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins Confusos
Tecnologia e Educação: Meios Poderosos e Fins Confusos
 
Education: Dreams, Passion, Competence
Education: Dreams, Passion, CompetenceEducation: Dreams, Passion, Competence
Education: Dreams, Passion, Competence
 

Oi futuro

  • 1. Uma Nova Escola para uma Nova Época Eduardo Chaves Presidente, Instituto Lumiar Consultor, Microsoft Educação Março de 2008
  • 2. A Necessidade de uma Nova Escola • O processo de mudanças nos últimos 60 anos (+/-) • Dois tipos de mudanças • Umas acontecem dentro de um paradigma e, portanto, são pequenas, lentas, graduais, superficiais, incrementais • Outras subvertem paradigmas e, portanto, são maiores, rápidas, súbitas, profundas, sistêmicas
  • 3. Menor, lenta, gradual, superficial, incremental Maior, rápida, súbita, profunda, sistêmica Dentro de um paradigma: próxima da prática atual Subverte o paradigma: distante da prática atual REFORMA TRANSFORMAÇÃO A Natureza da Mudança e a Linha da Inovação Adaptado de David Hargreaves, Education Epidemic – – + +
  • 4. Alternativa para a Educação Escolar • Realizar mudanças dentro do atual paradigma da escola, ficando próximos da prática atual, reformando aspectos não-fundamentais da escola • Mudar o paradigma, transformando, pela inovação, a própria instituição escolar – reinventar a escola
  • 5. A Reinvenção da Escola • Para reinventar a escola, são necessárias: • Uma nova visão pedagógica • Um jeito de ver as coisas: • Educação • Aprendizado • Escola • Uma nova prática pedagógica (coerente com a visão) • Um jeito de fazer as coisas: • Currículo, metodologia, avaliação • Novos papéis pedagógicos • Uso da tecnologia • Forma de gestão
  • 6. Visão Pedagógica: Educação • Processo de desenvolvimento humano • Forma: busca transformar a incompetência, dependência e irresponsabilidade originais na criança na competência, autonomia e responsabilidade características do adulto • Substância: busca levar a criança a definir um “projeto de vida” e a se capacitar para transformá-lo em realidade, pois o ser humano não é totalmente programado -- o que ele se torna é, em parte, questão de escolha e capacidade • Competência, autonomia e responsabilidade não surgem naturalmente, como parte do processo de crescimento e amadurecimento: precisam ser adquiridas (construídas) • A aprendizagem é o mecanismo que a natureza escolheu para desenvolvê-las
  • 7. Visão Pedagógica: Aprendizagem • Construção e expansão de capacidades • Aprender é se tornar capaz de fazer o que antes não se conseguia fazer (Peter Senge, A Quinta Disciplina) • Assim, aprender é um processo ativo de construir e / ou expandir capacidades (desenvolver competências), não um processo passivo de assimilar e acumular informações • O processo de aprendizagem envolve: • Observar outras pessoas fazendo coisas • Desejar fazer essas coisas • Tentar fazer essas coisas • Não conseguir e receber “feedback” e apoio • Tentar novamente • Alcançar sucesso – e, talvez, se tornar um “expert”
  • 8. Visão Pedagógica: Escola • Ambiente formal e dedicado de aprendizagem, criado a partir da complexificação da vida em sociedade • Apesar disso, ela deve integrar-se a outros ambientes de aprendizagem – não formais e não dedicados – existentes na sociedade: o lar, a comunidade, igrejas, bibliotecas, clubes, esportes, artes, as várias mídias, etc. • Assim a escola deixará de ser um gueto e passará a ser parte da vida e da experiência dos alunos – através de sua integração com esses outros ambientes mais amplos (e, talvez, mais eficazes) de aprendizagem que já fazem parte da vida e da experiência dos alunos
  • 9. Prática Pedagógica: “Mosaico” • Ferramenta para integrar currículo, metodologia e avaliação • Currículo (o que aprender): • Base: Competências e habilidades, não matérias escolares • Foco: Construção de capacidade, desenvolvimento de competências e habilidades • Metodologia (como aprender): • Ativa, foco em solução de problemas, baseada em projetos • Avaliação (como aferir a aprendizagem): • Forma: Baseada na observação constante do aluno, não em testes e exames • Foco: Centrada no desenvolvimento de competências , não na posse de informações
  • 10. Currículo: Matriz de Competências • Competência: • Capacidade de nível muito alto de mobilizar habilidades, informações (conhecimentos), valores, e atitudes para que produzam desempenho de alto nível, e com certa naturalidade, nas ações que exigidas dentro de uma área específica de atuação • Competências básicas e especializadas : • Básicas: exigidas para o mister de viver, enquanto tal, num dado contexto sócio-histórico • Especializadas: requeridas para projetos de vida específicos • Exemplo: leitura e escrita são competências básicas hoje – na Idade Média eram competências especializadas
