Ciclo do Ouro

10.286 visualizações

Publicada em

Renato Pacheco, 2M3 de 2011

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.286
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
305
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ciclo do Ouro

  1. 1. O ciclo do ouro no Brasil G2 turma 2M3
  2. 2. Como foram achadas as minas <ul><li>No final do século XVII, as exportações de açúcar brasileiro começaram a diminuir. Isto ocorreu, pois a Holanda havia começado a produzir este produto nas ilhas da América Central. Com preços mais baixos e boa qualidade, o mercado consumidor europeu passou a dar preferência para o açúcar holandês. O ouro foi descoberto pelos bandeirantes paulistas. Os portugueses sempre tentaram encontrar, mas só era encontradas em pequenas quantidades, a grande mina foi descoberta pelos bandeirantes . </li></ul>
  3. 3. As primeiras minas importantes foram descobertas onde hoje está a cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais. Quando a noticia de que o ouro tinha sido descoberto milhares de pessoas foram para aquela região. Outras descobertas de ouro foram feitas pelos bandeirantes paulistas, na região onde hoje ficam os estados de Mato Grosso e Goiás .
  4. 4. Guerra dos emboabas <ul><li>A Guerra dos Emboabas foi um confronto travado de 1707 a 1709, pelo direito de exploração das recém-descobertas jazidas de ouro, na região das Minas Gerais, no Brasil. O conflito contrapôs, de um lado, os desbravadores vicentinos, grupo formado pelos bandeirantes paulistas, que haviam descoberto a região das minas e que por esta razão reclamavam a exclusividade de explorá-las; e de outro lado um grupo heterogêneo composto de portugueses e imigrantes das demais partes do Brasil, sobretudo da Bahia, liderados por Manoel Nunes Viana – pejorativamente apelidados de “emboabas” pelos vicentinos –, todos atraídos à região pela febre do ouro. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Bandeirantes (paulistas) X </li></ul><ul><li>Queriam ter mais direito sobre o ouro das minas, pois foram os descobridores do lugar. </li></ul><ul><li>Emboabas </li></ul><ul><li>Pessoas que migraram de outras regiões em busca do ouro. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>  O conflito terminou em 1709, pois sem os privilégios desejados e sem forças para guerrear, os paulistas retiraram-se da região.. Muitos deles foram para o oeste, onde mais tarde descobriram novas jazidas de ouro, na região dos atuais estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás </li></ul>
  7. 7. Urbanização em Minas Gerais e a vida nas cidades <ul><li>Com a descoberta do ouro, veio urbanização no estado de Minas Gerais, devido à grande população. Nas regiões auríferas, várias cidades cresceram e muitas surgiram neste período. A vida nas cidades dinamizou-se, fazendo surgir novas profissões e aumentando as atividades comerciais, sociais e de trabalho. Teatros, escolas, igrejas e órgãos públicos foram criados nestas cidades. Vila Rica (atual Ouro Preto), Mariana, Tiradentes e São João Del Rei foram algumas das cidades que mais se desenvolveram nesta época. </li></ul>
  8. 8. O trabalho nas minas <ul><li>Havia duas formas de extração aurífera: a lavra e a faiscação. </li></ul><ul><li>Faiscação: Nome do lugar onde havia ouro de lavagem, ou seja, um minerador que não tinha muitos recursos financeiros e escravos usavam peneiras chamadas ''batéias'' para encontrar ouro em grãos no fundo ou margem dos rios. </li></ul><ul><li>Lavras: Eram veios de rochas ou morros onde o ouro era mais abundante e para explorá-los era necessário muito capital, equipamentos e entre 50 e 100 escravos. Os terrenos das lavras eram distribuídos pela coroa a proprietários particulares, de acordo com o numero de escravos que cada um possuísse. </li></ul>
  9. 9.   Contexto econômico para o Brasil e para Portugal <ul><li>A coroa portuguesa lucrava com a cobrança de taxas e impostos. Quem encontrava ouro na colônia deveria pagar o quinto. Este imposto era cobrado nas Casas de Fundição (órgão do governo português), que derretia o ouro, transformava-o em barras (com o selo da coroa portuguesa) e retirava 20% (um quinto) para ser enviado para Portugal. Este era o procedimento legal e exigido pela coroa portuguesa, porém, muitos sonegavam mesmo correndo riscos de prisão ou outras punições mais sérias como, por exemplo, o degredo. </li></ul><ul><li>No entanto, com o progressivo desaparecimento das regiões auríferas, os colonos tinham grandes dificuldades em cumprir a exigência estabelecida . </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Portugal, inconformado com a diminuição dos lucros, resolveu empreender um novo imposto: a derrama. Sua cobrança serviria para complementar os valores das dívidas que os mineradores acumulavam junto à Coroa. Sua arrecadação era feita pelo confisco de bens e propriedades que pudessem ser de interesse da Coroa.  </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Esse imposto era extremamente impopular, pois muitos colonos consideravam sua prática extremamente abusiva. Com isso um grupo de garimpeiros, resolveu se unir e protestar contra a Coroa Portuguesa. Assim que Portugual ficou sabendo desse protesto, mandou suspender a cobrança dos impostos, e mandou prender todos os líderes da rebelião, e como os líderes eram na sua maioria, pessoas ricas e soldados, ou seja pessoas importantes para a sociedade, só foi condenado Tiradentes, que era o único representante dos mais pobres. E com isso ele foi preso, com pena de morte. </li></ul>

×