Poesia no brasil

622 visualizações

Publicada em

Romantismo no Brasil, poesia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
340
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poesia no brasil

  1. 1. oi rafabebum.blogspot.com
  2. 2. − 3 gerações na poesia rafabebum.blogspot.com Suspiros Poéticos e Saudades, de Gonçalves de Magalhães
  3. 3. rafabebum.blogspot.com (Nacionalista, Indianista) Gonçalves Dias − poesia lírica: Primeiros Cantos, Segundos Cantos, Últimos Cantos − poesia épica: Os Timbiras (perdida em parte)
  4. 4. − temas: amor cortês rafabebum.blogspot.com Enfim te vejo! - enfim posso, Curvado a teus pés, dizer-te, Que não cessei de querer-te, Pesar de quanto sofri. Muito penei! Cruas ânsias, Dos teus olhos afastado, Houveram-me acabrunhado A não lembrar-me de ti!
  5. 5. rafabebum.blogspot.com São uns olhos verdes, verdes, Uns olhos de verde-mar, Quando o tempo vai bonança; Uns olhos cor de esperança Uns olhos por que morri; Que, ai de mi! Nem já sei qual fiquei sendo Depois que os vi! Eu amo seus olhos tão negros, tão puros, de vivo fulgor; seus olhos que exprimem tão doce harmonia, que falam de amores com tanta poesia, com tanto pudor. Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, assim é que são; eu amo esses olhos que falam de amores com tanta paixão.
  6. 6. − temas: amor cortês, saudosismo, índio rafabebum.blogspot.com Pindorama = terra de palmeiras
  7. 7. − temas: amor cortês, saudosismo, índio − ritmo expressivo rafabebum.blogspot.com “I-Juca Pirama” = o que é digno de morrer Tu choraste em presença da morte? Na presença de estranhos choraste? Não descende o cobarde do forte; Pois choraste, meu filho não és!
  8. 8. rafabebum.blogspot.com − às vezes, mantém o equilíbrio clássico
  9. 9. rafabebum.blogspot.com Como duas esmeraldas, Iguais na forma e na cor, Têm luz mais branda e mais forte. Diz uma - vida, outra - morte; Uma - loucura, outra - amor. Mas, ai de mi! Nem já sei qual fiquei sendo Depois que os vi! São verdes da cor do prado, Exprimem qualquer paixão, Tão facilmente se inflamam, Tão meigamente derramam Fogo e luz do coração; Mas, ai de mi! Nem já sei qual fiquei sendo Depois que os vi! São uns olhos verdes, verdes, Que pode também brilhar; Não são de um verde embaçado, Mas verdes da cor do padro, Mas verdes da cor do mar. Mas, ai de mi! Nem já sei qual fiquei sendo Depois que os vi! Como se lê num espelho Pude ler nos olhos seus! Os olhos mostram a alma, Que as ondas postas em calma Também refletem os céus; Mas, ai de mi! Nem já sei qual fiquei sendo Depois que os vi! Dizei vós, ó meus amigos Se vos perguntam por mi, Que eu vivo só da lembrança De uns olhos da cor da esperança, De uns olhos verdes que vi! Que, ai de mi! Nem já sei qual fiquei sendo Depois que os vi! Dizei vós: Triste do bardo! Deixou-se de amor finar! Viu uns olhos verdes, verdes, Uns olhos da cor do mar; Eram verdes sem esp’rança, Davam amor sem amar! Dizei-o vós, meus amigos, Que, ai de mi! Não pertenço mais à vida Depois que os vi!
  10. 10. rafabebum.blogspot.com oi
  11. 11. rafabebum.blogspot.com (Pessimista, Mal-do-Século, Ultrarromântica, Egocêntrica, Byroniana, Spleen) Lord Byron melancolia
  12. 12. rafabebum.blogspot.com a) Álvares de Azevedo Lira dos Vinte Anos (poesia lírica) − tematiza o amor e o erotismo fantasiosos Oh! quantas vezes, ideal mimoso, Não encheste minh'alma de ventura, Quando louco, sedento e arquejante Meus tristes lábios imprimi ardentes No poento vidro que te guarda o sono!
