João cabral de melo neto

324 visualizações

Publicada em

João Cabral de Melo Neto

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
324
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

João cabral de melo neto

  1. 1. João Cabral de Melo Neto 3.ª GERAÇÃO DO MODERNISMO NO BRASIL rafabebum.blogspot.com
  2. 2. rafabebum.blogspot.com
  3. 3. rafabebum.blogspot.com – dois afluentes poéticos: poesia-construção (preocupação com a forma) e poesia-participação (preocupação social) Esta folha branca me proscreve o sonho, me incita ao verso nítido e preciso.
  4. 4. rafabebum.blogspot.com Não a forma encontrada como uma concha, perdida nos frouxos areais como cabelos; não a forma obtida em lance santo ou raro, tiro nas lebres de vidro do invisível; mas a forma atingida como a ponta do novelo que a atenção, lenta, desenrola, aranha; como o mais extremo desse fio frágil, que se rompe ao peso, sempre, das mãos enormes.
  5. 5. rafabebum.blogspot.com – João Cabral: o poeta-engenheiro – linguagem seca, agressiva – pratica o antilirismo Um galo sozinho não tece uma manhã: ele precisará sempre de outros galos. De um que apanhe esse grito que ele e o lance a outro; de um outro galo que apanhe o grito de um galo antes e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzem os fios de sol de seus gritos de galo, para que a manhã, desde uma teia tênue, se vá tecendo, entre todos os galos.
  6. 6. rafabebum.blogspot.com E se encorpando em tela, entre todos, se erguendo tenda, onde entrem todos, se entretendendo para todos, no toldo (a manhã) que plana livre de armação. A manhã, toldo de um tecido tão aéreo que, tecido, se eleva por si: luz balão. – obra: O Engenheiro, Psicologia da Composição, O Cão sem Plumas, O Rio, A Educação Pela Pedra
  7. 7. rafabebum.blogspot.com Uma educação pela pedra: por lições; Para aprender da pedra, frequentá-la; Captar sua voz inenfática, impessoal (pela de dicção ela começa as aulas). A lição de moral, sua resistência fria Ao que flui e a fluir, a ser maleada; A de poética, sua carnadura concreta; A de economia, seu adensar-se compacta: Lições da pedra (de fora para dentro, Cartilha muda), para quem soletrá-la. Outra educação pela pedra: no Sertão (de dentro para fora, e pré-didática). No Sertão a pedra não sabe lecionar, E se lecionasse, não ensinaria nada; Lá não se aprende a pedra: lá a pedra, Uma pedra de nascença, entranha a alma.
  8. 8. rafabebum.blogspot.com – duas imagens: a pedra (referência à poesia compacta e à aridez do sertão do NE) o rio (anseio do sertanejo nordestino)
  9. 9. rafabebum.blogspot.com
  10. 10. rafabebum.blogspot.com Morte e Vida Severina, auto de natal pernambucano sertão → agreste → zona da mata → litoral Trajetória do Severino: rio Capibaribe
  11. 11. rafabebum.blogspot.com Gil Vicente Autos: – medida velha: versos redondilhos – alegorias (representações)
  12. 12. rafabebum.blogspot.com O meu nome é Severino, não tenho outro de pia. (...) Mas isso ainda diz pouco: há muitos na freguesia (...) Severino: alegoria do sertanejo E se somos Severinos iguais em tudo na vida, morremos de morte igual, mesma morte severina: que é a morte que se morre de velhice antes dos trinta, de emboscada antes dos vinte, de fome um pouco por dia (...) Severina: adjetivo neológico
  13. 13. rafabebum.blogspot.com Morte e Vida Severina, auto de natal pernambucano sertão → agreste → zona da mata → litoral Trajetória do Severino: rio Capibaribe
  14. 14. rafabebum.blogspot.com Agreste: dois funerais (dois Severinos) — A quem estais carregando, irmãos das almas, embrulhado nessa rede? dizei que eu saiba. (...) — Severino Lavrador, irmão das almas, Severino Lavrador, mas já não lavra. uma carpideira
  15. 15. rafabebum.blogspot.com uma carpideira (morte)
  16. 16. rafabebum.blogspot.com Zona da mata: funeral de um lavrador — Essa cova em que estás, com palmos medida, é a cota menor que tiraste em vida. — é de bom tamanho, nem largo nem fundo, é a parte que te cabe neste latifúndio. — Não é cova grande. é cova medida, é a terra que querias ver dividida. (morte)
  17. 17. rafabebum.blogspot.com Litoral: dois coveiros carpinteiro José — Seu José, mestre carpina, que diferença faria se em vez de continuar tomasse a melhor saída: a de saltar, numa noite, fora da ponte e da vida? nascimento de um menino vizinhos com presentes (morte) Estais aí conversando em vossa prosa entretida: não sabeis que vosso filho saltou para dentro da vida? (vida)
  18. 18. rafabebum.blogspot.com Morte e Vida Severina, auto de natal pernambucano alegoria — Severino retirante, deixe agora que lhe diga: eu não sei bem a resposta da pergunta que fazia, se não vale mais saltar fora da ponte e da vida; nem conheço essa resposta, se quer mesmo que lhe diga; é difícil defender, só com palavras, a vida, ainda mais quando ela é esta que vê, severina; mas se responder não pude à pergunta que fazia, ela, a vida, a respondeu com sua presença viva.
  19. 19. rafabebum.blogspot.com E não há melhor resposta que o espetáculo da vida: vê-la desfiar seu fio, que também se chama vida, ver a fábrica que ela mesma, teimosamente, se fabrica, vê-la brotar como há pouco em nova vida explodida; mesmo quando é assim pequena a explosão, como a ocorrida; mesmo quando é uma explosão como a de há pouco, franzina; mesmo quando é a explosão de uma vida severina.

×