A reforma protestante

15.566 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.566
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13.498
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
85
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A reforma protestante

  1. 1. A REFORMA PROTESTANTE Profª Marcela 7º ano
  2. 2. INTRODUÇÃO  A propagação das ideias humanistas provocou crises na relação dos fiéis com a Igreja católica. Vários dogmas religiosos foram contestados e críticas foram feitas à riqueza e à corrupção do clero.  Em toda a Europa, líderes religiosos pregavam novas ideias e exigiam a reforma da Igreja.
  3. 3. A IGREJA CONTESTADA  SÉCULO XIV – John Wycliffe: - criticou a riqueza acumulada pela Igreja; - questionou autoridade do papa; - defendeu publicamente uma revolta camponesa.  SÉCULO XV – Jan Huss: - defendeu que intermediários entre humanos e Deus era dispensável; - lutou pela realização de cultos religiosos em línguas nacionais - criticou ferozmente a venda de indulgências e do envolvimento do papa em questões religiosas.
  4. 4. PERDÃO À VENDA Uma das maiores críticas a Igreja referia-se a venda de indulgências. A indulgência era o perdão dos pecados. Geralmente o fiel recebia do padre depois de se confessar e cumprir uma penitência. Porém, para terminar a basílica de São Pedro, o papa Leão X determinou que a concessão de indulgência fosse condicionada em uma doação de dinheiro à Igreja. Essa atitude provocou uma onda de indignação e protestos.
  5. 5. A REFORMA LUTERANA  Martinho Lutero (1483-1546) foi um monge católico agostiniano e professor de teologia germânico.  Apenas a fé poderia garantir o perdão divino. “o justo se salvará pela fé”  Atacou a ideia de que a Igreja poderia conceder salvação aos fiéis.  Opôs-se a venda de indulgências.
  6. 6.  Em 1517, Lutero pregou na porta da Igreja de Wittenberg 95 teses. VEJAMOS ALGUMAS DESSAS TESES: 36 Qualquer cristão verdadeiramente arrependido tem direito à remissão pela de pena e culpa, mesmo sem carta de indulgência. 45 Deve-se ensinar aos cristãos que quem vê um carente e o negligencia para gastar com indulgências obtém para si não as indulgências do papa, mas a ira de Deus. 47 Deve-se ensinar aos cristãos que a compra de indulgências é livre e não constitui obrigação.
  7. 7. AS PREGAÇÕES DE JOÃO CALVINO  João Calvino (1509-1564) foi um teólogo cristão francês.  Defendia que somente através da leitura da Bíblia os fiéis poderiam conhecer a palavra divina e que a relação do ser humano com Deus não necessitava da intermediação de um padre.  Pregava que as pessoas já nasciam predestinadas ao céu ou ao inferno. Assim nenhuma ação humana poderia mudar a decisão divina.
  8. 8.  Os seguidores de Calvino preocuparam-se em identificar algum sinal de que estavam predestinados a salvação. Como o trabalho árduo e a vida regrada e sem ostentação dos calvinistas favoreciam o enriquecimento, logo o sucesso material passou a ser visto como sinal de salvação.
  9. 9. A REFORMA NA INGLATERRA: HENRIQUE VIII  Henrique VIII (1509-1547) solicitou a anulação de seu casamento com Catarina de Aragão, alegando a necessidade de gerar um herdeiro para o trono  Diante da recusa do papa, o rei decidiu romper com a Igreja de Roma.  Henrique VIII então divorciou-se de se casou com Ana Bolena. A nova Igreja foi chamada de anglicana.
  10. 10. QUADRO COMPARATIVO
  11. 11. DIVISÃO RELIGIOSA DA EUROPA
  12. 12.  Informações retiradas do livro

×