  13. 13. rafabebum.blogspot.com − às vezes, satanismo e ironia No inferno estão suavíssimas belezas, Cleópatras, Helenas, Eleonoras; Lá se namora em boa companhia, Não pode haver inferno com Senhoras! Se é verdade que os homens gozadores, Amigos de no vinho ter consolos, Foram com Satanás fazer colônia, Antes lá que no Céu sofrer os tolos!
  14. 14. rafabebum.blogspot.com − prenúncios de morte − tom de dor, desalento, desencanto Jazigo de Álvares de Azevedo, Cemitério São João Batista, Rio de Janeiro
  15. 15. rafabebum.blogspot.com Busto do poeta no Largo do São Francisco Jazigo de Álvares de Azevedo
  16. 16. rafabebum.blogspot.com b) Casimiro de Abreu − tematiza a saudade e o amor (virginal) c) Fagundes Varela − “Cântico do Calvário”: poema ao filho falecido
  17. 17. rafabebum.blogspot.com oi
  18. 18. rafabebum.blogspot.com (Condoreira, Hugoana ou Social) − poesia que eleva os ânimos − presença de aves de grande porte e alto voo (condor, águia, albatroz) condor dos Andes − imagens grandiosas
  19. 19. rafabebum.blogspot.com (Condoreira, Hugoana ou Social) Vítor Hugo LesMisérables
  20. 20. rafabebum.blogspot.com Castro Alves − vida amorosa intensa − liderou movimentos abolicionistas Município de Castro Alves-BA, já se chamou Curralinho
  21. 21. rafabebum.blogspot.com Espumas Flutuantes (poesia lírica) − expressa a consciência do fim da vida − tematiza o amor carnal (e concreto) Oh! eu quero viver, beber perfumes Na flor silvestre, que embalsama os ares; Ver minh'alma adejar pelo infinito, Qual branca vela n'amplidão dos mares. No seio da mulher há tanto aroma... Nos seus beijos de fogo há tanta vida... — Árabe errante, vou dormir à tarde A sombra fresca da palmeira erguida. Mas uma voz responde-me sombria: Terás o sono sob a lájea fria. Castro Alves aos 20 anos
  22. 22. rafabebum.blogspot.com Morrer... quando este mundo é um paraíso, E a alma um cisne de douradas plumas: Não! o seio da amante é um lago virgem... Quero boiar à tona das espumas. Vem! formosa mulher — camélia pálida, Que banharam de pranto as alvoradas, Minh'alma é a borboleta, que espaneja O pó das asas lúcidas, douradas ... − reproduz imagens da natureza
  23. 23. rafabebum.blogspot.com Os Escravos (poesia social) − tema: Liberdade A praça! A praça é do povo Como o céu é do condor É o antro onde a liberdade Cria águias em seu calor. Senhor!... pois quereis a praça? Desgraçada a populaça Só tem a rua de seu... Ninguém vos rouba os castelos Tendes palácios tão belos... Deixai a terra ao Anteu. Praça Castro Alves, Salvador-BA
  24. 24. rafabebum.blogspot.com − linguagem grandiloquente − figuras de linguagem − antíteses Não! Não eram dous povos os que abalavam Naquele instante o solo ensangüentado... Era o porvir - em frente do passado, A liberdade - em frente à escravidão. Era a luta das águias - e do abutre, A revolta do pulso - contra os ferros, O pugilato da razão - com os erros, O duelo da treva - e do clarão! ... (“Ode ao Dous de Julho”)
  25. 25. rafabebum.blogspot.com − linguagem grandiloquente − figuras de linguagem − antíteses − hipérboles Deus! ó Deus! onde estás que não respondes? Em que mundo, em qu'estrela tu t'escondes Embuçado nos céus? Há dois mil anos te mandei meu grito, Que embalde desde então corre o infinito... Onde estás, Senhor Deus?... (“Vozes d’África”) − apóstrofes (vocativos)
  26. 26. rafabebum.blogspot.com − linguagem grandiloquente − figuras de linguagem − antíteses − hipérboles − apóstrofes − metáforas 'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço Brinca o luar — dourada borboleta; E as vagas após ele correm... cansam Como turba de infantes inquieta. 'Stamos em pleno mar... Do firmamento Os astros saltam como espumas de ouro... O mar em troca acende as ardentias, — Constelações do líquido tesouro...