  • 11. Currículo: Matriz de Competências • No currículo da Educação Básica (K-12), a ênfase deve recair sobre o desenvolvimento de competências básicas • Entretanto, crianças têm interesses e talentos diferentes que devem ser respeitados (liberdade de aprender) • Assim, não precisam desenvolver todas as competências básica, nem desenvolver as competências escolhidas no mesmo nível de profundidade • A escola, de comum acordo com os pais, deve ajudar os alunos a escolher áreas de concentração • “Liberdade de aprender”: escolha de onde concentrar os esforços, respeitadas as “competências inegociáveis”
  • 12. Currículo: Matriz de Competências • Uma forma de organizar as competências básicas é usar os “Quatro Pilares da Educação” da UNESCO como mega- competências e empregar as inteligências múltiplas de Gardner como conjuntos de competências • As mega-competências seriam: • Pessoais (aprender a ser) • Interpessoais (aprender a conviver, a viver junto) • Cognitivas (aprender a saber, aprender a adquirir novas competências sem necessidade da escola) • Ativas (aprender a fazer, a agir, a empreender)
  • 13. Currículo: Matriz de Competências • Em quase todos os níveis da Educação Básica todas essas categorias estão envolvidas • Exemplo: no primeiro ciclo da Educação Fundamental (idades 6-8) temos: • Uma “sub-matriz” composta de competências de todas as quatro mega-competências • E, debaixo delas, competências verbais, numéricas, lógicas, espaciais, musicais, artísticas (outras artes), esportivas, interpessoais…
  • 14. Currículo: Matriz de Competências • Diferença entre escola democrática e escola libertária (ou “laissez-faire”) • A escola democrática deve respeitar a liberdade de aprender do aluno, mas não pode abrir mão de sua responsabilidade, como escola, de definir quais são as competências cuja aprendizagem é inegociável
  • 15. Metodologia: Problemas e Projetos • A raça humana evoluiu enfrentando e solucionando problemas • Alguns probremas foram intelectuais: sua solução veio na forma de teorias… • Foi assim que surgiram a filosofia e a ciência (“pura”) • Outros problemas foram práticos: sua solução veio na forma de métodos, procedimentos, notações ou ferramentas, instrumentos, equipamentos, etc. • Foi assim que a ciência aplicada e a tecnologia evoluíram: mesmo nossas linguagens e instituições são tecnologia • Um projeto é uma tentativa deliberada e sistemática de solucionar um problema: teórico ou prático
  • 16. Metodologia: Problemas e Projetos • O maior problema que qualquer pessoa enfrenta é como viver sua vida • Infelizmente, as escolas tradicionais dão muito pouca atenção a esse problema • O resultado é que aquilo que os alunos fazem na escola não tem virtualmente nenhuma relevância para o seu projeto de vida (ver o filme “Céu de Outubro”) • Para enfrentar esse maior problema de todos os alunos precisam praticar em problemas menores – mas mesmo esses precisam ser relacionados aos seus interesses e, oportunamente, ao seu projeto de vida
  • 17. Metodologia: Problemas e Projetos • Dois princípios que governam a aprendizagem através de projetos • Há sempres múltiplas formas de aprender algo – i.e., de desenvolver uma competência • Quando tentamos deliberadamente aprender algo, nós, em regra, aprendemos várias outras coisas ao lado • Por causa desses dois princípios, é possível deixar que os alunos escolham os projetos que lhes interessam – i.e., que correspondem a problemas que eles gostariam de solucionar – e, ao mesmo tempo, ter certeza de que, com a orientação correta, eles vão aprender, também, o que precisam aprender, como sub-produtos
  • 18. Metodologia: Problemas e Projetos • A escola democrática não fica esperando que os alunos encontrem problemas que gostariam de solucionar: ela lhes oferece uma ampla escolha de problemas que eles podem selecionar em diferentes áreas • Para fazer isso a escola deve manter um rico Banco de Projetos – em que são descritas as competências que cada um envolvido em cada projeto vai desenvolver – com o nome das pessoas que podem oferecê-los • Os projetos oferecidos são renovados periodicamente, dando aos alunos ampla oportunidade de escolher, sob a orientação dos profissionais pedagógicos e dos pais, que projetos vão contratar
  • 19. Avaliação: O Porfólio de Aprendizagem • O Portfólio de Aprendizagem do Aluno deve, a qualquer tempo, para cada aluno: • Sua avaliação inicial, que mapeia as competências que já possui ao entrar na escola nas várias mega-competências • Uma indicação de seus interesses, talentos especiais e eventuais fraquezas – com vistas à oportuna definição de sua projeto de vida, e, portanto, das áreas em que ele poderá desejar concentrar sua atenção (ou evitar)) • As competências desenvolvidas em cada projeto de que ele participou • As competências desenvolvidas em atividades extra- curriculares em que ele se envolveu, em especial na Assembléia da Escola