  27. 27. rafabebum.blogspot.com 'Stamos em pleno mar... Dois infinitos Ali se estreitam num abraço insano, Azuis, dourados, plácidos, sublimes... Qual dos dous é o céu? qual o oceano?... III Desce do espaço imenso, ó águia do oceano! Desce mais ... inda mais... não pode olhar humano Como o teu mergulhar no brigue voador! Mas que vejo eu aí... Que quadro d'amarguras! É canto funeral! ... Que tétricas figuras! ... Que cena infame e vil... Meu Deus! Meu Deus! Que horror!
  28. 28. rafabebum.blogspot.com Quem são estes desgraçados Que não encontram em vós Mais que o rir calmo da turba Que excita a fúria do algoz? Quem são? Se a estrela se cala, Se a vaga à pressa resvala Como um cúmplice fugaz, Perante a noite confusa... Dize-o tu, severa Musa, Musa libérrima, audaz!... São os filhos do deserto, Onde a terra esposa a luz. Onde vive em campo aberto A tribo dos homens nus... São os guerreiros ousados Que com os tigres mosqueados Combatem na solidão. Ontem simples, fortes, bravos. Hoje míseros escravos, Sem luz, sem ar, sem razão. . .
  29. 29. rafabebum.blogspot.com Existe um povo que a bandeira empresta P'ra cobrir tanta infâmia e cobardia!... E deixa-a transformar-se nessa festa Em manto impuro de bacante fria!... Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira é esta, Que impudente na gávea tripudia? Silêncio. Musa... chora, e chora tanto Que o pavilhão se lave no teu pranto! ... Auriverde pendão de minha terra, Que a brisa do Brasil beija e balança, Estandarte que a luz do sol encerra E as promessas divinas da esperança... Tu que, da liberdade após a guerra, Foste hasteado dos heróis na lança Antes te houvessem roto na batalha, Que servires a um povo de mortalha!... Fatalidade atroz que a mente esmaga! Extingue nesta hora o brigue imundo O trilho que Colombo abriu nas vagas, Como um íris no pélago profundo! Mas é infâmia demais! ... Da etérea plaga Levantai-vos, heróis do Novo Mundo! Andrada! arranca esse pendão dos ares! Colombo! fecha a porta dos teus mares!
  30. 30. rafabebum.blogspot.com Eu sinto em mim o borbulhar do gênio, Vejo além um futuro radiante: Avante! — brada-me o talento n'alma E o eco ao longe me repete — avante! — O futuro... o futuro... no seu seio... Entre louros e bênçãos dorme a glória! Após — um nome do universo n’alma, Um nome escrito no Panteon da história. E a mesma voz repete funerária: Teu Panteon — a pedra mortuária! Morrer — é ver extinto dentre as névoas O fanal, que nos guia na tormenta: Condenado — escutar dobres de sino, — Voz da morte, que a morte lhe lamenta — Ai! morrer — é trocar astros por círios, Leito macio por esquife imundo, Trocar os beijos da mulher — no visco Da larva errante no sepulcro fundo, Ver tudo findo... só na lousa um nome, Que o viandante a perpassar consome. E eu sei que vou morrer... dentro em meu peito Um mal terrível me devora a vida: Triste Ahasverus, que no fim da estrada, Só tem Por braços uma cruz erguida. Sou o cipreste, qu'inda mesmo florido, Sombra de morte no ramal encerra! Vivo — que vaga sobre o chão da morte, Morto — entre os vivos a vagar na terra. no Campo Santo
  31. 31. rafabebum.blogspot.com Boa noite, Maria! Eu vou-me embora. A lua nas janelas bate em cheio... Boa noite, Maria! É tarde... é tarde... Não me apertes assim contra teu seio. Boa noite!... E tu dizes – Boa noite. Mas não digas assim por entre beijos... Mas não me digas descobrindo o peito, – Mar de amor onde vagam meus desejos.

×