  • 20. Novos Papéis Pedagógicos • O professor da escola convencional é “dividido em dois” na nova escola: • Um atua como mentor, conselheiro e orientador para um grupo de alunos de um mesmo ciclo de estudos (3-5, 6-8, 9-11, 12-14 anos), e permanece com eles enquanto eles estiverem naquele ciclo: ele é profissional pedagógico permanente e em tempo integral • Outro atua como facilitador da aprendizagem, elaborando ou supervisionando projetos de aprendizagem, garantindo que os alunos participem dos projetos que contratam e aprendam o que se espera nos projetos: ele não é um profissional permamente nem em tempo integral, sendo requisitado à medida da necessidade
  • 21. Novos Papéis Pedagógicos: O Mentor • O primeiro dos dois profissionais tem as seguintes atribuições na área pedagógica: • Fazer a avaliação inicial do aluno que vai ficar sob sua responsabilidade e cuidado • Supervisionar o aluno o tempo todo, dando-lhe as boas vindas diariamente, servindo de contato para qualquer eventualidade, interagindo e dialogando com ele sobre suas atividades, e entregando-o aos pais no final do dia • Avaliar formalmente o aluno a cada dois meses com base em suas observações, nas discussões e conversas com o aluno, e nos relatórios de avaliação de seu desempenho nos projetos contratados
  • 22. Novos Papéis Pedagógicos: O Mestre • O segundo dos dois profissionais pedagógicos tem as seguintes atribuições: • Planejar, desenvolver, cadastrar e coordenar projetos de aprendizagem voltados para os alunos • Assegurar-se de que os alunos que participem de seus projetos façam as atividades que se comprometeram realizar, quando contrataram o projeto • Assegurar-se de que os alunos aprendem o que devem quando participam das atividades dos projetos, i.e., que desenvolvem as competências que a participação no projeto prevê que desenvolvam
  • 23. A Tecnologia • A tecnologia tem duas funções pedagógicas essenciais na nova escola: • Ferramenta de aprendizagem • Ferramenta de gestão da aprendizagem
  • 24. Tecnologia: Ferramenta de Aprendizagem • Pressuposto: cada aluno deve ter acesso ao seu próprio computador, sempre que necessário • Objetivos do uso: • Buscar informações (pesquisa) • Armazenar e organizar informações (gestão) • Analisar e avaliar informações (reflexão crítica) • Aplicar informações na solução de problemas (ação) • Compartilhar informações (comunicação unidirecional) • Discutir e interagir com mentores , mestres e colegas (diálogo e discussão crítica) • Foco: sua aprendizagem, seu desenvolvimento, isto é, a definição e o desenvolvimento de seu projeto de vida
  • 25. Tecnologia: Gestão da Aprendizagem • As duas principais ferramentas aqui são: • O Mosaico Digital (Digital Mosaic) • O Portal da Aprendizagem (Learning Gateway)
  • 26. Tecnologia: O Mosaico Digital • O Mosaico Digital é um software que permite e facilita a integração dos seguintes componentes pedagógicos: • Matriz de Competências • Banco de Projetos • Portfólio de Aprendizagem dos Alunos • O Mosaico Digital automaticamente faz conexões entre os projetos de aprendizagem e as competências que são desenvolvidas através deles e entre o as atividades dos alunos nos projetos com as competências inegociáveis e com aquelas exigidas para seu projeto de vida • O Mosaico Digital apresenta, a cada momento, uma fotografia do desenvolvimento do aluno
  • 27. Tecnologia: O Portal da Aprendizagem • O Portal da Aprendizagem é o Sistema de Informações, Comunicação e Gestão de Documentos da escola • Ele é voltado para suprir as necessidades da direção da escola, dos mentores e mestres, dos alunos e dos seus pais • Cada usuário tem acesso que lhe permite visualizar as informações e atividades que lhe dizem respeito • Os pais visualizam as informações acerca dos projetos que estão sendo e serão oferecidos, informações de seus filhos que estes definem como públicas, bem como informações de natureza geral de seu interesse
  • 28. A Forma de Gestão Democrática • Para desenvolver as competências necessárias para atuar como cidadãos nums sociedade democrática, os alunos precisam atuar democraticamente dentro da escola: a Assembléia Geral possibilita isso • Todo mundo que deseja participa – a pauta é feita com indicações de todos e é distribuída antecipadamente • A Assembléia é o forum para discutir qualquer questão relacionada à vida em comum e é deliberativa • A Assembléia deve lidar também com questões relativas à disciplina – normas e punições • A Assembléia não é só ferramenta de gestão: também é local importante de aprendizagem para os alunos
  • 29. Observações Finais • A escola do futuro precisa: • Ser integrada à vida e democrática • Levar a sério diferenças e interesses individuais • Respeitar a liberdade de aprender dos alunos • Dar atenção personalizada aos alunos • Ao mesmo tempo, garantir que os alunos desenvolvem as competências e as habilidades que a sociedade do Século XXI requer e espera deles